Confederação Nacional do Transporte CNT Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes ANPET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Confederação Nacional do Transporte CNT Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes ANPET"

Transcrição

1

2

3

4 Confederação Nacional do Transporte CNT SAUS Quadra 1 Bloco J Entradas 10 e 20 Ed. Confederação Nacional do Transporte 13º. e 14º. Andares Brasília DF CEP: Telefone: (61) Fale com a CNT: Site: Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes ANPET Rua Marquês de São Vicente, 225 sala 954L Ed. Cardeal Leme Gávea Rio de Janeiro RJ CEP: Telefone: (21) Site:

5 Transporte em Transformação XVI - Trabalhos Vencedores do Prêmio CNT Produção Acadêmica CNT - Confederação Nacional do Transporte / ANPET - Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transporte. Todos os direitos para a língua portuguesa reservados para CNT/ANPET. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida, guardada pelo sistema retrieval ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro meio, seja este eletrônico, mecânico, de fotocópia, de gravação, ou outros, sem prévia autorização, por escrito, da Editora. Impresso no Brasil ISBN: XX Tiragem: XX Coordenação Editorial: Gráfica e Editora Positiva Composição e Impressão: Gráfica e Editora Positiva Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Transporte em Transformação XVI: Trabalhos Vencedores do Prêmio CNT: produção acadêmica 2011 / Confederação Nacional do Transporte, Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes. -- Brasília: Positiva, p. Trabalhos apresentados durante o XXV Congresso da ANPET realizado em Belo Horizonte (MG) ISBN: Ensino e Pesquisa. 2. Soluções Tecnológicas. 3. Sustentabilidade em Transporte. 4. Transporte brasileiro I. Título. II. Confederação Nacional do Transporte (CNT). III. Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (ANPET). IV. Congresso de Ensino e Pesquisa da ANPET (XXV: 2011: Belo Horizonte, MG) CDU: 656: (042) Catalogação na fonte elaborada pela bibliotecária Cristina S. de Almeida CRB 1/1817

6 Autores dos Trabalhos Vencedores do Prêmio CNT Produção Acadêmica 2011 Rafael Roco de Araújo Fernando Dutra Michel Luiz Afonso dos Santos Senna Allexandre Fortes da Silva Reis Gustavo Peixoto Silva Flávio José Craveiro Cunto Manoel Mendonça de Castro Neto Davi Sales Barreira Brenda Medeiros Pereira Luis Antonio Lindau Rodrigo Alberto de Castilho Mara Chagas Diógenes Ana Maria César Bastos Silva Álvaro Jorge da Maia Seco Carlos Manuel Magalhães Real Fernando Graeff Francisco Giusepe Donato Martins Leonardo Lopes Garcia Bruno Filipe Lopes dos Santos António José Pais Antunes Ilton Curty Leal Junior Marcio de Almeida D Agosto Bruno Vieira Bertoncini Eiji Kawamoto Luciana Carina Soares Costa Francisco Giusepe Donato Martins Carla Garcia Protásio

7

8 Confederação Nacional do Transporte CNT CLÉSIO SOARES DE ANDRADE Presidente NEWTON JERÔNIMO GIBSON DUARTE RODRIGUES METON SOARES JÚNIOR JACOB BARATA FILHO JOSÉ FIORAVANTI Vice-Presidentes da CNT Presidente de Seção e Vice-Presidente de Seção MARCO ANTONIO GULIN OTÁVIO VIEIRA DA CUNHA FILHO Seção do Transporte de Passageiros FLÁVIO BENATTI PEDRO JOSÉ DE OLIVEIRA LOPES Seção do Transporte de Cargas JOSÉ DA FONSECA LOPES EDGAR FERREIRA DE SOUSA Seção dos Transportadores Autônomos, de Pessoas e de Bens GLEN GORDON FINDLAY PAULO CABRAL REBELO Seção do Transporte Aquaviário RODRIGO VILAÇA JÚLIO FONTANA NETO Seção do Transporte Ferroviário

9 URUBATAN HELOU JOSÉ AFONSO ASSUMPÇÃO Seção do Transporte Aéreo Conselho Fiscal Titulares DAVID LOPES DE OLIVEIRA ÉDER DAL LAGO LUIZ MALDONADO MARTHOS JOSÉ HÉLIO FERNANDES Conselho Fiscal Suplentes WALDEMAR ARAÚJO ANDRÉ LUIZ ZANIN DE OLIVEIRA JOSÉ VERONEZ EDUARDO FERREIRA REBUZZI Diretoria Seção do Transporte de Passageiros LUIZ WAGNER CHIEPPE ALFREDO JOSÉ BEZERRA LEITE LELIS MARCOS TEIXEIRA JOSÉ AUGUSTO PINHEIRO VICTORINO ALDO SACCOL JOSÉ SEVERIANO CHAVES EUDO LARANJEIRAS COSTA ANTÔNIO CARLOS MELGAÇO KNITTEL EURICO GALHARDI FRANCISCO SALDANHA BEZERRA JERSON ANTÔNIO PÍCOLI JOÃO REZENDE FILHO MÁRIO MARTINS

10 Seção do Transporte Rodoviário de Cargas LUIZ ANSELMO TROMBINI URUBATAN HELOU IRANI BERTOLINI PEDRO JOSÉ DE OLIVEIRA LOPES PAULO SERGIO RIBEIRO DA SILVA EDUARDO FERREIRA REBUZZI OSWALDO DIAS DE CASTRO DANIEL LUÍS CARVALHO AUGUSTO EMILIO DALÇÓQUIO GERALDO AGUIAR BRITO VIANNA AUGUSTO DALÇÓQUIO NETO EUCLIDES HAISS PAULO VICENTE CALEFFI FRANCISCO PELÚCIO Seção dos Transportadores Autônomos, de Pessoas e de Bens EDGAR FERREIRA DE SOUSA JOSÉ ALEXANDRINO FERREIRA NETO JOSÉ PERCIDES RODRIGUES LUIZ MALDONADO MARTHOS SANDOVAL GERALDINO DOS SANTOS ÉDER DAL LAGO ANDRÉ LUIZ COSTA DIUMAR DELÉO CUNHA BUENO CLAUDINEI NATAL PELEGRINI GETÚLIO VARGAS DE MOURA BRAATZ NILTON NOEL DA ROCHA NEIRMAN MOREIRA DA SILVA

11 Seção do Transporte Aquaviário, Ferroviário e Aéreo HERNANI GOULART FORTUNA PAULO DUARTE ALECRIM ANDRÉ LUIZ ZANIN DE OLIVEIRA MOACYR BONELLI GEORGE ALBERTO TAKAHASHI JOSÉ CARLOS RIBEIRO GOMES ROBERTO SFFAIR LUIZ IVAN JANAÚ BARBOSA JOSÉ ROQUE FERNANDO FERREIRA BECKER RAIMUNDO HOLANDA CAVALCANTE FILHO JORGE AFONSO QUAGLIANI PEREIRA ALCY HAGGE CAVALCANTE ECLÉSIO DA SILVA Diretoria da ANPET ORLANDO FONTES LIMA JÚNIOR Presidente GLAUCO TÚLIO PESSA FABRI Diretor Executivo HELENA BEATRIZ BETTELLA CYBIS Diretora Científica ANÍSIO BRASILEIRO DE FREITAS DOURADO Diretor MARIA ALICE PRUDÊNCIO JACQUES Diretora JORGE BARBOSA SOARES Diretor

12 MARCIO DE ALMEIDA D AGOSTO Diretor ORLANDO STRAMBI Diretor Comissão Julgadora dos Artigos ALINE ELOYSE LANG - CNT VENINA DE SOUZA OLIVEIRA - CNT PROFª. HELENA BEATRIZ BETTELLA CYBIS - ANPET

13

14 Sumário Prefácio...21 Capítulo 1 - Uma Abordagem de Resolução Integrada para os Problemas de Roteirização e Carregamento de Veículos...23 Resumo...23 Abstract Introdução Descrição do Problema Proposta de um Modelo para a Resolução do 3L-CVRP Apresentação e descrição do modelo Representação do carregamento Heurística de carregamento Procedimento para o agrupamento dos itens Procedimento para construção do carregamento Busca Tabu aplicada na melhoria dos roteiros Aplicação do Modelo Construção de instâncias para simulação de um caso real Instâncias propostas...37

15 5. Experimentos Computacionais Validação do modelo proposto Aplicação do modelo em instâncias que simulam um caso real Conclusões...40 Referências Bibliográficas...41 Capítulo 2 - Um Estudo de Diferentes Métodos de Busca e a Meta heurística VNS para Otimizar a Escala de Motoristas de Ônibus Urbano Resumo...45 Abstract Introdução O Problema de Programação das Tripulações Método de Resolução do Problema A Metaheurística VNS Método de Busca Variable Neighborhood Descent - VND Estrutura de Vizinhança Método de Busca VLNS Função de Avaliação Resultados Obtidos Soluções com menor peso para as duplas pegadas Resultados considerando no máximo uma troca de veículo por jornada Resultados considerando no máximo duas trocas de veículo por jornada Soluções com maior peso para as duplas pegadas Resultados considerando no máximo uma troca de veículo por jornada Resultados considerando no máximo duas trocas de veículo por jornada...61

16 5. Conclusões...62 Agradecimentos...62 Referências Bibliográficas...63 Capítulo 3 - Modelos de Previsão de Acidentes de Trânsito em Interseções Semaforizadas de Fortaleza...65 Resumo...65 Abstract Introdução Modelos de Previsão de Acidentes Metodologia para Estimação dos MPA Escolha das variáveis e definição da amostra Coleta de dados e análise descritiva da amostra das interseções semaforizadas Estimação dos parâmetros dos modelos investigados Modelos da categoria 01 número total de acidentes de trânsito Modelos da categoria 02 número total de acidentes de trânsito com vítimas feridas e fatais Avaliação dos modelos da categoria Conclusões...80 Referências Bibliográficas...81 Capítulo 4 - Impacto de Elementos de Projeto no Desempenho Operacional de Sistemas BRT de Faixa Única Sem Ultrapassagem...85 Resumo...85 Abstract Introdução Elementos de Projeto e Desempenho de Sistemas BRT...87

17 3. Desempenho do BRT em Função de Elementos de Projeto Elementos fixos Elementos variáveis Elementos dependentes Resultados Análise qualitativa Análise quantitativa Conclusões Agradecimentos Referências bibliográficas Capítulo 5 - Modelação da Velocidade Segura Recorrendo ao Julgamento de _ Especialistas Resumo Abstract Introdução Pressupostos Metodológicos e Metodologia Adoptada Desenvolvimento de Modelos de Estimação da Velocidade Segura Identificação das variáveis Modelo de regressão múltipla Avaliação da qualidade do ajuste Principais Conclusões Agradecimentos Referências Bibliográficas Capítulo 6 - Uma Análise da Alocação de Riscos nos Contratos de Concessão para Prestação de Serviços Públicos de Infraestrutura Resumo...123

18 Abstract Introdução Alocação de Riscos Definição de risco Riscos comuns nos projetos de parceria público-privada Princípio básico da alocação de riscos Teoria das áleas ordinária e extraordinária e alocação de riscos no Brasil Técnica e importância da alocação eficiente de riscos Metodologia Alocação de Riscos nos Contratos de Serviço Público de Infraestrutura no Brasil Contratos de concessão de rodovias federais Minuta de contrato do trem de alta velocidade (TAV) Minuta de contrato de concessão do aeroporto de São Gonçalo do Amarante/RN Evolução da alocação de riscos Considerações Finais Referências Bibliográficas Capítulo 7 - Planeamento Sustentável de Redes Rodoviárias Interurbanas Através de uma Abordagem Multi-Objetivo Resumo Abstract Introdução Abordagem proposta Modelo de Otimização Estudo de Caso...151

19 4.1 Resultados para a maximização da eficiência Impacto de adicionar um objetivo de equidade Impacto de adicionar um objetivo de consumo energético Resultados para objetivos de eficiência, equidade e energéticos Conclusão Referências Bibliográficas Capítulo 8 - Melhoria da Ecoeficiência no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Resumo Abstract Introdução Transporte de Produtos Perigosos no Brasil e Escolha Modal Procedimentos Empregados Método de Escolha Modal e as medidas de ecoeficiência Análise Relacional Grey Desenvolvimento Estudo de caso Desempenho dos modos de transportes Ações de melhoria da ecoeficiência no transporte rodoviário de cargas Conclusão Referências Bibliográficas Capítulo 9 - Uma Proposta de Modelagem da Matriz OD Sintética a Partir dos Fluxos de Tráfego Observados nas Interseções Resumo Abstract...180

20 1. Introdução Informação Adicional na Modelagem da Matriz OD Sintética Consideração dos Movimentos de Conversão na Modelagem da Matriz OD Sintética Verificação da Proposta Análise de sensibilidade da matriz OD sintética em relação a real Considerações Finais Agradecimentos Referências Bibliográficas Capítulo 10 - Mutabilidade nos Contratos de Arrendamento Operacional de Áreas e Instalações Portuárias de Uso Público Resumo Abstract Introdução Referencial Teórico Serviço público: breve noção, regime jurídico e princípios O setor portuário brasileiro Contexto histórico e legal Arrendamento operacional de áreas e instalações portuárias: obrigatoriedade de licitação, natureza e regime jurídico do......contrato e das operações portuárias e alterações Metodologia Contratos de Arrendamento Operacional: Alteração do Perfil da Carga e Expansão de Área e Instalação Portuária Regras editalícias e contratuais sobre definição do objeto.e ampliação de áreas e instalações portuárias de uso público em arrendamentos operacionais...207

21 4.2 Alteração do perfil da carga Ampliação de áreas e instalações portuárias Considerações Finais Referências Bibliográficas...214

22 Prefácio Incentivar a pesquisa acadêmica, buscar a inovação permanente e promover a constante modernização das empresas transportadoras, com esses fins a Confederação Nacional do Transporte criou, há 16 anos, o Prêmio CNT de Produção Acadêmica, em uma parceria bem sucedida com a Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transporte (ANPET). Os dez melhores trabalhos inscritos no último Prêmio estão publicados nesta edição do Transporte em Transformação. A qualidade dos trabalhos apresentados e o grande interesse que o Prêmio CNT de Produção Acadêmica desperta no meio atestam, respectivamente, a capacidade intelectual dos acadêmicos brasileiros e o sucesso do concurso. O que exige critérios rigorosos na seleção dos vencedores. Atributos como originalidade, relevância para o setor transportador, rigor científico e clareza na exposição das ideias determinam a escolha dos melhores estudos. A CNT apresenta sua 16ª edição do Transporte em Transformação, mantendo a tradição de publicar estudos indutores de uma reflexão sobre a necessidade da inovação constante e com possibilidade de aplicação prática nas rotinas das empresas. Ao longo de todos esses anos, esses trabalhos acadêmicos têm sido aproveitados por inúmeras empresas do setor, na busca de melhores e maiores níveis de produtividade, aumentando a capacidade de competitividade, em um mercado altamente especializado e globalizado. Trata-se, portanto, de estudos, análises e considerações com as aplicações mais diversas no setor de transporte, da infraestrutura de engenharia ao gerenciamento administrativo, do argumento ambiental ao embasamento econômico. A CNT cumpre, assim, papel de altíssima relevância ao apresentar aos transportadores soluções, reflexões e oportunidades de aperfeiçoamento de sua

23 missão empresarial de realizar um transporte de qualidade à sociedade. Ao mesmo, tempo, a Confederação promove o incentivo à produção acadêmica, oferecendo possibilidades de desenvolvimento e aplicações práticas para projetos criados por pesquisadores, professores universitários e alunos de pós-graduação de universidades de todo o Brasil.

24 1 Uma Abordagem de Resolução Integrada para os Problemas de Roteirização e Carregamento de Veículos Rafael Roco de Araújo Faculdade de Engenharia/PUCRS Empresa Pública de Transportes e Circulação - EPTC Fernando Dutra Michel Luiz Afonso dos Santos Senna Lastran Laboratório de Sistemas de Transportes Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - Escola de Engenharia/UFRGS Resumo O problema da roteirização de veículos vem sendo intensamente estudado nos últimos 50 anos. Dado o grande potencial de aplicação prática deste problema no setor de transporte de carga, em especial, vários desenvolvimentos são propostos na literatura com o objetivo de alinhá-lo com as operações reais. Recentemente, uma nova abordagem vem sendo explorada pela literatura, que combina o problema da roteirização de veículos com o problema do carregamento em duas ou três dimensões. Este trabalho apresenta um modelo aproximado para resolução do 3L-CVRP que combina o uso de heurística construtiva para configuração dos carregamentos

25 24 Transporte em Transformação XVI com a Busca Tabu aplicada para melhoria dos roteiros. Além das restrições de carregamento, o modelo define so luções de mínima distância considerando restrições de distribuição de peso nos eixos do veículo e tempo máximo de jornada de trabalho. Nos testes computacionais, realizados com um conjunto proposto de 12 instâncias, são construídos cenários utilizando veículos leves e médios, de forma separada e combinada. Nestes cenários é avaliada também a possibilidade de um dado veículo ser alocado a mais de um roteiro e o custo operacional total da solução obtida. Testes adicionais foram realizados com um conjunto de 27 instâncias da literatura, mostrando resultados bastante satisfatórios. Abstract The problem of vehicle routing has been studied in the last 50 years. As a consequence of the potential practical application of this problem in the freight transport sector, several developments were proposed in the literature, aiming at adjusting it with real operations. Recently, a new approach combines the problem of vehicle routing with the problem of loading in two or three dimensions. This work presents a model to solve 3L-CVRP that combines the use of constructive heuristic for configuration of loading with Tabu Search applied to improving routings. Besides loading constraints, the model defines solutions of minimum distance considering constraints of weight distribution over the vehicle axles and maximum journey work times. Computational tests were conducted considering a set of 12 instances; taking into account separated and combined scenarios using light and medium vehicles. In these scenarios is also assessed the possibility of a vehicle being allocated to more than one routing and the total operational cost of the solution obtained. Additional tests were conducted considering 27 instances from the literature, showing good results. 1. Introdução Muitas empresas trabalham de forma intensa com o objetivo de tornar mais eficiente o processo de movimentação de seus produtos. Esta preocupação atinge não somente as empresas que atuam nos setores da indústria e do comércio, mas também aquelas que prestam os mais variados serviços. A entrega dos produtos demandados pelos clientes no local e tempo previamente estipulados e com a integridade preservada, é hoje um atributo básico para o estabelecimento da

26 Uma Abordagem de Resolução Integrada para os Problemas de Roteirização e Carregamento de Veículos 25 vantagem competitiva. Visando atender a esta necessidade, empresas de transporte de cargas e prestadores de serviços logísticos que operam frotas de caminhões deparam-se diariamente com o problema de definir a melhor seqüência em que os pontos de entrega devem ser visitados e a forma como as respectivas cargas devem ser acomodadas nos veículos a fim de preservar sua integridade durante a transferência entre o depósito e o domicílio do cliente, bem como facilitar seu manuseio por parte da tripulação. Para gerar sustentabilidade e lucratividade para uma empresa que tem o transporte como competência central, tal atividade necessita de um planejamento adequado, nos níveis estratégico, tático e operacional. O planejamento operacional, em especial, apresenta certas características que tornam sua execução um tanto desafiante para o transportador. Na distribuição física realizada a partir de um depósito central, o curto intervalo de tempo disponível entre a chegada dos pedidos e o instante estipulado para as entregas faz com que as decisões sobre o embarque das cargas tenham que ser tomadas de forma rápida. Além disso, este processo decisório envolve muitas variáveis como o local das entregas, as características dos itens que serão transportados e a capacidade da frota disponível. Assim, o uso de modelos matemáticos adequados para apoio à decisão pode ser de grande utilidade para os planejadores das empresas. No contexto do transporte rodoviário de cargas, uma decisão operacional que vem já há algum tempo chamando a atenção dos pesquisadores da área de pesquisa operacional é o da roteirização de veículos. Laporte (2009) apresenta uma panorâmica dos métodos de resolução desenvolvidos nesta área nos últimos 50 anos. O Problema da Roteirização de Veículos Capacitado (Capacitated Vehicle Routing Problem CVRP) pode ser definido segundo Toth e Vigo (1998), como o caso em que: todos os clientes correspondem aos pontos de entrega; as demandas são conhecidas antecipadamente e não podem ser divididas; os veículos são idênticos e alocados a um único depósito (que pode ser um centro de triagem ou distribuição); as restrições de capacidade (em peso e/ou volume) são consideradas de forma simplificada; o problema tem como objetivo minimizar o custo total, isto é, o número de roteiros e/ou sua extensão ou tempo de viagem. Vários desenvolvimentos apresentados na literatura buscam alinhar o CVRP às operações reais. Apesar da sofisticação de tais modelos, uma séria limitação

27 26 Transporte em Transformação XVI encontrada para implantação prática é a forma simplificada pela qual são consideradas as características dimensionais dos itens a ser carregados nos veículos, o que pode conduzir a soluções infactíveis na prática. O problema da acomodação das cargas nos veículos, ou problema de carregamento de veículos é descrito genericamente como um problema de corte e empacotamento (Dickhoff, 1990), e vem sendo tratado na literatura no contexto do carregamento de contêineres e de pallets. Desenvolvimentos para a resolução do problema de carregamento de contêineres são apresentados por Bortfeld e Gehring (2001), Eley (2002), Pisinger (2002), Bortfeld et al. (2003), Soak et al. (2008), Egeblad et al. (2010). Já o problema do carregamento de pallets é abordado por Pureza e Morabito (2006) e Martins e Dell (2008). Entretanto, quando este problema é aplicado ao carregamento de veículos, deve considerar certas particularidades como, por exemplo, a seqüência em que as entregas serão realizadas e a distribuição correta de peso nos eixos do veículo. Assim, levar em conta as restrições de carregamento dos itens a serem transportados em acordo com as dimensões e a capacidade de peso dos veículos, durante a resolução do problema de roteirização conduzirá a resultados coerentes com as operações reais. O tratamento integrado do problema de roteirização e do problema de carregamento de veículos é recente na literatura, sendo apresentado através de duas classes: o 2L-CVRP (Capacitated Vehicle Routing Problem with Two-dimensional Loading Constraints), introduzido por Iori et al. (2007); e o 3L-CVRP (Capacitated Vehicle Routing Problem with Three-dimensional Loading Constraints), introduzido por Gendreau et al. (2006). No que diz respeito às estratégias de resolução, para o 2L-CVRP dominam as abordagens aproximadas. Gendreau et al. (2008) empregam um algoritmo de Busca Tabu, Zachariadis et al. (2009) empregam um algoritmo de incorpora os princípios da Busca Tabu e da Busca Local Guiada, enquanto Fuellerer et al. (2009) empregam a Otimização por Colônia de Formigas. Mais recentemente Leung et al. (2011) propõem uma metodologia que incorpora as teorias da Busca Tabu e da Busca Local Guiada Estendida, enquanto Duhamel et al. (2011) propõem um algoritmo que combina o GRASP com uma Busca Local Evolutiva. Uma abordagem exata para o 2L-CVRP é proposta por Iori et al. (2007) aplicando um algoritmo de branch-and-bound. As abordagens aproximadas também dominam as propostas de resolução do 3L-CVRP. Gendreau et al. (2006) apresentam um procedimento que combina

28 Uma Abordagem de Resolução Integrada para os Problemas de Roteirização e Carregamento de Veículos 27 heurísticas de carregamento com a Busca Tabu. Araújo (2006) propõe a resolução do problema combinando o uso de um procedimento baseado em cubóides inspirado na Busca em Vizinhança Variável para o Bin Packing Problem com a Busca Tabu. Portal et al. (2009) utilizam um procedimento de busca local para definição do carregamento associado a Busca Tabu para otimização das rotas. Uma versão do problema que incorpora janelas de tempo é resolvida por Moura e Oliveira (2009) através de uma abordagem seqüencial e de uma abordagem hierárquica que utilizam um algoritmo de busca local, o GRASP e Simulação Monte Carlo. Fuellerer et al. (2010) propõem o uso da Otimização por Colônia de Formigas para resolução do problema. Este trabalho propõe um modelo aproximado para resolução do 3L-CVRP que combina o uso de heurística construtiva para configuração dos carregamentos com a Busca Tabu aplicada para melhoria dos roteiros. Além das restrições de carregamento, o modelo define soluções de mínima distância considerando restrições de distribuição de peso nos eixos do veículo e tempo máximo de jornada de trabalho. Nos testes computacionais, realizados com um conjunto proposto de 12 instâncias, são construídos cenários utilizando veículos leves e médios, de forma separada e combinada. Nestes cenários é avaliada também a possibilidade de um dado veículo ser alocado a mais de um roteiro e o custo operacional total da solução obtida. O trabalho está organizado da seguinte forma. Na seção 2 é feita a descrição do 3L-CVRP. A seção 3 apresenta o modelo proposto neste trabalho. A seção 4 descreve a aplicação do modelo, enquanto a seção 5 apresenta os resultados dos experimentos computacionais. Por último, a seção 6 apresenta as conclusões do trabalho. 2. Descrição do Problema O 3L-CVRP pode ser descrito da seguinte forma, tendo por base a notação apresentada por Gendreau et al. (2006). Seja V = {0, 1,..., n} um conjunto formado por n + 1 vértices que correspondem a um depósito (vértice 0) de onde os veículos são despachados, um grupo de clientes (vértices de 1,..., n) destinatários das entregas e E um conjunto de arestas e ij que representam ligações entre os vértices. Com estes elementos é definido um grafo não-orientado dado por G = (V, E). Um custo c ij é associado a cada aresta e ij em G representando o comprimento de cada aresta que liga dois vértices. Seja v o número de veículos idênticos que se encontram disponíveis junto ao depósito de onde partirão as entregas aos clientes. Cada veículo possui

29 28 Transporte em Transformação XVI uma capacidade D dada em peso e uma capacidade volumétrica do compartimento de carga dada por S. O compartimento de carga é definido pela largura W, altura H e comprimento L. Assim, o espaço de carga disponível é representado por S = W.H.L. Em cada cliente i (i = 1,..., n) deve ser entregue um conjunto I ik de m i itens tri-dimensionais, sendo que cada item I ik (k = 1,..., m i ) possui largura w ik, altura h ik e comprimento l ik. O peso total dos itens de um cliente é d i. O espaço ocupado no m compartimento de carga por um cliente i é dado por s = i i k = wik hik l 1 ik. A factibilidade do carregamento em cada veículo é obtida satisfazendo as seguintes restrições (GENDREAU et al., 2006; FUELLERER et al., 2010): Quando carregados, os itens devem ser posicionados ortogonalmente aos eixos que representam as dimensões W, H e L do compartimento de carga segundo uma orientação fixa em relação à altura (em razão das regras de empilhamento), mas podem ser rotacionados em 90º no plano w-l; Cada item I ik pode ser classificado como frágil ou não-frágil, sendo então atribuído um índice de fragilidade f ik (i = 1,..., n; k = 1,..., m i ), igual a 1 se I ik é considerado frágil ou 0 caso contrário. Nenhum item não-frágil pode ser colocado sobre um item frágil, mas é permitido que itens frágeis possam ser empilhados; Quando um item I ik é colocado sobre outros itens, é necessário avaliar a área de suporte correspondente. O posicionamento é viável somente se a área de suporte não é menor do que um dado percentual limite a da base do item, isto é, A aw ik l ik, onde 0 a 1 é um dado parâmetro que representa a fração mínima de área de I ik que deve estar apoiada. Esta restrição é sempre satisfeita quando um item é colocado diretamente sobre o piso do compartimento de carga. No instante da descarga em um cliente i, todos os respectivos itens I ik devem estar acessíveis, podendo ser movimentados livremente sem que seja necessário manusear itens de outros clientes. Esta restrição de seqüência LIFO (last in first out) é também denominada de carregamento seqüencial. O 3L-CVRP consiste em determinar um conjunto de v roteiros (um por veículo) com início e fim no depósito onde cada cliente é atendido por exatamente um veículo, a carga alocada a um veículo não excede a sua capacidade em peso e volume, para cada veículo existe uma configuração de carregamento ortogonal tridimensional viável de todos os itens demandados por todos os clientes, satisfazendo orientação vertical fixa, fragilidade, área mínima de suporte e seqüência LIFO e o custo de trajeto ao longo do roteiro é mínimo.

30 Uma Abordagem de Resolução Integrada para os Problemas de Roteirização e Carregamento de Veículos Proposta de um Modelo para a Resolução do 3L-CVRP O modelo de resolução do problema de roteirização e carregamento de veículos proposto neste trabalho está diretamente relacionado com as atividades cotidianas das empresas de transporte rodoviário de cargas que operam o sistema de distribuição via centro de triagem e dos prestadores de serviços logísticos que efetuam entregas a partir de centros de distribuição. Maiores detalhes sobre este modelo são encontrados em Araújo (2010). Aspectos que trazem complexidade adicional para este trabalho de planejamento advém do uso de veículos com diferentes capacidades, do tempo de ciclo que pode ser definido para cada tripulação conforme a jornada de trabalho estabelecida, do aproveitamento de veículos em mais de uma rota e de metas relacionadas ao custo operacional do transporte. O modelo proposto apresenta as seguintes características: Determina roteiros de percurso mínimo com início e fim no centro de triagem ou distribuição; É caracterizado como um CVRP com restrições de carregamento tridimensional (3L-CVRP) que considera restrições de distribuição de peso nos eixos do veículo e de tempo máximo para jornada de trabalho; Constrói roteiros e carregamentos de forma simultânea; Determina somente soluções iniciais factíveis em termos de carregamento tridimensional e tempo máximo de ciclo; As demandas são conhecidas antecipadamente (determinísticas); Não é estipulado um número máximo de veículos para solução inicial, uma vez que na prática veículos extras podem ser agregados quando necessário; Constrói rotas para veículos idênticos e também analisa a possibilidade de inserção de veículo de maior ou menor capacidade; Lida com itens tridimensionais que apresentam restrições de fragilidade, área mínima de suporte e carregamento seqüencial; Os clientes podem receber mais de um tipo de item e vários itens de um mesmo tipo; Se houver possibilidade, um veículo é alocado a mais de uma rota por dia; Calcula o custo operacional relativo a cada roteiro após a determinar a solução inicial e após executar a fase de melhoria.

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

LEONARDO JUNQUEIRA PRÊMIO ABRALOG

LEONARDO JUNQUEIRA PRÊMIO ABRALOG LEONARDO JUNQUEIRA PRÊMIO ABRALOG Documentação apresentada à Banca Examinadora do Prêmio ABRALOG como parte dos requisitos para participação do Prêmio ABRALOG (Edição 2013) na categoria Estudante de Logística.

Leia mais

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2.

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2. Pg. 1 Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Mestrado em Informática 2004/1 Projetos O Projeto O projeto tem um peso maior na sua nota final pois exigirá de você a utilização de diversas informações

Leia mais

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Flávia Barbosa Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) flaflabarbosa0@gmail.com Antônio Carlos Moretti Universidade

Leia mais

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves CAP 254 CAP 254 Otimização Combinatória Professor: Dr. L.A.N. Lorena Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves Conteúdo C01 Simulated Annealing (20/11/07). C02 Busca Tabu (22/11/07). C03 Colônia

Leia mais

Pesquisa Operacional Programação em Redes

Pesquisa Operacional Programação em Redes Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013 Modelagem em redes: Facilitar a visualização e a compreensão das características do sistema Problema de programação

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Pesquisa Operacional Tópicos em Programação Linear e Inteira Prof. Dr.Ricardo Ribeiro dos Santos ricr.santos@gmail.com Universidade Católica Dom Bosco - UCDB Engenharia de Computação Roteiro Introdução

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL Thiago Silva Pereira José Aparecido Sorratini PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação SP 18/01/80 NT 051/80 Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus Eduardo Antonio Moraes Munhoz 1. Apresentação Dado o atual estágio de desenvolvimento e implantação do programa Semco, onde a utilização

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

Governança da Capacidade de TI

Governança da Capacidade de TI Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança da Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Governança da... 04 3 Governança da... 05 4 Principais Serviços para Governança

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias.

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias. Metodologia A Pesquisa CNT de Rodovias propõe-se a avaliar a situação das rodovias brasileiras a partir da perspectiva dos usuários da via. As características - pavimento, sinalização e geometria - são

Leia mais

APLICAÇÃO DE MÉTODOS HEURÍSTICOS EM PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO DE VEICULOS

APLICAÇÃO DE MÉTODOS HEURÍSTICOS EM PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO DE VEICULOS APLICAÇÃO DE MÉTODOS HEURÍSTICOS EM PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO DE VEICULOS Bianca G. Giordani (UTFPR/MD ) biancaggiordani@hotmail.com Lucas Augusto Bau (UTFPR/MD ) lucas_bau_5@hotmail.com A busca pela minimização

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

O modelo está dividido em três componentes ou módulos principais: Apresentamos, a seguir, um fluxograma simplificado do sistema do modelo UTCS-1:

O modelo está dividido em três componentes ou módulos principais: Apresentamos, a seguir, um fluxograma simplificado do sistema do modelo UTCS-1: SP 24/11/79 NT 049/79 Modelo de Simulação de tráfego Urbano UTCS 1 Eng.º Sérgio Michel Sola Introdução Um modelo desenvolvido pela Federal Highway Administration (FHWA) no início da década de 70, denominado

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

EDIÇÃO Nº 11 / NOVEMBRO DE 2012 EDIÇÃO Nº 12 / DEZEMBRO DE 2012

EDIÇÃO Nº 11 / NOVEMBRO DE 2012 EDIÇÃO Nº 12 / DEZEMBRO DE 2012 EDIÇÃO Nº 11 / NOVEMBRO DE 2012 EDIÇÃO Nº 12 / DEZEMBRO DE 2012 ARVORE DE NATAL NA LAGOA 19ª EDIÇÃO DA ÁRVORE DE NATAL DA BRADESCO SEGUROS A 19ª Edição da Árvore é um projeto de alta performance em todas

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS

OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS OPERAÇÃO DE TRANSITO EM EVENTOS Definição e Responsabilidades Em conformidade com a LEI nº 14.072 de 18 de outubro de 2005, qualquer EVENTO somente poderá ser iniciado após

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR João Batista de Jesus FATEC-JAHU Célio Favoni 2 FATEC-JAHU Resumo Este trabalho expõe de maneira sintetizada as funcionalidades

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca

Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca Sistemas Inteligentes Lista de Exercícios sobre Busca 1) A* - Problema do metrô de Paris Suponha que queremos construir um sistema para auxiliar um usuário do metrô de Paris a saber o trajeto mais rápido

Leia mais

Uma Heurística Gulosa para o Problema de Bin Packing Bidimensional

Uma Heurística Gulosa para o Problema de Bin Packing Bidimensional Uma Heurística Gulosa para o Problema de Bin Packing Bidimensional Leandro Dias Costa, Luiz da Silva Rosa e Marcelo Lisboa Rocha Departamento de Ciência da Computação Fundação UNIRG Alameda Madrid Nº 545,

Leia mais

material, porque seus 4 m de comprimento tornam-se desprezíveis se comparados aos 20000 m de percurso. Ponto Material

material, porque seus 4 m de comprimento tornam-se desprezíveis se comparados aos 20000 m de percurso. Ponto Material Estudante: 9º Ano/Turma: Data / /2014 Educadora: Daiana Araújo C.Curricular: Ciências Naturais/ Física A Mecânica é o ramo da Física que tem por finalidade o estudo do movimento e do repouso. É dividida

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Programação Inteligente para Transporte Urbano

Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação horária Também chamada de programação de linha, consiste em obter como resultado final, tabelas horárias de viagens para uma linha (ou linhas)

Leia mais

Proposta de melhoria de processo em uma fábrica de blocos de concreto

Proposta de melhoria de processo em uma fábrica de blocos de concreto VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Proposta de melhoria de processo em uma fábrica de blocos de concreto Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA XI PRÊMIO SER HUMANO AS MELHORES PRÁTICAS EM GESTÃO DE PESSOAS ABRH- MG MODALIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA BELO HORIZONTE, DEZEMBRO DE 2011. MODALIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA REGULAMENTO

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Secretaria de Política Nacional de Transportes Pesquisa Nacional de Tráfego 2011: Volumétrica e Origem e Destino Luiz Carlos Rodrigues Ribeiro Coordenador Geral de Planejamento OBJETIVO Elaboração de estudos

Leia mais

anpet.org.br/xxixanpet

anpet.org.br/xxixanpet anpet.org.br/xxixanpet ANPET em Ouro Preto A Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (ANPET) e a Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) realizarão o XXIX Congresso de Pesquisa e Ensino

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Engenharia de Sistemas

Engenharia de Sistemas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Engenharia de Sistemas Prof Luís César da Silva, Dr UFES/CCA Conceitos Necessários! Engenharia! Sistema Agroindustriais! Técnicas de Modelagem! Cadeia Produtiva Supply

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO CASOS DE APLICAÇÃO RUI CARVALHO OLIVEIRA JOSÉ SOEIRO FERREIRA (EDITORES) IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA COIMBRA UNIVERSITY PRESS CASO 7 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

Desenvolvimento de carrinhos para catadores - melhorando a resistência, ergonomia, segurança no trânsito e com capacidade de coleta de óleo de

Desenvolvimento de carrinhos para catadores - melhorando a resistência, ergonomia, segurança no trânsito e com capacidade de coleta de óleo de Desenvolvimento de carrinhos para catadores - melhorando a resistência, ergonomia, segurança no trânsito e com capacidade de coleta de óleo de fritura Projeto Patrocínio Execução Apoio O CATADOR OBJETIVOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE TRÊS FERRAMENTAS DIDÁTICAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE AUTOMAÇÃO EM CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

DESENVOLVIMENTO DE TRÊS FERRAMENTAS DIDÁTICAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE AUTOMAÇÃO EM CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DESENVOLVIMENTO DE TRÊS FERRAMENTAS DIDÁTICAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE AUTOMAÇÃO EM CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES Josimar R. N. josimarnolasco@yahoo.com.br Lindolpho O. de Araujo Júnior lindolpho@leopoldina.cefetmg.br

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ASSUNTO PESQUISA OPERACIONAL. O que é Pesquisa Operacional?

INTRODUÇÃO AO ASSUNTO PESQUISA OPERACIONAL. O que é Pesquisa Operacional? INTRODUÇÃO AO ASSUNTO PESQUISA OPERACIONAL O que é Pesquisa Operacional? Denomina-se Management Sciences (Ciência de Negócios) a área de estudos que utiliza computadores, estatística e matemática para

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Armazenamento e Recuperação da Informação

Armazenamento e Recuperação da Informação Coleção UAB UFSCar Sistemas de Informação Organização e Recuperação da Informação Jander Moreira Armazenamento e Recuperação da Informação Armazenamento e Recuperação da Informação Reitor Targino de Araújo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Software. Guia do professor. Geometria do táxi Distâncias. Ministério da Educação. Ministério da Ciência e Tecnologia

Software. Guia do professor. Geometria do táxi Distâncias. Ministério da Educação. Ministério da Ciência e Tecnologia Números e funções Geometria e medidas Guia do professor Software Geometria do táxi Distâncias Objetivos da unidade 1. Consolidar o uso de coordenadas cartesianas no plano e introduzir uma nova noção de

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

IP 02/2004 CLASSIFICAÇÃO DAS VIAS

IP 02/2004 CLASSIFICAÇÃO DAS VIAS 1. OBJETIVO O objetivo desde documento é apresentar as diretrizes para a classificação de vias em função do tráfego, da geometria e do uso do solo do entorno de vias urbanas da Prefeitura do Município

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias.

Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias. Uso de SAS/OR para diminuir o tempo de resposta com um melhor posicionamento de ambulâncias. Fábio França 1, 1 Logical Optimization Rua Tanhaçu número 405, CEP 05679-040 São Paulo, Brasil fabio.franca@optimization.com.br

Leia mais

BUSCA LOCAL ITERADA (ILS ITERATED LOCAL SEARCH)

BUSCA LOCAL ITERADA (ILS ITERATED LOCAL SEARCH) BUSCA LOCAL ITERADA (ILS ITERATED LOCAL SEARCH) Francisco A. M. Gomes 1º sem/2009 MT852 Tópicos em pesquisa operacional Iterated local search (ILS) Método que gera uma sequência de soluções obtidas por

Leia mais

Questionamento 3. Ano. Série. Nome do Aluno. Escola

Questionamento 3. Ano. Série. Nome do Aluno. Escola Questionamento 3 Pergunta 1: Conforme página 3 do TR existe a necessidade de cadastro em sistema de gestão documental informatizado, conforme requisitos abaixo listados: Ano Série Nome do Aluno Escola

Leia mais

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009.

Está vedada a participação das empresas e instituições que tenham sido vencedoras regionais e nacionais no Prêmio FINEP de Inovação 2009. Regulamento O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores brasileiros, desenvolvidos

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Clip-art Retrieval using Sketches PTDC/EIA-EIA/108077/2008 Deliverable: D3 Feature Extraction Library (Vectors) Task: T3 Feature Extraction

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais