Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital."

Transcrição

1

2

3 Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo de federação, de fato, inclusivo, sustentável e satisfatório tanto para as EJs aspirantes, em relação ao suporte recebido, quanto para a FEJEMG, se tratando do nível de maturidade das EJs recém federadas.

4 Objetivo Estratégico Aumentar o número de EJs federadas de forma inclusiva e sustentável. Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

5 1. Edital do PUF Será elaborado e divulgado o primeiro edital para o Processo Único de Federação OBS.: Já foi elaborado e divulgado. 2. Avaliação das EJs inscritas Para ter sua inscrição no processo validada, a EJ deverá responder um questionário de Perfil e enviar uma Carta de Motivação. A Coordenadoria de Expansão avaliará esses documentos, e as EJs que estiverem mais interessadas, preparadas e engajadas, seguirão para a próxima etapa. 3. Auditoria e treinamentos A Coordenadoria de Expansão irá auditar os documentos administrativos enviados pelas EJs aspirantes. Concomitante ao envio dos documentos, as EJs receberão treinamentos virtuais e presenciais (RPs) da Diretoria Executiva e Presidência do Conselho.

6 4. Sabatina de Federação As EJs aspirantes irão se apresentar para a deliberação do Conselho para sua federação à FEJEMG. 5. Programa de Suporte Durante o processo, as EJs aspirantes irão responder uma Avaliação de Maturidade, elaborada pela Diretoria de Desenvolvimento. Após a compilação dos dados da Avaliação, serão elaborados Planos de Ação para as EJs desenvolverem nos próximos seis meses após sua federação. Ao final desse período, a Coordenadoria de Suporte enviará um relatório sobre o desempenho das EJs durante essa última etapa do processo.

7 O foco desse programa é realizar um processo de federação com qualidade, desenvolvimento e suporte, garantindo que ao final dele, a FEJEMG federe EJs com certo nível de maturidade e que estejam alinhadas ao propósito da FEJEMG e do MEJ, como um todo.

8

9 O Programa de Regulamentação visa a implementação da cultura da regulamentação contínua em cada EJ, de forma que essas não tenham problemas em nenhuma documentação na época do Selo EJ, e se mantenham regularizadas durante todo o ano.

10 Objetivo Estratégico Regulamentar as EJs de Minas Gerais Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

11 1. Treinamentos sobre o Selo EJ Treinamentos serão elaborados e ministrados virtualmente pela Coordenadoria de Regulamentação, a fim de esclarecer as dúvidas sobre os 18 critérios do Selo EJ. OBS.: Já foram elaborados e ministrados. 2. Auditoria dos documentos A Coordenadoria de Regulamentação irá se dividir para executar a auditoria da melhor maneira possível, esclarecer as dúvidas das EJs e garantir atendimento personalizado a cada uma delas. 3. Parecer A Coordenadoria de Regulamentação irá elaborar um parecer sobre o Programa e as EJs que estão envolvidas. 4. Regulamenta FEJEMG Essa etapa acontecerá no segundo semestre, onde uma porcentagem das EJs serão sorteadas e deverão enviar a documentação solicitada dentro de um curto período de tempo, provando que a cultura de regulamentação está de fato difundida na sua EJ.

12 Sendo o foco desse programa, auxiliar a regularização das EJs durante todo o ano, espera-se a Regulamentação, através do Selo EJ, de pelo menos, 96% das EJs.

13

14 As EJs serão dividas em clusters de acordo com o segmento e disponibilidade e posteriormente receberão o treinamento da equipe de imprensa da FEJEMG sobre como lidar com a mídia. Os treinamentos acontecerão semestralmente.

15 Objetivo Estratégico Promover a marca EJ como opção acessível e de qualidade para o mercado. Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

16 -Formulação do questionário de participação e contato com as Ejs (março) -Formação dos Clusters (março) -Preparo do treinamento (março) -Realização dos treinamentos (março) -Recolhimento de Feedback (maio) Esse programa não terá custos para a FEJEMG.

17 A Diretoria de Comunicação é responsável, sendo a Coordenadoria de Imprensa a equipe envolvida. Esperase melhorar a quantidade e a qualidade das aparições em mídia das Ejs e Fortalecimento da marca EJ em Minas Gerais.

18

19 O Programa Desenvolve Minas tem como objetivo a prestação de suporte para as Empresas Juniores federadas à FEJEMG, buscamos consolidar o programa para que as consultorias possam de fato a atender as demandas da rede, através de consultorias que sanem lacunas de desenvolvimento das Ejs federadas a FEJEMG. Para isso, é necessário que essas demandas e projetos possam ser gerenciados de forma sustentável pela diretoria.

20 Objetivo Estratégico Alavancar o desempenho das Ejs através de programas de suporte direto Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

21 Estudo da base histórica do programa Fevereiro Mapeamento de Competências da equipe Fevereiro Redesenho do processo de consultoria - Fevereiro Determinação do Gerenciamento de Projetos - Março Lançamento do primeiro edital - Março Seleção, alocação e execução dos projetos das EJ s no programa Abril até Junho Revisão dos PD s e criação do primeiro pacote de produtos - Maio Estudo de novas demandas e Lançamento de um novo edital- Julho

22 A diretoria de Desenvolvimento deve ter em mente que a Federação deve dar apoio a potencialização das forças e redução das fraquezas das EJs federadas. Fazemos isso a partir de programas de suporte, para a alavancagem do desempenho e da atuação das EJs, fortalecendo a rede por completo. Com isso, buscaremos concretizar o programa para que a FEJEMG possa gerar valor, de fato, para suas EJs, desenvolvendo assim a rede, bem como recebendo comprometimento por parte das mesmas.

23

24 Buscamos com o programa a promoção e compartilhamento do conhecimento por meio de Palestras e Treinamentos online. Para 2015 essa não será a única metodologia de trabalho, além das ações on-line teremos ações em RPs e em um espaço virtual para o programa, trazendo palestrantes externos mas também promovendo as boas práticas das Empresas Juniores.

25 Objetivo Estratégico Alavancar o desempenho das Ejs através de programas de suporte direto Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

26 Mapeamento de necessidades e palestrantes - Março Definição da plataforma de trabalho on-line - Março Calendário de ações em RP s - Março Criação do modelo de compartilhamento de informações entre as EJ s (Fórum) - Março Uma ação com palestrante externo por mês - Março até Julho Uma ação de disseminação de conhecimento por mês Março até Julho

27 Sabemos que é possível fazer os treinamentos com periodicidade definida, mantendo mensalmente as ações com palestrantes externos e pós-juniores. Mas é necessário repensar o modelo de ações de compartilhamento de informações entre as EJ s e em mídias sociais, também devemos trabalhar ações do programa em RP s e nas mídias sociais

28

29 Criar oportunidades de troca de conhecimento em negócios entre Empresas Juniores do mesmo ramo de atuação mercadológica, com foco no desenvolvimento dos serviços prestados pelas EJs. Deste modo dividiremos o mesmo em três ciclos que serão trabalhos ao decorrer do ano, sendo eles: Ciclo de Gestão de Portfólio, Ciclo de Mercado e Ciclo de Inovação.

30 Objetivo Estratégico Alavancar o desempenho das Ejs através de programas de suporte direto Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

31 Estudo dos resultados do programa, revisando os clusters e escopos de trabalho do mesmo - Fevereiro Mapeamento de EJ s - Março Criação do material, para o ciclo de mercado - Março Ciclo Mercado - Abril até Junho Criação do material de trabalho para o ciclo de Portfólio e Inovação- Julho Ciclo de Portfólio - Agosto e Setembro Ciclo de Inovação - Outubro e Novembro Revisão do Programa - Dezembro

32 Assim o programa de Desenvolvimento em Clusters, ao final do ano, com a soma dos três ciclos, teremos Empresas Juniores entendendo o quanto um portfólio efetivo poderá contribuir na obtenção de mais e melhores projetos, além disso, as EJ s deverão entender que renovar é uma necessidade e principalmente teremos uma rede com uma consciência mercadologia efetiva.

33

34 Capacitar as EJ s nos conceitos, na estrutura e no funcionamento do Modelo de Excelência da Gestão, prestando assistência a elas na implantação e manutenção do Modelo e promover a melhoria das suas práticas de gestão, focando sempre na busca por resultados, que em nossa concepção é fazer mais e melhores projetos.

35 Objetivo Estratégico Alavancar o desempenho das Ejs através de programas de suporte direto Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

36 PEG Análise de dados anteriores - Fevereiro Criação de uma planilha histórica do PEG - Março Calendário de Ações - Março Controle e auxílio do preenchimento - (BJ) Módulos Restruturação dos módulos e ementa - Fevereiro e Março Execução do Programa - Abril até Junho

37 Buscamos com o Programa, ter o alinhamento das Ejs no MEG e um controle dos resultados dos módulos, para a atuação no preenchimento do PEG. Buscaremos com isso ter acesso aos resultados das EJs da FEJEMG, deste modo poderemos propor saltos e alinhar todas nossas empresas na obtenção de mais e melhores projetos.

38

39 Momento presencial para que junto a EJ, possamos cada vez mais conhecer e aproximar das EJ s e assim engajá-las para os programas da FEJEMG, bem como entender demandas e realidades da rede da FEJEMG.

40 Objetivo Estratégico Promover plataformas para a interação das Empresas Juniores de forma a alinhá-las ao propósito do MEJ Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

41 Criação do material, roteiro Março Estudo dos resultados do programa e como é feito em outras federações e na BJ também- Fevereiro Mapeamento de EJ s e calendário de visitas (Alinhados a RP) Março Revisão do Programa - Julho

42 Buscamos com Programa o a integração e alinhamento das Ejs com as ações da FEJEMG. é desse alinhamento que soluções inovadoras irão surgir e principalmente pontos de melhoria no processo. Podemos também ter um diálogo direto e presencial com nossas EJ s, pois, trabalharemos de maneira efetiva os mesmos

43

44 Captar recurso financeiro à FEJEMG através da imersão de empresários juniores na resolução de cases de empresas atuantes no mercado. A fim de participar neste projeto, as empresas investem na Federação e possuem a oportunidade de ter um contato, na prática, com empresários juniores, facilitando, assim, um futuro recrutamento à organização.

45 Objetivo Estratégico Posicionar o MEJ como agente de formação empreendedora Papel no Ciclo de Impacto Impacto no Ecossistema

46 Proposta para parceiros (Fevereiro) Prospecção ativa (constante) Edital de participação (Maio) Realização do Desafio (Agosto e Setembro) Premiação (Setembro) Relatório Final (Outubro) Custos estimados: passagem dos parceiros à cidade da apresentação final.

47 A Diretoria Presidência é responsável, sendo a Coordenadoria de Negócios a equipe envolvida. Espera-se por meio do Desafio FEJEMG aumentar a captação da FEJEMG e, ainda, oferecer aos empresários juniores um contato direto com empresas de mercado na resolução de cases reais.

48

49 Desenvolvido a partir de alguns pilares: I) Alinhamento de Rede; II) Fomento e Orientação; e III) Ambientes para troca de boas práticas entre Núcleos. Desenvolveremos uma agenda de iniciativas ao longo dos ano, que será criada juntamente com os líderes de cada Núcleo.

50 Objetivo Estratégico Promover plataformas para a interação das Empresas Juniores de forma a alinhá-las ao propósito do MEJ Papel no Ciclo de Impacto Desenvolvimento da Rede

51 Reunião com as lideranças dos Núcleos (Janeiro) Definição dos eixos de discussão para a 1ª RP (Fevereiro) Definição do modelo de trabalho FEJEMG Núcleos (Março)

52 A Diretoria Presidência e a Presidência do Conselho serão os responsáveis. Espera-se que possamos alinhar as expectativas e necessidades dos Núcleos do estado para que assim, consigamos potencializar os resultados do MEJ Mineiro.

53

54 Realização, em Outubro, do EMEJ em Belo Horizonte, tendo como tema Que passado você quer construir?, inspirados pelos 20 anos da FEJEMG.

55 Objetivo Estratégico Promover plataformas para a interação das Empresas Juniores de forma a alinhá-las ao propósito do MEJ Papel no Ciclo de Impacto Impacto no Ecossistema Objetivo Estratégico: Promover plataformas para interação das Empresas Juniores de forma a alinhá-las ao propósito do MEJ Ciclo do Impacto: Impacto no Ecossistema

56 Definição de local, data e tema (Dezembro/2014) Planejamento pré-evento (Janeiro/2015) Planejamento Financeiro (Março/2015) Planejamento da Programação (Março/2015) Planejamento de Comunicação (Janeiro/2015) Prospecção de Parcerias (constante) Monitoramento das atividades (constante) Realização do evento (01 a 04 de Outubro) Relatório Final (Novembro/2015)

57 A Diretoria Presidência é a responsável e a Equipe EMEJ envolvida. Esperamos oferecer aos congressistas uma das experiências mais intensas durante o ano de 2015 por meio da programação inspirada nos 20 anos da FEJEMG. O Planejamento Financeiro será enviado em Março para apreciação do Conselho Administrativo.

58

59 Pretendemos em 2015 fazer um Escolas Empreendedoras itinerante, utilizando, principalmente, os Núcleos do estado para capilarizar a mensagem e engajar, ainda mais, empresários juniores às iniciativas durante o mês de Novembro.

60 Objetivo Estratégico Posicionar o MEJ como agente de formação empreendedora Papel no Ciclo de Impacto Impacto no ecossistema Objetivo Estratégico: Posicionar o MEJ como agente de formação empreendedora Ciclo do impacto: Impacto no ecossistema

61 Definição do Kit FEJEMG a ser enviado à Rede (Maio) Definição da agenda do Escolas Empreendedoras FEJEMG (Agosto) Realização do evento em Belo Horizonte (Novembro)

62 A Diretoria Presidência é a responsável, sendo a Coordenadoria de Relações Institucionais envolvida. Esperamos dar suporte às iniciativas dos Núcleos da FEJEMG durante o mês de Novembro e, além disso, realizar um evento onde a FEJEMG consiga reunir importante agentes do Ecossistema Empreendedor mineiro, fortalencendo nossos relacionamentos institucionais.

63

64 Como primeira ação, em 2015, pretendemos realizar uma ações ao longo do primeiro semestre para que, no segundo semestre, realizemos uma iniciativa de formação de líderes para os empresários juniores da FEJEMG.

65 Objetivo Estratégico Alavancar o desempenho das EJs através de programas de suporte direto Papel no Ciclo de Impacto Formação Empreendedora

66 Cronograma de ações para o primeiro semestre Definição de data e conteúdo para o evento no segundo semestre Realização do evento no segundo semestre Custo estimado: transporte de possíveis palestrantes

67 As Diretorias de Desenvolvimento e Presidência serão as responsáveis. Espera-se construir um conteúdo direcionado à necessidade de formação de lideranças para o MEJ Mineiro. Há, por enquanto, apenas a previsão de custos com transporte de possíveis palestrantes para o evento.

68

69 Com a definição de produtos realizada em 2015, selecionaremos os produtos a serem vendidos aos nossos Parceiros e, a partir de um processo de prospecção e materiais individuais para cada parceiro, definiremos as cotas de investimento na Federação e quais as propostas de valor compartilhadas.

70 Objetivo Estratégico Garantir a sustentabilidade financeira Papel no Ciclo de Impacto Impacto no Ecossistema Objetivo Estratégico: Garantir a sustentabilidade financeira Ciclo do Impacto: Impacto no Ecossistema

71 Definição do pacote de produtos Priorização das empresas a serem prospectadas Prospecção ativa (processo) Gerenciamento das parcerias fechadas Custo do programa: sem custo

72 A Diretoria Presidência será a responsável, sendo a Coordenadoria de Negócios a equipe envolvida. Esperase que, por meio dos Mantenedores da FEJEMG, consigamos investimentos financeiros para executar nossas atividades ao longo de 2015 e, também, um caixa mínimo para a gestão 2016.

73

74 Premiações de Empresas Juniores de acordo com as classificações definidas em editais e, exposição de parceiros institucionais da FEJEMG frente à sociedade e à Rede. Evento a ser realizado no final do ano, prioritariamente em Belo Horizonte.

75 Objetivo Estratégico Promover plataformas para a interação das Empresas Juniores de forma a alinhá-las ao propósito do MEJ Papel no Ciclo de Impacto Impacto no Ecossistema

76 - Edital de premiação (Outubro) - Inscrições e Guia de Sobrevivência (Novembro) - Realização do evento (05/12)

77 A Diretoria Presidência será a responsável, sendo a Coordenadoria de Relações Institucionais a equipe envolvida. Por enquanto, não temos os custos estimados para o evento, pois estamos mapeando possíveis locais em BH. Espera-se que com este evento, consigamos aumentar, inclusive, o faturamento da FEJEMG por meio de parcerias e posicionar a FEJEMG e nossas EJs frente ao Ecossistema Empreendedor mineiro.

78

79 Esse programa visa a organização e execução das Reuniões Presenciais da FEJEMG em um novo modelo proposto, abrangendo a Reunião dos Conselhos, as Reuniões do Time FEJEMG e a Formação de Cultura Empreendedora.

80 Objetivo Estratégico Promover plataformas para a interação das Empresas Juniores de forma inclusiva e sustentável. Papel no Ciclo de Impacto Formação empreendedora.

81 1. Edital de Organização Edital contendo todas as orientações e exigências para que uma cidade possa receber uma Reunião Presencial da FEJEMG em OBS.: Já foi confeccionado e entregue. 2. Formulário de inscrições Formulário e cronograma das inscrições da Reuniões Presenciais. OBS.: Já foi confeccionado e entregue o modelo padrão. Essa é uma entrega cíclica em cada RP. 3. Realização da Reunião Presencial Será o próprio acompanhamento da organização da Reunião Presencial com todos as suas implicações.

82 1. Melhoria da organização Ao fim de 2015, teremos a metodologia de organização das RPs padronizada com as melhores práticas. Dessa forma, o empresário júnior poderá vivenciá-las com conforto e segurança. 2. Aumento do impacto Gradativamente, haverá um grande aumento de empresário juniores querendo participar das RPs e a qualidade no conteúdo será cada vez maior, tornando as Reuniões um evento de grande impacto para o MEJ local, auxiliando no fomento e desenvolvimento do Movimento. 3. Aumento do alinhamento e desenvolvimento Teremos um conteúdo mais voltado para cada público nas RPs, portanto haverá um maior alinhamento dos empresários juniores ao Planejamento Estratégico em Rede e uma potencialização do desenvolvimento da Empresas Juniores. Além disso, haverá um grande fomento ao desenvolvimento da Cultura Empreendedora. Orçamento - R$ 1.850,00 (R$370,00 x 5 RPs) Gastos gerais R$ 100,00 Transporte do convidado R$ 240,00 Alimentação convidado R$ 30,00

83

84

85

EDITAL DE CASES. não foge à luta! ENEJ 2015. 13 a 17 de agosto Centro de Convenções Ulysses Guimarães

EDITAL DE CASES. não foge à luta! ENEJ 2015. 13 a 17 de agosto Centro de Convenções Ulysses Guimarães EDITAL DE CASES ENEJ 2015 não foge à luta! 13 a 17 de agosto Centro de Convenções Ulysses Guimarães sumário 1. O evento 3 2. Organização 3 3. Apresentação do edital 3 4. Calendário 3 5. Condições de participação

Leia mais

COORDENADORES CARTILHA

COORDENADORES CARTILHA 2016 COORDENADORES CARTILHA 1.1 Coordenador de Negócios Liderar a equipe de negócios da FEJESC, prezar pela excelência na prestação do serviço aos parceiros e buscar novas oportunidades de patrocínio e

Leia mais

Prepare-se para uma viagem em

Prepare-se para uma viagem em Prepare-se para uma viagem em que você poderá:. conhecer diversas culturas e perspectivas,. desenvolver novas competências,. participar de uma organização estadual,. obter uma rede de contatos diferenciada,

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

FEJEPAR. Plano de Cargos 2012

FEJEPAR. Plano de Cargos 2012 FEJEPAR Plano de Cargos 2012 1. Preciso estar em uma EJ federada para fazer parte da FEJEPAR? R: Não, mas é preciso, ao menos, ter feito parte de uma EJ. 2. É necessário exclusividade para o(s) cargo(s)?

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

De 2014 a 2016 Relatório do Planejamento Estratégico

De 2014 a 2016 Relatório do Planejamento Estratégico De 2014 a 2016 Relatório do Planejamento Estratégico Presidente Renan Tibúrcio presidencia@fejemg.org.br (35) 9961-9256 Vice-Presidente Pedro Vargas vicepresidencia@fejemg.org.br (31) 9287-6437 Assessor

Leia mais

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves BPM Congress 27 e 28-11-2012 Palestrante: Ranussy Gonçalves O SEBRAE-MG Mais de 700 funcionários Orçamento para 2012 de mais de R$ 185 milhões 130 mil empresas atendidas em 2011 e 150 mil para 2012 O início

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos

Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos Semana de Estruturação do Escritório de Processos Objetivo do Curso

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2 EDITAL 2015. para assessores

PROCESSO SELETIVO 2 EDITAL 2015. para assessores PROCESSO SELETIVO 2 EDITAL 2015 para assessores SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Diretorias e cargos Diretoria da Presidência Diretoria da Vice-Presidência Diretoria Administrativo-Financeira Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O BIRÔ EMPREENDEDOR EDITAL Nº 01/ 2013.2. Secção I Das Disposições Gerais

CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O BIRÔ EMPREENDEDOR EDITAL Nº 01/ 2013.2. Secção I Das Disposições Gerais CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O BIRÔ EMPREENDEDOR EDITAL Nº 01/ 2013.2 Secção I Das Disposições Gerais Dispõe sobre o concurso para seleção de alunos do curso de administração para o Birô Empreendedor.

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade

Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade Faça parte da Fundação Nacional da Qualidade A BUSCA CONTÍNUA DA EXCELÊNCIA DA GESTÃO É O QUE NOS MOVE! A Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) é uma instituição sem fins lucrativos, que conta com uma rede

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1 Planejamento Estratégico 2007 2008 Objetivo Estratégico: Estimular criação / desenvolvimento e fortalecimento de programas estaduais e setoriais. Quatro Projetos da Equipe 1 revisão em 26/09/2007 Missão:

Leia mais

EBT nascente EBT transferida. EBT incubada EBT avaliada CERTI CELTA ACATE MIDI

EBT nascente EBT transferida. EBT incubada EBT avaliada CERTI CELTA ACATE MIDI : UNIVERSIDADE Seleção Competitiva INCUBADORA EBT nascente EBT transferida EBT incubada EBT avaliada PARQUE TECNOLÓGICO EBT (Graduada) Consolidada e Competitiva Pré - Incubação Processo de Incubação de

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção.

O que é? pode ser chamado de Recrutamento e Seleção. Processo Seletivo O que é? O Processo Seletivo é um conjunto de técnicas e instrumentos, empregados para avaliação de materiais, técnicas ou candidatos visando identificar as habilidades, tendências e

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

1 Concurso de Pitch para Empresas Juniores da UEG

1 Concurso de Pitch para Empresas Juniores da UEG 1 Concurso de Pitch para Empresas Juniores da UEG REGULAMENTO CAPÍTULO 1 DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1 O 1 Concurso de Pitch para Empresas Juniores da UEG é uma realização da Pró-Reitoria de Extensão,

Leia mais

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA Mudança da Marca e Posicionamento Esse boletim explicativo tem o objetivo de esclarecer suas dúvidas sobre a nova marca Evolua e de que forma ela será útil para aprimorar os

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Histórico 2006/ 2010

Histórico 2006/ 2010 Histórico 2006/ 2010 Programa Na Mão Certa O Programa Na Mão Certa, uma iniciativa da Childhood Brasil, que tem como objetivo reunir esforços para mobilizar governos, empresas e organizações da sociedade

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Consolidação e ampliação do Núcleo Integrado de Apoio à Gestão da Inovação nas empresas Referência: 1691/10

Consolidação e ampliação do Núcleo Integrado de Apoio à Gestão da Inovação nas empresas Referência: 1691/10 Consolidação e ampliação do Núcleo Integrado de Apoio à Gestão da Inovação nas empresas Referência: 1691/10 Brasília 28-05- 2014 Metas previstas e realizadas Metas Físicas 11 - ESTURURAÇÃO DO NÚCLEO Planejamento

Leia mais

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015 PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015 O programa Talentos da Educação é uma iniciativa da Fundação Lemann para apoiar pessoas talentosas e comprometidas com a melhoria da educação no Brasil. A proposta é

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2º semestre 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ)

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?)

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?) Reunir com o Gabinete do Procurador-Chefe, para apresentação da metodologia de trabalho março, Anna e Vânia Castro Consolidar a lista de procedimentos e rotinas que serão mapeadas em toda a PRR1 1 "Mapear

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

ANEXO 15: NECESSIDADES DE CONHECER DA COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (CGDEP)

ANEXO 15: NECESSIDADES DE CONHECER DA COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (CGDEP) ANEXO 15: NECESSIDADES DE CONHECER DA COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (CGDEP) Referentes ao Planejamento Estratégico EIXO 1 - GESTÃO POR COMPETÊNCIAS E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Objetivo

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MACRO OBJETIVOS 2014

MACRO OBJETIVOS 2014 ANNUAL REPORT 2014 MACRO OBJETIVOS 2014 1. Aumentar a receita em 10% sobre o faturamento em 2013; 2. Ampliar o relacionamento estratégico da Global Jr. com a instituição; 3. Consolidar-se como a melhor

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas. Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br

Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas. Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br Objetivo do Núcleo O - Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas - tem como objetivo a melhoria contínua da qualidade

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV)

PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) PROGRAMA DE INOVAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR (ICV) Termo de Referência para contratação de Gestor de Projetos Pleno 14 de Agosto de 2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE GESTOR DE PROJETOS PLENO O presente

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Filomena Garcia Sócia-Diretora do Grupo Cherto: Comercial, Expansão de Franquias e Rede de Negócios

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Qual a melhor técnica para auto-avaliação?

Qual a melhor técnica para auto-avaliação? técnicas Qual a melhor técnica para auto-avaliação? : Integração das ferramentas de auto-avaliação 1. Por meio de questionários aplicados às partes interessadas (docentes, discentes, funcionários e sociedade)

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

VENHA COM A GENTE TRANSFORMAR O PAÍS PELA EDUCAÇÃO.

VENHA COM A GENTE TRANSFORMAR O PAÍS PELA EDUCAÇÃO. VENHA COM A GENTE TRANSFORMAR O PAÍS PELA EDUCAÇÃO. A ANIMA EDUCAÇÃO. A Anima é uma das maiores organizações educacionais privadas de ensino superior do país. São mais de 50 mil estudantes matriculados

Leia mais

CONCEITOS ADOTADOS INOVAÇÃO

CONCEITOS ADOTADOS INOVAÇÃO CONCEITOS ADOTADOS INOVAÇÃO Uma inovação é a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método organizacional

Leia mais

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ.

O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora de Empresas INDETEC/UFSJ. EDITAL DE CONCURSO DE IDEIAS INOVADORAS Nº 01/2010. PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DA UFSJ DE SÃO JOÃO DEL REI (INDETEC) O presente edital regulamenta o processo de recrutamento,

Leia mais

Proposta de Parceria São Paulo Setembro /2015

Proposta de Parceria São Paulo Setembro /2015 Proposta de Parceria São Paulo Setembro /2015 #Social ehlegal 1. Objetivo do Baanko Challenge 3 Facilitar o encontro entre profissionais de desenvolvimento, design e empreendedorismo, empresas iniciantes

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar

Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar os Fundamentos da Excelência em Gestão para organizações

Leia mais

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã 10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã REGULAMENTO O SESI/PR torna público o regulamento para participação no Programa SESI Empreendedorismo Social

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social

Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social Edital XVIII CONCURSO DE PROJETOS ELAS Fundo de Investimento Social O XVIII Concurso do ELAS Fundo de Investimento Social, em parceria com a MAC AIDS Fund, visa fortalecer, por meio de apoio técnico e

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista...

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista... Créditos Gilson Ribeiro Gomes Economista Jonatas Costa Monte Alto Administrador de Empresas Felipe Augusto da Silva Mendes - Psicólogo Bruna Albuquerque Graduanda em Administração de Empresas Sumário Introdução...

Leia mais

Edital do projeto Eu Sou Brasil Júnior. Documento explicativo sobre o envio e seleção dos vídeos que farão parte do clipe Eu Sou Brasil Júnior

Edital do projeto Eu Sou Brasil Júnior. Documento explicativo sobre o envio e seleção dos vídeos que farão parte do clipe Eu Sou Brasil Júnior Edital do projeto Eu Sou Brasil Júnior Documento explicativo sobre o envio e seleção dos vídeos que farão parte do clipe Eu Sou Brasil Júnior Maio de 2010 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS i. Do Edital Esse edital

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE PROJETO DO CONFEA

PLANO DE AÇÃO DE PROJETO DO CONFEA I Projeto: MGEC Modelo de Gestão para Excelência Corporativa III Coordenador(a): ANA FABÍOLA COSTA TORRES II Código do Projeto: IV - Tipo de Projeto: Interno Estratégico V Gestor(a): ADILSON JOSÉ DE LARA

Leia mais

Relatório sobre processo de elaboração do

Relatório sobre processo de elaboração do Relatório sobre processo de elaboração do GUIA DE GOVERNANÇA OPEN KNOWLEDGE BRASIL Consultoria de apoio ao processo Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OPEN KNOWLEDGE BRASIL... 3 a. Visão... 3 b. Valores... 3

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS

EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS EDITAL - INCUBADORA BASE-MISTA CEET VASCO COUTINHO PROGRAMA DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS O CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TÉCNICA VASCO COUTINHO convida pessoas físicas ou jurídicas a apresentarem propostas

Leia mais

Edital do Processo Seletivo 2015

Edital do Processo Seletivo 2015 Edital do Processo Seletivo 2015 A Diretoria de Recursos Humanos da EJEAmb Empresa Júnior de Engenharia, composta por Cássia Vieira de Oliveira, Leonardo Alfredo Handy Bevilacqua, Letícia Teixeira de Castro

Leia mais

1. Objetivo. 2. Gente. #SocialehLegal

1. Objetivo. 2. Gente. #SocialehLegal #SocialehLegal 1. Objetivo Facilitar o encontro entre profissionais e empresas iniciantes de base tecnológica (startups) que precisam de apoio para desenvolver suas ideias, além de melhorar e facilitar

Leia mais

VP Operações. Igor Lima

VP Operações. Igor Lima VP Operações Igor Lima 2 Crescimento de alunos em 2012 e perspectivas para próximos anos Ensino a Distância ampliando a base existente de polos Um maior foco na Pós-graduação Sinergias entre Presencial

Leia mais

AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS

AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS AYTY-INCUBADORA DE EMPRESAS DO IFAM EDITAL Nº 003/2014 INCUBADORA DE EMPRESAS Parceria Instituição Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas IFAM, Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO E USO OTIMIZADO DE INCENTIVOS E FOMENTO

GESTÃO DA INOVAÇÃO E USO OTIMIZADO DE INCENTIVOS E FOMENTO GESTÃO DA INOVAÇÃO E USO OTIMIZADO DE INCENTIVOS E FOMENTO 1 PROGRAMA DE APOIO A OBTENÇÃO DE FOMENTO - IABM PARCERIA: 2 Estruturaremos a gestão e o portfólio de inovação das empresas participantes do programa,

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA REDE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA REDE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA REDE 2013-2015 O Movimento Empresa Júnior encontra-se em um momento em que há a necessidade de seus atores e associados entenderem como ele se posiciona estrategicamente dentro

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

www.coachnetwork.com.br

www.coachnetwork.com.br www.coachnetwork.com.br (55) 3333-3033 Seja um mestre na arte de liderar pessoas e inspirá-las rumo ao sucesso. OBJETIVOS Oferecer uma ampla gama de conhecimentos para estruturar metodologias de sucesso

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO Sumário 1. O EDITAL... 2 1.1. Natureza e objetivos... 2 1.2. Princípios orientadores... 2 1.3. Foco temático do edital... 2 2. QUEM PODE PARTICIPAR...

Leia mais

Processo Único de Federação- PUF

Processo Único de Federação- PUF Processo Único de Federação- PUF 1 1. O que é a FEJEPAR? A Federação das Empresas Juniores do Estado do Paraná FEJEPAR, fundada no ano de 1996 na cidade de Curitiba, é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014

Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Faça parte da nossa história! Plano de Patrocínio 2014 Sobre a FNQ História Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) procura

Leia mais

EDITAL E REGULAMENTO DE CHAMADA PÚBLICA ITFETEP

EDITAL E REGULAMENTO DE CHAMADA PÚBLICA ITFETEP SUMÁRIO OBJETIVO... 2 1. DAS PROPOSTAS... 2 2. PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÃO, PARTICIPAÇÃO E SELEÇÃO DE PROPOSTAS E PROJETOS... 4 3. CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS E PROJETOS... 4 4. DA CLASSIFICAÇÃO...

Leia mais