Proposição de ações estratégicas para superação das barreiras e efetiva implantação do processo de planejamento integrado (S&OP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposição de ações estratégicas para superação das barreiras e efetiva implantação do processo de planejamento integrado (S&OP)"

Transcrição

1 Proposição de ações estratégicas para superação das barreiras e efetiva implantação do processo de planejamento integrado (S&OP) Leandro de Freitas Matheus (Axia Consulting) Lucas Cley da Horta (Axia Consulting) Hugo Brandão Soares (Axia Consulting) Resumo A efetiva implantação de um processo de ou S&OP (Sales and Operations Planning), desde a definição das atividades do processo, passando pela atribuição de papéis e responsabilidades, estruturação das reuniões de planejamento, construção de um conjunto de indicadores de desempenho e implementação de uma ferramenta APS (Advanced Planning System), exige uma transformação que vai além da convencional implementação de processo e tecnologia. Esta transformação deve envolver também as dimensões pessoas, organização, indicadores, estratégia e alinhamento da visão nos diverdos níveis da organização. Não contemplar todas estas sete dimensões pode promover deficiências e dificuldades durante a implantação que podem se traduzir em barreiras para a efetiva execução de um planejamento integrado. Dentro deste contexto, este artigo apresenta as barreiras encontradas durante a implantação do processo de planejamento integrado. Dentre as constatações feitas, pode-se apontar para disfunções como a falta de definições claras de papéis e responsabilidades acerca do processo, a deficiência de capacitação dos envolvidos, a falta de manutenção de dados para utilização do sistema de planejamento avançado, e a falta de alinhamento da visão organizacional com relação à importância e benefícios de um processo de planejamento integrado. Por fim, são propostas ações para a transposição destas barreiras e efetiva implantação do processo de planejamento integrado. Palavras chave: barreiras na implantação, processo de planejamento integrado, S&OP. 1. Introdução A implementação de um processo estruturado de (Sales and Operations Planning - S&OP) possibita aos gestores a discussão e análise das oportunidades e dificuldades que a empresa possa vir a ter no médio e longo prazo. A partir de discussões em fóruns estruturados, comumente chamados de Reuniões de Pré-S&OP e Reuniões de S&OP, os gestores podem, conjuntamente, antecipar decisões visando otimizar as operações e buscar melhores resultados futuros para a organização. Tem-se observado que a implantação do Processo de S&OP nas empresas focam sobretudo em dois aspectos: o desenho do processo e a implantação/parametrização da tecnologia que o suportará. Entretanto, a efetiva implementação de um Processo de S&OP requer uma transformação da organização que envolve outras dimensões, além de Processos e Tecnologia. Estas outras dimensões são: as Pessoas, a estrutura formal da Organização, os Indicadores de desempenho, a Estratégia e o alinhamento da Visão dos diversos níveis da organização com relação à situação futura vislumbrada para a empresa e a importância do Processo de S&OP dentro deste contexto. Não contemplar todas estas dimensões pode promover deficiências e dificuldades durante a implantação que, por sua vez, podem vir a se transformar em barreiras para a efetiva execução de um planejamento integrado. ENEGEP 2005 ABEPRO 4108

2 Dentro deste contexto, este artigo tem como objetivos apresentar as barreiras encontradas durante a implantação do processo de planejamento integrado e propor um conjunto de ações para a transposição destas barreiras e efetiva implantação do processo de S&OP nas organizações. 2. Processo de (S&OP) O ou Sales and Operations Planning (S&OP) tem sido considerado nos últimos anos um processo de negócio crítico para as empresas (LING, 1998) e tem sido usado por um número cada vez maior de empresas, segundo pesquisa realizada pela Oliver Wight em empresas instaladas nos Estados Unidos (OLIVER WIGHT, 1999). Segundo a APICS (1998), o S&OP consiste num processo que fornece à gerência a possibilidade de dirigir estrategicamente seu negócio para alcançar vantagem competitiva através da integração dos planos de marketing focados nos clientes para produtos novos e já existentes com a gestão da cadeia de suprimentos. Oliver Wight (1999) define S&OP como um processo liderado pela gerência sênior que, em bases mensais, avalia projeções de demanda e fornecimento revisadas ao longo de um período de tempo e seu impacto financeiro. É um processo de tomada de decisão que assegura que os planos táticos de todas as funções do negócio estejam alinhados para suportar o plano de negócio. O objetivo do S&OP é chegar em um consenso num plano único de operações que aloca os recursos críticos de pessoas, capacidade, material, tempo e dinheiro para atender de maneira mais eficaz e de forma lucrativa o mercado. Wallace (1999) também descreve S&OP como um plano de negócio interfuncional que envolve Marketing, Vendas, Produção, Logística, Suprimentos, Desenvolvimento de Produtos e Gerência Sênior para um trabalho conjunto de desenvolvimento de planos integrados que possam ser realizados por todos os departamentos. O S&OP pode ser melhor visualizado identificando seus objetivos. Ling e Goddard (1988) descrevem esses objetivos como sendo: Suportar e medir o plano de negócio; Assegurar que os planos são realistas; Gerenciar efetivamente a mudança; Melhorar a gestão de estoque de produtos acabados e/ou da carteira de pedidos para suportar o serviço ao cliente; Medir o desempenho da cadeia interna e/ou externa; Construir o trabalho em equipe acerca do planejamento tático da organização. O ponto culminante do S&OP consiste em uma reunião onde diversas decisões são tomadas referente ao planejamento macro das atividades geralmente toamda no nível da família de produtos. Entretanto, ele não se resume somente a essa reunião, mas possui diversas atividades que devem ser tomadas antes e depois dela. Por isso o S&OP é tratado como um processo de planejamento e não como uma atividade isolada. Assim, Wallace (1999) estrutura o processo de S&OP em cinco fases: 1) Armazenamento dos dados de Previsão de Vendas; 2) da Demanda; 3) do Fornecimento; 4) Reunião Pré-S&OP; 5) Reunião executiva de S&OP. ENEGEP 2005 ABEPRO 4109

3 Segundo Ling e Goddard (1988) o processo de S&OP oferece às empresas muitas vantagens além de uma simples reunião mensal de planejamento. Em primeiro lugar, o processo fornece a ligação necessária entre o plano de negócio da empresa com as operações de cada departamento. O segundo maior benefício do S&OP é fornecer meios para orquestrar todos os departamentos, provendo tanto coerência vertical quanto horizontal. O terceiro benefício que o S&OP produz é um plano de operações realístico capaz de atingir os objetivos traçados pela empresa. Para Ling e Goddard (1988) esse processo permite que a organização opere o MRP II (Manufacturing Resource Planning) em seu potencial máximo. Um sistema MRP II sem o S&OP, nada mais é que um sistema operacional da média gerência, trazendo apenas um retorno parcial, muito menor do que esse sistema é capaz de trazer (CORRÊA, GIANESI e CAON, 2001). 3. Implementação do Processo de S&OP 3.1 Metodologia de Transformação Conforme descrito anteriormente, o processo de necessita do envolvimento de diversas áreas da organização: Vendas, Produção, Finanças, Compras, Marketing, Transportes e etc. Essa característica acarreta na necessidade de gerenciar tradicionais conflitos de interesse. O ser efetivamente integrado é diretamente influenciado por sua capacidade de lidar com esses conflitos. Nesse sentido, projetos de implementação de S&OP que o identificam apenas como um processo, ou como a implementação de uma nova tecnologia, como sistemas APS (Advanced Planning System), por exemplo, tendem a se deparar com muitas barreiras durante e no pós implementação. Implementar um processo que conviverá numa base de conflito entre áreas necessariamente precisa ser realizado a partir de uma transformação de toda a Organização. A experiência demonstra que uma nova abordagem metodológica denominada de Sete Dimensões da Transformação (AXIA, 2005) está proporcionando o surgimento de diversos casos de sucesso em projetos de Supply Chain Management, muitos deles de implementação de um S&OP. Essa abordagem metodológica prioriza uma visão sistêmica e holística do negócio, contemplando as sete dimensões da transformação, sendo elas: Visão, Estratégia, Processos, Tecnologia, Indicadores, Organização e Pessoas (ver Figura 1). As sete dimensões da transformação permitem analisar problemas mais complexos, como os encontrados no ambiente de Supply Chain, de maneira ordenada, garantindo que todos os aspectos estão sendo avaliados e permitindo uma sinergia intra e inter dimensões. Permite tratar aspectos diferenciados e as vezes conflitantes do negócio de maneira coordenada e objetiva. Na seqüência da Figura 1 é feita uma breve explanação sobre as sete dimensões da transformação. ENEGEP 2005 ABEPRO 4110

4 Figura 1 As Sete Dimensões da Transformação (Programa Axia de Supply Chain Management ) Visão: define, alinha e comunica entre as principais lideranças da empresa o objetivo da transformação proposta. A visão trata de forma subjetiva e qualitativa qual o valor da transformação. Estratégia: estabelece como atingir a visão proposta por intermédio de objetivos e ações estabelecidas. A estratégia trata de forma objetiva e quantitativa qual o valor identificado com a transformação. Processos: determina o escopo e a representação do novo modo de operação objetivado com a transformação. É uma dimensão chave, pois integra as demais dimensões da transformação dentro da organização. Tecnologia: define e implementa as ferramentas a serem utilizadas para suportar os processos definidos. Organização: formaliza e dissemina pela empresa os papéis e responsabilidades das áreas e pessoas envolvidas no(s) processo(s) a ser transformado. Pessoas: cuida da capacitação e da definição do perfil comportamental necessário para que o processo definido seja efetivamente implementado. Indicadores: define e comunica os indicadores estratégicos e de processos que serão implementados para garantir o valor objetivado, assim como direcionar os processos e pessoas para a visão estabelecida. 3.2 Estratégia de Implementação do Processo O projeto de implementação de um processo de S&OP deve ser tratado como uma transformação organizacional suportada por uma metodologia. Entretanto, não basta uma abordagem metodológica, torna-se necessário a definição de uma estratégia de atuação em pontos chaves do processo que alavaquem resultados, e por consequência, a própria transformação de maneira mais efetiva. A experiência demonstra que o projeto de implementação deve ser dividido em três etapas conceituais básicas: Diagnóstico, Implementação e Melhoria Continua. A metodologia baseada nas sete dimensões estrutura estas três etapas em seis fases: Alinhamento, Visibilidade, Proposição, Desenho, Implementação e Captura de Valor (Figura 1). O Diagnóstico tem como objetivo entender os processos atuais e suas interfaces, além de levantar disfunções e requerimentos que deverão ser tratadas na fase de implementação. O resultado desta etapa é um conjunto ordenado de ações de maneira a atingir resultados sinérgicos. ENEGEP 2005 ABEPRO 4111

5 A etapa seguinte, de Implementação, terá como resultado o S&OP implementado. Para tal, inicia-se com um desenho que posteriormente é implementado. Para efeito de gestão de projeto esta etapa pode ser dividida em várias fases. A última etapa, denominada de Melhoria Continua (definida dentro da metodologia como Captura de Valor), busca aprimorar o processo a partir do levantamento de oportunidades de melhoria, e, principalmente, acompanhar os ganhos qualitativos e quantitativos na nova prática. Para sucesso da implementação, além da estrututração do projeto de implementação/transformação em fases conforme a metodologia proposta, existe uma rede de pontos críticos que, se abordados de forma coordenada e estruturada, promovem uma redução das barreiras inerentes à implementação. As barreiras enfrentadas na implementação ou pós-implementação e as ações a serem tomadas ou pontos críticos a serem abordados são discutidos na seqüência. 4. Barreiras na implementação do S&OP Conforme discutido, a implantação do Processo de S&OP deve promover uma transformação que permeie as sete dimensões apresentadas. A não consideração de todas as sete dimensões durante este processo de transformação pode incorrer em barreiras para a efetiva execução do próprio Processo. As barreiras constatadas em implantações do Processo de S&OP suportados por uma ferramenta de planejamento avançado são apresentadas a seguir, agrupadas dentro das sete dimensões da transformação: Processos a) Faltam regras e disciplinas para condução de um. Normalmente os prazos definidos no calendário mensal do processo não são cumpridos; b) Faltam definição e visibilidade das operações do mês seguinte (M1), diminuindo o interesse em se conhecer/analisar as operações dos meses posteriores (M2, M3, M4,...); c) Não existem Processos Viabilizadores definidos, ou seja, processos que garantam a manutenção dos dados necessários para a utilização da ferramenta de planejamento avançado. Estes dados consistem em Dados Mestres e Dados Transacionais, como: clientes (sistemática de priorização de cliente), produtos (receita, lista técnica, tempos e rendimentos), recursos (atualização de capacidades), etc. Tecnologia a) Não existem relatórios de gestão automatizados/implementados para suportar todo o processo; b) O tempo de resposta do sistema é algumas vezes maior do que o necessário para dar agilidade ao Processo. Organização a) Falta de definições de Papéis & Responsabilidades dentro do Processo de ; b) Papéis & Responsabilidades refletem as sobreposições ou lacunas que existem nas decisões e funções na cadeia; c) A estrutura organizacional da empresa não foi reestruturada para suportar o Processo. ENEGEP 2005 ABEPRO 4112

6 Pessoas a) Perfis comportamentais não são compatíveis com as funções dentro do Processo; b) Existem dificuldades conceituais sobre e Programação, considerando o objetivo e horizonte de cada processo; c) Qualificação das pessoas é insuficiente considerando a complexidade geralmente crescente dos negócios; d) As pessoas se apresentam resistentes à mudança, sobretudo quando não entendem e/ou não acreditam nos benefícios do processo de S&OP. Indicadores a) Indicadores privilegiam a visão funcional e não de processo. Logo, buscam-se ganhos de desempenho nas funções e não na cadeia; b) Indicadores dos processos de planejamento não são utilizados para sua gestão. Não há um processo estruturado de PDCA (Plan, Do, Check, Action) onde se busque analisar os resultados alcançados para planejar e aplicar melhorias; c) Falta de conhecimento específico desta área de conhecimento dentro das empresas. Estratégia a) As diretrizes estratégicas não estão claramente formalizadas nas prioridades e regras de negócio da organização; b) Estratégias de atendimento e priorização de clientes não estão claramente definidas e comunicadas para toda companhia; c) Análise e ponderação entre nível de serviço e custo de servir não está implementada. Não existe um processo implementado e tampouco uma ferramenta que suporte esta análise de nível de serviço x custo de servir a fim de otimizar os resultados da organização. Visão a) Não existe uma visão comum sobre o papel dos processos de planejamento; b) Não existe uma visão comum sobre os potenciais benefícios do processo de S&OP; c) Os objetivos do não estão comunicados e alinhados dentro da organização; d) O modelo de gestão não reconhece o impacto no aumento da complexidade e conseqüente variabilidade do negócio. Enfim, estas representam as principais barreiras para implantação do Processo de S&OP, defrontadas por várias ocasiões e em diferentes momentos dentro de projetos de implementação. Finalmente, estas barreiras devem ser eliminadas ou fortemente reduzidas para que o processo de planejamento integrado não corra riscos de não ser efetivamente utilizado e seguido dentro da organização. 5. Ações estratégicas para efetiva implementação do S&OP A redução ou eliminação destas barreiras apresentadas faz-se necessário para a efetiva execução do processo de planejamento integrado e conseqüente obtenção dos benefícios inerentes a este processo. Para transpor estas dificuldades deve-se tomar ações estratégicas que objetivem atacar diretamente as causas raízes da existência destas barreiras, buscando eliminá-las e possibilitar a completa transformação da organização, sob o prisma das sete dimensões da transformação. ENEGEP 2005 ABEPRO 4113

7 A seguir são propostas uma série de ações a serem implementadas para transposição das barreiras e efetiva implantação do Processo de S&OP (Tabela 1): Ações para transposição das barreiras à implementação do Processo de S&OP Processos Tecnologia Organização Pessoas Indicadores Estratégia Visão Adequar a Hierarquia de às características do negócio Definir e gerar os relatórios necessários para o Redefinir características das reuniões de planejamento (Pré- S&OP e S&OP): - Objetivos, Escopo das discussões, Participantes, Indicadores de gestão do processo, Forma de comunicação das decisões Desenhar e implementar os procedimentos de entrada, consumo e fechamento do Pedido Adequar os Processos Viabilizadores: - cadastro e atualização de dados mestres, cadastro e atualização de dados transacionais Implementar os relatórios definidos para o em uma ferramenta de Business Inteligence Realizar o Teste dos Processo de suportados pela ferramenta APS Avaliar impacto das mudanças necessárias para implementação dos processos viabilizadores nos sistemas Elaborar Relatórios para gestão do Pedido Implementar/Configur ar as mudanças necessárias nos sistemas para adequação ao processo Definir, formalizar e comunicar os papéis e responsabilidades de todos os cargos envolvidos no, em concordância com a revisão do processo e adequação da estrutura Definir perfil desejado para os cargos da estrutura Definir e comunicar os novos papéis e responsabilidades necessários para o Processo de Entrada de Pedidos e Programação da Produção e Expedição de mercadorias Definir, formalizar e comunicar os novos papéis e responsabilidades necessários para a implementação dos Processos Viabilizadores Alinhar e comunicar a terminologia do para toda a Organização Treinar todos os envolvidos no de acordo com seu novo papel e responsabilidade Treinar todos os envolvidos de acordo com seu novo papel e responsabilidade dentro dos Processo viabilizadores Comunicar a importância da correta execução dos Processos Viabilizadores como condição fundamental para o Estruturar e implementar os indicadores de gestão do Processo de Acompanhar e prover visibilidade (feedback) dos indicadores de gestão do processo a todos os envolvidos Efetuar as atividades de Check (C) e Action (A) do PDCA nos indicadores de gestão implementados Definir e implementar indicadores para os procedimentos de entrada, consumo e fechamento do Pedido Definir as políticas e regras de priorização de clientes Acompanhar o atendimento das políticas e regras de priorização Estabelecer as regras de gestão de demanda da empresa (com diferentes origens de demanda) Analisar e definir a tipologia de manufatura (MTO x MTS) para os principais produtos da empresa Definir estratégia para gestão da variabilidade no planejamento Diferenciar e comunicar os objetivos de programação (M1) e planejamento (Mn) para toda a organização Workshops de alinhamento com a Diretoria Workshops para alinhamento com gestores participantes do processo de S&OP; Elaborar material de comunicação para todos os envolvidos no Realizar seminários com todos os envolvidos no processo Workshop e seminários para alinhar a importância dos processos viabilizadores do Tabela 1 Ações propostas para transposição das barreiras à implementação do Processo de S&OP A definição em conjunto com a alta-administração sobre qual a visão sobre, seguida do alinhamento com toda a média-gerência, e por fim a comunicação para toda a organização são pontos críticos iniciais da implementação de um S&OP de sucesso. Em seguida, deve-se adequar a estrutura organizacional das áreas diretamente relacionadas ao S&OP à nova visão. Pode-se chegar até a criação de uma nova área de. A partir disso, os papéis e responsabilidades (P&Rs) precisam ser revistos e novamente comunicados à organização. Eles sofrerão ajustes durante toda a fase de implementação, e até durante a melhoria continua. O próximo ponto chave é a estruturação da reunião de S&OP. Definir objetivos, participantes, pauta, duração, periodicidade e indicadores a serem apresentados é uma forma eficiente de viabilizar a visão de S&OP e prover o sentido da mudança. Depois de implementada a reunião de S&OP, todos os outros fóruns formais de discussão ENEGEP 2005 ABEPRO 4114

8 dentro da organização devem ser sistematizados. E indicadores também devem ser atribuídos às atividades e P&Rs do processo, ou seja, deve-se definir um processo de acompanhamento dos indicadores de monitoração do Processo de. Por fim, uma comunicação clara e eficiente, além de um programa de capacitação conceitual ao longo de todo o projeto, são pontos chave para manutenção da mudança a partir de uma base sólida de conceitos e alinhamento. 6. Considerações Finais As implementações de S&OP tem revelado barreiras durante e no pós-implementação que precisam ser abordadas e transpostas a fim de viabilizar a efetiva execução do processo e permitir o alcance dos ganhos esperados. Portanto, torna-se necessário abordar os pontos críticos e tomar ações que venham de encontro a essas barreiras, visando sua redução ou completa eliminação dentro da implementação do Processo. As experiências de implementação do Processo de utilizando a metodologia baseada nas Sete Dimensões da Transformação (AXIA, 2005), onde ações são propostas visando reduzir e eliminar as barreiras na implantação, têm mostrado a eficácia desta metodologia para o sucesso da implementação e efetiva prática do Processo de S&OP. Por sua vez, a efetiva implantação e execução do Processo de nas empresas têm confirmado os ganhos apontados na literatura. Ganhos vindos da redução dos níveis de estoque, redução dos custos operacionais, otimização da capacidade produtiva utilizada, estabilização das taxas de produção, redução no lead time total de atendimento do pedido, melhora no nível de serviço aos clientes e, sobretudo, o enorme ganho de se estabilizar e dar visibilidade às operações da cadeia, através de decisões tomadas a partir da antecipação de dificuldades e oportunidades do negócio. Referências APICS Dictionary (1998). The Association for Operations Management. Dictionary, Ninth Edition. AXIA Consulting (2005). Home Page. CORRÊA, H.L.; GIANESI, I.G.N.; CAON, M. (2001). Programação e Controle da Produção, São Paulo, Editora Atlas S.A. LING, R.C. (1998). Sales and Operations Planning: the integrator of the business planning. Virtual APICS Knowledge Toolkit, Conference Proceedings. 1 CD ROM. LING, R.C.; GODDARD, W.E. (1988). Orchestrating Success: Improve Control of the business with Sales and Operations Planning, Oliver Wight Publications, Inc. OLIVER WIGHT (1999).Oliver Wight Sales & Operation Planning Survey. WALLACE, T.F (1999). Sales & Operations Planning: the how-to handbook. Cincinati, T.F.Wallace. ENEGEP 2005 ABEPRO 4115

PCP - Planejamento e Controle da Produção. Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera.

PCP - Planejamento e Controle da Produção. Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera. PCP - Planejamento e Controle da Produção Cap 2 PIVO / S&OP Planejamento Integrado de Vendas e Operações Sales and Opera.ons Planning Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br PIVO = S&OP (Sales

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br

Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br 1. Introdução Sumário 2. Objetivos Específicos do S&OP 3. Descrição do Processo

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna

Sales and Operations Planning uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna uma maneira simples de obter ganhos com a integração interna Rodrigo Arozo A quebra dos silos funcionais e a integração entre as diversas áreas das empresas, bem como a adoção de uma visão por processos,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Alguns dos nossos Clientes

Alguns dos nossos Clientes Alguns dos nossos Clientes Processo de S&OP Caminho para a Excelência em Negócios A Realidade dos Processos Administrativos Muitas empresas gerenciam diversos planos para cada departamento mas não existe

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Implementação da metodologia S&OP como ferramenta de integração e otimização do Supply Chain no segmento de bebidas.

Implementação da metodologia S&OP como ferramenta de integração e otimização do Supply Chain no segmento de bebidas. Implementação da metodologia S&OP como ferramenta de integração e otimização do Supply Chain no segmento de bebidas. Companhia Fluminense de Refrigerantes Realização: Royal Palm Plaza Campinas/SP 05 de

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO INTEGRADA

POLÍTICA DE GESTÃO INTEGRADA Conteúdo 1. OBJETIVO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. SGI-AMAZUL... 3 4. SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE... 3 5. QUALIDADE... 4 6. DOCUMENTAÇÃO... 5 6. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 6 7. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Qual a melhor técnica para auto-avaliação?

Qual a melhor técnica para auto-avaliação? técnicas Qual a melhor técnica para auto-avaliação? : Integração das ferramentas de auto-avaliação 1. Por meio de questionários aplicados às partes interessadas (docentes, discentes, funcionários e sociedade)

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço

MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço Melhorias continuas Proporcionar um Guia Prático para avaliar

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais.

Origem do SCO O SCO é baseado no ICS, desenvolvido nos EUA durante as décadas de 70/80, inicialmente para coordenar a resposta a incêndios florestais. APRESENTAÇÃO DO SCO Conceito de SCO O Sistema de Comando em Operações é uma ferramenta gerencial para planejar, organizar, dirigir e controlar as operações de resposta em situações críticas, fornecendo

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais