REQUERIMENTO. (Do Sr. Bilac Pinto) Senhor Presidente:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REQUERIMENTO. (Do Sr. Bilac Pinto) Senhor Presidente:"

Transcrição

1 REQUERIMENTO (Do Sr. Bilac Pinto) Requer o envio de Indicação ao Ministério de Ciência e Tecnologia, sugerindo a inclusão de novos produtos no rol daqueles incentivados com redução de alíquotas de COFINS, PIS/PASEP e IPI no âmbito do PATVD Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Equipamentos para TV Senhor Presidente: Nos termos do art. 113, inciso I e 1º, do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, requeiro a V. Exª. seja encaminhada ao Ministério da Ciência e Tecnologia, a Indicação anexa, sugerindo a inclusão de novos produtos no rol daqueles incentivados com redução de alíquotas de COFINS, PIS/PASEP e de IPI no âmbito do PATVD Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Equipamentos para TV Sala das Sessões, em de de Deputado BILAC PINTO 2009_5105

2 2 INDICAÇÃO N o, DE 2009 (Do Sr. Bilac Pinto) Sugere a inclusão de novos itens na lista de produtos incentivados com redução de COFINS, PIS/PASEP e IPI no âmbito do PATVD Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Equipamentos para a TV da Tecnologia : Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Ciência e O Decreto nº 6.234, de 11 de outubro de 2007 estabeleceu os critérios e os produtos finais para a fruição dos incentivos decorrentes do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Equipamentos para a TV Digital PADTV, que reduz a zero as alíquotas da COFINS, PIS/PASEP e do IPI. O amadurecimento do processo produtivo de equipamentos para a TV Digital, porém, mostrou que seria adequada a inclusão de novos itens entre os produtos passíveis de fruição dos incentivos fiscais. Sendo assim, encaminhamos anexa uma relação desses equipamentos que consideramos necessária para que a fruição dos incentivos fiscais para a produção de equipamentos para a TV Digital no Brasil seja equilibrada e menos assimétrica do ponto de vista fiscal. Sala das Sessões, em de de Deputado Bilac Pinto 2009_5105

3 3 NOVOS ANEXOS PARA O DECRETO 6.234, DE 11/10/2007 ANEXO I NCMs DE PRODUTOS FINAIS PARA TRANSMISSÃO DE TV DIGITAL NCM DESCRIÇÃO USO Outros multiplexadores por divisão de tempos Prod. Final = Multiplexadores ISDB Outros aparelhos emissores com receptor incorporado, digitais, de frequência inferior a 15 GHz e de taxa de transmissão inferior ou igual a 34Mbits/s Outros aparelhos emissores com receptor incorporado, digitais, de frequência inferior a 15 HGz e de taxa de transmissão inferior ou igual a 34 Mbits/s Aparelhos transmissores (emissores) para radiodifusão, ou televisão, mesmo incorporando aparelho de recepção. Em frequência superior a 7GHz Aparelhos transmissores (emissores) para radiodifusão, ou televisão, mesmo incorporando aparelho de recepção. Outros Aparelhos transmissores (emissores) para radiodifusão, ou televisão. Em frequência superior a 7 GHz Aparelhos transmissores (emissores) para radiodifusão ou televisão. Em banda UHF, com potência superior a 10kW Aparelhos transmissores (emissores) para radiodifusão ou televisão. Em banda VHF, com potência superior a 20kW Aparelhos transmissores (emissores) para radiodifusão ou televisão. Outros Prod. Final = Estação rádio base, para retorno da interatividade da TV Prod. Final = Equipamento para a base do usuário, para retorno da interatividade da TV Digital transmissão de microondas acima de 7 GHz, para transporte de sinais da TV microondas abaixo de 7 GHz, para transporte de sinais da TV transmissão de microondas acima de 7GHz, para transporte de sinais da TV de TV, em UHF, com potência acima de 10kW, para TV de TV, em VHF, com potência acima de 20kW, para TV microondas abaixo de 7GHz, para TV Digital; Prod. Final = Gap-fillers, para TV Digital; de TV, em UHF, com potência abaixo de 10kW, para TV Digital; de TV, em VHF, com potência abaixo de 20kW, para TV

4 Transmissor com receptor de microondas digital, para radiodifusão. Prod. Final = Sistema de microondas acima de 7 GHz, para TV Prod. Final = Sistema de fibra- Óptica, para TV Transmissor com receptor de fibra óptica, para radiodifusão Transmissor com receptor, outros Prod. Final = Sistema de microondas abaixo de 7GHz, para TV Outros receptores de sinais de TV. Prod. Final = Receptor de HDSAT, com saída em TS de TV Partes reconhecíveis como exclusiva ou principalmente destinadas aos aparelhos das posições 8525 a Circuitos impressos com componentes ou eletrônicos montados Partes reconhecíveis como exclusiva ou principalmente destinadas aos aparelhos das posições 8525 a Outros Prod. Final = Módulos ativos, para transmissores e microondas de TV Prod. Final = Módulos passivos para transmissores e microondas de TV Máquinas e aparelhos auxiliares para vídeo Prod. Final = Encoders de vídeo digital Máquinas e aparelhos elétricos com função própria, não especificados nem compreendidos em outras posições do capítulo 85. Prod. Final = Conversores para sistemas de TV

5 5 ANEXO II MÁQUINA, APARELHOS, INSTRUMENTOS E EQUIPAMENTOS, A SEREM INCORPORADOS AO ATIVO IMOBILIZADO, DESTINADOS Á FABRICAÇÃO DOS PRODUTOS FINAIS. DESCRIÇÃO NCM Centros de usinagem, máquinas de sistemas monostáticos (single station) e máquinas de estações múltiplas, para trabalhar metais. Tornos (incluídos os centros de torneamento), para metais Máquinas- ferramentas (incluídas as prensas) para forjar ou estampar, martelos, martelos- piões e martinetes para trabalhar metais; máquinas- ferramentas (incluídas as prensas) para enrolar, arquear, dobrar, endireitar, aplanar, cizalhar, puncionar ou chanfrar metais; prensas para trabalhar metias ou carbonetos metálicos, não especificados acima Máquinas automáticas para processamento de dados e suas unidades; Leitores magnéticos ou ópticos, máquinas para registrar dados em suporte sob forma codificada, e máquinas para processamento desses dados, não Especificadas nem compreendidas em outras posições Partes e Acessórios (exceto estojos, capas e semelhantes) reconhecíveis como exclusiva ou principalmente destinados às máquinas e aparelhos das posições a Máquinas e aparelhos mecânicos com função própria, não especificados nem compreendidos em outras posições deste capítulo Fornos elétricos industriais ou de laboratório, incluídos os que funcionam por indução ou perdas dielétricas; outros aparelhos industriais ou de laboratório para tratamento térmico de matérias por indução ou por perda dielétricas Máquinas e aparelhos para soldar (mesmo de corte) elétricos (incluídos os a gás, aquecidos eletricamente), a lazer ou outros feixes de luz ou de fótons, a ultrassom, a feixes de elétrons, a impulsos magnéticos ou a jato de plasma; máquinas e aparelhos elétricos para projeção aquente de metais ou de ceramais (cermetes). Discos, fitas, dispositivos de armazenamento não- volátil de dados à base de semicondutores, cartões inteligentes ( smart Cards ) e outros suportes para gravação de som ou para gravações semelhantes, mesmo gravados, incluídos as matrizes e moldes galvânicos para fabricação de discos, exceto os produtos do capítulo 37. Aparelhos de rádio- detecção e de radiossondagem (radar), aparelhos de rádio navegação e aparelhos de rádio telecomando Máquinas e aparelhos elétricos com função própria, não especificada nem compreendida em outras posições do presente capítulo. Osciloscópios, analisadores de espectro e outros instrumentos e aparelhos para medida ou controle de grandezas elétricas.

6 6 ANEXO III INSUMOS DESTINADOS A FABRICAÇÃO DOS PRODUTOS FINAIS DESCRIÇÃO NCM Produtos utilizados como colas ou adesivos, acondicionados para venda a retalho com peso líquido não superior a 1 quilo Em rolos de largura não superior a 20 cm Teflon Chapas, folhas, películas, tiras e lâminas de plástico Outras chapas, folhas, películas, tiras e lâminas de plásticos Bobinas, fusos, carretéis e suportes semelhantes Outras obras de plásticos e obras de outras matérias das posições a / Discos e arruelas de borracha vulcanizadas Obras de cerâmica empregadas na indústria de bens eletrônicos Barras de cobre refinado Outros parafusos e pinos ou pernos, mesmo com as porcas e arruelas Porcas Obras de ferro ou aço Abraçadeira Barras de ligas de cobre-zinco (latão) Chapas e tiras de cobre refinado, com espessura superior a 0,15 mm Chapas e tiras de ligas de cobre-zinco, com espessura superior a 0,15 mm Chapas para circuito impresso Tubos de cobre refinado, não aletados nem ranhurados Tubos de ligas de cobre-zinco, não aletados nem ranhurados Tubos de ligas de cobre-zinco Acessórios para tubos de ligas de cobre Barras e perfis de alumínio não ligado Barras e perfis de ligas de alumínio Tubos de ligas de alumínio Elementos de alumínio para construções, inclusive suas partes Cabos de alumínio, não isolados Telas metálicas, grades e redes, de fio de alumínio Caixas fundidas de alumínio Ferramentas de embutir, de estampar ou de puncionar Barras, perfis e fios de estanho De placas Micro ventiladores com área de carcaça inferior a 90 cm² Outros ventiladores De ventiladores ou coifas aspirantes Placas-mãe ( mother boards ) Partes e acessórios das máquinas da posição Outros Rolamentos de esferas Bronzes para mancais sem rolamentos Transformadores elétricos, conversores elétricos estáticos (retificadores, por exemplo), bobinas de reatância e auto-indução De potência não superior a 1kVA / Outros Núcleos de pó ferromagnético Pilhas alcalinas

7 7 Acumuladores elétricos de chumbo Acumuladores elétricos Micro ventiladores com área de carcaça inferior a 90 cm² Ventiladores / Outros Acoplador direcional Conversor de corrente contínua Fonte para PC Bobinas Forma plástica para bobina Aparelho de GPS Policromáticos / Outros Partes reconhecíveis como exclusiva ou principalmente destinadas aos aparelhos das posições 8525 a 8528 (circuitos ativos). Partes reconhecíveis como exclusiva ou principalmente destinadas aos aparelhos das posições 8525 a 8528 (circuitos passivos). Condensadores elétricos, fixos, variáveis ou ajustáveis, exceto os condensadores de potência, concebidos para linhas elétricas de 50/60Hz e capazes de absorver uma potência reativa igual ou superior a 0,5 kvar Resistências elétricas (incluídos os reostatos e os potenciômetros), exceto as resistências para aquecimento Circuitos impressos Disjuntor para tensão inferior a 72.5 kw Contactor Não automáticos Suportes, conectores, interruptores, seccionadores e comutadores Outros, de potência não superior a 200 W e tensão superior a 100V Diodos, transistores e dispositivos semelhantes semicondutores; dispositivos fotossensíveis semicondutores, incluídas as células fotovoltaicas, diodos emissores de luz, e cristais piezelétricos montados. Circuitos integrados eletrônicos Fios, cabos (incluídos os cabos coaxiais) e outros condutores, isolados para usos elétricos (incluídos os envernizados ou oxidados anodicamente), mesmo com peças de conexão; cabos de fibras ópticas, constituídos de fibras embainhadas individualmente, mesmo com condutores elétricos ou munidos de peças de conexão / Outros Peças isolantes inteiramente de matérias isolantes, ou com simples peças metálicas de montagem (suportes roscados, por exemplo) incorporadas na massa, para máquinas, aparelhos e instalações elétricas, exceto os isoladores da posição ; tubos isoladores e suas peças de ligação, de metais comuns, isolados interiormente / Outros Partes elétricas de máquinas e equipamentos, não especificadas em qualquer outra posição do Capítulo 85 da NCM Dispositivos de cristais líquidos (LCD) Carga de RF _5105

ABIMAQ- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS

ABIMAQ- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS ABREME-ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS REVENDEDORES E DISTIBUIDOREES DE MATERIAIS ELÉTRICOS SINDICEL-SINDICATO DA INDÚSTRIA DE CONDUTORES ELÉTRICOS, TREFILAÇÃO E LAMINAÇÃO DE METAIS NÃO FERROSOS DO ESTADO DE

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST PRESENTE NO ACORDO 01 Eletrobombas submersíveis 8413.70.10 36,00% SIM 8504.10.00 50,00% SIM 8504.21.

ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST PRESENTE NO ACORDO 01 Eletrobombas submersíveis 8413.70.10 36,00% SIM 8504.10.00 50,00% SIM 8504.21. ITEM DESCRIÇÃO NCM IVA-ST PRESENTE NO ACORDO 01 Eletrobombas submersíveis 8413.70.10 36,00% SIM 85.10.00 50,00% SIM 85.21.00 50,00% SIM 85.22.00 50,00% SIM 85.23.00 50,00% SIM 85.31. 50,00% SIM 85.31.19

Leia mais

Capítulo 85. Notas. 1. Este Capítulo não compreende:

Capítulo 85. Notas. 1. Este Capítulo não compreende: Capítulo 85 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO ALTERAÇÕES FEITAS PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/2012

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO ALTERAÇÕES FEITAS PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/2012 CIRCULAR Nº 01/2013 São Paulo, 02 de Janeiro de 2013. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO ALTERAÇÕES FEITAS PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/2012 Prezado Cliente, No dia 28/12/2012, foi publicada a Medida Provisória

Leia mais

DECRETO Nº 8.224, DE 3 DE ABRIL DE 2014

DECRETO Nº 8.224, DE 3 DE ABRIL DE 2014 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 8.224, DE 3 DE ABRIL DE 2014 Estabelece a aplicação de margem de preferência em licitações realizadas no âmbito da administração pública

Leia mais

ANEXO 3 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST.

ANEXO 3 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. ANEXO 3 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. Abrangência: operações interestaduais originadas do Estado de São Paulo e destinadas ao Estado de Santa Catarina. Produto: eletrônicos,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 04, DE 04 DE MARÇO DE 2015.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 04, DE 04 DE MARÇO DE 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 04, DE 04 DE MARÇO DE 2015. O Secretário do Desenvolvimento da Produção do Ministério

Leia mais

DECLARAÇÃO. NCM/SH NALADI/SH DENOMINAÇÃO VALOR FOB US$ (unit.) 7318.16.00 7318.16.00 - Porcas Valor mínimo: 0.25 Valor máximo: 0.

DECLARAÇÃO. NCM/SH NALADI/SH DENOMINAÇÃO VALOR FOB US$ (unit.) 7318.16.00 7318.16.00 - Porcas Valor mínimo: 0.25 Valor máximo: 0. Econômica nº. ACE-02, declaramos que nossa empresa é fabricante e/ou exportadora do produto: Descrição ZM: Conjunto montado parafuso e porca de roda 7318.16.00 7318.16.00 - Porcas Valor mínimo: 0.25 Valor

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Automação. Regime de Origem do Acordo Mercosul-Chile

Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Automação. Regime de Origem do Acordo Mercosul-Chile Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Automação Regime de Origem do Acordo Mercosul-Chile APÊNDICE 4 DO ANEXO 13 DO ACE - 35 REGIME DE ORIGEM PARA O SETOR DE INFORMÁTICA

Leia mais

ANEXO 4 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO

ANEXO 4 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO ANEXO 4 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO Abrangência: operações interestaduais originadas do estado do Rio de Janeiro e destinadas ao estado de São Paulo. Produto:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 35, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 35, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 35, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013 * Publicada no DOE em 19/12/13 Altera a Instrução Normativa n.º 04, de 31 de janeiro de 2013, que lista os produtos de informática de que tratam a alínea

Leia mais

BENS DE INFORMÁTICA E DE TELECOMUNICAÇÕES NOMENCLATURA, TARIFA EXTERNA COMUM E CONVERGÊNCIA

BENS DE INFORMÁTICA E DE TELECOMUNICAÇÕES NOMENCLATURA, TARIFA EXTERNA COMUM E CONVERGÊNCIA Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Automação BENS DE INFORMÁTICA E DE TELECOMUNICAÇÕES NOMENCLATURA, TARIFA EXTERNA COMUM E CONVERGÊNCIA ATUALIZADA CONFORME O DECRETO

Leia mais

Capítulo 85. d) os aspiradores do tipo dos utilizados em medicina, cirurgia, odontologia ou veterinária (Capítulo 90);

Capítulo 85. d) os aspiradores do tipo dos utilizados em medicina, cirurgia, odontologia ou veterinária (Capítulo 90); Capítulo 85 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes

Leia mais

TAXA GERAL. 8501.51.00 De potência não superior a 750 W P/ST K 5.00 B22 0 B22 0 0 0 17

TAXA GERAL. 8501.51.00 De potência não superior a 750 W P/ST K 5.00 B22 0 B22 0 0 0 17 N.º DE POSIÇÃO 85.01 CÓDIGO DO S.H. DESIGNAÇÃO DAS MERCADORIAS UNIDADE C. TAXA GERAL DIREITOS ADUANEIROS SADC OUTROS M. Valor Minimo CAT. Taxa CAT. Taxa Motores e geradores, eléctricos, excepto os grupos

Leia mais

... CIRCULAR 171... Novos produtos sujeitos a Substituição Tributária a partir de 06/2009.

... CIRCULAR 171... Novos produtos sujeitos a Substituição Tributária a partir de 06/2009. ... CIRCULAR 171......... Novos produtos sujeitos a Substituição Tributária a partir de 06/2009. Prezados Clientes, Foi publicado no DOE de 18/05/2009 através do Decreto Nº. 54.338 a relação com novos

Leia mais

Capítulo 85. d) Os aspiradores dos tipos utilizados em medicina, cirurgia, odontologia ou veterinária (posição 90.18);

Capítulo 85. d) Os aspiradores dos tipos utilizados em medicina, cirurgia, odontologia ou veterinária (posição 90.18); Capítulo 85 Máquinas, aparelhos e materiais elétricos, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 8, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011. (Publicada no DOU, em 20 de setembro de 2011) O

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 237, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 237, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 237, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR E O MINISTRODE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA no uso das atribuições

Leia mais

COBRE EXTRA COBRE MISTO

COBRE EXTRA COBRE MISTO #1 cobre COBRE EXTRA Cabos, fios grossos, barras chatas, fio trolley sem liga, limpas e vermelhas. Todo esse material devem ter no mínimo 1,65 mm de espessura e devem ser absolutamente vermelhos. Todos

Leia mais

I - a tecnologia do bem ou do programa de computador proposto foi desenvolvida no País;

I - a tecnologia do bem ou do programa de computador proposto foi desenvolvida no País; DECRETO Nº 1.070, DE 02 DE MARÇO DE 1.994 Regulamenta o art. 3º da Lei nº 8.248, de 23 de outubro de 1991, que dispõe sobre contratações de bens e serviços de informática e automação pela Administração

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA ANTENAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS ACUMULADORES DE ENERGIA (BATERIA) CABOS COAXIAIS CABOS ÓPTICOS E FIBRAS ÓPTICAS CABOS PARA TRANSMISSÃO DE DADOS

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Linear VHF com 4CX250 Fonte de Alta Tensão

Linear VHF com 4CX250 Fonte de Alta Tensão Linear VHF com 4CX250 Fonte de Alta Tensão Dando início a descrição do linear para VHF utilizando a válvula 4CX250, vou começar pela fonte de Alta tensão. O circuito estpa descrito na Figura 1. Esta fonte

Leia mais

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso.

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. Luciano de Abreu São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. É um dispositivo elétrico passivo que armazena energia

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 16, DE 04 DE ABRIL DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 16, DE 04 DE ABRIL DE 2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 16, DE 04 DE ABRIL DE 2013 * Publicado no DOE em 10/04/2013 Altera a Instrução Normativa n.º 04, de 31 de janeiro de 2013, que lista os produtos de informática de que tratam a alínea

Leia mais

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço Capítulo 73 Obras de ferro fundido, ferro ou aço Notas. 1.- Neste Capítulo, consideram-se de ferro fundido os produtos obtidos por moldação nos quais o ferro predomina em peso sobre cada um dos outros

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

RESISTORES ELÉTRICOS

RESISTORES ELÉTRICOS RESISTORES ELÉTRICOS São dispositivos utilizados para limitar a passagem da corrente elétrica nos circuitos São feitos com material condutor de alta resistividade elétrica Transformam a energia elétrica

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES EXPEIÊNCIA 1 ESISTOES E ASSOCIAÇÃO DE ESISTOES 1 INTODUÇÃO TEÓICA Os resistores são componentes básicos dos circuitos eletro-eletrônicos utilizados nos trechos dos circuitos onde se deseja oferecer uma

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

Capítulo 76. Alumínio e suas obras

Capítulo 76. Alumínio e suas obras Capítulo 76 Alumínio e suas obras Nota. 1. Neste Capítulo consideram-se: a) Barras: os produtos laminados, extrudados, estirados ou forjados, não enrolados, cuja seção transversal, maciça e constante em

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

D E C L A R A Ç Ã O D O P R O D U T O R

D E C L A R A Ç Ã O D O P R O D U T O R CNPJ: 76.812.379/0001-0404 De acordo com as determinações do Capitulo V, Artigo 15 do 44º Protocolo Adicional do ACE-18, declaramos que nossa empresa é fabricante do produto: 7318.15.00 7318.15.00 Outros

Leia mais

Catálogo de Cursos TELECOMUNICAÇÃO SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

Catálogo de Cursos TELECOMUNICAÇÃO SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL TELECOMUNICAÇÃO SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO ANTENISTA Proporcionar ao treinando conhecimentos necessários 2. OBJETIVO para o desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

Treinamento em transformadores- Programa 1

Treinamento em transformadores- Programa 1 Treinamento em transformadores- Programa 1 Módulo 1: Núcleo Caminho de passagem da energia magnética Perdas a vazio Corrente de excitação Nível de ruído Descargas parciais Gás-cromatografia Chapas de M4

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB Este sistema é formado pelos seguintes elementos, compatíveis entre si e especialmente projetados para o estudo de máquinas elétricas. Código

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 46 DE 14 DE OUTUBRO DE 2015. O Secretário do Desenvolvimento da Produção do Ministério

Leia mais

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos Curso de Física Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina Sumário 1. O Poder das Pontas; 2. Blindagem eletrostática; 3. Capacitores e suas aplicações; 4. Resistores; 5.

Leia mais

Itens excluídos: Itens incluídos:

Itens excluídos: Itens incluídos: Abrangência: operações interestaduais originadas do estado de São Paulo e destinadas ao estado do Amapá. Produto: eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos. Conteúdo: alteração do acordo de substituição

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço Capítulo 73 Obras de ferro fundido, ferro ou aço Notas. 1. Neste Capítulo, consideram-se de ferro fundido os produtos obtidos por moldação nos quais o ferro predomina em peso sobre cada um dos outros elementos,

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS.

ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS. ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS. Abrangência: indústria de processamento eletrônico de dados, inclusive de produtos fabricados de acordo com

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 200A

Acessórios Desconectáveis 200A 200A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

Galtrans MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC EQUIPAMENTOS PARA GALVANOPLASTIA. www.galtrans.com.br

Galtrans MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC EQUIPAMENTOS PARA GALVANOPLASTIA. www.galtrans.com.br MANUAL DE INSTRUÇÕES PAINEL MOD.: CROMATEC A GALTRANS agradece pela compra deste equipamento.para assegurar o total entendimento do seu funcionamento e obter o melhor desempenho possível, leia atentamente

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

CAMEX - Câmara de Comércio Exterior

CAMEX - Câmara de Comércio Exterior CAMEX - Legislação- Resolução /13 Page 1 of 9 26/02/13 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior CAMEX - Câmara de Comércio Exterior RETIFICAÇÃO (Publicada no D.O.U. de 22/02/13) Na

Leia mais

ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO

ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO Abrangência: operações interestaduais originadas do estado de São Paulo e destinadas ao estado do Rio de Janeiro. Produto: eletrônicos, eletroeletrônicos

Leia mais

ANEXO 1 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO GRANDE DO SUL

ANEXO 1 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO GRANDE DO SUL ANEXO 1 AO COMUNICADO: ACORDOS DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA SÃO PAULO E RIO GRANDE DO SUL Abrangência: operações interestaduais originadas do estado de São Paulo e destinadas ao estado do Rio Grande do Sul.

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos

Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos ELETROSTÁTICA Carga Elétrica e Eletrização dos Corpos Eletrostática Estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. O átomo O núcleo é formado por: Prótons cargas elétricas positivas Nêutrons

Leia mais

Laboratório de robótica

Laboratório de robótica CAMINHÃO TRANSPORTADOR 1. Introdução Laboratório Em uma região muito arborizada da cidade, há muitas árvores altas que perdem algumas folhas durante o dia, derrubando-as nos telhados das casas. Como as

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

MONTAGEM E CONFIGURAÇÃO DE UMA PISTA/PISO DE LEDS

MONTAGEM E CONFIGURAÇÃO DE UMA PISTA/PISO DE LEDS MONTAGEM E CONFIGURAÇÃO DE UMA PISTA/PISO DE LEDS CONDIÇÕES GERAIS Utilize o texto e vídeo abaixo como referencia se você deseja montar uma pista de LEDs, LEMBRANDO QUE É APENAS UMA SUGESTÃO, VOCÊ PODE

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções 1,5 CV - TRIFÁSICO Moto Esmeril de Coluna

bambozzi Manual de Instruções 1,5 CV - TRIFÁSICO Moto Esmeril de Coluna A SSISTÊNCIAS T ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33844968 / 33842409 bambozzi Moto Esmeril de Coluna Manual de Instruções BAMBOZZI TALHAS E MOTO ESMERIL

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 Objeto: Aquisição de Material de e Permanente (Equipamentos e Suprimentos de Informática), para 001 081266-9 CABO UTP CAT5E FLEXíVEL, CAIXA COM 300MT Lote 1- Destino: Uinfor CX 30 002 113294-5

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

Resistência Eléctrica

Resistência Eléctrica Resistência Eléctrica Definição de resistência A resistência é uma medida da oposição que a matéria oferece à passagem de corrente eléctrica. Os materiais são designados por condutores, semicondutores

Leia mais

5 Montagem Circuítos

5 Montagem Circuítos Montagem 5 Circuítos Ambiente de trabalho: Para trabalhar com montagem eletrônica e reparação de equipamentos o técnico precisa de algumas ferramentas, são elas: 1 - Ferro de solda: O ferro de solda consiste

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA CNPJ: 76.105.535/0001-99

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA CNPJ: 76.105.535/0001-99 RESULTADO DE LICITAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO Nº 5524/2012 - PREGÃO Nº 098/2012 TIPO MENOR PREÇO OBJETO: "Aquisição de centrais de alarmes e conjuntos de acessórios necessários para instalação de alarmes

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA - CAMPUS VITORIA DA CO 1 ALICATE, universal, de 8 polegadas, em aco, cabo com isolacao para 1000 volts e em conformidade com norma ABNT NBR vigente no que diz respeito

Leia mais

Capítulo 76 Alumínio e suas obras

Capítulo 76 Alumínio e suas obras Nota. Capítulo 76 Alumínio e suas obras 1.- Neste Capítulo consideram-se: a) Barras: os produtos laminados, extrudados, estirados ou forjados, não enrolados, cuja seção transversal, maciça e constante

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MOTORES ELÉTRICOS DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DE ALTA E BAIXA TENSÃO PREFÁCIO O motor elétrico! WEG INDUSTRIAS S.A. - MÁQUINAS ---- IMPORTANTE ---- LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Capacitores. 1. Introdução

Capacitores. 1. Introdução Capacitores 1. Introdução 2. Tipos de Capacitores 3. Capacitores e suas marcações 4. Capacitores de cerâmica multicamadas 5. Capacitores de poliéster metalizado 6. Capacitores de tântalo 7. Capacitores

Leia mais

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Conceitos básicos de Componentes SMD Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Maio de 2014 Componentes em SMD Atualmente, nos equipamentos eletrônicos modernos, a utilização de resistores e capacitores convencionais

Leia mais

Informativo de Segurança e Saúde

Informativo de Segurança e Saúde Informativo de Segurança e Saúde 03/2010 Introdução: O Grupo Técnico de Estudos de Espaços Confinados GTEEC, coordenado pela CPFL Energia e ligado ao Comitê de Segurança e Saúde no Trabalho - CSST da Fundação

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 53, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. O Secretário do Desenvolvimento da Produção do

Leia mais

Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso

Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso Objetivo: Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso Prof. Stefano Apresentar algumas considerações iniciais para permitir ao estudante se familiarizar com a placa de circuito impresso (PCI),

Leia mais

Como funciona o motor de corrente contínua

Como funciona o motor de corrente contínua Como funciona o motor de corrente contínua Escrito por Newton C. Braga Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo

Leia mais

(Do Sr. Guilherme Campos) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Guilherme Campos) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2007 (Do Sr. Guilherme Campos) Institui incentivos fiscais para a aquisição de bens e prestação de serviços necessários para a utilização de energia solar, eólica ou outras formas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 23, DE 07 DE AGOSTO DE 2014. A Secretária do Desenvolvimento da Produção do Ministério

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais