white paper Roadmap para o S&OP Colaborativo e Planejamento de produtos configurados Versão: 2.2 Outubro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "white paper Roadmap para o S&OP Colaborativo e Planejamento de produtos configurados Versão: 2.2 Outubro de 2013"

Transcrição

1 white paper Roadmap para o S&OP Colaborativo e Planejamento de produtos configurados Versão: 2.2 Outubro de 2013 Preparado por: Carlos E. Panitz, MSc. 1

2 Sumário Colaboração interna e externa com a Cadeia 3 Recursos que tornam a ferramenta adaptável às situações típicas do dia-a-dia 3 Planejando a demanda de produtos configurados 5 Duas abordagens para se atender diferentes modelos de indústria 7 Modelos matemáticos para garantir consistência e performance na previsão 7 Planejamento colaborativo de forma ágil e simples 8 Integração e acessibilidade 8 Integração 8 Navegadores 8 Sobre a VE3 9 Visão e missão 9 Portfólio de atuação 9 2

3 Colaboração interna e externa com a Cadeia Gestão de demanda é a base do processo de planejamento de uma organização. Combinar modelos matemáticos, com inteligência de mercado de forma estruturada, responsável e colaborativa é o que o COLPLAN R2 habilita. Existem diversos graus de maturidade para um processo de gestão de demanda numa organização. Esse processo pode estar baseado puramente em intuição ou alcançar um nível de interação com canais de venda que propicie um alto grau de colaboração e troca de informações, tanto em termos de planejamento como em termos de ressuprimento (execução). A figura abaixo 1 ilustra os diversos níveis de maturidade que um processo de planejamento pode alcançar e o resultado esperado em termos de erro de previsão e tempo de resposta: Recursos que tornam a ferramenta adaptável às situações típicas do dia-a-dia O COLPLAN R2 é uma ferramenta que potencializa a estruturação de um processo de S&OP ágil e consistente, com recursos imprescindíveis para empresas que possuem produtos com ciclo de vida curtos e canais de vendas com comportamentos distintos. As principais características do COLPLAN R2 podem ser resumidas nos seguintes pontos: Habilita um processo de S&OP estruturado que pode permitir colaboração com os canais de venda; 1 VMI (Vendor Management Inventory Gestão de Inventário pelo Fornecedor); SCEM (Supply Chain Event Management Gestão de eventos na Cadeia); S&OP (Sales & Operations Planning Plano de Vendas e Operações); CPFR (Collaborative Planning, Forecast and Replenishment Planejamento, Previsão e Ressuprimento Colaborativo). 3

4 Trabalha com o conceito de workflow, permitindo a troca de informações de forma ágil e colaborativa; Auxilia na previsão de itens novos com base em correlações com itens ou famílias que estão sendo substituídos; Permite criar cenários e inserir eventos, promoções baseados na inteligência de mercado da área de Marketing e Comercial; Cria e gerencia Estruturas de Produtos de Planejamento (Planning Bills); Calcula dinamicamente a participação de módulos de um produto configurado (e.g. HD, memória RAM, monitor, transmissão, cabine, rodado, motor, módulo de som, etc.); Plataforma web parametrizável; Painel de controle para facilitar a gestão e o controle do erro de previsão e o viés de cada canal, gestor e produto; Fácil integração com ERP para alavancar e automatizar suas funções clássicas de Supply Chain; A figura a seguir mostra como uma ferramenta de planejamento colaborativo pode auxiliar na gestão do planejamento e no ressuprimento de diversos canais de vendas de uma organização, onde cada canal possui fatores específicos que determinam o comportamento de demanda: 4

5 Planejando a demanda de produtos configurados Um dos grandes desafios de empresas que possuem produtos configurados, como fabricantes de computadores, automóveis e tratores, é lidar com a explosão de códigos finais que surgem de um produto configurado e a necessidade de acionar sua cadeia de suprimentos com base em previsões mais agregadas. componentes a partir de um código de produto agregado (normalmente modelo ou família de produto). O processo standard de se criar estruturas de planejamento nos ERP s requer uma elaboração prévia manual só permite modelos estáticos. O que torna esse processo limitado e, em muitos casos, ineficiente do ponto de vista de uma boa gestão de estoques. O COLPLAN possui uma tecnologia exclusiva para criar e gerenciar estruturas de planejamento, o módulo PBG. Com esse recurso, uma empresa pode transformar milhares de BOM s finais e algumas poucas dezenas de modo a alavancar a sua assertividade no longo prazo sem comprometer a explosão do processo de MRP em nível de item. O PBG torna o comportamento das Planning Bills dinâmicos para se ajustarem a efeitos como sazonalidade, tendência e potencializa o ERP da empresa a fazer um planejamento de materiais de longo prazo mais otimizado e com menores riscos de excessos e faltas. Para atender esse tipo de indústria (Configure-To-Order ou CTO), o modelo de referência recomendado é utilizar o configurador para suportar o processo de entrada de pedidos (ao invés de códigos estruturados) e utilizar o conceito de Planning Bill para fazer a explosão em nível de A figura a seguir ilustra algumas das características e diferenças entre uma e-bom e uma p- BOM: 5

6 Exemplos de e-bom s e p-bom, suas diferenças e relações Ao utilizar códigos de produtos agregados vinculados a BOM s de planejamento, uma empresa pode reduzir seu erro de previsão de demanda em mais de 70%. No gráfico abaixo é possível visualizar o efeito dos códigos mais agregados como base para o processo de forecast. 6

7 O módulo de criação de estruturas de produto de planejamento (PBG ), sistematiza o processo de criação e gestão de p-bom s e devolve esse resultado para o módulo de MRP planejar itens comprados e fabricados a partir de uma previsão de demanda agregada (por modelo, família ou outro critério de agrupamento). A figura abaixo ilustra como o programa executa o método de geração e planejamento das p-bom s: Macrofluxo do processo as etapas de cálculo do programa Duas abordagens para se atender diferentes modelos de indústria Especialistas e profissionais experientes sabem que as três leis básicas de previsão de demanda são: (1) previsões estão sempre erradas; (2) quanto mais desagregadas são as previsões tanto maior será o erro de previsão; (3) quanto mais distante é o horizonte de previsão tanto maior será o erro de previsão associado. Por essas razões, não basta uma ferramenta possuir os melhores modelos matemáticos, é necessário definir o nível de agregação da unidade de previsão (UPD unidade de previsão de demanda) e a forma de se chegar no dado de saída que se necessita. Sendo assim, o ColPlan é capaz de gerar o processo de previsão a partir de uma unidade de previsão mais agregada como filial ou família de produto e chegar em SKU s ou ao contrário, partir de SKU s por canal e chegar na estimativa de vendas de cada canal. Modelos matemáticos para garantir consistência e performance na previsão 7

8 O ColPlan incorpora nessa versão 7 modelos matemáticos para realizar o processo de previsão no nível tático da organização. Antes desses modelos serem executados, a ferramenta realiza a preparação dos dados, ou seja, elimina outliers, efeitos de demanda reprimida e utiliza referências cruzadas para estimar produtos sem histórico de demanda. A partir dessa preparação dos dados, esses modelos são aplicados de forma automática ou manual dependendo da escolha do planejador ou política da empresa. O Colplan tem capacidade de realizar previsões para diferentes horizontes, tratar tendência, sazonalidade, aleatoriedade no nível de granulidade que for necessário. Planejamento colaborativo de forma ágil e simples Desde que o conceito de Planejamento Colaborativo de Demanda surgiu como uma prática estruturada no final dos anos 90, ela vem se difundindo cada vez mais entre empresas que buscam ir além do processo de Plano de Vendas e Operações (S&OP). O COLPLAN habilita esse conceito através de uma plataforma web ágil e simples que suporta todas as etapas do processo de gestão de demanda entre a empresa e o seus canais de venda. Esse processo, controlado por um sistema de workflow, habilita um ambiente de verdadeira colaboração externa, permitindo rápido alinhamento da visão de demanda que suportará o processo de S&OP interno. Integração e acessibilidade Integração O ColPlan pode trocar informações com da empresa ERP através de ETL, ferramentas de middleware ou webservice. Navegadores A aplicação foi concebida para operar de forma idêntica nos principais navegadores de mercado: Internet Explorer versões 8 e 9, Firefox, Opera, Safári e Chrome. Importante: as versões são Internet Explorer 8+, Firefox 2+, Opera 9.5+, Safári 3+, Chrome 6+ ou superiores. 8

9 Sobre a VE3 A sigla VE3 significa Value Chain, enabling excelence and execution (e 3 ). Foi com base nesta proposta de valor que a empresa foi concebida. Habilitar o processo de execução e o engajamento entre parceiros de negócio de uma Cadeia de Valor. A VE3 é uma empresa especializada em consultoria, serviços, tecnologia e capacitação nas áreas de Logística, Operações e Cadeia de Suprimentos. A VE3 possui horas em projetos de consultoria, capacitação e desenvolvimento de sistemas. Dentre seus clientes encontram-se: AGCO, Randon Implementos, Master Sistemas Automotivos, Stemac Grupo Geradores e Fras-Le. Visão e missão Ser reconhecida no mercado por prover valor através de conhecimento prático aplicado em conjunto com ferramentas de gestão e tecnologia da informação. Essa é a nossa visão. Habilitar (enable) pessoas e processos de uma organização para que essa consiga aplicar de forma efetiva melhores práticas e alcance um nível de excelência na execução (execution) nas funções de Logística, Gestão de Cadeia de Suprimentos e Operações. Essa é a nossa missão. Portfólio de atuação O portfólio de atuação da VE3 está estruturado em quatro pilares: Consultoria, outsourcing/serviços, software para as áreas de logística e Supply Chain e treinamento. 9

10 10

11 Anexo Pequeno dicionário de definições utilizado neste documento PBG (Planning Bill Generator) - Gerador de estruturas de produtos de Planeja PBG (Planning Bill Generator) - Gerador de estruturas de produtos de Planejamento de Materiais nome criado para se referir a um dos algoritmos centrais do programa objeto deste documento. e-bom (Engineering Bill of Material ) - Estrutura de produto de engenharia: estrutura de dados que descreve através de relações hierárquicas as relações entre peças e conjuntos que quando agrupados formam um determinado produto. Uma estrutura de produtos de engenharia pode ser organizada em múltiplos níveis para facilitar o gerenciamento e a visão de módulos, grupos e sub-grupos que formam um produto final. As relações entre diferentes níveis da estrutura também são chamadas de relações pai e filho entre o componente resultante e os seus insumos ou sub-componentes. A estrutura de produtos de engenharia também define a quantidade exata de cada componente necessário para se produzir o produto que ela descreve. Todos os itens de uma estrutura são expressos através dos seus respectivos códigos (part numbers) que poderão ou não ser controlados como itens de estoque. Estruturas de produto de engenharia permitem planejar materiais para um produto específico, realizar apontamentos de produção e custear produtos; m-bom (manufacturing Bill of Material) - Estrutura de produto de manufatura: é uma variante da estrutura de produto de engenharia e pode prover uma visão um pouco distinta da estrutura de produto de engenharia. Por exemplo, a visualização dos itens a partir da estrutura de produtos de manufatura destaca em que operação do roteiro de produção os componentes são montados. Seu propósito é atender necessidades das funções de manufatura tais como gerar listas de separação, custear centros de trabalho e gerar instruções de montagem para postos de montagem; p-bom ((planning Bill of Material) - Estrutura de produtos de planejamento de materiais: são estruturas de produtos que não tem como propósito de caracterizar um produto individual, mas sim permitir que uma previsão agregada seja transmitida para todos os componentes que precisam ser adquiridos ou fabricados. Em ambientes onde existem uma diversidade muito grande de configurações finais de produto e pouca visibilidade para planejar a cadeia de suprimentos, estruturas de produtos finais (de engenharia) não são adequadas como base para realizar o processo de previsão de demanda, pois o nível de erro seria muito alto no médio prazo. Ao invés de se usar uma estrutura de produto de engenharia ponto de entrada para uma previsão seria mais adequado usar um código de produtos mais agregado, pois o erro de previsão será significativamente menor. Mas esta estrutura de produto de planejamento de materiais, que pode estar representando por exemplo uma família de produtos, deve ter a habilidade de explodir a demanda da previsão nos níveis dos componentes comprados ou fabricados. Além disso, uma estrutura de produtos de planejamento de materiais deve ser capaz de ajustar dinamicamente as participações desses componentes ao longo do tempo, pois eles podem estar sujeitos a fatores como sazonalidade, tendência, aleatoriedade ou descontinuação. UPD Unidade de Previsão de Demanda (DFU - Demand Forecast Unit) uma combinação única entre a demanda do item e o local ou grupo onde esta demanda está sendo projetada. (1) No contexto de planejamento de distribuição, a UPD é útil para uma empresa planejar a demanda e o ressuprimento de um item para cada canal ou ponto de venda. Se a previsão fosse feita apenas em nível do item final (SKU) seria impossível definir quanto deveria ser reposto em cada ponto de venda ou centro de distribuição. Também não seria possível incorporar no processo de previsão fatores promocionais e macro-econômicos que pudessem estar afetando apenas um determinado canal de venda. Portanto, um único SKU pode ter vários DFUs. Por exemplo, uma latinha de refrigerante é um SKU para o seu fabricante. Sob o ponto de vista de previsão de demanda, este SKU poderá ter vários DFUs, um para o canal supermercados de até 5 check-out, outro para supermercados acima de 5 check-outs, um para bares, um para postos de conveniência, etc. (2) No contexto de planejamento de materiais de produtos configurados, uma UPD pode representar a combinação de um determinado componente dentro de uma família de produtos. Por exemplo, a combinação família de laptops profissionais com HD s de 1Tb seria uma UPD e a combinação da família de laptops domésticos com o mesmo 11

12 HD de 1Tb seria outra UPD. Isso permite que fatores que influenciam apenas uma família de produtos sejam tratados sob o ponto de vista de planejamento de demanda isoladamente antes de se chegar na demanda total do HD de 1Tb que precisa ser programado com o fornecedor; Cluster - Conjunto de opções de itens de configuração (Cluster de opções) é um atributo de agrupamento associado ao código do item que permite ao algoritmo de cálculo do programa identificar que representam o conjunto de opções para o cliente. Por exemplo, no caso de um computador portátil (laptop), dois diferentes códigos de HD (HD 1Tb e HD 750 Gb) fazem parte do cluster HD. Ou seja, o cliente só pode escolher um desses códigos dentro do cluster HD. A combinação entre laptop da família 6000 e HD 1Tb é uma unidade de previsão de demanda (UPD) e a combinação entre laptop da família 6000 e HD de 750 Gb é outra unidade de previsão de demanda (UPD). Supondo que o resultado das previsões de demanda dessas UPD s tenha sido respectivamente 140 unidades e 60 unidades. Para que esse resultado seja aplicável numa estrutura de produto de Planejamento de Materiais (p-bom), ele antes precisa ser convertido para percentuais, pois esses itens ainda serão tratados como demanda dependente de uma previsão de demanda feita para a família 6000 de laptops, a qual pode incorporar outros fatores que não fazem parte de um modelo matemático de previsão como promoções e fatores macro-econômicos. Sendo o HD de 1Tb e o HD de 750 Gb parte do Cluster HD, o programa converterá as demandas específicas dessas duas UPD s para percentuais da seguinte forma: % UPD Laptop6000-HD1Tb = 140/200 = 70% e % UPD Laptop6000-HD750Gb = 70/200 = 30%. Ou seja, o cluster é o critério usado para somar e converter em % o resultado das previsões das UPD s. SKU Stock-Keeping-Unit Unidade de armazenagem No contexto deste documento, a expressão SKU se refere ao código do item; BTO Built-To-Order Fazer sob encomenda neste contexto se refere aos itens que não seriam vinculados a uma estrutura de planejamento (p-bom) por terem um comportamento de demanda muito irregular. A demanda desses itens será atendida sob pedidos para o fornecedor (e com leadtimes mais longos) ou a partir de um estoque de segurança previamente dimensionado. MAPE Mean Absolute Percentage Error Erro médio de previsão absoluto índice que mede o erro absoluto médio de um método de previsão de vendas. Muito aplicado para avaliar a eficácia de um processo de previsão. Por ser uma medida relativa (percentual), esse índice é passível de ser utilizado para comparação entre UPD s, famílias de produtos, regiões ou responsáveis pelo processo de previsão de vendas numa empresa. 12

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015

Sistemas de Administração da Produção. Sistema produtivo. Sistema produtivo. Estimativas de vendas de longo prazo 24/11/2015 Sistemas de Administração da Produção Segundo Giannesi & Correia (1993) A sobrevivência e o sucesso das organizações dependem da eficiência com a qual produz seus bens e serviços, sendo os custos determinante

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes 1 Referências Bibliográficas apoio jul-09 2 Referências Bibliográficas apoio jul-09 3 Virtual Empreendimentos Competências Chaves I) COMPETENCIA EMPRESARIAL = espírito empreendedor: ousadia, disposição

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Seminário GVcev. Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha

Seminário GVcev. Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha Seminário GVcev Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha Tecnologia como alavancador de relacionamentos Alejandro S. Padron padron@br.ibm.com No ciclo de vida de um produto,

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

Sales & Operations Planning

Sales & Operations Planning Sales & Operations Planning Permite o planejamento integrado de negócios e a transformação do gerenciamento JDA Software: Sales & Operations Planning para suportar decisões baseadas em informações e melhorar

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

A certificação CS&OP-P

A certificação CS&OP-P A certificação CS&OP-P Em mercados competitivos o profissional que dominar o processo de S&OP possuirá grande diferencial estratégico e vantagem competitiva no ambiente de negócios. Neste cenário onde

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

SAP Excelência Operacional & Inovação. Daniel Bio Setembro 2013

SAP Excelência Operacional & Inovação. Daniel Bio Setembro 2013 SAP Excelência Operacional & Inovação Daniel Bio Setembro 2013 Portfolio de informações atualmente Fragmentado, antigo e não orientado ao usuário Serviço ao Consumidor Gerente de Vendas Finanças e Operações

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain

SAP - Planejamento de Negócio Integrado. Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain SAP - Planejamento de Negócio Integrado Integrated Business Planning (IBP) Maio 2015 Rudi Meyfarth, Business Development, SAP Extended Supply Chain Agenda Introdução SAP Extended Supply Chain SAP Integrated

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy?

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy? Por que a sua empresa merece Quem somos? A Otimizy Sistemas Inteligentes é a desenvolvedora do software ErpSoft, um Sistema de Gestão Empresarial voltado a resultados, que automatiza processos operacionais

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO

COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO COMO A LEROY MERLIN ESTÁ ESTRUTURANDO SEU SUPPLY CHAIN PARA APOIAR SEU CRESCIMENTO CAFÉ DA MANHÃ 30/04/2014 AGENDA 1. Leroy Merlin Brasil: uma empresa em crescimento 2. A estruturação do Supply Chain Ø

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas

Infor ERP SyteLine Visão Geral. Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Infor ERP SyteLine Visão Geral Edgar Eler Arquiteto de Sistemas Sobre a Mag-W A Mag-W foi criada especialmente para trazer ao mercado o que há de melhor em soluções corporativas de Tecnologia da Informação

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager. Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence

Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager. Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence Interact Solutions Apresentação do SA-Performance Manager Por: Anderson Pereira Diretor de Negócios Unidade Excellence Interact Group Fundação: agosto / 1999 80 Colaboradores diretos 85 Colaboradores nas

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

Gerenciamento e Previsão de Demanda

Gerenciamento e Previsão de Demanda Gerenciamento e Previsão de Demanda Cadeia de valor de suprimento e Previsão de Demanda; Demanda (princípios básicos); Gerenciamento da demanda; Por que previsões de demanda são necessárias?; Previsão

Leia mais

Alguns dos nossos Clientes

Alguns dos nossos Clientes Alguns dos nossos Clientes Processo de S&OP Caminho para a Excelência em Negócios A Realidade dos Processos Administrativos Muitas empresas gerenciam diversos planos para cada departamento mas não existe

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Programação da produção adequada à realidade

Programação da produção adequada à realidade Divulgação TECNOLOGIA Programação da produção adequada à realidade Com a implantação de um sistema APS, de planejamento e programação detalhada da manufatura, desenvolvido pela Ortems, a fábrica da filial

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

A TCI BPO. Focada na customização e desenvolvimento de soluções específicas para apoiar e dar suporte à Indústrias, a TCI BPO faz uso do contingente:

A TCI BPO. Focada na customização e desenvolvimento de soluções específicas para apoiar e dar suporte à Indústrias, a TCI BPO faz uso do contingente: Serviços A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências e práticas

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Gestão da Cadeia de Suprimentos - GCS

Gestão da Cadeia de Suprimentos - GCS A cadeia de suprimentos tem início com o planejamento da demanda. Neste primeiro passo são determinadas as quantidades de produtos que devem estar disponíveis para atender a demanda gerada pelos consumidores.

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL O PODER DE UMA MALHA GLOBAL NOSSAS SOLUÇÕES INTEGRAM O melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos e demanda impacta diretamente no que as empresas estão sempre buscando: Aumento de receita Aumento da

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sistemas de Administração e Gestão da Produção

Sistemas de Administração e Gestão da Produção Sistemas de Administração e Gestão da Produção Izabel Cristina Zattar izabelzattar@netvision.com.br www.grima.ufsc.br/izabel/index.html Os 3 Grandes Níveis do Planejamento Horizonte de detalhamento Diário/Semanal

Leia mais

Integração Back Office Datasul x Neogrid S&OP

Integração Back Office Datasul x Neogrid S&OP Integração Back Office Datasul x Neogrid S&OP Agosto/2014 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Sistemas Envolvidos... 3 3. Integração... 3 4. Escopo... 4 4.1. Itens (saída do ERP)... 5 4.2.

Leia mais

Valter Venturelli Controller Zen. www.otm.com.br

Valter Venturelli Controller Zen. www.otm.com.br Valter Venturelli Controller Zen Local: Brusque Santa Catarina Brasil Infraestrutura: 32.000 m² 1.100 empregados (jan.2012) Produção: 20,1 milhões de produtos e componentes (2011) Transformar metais em

Leia mais

Projeto TRANSFORMAR. No Contexto Varejo há que se trocar a turbina durante o voo, logo:

Projeto TRANSFORMAR. No Contexto Varejo há que se trocar a turbina durante o voo, logo: 1 Projeto TRANSFORMAR Levando em consideração que as PERDAS podem ser provenientes de diversas fontes, sejam elas OPERACIONAIS, OBSOLESCÊNCIA, FURTO ou INCONSISTÊNCIA DE DADOS, o Supermercados Russi adotou

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Planejamento Mestre da Produção - MPS. Planejamento das necessidades de materiais - MRP OBJETIVO DA AULA SOPA DE LETRINHAS CONTEXTUALIZAÇÃO

Planejamento Mestre da Produção - MPS. Planejamento das necessidades de materiais - MRP OBJETIVO DA AULA SOPA DE LETRINHAS CONTEXTUALIZAÇÃO OBJETIVO DA AULA Planejamento Mestre da Produção - MPS Planejamento das necessidades de materiais - Compreender a importância do MPS e dentro do planejamento da produção 2 CONTEXTUALIZAÇÃO SOPA DE LETRINHAS

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa STRAIGHT MANUFACTURE Consultoria Logística e Industrial Apresentação da Empresa 1 Apresentação pessoal Bruno S. Ferreira Sócio-diretor da Responsável pelas áreas de: Logística Produtividade industrial

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM. O WMS Ampliado

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM. O WMS Ampliado O WMS Ampliado O propósito deste artigo é analisar soluções em Tecnologia da Informação que têm propósito de ampliar o alcance e potencializar os resultados de Sistemas de Gerenciamento de Armazém. Iuri

Leia mais

Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia

Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia Picture Credit Customer Name, City, State/Country. Used with permission. Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia Geral Executiva Nome da Miracema-Nuodex

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Modelo de integração de sistemas de gestão erp com a produção lexandre ugusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br Guilherme Braga guiar De Maria (FEI) guibraga@terra.com.br Vanessa Takagochi (FEI) vanessa_takagochi@yahoo.com.br

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha MRPs ELES FUNCIONAM? Por Vitor Hugo De Castro Cunha Você encontrará nesse artigo uma análise dos sistemas de gestão integrada na área de supply chain (MRPs) e uma visão diagnóstica sobre os motivos pelos

Leia mais

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda.

Integração entre sistemas MCAD e ERP Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Roberto Della Penna Skynet Com Rep Inf Ltda. Atualmente a tecnologia 3D já esta presente na grande maioria das engenharias do país. O que antes era uma tendência, agora é realidade. O próximo desafio é

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

seguir. Este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o cadastro de produtos no comércio eletrônico.

seguir. Este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o cadastro de produtos no comércio eletrônico. OHá endereçamento muitas particularidades de estoque que éenvolvem uma forma o de identificar onde cadastro um de produto produtos estáno localizado comércio dentro eletrônico, de umque armazém, almoxarifado

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais