NORMA TÉCNICA CELG D

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA CELG D"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA CELG D Cruzetas Poliméricas Especificação e Padronização NTC-57 Revisão 1

2

3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS Condições de Operação Identificação Armazenamento Garantia Embalagem Durabilidade Aprovação de Protótipos 7 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS Acabamento, Dimensões e Tolerâncias Materiais Características Mecânicas 9 6. INSPEÇÃO E ENSAIOS Generalidades Classificação dos Ensaios Descrição dos Ensaios Relatórios de Ensaios Plano de Amostragem para Inspeção Geral Amostragem para o Ensaio de Resistência à Flexão Inspeção Visual Inspeção por Atributos 19 ANEXO A TABELAS 20 TABELA 1 RESISTÊNCIA À FLEXÃO 20 TABELA 2 RELAÇÃO DE ENSAIOS EXIGÍVEIS PARA CRUZETAS POLIMÉRICAS TABELA 3 PLANOS DE AMOSTRAGEM PARA OS ENSAIOS DE RECEBIMENTO ANEXO B DESENHOS 22 DESENHO 1 DESENHO 2 DESENHO 3 CRUZETA POLIMÉRICA COMPRIMENTO 2000 mm SEÇÃO QUADRADA CRUZETA POLIMÉRICA COMPRIMENTO 2000 mm SEÇÃO RETANGULAR CRUZETA POLIMÉRICA COMPRIMENTO 2400 mm SEÇÃO QUADRADA NTC-57 / DP - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA

4 SEÇÃO TÍTULO PÁGINA DESENHO 4 CRUZETA POLIMÉRICA COMPRIMENTO DE 2400 mm SEÇÃO RETANGULAR DESENHO 5 IDENTIFICAÇÃO 26 DESENHO 6 DESENHO 7 MONTAGENS PARA OS ENSAIOS DE RESISTÊNCIA A FLEXÃO E DE TORÇÃO MONTAGENS PARA OS ENSAIOS MECÂNICOS DE LONGA DURAÇÃO E DE FLAMABILIDADE DESENHO 8 MONTAGEM PARA OS ENSAIOS ELÉTRICOS 29 DESENHO 9 CRUZETAS POLIMÉRICAS PALLET PARA ARMAZENAMENTO 30 ANEXO C QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS ANEXO D COTAÇÃO DE ENSAIOS DE TIPO 33 ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES NTC-57 / DP - SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA

5 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo fixar as condições mínimas exigíveis para a fabricação, recebimento e padronização de cruzetas poliméricas destinadas às redes aéreas de distribuição de energia elétrica da CELG D. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 1

6 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES ABNT NBR 5310 ABNT NBR 5426 ABNT NBR 5427 ABNT NBR 5456 ABNT NBR 6936 ABNT NBR ABNT NBR ABNT NBR NM IEC IEC/TR ASTM D149 ASTM D2303 ASTM G155-05a Materiais plásticos para fins elétricos - Determinação da absorção de água. Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos - Procedimento. Guia para utilização da norma ABNT NBR Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos. Eletricidade geral - Terminologia. Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão - Procedimento. Material isolante elétrico - Avaliação de sua resistência ao trilhamento elétrico e erosão sob severas condições ambientais - Método de ensaio. Isolador-pilar de porcelana - Dimensões e características. Métodos de ensaios comuns para os materiais de isolação e de cobertura de cabos elétricos - Parte 1: métodos para aplicação geral - Capítulo1: Medição de espessuras e dimensões externas - Ensaios para a determinação das propriedades mecânicas. Guia para seleção de isoladores sob condições de poluição. Standard Test Method for Dielectric Breakdown Voltage and Dielectric Strength of Solid Electrical Materials at Commercial Power Frequencies. Standard Test Method for Liquid-Contaminant, Inclined-Plane Tracking and Erosion of Insulating Materials. Standard Practice for Operating Xenon Arc Light Apparatus for Exposure of Non Metallic Materials. UL 94 Test for Flammability of Plastics for Parts in Devices and Appliances. Notas: 1) Poderão ser aceitas propostas para cruzetas fabricadas através de normas diferentes das listadas, desde que assegurem qualidade igual ou superior às das mencionadas anteriormente. Neste caso, o proponente deverá citálas em sua proposta e submeter uma cópia de cada uma à CELG D, indicando claramente os pontos onde as mesmas divergem das correspondentes da ABNT. 2) Tendo em vista o item acima, deve ficar claro que, após apreciação por parte da CELG D, não havendo concordância em relação às normas divergentes apresentadas, o posicionamento final da concessionária será sempre pela prevalência das normas ABNT. 3) Todas as normas ABNT mencionadas acima devem estar à disposição do inspetor da CELG D no local da inspeção. 4) Deverá ser usado o Sistema Internacional de Unidades (Sistema Métrico) para todo e qualquer fornecimento a ser realizado. 5) Esta norma foi baseada no seguinte documento: ABNT NBR Cruzetas poliméricas - Especificação, métodos de ensaio, padronização e critérios de aceitação. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 2

7 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES Carga de Ruptura (Cr) Carga que provoca o rompimento ou a fluência da cruzeta em uma seção transversal. A ruptura é definida pela carga máxima indicada no aparelho de medida dos esforços, carregando-se a cruzeta de modo contínuo e crescente. A fluência pode ser caracterizada como o ponto onde o material não suporta mais a carga aplicada, mesmo sem apresentar ruptura, em função de propriedades elásticas do material. Chanfro ou Bisel Arredondamento das quatro arestas, no sentido longitudinal da cruzeta polimérica. Cruzeta Polimérica Peça constituída de composto polimérico, com eixo sensivelmente retilíneo, sem emendas, destinada a suportar condutores e/ou equipamentos de redes aéreas de distribuição de energia elétrica. Curvatura Desvio de direção da cruzeta polimérica. Durabilidade Propriedade da cruzeta polimérica que expressa o período desta em resistir ao intemperismo. Extrusão Processo de produção de onde a matéria-prima, plásticos e/ou fibra de vidro, é forçada através de uma matriz, adquirindo assim a forma pré-determinada pelo processo. Face (A) Face da cruzeta polimérica que apresenta a furação padrão para fixar a cruzeta ao poste. Face (B) Face da cruzeta polimérica que apresenta a furação padrão para fixar os isoladores de pino, disco e/ou isoladores bastão. Flecha Medida do deslocamento de um ponto em um determinado plano, provocado pela ação de uma carga. Flecha Residual Flecha que permanece após a remoção dos esforços, determinada pelas condições especificadas. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 3

8 Fissura ou Trinca Fratura superficial visível a olho nu. Limite de Carregamento Excepcional (1,4 x Rn) Corresponde a uma sobrecarga de 40% sobre o valor da carga nominal. Pultrusão Processo contínuo de fabricação de perfis plásticos com a utilização de resina termofixa reforçada com fibra de vidro. Após a impregnação do reforço com fibra de vidro, o material é puxado através de um molde de metal aquecido que polimeriza e dá a conformação final à seção transversal. Resistência Nominal (Rn) Carga nominal que a cruzeta polimérica deve suportar continuamente, na direção e sentido indicados no plano de aplicação e passando pelo eixo da cruzeta, de grandeza tal que não produza em nenhum plano transversal: momento fletor que prejudique a qualidade dos materiais, trincas e flechas superiores às especificadas. Suporte de Fixação Acessório confeccionado em resina termofixa reforçada com eixo retilíneo destinado a servir de apoio para a cruzeta polimérica Trilhamento Elétrico (Tracking) Fenômeno que se inicia na superfície do material, devido circulação de corrente de fuga, originada pelo surgimento de diferença de potencial entre dois pontos da superfície, resultando na degradação irreversível do material polimérico provocada pela formação de caminhos que se iniciam e se desenvolvem na superfície do material isolante, sendo condutivos mesmo quando secos. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 4

9 4. CONDIÇÕES GERAIS 4.1 Condições de Operação 4.2 Identificação As cruzetas devem ser adequadas para operação nas seguintes condições: a) altitude até 1000 m; b) temperatura ambiente variando de -10 a 45ºC, com média diária não superior a 35ºC; c) umidade relativa do ar de até 100%; d) precipitação pluviométrica média anual de 1500 a 3000 mm; e) nível de radiação solar de 1,1 kw/m 2, com alta incidência de raios ultravioleta; f) pressão do vento não superior a 1,03 kpa; g) exposição ao sol, chuva e à poluição, como emissões industriais, poeira, areia, etc. As cruzetas poliméricas devem apresentar, no mínimo, a seguinte identificação de forma legível e indelével, estampada na própria peça: a) nome ou marca comercial do fabricante; b) mês e ano de fabricação; c) resistência nominal (dan); d) código de rastreabilidade (número do lote); e) dimensões em milímetros (face A, face B e comprimento). Nota: O processo de estampagem deve ser feito de forma permanente em uma das extremidades da cruzeta, conforme indicado no Desenho Armazenamento 4.4 Garantia As cruzetas poliméricas devem ser empilhadas, conforme Desenho 9, a pelo menos 100 milímetros acima do solo, sobre apoios de metal, concreto ou madeira, de maneira que não apresentem flechas perceptíveis devido ao seu próprio peso. A estocagem deve ser feita de maneira que não ultrapasse 50 cruzetas empilhadas. O fornecedor deve garantir uma vida média de trinta e cinco anos, no mínimo, contados a partir da data de fabricação, contra qualquer falha das unidades do lote de cruzetas poliméricas fornecidas, baseada nos seguintes termos e condições: a) admite-se no decorrer dos primeiros dez anos da garantia falha de 1% do total do lote; b) a partir do 10º ano admite-se 1% de falhas para cada período de cinco anos, acumulando-se, no máximo, 6% de falhas no fim do período de garantia. Notas: 1) Considera-se falha, para efeito dessa garantia, o deterioramento da cruzeta polimérica, e a ocorrência de fendas, trincas, etc, que comprometam a estabilidade das peças, exigindo a sua troca. 2) Os fornecedores podem constatar o estado das peças substituídas durante as manutenções ou em época posterior. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 5

10 4.5 Embalagem O fornecedor deve se comprometer a indenizar a CELG D por toda substituição de cruzetas poliméricas que falharem além dos limites especificados, por material idêntico e novo. A indenização compreende a reposição da cruzeta com defeito e, também, os custos do transporte e da mão-de-obra de retirada e instalação de todos os materiais e equipamentos. Se o total de unidades falhas ultrapassar 20% do total do lote, dentro do período de garantia, a CELG D terá o direito de exigir a indenização de todo o lote fornecido. As cruzetas poliméricas devem ser embaladas conforme definido no Desenho 9, envolvidas por fitas de amarração ou embalagem plástica e apoiadas em tarugos de madeira para impedir o contato com o solo, em volumes identificados com, no mínimo, as seguintes informações: a) nome e/ou marca comercial do fabricante; b) a sigla CELG D; c) identificação completa do conteúdo (tipo e quantidade); d) número do Contrato de Fornecimento de Material (CFM); e) número da Nota Fiscal; f) massas bruta e líquida, em kg e dimensões do volume; g) outras informações exigidas no CFM. A embalagem deve ser confeccionada de forma a possibilitar o uso de empilhadeira, pontes rolantes ou guindastes. Os materiais de acondicionamento não deverão ser retornáveis. O fornecedor deve garantir que a embalagem do material preserve seu desempenho e suas funcionalidades durante o transporte, movimentação e armazenamento. 4.6 Durabilidade As cruzetas devem ser confeccionadas de maneira que seja assegurada uma vida útil média de 35 anos, quando instaladas segundo as condições descritas no item 4.1. Devem ser resistentes ao ataque de agentes naturais, tanto físicos quanto biológicos, durante o período de vida útil. Entende-se como ação biológica o ataque de fungos, insetos, pássaros, etc, e por agentes físicos, radiação ultravioleta, umidade e variações de temperatura. Ao longo da vida útil do material, devem atender às exigências de flechas máximas e de carga mínima de ruptura, previstas na Tabela 1. Devem manter as suas propriedades elétricas e mecânicas, mesmo quando sujeitas a descargas atmosféricas e arcos de potência. Devem suportar o ataque do fogo, a partir do solo, para tanto devem ser aditivadas com compostos antichama. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 6

11 4.7 Aprovação de Protótipos Os fabricantes devem submeter previamente à aprovação da CELG D, protótipos de cruzetas nos seguintes casos: a) aqueles que estejam se cadastrando ou recadastrando na CELG D; b) aqueles que já tenham protótipo aprovado pela CELG D e cujo projeto tenha sido alterado; c) quando solicitado pela CELG D. Nota: Para as alíneas "a" e "b", acima mencionadas, todos os custos decorrentes da aprovação dos protótipos correrão por conta do fabricante. Para a alínea c os custos dos ensaios incidirão para o fabricante em caso de reprovação. O prazo mínimo para apreciação dos protótipos será de 30 dias, a contar da data do seu recebimento pela CELG D. Para cada protótipo o fabricante deve apresentar: a) o Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas, clara e totalmente preenchido, acompanhado de seus documentos complementares; b) todos os relatórios de ensaios de tipo e recebimento que constam da Tabela 2, acompanhados dos desenhos de cada tipo de cruzeta. Toda e qualquer divergência entre o material especificado e o protótipo, bem como os motivos dessas divergências, devem ser claramente expostos no referido Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas e no Quadro de Desvios Técnicos e Exceções. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 7

12 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Acabamento, Dimensões e Tolerâncias 5.2 Materiais As cruzetas poliméricas devem possuir as características padronizadas pela CELG D, conforme Desenhos 1 a 4, apresentando uma tolerância de ± 1 mm para os diâmetros dos furos, enquanto que as demais tolerâncias estão indicadas nos desenhos mencionados. Os furos de passagem dos parafusos devem ser passantes e perpendiculares ao eixo da cruzeta. Na fabricação das cruzetas deverá ser empregado ferramental apropriado de modo a permitir perfeito acabamento. Devem ser observadas as dimensões, tolerâncias e detalhes construtivos constantes dos desenhos de cada tipo de cruzeta. As extremidades das cruzetas ocas devem ser fechadas e assim permanecer durante toda sua vida útil. Os furos das cruzetas ocas devem ter um sistema de proteção adequado de forma a impedir a entrada de água, insetos e corpos estranhos em seu interior. Devem ter acabamento liso, contínuo e uniforme, sem cantos vivos, reentrâncias, arestas cortantes ou rebarbas, principalmente nos pontos de injeção do material. Não são permitidas asperezas, rugosidades ou imperfeições que dificultem as condições de utilização ou que possam colocar em risco a integridade física do instalador. Os materiais empregados na fabricação devem ser de boa qualidade, não propagantes de chama, resistentes aos raios ultravioleta, umidade, variações de temperatura, impactos mecânicos, devendo conter agentes químicos antidegradantes de maneira a assegurar total resistência à ação de agentes corrosivos e biológicos tais como insetos, roedores, aves e fungos, radiação ultravioleta e propagação de chama. Devem estar isentas dos seguintes defeitos: - depressões; - trincas e fissuras; - quaisquer orifícios ou peças não especificamente autorizadas; - curvaturas; - sinuosidades em qualquer trecho; - falhas de extrusão ou pultrusão; - bolhas; - inclusões de fluxo; - avarias de transporte ou armazenagem. Na fabricação das cruzetas poderão ser empregados os seguintes materiais: NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 8

13 - material polimérico que atenda aos requisitos de desempenho especificados nesta norma; - plástico reciclado ou natural, misturado com fibras naturais na proporção de 1 a 70% da composição; - material compósito (polímero reforçada com fibra de vidro), PRFV. A seleção correta da fibra de vidro e da resina, favorece a otimização do elemento fabricado. A principal função das fibras é de resistir ao carregamento e favorecer a rigidez necessária ao produto. O material empregado deve ser aditivado com compostos que confiram resistência à ação dos raios ultravioleta de maneira que permaneça intacto durante o período de vida útil, conforme condições de serviço especificadas. Como reforço estrutural da cruzeta, poderão ser utilizados quatro vergalhões de aço no diâmetro de 6 a 12 mm, dependendo do diâmetro e da resistência estrutural exigida da cruzeta. O processo de fabricação poderá ser de origem extrusado, injetado ou termoformado. 5.3 Características Mecânicas Resistência Nominal Quando aplicada a carga nominal deverá ser atendido o contido na Tabela 1, em termos de flechas e resistência à flexão, sem apresentação de trincas, fissuras ou ruptura da peça Limite de Carregamento Excepcional Após a retirada desta carga deve-se verificar o fechamento das trincas. Nota: As cruzetas devem suportar, sem sofrer deformação ou trincas, a aplicação de um torque de 8 danxm, especificado para o parafuso de fixação das ferragens. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 9

14 6. INSPEÇÃO E ENSAIOS 6.1 Generalidades a) As cruzetas poliméricas devem ser divididas em lotes e submetidos a inspeção e ensaios na fábrica, de acordo com esta norma e com as normas da ABNT aplicáveis, na presença de inspetores credenciados pela CELG D, devendo a CELG D ser comunicada pelo fornecedor com pelo menos 15 (quinze) dias de antecedência se fornecedor nacional e 30 (trinta) dias se fornecedor estrangeiro, das datas em que os lotes estiverem prontos para inspeção final. b) Os ensaios de recebimento podem ser dispensados parcial ou totalmente, a critério da CELG D. Se os ensaios forem dispensados, o fabricante deve submeter um relatório completo de todos eles, com todas as informações necessárias, tais como métodos, instrumentos e constantes usadas. A eventual dispensa destes ensaios pela CELG D somente terá validade por escrito c) A CELG D reserva-se o direito de inspecionar e testar as cruzetas e o material utilizado durante o período de sua fabricação, antes do embarque ou a qualquer tempo em que julgar necessário. O fabricante deve proporcionar livre acesso do inspetor aos laboratórios e às instalações onde o material em questão estiver sendo fabricado, fornecendo-lhe as informações solicitadas e realizando os ensaios necessários. O inspetor poderá exigir certificados de procedências de matérias primas e componentes, além de fichas e relatórios internos de controle. d) O fornecedor deve apresentar, para aprovação da CELG D, o seu Plano de Inspeção e Testes, que deverá conter as datas de início da realização de todos os ensaios, os locais e a duração de cada um deles, sendo que o período para inspeção deve ser dimensionado pelo proponente de tal forma que esteja contido nos prazos de entrega estabelecidos na proposta de fornecimento. O plano de inspeção e testes deve indicar os requisitos de controle de qualidade para utilização de matérias primas, e materiais de fornecimento de terceiros, assim como as normas técnicas empregadas na fabricação e inspeção das cruzetas. e) Certificados de ensaio de tipo para cruzetas de características similares ao especificado, podem ser aceitos desde que a CELG D considere que tais dados comprovem que o material proposto atende ao especificado. Os dados de ensaios devem ser completos, com todas as informações necessárias, tais como métodos, instrumentos e constantes usadas e indicar claramente as datas nas quais os mesmos foram executados. A decisão final, quanto à aceitação dos dados de ensaios de tipo existentes, será tomada posteriormente pela CELG D, em função da análise dos respectivos relatórios. A eventual dispensa destes ensaios somente terá validade por escrito. f) O fabricante deve dispor de pessoal e de aparelhagem, próprios ou contratados, necessários à execução dos ensaios (em caso de contratação deve haver aprovação prévia por parte da CELG D). g) Todos os instrumentos e aparelhos de medição, máquinas de ensaios, etc., devem ter certificado de aferição emitido por instituições acreditadas pelo INMETRO, válidos NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 10

15 por um período máximo de um ano. Por ocasião da inspeção, devem estar ainda dentro deste período, podendo acarretar desqualificação do laboratório o não cumprimento dessa exigência. h ) O fabricante deve assegurar ao inspetor da CELG D o direito de familiarizar-se, em detalhes, com as instalações e os equipamentos a serem utilizados, estudar todas as instruções e desenhos, verificar calibrações, presenciar ensaios, conferir resultados e, em caso de dúvida, efetuar novas inspeções e exigir a repetição de qualquer ensaio. i) A aceitação dos materiais e/ou a dispensa de execução de qualquer ensaio: - não exime o fabricante da responsabilidade de fornecê-lo de acordo com os requisitos desta norma; - não invalida qualquer reclamação posterior da CELG D a respeito da qualidade do material e/ou da fabricação. Em tais casos, mesmo após haver saído da fábrica, as cruzetas podem ser inspecionados e submetidas a ensaios, com prévia notificação ao fabricante e, eventualmente, em sua presença. Em caso de qualquer discrepância em relação às exigências desta norma, elas podem ser rejeitadas e sua reposição será por conta do fabricante. j) Após a inspeção das cruzetas, o fabricante deve encaminhar à CELG D, por lote ensaiado, um relatório completo dos ensaios efetuados, em três vias, devidamente assinado por ele e pelo inspetor credenciado pela concessionária. Esse relatório deverá conter todas as informações necessárias para o seu completo entendimento, tais como: métodos, instrumentos, constantes e valores utilizados nos ensaios e os resultados obtidos. k ) Todas as unidades de produto rejeitadas, pertencentes a um lote aceito, devem ser substituídas por unidades novas e perfeitas, por conta do fabricante, sem ônus para a CELG D, sendo o fabricante responsável pela recomposição de unidades ensaiadas, quando isto for necessário, antes da entrega à CELG D. l) O custo dos ensaios deve ser por conta do fabricante. m) A CELG D reserva-se o direito de exigir a repetição de ensaios em materiais já aprovados. Neste caso, as despesas serão de sua responsabilidade se as unidades ensaiadas forem aprovadas na segunda inspeção, caso contrário correrão por conta do fabricante. n) Os custos da visita do inspetor da CELG D (locomoção, hospedagem, alimentação, homem-hora e administrativos) correrão por conta do fabricante se: - na data indicada na solicitação de inspeção o equipamento não estiver pronto; - o laboratório de ensaio não atender às exigências para realização dos ensaios. - o material fornecido necessitar de acompanhamento de fabricação ou inspeção final em sub-fornecedor, contratado pelo fornecedor, em localidade diferente da sua sede; - o material necessitar de reinspeção por motivo de recusa; - os ensaios de recebimento e/ou tipo forem efetuados fora do território brasileiro. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 11

16 o) A rejeição do lote não exime fabricante de cumprir o cronograma de entrega, constante do CFM. Caso a rejeição torne impraticável a entrega do material nas datas previstas ou se tornar evidente que o fabricante não será capaz de satisfazer as exigências estabelecidas nesta norma, a CELG D reserva-se o direito de rescindir o contrato, estando o fornecedor sujeito às penalidades aplicáveis. 6.2 Classificação dos Ensaios Ensaios de Recebimento São os ensaios destinados a verificar as características das cruzetas poliméricas bem como a qualidade do processo de fabricação e dos materiais empregados. Os ensaios de recebimento são os relacionados a seguir: a) inspeção geral; b) resistência à propagação de chama; c) resistência à flexão; d) resistência à torção; e) tensão suportável à frequência industrial, a seco Nota: O ensaio de tensão suportável à frequência industrial, a seco é aplicável às cruzetas construídas com reforço de tirantes de aço Ensaios de Tipo São os ensaios destinados a verificar as principais características de projeto das cruzetas poliméricas e a sua conformidade com os requisitos desta norma. Os ensaios de tipo são constituídos dos ensaios de recebimento e dos ensaios relacionados abaixo: a) todos os ensaios relacionados no item 6.2.1; b) ensaios mecânicos do composto antes e após envelhecimento em câmara de UV; c) resistência ao trilhamento elétrico e erosão; d) flamabilidade; e) absorção de água; f) mecânico de longa duração; g) rigidez dielétrica; h) tensão suportável à frequência industrial sob chuva. 6.3 Descrição dos Ensaios Inspeção Geral Antes de serem efetuados os ensaios deve-se fazer uma inspeção geral, de modo a comprovar a conformidade das cruzetas poliméricas com o estabelecido nesta norma, verificando: - dimensões, conforme Desenhos 1 a 4; - acabamento, conforme item 5.1; NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 12

17 - identificação, conforme item 4.2; - embalagem, conforme item 4.5. Constitui falha o não atendimento aos requisitos constantes dos itens acima Absorção de Água A quantidade de amostras e os ensaios deverão seguir o prescrito na ABNT NBR O método de ensaio deve ser o gravimétrico e atender as características mínimas de absorção de água em plásticos para fins elétricos Flamabilidade O teor de absorção de água do composto polimérico não deve ultrapassar 3%. Este ensaio é destinado à verificação do material quanto às propriedades de ignição e autoextinção de chamas. As cruzetas poliméricas deverão ser ensaiadas conforme a norma UL 94 e atender as características mínimas de flamabilidade, para avaliação da resistência à chama de compostos poliméricos. Devem ser confeccionadas cinco amostras conforme UL 94, retiradas de diferentes partes da cruzeta, de forma a verificar a homogeneidade do produto. Para serem aprovados os corpos de prova devem apresentar classificação mínima V Resistência à Flexão Resistência Nominal (Rn) Os procedimentos para execução dos ensaios devem seguir o descrito a seguir: Após montagem conforme indicado no Desenho 6 aplicar gradativamente o carregamento "F" de modo que o conjunto seja distendido pela máquina de tração de forma constante até que a carga nominal da cruzeta seja atingida, permanecer com esta carga aplicada durante, no mínimo, 1 min para permitir a acomodação da instalação. Retirar a carga e fazer os ajustes da montagem. Realizado os ajustes, reaplicar gradativamente a carga nominal e permanecer com ela aplicada durante 5 min, no mínimo. Ao final dos 5 min, com a carga nominal ainda aplicada: a) a cruzeta não pode apresentar trincas; b) a flecha medida em cada extremidade, no plano de aplicação das cargas, não pode ser superior aos valores estabelecidos na Tabela 1. As cruzetas poliméricas deverão satisfazer as exigências de carga de ruptura previstas na Tabela Limite de Carregamento Excepcional Aplicar gradativamente à cruzeta uma carga correspondente a 1,4 x Rn, a qual deve ser mantida por um período mínimo de 5 e máximo de 10 min. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 13

18 Dentro deste intervalo e com a carga ainda aplicada, a cruzeta não pode apresentar trincas. Retirar o esforço e realizar, num intervalo entre 5 e 10 min, a leitura do valor da flecha. A cruzeta será considerada aprovada se: a) não apresentar trincas; b) a flecha residual máxima, medida no plano de aplicação das cargas, não for superior aos valores estabelecidos na Tabela Carga de Ruptura Aplicar de forma gradativa uma carga correspondente a duas vezes o valor da resistência nominal da cruzeta, conforme consta da Tabela 1. A cruzeta será considerada aprovada se não ocorrer ruptura Resistência à Torção Procedimento de ensaio: a) montar a cruzeta conforme indicado no Desenho 6; b) instalar a 100 mm de cada extremidade o isolador PL8CA170L padronizado na ABNT NBR ou peça equivalente; c) fixar o sistema de tracionamento no pescoço dos isoladores; d) tracionar o conjunto gradativamente até que seja atingido o valor de 100 dan; e) aguardar pelo menos 5 min após aplicação da carga. A cruzeta não pode apresentar trincas de qualquer espécie. Nota: Na realização deste ensaio empregar cruzetas novas que não foram submetidas a outros ensaios Ensaio Mecânico de Longa Duração Deve ser ensaiada uma amostra. Com a cruzeta instalada conforme Desenho 7 deve ser aplicada a carga nominal correspondente ao tipo de cruzeta, nos pontos de fixação dos isoladores laterais (100 mm das extremidades da cruzeta) devendo esta carga ser mantida durante 216 h. Em um intervalo entre 5 e 10 min após a retirada do esforço fazer a leitura do valor da flecha. A cruzeta será considerada aprovada se: a) não apresentar trincas; b) a flecha residual máxima medida em cada extremidade, no plano de aplicação das cargas, não for superior a 20 mm Rigidez Dielétrica (cruzeta com reforço metálico) Este ensaio deve ser realizado em cruzetas que tenham reforços metálicos em seu interior. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 14

19 A amostragem e o ensaio devem ser conforme o prescrito na ASTM D149. As amostras serão consideradas aprovadas se apresentarem valor de rigidez dielétrica superior a 10 kv/mm Ensaios Elétricos Tensão Suportável Nominal à Frequência Industrial, a Seco (cruzeta com reforço) Deverá ser verificada a suportabilidade da cruzeta polimérica à aplicação de uma tensão de 60 kv, durante um minuto, utilizando-se a mesma metodologia do ensaio previsto em , sem a chuva artificial, não podendo ocorrer perfuração do dielétrico, descargas disruptivas ou quaisquer outras anormalidades Tensão Suportável Nominal à Frequência Industrial Sob Chuva O objetivo deste ensaio é verificar a suportabilidade à aplicação de uma tensão de ensaio em frequência industrial, estando a estrutura submetida a uma chuva artificial de parâmetros normalizados, conforme estabelecido na ABNT NBR Montar a cruzeta no poste preferencialmente com mão-francesa polimérica, quando utilizar mão-francesa metálica, esta deve ser montada em apenas um dos lados da cruzeta e a tensão aplicada no lado oposto, entre os pontos de fixação do isolador e da cruzeta ao poste (terra), conforme Desenho 8. Aplicar a tensão diretamente na cruzeta, no ponto de fixação da fase central. Aplicar, durante 60 s, uma tensão de ensaio de valor igual a 1,05 vezes a maior tensão fase terra do sistema para o qual a cruzeta será utilizada, sob chuva, devidamente corrigido para as condições atmosféricas no momento da execução do ensaio, conforme a ABNT NBR A estrutura deve suportar a aplicação da tensão de ensaio, durante o tempo especificado sem que haja a ocorrência de perfuração do dielétrico, qualquer dano ao material, descargas disruptivas ou quaisquer outras anormalidades. Nota: Medir a corrente de fuga na cruzeta durante a realização do ensaio e anotar o seu valor máximo no relatório de ensaio. O valor medido serve apenas como referência, não sendo motivo para reprovação Resistência à Tensão de Trilhamento Elétrico e Erosão O ensaio deve ser realizado conforme ABNT NBR 10296, método 2, critério A. Como ensaio de tipo devem ser ensaiados cinco corpos-de-prova no estado de novo e outros cinco após submetidos a 2000 horas de envelhecimento em câmara de intemperismo artificial. Preparação dos Corpos-de-Prova: NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 15

20 a) os corpos-de-prova devem ser preparados a partir de ferramenta apropriada para moldagem do material utilizado na confecção das cruzetas, com as dimensões padronizadas na ABNT NBR ou ASTM D2303, a partir do mesmo equipamento empregado na injeção do produto final; b) caso os corpos-de-prova sejam produzidos a partir do produto acabado o processo de obtenção das amostras deverá ser objeto de acordo entre fabricante e CELG D; c) deve-se proceder ao lixamento de cada corpo-de-prova novo, observando-se as seguintes condições: c.1) selecionar o lado sem gravação, se esta existir no corpo-de-prova; c.2) utilizando um borrifador com água destilada ou deionizada, borrifá-la sobre a superfície e iniciar o lixamento com lixa de carbeto de silício ou de óxido de alumínio, granulação 400, para retirar a oleosidade, brilho e repelência à água; solventes e detergentes químicos devem ser evitados, pois podem modificar a condição superficial do dielétrico que constitui os corpos-de-prova; c.3) lixar levemente apenas no sentido longitudinal do corpo-de-prova, para que seja removido todo o brilho da sua superfície, bem como eventuais resíduos metálicos; uma mesma lixa não deve ser utilizada em mais do que três corposde-prova; c.4) secar com papel toalha ou lenço de papel após o lixamento; c.5) limpar com gaze (ou outro material que não deixe resíduos) umedecida em álcool isopropílico, para retirada da gordura após o lixamento. Execução do Ensaio O ensaio deve ser realizado conforme a ABNT NBR 10296, método 2, critério A, complementado pelas seguintes instruções: a) após a preparação da solução contaminante e após ser alcançado o equilíbrio térmico em ambiente a C, deve-se medir a sua resistividade. Para os fins deste método o equilíbrio térmico consiste em no mínimo 2 horas na temperatura especificada; havendo necessidade de ajuste no valor encontrado para atender a ABNT NBR 10296, deve-se fazê-lo e em seguida, realizar nova medição da resistividade, sempre respeitando a temperatura especificada; b) os eletrodos devem atender os desenhos da ABNT NBR 10296, bem como a preparação e montagem do circuito de ensaio; c) a(s) fonte(s) de alimentação do(s) circuito(s) de ensaio deve(m) ter potência suficiente, ou regulagem de resposta rápida, para manter constante a tensão aplicada quando ocorrerem cintilações ou centelhamentos nos corpos-de-prova; d) o fluxo do líquido contaminante deve estar de acordo com a ABNT NBR 10296; e) a calibração do fluxo deve ser feita antes de cada ensaio e para cada um dos cinco corpos-de-prova, conforme os passos abaixo: e.1) dispor de 5 "beckers" pequenos com tara conhecida e bem identificada; e.2) ajustar a bomba peristáltica e coletar solução por um tempo mínimo de 10 minutos em todos os cinco canais simultaneamente; e.3) pesar cada um dos "beckers" com solução; e.4) calcular o fluxo, para cada canal, a partir da fórmula abaixo: ( m m ) 2 F = t. d sendo: F = fluxo (ml/minuto); m 1 = massa do "becker" com solução coletada (g); 1 NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 16

21 m 2 = tara do "becker" (g); t = tempo de coleta da solução (minuto); d = densidade da solução (g/cm 3 ); no caso, pressupõe-se densidade da solução igual a 1 g/cm 3. e.5) reajustar, repetindo os passos de "c" até "e", até que todos os canais apresentem uma diferença menor que 5% em relação ao valor prescrito para o fluxo; e.6) o umedecimento das folhas de papel do filtro (usar 8 folhas), antes do início do ensaio, deve ser realizado usando-se a própria solução contaminante e não água; e.7) as trocas de resistências nos degraus especificados devem ser feitas em no máximo 5 minutos após o término do degrau anterior. Avaliação dos Resultados O material será considerado aprovado se atender à classe 2 A, tensão 1,5 kv, da ABNT NBR Nota: Tensões superiores a 1,5 kv também constituem aprovação, desde que o ensaio seja realizado conforme método 2, critério A, da ABNT NBR Constitui falha a ocorrência de qualquer das seguintes situações: a) interrupção do circuito de teste de algum dos corpos-de-prova, por atuação automática de seu dispositivo de proteção (disjuntor); b) erosão do material de algum dos corpos-de-prova que descaracterize o circuito de teste; c) acendimento de chama no material de algum dos corpos-de-prova Ensaios Mecânicos do Composto - Antes e Após Envelhecimento em Câmara de UV As cruzetas devem ser submetidas ao ensaio de envelhecimento acelerado, por 2000 horas, conforme as prescrições da norma ASTM G155-05, ciclo 1. O ensaio de tração, antes e após o envelhecimento, deve ser realizado conforme ABNT NBR NM IEC Para a realização do ensaio devem ser preparados dez corpos-de-prova uniformes, destes, cinco serão utilizados nos ensaios de envelhecimento e os restantes nos ensaios mecânicos iniciais, para comparação destas características antes e após o envelhecimento em câmara de intemperismo artificial. A variação média na tensão e alongamento a ruptura, dos corpos-de-prova, antes e após envelhecimento, não pode ser superior a 25%. O material não pode apresentar sinais de erosão superiores a 0,1 mm, fissuras, fraturas ou bolhas na superfície e a identificação deve permanecer legível Resistência à Propagação de Chama Procedimento de ensaio NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 17

22 a) montar a cruzeta conforme Desenho 7; b) escolher três pontos para aplicação da chama; c) ligar o dispositivo para ensaio a uma fonte de calor e regular a altura da chama até o ponto indicado no Desenho 7; d) com a chama na altura indicada, posicionar sob esta o primeiro ponto da cruzeta a ser ensaiado, deixando a chama aplicada durante 1 minuto; e) repetir o procedimento anterior nos outros dois pontos que serão ensaiados, tomando o cuidado de distanciá-los pelo menos 400 mm. A cruzeta será considerada aprovada se, após a retirada da fonte de calor, a chama não se propagar pela amostra, devendo extinguir-se em, no máximo, 30 s. 6.4 Relatórios de Ensaios O fabricante deve enviar para a CELG D os laudos dos ensaios logo após a inspeção do lote. Devem constar dos relatórios, no mínimo, as seguintes informações: a) nome e/ou marca comercial do fabricante; b) identificação do laboratório de ensaio; c) tipo e quantidade do material do lote ensaiado; d) identificação completa do material ensaiado; e) relação, descrição e resultado dos ensaios executados e respectivas normas utilizadas; f) referência a esta norma; g) número do Contrato de Fornecimento de Material (CFM); h) data de início e término de cada ensaio; i) nomes legíveis, assinaturas dos respectivos representantes do fabricante e inspetor da CELG D; j) data de emissão. 6.5 Plano de Amostragem para Inspeção Geral Tamanho da Amostra e Critérios de Aceitação e Rejeição do Lote O tamanho da amostra ou séries de tamanho de amostras e os critérios de aceitação do lote para os ensaios de recebimento são os definidos na Tabela Amostragem Para o Ensaio de Resistência à Flexão O tamanho da amostra para efetuar o ensaio de resistência à flexão (elasticidade e carga de ruptura) deve ser de uma unidade, para cada sub-lote até 200 unidades, convenientemente agrupados. Caso o ensaio realizado não seja satisfatório, o fornecedor deve repeti-lo em uma amostra equivalente ao dobro da primeira, sem qualquer ônus para a CELG D, e no caso de ocorrência de qualquer falha, todo o lote sob inspeção será rejeitado. 6.7 Inspeção Visual A critério da CELG D, a inspeção visual poderá ser processada em todas as cruzetas poliméricas, ou seja, inspeção em até 100% do lote. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 18

23 6.8 Inspeção por Atributos Para qualquer consideração adicional sobre determinação de planos de amostragem devem ser consultadas as normas ABNT NBR 5426 e ABNT NBR NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 19

24 ANEXO A - TABELAS TABELA 1 RESISTÊNCIA À FLEXÃO Comprimento L (mm) Resistência Flecha (mm) Descrição "F" do Carregamento Residual (dan) Máxima Máxima Nominal Máximo Excepcional (1,4 X C N ) Mínimo de Ruptura (2 x C N ) Nominal Máximo Excepcional (1,4 X C N ) Mínimo de Ruptura (2 x C N ) TABELA 2 RELAÇÃO DE ENSAIOS EXIGÍVEIS PARA CRUZETAS POLIMÉRICAS Item Descrição do Ensaio Tipo Recebimento 1 Inspeção geral - X 2 Absorção de água X - 3 Flamabilidade X - 4 Resistência à flexão - X 5 Resistência à torção - X Ensaios mecânicos do composto - 6 antes e após envelhecimento X - acelerado 7 Ensaio mecânico de longa duração X - 8 Tensão suportável à frequência industrial, sob chuva X - 9 Tensão suportável a tensão industrial a seco X 10 Rigidez dielétrica X - 11 Resistência à propagação de chama - X 12 Resistência à tensão de trilhamento elétrico e erosão X - Nota: O ensaio de tensão aplicável à frequência industrial a seco é aplicável somente as cruzetas construídas com reforço de tirantes de aço. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 20

25 TABELA 3 PLANOS DE AMOSTRAGEM PARA OS ENSAIOS DE RECEBIMENTO Tamanho do lote Inspeção geral Amostragem dupla Nível de inspeção II NQA 4% Amostra Seq. Tam. Até a 90 1ª ª a 150 1ª ª a 280 1ª ª a 500 1ª ª a ª ª a a ª ª ª ª Ensaio Torção Amostragem simples Nível especial de inspeção Flexão Resistência à propagação de chama Flamabilidade Tensão sup. à freq. Industrial Amostragem simples Nível de inspeção S3 NQA 4% Ac Re Amostra Ac Re Amostra Ac Re Notas: 1) O tamanho da amostra para efetuar o ensaio de carga de ruptura da cruzeta deve ser de uma unidade em cada sublote de até 150 unidades, convenientemente agrupadas. Os ensaios são considerados satisfatórios se não houver falha. 2) Ac: numero de peças defeituosas que ainda permite aceitar o lote. Re: numero de peças defeituosas que implicam na rejeição do lote. 3) Para a amostragem dupla o procedimento deve ser o seguinte: - ensaiar um número inicial de unidades igual ao da primeira amostra obtida da tabela; se o número de unidades defeituosas estiver compreendido entre Ac e Re (excluindo estes valores) deve ser ensaiada a segunda amostra; - o total de unidades defeituosas encontradas depois de ensaiadas as duas amostras, deve ser igual ou inferior ao maior Ac especificado. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 21

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35 ANEXO C QUADRO DE DADOS TÉCNICOS E CARACTERÍSTICAS GARANTIDAS CRUZETA POLIMÉRICA Nome do fornecedor: Nº da licitação: Nº da proposta: DESCRIÇÃO UNIDADE CARACTERÍSTICA 1. Material tipo de material utilizado tipo de resina cor processo de fabricação 2. Dimensional comprimento face A face B diâmetro dos furos 3. Tensão suportável nominal à frequência industrial, a mm mm mm mm kv seco 4. Tensão suportável à frequência industrial, sob chuva kv 5. Tensão de trilhamento elétrico (valor mínimo) kv 6. Rigidez dielétrica do polímero kv/mm 7. Flamabilidade - classificação conforme UL Trilhamento elétrico e erosão - classe conforme NBR Resistência à flexão (carga de ruptura) dan 10. Resistência à torção danxm 11. Máxima absorção de água % 12. Expectativa de vida útil anos 13. Anexar à proposta cópias dos certificados dos ensaios, de recebimento e tipo constantes da Tabela 2, realizados em cruzetas idênticas às ofertadas e em laboratório de entidades, conforme Nota 8 (1). (1) Se o fabricante tiver protótipo aprovado pela CELG D, não será necessário anexar os relatórios constantes do item 13, caso contrário, é obrigatório a apresentação de relatórios de ensaios efetuados em laboratório conforme Nota 8, em cruzetas idênticas às ofertadas, sob pena de desclassificação. Notas: 1) O fabricante deve fornecer em sua proposta todas as informações requeridas no Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 31

36 2) Se o fabricante apresentar propostas alternativas, cada uma delas deve ser submetida com o Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas, específico, claramente preenchido, sendo que cada quadro deve ser devidamente marcado para indicar a qual proposta pertence. Deverá ser feita também uma descrição sucinta dos desvios principais com relação à proposta básica. 3) Erro de preenchimento do quadro poderá ser motivo para desclassificação. 4) Todas as informações requeridas no quadro devem ser compatíveis com as descritas em outras partes da proposta de fornecimento. Em caso de dúvidas, as informações prestadas no referido quadro prevalecerão sobre as descritas em outras partes da proposta. 5) O fabricante deve garantir que a performance e as características dos materiais a serem fornecidos estarão em conformidade com as informações aqui prestadas. 6) Deverão ser enviados, juntamente com a proposta, todos os certificados dos ensaios de recebimento e tipo relacionados na Tabela 2, desde que realizados em cruzetas idênticas, dentro dos últimos cinco anos. Caso não sejam apresentados, os ensaios de tipo deverão ser realizados em cruzetas de cada tipo a ser fornecido de acordo com o contrato ou em protótipos, sem ônus para a CELG D. 7) Entretanto, reserva-se a CELG D o direito de rejeitar esses certificados, parcial ou totalmente, se os mesmos não estiverem conforme prescrito nas normas, ou não corresponderem às cruzetas especificadas. 8) Todos os ensaios referidos no item 13 devem ser realizados por um dos seguintes órgãos: - laboratórios governamentais; - laboratórios credenciados pelo governo do país de origem; - laboratórios de entidades reconhecidas internacionalmente; - laboratório do fornecedor, na presença do inspetor da CELG D. NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 32

37 ANEXO D COTAÇÃO DE ENSAIOS DE TIPO Nome do Fabricante: N da Licitação: N da Proposta: ITEM ENSAIO PREÇO (R$) 1 Ensaios mecânicos do composto antes e após envelhecimento em câmara de UV 2 Tensão suportável à frequência industrial sob chuva 3 Flamabilidade 4 Absorção de água 5 Resistência à tensão de trilhamento elétrico e erosão 6 Rigidez dielétrica 7 Mecânico de longa duração TOTAL NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 33

38 ANEXO E QUADRO DE DESVIOS TÉCNICOS E EXCEÇÕES Nome do Fabricante: N da Licitação: N da Proposta: REFERÊNCIA DESCRIÇÃO SUCINTA DOS DESVIOS E EXCEÇÕES NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 34

39 ALTERAÇÕES NA NTC-57 Item Data Item da norma Revisão Título Objetivo Normas e Documentos Complementares Terminologia e Definições 04 4 Condições Gerais Condições de Operação Identificação Armazenamento Embalagem 09 5 Condições Especificas Acabamento, Dimensões e Tolerâncias Material Nova redação com o título: Características Mecânicas 13 6 Inspeções e Ensaios Generalidades Ensaios de Recebimento Ensaios de Tipo Resistência a Flexão (Modificado) Resistência Nominal (Incluído) Limite de Carregamento Excepcional (Incluído) Carga de Ruptura (Incluído) Ensaios Elétricos (Excluído) Resistência a Torção (Incluído na revisão 1) Ensaio Mecânico de Longa Duração (Incluído) 24 AGO/ Tensão Disruptiva Sob Impulso Atmosférico (Excluído) Tensão Suportável a Impulso Atmosférico (Excluído) Envelhecimento Acelerado (Excluído) Rigidez Dielétrica (Incluído) Ensaios Elétricos (Incluído) Ensaios Mecânicos do Composto - Antes e Após o Envelhecimento em Câmara de UV (Incluído) Resistência a Propagação da Chama (Incluído) 31 TABELA 1 Resistência a Flexão (Modificado) 32 TABELA 2 Relação de Ensaios para Cruzetas Poliméricas (Modificado) 33 TABELA 3 Plano de Amostragem (Modificado) 34 DESENHO 1 Cruzeta Polimérica Quadrada de 1500 mm (Modificado para 2000 mm) 35 DESENHO 2 Cruzeta Polimérica Retangular de 1500 mm (Modificado para 2000 mm) 36 DESENHO 6 Montagens para os Ensaios de Resistência a Flexão e de Torção (Incluído) 37 DESENHO 7 Montagens para os Ensaios de Longa Duração e de Flamabilidade (Incluido) 38 DESENHO 8 Montagem para Ensaios Elétricos (Incluído) 39 DESENHO 9 Cruzetas Poliméricas - Pallet para Armazenamento (Modificado) 40 ANEXO C Quadro de Dados Técnicos e Características Garantidas (Modificado) 41 ANEXO D Cotação de Ensaios de Tipo (Modificado) NTC-57 / DP SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA 35

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 044 CRUZETAS POLIMÉRICAS - ESPECIFICAÇÃO/PADRONIZAÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE 044 CRUZETAS POLIMÉRICAS - ESPECIFICAÇÃO/PADRONIZAÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - CRUZETAS POLIMÉRICAS - ESPECIFICAÇÃO/PADRONIZAÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 3 2. AMPLITUDE... 3 3. RESPONSABILIDADES QUANTO AO CUMPRIMENTO...

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: CRUZETAS POLIMÉRICAS PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Código ETD-00.059 Data da emissão 04.07.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CONDUTOR DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADO Código ETD-00.023 Data da emissão 28.12.1993 Data da última revisão 09.09.2009 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

Comprimento nominal (L) menos o comprimento de engastamento (e).

Comprimento nominal (L) menos o comprimento de engastamento (e). MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0066 POSTES POLIMÉRICOS DE POLIÉSTER

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-301/2010 R-00

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-301/2010 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos gerais aplicados ao projeto,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos

NBR 7483/2005. Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos NBR 7483/2005 Cordoalhas de aço para concreto protendido Requisitos OBJETIVO Fixar os requisitos para fabricação, encomenda, fornecimento e recebimento de cordoalhas de aço de alta resistência de três

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ELO FUSÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO Código ETD-00.016 Data da emissão 30.04.1987 Data da última revisão 29.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

CEEE-D ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO POSTES POLIMÉRICOS. Código ETD-00.056 Data da emissão 05.10.2012 Data da última revisão 10.06.2013.

CEEE-D ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO POSTES POLIMÉRICOS. Código ETD-00.056 Data da emissão 05.10.2012 Data da última revisão 10.06.2013. ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: POSTES POLIMÉRICOS Código ETD-00.056 Data da emissão 05.10.2012 Data da última revisão 10.06.2013 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições 4

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.01.025 POSTE DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.01.025 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO - ES

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Ferramentas Manuais Especificação NTS-07 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Luvas Isolantes de Borracha Especificação NTS-04 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização. NTC-01 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG. Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização. NTC-01 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG Postes de Concreto Armado para Redes de Distribuição Especificação e Padronização NTC-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação.

Suporte situado na edificação do consumidor, com a finalidade de fixar e elevar o ramal de ligação. 25 / 10 / 2011 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pontalete de aço para utilização em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição ESP ESPECIFICAÇÃO ESP - 205 POSTES DE CONCRETO PARA REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO ESP - 205 edição vigência aprovação Revisão 02 Agosto/98 DDPP Página 1 1. FINALIDADE Esta Especificação tem por finalidade

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA LÂMPADAS A VAPOR DE METÁLICO DME SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Operação 03 5.2. Materiais e Construção 04 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação NTC-03 Revisão 3 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D

NORMA TÉCNICA CELG D NORMA TÉCNICA CELG D Capacete de Segurança Especificação NTS-01 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA.

NT MATERIAIS PARA REDES E LINHAS AEREAS URBANAS E RURAIS DE DISTRIBUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. REV. Página 1 de 1. OBJETIVO 2. ÂMBO DE APLICAÇÃO 3. REQUISOS GERAIS 3.1. Projeto Geral 3.2. Normas Recomendadas 3.3. Unidade de Medida e Idiomas 3.4. Desenhos 3.5. Garantia 4. DEFINIÇÕES 3.6. Valor Nominal

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO CIRCULAR E DUPLO T E SUMÁRIO CONTEÚDO 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2.

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIV ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ELOS FUSÍVEIS TIPO EXPULSÃO PARA CIRCUITO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA COM EXTINÇÃO DE ARCO E ELOS FUSIVEIS

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa e visor FIRUGA 1: CAIXA COM TAMPA 227 VISTA SUPERIOR 114 57 A 14 209 345 45 LENTE 46 171 PRÉ-FURO Ø5 53 VISTA LATERAL ESQUERDA Ø2 FURO PARA LACRE A VISTA FRONTAL MÍN. 10,5 15 LUVA W1/4 VISTA LATERAL DIREITA 48

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL ARRUELA DE PRESSÃO DUPLA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÕES TOLERÂNCIAS 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. INSPEÇÃO

Leia mais

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rev.03-06/23 M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rua Major Carlos Del Prete, 19 - Bairro Cerâmica CEP 09530-0 - São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone/Fax: (11) 4224-3080

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Cabos de Alumínio Multiplexados Auto-Sustentados 0,6/1 kv. Especificação. NTC-27 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG. Cabos de Alumínio Multiplexados Auto-Sustentados 0,6/1 kv. Especificação. NTC-27 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG Cabos de Alumínio Multiplexados Auto-Sustentados 0,6/1 kv Especificação NTC-27 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. DEFINIÇÕES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO Conteúdo PG 1. OBJIVO 02 2. AMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Condições de Serviço 02 5.2. Acabamento 03 5.3. Identificação

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA TELHAS CERÃMICAS E TELHAS DE CONCRETO Portaria Inmetro nº 005/2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade- Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Cabos de Potência com Isolação Sólida de PVC e PVC/A Tensões de 0,6/1 kv Especificação NTC-69

NORMA TÉCNICA CELG D. Cabos de Potência com Isolação Sólida de PVC e PVC/A Tensões de 0,6/1 kv Especificação NTC-69 NORMA TÉCNICA CELG D Cabos de Potência com Isolação Sólida de PVC e PVC/A Tensões de 0,6/1 kv Especificação NTC-69 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-210/2015 R-00 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /2015 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Especificação Técnica define os requisitos

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. Apresentação INSPEÇÃO SUBMARINA - MEDIÇÃO DE ESPESSURA DE PAREDE Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Esta Norma é a Revalidação da revisão anterior. CONTEC Comissão de Normas Técnicas

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO CINTAS QUALITY FIX Condições gerais de segurança... 4 As cores na movimentação... 5 Fator de Segurança... 5 A etiqueta azul de rastreabilidade... 6 Dicas de movimentação... 6 Certificado

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º, de 0 de setembro de 00. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D Chaves Fusíveis de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv Padronização e Especificação NTC-12 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D Chaves Fusíveis de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv Padronização e Especificação NTC-12 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Chaves Fusíveis de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv Padronização e Especificação NTC-12 Revisão 3 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2

Leia mais

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural

Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural Procedimento de obra para recebimento de bloco cerâmico Estrutural 1 OBJETIVO Procedimento padrão para recebimento blocos estruturais cerâmicos; 2 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA NBR 15270-2:2005 Componentes

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-300/2009 R-04 POSTES DE CONCRETO ARMADO FOLHA DE CONTROLE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO Código

Leia mais

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno A Saturno é uma empresa com mais de 60 anos de experiência na fabricação de tintas e vernizes para diversos segmentos da comunicação visual e decoração

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Elos Fusíveis de Distribuição Especificação. NTC-66 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Elos Fusíveis de Distribuição Especificação. NTC-66 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Elos Fusíveis de Distribuição Especificação NTC-66 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 4. CONDIÇÕES

Leia mais

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014.

Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 346, de 24 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA

PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA PIM - PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MATERIAL RETENSOR PARA VIA FÉRREA SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA DIMENSÃO 4. CALIBRES PARA INSPEÇÃO 5. TOLERÂNCIAS 6. INSPEÇÃO

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte.

Instalação Concluida. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja. perfeitamente fixado ao suporte. IMPORTANTE: Não solte o conjunto Base-Projetor até que ele esteja perfeitamente fixado ao suporte. Após ter girado o conjunto inferior alinhando os furos como indicado abaixo, insira o parafuso allen no

Leia mais

ANEXO 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ARMÁRIOS PARA CRMS

ANEXO 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ARMÁRIOS PARA CRMS Página 1 de 5 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 PARA LICITAÇÃO ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F DATA 01.08.11 25.04.14 EXECUÇÃO JADR AF VERIFICAÇÃO JADR JADR APROVAÇÃO

Leia mais

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS Em 2009 a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), através do Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras

Caixa para medidores com ou sem leitura por vídeo câmeras Dobradiça Furação para passagem de cabo de Ø21 mm ( 12x ) Vista Inferior Item 1 e 2 Adaptador para parafuso A.A. Fixação dos trilhos através de parafuso e porca ( possibilitando regulagem ) Trilho de fixação

Leia mais

EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP

EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP DIRETORIA TECNOLÓGICA E DE PROJETO DTP GERÊNCIA TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO GTD EM-RIOLUZ-74 ESPECIFICAÇÃO DE CABO PARA REDE SUBTERRÂNEA DE IP EMISSÃO- 02 29.12.2014 ESPECIFICAÇÃO EM-RIOLUZ-74 EMISSÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Embalagens Especificação e Padronização NTC-59

NORMA TÉCNICA CELG. Embalagens Especificação e Padronização NTC-59 NORMA TÉCNICA CELG Embalagens Especificação e Padronização NTC-59 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS 4

Leia mais

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL

NTU AES 003-1. Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL NTU AES 003-1 Condutores Elétricos Distr. Subterrânea NORMA TÉCNICA UNIFICADA AES ELETROPAULO / AES SUL Elaborado: Aprovado: DATA: 30/09/2010 João Carlos Nacas AES Eletropaulo Fernanda Pedron AES Sul Sergio

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO

CONTROLE DIMENSIONAL - CALDEIRARIA CALIBRAÇÃO DE TRENA E ESCALA COM ESCALA PADRÃO E TRENA PADRÃO Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo descrever o processo de calibração de trenas de fita de aço e escalas metálicas, utilizando como padrões trenas padrão ou escalas padrão.

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto N.º 001

Especificação Técnica de Projeto N.º 001 SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 001 Especificação Técnica de Projeto N.º 001 INDICE 1. 2. 3. 3.1. 4. 4.1. 4.2. 4.3. 4.4. 4.5. 4.6. 4.7. 4.8. 4.9. 4.10. 4.11. 4.11.1. 4.11.2. 4.11.3. 4.11.4.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos na execução de provas práticas, na qualificação de Inspetor de Controle Dimensional, modalidade Caldeiraria. 2. REGRAS

Leia mais

Manual Técnico de Distribuição

Manual Técnico de Distribuição Manual Técnico de Distribuição ESP ESPECIFICAÇÃO ESP - 602 CABO COBERTO PARA REDE COMPACTA ESP - 602 edição vigência aprovação Agosto/98 DDPP Página 1 1. OBJETIVO Esta Especificação define os requisitos

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES 6.6.1 Disposições Gerais 6.6.1.1 As exigências deste capítulo não se aplicam: - à classe 2 exceto artigos incluindo aerossóis; -

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA...

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 4.3.3 Estruturas DIRETORIA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO DIVISÃO DE SUBESTAÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA AQUISIÇÃO DE ESTRUTURAS DE BARRAMENTOS SE... ETAPA... 1 Í N D I C E SEÇÃO I OBJETO

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG. Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto. Especificação e Padronização. NTC-16 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG. Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto. Especificação e Padronização. NTC-16 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG Padrões de Entrada Pré-Fabricados em Poste de Aço ou Concreto Especificação e Padronização NTC-16 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. NORMAS

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais