HistÄria e evoluåço da concepåço do eixo corpo movimento nas aulas de EducaÅÇo FÉsica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HistÄria e evoluåço da concepåço do eixo corpo movimento nas aulas de EducaÅÇo FÉsica"

Transcrição

1 1 HistÄria e evoluåço da concepåço do eixo corpo movimento nas aulas de EducaÅÇo FÉsica Joyce Ribeiro 1 Orientador: Samanta Garcia ** Resumo Este artigo terå como objetivo primårio mostrar as diferentes visçes do conceito corporal, o conceito histérico, as visçes corporais durante as fases da vida, as diferentes visçes dos autores nos conceitos fñsicos, fisiolégico, patolégico, psicomotor e psicolégico e como ele Ö influenciado pelo meio social em que vive. Em um segundo momento, veremos como a danüa vem evoluindo desde o surgimento do homem no mundo, suas alteraüçes por questçes sociais, culturais e como e onde ela deve ser trabalhada e ensinada para levar uma maior consciáncia corporal aos seus praticantes. Para um terceiro momento e finalizando, mostraremos segundo a visào dos autores como e porquá a danüa deve ser trabalhada nas escolas, veremos os benefñcios que ela pode trazer tanto ao corpo fñsico mas tamböm a mente e contribuindo para uma formaüào integral dos alunos e formando pessoas integralmente para o convñvio social. Palavras chaves: ConcepÜào, danüas, eixo corpo-movimento, evoluüào, ludicidade. 1 INTRODUÑÖO Nos dias atuais a EducaÜào FÑsica passa por muitas divergáncias e busca o desenvolvimento completo do ser humano, sob diversas concepüçes sociolégicas, pedagégicas e filoséficas. Segundo Oliveira (2004) a EducaÜào FÑsica existe por causa do homem, enquanto ser social e individual. Assim, se faz necessårio compreender o indivñduo como um todo, em suas diversas formas de relacionar-se com o mundo e, a EducaÜào FÑsica, como cultura corporal de movimento deve atentar-se âs individualidades. Para Daolio (2004) cultura Ö um conceito importante para a EducaÜào FÑsica, levando em consideraüào o fato de que o movimento humano Ö a questào em estudo, mas nào se pode esquecer que a EducaÜào FÑsica deve ensinar aos alunos as questçes sécio culturais baseando-se na realidade em que se inserem. Assim, para-se para pensar no corpo enquanto objeto de estudo na EducaÜào FÑsica Medina (2010) retrata a crise instaurada em nossa Årea de conhecimento a 1 Discentes do Curso de EducaÜào FÑsica da Universidade Salgado de Oliveira. ** Docente do curso de EducaÜào FÑsica da Universidade Salgado de Oliveira.

2 2 reduüào do corpo a um simples objeto nada diferente de uma måquina qualquer, eliminando todas as suas dimensçes: sociais, culturais, polñticas, econämicas, a crise aponta o fato de que o homem nào pode ser fragmentado, mostrando-nos a necessidade de uma compreensào global e essencial da dimensào do corpo humano. Para compreender a importãncia do eixo corpo/movimento dentro da DanÜa nas aulas de EducaÜào FÑsica Ö necessårio estudar um pouco sobre essa evoluüào do conceito de corpo na histéria. Segundo Gusdorf (1986) apud Volp, Schwart, Deutsch (1995), atualmente o homem preocupa-se mais com o corpo do que nos söculos passados. O homem da atualidade possui dois corpos, um organismo material representado pelos livros de anatomia, fisiologia e patologia, que sào de domñnio dos especialistas de histéria natural e outro explicitado pelo corpo interior. Mostrando um aspecto diferente da cultura moderna em que o corpo objeto possui uma funüào material e de consumo corrente, transformando-se em um objeto de preocupaüào estötica (VOLP SCHWART, DEUTSCH, 1995 apud LORENZ, 1986). Os valores morais e Öticos, bem como a natureza estötica, responsåveis pelo sentimento de beleza sofrem fortes variaüçes e interferáncias de componentes sociais e sào portadores de significaüçes pessoais que transpçem as barreiras do cotidiano, evidenciando a perspectiva mñtica, em um nñvel de identificaüào imaginåria dos mitos corporais (VOLP, SCHWART, DEUTSCH, 1995). Foucault (1994) apud Palma (2001) amplia a discussào da corporeidade trazendo a idöia dos corpos submissos e exercitados como déceis. Na era industrial o corpo era disciplinado como instrumento de produüào, na sociedade pés-industrial passou por uma incessante produüào de serviüos e desejos. E hoje Ö ao mesmo tempo consumidor e objeto de consumo (PALMA, 2001). Palma (2001) aponta que o corpo nào se manifesta apenas como veñculo da aparáncia, mas antes como lugar de seduüào, fascñnio, criaüào de pactos estöticos que explicitam o amor, o prazer, etc. Assim a imagem corporal resulta tanto da experiáncia motora, quanto da sensibilidade sexual motivada pelos desejos, prazeres e sonhos. Portanto, nào convöm uma visào maniqueñsta para lidar com o assunto. 2 METODOLOGIA

3 3 Este estudo se caracteriza como uma pesquisa bibliogråfica que recolhe e seleciona conhecimentos e informaüçes acerca de um problema ou hipétese, jå organizados e trabalhados por outro autor, colocando o pesquisador em contato com materiais e informaüçes sobre determinado assunto (MATTO, ROSSETO JUNIOR e BLECHER, 2008). 3 REFERENCIAL TEÜRICO O CORPO E A SUAS CONCEPÑáES Para Sayào (2003) apud Fiamoncini e Galli (2006), o corpo Ö a primeira forma de identificaüào, pois logo ao nascer somos identificados atravös da corporalidade, como homens e mulheres. Para Teixeira (2003) apud Fiamoncini e Galli (2006) o corpo Ö singular, em consequáncia dessa singularidade temos um corpo que sabe que sente, sabe que existe e sabe que sabe que existe e sente. O corpo acompanha a evoluüào da civilizaüào que estå inserido, expressando a cultura, a sociedade, a histéria, a economia, a polñtica, a moda... As noüçes de corpo e movimento estào diretamente ligadas devendo ser contextualizadas de forma antropolégica, uma vez que o indivñduo conhece o mundo atravös de sua entidade corporal e durante toda sua existáncia vive atravös do seu corpo (FIAMONCINI e GALLI, 2006). Sabe-se que as mudanüas dos padrçes corporais, as maneiras de tratar o corpo e o cuidado com a aparáncia ao longo do tempo, Ö resultado das transformaüçes dos conceitos de beleza, (re) construñdas pelas experiáncias histéricas e sociais dos indivñduos (SILVA & PORPINO, 2010). Os diversos entendimentos e funüçes do corpo ao longo da histéria e nos vårios contextos sociais sào estudados por diversos pesquisadores da EducaÜào FÑsica. O söculo XIX marcado pela revoluüào industrial, revoluüào cientñfica trås a tona o caråter higiánico, militar e tecnicista da EducaÜào FÑsica, assim, alarga-se e imprime-se, a estötica da retidào. Multiplicam-se neste momento, pesquisas sobre o movimento, sobre sua utilizaüào na vida cotidiana e, particularmente, no mundo do trabalho. Nestes preceitos observa se uma autoeducaüào corporal e a internalizaüào de economia de forüas do interior de seus préprios corpos. Gestos medidos, gestos pensados, gestos

4 4 contidos. Nào havia ali nenhuma explicaüào cientñfica. O corpo aprendia, no siláncio, a gestualidade necessåria e a adequada utilizaüào das forüas para a produüào (SOARES, 2000; AGATTI, 2003; MEDINA, 2010). JÅ a corrente bio-psicolégica reforüada principalmente pela incorporaüào dos discursos da psicomotricidade destaca o aspecto psicomotor do desenvolvimento do corpo, em articulaüào com o cognitivo e o afetivo (AGATTI, 2003). Outra importante influáncia histérica para a visào de corpo e da prépria EducaÜào FÑsica Ö a visào esportivista marcada por uma grande projeüào mundial devido ao fenämeno esportivo. Aqui se privilegia o corpo forte, råpido, Ågil, vencedor e, acima de tudo, competitivo (AGATTI, 2003). Outra importante influáncia que busca uma ruptura do padrào biolégico e a ampliaüào da visào e da apropriaüào de corpo pela EducaÜào FÑsica Ö o ClÅssico Metodologia do Ensino da EducaÜào FÑsica trazendo uma concepüào crñtica, humanista do homem buscando uma formaüào cidadà, crñtica, autänoma e politizada (COLETIVO DE AUTORES, 2009). Segundo Katz e Greiner, 2001 apud Fiamoncini & Galli, 2006; o corpo resulta de contñnuas negociaüçes e informaüçes com o ambiente, carregando seu modo de existir para outras instãncias, transformando-se em representaüào teatral, gesto musical, danüa e diversas aüçes no mundo em forma de arte. No ponto de vista de Kunz (1994), o movimento como manifestaüào da evoluüào das sociedades industriais, da ciáncia e da tecnologia, busca seu sentido funcional, melhorando a performance. Assim, sabe-se que movimento e corpo constituem a matöria-prima da EducaÜào FÑsica (AGATTI, 2003). Para Agatti (2003), no contexto escolar, sào vårias as formas que a EducaÜào FÑsica tratou, trata e trata o corpo. VariaÜÇes estas que sào em sua maioria explicadas por influáncias sofridas pelo contexto histérico-polñtico-social de cada Öpoca. Segundo Agatti (2003), no que diz respeito â EducaÜào FÑsica fora da escola o corpo tem sido visto de forma töcnica, em estado de aprendizagem de habilidades especñficas a um esporte, podendo apresentar ludicidade, e caråter recreativo ou de rendimento, com fins competitivos. Tem-se levado muito a sörio o aspecto saéde/qualidade de vida, onde as pessoas buscam cada vez mais as atividades fñsicas, em procura de um corpo saudåvel. Leva-se muito em consideraüào a questào estötica associando â musculatura definida e magreza.

5 5 Em suas diversas concepüçes o corpo Ö ressaltado nas aulas de EducaÜào FÑsica, cabendo ao professor a escolha que enfatize um ou outro aspecto, nào deixando de lado sua orientaüào teérico-pråtica que deve basear-se na natureza de sua intervenüào, sendo sempre sociocultural e pedagégica (AGATTI, 2003). A DANÑA E A EXPRESSÖO / EVOLUÑÖO DO CORPO A EducaÜào FÑsica permite que se vivenciem diferentes pråticas corporais advindas das mais diversas manifestaüçes culturais e se enxergue como essa variada combinaüào de influáncias estå presente na vida cotidiana. As danüas, esportes, lutas, jogos e ginåsticas compçem um vasto patrimänio cultural que deve ser valorizado, conhecido e desfrutado. AlÖm disso, esse conhecimento contribui para a adoüào de uma postura nào preconceituosa e discriminatéria diante das manifestaüçes e expressçes dos diferentes grupos Ötnicos e sociais e âs pessoas que dele fazem parte. A pråtica da EducaÜào FÑsica na escola poderå favorecer a autonomia dos alunos para monitorar as préprias atividades, regulando o esforüo, traüando metas, conhecendo as potencialidades e limitaüçes e sabendo distinguir situaüçes de trabalho corporal que podem ser prejudiciais (BRASIL,1997). Segundo Cavasin (2003), desde a antigèidade a danüa Ö apresentada pela humanidade atravös de suas manifestaüçes sociais, com a expressào corporal. Cada povo apropriou-se de um conteédo como mésica, arte e pintura. Aqui a danüa mostrou sua relevãncia nas diversas sociedades, atravös do seu caråter mñstico e/ou artñstico. A partir de entào, a danüa passou por diversas alteraüçes, tornou-se social e tamböm comeüou a ser utilizada nas festas da nobreza, primeiro como entretenimento e recreaüào, passando depois a ser apresentada em espetåculos teatrais. Houve uma grande transformaüào na danüa social, o que tornou possñvel o aparecimento das danüas populares. AtravÖs de sua evoluüào a danüa trouxe ao ser humano muitas possibilidades para a busca do autoconhecimento e da felicidade, aprimorando os gestos expressados (CAVASIN, 2003). Segundo Nanni (1995), a partir do söculo XIX surgiram duas vertentes relacionadas ao aprendizado da danüa: a moderna (que surgia com o prenéncio da DanÜa Criativa, ou DanÜa/EducaÜào), e a acadámica tradicional (a DanÜa/Arte ou espetåculo). As quais demandam aos professores competáncias distintas para ensinå-la.

6 6 A nova tendáncia da danüa converge para o movimento humano expressivo e, assim, o ensino da danüa moderna passa, gradativamente, a integrar o currñculo escolar. Em se tratando do ensino da DanÜa na escola pode-se citar Diniz (2002) ao afirmar que: "A utilizaüào da danüa na escola Ö uma proposta para alöm de um arranjo coreogråfico de elementos selecionados da experiáncia de movimentos; Ö tamböm refinamento, abstraüào e intensificaüào destes elementos de acordo coma viváncia dos alunos, em direüào a constituiüào de um saber, de um fazer préprio e da alegria de simplesmente danüar. O ser humano se expressa de diversas maneiras, comunicando-se atravös de suas aüçes, posturas e atitudes, pelos seus movimentos e gestos, mesmo sem danüar. Os movimentos diårios transformam-se em danüa a partir do momento em que assumimos uma nova postura, podendo ser diferenciada unindo-se ao caråter expressivo, onde o movimento corporal Ö transformando em poesia (ZONTA, 1994). Para Zonta (1994), a danüa Ö um conjunto de gestos e emoüçes, sentimentos opostos que se unem e contagiam. Onde algo simples transforma-se em arte. A linguagem expressa pela danüa traz alegria, tristeza, angéstia, enfim, todos os sentimentos afloram, havendo uma transformaüào onde corpo e alma se fundem, gerando a cultura corporal. Nos PCN s (2001) encontra-se a DanÜa como um bloco de conteédo que inclui as manifestaüçes da cultura corporal, orientadas por estñmulos sonoros que visa a expressào e comunicaüào por meio do movimento do corpo. A DANÑA NA ESCOLA: UMA EXPRESSÖO DO CORPO Pensar a educaüào dos corpos no espaüo escolar pressupçe, primeiramente entender que o corpo nào Ö apenas um dado material resultante da aüào na natureza (FIGUEIRA, 2008). A princñpio deve-se parar para refletir a seguinte questào: nés temos ou somos um corpo? Pensar que se tem um corpo nos traz a ideia de uma caixa com a funüào de guardar o pensamento, como se mente e corpo fossem duas coisas diferentes. Enquanto pensar que se Ö um corpo remete-nos a ideia de que corpo e mente nào se separam, uma vez que os pensamentos sào criaüào do préprio corpo. Sem sombras de dévida, o corpo fala.

7 7 Por mais que o corpo seja constituñdo por elementos biolégicos, ele Ö tamböm uma construüào sécio-cultural, de forma que em qualquer sociedade ele serå submetido a um conjunto de normas e pråticas de interdiüào, controle, etc. ë visñvel as modificaüçes ocorridas em diversas Öpocas e diferentes civilizaüçes. As marcas como tatuagens, piercings e brincos, a forma de se vestir, as pinturas de pele, a necessidade de se disciplinar o corpo do trabalhador, a busca do corpo perfeito baseando-se na estötica e na moda, etc. Todas essas sào diversas formas utilizadas para retratar a uma classe social como forma de pertencer ou nào âquele grupo. Segundo Figueira (2008): O corpo Ö construñdo no contexto cultural e social onde vive, sendo produzido nas relaüçes que ali se estabelecem na medida em que os significados culturais que cada grupo social estabelece para si, se inscrevem no corpo possibilitando definir o que Ö considerado, por exemplo, bonito ou feio, magro ou gordo, atlötico ou raquñtico, apto ou inapto. Figueira (2008) ainda aborda em seu texto que na instituiüào escolar a aula de EducaÜào FÑsica pode ser identificada como um espaüo privilegiado para a construüào de representaüçes de corpos e dos valores que a eles se atribuem. A EducaÜào FÑsica em um processo de formaüào crñtica busca trazer a conscientizaüào corporal como forma de mostrar ao indivñduo que seu corpo engloba diversos aspectos sejam eles biolégicos, sécio-histéricos, psicolégicos, etc. A busca dessa conscientizaüào corporal na EducaÜào FÑsica tem o interesse em construir e/ou reconstruir um corpo que nào seja robotizado/controlado, nem tào menos repetidor de movimentos e normas. Trata-se de buscar um corpo consciente dos seus atos e movimentos, que se conduz em uma aprendizagem criativa, permanente e prazerosa, superando o simples fazer pelo fazer, incorporando a reflexào crñtica do porquá e dos valores inseridos nesta pråtica. Fazendo entào com que os alunos pensem o corpo como forma de defender-se em sua ordem social. Nào se trata de simplesmente adaptar-se â sociedade, e sim contribuir com a formaüào do homem como um todo, enfim, do homem com um agente de transformaüào social. Assim, o homem torna-se capaz de ir alöm das pråticas corporais, desenvolvendo tamböm seu lado crñtico relacionado â pråxis. Relacionando essa pråtica â intervenüào do profissional de EducaÜào FÑsica, Figueira (2008) afirma que identifica a danüa como uma forma de conhecimento que

8 8 possibilita uma intervenüào direcionada para a ampliaüào da expressividade dos sujeitos dado que ela permite ler a gestualidade humana como uma linguagem. A danüa oferece uma educaüào voltada â totalidade do indivñduo. A viváncia de suas experiáncias criativas e originais permite ao indivñduo ampliar sua noüào da realidade, favorecendo experiáncias diversificadas que geram uma comunicaüào reflexiva e crñtica. Trata-se de um processo de comunicaüào interpessoal (de pessoa para pessoa) com a finalidade de se transmitir algo. AtravÖs da danüa acontece a criaüào de gestos préprios, englobando energias interiores, emoüçes e sensibilidade. O indivñduo que pratica a danüa precisa entender que qualquer movimento diårio do ser humano pode ser usado na danüa, independente do que se trata, ele pode ser desenvolvido atravös da imaginaüào, da expressividade do gesto e da presenüa de emoüçes, sendo personalizado da forma que marque a caracterñstica do indivñduo. AlÖm do desenvolvimento de movimentos e gestos especñficos da danüa que trazem ao indivñduo novas experiáncias motoras. Enfim, a danüa como intervenüào favorece ao indivñduo a expressào individual e ensina comportamentos coletivos que devem ser atribuñdos â criaüào de um espetåculo, como o saber ouvir (crñticas e idöias), a compreensào de sua maneira de ser, saber trabalhar e criar em equipe, trabalhar o poder de concentraüào, etc. Segundo Silva, Jélio e Paixào (2010), a danüa Ö uma atividade que resgata e educa o corpo, nào obrigando o mesmo a possuir töcnica ou biétipo especñfico, mas despertando a participaüào de todos no sentido de experimentar, pesquisar e vivenciar movimentos, possibilitando ao aluno o conhecimento de si e de sua capacidade fñsica baseado numa töcnica livre. Sendo assim, pode-se afirmar que a danüa na escola tem diversas funüçes como criar a autonomia e a liberdade do indivñduo, fazendo com que o aluno saiba relacionarse atravös do seu poder de observaüào, da sua sensibilizaüào e suas experiáncias. Vivenciando a danüa atravös do movimento, do ritmo e lidando com as questçes de espaüo e tempo, o indivñduo Ö capaz de desenvolver mentalmente, fisicamente, emocionalmente e torna-se um ser sensñvel. Ela tamböm trås ao aluno uma consciáncia crñtica e atravös do seu domñnio de corpo e movimento ele pode compreender melhor as questçes relacionadas a estñmulos sensoriais e comeüar a observar de forma mais clara as cores e formas, sabores, ruñdos, movimentos e cheiros. Sua pråtica na escola ajuda a resgatar diversos tipos de manifestaüçes culturais e/ou brincadeiras cantadas tradicionais. Dessa forma, a danüa na escola traz ao aluno o conhecimento de qualidades dos movimentos de expressào como lentos e råpidos, fracos e fortes, senso de direüào,

9 9 duraüào, intensidade, sendo entào capazes de fazer anålises e conhecendo töcnicas de execuüào de movimentos, utilizando-as para criar coreografias, improvisar e tomar atitudes que apreciem e valorizem essas manifestaüçes da expressào corporal. Assim a danüa contribui de forma direta com a formaüào do cidadào. Ainda em seu texto, Silva, Jélio e Paixào (2010) apud Szego (2009) afirma que danüar nào faz bem somente para o corpo. Entende-se que a danüa traz um enorme bem para o corpo e tamböm para a mente. Podendo ser usada de forma terapáutica fazendo com que as pessoas que sofrem com alguma coisa sintam-se melhores com uma sensaüào de bem estar. A danüa ajuda a melhorar a autoestima, a diminuir o nñvel de estresse e, a socializaüào e possñveis relacionamentos amorosos tamböm sào benefñcios que a danüa pode trazer ao indivñduo, assim como a motivaüào em conhecer novos estilos e ritmos. Enfim, danüar transcende os limites de emoüào. Mesmo sabendo de toda a importãncia da danüa na escola, em se tratando de um meio para a evoluüào do corpo e do ser humano como um todo, ela nào encontra-se inserida nos planejamentos e nas aulas de EducaÜào FÑsica (SILVA, JíLIO e PAIXìO, 2010). Infelizmente a maior parte dos professores ainda estå muito ligada âs tradiüçes, prendendo-se âs normas e preconceitos em utilizar a danüa na escola, sào professores que nào fazem questào de inovar e quebrar certos paradigmas. Eles nào conseguem enxergar na danüa suas possibilidades de ajudar o aluno no desenvolvimento da imaginaüào, criatividade e atö mesmo na bagagem motora. Ou atö enxergam, poröm nào se interessam por se tratar de um conteédo que o professor precise ter bastante criatividade e vontade de desenvolvá-la em suas diversas variaüçes, ou por acharem que necessitam de certo domñnio da mesma. De certa forma, acaba sendo mais fåcil e cämodo contemplar outros conteédos da EducaÜào FÑsica e por fim acabam utilizando a danüa apenas em datas comemorativas. Afirma Silva, Jélio e Paixào (2010), que os professores nào precisam saber danüar, sendo necessårio contextualizar os movimentos com objetividade, permitindo aos alunos vivenciar, experimentar e criar movimentos a partir de um tema, trechos de mésicas e sons desafiadores para superar as dificuldades. Assim, os professores devem compreender que para desenvolver o conteédo danüa na escola nào precisa ser danüarino (a) ou bailarino (a) e sim, saber como proporcionar aos alunos as experiáncias das pråticas corporais da danüa a fim de que

10 10 aumentem o repertério motor dos mesmos, superem seus préprios medos e preconceitos ligados na relaüào danüa/movimento humano, fazendo tamböm com que haja um diålogo com o préprio corpo e com o do colega. Assim os professores nào devem mostrar atitudes preconceituosas com relaüào â danüa na escola. 4 CONSIDERAÑáES FINAIS Como pode-se observar a danüa engloba muitos fatores referentes â histéria do homem, a sua evoluüào, ao seu contexto histérico e estå presente nos dias de hoje em nossas vidas. Vimos tamböm que ela Ö de grande valia para ajudar no desenvolvimento fñsico e mental das pessoas, mas sem deixar de lado as questçes socioculturais que envolvem o meio onde vivem seus praticantes, portanto tendo que ser levado em conta todos estes fatores. No ãmbito escolar os autores foram bastante esclarecedores em relaüào aos fatores de aplicaüào da danüa nas aulas de educaüào fñsica e as valáncias que sào pertinentes â danüa e que ajudaram no desenvolvimento dos alunos, nào apenas fñsico, mas tamböm em sua formaüào integral, formando pessoas integralmente e preparados para o convivo social. REFERàNCIAS AGATTI, S. M. ConcepÜÇes de corpo na graduaüào em educaüào fñsica: um estudo preliminar com professores. Revista Digital - Buenos Aires ano 9, n. 66. Nov/2003. Brasil. Secretaria de EducaÜào Fundamental. Parãmetros Curriculares Nacionais: EducaÜào fñsica / Secretaria de EducaÜào Fundamental. BrasÑlia: MEC/SEF, p. COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de EducaÄÅo FÇsica. 2î ed. Sào Paulo: Cortez, DAOLIO, J. EducaÄÅo FÇsica e o conceito de cultura. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

11 11 DINIZ, I. C. V. C., et al. Terceira idade, ludicidade e danüa: algumas consideraüçes. Anais III SeminÉrio O lazer em debate. Belo Horizonte: EEFFTO/UFMG, p , FIAMONCINI, R. L.; GALLI, S. R. L. DanÜa: movimento e identidade. Revista Digital - Buenos Aires - ano 11, n Dez/2006. FIGUEIRA, M. L. M. F. A danüa na escola: educaüào do corpo expressivo. Revista Digital Buenos Aires ano 13, n Dez/2008. KUNZ, E. TransformaÄÅo didético-pedagágica do esporte. IjuÑ: UnijuÑ, MATTOS, M. G.; ROSSETTO JUNIOR, A. J. e BLECHER, S. Metodologia da pesquisa em EducaÄÅo FÇsica: construindo sua monografia, artigos e projetos. 3 ed. rev. e ampl.- Sào Paulo: Phorte, MEDINA, J. P. S. A EducaÄÅo FÇsica cuida do corpo e... "mente". 25î ed. Campinas: Papirus, NANNI, D. DanÄa-educaÄÅo: prä-escola Å universidade. Rio de Janeiro: Sprint, OLIVEIRA, C. B. de MÇdia, Cultura Corporal e InclusÅo: Conteàdos da EducaÄÅo FÇsica Escolar. Lecturas: Educacion FÑsica y Desportes, Buenos Aires, v.10. n. 77. Out/2004. PALMA, A. EducaÜào fñsica, corpo e saéde: Uma reflexào sobre outros modos de olhar. Rev. Bras. Cienc. Esporte, v. 22, n. 2, p , jan SILVA, M. E.; JULIO, M. G. PAIXìO, J. A. Panorama do conteédo danüa nas aulas de EducaÜào FÑsica escolar. Revista Digital Buenos Aires ano 15, n MarÜo/2010.

12 12 SILVA, L. M. F.; PORPINO, K. O. Corpo e beleza: uma reflexào sobre as pråticas discursivas na EducaÜào FÑsica. Revista Digital - Buenos Aires ano 14, n MarÜo/2010. VOLP, C. M.; SCHWART, G. M; DEUTSCH, S. O conceito do corpo. Rev. Motriz, v. 1, N. 2, , Dezembro/1995. ZONTA, Z. A. F. Do danäarino ao bailarino: metamorfose de um Papel Social. DissertaÄÅo (Mestrado em Projeto, Arte e Sociedade). Faculdade de Arquitetura, Artes e ComunicaÜào, Universidade Estadual Paulista. Bauru, p

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação

Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação 1 Processo de formação de professores um olhar para a dança. Carolina Romano de Andrade Mestre em Artes-UNICAMP Faculdade Integradas de Bauru-FIB Coordenadora de Pós Graduação A Constituição Federal de

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

DANÇA NA ESCOLA: UMA EDUCAÇÃO PRA LÁ DE FÍSICA

DANÇA NA ESCOLA: UMA EDUCAÇÃO PRA LÁ DE FÍSICA DANÇA NA ESCOLA: UMA EDUCAÇÃO PRA LÁ DE FÍSICA Karine Gomes Rodrigues, Jayne Martins Ramos, Karoline Silva Pequeno RESUMO A dança enquanto um processo educacional, não se resume simplesmente em aquisição

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL * Rita de Cássia Lindner Kaefer **Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO O objetivo do presente artigo é apresentar uma reflexão a respeito da importância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1155 FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 1 Mestranda

Leia mais

O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA

O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA 1 O ENSINO DE LITERATURA BRASILEIRA ATRAVÉS DA MÚSICA José Ozildo dos SANTOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba Rosélia Maria de Sousa SANTOS Instituto Federal de Educação,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Estágio supervisionado II, educação física, jogo.

PALAVRAS-CHAVES: Estágio supervisionado II, educação física, jogo. O JOGO COMO CONTEÚDO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL I: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO II QUEIROZ, Bruna Leite de Discente do 7º período do curso de Licenciatura

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III E IV EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III E IV EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III E IV EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVOS GERAIS Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, a melhoria da

Leia mais

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Autora: Juliete Soares de Albuquerque Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Co-autora: Geruslandia Almeida

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Composição dos PCN 1ª a 4ª

Composição dos PCN 1ª a 4ª Composição dos PCN 1ª a 4ª Compõem os Parâmetros os seguintes módulos: Volume 1 - Introdução - A elaboração dos Parâmetros curriculares Nacionais constituem o primeiro nível de concretização curricular.

Leia mais

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta

Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física. Prof.ª Sara Caixeta Abordagens pedagógicas no ensino de Educação Física Prof.ª Sara Caixeta Objetivo: Conhecer as diferentes tendências e abordagens pedagógicas da Educação física Brasileira identificando seus fundamentos

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

Palavras-chave: Educação Física. Ensino Fundamental. Prática Pedagógica.

Palavras-chave: Educação Física. Ensino Fundamental. Prática Pedagógica. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: ANÁLISE DAS PRÁTICAS CORPORAIS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE ALAGOA GRANDE - PARAÍBA Waldilson Duarte Cavalcante de Barros Professor

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 NATAÇÃO E DESEMPENHO ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO DA UFG COM UMA ESCOLA PÚBLICA Poliana Siqueira Pedroza 1 Luís César de Souza 2 RESUMO Comunidade Aquática é um projeto de extensão do curso de

Leia mais

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias ABORDAGENS METODOLÓGICAS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias ABORDAGENS METODOLÓGICAS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 11º Congreso Argentino y 6º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias ABORDAGENS METODOLÓGICAS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Claube Camile Soares Lima Universidade Federal de Santa

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA GREICY GIL ALFEN A LUDICIDADE EM SALA DE AULA Projeto apresentado e desenvolvido na Escola Estadual Domingos Briante

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA ESTADUAL NILO PEÇANHA: UM ESTUDO DE CASO.

ANÁLISE DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA ESTADUAL NILO PEÇANHA: UM ESTUDO DE CASO. ANÁLISE DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA ESTADUAL NILO PEÇANHA: UM ESTUDO DE CASO. Débora Cristina da Silva Sebriam¹ Resumo Através desse estudo,

Leia mais

COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO.

COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO. COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO. PEDROZA, Poliana Siqueira 1 LUIZ, Angela Rodrigues 2 SOUZA, Luís César de 3 PALAVRAS-CHAVE: natação, atividades aquáticas,

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

Palavras-chave: Pintura Facial. Inclusão Social. Ações Extensionistas.

Palavras-chave: Pintura Facial. Inclusão Social. Ações Extensionistas. EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INCLUSÃO SOCIAL: AÇÕES EXTENSIONISTAS DO PROJETO PINTANDO A CARA NA APAE DE NAVIRAÍ Cássia Vitali Pereira 1 Josiane Peres Gonçalves 2 Eixo temático 02 Comunicação oral Resumo:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professor: Maristela Piccin Disciplina: Ed. Física E. Médio: 100% (64 H. Aula) Ano: 2014 Período: M/V/N

PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professor: Maristela Piccin Disciplina: Ed. Física E. Médio: 100% (64 H. Aula) Ano: 2014 Período: M/V/N PLANO DE TRABALHO DOCENTE (PTD) Professor: Maristela Piccin Disciplina: Ed. Física E. Médio: 100% (64 H. Aula) Ano: 2014 Período: M/V/N CONTEÚDOS ESTRUTURANTES CONTEÚDO BÁSICO CONTEÚDOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL

A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL A LITERATURA INFANTIL COMO RECURSO NO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO AOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL Luana Martins Abreu Profª. da Secretaria Municipal de Educação de Nova Iguaçu/RJ As crianças com qualquer

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais

PROJETO MÚSICA NA ESCOLA

PROJETO MÚSICA NA ESCOLA Rede Salesiana de Escolas. Entusiasmo diante da vida. PROJETO MÚSICA NA ESCOLA Escola: Nossa Senhora Auxiliadora Níveis de Ensino: Fundamental II Coordenação Pedagógica: Maria das Graças L. N. Ferreira

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE. Palavras-chave: Dança; Expressão Corporal; Cultura; Educação.

SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE. Palavras-chave: Dança; Expressão Corporal; Cultura; Educação. SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE REZENDE, Cláudia Moraes. SANTOS, Silvânia Silva. BRAIT, Lilian Ferreira Rodrigues. MACÊDO, Keila Márcia Ferreira.

Leia mais

ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS

ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS 1 ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS Kárita Cabral Machado FEF/UFG RESUMO O objetivo do presente estudo foi identificar a relação entre a educação física e as artes circenses, do

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO?

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? Bruna Jéssica da Silva Josélia dos Santos Medeiros José Teixeira Neto (UERN) Resumo: A filosofia, amor pela sabedoria, enquanto componente curricular do Ensino Médio busca,

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE

NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE Projeto NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE 2012 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ALEXANDRE DE GUSMÃO AUTORA: PROFESSORA AMANDA OLIVEIRA DE SOUZA ARAÚJO DISCIPLINA DE MATEMÁTICA PÚBLICO ALVO: TURMAS DO 5º ANO

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social.

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social. EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO Ana Paula Sabchuk Fernandes UEPG ana-sabchuk@hotmail.com Rita de Cássia Oliveira soliveira13@uol.com.br Cintia Aparecida Canani cicacanani@yahoo.com.br Eixo

Leia mais

pontuação Discursiva 02 questões 15 pontos 30 pontos Múltipla escolha 25 questões 2,8 pontos 70 pontos

pontuação Discursiva 02 questões 15 pontos 30 pontos Múltipla escolha 25 questões 2,8 pontos 70 pontos Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 36/2011 REITORIA/IFRN 29 de janeiro de 2012 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O TRATO DO CONTEÚDO LUTAS NO ENSINO INFANTIL: REFLEXÕES INICIAIS

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O TRATO DO CONTEÚDO LUTAS NO ENSINO INFANTIL: REFLEXÕES INICIAIS UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O TRATO DO CONTEÚDO LUTAS NO ENSINO INFANTIL: REFLEXÕES INICIAIS Autor: HENRIQUE GERSON KOHL Introdução A experiência em questão materializa-se a partir do trato do conteúdo

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Educação Física do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de Educação Física do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos / 2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

COLÉGIO MARISTA SANTA MARIA - EDUCAÇÃO INFANTIL- PROJETO ADAPTAÇÃO: VAI COMEÇAR A BRINCADEIRA

COLÉGIO MARISTA SANTA MARIA - EDUCAÇÃO INFANTIL- PROJETO ADAPTAÇÃO: VAI COMEÇAR A BRINCADEIRA COLÉGIO MARISTA SANTA MARIA - EDUCAÇÃO INFANTIL- PROJETO ADAPTAÇÃO: VAI COMEÇAR A BRINCADEIRA NIVEL 1 TURMAS: 1, 2, 3 E 4. PROFESSORAS: ALINE, DANIELE, JOCELAINE E ROSEMARI. Projeto adaptação: Vivências,

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas

PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e suas tecnologias Disciplina: Arte carga horária: 80 horas MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATORIA E ASSISTENCIAL PLANO DE SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS 7º ano / Ensino Fundamental Área: Linguagem códigos e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS APRENDER BRINCANDO INVESTIDAS DA PRÁTICA EDUCACIONAL EM ESPAÇOS NÃO ESCOLARES JUNTO AO PROGRAMA INTEGRAÇÃO AABB COMUNIDADE, UMA EXPERIÊNCIA COM CRIANÇAS E JOVENS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DA CIDADE DE

Leia mais

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos.

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Música Objetivo da Aula Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Desde que se começou a estudar a história da humanidade, tem-se

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Infantil II Segmento I PLANO DE CURSO 2009 INFANTIL II Disciplina: ARTES Série: INFANTIL II Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS -

Leia mais

Relatório da Formação Complementar Turma do Jardim -

Relatório da Formação Complementar Turma do Jardim - Relatório da Formação Complementar Turma do Jardim - Professora Carla Pitarello da Silva Auxiliar Rita de Cassia Terrazan Coordenação Ludmila Santos Um dos objetivos da Formação Complementar da Escola

Leia mais

A DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNHÃO, Marisa Discente do Curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva MUZEL, Andrei Alberto Docente do Curso de Educação Física da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA

ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO MÚSICA OBJETIVOS GERAIS Explorar e identificar elementos da música para se expressar e interagir com outros; Interpretar músicas

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM José Cícero Santos (UFAL) [cjnego2007@gmail.com] Aldisío Alencar Gomes (UFAL) [aldisioalencar@gmail.com] Ana Paula Perdigão Praxedes

Leia mais

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. Anderson de Almeida Antunes, Universidade

Leia mais

COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016

COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016 COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016 LÍNGUA PORTUGUESA Reconhecer o gênero de um texto a partir de seu contexto; Analisar textos de diferentes gêneros;

Leia mais

MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II

MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II MOVIMENTO E CORPOREIDADE MATERNAL II Desenvolver reações físicas - rítmicas à música (palmas, marchas, etc); Representar, com movimentos corporais elementos e objetos do meio circundante; Deslocar com

Leia mais

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A DINÂMICA

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Planejamento Anual - 2012 Prof. Helcio Denis - CREF 002163-G/SP - G/SP - CRP-124.184-LP 5ª série 6º ano do Ensino Fundamental II Educação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR Introdução OBERJAN ROCHA KOZAN FABIANA LEIFELD RAFAEL TRENTIN SCREMIN FACULDADE SANT ANA, PONTA GROSSA/ PARANÁ/ BRASIL oberjan_15@hotmail.com O objeto de

Leia mais

CONTEXTO CIRCENSE NA ESCOLA: IMPRESSÕES DOS PROFESSORES

CONTEXTO CIRCENSE NA ESCOLA: IMPRESSÕES DOS PROFESSORES CONTEXTO CIRCENSE NA ESCOLA: IMPRESSÕES DOS PROFESSORES Daiane Oliveira da Silva - Universidade Federal de Santa Maria/RS, Brasil. E-mail: dai_tupa@yahoo.com.br Aline de Souza Caramês - Universidade Federal

Leia mais

A MUSICALIZAÇAO, O LUDICO E A AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A MUSICALIZAÇAO, O LUDICO E A AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1411 A MUSICALIZAÇAO, O LUDICO E A AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Eliza de Oliveira 1, Sueli Felicio Fernandes 1, Luciana Carolina Fernandes de Faria 2 1 Discente do curso de Música-Licenciatura

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS De acordo com o PCN e o Referencial Curricular da Educação Infantil, a instituição deve criar um ambiente

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais