Tax Alert. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC. Simplificação de processos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tax Alert. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC. Simplificação de processos"

Transcrição

1 30 de Julho de 2013 Tax Alert Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC O Governo Português, representado pelo Exmo. Senhor Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, nomeou uma Comissão constituída por especialistas independentes para proceder à elaboração de um estudo com o objectivo de propor alterações ao Código do IRC e legislação complementar. Os pontos fulcrais desta reforma são: (i) revisão e simplificação do Código do IRC, (ii) revisão e simplificação das obrigações fiscais e (iii) reestruturação da política de fiscalidade internacional de modo a facilitar a internacionalização das empresas portuguesas e atrair investimento estrangeiro. A Comissão apresentou recentemente as suas propostas, tendo hoje tornado público um Anteprojecto de Reforma, pelo que se segue agora um período de consulta e pública. Caso as alterações venham a ser aprovadas, as mesmas deverão entrar em vigor em As alterações mais relevantes estão descritas infra. Simplificação de processos Actualmente, existem diversas situações na legislação fiscal que exigem aos contribuintes a apresentação de um requerimento à Autoridade Tributária e Aduaneira (ATA), o qual passará a ser substituído por uma simples comunicação, embora respeitando prazos específicos. Os seguintes são alguns exemplos: Adopção de um ano fiscal diferente do ano civil para empresas residentes as quais não são obrigadas a preparar demonstrações financeiras consolidadas;

2 Transferência de prejuízos fiscais para um Estabelecimento Estável (EE), em Portugal, sempre que se verifique a transferência de residência fiscal de uma sociedade portuguesa para o estrangeiro; Alteração dos critérios de avaliação de inventários, método de depreciações/amortizações e de provisões constituídas para efeitos de danos provocados por causas naturais; Alterações relativas a um dos requisitos de elegibilidade para o artigo 43º do Código do IRC, no que respeita a apólices de seguro e/ou planos de pensões, para os casos em que o não cumprimento com essa condição resulte de processos de reestruturação empresarial; Transferência de prejuízos fiscais ao abrigo de transacções efectuadas ao abrigo do regime de neutralidade fiscal. Regime de transparência fiscal As empresas que desenvolvem actividades profissionais previstas na lista em anexo ao Código do IRS deverão ficar abrangidas pelo regime de transparência fiscal lucro tributável imputável e tributado ao nível dos sócios desde que (i) pelo menos 75% do rendimento da sociedade seja proveniente de tais actividades, (ii) o capital social seja detido por um máximo de 5 sócios (que não sejam pessoas colectivas de direito público) e (iii) pelo menos 75% do capital social da sociedade deverá ser detido por profissionais que desempenham tais actividades, no todo ou em parte, através da sociedade. Actualmente, apenas são abrangidas pelo regime de transparência fiscal as sociedade de profissionais cujos sócios (pessoas singulares) sejam todos profissionais da mesma actividade profissional. Re-domiciliação de sociedades para Portugal As alterações propostas estabelecem que o período de tributação correspondente ao ano da re-domiciliação, e a data relevante para efeitos de contagem do período de detenção de participações em subsidiárias para efeitos do regime de eliminação da dupla tributação económica, deverá ter início na data em que a sociedade se torna residente fiscal em Portugal. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 2

3 Isenção de retenção na fonte sobre dividendos pagos para o estrangeiro Adicionalmente à isenção existente para dividendos pagos a sociedades residentes em estados-membro da União Europeia (EU) e do Espaço Económico Europeu (EEE) com acordo de cooperação em matéria fiscal, bem como na Suíça, as alterações propostas alargam este regime a todos os países com os quais foi celebrada uma Convenção para evitar a dupla tributação (Convenção) que tenham um acordo de cooperação em matéria fiscal. Os actuais requisitos mínimos de detenção para a UE/EEE (participação directa de 10% e 1 ano) serão reduzidos para 2% (incluindo participações detidas indirectamente através de sociedades elegíveis da UE/EEE), mantendo-se o período mínimo de detenção de 12 meses. As sociedades residentes fora da UE/EEE deverão encontrar-se sujeitas a imposto a uma taxa legal mínima de 10%. Regime de eliminação da dupla tributação económica para dividendos recebidos O actual regime de eliminação da dupla tributação económica para dividendos provenientes da UE/EEE sofrerá várias alterações, nomeadamente: Redução da percentagem mínima de detenção de 10% para 2%, permitindo-se a sua verificação via detenção indirecta através de sociedades elegíveis da UE/EEE; A subsidiária poderá estar localizada em qualquer país, excepto num paraíso fiscal, desde que a taxa legal mínima de imposto seja pelo menos 10% (esta condição pode ser dispensada se os dividendos provierem de uma sociedade cujo o rendimento resulte em mais de 50% de uma actividade comercial, industrial ou agrícola ou se os activos não forem constituídos em mais de 50% por (i) participações inferiores a 2%, (ii) participações em sociedades localizadas em paraísos fiscais, (iii) outros activos financeiros e (iv) imóveis sitos em Portugal; Aplicação do regime às operações de amortização de partes de capital sem redução de capital. O regime não deverá ser aplicável se a distribuição de dividendos permitir uma dedução fiscal para a sociedade que os distribui. Por outro lado, foi proposta a eliminação da regra específica antiabuso que, actualmente, exige que os dividendos distribuídos derivem de lucros que tenham sido efectivamente tributados. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 3

4 Os procedimentos administrativos necessários para justificar a aplicabilidade do regime serão simplificados. Mais-valias e perdas em partes de capital e outros instrumentos de capital próprio Espera-se que o conceito de mais-valias e menos-valias venha a ser clarificado, especialmente relativamente a operações de reestruturação empresarial executadas fora do âmbito do regime de neutralidade fiscal, reduções de capital e liquidações. Adicionalmente, para efeitos de cômputo das mais-valias e menos-valias, o método do FIFO deverá ser tido em conta. Também é proposto um regime de isenção para mais-valias e menos-valias relativas a partes de capital detidas durante, pelo menos, 12 meses (sem percentagem mínima de detenção), desde que as restantes condições do regime de eliminação da dupla tributação económica para dividendos sejam cumpridas. Esta isenção deverá ser aplicável a transmissões onerosas de partes de capital e outros instrumentos de capital próprio (nomeadamente, prestações suplementares), reduções de capital, operações de reestruturação empresarial e liquidações. As perdas resultantes da transmissão onerosa de partes de capital em sociedades localizadas em paraísos fiscais não poderão ser deduzidas (no actual regime, esta limitação apenas é aplicável às perdas por liquidação). Por outro lado, as perdas relacionadas com partes de capital e instrumentos de capital próprio não serão dedutíveis na proporção correspondente ao montante dividendos e mais-valias isentos de tributação nos 4 anos anteriores, em conformidade o regime de eliminação da dupla económica para dividendos, o regime de isenção para mais-valias ou o regime do crédito indirecto de imposto por dupla tributação internacional. Consequentemente, as regras que actualmente restringem a deduções de perdas, no todo ou em parte, relativamente a partes de capital (por exemplo, adquiridas a partes relacionadas e detidas por um período inferior a 3 anos ou objecto de transferência intra-grupo) e outros instrumentos de capital próprio (nomeadamente, prestações suplementares), serão eliminadas. A exclusão de tributação de 50% mediante reinvestimento também será eliminada. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 4

5 Isenção para lucros de um EE localizado no estrangeiro A proposta prevê a possibilidade de os contribuintes residentes optarem por um regime de isenção relativamente a lucros provenientes de um EE localizado no estrangeiro, sendo que, neste caso, as perdas de apuradas pelo EE localizado no estrangeiro também não serão dedutíveis, desde que o EE esteja sujeito a um dos impostos listados na Directiva mães-filhas ou a uma taxa legal mínima não inferior a 10% e que o EE não esteja localizado num paraíso fiscal. As transacções efectuadas entre a sede e o EE localizado no estrangeiro deverão respeitar o princípio de plena concorrência e os custos imputáveis ao EE não serão dedutíveis ao nível da sede. Encontram-se também previstas as seguintes regras: Os lucros do EE localizado no estrangeiro não serão isentos até ao montante correspondente aos prejuízos fiscais do EE deduzidos pela sede nos 15 anos anteriores; Caso o EE localizado no estrangeiro seja incorporado (e.g., convertido em sociedade), os dividendos e mais-valias subsequentes resultantes das partes de capital não serão isentos até ao montante correspondente aos prejuízos do EE deduzidos pela sede nos 15 anos anteriores; Sempre que o regime de isenção deixe de ser aplicável, os prejuízos do EE localizado no estrangeiro e perdas das partes de capital (caso o EE seja previamente incorporado) não serão dedutíveis até ao montante dos lucros do EE isentos de tributação nos 15 anos anteriores. Método de eliminação de dupla tributação internacional Relativamente ao método de crédito de imposto por dupla tributação internacional já existente, a proposta pretende adicionar a possibilidade de reportar, por um período de 5 anos, o crédito não utilizado devido a insuficiência de colecta no ano em que o rendimento de fonte estrangeira é obtido e incluído na base tributável. Adicionalmente, está a ser proposta a possibilidade de os contribuintes terem o direito de optar pela aplicação de um regime de crédito indirecto de imposto por dupla tributação internacional, no que concerne a dividendos provenientes do estrangeiro que não sejam abrangidos pelo regime de eliminação da dupla tributação económica. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 5

6 Existe um conjunto de requisitos que deverão ser cumpridos, os quais incluem (i) uma percentagem mínima de detenção de 2% por um período de pelo menos 12 meses e (ii) que a sociedade distribuidora dos dividendos, ou as sociedades através das quais a primeira é detida, não esteja localizada num paraíso fiscal. Lucros de um EE e partes relacionadas Os lucros de um EE em Portugal deverão ser calculados como se de uma entidade independente se tratasse, que desenvolvesse actividades idênticas ou similares, sob condições idênticas ou similares, tendo em conta as suas funções, os activos utilizados e os riscos assumidos. No caso uma relação de participação, a percentagem para se considerar uma parte relacionada deverá aumentar de 10% para 20%. Regime das Entidades Estrangeiras Controladas A proposta pretende clarificar que a imputação dos lucros somente deverá ser aplicável se a distribuição de dividendos dessa entidade não beneficiar do regime de eliminação da dupla tributação económica. Regime de reinvestimento Para além dos activos fixos tangíveis, propriedades de investimento e activos biológicos não consumíveis, está a ser proposto que o regime de exclusão de 50%, em caso de reinvestimento, também se aplique aos intangíveis. Amortização/depreciação de intangíveis, propriedades de investimento e activos biológicos não consumíveis As alterações propostas têm como objectivo permitir a amortização/depreciação dos seguintes activos: Intangíveis sem período de vida útil definido (excepto quando contabilizados pelo contribuinte em resultado de uma operação executada ao abrigo do regime de neutralidade fiscal) durante 20 anos; Propriedades de investimento e activos biológicos não consumíveis posteriormente mensurados pelo método do justo valor durante o restante período máximo de vida útil. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 6

7 No seguimento das alterações acima mencionadas relativamente a amortizações/depreciações para efeitos fiscais, os subsídios relativos a esses activos deverão ser reconhecidos na mesma base que as amortizações/depreciações. Regime de propriedade industrial As alterações propostas pretendem isentar 50% do rendimento derivado de contratos de transferência ou de concessão temporária do uso de patentes e desenhos ou modelos industriais. De modo a beneficiar deste regime, serão aplicáveis diversas condições e requisitos. O regime deverá abranger patentes e desenhos ou modelos industriais registados após 1 de Janeiro de Limitação à dedução de encargos financeiros A partir do início de 2013 foi introduzida uma limitação à dedução de encargos financeiros, tendo como limite o maior entre (i) 3 milhões e (ii) 30% do EBITDA (no entanto, em 2013 serão aplicados 70% com uma redução prevista de 10 p.p. anualmente até perfazer o limite de 30% em 2017). No entanto, estão a ser propostas alterações significativas, nomeadamente: Redução do limite nominal para 1 milhão; Nos casos de consolidação fiscal, os limites poderão (mediante opção) ser calculados para o grupo e não para empresas individuais (tal como acontece actualmente), excepto em caso de existência de montantes a reportar dos anos anteriores à aplicação do regime de consolidação fiscal à empresa em questão; Introdução de uma regra de caducidade para os montantes a reportar de exercícios anteriores no caso de se verificar a alteração de mais de 50% do capital social (ou da maioria dos direitos de votação), embora possa ser apresentado um requerimento para solicitar a manutenção desses montantes (à semelhança do que se aplica aos prejuízos fiscais); Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 7

8 Ajustamentos ao EBITDA, de modo a excluir alterações ao justo valor de activos, imparidades de investimentos não depreciáveis/amortizáveis, método de equivalência patrimonial, dividendos e mais e menos-valias que beneficiem do regime de isenção e lucros/perdas de um EE localizado no estrangeiro excluídos da base tributável. Grupos de sociedades A proposta pretende introduzir alterações significativas nesta matéria, de entre as quais se destaca a redução da percentagem mínima de detenção de 90% para 75% e a possibilidade de cumprir tal requisito através de sociedades residentes na UE/EEE, desde que cumpram com determinados requisitos. Prejuízos fiscais O período de reporte de prejuízos fiscais deverá aumentar de 5 para 15 anos, embora seja mantido o limite de 75% para efeitos de dedução ao lucro tributável anual. As regras que conduzem à caducidade dos prejuízos fiscais sofrem algumas alterações, através da eliminação das situações em que se verifica a modificação do objecto social e/ou uma alteração significativa da actividade. Além disso, foram identificadas várias exclusões relativas à aplicação da regra de alteração de mais de 50% do capital social (ou da maioria dos direitos de votação), a qual será mantida para efeitos de caducidade dos prejuízos fiscais. Regime de neutralidade fiscal Após diversas situações contestadas pela ATA, bem como várias decisões judiciais, está a ser proposto o alargamento das operações elegíveis, passando a incluir-se as fusões e cisõesfusões invertidas, fusões e cisões-fusões entre empresas detidas pelo mesmo sócio sem atribuição de partes de capital e cisõesfusões no sócio único. Igualmente, prevê-se que os benefícios fiscais das sociedades fundidas sejam automaticamente transferidos para a sociedade beneficiária, desde que sejam cumpridos os requisitos relevantes na esfera desta última. No entanto, em caso de cisão ou entrada de activos, deverá ser apresentado um requerimento ao Ministro das Finanças. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 8

9 Liquidação de empresas Actualmente, na generalidade dos casos, o ganho obtido aquando a liquidação de uma subsidiária é considerado um rendimento de capitais. A proposta pretende alterar o tratamento conferido a este ganho, o qual passa a ser considerado uma mais-valia. Presentemente, as perdas resultante da liquidação de subsidiárias apenas poderão ser deduzidas se as partes de capital forem detidas há pelo menos 3 anos à data da dissolução. Com a proposta pretende-se aumentar este período para 4 anos. Por outro lado, se nos 4 anos seguintes à liquidação da subsidiária a sua actividade passar a ser desenvolvida pelo sócio, ou por uma entidade relacionada, qualquer perda deduzida em resultado da liquidação da subsidiária será tributada em 115% do seu montante. Regime de tributação simplificado A proposta pretende reintroduzir a opção por um regime de tributação simplificado, mediante o cumprimento de determinados requisitos, designadamente, o volume de negócios anual não exceder e os activos totais não excederem , relativamente ao ano anterior. Ao abrigo deste regime, a base tributável é calculada tendo em conta as seguintes percentagens: 4% dos rendimentos provenientes de vendas e prestações de serviços relativas a actividades hoteleiras, de restauração e outras similares; 75% dos rendimentos de serviços provenientes das actividades profissionais listadas no anexo do Código do IRS; 10% dos rendimentos de serviços provenientes de outras actividades; 95% dos rendimentos de royalties, rendimento de capitais, rendimentos prediais e mais-valias; 100% dos rendimentos decorrentes de aquisições gratuitas. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 9

10 As percentagens referidas supra serão reduzidas em 50% e 25% no primeiro e segundo anos de actividade, respectivamente. No entanto, a base tributável calculada com base no acima referido não poderá ser inferior a 60% da remuneração mensal mínimo garantida ( 485). Os contribuintes que optem pelo regime simplificado não estão sujeitos a tributação autónoma sobre as ajudas de custos e km s, despesas de representação e indemnizações/remunerações variáveis atribuídas a administradores, gerentes ou gestores. No entanto, as despesas não documentadas, despesas relacionadas com viaturas e pagamentos a entidades localizadas em paraísos fiscais estão sujeitas a tributação autónoma. Os contribuintes ao abrigo do regime simplificado não estão obrigados a efectuar pagamentos especiais por conta. Liquidação de imposto mínima O Código do IRC estabelece que o imposto liquidado não deverá ser inferior a 90% do montante que seria apurado na ausência de determinados benefícios fiscais e deduções, incluindo a dedução de prejuízos fiscais transferidos para o contribuinte ao abrigo do regime de neutralidade fiscal. A proposta elimina esta última restrição, pelo que os mencionados prejuízos não serão considerados no apuramento do limite de 90%. Pagamentos por conta Os pagamentos especiais por conta não dedutíveis (não reembolsáveis na liquidação de imposto) podem actualmente ser reportados por 4 anos. A proposta pretende aumentar este período para 15 anos, bem como o montante mínimo de para Os prazos para efectuar o pagamento especial por conta, 3º e 10º mês do ano fiscal, serão alterados para 7º e 15º dia do 12º mês do ano fiscal. Por outro lado, também se pretende agilizar o processo de pedido de reembolso dos pagamentos especiais por conta no fim do período de reporte. Ao contrário do que se aplica presentemente, os pagamentos especiais por conta deverão ser deduzidos para apurar o montante dos pagamentos por conta, e não ao contrário. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 10

11 Retenção na fonte A proposta pretende introduzir uma regra específica para rendimentos em espécie, com base na qual a retenção incide sobre o valor de mercado do activo ou direito adicionado pelo montante da retenção na fonte. A isenção actualmente prevista para a retenção na fonte de rendimentos de juros obtidos por SGPS s, resultantes de suprimentos e obrigações, deverá passar a abranger todas as sociedades que cumpram com os requisitos mínimos de participação (10% e 1 ano) e também deverão ser incluídos juros provenientes de papel comercial. Os procedimentos administrativos relativos à eliminação ou redução da retenção na fonte de rendimentos obtidos por não residentes, nomeadamente nos termos de Convenções, deverão ser simplificados. Custos não dedutíveis De entre as várias alterações propostas, pretende-se que os custos relativos a rendimentos isentos de imposto não possam ser deduzidos. Aplicação do método do justo valor para investimentos financeiros Os ajustamentos ao justo valor relativamente a instrumentos financeiros que são contabilizados via resultados apenas são considerados fiscalmente se corresponderem a instrumentos de capital próprio cotados em mercado regulado e caso o contribuinte detenha uma percentagem máxima de 5%, a qual se espera ser reduzida para 2%. Aproximação às regras contabilísticas As alterações propostas pretendem aproximar a base fiscal à base contabilística, entre outras situações, no caso de ajustamentos em inventários. Seguros de saúde e doença Pretende-se, com as alterações propostas, clarificar que os prémios para apólices de seguros de saúde e doença dos reformados e familiares (para além dos trabalhadores) pagas pelas empresas poderão ser dedutíveis e não estarão sujeitos a tributação em sede de IRS, desde que sejam cumpridos determinados requisitos. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 11

12 Declaração de rendimentos para não residente sem EE A proposta altera os prazos das obrigações declarativas aplicáveis aos não residentes sem EE, em Portugal, que aqui obtêm rendimentos não sujeitos a retenção na fonte a taxas liberatórias. Dossier fiscal Com a proposta, o período durante o qual o contribuinte deverá manter o dossier fiscal passará de 10 para 15 anos. Imposto do selo Relativamente ao Imposto do Selo é proposto que, para os casos de financiamento de curto prazo destinados à cobertura de carências de tesouraria, a isenção seja aplicável às operações de financiamento de uma subsidiária em situação de domínio ou detida em pelo menos 10% (ou com um custo de aquisição não inferior a 5 milhões), bem como às operações de financiamento de uma sociedade numa situação de domínio ou de grupo. Em parte, esta isenção sobrepõe-se a outras isenções já existentes, mas permite a aplicação de uma isenção de Imposto do Selo a financiamentos intra-grupo actualmente sujeitos a tributação. A isenção nas operações de financiamento intra-grupo não será aplicável se qualquer das partes estiver localizada num paraíso fiscal. Eliminação de benefícios fiscais/incentivos Os seguintes benefícios/incentivos deverão ser eliminados: Criação líquida de postos de trabalho; Regime das SGPS s, SCR e ICR no que concerne a maisvalias e menos-valias de partes de capital, bem como a encargos financeiros associados; Isenção sobre dividendos derivados de subsidiárias localizadas nos PALOP s e Timor-Leste; Isenção de imposto sobre mais-valias para empresas de transporte rodoviário que renovam a sua frota. Anteprojecto com propostas de alteração ao Código do IRC 12

13 EY Assurance Tax Transactions Advisory About EY EY is a global leader in assurance, tax, transaction and advisory services. The insights and quality services we deliver help build trust and confidence in the capital markets and in economies the world over. We develop outstanding leaders who team to deliver on our promises to all of our stakeholders. In so doing, we play a critical role in building a better working world for our people, for our clients and for our communities. EY refers to the global organization and may refer to one or more of the member firms of Ernst & Young Global Limited, each of which is a separate legal entity. Ernst & Young Global Limited, a UK company limited by guarantee, does not provide services to clients. For more information about our organization, please visit ey.com. Recomendações Para além das propostas de alteração, a Comissão também apresentou várias recomendações em matéria fiscal. Como pode a EY ajudar? A EY, dada a sua vasta experiência, está disponível para prestar todos os esclarecimentos que se mostrem adequados quanto a esta temática, nomeadamente na sua aplicação a situações específicas e na obtenção, junto da ATA, de todas as informações que se mostrem necessárias para a correcta aplicação dos normativos legais. 2013Ernst & Young, SA All Rights Reserved. This material has been prepared for general informational purposes only and is not intended to be relied upon as accounting, tax, or other professional advice. Please refer to your advisors for specific advice. ey.com

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento

Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento Incentives Alert 19 de Novembro de 2014 Novo programa Portugal 2020: Incentivos financeiros ao investimento A regulamentação do Portugal 2020 começou com a publicação do Decreto-Lei n.º 137/2014, de 12

Leia mais

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

Programa Portugal 2020: Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico

Programa Portugal 2020: Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Incentives Alert 6 de Março de 2015 Programa Portugal 2020: Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico A Portaria n.º 57-A/2015, de 27 de Fevereiro de 2015, vem estabelecer a regulamentação

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS)

Guia Fiscal 2012. Índice. Informação Fiscal 7. Região Autónoma da Madeira. Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) Guia Fiscal 2012 Guia Fiscal 2012 Índice Informação Fiscal 7 Região Autónoma da Madeira 59 Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) 14 Desvalorizações excepcionais de elementos do activo

Leia mais

Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013

Reforma do IRC Uma oportunidade única. Outubro de 2013 Reforma do IRC Uma oportunidade única Outubro de 2013 Agenda Os desafios da Reforma do IRC Enquadramento internacional Contributo EY para a Reforma do IRC Sugestões EY Q&A? Page 2 Os desafios da Reforma

Leia mais

CIRCULAR. Gabinete Jurídico-Fiscal

CIRCULAR. Gabinete Jurídico-Fiscal CIRCULAR Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 41/2014 DATA: 02 de Junho de 2014 Assunto: O IRC e a Reorganização das Estruturas Empresariais Exmos. Senhores, Para conhecimento, junto enviamos a Circular nº

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Projecto de Reforma da Fiscalidade Verde

Projecto de Reforma da Fiscalidade Verde 17 de Setembro de 2014 Tax Alert Projecto de Reforma da Fiscalidade Verde O Despacho 1962/2014, de 29 de Janeiro, constitui a Comissão para a Reforma da Fiscalidade Verde, tendo como objectivo a revisão

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Boletim Informativo AMI 10467

Boletim Informativo AMI 10467 , 28 de Janeiro de 2013. Informação Fiscal Residentes Fiscais não habituais Portugal. Em resultado do reconhecimento pelas autoridades fiscais portuguesas do estatuto de residente fiscal não habitual,

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Completa a transposição da Diretiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de junho de 2003, relativa a um regime fiscal comum aplicável aos pagamentos de juros e royalties efetuados entre sociedades associadas

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

Reforma em sede de IRC

Reforma em sede de IRC Reforma em sede de IRC Janeiro de 2014 Reforma Tributação Sociedades IRC REFORMA IRC IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS - Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro Transparência Fiscal O regime da

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

REFORMA DO IRC. Janeiro de 2014

REFORMA DO IRC. Janeiro de 2014 Janeiro de 2014 REFORMA DO IRC Foi hoje publicada em Diário da República a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que introduz profundas alterações ao Código do IRC, com o intuito de simplificar e modernizar

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que:

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que: DESTAQUE Novembro de 2010 FISCAL Proposta de alterações aos mecanismos para evitar a dupla tributação económica de dividendos A Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2011 ( Proposta de OE 2011 )

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado.

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice A. Principais medidas no âmbito da Simplificação 3 B. Principais

Leia mais

A R E F O R M A D O I R C : S I M P L I F I C A Ç Ã O F I S C A L E P R O M O Ç Ã O D O I N V E S T I M E N T O

A R E F O R M A D O I R C : S I M P L I F I C A Ç Ã O F I S C A L E P R O M O Ç Ã O D O I N V E S T I M E N T O i N º 4 / 1 4 A R E F O R M A D O I R C : S I M P L I F I C A Ç Ã O F I S C A L E P R O M O Ç Ã O D O I N V E S T I M E N T O SUMÁRIO TAX & BUSINESS A presente Informação Fiscal destina-se a ser distribuída

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. Seminário Inovações Fiscais 2014

Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. Seminário Inovações Fiscais 2014 Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IMI Prédios para habitação própria e permanente Momento da contagem do período de isenção. Quando o pedido é apresentado

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º./XII/1.ª INTRODUZ UM MECANISMO DE SALVAGUARDA DA EQUIDADE FISCAL PARA TODOS OS CONTRIBUINTES E ELIMINA AS ISENÇÕES DE TRIBUTAÇÃO SOBRE MAIS-VALIAS OBTIDAS POR SGPS

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 MEMORANDO INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro Generalidades Aplicação a investimentos realizados a partir de 1 Janeiro de 2014 (excepto para efeito de apuramento dos limites máximos dos

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. 2. 3. 4. 5. Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL

FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL compilações doutrinais VERBOJURIDICO FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL DR. MIGUEL PRIMAZ DR. JOÃO BERNARDO GUEDES ADVOGADOS verbojuridico DEZEMBRO 2008 2 : FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

II Congresso de Direito Fiscal

II Congresso de Direito Fiscal II Congresso de Direito Fiscal João de Sousa Lisboa, 11 de Outubro de 2011 Tópicos Definições de PME s; Factores fiscais discriminatórios para as PME s; Factores fiscais favoráveis às PME s; Comentários

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Proposta de Lei da Reforma do IRC (versão apresentada na AR) Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) No passado dia 15 de Outubro, foi entregue na AR a Proposta de Lei n.º 175/XII,

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014

NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 NEWSLETTER Janeiro 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. IRC 4 3. IRS 8 4. SEGURANÇA SOCIAL 10 5. IVA 11 6. BENEFÍCIOS FISCAIS 13 7. OUTROS 14 3 1. Introdução

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ

Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ Guia Fiscal 2014 ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO FISCAL DE PLMJ Guia Fiscal 2014 1 - IRS O IRS incide sobre os rendimentos auferidos a nível mundial por pessoas singulares residentes fiscais em Portugal. Tratando-se

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)

Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Reforma do IRC Reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Índice Incidência 2 Isenções 2 No passado dia 16 de Janeiro, foi publicada em Diário da República a Lei n.º 2/2014, a qual

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS TRIBUTAÇÃO DE DIVIDENDOS Distribuição de dividendos está sujeita a Imposto sobre a Aplicação de Capitais

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

Afonso Barroso. Afonso.Barroso@amsa.pt. Abreu & Marques 2014 1

Afonso Barroso. Afonso.Barroso@amsa.pt. Abreu & Marques 2014 1 Afonso Barroso Afonso.Barroso@amsa.pt Abreu & Marques 2014 1 O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais (RNH) Abreu & Marques 2014 2 O RNH foi introduzido no Código do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas

Leia mais

Aspectos fiscais e parafiscais associados às remunerações dos órgãos societários. Rosa Freitas Soares Janeiro 2011

Aspectos fiscais e parafiscais associados às remunerações dos órgãos societários. Rosa Freitas Soares Janeiro 2011 Aspectos fiscais e parafiscais associados às remunerações dos órgãos societários Rosa Freitas Soares Janeiro 2011 Índice 1. Tratamento fiscal das remunerações dos órgãos societários em sede de IRS/IRC

Leia mais

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 12/9664 Of.Circulado N.' : 20 163 2013-01-30 Entrada Geral: N.' ldentificação Fiscal (NIF): Sua Ref.-: Técnico: MGN Exmos. Senhores Subdiretores-Gerais

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro)

Calendário Fiscal. Fevereiro de 2014 DIA 10. Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) Calendário Fiscal Fevereiro de 2014 DIA 10 Segurança Social - declaração de remunerações (Janeiro) A entrega da declaração de remunerações referente ao mês de Janeiro de 2014 tem que ser feita obrigatoriamente

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO O Japão e a República Portuguesa, Desejando celebrar

Leia mais

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012

Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA. de 2012. de 2012 Perspectiva Fiscal SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA de de 2012 ÍNDICE SUJEIÇÃO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ACESSÓRIA EXEMPLOS DE REMUNERAÇÕES SUJEITAS BREVE ANÁLISE DO CONCEITO DE REMUNERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 297/2015, de 21 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O

A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O i N º 6 / 1 5 A R E F O R M A N A T R I B U T A Ç Ã O D O S O R G A N I S M O S D E I N V E S T I M E N T O C O L E C T I V O INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 7/2015, ontem publicado, procedeu à reforma do

Leia mais

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses?

Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Mais-valias Alienou acções nacionais ou estrangeiras detidas durante menos de 12 meses? Nesse caso, o saldo anual positivo entre as mais e menos-valias apuradas vai ser sujeito a uma taxa especial de imposto

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro Construir o Futuro 18 de Fevereiro de 2015 Agenda A Administração Geral Tributária Procedimento de inspecção fiscal e contencioso O Grande Contribuinte Imposto Industrial Imposto sobre os Rendimentos do

Leia mais

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal Direito Fiscal A Reforma do IRC Principais Alterações e Implicações para as Empresas Direito Fiscal 0 Direito Fiscal A Macedo Vitorino & Associados foi constituída em 1996, concentrando a sua actividade

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013)

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013) AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013) Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento do Estado para 2013 (n.º 66 -B/2012, de 31 de Dezembro de 2012), procedeu -se à actualização da remuneração

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 96/2013 de 3 de Outubro de 2013 Considerando a necessidade do Governo dos Açores continuar a potenciar a competitividade e crescimento sustentado

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS Lei (alterada) do Imposto sobre os Rendimentos de 2005 Lei (alterada) da Contribuição Especial para a Defesa de 2004 Lei (alterada)

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

Pacote Fiscal ao Investimento 2013

Pacote Fiscal ao Investimento 2013 Pacote Fiscal ao Investimento 201 Paulo Núncio Lisboa, 2 de maio de 201 1 Principais características Supercrédito fiscal sem precedentes em Portugal Empresas que investem podem beneficiar de uma taxa geral

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

Aspectos fiscais do investimento português em Angola

Aspectos fiscais do investimento português em Angola Tax Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Carvalho Esteves, Partner Revista Angola - Portugal Negócios, Julho e Novembro de 2009 Angola tem sido um dos oásis de muitas das empresas

Leia mais

2.28. Benefícios dos Empregados

2.28. Benefícios dos Empregados . Modelo Geral do Sistema de Normalização Contabilística 179.8. Benefícios dos Empregados.8.1. Introdução O presente ponto é fundamentado na Norma Contabilística e de Relato Financeiro (NCRF) 8, e visa

Leia mais