Artigo publicado. na edição 10. Assine a revista através do nosso site. maio/junho de 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo publicado. na edição 10. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio/junho de 2009"

Transcrição

1 Artigo publicado na edição 10 Assine a revista através do nosso site maio/junho de 2009

2 a : : Artigos Desafios e tendências na aplicação de sistemas APS no Brasil Uma abordagem empresarial e prática para a implementação de ferramentas avançadas de planejamento e programação da produção com menores riscos e resultados mais expressivos. Cristhiano Stefani Faé é graduado e mestre em Engenharia de Produção pela UFRGS. Possui grande experiência em projetos APS e como consultor e instrutor atua nas áreas de Gestão de Estoques, Planejamento de Demanda e Gestão Avançada da Produção. Atualmente, é diretor executivo da ACCERA Supply Chain Solutions. A implantação de ferramentas APS (Advanced Planning and Scheduling) já não é mais privilégio de algumas poucas grandes empresas. São cada vez maiores os relatos de projetos em empresas dos mais variados portes e segmentos e também são cada vez mais frequentes os casos de sucesso nos quais se obtém resultados expressivos com esta tecnologia. Porém, como toda tecnologia que causa grandes mudanças, diversos obstáculos surgem neste processo. Nessa linha, o presente artigo abordará alguns desafios encontrados e aspectos relevantes que devem ser considerados no momento de implantação do APS. Além de fazer uma revisão conceitual do tema, o texto tratará ainda de tendências futuras de aplicações da ferramenta. Alexandre Erhart é engenheiro de Produção pela UFRGS com MBA em Logística Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas FGV. Possui grande experiência de consultoria em gestão avançada da produção e diversos casos de sucesso de implantação de sistemas APS. É certificado PMP pelo Project Management Institute. Atualmente, é diretor de Projetos e responsável pela unidade de negócios de Programação Fina da Produção na ACCERA Supply Chain Solutions. 52

3 radicionalmente a informatização da gestão da manufatura costuma ser deixada em segundo plano em grande parte das empresas. É quase uma regra dos fornecedores de Sistemas Integrados de Gestão (ERP) e integradores de sistemas iniciarem as implantações dos pacotes de ERP pelas áreas financeiras, contábeis e administrativas. Somente na fase final, após longos meses de projeto, são iniciadas as parametrizações dos módulos de manufatura, tais como o Planejamento das Necessidades de Materiais (MRP), o Planejamento de Capacidade (CRP) e o Plano Mestre de Produção (MPS). Nesse momento, para aquelas empresas que obtêm sucesso e finalizam de forma satisfatória a implantação dos módulos industriais, começam a surgir questionamentos sobre a real aplicabilidade e a aderência destas ferramentas em relação aos seus processos produtivos. Esta situação é justificada pelo fato dos módulos de manufatura existentes nos sistemas de ERP não contemplarem uma série de necessidades específicas das atividades de Planejamento, Programação e Controle da Produção (PPCP). Esta frustração é agravada ao passo que as atividades de PPCP exercem elevados impactos na competitividade das empresas, tendo em vista que o seu desempenho tem influência direta nos níveis de estoques de produtos acabados, no material em processo, na confiabilidade, na performance de entrega, na flexibilidade, na capacidade aparente de produção, dentre outros fatores. Dentre estas atividades, certamente as de programação da produção (plano de curto prazo) são as mais carentes em nível de sistema. Tais tarefas, a princípio, deveriam ser simples, pois estariam sendo suportadas por um plano de produção de longo prazo e por um plano mestre de médio prazo, com as necessidades de capacidade de produção analisadas e equacionadas em tempo hábil. Porém, dentro da dinâmica empresarial, instabilidades de curto prazo, como cancelamentos, adiantamentos ou acréscimos em pedidos dos clientes, alterações nas especificações dos itens, ou ainda, deficiências na qualidade e nos ritmos de trabalho, fazem com que a eficiência do sistema produtivo dependa fundamentalmente de um processo dinâmico de sequenciamento e emissão do programa de produção (TUBINO, 2007). Conhecendo a importância estratégica que as atividades de PPCP exercem em uma organização, as indústrias vêm preocupando-se cada vez mais com estes temas. Segundo Zattar (2004), pesquisas na área começaram em meados do século XX. Na década de 1970 os computadores tornaram-se mais poderosos e baratos, viabilizando o surgimento dos softwares como os sistemas de MRP. Como os MRPs eram limitados e não tratavam da capacidade dos recursos produtivos da empresa em nenhum nível de sua solução, na década de 1980 foram lançados os sistemas de Planejamento de Recursos de Manufatura (MRP II). Assim como o MRP, que não considerava os recursos produtivos, o MRP II também possuía uma deficiência: considerava como infinita a capacidade dos recursos instalados e como constantes os lead times, de forma independente da demanda. Esta falta de visibilidade dos recursos resultava em um plano de produção não confiável e somente referencial. Em paralelo aos sistemas MRP II, outra solução começava a ser pesquisada, os Sistemas de Programação com Capacidade Finita (FCS Finite Capacity Scheduling) e posteriormente os Sistemas de Planejamento e Programação Avançados (APS Advanced Planning and Scheduling) (ZATTAR, 2004). A análise desta evolução de sistemas nas últimas décadas está ilustrada na figura 1. Sistemas manuais Início do uso de computadores, basicamente na área financeira Surgimento do MRP 1970 Figura 1. Evolução dos sistemas nas últimas décadas. Portanto, os sistemas APS foram desenvolvidos para suprir importantes lacunas do gerenciamento de produção das indústrias. Desde a sua criação, diversos sistemas foram desenvolvidos no mundo todo e, atualmente, o mercado de softwares APS pode ser dividido em três principais grupos de fornecedores: a) fornecedores de ERP que possuem um módulo de APS como parte integrante da sua plataforma; b) fornecedores de uma plataforma completa de Supply Chain Management que possuem um módulo de APS como parte integrante do seu pacote de soluções; c) fornecedores independentes e especialistas em softwares APS. Ao longo dos últimos anos, as ferramentas APS foram passando por um pro Surgimento do MRPII Surgimento do ERP, MES, FCS e APS Amadurecimento do APS e difusão de sistemas de SCM Ano II edição 9 53

4 cesso de amadurecimento, no qual tanto as indústrias quanto os fornecedores dos sistemas passaram a compreender, de forma mais abrangente, as barreiras e desafios encontrados nas implantações. Assim como toda nova tecnologia, os softwares APS causam impactos culturais e demandam mudanças comportamentais nas empresas. Entretanto, as pesquisas têm mostrado que os benefícios dos APS são bastante expressivos e geralmente estão relacionados a: redução dos estoques, melhor aproveitamento dos recursos, redução dos atrasos nas entregas e redução dos materiais em processo. Na estreita do amadurecimento do conceito do APS, as empresas passaram a buscar novas ferramentas que trouxessem uma maior aproximação com os elos da sua cadeia. Como já estava consolidada uma sistematização das áreas administrativas e de manufatura, a partir deste século as organizações passaram a enxergar a necessidade de atuar de forma colaborativa ao longo da cadeia de suprimentos, buscando a satisfação dos clientes finais e a eficiência de todos os elos da cadeia. Foi nesse momento que se verificou o lançamento de uma nova onda de implantação de pacotes de tecnologia da informação: a dos sistemas de Supply Chain Management. Estes sistemas ofereciam módulos como Planejamento dos Transportes (TMS), Gerenciamento de Armazéns (WMS) e Planejamento de Demanda. O artigo está focado em um estudo sobre as ferramentas APS baseando-se em materiais de pesquisa, em bibliografias acadêmicas e na experiência profissional dos autores. Inicialmente será feita uma breve revisão teórica para contextualizar o assunto. Em seguida, serão discutidos os principais desafios e aspectos relevantes que devem ser considerados para a condução de uma implantação de APS. Por fim, o artigo propõe uma análise sobre tendências futuras de aplicações da ferramenta. Sistemas APS Os softwares APS são ferramentas especialistas em planejamento e programação avançada de operações. Estes sistemas utilizam o conceito de programação com capacidade finita e são capazes de considerar diversas variáveis de um sistema produtivo necessárias para gerar um plano de produção viável e factível. Na tabela 1, são destacadas as principais características dos sistemas APS: Capacidade finita: Relacionamento entre ordens: Reprogramação: Simulação de cenários: Promessa de entrega: Regras de sequenciamento: A capacidade efetivamente disponível dos recursos produtivos e demais restrições do processo (ferramentas e operadores, por exemplo) são consideradas analisando a disponibilidade momento a momento, conforme gráfico de Gantt. As ordens de produção dos diferentes itens que compõem uma estrutura de montagem, estejam elas sumarizadas ou não, podem ser vinculadas com relações de precedência. Desta forma, o atraso na produção de um subcomponente pode ser refletido na programação das operações de um produto acabado, tornando as programações realistas e dinâmicas. Os imprevistos e as alterações no andamento da produção durante a execução das ordens são considerados para que seja feita a atualização dinâmica e a reprogramação das operações. Diferentes cenários de programação podem ser gerados a partir de modificações de critérios de programação, parâmetros de restrição ou alterações manuais. Os resultados previstos dos diferentes cenários podem ser comparados a partir de diversos objetivos de desempenho para estabelecer a melhor condição de produção antes de liberar a programação. Prazos de entrega para o atendimento do pedido do cliente podem ser simulados avaliando a disponibilidade de capacidade (Available to Promise ATP) e disponibilidade dos estoques (Capable To Promise CTP). Heurísticas e algoritmos de otimização que consideram diversas restrições e diferentes critérios de programação. Tabela 1. Principais características de um sistema APS. Os sistemas APS não foram desenvolvidos com o intuito de substituir nem de excluir os sistemas MRP e MRPII, mas sim de suprir as suas carências e de complementá-los. Ou seja, apesar de estarem aptos a trabalhar de forma isolada (stand alone), os sistemas APS surgiram com o propósito de funcionar integrados com outros softwares, como forma de evitar a duplicidade de dados cadastrais e a sobreposição conflitante com os demais sistemas de gestão (FAÉ; ERHART, 2005; 54

5 ERHART et al, 2007). De acordo com a abordagem de Ritzman & Krajewski (2004), o MRP transfere ao APS a informação detalhada da demanda que deve ser programada e esse devolve ao MRP as datas realistas de início e fim de produção das operações, para fins de reprogramação das necessidades de materiais. Segundo Corrêa et al, (2001), este modelo de aplicação é classificado como um sistema híbrido, tendendo a ser bastante utilizado, pois atua de forma complementar e preenche as carências tradicionais de um sistema de PPCP. Este modelo pode ainda ser descrito em três níveis hierárquicos da manufatura: longo (por exemplo, MPS), médio (por exemplo, MRP) e curto prazo (por exemplo, APS) (VOLMANN et al, 1997). Um exemplo hipotético de um sistema híbrido MRP/APS/MES de planejamento, programação e controle da produção pode ser observado na figura 2. Neste modelo, o MRP gera as ordens de produção e o APS realiza a programação fina da produção, disponibilizando as informações de execução para a fábrica em formato eletrônico através de um sistema MES (Manufacturing Execution System). A seguir, as datas realistas de início e fim das ordens são retornadas para o ERP para que sejam revisadas as datas de planejamento de aquisição de materiais. À medida que a programação é realizada na fábrica, os apontamentos de paradas de máquina e andamento das operações são coletados através do sistema MES e enviados para o APS, para que a programação possa ser corrigida e atualizada novamente. o tamanho dos lotes e o sequenciamento das ordens de produção interferem nas perdas por setup e influência na produtividade; a demanda não é conhecida e varia significativamente ao longo do tempo; a variação do mix da demanda altera dinamicamente os gargalos da produção; o lead time é muito variável em função da carga da fábrica; os fluxos de produção são complexos e difíceis de serem tratados através de gestão visual. Dentre os principais resultados verificados nas implantações, destacamse: melhoria no nível de serviço; redução do material em processo; aumento de capacidade aparente; redução de custos de estoques; redução de custos de mão-de-obra e terceirização. Principais desafios e aspectos relevantes para implantação Figura 2. Modelo hipotético de um sistema de PPCP com integração entre MRP, APS e MES. Devido ao nível de detalhe que pode ser absorvido na modelagem do sistema produtivo, os softwares APS são bastante adequados para empresas que atuam em ambientes complexos e dinâmicos, pois conseguem absorver e refletir a maioria das variáveis envolvidas nas decisões sobre a programação. Os sistemas APS podem ser empregados em praticamente todos os tipos de sistemas produtivos, mas seus benefícios são sensivelmente maiores nos ambientes que contêm os seguintes elementos (CARVALHO, 2009): a programação de produção é preponderantemente limitada pela capacidade e não pela disponibilidade dos materiais; a estrutura de produtos contempla montagens e as operações possuem características que necessitam de sincronismo; Apesar de ser uma das ferramentas mais solicitadas pelas gerencias industriais da maioria das empresas, é preciso reconhecer que um projeto de implantação de ferramenta APS envolve uma série de desafios para que possa tornar efetivo todo o seu potencial de geração de resultado. A seguir, são destacados os principais desafios e aspectos relevantes que as empresas precisam considerar para obter sucesso na seleção e implantação de um sistema APS. Identificar os requisitos-chave Antes de selecionar uma solução APS, é fundamental identificar com todas as áreas envolvidas quais são os Ano II edição 9 55

6 principais objetivos que devem ser traçados e, a seguir, quais os requisitos-chave que devem ser considerados. Ao longo do processo de seleção, funcionalidades adicionais e objetivos secundários podem desviar o foco de atenção. Os esforços devem estar concentrados na obtenção de um rápido retorno sobre o investimento realizado, através de uma solução simples de ser implantada e ao mesmo tempo focada nos principais objetivos. Neste sentido, é importante verificar que a incorporação de funcionalidades sofisticadas e que não são fundamentais para o bom desempenho da solução podem ser agregadas em etapas posteriores ao início da utilização do sistema. A definição clara e homogênea das expectativas de todas as áreas e a relação dos requisitos necessários são os principais fatores que devem ser considerados para minimizar o risco de frustração entre as partes interessadas. Selecionar software e fornecedor qualificado A escolha do fornecedor de software APS mais adequado passa necessariamente por um processo de seleção em que diversos critérios devem ser considerados. Para cada empresa, estes critérios poderão ter pesos diferentes e ter mais ou menos importância durante o processo. Dado o sensível crescimento no volume de implantações, autores como Pacheco e Cândido (2002) vêm desenvolvendo estudos para determinar uma metodologia para seleção de soluções APS. Este artigo não pretende explorar detalhadamente tais metodologias nem tampouco propor uma nova sistemática de seleção. Entretanto, algumas diretrizes importantes devem ser consideradas no momento da definição dos softwares que farão parte do processo de seleção, da definição dos fornecedores de serviços de implantação destas soluções e no momento da análise de aderência das opções aos processos da empresa. Estas premissas podem ter impacto direto no sucesso do projeto e são assim descritas: Escolha dos softwares: os softwares que serão avaliados no processo de seleção deverão, sobretudo, dispor das funcionalidades demandadas pela empresa. É importante também que esses sistemas disponham de um suporte local qualificado para prestar um rápido apoio técnico quando necessário. A abrangência da base instalada também é importante para dar maior segurança em relação à aplicabilidade e à incidência de problemas. Pelo caráter analítico que um APS possui, a usabilidade e boa interface são itens que podem contribuir para a sua utilização. Por fim, neste ponto também é fundamental levar em conta a relação custo benefício do sistema. Os valores entre uma opção e outra podem variar bastante, sobretudo em função de que estas ferramentas possuem características e abordagens distintas para a programação com capacidade finita e, na maioria das vezes, são de propriedade de fornecedores sediados em outros países. Qualificação dos fornecedores: a escolha do fornecedor adequado para conduzir o projeto de implantação deve levar em conta a existência de uma: (i) equipe qualificada e que tenha amplos conhecimentos em PPCP e engenharia de produção; (ii) metodologia de implantação consolidada; (iii) suporte pós-implantação; e (iv) cases de sucesso e clientes de referência. Uma boa estratégia neste item é realizar visitas técnicas em clientes do fornecedor. Análise de modelagens e protótipos: o desenvolvimento de protótipos com os produtos e processos da empresa é, sem dúvida, a melhor maneira de avaliar a aderência da ferramenta, a flexibilidade e a qualidade na resposta do fornecedor do APS. As empresas devem modelar um problema de sequenciamento com dados que representem de forma sucinta a sua realidade e enviar estes dados para que os fornecedores elaborem os seus protótipos e façam demonstrações dirigidas para posterior avaliação. Definir escopo correto e aderente ao negócio da empresa A implantação de um software APS não segue apenas um modelo convencional de aplicação e integração. Dependendo do tipo de orientação do sistema produtivo (voltado contra pedido ou contra estoque), das características do processo produtivo, dos demais sistemas envolvidos no planejamento e dos objetivos principais que se deseja atingir, o formato da solução pode ser definido de uma forma bastante diferente. É comum observarmos casos de empresas muito semelhantes sob o ponto de vista do negócio e do sistema produtivo, mas com soluções APS bastante distantes, sendo que ambas obtêm resultados expressivos utilizando a sua ferramenta. Isto se deve pela facilidade de adaptação de uma ferramenta APS para necessidades distintas, permitindo focar a modelagem do sistema de acordo com as características do ambiente e aos objetivos específicos que a solução se propõe a atender. Desta forma, destaca-se a importância de identificar um formato de utilização e integração que esteja alinhado às estratégias da empresa. Neste sentido, muitas vezes sugere-se iniciar o processo com um diagnóstico de prontidão e especificação ou com um projeto piloto limitado a uma área específica da empresa. 56

7 Aproveitar os sistemas existentes Uma importante premissa para um projeto de implantação de um software APS é o aproveitamento máximo dos recursos técnicos já disponíveis na empresa, incluindo sistemas de informação, tecnologia de hardware e interfaces de comunicação. Desta forma, é possível reduzir de forma significativa as despesas, esforços e tempo de implantação. Um exemplo desta situação é verificado nos casos em que a empresa já possui um sistema MRP, mesmo que não esteja atendendo às necessidades de forma plenamente satisfatória, e decide abandoná-lo para realizar a explosão das necessidades e geração de ordens pelo APS. Na prática, o que se verifica nestes casos é que as mesmas dificuldades que limitaram o uso do MRP no passado são agora transferidas para o APS ou poderiam ser solucionadas de forma razoavelmente simples. Conforme vimos anteriormente, o APS potencializa e, muitas vezes, torna o MRP viável através da atualização das ordens com datas realistas respeitando a capacidade de produção, mas isto pode ser obtido através de uma simples interface de atualização de dados entre os dois sistemas. Além das desvantagens de desviar o foco do projeto, ampliar as despesas de licenciamento e implantação e realizar uma nova implantação de um módulo existente, é preciso ainda ter cuidado para garantir que não haverá perda ou duplicidade de informações importantes para outros processos no ERP (custos gerenciais, por exemplo). Portanto, é fundamental identificar na fase de elaboração do escopo do projeto quais os sistemas deverão estar integrados para aproveitar, na medida do possível, os investimentos já realizados. Ao atender esta premissa, fica definida de forma clara e objetiva a participação de cada sistema no ciclo de PPCP, explorando as potencialidades e preenchendo as lacunas adequadamente. Organizar a estrutura de dados Toda implantação de um sistema demanda uma correta base dados para que o seu funcionamento não seja prejudicado. No caso de um sistema APS, as principais informações necessárias para o desenvolvimento de uma modelagem são: cadastro de produtos, roteiros de produção, tempos de preparação e de operação, estoques, turnos de trabalho e cadastro de máquinas. Geralmente estes dados que estão cadastrados no ERP precisam passar por uma revisão no momento da implantação. Além disso, é muito importante que seja determinada uma sistemática para garantir a manutenção destas informações, uma vez que novos produtos são desenvolvidos, melhorias nos processos produtivos são realizadas e os tempos de processamento passam por modificações. Designar equipe qualificada Para a obtenção de resultados expressivos é preciso contar com uma equipe qualificada e devidamente comprometida e dedicada com o projeto de implantação. As características de um projeto de sistema APS pressupõem a alocação de uma equipe de alta capacitação técnica e multidisciplinar. Assegurando a devida transferência e absorção dos conhecimentos necessários, pode ser garantida uma maior aderência da solução e segurança durante e após o início da utilização do software. Neste sentido, é fundamental a alocação de um gerente de projeto com disponibilidade, dedicação, poder de decisão e capacidade de exercer efetiva liderança sobre o grupo. A definição de alocação dos envolvidos da área de TI deve garantir que os esforços necessários da área de tecnologia sejam cumpridos de forma efetiva e dinâmica. Da mesma forma, os envolvidos das áreas de suprimentos, vendas e engenharia devem estar devidamente comprometidos e alinhados com os objetivos gerais do projeto para garantir a efetividade das ações necessárias. Por fim, destaca-se com prioritária relevância, a definição de usuários-chave (key user) com alta capacidade analítica, destreza computacional, facilidade de aprendizado, disponibilidade de dedicação, visão crítica e prospectiva e que tenha conhecimentos do negócio da empresa e de conceitos de engenharia de produção. Este fator é fundamentalmente relevante devido à característica analítica das ferramentas APS, que dependem da capacidade intelectual e técnica do usuário para interagir, avaliar o impacto das decisões e com isto atingir todo o potencial de desempenho que a solução pode proporcionar. Estabelecer e cumprir a metodologia de implantação De acordo com o Estudo de Benchmarking em Gerenciamento de Projeto realizado pelo PMI-BR em 2007, apenas 41% dos projetos da área de TI realizados no Brasil conseguem atender plenamente às expectativas dos clientes. Considerando que a implantação de um sistema APS possui o agravante de interferir na cultura da empresa e na relação de poder entre os envolvidos e requer o envolvimento de diversas áreas da empresa de forma sinérgica, podemos constatar que a gestão de projetos é um fator essencial para minimizar os riscos de insucesso. Ano II edição 9 57

8 Portanto, deve-se adotar uma metodologia de implantação formal e consolidada que conte com o apoio de ferramentas colaborativas para estreitar a comunicação entre todos os envolvidos e que contribua para a obtenção dos prazos e metas estipulados. Por fim, deve ser considerado que o impacto da mudança cultural precisa ser absorvido através de uma implementação gradual e que as tarefas e responsabilidades de cada um dos envolvidos devem estar claras e bem definidas. Uma estratégia que busca a excelência na gestão da produção como forma de diferenciação não pode estar apoiada em modelos convencionais e sistemas ultrapassados. A decisão estratégica que envolve superação de desafios acelera a maturidade e ajuda a resolver problemas antigos, fazendo a empresa alcançar níveis superiores de competitividade. Atualmente, as empresas de classe mundial estão adotando ferramentas de programação com capacidade finita, superando dificuldades conhecidas e dando um importante passo para alcançar uma vantagem competitiva em relação aos concorrentes. Principais tendências no Brasil Este capítulo tem o objetivo de apresentar algumas tendências de aplicações do APS no Brasil. De forma geral, as análises apresentadas dizem respeito a experiências dos autores através de constatações colhidas no meio acadêmico e empresarial. Estas discussões vêm sendo tratadas em cursos de extensão, eventos de Supply Chain, dissertações de mestrado, aulas de Engenharia de Produção, bem como em projetos de APS vivenciados pelos autores. Regras personalizadas de otimização Considerando a sua aptidão para tratar modelagens complexas com múltiplas restrições e a sua flexibilidade para personalizar regras especiais, os softwares APS têm se destacado em aplicações com regras personalizadas para negócios específicos. Uma aplicação típica deste tipo de regra consiste na resolução de problemas complexos de otimização de recursos com características especiais de ocupação de capacidade. Estas soluções geralmente são focadas em minimização do tempo total de setup, maximização da performance de entrega dos pedidos e minimização do estoque em processo. Indústrias de processo contínuo (por exemplo, tanques de preparação e linhas de envase) e sistemas produtivos que possuem recursos que processam múltiplos produtos simultaneamente baseado em suas características (por exemplo, tratamento térmico, rotomoldagem e injetoras rotativas) são os casos mais comuns encontrados nas empresas que utilizam este tipo de tecnologia no Brasil. Apesar da complexidade envolvida nestes modelos, os cenários destas aplicações envolvem carências importantes para as empresas. Considerando que as soluções utilizadas na prática pela maioria das empresas geralmente não utilizam a tecnologia apropriada (o mais comum são planilhas eletrônicas) e se baseiam na simplificação do problema para gerar um resultado viável, torna-se evidente que os ganhos oriundos de uma implantação de sistema APS com regra personalizada de otimização tendem a ser ainda mais expressivos do que os ganhos obtidos em aplicações convencionais. Considerando ainda que o aumento crescente dos casos de sucesso de implantação deste tipo de solução incentiva outras empresas e aumenta a experiência dos fornecedores, devemos considerar a utilização de regras personalizadas de otimização como uma forte tendência nas aplicações das soluções APS no Brasil. Soluções de planejamento com capacidade finita Considerando a crescente necessidade das empresas em personalizar os seus produtos com base nos requisitos dos clientes visando garantir a competitividade no mercado, cada vez torna-se mais necessária a adoção de políticas de atendimento contra pedido (make-to-order), como forma de reduzir os estoques e viabilizar o aumento da variedade de produtos. Desta forma, a produção baseada em previsão (make-to-stock) tende a ser utilizada principalmente para complementar a ocupação da capacidade produtiva quando a carteira de pedidos não é suficiente para garantir uma boa ocupação dos recursos. Com base neste cenário, uma condição muito importante para o negócio é o estabelecimento de um plano mestre de produção com um volume e mix que esteja coerente com a real capacidade dos recursos. Caso contrário, a utilização dos recursos produtivos poderá ficar comprometida com a produção direcionada para previsão enquanto pedidos são atrasados (capacidade superestimada) ou ficar ociosa reduzindo os índices de eficiência e produtividade (capacidade subestimada). Conforme apresentado nos capítulos anteriores, o plano mestre gerado pelo MRP ou pelo MRPII está baseado no conceito de capacidade infinita não possuindo todos os recursos tecnológicos que estão disponíveis nos sistemas APS para tratar as restrições dos processos produtivos. Com isso, a 58

9 utilização das soluções de planejamento com capacidade finita tende a ser ainda mais ampliada e explorada para a determinação de um plano de produção viável e otimizado. Nas soluções de planejamento com os sistemas APS, o objetivo é realizar a programação e simular alterações com base na demanda firme e prevista no intuito de adequar as datas e quantidades do plano mestre de produção antes de efetivá-lo. Integração entre soluções APS e S&OP Assim como o APS, as implantações de soluções de S&OP (Sales and Operations Plannig ou Planejamento de Vendas e Operações) têm demonstrado um crescimento significativo de aplicações nas indústrias do Brasil. De maneira geral, o S&OP busca o balanceamento entre capacidade e demanda, alinhando assim os planos estratégicos aos operacionais. Em uma análise de tendências para o mercado de S&OP, Wallace (2004) afirmou que as ferramentas APS podem ser extremamente benéficas para a análise de capacidade e restrições frente aos planos de vendas desenvolvidos no processo de Planejamento de Demanda. Esta visão do autor está bastante alinhada ao que foi apresentado neste artigo. Conforme foi visto, os sistemas APS trabalham com uma visão de capacidade finita, avaliando restrições de máquinas, pessoas, ferramentas e demais recursos que limitam a disponibilidade da fábrica. Portanto, entende-se que uma resposta confiável para a viabilidade ou não dos planos de vendas gerados pelo S&OP pode ser melhor alcançada com o uso de um software APS. Aproximação com Lean Manufacturing Os princípios da produção enxuta (Lean Manufacturing) propõem o ataque às perdas produtivas como forma de tornar a empresa mais competitiva. De acordo com esta teoria, os principais fatores de desperdício são: (i) produção em excesso, (ii) estoques em excesso, (iii) movimentação desnecessária de pessoas e materiais, (iv) tempo de espera acima do necessário e (v) redução de sucata. Nos últimos anos, uma série de iniciativas têm sido implementadas nas empresas para adotar esta filosofia, sempre com o objetivo comum de entregar os pedidos na data combinada, com mínimo de estoque, menores lead times possíveis e máxima utilização dos recursos. Entretanto, a utilização de ferramentas tecnológicas nos projetos de Lean Manufacturing ainda está em fase inicial de maturidade no Brasil, de forma que as soluções baseadas em um sistema avançado de planejamento geralmente são preteridas por modelos de gestão visual ou programação puxada através de kanban. Apesar da origem dos sistemas APS estar no passado bastante associada a uma referência que sempre esteve alinhada aos conceitos da produção enxuta, a Teoria das Restrições (TOC), os sistemas APS evoluíram com regras mais flexíveis do que simplesmente subordinar a programação ao gargalo, possibilitando uma maior flexibilidade e facilidade de adaptação a diferentes ambientes. Recentemente, a aproximação entre as empresas Toyota, principal promotor e referência de produção enxuta no mundo, e a Preactor International, empresa que atua na categoria de soluções APS, tem gerado uma série de novas iniciativas para aproximar as técnicas do Lean Manufacturing das soluções de programação com capacidade finita. Além das aplicações convencionais para sincronização, otimização de setup e maximização da performance de entrega, algumas soluções exclusivas para alinhamento com a filosofia Lean estão sendo desenvolvidas, com destaque para a aplicação de cálculo de nivelamento de produção Heijunka de forma automática, otimizada e dinâmica de acordo com a variação no mix da demanda. Estas soluções específicas, associadas aos diversos casos de sucesso de empresas que procuraram se tornar mais enxutas através do uso de uma programação fina eficiente e da tomada de decisões baseada em simulações detalhadas de produção, têm despertado um novo modelo de alinhamento entre os projetos de APS e Lean Manufacturing. Tecnologia no chão de fábrica Ao realizar a implantação de um sistema APS, o setor de PCP das empresas tende a absorver maior domínio sobre a produção, gerando planos mais otimizados, abrangentes e detalhados. É comum que cada um dos recursos produtivos receba uma programação detalhada das tarefas a serem realizadas, sendo este plano atualizado sempre que houver alguma mudança significativa na programação. Neste sentido, torna-se ainda mais importante que a distribuição das informações do PCP para o chão de fábrica seja feita de forma bastante eficaz, como forma de garantir que as modificações necessárias na programação sejam devidamente informadas na produção. Além disso, o planejamento fino aumenta significativamente a necessidade de obter feedback sobre aquilo que está sendo produzido e de receber informações dos imprevistos ocorridos, para que as novas condições sejam consideradas no momento de refazer e atualizar a programação para a fábrica novamente. Para aumentar esta interatividade entre o PCP e a fábrica, cada vez mais soluções tecnológicas para o controle da produção tem sido utilizadas. As listas de Ano II II edição

10 tarefas das ordens de produção que devem ser realizadas são transmitidas através de monitores LCD, enquanto quadros Andon divulgam importantes feedbacks sobre o desempenho realizado. A coleta de dados automática, através de terminais ou de sistemas supervisórios, aumenta significativamente a qualidade dos apontamentos, sendo esta mais uma tendência nas empresas que buscam soluções APS. Utilização em cursos de Engenharia de Produção Cursos de graduação ou de pós-graduação em engenharia de produção e áreas afins dificilmente possuem um laboratório tradicional para atividades práticas. Na maioria das vezes, o que se verifica nas instituições de ensino é a existência de um laboratório informatizado, sendo este um ambiente ideal para estimular o ensino através de atividades práticas com o uso de softwares. Assim sendo, a apresentação de workshops práticos com auxilio de recurso computacional para modelar um sistema produtivo em um software APS e a aplicação de exercícios de simulação de cenários demonstram-se como fatores diferenciais para consolidar os conhecimentos teóricos e aproximar os ensinamentos acadêmicos às reais necessidades das empresas. Aplicações em serviços Os sistemas baseados nos conceitos de gerenciamento de projetos, que algumas vezes são considerados como principal alternativa para a programação de operações no setor de serviços, devem ser encarados como aplicações baseados em atividades e não em recursos. Por este motivo, geralmente não são indicados para programação quando existem recursos compartilhados por diversas demandas e o foco de otimização está em melhor utilizá-los. Os sistemas APS, por sua vez, utilizam o conceito de programação com capacidade finita, sendo recomendado para o planejamento das operações do setor de serviços quando existe a preocupação de gerenciar, alocar e controlar a demanda considerando que os recursos são compartilhados por múltiplas tarefas e a capacidade de atendimento é limitada. Neste sentido, a adoção de modelos de programação com softwares APS baseado em atividades alocadas em recursos humanos mostra-se como uma tendência para as empresas do setor de serviços que buscam racionalizar a sua mãode-obra, simular cenários para tomada de decisões, sincronizar os processos e obter um melhor controle sobre as suas atividades. Considerações finais Notadamente, a gestão da manufatura é a área que mais carece de sistemas de gestão que realmente atendam às necessidades essenciais do negócio. Mesmo com o amadurecimento e melhor aproveitamento dos sistemas ERP, é muito comum em empresas de todos os portes a utilização de planilhas eletrônicas para suportar a realidade da programação da produção, como forma de realizar de forma manual aquilo que o sistema corporativo não atende. Entretanto, o advento dos softwares APS trouxe a possibilidade de preencher esta importante lacuna, aplicando conceitos de programação da produção com capacidade finita e utilizando alta tecnologia computacional para modelar os sistemas produtivos e gerar planos de produção de forma realista e otimizada. Este artigo mostrou quais são os principais desafios que devem ser considerados pelas empresas que procuram este tipo de ferramenta e conhecê-los antecipadamente é um fator fundamental para planejar adequadamente ações necessárias para aumentar as chances de sucesso. Além disso, foram destacadas as principais tendências de aplicação destes sistemas no Brasil, ajudando a compreender não apenas como funciona esta tecnologia, mas também de que forma ela vem evoluindo. Espera-se que esta leitura contribua para as empresas estarem alinhadas às melhores práticas adotadas no mercado no que se refere a implantações de ferramentas de programação com capacidade finita, auxiliando-as assim para a melhor condução de projetos APS. O artigo não teve a pretensão de esgotar aqui os assuntos levantados. Espera-se que novos estudos sejam realizados e que contribuam para a evolução deste tema. : : Referências CARVALHO, D. (2009) Os softwares que tornam sua empresa mais competitiva. Tecmaran Consultoria. CORRÊA, H. L; GIANESI, I. G; CAON, M. (2001) Planejamento, Programação e Controle da Produção. São Paulo: Atlas. FAÉ, C. S; ERHART, A. A introdução das ferramentas APS nos sistemas de planejamento, programação e controle da produção. Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Porto Alegre, ERHART, A.; FAÉ, C. S.; MENESES, G. Sistemas Avançados de Planejamento da Produção: Uma Aplicação na Indústria Moveleira. X Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais. Rio de Janeiro, RITZMAN, L.P. & KRAJEWSKI, L.J. (2004) Administração da Produção e Operações. São Paulo: Prentice Hall. TUBINO, D. F. (2007) Planejamento e Controle da Produção: Teoria e Prática. São Paulo: Editora Atlas. VOLMANN, T. E; BERRY, W. L; WHYBARK, D. C. (1997) Manufacturing planning and control systems, 4ª ed. Boston: McGraw-Hill. WALLACE, T. F. (2004) Sales and Operations Planning: The how-to handbook. T. F. Wallace & Company. ZATTAR, I.C. (2004) Análise da aplicação dos Sistemas Baseados no Conceito de Capacidade Finita nos diversos níveis da administração da manufatura através de estudos de caso. Tese de Mestrado. UFSC. 60

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

Artigo publicado. na edição 22. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2011

Artigo publicado. na edição 22. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2011 Artigo publicado na edição 22 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Lean Manufacturing e os softwares Aps Como aplicar o Lean Manufacturing

Leia mais

A introdução de ferramentas APS nos sistemas de Planejamento, Programação e Controle da Produção

A introdução de ferramentas APS nos sistemas de Planejamento, Programação e Controle da Produção A introdução de ferramentas APS nos sistemas de Planejamento, Programação e Controle da Produção Cristhiano Stefani Faé (UFRGS) fae@producao.ufrgs.br Alexandre Erhart (UFRGS) erhart@producao.ufrgs.br Resumo

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE

O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE O APS (ADVANCED PLANNING SYSTEMS) APLICADO AO ERP TECNICON: PRINCÍPIOS DE USABILIDADE Robson Pache (FAHOR) rp000705@fahor.com.br Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Vilmar Boeno Silva (FAHOR)

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

PROCEEDINGS SISTEMAS AVANÇADOS DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO: UMA APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA MOVELEIRA.

PROCEEDINGS SISTEMAS AVANÇADOS DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO: UMA APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA MOVELEIRA. SISTEMAS AVANÇADOS DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO: UMA APLICAÇÃO NA INDÚSTRIA MOVELEIRA. Alexandre Erhart, UFRGS, erhart@producao.ufrgs.br Cristhiano Faé, UFRGS, fae@producao.ufrgs.br Gustavo Meneses, UFRGS,

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil

Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil Artigo 09 Sistemas de programação com capacidade finita no Brasil Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos, Uso

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Sistemas de Administração e Gestão da Produção

Sistemas de Administração e Gestão da Produção Sistemas de Administração e Gestão da Produção Izabel Cristina Zattar izabelzattar@netvision.com.br www.grima.ufsc.br/izabel/index.html Os 3 Grandes Níveis do Planejamento Horizonte de detalhamento Diário/Semanal

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Os sistemas que fazem o que outros prometiam

Os sistemas que fazem o que outros prometiam Os sistemas que fazem o que outros prometiam Por Bruno Spadafora Ferreira Introdução Se você é consultor de empresas que lida com sistemas de gestão empresarial, como eu, certamente já observou situação

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015

PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015 PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015 Confidencialidade, Propriedade Intelectual e Marca Registrada Apresentação Renato Mendes renato.mendes@mezasoft.com

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa STRAIGHT MANUFACTURE Consultoria Logística e Industrial Apresentação da Empresa 1 Apresentação pessoal Bruno S. Ferreira Sócio-diretor da Responsável pelas áreas de: Logística Produtividade industrial

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Informações gerais Família de Gestão: Gestão de Materiais Carga Horária: 172 horas (96 horas presencial + 76 horas e-learning) Objetivo: Proporcionar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERALDO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS SISTEMAS AVANÇADOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO UMA APLICAÇÃO NA

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Pós-Graduação Fórum Lean Vale do Paraíba A contribuição do Lean-TOC-VMI para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann CIS-ERP / Grupo Everel 16maio2009 artur.moellmann@terra.com.br

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Parte II Leonardo Julianeli Na primeira parte deste texto*, foram apresentados os principais motivadores

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6 Introdução Há 50 anos, as cadeias eram gerenciadas por lápis, papel e calculadora. Hoje existem softwares. Esta parte da aula fará um tour pelos tipos de softwares

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RODRIGO OLIVEIRA PIERITZ

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RODRIGO OLIVEIRA PIERITZ UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS RODRIGO OLIVEIRA PIERITZ APLICAÇÃO PRÁTICA DOS SISTEMAS APS: UM ESTUDO DE CASO

Leia mais

Programação da produção adequada à realidade

Programação da produção adequada à realidade Divulgação TECNOLOGIA Programação da produção adequada à realidade Com a implantação de um sistema APS, de planejamento e programação detalhada da manufatura, desenvolvido pela Ortems, a fábrica da filial

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna Rodrigo Arozo A quebra dos silos funcionais e a integração entre as diversas áreas das empresas, bem como a adoção de uma visão por processos,

Leia mais

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção Bosch Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção por Douglas Costa Ferreira Mestre em Engenharia Mecânica pela UFPR - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA É COM A FGV SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA em Logística e Supply Chain Management Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Eduardo Dias Ferreira Belo Horizonte Agosto 2006 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivo... 4 1.1.1 Objetivo Geral... 4 1.1.2

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção DISCIPLINA: (considerando que Gestão de Materiais será tratada em outra disciplina - se não, sugere-se uma seção sobre o tema baseada no Capítulo 2 do livro de Corrêa, Gianesi e Caon, 2.001) PROFESSOR:

Leia mais

Politron - jogo de empresas para treinamento gerencial em MRP II - um ano de aplicação no Brasil

Politron - jogo de empresas para treinamento gerencial em MRP II - um ano de aplicação no Brasil Artigo 08 Politron - jogo de empresas para treinamento gerencial em MRP II - um ano de aplicação no Brasil Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle

Leia mais

A implantação de Lean Manufacturing implica em que TODA a empresa seja Lean, uma Lean Enterprise.

A implantação de Lean Manufacturing implica em que TODA a empresa seja Lean, uma Lean Enterprise. Lean Manufacturing A implantação do conceito de Lean Manufacturing em uma Empresa abrange todas as suas atividades operacionais, não se restringindo apenas à área Operacional. O sucesso da implantação

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEIVID MARQUES NUNES (UNIMINAS) deivid_ep@hotmail.com

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT

MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM LOGÍSTICA E SUPLLY CHAIN MANAGEMENT SIGA: TMBALSC*11/01 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1)

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) Wilson Roberto Nassar (2) Siméia Mendes do Amparo Dias (3) RESUMO A eliminação das lacunas na gestão da manutenção, com base na metodologia TPM, possibilita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda.

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Atualmente a tecnologia 3D já esta presente na grande maioria das engenharias do país. O que antes era uma tendência, agora é realidade. O próximo desafio é

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais