BENCHMARKING Estudo dos niveis de serviço

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço"

Transcrição

1 BENCHMARKING 2014 Estudo dos niveis de serviço

2 Objetivo do estudo BENCHMARKING 2014 O objectivo deste estudo é conhecer o nível de serviço oferecido pelos fabricantes do grande consumo aos distribuidores, nas entregas às plataformas de distribuição O estudo BENCHMARKING 2014, centra-se unicamente nas actividades relacionadas com supply chain, com o objectivo de identificar oportunidades de melhoria dos fornecedores em relação a entregas, prazos de entrega, gestão administrativa e capacidade de reacção, entre outros factores 2

3 Empresas participantes Fabricantes Distribuidores 3

4 Metodologia da análise (I) Grupos em scope no estudo 1 PEDIDO Cumprimento de quantidades, referências e validades solicitadas 2 ENTREGA Cumprimento dos prazos, horários e dias de entrega acordados 3 SUPORTE Estado das unidades de suporte 5 DOCUMENTAÇÃO Formato e conteúdo da documentação entregue 6 FACTURAÇÃO Grau de eficiência da gestão administrativa 7 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AFM, EDI e etiquetas GS CAPACIDADE DE PLANEAMENTO E REACÇÃO Capacidade de planeamento e reacção dos interlocutores 9 COLABORAÇÃO ENTRE FABRICANTE E DISTRIBUIDOR Relações estabelecidas entre fabricantes e distribuidores 4

5 Metodologia da análise (III) Amostra do questionário para as plataforma BENCHMARKING 2013 Avaliação da importância das questões A Crucial B Muito importante C Importante D Pouco importante E Nada importante IMPORTÂNCIA 1 L'OREAL 2 RENOVA 3 JONHSON & JONHSON 4 UNILEVER 5 DANONE 6 NESTLÉ 7 SUMOL COMPAL 8 UNICER 9 SCC 10 SOGRAPE 11 SOVENA 12 DELTA 13 NOBRE 1. PEDIDO Avaliações de 1 a 5 por questão e fornecedor 1 Um dos melhores fornecedores 2 Melhor do que os outros fornecedores 3 Igual aos outros fornecedores 4 Pior que a maioria dos fornecedores 5 Um dos piores fornecedores Avalie o fornecedor em função dos erros entre referências recebidas vs referências pedidas. Avalie o fornecedor em função dos erros entre quantidades recebidas vs quantidades pedidas. Avalie o fornecedor no cumprimento dos prazos de validade dos produtos entregues. Avalie o fornecedor em função do bom estado dos produtos na recepção. 2. ENTREGA Considera que o prazo de entrega do fornecedor se ajusta às suas necessidades? Avalie o fornecedor em função do cumprimento do prazo de entrega acordado. Considera que a frequência de entrega acordada se ajusta às suas necessidades? Avalie o fornecedor em função da execução das entregas nos dias acordados. Considera que o horário de entrega da mercadoria se ajusta às suas necessidades? Avalie o fornecedor em função do cumprimento dos horários de entrega acordados. Estabeleceu com o seu fornecedor os Acordos de Qualidade Concertada nas recepções? Avalie a eficiência do seu fornecedor em períodos especiais: campanhas promocionais, campanha de Natal, feriados e sábados. 5

6 Âmbito do estudo (I) Âmbito e distribuição geográfica Os grupos de distribuição responderam a um total de 11 questionários de avaliação que se traduz na participação de 11 plataformas de distribuição, distribuídas geograficamente da seguinte maneira: SUL NORTE ILHAS Plataforma Plataforma Plataforma AUCHAN 2 - DIA PORTUGAL EL CORTE INGLÊS JERÓNIMO MARTINS SONAE TOTAL

7 Tendências do sector da distribuição

8 Tendências do sector da distribuição (I) Práticas / Projectos logísticos 1. Centralização de fornecedores Existe um elevado nível de centralização de fornecedores nas plataformas de distribuição. A principal vantagem assenta no controlo da relação qualidade/preço da mercadoria e dos custos logísticos adjacentes AUCHAN: O objectivo não é a centralização dos fornecedores a 100%, mas fornecer um serviço 100% eficaz para as lojas que tenha reflexo nos clientes finais, seja no serviço ou no preço. Não fará sentido centralizar fornecedores que tenham uma operação de distribuição já de si muito eficiente. A principal mais-valia terá que ser sempre a relação entre qualidade/preço dos produtos e o impacto financeiro. Se todos os dias existem carros na estrada, não precisamos de trabalhar com stocks elevados nas lojas. DIA PORTUGAL: Tendo em conta os fornecedores englobados no estudo de Benchmarking, o nível de centralização para cada um deles é de 100%, ou seja, para cada um destes fornecedores, a totalidade da nossa linha de mercadoria está centralizada nos nossos centros de distribuição. De modo geral, o rácio de centralização da totalidade dos nossos fornecedores, ronda os 97%. Temos somente entregas directas às lojas para a PanRico, revistas e pão fresco. EL CORTE INGLÊS: A estratégia e a diversidade do negócio do El Corte Inglês não permitirá uma centralização a 100%, mas estão a ser estudadas e analisadas medidas que visão subir essa percentagem, quer em fornecedores quer em produtos específicos, porque acreditamos que a centralização permitirá um maior controlo da qualidade da mercadoria e dos respectivos custos logísticos. JERÓNIMO MARTINS: A centralização de fornecedores é um processo que permite agilizar as operações ao longo da cadeia de abastecimento, em escala, com benefícios evidentes quer para retalhistas quer para Fornecedores. A centralização de fornecedores é uma base de negócio, contudo existem sempre situações de natureza local ou regional sobre as quais não faz sentido. SONAE: Não é nossa intensão centralizar todos os fornecedores. Mantemos algumas entregas directas pela especificidade dos produtos e forma de gestão do fornecedor. Para artigos com potencial elevado de quebra (roubo e validade) convém encurtar a cadeia de abastecimento. Por outro lado, se o fornecedor tiver uma estrutura que permita a entrega directa, uma forma de gestão eficiente e que seja conveniente para ambas as partes mantém-se a entrega directa. 8

9 Resultados Gerais Entrega à plataforma

10 As perguntas mais importantes para a distribuição TOP 10 na PLATAFORMA AVALIAÇÃO: As 10 perguntas com maior importância obtida pelo agregado dos DISTRIBUIDORES GLOBAL GRUPO Perguntas mais importantes do estudo Importância Ranking 1.4 Pedido Avalie o fornecedor em função do bom estado dos produtos na recepção 9,75 1º 2.2 Entrega Avalie o fornecedor em função do cumprimento do prazo de entrega acordado 9,75 2º 7.6 Sistema de Informação Avalie o grau de etiquetagem GS1-128 do seu fornecedor na entrega 9,5 3º 2.1 Entrega Considera que o prazo de entrega do fornecedor se ajusta às suas necessidades? 9,25 4º 2.4 Entrega Avalie o fornecedor em função da execução das entregas nos dias acordados 9 5º 2.6 Entrega Avalie o fornecedor em função do cumprimento dos horários de entrega acordados 9 6º 2.8 Entrega Avalie a eficiência do seu fornecedor em períodos especiais: campanhas promocionais, campanha de Natal, feriados e sábados 9 7º 7.4 Sistema de Informação Avalie o seu fornecedor em função da gestão de promoções 9 8º 8.3 Planeamento e Reacção Avalie a capacidade dos interlocutores para gerirem correctamente as promoções 9 9º 1.3 Pedido Avalie o fornecedor no cumprimento dos prazos de validade dos produtos entregues 8,89 10º 10

11 Importância de cada grupo na PLATAFORMA (IV) Peso de cada grupo dos questionários O peso de cada grupo foi calculado em função da importância expressada pelos distribuidores a cada uma das perguntas que fazem parte do questionário: Plataforma Nível de importância 1. PEDIDO 14,21% Os grupos avaliados com maior nível de importância e que terão maior peso nas pontuações dos fabricantes são: PEDIDO ENTREGA SUPORTE DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 2. ENTREGA 13,78% 3. SUPORTE 12,18% 5. DOCUMENTAÇÃO 12,13% 6. FACTURAÇÃO 11,65% 7. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12,80% 8. CAPACIDADE DE REACÇÃO 11,72% 9. COLABORAÇÃO 11,53% 11

12 Ranking global do nível de serviço na PLATAFORMA AVALIAÇÃO: Media global de todas as avaliações na PLATAFORMA de cada um dos grupos de distribuição A EMPRESA X ocupa a sexta posição no ranking do nível de serviço global na plataforma Posição Fabricante Avaliação 1 SOGRAPE 6,77 2 RENOVA 6,65 3 SCC 6,48 4 6,48 5 6,48 6 EMPRESA X 6,44 7 6,39 8 6,37 9 6, , , , ,33 Avaliação máxima Avaliação media Avaliação mínima 12

13 Comparação global dos níveis de serviço na PLATAFORMA AVALIAÇÃO: Comparação entre fabricantes para cada grupo dos Níveis de Serviço na PLATAFORMA Top 3 Ranking de 1 a 3 Nível alto: Ranking de 4 a 6 Nível médio: Ranking de 7 a 10 Nível baixo: Ranking de 11 a 13 EMPRESA 1 EMPRESA 2 EMPRESA 3 EMPRESA 4 EMPRESA 5 EMPRESA X EMPRESA 7 EMPRESA 8 EMPRESA 9 EMPRESA 10 EMPRESA 11 EMPRESA 12 EMPRESA 13 PEDIDO ENTREGA SUPORTE DOCUMENTAÇÃO FACTURAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE REACÇÃO COLABORAÇÃO

14 Ranking global do nível de serviço na ENTREGA na PLATAFORMA AVALIAÇÃO: Média global de todas as avaliações do grupo ENTREGA A EMPRESA X ocupa a sétima posição no ranking do grupo ENTREGA com uma avaliação de 6,66 em 10 PLATAFORMA RANKING ENTREGA Posição Fabricante Avaliação 1 SOGRAPE 7,77 2 UNICER 7,54 3 SUMOL COMPAL 7,02 ENTREGA EMPRESA X MÉDIA Avalie o fornecedor em função do cumprimento do prazo de entrega acordado. Avalie o fornecedor em função da execução das entregas nos dias acordados. 8,5 7,47 6,5 6, ,83 Avalie o fornecedor em função do cumprimento dos horários de entrega acordados. 5 5, ,78 6 6,77 Avalie a eficiência do seu fornecedor em períodos especiais: campanhas promocionais, campanha de Natal, feriados e sábados. 6,5 6, EMPRESA X 6,66 8 6,52 9 6, , , , ,16 Acima da média. Abaixo da média. Grau de importância (Questão). Avaliação máxima. Avaliação média. Avaliação mínima. 14

15 Resultados por distribuidor

16 Segmentação por distribuidor do nível de serviço na PLATAFORMA AVALIAÇÃO: Comparação entre fabricantes e distribuidores em relação ao Nível de Serviço na PLATAFORMA Top 3 Ranking de 1 a 3 Nível alto: Ranking de 4 a 6 Nível médio: Ranking de 7 a 10 Nível baixo: Ranking de 11 a 13 EMPRESA 1 EMPRESA 2 EMPRESA 3 EMPRESA 4 EMPRESA 5 EMPRESA X EMPRESA 7 EMPRESA 8 EMPRESA 9 EMPRESA 10 EMPRESA 11 EMPRESA 12 EMPRESA 13 AUCHAN DIA PORTUGAL EL CORTE INGLÉS JERÓNIMO MARTINS SONAE

17 Segmentação por distribuidor no PEDIDO AVALIAÇÃO: Avaliação média por distribuidor do grupo PEDIDO na plataforma. Comparação tendo em conta a nota máxima e mínima facultada por cada distribuidor Distribuidor PLATAFORMA EMPRESA X Nota Máx. Nota Mín. 1 JERÓNIMO MARTINS 7,50 10,00 6,39 2 EL CORTE INGLÊS 6,77 10,00 5,57 3 DIA PORTUGAL 6,15 7,33 2,87 EL CORTE INGLÊS: As incidências em relação á mercadoria pedida e entregue são mínimas. A EMPRESA X teve uma boa avaliação pela maioria dos grupos de distribuição no grupo PEDIDO A EMPRESA X obteve uma das melhores notas do EL CORTE INGLÊS, contrastando com a nota atribuída pela AUCHAN 4 SONAE 5,60 7,50 4,19 5 AUCHAN 5,48 9,43 2,50 AUCHAN: A avaliação foi feita com base numa formula analítica entre embalagens estragadas vs embalagens recebidas. Neste grupo a EMPRESA X apresenta um número de incidentes mais elevado. DIA PORTUGAL: A EMPRESA X é um dos fornecedores que entrega as paletes completas e com os produtos ajustados ás dimensões da mesma. JERÓNIMO MARTINS: A EMPRESA X é um fornecedor regular, é cumpridor dentro dos limites normais, contudo não supera as expectativas. 17

18 KPI s por distribuidor no PEDIDO Avaliação KPI s % Encomendas COMPLETAS por documento (por encomenda) Distribuidor EMPRESA X Máx. Min. 1 DIA PORTUGAL 95,00 100,00 60,00 95,00 2 EL CORTE INGLÉS 80,00 100,00 20,00 * Média Total Fornecedores Status EMPRESA X Os KPI s do grupo PEDIDO apresentam valores médios. Negativamente destaca-se a % de Encomendas COMPLETAS por linha de encomenda e por unidade do EL CORTE INGLÊS 3 AUCHAN 75,00 94,00 3,00 56,56 4 JERÓNIMO MARTINS 73,91 96,98 14,86 * % Encomendas COMPLETAS por linha de encomenda Distribuidor EMPRESA X Máx. Min. Média Total Fornecedores Status 1 JERÓNIMO MARTINS 97,82 99,27 77,59 * 2 AUCHAN 94,37 99,63 86,62 95,00 3 DIA PORTUGAL 94,00 100,00 60,00 95,00 % Encomendas COMPLETAS por unidade (por unidade de consumo) 4 EL CORTE INGLÉS 80,00 100,00 80,00 * Distribuidor EMPRESA X Máx. Min. Média Total Fornecedores Status 1 JERÓNIMO MARTINS 97,82 99,60 89,43 95,51 2 AUCHAN 94,37 99,42 90,94 96,33 3 DIA PORTUGAL 94,00 100,00 60,00 95,00 4 EL CORTE INGLÉS 80,00 100,00 80,00 * * Dados não facultados pelas respectivas Insígnias 18

19 Conclusões globais do estudo

20 Pontos fortes e oportunidades de melhoria da EMPRESA X PONTOS FORTES OPORTUNIDADES DE MELHORIA Líder nos grupos da Plataforma: FACTURAÇÃO e COLABORAÇÃO Pró-actividade no que diz respeito à procura de eficiências geradas a partir de projectos colaborativos entre parceiros Excelente nível de serviço na utilização das mensagens EDI: ORDERS e INVOIC Bom nível de serviço para as entregas em toda as zonas geográficas Grupo PEDIDO: - Erros entre referências pedidas vs recebidas. - Cumprimento dos prazos de validade - Bom estado dos produtos na recepção Grupo DOCUMENTAÇÃO: - Formato e conteúdo das notas de entrega Grupo SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: - Actualização e alinhamento de dados. Nível de serviço oferecido ao EL CORTE INGLÊS em geral, e em aspectos concretos à JERÓNIMO MARTINS e AUCHAN Nível de serviço oferecido às plataformas, com especial foco no grupo SUPORTE 20

21 Conclusões do estudo (I) 1. Gestão do planeamento da procura entre fabricante e distribuidor Se partirmos da base que o forecast é um dos principais focos de atenção dos fabricantes e distribuidores e que este na maioria das vezes é errado, então a evolução deve ser no sentido da máxima colaboração possível, na área de demand planning entre fabricantes e distribuidores. Este terá de ser um dos projectos mais importantes para um futuro próximo. Se se contemplar a experiência das empresas líderes, se se utilizarem ferramentas de estatística de forecasting e se se explorar as sinergias entre empresas, então estas serão capazes de melhorar a qualidade do forecast. No entanto, a colaboração deve ser um pilar fundamental sobre o qual assenta este tipo de projectos. 2. Melhorar a comunicação entre os departamentos comercial e logístico Uma ferramenta para melhorar a comunicação entre departamentos e facilitar a compreensão das necessidades de cada uma das áreas da empresas é a realização de processos de Sales & Operations Planning (S&OP) dentro da empresa. Os benefícios são evidentes: melhoria do nível de serviço, redução de inventário, melhoria da previsão e agilidade na resposta a incidências e ainda a eliminação dos silos da empresa. Além disso, afecta directamente toda a eficiência na colaboração entre o fabricante e o distribuidor. O Customer Service Manager é o perfil mais adequado para liderar este processo, identificando/traduzindo as necessidades dos clientes para a empresa. 21

22 Cronograma do Projecto Principais Actividades Dez 2013 Jan 2014 Fev 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Jul/Set 2014 Aceitação do Projecto Fase I - Definição dos Conteúdos (2013/2014) Definição do Questionário Actualização do Questionário (Input Fabricantes) Fase II Realização do Estudo (2013/2014) Envio e Preenchimento dos Questionários Recolha e tratamento da Informação Reuniões individuais Fase III Análise e Resultados Análise da Informação Produção de relatórios com resultados Apresentação dos Resultados 22

23 A Visão da GS1 Portugal Na GS1, a nossa Visão é a de um mundo onde as coisas e a sua informação circulam com eficiência e segurança, para benefício dos negócios e melhoria da qualidade de vida das pessoas, todos os dias, em todo o mundo. Rua Prof. Fernando da Fonseca 16 Esc. II Lisboa T F

VISÃO E MISSÃOECR services

VISÃO E MISSÃOECR services VISÃO E MISSÃOECR services VISÃO Ser promotora da excelência nas relações eficazes e eficientes ao longo da cadeia de valor. MISSÃO Liderar o desenvolvimento e implementação de standards e de boas práticas

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

O Projecto FORBEN na Jomazé

O Projecto FORBEN na Jomazé centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal O Projecto FORBEN na Jomazé Mário Sousa Jomazé Louças Artísticas e Decorativas, Lda CTCV 29 de Maio de 2008 centro tecnológico da cerâmica e do

Leia mais

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Marcos Gaspar Carreira Técnico de CAD Um Mundo Um Sistema The Global Language of Business A Linguagem Global dos Negócios GS1 Início de actividade em 1977; Com sede

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística. Feira de Valladolid

Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística. Feira de Valladolid Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística Feira de Valladolid Copyright 2011 APLOG All Rights Reserved. 1 Desde 1991 20 anos de existência É uma associação de conhecimento,

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06 Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool Lisboa 2014-03-06 3 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC PT Data Pool O PROJETO IMPLEMENTAÇÃO O PROCESSO 4 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC

Leia mais

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos www.iirangola.com MASTERCLASS IT Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT Strategic IT Manager Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos Variáveis no desenho do orçamento: objectivos,

Leia mais

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 Grupo MedLog 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 MedLog - As Empresas MedLog Passado e Presente Distribuição de medicamentos

Leia mais

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA

COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA COMPRAS LOGÍSTICA í n d ic e COMPRAS Gestão e optimização de p. 134 Aprovisionamento e gestão de p. 134 Técnicas avançadas de de p. 135 Selecção e avaliação de p. 135 LOGÍSTICA Optimizar a gestão logística

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Estudo de Fiabilidade de Leitura em Loja EFICIÊNCIA DOS NÍVEIS SERVIÇO E QUALIDADE DOS DADOS DE PRODUTO

Estudo de Fiabilidade de Leitura em Loja EFICIÊNCIA DOS NÍVEIS SERVIÇO E QUALIDADE DOS DADOS DE PRODUTO Estudo de Fiabilidade de Leitura em Loja EFICIÊNCIA DOS NÍVEIS SERVIÇO E QUALIDADE DOS DADOS DE PRODUTO Agenda 1. Enquadramento a) Circunstâncias que justificam o projecto b) Objectivos gerais c) Vectores

Leia mais

Casos Práticos (Internacionais)

Casos Práticos (Internacionais) Casos Práticos (Internacionais) MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa Casos Estudo nos T&L Desenvolvido pelo GS1 Global

Leia mais

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187 Gestão Definição A Gestão determina as características da actividade da empresa no mercado, controlando as relações entre a tesouraria, o potencial e a rotação de produtos, os vendedores, os clientes,

Leia mais

e.newsletter GS1 Portugal

e.newsletter GS1 Portugal Caso não consiga visualizar corretamente, clique aqui A Linguagem Global dos Negócios Seminário Internacional de Boas Práticas Colaborativas Das plataformas logísticas às plataformas digitais. A 14 de

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

O Sistema GS1 Normas para os T&L

O Sistema GS1 Normas para os T&L O Sistema GS1 Normas para os T&L MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa O QUE É A GS1? Sem Fins Lucrativos Neutra em relação

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Congresso Nacional GS1 Portugal 10 Novembro Museu do Oriente. Inscreva-se já!

Congresso Nacional GS1 Portugal 10 Novembro Museu do Oriente. Inscreva-se já! Congresso Nacional GS1 Portugal 10 Novembro Museu do Oriente. Inscreva-se já! A GS1 Portugal CODIPOR apresenta o Congresso Nacional [de]coding the Future Value Chain, inteiramente dedicado à Linguagem

Leia mais

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal www.quidgest.com quidgest@quidgest.com 1. Introdução Novo contexto económico e tecnológico Metodologia 2. Agilidade Organizacional das

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial. Raquel Melo 1

MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial. Raquel Melo 1 MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial Raquel Melo 1 Índice Objectivos do estudo Sociedade da Informação nas Empresas Definição, Objectivos

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

Formação: Distribuição & Logística Melhoria e aperfeiçoamento do sistema de distribuição da empresa.

Formação: Distribuição & Logística Melhoria e aperfeiçoamento do sistema de distribuição da empresa. Formação: Distribuição & Logística Melhoria e aperfeiçoamento do sistema de distribuição da empresa. A Distribuição e a Gestão Logística é uma actividade que emprega um elevado e intenso volume de recursos

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01 CONTROLE DE ESTOQUES 1. Uma loja de departamentos pretende aproveitar o feriado de 01 de Janeiro para realizar o inventário anual de seu estoque, que possui 1.679.434 unidades

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 Estudo 2015 RETAIL Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Estudo Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto The global language of business GS1 EPCglobal/RFID Uma ferramenta logística RASTREABILIDADE INFORMAÇÃO EM TEMPO REAL GS1 EPC

Leia mais

Sonae Shared Services Centers. Domingos Sequeira

Sonae Shared Services Centers. Domingos Sequeira Apresentação do Estudo: Serviços Partilhados na Administração Pública 20 de Outubro de 2010 Sala do Senado, Reitoria da Universidade Nova de Lisboa Sonae Shared Services Centers Domingos Sequeira Patrocinadores

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA EMPRESA A WZ É UMA EMPRESA de consultoria em logística formada por profissionais com ampla experiência de mercado e oriundos de empresas dos setores varejista, atacadista, distribuidores e industrias.

Leia mais

The global language of business

The global language of business Serviços de ECR Roadshow Braga 25 de Novembro de 2010 ECR Services Pedro Vítor The global language of business Visão e Missão VISÃO Ser promotora da excelência nas relações eficazes e eficientes ao longo

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio. Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana

Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio. Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana Geomarketing Expansão e Desenvolvimento de Negócio Luis Pera Tiago Paulino Marco Viana Agenda Introdução Conceitos Gerais Orientação ao Negócio Valor Acrescentado do Geomarketing Gerir Forças de Vendas

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de Índice Preâmbulo 3 Análise estatística 4 Anexos 14 2 Preâmbulo O presente relatório tem por objecto as solicitações recebidas no

Leia mais

Missão da AproCS. Apoiar o Desenvolvimento do Profissional de Customer Service e/ou Contact Center

Missão da AproCS. Apoiar o Desenvolvimento do Profissional de Customer Service e/ou Contact Center Missão da AproCS Apoiar o Desenvolvimento do Profissional de Customer Service e/ou Contact Center Valores e Princípios isenta e apartidária sem fins lucrativos promotora da excelência e qualidade coloca

Leia mais

e.newsletter Abril_2014 .01 .02 .03 .calendário de Formação GS1 CONGRESSO NACIONAL GS1 PORTUGAL 2014 Comissão organizadora

e.newsletter Abril_2014 .01 .02 .03 .calendário de Formação GS1 CONGRESSO NACIONAL GS1 PORTUGAL 2014 Comissão organizadora CONGRESSO NACIONAL GS1 PORTUGAL 2014 Comissão organizadora.01 A GS1 Portugal vai realizar este ano a segunda edição do seu Congresso Nacional será no dia 23 de outubro, no Museu do Oriente, em Lisboa.

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO

Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO # Café-temático: Qualidade dos dados na Gestão da Informação Susana Gaspar Técnica de Qualidade dos dados GS1 4 de junho 2015 Agenda 1. Qualidade dos dados da informação 2.

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

FÁBRICA DE TINTAS 2000, SA

FÁBRICA DE TINTAS 2000, SA Sérgio Faria sfaria@tintas2000.pt Lisboa - Julho de 2009 FÁBRICA DE TINTAS 2000, SA A CRIATIVIDADE E A INOVAÇÃO COMO FACTORES DE COMPETITIVIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL www.tintas2000.pt Fábrica

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto

Plataforma de Compras Electrónicas. Sessão de Apresentação do Projecto Plataforma de Compras Electrónicas Sessão de Apresentação do Projecto 16 de Abril de 2007 Dr.ª Rosário Fernandes Estatísticas do Projecto (Fevereiro e Março de 2007) Utilizadores Orgânicas Fornecedores

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO CAFÉ DA MANHÃ 30/04/2014 AGENDA 1. Leroy Merlin Brasil: uma empresa em crescimento 2. A estruturação do Supply Chain Ø

Leia mais

Novas REGRAS DE VENDA ONLINE DE PRODUTOS ALIMENTARES

Novas REGRAS DE VENDA ONLINE DE PRODUTOS ALIMENTARES .01 Regulamento Europeu de Informação Alimentar 1169/2011: GS1 Portugal, APED e FIPA realizam sessão informativa SOBRE Novas REGRAS DE VENDA ONLINE DE PRODUTOS ALIMENTARES A GS1 Portugal, a Associação

Leia mais

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados Lançamento da Plataforma G.R.I.A. 20-04-2009 The global language of business O que é a sincronização de dados? 2009 GS1

Leia mais

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012

Commercial & Marketing. Estudos de Remuneração 2012 Commercial & Marketing Estudos de Remuneração 2012 Estudos de Remuneração Commercial & Marketing 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Funções de Marketing Funções Comerciais Assistente de Marketing pág. 12 Supervisor

Leia mais

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM Light GM POS GESTÃO COMERCIAL. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM As soluções de Gestão comercial GM são uma ferramenta essencial e indispensável para a correcta gestão de negócio e fomentador do crescimento sustentado das Empresas. Criado de raiz para ser usado em

Leia mais

Inovação Organizacional MLEARN

Inovação Organizacional MLEARN Inovação Organizacional MLEARN Jorge.s.coelho@sisconsult.com 25 de Setembro de 2009 Algumas questões de resposta difícil! Qual o Retorno do investimento em TI? Qual o Retorno da Certificação ISO? Qual

Leia mais

Escritórios de Barcelona: 143 Sobreático 08011 Barcelona - Espanha Telefone +34 937 247 477

Escritórios de Barcelona: 143 Sobreático 08011 Barcelona - Espanha Telefone +34 937 247 477 Perfil Corporativo Configuração, Implementação e Integração de Sistemas Aplicacionais de Negócio: Fundada em 1989 Presença directa em Portugal e Espanha +100 Clientes de média/grande dimensão, em vários

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 information TECHNOLOGY Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

GS1 Portugal CODIPOR homenageada pelos seus 25 anos de actividade. Roadshow GS1 Portugal passou por Matosinhos em parceria com AEP

GS1 Portugal CODIPOR homenageada pelos seus 25 anos de actividade. Roadshow GS1 Portugal passou por Matosinhos em parceria com AEP GS1 Portugal CODIPOR homenageada pelos seus 25 anos de actividade Paulo Gomes e João de Castro Guimarães, respectivamente Presidente e Director Executivo da GS1 Portugal CODIPOR, foram agraciados com a

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Sincronização de informação factor chave no Comércio Electrónico. Fernando Pereira

Sincronização de informação factor chave no Comércio Electrónico. Fernando Pereira Sincronização de informação factor chave no Comércio Electrónico Fernando Pereira Braga, 17 Novembro 2004 Agenda Apresentação da empresa Sincronização da informação Clarinet TM a solução da ParaRede Desafios

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Apoio à Gestão Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - ADMINISTRAÇÃO/GESTÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

Como participar em Feiras Internacionais. 19 de Junho de 2012

Como participar em Feiras Internacionais. 19 de Junho de 2012 Como participar em Feiras Internacionais 19 de Junho de 2012 Como participar em Feiras Internacionais A - Tipologias de Feiras B -Vantagens de Participar numa Feira C - Principais fases envolvidas nas

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LOGISTICA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem uma

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Índice. Logística e Gestão Logística. Gestão da Cadeia de Abastecimento. Introdução 17. Capítulo 1

Índice. Logística e Gestão Logística. Gestão da Cadeia de Abastecimento. Introdução 17. Capítulo 1 Índice Introdução 17 Capítulo 1 Logística e Gestão Logística 1. Introdução 23 2. Logística e Gestão Logística 24 3. Dimensões da Logística e da Gestão Logística 29 4. Características intrínsecas da Logística

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain SAP - Planejamento de Negócio Integrado Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain Agenda Introdução SAP Extended Supply Chain SAP Integrated

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 12 Organização para uma Logística Efectiva Objectivos do Capítulo Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho eficaz e eficiente da empresa Descrição de

Leia mais

Rastreabilidade e Eficiência dos Negócios na Agro-indústria

Rastreabilidade e Eficiência dos Negócios na Agro-indústria A origem e a qualidade dos alimentos estão na mira do Consumidor. Cada vez mais conscientes e exigentes, os Consumidores têm em conta uma série de atributos na hora de decidir o que vai para o carrinho

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

A Sustentabilidade dos Transportes na Cadeia de Abastecimento

A Sustentabilidade dos Transportes na Cadeia de Abastecimento A Sustentabilidade dos Transportes na Cadeia de Abastecimento 2 Índice Introdução 4 Sumário executivo 6 Metodologia e abordagem 8 Conclusões do estudo 10 Recomendações do grupo de trabalho 26 Agradecimentos

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Estratégia de Marketing na Comunicação Interna O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Conferência Mercator XXI Lisboa, 7 de Outubro 2004 O papel da comunicação no desenvolvimento dos negócios

Leia mais

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda

Wingiic Gestão Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria da Moda Wingiic Integrada Indústria de Moda de Dados Técnicos Codificação de Materiais; Conceito de escalas e cartazes de cores ; Fichas Técnicas; Processos de Fabrico; Fichas

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015 Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos 24 de Fevereiro de 2015 1 Agenda 08:00-8:30 Recepção 08:30-8:45 Abertura Margarida Bajanca, Partner Deloitte 08:45-9:30 Melhores

Leia mais

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto:

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto: Exemplos de Inovação Neste documento apresenta-se uma descrição dos vários tipos de inovação e respectivos exemplos para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com a introdução de inovações.

Leia mais

Gestores Colaboradores com participação activa na Gestão da Farmácia Gestores e/ou Contabilistas - Conhecer ferramentas fundamentais para melhorar a Gestão da Farmácia; - Conhecer o peso Contabilístico/Fiscal

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

Distinga-se pelo conhecimento

Distinga-se pelo conhecimento 2012 Distinga-se pelo conhecimento Índice Clique na Informação que deseja consultar Calendário de Formação GS1 Porquê Formação no Sistema GS1? Modelos de Formação Competências Informação Práticas 02 03

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais