CONTRATO DE TRABALHO NA ATUALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATO DE TRABALHO NA ATUALIDADE"

Transcrição

1 !"# $%& (')& & * )+, -!. /10324/657/ B%C 81DFE6 G C 24:H I;=2J I86K7L6K7; 8 C 2A;=5M03/6N78 C /

2 !"# $%& (')& & * )+, -!. CONTRATO DE TRABALHO NA ATUALIDADE O trabalho se encontra interligado com a essência do racionalismo humano, tendo sua origem nos primórdios de nossa civilização. Contudo, a evolução das sociedades e as formações tecnológicas, introduzidas a partir da revolução industrial no século XVIII, modificaram a forma de prestação de trabalho, a qual passou a ser subordinada. Na atualidade, a maior inserção de trabalhadores no mercado de trabalho, ocorre nos parâmetros da subordinação, pois com o advento da máquina, ficou concretizada a produção em larga escala, acentuando o número de pessoas nos grandes centros industriais, concretizando os alicerces da nossa sociedade capitalista. O maior problema da atual sociedade, se encontra nos altos níveis de desemprego, pois a tecnologia inseriu a máquina no lugar do homem, substituindo a força de trabalho no processo produtivo, o que consequentemente causa o desemprego, o qual acarreta desigualdades sociais e exploração de mão de obra. Devido as desigualdades entre os trabalhadores e os dominadores de capital, o estado deve regular a relação de trabalho, impondo regras, e delimitando a exploração da força de trabalho. A revolução francesa, em 1789 proveu, o início da inserção dos direitos sociais, baseados nas ideologias de igualdade e liberdade, as quais no contexto da história, ficou visualizada com um certo antagonismo. Porém, a partir desse marco, surgiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos em 1948, tendo por base a justiça social, a qual consolida o direito trabalhista.( Learth, 2001.) Atualmente a legislação brasileira, visa um estado democrático de direito, contudo necessita atuar de forma intervencionista, para manter as conquistas e os direitos sociais, pois o Estado brasileiro, está fundado sobre os princípios da soberania, cidadania, dignidade da pessoa

3 humana, pluralismo político e baseado nos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa, para garantir dessa forma os direitos individuais dos cidadãos. Dessa forma, o direito trabalhista brasileiro se encontra fundado nas normas impostas pela Constituição Federal promulgada em 1988, e regulamentada por um conjunto de leis trabalhistas, as quais foram consolidadas pelo decreto-lei em 1 de Maio de 1943, além do ordenamento jurídico infra-constiucional, que não se encontra expresso, pela Consolidação das leis do trabalho ( CLT ). Em suma, o contrato de trabalho está atualmente regulamentado pelo Estado, o qual através de seu corpo de normas regula as relações de trabalho. Diante desse panorama, vale ressaltar que o contrato de trabalho possui peculiaridades, pois a vontade das partes contratantes fica delimitada pela norma, que traz por conseqüência na relação entre empregado e empregador a descaracterização da autonomia no contrato laboral. FUNÇÕES DO CONTRATO DE TRABALHO O contrato de trabalho, possui a função de regulamentar a prestação laboral, sendo fundado na subordinação jurídica. Além disso, possui o fim de estabelecer as obrigações, entre empregado e empregador, as quais são delimitadas pelo ordenamento jurídico brasileiro. No entanto, o contrato laboral possui uma função sócio cultural, que tem por objetivo, projetar o trabalhador no âmbito da cidadania. Pois, no momento que é efetuado o contrato de trabalho se garante a subsistência do trabalhador, consequentemente este se transforma em consumidor, o qual garante a estabilidade do mercado. O trabalho depende do capital, da mesma forma que o capital depende do trabalho, no entanto as desigualdades existente entre os dois são emergentes, dessa forma, ocorre a necessidade da regulamentação dessa relação, para ocultar conflitos e desmantelar as relações de poder, e formalizar a igualdade entre as partes dessa relação. Podemos dizer que a relação entre empregado e empregador é hiposuficiente, pois o capital possui um poder emanado em nome da propriedade privada, fazendo assim, uso desse poder para manter o trabalhador em seu posto, sem que o mesmo reivindique seus direitos.

4 Por conseqüência desses fatos, existe a necessidade da regulamentação por parte do Estado, para manter a ordem e proteger o empregado. Por isso, se deve tratar os iguais de forma igual e os desiguais de forma desigual, com o intuito de promover a igualdade. Por tanto, o Estado deve regulamentar a relação de trabalho, assegurando os direitos dos trabalhadores, os quais são parte hiposuficiente na relação. Assim, a função do contrato é regulamentar a relação jurídica de trabalho, estabelecendo entre empregado e empregador uma certa segurança, para o cumprimento das normas imperativas impostas. Tem por obrigações o empregado dever primário de trabalhar, e os deveres acessórios da obediência, fidelidade, assiduidade, pontualidade e urbanidade. Já as obrigações por parte do empregador se delimitam primariamente ao pagamento pontual do salário, e secundariamente o dever de dar trabalho, em local seguro e higiênico, fornecendo as ferramentas de trabalho e os materiais devidos para proteção, não podendo causar discriminação ao trabalhador.( Cardona, 2000.p.91) INOVAÇÕES LEGAIS E SEUS REFLEXOS Os trabalhadores com o decorrer dos anos foram adquirindo direitos sociais, os quais se consolidaram com a CLT em 1945, no entanto, tais conquistas foram parcialmente derrubadas, a partir da Constituição Federal, promulgada em A Constituição Federal, abriu caminho para as negociações coletivas, oportunisando a quebra de direitos individuais adquiridos, em detrimento de convenções coletivas, nas quais os trabalhadores ficam representados pelos sindicatos. O art. 8 da C.F. normatizou a figura dos sindicatos, impondo a presença dessa entidade nas convenções coletivas, conforme o texto do inciso VI ", é obrigatória a participação dos sindicatos nas convenções coletivas de trabalho;". Vale ressaltar, que a figura dos sindicatos, possuía maior expressão na época da promulgação da Carta Magna, o que infelizmente não ocorre hoje, pois os sindicatos perderam sua força, não mais estando tão interligados a todos os trabalhadores, e sim a uma pequena parcela da qual realmente participa das assembléias. Dessa forma, os direitos de todos os

5 trabalhadores de uma categoria, se submetem a decisão de alguns integrantes da direção do sindicato. Além disso, o sindicato hoje está intimamente interligado com a política, o que é vedado, porém não é respeitado, descaracterizando os seus objetivos, que se delimita a representação dos direitos dos trabalhadores. Portanto, os sindicatos não devem possuir ideologias políticas, tampouco ser manipulado por uma pequena parcela dos trabalhadores conforme ocorre hoje. A restrição dos direitos individuais, em detrimento das convenções coletivas, está expresso na própria Constituição Federal, a qual em seu art. 7º inciso XIII e XIV delimita a jornada de trabalho, porém abre uma ressalva, autorizando a negociação coletiva, e proporcionando a flexibilização de um direito individual. Em conseqüência, permitindo aos sindicatos, o arbítrio sobre direitos individuais dos trabalhadores. Em paralelo, a flexibilização da legislação trabalhista é inevitável, conseqüência de uma revolução tecnológica existente na atualidade, pois os pólos industriais possuem mais tecnologia e informatização, reduzindo a necessidade de operadores, formando um índice elevado de desemprego. Portanto, fica clara a necessidade de sindicatos com expressão, para garantir os direitos dos trabalhadores. No plano da legislação ordinária, em 21 de Janeiro de 1998 foi promulgada a Lei 9.601, a qual dispões sobre os contratos de trabalho por prazo determinado. Essa medida, se confronta com o princípio da continuidade da relação de emprego, pois atinge diretamente a questão temporal, afetando a duração do contrato de trabalho.( Pinto, 2000.) A intenção da nova norma, foi a viabilização, da abertura de novas vagas de trabalho, a fim de reduzir o desemprego. Além disso, se abriu mais uma possibilidade de negociação coletiva, estimulando a flexibilização e restringindo novamente direitos individuais, porém ampliando, o campo da celebração dos contratos por tempo determinado. Além dessas inovações, a Lei estipulou sobre a regulamentação do banco de horas, o qual faz com que o trabalhador efetue horário extraordinário, para substituir um dia de trabalho, dessa forma compensando a jornada de trabalho. Em suma, a legislação brasileira está em constante mudança, devido ao fato de que a sociedade constantemente altera seus valores, avançando de uma forma frenética, sob o aspecto tecnológico. Portanto, o direito é dinâmico, nessecitando de reajustes para poder acompanhar o evoluir da sociedade.

6 IMPACTOS DA GLOBALIZAÇÃO NO DIREITO TRABALHISTA A globalização surgiu com o fim da guerra fria, quando ocorreu a dissolução do bloco soviético (URSS), situado no leste europeu. Esse bloco, possuía uma ideologia política socialista, a qual impunha a ascensão do proletariado ao poder, sobrevindo de um regime militar. Contudo, a queda do muro de Berlim em 1989, simbolizou o fim desse regime socialista, o qual se fundava na justiça social, mas se demostrou extremamente autoritário, o que impossibilitava o desenvolvimento e avanços tecnológicos. O liberalismo clássico formalizou as bases da economia mundial, que procura globalizar as relações entre os mercados, efetuando sua produção sem intervenção estatal, a qual ocorre através de negociações. No âmbito trabalhista a globalização influência diretamente os direitos adquiridos, disponibilizando esses direitos, os quais passaram a ser objeto de negociação, através da flexibilização. Diz Cordeiro (2000, p.30), que são cinco as principais causas da globalização são: O declínio do poderio soviético; o progresso tecnológico da informática e das telecomunicações; o aumento do déficit público dos países desenvolvidos; a alteração do perfil populacional; a modernização e o barateamento dos transportes intercontinentais. Dessa forma, se visualiza que a tecnologia e a mudança do perfil populacional, influenciou diretamente a economia, formalizando um mercado interligado, o qual passou por uma fase de consolidação de blocos econômicos, o que presumiu uma dependência entre os países do bloco. Porém, efetuando uma independência econômica e cultural entre os interblocos. A formação dos blocos econômicos, surgiu com o escopo de garantir a sobrevivência e reconhecimento, das economias dos países pertencentes ao bloco, dentro do mercado mundial. O critério utilizado para as formações dos blocos é o interesse econômico e político, mas principalmente a questão da proximidade geográfica, concretizando dessa forma um novo arranjo geográfico mundial. O blocos econômicos ficaram concretizados da seguinte forma:

7 UNIÃO EUROPÉIA, constituída de 15 países; o N.A.F.T.A., composto pelos Estados Unidos e pelo México e Canadá; a BACIA DO PACIFICO, composto por diversos países industrializados do leste Asiático, denominados de "Tigres Asiáticos"; por fim o MERCOSUL, composto pelo Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. ( Learth, 2001) Contudo, a consolidação dos blocos modificou o cenário econômico internacional, porém essas alterações, passam por uma fase de adaptações, devido ao fato que, não é simples codificar em um bloco várias economias distintas, existentes entre os países. Dessa forma o Mercosul, não se encontra consolidado, principalmente pelas economias frágeis e inconstância dos governos pertencentes ao bloco. Outro fator que desmantela o Mercosul, é a nova proposta efetuada pelo Estados Unidos, para a abertura da Área de Livre Comércio das Américas, a ALCA, a qual possui o objetivo meramente comercial, sem nenhuma pretensão intervencionista, para propósito comunitário. Vale ressaltar, que a globalização excede as fronteiras dos mercados econômicos, influenciando as organizações políticas e sociais, acarretando modificações no âmbito da legislação trabalhista. Além disso, causando a queda de um estado intervencionista, o qual garantia os direitos sociais dos trabalhadores, promovendo consequentemente, a exclusão social, o desemprego, e diminuição dos salários. Nesse sentido, Alcoforado (1997 p.30) relata que a globalização se caracteriza pela explosão e aceleração de fluxos de toda ordem, pois mercadorias, serviços, informações, imagens, moda, idéias e valores formalizam tudo aquilo que o homem inventa e produz, necessitando dessa forma do deslocamento dessas produções para ocorrer o desenvolvimento. A busca pelo desenvolvimento, se confronta, com as mudanças proporcionadas na decorrência do neoliberalismo, o que acarreta privatizações, enxugamento da máquina estatal, cortes de gasto, diminuição com pessoal, flexibilização das normas trabalhistas. Criando dessa forma, condições ideais para a implantação da globalização na economia, com o fulcro de promover o desenvolvimento tecnológico. Porém, as conseqüências desse desenvolvimento, se relacionam com o desemprego, o que causa enfraquecimento da economia, proporcionado pelo fator interno. Na busca da solução para o fantasma do desemprego, a tendência fica destinada a flexibilização da norma trabalhista, com o intuito de aumentar o número empregos, retirando os direitos individuais conquistados pelos trabalhadores no decorrer de décadas.

8 Em suma, existe a necessidade de uma proteção dos direitos dos trabalhadores, porém de uma forma que não cause prejuízo a economia e consequentemente, não diminua o número de empregos, havendo assim a necessidade da atuação sindical, para promover a garantia dos direitos individuais dos trabalhadores. A FLEXIBILIZAÇÃO DA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO. A sociedade se encontra em constantes transformações tecnológicas, o que vem, modificando a economia mundial. Essas mudanças, causaram reflexos na legislação trabalhista, pois a globalização da economia, está acarretando mudanças na forma de utilização da força de trabalho, a qual por conseqüência vem sofrendo uma flexibilização da norma. Em Outubro de 2001, foi encaminhado ao Congresso Nacional o projeto de lei n /2001, que altera o disposto no art. 618 da CLT, sendo apresentado a Câmara de Deputados com a seguinte texto: "Art As condições de trabalho ajustadas mediante convenção ou acordo coletivo prevalece sobre o disposto em lei, desde de que não contrarie a Constituição Federal e as normas de segurança e saúde do trabalho." Contudo, o projeto foi aprovado pela câmara, mas sofreu algumas alterações, sendo encaminhado ao senado com o seguinte texto: "Art Na ausência de convenção ou acordo coletivo firmados por manifestação expressa da vontade das partes e observadas as demais disposições do título IV dessa consolidação, a lei regulará as condições de trabalho. 1 A convenção ou acordo coletivo, respeitados os direitos trabalhistas previstos na Constituição Federal, não podem contrariar lei complementar, as leis n de 14 de Abril de 1976, e n , de 16 de Dezembro de 1995, a legislação tributária, a previdenciária e relativa ao Fundo de Garantia do Tempo de serviço - FGTS, bem como as normas de segurança e saúde do trabalho.

9 2 Os sindicatos poderão solicitar o apoio e o acompanhamento da central sindical, e da confederação ou federação a que estiverem filiadas quando da negociação de convenção ou acordo coletivo previsto no presente artigo." Essa alteração da norma trabalhista, afetará diversos direitos adquiridos pelos trabalhadores no decorrer de décadas, além disso, os empregadores e empregados serão influenciados a optarem, pelos acordos ou convenções coletivas, contrariando as condições mínimas exigidas pela norma atualmente. Em conseqüência, ocorrerá desigualdades nas negociações, pelo fato da mobilização sindical não se encontrar fortalecida, e os trabalhadores obterão a garantia de seus direitos através de seus representantes, os sindicatos. Segundo Arnaldo Sussekind serão certamente reduzidos os seguintes direitos: - valor da remuneração do repouso semanal, que poderá ser em qualquer dia da semana; - redução dos adicionais de trabalho noturno, insalubre ou perigoso e de transferência provisória do empregado; - ampliação do prazo para pagamento de salário; - ampliação da hora do trabalho noturno; - ampliação das hipóteses de trabalho extraordinário; - extensão da eficácia da quitação de direitos; - redução do período de gozo das férias, ampliação do seu fracionamento e alteração da forma de pagamento da respectiva remuneração, observado, ao nosso ver, o disposto na convenção da OIT n. 132, que o Brasil ratificou; - redução nos casos de ausência legal do empregado, inclusive da licença paternidade; - redução do valor de depósito do FGTS; - transformação do 13 salário em parcelas mensais. Devido as citações acima, diversos órgãos se posicionam contrario a flexibilização da CLT, que acabará com as garantias conquistadas pelos trabalhadores, dentre as quais estão a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), AJURIS (Associação de Juizes), AMATRA (Associação dos Magistrados do Trabalho), AGETRA (Associação Gaúcha dos Advogados Trabalhistas), ANAMATRA (Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho), e a CAT (Central Autônoma dos Trabalhadores).

10 Todas essas manifestações adversas, ocorrem devido a brusca modificação das leis do trabalho, e por causa das conseqüências que poderão ocorrer em detrimento dessa nova norma. A transformação na economia mundial, justifica uma certa flexibilização da norma trabalhista, possuindo o intuito, de harmonizar os interesses empresariais com os dos trabalhadores, porém essa flexibilização não pode acarretar desrregulamentação de direitos adquiridos, nem colocar a garantia desses direitos sobre a responsabilidade total dos sindicatos, retirando dos trabalhadores a proteção do Estado. Na realidade a flexibilização ocorre por conseqüência da globalização, conforme já expresso, a economia se baseia numa política neoliberal, onde o que interessa é a concorrência dos mercados, não importando a questão social, e por conseqüência ocorre o desmantelamento dos direitos sociais. Assim, ocorre prejuízo em relação aos direitos individuais dos trabalhadores, modificando de certa forma os alicerces da norma trabalhista, e alterando os parâmetros, os quais se baseavam na lei, e com a flexibilização, obterão por base as convenções ou os acordos coletivos. As alterações decorrentes da flexibilização, influenciam diretamente o contrato de trabalho, pois esse instrumento não mais fica restringido pela lei, a qual retirava autonomia das partes e suas vontades. Contudo, com a flexibilização as partes possuíram maior autonomia, pois os empregados e os empregadores, previamente discutiram as clausulas contratuais nos dissídios coletivos, tendo desse modo o trabalhador como garantia somente as representações dos sindicatos. Em suma, a flexibilização ocorre em decorrência das alterações tecnológicas, que influenciam a economia, e se baseiam numa política neoliberalista, formalizando a globalização dos mercados, possuindo a intenção de harmonizar os interesses empresariais com os dos trabalhadores. No entanto, não se pode desmantelar a norma trabalhista, retirando garantias e direitos dos trabalhadores, pois existe a necessidade de proteção por parte do Estado, o qual não pode ser substituído pelas entidades sindicais.

11 &?' I? ' ALCOFORADO, / 68. São Paulo: Nobel, CARDONA, Angela Maria Alves. 2 C ;> N72$2AN7K C / 8. Canoas: ULBRA, 68 6;=: N7; C / 57N72$2AN K7/62A: ; CORDEIRO, Wolney de Macedo. ' N78 ; C São Paulo: LTR, LEARTH, / 68.N7/" I<= A/.;)?2 C ;=2 038.N78. C / /6<#0386:;)?;=:/ D 2486:., PINTO, José Augusto Rodrigues. ' K C :8 N ; 2 C ;> N C / São Paulo: LTR, SUSSEKIND, Arnaldo. 57: K$26;=:%N 8?2 C ;=2 0 8 N78 C / São Paulo: LTR, 2000.

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Organização sindical: Contribuições, Convenções e Acordos Coletivos do Trabalho, Dissídio Coletivo, Direito de Greve (Lei nº 7.783, de 28/6/89). Comissões de Conciliação

Leia mais

TEMÁTICA I: Gestão do conhecimento A EVOLUÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO E SEUS REFLEXOS NOS DOCUMENTOS DAS UNIDADES DE GESTÃO DE PESSOAS Manuela Santana Coutinho Aurora Leonor Freixo INTRODUÇÃO Esta comunicação

Leia mais

SUGESTÃO N o 80, DE 2013

SUGESTÃO N o 80, DE 2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 80, DE 2013 Sugere Projeto de Lei que visa alterar dispositivo do Capítulo IV do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, para garantir ao

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direitos fundamentais de segunda geração Surgimento: necessidade de intervenção estatal em

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR Luciana Santos Trindade Capelari Advogada trabalhista e empresarial, Especialista em Direito Processual, e em Direito

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação Trabalhista CÓDIGO: GCT016 UNIDADE ACADÊMICA: FACIP

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS. Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R

INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS. Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 OS NOVOS DIREITOS... 4 DIREITOS DE EFICÁCIA IMEDIATA...

Leia mais

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles A aprovação do projeto de Emenda Constitucional 66/2012, e a subsequente edição da EC 72/13, relativo

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT O contrato de trabalho por prazo determinado é aquele cuja duração dependa de termo prefixado ou da execução de serviços específicos ou ainda

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO

COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil - São Paulo, Brasil - 31 de janeiro de 2013 CONCEITO A compensação da jornada de trabalho ocorre quando o empregado

Leia mais

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1 Direitos Sociais 01. NÃO é considerado um direito social, expressamente previsto na Constituição Federal Brasileira de 1988, a: a) Segurança; b) Educação; c) Livre concorrência; d) Saúde. 02. Os que percebem

Leia mais

Proteção ao Trabalhador Menor

Proteção ao Trabalhador Menor Proteção ao Trabalhador Menor O trabalhador menor ganhou proteção legal para o desempenho de suas atividades, razão que lhe assiste por se encontrar num processo de amadurecimento físico, mental, moral,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I

RECURSOS HUMANOS MÓDULO PRÁTICA TRABALHISTA I MÓDULO I ÍNDICE OBJETIVO METODOLOGIA BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA CURRICULUM RESUNIDO DO PROFESSOR CAPÍTULO 1 DIREITO DO TRABALHO Conceitos, Fontes e Convenções...4 Jornada de Trabalho...8 CAPÍTULO 2 REMUNERAÇÃO

Leia mais

Assim, caso a União não decretar feriado, existem as seguintes possibilidades:

Assim, caso a União não decretar feriado, existem as seguintes possibilidades: INFORMATIVO SOBRE A COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO JOGOS DA COPA DO MUNDO 2014 BRASIL ESTATÍSTICAS Levantamento realizado pela Robert Half com 100 diretores de Recursos Humanos no Brasil revela que:

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL

CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE REDUÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO (RJT) SEM REDUÇÃO SALARIAL 1. Introdução: Atualmente, há três PEC(s) visando alterar Incisos do art.7º, da Constituição Federal que estabelecem: - XIII:

Leia mais

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas.

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito do Trabalho / Aula 05 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada;

Leia mais

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Legislação Aplicável * LEI Nº 5.859, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1972 * CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 7º, PARÁGRAFO

Leia mais

PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR

PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS EM MATÉRIA DE DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS, PROTOCOLO DE SAN SALVADOR Preâmbulo Os Estados Partes na Convenção Americana sobre

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO FELIPE VASCONCELLOS CAVALCANTE Universidade Federal de Goiás UFG Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Departamento de Desenvolvimento de Recursos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Carlos Bezerra) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Carlos Bezerra) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Carlos Bezerra) Regulamenta as condições de trabalho do trabalhador avulso. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei regulamenta as condições de trabalho do trabalhador

Leia mais

1. Em relação ao trabalho da mulher, assinale a alternativa correta:

1. Em relação ao trabalho da mulher, assinale a alternativa correta: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO DO TRABALHO 1. Em relação ao trabalho da mulher, assinale a alternativa correta: a) A licença maternidade da empregada contratada por uma empresa

Leia mais

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos

Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Redução de tributos e jornada de trabalho para geração de empregos Palavras Chaves: Redução de Impostos; Redução de Tributos; Geração de Empregos, Redução de Jornada de Trabalho 1. Introdução A redução

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO NO BRASIL UMA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

JORNADA DE TRABALHO NO BRASIL UMA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA JORNADA DE TRABALHO NO BRASIL UMA ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA A exploração do trabalho humano na primeira metade do século XIX acabou por impor aos trabalhadores a necessidade de uniões

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2012 Disciplina: Direito do Trabalho I Departamento: Direito Social e Coletivo Docente Responsável: Anselmo Domingos da Paz Junior Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo:

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008079/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044195/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004278/2009-22 DATA

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento

Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri. A elaboração da folha de pagamento. Folha de Pagamento. Folha de Pagamento Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri A elaboração da folha de pagamento A é o documento que contabiliza os valores que o empregado tem direito de receber e os descontos que ele pode sofrer. Obs. Sua

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2.

2.2 Natureza jurídica do contrato de trabalho 2.2.1 Teoria acontratualista 2.2.2 Teoria institucionalista 2.2.3 Teoria neocontratualista 2. Sumário 1. Direito individual do trabalho - introdução 1.1 Conceito e denominação do direito individual do trabalho 1.2 Divisão do direito do trabalho 1.3 Características 1.4 Natureza jurídica 1.5 Autonomia

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

Exercícios de 3ª Revolução Industrial

Exercícios de 3ª Revolução Industrial Exercícios de 3ª Revolução Industrial 1. (IFMG) Disponível em: http://autoentusiastas.blogspot.com.br/2012/10/industria-automobilistica-definidoo.html. Acesso em: 21/11/2012. A imagem retrata um cenário

Leia mais

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS

ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO: A QUESTÃO DA CABOTAGEM E DA PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL ESTRANGEIRO NAS COMPANHIAS AÉREAS BRASILEIRAS por Victor Carvalho Pinto 1. Conceituação Os parâmetros básicos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1 MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula JORNADA DE TRABALHO (continuação da última aula) 9. Ausência de controle - domésticos; - trabalho externo incompatível com controle + anotação em CTPS e registro do empregado;

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC

e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC a jornada de trabalho e a p e c d o d e s e m p r e g o Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC Apresentação A PEC do desemprego, da informalidade e da inflação A Proposta de

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO

CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO BSB,25.02.2014 COMO SE SABE O GOVERNO ( RE) APRESENTOU( NOVA INVESTIDA ) ANTEPROJETO DE LEI ELABORADO COM VISTAS A ESTABELECER O CONTRATO DE TRABALHO DE CURTA DURAÇÃO.

Leia mais

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO

A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO A MULHER COMO CONSTRUTORA E OPERADORA DO DIREITO DO TRABALHO José Carlos Batista - Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE-ES RESUMO: a mulher teve e tem uma grande participação na construção do direito do

Leia mais

A questão trabalhista na Educação a Distância

A questão trabalhista na Educação a Distância dinâmica do meio educacional A questão trabalhista na Educação a Distância 1 :: luciane l. webber toss doutoranda em direito público O Direito do Trabalho é um dos ramos do Direito que tem estreitas relações

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000089/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002498/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.000506/2014-67 DATA

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012.

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. (Do Sr. Irajá Abreu) Altera a redação do art. 611 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovado pelo Decreto-lei nº 5452, de 1º de maio de 1943, para dispor sobre a eficácia

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001644/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/06/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026139/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004129/2010-92 DATA DO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: NÃO DEVE SER USADO COMO CONTEÚDO DE ESTUDO, NÃO DEVE SER

Leia mais

O Futuro das Relações Sindicais. 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006

O Futuro das Relações Sindicais. 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006 O Futuro das Relações Sindicais 9o. Congresso Febraban de RH José Pastore 26 de outubro de 2006 Revolução Trabalhista no Mundo China, Índia e ex-urss: oferta mundial de trabalho de baixos salários 1985-2005:

Leia mais

Para um mundo melhor, relações. compartilhadas

Para um mundo melhor, relações. compartilhadas Para um mundo melhor, relações compartilhadas 6 Quem coloca a roupa na lavadora? 7 Quem vai à reunião da escola dos filhos? 8 Quem vai ao supermercado fazer as compras? Responda as questões abaixo optando

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

1.01 - Fica reconhecida como data-base da categoria a data de 1 de maio.

1.01 - Fica reconhecida como data-base da categoria a data de 1 de maio. Acordo Coletivo de Trabalho firmado entre o Sindicato dos Servidores em Conselhos e Ordens de Fiscalizacão Profissional e Entidades Coliqadas e Afins do Estado do Espírito Santo SINDICOES-ES e a Ordem

Leia mais

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01

OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01 OAB 1ª FASE- EXTENSIVO VESPERTINO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Leone Pereira Data: 01.09.2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA 1. PRINCÍPIOS 1.1. Princípio da proteção / protetivo / tutelar /

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 4. DESCONTOS Desconto é uma forma de retenção de parte do salário ou de todo o salário. Os salários, como regra, são intangíveis, ou seja, não podem sofrer descontos. Tal princípio, previsto na Constituição

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: O equipamento é regulado para bater ponto só às 7 ou às 8 horas, nos horários tradicionais? Não, você pode bater o ponto em qualquer horário tendo como norte os horários institucionais.

Leia mais

COOPERATIVAS DE TRABALHO

COOPERATIVAS DE TRABALHO I ENCONTRO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO Painel: O desenvolvimento das cooperativas de trabalho e a legislação - Lições para as Américas Palestra: A experiência recente no processo de implantação da nova

Leia mais

CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO

CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO CARTILHA DO AVISO PRÉVIO PROPORCIONAL AO TEMPO DE SERVIÇO A Constituição Federal assegura aos trabalhadores aviso prévio proporcional ao tempo de serviço de no mínimo trinta dias nos termos da lei. Passados

Leia mais

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise

Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Alternativas da legislação trabalhista para o enfrentamento da crise Maria Lúcia L Menezes Gadotti Telefone : (11) 3093-6600 e-mail: marialucia.gadotti@stussinevessp.com.br Constituição Federal CLT e outras

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013

T E R M O A D I T I V O VIGÊNCIA: 1º/02/2012 A 31/01/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, representando a categoria profissional, o SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS SAAE/MG,

Leia mais

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC.

Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. Ciclo de Palestras para Síndicos e Administradoras de Condomínios do Grande ABC. QUESTÕES TRABALHISTAS EM CONDOMÍNIOS Palestrante: Carlos Alexandre Cabral 2/30 1 -ESCALA 6 POR 1 Antonio (auxiliar ou servente)

Leia mais

O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas

O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas O PROFISSIONAL CONTÁBIL NA FUNÇÃO DE DEPARTAMENTO DE PESSOAL: diminuindo as possibilidades de conflitos trabalhistas RESUMO Fabrício Oliveira Silva* A necessidade das empresas de contratar pessoas, as

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2009/2010. b) Sentença normativa proveniente de Dissídio Coletivo de Trabalho.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2009/2010. b) Sentença normativa proveniente de Dissídio Coletivo de Trabalho. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO DE 2009/2010 ESTEL - MÁQUINAS E SERViÇOS INDUSTRIAIS LTOA, com estabelecimento à Rua Luiz Musso, 240, Vila Nova, Aracruz Espírito Santo, doravante denominada ESTEL, representado

Leia mais

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE O nosso item do edital de hoje será: EMPREGADO DOMÉSTICO Algo que devemos atentar de início é ao fato de não aplicarmos a CLT ao empregado doméstico,

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

Contribuições sindicais

Contribuições sindicais Contribuições sindicais 1. Aspectos gerais A contribuição sindical é uma receita que tem como fundamento, precípuo, viabilizar a atividade da entidade sindical para fins de defesa dos interesses de determinada

Leia mais

A Lei de Diretrizes da Política

A Lei de Diretrizes da Política A Lei de Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012 Ipea, 06 de janeiro de 2012 Sumário Objetivo: avaliar a nova Lei de Diretrizes da Política de Nacional

Leia mais

C A R T I L H A. final do Projeto de Lei nº 4330.

C A R T I L H A. final do Projeto de Lei nº 4330. C A R T I L H A Perguntas e Respostas sobre a redação final do Projeto de Lei nº 4330. Esta cartilha elaborada pelo Departamento Jurídico do Sindeprestem e pela Fenaserhtt tem o propósito de detalhar o

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL CRISTINA LUNA. Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11)

DIREITO CONSTITUCIONAL CRISTINA LUNA. Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11) Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11) (1) Art. 6º - São direitos sociais a educação a saúde a alimentação EC 64/2010 o trabalho a moradia EC 26/2000 o lazer a segurança a previdência

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções """"'''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho """""""""""""""'''''' 24

CAPÍTULO 2 CONTRATO DE TRABALHO 23 I. Noções '''' 23 2. Classificaçãodos contratos de trabalho '''''' 24 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE DIREITO DO TRABALHO 1 I. Conceito................. I 2. Natureza e autonomia I Competência para legislar sobre Direito do Trabalho 2 Normas de Direito do Trabalho 3 1. Normas Trabalhistas

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA VIGÊNCIA DE 1º DE FEVEREIRO DE 2.005 A 31 DE JANEIRO DE 2.006, CELEBRADA ENTRE O ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE DO ESTADO DO MARANHÃO-SINPEEES/MA E O SINDICATO DE HOSPITAIS,

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04. Semanal Semestral 04 60 DIREITO DO TRABALHO I DIREITO

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04. Semanal Semestral 04 60 DIREITO DO TRABALHO I DIREITO e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D - 26 4º 04 Semanal Semestral 04 60 Curso DIREITO Disciplina DIREITO DO TRABALHO I D 07 HERMENÊUTICA JURÍDICA (MATRIZ 2008/01) Introdução ao Direito do

Leia mais

DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004

DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004 DISSÍDIO COLETIVO PROCESSO TRT/SP Nº 20280200500002004 PELO PRESENTE INSTRUMENTO E NA MELHOR FORMA DE DIREITO, DE UM LADO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSÕES DE SÃO PAULO E REGIÃO, ENTIDADE

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I

CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I CONCURSO PÚBLICO TRT 2ª REGIÃO 2008 ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA PARTE I No dia 16 de novembro de 2008, 94.808 candidatos prestaram o concorrido concurso público para os cargos de analista judiciário

Leia mais

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Plano de Ensino Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Curso Disciplina Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos DTLS - Direito do Trabalho e Legislação Social Período Letivo 2013 - Anual

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004311/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053641/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008617/2011-50 DATA DO

Leia mais