Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a)"

Transcrição

1 Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a) Emitido pelo Comitê de Nomeação de Moderador(a) Março de 2014 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

2 Comitê de Nomeação de Moderador (a) Processo para Escolha do (a) Próximo (a) Moderador (a) das Igrejas da Comunidade Metropolitana Índice Analítico Introdução Funções do Comitê de Nomeação de Moderador (a)... 1 A confidencialidade... 1 Alguns fatos externos... 2 Os princípios orientadores... 2 Funções e Responsabilidades Comitê de Nomeação do Moderador (a)... 3 Representante da Junta de Governo... 4 Diagrama de Avanço do Processo de escolha do Moderador (a)... 5 Calendário do Processo de Escolha e dos Resultados Esperados... 6 Fases e Passos do Processo de Escolha Fase 1: Escutar Passo 1: Solicitar Ideias/Opiniões sobre o Processo de Escolha a todos os Congregantes da ICM ao redor do mundo... 7 Passo 2: Avaliar as Ideias/Opiniões dos Congregantes para Divulgar os Critérios de Escolha e Seleção... 7 Fase 2: Buscar Passo 3: Recrutar Candidatos (as) Qualificados (as) para o Cargo de Moderador (a) 3.1 Desenvolver os Critérios de Escolha e Seleção do Moderador (a) Desenvolver a Chamada para Nomeações e a lista de Documentos Requeridos Identificar Candidatos (as) Indicados (as) Revisar e Avaliar Candidatos Entrevistar os (as) Finalistas e Determinar os (as) Candidatos (as) a Moderador (a) Fase 3: Discernir Passo 4: Anunciar os (as) Candidatos (as) a Moderador (a) a todas as ICM s Passo 5: Apresentar os (as) Candidatos (as) a Moderador (a) a todas as ICM s Passo 6: Apresentar os (as) candidatos (as) a Moderador (a) a Conferência Geral Principais Objetivos e Atividades do Processo de Escolha Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM i Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

3 Introdução As funções do Comitê de Nomeação de Moderador (a) (CNM) estão resumidas nos Estatutos da ICM e na Carta do CNM da Junta de Governo da ICM, como segue: Segundo se establece nos Estatutos de ICM, Artigo V.E.2.a: A Junta de Governo nomeará um Comitê de Nomeação de Moderador (a) de três (3) pessoas. A responsabilidade do Comitê de Nomeação de Moderador (a) é solicitar ativamente candidatos para o cargo [de Moderador (a)], revisar todas e cada uma das solicitações e eleger até cinco (5) candidatos (as) qualificados (as) A Junta de Governo apresentara os (as) candidatos (as) qualificados (as) à Conferência Geral para a eleição. Segundo se estabelece na Carta do CNM da Junta de Governo da ICM: Os três membros do CNM são nomeados pela Junta de Governo Dos membros suplentes serão também nomeados pela Junta de Governo para estarem disponíveis em caso de alguma vaga no CNM. Os membros suplentes participam dos processos e decisões do CNM com voz, mas sem voto O período para os membros do CNM será desde o momento da sua nomeação até a eleição bem sucedida de um (a) Moderador (a) pela Conferência Geral O propósito do Comitê de Nomeação de Moderador (a) é eleger até cinco (5) candidatos (as) qualificados (as) para serem apresentados pela Junta de Governo à Conferência Geral para a eleição do cargo de Moderador (a) O CNM desenvolvera e implantara um processo para solicitar, recrutar, revisar e avaliar os (as) candidatos (as) inscritos (as) para o posto de Moderador (a) O CNM determinará as habilidades e critérios para a seleção de candidatos (as) inscritos (as) O CNM estabelecera um canal de consulta com o Conselho de bispos para receber suas recomendações e percepções como pastores e lideres espirituais da ICM O CNM facilitara oportunidades para que todos os membros possam dar contribuições e feedback sobre o processo O CNM manterá a transparência apropriada do processo e a confidencialidade do seu conteúdo A confidencialidade é um fator muito importante no processo de escolha. É essencial que cada membro do CNM mantenha com extrema confidencialidade toda informação que recebera no curso de seu serviço. Em particular, os seguintes detalhes não poderão ser divulgados a nenhuma pessoa externa do CNM: A identidade de algum (a) candidato (a) que busca sua nomeação O número de candidatos (as) que estão sendo considerados (as) para a nomeação do cargo de Moderador (a) Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 1 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

4 Qualquer informação pessoal dos (as) solicitantes que esta protegida pelos acordos e leis de confidencialidade e/ou segurança da informação A identidade e qualquer informação proporcionada pelas referências dos (as) solicitantes As deliberações do CNM Os resultados de qualquer votação do CNM Por não se manter esta confidencialidade, poderá evidenciar os (as) candidatos (as) inscritos (as) e danificar a integridade do processo de pesquisa. Por outro lado, a fim de manter a transparência do processo de pesquisa, toda comunicação será feita pelo (a) Presidente (a) do CNM ou pela pessoa designada pelo (a) Presidente (a) para executar esta função em específico Alguns fatos externos que influenciam no processo de pesquisa do (da) seguinte Moderador (a) da ICM são os seguintes: O contexto do processo de escolha de Moderador (a) é cultura única das Igrejas da Comunidade Metropolitana (ICM). ICM é uma igreja; ICM é um movimento; ICM é uma denominação; ICM é uma comunidade. Cada uma destas facetas da forma a nossa cultura organizacional e nos diferencia de outros tipos de organizações em nossa sociedade. Uma norma importante para o processo de escolha é o modelo de governo representativo da ICM. Com uma forma de governo eclesial congregacional/representativo, tanto nos processos de governo a nível congregacional local, como a nível denominacional, são altamente participativos. O CNM faz as nomeações para o cargo de Moderador (a), e elege até cinco candidatos (as) qualificados (as). Posteriormente, a Conferência Geral elege o (a) novo (a) Moderador (a) baseado nas nomeações do CNM. A estrutura organizacional da ICM informa sobre o processo de escolha. O (a) Moderador (a) é o "Diretor Executivo" da denominação, assim como seu pastor e líder espiritual. O (a) Moderador (a) é também o (a) chefe das pessoas que trabalham na ICM. Inclusive, os (as) bispos (as) são nomeados pelo (a) Moderador (a) e confirmados pela Conferência Geral. A participação dos congregantes da ICM ao redor do mundo no processo de busca é crucial. Os congregantes da ICM estão conectados além de suas congregações locais. De diversas formas, tanto formal como informalmente. Estas redes sociais trazem oportunidades muito valiosas para envolver todos os níveis da ICM no processo de escolha anterior a Conferência Geral. Os princípios orientadores que dirigem o processo do CNM para escolher candidatos a Moderador (a) são: Clareza no processo de escolha, assim como os papéis e responsabilidades no processo, é essencial para uma transição bem sucedida de Moderador (a). Foram estabelecidas fases e passos claros para o processo de escolha, os quais serão comunicados Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 2 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

5 desde o princípio do processo de pesquisa, assim como através de todo o processo de pesquisa de forma contínua. Redes sociais formais e informais de todos os níveis da ICM têm voz no processo de pesquisa. Várias opções são necessárias para receber ideias/comentários da parte dos congregantes da ICM ao redor do mundo (especialmente dos líderes leigos e clérigos). Uma característica de um processo bem sucedido são os números de setores incluídos no processo de escolha e o número de congregantes que estão participando do processo. Para alcançar isto, são oferecidas múltiplas opções e mecanismos de participação. Quanto maior a participação dos congregantes da ICM ao redor do mundo, maior será a aprovação do resultado final. Conseguir encontrar o nosso (a) próximo (a) Moderador (a) pode ser o maior desafio que a ICM já enfrentou nos últimos anos, e o resultado da escolha do CNM impactará a nossa denominação nos anos seguintes. E localizar candidatos (as) adequados (as) /apropriados (as) é somente um dos muitos aspectos do processo de escolha. E saber quem somos como denominação e os critérios para determinar quem seria ele (a) melhor líder da ICM são componentes críticos da escolha dele ou dela, próximo (a) Moderador (a) de nossa denominação. A transparência do processo de escolha deve manter se todo o tempo, enquanto permanecer a aliança do pacto de confidencialidade. Os meios de transparências e os alcances da confidencialidade serão amplamente relatados no início do processo de escolha, assim como através de todo o processo de escolha, de maneira continua. No geral, este documento apresenta em detalhes: Os papéis e responsabilidades do Comitê de Nomeação de Moderador (a) e o Representante da Junta de Governo O calendário do processo de escolha e os resultados esperados As fases e os passos do processo de escolha Os objetivos e atividades do processo de escolha Funções e Responsabilidades O papel do Comitê de Nomeação do Moderador (a) (CNM) é facilitar o processo geral para solicitar, recrutar, revisar, avaliar e nomear candidatos (as) qualificados (as) para Moderador (a) aos delegados da XXVI Conferência Geral para eleição em julho de As responsabilidades do CNM são as seguintes: Ater se aos Estatutos da FUICM, Artículo V.E.2.a e a Carta do CNM da Comissão do Governo. Adotar um acordo de como trabalhará juntos dos membros ligados (as) ao CNM Desenvolver um processo de escolha do Moderador (a) e um calendário para alcançar o propósito e resultados esperados do CNM Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 3 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

6 Enviar a Junta de Governo o calendário e processo de escolha do Moderador (a) para sua revisão e aprovação Coordenar as atividades requeridas para manter o calendário e processo de escolha do Moderador (a) em curso Dar informações periodicamente a Junta de Governo a respeito do avanço no calendário do processo de escolha e as realizações dos objetivos Consultar com o Representante da Junta de Governo durante todo o processo de escolha, conforme necessário Negociar/aprovar todas as adições ou modificações do calendário e processo de escolha, com prévia consulta do Representante da Junta de Governo Adaptar e programar um plano para envolver os congregantes da ICM ao redor do mundo no processo de escolha e comunicar este plano aos congregantes da ICM ao redor do mundo Comunicar o processo de escolha e calendário aos congregantes da ICM ao redor do mundo Realização de uma lista detalhada da ICM, que se utilizará para informar os critérios de escolha e seleção do Moderador (a) Buscar possíveis candidatos (as) que cumpram com o critério de escolha estabelecido pelo CNM Determinar as regras para os funcionários da ICM ou membros da Junta de Governo que desejam candidatar se para o cargo de Moderador (a) (o CNM trabalhará com o Representante da Junta de Governo neste assunto) Revisar, entrevistar e avaliar os solicitantes usando os critérios de seleção estabelecidos pelo CNM para determinar aos candidatos (as) idôneos (as) para Moderador (a) Apresentar até cinco (5) candidatos (as) qualificados (as) aos delegados da Conferência Geral para sua votação, incluindo documentos suficientes de apoio que ajude a estes (as) delegados (as) a tomar decisões informadas e independentes como também mostrar a idoneidade dos (as) candidatos (as) a Moderador (a) O papel do Representante da Junta de Governo com o CNM é promover um guia de e apoio no processo geral de escolha do (a) seguinte Moderador (a) da ICM. As responsabilidades principais do Representante da Junta de Governo são consultar com o CNM durante o processo de escolha do Moderador (a) e coordenar a comunicação entre o CNM e a Junta de Governo a respeito do avanço do calendário do processo de escolha e o resultado dos objetivos. Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 4 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

7 Diagrama de Avanço do Processo de escolha do Moderador (a) Conseguir encontrar o nosso (a) próximo (a) Moderador (a) pode ser o maior desafio que a ICM já tenha enfrentado nos últimos anos, e o resultado da escolha do CNM impactará a nossa denominação nos anos seguintes. Poder localizar candidatos (as) idôneos (as)/apropriados (as) é somente um dos muitos aspectos do processo de escolha. O saber quem somos como denominação e os critérios para determinar quem será ele (a) melhor líder da ICM são componentes críticos da escolha dele (a) próximo (a) Moderador (a) da nossa denominação. Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 5 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

8 Calendário do Processo de Escolha e dos Resultados Esperados Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 6 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

9 Fases e Passos do Processo de Escolha Fase 1: Escutar Passo 1: Solicitar Ideias/Opiniões sobre o Processo de Escolha a todos os Congregantes da ICM ao redor do mundo 1.1 Criar um projeto de comunicação para solicitar ideias e opiniões sobre o processo de escolha de tantos candidatos possíveis de congregantes da ICM 1.2 Obter as ideias e opiniões sobre o processo de escolha do Moderador (a) de congregantes da ICM ao redor do mundo, usando os meios apropriados para as "sessões de escuta" de acordo com projeto de comunicação 1.3 Executar sessões informativas online conforme necessário e de acordo com projeto de comunicação (as datas das sessões online serão anunciadas com pelo menos 30 dias de antecedência) 1.4 Incentivar conversas nas diferentes reuniões das Redes de ICM e convidar seus lideres para que enviem comentários, sugestões e/ou perguntas a CNM 1.5 Estabelecer um canal de comunicação dirigido especialmente aos delegados laicos e clérigos da ICM para encaminhar ao CNM qualquer comentário, sugestão e/ou pergunta que puderem ter a respeito do processo de escolha do Moderador (a) via e mail ou através de web site 1.6 Estender um convite aberto a todos (as) os (as) congregantes da ICM ao redor do mundo para encaminhar ao CNM qualquer comentário, sugestão e/ou pergunta que puderem ter a respeito do processo de escolha do Moderador (a) via e mail ou através de web site Passo 2: Avaliar as Ideias/Opiniões dos Congregantes para Divulgar os Critérios de Escolha e Seleção 2.1 Com o apoio de um ascensor, desenvolver uma votação que será enviada aos congregantes da ICM ao redor do mundo 2.2 Analisar os resultados da votação da ICM e revisá los com os congregantes da ICM ao redor do mundo 2.3 Obter e/ou escrever resumos dos seguintes componentes da votação da ICM que serão dados eventualmente aos candidatos (as) indicados (as) como parte da solicitação do processo do Convite de Nomeação (pode requerer apoio do Representante da Junta de Governo e do Diretor de Operações): a. Demografía Denominacional b. Perfil Global da ICM c. Missão, Visão e Valores d. Critérios de Escolha e Seleção do Moderador (a) Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 7 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

10 2.4 Dar informações periódicas aos congregantes da ICM ao redor do mundo e da Junta de Governo a respeito da evolução do calendário do processo de escolha e o resultado dos objetivos Fase 2: Buscar Passo 3: Recrutar Candidatos (as) Qualificados (as) para o Cargo de Moderador (a) 3.1 Desenvolver os Critérios de Escolha e Seleção do Moderador (a) Baseado nas ideias/sugestões obtidas e analisadas nos passos, desenvolver os critérios de escolha do Moderador (a) que incluam as habilidades e características desejadas no (as) candidatos (as) a Moderador (a) Consultar o Conselho de bispos (as) para receber seu conselho e visão como pastores e lideres espirituais da ICM, para assim montar a descrição do cargo de Moderador (a) Desenvolver os critérios de seleção que auxiliem na votação dos (as) candidatos (as) a Moderador (a) Dar informações periódicas aos congregantes da ICM ao redor do mundo e a Junta de Governo a respeito do avanço no calendário do processo de escolha e os resultado dos objetivos Estender uma votação aberta a todos (as) os (as) congregantes da ICM ao redor do mundo para enviar ao CNM qualquer comentário, sugestão, e/ou perguntas que puderem ter a respeito do processo de escolha do Moderador (a) via e mail ou através de web site, do Processo de Escolha do Moderador (a) 3.2 Desenvolver a Chamada para Nomeações e a lista de Documentos Requeridos Criar a Chamada de Nomeações e a Lista de Documentos requeridos para os (as) candidatos (as) indicados (as), incluindo informações de apoio tal como: a. Perfil Denominacional b. Chamada de Nomeação, os Requerimentos e Autorizações para a Nomeação. c. Critérios de seleção de Moderador (a) e a descrição do cargo Determine the application qualifications and evaluation criteria Determinar as habilidades de nomeação e dos critérios de avaliação 3.3 Identificar Candidatos (as) Indicados (as) Obter guias e nomes de candidatos (as) indicados (as) de diferentes esferas da ICM Detalhar e anunciar o processo de nomeação para os (as) candidatos (as) indicados (as) Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 8 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

11 3.3.3 Lançar uma chamada aberta para as nominações dos candidatos (as) indicados (as) para o cargo de Moderador (a), via e mail ou através de web site, do Processo de Escolha do Moderador (a) Reunir indicados (as) em uma lista de candidatos (as) indicados (as) Revisar previamente a lista de candidatos (as) indicados (as) usando os critérios de escolha do Moderador (a) Enviar a Chamada para Nomeação dos (as) candidatos (as) indicados (as), além de um calendário para o processo de nomeação Dar informações periodicamente aos congregantes da ICM ao redor do mundo e a Junta do Governo a respeito do avanço no calendário do processo de escolha e resultado dos objetivos 3.4 Revisar e Avaliar Candidatos Enviar uma confirmação por escrito a todos os candidatos indicando que sua documentação foi recebida Excluir aquelas solicitações que não cumprem os critérios de escolha estabelecidos Revisar e avaliar todas as solicitações recebidas para determinar quais estão qualificadas para o cargo de Moderador (a) Realizar a revisão de antecedentes penais e outros tipos de antecedentes que o CNM julgue convenientes Contatar o escritório de desenvolvimento de Clérigos da ICM para verificar que não haja registro de alguma ação disciplinar na ICM ou em alguma outra denominação Contatar aquela (s) denominação (oes) aonde o (a) candidato (a) tenha sido ordenado (a) como clérigo (a) ou algum outro cargo oficial para verificar que não haja registro de alguma ação disciplinar em seu nome ou contra durante o tempo que serviu nesta denominação Contatar as referências outorgadas pelos (as) candidatos (as) que o CNM deve considerar (o CNM pode buscar/consultar referências adicionais, cujo caso o (a) candidato será notificado (a) Na medida que seja necessário, falar com alguns (as) bispos(as) a respeito dos (as) candidatos (as) a. As diversas perspectivas dos (as) bispos (as) são muito úteis. Estes tipos de contatos são absolutamente essenciais b. Incluso aqueles (as) que foram bispos (as) podem dar percepções valiosas sobre alguns candidatos em específico c. Todo(a) bispo (a) que esta candidato para Moderador (a), se excluí destas Determinar a lista de candidatos que serão considerados para as entrevistas, baseando se nos critérios de seleção de Moderador (a) Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 9 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

12 Com muito cuidado e consideração, contatar os (as) candidatos (as) que já seguiram no processo Dar informações periodicamente aos congregantes da ICM ao redor do mundo e a Junta de Governo a respeito do avanço no calendário do processo de escolha e resultados dos objetivos 3.5 Entrevistar os (as) Finalistas e Determinar os (as) Candidatos (as) a Moderador (a) Planejar o protocolo e conteúdo das entrevistas que serão feitas a cada finalista Determinar à logística e executar as entrevistas de maneira confidencial e em um lugar neutron Determinar quais candidatos (até cinco) serão apresentados a Conferência Geral como candidatos (as) a Moderador (a) Com muito cuidado e consideração, contatar os (as) candidatos (as) que não foram eleitos (as) como candidatos (as) a Moderador (a) Informar ao Representante da Junta de Governo quando o CNM nomear os (as) candidatos (as) a Moderador (a) (o número de candidatos (as) e suas identidades serão reveladas pelo CNM antes do anúncio dos (as) candidatos (a) a Moderador (a) Desenvolver um plano de apresentação para os (as) candidatos (as) a Moderador (a) Determinar as diretrizes para a comunicação e as considerações para com os (as) candidatos (as) a Moderador (a) pelos (as) congregantes da ICM ao redor do mundo. Fase 3: Discernir Passo 4: Anunciar os (as) Candidatos (as) a Moderador (a) a todas as ICM s 4.1 De acordo com o projeto de Anúncio Público, apresentar os (as) candidatos (as) a Moderador (a) as ICM's ao redor do mundo 4.2 Apresentar as diretrizes dos (as) candidatos (as) para assegurar um processo justo de consideração para todos (as) os (as) candidatos (as) a Moderador (a) 4.3 Dar informações periodicamente aos congregantes da ICM ao redor do mundo e a Junta de Governo a respeito do avanço do calendário do processo de escolha e resultado dos objetivos Passo 5: Apresentar os (as) Candidatos (as) a Moderador (a) a todas as ICM s 5.1 Em conjunto com a equipe da ICM, publicar vídeos e apresentações sobre os (as) candidatos (as) a Moderador (a) em web site sobre o Processo de Escolha do Moderador (a), o web site oficial da ICM, e as páginas de Facebook das diferentes redes sociais da ICM, para um fácil acesso as informações sobre os (as) candidatos (as) a Moderador (a) Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 10 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

13 5.2 Em conjunto com a equipe da ICM, planejar e executar sessões virtuais informativas (sobre os fusos horários relacionados) para apresentar os (as) candidatos (as) a Moderador aos (as) congregantes da ICM ao redor do mundo, em um esforço para fazer que tais apresentações sejam justas e acessíveis globalmente 5.3 Fornecer e moderar sessões virtuais de perguntas e respostas com os (as) candidatos (as) a Moderador (a) 5.4 Planejar e executar sessões informativas de perguntas e respostas para os (as) delegados (as) da Conferência Geral 5.5 Convocar uma votação aberta a todos (as) os (as) congregantes da ICM ao redor do mundo para reportar ao CNM qualquer pergunta que puderem ter a respeito dos (as) candidatos (as) a Moderador (a) via e mail ou através de web site do Processo de Escolha do Moderador (a) Passo 6: Apresentar os (as) candidatos (as) a Moderador (a) a Conferência Geral 6.1 Preparar um relatório para a apresentação dos (as) candidatos (as) a Moderador (a) a Conferência Geral a. Incluir as habilidades, experiência e atributos dos (as) candidatos (as) que fizeram elegíveis pelo CNM. b. Incluir um resumo geral do processo de escolha. c. Incluir as regras e procedimentos para a eleição (a Junta de Governo realizará a eleição do (a) Moderador (a) na Reunião de Negócios da Conferência Geral; os detalhes do processo de votação serão determinados e publicados pela Junta de Governo) 6.2 Executar sessões informativas para incluir documentos suficientes de apoio que ajude aos (as) delegados (as) a tomar decisões informadas e independentes como mostrar a idoneidade dos (as) candidatos (as) a Moderador (a) 6.3 Fornecer a apresentação dos (as) candidatos (as) a Moderador (a) no Fórum de Negócios da Conferência Geral, trabalhando com o Representante da Junta de Governo no formato da apresentação Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 11 Aprovado pela Junta de Governo, em 8 de março de 2014

14 Principais Objetivos e Atividades do Processo de Escolha Objetivo/Atividade Desenvolver o processo e calendário de escolha e enviar para o JG para aprovação. Solicitar ideias / comentários sobre o processo de escolha para ICM de todo o mundo Avaliar as ideias/opiniões recebidas para informar os critérios de escolha e seleção Determinar os critérios de escolha e seleção como as diretrizes e documentações requeridas para a nomeação Mês de Término Fevereiro 2014 Junho 2014 Outubro 2014 Janeiro 2015 Informar o processo de nomeação e lançar a eleição para nomeações Fevereiro 2014 Obter informações e nomes dos candidatos (as) indicados (as) a Moderador (a) Criar a lista de documentações solicitadas no processo para os (as) candidatos (as) indicados (as) Março 2015 Março 2015 Determinar a lista final de candidatos (as) indicados (as) a Moderador (a) Abril 2015 Enviar a Convocação de Nomeação a lista final de candidatos (as) indicados (as) Receber, revisar e avaliar a documentação recebida dos (as) indicados (as) Revisar e detalhar as nomeações como também determinar os (as) candidatos (as) qualificados (as) Maio 2015 Julho 2015 Setembro 2015 Determinar a lista de entrevistas e planejar as perguntas que serão feitas Outubro 2015 Entrevistar e avaliar os (as) candidatos (as) finalistas a Moderador (a) Novembro 2015 Determinar quais serão os (as) candidates (as) a Moderador (a) para serem apresentados a Conferência Geral para sua votação Dezembro 2015 Informar a JG a lista final definida dos candidatos (as) a Moderador (a) Janeiro 2016 Anunciar os (as) candidatos (as) a Moderador (a) que poderão ser votados na CG Apresentar os (as) candidatos (as) as ICM s ao redor do mundo e conduzir sessões virtuais de perguntas e respostas Enviar a documentação escrita que será adicionada ao kit de Negócios da CG Planejar e executar sessões informativas e de perguntas/respostas para os (as) delegados (as) da CG Transmitir a apresentação dos (as) candidatos (as) a Moderador (a) no Fórum de Negócios da CG Participar do Encontro de Negócios do CG para a eleição do (a) novo (a) Moderador (a) Janeiro 2016 Março 2016 Março 2016 Abril 2016 Julho 2016 Julho 2016 Eleição do (a) Novo (a) Moderador(a) Julho 2016 Anunciar a Conferência Geral dos resultados da votação Julho 2016 Disolver o CNM Julho 2016 *Linha de tempo atualizado 5 de fevereiro de 2015 Processo de escolha de Moderador (a) do CNM de ICM 12 Aprovado pela Junta de Governo, em 5 de março de 2015

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES MANUAL DA IGREJA DO NAZARENO 2013-2017

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES MANUAL DA IGREJA DO NAZARENO 2013-2017 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES MANUAL DA IGREJA DO NAZARENO 2013-2017 O Manual está disponível para compra em livro impresso em inglês pela Casa Nazarena de Publicações (EUA). O Manual também é acessível on-line

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS SNPTEE Documento Permanente SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E Abril de 2010 TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS 1.0 INTRODUÇÃO Este Manual de Operação das Sessões Técnicas

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO I. Objetivos O Comitê de Nomeação e Remuneração (o Comitê ) do Banco Latino-Americano de Comércio Exterior

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA PROPÓSITO E AUTORIDADE QUEPASA CORPORATION REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA O comitê de auditoria da mesa diretiva do Quepasa Corporation (a Companhia ) se apresenta diante das responsabilidades

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001

PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO. Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 PRIMEIRA CONFERÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO Buenos Aires, Argentina 2, 3 e 4 de maio de 2001 DOCUMENTO DE BUENOS AIRES SOBRE O MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário.

PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário. 29GE PARA O COMITÊ DE CONFERÊNCIA DE SERVIÇOS GERAIS (CSG) 1 A Conferência de Serviços Gerais, do ponto de vista estatutário. A Conferência de Serviços Gerais é o corpo permanente autorizado a expressar

Leia mais

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP 1.INTRODUÇAO...... 3 2.ONDE CONSEGUIR INFORMAÇÔES?... 4 Normas USP... 4 Site EACH...4 Sistema de atendimento da Comissão de

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Regulamenta o artigo 66, do Estatuto dos Servidores Públicos de São Leopoldo, Lei nº 6.055 de 14 de Setembro de 2006, Da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-

Leia mais

810 CONSTITUIÇÃO DA JUVENTUDE NAZARENA INTERNACIONAL

810 CONSTITUIÇÃO DA JUVENTUDE NAZARENA INTERNACIONAL 810 CONSTITUIÇÃO DA JUVENTUDE NAZARENA INTERNACIONAL Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé,na pureza. I Timóteo 4:12 810.1.

Leia mais

Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON

Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON Guia do Al-Anon G-4 PARA UM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AL-ANON HISTÓRICO E UTILIDADE DOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO AL-ANON Foi em New York que se criou o primeiro Intergrupo (Serviço de Informação Al-Anon atual),

Leia mais

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs Pág.: 1/5 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os procedimentos relativos ao funcionamento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs na COPASA MG. 1.2 Aplica-se a todos os empregados e Unidades

Leia mais

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI REGRAS Processo Eleitoral ANPEI 1. DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL: Conforme definido no Art. 40, as eleições serão realizadas em conformidade com o disposto neste Estatuto Social e de acordo com

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

seguras para administradores de organizadores do site Cisco WebEx Melhores práticas para reuniões Visão geral da privacidade WebEx

seguras para administradores de organizadores do site Cisco WebEx Melhores práticas para reuniões Visão geral da privacidade WebEx Visão geral da privacidade WebEx As soluções on-line ajudam a permitir que os funcionários globais e as equipes virtuais se reúnam e colaborarem em tempo real como se estivessem trabalhando na mesma sala.

Leia mais

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015.

EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. EDITAL Nº001, DE 13 DE JANEIRO DE 2015. A Presidente do no uso de suas atribuições legais e regulamentadas pela Lei Nº 2.750 de 31 de Dezembro publica as normas para o processo eleitoral das entidades

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

Relatório sobre processo de elaboração do

Relatório sobre processo de elaboração do Relatório sobre processo de elaboração do GUIA DE GOVERNANÇA OPEN KNOWLEDGE BRASIL Consultoria de apoio ao processo Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OPEN KNOWLEDGE BRASIL... 3 a. Visão... 3 b. Valores... 3

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar Regulamento do Ramo Pioneiro no Rio Grande do Sul TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II

MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II MOVIMENTO DE CURSILHO DE CRISTANDADE GRUPO EXECUTIVO REGIONAL - GER - NE II REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1 O Grupo Executivo Regional GER. do Movimento de Cursilhos de Cristandade

Leia mais

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Educação Especial Informe de Assistência Técnica SPED 2009-2: Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Para: Superintendentes, diretores,

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

5.5.4 Para cada eleição deverá haver uma folha de votação que ficará arquivada na empresa por um período mínimo de 3 (três) anos.

5.5.4 Para cada eleição deverá haver uma folha de votação que ficará arquivada na empresa por um período mínimo de 3 (três) anos. NR 5 5.1 As empresas privadas e públicas e os órgãos governamentais que possuam empregados regidos pela ConsoIidação das Leis do Trabalho - CLT ficam obrigados a organizar e manter em funcionamento, por

Leia mais

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento...

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento... 1 Modelos de Documentos para a constituição da CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - Data: 02/01/2006. Realização: Gerência de Políticas de Prevenção e Saúde Ocupacional Objetivos da CIPA:

Leia mais

Mandato do Comité de Auditoria

Mandato do Comité de Auditoria BCE-PÚBLICO Mandato do Comité de Auditoria O Comité de Auditoria de alto nível, estabelecido pelo Conselho do Banco Central Europeu (BCE) nos termos do artigo 9.º-A do Regulamento Interno do BCE, reforça

Leia mais

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015 PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015 O programa Talentos da Educação é uma iniciativa da Fundação Lemann para apoiar pessoas talentosas e comprometidas com a melhoria da educação no Brasil. A proposta é

Leia mais

Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej

Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej Manual da Assembleia Geral Ordinária 25 de março de 2014 às 10h30 Tívoli São Paulo - Mofarrej CNPJ: 01.082.331/0001-80 Atualizado em 25.02.2014 Legenda da Barra Inferior Voltar ao Slide Inicial Voltar

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Central Cliente Questor (CCQ) UTILIZANDO A CCQ - CENTRAL CLIENTE QUESTOR

Central Cliente Questor (CCQ) UTILIZANDO A CCQ - CENTRAL CLIENTE QUESTOR Central Cliente Questor (CCQ) O que é a Central Cliente Questor? Já é de seu conhecimento que os Usuários do sistema Questor contam com uma grande ferramenta de capacitação e treinamento no pós-venda.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

Delegação do Brasil junto à Organização Mundial do Comércio e a outras Organizações Econômicas em Genebra EDITAL

Delegação do Brasil junto à Organização Mundial do Comércio e a outras Organizações Econômicas em Genebra EDITAL Delegação do Brasil junto à Organização Mundial do Comércio e a outras Organizações Econômicas em Genebra Avenue Louis-Casaï 71 Case Postale 120 1216 Cointrin Genebra - Suíça EDITAL Programa de Formação

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Manual de Procedimentos Para Recrutamento e Seleção

Manual de Procedimentos Para Recrutamento e Seleção Manual de Procedimentos Para Recrutamento e Seleção Versão: V0_0_10 Data: 13 de setembro de 2013 Procedimentos para recrutamento e seleção de servidores por processo seletivo público. Diretoria Geral de

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

DIRETOR DE ASSOCIADOS DE CLUBES DISTRITO LC-8 SÃO PAULO - BRASIL

DIRETOR DE ASSOCIADOS DE CLUBES DISTRITO LC-8 SÃO PAULO - BRASIL DIRETOR DE ASSOCIADOS DE CLUBES DISTRITO LC-8 SÃO PAULO - BRASIL CONCEITOS IMPORTANTES (I) Elegibilidade à Afiliação Manual da Diretoria Internacional - obrigações dos clubes constituídos 1. Investigar

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA Ministério das Relações Exteriores Comitê Nacional de Organização Rio+20 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA POR PRODUTO PESSOA FÍSICA EDITAL Nº 011/2011 CONTRATAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL

IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL SEGUE ABAIXO QUADRO COMPARATIVO ENTRE ESTATUTO ANTIGO E ESTATUTO NOVO DA PAULO ESTATUTO ANTIGO 2009 Conforme Assembleia Geral Extraordinária 16/05/2008 ARTIGO 1- NOME E NATUREZA DA IGREJA A Igreja Anglicana

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso

Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso Política de Privacidade da Golden Táxi Transportes Executivo. Sua Privacidade Na Golden Táxi Transportes Executivo. acredita que, como nosso visitante on-line, você tem o direito de saber as práticas que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

DECÁLOGO DAS JORNADAS DE JOVENS EM INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA (JIA)

DECÁLOGO DAS JORNADAS DE JOVENS EM INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA (JIA) DECÁLOGO DAS JORNADAS DE JOVENS EM INVESTIGAÇÃO ARQUEOLÓGICA (JIA) 1. As JIA (Jornadas de Jovens em Investigação Arqueológica) são um evento científico realizado por e para os jovens investigadores em

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO. Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO. Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA José Eduardo Cardozo SECRETARIA EXECUTIVA Márcia

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO LEI N 495, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTES E DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTES E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Povo do Município de Nepomuceno, Minas Gerais,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI

Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI 1 Novas Regras Básicas para Estrutura e Funcionamento do FBEI 1. Finalidade O FBEI é uma instância de organização e articulação interinstitucional, suprapartidária, que agrega diversos órgãos, organizações

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO ELEITORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO ELEITORAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO ELEITORAL Regimento da eleição para os representantes dos servidores técnico administrativos em educação para a Comissão Geral de Jornada de Trabalho e para

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos. Parte 08. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos. Parte 08. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Recursos Humanos de Projetos Parte 08 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Manual do Usuário do ClaireExpress

Manual do Usuário do ClaireExpress Manual do Usuário do ClaireExpress Tudo o que você precisa saber para realizar uma teleconferência utilizando o ClaireExpress pode ser encontrado neste manual. Caso necessite de assistência adicional de

Leia mais

TRANSFORMANDO EM REALIDADE Guia para o Desenvolvimento de Projetos de Lions Clube

TRANSFORMANDO EM REALIDADE Guia para o Desenvolvimento de Projetos de Lions Clube TRANSFORMANDO EM REALIDADE Guia para o Desenvolvimento de Projetos de Lions Clube TRANSFORMANDO EM REALIDADE! Os Lions clubes que organizam projetos de serviços comunitários significativos causam um impacto

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

5º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR

5º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR 5º PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR R E G U L A M E N T O 1. O PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR 1.1. O PRÊMIO IMPRENSA DE EDUCAÇÃO AO INVESTIDOR é uma iniciativa do Comitê Consultivo

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes

ICC 110-13 Rev. 1. 23 março 2015 Original: inglês. Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos. Antecedentes ICC 110-13 Rev. 1 23 março 2015 Original: inglês P Termos de referência para Comitês e órgãos consultivos Antecedentes O presente documento contém os termos de referência atualizados para os seguintes

Leia mais

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Ibmec-MG é o órgão responsável pela

Leia mais

Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente

Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente Conselho Municipal do Direito da Criança e do Adolescente EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 001/2014 SELEÇÃO DE ENTIDADE DA SOCIEDADE CIVIL PARA INTEGRAR O CONSELHO MUNICIPAL DO DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1. O CMT, órgão consultivo e deliberativo, instituído pela Lei nº 433/L.O., de 14 de junho de 1995, alterada

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça Termo de Referência Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas 1. Grupo Interministerial

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training.

Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training. Processo de seleção e preparação dos representantes brasileiros para a Interamerican Leadership Training. Introdução Durante a XXV Conferência Interamericana Escoteira, realizada entre os dias 19 e 21

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Centros de Autossuficiência da Estaca. Guia para Líderes do Sacerdócio que Desejam Estabelecer um Centro de Autossuficiência em Sua Estaca

Centros de Autossuficiência da Estaca. Guia para Líderes do Sacerdócio que Desejam Estabelecer um Centro de Autossuficiência em Sua Estaca Centros de Autossuficiência da Estaca Guia para Líderes do Sacerdócio que Desejam Estabelecer um Centro de Autossuficiência em Sua Estaca Visão Geral Centros de Autossuficiência Metropolitano Sob a direção

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

Regimento da Comissão Especial de Informática na Educação CEIE / SBC

Regimento da Comissão Especial de Informática na Educação CEIE / SBC Regimento da Comissão Especial de Informática na Educação CEIE / SBC I. A composição da CEIE e sua atuação a. A Comissão Especial de Informática na Educação, doravante denominada CEIE, é integrante da

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Calendário das Aulas 12/08 19/08 26/08 02/09 06/09 Atividade Extra 09/09 16/09 23/09 30/09 07/10 - Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais