A RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NA EXECUÇÃO TRABALHISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NA EXECUÇÃO TRABALHISTA"

Transcrição

1 A RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS NA EXECUÇÃO TRABALHISTA RESUMO: O artigo tem como tema a responsabilidade dos sócios na execução trabalhista sob o prisma da Justiça do Trabalho. Sua finalidade é discorrer sobre a responsabilidade dos sócios na execução trabalhista quando esgotada a localização de bens em nome da pessoa jurídica devedora. A execução trabalhista, apesar do seu caráter célere e simplista, muitas vezes torna-se frustrada em virtude da ausência ou da insuficiência de bens em nome da pessoa jurídica, prejudicando a satisfação dos créditos de natureza salarial. Diante disso, não obstante a autonomia patrimonial existente entre a pessoa jurídica e a pessoa dos sócios, a Justiça do Trabalho vem aplicando a teoria da desconsideração da personalidade jurídica com o intuito de responsabilizar os sócios pelo pagamento dos créditos trabalhistas. Essa responsabilização ocorre por causa do princípio da proteção ao trabalhador hipossuficiente, da verba de natureza alimentar e também porque o empregado não pode assumir os riscos da atividade econômica, que é exclusivo do empregador. Dessa forma, para alcançar a finalidade deste trabalho, adota-se, como método de abordagem, o dedutivo, baseando-se na técnica de pesquisa exploratória e teórica. Realiza-se a pesquisa bibliográfica e em julgados do Tribunal Superior do Trabalho e dos Tribunais Regionais do Trabalho. Palavras-chave: Responsabilidade dos sócios. Execução trabalhista. Desconsideração da pessoa jurídica. Justiça do Trabalho. Créditos trabalhistas. ABSTRACT: The article is addressing the responsability of the partners in the implementation of labor through the prism of Justice Labor. Its purpose is to discuss about the responsibility of implementing partners in labor when the exhausted searchs of goods on behalf of the legal person responsible. The implementation labor, despite his character's quick and simplistic, often becomes frustrated because of lack or insufficiency of assets on behalf of the corporation, undermining the satisfaction of claims of a wage. Thus, despite the autonomy assets between the person and legal person of the members, the Justice Labor has been applying the theory of lack of personality with the aim of empowering the members to pay for labor claims. Such liability occurs because of the principle of protecting the worker, the

2 amount of food nature and also because the employer can not assume the risks of economic activity, which is the sole employer. So to achieve the purpose of this work, adopts, as method of approach, the deductive, based on the technique of exploratory research and theoretical. Held the literature search and tried in the Superior Labor Court and Regional Courts of Labor. Keywords: Liability of partners. Implementation labor. Disregard legal person. Labor Justice. Labor claims. 1 INTRODUÇÃO O tema a ser tratado neste artigo diz respeito à responsabilidade dos sócios na execução trabalhista sob o prisma da Justiça do Trabalho. No Brasil, uma das modalidades societária mais utilizada é a sociedade de responsabilidade limitada. Esse fato ocorre em virtude da autonomia existente entre o patrimônio da sociedade e o dos seus sócios, ou seja, as obrigações assumidas pela empresa respondem, em princípio, somente os bens que fazem parte do seu patrimônio. Essa independência patrimonial fez com que surgissem sociedades com a intenção de acobertar manobras fraudulentas de seus sócios, os quais enriquecem ilicitamente, sem que o seu patrimônio particular se exponha a riscos. Desse modo, os sócios praticam atos que acarretam a impossibilidade de o patrimônio da sociedade ser suficiente para pagar as dívidas contraídas. Nesse contexto, a satisfação do crédito trabalhista torna-se prejudicada e o empregado, embora tenha o seu direito reconhecido pelo Estado, não consegue executá-lo. Assim, os sócios auferem os lucros da atividade empresarial, porém, sob a premissa de que sua responsabilidade é limitada, tentam eximir-se do pagamento dos créditos trabalhistas. Diante dessa situação, indaga-se: é possível recair a penhora sobre bens dos sócios quando constatada a inexistência ou a insuficiência de bens em nome da pessoa jurídica, devedora no processo de execução, a fim assegurar o crédito do empregado? Dessa forma, o artigo tem como objetivo principal discorrer sobre a responsabilidade dos sócios na execução trabalhista, quando esgotada a localização de bens em nome da pessoa jurídica devedora.

3 Com o intuito de alcançar esse objetivo, adotou-se, como método de abordagem, o dedutivo, baseando-se na técnica de pesquisa exploratória e teórica. Realizou-se pesquisa bibliográfica e em julgados do Tribunal Superior do Trabalho e dos Tribunais Regionais do Trabalho. 2 A teoria da desconsideração da pessoa jurídica A pessoa jurídica surgiu em meio à crescente exploração das atividades produtivas e dos negócios, quando o homem percebeu que a aglutinação de esforços com outros indivíduos facilitaria, sobremaneira, a criação e o controle das organizações de grande porte econômico e administrativo. Contudo, para que a pessoa jurídica 1 pudesse subsistir e desenvolver-se no mundo jurídico sem depender das pessoas que as constituem, foi-lhe concedida, por meio da lei, a personalidade 2 (PINTO, 2006, p. 119). A personalização da sociedade 3 tem como característica a independência do patrimônio, referente aos seus integrantes. Isso significa que a titularidade das relações obrigacionais decorrentes da atividade econômica para a qual foi constituída, é somente da sociedade, e não dos sócios. Portanto, a conseqüência fundamental da personalização da sociedade consiste no princípio da autonomia patrimonial, segundo o qual os sócios não respondem, em regra, pelas obrigações da sociedade (BARACAT, 2008a, p. 55). Todavia, essa independência patrimonial tornou freqüente a realização de atos abusivos ou ilícitos, pelos integrantes das sociedades, com o intuito de obter proveito próprio em detrimento dos direitos de terceiros. Em virtude disso, verificou-se a necessidade de criar alguma proposição jurídica para impedir essa prática, ou seja, que permitisse a desconsideração dos efeitos da personalidade, a fim de atingir a responsabilidade dos sócios (SOARES, 2007, p. 29). 1 A existência das pessoas jurídicas, e entre elas a das sociedades, começa com a inscrição de seus atos constitutivos no registro próprio e na forma da lei. A sociedade empresária possui um registro peculiar, que é o Registro Público de Empresas Mercantis, a cargo das Juntas Comerciais (REQUIÃO, 2005, p. 393). 2 Tenha-se presente que a personalidade jurídica está relacionada à capacidade, seja ela de direito ou processual. A primeira significa a aptidão de ostentar direitos e obrigações; já a segunda consiste na possibilidade de figurar no pólo passivo ou ativo de uma relação processual (SILVA, 2007, p. 57). 3 A sociedade, de acordo com o conceito elaborado por Negrão (2005, p. 236), consiste no [...] contrato celebrado entre pessoas físicas e/ou jurídicas, ou somente entre pessoas físicas (art do CC), por meio da qual estas se obrigam reciprocamente a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilhar, entre si, os resultados.

4 Nesse contexto, foi concebida a teoria da desconsideração da pessoa jurídica, a qual possui várias denominações, a saber: disregard doctrine, disregard of legal entity, lifting the corporate veil que significam, respectivamente, doutrina da desconsideração, desconsideração da personalidade jurídica e levantamento do véu corporativo, bem como desestimação da personalidade jurídica, doutrina da penetração e descerramento do véu corporativo (SOARES, 2007, p. 29). Dallegrave Neto (2002, p. 175) conceitua o instituto da teoria da desconsideração da pessoa jurídica como: [...] a desconsideração, episódica e relativa, da personalidade jurídica da sociedade devedora como forma de executar diretamente os bens dos sócios que a compõe, sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo à satisfação de créditos de terceiros. O surgimento da teoria da desconsideração da pessoa jurídica ocorreu com a construção jurisprudencial dos países do sistema common law, sendo posteriormente aperfeiçoada pela doutrina e, por fim, respaldada na norma legal. No entanto, existe divergência a respeito do primeiro julgado que originou essa teoria (DALLEGRAVE NETO, 2002, p. 176, grifo do autor). Para Sitta (2003, p. 75, grifo do autor), a primeira indicação sobre a superação da personalidade jurídica foi com a jurisprudência norte-americana em 1809 no caso envolvendo o Bank United States em face de Deveaux. O juiz Marshall manteve a jurisdição das cortes federais sobre as corporations, visto que a Constituição Federal americana, no art. 3, seção 2ª, reserva a tais órgãos judiciais as lides entre cidadãos de diferentes Estados. Ao estabelecer a competência desconsiderou a personalidade jurídica, sob o fundamento de que não se tratava de sociedade, e sim de sócios daquelas corporações. Desse modo, a figura do sócio prevaleceu perante a personalidade jurídica, como justificativa para o conhecimento da causa pela corte federal, pois sua jurisdição, conforme o referido texto constitucional norte-americano, seria apenas para conhecer e julgar as lides entre cidadão de Estados diversos (SITTA, 2003, p. 76). No entanto, Dallegrave Neto (2002, p. 176) considera o caso inglês Salomon versus Salomon, julgado em Londres no ano de 1897, o que efetivamente consagrou a teoria da desconsideração da pessoa jurídica, a qual ocorreu da seguinte forma: O comerciante Aaron Salomon constituiu uma empresa, colocando como sócios minoritários sua esposa e seus cinco filhos. As cotas foram assim distribuídas: para Aaron e para cada um dos demais integrantes. Em pouco mais de um ano a companhia encontrava-se endividada e sem patrimônio suficiente para saldar as obrigações. O liquidante dos credores quirografários, ao perceber que a empresa não tinha bens para honrar suas dívidas, alegou que a atividade da empresa

5 se confundia com a atividade pessoal de Aaron, postulando a execução dos bens do sócio majoritário. Foi verificado, contudo, que no momento da integralização do capital, o preço da transferência do fundo de comércio da pessoa física de Aaron Salomon era superior ao valor das ações da company. Logo, pela diferença, Aaron Salomon permanecia como principal e privilegiado credor da Salomon & Co. Ltd., estabelecendo-se um inusitado litígio entre Aaron Salomon vs Salomon & Co. Ltd. com o objetivo de frustrar os crédidos de terceiros (DALLEGRAVE NETO, 2002, p ). A primeira e a segunda instância condenaram Aaron a pagar aos credores da Salomon & Co. Ltd., desconsiderando a separação do patrimônio da pessoa física e jurídica, em virtude da constatação da manobra fraudulenta. A terceira instância, a House of Lords, por sua vez, reformou essas decisões e reafirmou a distinção da personalidade dos sócios e da companhia, desprezando a fraude cometida por Aaron. Apesar disso, as decisões de grau inferior serviram de precedente jurisprudencial para a teoria da desconsideração da pessoa jurídica (DALLEGRAVE NETO, 2002, p. 177). No Brasil, confere-se a introdução dos estudos acerca da teoria da desconsideração da pessoa jurídica ao trabalho de autoria de Rubens Requião, publicado na Revista dos Tribunais em dezembro de 1969, que mereceu a atenção da Comissão Revisora do Código Civil (CC), presidida pelo professor Miguel Reale, uma vez que, inspirado na mencionada teoria, modificou o art. 49 do Anteprojeto (SITTA, 2003, p. 101). Segundo Requião (2005, p ), o dispositivo aludido pretendia apenas [...] a radical medida de dissolução da pessoa jurídica, quando for ela desviada dos fins que determinaram a sua constituição, enquanto a doutrina exposta objetiva somente que o juiz desconsidere episodicamente a personalidade jurídica, para coartar a fraude ou o abuso do sócio que dela se valeu como escudo, sem importar essa medida dissolução da entidade. Nessa esteira, a teoria da desconsideração da pessoa jurídica desenvolveu-se não no sentido de desprestigiar a pessoa jurídica, bem como sua autonomia patrimonial, mas sim na intenção de preservá-la. Com efeito, a teoria impossibilita que haja o desvio do rumo para qual a entidade foi criada e o abuso de direito praticado pelos seus sócios, porquanto acarreta a desproteção dos bens destes, que tinham como amparo a sociedade limitada da pessoa jurídica para a realização do próprio enriquecimento ilícito (SOARES, 2007, p. 29). Assim, não se pode perder de vista que a pessoa jurídica continua existindo, pois não se trata de anulá-la ou de reconhecer-lhe a ineficácia, e sim de buscar a efetividade do crédito judicial, ignorando, mesmo que momentaneamente, a regra da separação patrimonial, penetrando sobre o véu da pessoa jurídica para executar os bens de seus sócios (DALLEGRAVE NETO, 2002, p. 175).

6 Portanto, é equivocado o uso das expressões despersonalização da empresa ou desconstituição da pessoa jurídica, já que o principal benefício decorrente da aplicação da teoria da desconsideração da pessoa jurídica constitui a não extinção ou dissolução da pessoa jurídica quando prejudicada por um ou mais de seus sócios. Estes responderão pessoalmente pelos danos causados à sociedade e terceiros, preservando a entidade em pleno funcionamento com o objetivo de evitar a dispensa em massa dos empregados e não piorar a economia de mercado (DALLEGRAVE NETO, 2002, p. 206). Cumpre salientar que a teoria da desconsideração só possui relevância quando, além de haver uma sociedade personificada, a responsabilidade de seus integrantes seja limitada. Nessa vereda, pode-se restringir a aplicação da teoria a somente dois tipos societários: as sociedades anônimas e as sociedades limitadas. Para os demais tipos societários, a doutrina não desperta maior interesse, pois, de qualquer forma, os sócios ou dirigentes responderão ilimitadamente (LORENZETTI, 2003, p. 188). Empós as noções acerca do instituto da desconsideração da pessoa jurídica, necessário se faz o estudo de suas teorias, a fim de averiguar a tendência de sua aplicação na execução trabalhista. Nesse sentido, Coelho (2008, p. 36) explica que, no direito brasileiro, existem duas teorias da desconsideração: a menor e a maior. Esta tem a característica de ser mais elaborada e consistente, porquanto condiciona o afastamento episódico da autonomia patrimonial das pessoas jurídicas à constatação de alguns pressupostos, dentre eles destaca-se a fraude e o abuso do direito. Já para a teoria menor, o simples prejuízo ocasionado ao credor possibilita a responsabilização do sócio, ou seja, o afastamento do princípio da autonomia patrimonial acontece com a insatisfação de crédito perante a sociedade e com a solvência de qualquer sócio. Não obstante a teoria maior possuir como pressuposto subjetivo para o afastamento da autonomia patrimonial da sociedade empresária o uso fraudulento ou abusivo do instituto, deve-se atentar as dificuldades referentes à elaboração das provas em juízo pelo demandante, o que, muitas vezes, acarreta a inacessibilidade do próprio direito. Assim, com a finalidade de auxiliar na facilitação da prova, formulou-se a hipótese objetiva da teoria maior, na qual se presume a fraude quando comprovada a confusão entre os patrimônios da pessoa jurídica e de um ou mais de seus sócios (COELHO, 2008, p ). Na opinião de Coelho (2008, p ), pelo fato de as sociedades anônimas e de as sociedades limitadas serem as mais comuns no Brasil, e, por isso, são importantes para a economia capitalista, o princípio da personalização das sociedades empresárias e o seu efeito

7 quanto à limitação da responsabilidade patrimonial dos sócios não podem ser desprezados. Logo, a desconsideração precisa ser realizada de modo excepcional, ou seja, o afastamento da autonomia patrimonial da pessoa jurídica não se justifica somente pela insatisfação do crédito, sendo fundamentais a deturpação e o uso indevido da personalidade jurídica. Por outro lado, Soares (2007, p ) entende que, no âmbito do direito do trabalho, a teoria maior não pode prosperar, pois é preciso interpretar esse ramo especializado tendo em vista a hipossuficiência do trabalhador em relação à pessoa jurídica e a natureza alimentar do crédito trabalhista. Nessa direção, impor ao credor trabalhista o ônus de provar a fraude ou o abuso do direito lhe causaria um obstáculo ao exercício do direito. Destarte, é sobremodo importante verificar os fundamentos para a aplicação da desconsideração da pessoa jurídica na execução trabalhista para, em seguida, examinar a respeito da responsabilidade dos sócios no âmbito da Justiça do Trabalho. 3 A aplicação da desconsideração da pessoa jurídica na execução trabalhista O ordenamento jurídico possui a característica de ser polissistemático, pois as normas são agrupadas e ordenadas de acordo com uma pluralidade de sistemas. Dentre eles, destaca-se o direito societário, o direito do trabalho e o direito do consumidor, os quais têm regras e princípios próprios, formando cada ramo um microssistema. Em se tratando de desconsideração da personalidade jurídica, as regras do direito societário conflitam com as regras e os princípios dos microssistemas trabalhista e do consumidor, porquanto são inspirados em valores diferentes (BARACAT, 2008b, p. 315) No direito societário predomina o princípio da autonomia patrimonial, decorrente da personalização das sociedades empresárias, segundo o qual os sócios não respondem, em geral, pelas obrigações da sociedade. Por outro lado, no direito trabalhista prevalece o princípio da proteção do trabalhador, em que as normas devem ser interpretadas e aplicadas no intuito de tutelar o trabalhador, por causa de sua sujeição e dependência econômica em relação ao empregador. No direito do consumidor se sobressai o princípio da proteção ao consumidor (BARACAT, 2008b, p ). Como se pode notar, a desconsideração da pessoa jurídica representa uma questão polissistêmica, visto que envolve, ao mesmo tempo, interesses societários, consumeristas e

8 trabalhistas, apresentando em cada um desses microssistemas características diferentes, conforme os respectivos princípios. Como no microssistema trabalhista não existe lei expressa autorizando a desconsideração da pessoa jurídica, deve-se fundamentar a sua utilização nos outros microssistemas, em razão do disposto no art. 8, parágrafo único, da Consolidação das Leis do Trabalho 4, naquilo em que não for incompatível com seus princípios (BARACAT, 2008b, p. 318). Nessa direção, aplica-se o art. 28 do Código de Defesa do Consumidor ao processo trabalhista, pois ambas as legislações são tuitivas, conseqüentemente, compatíveis. A compatibilidade entre o direito trabalhista e o direito do consumidor acontece em virtude do princípio de tutela ao demandante hipossuficiente, amplamente utilizado nesses dois ramos do direito (DALLEGRAVE NETO, 2002, p. 193). Impende ressaltar que o Código de Defesa do Consumidor, em seu art. 28, foi a primeira lei brasileira a prever a teoria desconsideração da pessoa jurídica. A normatização expressa dessa teoria representou um significativo avanço, especialmente quanto ao disposto no 5 do referido artigo, ao autorizar sua utilização sempre que o uso da pessoa jurídica impedir a satisfação do crédito do consumidor prejudicado (CRAVO; CORREIA, 2008, p. 352). O art. 28, 5 do Código de Defesa do Consumidor estabelece: Art. 28. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando, em detrimento do consumidor, houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração. [...] 5 Também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores (BRASIL, 1990). No entanto, Dallegrave Neto (2002, p. 196, grifo do autor) adverte que a enumeração contida no caput do art. 28 do Código de Defesa do Consumidor recebe crítica da doutrina, visto que alguns institutos não poderiam estar inseridos como causas de aplicação da desconsideração da pessoa jurídica, porquanto dizem respeito à categoria da responsabilidade civil. É o caso do excesso de poder, infração da lei e violação dos estatutos ou do contrato 4 Art. 8º - As autoridades administrativas e a Justiça do Trabalho, na falta de disposições legais ou contratuais, decidirão, conforme o caso, pela jurisprudência, por analogia, por eqüidade e outros princípios e normas gerais de direito, principalmente do direito do trabalho, e, ainda, de acordo com os usos e costumes, o direito comparado, mas sempre de maneira que nenhum interesse de classe ou particular prevaleça sobre o interesse público.

9 social, os quais ensejam a responsabilização específica do agente causador, e não desconsideração momentânea da sociedade, como ocorre na disregard doctrine. Além disso, Silva (2007, p. 67) e Martins (2007, p. 669) lecionam que o art. 28, 5 do Código de Defesa do Consumidor reporta-se exclusivamente às relações de consumo, portanto, não há como aplicar analogicamente e extensivamente às relações de emprego. Assim, segundo os autores, a utilização do artigo na execução trabalhista é arbitrária e contrária ao sistema jurídico. Na opinião de Martins (2007, p. 669), a regra que se poderia aplicar, por analogia, ao processo do trabalho é a lei n de 1994, denominada de lei antitruste. Esta, em seu art. 18 5, autoriza a desconsideração da pessoa jurídica no caso de infração à ordem econômica, desde que caracterizado o abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato, ou ato ilícito, ou violação dos estatutos ou contrato social (NAHAS, 2007, p. 100). A referida lei objetiva compatibilizar os ditames constitucionais sobre a ordem econômica, previstos no art da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, entre eles, a repressão ao abuso do poder econômico, a valorização do trabalho humano, a livre iniciativa e a defesa dos consumidores. Contudo, para tutelar os interesses envolvidos, precisa utilizar mecanismos eficazes, que possibilitem a efetiva responsabilização dos autores de infrações à ordem econômica (SITTA, 2003, p. 110). Nesse sentido, um mecanismo importante, uma vez configurada a infração, é a desconsideração da personalidade jurídica, quando não se conseguir responsabilizar diretamente o sócio ou o administrador, pois, do contrário, não haverá necessidade para o afastamento da autonomia patrimonial da pessoa jurídica. Para todos os efeitos, a atribuição da responsabilidade será ao efetivo agente da conduta, o qual não poderá usar a pessoa jurídica a fim de se abster das conseqüências do seu ato ilícito (SITTA, 2003, p. 111). 5 Art. 18 da lei n de 1994: A personalidade jurídica do responsável por infração da ordem econômica poderá ser desconsiderada quando houver da parte deste abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração. 6 Art A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: I - soberania nacional; II - propriedade privada; III - função social da propriedade; IV - livre concorrência; V - defesa do consumidor; VI - defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação; VII - redução das desigualdades regionais e sociais; VIII - busca do pleno emprego; IX - tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sua sede e administração no País.

10 Na concepção de Sitta (2003, p. 111), a sistemática da lei antitruste não inovou a disciplina criada pelo Código de Defesa do Consumidor, visto que, teoricamente, não existe a desconsideração da personalidade jurídica, e sim a efetiva responsabilidade pessoal dos sócios ou dos administradores, pela prática de atos ilícitos próprios. A teoria da desconsideração da pessoa jurídica consolidou-se com o advento do art. 50 do Código Civil, porém mais restrito que a norma referente ao direito do consumidor, pois se baseia na igualdade entre as partes envolvidas no direito das obrigações e no princípio da autonomia privada (CRAVO; CORREIA, 2008, p. 353). O art. 50 do Código Civil determina: Art. 50. Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica (BRASIL, 2002). Como se depreende, o supracitado artigo adotou a teoria maior subjetiva e objetiva da desconsideração da pessoa jurídica, já que estabeleceu o abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade ou pela confusão patrimonial, como requisito para desconsiderar a personalidade jurídica (SILVA, 2007, p. 65). Em virtude disso, Baracat (2008b, p. 319) alega que o art. 50 do Código Civil não pode ser aplicado no direito trabalhista, pois permitiria a desconsideração somente nas hipóteses de desvio de finalidade e confusão patrimonial, esquecendo, contudo, das situações corriqueiras como, por exemplo, a falência da sociedade ou, simplesmente, o encerramento da atividade empresarial. Dessa maneira, o artigo mostra-se restritivo, não satisfazendo plenamente os direitos do trabalhador. Não se pode olvidar que no direito do trabalho, um de seus princípios fundamentais é o da proteção, o qual visa proteger o trabalhador hipossuficiente, considerado a parte mais fraca na relação. Por conseguinte, esse princípio procura atingir a condição de igualdade entre as partes no processo, compensando a inferioridade econômica do trabalhador com a superioridade jurídica (CRAVO; CORREIA, 2008, p. 353). Nesse diapasão, Almeida (1999, p. 154) afirma que o direito do trabalho é o ramo que se mostra mais compatível com a teoria da desconsideração [...] até porque os riscos da atividade econômica, na forma da lei, são exclusivos do empregador. É o que estabelece o caput do art. 2 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) 7. 7 Art. 2º - Considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço.

11 Ademais, cumpre salientar que a Consolidação das Leis do Trabalho, em seu art. 2, 2 8, foi a pioneira a adotar a teoria da desconsideração da pessoa jurídica em se tratando de grupo de empresas, reputando-as solidariamente responsáveis pelo adimplemento das verbas decorrentes do contrato de trabalho (SITTA, 2003, p. 120). Entretanto, Nahas (2007, p. 104) entende que o art. 2, 2 da Consolidação das Leis do Trabalho diz respeito apenas à hipótese de obrigação solidária entre empresas do grupo, não sendo necessária a desconsideração da pessoa jurídica a fim de alcançar a obrigação solidária daquelas empresas. Com isso, a autora menciona que a desconsideração só é cabível caso a responsabilidade do ato não puder ser imputada diretamente ao sócio, administrador ou qualquer pessoa jurídica. Nessa mesma linha, não está correto afirmar que as transformações, fusões, incorporações ou cisões de pessoas jurídicas, hipóteses dos arts e da Consolidação das Leis do Trabalho, são casos de desconsideração. Em todas essas situações ocorre a preservação da responsabilidade, de maneira que se faz absolutamente desnecessário o uso do instituto da desconsideração (NAHAS, 2007, p ). Por derradeiro, cabe frisar que um dos princípios basilares da execução trabalhista consiste na superioridade do exeqüente trabalhista 11, extraído do art. 612 do Código de Processo Civil (CPC). Este dispositivo aduz que a execução deve se realizar no interesse do credor. Logo, como a teoria da desconsideração da pessoa jurídica objetiva o proveito do exeqüente, em relação à satisfação de seu crédito judicial, não há dúvida de que na execução trabalhista é possível aplicar a disregard doctrine (DALLEGRAVE NETO, 2002, p. 195, grifo do autor). Ao ensejo da conclusão deste item, constatou-se que a teoria da desconsideração da pessoa jurídica na execução trabalhista deve ser aplicada em consonância, principalmente, com os princípios que visam a proteção do trabalhador. Com efeito, a premissa de que os sócios não respondem pelas obrigações da sociedade não pode ser absoluta no direito do 8 O art. 2, 2 da CLT dispõe: Sempre que uma ou mais empresas, tendo, embora, cada uma delas, personalidade jurídica própria, estiverem sob a direção, controle ou administração de outra, constituindo grupo industrial, comercial ou de qualquer outra atividade econômica, serão, para os efeitos da relação de emprego, solidariamente responsáveis a empresa principal e cada uma das subordinadas. 9 Art Qualquer alteração na estrutura jurídica da empresa não afetará os direitos adquiridos por seus empregados. 10 Art A mudança na propriedade ou na estrutura jurídica da empresa não afetará os contratos de trabalho dos respectivos empregados. 11 No processo de execução a igualdade de tratamento entre as partes verifica-se em termos, visto que já houve o contraditório e a ampla defesa. Dessa forma, a posição do exeqüente é de superioridade, ou, como prefere Teixeira Filho (2005, p.115), de preeminência jurídica, em relação ao executado.

12 trabalho, pois além do risco da atividade econômica pertencer ao empregador, se está diante de créditos de natureza alimentar. Por tais razões, se faz necessário, no próximo tópico, discorrer acerca da responsabilidade dos sócios para compreender como ela ocorre no âmbito da justiça do trabalho. 4. A responsabilidade dos sócios na execução trabalhista sob o prisma da Justiça do Trabalho No tópico anterior verificou-se que a pessoa jurídica, uma vez constituída regularmente, adquire a personalidade, tornando-se ente de direitos e obrigações nas relações jurídicas que participa. Por conseguinte, a responsabilidade 12 pelas obrigações sociais recai, em princípio, sobre o patrimônio da pessoa jurídica, gerando para os indivíduos que a compõem a irresponsabilidade pelos negócios por ela praticada (NAHAS, 2007, p. 85). No entanto, essa autonomia patrimonial da pessoa jurídica só possui aplicação ampla nas sociedades em que a responsabilidade dos seus integrantes for limitada, pois nas outras sociedades os sócios respondem de forma ilimitada com o seu patrimônio. Desse modo, para o presente trabalho, interessa examinar a responsabilidade dos sócios na sociedade limitada, porquanto, nas demais formas societárias é indubitável que os sócios respondam pelas obrigações sociais (LORENZETTI, 2003, p. 167). A importância da análise da responsabilidade dos sócios consiste, principalmente, no fato de a sociedade de responsabilidade limitada ser a modalidade societária mais utilizada no Brasil. Nesse sentido, deve-se frisar que a limitação da responsabilidade foi uma maneira de estimular a exploração da atividade econômica, porque seria difícil alguém organizar novas empresas se o insucesso da iniciativa pudesse resultar na perda de todo o patrimônio (COELHO, 2008, p. 402). Como salienta Silva (2007, p. 60), resguardar os bens do empreendedor não constitui o único fundamento da limitação da responsabilidade. O outro argumento é a incapacidade do Estado em absorver toda a mão-de-obra disponível no mercado de trabalho, 12 A responsabilidade, conforme assinala Lorenzetti (2003, p. 21) significa [...] a sujeição do patrimônio de alguém ao cumprimento de uma ou mais prestações em favor de outrem.

13 logo, as empresa são as responsáveis pela maioria dos empregos. Diante dessa incapacidade do Estado, lhe resta incentivar a criação e o crescimento das empresas como forma de promover o emprego e a justiça social. Assim, o legislador consignou expressamente no art do Código Civil a limitação da responsabilidade do sócio ao montante do capital social subscrito e não integralizado. Com isso, quando o sócio declarar, em contrato social, ter integralizado a quota social subscrita sem que tenha efetuado a subscrição, ele responderá pessoalmente pela diferença não integralizada 14 (COELHO, 2008, p. 404). Nestes termos, se o capital social não estiver totalmente integralizado, a responsabilidade do sócio será subsidiária 15 em relação a terceiros, inclusive no que concerne ao cumprimento das dívidas de natureza trabalhista, ou seja, somente será atingido se a sociedade não saldar as obrigações assumidas. Entretanto, entre os sócios da sociedade limitada, a responsabilidade pela integralização do capital social será solidária 16, já que todos concorrem individualmente pela integralização do restante que falta para completar o capital social (SILVA, 2007, p, 63). Todavia, ocorre situação peculiar quando, mesmo integralizado totalmente o capital social, o patrimônio da empresa não é suficiente para pagar os créditos trabalhistas. A Consolidação das Leis do Trabalho não possui enunciado que resolva essa problemática, conseqüentemente, resta aplicar a desconsideração da pessoa jurídica (SILVA, 2007, p. 64). Nesse sentido é a decisão do Tribunal Superior do Trabalho: AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. EXECUÇÃO. DA PENHORA SOBRE BEM DE SÓCIO. APLICABILIDADE DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA. Em sede de Direito do Trabalho, em que os créditos trabalhistas não podem ficar a descoberto, vem-se abrindo uma exceção ao princípio da responsabilidade limitada do sócio, ao se aplicar a teoria da desconsideração da personalidade jurídica. Em conseqüência, o julgamento, em última análise, tem motivação fundada no artigo 28 da Lei nº 8.078/90, sem importar em afronta direta à Constituição. Óbice do artigo 896, 2º, da CLT. Agravo conhecido e desprovido (TST, 2006, p.1, AIRR - 478/ ). 13 Art Na sociedade limitada, a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social. 14 Cumpre assinalar que quando os sócios negociam a formação da sociedade, uma das questões sobre a qual precisam chegar a um acordo consiste no montante de recursos necessários à implantação da empresa. Se a totalidade desses recursos for promovida pelos próprios sócios, esse montante é o capital subscrito, que é a soma de dinheiro, bens ou crédito prometidos individualmente pelos sócios para a formação do capital social. Já o momento da entrega desse capital prometido pelo sócio, diz respeito à integralização, ou seja, pagar a obrigação à sociedade conforme o acordado no contrato social (COELHO, 2008, p ). 15 A responsabilidade subsidiária caracteriza-se pelo seu caráter secundário, ou seja, só pode ser invocada pelo credor caso o cumprimento da obrigação pelo responsável principal for inviável, por não ter condições econômicas para adimplir a divida (LORENZETTI, 2003, p. 22). 16 A responsabilidade solidária é definida por Lorenzetti (2003, p. 22) como [...] a vinculação de vários sujeitos à satisfação de uma obrigação jurídica, permitindo ao credor escolher de qual ou quais deles pretende obter, total ou parcialmente, a prestação a que tem direito.

14 No presente julgado, os bens dos sócios foram penhorados em virtude da desconsideração da pessoa jurídica, devedora principal. Isso ocorreu devido a prioridade dos créditos trabalhistas que não podem ficar sem proteção, abrindo, com isso, uma exceção ao princípio da responsabilidade limitada do sócio. Convém ressaltar que, ao assumir uma obrigação, o devedor responde com seus bens presentes e futuros (art. 591 do Código de Processo Civil), ou seja, os bens que estão em seu patrimônio no momento da negociação, bem como aqueles adquiridos posteriormente, salvo as exceções legais 17. Dessa forma, o devedor, que é o titular da obrigação de prestar, torna-se responsável primário pela obrigação assumida, a qual deverá ser cumprida espontaneamente (NAHAS, 2007, p. 86). Contudo, se a obrigação não é cumprida espontaneamente, o credor tem a prerrogativa de pedir ao Estado que retire do patrimônio do devedor o montante suficiente para satisfazer a obrigação ajustada e frustrada. Entretanto, caso não haja bens suficientes, a execução poderá recair sobre pessoas que conservam a responsabilidade dos atos praticados pelo devedor. Nessa direção, se a pessoa jurídica, devedora principal, não possuir patrimônio necessário para adimplir suas dívidas, os sócios serão responsabilizados, ficando os seus bens sujeitos à execução, conforme estabelece o art. 592, inc. II, do Código de Processo Civil 18 (NAHAS, 2007, p. 86). Segundo Nahas (2007, p. 87), essa situação em que os sócios respondem por obrigações, as quais, em princípio, seriam das pessoas jurídicas, refere-se à responsabilidade secundária 19 ou subsidiária (art. 596 do Código de Processo Civil). Nessa linha é o posicionamento do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região: SÓCIO. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA PELAS DÍVIDAS TRABALHISTAS DA SOCIEDADE. Está pacificado pela jurisprudência, pela doutrina e pela própria legislação pátria que os sócios, na mesma proporção em que detêm a titularidade do direito societário, detêm também a obrigação e a responsabilidade dele decorrente, razão pela qual não logram dispor de todo o seu patrimônio eficazmente a ponto de frustrar a execução contra a sociedade, como decorrência natural e direta da participação e responsabilidade pessoal por ela, ainda que subsidiária (TRT da 12ª Região, 2008, p. 1, AP ). 17 As exceções legais dizem respeito aos bens impenhoráveis. Para Redondo e Lojo (2007, p. 82), os bens impenhoráveis possuem três categorias: bens absolutamente impenhoráveis, bens relativamente impenhoráveis e bens de residência. A impenhorabilidade absoluta é quando os bens não se submetem à penhora em qualquer hipótese (art. 649 do CPC) 17. Já a impenhorabilidade relativa consiste nos bens que podem ser penhorados quando inexistentes outros bens do devedor (art. 650 do CPC) 17. Há também a impenhorabilidade de bem de residência, a qual é regulada pela Lei n de Art Ficam sujeitos à execução os bens: II - do sócio, nos termos da lei; 19 A responsabilidade secundária, segundo Negrão (2005, p. 249), consiste naquela em que [...] sujeita outras pessoas e respectivos patrimônios às obrigações do responsável primário.

15 Na supramencionada decisão a relatora Juíza Águeda Maria Lavorato Pereira entendeu que os sócios respondem subsidiária e ilimitadamente, em decorrência da desconsideração da pessoa jurídica. Assim, primeiro deve-se executar os bens da empresa e, se estes não forem suficientes, o patrimônio dos sócios é penhorado, porquanto se beneficiaram da força de trabalho do empregado, como também do sucesso do empreendimento. Portanto, o sócio pode pedir que sejam excutidos primeiramente os bens da empresa executada, bastando para isso o preenchimento do requisito do art. 596, 1, do Código de Processo Civil 20, o qual dispõe que cabe ao sócio nomear bens da empresa livres e desembaraçados para a satisfação do débito. No entanto, se a pessoa jurídica não possuir bens livres e desembaraçados, a responsabilidade pelos créditos trabalhistas é dos sócios (NAHAS, 2007, p. 87). Nessa direção, transcreve o agravo de petição do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região: DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA. RESPONSABILIDADE PATRIMONIAL DO SÓCIO. A teoria da desconsideração da pessoa jurídica, introduzida em nosso ordenamento jurídico no artigo 28 da Lei n.º , permite que seja desconsiderada a personalidade jurídica das sociedades de capitais, para buscar a responsabilidade patrimonial de seus sócios, sempre que esta personalidade for, de alguma forma, obstáculo à satisfação de créditos de terceiros. Por conseguinte, a ausência de bens livres e desembaraçados pertencentes à sociedade sujeita os sócios a responderem com seu patrimônio pelo débito em execução, a teor do disposto nos artigos 592, inciso I, e 596 do Código de Processo Civil. Agravo de petição conhecido e desprovido (TRT da 9ª Região, 2007, p.1, AP ACO ). No caso em tela aplicou-se a desconsideração da personalidade jurídica, em razão da ausência de bens livres e desembaraçados da sociedade. Como se pode notar, a responsabilidade dos seus sócios decorreu da simples insuficiência de patrimônio da pessoa jurídica, o que causou um obstáculo à satisfação dos créditos trabalhistas. Nesse diapasão, adotou-se a teoria menor da desconsideração da pessoa jurídica, pois, para afastar a autonomia patrimonial, bastou o inadimplemento da sociedade empregadora, a qual não dispôs de patrimônio suficiente para suportar a execução. O agravo de petição da 10ª Região corrobora com esse entendimento: 20 Art Os bens particulares dos sócios não respondem pelas dívidas da sociedade senão nos casos previstos em lei; o sócio, demandado pelo pagamento da dívida, tem direito a exigir que sejam primeiro excutidos os bens da sociedade. 1 o Cumpre ao sócio, que alegar o benefício deste artigo, nomear bens da sociedade, sitos na mesma comarca, livres e desembargados, quantos bastem para pagar o débito.

16 EXECUÇÃO. TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA. BENS DO SÓCIO. APLICABILIDADE. A teoria da desconsideração da personalidade jurídica autoriza o juiz a responsabilizar os sócios pelo pagamento da dívida, à mingua de apresentação de bens pela executada passíveis de constrição e suficientes à satisfação do crédito obreiro (TRT da 10ª Região, 2008, p.1, AP ). Oportuno se torna dizer que nas sociedades de responsabilidade limitada é comum a existência de sócios majoritários, os quais interferem na gestão da empresa, e de sócios minoritários, que integralizam pequeno capital e, em tese, não possuem qualquer influência sobre o destino da atividade econômica. Por esta razão, o sócio minoritário deveria responder somente no limite da quota integralizada (BARACAT, 2008a, p. 66). A despeito disso, para a Justiça do Trabalho é irrelevante a participação societária, como pode ser verificado na decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região: EXECUÇÃO. RESPONSABILIDADE DO SÓCIO MINORITÁRIO. Não deve ser limitada a responsabilidade do sócio, ainda que minoritário, à sua participação societária quando verificada a insuficiência do patrimônio da sociedade e aplicada a teoria da desconsideração da personalidade jurídica da empresa executada (TRT da 12ª Região, 2007, p. 1, AP ). Nesse julgado foi dado provimento ao agravo de petição para executar os bens do sócio minoritário de forma ilimitada, até o pagamento integral dos créditos executados. Com isso, o entendimento jurisprudencial dominante na Justiça do Trabalho é o de que a desconsideração deve atingir não só os bens do sócio majoritário, mas também do sócio minoritário, indiscriminadamente, bastando apenas o inadimplemento de dívidas trabalhistas. Com relação ao ex-sócio, é mister destacar que o Código Civil estipulou uma limitação à responsabilidade, só podendo ser invocada até dois anos após a averbação da saída do sócio. Assim, passados dois anos de sua saída, o sócio não pode mais ser cobrado pelas obrigações referentes ao período em que integrava a sociedade (art do Código Civil) 21. Mesmo que o sócio somente transfira parte de suas quotas a terceiro, sem se retirar da sociedade, continua responsável pelas obrigações anteriores à cessão, segundo o art , parágrafo único 22 do Código Civil (LORENZETTI, 2003, p. 228). Nessa esteira é o julgado do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região: 21 Art A retirada, exclusão ou morte do sócio, não o exime, ou a seus herdeiros, da responsabilidade pelas obrigações sociais anteriores, até dois anos após averbada a resolução da sociedade; nem nos dois primeiros casos, pelas posteriores e em igual prazo, enquanto não se requerer a averbação. 22 Art A cessão total ou parcial de quota, sem a correspondente modificação do contrato social com o consentimento dos demais sócios, não terá eficácia quanto a estes e à sociedade. Parágrafo único. Até dois anos depois de averbada a modificação do contrato, responde o cedente solidariamente com o cessionário, perante a sociedade e terceiros, pelas obrigações que tinha como sócio.

17 RESPONSABILIDADE DO SÓCIO. A ausência de bens da empresa suficientes a garantir o pagamento dos créditos trabalhistas determina o redirecionamento da execução aos bens particulares dos sócios inclusive aqueles que já se retiraram da sociedade, mas ostentavam essa condição à época do contrato de trabalho em virtude da desconsideração da personalidade jurídica da executada (TRT da 4ª Região, 2008, p.1, AP ). A responsabilidade dos sócios retirantes, portanto, precisa observar dois requisitos, quais sejam: a) que a prestação do serviço tenha ocorrido antes da saída do sócio; b) que o ajuizamento da ação ocorra dentro de dois anos após o desligamento, considerada a data da averbação, mesmo que proposta aquela apenas em face da sociedade. O que deve ser levado em conta, pois, para a aferição da responsabilidade dos sócios retirantes, é a composição societária ao tempo em que se originou o crédito, não o tempo em que este foi reconhecido pela justiça (LORENZETTI, 2003, p ). Impende salientar que, se os sócios, retirantes ou não, ingressaram na sociedade depois do serviço ser prestado por determinado empregado, ainda assim são responsabilizados pelos créditos trabalhistas. Nesse caso, a responsabilidade do sócio retirante decorre do benefício auferido dos frutos de um esforço que não foi devidamente remunerado. Com relação aos novos sócios, respondem, pois, ao ingressarem na sociedade, parte do esforço do trabalhador já estava incorporada ao patrimônio social (LORENZETTI, 2003, p. 230). Na opinião de Lorenzetti (2003, p. 230), se a constituição do crédito dos trabalhadores aconteceu antes do ingresso do sócio, significa que este não avaliou bem o que o que pagou pelas quotas, porquanto a sociedade possuía dívidas trabalhistas. Por conseguinte, qualquer benefício ou lucro obtido após a constituição do crédito ocorreu em detrimento da satisfação do trabalhador. Ademais, se não houve o lucro, o prejuízo não pode ser transferido ao trabalhador, uma vez que, se os resultados fossem positivos, a ele não seriam acarreados. Embora o empregador seja a pessoa jurídica, ela consiste na extensão dos sócios, efetivos beneficiários dos lucros resultantes da atividade empresarial. Portanto, o sócio não pode eximir-se da responsabilidade porque, para conseguir o lucro, foi necessária a força de trabalho (LORENZETTI, 2003, p ). Corroborando com esse entendimento, Almeida (2006, p. 899) explica que os riscos do empreendimento econômico não podem ser transmitidos para os trabalhadores. Assim, cumpre aos sócios responder, com seu patrimônio, pelo ônus do fracasso da empresa e, conseqüentemente, pela satisfação dos créditos trabalhistas. Para Almeida (2006, p ), a segurança do investimento em uma sociedade de responsabilidade limitada não se sobrepõe à segurança do trabalhador, que tem no seu trabalho a única fonte de sobrevivência. Nesse sentido, a desconsideração da pessoa jurídica,

18 a fim de penhorar os bens do sócio para satisfazer o crédito oriundo da relação de emprego, não depende de fraude ou abuso de direito (como determinam os arts. 50 do Código Civil e o 28 do Código de Defesa do Consumidor). A insuficiência de bens da sociedade executada para saldar o crédito trabalhista é o bastante para a penhora recair sobre os bens dos sócios, caracterizando a responsabilidade objetiva 23 destes. Nessa direção Cravo e Correia (2008, p. 354) afirmam que, no direito do trabalho, a fraude ou o abuso de direito não precisam ser provados pelo credor, restando presumidos sempre que a ausência de patrimônio da pessoa jurídica acarretar na inadimplência de crédito trabalhista, gerando um obstáculo à satisfação de crédito privilegiado. Desse modo, o desvio de finalidade da pessoa jurídica se revela quando a autonomia patrimonial é utilizada para não cumprir com as obrigações junto a seus empregados, não havendo patrimônio suficiente para o pagamento da dívida. Inadequado seria esquecer que o princípio da proteção do empregado também possibilita responsabilizar os sócios pelos créditos trabalhistas para além das limitações impostas pelos arts. 592, inc. II do Código de Processo Civil, 50 do Código Civil e 28 do Código de Defesa do Consumidor. A propósito, o juiz deve tornar efetivo o direito reconhecido ao trabalhador no título executivo. Com isso, concedido um direito ao trabalhador, o juiz precisa praticar atos necessários à sua realização concreta, atribuindo a responsabilidade, por meio da desconsideração da pessoa jurídica, pelos créditos trabalhistas a todos os que se beneficiaram da sua força de trabalho (ALMEIDA, 2006, p. 899). Como adverte Nahas (2007, p. 89), é necessária a citação do sócio para o processo executivo, caso ele vier a ser responsabilizado. A sua inclusão na relação processual mostra-se indispensável, visto que ele pode indicar bens da sociedade e defender o seu patrimônio. Na concepção de Lorenzetti (2003, p. 244) incluir o sócio no pólo passivo significa não só uma questão de celeridade, mas também permite o reconhecimento da fraude à execução 24. Conforme o entendimento da jurisprudência majoritária, para caracterizar a fraude à execução não basta o ajuizamento da ação, sendo necessária a citação do sócio, pois 23 A responsabilidade objetiva é aquela que independe de pré-requisitos, configurando-se de maneira automática por simples determinação da lei e independentemente da intenção ou culpa do agente; já a responsabilidade subjetiva consiste naquela que necessita cumprir certos requisitos estabelecidos pela lei para que possa existir como, por exemplo, o abuso de direito, a ação ou omissão ilícita, a fraude e a má-fé. 24 O art do CPC estabelece como hipóteses caracterizadoras da fraude à execução a alienação ou oneração de bens: I - quando sobre eles pender ação fundada em direito real; II - quando, ao tempo da alienação ou oneração, corria contra o devedor demanda capaz de reduzilo à insolvência; III - nos demais casos expressos em lei (BRASIL, 1973).

19 é a partir do momento da sua inclusão no pólo passivo da relação jurídica que o terceiro adquirente do bem possui condições de averiguar se existe alguma demanda contra o sócio 25. Destarte, citada a pessoa jurídica para pagar a dívida ou indicar bens à penhora, passado o prazo legal sem nenhuma providencia de sua parte, será realizada a penhora 26. Não encontrando bens da executada, nem indicando esta onde possam ser encontrados, nada impede que o juiz, de oficio 27, inclua os sócios no pólo passivo da execução, citando-os para que efetue o pagamento, sob pena de prosseguir a execução em face deles (LORENZETTI, 2003, p. 244). Com efeito, o não cumprimento da obrigação com o empregado e a ausência ou a insuficiência de patrimônio da pessoa jurídica para adimplir os créditos trabalhistas apresentase como fundamentos suficientes para responsabilizar os sócios e direcionar a execução trabalhista contra os seus bens. Nesse diapasão, a responsabilidade dos sócios na execução trabalhista, sob o prisma da Justiça do Trabalho, é objetiva, pois não precisa demonstrar a presença da fraude e do abuso de direito. Ademais, a responsabilidade dos sócios é subsidiária, porquanto a execução deverá recair primeiramente sobre os bens da empresa para, em seguida, nos dos sócios, independentemente se estes forem majoritário, minoritário ou retirante. Portanto, apesar de a sociedade ser de responsabilidade limitada e possuir autonomia patrimonial, os sócios respondem pelo crédito trabalhista, por este ter natureza alimentar e também porque o direito do trabalho tem como principio basilar a proteção do empregado. 25 É o que diz o seguinte julgado do Tribunal Superior do Trabalho: EMBARGOS - REQUISITOS À CONFIGURAÇÃO DE FRAUDE À EXECUÇÃO - ALIENAÇÃO DE BEM DE SÓCIO DA PESSOA JURÍDICA OCORRIDA QUANDO AINDA NÃO PENDIA CONTRA ELE DEMANDA CAPAZ DE REDUZI-LO À INSOLVÊNCIA - NECESSIDADE DE RESGUARDAR O ATO JURÍDICO PERFEITO E O DIREITO DE PROPRIEDADE DOS ADQUIRENTES DE BOA-FÉ. 1. O bem penhorado foi vendido na pendência do processo de conhecimento, quando não havia contra o alienante, sócio de uma das pessoas jurídicas Rés, demanda capaz de reduzi-lo à insolvência. 2. Resulta inconteste a boa-fé dos Terceiros-Embargantes, adquirentes do imóvel penhorado. Qualquer consulta aos cartórios trabalhistas de distribuição, à época, teria como conseqüência a emissão de certidão negativa. 3. Inarredável a conclusão de que não estão configurados os requisitos objetivo e subjetivo à decretação da fraude à execução, pelo que a penhora do imóvel licitamente adquirido pelos Terceiros-Embargantes afronta diretamente os incisos XXII e XXXVI do artigo 5º da Constituição. Embargos não conhecidos (TST, 2006, p.1, E-RR / ). Desse modo, como destaca a decisão acima, não poderia a Justiça do Trabalho emitir certidão negativa ao interessado na compra do imóvel e depois surpreender o comprador com a penhora do bem e a decretação da fraude à execução, pois geraria a mais absoluta insegurança jurídica. Portanto, somente restaria configurada a fraude à execução se, após a inclusão dos sócios das pessoas jurídicas executadas no pólo passivo da demanda, mediante a aplicação da desconsideração da personalidade jurídica, os adquirentes tivessem faltado com o cuidado mínimo de consultar os cartórios de distribuição da Justiça do Trabalho. 26 O devedor será citado para, em quarenta e oito horas, pagar a obrigação pecuniária declarada no título judicial ou garantir a execução, sob pena de penhora (CLT, art. 880) (BRASIL, 1943). 27 A desconsideração da pessoa jurídica poderá ser determinada de ofício, a requerimento da parte ou do Ministério Público do Trabalho que tenha de intervir no processo (ALMEIDA, 2006, p. 899).

20 5 CONCLUSÃO O objetivo principal desta pesquisa foi discorrer acerca da responsabilidade dos sócios na execução trabalhista, quando esgotada a localização de bens em nome da pessoa jurídica devedora. A pessoa jurídica surgiu com a finalidade de facilitar a criação e o controle dos grandes empreendimentos. No entanto, em virtude da autonomia patrimonial existente entre o patrimônio da sociedade e dos seus sócios, estes começaram a usar a pessoa jurídica para praticar atos abusivos ou ilícitos com o intuito de obter proveito próprio em detrimento dos direitos de terceiros. Nesse contexto, foi concebida a teoria da desconsideração da personalidade jurídica a fim de afastar essa autonomia patrimonial e responsabilizar diretamente os bens dos sócios. Destacou-se que no direito brasileiro há duas teorias da desconsideração, quais sejam: a maior e a menor. Todavia, no âmbito da Justiça do Trabalho, as decisões são no sentido de aplicar a teoria menor, porquanto o simples prejuízo ocasionado ao trabalhador possibilita a responsabilização dos sócios, sem ser necessária a presença da fraude e do abuso do direito. Portanto, verificou-se que, para aplicar a teoria da desconsideração, são necessários apenas dois requisitos: a ausência ou a insuficiência de bens da pessoa jurídica e a existência de débitos trabalhistas Com efeito, a despeito de a sociedade possuir responsabilidade limitada, é possível a penhora recair sobre os bens dos sócios, quando constatadas a ausência ou a insuficiência de patrimônio da pessoa jurídica para adimplir os créditos trabalhistas. Nessa direção, observou-se, com base nas decisões apresentadas na pesquisa, que a responsabilidade dos sócios na execução trabalhista é objetiva, pois prescinde da demonstração da fraude e do abuso de direito, e também subsidiária, visto que a execução deverá recair primeiramente sobre os bens da empresa para, em seguida, nos dos sócios, independentemente se estes forem majoritário, minoritário ou retirante. Dessa forma, a falta de bens em nome da empresa não pode ser um obstáculo ao direito do empregado, que contribui com o seu esforço para a construção do patrimônio da pessoa jurídica e, conseqüentemente, dos seus sócios. Diante disso, a Justiça do Trabalho tem aplicado freqüentemente a teoria da desconsideração da pessoa jurídica para responsabilizar os sócios pelo pagamento dos créditos trabalhistas, devido à natureza de caráter alimentar

Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada.

Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada. Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada. Obrigação: débito compromisso do devedor responsabilidade -

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça O estudo do instituto da DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA, exige a compreensão do que a

Leia mais

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação

Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EMPREGADOS. BREVES COMENTÁRIOS Gisela de Castro Chamoun * Inserindo-se no tema maior objeto do presente Encontro a recuperação judicial e seus reflexos nos créditos trabalhistas

Leia mais

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br A DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA POR DÍVIDAS TRABALHISTAS ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br Apresentação Palestrante: Antonio Carlos Antunes Junior Pós-graduado

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 174 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA KATYLENE COLLYER PIRES DE FIGUEIREDO¹ Inspirada na Palestra dos Professores Leonardo Marques e Monica Gusmão. Está em vigor desde janeiro a Lei nº 12.441,

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES DIREITO SOCIETÁRIO DIREITO SOCIETÁRIO Sociedade empresária/ Empresário individual Distinção entre a sociedade simples e a sociedade empresária objeto social art.982 CC/02 Duas exceções p.único do art.982

Leia mais

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv.

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv. Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009 Setembro/2010 1 O ESTABELECIMENTO E O CÓDIGO CIVIL O estabelecimento como objeto de direito

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA

O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA O TORMENTOSO TEMA DA DESCONSIDERAÇÃO INVERSA DA PERSONALIDADE JURÍDICA Gina Copola (abril de 2.013) I - A doutrina pátria tem se debruçado com afinco nos últimos anos sobre o controvertido tema relativo

Leia mais

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas.

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. RESUMO 1)Sociedade Limitada Continuação 1.1) Responsabilidade do sócio dentro da sociedade limitada. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A sociedade limitada é o tipo societário de maior presença na economia brasileira.

Leia mais

O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS

O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS O MÉDICO COMO EMPRESÁRIO DE CONSULTÓRIOS, CLÍNICAS E HOSPITAIS QUAIS SÃO SEUS RISCOS E RESPONSABILIDADES? Thaissa Taques EMPRESAS MÉDICAS Quando a sociedade vai mal o sócio também padece, e vice-versa

Leia mais

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI)

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) A EIRELI é uma nova forma de pessoa jurídica composta por uma só pessoa física. Os primórdios das pessoas jurídicas sempre estiveram ligados à ideia

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG

C Â MARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal MIGUEL CORRÊA PT/MG COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.621, DE 2007 (Apenso o PL nº 6.832, de 2010) Dispõe sobre as relações de trabalho em atos de terceirização e na prestação

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES - GENERALIDADES:

TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES - GENERALIDADES: UNIDADE VI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. PROFª: PAOLA SANTOS TIPOS SOCIETÁRIOS MENORES E DISSOLUÇÃO DA SOCIEDADE CONTRATUAL. 1. TIPOS SOCIETÁRIOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 1a Turma CONTA CONJUNTA BANCÁRIA. SOLIDARIEDADE ATIVA. Na conta conjunta bancária, os depositantes são credores solidários, de modo que o saldo total pode ser objeto de constrição judicial para

Leia mais

SOCIEDADE EMPRESÁRIA

SOCIEDADE EMPRESÁRIA SOCIEDADE EMPRESÁRIA I-CONCEITO Na construção do conceito de sociedade empresária dois institutos jurídicos servem de alicerce: a pessoa jurídica e a atividade empresarial. Um ponto de partida, assim para

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O objeto social e os limite da atuação do administrador da sociedade empresarial. A teoria do ato ultra vires Amanda Alves Moreira* 1. INTRODUÇÃO As sociedades comerciais, na situação

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. DIREITO EMPRESARIAL I EMPRESÁRIO E ATIVIDADE EMPRESÁRIA. Foed Saliba Smaka Jr. 26/02/2015. Dados Iniciais. www.smaka.adv.br -> DOCÊNCIA empresarial@smaka.adv.br FUNDAMENTOS DO DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO

Leia mais

A executada PATRÍCIA DOMINGUES DOS SANTOS opôs embargos à execução às fls. 862/875 dos autos.

A executada PATRÍCIA DOMINGUES DOS SANTOS opôs embargos à execução às fls. 862/875 dos autos. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO 7ª VARA DO TRABALHO DE BELÉM Processo: 0000239-19.2012.5.08.0007 Exequente : ANTONIO CLAUDIO DARWICH CNPJ/CPF:044.002.007-79 BORGES LEAL Executado

Leia mais

Espelho Empresarial Peça

Espelho Empresarial Peça Espelho Empresarial Peça A hipótese contempla a elaboração de petição inicial relativa à ação de execução, porquanto se encontram no enunciado reunidas as condições exigidas pelo artigo 15, II, da Lei

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada.

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Empresa Individual de Responsabilidade Limitada. Leonel Falcão. 1 Introdução A Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, que introduziu a EIRELI em nosso sistema, após o período de vacatio legis, entrou em

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA. Fabrício Pedroso Rodrigues de Oliveira Aluno do 2º ano do Curso de Direito da UNESP (Franca-SP)

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA. Fabrício Pedroso Rodrigues de Oliveira Aluno do 2º ano do Curso de Direito da UNESP (Franca-SP) DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA Fabrício Pedroso Rodrigues de Oliveira Aluno do 2º ano do Curso de Direito da UNESP (Franca-SP) Sumário: 1. Introdução 2. Conceitos 2.1 Pessoa Natural 2.2 Pessoa

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA RELAÇÃO DE EMPREGO A partir do momento em que o trabalho começou a existir, surgiram também as relações de emprego. Sob o ponto de vista do direito, a relação de emprego é um regramento jurídico que envolve

Leia mais

Acórdão-4ªC AP 01715-2005-046-12-00-4

Acórdão-4ªC AP 01715-2005-046-12-00-4 Acórdão-4ªC AP 01715-2005-046-12-00-4 SÓCIO MINORITÁRIO. RESPONSABILIZAÇÃO PELAS DÍVIDAS DA SOCIEDADE EMPRESÁRIA. IMPOSSIBILIDADE. O sócio minoritário que não contribuiu diretamente para a caracterização

Leia mais

III - AGRAVO 148126 2006.02.01.007963-2

III - AGRAVO 148126 2006.02.01.007963-2 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL ALBERTO NOGUEIRA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : BIANCA SILVA FERNANDEZ DE FIGUEIREDO AGRAVADO : PAULO DA SILVA AMORIM ADVOGADO ORIGEM

Leia mais

Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária. Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP

Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária. Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP Configuração de grupo econômico e responsabilidade tributária Fabiana Del Padre Tomé Doutora e professora PUC/SP O cenário atual Redirecionamento de execuções fiscais contra empresas do grupo econômico

Leia mais

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS NOME DO ADVOGADO, brasileiro, divorciado, advogado, inscrito na OAB/BA sob n ------, CPF.: -----------------------, residente e domiciliado nesta

Leia mais

Penhora de Cotas INTRODUÇÃO

Penhora de Cotas INTRODUÇÃO Penhora de Cotas MÔNICA GUSMÃO Profª de Direito Comercial da EMERJ, da EMATRA, da AMPERJ, da FEMPERJ, FESUDEPERJ e dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação da UCAM INTRODUÇÃO Penhora de cotas por dívida

Leia mais

que esta for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento

que esta for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento Desconsideração da personalidade jurídica 3. Desconsideração da personalidade jurídica sempre que esta for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento dos consumidores O CDC foi além, consagrando, no

Leia mais

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Prof. Nelton T. Pellizzoni : Mestrando em Direitos Difusos, Universidade Metropolitana de Santos; Especialista em Direito Civil, Comercial

Leia mais

PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS

PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS PROJETO DE LEI 1.572/11 NOVO CÓDIGO COMERCIAL ESTRUTURA E COMENTÁRIOS PONTUAIS (material preparado para reunião do Comitê Societário do CESA julho 2011) Autor: Renato Berger LIVRO I DA EMPRESA TÍTULO I

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

A LEI nº 12.441/2011 E A POSSIBILIDADE DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

A LEI nº 12.441/2011 E A POSSIBILIDADE DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA A LEI nº 12.441/2011 E A POSSIBILIDADE DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 1- INTRODUÇÃO Com o advento da lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, que altera o Código Civil,

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009 Aula 3: Validades dos Atos, Vícios, Erro, Dolo, Coação, Estado de Perigo, Lesão, Fraude contra credores, Simulação, Efeitos dos Negócios Jurídicos, Condição, Termo, Encargo, Prescrição e Decadência. Validade

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012 1 ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) E AS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI DO SENADO FEDERAL Nº 96/2012 DIEGO BISI ALMADA Advogado, Consultor Empresarial, Professor

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER

Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER Prova Objetiva Disciplina: D6 - DIREITO EMPRESARIAL Gabarito 1: Gabarito 2: Gabarito 3: Gabarito 4: 87 B 90 B 65 B 65 B PARECER Primeiramente, ressalta-se que boa parte dos recursos interpostos pelos candidatos

Leia mais

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima;

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima; Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 11 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: V- Transmissão das Obrigações: 1. Cessão de Crédito. V - Transmissão das Obrigações: 1. CESSÃO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João utiliza todos os dias, para retornar do trabalho para sua casa, no Rio de Janeiro, o ônibus da linha A, operado por Ômega Transportes Rodoviários Ltda. Certo

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

Direito Empresarial I Resumo de Aulas UNESA Fonte: Universidade Estácio de Sá

Direito Empresarial I Resumo de Aulas UNESA Fonte: Universidade Estácio de Sá Resumo das Aulas de Empresarial I Campus Menezes Cortês Introdução e Evolução Histórica do Direito Empresarial: Começa a se desenvolver um Direito Comercia baseado em costumes Corporações de mercadores

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA - X. 1. Histórico e regime jurídico:

SOCIEDADE LIMITADA - X. 1. Histórico e regime jurídico: SOCIEDADE LIMITADA - X 1. Histórico e regime jurídico: - Chamada anteriormente de sociedade por quotas de responsabilidade limitada, a sociedade limitada surgiu por atos legislativos, em atendimento aos

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Comissão de Coordenação de Correição Corregedoria-Adjunta da Área de Infraestrutura CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Inicialmente, esclareço que assumi a relatoria do tema por ter sucedido

Leia mais

O O REGIME JURÍDICO DO DIRETOR ESTATUTÁRIO NAS SOCIEDADES ANÔNIMAS

O O REGIME JURÍDICO DO DIRETOR ESTATUTÁRIO NAS SOCIEDADES ANÔNIMAS O O REGIME JURÍDICO DO DIRETOR ESTATUTÁRIO NAS SOCIEDADES ANÔNIMAS DRA. ADRIANA C. CALVO Mestre da PUC/SP e Professora acadêmica 1 ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO 1. Introdução 2. A evolução da administração das

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 476.713 - DF (2002/0152167-8) RELATOR : MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RECORRENTE : LA CARNE COMÉRCIO E REPRESENTAÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS LTDA ADVOGADO : DARCY MARIA GONÇALVES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

PARECER N, DE 2009. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER N, DE 2009. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER N, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o PLS n 260, de 2003, de autoria do Senador Arthur Virgílio, que altera art. 13 da Lei nº 8.620, de 5

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

Direito das Obrigações (8.ª Aula)

Direito das Obrigações (8.ª Aula) Direito das Obrigações (8.ª Aula) 1) Classificação das Obrigações V: Obrigações Solidárias Ao lado das obrigações divisíveis e indivisíveis, o Código Civil regulamenta também as chamadas obrigações solidárias,

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af RECURSO DE REVISTA. EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. INAPLICABILIDADE AO PROCESSO DO TRABALHO. SÚMULA Nº 114 DO TST. Viola o art. 5º, XXXVI, da Constituição

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 759/2015

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 759/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Referência Assunto PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 759/2015 : Mensagem SIAFI nº 2015/0458464, de 13/03/2015. Protocolo AUDIN-MPU

Leia mais

A INCLUSÃO DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE-EMPREGADORA NO PÓLO PASSIVO DA DEMANDA TRABALHISTA

A INCLUSÃO DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE-EMPREGADORA NO PÓLO PASSIVO DA DEMANDA TRABALHISTA A INCLUSÃO DOS SÓCIOS DA SOCIEDADE-EMPREGADORA NO PÓLO PASSIVO DA DEMANDA TRABALHISTA * Denis Domingues Hermida 1 Quando da propositura da reclamação trabalhista, cabe ao Advogado não só dirigir a sua

Leia mais

Projetos de Novo Código Comercial

Projetos de Novo Código Comercial Projetos de Novo Código Comercial O que está em discussão? Câmara dos Deputados - Projeto de Lei nº 1.572/2011 (670 artigos) Autor: Dep. Vicente Cândido Relator: Dep. Paes Landim Idealizador: Fábio Ulhoa

Leia mais

OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS

OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS PEÇA PROCESSUAL: OAB EXAME IX 2012.3 FEVEREIRO/2013 2.ª ETAPA COMENTÁRIOS OAB 2ª ETAPA PRÁTICA TRABALHISTA Caros amigos e alunos do Pro Labore, Primeiramente, gostaria de externar a minha satisfação quanto

Leia mais

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas Administração Profa.: Barbara Mourão dos Santos Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial Pessoa jurídica Agrupamento de pessoas físicas e/ou jurídicas que tem o seu ato constitutivo

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA

DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA 6 Universidade Cândido Mendes - Instituto a Vez do Mestre DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Fernanda Rodrigues dos Santos Magalhães Orientador: Professor Willian Rio de Janeiro 2007 7 Universidade Cândido

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA SOB A ÓTICA DO NOVO CÓDIGO CIVIL

SOCIEDADE LIMITADA SOB A ÓTICA DO NOVO CÓDIGO CIVIL UniFMU Curso de Graduação de Direito SOCIEDADE LIMITADA SOB A ÓTICA DO NOVO CÓDIGO CIVIL Marcos Duque Gadelho Junior R.A 443.668/0 nº46 Turma: 315D Tel: 3209-4551/ 9595-7957 e-mail: gadelho@hotmail.com

Leia mais

1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. 2. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO SOCIEDADES EMPRESÁRIAS.

1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. 2. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO SOCIEDADES EMPRESÁRIAS. 1. TEORIA GERAL DO DIREITO SOCIETÁRIO - HISTÓRICO. As sociedades acompanham a civilização desde o seu primórdio, ainda que não da maneira que conhecemos hoje. As sociedades tiveram o seu gênese no agrupamento

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

Decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT-2)

Decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT-2) Fevereiro 2015 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Unificação dos sistemas Empresas.Net e IPE No dia 30 de janeiro de 2015 a CVM comunicou que realizará a unificação das plataformas do Sistema IPE e do Sistema

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452, de 1º

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000238691 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000238691 ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000238691 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0251526-08.2012.8.26.0000, da Comarca de Santos, em que é agravante DANILO JOSE RODRIGUES

Leia mais

BENEFÍCIO DE ORDEM E A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA: análise da aplicação do verbete nº 37 do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região.

BENEFÍCIO DE ORDEM E A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA: análise da aplicação do verbete nº 37 do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região. Centro Universitário de Brasília Faculdade de Ciências Jurídicas e de Ciências Sociais RICARDO BARROS DE ALMEIDA BENEFÍCIO DE ORDEM E A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA: análise da aplicação do verbete nº

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ 1. CONCEITO DE SOCIEDADE

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE DIRETA NO ÂMBITO DO DIREITO DO TRABALHO

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE DIRETA NO ÂMBITO DO DIREITO DO TRABALHO DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE DIRETA NO ÂMBITO DO DIREITO DO TRABALHO Thereza Christina Nahas 1 Tema que ainda não está amadurecido o suficiente no direito do trabalho é

Leia mais

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005).

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005). A nova legislação brasileira destinada às empresas em dificuldades econômico-financeiras. Lei de Recuperação de Empresas disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial. Aspectos legais.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Mate Gelado Refrescos Ltda. celebrou contrato de compra e venda com Águas Minerais da Serra S.A., pelo qual esta deveria fornecer 100 (cem) litros d água por dia

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção. Estefânia Rossignoli

Leonardo de Medeiros Garcia. Coordenador da Coleção. Estefânia Rossignoli Leonardo de Medeiros Garcia Coordenador da Coleção Estefânia Rossignoli Formada em Direito pela UFJF Pós graduada em Direito Empresarial e Econômico pela UFJF Mestre em Direito Civil pela UERJ Professora

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA Apresenta uma visão geral da responsabilidade tributária em conformidade com as modalidades previstas no CTN, art 129-138. Ana Carolina Fialho Barbosa Leal 1. Conceito Preliminarmente,

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

O BENEFÍCIO DE ORDEM E A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA TRABALHISTA COMENTÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA

O BENEFÍCIO DE ORDEM E A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA TRABALHISTA COMENTÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA O BENEFÍCIO DE ORDEM E A RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA TRABALHISTA COMENTÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA Luiz Marcelo Figueiras de Góis. Advogado associado a Barbosa, Müssnich & Aragão Advogados no Rio de Janeiro.

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL FERNANDO REVERENDO VIDAL AKAOUI XIV Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente - ABRAMPA RESPONSABILIDADE DO ESTADO PELA PROTEÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2013.0000002706 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0173190-15.2011.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MAXCASA IV EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA, são

Leia mais

Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária

Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária Responsabilidade Tributária: dissolução irregular, subsidiariedade, solidariedade e substituição tributária Pós-Doutora pela Universidade de Lisboa; Doutora pela PUC/SP; Mestre pela UFC; Professora Graduação

Leia mais