Oficina GIFE para Investidores PRONON e PRONAS. 16 de setembro de 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oficina GIFE para Investidores PRONON e PRONAS. 16 de setembro de 2015"

Transcrição

1 Oficina GIFE para Investidores PRONON e PRONAS 16 de setembro de 2015

2

3

4 Conteúdo a serem abordados Contextualização Nexo PRONON e PRONAS Legislação Principais Pontos Panorama Elaboração e Captação Pontos de atenção para Investidores Sociais

5 Conteúdo a serem abordados Contextualização Nexo PRONON e PRONAS Legislação Principais Pontos Panorama Elaboração e Captação Pontos de atenção para Investidores Sociais

6 A Nexo e os Incentivos Fiscais para a Saúde Ano Entidades apoiadas Projetos apresentados Projetos aprovados MG Abrangência da atuação MG, RJ, SP ? MG, RJ, SP, BA, SE, RN, PA

7 Conteúdo a serem abordados Contextualização Nexo PRONON e PRONAS Legislação Principais Pontos Panorama Elaboração e Captação Pontos de atenção para Investidores Sociais

8 Incentivos Fiscais Federais Mecanismo Limite Individual (PJ) Lei Rouanet / Lei do Audiovisual 4% Lei do Esporte 1% Fundo para Infância e Adolescência FIA / FUMCAD 1% Fundo do Idoso 1% PRONON 1% PRONAS 1% TOTAL 9% PRONON e PRONAS Lei artigo 4º, 8º: os benefícios de que trata este artigo não excluem outros benefícios, abatimentos e deduções em vigor

9 Os mecanismos PRONON (Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica) PRONAS/PCD (Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência) Legislação Lei , de 17 de setembro de Decreto 7.988, de 17 de abril de Portaria 1.550, de 30 de julho de 2014.

10 Áreas prioritárias dos projetos I - a prestação de serviços médico-assistenciais; II - a formação, o treinamento e o aperfeiçoamento de recursos humanos em todos os níveis; e III - realização de pesquisas clínicas, epidemiológicas, experimentais e socioantropológicas Os projetos apresentados devem focar em somente uma dessas áreas. Cada uma dessas áreas tem sub-itens específicos detalhando as prioridades.

11 Principais etapas Credenciamento de entidades Elaboração de projetos Tramitação / aprovação junto ao Ministério Captação de recursos Execução

12 Credenciamento O credenciamento deve ser feito uma única vez. Uma vez credenciada, a entidade fica apta a apresentar projetos nos anos seguintes. O processo está aberto ao longo de todo ano, mas o requerimento deve ser feito em até 30 dias antes de cada rodada de apresentação de projetos: Primeira rodada: o prazo para envio da documentação é até 29 de janeiro de cada ano; Segunda rodada (se houver): o prazo para envio da documentação é até 15 de julho de cada ano.

13 Quem pode se credenciar? Entidades privadas sem fins lucrativos que possuem: a) Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS); ou b) Qualificação como Organização Social (OS); ou c) Qualificação como OSCIP; ou d) Cadastro no SCNES (Sistema de Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde) + apresentação de declaração do gestor local atestando o atendimento direto e gratuito às pessoas com deficiência, quando o requerimento for de credenciamento junto ao PRONAS/PCD;

14 Elaboração de projetos Prazos: 1ª rodada: de 01 de março a 15 de abril de cada ano 2ª rodada (se não atingir teto anual de renúncia estabelecido pelos Ministérios da Fazenda e Saúde): de 15 a 31 de agosto de cada ano Valor máximo por projeto: até 5% do teto de renúncia Mecanismo Teto da Renúncia (2015) Valor limite por projeto (5%) PRONON R$ R$ PRONAS R$ R$

15 Aprovação / tramitação dos projetos Em 2014, o Ministério da Saúde levou uma média de 100 dias para aprovar cada projeto. Em 2015, o prazo de envio se expirou em 15 de maio (prorrogado). Até o dia 16/09/2015, 124 dias se passaram e nenhum projeto no Brasil foi aprovado. Em 30/09 está prevista a realização de uma reunião do Comitê Gestor de PRONAS e PRONON para definição dos projetos aprovados.

16 Captação de Recursos Cada projeto tem que captar no mínimo 60% do valor aprovado para iniciar a execução; Entidade pode captar até 20% a mais do que o valor aprovado; Caso capte entre 60 e 99,9% e entre 100,1 e 120%, o projeto precisa ser readequado; Prazo de captação: 90 dias a partir da data de aprovação (prorrogável por mais 30 dias)

17 Execução de projetos Os projetos aprovados no PRONON e no PRONAS tem de 24 (Assistência e Capacitação) a 36 meses (Pesquisa) para serem executadas a partir da autorização do Ministério da Saúde. A execução poderá ser prorrogada em mais um ano, desde que o pedido seja aprovado pelo Ministério da Saúde.

18 Conteúdo a serem abordados Contextualização Nexo PRONON e PRONAS Legislação Principais Pontos Panorama Elaboração e Captação Pontos de atenção para Investidores Sociais

19 Potencial x Realizado 2013/ PRONON R$ ,00 R$ R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ R$ R$ R$ R$ R$ 0,00 Valor da renúncia fiscal Valor aprovado Valor captado Fonte: Ministério da Saúde Secretaria Executiva

20 Potencial x Realizado 2013/ PRONAS R$ ,00 R$ R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ R$ R$ R$ R$ 0,00 Valor da renúncia fiscal Valor aprovado Valor captado Fonte: Ministério da Saúde Secretaria Executiva

21 Projetos apresentados PRONON 2013 a 2015 Evolução PRONON Média de aprovação de 42% dos projetos por ano. Em laranja = projeção para 2015 considerando a taxa de aprovação histórica Projeção Projetos apresentados Projetos aprovados Fonte: Ministério da Saúde Secretaria Executiva

22 Projetos apresentados PRONAS 2013 a 2015 Evolução PRONAS Média de aprovação de 49% dos projetos por ano. Em laranja = projeção para 2015 considerando a taxa de aprovação histórica Projeção Projetos apresentados Projetos aprovados Fonte: Ministério da Saúde Secretaria Executiva

23 Demanda de projetos x Teto da Renúncia 2015 No PRONON, a demanda de projetos (R$ 551 milhões) foi 3x maior do que o teto da renúncia (R$ 175 milhões). No PRONAS, a demanda (R$ 254 milhões) foi 46% maior do que o teto da renúncia (R$ 174 milhões) Fonte: Ministério da Saúde Secretaria Executiva

24 Conteúdo a serem abordados Contextualização Nexo PRONON e PRONAS Legislação Principais Pontos Panorama Elaboração e Captação Pontos de atenção para Investidores Sociais

25 Pontos de atenção para Investidores 1. Relevância dos incentivos para a Saúde 2. Descentralizar incentivos para fora de Sudeste / Sul 3. Aprimorar processos de captação e liberação de recursos para execução 4. Prorrogar a validade dos incentivos 5. Doação x Patrocínio 6. Onde encontrar mais informações sobre os projetos?

26 O investimento social em Saúde Saúde é, junto com Educação, uma das demandas prioritárias da sociedade brasileira. 86% dos investidores sociais investem em Educação. Só 33% investem em Saúde (fonte: Censo GIFE ). PRONON e PRONAS são oportunidades para as empresas colocarem a Saúde na pauta da política de investimento social.

27 Relevância dos mecanismos para a saúde pública PRONON: Gastos federais com assistência oncológica (2012) = R$ 2,4 bi Valor captado PRONON (2014): R$ 153 mi (=6%) PRONAS/PCD Orçamento do Governo de Minas para PCD (2014): R$ 25,6 mi Valor captado PRONAS MG (2014): R$ 23 mi (=90%) Os mecanismos podem contribuir para suprir gargalos do financiamento público à Saúde (ex: casas de apoio)

28 Alinhamento dos mecanismos com negócio Possibilidade de reinserção de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Contribuem diretamente para a saúde de clientes, comunidades de interesse e funcionários. Diferenças entre PRONON e PRONAS: PRONON: atenção regionalizada (entidades de maior porte que atendem grandes regiões, ao invés de hospitais locais) PRONAS: projetos com impactos e abrangências mais locais (ex: APAEs)

29 2. Descentralização do investimento - Nenhum projeto aprovado no Centro-Oeste desde 2013 e primeiro projeto do Norte apresentado em Necessidade de fomentar a capacitação de entidades dessa região para elaboração dos projetos e captação de recursos

30 Distribuição geográfica do projetos aprovados (2014) PRONAS PRONON Sul 18% Sul 32% Nordeste 5% Sudeste 77% Nordeste 5% UF/Região PRONAS PRONON Total Sudeste SP MG RJ ES Sul PR SC RS Nordeste PE BA CE 1 1 Total Sudeste 63%

31 PRONAS PRONON Distribuição geográfica do projetos apresentados (2015) Nordeste Sul 9% 16% Centro- Oeste 2% Norte 0% Sudeste 73% UF / Região PRONAS PRONON TOTAL Sudeste SP MG RJ ES Sul RS PR SC Nordeste BA PE RN CE SE 3 3 AL 3 3 PI 3 3 Centro-Oeste GO 4 4 MS 3 3 MT 1 1 Norte 1 1 PA 1 1 Total Geral

32 3. Aprimorar processos de captação e liberação de recursos para execução Cultura Esporte Saúde Percentual de dedução Captação mínima para execução Prazo de captação Processo de liberação dos recursos 4% 1% 1% (cada) 20% 20% 60% 12 meses (prorrogável por mais 12) Automático após captação mínima (execução parcial) 12 meses (prorrogável por mais 12) Readequação + Termo de Compromisso 3 meses (prorrogável por mais 1) Readequação + Termo de Compromisso Incompatíveis!

33 O processo de liberação dos recursos Captação de Recursos Readequação do Projeto (se captação parcial) Assinatura de termo de compromisso Liberação dos recursos / início da execução

34 O processo de liberação dos recursos Captação de Recursos Readequação do Projeto (se captação parcial) Assinatura de termo de compromisso Liberação dos recursos / início da execução 58 dias em média de espera para assinatura após readequação

35 Poucos projetos em execução... PRONON = 39% dos projetos captados até dezembro/14 com termos publicados PRONAS = 51% dos projetos captados em dezembro/14 com termos publicados PRONAS PRONON Projetos aprovados em 2014 Projetos captados em 2014 Projetos com termo publicados no DOU

36 4. Prorrogar a validade dos incentivos PRONON e PRONAS tem validade somente até 2015, para pessoas físicas, e 2016, para pessoas jurídicas. Empresas ainda estão em fase de descobrimento e adesão aos incentivos.

37 Duas Medidas Provisórias já tramitam pedindo a prorrogação: MPV nº 675: já aprovada por Comissão Mista e na Plenária da Câmara dos Deputados. Segue para votação no Senado e, caso não tenha alteração, vai pra sanção presidencial. MPV nº 679: será votada por Comissão Mista (deputados e senadores) e, se aprovada, segue para votações na Câmara, Senado e sanção presidencial.

38 5. Doação x Patrocínio Os incentivos do PRONON e PRONAS estão regulamentados somente como doação, isto é, sem fins de visibilidade pelos doadores. A regulamentação da modalidade Patrocínio está prevista na Portaria 1.550/2014, porém nunca foi feita e não é bem vista pelo Ministério da Saúde.

39 6. Onde encontrar informações sobre os projetos? Plataforma onde os projetos podem se cadastrar e as empresas lançar editais. Todos os empreendedores que enviaram projetos para PRONON e PRONAS receberão um convite para se cadastrar ainda em setembro. Os investidores podem fazer buscar a partir de filtros (local, lei de incentivo, etc.)

40 Exemplo de tela

41 Equipe NEXO Bruno Barroso - Sócio-Diretor Thiago Alvim - Sócio-Diretor BELO HORIZONTE Alcione Lana Ana Luiza Rezende Arianna Calderón Augusta Deluca Deborah Rodrigues Fernanda Avelar Gabriel Souza Gustavo Campos Lígia Oliveira Luiza Firmato Mateus Lustosa Romélia Costa Stéfane Rabelo Vinícius Madeira SÃO PAULO Ana Diniz Laura Fuser Monique Hartorg Wanderson Souza Mariana Queiroz RIO DE JANEIRO Uriella Ribeiro

42 Av. do Contorno, 4.023, sala São Lucas Belo Horizonte/MG CEP: TEL:(31) Rua Bela Cintra, Consolação São Paulo /SP CEP: TEL:(11) bruno barroso thiago alvim (31) (31)

Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON) Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS/PCD)

Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON) Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS/PCD) Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON) Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (PRONAS/PCD) Patricia de Campos Couto MS/SCTIE/DECIT/CGPC Incentivo Fiscal

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS POR MEIO DE INCENTIVOS FISCAIS FEDERAIS Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br INCENTIVOS FISCAIS Contexto MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

DECRETO No- 7.988, DE 17 DE ABRIL DE 2013

DECRETO No- 7.988, DE 17 DE ABRIL DE 2013 DECRETO No- 7.988, DE 17 DE ABRIL DE 2013 Regulamenta os arts. 1º a 13 da Lei nº 12.715, de 17 de setembro de 2012, que dispõem sobre o Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica - PRONON e o Programa

Leia mais

Como incentivar? Incentivos fiscais para doações livres. Incentivos fiscais para doações/patrocínio a projetos chancelados

Como incentivar? Incentivos fiscais para doações livres. Incentivos fiscais para doações/patrocínio a projetos chancelados Incentivos Fiscais Como incentivar? Incentivos fiscais para doações livres Incentivos fiscais para doações/patrocínio a projetos chancelados Incentivos fiscais para doações a fundos públicos Incentivos

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: - Entidades beneficentes de assistência social (certificadas como entidades

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama. Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações

A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama. Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações A pesquisa clínica no combate ao câncer de mama Dra. Cláudia Vasconcelos Executiva de Operações Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON) 2 Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde

Leia mais

Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no SUS

Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no SUS X Encontro de Provedores, Diretores e Administradores de Santas Casas e Hospitais Filantrópicos de Minas Gerais - FEDERASSANTAS Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

Incentivos Fiscais PONTOS ABORDADOS:

Incentivos Fiscais PONTOS ABORDADOS: INCENTIVOS FISCAIS PONTOS ABORDADOS: Incentivos Fiscais 1. Aspectos Gerais; 2. Doações a Entidade Cíveis; 3. Lei Rouanet; 4. Lei do Esporte; 5. Lei nº. 12.715/12 (Câncer e Deficiência); 6. Fundo Nacional

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONAS PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONAS PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONAS PCD Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: Pessoas jurídicas de direito

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS Lúcia Maria Mendonça Santos Marcos Daniel Souza dos Santos Paula Coelho da Nóbrega Departamento de Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Leia mais

Rede Temática - Saúde Balanço das Atividades. Coordenação

Rede Temática - Saúde Balanço das Atividades. Coordenação Rede Temática - Saúde Balanço das Atividades Coordenação Rede Temática - Saúde Balanço das Atividades SUMÁRIO: 1. Breve Histórico 2. Questões já abordadas 3. Próximos Temas identificados 4. Temas de interesse

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

Semana de Sustentabilidade Como Captar Recursos?

Semana de Sustentabilidade Como Captar Recursos? Semana de Sustentabilidade Como Captar Recursos? 17.Set.2014 Esta atividade faz parte do Programa de Educação Ambiental conforme requerido pelo Licenciamento Ambiental Federal conduzido pelo IBAMA Como

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA

Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA Incentivo Fiscal Imposto de Renda sobre Pessoa Física IMPOSTO DE RENDA O Imposto de Renda sobre Pessoa Física - IRPF é um tributo federal obrigatório a todos os trabalhadores brasileiros que obtiveram

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil 9ª Região Fiscal - Paraná e Santa Catarina DRF Cascavel - PR CONHECER PARA GERENCIAR

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS OS INCENTIVOS FISCAIS OS INCENTIVOS FISCAIS Incentivos fiscais são instrumentos utilizados pelo governo para estimular atividades específicas, por prazo determinado (projetos). Existem

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: Pessoas jurídicas de direito privado, associativas ou

Leia mais

Retrospectiva 2012 / Tendências 2013

Retrospectiva 2012 / Tendências 2013 Retrospectiva 2012 / Tendências 2013 TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 19/02/2013 Prezados clientes, Selecionamos os acontecimentos mais marcantes no campo jurídico no ano de 2012 sobre

Leia mais

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências.

>Lei nº 9.615, de 24 de Março de 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o incentivo fiscal de âmbito federal para projetos de atividades de caráter desportivo, procedemos ao

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

Quantidade de pedidos registrados por mês

Quantidade de pedidos registrados por mês Relatório de Pedidos de Acesso à Informação e Solicitantes (*) Informações adicionais para o correto entendimento do relatório podem ser encontradas na última seção. Órgão(s) de referência: MinC - Ministério

Leia mais

RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA

RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA Oportunidades e Legislação Parceria ÍNDICE EDITORIAL Uma oportunidade de contribuir com a transformação social 1. O QUE É RENÚNCIA FISCAL 1.1

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Missão Promover a inserção da mulher no mercado de trabalho, apoiando ações sociais empreendedoras, desenvolvidas por organizações da sociedade civil, que contribuam de forma

Leia mais

COMO SE TORNAR UM PARCEIRO DO CORPO CIDADÃO? Junte-se a nós!

COMO SE TORNAR UM PARCEIRO DO CORPO CIDADÃO? Junte-se a nós! COMO SE TORNAR UM PARCEIRO DO CORPO CIDADÃO? O Corpo Cidadão utiliza diversos mecanismos de incentivo fiscal, fontes de financiamento, parcerias, doações, programas de voluntariado e cria ações de marketing

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

Case: Incentivos Fiscais M. A. Máquinas Agrícolas

Case: Incentivos Fiscais M. A. Máquinas Agrícolas Case: Incentivos Fiscais M. A. Máquinas Agrícolas APRESENTAÇÃO... A empresa M. A. Máquinas Agrícolas Ltda. sempre levou muito a sério sua responsabilidade social. Sempre acreditou e pregou entre seus funcionários

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Incentivos Fiscais em Saúde. Dra Cláudia Vasconcelos

Incentivos Fiscais em Saúde. Dra Cláudia Vasconcelos Incentivos Fiscais em Saúde Dra Cláudia Vasconcelos ANTES DE INICIARMOS www.ifsbrasil.com.br Blog sobre incentivos fiscais em saúde com o objetivo de organizar a informação e noticiar sobre atualidades

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS. Cultura Esporte - Saúde - Social. Legislação, Benefícios e Oportunidades. Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1

INCENTIVOS FISCAIS. Cultura Esporte - Saúde - Social. Legislação, Benefícios e Oportunidades. Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1 INCENTIVOS FISCAIS Cultura Esporte - Saúde - Social Legislação, Benefícios e Oportunidades Luiz Fernando Rodrigues 22/10/2015 1 CENÁRIO ATUAL Os mecanismos de incentivo fiscal federal, estaduais e municipais

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional do Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

Situação da Tuberculose no Brasil

Situação da Tuberculose no Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Programa Nacional de Controle da Tuberculose Situação da Tuberculose no Brasil Draurio Barreira Coordenador

Leia mais

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Nossa equipe atende empresas que investem em responsabilidade

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI. 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP

MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI. 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP MODALIDADES PARTICIPATIVAS DE CONTRIBUIÇÃO AO INSTITUTO COI 1. Doação ao ICOI, que possui o título de OSCIP 2. Doação/Patrocínio de Projeto Cultural por pessoa jurídica (art. 18 da Lei Rouanet) e 3. Doação/Patrocínio

Leia mais

A PROPOSTA: QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO?

A PROPOSTA: QUEM PODE DEDUZIR A DOAÇÃO DO IR APURADO? PROMOVER A DOAÇÃO/DESTINAÇÃO DE PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DAS PESSOAS FÍSICAS: UMA ÓTIMA OPORTUNIDADE PARA O IEPTB-MG AGIR, TAMBÉM, NO CONTEXTO SOCIAL! Dando continuidade a proposta apresentada no III

Leia mais

PRONATEC 2011-2013 SETEC/MEC

PRONATEC 2011-2013 SETEC/MEC PRONATEC 2011-2013 SETEC/MEC Brasília, 25 de Novembro de 2013 Objetivos O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego foi criado pelo Governo Federal, em 2011, com objetivos de: Fomentar e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria Políticas de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos maio 2015 PANORAMA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Guia para 1 Definir o destino de parte do imposto que você vai, obrigatoriamente, pagar é uma possibilidade legítima e acessível. Basta escolher qual projeto, seja ele cultural, esportivo ou social, você

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA Relatório Estatístico Preliminar de Resultados da Lei de Informática 8.248/91 e suas Alterações Dados dos Relatórios Demonstrativos

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional Diretoria de Livro, Leitura e Literatura Fundação Biblioteca Nacional Sistema Nacional de Bibliotecas PúblicasP Censo Nacional das Bibliotecas

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014

II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 II Fórum de Coordenadores de imunizações dos estados e de municípios de capital, 2014 Situação e mecanismo para avançar no processo de implantação do SIPNI Carla Magda A. S. Domingues Coordenadora Geral

Leia mais

1 PLANEJAMENTO 2 DESENVOLVIMENTO E APROVAÇÃO DE PROJETOS INCENTIVADOS 3 CAPTAÇÃO DE RECURSOS

1 PLANEJAMENTO 2 DESENVOLVIMENTO E APROVAÇÃO DE PROJETOS INCENTIVADOS 3 CAPTAÇÃO DE RECURSOS QUEM SOMOS Uma curadoria de projetos sociais de extrema relevância para o país que busca engajar a sociedade a participar dessas iniciativas, ajudando a fazer a diferença. www.abraceumacausa.com.br Atuamos

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos Compras Institucionais Programa de Aquisição de Alimentos Brasil Sem Miseria: Rota de Inclusao Produtiva Termo de compromisso ABRAS Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Compras Privadas Promoção Comercial

Leia mais

Coordenação de (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO

Coordenação de (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO Coordenação de Acompanhamento de Projetos (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO Coordenação de Acompanhamento de Projetos - CAC Prorrogação do Prazo de Captação Controle do Prazo de conclusão/execução

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

O HCB. O HCB é uma referência internacional no tratamento de câncer, pesquisa e desenvolvimento e capacitação de profissionais do mundo inteiro.

O HCB. O HCB é uma referência internacional no tratamento de câncer, pesquisa e desenvolvimento e capacitação de profissionais do mundo inteiro. O HCB O HCB é uma referência internacional no tratamento de câncer, pesquisa e desenvolvimento e capacitação de profissionais do mundo inteiro. 100% dos atendimentos via SUS Cobertura nos 27 Estados /

Leia mais

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais!

Captação de Recursos. Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013. Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Captação de Recursos Fernando Cavalcanti 04.Jun.2013 Encontro de Capacitação sobre Projetos Sociais Capacitado, você pode mais! Como Captar Recursos? Existem diversas maneiras das organizações conseguirem

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

1. Consulta de Certificado Digital 1. 2. Modelo de faturamento por Central de Serviços 3. 3 Configuração de informações para Faturamento de pedidos 4

1. Consulta de Certificado Digital 1. 2. Modelo de faturamento por Central de Serviços 3. 3 Configuração de informações para Faturamento de pedidos 4 CONFIGURAÇÃO PEDIDOS 1. Consulta de Certificado Digital 1 2. Modelo de faturamento por Central de Serviços 3 3 Configuração de informações para Faturamento de pedidos 4 4 Faturamento de NF-e pela SEFAZ

Leia mais

Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS

Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS Pesquisa realizada em 2006, por meio de parceria entre o MDS e o IBGE. Objeto da pesquisa: entidades que prestam serviços

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica Receita Federal do Brasil Ricardo Rezende Barbosa nfe@sefaz.pi.gov.br 06 de dezembro de 2007 Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica Luiz Antonio Baptista

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

Propostas do Governo para o ICMS

Propostas do Governo para o ICMS Propostas do Governo para o ICMS Audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2013 Avaliação geral Proposta do Governo vai na direção correta em termos

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Manual sobre uso de INCENTIVOS FISCAIS

Manual sobre uso de INCENTIVOS FISCAIS Manual sobre uso de INCENTIVOS FISCAIS 2 APRESENTAÇÃO Ciente de que os governos (seja o federal, estadual ou municipal) utilizam os incentivos fiscais como maneira de estimular as empresas ou pessoas físicas

Leia mais

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados.

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados. Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social

Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social Instituto CSHG Como destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social Você sabia que pode destinar parte do seu Imposto de Renda devido para investimento social? A legislação brasileira

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos

FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Seminário Internacional sobre Tributação Imobiliária FINANCIAMENTO DOS MUNICÍPIOS DO BRASIL Um balanço o entre aspectos sociais e econômicos Maria Cristina Mac Dowell maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015

Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social. Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Combate à Pobreza, Crescimento Inclusivo e Nova Agenda Social Centro de Políticas Sociais FGV Wanda Engel Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2015 Marcos da Política de Combate à Pobreza Antecedentes: Assistência

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA Que tal doar, em vez de pagar?

IMPOSTO DE RENDA Que tal doar, em vez de pagar? IMPOSTO DE RENDA Que tal doar, em vez de pagar? A ACIS-SL está incentivando as empresas, associadas ou não, a informar seu quadro funcional a destinar parte do seu Imposto de Renda para instituições beneficentes

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança Metodologia Seleção

Leia mais

O Instituto: excelência e credibilidade

O Instituto: excelência e credibilidade O Instituto: excelência e credibilidade O Instituto do Câncer do Ceará ICC, é uma entidade filantrópica de direito privado e referência no tratamento integral, no ensino e na pesquisa e em ações de responsabilidade

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO

INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO INCENTIVOS FISCAIS DO IR DEVIDO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA INTRODUÇÃO: Poderão utilizar os INCENTIVOS FISCAIS objetos desta apresentação: As pessoas físicas que entregarem

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4

Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 MANUAL DE BENEFÍCIOS FISCAIS DOAÇÕES EFETUADAS À FFM São Paulo SP 2014 Índice Introdução... 3 Certificações da FFM... 4 1. Doações a Entidades sem Fins Lucrativos... 5 1.1. Imposto de Renda e Contribuições

Leia mais

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Brasília DF Maio de 2014 3 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal

Os Recursos Financeiros Destinados à. Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Os Recursos Financeiros Destinados à Educação nos Anos de 2009 e 2010 Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal Agosto de 2011 Contas de Governo - Capítulo 4 (Análise Setorial) Execução

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Política Nacional de Educação Infantil Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Principais Marcos Normativos Constituição Federal - 1988 Lei de Diretrizes e Bases (LDB) - 1996 Estatuto da Criança

Leia mais

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS LEI ROUANET LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA LEI Nº 8131/91; LEI 9.874/99 E A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2228-1/2001 Soluções Culturais O que é? Neste

Leia mais