SUMÁRIO CORPO EDITORIAL... ENTREVISTA... 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO CORPO EDITORIAL... ENTREVISTA... 1"

Transcrição

1 !

2 SUMÁRIO CORPO EDITORIAL... B ENTREVISTA... 1 ARTIGOS TEMÁTICOS... O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL, A CRISE FINANCEIRA GLOBAL E SEU IMPACTO NO ÍNDICE BOVESPA E NO PREÇO DAS AÇÕES DA CIA. VALE DO RIO DOCE E DA PETROBRAS... QUANTO VALE OU É POR QUILO? : REFLEXÃO SOBRE A RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS... OS EFEITOS DA CRISE MUNDIAL SOBRE A AGRICULTURA E A PRESSÃO SOBRE OS RECURSOS NATURAIS BRASILEIROS... A POSTURA CRÍTICA NA LEITURA DE TEXTOS JORNALÍSTICOS COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA O ADMINISTRADOR PERANTE A CRISE... O USO DA TECNOLOGIA EM MEIO A UMA SITUAÇÃO DE CRISE: ESTUDO DE CASO COMPARATIVO ENTRE EMPRESAS ARTIGOS DIVERSOS... COMPROMETIMENTO ORGANIZACIONAL E OCUPACIONAL E SUAS RELAÇÕES ASSOCIATIVAS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE PESQUISAS RESENHAS... HEADHUNTER: OS BASTIDORES DO MUNDO CORPORATIVO / FELIPE ASSUMPÇÃO. SÃO PAULO: SAINT PAUL EDITORA, Revista Científica Hermes.2.

3 CORPO EDITORIAL Editor: Fernando Almeida Santos Corpo Editorial Científico: Crislaine Valéria de Toledo Plaça Frank Ferrer Sene José Roberto Rogero Klécia Gili Massi Maria Lúcia Gili Massi Vani Kenski Wagner Rodrigues Valente Produção Editorial Revisão de Português e Inglês Cláudia Ruiz Dulinskas Simionato Lindiane Viviane Moretti Composição/diagramação Marco A. Rodrigues Larissa Vinhati Pampani B Revista Científica Hermes.2.

4 ENTREVISTA Possui graduação em Filosofia pela Universidade Gregoriana de Roma (1961), graduação em Ciências Políticas - Universite Claude Bernarde Lyon I (1966), graduação em Ciências Sociais - Faculdades Católicas de Lyon (1966) e doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1975). Atualmente é titular do gacint da Universidade de São Paulo e professor associado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em Relações Internacionais, Bilaterais e Multilaterais, atuando principalmente nos seguintes temas: Brasil, integração, globalização, relações internacionais e Mercosul. O professor Paulo Edgar de Almeida Resende é o entrevistado deste número. 1) Quais as causas da crise financeira mundial? A crise financeira mundial veio mostrar que o mundo carece de governança global, em algum grau. Há um quase consenso de atribuição prioritária de reforma da arquitetura do sistema financeiro, no bojo de uma economia, que realiza no presente sua vocação original de mundialização. Já foi dito que o capital não tem pátria. E hoje, como nunca antes. O peso relativizado da economia estadunidense, a emergência dos países emergentes, tendo à frente a China,elevam ao primeiro plano o Grupo dos 20, como sinalizado em sua reunião de Londres em março. Não é ainda o multilateralismo, mas tampouco o unilateralismo. Às vésperas de novo encontro dos chefes de estado em Pitsburgh, Pensilvânia, a regulamentação para o sistema bancário, embora sujeita a sérias restrições, começa a ser delineada. 2) O Presidente Lula, no início cobrou na ONU uma resposta sobre a crise financeira mundial, criticou os subsídios agrícolas e as barreiras comerciais impostas pelos países ricos e afirmou que as soluções para a crise devem ser globais e baseadas em espaços multilaterais legítimos e confiáveis. Após um ano, como analisamos esta afirmação do Presidente e qual a hipótese de acordos multilaterais? A hipótese multilateralista está na ordem do desenvolvimento capitalista, quebrada a proeminência da economia estadunidense. O fato é que a crise mundial busca ser superada, mas por enquanto quase paradoxalmente, pela via torta, com aumento do protecionismo. Apesar das juras, estudo do instituto britânico Centre for Economic Policy Research contabiliza em seu levantamento, desde novembro de 2008, 121 medidas protecionistas e outras 134 que podem ser adotadas pelos países do G20, incluído o Brasil neste rol. 1/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

5 3) Como uma crise do setor bancário, que afeta vários bancos parece estar tão controlada um ano depois, pois o mercado parece estar recuperando bem? A grande depressão prevista não ocorreu, graças à mudança de perfil de governos, que não se curvaram ao mantra do estado mínimo, caro aos paleo-liberais. O setor público garantiu a demanda interna, incluído o Brasil. Chegou-se até a atribuir a Obama suposto escorregão socialista. O fato é que a grande recessão não se espalhou com tal ordem de grandeza, e se não foi uma marolinha, na expressão excessivamente otimista do presidente Lula, não atingiu em cheio os emergentes, referência, sobretudo a China, Índia e Brasil, nesta ordem. 4) Qual a hipótese de propostas globais? Não são mais viáveis acordos laterais? Os desafios econômicos serviram para dar maior destaque às agendas políticas. As bolsas deixam de ter peso próprio, à medida que a regulamentação do setor financeiro passa a ser tópico central em encontros de cúpulas governamentais, como o G20. 5) A crise pode gerar alguma mudança no capitalismo ou na sua forma de organização? Qual o impacto no sistema? A principal, a curta distância, é destronar o G7+1, dando lugar ao proclamado G20. A maior atenção regulatória de governos certamente redundará em um setor financeiro mundial mais transparente. 6) Esta crise pode considerar que é um fracasso do neoliberalismo? Se por neoliberalismo entendemos o apelo ao estado mínimo, o estado guarda-noturno, mantra retomado após a recuperação plena do capitalismo, poucas décadas após a 2a. guerra mundial, melhor seria evitarmos o prefixo e falássemos pura e simplesmente de liberalismo clássico, ou paleo-liberalismo, se algum prefixo for reclamado. De fato, o capitalismo contemporâneo transnacionalizou-se de tal forma que a gestão-sanção de interesses de tal vulto é função acrescida de governos nacionais, articulados em blocos como Mercosul, Unasul, Nafta, Cafta, União Européia, Asean, BRIC e tantas siglas mais. 7) O fato de a crise ter iniciado em um país rico, pode ter um impacto mundial diferente? Diferente no sentido de que a solução se encontra mais na periferia do que no centro da economia mundial. Uma periferia com nova qualificação, altamente positiva. Falo de China, Índia e Brasil, hoje global players de primeira grandeza. 2/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

6 ARTIGOS TEMÁTICOS O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL, A CRISE FINANCEIRA GLOBAL E SEU IMPACTO NO ÍNDICE BOVESPA E NO PREÇO DAS AÇÕES DA CIA. VALE DO RIO DOCE E DA PETROBRAS. Adalberto Tacini Faculdade Instituto Paulista de Ensino, Rua Euclides da Cunha, 377, Centro, Osasco, SP, CEP RESUMO Há uma forte integração entre os mercados, e mudanças ocorridas em alguns deles podem se refletir nos demais. Assim, o objetivo deste estudo é observar se há relação entre as movimentações de preço das ações da Companhia Vale do Rio Doce e da Petrobras e a movimentação do Índice Bovespa em função de eventos divulgados pela mídia mundial O período estudado foi o de maior turbulência e retração das economias globais. A grande quantidade de notícias negativas divulgadas pela mídia durante esse período mostra que o mercado norte-americano teve influência sobre essa retração. O mercado brasileiro sentiu os efeitos desse processo, porém mostrou-se mais preparado do que em outras crises. Palavras-chave: crise, mercado de ações, mídia. ABSTRACT There is a strong link among the markets and any change in one of them may reflect on the others. The objective of this work was to verify the relation among stock prices of two companies: Vale do Rio Doce Company and Petrobras, in addition to Bovespa index, with the development and aggravation of the crisis in the world. The period we have studied was the most turbulent one studied and with the higher global economy retraction. The great quantity of negative news published in this period shows that the American market had influence on this retraction. The Brazilian market sufferedhe effects of this process but showed itself more prepared than in former crisis. Key-words: crisis, stock market, media. 3/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

7 INTRODUÇÃO Nos últimos dois ou três anos, temos acompanhado diversos acontecimentos que entrarão para os livros de história como uma forte crise financeira mundial originada no sistema de crédito imobiliário norte-americano. Mencionou-se, por diversas vezes, na mídia em geral, que a crise no sistema financeiro poderia ser a maior crise desde a quebra da Bolsa de Nova York em No início desta década, a economia americana se recuperava da crise das chamadas empresas virtuais. O governo americano, a fim de estimular a economia, passou a reduzir os juros, incentivando pessoas e empresas a retomarem o consumo. Gradualmente, o mercado imobiliário começou a crescer. A demanda estava aquecida, o que garantiu uma boa elevação nos preços dos imóveis. Com juros baixos, mais pessoas passaram a financiar e refinanciar o primeiro imóvel, ou ainda financiar um segundo imóvel. Os bancos e as agências hipotecárias, percebendo o imenso volume de dinheiro que estava sendo movimentado no mercado imobiliário, e em meio a certa euforia vivida pela economia, não se contentaram com as operações consideradas mais seguras e passaram a apostar também em um tipo de crédito mais inseguro, porém com um retorno maior, o chamado subprime. Esse segmento de pessoas com um maior risco de inadimplência é tipificado principalmente por dificuldades de comprovação de renda e por histórico de inadimplência (Lima & Lavignatti, 2009). Os créditos futuros que seriam gerados pelas hipotecas, principalmente as do subprime, serviram de lastro para instrumentos financeiros que passaram a ser negociados no mercado com taxas de juros mais elevadas. Um banco, ou um fundo, comprava esse título e, posteriormente, negociava no mercado com outro banco ou fundo, que por sua vez faria o mesmo, gerando uma seqüência de vendas desses títulos. (Lima & Lavignatti, 2009). A partir de junho de 2004, a taxa de juros norte-americana começou a se elevar, atingindo seu pico em junho de 2006, com 5,25% ao ano, estendendo-se nesse patamar até junho de Paulatinamente, a demanda por imóveis recuou até a oferta ser maior que a demanda, causando queda de preços no mercado imobiliário. Além disso, com esse nível de taxa de juros, as pessoas passaram a ter mais dificuldade de pagar suas hipotecas, o que gerou aumento na inadimplência. Os imóveis, que eram as garantias dos títulos, passaram a ter valor inferior ao valor das dívidas iniciais, ou seja, mesmo havendo execução da dívida e retomada 4/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

8 do imóvel, o valor do imóvel estava abaixo do valor da dívida, sendo que já havia, nesse momento, uma grande dificuldade de vendê-los. Nesse cenário, muitos bancos estavam com dívidas elevadas justamente por ter em mãos papéis que passaram a não ter valor no mercado, pois, em função do risco de não recebimento, não havia mais comprador. Os bancos, que ainda tinham alguma liquidez, temiam realizar novos empréstimos, de maneira que congelaram a cessão de novos créditos. Essa interrupção desacelerou a economia dos EUA, reduzindo sua liquidez. Sem crédito, as pessoas não consomem; sem consumo, as empresas não produzem; com produção menor, há corte de empregos, e assim a crise, que teve origem no sistema financeiro, se espalhou a todos os outros segmentos. De acordo com Assaf Neto (2005), o Mercado Financeiro, conjunto de instituições financeiras, não-financeiras e instrumentos financeiros que têm como finalidade a transferência de recursos monetários de unidades econômicas superavitárias a unidades econômicas deficitárias, é composto pelo Mercado Monetário, de Crédito, Cambial e de Capitais. Outros participantes desse mercado são as bolsas de valores, responsáveis por manter um local adequado à realização das operações de compra e venda de títulos e de valores mobiliários (Cavalcante et al., 2005). Elas propiciam liquidez ao mercado e fornecem preços de referência aos ativos negociados em seu recinto. A mais importante do país é a Bolsa de Valores de São Paulo, a Bovespa. O Índice Bovespa, calculado ininterruptamente desde 1968, é o principal índice do mercado acionário brasileiro. Representado por uma carteira teórica de ações de acordo com algumas regras predeterminadas, reflete o desempenho médio das ações negociadas no mercado acionário (Andrezo & Lima, 2002). Há uma forte integração entre os mercados, sendo que muitas vezes eles se confundem, a ponto de qualquer mudança ocorrida em algum deles ter reflexo nos demais. Assim, o objetivo deste trabalho é observar a relação entre as movimentações de preço das ações da Companhia Vale do Rio Doce e da Petrobras e a movimentação do Índice Bovespa em função de eventos divulgados pela mídia mundial. MATERIAIS E MÉTODOS Dessa forma, foram comparados os movimentos de preços das ações VALE5 (PNA N1) da Cia Vale do Rio Doce e PETR4 (Petrobras PN) da Petrobras, negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo, e a variação da pontuação do Índice Bovespa. As oscilações dos preços 5/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

9 das ações e da pontuação do Ibovespa foram observadas em função de alguns eventos originados no mercado financeiro norte-americano, europeu e brasileiro (com maior peso aos eventos ocorridos no mercado norte-americano). Essas observações foram feitas acerca de algumas datas específicas, conforme a tabela 1, que indica os preços de fechamento dos papéis naquelas datas para as ações e, no caso do Índice Bovespa, da pontuação obtida. Tabela 1. Datas em que os preços das ações e a pontuação do índice Bovespa foram analisados. Ibovespa VALE5 PETR4 data pontos data R$ data R$ 01/05/ ,46 02/05/08 51,08 02/05/08 40,61 30/05/ ,50 30/05/08 51,90 30/05/08 46,27 01/07/ ,19 01/07/08 43,96 01/07/08 43,53 31/07/ ,17 31/07/08 39,00 31/07/08 33,90 01/08/ ,35 01/08/08 36,71 01/08/08 32,59 29/08/ ,41 29/08/08 36,28 29/08/08 32,96 01/09/ ,14 01/09/08 35,81 01/09/08 32,31 30/09/ ,27 30/09/08 31,23 30/09/08 33,15 01/10/ ,00 01/10/08 31,22 01/10/08 32,96 31/10/ ,00 31/10/08 24,96 31/10/08 22,01 RESULTADOS E DISCUSSÃO As figuras 1 e 2 apresentam um período mais acentuado de queda no valor das ações e na pontuação do índice. No período entre maio e novembro de 2008, de marcante redução dos números, ocorreu a mais intensa divulgação de informações na mídia, em sua maioria negativa, referente ao mercado financeiro mundial. 6/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

10 Figura 1. Oscilação nos preços das ações VALES e PETR4 entre os anos de 2006 a Figura 2. Oscilação na pontuação do índice Ibovespa entre os anos de 2006 a A seguir, apresenta-se maior detalhamento do período analisado: Maio /65 Revista Científica Hermes 2, 2009

11 Anúncio de prejuízo no valor de US$ 2,19 bilhões por parte da Fannie Mae, uma das maiores agências de crédito imobiliário dos EUA, e o banco suíço UBS anuncia demissão de 7% dos seus empregados, totalizando 5,5 mil funcionários demitidos. PETR4 A cotação de fechamento de 02/05/2008 ficou em R$ 40,61. O último pregão do mês fechou com a cotação em R$ 46,27. VALE5 A cotação de fechamento de 02/05/2008 ficou em R$ 51,08. O último dia do mês fechou a cotação em R$ 51,90. IBOVESPA O índice iniciou o mês com 69366,39 pontos e fechou com 72592,5 pontos. Os números apresentados nesse mês não demonstraram impacto negativo apesar de os eventos apresentados terem certa magnitude e repercussão no mercado norte-americano. Julho 2008 Saques superiores a um bilhão de dólares quebram o banco norte-americano IndyMac. Prelúdio de possível quebra por parte das duas maiores agência de crédito imobiliário dos EUA: a Fannie Mae e a Freddie Mac. PETR4 O pregão de 01/07/2008 fechou com PETR4 a R$ 43,53, sendo que no final do mês, em 31/07/2008, a cotação de fechamento ficou em R$ 32,59. VALE5 Em 01/07/2008, a VALE5 fechou a R$ 43,96 e no final do mês, 31/07/2008, a R$ 39,00. IBOVESPA Fechou com 63396,19 pontos no primeiro dia útil do mês e 59505,17 pontos no último. Assim, houve deterioração não somente nos números apresentados no mês, mas também entre final de maio e início de julho, podendo indicar retardo nas consequências dos eventos em maio de Os eventos de julho podem ter reforçado as quedas nos números. Agosto 2008 O Tesouro Americano dá garantias de até US$ 100 bilhões para cada uma das agências de crédito imobiliário Fannie Mae e Freddie Mac em função de suas situações financeiras. PETR4 A cotação apresentada pela ação da Petrobrás em 01/08/2008 foi de R$ 32,59 e a de 29/08/2008 foi de R$ 32,96. VALE5 Nesse mês, as cotações de fechamento do início e do final do mês foram, respectivamente, R$ 36,71 e R$ 36,28. IBOVESPA Os números apresentados no início do mês e no fechamento foram 57630,35 e 55680,41 pontos. 8/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

12 Apenas o Índice Bovespa apresentou involução significativa dentro do mês observado. Somente levando em consideração de julho a agosto, tanto o Ibovespa como a VALE5 tiveram quedas, e as ações da Petrobras se mantiveram estáveis. Setembro 2008 Quebra do banco Lehman Brothers, o quarto maior banco de investimento dos EUA. O banco Merrill Lynch, concorrente direto do Lehman, é vendido ao Bank of America. O governo Bush tenta aprovar um pacote de ajuda ao sistema financeiro de seu país no valor US$ 700 milhões, o qual é rejeitado no Congresso. PETR4 A cotação da ação da Petrobrás em 01/09/2008 foi de R$ 32,31 e a de 30/09/2008 foi de R$ 33,15. VALE5 As cotações do início e do final do mês foram R$ 35,31 e R$ 31,23, respectivamente. IBOVESPA Na abertura do mês, a pontuação do Ibovespa foi de 55162,14 e de 49541,27, respectivamente. Um dos pontos mais marcantes da crise foi a quebra do banco de investimentos Lehman Brothers em 15 de setembro. As opiniões de especialistas divergiram quanto ao fato de o governo Bush não ter feito maiores esforços para impedir a derrocada do banco. Alguns achavam importante demonstrar ao mercado que o governo seria austero com quem não administrou seu negócio da forma adequada e que não socorreria bancos com gestão ineficiente. Outros acreditavam que, por causa do impacto negativo na economia, valeria a pena auxiliá-lo. Observamos quedas nos números da VALE5 e do índice Bovespa e estabilidade de preço na ação da PETR4 desde julho de Outubro de 2008 O governo Brasileiro edita a Medida Provisória 443, que permite a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil adquirirem bancos sem a necessidade de licitação. PETR4 Começou o mês no valor de R$ 32,96 e encerrou no valor de R$ 22,01. VALE5 Respectivamente, os valores de cotação de R$ 31,22 e 24,77 para 01/10/2008 e 31/10/2008. IBOVESPA O Ibovespa iniciou o mês com pontuação de 49798,00 e fechou o mês com 37256,00. Com a edição da Medida Provisória 443, cria-se expectativa no mercado nacional, em que bancos médios e pequenos poderiam estar com algum problema de liquidez. Instalou-se 9/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

13 certa desconfiança quanto ao sistema bancário nacional, porém nada próximo ao ocorrido no mercado norte-americano. Nesse mês, foram observadas acentuadas quedas tanto nos preços das ações quanto na pontuação do Ibovespa. O período destacado de maio a outubro de 2008 foi o de maior turbulência e retração das economias globais. O grande volume de notícias negativas divulgadas pela mídia durante esse período mostra que o mercado norte-americano teve influência sobre essa retração. O mercado brasileiro não poderia passar incólume a esse processo, porém mostrou-se mais preparado do que em outras crises. Assim a mídia mundial influenciou as movimentações de preços das ações e do Índice Bovespa, movimentações essas que se relacionaram. Os eventos mencionados neste artigo tiveram sua parcela de responsabilidade na queda dos preços das ações e do índice Bovespa, porém é necessária uma confluência de fatores, além dos citados acima, para chegar a um panorama real das variáveis que impactaram de forma significativa o mercado brasileiro de capitais. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Andrezo, A.F. & Lima, I. S Mercado Financeiro Aspectos históricos e conceituais. Pioneira Thompson Learning, São Paulo. Assaf Neto, A Mercado Financeiro. Atlas, São Paulo. Cavalcante, F.; Misumi, J.Y. & Rudge, L.F Mercado de Capitais O que é, Como funciona. Elsevier, Rio de Janeiro. Lima, D. & Lavignatti, F Cronologia da crise financeira. Especiais. 10/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

14 QUANTO VALE OU É POR QUILO? : REFLEXÃO SOBRE A RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS. Deise Aparecida Reccoaro Faculdade Instituto Paulista de Ensino, Rua Euclides da Cunha, 377, Centro, Osasco, SP, CEP RESUMO Neste artigo, busca-se refletir sobre as diferentes formas de apropriação da Responsabilidade Social das Empresas e seus impactos sobre os diversos atores envolvidos. Para melhor ilustração dos argumentos apresentados, utilizo como base para reflexão o filme dirigido por Sergio Bianchi, Quanto Vale ou é por Quilo?. Palavras-chave: Responsabilidade social, mudanças de valores, democracia, stakeholders. ABSTRACT This article discusses the different forms of Social Responsibility appropriation by organizations and their impacts on the several actors involved in this process. In order to develop the present argument it analyses the movie directed by Sergio Bianchi, Quanto Vale ou é por Quilo?. Key-words: Social Responsibility, changing values, democracy, stakeholders. INTRODUÇÃO Em um evento organizado pela Federação Brasileira dos Bancos (FEBRABAN) sobre indicadores de Responsabilidade Social para os bancos, o empresário Ricardo Young da Silva, presidente do Instituto Ethos, ilustrou seus comentários sobre as mudanças no mundo empresarial com a seguinte anedota: Dois caipiras de cócoras na beira da estrada pitando seu cigarrinho de palha avistaram um elefante que passou voando por eles. Um olhou para o outro e, com uma certa indiferença, continuaram a pitar seus cigarrinhos. Minutos depois, passou o segundo elefante voando, esse era rosa com bolinhas amarelas, e a mesma indiferença continuou. Após passar o 11/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

15 terceiro elefante, dessa vez verde, voando na mesma direção dos dois primeiros, um dos caipiras não se conteve e fez o seguinte comentário: acho que o ninho deles fica naquela direção. Moral da história: estamos diante de grandes transformações no mundo empresarial, e as mudanças acontecem de forma tão rápida que, se não se atentar para elas ou não se apropriar delas, qualquer profissional ficará igual aos caipiras da piada, conseguirá, no máximo, identificar o rumo das coisas. A conseqüência disso pode determinar sua sobrevivência no mundo competitivo. Mais que identificar o rumo das mudanças, pessoas que hoje estão à frente das organizações empresariais precisam saber atuar de forma ativa e aproveitar as novas oportunidades para rever conceitos e mudar comportamentos. Cortella (2009), no livro Qual é a tua obra?, afirma que Para ir da oportunidade ao êxito é preciso enfrentar os medos da mudança, romper com este sentimento e ir atrás do vento oportuno. Para isso, é preciso mudar a mentalidade. É preciso ter uma mentalidade humilde. Uma mentalidade moderna. A humildade é entendida aqui como forma de reconhecimento de que existem outros atores envolvidos na atuação e nos resultados das empresas, e que o sucesso de um novo empreendimento passa pela construção coletiva de soluções em que todos ganham. Visão das empresas Durante décadas, fomos educados sob a premissa de que a principal função de uma empresa é gerar lucro para seus acionistas. A grande referência teórica dessa visão é o economista Milton Friedman, que escreveu um artigo na revista The New York Times Magazine intitulado The Social Responsability of Business is to Increase Its Profits (A Responsabilidade Social da Empresa é aumentar seus Lucros), criticando a proposta de Responsabilidade Social das Empresas (RSE). Para o economista, somente pessoas podem ter responsabilidades, e não se deve esperar isso das empresas, pois são pessoas artificiais. Essa visão de RSE, segundo Cheibub e Locke (2002), é classificada como modelo produtivista, o qual se apóia no argumento de que se as empresas forem eficientes e inovadoras, a sociedade também irá se beneficiar das suas atividades. Apesar de parecer convincente, essa lógica gerou várias conseqüências para a vida social atual, e por que não dizer para a vida futura também? Se considerar que a principal missão de uma empresa é maximizar os dividendos de seus acionistas ou proprietários, se o lucro estiver acima de tudo, uma das primeiras 12/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

16 iniciativas que um administrador ou administradora poderá tomar é reduzir custos com a produção e com a mão de obra, buscando baixo preço no mercado. Isso pode comprometer a qualidade tanto dos produtos como dos serviços prestados, além, é claro, de sujar a imagem da empresa diante da opinião pública. Quem é que não se lembra do caso da Nike, em que os movimentos sociais dos países desenvolvidos realizaram campanhas de boicote à marca, devido ao uso de trabalho infantil na cadeia produtiva de bolas de futebol no Paquistão. Apesar de questionável, esse método de administrar é a opção que normalmente se faz quando a empresa torna-se um fim em si mesmo. As medidas tomadas sob essa perspectiva tentam sustentar o insustentável (Instituto Observatório Social, 2004). Ashley (2002) considera a forma de gestão produtivista como uma abordagem tradicional que implica a mercantilização das relações sociais, ou seja, os relacionamentos que se estabelecem a partir desse modelo giram em torno dos interesses financeiros que poderão ser proporcionados aos acionistas. A autora classifica a abordagem como gestão antropocêntrica as necessidades humanas imediatas acima de tudo -, em contrataste com a proposta ecocêntrica de gestão, em que se pressupõem relações recíprocas entre ser humano e natureza. Em diversos artigos e publicações sobre RSE, pode-se verificar que existe uma evolução do conceito, apesar de ainda ser objeto de disputa, conforme afirmam Cheibub e Locke (2002), o que deve ou não ser considerado RSE. No geral, os especialistas e empresários afirmam que essa evolução abrange desde as ações de filantropia, ao reconhecimento dos stakeholders como partes interessadas com poder de reivindicação sobre a gestão das empresas, conforme apresentado em construção das Diretrizes da ISO - International Organization for Standardization Essas visões de RSE e suas formas de atuação variam conforme o porte e a origem das empresas, bem como com suas relações com os stakeholders. De maneira geral, as adesões das empresas às ações de SER procuram conciliar ações socialmente responsáveis, voltadas para um determinado público beneficiário, com a melhoria de sua imagem diante do mercado consumidor e do mercado de trabalho. Essa forma de atuação da RSE como estratégia de negócio é classificada pelos estudiosos do tema como uma abordagem progressista (Cheibub e Locke, 2002). 1 Trata-se de um documento que ainda não é uma Norma Internacional da ISO. É distribuído para revisão e comentários entre os grupos de especialistas, no Brasil e em mais de 100 países, compostos basicamente por empresários, trabalhadores, ONGs e consumidores. 13/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

17 Portanto, a inserção na lógica da Responsabilidade Social das Empresas requer mudanças de atitudes e coragem para enfrentar situações bastante incertas, dada a natureza recente do tema. Em compensação, pode significar um grande esforço de todos os setores da sociedade pela diminuição das desigualdades sociais, pela preservação da natureza e pelo fortalecimento das instituições e de seus papéis como parte do jogo democrático. DISCUSSÃO Apesar de os especialistas reconhecerem a RSE como uma forma legítima e necessária de atuação das empresas, eles levantam uma preocupação quanto à dimensão e os impactos políticos que a RSE pode causar sobre o papel do Estado. Nesse sentido, a RSE não deveria substituir o Estado em relação às garantias de acesso aos direitos políticos e sociais dos cidadãos. O filme de Sergio Bianchi, Quanto Vale ou é por Quilo?, é ao mesmo tempo provocativo, quando estabelece uma comparação entre dois períodos da história do Brasil para explicar a lógica de perpetuação da miséria e dos excluídos, e desanimador, quando retrata a maneira como algumas empresas se utilizam da RSE para autopromoção ou para o alívio de consciência de alguns empresários. O roteiro se desenvolve em torno da atuação de uma ONG que busca captar recursos de empresas para realizar projetos sociais. Contudo, entre uma ponta a outra, entre os recursos captados e o público beneficiado, ocorrem muitas irregularidades e crimes, como superfaturamento, desvio de verbas e contas fantasmas. Tudo em nome dos excluídos. Marilena Chauí (2005), ao analisar a democracia, constata que a diferença de classes no Brasil funciona como um abismo entre os privilegiados e os carentes. Esse abismo é tão grande que o Direito passa a ser aplicado de acordo com a vontade dos privilegiados. O Estado, por sua vez, existe para garantir a manutenção da ordem e o direito da propriedade desses privilegiados. Dessa maneira, os pobres, os excluídos e os miseráveis são considerados os desprotegidos do direito, os coitados, os incapazes de sobreviver sem a ajuda ou a piedade do grupo de privilegiados. Ou ainda, são marginais, já que para o Estado eles representam um problema de segurança pública. Chauí aponta ainda que esse privilégio pode ser expresso pela famosa frase: aos amigos tudo, aos inimigos a lei. A lei, nesse caso, aplica-se aos pobres e aos excluídos para puni-los, e não para proteger seus direitos. 14/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

18 No filme, isso pode ser verificado pela comparação entre o capitão do mato na busca de escravos fugitivos, a matança promovida pelo justiceiro nas favelas e a limpeza de meninos de rua promovidos pela polícia, tudo com consentimento, ou até por ação direta do próprio Estado. As ações sociais se limitam ao assistencialismo e são vistas como favores, como benevolência, ou simplesmente servem como alívio para a consciência dos privilegiados. E o boom de investimentos em projetos sociais deve, além de tranquilizar a alma, promover uma melhoria na imagem das empresas, através do marketing social, servindo ainda como forma de lavar dinheiro por meio de incentivos públicos. Apesar de se tratar de uma obra de ficção e de existirem alguns exageros que o recurso cinematográfico permite para ilustrar uma determinada situação, não é difícil de acreditar que existam histórias parecidas na vida real, e não é por acaso que recentemente se tentou instalar uma CPI - Comissão Parlamentar de Inquérito - das ONGs. Uma das grandes contribuições que Quanto Vale ou é por Quilo? possibilita trazer para nossa análise é tratar a RSE não como apêndice do negócio, mas como o próprio negócio. No filme, as empresas contratam ONGs especializadas para desenvolver ações de RSE, portanto, terceirizam algo que deveria ser desenvolvido pelas próprias companhias. Não só para ter o controle do processo e a garantia da lisura, como também pela grande chance de rever conceitos, de mudar comportamento e de criar novos valores. As empresas que apostaram nesse formato se destacam das outras não só em termos de marketing politicamente correto, com também pela fidelidade e respeito que vão adquirindo a partir da interação com seus stakeholders. Outra provocação importante de Quanto Vale ou é por Quilo? ocorre em relação ao tratamento que as ONGs dão ao público beneficiado. No filme, uma passagem mostra uma espécie de treinamento de pessoas para vender projetos sociais para as empresas. Nessa passagem, a instrutora, ao tratar da definição do público beneficiário dos projetos, menciona que uma empresa poderá se interessar por crianças com câncer, mas a mesma pode não se interessar por velhinhos abandonados. Nessa perspectiva, o público alvo das ONGs não passa de mercadoria. Essa ideia perpassa todo o filme: a miséria é lucrativa, porque pode movimentar projetos que envolvem a contratação de pessoas, a locação de escritórios, a compra de equipamentos e o desenvolvimento de ações sociais. Cheibub e Locke (2002) afirmam que a sociedade não é uma mera coleção de indivíduos atomizados, mas um empreendimento coletivo e, como tal, obriga seus membros a praticar determinadas ações que expressem o reconhecimento desse fato. Fortalecer a 15/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

19 sociedade civil, as organizações sociais, evita confrontos em que todos perdem e incita o compartilhamento dos riscos e a solução de conflitos. Uma empresa socialmente responsável significa, para os autores supracitados, antes de tudo, ser uma boa empregadora, prezar por uma atmosfera de justiça nas relações de trabalho, tratar os trabalhadores com respeito e pagar salários que permitam condições de vida dignas. E fora da empresa, cumprir com as regras do jogo democrático, não buscar obter vantagens indevidas ou especiais, mas sim reforçar a concepção pública de democracia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Ashley, P.A. 2002, Ética e Responsabilidade Social nos Negócios. Saraiva, São Paulo Chauí, M.S Considerações sobre a democracia e os obstáculos à sua concretização. Pólis Publicações (Instituto Polis) 47: Cheibub, Z.B. & Locke, R.M Valores ou interesses? Reflexões sobre a responsabilidade social das empresas. In: Kirschner, A.M.; Gomes, E.R.; Cappelin, P. (Eds.). Empresa, Empresários e Globalização. Relume Dumará, Rio de Janeiro. Cortella, M.S Qual é a tua Obra? Inquietações Propositivas sobre Gestão, Liderança e Ética. Vozes, Petrópolis. Instituto Observatório Social Responsabilidade Social e Empresarial: perspectiva para a ação sindical. IOS, Florianópolis. Publicação da ABNT (maio 2009). Responsabilidade Social: O Brasil e a futura Norma Internacional ISO Revista Brasil: Almanaque de cultura Popular. São Paulo: nº 115, nov /65 Revista Científica Hermes 2, 2009

20 OS EFEITOS DA CRISE MUNDIAL SOBRE A AGRICULTURA E A PRESSÃO SOBRE OS RECURSOS NATURAIS BRASILEIROS. Klécia Gili Massi, Aline Cristina Perez, Fernando Flores de Almeida, Letícia Novaes Smid, Luciana Aparecida Souto, Mariana Neres Silva & Vilma Pereira Gomes Dário. Faculdade Instituto Paulista de Ensino, Rua Euclides da Cunha, 377, Centro, Osasco, SP, CEP RESUMO A crise está provocando impactos sobre os sistemas de produção, como o agrícola. Todos os recursos necessários à produção agrícola, incluindo-se os rejeitos advindos da mesma, passam pelo meio ambiente, e qualquer aumento ou diminuição na produção agrícola acarretará em conseqüências aos recursos naturais. Assim, objetivamos, com este trabalho, verificar os efeitos da crise sobre a demanda de produtos agrícolas e dessa sobre os recursos naturais. Utilizamos como metodologia de coleta de dados a busca de informações em sites de dois veículos de divulgação nacional (Veja e Estado de São Paulo). Verificamos que, embora a agricultura projetasse elevadas safras para o ano de 2009, a agroindústria apresenta dificuldades por causa da queda das exportações. Também a fragilidade na captação de recursos no exterior, a elevação dos preços dos insumos necessários ao agronegócio e a falta de crédito ao produtor agrícola são empecilhos à retomada do ritmo da agricultura. Adicionalmente, a crise mundial, ao reduzir a demanda diminuindo a busca por alimentos, afetaria em menor grau o meio ambiente, já que grandes extensões de florestas e ambientes naturais não seriam substituídas por áreas agrícolas e de pastoreio. Palavras-chave: crise financeira mundial, agricultura, financiamento, meio ambiente. ABSTRACT The crisis is arising impacts on production systems, such us agriculture. All resources required to crop production and its rejects are thrown in the environment. Any increase or decrease in the crop will bring consequences to natural resources. That is why we aim to check how the crisis affects farm products demand and how this demand impacts on the environment resources. To reach this goal we used information from two sites: a magazine and a newspaper we used information from two sites: a magazine and a newspaper (Veja and 17/65 Revista Científica Hermes 2, 2009

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL, A CRISE FINANCEIRA GLOBAL E SEU IMPACTO NO ÍNDICE BOVESPA E NO PREÇO DAS AÇÕES DA CIA. VALE DO RIO DOCE E DA PETROBRAS.

O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL, A CRISE FINANCEIRA GLOBAL E SEU IMPACTO NO ÍNDICE BOVESPA E NO PREÇO DAS AÇÕES DA CIA. VALE DO RIO DOCE E DA PETROBRAS. O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL, A CRISE FINANCEIRA GLOBAL E SEU IMPACTO NO ÍNDICE BOVESPA E NO PREÇO DAS AÇÕES DA CIA. VALE DO RIO DOCE E DA PETROBRAS. Adalberto Tacini Faculdade Instituto Paulista de Ensino,

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Número 12 (18 de abril de 2008) Publicação periódica do Clube Brasileiro-Catalão de Negócios. Com o apoio de:

Número 12 (18 de abril de 2008) Publicação periódica do Clube Brasileiro-Catalão de Negócios. Com o apoio de: Clube Brasileiro-Catalão de Negócios (CB-CN) Av. Juscelino Kubitschek, 1726 conj. 111 sala 9 Vila Olímpia São Paulo SP Brasil CEP: 04543-000 www.cb-cn.com E-mail: info@cb-cn.com Número 12 (18 de abril

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos

Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos A premissa básica em investimentos afirma que não há retorno sem risco. A busca por um ganho em rentabilidade é sempre acompanhada por uma

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade 28 r e v i s t a revenda construção entrevista_ed.indd 28 14/05/10 22:05 País rico e já estável era rricardo Amorim, economista formado

Leia mais

CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA

CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA 170 CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA GALLE, Juliano M. 1 CAVALI, Roberto 2 SANTOS, Elaine de O. 3 Resumo: A crise financeira que surgiu nos EUA tem afetado o mercado financeiro

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 35 1 Este capítulo apresenta uma síntese de quatro cenários prospectivos elaborados pelo Mais RN. O documento completo, contendo o detalhamento dessa construção,

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Kevin Anselmo (Duke) +1-919-660-7722 kevin.anselmo@duke.edu. CFOs: Queda no Otimismo Preocupação com Câmbio e Política Econômica

Kevin Anselmo (Duke) +1-919-660-7722 kevin.anselmo@duke.edu. CFOs: Queda no Otimismo Preocupação com Câmbio e Política Econômica CFO Panorama Global dos Negócios Queda acentuada do otimismo no Brasil, preocupação com câmbio e alta da taxa de juros estão entre os principais resultados da pesquisa. -------------------------------------------

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Brasil joga na terceira divisão do comércio mundial

Brasil joga na terceira divisão do comércio mundial Entrevista Arturo Porzecanski Brasil joga na terceira divisão do comércio mundial Para especialista em américa latina, próximo presidente terá trabalho para recuperar a imagem do país lá fora RAUL JUSTE

Leia mais

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 9 de setembro de 2011 Página 1 de 21 De Olho Na Bolsa "A relação entre economia e demografia não é, efetivamente, muito percebida pela maior parte dos economistas, haja vista que poucos são os cursos que

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)

Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

DEBATES FUCAPE F U C A P E. Quebra de Monopólio e Aumento da Produtividade: Lições da Indústria de Petróleo no Brasil. Editorial.

DEBATES FUCAPE F U C A P E. Quebra de Monopólio e Aumento da Produtividade: Lições da Indústria de Petróleo no Brasil. Editorial. F U C A P E DEBATES Editorial Em 1995 o monopólio da Petrobras no setor de petróleo foi legalmente quebrado. Mais de 10 anos depois ela continua controlando quase 1 0 0 % d o m e r c a d o d e extração

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 A VOLATILIDADE NAS BOLSAS DE VALORES GLOBAIS E OS IMPACTOS NAS EMPRESAS DE REAL ESTATE LISTADAS NA BOVESPA Prof. Dr. Claudio

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

PESQUISA: "CLIMA DO BUSINESS SAÚDE" com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002

PESQUISA: CLIMA DO BUSINESS SAÚDE com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002 MÉDIA GERAL CRESCIMENTO CRESCIMENTO ESTÁVEL 29 QUEDA 6 TOTAL 84 SIMONSEN ASSOCIADOS PESQUISA: "CLIMA DO BUSINESS SAÚDE" com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002 GRAU DE CONFIANÇA NO CRESCIMENTO DO

Leia mais

Europeus querem contribuição maior de países emergentes

Europeus querem contribuição maior de países emergentes Europeus querem contribuição maior de países emergentes Por Daniela Chiaretti De São Paulo A fala recorrente do espanhol Miguel Arias Cañete, 65, abre a caixa de Pandora das negociações climáticas. O principal

Leia mais

Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011. Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011

Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011. Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011 Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011 Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011 1 DIRETORIA Presidente João Crestana Economista-chefe Celso Petrucci Mercado de Imóveis

Leia mais

Mercado global. vive momento de mudanças

Mercado global. vive momento de mudanças DATAGRO Mercado global vive momento de mudanças A indústria mundial de açúcar e etanol, setor no qual o Brasil figura como um dos principais líderes, vive um cenário de transformações. Enquanto no país

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Comunicação Institucional Visão de Futuro

Comunicação Institucional Visão de Futuro Comunicação Institucional Visão de Futuro Organograma Presidente Comunicação Institucional Assistente Imagem Corporativa e Marcas Comitê Estratégico Imprensa Planejamento e Gestão Atendimento e Articulação

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Valor do portfólio da Temasek atinge recorde de R$ 250 bilhões

Valor do portfólio da Temasek atinge recorde de R$ 250 bilhões Comunicado à Imprensa Valor do portfólio da Temasek atinge recorde de R$ 250 bilhões - O portfólio apresentou um retorno total de 9% aos acionistas no período de 10 anos - Os investimentos realizados após

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Resultados 2005 Resultados 2005

Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 1T06 Bovespa: RSID3 NYSE (ADR): RSR2Y Receita Líquida alcança R$ 85,2 milhões VGV totaliza R$ 94,3 milhões Vendas contratadas crescem 63% São Paulo, 11 de maio

Leia mais

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha?

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha? Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná Publicada em 08 de fevereiro de 2009 Jornalista: O Brasil ainda tem

Leia mais

INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS

INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS ARTIGO INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS Elaine Arantes Graduada em Administração- FAE; Especialista em Planejamento e Gestão de Negócios FAE.

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais