Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente"

Transcrição

1 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente CADERNO DE NOTÍCIAS REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL 08/06/2015 Câmara pode votar redução da maioridade penal na segunda quinzena de junho Século Diário Por Livia Francez Data/Hora: 06/06/2015 às 21h43 A votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/93 pode ir à votação no Plenário da Câmara dos Deputados na segunda quinzena do mês de junho, mas especialistas em violência apontam outras soluções que não sejam a redução da maioridade penal dos 18 para os 16 anos para a solução da criminalidade. A advogada especialista em violência e consultora independente do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Karyna Sposato, defende mudanças no Estatuto da Criança e do Adolescente (Ecriad). Ela ressalta que não será mandando o adolescente para o sistema prisional que a violência será aplacada, mas sim ações que contemplem a prevenção da criminalidade, não somente a punição. Karyna ressalta que a eficácia na prevenção será atingida por meio de ações integradas de educação, esporte, lazer e segurança. O deputado federal Sérgio Vidigal (PDT), único representante da bancada capixaba na Comissão Especial da Maioridade Penal, partilha da opinião da especialista e defende plebiscito para que a comunidade participe dessa discussão. O parlamentar não acredita que apenas a redução da maioridade seja suficiente para resolver a criminalidade entre os mais jovens. Dentre as mudanças que ele defende no Ecriad, está o aumento de penas para os adultos que corrompem crianças a praticar crimes. Com a antecipação da votação, Sérgio Vidigal esclarece que é preciso mais tempo para discutir o assunto e ouvir todos os lados. "A Comissão recebeu mais de 100 requerimentos de audiência pública e cumprir o 1

2 cronograma de 40 sessões para discussão da matéria é essencial. Precisamos de pelo menos mais 10 sessões para chegar a uma solução que, de fato, reduza a criminalidade entre crianças e adolescentes", afirma. Fonte/link: Redução da maioridade penal pode ter efeito na legislação eleitoral e trabalhista Se aprovada no Congresso, redução da idade penal para 16 anos pode causar confusão em várias áreas da legislação. Mudança teria impacto no sistema eleitoral e em leis trabalhistas EM.com.br Por Mariana Bernardes /Correio Braziliense, Marcella Fernandes Data/Hora: 07/06/2015 às 6h00 Brasília Redução da maioridade penal, você é contra ou a favor? O tema é tão polêmico e desperta tantas paixões que a resposta a essa pergunta costuma sair de pronto. O que pouca gente sabe é que uma possível alteração na lei vai abrir caminho para mais do que cadeia para adolescentes infratores. Se aprovada pelo Congresso Nacional, a redução da idade penal de 18 para 16 anos pode causar situações contraditórias e desdobramentos em diversas outras áreas da legislação brasileira. De acordo com o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto, a referência aos 18 anos está presente em diferentes matérias, como a eleitoral e a trabalhista. As coisas estão entrelaçadas. A lógica é uma só, afirma. Ele alerta que, apesar de não causar mudanças automáticas, a redução abre precedente para questionar, por exemplo, o limite de idade para dirigir e para ser obrigado a votar. Britto ressalta que haverá necessidade de se reinterpretar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), uma vez que o documento trata tanto da proteção quanto da punição de brasileiros entre 12 e 18 anos. O entendimento da Constituição é que o desenvolvimento da personalidade não se perfaz senão a partir de 18 anos. Até essa faixa etária, a Constituição diz que o indivíduo está em formação, explica. Para o ministro aposentado, a redução viola cláusula pétrea da Constituição dispositivo que não pode ser alterado. 2

3 O Estado de Minas ouviu especialistas de diferentes áreas para entender os reflexos da alteração em áreas como trânsito, venda de bebidas alcoólicas, leis trabalhistas e no próprio ECA. A preocupação é compartilhada pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello. É razoável você dizer que responde como adulto (ao cometer crimes) e ao mesmo tempo ser proibido de conduzir um veículo automotor?, questiona. Ele lembra que tais reflexos vão depender da precisão do texto aprovado pelo Legislativo, que pode, por exemplo, restringir a redução da maioridade penal apenas em casos de infratores que cometam crimes hediondos. Mello avalia, ainda, que a PEC vai aumentar o encarceramento e não vai reduzir a criminalidade. Entre prós e contras, os contras sobrepujam os prós. Eu não vejo como algo desejável, comenta. No âmbito trabalhista, apesar de a redução da maioridade penal não causar alterações diretas, pode motivar discussões para futuras mudanças. A redução da maioridade penal não afeta diretamente as relações trabalhistas, contudo, inicia-se assim mais uma discussão sobre o abandono escolar para a entrada de jovens no mercado de trabalho em atividades que hoje são vedadas, explica o advogado trabalhista Marcílio Braz. A legislação atual impede o trabalho para menores de 14 anos. Entre 16 e 18, há restrições, como não trabalhar em ambiente penoso, insalubre, perigoso, que prejudique a formação moral e psicológica, desenvolvimento físico, além de trabalho noturno. Menores tampouco podem fazer hora extra, e o empregador é obrigado a ceder tempo necessário para o comparecimento às aulas. Hoje, essas proibições mantêm o jovem na escola. Qualquer alteração nessa legislação trará graves prejuízos aos jovens, que são o futuro de nosso país, afirma Braz. O critério usado é que pessoas nessa faixa etária ainda estão em fase de desenvolvimento. O argumento encontra respaldo nas outras esferas do direito brasileiro, além das normas internacionais ratificadas pelo Brasil, como a Convenção 138, da Organização Internacional de Trabalho (OIT). Há, ainda, uma relação direta com a possível liberação do consumo de bebidas alcoólicas, uma vez que é proibido o trabalho de menores em estabelecimentos que comercializem esse tipo de produto. Habilitação para dirigir no alvo O efeito cascata da redução da maioridade penal pode colocar atrás do volante adolescentes de 16 anos. Isso porque a primeira condição para um brasileiro se habilitar a conduzir um veículo é ser plenamente imputável. Para o professor de direito penal e processual e conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal (OAB-DF) Rafael Augusto Alves, com a aprovação da emenda, o efeito automático na legislação de trânsito só não ocorrerá se o Congresso criar mecanismos que impeçam a extensão dos direitos e deveres. É preciso ver como o texto será aprovado. A imputabilidade será para toda e qualquer espécie de infração penal ou vai se restringir a crimes hediondos, por exemplo? Mas há uma questão mais profunda ainda: se o ECA fosse cumprido integralmente, talvez não precisássemos disso, defende. Caso a PEC seja realmente aprovada, o Brasil terá que repensar a formação do condutor. Doutor em estudos de transportes, o professor da Universidade de Brasília (UnB) Paulo César Marques entende que não há restrição do ponto de vista cognitivo para um adolescente de 16 pegar o volante. Mas defende a necessidade de um esforço adicional na formação dos futuros motoristas, porque há diferenças consideráveis do ponto de vista da maturidade. Teoricamente, se uma pessoa com 16 anos pode votar e decidir o futuro do país, ela pode conduzir um carro. Mas a maturidade precisa ser mais trabalhada e o processo de formação necessitaria ser ajustado para a nova realidade, destaca Marques. Diretor de Policiamento e Fiscalização de Trânsito do Detran-DF, Silvain Fonseca não tem dúvidas sobre o que chama efeito dominó da redução da maioridade penal na legislação de trânsito. Se isso acontecer, o Estado terá que reforçar a educação, além de trabalhar as questões de maturidade e comportamento nas vias. Teremos um perfil novo de condutores e seremos obrigados a pensar como seria a forma de capacitação desse público. VENDA DE ÁLCOOL A prevenção ao uso de drogas lícitas, como o álcool, está no pacote de normatizações que poderão ser afetadas diretamente pela redução da maioridade penal. Há menos de dois meses, a presidenta Dilma Rousseff sancionou a Lei Federal , que torna crime a venda e a 3

4 oferta de bebidas alcoólicas e outras drogas que podem causar dependência a menores de 18 anos. Há um interesse econômico que se sobrepõe ao direito à saúde da população como um todo, lamenta Alessandra Diehl, psiquiatra e secretária da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas (Abead). Ela diz não enxergar desdobramento imediato, uma vez que a legislação que veta a venda e oferta de drogas lícitas e ilícitas a menores está bem fundamentada. Quem desrespeita a Lei pode ficar preso por dois a quatro anos e pagar multa de até R$ 10 mil. Contradições na proteção de jovens A redução da maioridade penal criaria uma situação contraditória em que um jovem de 16 anos pode ser punido por um crime como adulto, mas continua sendo protegido como adolescente, uma vez que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que trata da faixa etária de 12 a 18 anos continuaria vigente. Desmontaria todo o sistema legal de proteção da juventude, então geraria uma série de incompatibilidades e contradições nos diferentes sistemas, explica Sinara Guimieri, consultora jurídica do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero. A aprovação criaria um precedente perigoso para que o Congresso venha a reformular o ECA, reforça a procuradora da República Mariane Guimarães. Se o ECA for alterado, crimes cometidos contra adolescentes entre 16 e 17 anos seriam descaracterizados. Entram nessa categoria exploração sexual, pornografia infantil, sequestro e tráfico internacional de pessoas, entre outras questões. Atualmente, quem envia criança ou adolescente de até 18 anos para o exterior com a finalidade de obter lucro pode cumprir de quatro a seis anos de prisão, além de pagar multa. Se houver emprego de violência, a pena sobe para oito anos, somada ao tempo correspondente aos atos violentos praticados. Com a possível aprovação da PEC 171, seria considerada vítima desse tipo de crime pessoa com até 16 anos. A alteração valeria também para crimes como filmar ou fotografar menores em cenas pornográficas, cuja punição inclui multa e reclusão de quatro a oito anos. A pena aumenta se o autor do crime for agente público ou parente da vítima. CRIMES SEXUAIS Na avaliação do sociólogo Dijaci David de Oliveira, da Universidade Federal de Goiás (UFG), a aprovação da emenda pode incentivar crimes sexuais se causar alterações no ECA. Vai ter a exploração sexual legal entre 16 e 17 anos e abrir a porta para ampliar a exploração no segmento logo abaixo, entre 14 e 15 anos, que já existe, afirmou. Ele lembra ainda que a capacidade de fiscalização do cumprimento da lei é precária, o que agrava o problema. Em 2013, o serviço Disque 100 da Secretaria de Direitos Humanos (SDH-PR) registrou denúncias de violência cometidas contra criança e adolescente no país. Desse montante, 28% se referiam a violência sexual. Para Oliveira, os números mostram como, mesmo com a proteção legal, a adolescência brasileira é vulnerável. Fonte/link: 4

5 Proposta de maioridade penal a ser votada será a da comissão, diz Cunha Mas outros projetos podem ir a voto também, disse presidente da Câmara. Mídia News Data/Hora: 06/06/ h00 O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta sexta-feira (5) que levará ao plenário a proposta de redução da maioridade penal que sair da comissão especial nomeada para elaborar um parecer sobre o assunto. No caso da reforma política, Cunha e líderes partidários decidiram descartar a proposta da comissão especial e colocar em votação, diretamente no plenário, um relatório alternativo. Por meio de sua conta pessoal no microblog Twitter, ele disse que outras propostas relacionadas à questão dos menores infratores também podem ser apreciadas pela Câmara, como a do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que prevê, entre outros pontos, aumentar de três para oito anos o período de internação do menor que praticar crimes hediondos. Na última semana, o relator da comissão especial da maioridade penal, deputado Laerte Bessa (PR-DF), afirmou que pretende apresentar o seu relatório na próxima quarta-feira (10), atendendo a cronograma acordado com Cunha. "É bom deixar claro que a minha posição é levar a voto a proposta da redução da maioridade penal que sair da comissão especial", escreveu Cunha, que se posiciona a favor da redução de 18 para 16 anos. "Eu tenho a minha opinião e já expressei, de que quem tem direito a voto tem que ter obrigação", afirmou. Cunha cumpre, junto com outros deputados, agenda de compromissos oficiais em Israel, Palestina e Rússia. Segundo a previsão oficial, não havia compromissos agendados para a sexta-feira (5). Na quarta (4), ele teve encontro com o presidente da Autoridade Nacional Palestina. No sábado (6 ), a comitiva embarca para Moscou. Em seguida, o presidente da Câmara disse que propostas como a do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, podem ser colocadas em votação independentemente da proposta da comissão. "A aprovação de uma não exclui a outra", disse. Nesta quinta-feira (5), o jornal O Globo publicou uma entrevista com Alckmin, na qual o governador propõe que o PSDB procure apoio até no PT para impedir a redução da maioridade penal e sugere o aumento da internação de 3 para 8 anos para menores que praticarem crimes hediondos. Debate Cunha disse que a proposta de redução da maioridade penal tem 22 anos e "todos a ignoravam". "Esse 5

6 assunto só está sendo debatido por todos, inclusive pelo governo, porque anunciamos a votação", escreveu. "Agora, como anunciamos, estão buscando outras propostas para o mesmo tema, o que é bom", completou. Segundo ele, dessa forma o Congresso Nacional "cumpre o seu papel de defender a agenda da sociedade". Na última segunda-feira (1º), o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, reafirmou que o governo federal não acredita que a redução da maioridade penal vai reduzir a criminalidade no Brasil. No mesmo dia, Cunha respondeu que a proposta de redução da maioridade penal de 18 para 16 anos não é uma pauta do governo, mas sim da sociedade. Fonte/link: Seduc se posiciona contra redução da maioridade penal e leva debate para comunidade escolar Olhar Direto Por Laíse Lucatelli Data/Hora: 07/06/2015 às 15h49 Secretaria de Estado de Educação (Seduc) é mais uma entidade que aderiu à carta aberta contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171, que propõe reduzir maioridade penal de 18 para 16 anos no Brasil. A informação é da assessoria da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh). Para a coordenadora do Centro de Referência em Direitos Humanos (CRDH), entidade vinculada à pasta, Edna Sampaio, a participação da Seduc nesse processo é fundamental. Nós temos escolas estaduais nos 141 municípios do estado, e quando vamos verificar o problema dos menores infratores, percebemos que eles já evadiram da escola muito antes de cometerem a infração. Percebemos também que eles já sofreram muitas violações dos direitos humanos que poderiam ter sido evitados se nós tivéssemos uma articulação maior das outras áreas de políticas públicas com a área da educação, disse Edna. Segundo a assessoria, o CRDH esteve reunido com dirigentes da Seduc na última semana para discutir ações conjuntas contra a redução da maioridade penal. O encontro, que contou com a participação do secretário adjunto de Políticas Educacionais, Gilberto Fraga, permitiu alinhar estratégias que ampliam a discussão do tema com a comunidade escolar. Até o momento, dois seminários foram realizados com o objetivo de discutir a proposta em tramitação no Congresso Nacional. O primeiro, na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), reuniu centenas de 6

7 alunos, sociedade civil e representantes de entidades não-governamentais. O segundo, no Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), campus Cuiabá, mais de 700 pessoas lotaram a quadra de esportes da instituição para debater o assunto. A previsão é que até o final do mês de maio seja realizado um terceiro seminário com gestores da área da educação de Cuiabá e Várzea Grande. Segundo Paulo Santana Júnior, integrante da Coordenação de Projetos Educativos da Seduc, as discussões servirão para subsidiar as etapas seguintes que acontecerão nas escolas de todo estado. A Seduc é signatária da Carta Aberta à sociedade, caminharemos juntos nessa mobilização, disse ele. Está agendada para o próximo mês uma audiência pública na Assembleia Legislativa, que deverá dialogar com uma parcela maior da sociedade sobre a redução da maioridade penal e a defesa do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Fonte/link enal_e_leva_debate_para_comunidade_escolar&edt=25&id= ''Redução da maioridade penal não reduz crime, não salva sistema'', diz secretário Correio do Estado Por Cristina Medeiros Data/Hora: 07/06/2015 às 17h10 Depois de 27 anos de atuação no Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, o procurador de Justiça Silvio Cesar Maluf tornou-se, no início do ano, o secretário de Justiça e Segurança Pública do Estado, a convite do governador eleito. Passados quase cinco meses à frente da pasta, ele fala, nesta entrevista ao Correio do Estado, sobre os problemas e as conquistas, tanto no aspecto estrutural e material quanto no aspecto pessoal. Maluf aborda temas como combate ao tráfico de drogas, terceirização de viaturas, ampliação de presídios, entre outros. CORREIO PERGUNTA - O senhor atua numa área nevrálgica, a da segurança. O que considera ainda seja o principal desafio da política de segurança do Estado? SILVIO CESAR MALUF - Sendo bem sincero, temos dificuldades estruturais. Nossa tropa é motivada, hoje extremamente integrada - Polícia Civil, Militar, Corpo de Bombeiros - mas a dificuldade estrutural ainda é um impeditivo. Recebemos alguns equipamentos do Sistema Enafron. Só para citar um exemplo, no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) falta a instalação deste equipamento, porque exige não só instalação adequada como a ambiência adequada para o equipamento funcionar. E os prédios nestas situações precisam de readaptações - citei o Imol mas há outros. O mesmo encontramos em algumas delegacias de polícia, em alguns pelotões da Polícia Militar. E quando coloco o problema estrutural, coloco aí a necessidade de mais viaturas também. Porque o governo federal contemplou até pelo trabalho que já 7

8 foi desenvolvido, a região de fronteira; e o resto do Estado, que também sofre os mesmos tipos de crimes, como via alternativa, ainda falta esta base estrutural. Há muitos prédios que foram alugados - não que isso seja ruim, mas é um prédio que para você investir em adequações e reformas não vai retornar para o Estado. Mas para a resposta efetiva, o que eu tenho, o que eu encontrei, me é suficiente, mas falta a parte de viaturas e uma cota a mais de combustíveis, porque estamos limitados ainda à cota máxima dada no ano passado. Veja que hoje o combustível subiu. Nós já fizemos contas com a Fazenda para os devidos ajustes, que certamente virão. Quais ações são realizadas para tentar coibir o tráfico de drogas? Especificamente neste combate temos o policiamento da Polícia Militar que é ostensivo e repressivo junto com a Polícia Civil, que faz o trabalho investigativo e preventivo também. Temos índice de 64% de desvendamento de crimes - a média nacional é 8%, a média americana é 65%, a da Inglaterra é de 85% e nós pretendemos chegar lá, é nossa meta. O trabalho destas duas corporações são muito importantes. Além disso, temos como um trabalho para suprir a deficiência, em especial nas cidades de fronteira, o Departamento de Operações de Fronteira, ligado diretamente à Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) e que atinge 40 municípios do Estado. Temos polícia em todos os 79 municípios de MS e o trabalho que ela desenvolve é diuturno, fora incursões em cooperação ou o DOF faz em apoio ou a outra corporação também faz. Além disso, temos a Polícia Rodoviária Estadual, que na verdade faz toda a fiscalização de trânsito, mas se mostrou muito eficiente na apreensão de entorpecentes. Só para se ter uma ideia, num volume cujo número fechamos no início da semana, deu 95 toneladas de entorpecentes só das forças estaduais neste primeiro período do ano. Só a PRE foi responsável por 50 toneladas. Estamos próximos de triplicar a apreensão do mesmo período, que vai dar 2.7 vezes a apreensão em relação ao período anterior. No ano passado inteiro foram 230 toneladas e neste já apreendemos 95 toneladas. Se prosseguir neste ritmo, é assustador o que se pode fazer e o quanto vamos avançar. Dentro da Polícia Civil também há subdivisões (DOF, Denar), grupos policiais que estão preparados para atuar, mas o mais importante é isso, que nós somos recordista nacional em apreensões quantitativas de entorpecentes e isso é um esforço de todas as corporações. Durante a campanha, o governador Reinaldo Azambuja prometeu a aquisição de dois scanners para o Estado. Como está a viabilização da compra deste equipamento tão estratégico para o combate ao tráfico de drogas? O scanner para apreensão de drogas é um equipamento extremamente caro. Fizemos os levantamentos iniciais e como este é o primeiro ano de governo, estamos em contenção, ele acaba ficando em segundo plano porque não consegue substituir o elemento humano isso já está mais do que provado. O serviço de inteligência é eficiente e o equipamento vem na condição de acessório. Nesta condição e sabendo que o trabalho humano é mais eficaz, a gente fez os orçamentos, estamos fazendo os estudos de custo - porque além da aquisição temos que levar em conta a manutenção, a mão de obra. Apenas para confirmar o que eu disse, a maior apreensão de um lote só de entorpecentes, 17,1 toneladas, foi feita por dois policiais. Este efeito colaborador do equipamento é pequeno diante da eficiência do efetivo. Mas já fizemos tratativa, tem algum tempo, quer com a PRF, que tem o equipamento, quer com a Receita Federal, que também tem dois equipamentos. E em ambos os casos eles têm períodos de trabalho em turnos. Então, precisamos qualificar nossos policiais para fazer uso nesta parceria do equipamento. Optamos, então, nesta primeira fase, pela parceria e não pela aquisição. O governo optou pela terceirização de viaturas das polícias Militar e Civil. Qual a vantagem entre fazer uma locação e uma aquisição? A aquisição sempre é vantajosa porque entra para o patrimônio do Estado. Mas a viatura adquirida também entra num trabalho de manutenção e, muitas vezes, o sistema é lento para fazê-la. A locação só seria vantajosa para as viaturas que rodam muito, têm que rodar mais de 10 mil quilômetros/mês. Temos viatura que roda 15 mil e algumas chegam até mais do que isso (DOF, PRE, Choque). Estamos, então, fazendo isso como um projeto-piloto, a tentativa de locação. Como pode dar errado ou não ser vantajoso, instalamos paralelamente a de aquisição, montamos atas e vamos fazendo as experiências. O pelotão que está fazendo o estudo é o de Choque. A vantagem da locação é a de não ter veículo parado, já que a empresa fica obrigada a substituir em horas previamente acordadas o carro avariado, por exemplo. E 8

9 estamos no processo de licitação. Se no final do estudo constatar-se que não é vantajoso, faremos a aquisição. A situação da superlotação dos presídios é uma realidade dramática no Estado. O que vem sendo feito para amenizar ou solucionar o problema? Nós temos diversas ampliações. Algumas delegacias que mantinham cadeias públicas passaram para o sistema Agepen. Em Rio Brilhante, Ponta Porã, Naviraí, Jardim e Amambai foram feitas reformas de ampliação. Isso aumentou aproximadamente 270 vagas. E este é um trabalho que, na maior parte das vezes, é realizado pelos próprios presos. O que temos hoje em ampliação é a continuação do fechado de Ponta Porã, com todos os presos trabalhando nela; temos as tratativas de projetos que estão prontos com Coxim, que está bem avançado; ampliação em Nova Andradina e Rio Brilhante. Tudo isso significará mais 200 vagas. Estão fazendo esta reforma com a mão de obra de presos e, boa parte do capital que está sendo investido - além de ser tijolo ecológico feito pelos próprios presos, a serralheria dentro dos próprios presídios está vindo das penas alternativas, dos juízos das execuções penais, colaboração do Ministério Público, conselhos da comunidade, prefeituras colaborando para que se possa dar mais dignidade ao preso, ao mesmo tempo que ele possa trabalhar. Nós operacionalizamos o semiaberto e aberto de Dourados, que era uma reclamação da população, pois ficava no centro da cidade. Só aí são mais 436 vagas, aproximadamente. E temos a construção do Complexo da Gameleira. Com tantos cortes de verba anunciados recentemente, o contingenciamento afetará o andamento das obras das cadeias públicas na Gameleira? Até o momento, não. É uma obra orçada em R$ 52 milhões para erguermos; são 1,6 mil vagas aproximadamente que a gente cria com o Feminino e com dois outros presídios de 600 vagas, que são os masculinos. Isso, pelo que disse a presidente Dilma Rousseff, que haveria cortes de restos a pagar, não é o nosso caso porque pagamos de acordo com o andamento da obra, são as medições. A Caixa Econômica paga só a medição e nós fazemos a nossa medição para depois liberar os pagamentos. E estamos com os pagamentos do mês de março, porque os do mês de abril estão sendo feitos os fechamentos das medições. Quanto mais rápido andar, melhor é. A obra está em fase inicial porque houve lentidão no fim do ano decorrente de mão de obra e decorrente do próprio tempo, que agora está atrapalhando novamente. O Feminino está bem adiantado e, o Masculino, o primeiro deles, se fosse para dar uma data de entrega, caso tudo corra bem, em junho ou julho do ano que vem. O outro, com certeza, não se termina antes de dezembro do ano que vem. Por que até hoje não foram adotados mecanismos eficientes para barrar a entrada de celulares dentro dos presídios? O que acontece com os bloqueadores que, até hoje, dizem estar num teste que parece interminável? A questão do teste é um contrato que não pertencia à Sejusp, estava em outra secretaria, enfim...trata-se de um equipamento que foi desenvolvido aqui no Estado, foi colocado e houve uma série não do aparelho em si de danificações dos equipamentos dentro do próprio sistema. Na verdade, temos apenas em uma das unidades, que é o da Máxima da Noroeste. Segundo, vieram grandes promessas do governo federal, na legislação, de que haveria obrigatoriedade de a empresa operadora fazer o bloqueio por área e em vários estados isso foi declarado como inconstitucionalidade. Mas por que o teste não vai para a frente? Porque o equipamento que está sendo utilizado tem deficiências por conta dos pontos de sombra do presídio. Num primeiro momento estes aparelhos foram eficientes. O problema é que a gente tem, numa estrutura prisional, uma série de recortes e bloqueios de concreto que criam sombras, tanto que até a radiocomunicação em nosso sistema analógico não funciona. E a gente se apercebeu disso quando o Sisfron nos trouxe aparelhos digitais para teste e, o primeiro local onde realizaram o teste foi na Máxima, para mostrar a eficiência do equipamento. Mas não temos dentro da Agepen capital suficiente para abrir a licitação para estes super- aparelhos. O que existe são contatos com diversas empresas, negociando custos para ver se é possível instalar. Mas é como eu digo, nada substitui o ser humano. O uso do aparelho celular no presídio é inadmissível, mas eles continuam entrando pelas vias mais surpreendentes. Normalmente são os visitantes que levam e o fazem em pedaços, não levam inteiro. O que se pretende fazer é aumentar o número de revistas e o pente-fino constante, que continua sendo a técnica que melhor resolve a situação. Ela coíbe cem por cento? Não. Mas diminui significativamente. Para ter uma ideia, de 9

10 janeiro até hoje, já fizemos 18 incursões em presídios com a operação pente-fino. Existe um scanner utilizado em grandes aeroportos, que pega tudo, mas custa aproximadamente R$ 19 milhões, fora o custo da manutenção, então, é algo que não suportamos financeiramente. Por isso continuamos investindo no elemento humano, apostando que com o concurso, o aumento do efetivo de agentes, que possamos fazer uma triagem melhor. O senhor é a favor da redução da maioridade penal? Eu gosto de dizer que é uma falácia muito grande: a redução da maioridade penal não reduz crime, não salva sistema. A pessoa achar que por ser menor vai para a cadeia, desculpe, não vai diminuir, não vai. Entretanto, a Globo se eu não me engano, soltou um trabalho dizendo que os menores só tinham 1% de participação em crimes. Causou polêmica. O que eu posso dizer que é realidade do Estado. Temos dados consolidados sobre este assunto e a gente focou nos crimes violentos (homicídio, latrocínio e o próprio roubo). Nossa média deu 37% de participação de menores. E esta nossa estatística se baseia nos homicídios e roubos com autoria desvendada. Eu não posso falar que de mil eu tive 400 em que o menor participou. Não. Porque eu desvendei 64%. Mas dentro daquilo que eu desvendei eu tinha de 36 a 37%, a depender do crime, dado consolidado. Agora, o fato de eu ter um presídio resolve a criminalidade sozinho? Não. Então, colocar um menor no presídio também não. É mais um fator inibidor? É, mas o crime continua aumentando em proporções grandes. As pessoas acham que é só colocar polícia. Mas segurança pública é muito mais que isso. É responsabilidade do Estado mas é um dever de todos. Fonte/link: Maioridade penal é motivo de colisão entre Presidência e Legislativo no Brasil RTP Notícias A maioridade penal é o novo tema de embate entre o Legislativo e a Presidência brasileira, com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, a defender a redução para 16 anos e o Governo a recusar essa alteração. Data/Hora: 08/06/2015 às 07h30 10

11 Cunha afirmou na última semana que pretende votar ainda este mês em plenário a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 171/93, que tramita em comissão da Câmara. O presidente da Casa apoia a redução da maioridade, hoje estabelecida em 18 anos, como forma de combater a violência. Na terça-feira, o Governo reagiu com uma declaração do ministro-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, Pepe Vargas, que afirmou que a redução colocaria adolescentes em prisões de adultos e permitiria que fossem "cooptados pelo crime organizado". Dados do Ministério da Justiça apontam que os adolescentes entre 16 e 18 anos são responsáveis por 0,9% dos crimes no país. A PEC, se for aprovada pela Câmara e pelo Senado, passa a valer sem depender de sanção ou veto da Presidente Dilma Rousseff. A possível redução da maioridade penal foi criticada pelas Nações Unidas, pela Organização dos Estados Americanos (OEA), por associações jurídicas - que a consideram inconstitucional -, e por grupos de direitos humanos. O tema encontra eco na sociedade. Uma sondagem do Instituto Datafolha, divulgada em abril, concluiu que 87% dos brasileiros entrevistados são favoráveis à redução da maioridade penal para 16 anos. Já entre os deputados, segundo levantamento do portal de notícias G1 feito em janeiro, 34,6% apoiam a mudança, 28,6% defendem a alteração em determinados casos, e 18,3% são contrários a ela - os outros 18,3% não responderam. "Isso começou a ganhar força a partir da última eleição, quando alguns candidatos à época colocaram nas campanhas a proposta, como uma medida de redução da violência. O que observamos é que esses parlamentares tiveram bastantes votos", afirmou à Lusa Heloísa Oliveira, administradora executiva da Fundação Abrinq, representante da organização Save the Children no Brasil. Heloísa Oliveira realçou que a imprensa local tem um papel importante na formação da defesa da redução, quando enfatiza a participação de adolescentes em crimes, e que a aproximação da violência aos menores de 18 anos ocorre também com as vítimas: crianças e adolescentes morreram em 2012 por causas externas no Brasil, segundo informações oficiais, sendo 45,86% - ou mais de 27 por dia - assassinados. "A pergunta que propomos que se faça é: o que precisaria ser feito para que o adolescente [agressor] não estivesse ali no momento? Uma série de coisas que não teve", afirmou Heloísa Oliveira. A administradora da Fundação Abrinq realçou que o perfil do adolescente em conflito com a lei inclui o abandono precoce dos estudos e o envolvimento com drogas. Oliveira defende o combate à violência doméstica e um melhor funcionamento do atendimento socioeducativo, que já prevê desde advertência até apreensão, num panorama que considere a ressocialização dos jovens. Fonte/link: 11

A redução da maioridade penal não é a solução

A redução da maioridade penal não é a solução A redução da maioridade penal não é a solução Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo 2 Redação: Ana Marcela Terra Bruno Villa Sidney Teles Tomás Ramos Edição: Renata Souza Revisão: Bruno Villa Fotos:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA CONSELHO DO DA UnB SE POSICIONA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL O Conselho do (CIP/UnB) da, instância máxima do Curso de Psicologia (graduação e pós-graduação), em Reunião Ordinária de 23 de junho

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Roda de Conversa 30/06/2015

Roda de Conversa 30/06/2015 Aconteceu em Uberaba, na Associação de Bairro São Benedito, no dia 30/06/2015 a décima nona edição da Roda de Conversa. O Evento teve a participação de aproximadamente 50 profissionais de diversos órgãos

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem

NORMATIVAS INTERNACIONAIS Publicação/Origem LEVANTAMENTO DOS MARCOS LÓGICOS E LEGAIS DO SERVIÇO DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA, ABUSO E EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES 1. Marcos Lógicos NORMATIVAS INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE GENEBRA

Leia mais

BALANÇO SOBRE PRIMEIRO ANO DO GOVERNO DILMA

BALANÇO SOBRE PRIMEIRO ANO DO GOVERNO DILMA BALANÇO SOBRE PRIMEIRO ANO DO GOVERNO DILMA SAÚDE Para a saúde, muitas promessas foram feitas: construção de 500 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) 24 horas, construção de cerca de 8.600 unidades básicas

Leia mais

ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou

ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou Redução da Maioridade Penal: será esta a tão esperada solução? 79 C LARISSA H UGUET ACCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal aprovou no dia 26 de abril, por 12 votos a 10, a Proposta

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 55 Planejamento Estratégico Criança e Adolescente 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 56 INTRODUÇÃO Tema: Criança e Adolescente A questão da infância

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Presidente da CBF participa de reunião na Câmara dos Deputados

Presidente da CBF participa de reunião na Câmara dos Deputados Frente Parlamentar em Defesa dos Conselheiros Tutelares é reinstalada na Câmara dos Deputados Com o objetivo de discutir e acompanhar as demandas dos Conselhos Tutelares na Câmara dos Deputados, foi reinstalada

Leia mais

Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal

Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal Tema de luta histórica de entidades governamentais e não governamentais campanhas, grupos, redes, pastorais, conselhos ligadas, sobretudo aos

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA CRIANÇA, ADOLESCENTE, IDOSO, ENFERMO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Por Carlos Eduardo Rios do Amaral Caro leitor, observe bem esta

Leia mais

- Adolescentes desprotegidos

- Adolescentes desprotegidos + Adolescentes estudando - Adolescentes desprotegidos É da Nossa Conta! = [Cartilha Empregador] Promenino Fundação Telefônica Apoio cartilha_empregador_geral_final.indd 1 01/08/14 17:22 A Campanha É da

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE Resultados da 128ª Pesquisa CNT/MDA Brasília, 21/07/2015 A 128ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 12 a 16 de julho de 2015 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA RESUMO EM SANTA MARIA Raisa Crestani Calegaro 1 Carolina Elisa Suptitz 2 O uso do crack tem aumentado cada vez mais no Brasil, principalmente em grandes

Leia mais

Cinco mitos que precisam ser quebrados

Cinco mitos que precisam ser quebrados Cinco mitos que precisam ser quebrados Há muitos avanços na luta contra a violência no Brasil. Contudo, ainda vivemos um triste círculo vicioso. Com base em alguns mitos sobre como vencer a violência,

Leia mais

A QUESTÃO DA ADOÇÃO NO BRASIL Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

A QUESTÃO DA ADOÇÃO NO BRASIL Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br A QUESTÃO DA ADOÇÃO NO BRASIL Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

Mobilização: 5% do Orçamento para Assistência Social. [Projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município nº 02/09]

Mobilização: 5% do Orçamento para Assistência Social. [Projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município nº 02/09] Mobilização: 5% do Orçamento para Assistência Social [Projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município nº 02/09] Apresentação O retrato social da cidade de São Paulo revela uma lógica contraditória: a cidade

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL Cuiabá-MT teve a primeira Promotoria de Justiça a aplicar a Lei Maria da Penha no Brasil, iniciando seus trabalhos no dia 22/09/2006, dia em que a Lei Maria da

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 5.269, DE 2001 (Apensos os Pls. 2.134/96, 2.415/96, 3.046/97, 3.422/97, 4.052/98, 4.360/98, 1.568/99, 2.029/99, 2.089/99, 2.507/00, 3.573/00, 3.235/00,

Leia mais

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 18 de Maio Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Denuncie. Faça sua parte! Ficha Técnica União Norte Brasileira

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

PESQUISA MAIORIDADE PENAL

PESQUISA MAIORIDADE PENAL PESQUISA MAIORIDADE PENAL OBJETIVOS Entender o pensamento da população do Rio sobre a redução da maioridade penal; Saber se ela é favorável a mudança das penalidades aplicadas ao menor infrator; Buscar

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 416, DE 2008 NOTA DESCRITIVA FEVEREIRO/2008 Nota Descritiva 2 2008 Câmara dos Deputados. Todos os direitos reservados. Este trabalho poderá ser reproduzido ou transmitido na íntegra,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO PROJETO DE LEI Nº 7.311, DE 2002 (Apenso o Projeto de Lei nº 788, de 2003) Dispõe sobre a obrigatoriedade de presença

Leia mais

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL BRASÍLIA/DF, 22 de agosto de 2012. Grupo de Trabalho sobre Autorizações para o Trabalho Infanto-juvenil: I. Não cabe autorização

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Um adolescente entre 16 e 18 anos de idade, que assalta e mata alguém,

Leia mais

Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands

Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Conférence Internationale Tourisme sexuel impliquant des enfants & grands

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 01.06.2015

C L I P P I N G DATA: 01.06.2015 C L I P P I N G DATA: 01.06.2015 Dívidas de Agnelo serão pagas pela ordem cronológica Para atender à lei, governo reformula cronograma para quitar débitos com mais de 900 fornecedores. Um questionamento

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases

A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases A 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia - Estatísticas e Cases Dra.Ancilla-Dei Vega Dias Baptista Giaconi Maio/2014 0 4ª Delegacia de Polícia de Repressão à Pedofilia Criada em 23 de Novembro

Leia mais

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES TERMO DE INTEGRAÇÃO OPERACIONAL PARA INSTITUIR O FÓRUM PERMANENTE DE PREVENÇÃO À VENDA E AO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES CONSIDERANDO que o art. 227 da Constituição da República

Leia mais

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

CARTA DA BAHIA. Tema: ENFRENTAMENTO AO ABUSO E A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES CARTA DA BAHIA O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente- CONANDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Federal no 8.242, de 12 de outubro de 1991, e pelo seu Regimento

Leia mais

Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Políticas Públicas Sobre Drogas, Um Compromisso de Todos! Mostra Local de: Piraí do Sul Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990

LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 LEI N.º 8.072, DE 25 DE JULHO DE 1990 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI DOS CRIMES HEDIONDOS Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras

Leia mais

A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL RESUMO Ronaldo Júnior Alves Ana Carolina Silva Melo Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Esse artigo foi criado com o intuito de discutir, e apresentar os benefícios

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

Resumo. Palavras- chave: Imputabilidade. Maioridade. Redução. Introdução. 1 Dos Direitos fundamentais da criança e adolescente

Resumo. Palavras- chave: Imputabilidade. Maioridade. Redução. Introdução. 1 Dos Direitos fundamentais da criança e adolescente Imputabilidade da Criança e do Adolescente Luciana C. Padilha Resumo Observa-se em países desenvolvidos que os indicadores de educação positivos e em crescimento estão intimamente ligados a repressão da

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

10 de Setembro de 2013

10 de Setembro de 2013 10 de Setembro de 2013 TJDFT na mídia http://tjdft2013.myclipp.inf.br Segunda-feira, 09 de Setembro de 2013 Revista Veja/SP Brasil Seg, 09 de Setembro de 2013. 07:48:00. REVISTA VEJA BRASIL TJDFT TRIBUNAL

Leia mais

www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ]

www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ] www.fecomercio-rj.org.br [ 1 ] A SEGURANÇA PÚBLICA NO BRASIL 16 de abril de 2008 [ 2 ] (1 MENÇÃO) - SG1) Na sua opinião, quem tem mais responsabilidade pelo combate à criminalidade e violência contra as

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 24, DE 2007

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA. SUGESTÃO N o 24, DE 2007 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 24, DE 2007 Propõe Projeto de Lei que estabelece a existência de um posto de saúde para cada complexo prisional com mais de 1200 detentos e unidades prisionais

Leia mais

Nota Técnica. Contra a Redução da Maioridade Penal

Nota Técnica. Contra a Redução da Maioridade Penal Nota Técnica Contra a Redução da Maioridade Penal A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, por meio do Núcleo Especializado de Infância e Juventude, diante da missão de exercer a defesa dos interesses

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança

Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança Recurso apresentado contra Projeto aprovado em Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

Reforma do Código Penal Pesquisa de opinião pública nacional

Reforma do Código Penal Pesquisa de opinião pública nacional Reforma do Código Penal Pesquisa de opinião pública nacional Outubro / 2012 Pesquisa sobre a reforma do Código Penal O Senado Federal está debatendo o PLS 236/2012, que reforma o Código Penal Brasileiro.

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Benefício libera 10 mil presos

Benefício libera 10 mil presos Clipping produzido pelo Instituto de Políticas Públicas de Segurança da Fundação Santo André INSEFUSA 10/04/2006 Benefício libera 10 mil presos Jornal da Tarde, 10 de abril de 2006 - As portas das penitenciárias

Leia mais

como Política Pública de Estado

como Política Pública de Estado como Política Pública de Estado Brasil 27 estados 5.565 municipios 190 milhoes ha 60 milhoes de 0 a 18 anos. Constituicao Federal de 1988 Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar

Leia mais

Este número. A quem serve reduzir a maioridade penal?

Este número. A quem serve reduzir a maioridade penal? CONT A-COENTE A análise da conjuntura econômica na visão e linguagem do sindicalismo classista e dos movimentos sociais Boletim mensal de conjuntura econômica do ILAESE Ano 05, N 57 - Julho de 2015 A quem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas Maria Izabel Azevedo Noronha Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas SEGUNDO PESQUISA, VIOLÊNCIA EM ESCOLAS DE SP ATINGE 4 EM 10 PROFESSORES E REVELA QUE MAIS DA METADE CONSIDERA SUA

Leia mais

SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÔES

SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÔES MECANISMO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA A CORRUPÇÃO SEÇÃO I: PROGRESSOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS RECOMENDAÇÔES A. PRIMEIRA RODADA DE ANÁLISE 1.1. (a) Levando em consideração

Leia mais

CONSELHO TUTELAR E AS MODIFICAÇÕES PROPORCIONADAS PELA LEI n. 12.696/2012.

CONSELHO TUTELAR E AS MODIFICAÇÕES PROPORCIONADAS PELA LEI n. 12.696/2012. CONSELHO TUTELAR E AS MODIFICAÇÕES PROPORCIONADAS PELA LEI n. 12.696/2012. Luiz Antonio Miguel Ferreira 1 Promotor de Justiça da Infância e da Juventude do Ministério Público do Estado de São Paulo. Mestre

Leia mais

1 Ampliar e qualificar as ações do GGIM - Gabinete de Gestão Integrada Municipal

1 Ampliar e qualificar as ações do GGIM - Gabinete de Gestão Integrada Municipal Fortalecer a atuação conjunta das Forças de Reuniões Operações conjuntas das Forças de Número de reuniões Número de operações conjuntas das forças PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SEGURANÇA

Leia mais

Indicadores de Violência e Segurança Pública

Indicadores de Violência e Segurança Pública Indicadores de Violência e Segurança Pública 1 2 3 Indicadores de Violência e Segurança Pública Proposta: criação e implementação do Sistema Estadual de Informações de Violência e Segurança Pública Parcerias

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva.

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva. Goiânia e Heidelberg, 02 de setembro de 2015 Senhora Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes, Brasília DF Ref.: Ataque à comunidade Guarani

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2007. (Da Sra. Elcione Barbalho)

PROJETO DE LEI N, DE 2007. (Da Sra. Elcione Barbalho) PROJETO DE LEI N, DE 2007. (Da Sra. Elcione Barbalho) Dispõe sobre normas gerais de segurança em casas de espetáculos e similares. O Congresso Nacional decreta: Art. 1.º Esta lei estabelece normas gerais

Leia mais

Inclusão. Construindo o Futuro

Inclusão. Construindo o Futuro Inclusão. Construindo o Futuro Mostra Local de: Irati Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Conselho da Comunidade da Comarca de Irati

Leia mais

Concurso Público para Admissão ao Bacharelado

Concurso Público para Admissão ao Bacharelado Concurso Público para Admissão ao Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública da Polícia Militar do Estado de São Paulo Assinatura do Candidato 2. Prova de Escolaridade (Parte II) INSTRUÇÕES

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 Setor de serviços cresceu 2,1% em julho, menor taxa da série para o mês Alta acumulada em 12 meses também é a menor da série histórica do IBGE. Rondônia teve maior alta,

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO

PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO PLANO DE AÇÃO E DE APLICAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE REDE CARDUME GUARUJÁ SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 LINHAS DE AÇÃO... 4 AÇÕES ESPECÍFICAS... 5 CAMPANHAS... 6

Leia mais

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs

Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs Comissão de Saúde da Câmara dos Vereadores do Rio questiona SMS e defende instalação de CPI para investigar desrespeito à Lei das OSs O plenário da Câmara Municipal do Rio de Janeiro ficou lotado durante

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS. COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO - CPI (Requerimento n.º 5, de 2015 - Câmara dos Deputados) PLANO DE TRABALHO

CÂMARA DOS DEPUTADOS. COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO - CPI (Requerimento n.º 5, de 2015 - Câmara dos Deputados) PLANO DE TRABALHO COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO - CPI (Requerimento n.º 5, de 2015 - Câmara dos Deputados) PLANO DE TRABALHO Presidente: Deputado REGINALDO LOPES (PT/MG) Vice-Presidente: Relatora: Deputada ROSÂNGELA

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012.

TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. TERMO DE COMPROMISSO FIRMADO PERANTE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ PELOS CANDIDATOS A PREFEITOS MUNICIPAIS DE BELÉM, NAS ELEIÇÕES 2012. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, daqui por diante

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Rogério Carvalho) Altera a Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1967, que institui o Código Eleitoral, para vetar a venda e consumo de bebida alcoólica no dia das eleições.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015

RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Procedimento administrativo nº 201400036940 RECOMENDAÇÃO MINISTERIAL Nº 002/2015 Objeto: Dispõe sobre o dever de atuação de diversas autoridades públicas, durante a Romaria Nossa Senhora d'abadia do Muquém

Leia mais

REUNIÃO DA FRENTE PARLAMENTAR DE MOBILIZAÇÃO NACIONAL PRÓ- CRIANÇA E ADOLESCENTE

REUNIÃO DA FRENTE PARLAMENTAR DE MOBILIZAÇÃO NACIONAL PRÓ- CRIANÇA E ADOLESCENTE REUNIÃO DA FRENTE PARLAMENTAR DE MOBILIZAÇÃO NACIONAL PRÓ- CRIANÇA E ADOLESCENTE Data: 17 de setembro de 2015 Horário: 09hs. Local: Sala de Reuniões da UNALE, Brasília-DF. (SGAS 902, Ed. Atenas, Bloco

Leia mais

DICAS DO ENEM ATUALIDADES. TEMA 5: Legislação AUTORA: Lidiane Mariana Da Silva Gomes. Mais próxima, para você ir mais longe.

DICAS DO ENEM ATUALIDADES. TEMA 5: Legislação AUTORA: Lidiane Mariana Da Silva Gomes. Mais próxima, para você ir mais longe. DICAS DO ENEM ATUALIDADES TEMA 5: Legislação AUTORA: Lidiane Mariana Da Silva Gomes Mais próxima, para você ir mais longe. Atualidades ENEM.2014 3.4. Vacina contra o vírus HPV 3.3. Saúde Pública 3.2. A

Leia mais

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO

DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO educação para o trabalho Equipe Linha Direta DESAFIOS PARA O CRESCIMENTO Evento realizado na CNI apresentou as demandas da indústria brasileira aos principais candidatos à Presidência da República Historicamente

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 7.306, DE 2002 (Apensos os Projetos de Lei nºs 3.402/2004 e 5.555/2005) Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de sistema

Leia mais

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 Relatório do Painel PANORAMA LEGAL 1. A DEFENSORIA PÚBLICA ESTADUAL NA PREVENÇÃO E NO COMBATE À VIOLÊNCIA Carência de

Leia mais

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy

Políticas Públicas sobre drogas no Brasil. Luciana Cordeiro Aline Godoy Políticas Públicas sobre drogas no Brasil Luciana Cordeiro Aline Godoy O que são políticas públicas? Para que servem? Como são elaboradas? Políticas Públicas para quê? Instrumento na organização da sociedade

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais