Departamento Destacado de Segurança Trabalhista do Sinat

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento Destacado de Segurança Trabalhista do Sinat"

Transcrição

1 Departamento Destacado de Segurança Trabalhista do Sinat

2 SINAT Sindicato do Comércio Atacadista no Estado de Goiás DESEG Departamento Destacado de Segurança Trabalhista do Sinat Presidente Paulo Diniz Coordenação Dr. Hélio Capel Galhardo Filho Advogados Responsáveis: Dr. Otávio Carneiro Dra. Luciene Diniz Material produzido por olhocomunica.com.br / Assessora de Capacitação e Marketing do Sinat Jusciene H. Rodrigues Impressão Gráfica Ellos Tiragem 2.000

3 Departamento Destacado de Segurança Trabalhista do Sinat Tudo o que você precisa saber para organizar a gestão dos riscos trabalhistas da sua empresa

4 INTRODUÇÃO Assegurar às empresas do comércio atacadista goiano as melhores condições para gerar resultados positivos e desenvolver a sociedade. Da missão do SINAT depreendem-se as ações sindicais que vertem, no funcionamento das empresas, conhecimentos e experiências capazes de abrandar os efeitos do rigorismo das diversas legislações a que elas estão sujeitas, como a tributária, a comercial e, principalmente, a legislação trabalhista que, caso não seja cuidadosamente interpretada, poderá resultar em elevadíssimo e às vezes insuportável passivo trabalhista. Coletamos algumas manchetes que ilustram perfeitamente nossa afirmação: Tim é condenada a pagar R$ 5 milhões por controlar idas de funcionária ao banheiro TRT do Paraná; Empresa é condenada a indenizar trabalhador que teve notebook furtado de alojamento TRT de Minas Gerais; Vale é condenada em R$ 18,9 milhões por mortes MPT do Maranhão; Madeireira deve pagar R$ 168 mil a empregada que fraturou a mão TRT do Mato Grosso; SUMÁRIO OS SETE MAIORES PROBLEMAS TRABALHISTAS DOS EMPREGADORES HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS VÍNCULO DE EMPREGO TEMPO DE SERVIÇO CLANDESTINO SALÁRIO POR FORA DIFERENÇAS SALARIAIS

5 Além das situações acima, que poderiam ser classificadas como acidentais, dois exemplos a seguir mostram que mesmo bem intencionadas, as empresas podem estar sujeitas às armadilhas que a Lei lhes prepara: 1. Na ânsia da contratação do candidato mais qualificado e com o perfil mais adequado ao cargo, o empregador se lança na investigação de aspectos não relacionados à aptidão do trabalhador e embora a intenção seja evitar riscos na contratação, a empresa poderá incorrer em invasão de privacidade do empregado e estar sujeita a penalidades e indenizações por danos morais, conforme leciona Sandra Lia Simon, procuradora-chefa do MPT de São Paulo. 2. O descuido na concessão ao trabalhador de compensação de jornada normal (por exemplo: não trabalhar no sábado e compensar as horas pelo prolongamento da jornada diária). Caso não haja acordo por escrito, entre a empresa e o empregado, poderá resultar em horas excedentes durante a semana, (cerca de 48 minutos dia) e, em reclamação trabalhista, empregado com salário mensal de R$ , no prazo de cinco anos, traria reflexo de ônus para a empresa de cerca de R$ ,41. Preocupados com essas constatações, a Diretoria Executiva do SINAT, após estudos, idealizou e instituiu o DESEG Departamento Destacado de Segurança Trabalhista do Sinat, que pretende, com o seu constante aperfeiçoamento, levar às empresas filiadas e rigorosamente em dia com suas obrigações sindicais, ferramentas capazes de prevenir contenciosos trabalhistas e resolver situações de litígio ou pendências relativas às relações de emprego dessas empresas. Este manual, que ora lançamos com o nome Cartilha Sinat de Prevenção de Riscos Trabalhistas, constitui-se na primeira ação do DESEG. Seu conteúdo foi elaborado com muito zelo pela equipe Sinat, com a colaboração dos Advogados Otávio Carneiro e Luciene Diniz, que, além da participação, cederam ao projeto seus conhecimentos e estudos já consolidados. Consulte a forma e as condições para a inscrição da sua empresa no DESEG. Paulo Diniz, Presidente. ENTENDA OS FUNDAMENTOS DANOS MORAIS ACIDENTES DE TRABALHO O DIREITO DO TRABALHO É UM DIREITO PROTETIVO AS PARTES NA RELAÇÃO DE EMPREGO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO

6 OS SETE MAIORES PROBLEMAS TRABALHISTAS DOS EMPREGADORES Uma conversa franca e prática com empresários sobre as 7 maiores causas que provocam o aparecimento de demandas trabalhistas e dicas valiosas de como evitá-las

7 1 HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS JORNADA CONTRATUAL No momento da contratação, mencionar todas as variações de jornada de trabalho, turnos, realização de horas extras, compensações eventuais de horas extras, folgas compensatórias, banco de horas, trabalho aos domingos, etc. É muito importante prever o desenvolvimento da relação, pois quanto menos se alterar o contrato de trabalho, menos questionamentos haverá. ACORDO DE PRORROGAÇÃO E DE COMPENSAÇÃO Observe o que prevê a norma coletiva. Algumas exigem que se homologue o acordo no Sindicato de classe, sob pena de não ter validade. Quando existem horas extras não compensadas, o acordo em referência é quebrado, sendo devidas todas as horas a partir da oitava diária, ou quadragésima quarta semanal, como extras. O acordo deve ter validade de 1 (um) ano e sempre ser convalidado. Máxima atenção para não ser esquecido e expirar. BANCO DE HORAS ACORDO SINDICAL Banco de horas para ser válido, tem que ter a chancela do Sindicato de classe. Caso contrário, as horas quitadas com folga continuam sendo devidas, pois o ajuste está irregular. Ao fim de cada mês, o banco de horas deve ser impresso e assinado pelo empregado, declarando que reconhece como válidos os créditos e débitos de horas. Documento sem assinatura do empregado é considerado unilateral e facilmente impugnado e invalidado em caso de ação judicial. CONTROLE DE PONTO EQUIPAMENTOS X REALIDADE Não existe equipamento moderno ou ultrapassado. O que deve ser priorizado é algo que controle o ponto dos empregados de forma eficaz, com detalhamento, sem rasuras, de forma clara e objetiva. Devem-se registrar fielmente todas as horas trabalhadas. 7

8 O banco de horas para ser válido tem que ter a chancela do Sindicato de classe O ponto deve ser inspecionado semanalmente, para evitar que erros de registro ocorram e comprometam a sua veracidade. O espelho de ponto deve ser impresso e assinado no final do mês. As folgas compensatórias concedidas devem ser explicitadas. Caso seja a pedido do empregado, recomenda-se que ele assine uma comunicação interna pedindo o dia de folga. FORMA DE PAGAMENTO DAS HORAS EXTRAS Para se evitar litígio, a melhor forma de pagar as extras é em dinheiro, obviamente nos recibos de pagamento de salário, de forma discriminada. Indique a quantidade de horas extras e destaque o adicional de horas extras. Quanto mais explicitado melhor. O objetivo é que o empregado saiba que não está sendo lesado. O pagamento de horas extras com folgas, normalmente deixa o empregado com o sentimento de que está sendo explorado. REFLEXOS DAS HORAS EXTRAS Não se pode esquecer que quando as horas extras são habituais, elas passam a incorporar a remuneração do empregado para todos os fins e, justamente por causa disto, as demais verbas, como, por exemplo, 13º Salário, Férias, Abono de Férias, FGTS, devem ser quitadas considerando a integração da média mensal de horas extras. 8

9 2 VÍNCULO DE EMPREGO COOPERADOS Não os contrate de forma alguma, nem eventualmente. A Lei permite que se contrate, mas o combate contra esse tipo de terceirização de serviço é perseguida pelos Fiscais do Trabalho, Juízes do Trabalho, Ministério Público. A jurisprudência é uníssona em considerar cooperados como falsos cooperados e obrigar a quem os contrata assinar a CTPS com data retroativa e a pagar todos os direitos. TERCEIRIZADOS Podem-se utilizar os terceirizados para serviços referentes a atividades meio da empresa limpeza, conservação, vigilância, transporte. Jamais inseri-los na atividade fim. Quanto aos temporários, é necessário a autorização da SRT do Ministério do Trabalho, e os contratos não devem ultrapassar 90 (noventa) dias, podendo apenas ser utilizado para acréscimo temporário e justificado da mão de obra, e substituição nas férias dos empregados. PRESTADORES DE SERVIÇO Considere que ser empregado é regra, o resto é exceção. Logo, o prestador de serviços não pode ter uma relação contínua com a sua empresa, recebendo ordens de superiores, trabalhando internamente, dia após dia, de forma exclusiva, disponível por todo o expediente a empresa, etc. O prestador de serviços é autônomo, tem que ter vida profissional própria, ser independente na administração de seu negócio, ter outros clientes, endereço, etc. Se não for respeitado esse limite, poderá ocorrer que esse suposto prestador venha a ser considerado seu empregado clandestino. O que vale no direito do trabalho é a realidade da relação. Ela vale mais do que qualquer contrato. Nada adianta estar escrito se a realidade for outra. 9

10 3 TEMPO DE SERVIÇO CLANDESTINO CLANDESTINOS Contratar alguém sem registro na CTPS equivale a um tiro no pé, Não haverá um marco inicial do contrato, o que permite que no futuro, o reclamante alegue que foi contratado há mais tempo. As cláusulas coletivas são descumpridas. Não existe nenhum documento que possa ser considerado oficial. O FGTS e o INSS não podem ser recolhidos e na hipótese de um acidente de trabalho, haverá a responsabilidade por todo o tratamento médico, pagamento de pensão, etc., porque o INSS não poderá ser acionado. Não deve ser iniciada qualquer relação de emprego sem verificação de todos os documentos, realização de exame admissional e assinatura da CTPS. 4 SALÁRIO POR FORA PAGAMENTO EXTRA FOLHA Vários empregadores, fugindo do altíssimo custo da despesa sobre a folha de pagamento, optam por pagar parte do salário por fora, extra recibos de pagamento. Isso gera uma grande discussão no fim do contrato, porque o empregado, apesar de ter se beneficiado de isenção ilegal de INSS e de imposto de renda, quer o recebimento das diferenças de FGTS, férias mais um terço, décimos terceiros, horas extras, adicionais noturnos, etc... O empregador normalmente nega esse direito e não cede. Como resultado, certamente haverá uma demanda trabalhista buscando o reconhecimento desse pagamento, visando o recebimento dos reflexos. Para evitar esse tipo de problema, é melhor que nada seja pago por fora, mas se proceder assim, apesar dos alertas, que pague o valor do principal e dos reflexos de forma indenizada, discriminando-os em recibo específico, para fins de compensação. 10

11 PRÊMIOS, BÔNUS, AJUDA DE CUSTO, MARKETING DE INCENTIVO Esses pagamentos variáveis geram estímulo ao questionamento judicial, se não ficar clara a apuração do resultado final das campanhas. Normalmente os empregadores não escrevem as regras claramente e nem colhem as assinaturas dos participantes em documento específico. No momento da apuração, o informalismo é o mesmo, não há registro dos que venceram e porque venceram e dos que perderam e o motivo de terem perdido. Ao final do contrato, alguns perdedores ingressam na Justiça questionando as regras, a apuração dos resultados, e reclamando o pagamento dos prêmios. A empresa, sem os devidos registros, fica vulnerável à condenação ao pagamento. VEÍCULO, ALIMENTAÇÃO, TELEFONE CELULAR, ALUGUEL, PASSAGENS AÉREAS Todos esses supostos benefícios e outros, não serão considerados salários indiretos se forem concedidos para o desempenho profissional daquela atividade exercida pelo empregado e não em compensação pelo trabalho realizado. Todos os benefícios, fora da rotina, quando concedidos, devem seguir uma exposição de motivos. 11

12 5 DIFERENÇAS SALARIAIS 12 REDUÇÃO SALARIAL Quando a crise se instala, os primeiros a sentir são os empregados, porque a folha de pagamento é a despesa mais aparente e de maior volume, que não permite prorrogação de prazo para pagamento. Outras são as reduções discretas de salário, como, por exemplo, a redução de área de vendas de um vendedor para que as comissões diminuam; ou os níveis e percentuais de comissão, etc. O empregado sabe muito bem calcular quanto ganha e que a criação de qualquer mecanismo, por mais sensível que pareça, causando redução do valor recebido ao fim do mês ou maior dificuldade para isso ser atingido, será considerado por ele como redução de ganhos. Novas regras podem ser implementadas no contrato de trabalho e, se não forem benéficas, deverão ser homologadas no sindicato de classe. Melhor demitir esses empregados e contratar outros no novo sistema, evitando assim o surgimento de passivo trabalhista

13 ENQUADRAMENTO SINDICAL Algumas empresas estão inseridas em ramos de atividade que permitem que os seus empregados sejam enquadrados numa ou noutra categoria profissional. Naturalmente optam pela norma coletiva mais vantajosa e pelo sindicato de classe menos atuante. Porém, não basta a chance da empresa se enquadrar num segmento ou outro, quando o direito do trabalho é regido pelo princípio da condição mais favorável ao empregado. O empregado, quando é demitido, se rebela e tende a buscar todos os direitos que estão previstos na norma coletiva da categoria profissional mais específica. A vitória desse processo pelo trabalhador inaugura um precedente para os demais que continuam trabalhando, pois quando forem demitidos certamente seguirão o mesmo caminho. Enquadre os seus empregados no sindicato de classe que tiver relação com a atividade da empresa e for o mais benéfico aos empregados. 12 DESVIO E ACÚMULO DE FUNÇÃO Relembrando momentos de crise ou de queda nas vendas, os empregadores tendem a demitir sem se preocupar com quem irá ficar responsável pelo espaço deixado pelo demitido. Normalmente transferem para os remanescentes as responsabilidade do demitido. O mais seguro seria o chefe acumular, mas na prática não é isso que acontece. Os menos graduados é que ficam com a sobrecarga e, com medo de também serem demitidos, aceitam tudo sem reclamar. No momento da demissão, surge a polêmica de que a partir de determinada época, quando do afastamento de tal empregado, ele que agora está sendo desligado, passou a acumular ou a ser desviado da sua função de origem, sem ser remunerado. Para se evitar esse risco, conceda um pequeno reajuste no salário, que simbolize a remuneração desse excesso, ou que se firme um termo justificando a mudança. 13

14 6 DANOS MORAIS ASSÉDIO MORAL O assédio tem sido pauta do dia nos processos trabalhistas, mais do que o dano moral. Isso porque se configura por repetidas micro agressões, que sozinhas nada importam, mas no momento que são exercidas de forma exaustiva, minando o subordinado, geram elevadíssimas condenações. O assédio normalmente acontece de forma discreta, quase imperceptível, isso dificulta aos controladores da empresa tomar conhecimento de que isso está ocorrendo. A melhor saída é enfrentar o problema mesmo que dele não se tenha notícia, fazendo palestras aos gestores e chefias, permitindo aos empregados que denunciem esses casos. Na prática nenhum trabalhador que é alvo de assédio tem tido estômago para aguardar a sua demissão e em seguida processar a empresa. Se houver espaço e canal de comunicação com a direção, certamente ele irá se queixar do tratamento que está recebendo. Para que se evite esse risco, deve ser proibido no local de trabalho tratamento por apelidos, humilhações, tudo que atinja a pessoa do empregado, que fuja da conotação profissional. Algumas empresas vão mais longe e proíbem as censuras verbais, tendo tudo que ser por escrito para que esse tema não fuja do controle do monitoramento. 14

15 ASSÉDIO SEXUAL Para que ocorra assédio sexual, assim como no assédio moral, é necessário que o autor do delito seja chefe ou superior hierarquicamente da vítima. As reclamações trabalhistas são em menor número e só ocorrem quando há prova robusta do ato. Os s, convites explícitos (na presença de outros empregados), vêm sendo a tônica desses processos. O procedimento deve ser o mesmo por parte dos controladores da empresa, de sempre abordar o assunto de forma ampla e permitir canais de denúncia. É importante que se conscientizem os chefes de que as brincadeiras com apelo sexual, se repetidamente praticadas, podem servir de motivo para esse tipo de processo trabalhista. DANO MORAL O dano moral é o carro chefe dos pedidos indenizatórios. Para que se distinga dos demais assédios antes tratados, dano moral ocorre geralmente de forma pontual, é um evento único, um fato que gera consequências, sem necessidade de repetições. Exemplificando, um acidente de trabalho por culpa ou omissão do empregador pode gerar dano moral; a acusação pelo cometimento de um furto na presença de terceiros e caso esse não seja provado, idem. Atualmente, o entendimento majoritário é de que deve ficar comprovada a participação do empregador no evento que provoca o dano moral, caso contrário ele não tem obrigação de indenizá-lo. 15

16 7 ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS Antigamente, o empregador não precisava se preocupar com o acidente de trabalho e as doenças ocupacionais do ponto de vista indenizatório trabalhista, criminal e previdenciário. Com a chegada do nexo técnico epidemiológico (entende a Lei que a culpa é do empregador quando evidenciado um nexo entre a doença e a atividade desempenhada), isso mudou. Agora, não basta apenas preencher o CAT (Comunicado de Acidente de Trabalho) e encaminhar o empregado acidentado ou doente ao INSS. Deve ser analisado o risco de sequelas e do empregado vir a pedir indenização pelos danos sofridos. As decisões mais recentes do TST (Tribunal Superior do Trabalho) têm concedido até pensão vitalícia aos acidentados. O que deve ser feito para minimizar esses riscos é uma supervisão ostensiva do uso dos equipamentos de proteção individual, a revisão e aperfeiçoamento das normas de segurança e medicina do trabalho, treinamentos preventivos para os que trabalham em atividade de risco - como motoboys, por exemplo - e realização de exames médicos completos periódicos e por Médicos especializados do Trabalho, antecipando os problemas de saúde dos trabalhadores. Na ocorrência de algum acidente, deve ser logo negociado um acordo indenizatório, para que mais tarde isso não venha a ser discutido num processo judicial, que normalmente alavanca o valor das indenizações. Evitar esse problema também é difícil, mas, caso ocorra, a assistência total e envolvimento solidário com a vítima (concedendo ajuda médica, psicológica, financeira), poderá atenuar todo o stress e servirá como fundamento para minimizar o risco de uma futura demanda. 16

17 ENTENDA OS FUNDAMENTOS O DIREITO DO TRABALHO É UM DIREITO PROTETIVO Saiba como interpretar a Lei para não cometer erros que podem causar grandes prejuízos aos empregadores 17

18 Entenda, o Direito do Trabalho é um ramo do Direito que visa proteger a parte mais fraca da relação de emprego o empregado. A grande maioria dos empresários é justa na entrega dos direitos dos empregados, mas existem os que exploram sua força de trabalho sem cumprir a lei. Por esta razão, o Direito do Trabalho é regido por princípios que serão usados na criação e na aplicação das leis trabalhistas. Entendendo esses princípios, o empresário poderá sozinho tomar decisões mais seguras, sem necessitar consultar advogados. PRINCÍPIO DA NORMA MAIS FAVORÁVEL Havendo duas ou mais normas que se apliquem ao mesmo caso, deve-se optar pela norma mais favorável ao empregado. PRINCÍPIO DA CONDIÇÃO (OU CLÁUSULA) MAIS BENÉFICA Havendo duas condições aplicáveis no contrato ou no acordo ou convenção coletiva, deve-se aplicar a cláusula mais vantajosa ao trabalhador. PRINCÍPIO A DÚVIDA SE RESOLVE PRÓ-EMPREGADO Quando uma mesma norma ou cláusula admitir mais de uma interpretação, deverá prevalecer a mais favorável ao empregado. 18

19 PRINCÍPIO DA PRIMAZIA DA REALIDADE SOBRE A FORMA Busca a verdade real na relação trabalhista. O julgador da Justiça do Trabalho pode e deve desprezar qualquer documento como prova, caso os fatos ou o que realmente ocorreu não for condizente com o documentado. Ex: registro de ponto irreal. PRINCÍPIO DA CONTINUIDADE DA RELAÇÃO DE EMPREGO Informa que é de interesse do Direito do Trabalho a permanência do vínculo empregatício, com a manutenção do trabalhador no emprego. Fundamenta a preferência pelos contratos por prazo indeterminado. PRINCÍPIO DA IRRENUNCIABILIDADE/INDISPONIBILIDADE O empregado não pode abrir mão de seus direitos trabalhistas. Mesmo pedindo e assinando embaixo. PRINCÍPIO DA INALTERABILIDADE CONTRATUAL LESIVA Não serão admitidas alterações no contrato de trabalho que venham a prejudicar o empregado. AS PARTES NA RELAÇÃO DE EMPREGO A relação de emprego pressupõe a existência de: EMPREGADO Somente é considerado empregado a pessoa física que trabalhe com: a) Pessoalidade ele foi escolhido por suas características pessoais e profissionais. O empregador espera ver o trabalho ser realizado especificamente por aquela pessoa. O empregado não pode mandar outro fazer o serviço em seu lugar, sem a permissão do empregador. 19

20 b) Habitualidade o trabalho realizado na relação de emprego não é eventual. c) Subordinação O empregado obedece às ordens de seu empregador e depende das decisões administrativas deste para execução de suas tarefas. É diferente do autônomo, que tem total liberdade de administração de seus horários, rotas, despesas, rotinas, etc. d) Salário O empregado trabalha esperando a contrapartida em pagamento de uma remuneração por parte do empregador. Note que a caracterização do vínculo de emprego depende da existência concomitante de todos esses elementos acima. Quer evitar vínculo de emprego com o autônomo? Trabalhe para sempre isolar um desses elementos, não permitindo sua configuração (de preferência não permita a subordinação ver dicas em Vinculo de Emprego Prestadores de Serviços). EFEITOS DA RELAÇÃO DE EMPREGO Faz surgir obrigações e direitos para ambas as partes contratantes: EMPREGADO: Dever de prestar serviço; Dever de diligência e fidelidade (colaboração); Dever de obediência; EMPREGADOR: Dever de remunerar o serviço prestado; Dever de proporcionar trabalho; Dever de respeito à dignidade humana do empregado; EMPREGADOR Será empregador toda pessoa física ou jurídica que contrate empregado. Prova da relação de emprego A relação de emprego poderá ser provada por qualquer meio permitido por lei, inclusive por testemunhas. PODERES DO EMPREGADOR PODER DE DIREÇÃO: QUE SE DIVIDEM EM: Poder de organização: cabe ao empregador organizar a atividade, determinar a forma de trabalho e as metas do empreendimento. Poder de fiscalização: é uma faculdade legal que tem o empregador de fiscalizar as atividades dos empregados. 20

21 Poder disciplinar: é o direito de impor sanções disciplinares aos seus empregados. Mas note: o exercício desses poderes com abuso, de forma a gerar constrangimento ao empregado pode caracterizar assédio moral, resultando em onerosas condenações por danos morais (veja adiante como evitá-las). CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Características do contrato individual de trabalho O contrato individual de trabalho é o acordo, escrito ou verbal, através do qual empregador e empregado ajustam a prestação de serviços com pessoalidade, onerosidade, habitualidade e subordinação. Veja nesta cartilha dicas sobre a contratação, que para a segurança da empresa deverá ser feita de forma escrita e clara. Para ser válido, o contrato individual de trabalho deve ter: AGENTE CAPAZ Pessoa maior de 18 anos (plenamente capaz); ou menor entre 16 e 18 anos (relativamente incapaz). Antes dos 16 anos o menor só poderá trabalhar como aprendiz, caso já tenha 14 anos. Menores de 14 não podem trabalhar. Livre manifestação de vontade (consentimento) O contrato só terá validade se as partes livremente pactuaram suas vontades. Não será válido se firmado por erro ou existir fraude, coação, simulação, etc. OBJETO LÍCITO Como qualquer contrato da esfera civil, para sua validade o contrato de trabalho exige objeto lícito, ou seja, aquele que não é contrário à lei. Não produz efeitos jurídicos, por exemplo, o contrato de trabalho em jogo do bicho, prostituição e tráfico de drogas. 21

22 DURAÇÃO DO CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO A regra é a contratação por tempo indeterminado, que é a forma esperada e presumida pelo Direito do Trabalho. EXCEÇÕES LEGAIS: Serviços ou atividades transitórias, como nos casos de produtos sazonais (fogos, ovos de páscoa, substituição de empregados em férias) Contrato de experiência. Trabalho temporário - prestado através da contratação de empresa de trabalho temporário, que se destina a colocar à disposição de outra empresa, temporariamente, trabalhadores devidamente qualificadas, por ela remunerados e assistidos. Ex. serviços de limpeza e segurança. Alterações do contrato individual de trabalho A inalterabilidade é a regra. Exceções: as decorrentes de leis, como a alteração do salário mínimo, ou as de acordos ou convenções coletivas de trabalho. Abaixo, alguns exemplos de alterações lícitas, mas que só poderão ser feitas com segurança jurídica. Alterações do contrato individual de trabalho Mudança do local de trabalho; Mudança de horário (de manhã para tarde ou de noturno para diurno); Alteração de função, desde que não represente rebaixamento para o empregado; Transferência para localidade diversa, respeitadas as regras legais; Transferência quando ocorrer extinção do estabelecimento em que trabalhar o empregado; CONSULTE O SEU SINDICATO 22

23 SINAT PROVENDO A GESTÃO DE RISCOS TRABALHISTAS

24 Rua 90, nº Setor Sul - Goiânia - Goiás - CEP: Tel/Fax. (62)

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

Responsabilidades do Empregador

Responsabilidades do Empregador Responsabilidades do Empregador RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA trabalhador poderá exigir que a obrigação seja satisfeita integralmente por um dos coobrigados (p.ex.: grupo de empresas, empreiteiros) RESPONSABILIDADE

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

Petições Trabalhistas 3.0

Petições Trabalhistas 3.0 Contestações 1. Contestação - ação de cobrança de contribuição sindical 2. Contestação - ação rescisória trabalhista 3. Contestação - adicional de insalubridade - limpeza de banheiro - empresa 4. Contestação

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO.

EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. EXMO. SR. DR. JUIZ PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEGUNDA REGIÃO. Processo TRT/SP no20308200600002004 O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE SÃO PAULO, Suscitante, e o SINDICATO DAS EMPRESAS

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB

Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB Trabalhador Rural: Lei 5.888/93 + Decreto 73.626/74 + art. 7 CRFB art. 7 CRFB São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: art. 7 CLT Os

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM

NÚCLEO PREPARATÓRIO DE EXAME DE ORDEM ENDEREÇAMENTO E QUALIFICAÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA... VARA DO TRABALHO DE... A, estado civil..., profissão..., portador do RG nº..., inscrito no CPF nº..., portador da CTPS..., série...,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS Pelo presente termo de Acordo Coletivo de Trabalho, e de acordo com a convenção Coletiva de Trabalho conforme cláusulas específicas celebraram

Leia mais

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4.

Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1. 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4. Parte I - Direito do trabalho - parte geral, 1 1 Evolução histórica, 3 1 Evolução mundial, 3 2 Evolução no Brasil, 4 2 Denominação, 6 3 Conceito e divisão da matéria, 8 4 Posição enciclopédica, 9 5 Fontes,

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 3. SALÁRIO 3.1 RECEBIMENTO DO SALÁRIO No comércio o pagamento de salários ocorre de várias formas. Alguns empregadores fazem o depósito em conta corrente e fornecem o comprovante de pagamento discriminando

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Princípio da norma mais favorável. 2. Princípio da condição mais benéfica. 3. Princípio de irrenunciabilidade. 4. Princípio da primazia da realidade. 5. Princípio da continuidade da relação de emprego.

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização.

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. O Direito do Trabalho não se preocupa apenas e tão somente com as relações entre empregado e empregador. Sua abrangência

Leia mais

NOVA LEI DAS DOMESTICAS

NOVA LEI DAS DOMESTICAS NOVA LEI DAS DOMESTICAS DEVERES DAS DOMÉSTICAS Se a doméstica trabalhar menos que o contrato, posso descontar do salário? O desconto é linear? Independentemente de trabalhar menos, ela recebe o mesmo valor

Leia mais

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho.

Tal fato decorre do princípio da continuidade da relação do emprego, que é um princípio basilar do Direito do Trabalho. 1. CONTRATO POR PRAZO INDETERMINADO O Contrato por prazo indeterminado é firmado quando o empregado for contratado para trabalhar em atividades normais da empresa, sem tempo de duração (Princípio da Continuidade

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO 1. OBJETIVO O departamento de Recursos Humanos da FECAP pretende com esse manual de normas e procedimentos sobre a jornada de trabalho, informar os seus

Leia mais

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19

Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 Sumário LISTA DE ABREVIATURAS... 17 CAPÍTULO 1 DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO... 19 1.1 NATUREZA JURÍDICA DO DIREITO DO TRABALHO... 19 1.1.1 Teoria do Direito Público... 19 1.1.2 Teoria do Direito

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016

CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 CAMPANHA SALARIAL 2015-2016 PAUTA UNIFICADA DA CATEGORIA REPRESENTADA PELO SINDIPA EMPRESAS COM DATA BASE EM 01/11/2015 E 01/01/2016 1. REAJUSTE SALARIAL: O salário base nominal dos empregados da categoria

Leia mais

CURSO COMO FISCALIZAR OS CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CICLO DA FISCALIZAÇÃO PARA PREVENÇÃO DA RESPONSABILIDADE

CURSO COMO FISCALIZAR OS CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CICLO DA FISCALIZAÇÃO PARA PREVENÇÃO DA RESPONSABILIDADE CURSO COMO FISCALIZAR OS CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CICLO DA FISCALIZAÇÃO PARA PREVENÇÃO DA RESPONSABILIDADE PERÍODO DE REALIZAÇÃO E CARGA HORÁRIA O curso será realizado

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. PRINCÍPIOS 1.1. Princípio da proteção / protetivo / tutelar /

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho

A PI JOR. PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho PJ - como forma de precarização do contrato de trabalho Sílvia Neli* Uma das formas de precarização do contrato individual do trabalho é a utilização ilícita da figura da pessoa jurídica para formalizar

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

Minuta específica de reivindicações dos empregados do Banco Bradesco

Minuta específica de reivindicações dos empregados do Banco Bradesco Minuta específica de reivindicações dos empregados do Banco Bradesco 1. Emprego O Banco deverá instituir medidas que visem aumentar o número de empregados, adequando o seu quadro funcional a praça e ao

Leia mais

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário.

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC ANA KARENINA, estado civil..., profissão..., residente e domiciliada na Rua..., nº..., cidade... estado..., CEP..., representada

Leia mais

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão:

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 01.07.2007 A 30.06.2009 (conforme decisão judicial em dissídio coletivo acórdão TRT 24ª Região no processo nº. 179/2007-000-24-00-9-DC.0 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO entre

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SUSCITANTE: SINDICATO DOS PSICÓLOGOS NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINPSI-SP, Entidade Sindical Profissional, com registro no MTb sob nº012.228.026.60-5 e inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO. Item 1- Razão Social:. CNPJ:. Item 2 - Denominada simplesmente:. EMPRESA- Item 3 - Endereço: Fone: (45) Foz do Iguaçu Paraná

TERMO DE CONVÊNIO. Item 1- Razão Social:. CNPJ:. Item 2 - Denominada simplesmente:. EMPRESA- Item 3 - Endereço: Fone: (45) Foz do Iguaçu Paraná TERMO DE CONVÊNIO De um lado a GUARDA MIRIM DE FOZ DO IGUAÇU Entidade de direito privado, de fins educacionais e de assistência social, de utilidade pública sem fins lucrativos, com sede à Travessa Tadeu

Leia mais

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei.

3ª CLÁUSULA PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS: Os empregados participarão nos lucros de suas empresas empregadoras, na forma que vier estabelecida em lei. 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE JACOBINA E O SINDICATO PATRONAL DO COMERCIO VAREJISTA DE JACOBINA E REGIÃO, PARA O PERIODO DE 01 DE JUNHO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Sindilojas, 24 de julho de 2014 Legislação da CIPA Decreto-lei nº 7.036 de 10/11/1944 (Lei de Acidentes do Trabalho): Art. 82. Os empregadores, cujo número

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01)

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) HOMOLOGNET Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) Portaria Nº 1.620, de 14/07/2010: Institui o sistema Homolognet; Portaria Nº 1.621, de 14/07/2010: Aprova modelos de TRCT e Termos de Homologação; Instrução

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito do Trabalho Peça 1) Estrutura inicial O examinando deve elaborar uma contestação, indicando o fundamento legal (artigo 847 da CLT ou artigo 300 do CPC),

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções """"'''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho """""""""""""""'''''' 24

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções '''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho '''''' 24 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE DIREITO DO TRABALHO 1 I. Conceito................. I 2. Natureza e autonomia I Competência para legislar sobre Direito do Trabalho 2 Normas de Direito do Trabalho 3 1. Normas Trabalhistas

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE José, nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, CTPS, PIS, residente e domiciliado na, vem, respeitosamente, perante V. Exa., por meio de seu advogado,

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL - 2012 (Fetquim/CUT) CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º de novembro de 2012

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 08.09.2009 Aula nº 02 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. JORNADA DE TRABALHO (art. 4º, CLT) O instituto tem origem na

Leia mais

PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL

PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL Caros alunos, os modelos a seguir são apenas sugestões de redação. O ideal é que cada um tenha sua forma de escrever. O que realmente importa é

Leia mais

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS

ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS ATA DA 4ª REUNIÃO ESPECÍFICA BANCO DE HORAS entre o Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO e a FENADADOS LOCAL: Sede da FENADADOS Brasília - DF DATA: 05/12/2014 HORÁRIO: 10h TEMA: Negociação

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE CURITIBA PR Tomi Lee Gando, brasileiro, casado, técnico eletricista, portador de CTPS n. 01010, série 010, inscrito no PIS sob o n. 010.010.010-10

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 O secretário de relações do trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, com atuação em Brasília

Leia mais

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS Capítulo 1 Recrutamento... 3 1.1 Possíveis ocorrências de recrutamento... 4 1.1.1 Ampliação do quadro de pessoal... 4 1.1.2 Desligamento de empregado... 5 1.1.3 Promoção...

Leia mais

Como contratar seu empregado

Como contratar seu empregado MEI - Microempreendedor Individual: Como contratar seu empregado O que você precisa para contratar o seu empregado? Para você que já se tornou MEI Microempreendedor Individual e precisa contratar um empregado,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Suscitante: Sindicato dos Corretores de Planos de Saúde Médicos e Odontológicos no Estado de São Paulo, inscrito no CNPJ/MF sob o nº 09.606.143/0001-16, com sede à Rua Conselheiro

Leia mais

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol

Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Os contratos de trabalho no país das chuteiras na era da Copa do Mundo de Futebol Oraides Morello Marcon Marques 1 Com o retorno da Copa Mundial de Futebol ao Brasil crescerá a demanda do comércio por

Leia mais

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA

PLANO DEMISSÃO VOLUNTÁRIA -NOSSA CAIXA Sindicato dos Trabalhadores em Empresas do Ramo Financeiro do Grande ABC Rua Cel. Francisco Amaro, 87 - B. Casa Branca - Santo André CEP.: 09020-250 - Tel. ( 11 ) 4993-8299 Fax. ( 11 ) 4993-8290 CNPJ 43.339.597/0001-06

Leia mais

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento.

ACORDO COLETIVO. Parágrafo 5º - As horas serão remuneradas com base no salário do mês de seu efetivo pagamento. ACORDO COLETIVO Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Juiz de Fora, registro sindical nº. 10.610, inscrito no CNPJ sob nº. 20.453.643/0001-06, sito a rua Halfeld, 805/603 Juiz de Fora MG 36010-000,

Leia mais

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes Menor Aprendiz Perguntas Frequentes A aprendizagem é regulada pela CLT e passou por um processo de modernização com a promulgação das Leis nºs. 11.180/2005, 10.097/2008 e 11.788/2008. O Estatuto da Criança

Leia mais

Instruções de Impressão

Instruções de Impressão Instruções de Impressão 1. O modelo deverá ser plano e impresso em papel A4, na cor branca, com 297 milímetros de altura e 210 milímetros de largura em papel com, ao menos, 75 gramas por metro quadrado.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Você foi procurado pelo Banco Dinheiro Bom S/A, em razão de ação trabalhista nº XX, distribuída para a 99ª VT de Belém/PA, ajuizada pela ex-funcionária Paula, que

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito do Trabalho Professor André Luiz Data: 16/06/2009

OAB 139º - 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito do Trabalho Professor André Luiz Data: 16/06/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 4ª Aula: Justa Causa; Direito Coletivo do Trabalho. 1. Justa Causa (JC) JC é a forma de demissão e falta grave é a conduta irregular do empregado que por uma ou várias vezes leva

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO

DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em julho/2015 DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO 1. DIREITOS DO TRABALHADOR NA RESCISÃO DO CONTRATO O presente artigo abordará os direitos do trabalhador

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

2.5.5 Contrato por prazo indeterminado 2.5.6 Contrato por prazo determinado 2.6 Contrato por prazo determinado da CLT 2.7 Terceirização 2.

2.5.5 Contrato por prazo indeterminado 2.5.6 Contrato por prazo determinado 2.6 Contrato por prazo determinado da CLT 2.7 Terceirização 2. SUMÁRIO 1. DIREITO INDIVIDUAL DO TRABALHO INTRODUÇÃO 1.1 Fontes do Direito do Trabalho 1.1.1 Classificação 1.1.2 Hierarquia entre as fontes justrabalhistas 1.2 Princípios do direito do trabalho 1.2.1 Princípio

Leia mais

Fim do contrato por prazo determinado: este contrato termina no fim do prazo ou quando finda a obra para a qual foi o empregado contratado.

Fim do contrato por prazo determinado: este contrato termina no fim do prazo ou quando finda a obra para a qual foi o empregado contratado. Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 25 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Na doutrina não há unanimidade no uso dos termos qualificadores do término do contrato de trabalho, são empregadas

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

CONHEÇA A SUA CONVENÇÃO COLETIVA

CONHEÇA A SUA CONVENÇÃO COLETIVA CONHEÇA A SUA CONVENÇÃO COLETIVA O objetivo dessa seção é detalhar as cláusulas da convenção coletiva vigente para o período de 2011/2012, que foi assinada entre o seu Sindicato e o SEAC sindicato patronal

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. Os princípios éticos que orientam nossa atuação também fundamentam nossa imagem de empresa sólida e confiável.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. Os princípios éticos que orientam nossa atuação também fundamentam nossa imagem de empresa sólida e confiável. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA 1. Introdução Os princípios éticos que orientam nossa atuação também fundamentam nossa imagem de empresa sólida e confiável. Este Código de Ética e Conduta da UTC Participações

Leia mais

Proteção ao Trabalhador Menor

Proteção ao Trabalhador Menor Proteção ao Trabalhador Menor O trabalhador menor ganhou proteção legal para o desempenho de suas atividades, razão que lhe assiste por se encontrar num processo de amadurecimento físico, mental, moral,

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

1º DIA FASE INTERNA DA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

1º DIA FASE INTERNA DA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS 1º DIA FASE INTERNA DA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS 1. Qual a legislação básica que regula a prestação de serviços terceirizados? R. Constituição Federal, artigo 37, Decreto Lei 200/67, Decreto

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. (ART. 442 ao 456, CLT)

CONTRATO DE TRABALHO. (ART. 442 ao 456, CLT) Direito do Trabalho Aula 02 Contrato de Trabalho; Terceirização e afins; alteração contratual Maria Inês Gerardo CONTRATO DE TRABALHO (ART. 442 ao 456, CLT) CONTRATO DE TRABALHO Requisitos de validade

Leia mais

CÁLCULOS TRABALHISTAS

CÁLCULOS TRABALHISTAS CÁLCULOS TRABALHISTAS Remuneração - Salário acrescido da média das variáveis (exemplo: comissões) dos últimos 12 meses. - Média: soma das 6 maiores parcelas variáveis mês a mês, divididas por 6, dentro

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA

JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA 1 / 5 JORNADA DE TRABALHO 1 LIMITE DE DURAÇÃO E ANOTAÇÃO DA JORNADA PACTUADA A jornada máxima de trabalho, fixada pela Constituição Federal de 1988 e confirmada pelo art. 58 do Estatuto Laboral, é de 8

Leia mais

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO Código: MT.GPES.001 Data: 30/08/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: 1. INTRODUÇÃO CONSIDERANDO QUE O REGISTRO DE PONTO ESTÁ PREVISTO NA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO CLT, NO ARTIGO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

Folha responde a 70 dúvidas de leitores sobre a PEC das domésticas

Folha responde a 70 dúvidas de leitores sobre a PEC das domésticas Folha responde a 70 dúvidas de leitores sobre a PEC das domésticas Os trabalhadores domésticos vão ganhar mais direitos com a promulgação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que garante a eles o

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais