8. Mercado de trabalho e direitos laborais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8. Mercado de trabalho e direitos laborais."

Transcrição

1 8. Mercado de trabalho e direitos laborais. No que se refere à produtividade do trabalho, entre todas as economias nacionais do mundo, a Suíça assume uma posição dentro do grupo de liderança. O mercado de trabalho é caracterizado por uma legislação laboral liberal, por um número reduzido de regulamentos governamentais e por uma extraordinária estabilidade social. Os conflitos de trabalho são dirimidos através de uma relação equilibrada entre os sindicatos e empregadores. Praticamente não há greves. A segurança social dos trabalhadores baseia-se no princípio da solidariedade e da responsabilidade própria. O elevado nível salarial atrai mão-de-obra qualificada e os empregadores beneficiam-se com os competitivos custos salariais unitários, em virtude dos encargos sociais reduzidos. 8.1 Emprego e desemprego. A Suíça tem cerca de 4,6 milhões de pessoas que desempenham uma actividade remunerada (situação no 1º trimestre de 2011, sem contar os profissionais fronteiriços e de curta permanência) e dentre eles, cerca 2 milhões são mulheres. A quota de participação da mão-de-obra (pessoas com actividade remuneradas e desempregados a partir de 15 anos) é da ordem de 68,2 % e pertence à mais elevada na Europa. Quanto aos estrangeiros na população economicamente activa é de 30 %. 35 % dos trabalhadores trabalham em part-time. A percentagem de mulheres em empregos part-time (58%) está nitidamente acima dos homens (15%). O nível de desemprego na Suíça é baixo: nos dez últimos anos, a taxa de desemprego oscilou entre 1 % e 4 % (2011: 3,1 %). Os trabalhadores suíços são altamente qualificados, cerca de 1/3 dispõe de uma formação profissional de nível superior. A Suíça é conhecida pela diversidade de idiomas e mão-de-obra, os gerentes suíços têm uma experiência internacional acima da média. Quanto à motivação do trabalho, os suíços estão em segundo lugar, atrás dos dinamarqueses. A identificação com a empresa é óbvia e explica-se pelo facto da maioria das empresas serem de pequeno e médio porte. Fig. 33: Motivação do trabalho numa comparação internacional 2011, 1 = baixa, 10 = elevada 1 Dinamarca 8,09 2 Suíça 7,92 3 Áustria 7,73 4 Taiwan 7,67 5 Noruega 7,49 8 Alemanha 7,24 10 Hong Kong 7,18 11 Países Baixos 7,14 14 Irlanda 6,94 15 Japão 6,88 18 Singapura 6,63 19 Brasil 6,59 21 EUA 6,47 23 Bélgia 6,42 24 Luxemburgo 6,39 26 Índia 6,17 29 China 5,96 35 Grã-Bretanha 5,70 48 Itália 4,77 51 França 4,42 55 Rússia 4,14 Fonte: Competitividade Mundial Online 2011 IMD 68 Manual para investidores 2012

2 Fig. 34: Experiência internacional, = baixa, 10 = elevada 1 Suíça 7,82 2 Hong Kong 7,80 3 Luxemburgo 7,38 4 Suécia 7,18 5 Quatar 7,05 6 Singapura 7,01 7 Países Baixos 6,98 10 Alemanha 6,63 11 Irlanda 6,56 14 Bélgica 6,32 19 Dinamarca 5,98 21 Grã-Bretanha 5,91 27 Brasil 5,72 28 Índia 5,71 34 EUA 5,50 41 Noruega 4,83 44 França 4,71 52 Itália 4,17 53 Rússia 4,08 54 Japão 4,04 56 China 3, Custos de trabalhos Remunerações O nível de remunerações na Suíça é relativamente elevado. Ele espelha o elevado nível de capacidade e de riqueza: salários elevados são uma prova de sucesso e tornam o país atractivo para a mão-de-obra qualificada. Na comparação das cidades (2010) os salários brutos de Zurique e de Genebra situam-se, ainda à frente dos de Copenhaga e Oslo, em primeiro lugar. Devido às baixas deduções relativamente ao estrangeiro (impostos, segurança social) a Suíça ocupa um lugar de destaque também no rendimento efectivo líquido. Os inquéritos oficiais realizados regularmente sobre o nível e a estrutura salarial mostram diferenças significativas quer entre, como dentro dos sectores individuais. Fonte: Competitividade Mundial Online 2011, IMD Fig. 35: Salário mensal bruto (valor central) de acordo com os ramos económicos e as grandes regiões, 2008 Ramos económicos Suíça Região Lago de Genebra Platô Central Noroeste da Suíça Zurique Leste da Suíça Suíça Central TOTAL SECTOR 2: PRODUÇÃO Mineiro, extração de pedras/terras Indústria de transformação Indústria de energia e água Indústria da construção civil SECTOR 3: PRESTAÇÕES DE SERVIÇO Comércio; reparos Hotelaria Transporte, comunicação Negócios de crédito e de seguro Informática; pesq. e desenv.; prest. serv. a empresas Ensino Área social e de saúde Outras prestações de serv. públ. e de RH Média de salário mensal: equivalente a período integral e com base em 4 1/3 semanas, 40 horas de trabalho. Fonte: Bundesamt für Statistik BFS (Departamento Federal de Estatística), levantamento da estrutura salarial suíça Ticino Manual para investidores

3 Fig. 36: Renda salarial bruta (valor central) por ano, por grupos profissionais, em francos suíços, 1º trimestre de 2011 Período integral + período parcial Mulheres + Homens Trabalhadores por conta própria Executivos Profissões académicas Técnicos e profissões equivalentes Funcionários comerciais e de escritório Prestação de serviço e vendas Mão-de-obra especializada na área agrícola Profissões de trabalhos manuais e relacionadas Operadores de equipamentos e máquinas Mão-de-obra auxiliar Empregados Executivos Profissões académicas Técnicos e profissões equivalentes Funcionários comerciais e de escritório Prestação de serviço e vendas Mão-de-obra especializada na área agrícola Profissões de trabalhos manuais e relacionadas Operadores de equipamentos e máquinas Mão-de-obra auxiliar Fonte: Bundesamt für Statistik BFS (Departamento Federal de Estatística), levantamento da mão-de-obra suíça Preços e salários (Estudo UBS) Custos com encargos sociais Para um empregador, porém, não são os salários pagos que desempenham um papel decisivo, mas sim os custos salariais unitários. Apesar dos salários na Suíça serem elevados, os custos com encargos sociais que o empregador deve contabilizar adicionalmente ao salário bruto (contribuições do empregador para seguridades sociais) totalizam apenas 15 % aproximadamente. Juntamente com a elevada produtividade do trabalho, com os impostos moderados e com os baixos custos de capital, no final das contas o empregador paga menos comparativamente a alguns outros países europeus. Fig. 37: Custos trabalhistas na indústria: salário directo e custos com encargos sociais, 2009* Custos trabalhistas em euro/h Noruega 43,64 Bélgica 38,59 Suíça 37,14 Dinamarca 35,08 Alemanha 34,28 França 33,31 Luxemburgo 33,09 Suécia 32,88 Países Baixos 32,75 Irlanda 29,62 Itália 27,40 EUA 22,95 Japão 22,86 Grã-Bretanha 22,21 Rússia 3,61 China 2,25 * não disponível: Brasil, China e Índia Fonte: Institut der deutschen Wirtschaft, Köln (Instituto da Economia Alemã da cidade de Colônia), custos trabalhistas na indústria na comparação internacional, IW-Trends 2009 Salários e remuneração de trabalhadores > Themen > Arbeit und Erwerb (> Temas > Trabalho e Remuneração) Calculadora de salários individual Idiomas: Alemão, Francês, Italiano 70 Manual para investidores 2012

4 Fig. 38: Exemplo de folha de pagamento de salários: contribuições de empregados e empregadores Ex.: Empregados com dois filhos Empregado em % em CHF em CHF Remuneração bruta ,00 Previdência social do governo AHV/IV/EO 5, Seguro-desemprego do governo ALV 1, Seguro contra acidentes NBU 1 2, Fundo de aposentadoria BVG 2 6, Seguro para diária de auxílio doença 3 0, Deduções sociais 1.537,00 Salário adicional de filhos/família Remuneração líquida 8.863,00 Empregadores Remuneração bruta ,00 Previdência social do governo AHV/IV/EO 5, Custos administrativos de previdência social AHV/IV/EO 0, Seguro-desemprego do governo ALV 1, Acidente de trabalho BU¹ 0, Fundo de aposentadoria BVG² 6, Seguro para diária de auxílio doença 3 0, Salário família 4 2, Contribuições do empregador 1.617,30 Total dos custos de pessoal Total dos custos de pessoal ,30 1 Depende do sector e do risco operacional 2 Estimativa varia conforme a idade da pessoa segurada e do seguro 3 Seguro voluntário 4 Estimativa varia conforme a caixa de previdência familiar/cantão Fonte: Diagrama Generis AG, Schaffhausen 8.3 Representação de trabalhadores e contratos de trabalho. A legislação laboral da Suíça inclui os direitos e obrigações dos empregados e também dos empregadores. Abrange substancialmente menos disposições do que os sistemas legais nos países da UE, e está regulamentado por diversas leis. Em especial, o direito das obrigações (contrato de trabalho individual, contrato de trabalho colectivo, contrato de trabalho normal), a lei trabalhista (proteção geral à saúde, horário de trabalho e de descanso, adolescentes, gestantes e mulheres em fase de amamentação) e a lei do seguro de acidentes (segurança no trabalho) têm um significado central. A legislação vigente da federação e dos cantões precede as determinações do contrato colectivo de trabalho, no entanto, podem ser estabelecidas disposições derrogatórias a favor do empregado, quando do direito obrigatório não resultar nada mais. Se, ao contrário, tratar-se de disposições legais não-obrigatórias, então os acordos entre as partes têm preferência. Algumas disposições legais do direito trabalhista podem ser alteradas por contrato de trabalho coletivo, mas não por um contrato de trabalho individual. Os salários são negociados ou de forma individual, diretamente entre o empregador e o empregado, ou com base em contratos de trabalho coletivos (GAV Gesamtarbeitsverträge). Também nesse caso o legislador, em acordo com o sistema econômico liberal, não impõe uma regulamentação extensa. De forma consciente, ele deixa espaço para acordos diretos entre os sindicatos e empregadores. Manual para investidores

5 Fig. 39: Desregulamentação do mercado de trabalho, 2011 Actividades empresariais 1 = são fortemente obstruídas, 10 = não são nada obstruídas 1 Dinamarca 8,35 2 Suíça 7,96 3 Islândia 7,91 4 Hong Kong 7,10 5 Singapura 7,05 8 EUA 6,48 11 China 6,34 19 Irlanda 5,56 22 Rússia 5,46 26 Japão 5,14 31 Alemanha 4,95 33 Índia 4,90 42 Países Baixos 4,38 44 Grã-Bretanha 4,28 46 Luxemburgo 4,23 48 França 3,74 49 Itália 3,70 51 Bélgica 3,44 56 Brasil 2,28 Fonte: Competitividade Mundial Online 2011, IMD Contrato de trabalho individual O empregador deve estabelecer os pontos essenciais do contrato de trabalho por escrito aos cuidados do empregado no mais tardar um mês após o início da relação de trabalho. No caso de empresas maiores, recomenda-se acordar um regulamento pessoal que abranja as principais determinações do contrato de trabalho. O contrato de trabalho em si contém então apenas os acordos de salário, prazo para rescisão e também disposições especiais (por exemplo, proibição de concorrência). Os contratos de trabalho e regulamentos pessoais devem se ater às disposições mandatórias do direito suíço das obrigações e a eventuais determinações de um contrato de trabalho coletivo aplicável. Os regulamentos pessoais não podem ser confundidos com os acordos operacionais estabelecidos nos países da UE entre o empregador e o conselho da empresa (esses conselhos não existem na Suíça dessa forma). Em contrapartida, as empresas com actividades industriais na Suíça devem definir um regulamento interno, o qual contém disposições sobre a proteção à saúde e a prevenção de acidentes. E quando do seu estabelecimento, o quadro de funcionários deverá ser ouvido previamente. As empresas podem estabelecer no contrato de trabalho uma proibição de concorrência, tanto pelo período da relação de trabalho como também após o seu término. Pela proibição de concorrência, o empregador impede que o empregado que estiver deixando a empresa utilize, após sua saída, conhecimentos especiais que foram adquiridos durante a relação de trabalho na empresa, o que poderia criar uma situação de concorrência com o antigo empregador. Na prática são colocadas muitas exigências na formulação e imposição de proibições de concorrência desse tipo. O pagamento de um bónus ao empregado pelo cumprimento da proibição de concorrência não está obrigatoriamente previsto. Exigências de uma proibição de concorrência incluem: Documentação por escrito Transcrição (local, território, carteira de clientes) clara, não basta uma proibição geralindicação da duração, em princípio, que não exceda três anos Contratos de trabalho colectivos Os contratos de trabalho coletivos (GAV) são firmados entre sindicatos setoriais dos empregadores e dos empregados. Estes parceiros sociais definem neles disposições mínimas (entre outros, salários mínimos, férias, horários de trabalho, prazos de rescisão ou a idade de reforma) que não podem ser violadas por contratos de trabalho individuais. Um GAV é normalmente acordado com um determinado prazo. Durante esse prazo deve exisitir paz social entre as partes. Com a declaração de obrigatoriedade geral (AVE) o âmbito de aplicação de um GAV é ampliado a todos os empregados e empregadores de um sector correspondente. Os salários mínimos negociados no âmbito de um tal GAV devem ser respeitados por todos os empregadores do setor. Os cerca de GAV sem declaração de vínculo geral apenas têm de ser respeitados se as partes contratantes forem membros das respectivas associações. Na Suíça existem 36 GAVs com declaração vinculativa em geral pelo Conselho Federal e 47 pelos cantões. Se entre um empregador e seu quadro de funcionários houver pontos de discordância, então, muitas vezes, busca-se uma solução em comum, ainda no plano operacional. Esse ajuste básico recorre ao denominado «acordo de paz» entre as organizações de empregadores e empregados da Suíça, criado em 1937, com o objectivo de alcançar a solução do conflito por meio do diálogo. As relações voltadas para a busca de soluções constituem hoje a regra. 72 Manual para investidores 2012

6 Fig. 40: Acordo entre empregador e empregado, = confronto total, 7 = cooperação total Média: 4,4 1 Suíça 6,1 2 Singapura 6,1 3 Dinamarca 5,9 4 Noruega 5,8 5 Países Baixos 5,7 6 Japão 5,7 9 Áustria 5,6 10 Luxemburgo 5,5 12 Hong Kong 5,4 22 Alemanha 5,1 25 Grã-Bretanha 5,0 29 Irlanda 4,9 36 EUA 4,8 46 Índia 4,6 51 China 4,5 57 Bélgica 4,4 79 Brasil 4,2 118 Itália 3,8 125 Rússia 3,6 133 França 3,4 Fonte: Fórum Mundial Económico, Relatório Global de Concorrência Declaração de obrigatoriedade geral do GAVs > Themen > Arbeit > Arbeitsrecht (> Temas > Trabalho > Legislação laboral) Idiomas: Alemão, Francês, Italiano Cooperação e representação dos empregados A lei de participação regulamenta a cooperação dos empregados na empresa. Aplica-se a todas as empresas privadas na Suíça que empregam trabalhadores, independentemente do seu tamanho. A cooperação gira em torno, principalmente, da actividade de informar e ouvir os empregados. Nas áreas abaixo mencionadas, o empregador deve informar os empregados sobre todos os eventos, novidades e/ou alterações essenciais e os empregados, por sua vez, têm o direito de apresentar perguntas, sugestões e/ ou iniciativas ao empregador. A lei regulamenta ainda a escolha de representantes dos empregados. Em empresas com, pelo menos, 50 trabalhadoras e trabalhadores existe o direito à intervenção de uma representação. A informação ou a consulta da representação de trabalhadores ou dos empregados envolvidos é obrigatória nas seguintes áreas: Em todos os aspectos da segurança do trabalho e da proteção dos empregados; Quando da transição de empresas; No caso de demissões em massa. No caso de ligação a um organismo de previdência profissional Além disso, os empregadores devem informar, pelo menos, uma vez por ano os empregados sobre os efeitos do decorrer do negócio relativamente à actividade e aos envolvidos na actividade. Em comparação, os conselhos das empresas na Europa têm competências muito mais abrangentes do que as representações dos empregados nos moldes da legislação suíça. A diferença principal está, sobretudo, no facto de que a representação dos empregados na Suíça, ao contrário do conselho da empresa, não tem possibilidade de impor uma opinião própria ou de forçar uma decisão. Ela tem apenas o direito de informar, ouvir e co-assessorar. 8.4 Horário de trabalho e de lazer Horário normal de trabalho, horário máximo de trabalho e modelos de horário de trabalho O horário normal de trabalho nas empresas da Suíça, em conformidade com o contrato de trabalho ou com o contrato de trabalho cocletivo (GAV), é de 40 a 44 horas por semana. Os horários máximos de trabalho no país, de acordo com a lei, permanecem inalterados já há muitas décadas. O horário semanal máximo de trabalho é de 45 horas para empresas industriais (aplicando-se também a pessoal de escritório, funcionários técnicos e pessoal de vendas em grandes empresas do comércio retalhista). Em empresas do ramo comercial, o limite está fixado em 50 horas. Essa distinção entre horário normal de trabalho e horário máximo de trabalho é importante para determinação de horas extras e horários adicionais. Na prática, existem inúmeras possibilidades de se adaptar o horário de trabalho às necessidades da empresa. Como exemplo, pode-se mencionar os seguintes casos: horários flexíveis de trabalho, modelos para margem de oscilação, empresa de dois ou mais turnos, ou empresa de ritmo ininterrupto (7 x 24 horas x 365 dias). Em particular, em empresas com horário ininterrupto, Manual para investidores

7 os horários máximos diários e semanais de trabalho podem ser estendidos, e o horário de descanso pode ser distribuído de forma diferente Horas extras e horário adicional Quando o horário normal de trabalho é ultrapassado até o horário máximo de trabalho semanal, trata-se de horas extras. O empregado é obrigado a trabalhar as horas extras na extensão em que puder e que forem esperadas dele de boa fé. Por lei, as horas extras devem ser remuneradas com um adicional de 25 %. Porém, é possível eliminar o adicional por escrito. Ao invés de um pagamento, o trabalho das horas extras pode ser compensado também por tempo livre com pelo menos a mesma duração. Entretanto, isso pressupõe os consentimentos do empregador e do empregado. No caso de funcionários com cargo de gerência, também é possível, além disso, permitir que se paguem as horas extras em geral com o salário normal. O horário adicional existe quando o horário máximo semanal de trabalho é ultrapassado. De acordo com a lei trabalhista, o horário adicional não pode ultrapassar, para o empregado individual, duas horas por dia. Assim, ele não poderá exceder 170 horas (no caso de um horário semanal de trabalho de 45 horas), ou então 140 horas (quando de 50 horas) ao ano. O trabalho no horário adicional deverá ser obrigatoriamente indemnizado com um adicional de 25 % ao salário caso ele não seja compensado dentro de um determinado prazo através de tempo livre. Ao contrário de muitos países europeus, na Suíça não é necessário haver uma autorização de uma representação de empregados em relação às horas extras ou horas adicionais. Dentro dos limites de tempo mencionados, também não é preciso qualquer autorização dos órgãos controladores Trabalho diurno e trabalho nocturno O trabalho das 6h00 às 20h00 é considerado como trabalho diurno e o trabalho das 20h00 às 23h00 como trabalho noturno. Os trabalhos diurno e noturno estão isentos de autorização. Entretanto, o trabalho nocturno só pode ser introduzido pelo empregador depois que a representação dos empregados ou, se não houver representação, depois que o empregado envolvido for ouvido. Com esse regulamento, é possível introduzir uma operação de dois turnos sem autorização do órgão regulador competente. O horário de trabalho de um empregado individual, com inclusão das pausas e do horário adicional, não pode ultrapassar 14 horas diárias. Fig. 41: Período de trabalho diurno, nocturno e de madrugada 6h00 20h00 23h00 N B Dia Máx. 10 h 17 h, isentas de autorização Noite N = período da madrugada B = sujeito a autorização Fonte: Staatssekretariat für Wirtschaft SECO (Secretaria de Estado da Economia) Trabalho de madrugada, trabalho nos domingos e feriados Se for necessário realizar trabalho de madrugada, deve-se obter, em princípio, uma autorização da autoridade competente (excluindo as empresas para as quais vigoram disposições especiais). Para trabalho temporário de madrugada deve-se pagar um adicional de salário de 25 %. No caso de trabalho com periodicidade constante ou regular, existe o direito a uma compensação de 10 % do tempo que foi trabalhado durante este turno. Esse tempo de descanso compensatório deverá ser concedido dentro de um ano, mas não haverá direito a uma compensação de tempo se a duração operacional média do turno, inclusive as pausas, não ultrapassar sete horas, ou se a pessoa prestar o trabalho de madrugada somente quatro vezes por semana. Entende-se como domingo o período entre 23h00 do sábado e 23h00 do domingo. Excepto por determinações especiais para certas empresas, para o trabalho nesses dias também é necessária uma autorização expedida pela autoridade competente. Na Suíça, apenas um feriado é equiparado aos domingos o dia 1º de agosto (feriado nacional). Os cantões podem equiparar aos domingos, no máximo, mais oito feriados. Devem ser diferenciados desses feriados os dias de descanso públicos legalmente reconhecidos. Na verdade para esses dias geralmente vigoram as mesmas regras que para os feriados equiparados aos domingos, entretanto, os princípios legais para isso foram definidos pelo cantão ou pela comuna e por isso os detalhes podem divergir das disposições para domingos. N B 74 Manual para investidores 2012

8 8.4.5 Férias e feriados Todos os trabalhadores da Suíça têm o direito a pelo menos quatro semanas de férias pagas por ano (jovens até 20 anos: cinco semanas), sendo que, desse tempo, pelo menos duas semanas devem ser em dias consecutivos. Os funcionários sob regime de período parcial também têm um direito a férias pagas proporcionalmente ao período de tempo trabalhado. As férias devem ser recebidas, e não podem ser saldadas com pagamentos em dinheiro. Não existe um direito a férias adicionais por regulamentação da lei, entretanto, estão previstos aumentos nos contratos de trabalho coletivos. Normalmente, às pessoas acima de 50 anos é concedido um direito a férias de 25 dias úteis. Durante o tempo livre, o salário é pago da mesma forma que durante a execução do trabalho. A Suíça não tem previsto um pagamento adicional de férias, tal como frequentemente está previsto em contratos coletivos nos países-membros da UE. Adicionalmente, os empregados estão, regra geral, dispensados do trabalho em nove feriados legais. Entretanto, através da possibilidade de se estabelecerem dias de descanso cantonais, pode haver mais feriados em alguns cantões. Somente o 1º de agosto, Ano Novo, Ascensão e o dia de Natal (25 de dezembro) são respeitados no país todo; todos os outros feriados são definidos em cada cantão de forma diferente. Também para casamento, falecimento, mudança, consulta junto ao dentista, etc. os empregados recebem tempo livre, mas não está prescrita legalmente a duração desse tempo. Índice de feriados 8.5 Rescisão e trabalho com horário reduzido. Um contrato de trabalho pode ser rescindido a qualquer momento por ambas as partes e sem motivos concludentes, tanto por escrito como verbalmente. Na legislação suíça, não está prevista uma co-determinação de uma representação de empregados quando de uma rescisão. Unicamente nos moldes de demissões em massa é que há um direito de consulta da representação dos empregados, respectivamente dos empregados. Estes devem ter a possibilidade de apresentar propostas sobre como a rescisão pode ser evitada ou sobre como limitar o seu número, bem como sobre como suavizar as suas consequências. Em princípio, o recebedor da rescisão, entretanto, pode exigir que lhe sejam comunicados por escrito os motivos da rescisão. Não há um exame para verificar se a rescisão pode ser justificada ou não sob o ponto de vista social, ou seja, se o motivo está na pessoa do empregado ou se exigências operacionais necessárias tornam a rescisão um evento urgente. As relações de trabalho podem terminar das seguintes maneiras: Por rescisão Por rescisão por alteração (conclusão de um novo contrato de trabalho relativamente a condições alteradas) Por contrato de suspensão (rescisão mútua do contrato de trabalho) Com final em uma data determinada (no caso de relações de trabalho por prazo determinado) Por aposentadoria Por falecimento do funcionário Aviso prévio de rescisão e proteção contra rescisão Em geral, o prazo de aviso de rescisão é definido pelo contrato de trabalho, contrato normal de trabalho da respectiva classe profissional, ou pelo contrato coletivo de trabalho. Se faltar um contrato ou um regulamento, são aplicadas as determinações do direito das obrigações: No período de experiência (no máximo três meses): sete dias No primeiro ano de trabalho: um mês Do segundo até o nono ano de trabalho: dois meses A partir do décimo ano de trabalho: três meses O prazo pode ser alterado por acordo escrito. Entretanto, não pode nunca ser inferior a um mês (excepto no caso de um contrato coletivo de trabalho «GAV» no primeiro ano de trabalho). Para funcionários de cargos de liderança, frequentemente são acordados, já no início de uma contratação, prazos para rescisão de até seis meses. Após o período de experiência, a rescisão só pode ser declarada no final do mês. Para que a carta de demissão tenha validade legal, ela deve chegar às mãos da pessoa demitida antes do início do prazo de rescisão. Em caso de liberação do funcionário, apesar da prestação do serviço ter sido encerrada, a remuneração é devida até o final do prazo de rescisão. Manual para investidores

9 Uma relação de trabalho pode ser rescindida sem prazo determinado apenas em casos graves excepcionais, como por exemplo no caso de fraude, recusa de trabalho ou concorrência do empregador. Na prática, porém, rescisões sem prazo determinado têm uma execução muito difícil, pois o motivo da rescisão muitas vezes é uma questão passível de interpretação. Uma rescisão é considerada abusiva quando, por exemplo, ocorre em virtude da idade, cor da pele ou religião de um empregado. Além disso, uma pessoa não pode ser demitida por motivo de filiação a um partido ou a um sindicato. Uma rescisão abusiva pode ser impugnada e cria motivo para reivindicações de indemnização. Durante determinados períodos de tempo, denominados prazos de retenção, nenhuma rescisão pode ser declarada contra empregados. Esses prazos de retenção vigoram em caso de doença, acidente, gravidez, serviço militar, serviço civil ou serviço humanitário no exterior. Uma rescisão realizada nessas situações não tem validade (denominada rescisão em tempo indevido) Trabalho com horário reduzido e demissões em massa Um agravamento da situação económica de uma empresa ou outros motivos podem obrigá-la a adotar medidas para redução dos custos de pessoal. Com uma redução temporária ou suspensão completa do trabalho, capacidades excessivas podem ser removidas. Para se conservar as vagas de trabalho, o seguro-desemprego paga 80 % dos salários dos funcionários com horário reduzido, por um determinado período. Dessa forma, evita-se que sejam pronunciadas demissões em virtude de falta de trabalho por tempo determinado. Porém, os trabalhadores têm o direito a recusar a indemnização de trabalho a curto prazo e a continuar a receber o rendimento total. No entanto, correm assim o risco de uma rescisão. Fig. 42: Contratações e demissões, = obstruídas por regulamentos, 7 = decididas com flexibilidade pelos empregadores 1 Dinamarca 6,1 2 Singapura 5,8 3 Suíça 5,8 4 Hong Kong 5,7 5 Azerbaijão 5,3 8 EUA 5,1 36 Grã-Bretanha 4,4 44 China 4,3 66 Índia 4,0 84 Irlanda 3,7 85 Rússia 3,7 108 Luxemburgo 3,4 121 Países Baixos 3,1 126 Itália 3,0 128 Brasil 2,9 131 Bélgica 2,9 132 Alemanha 2,8 133 Japão 2,8 136 França 2,7 Fonte: Fórum Mundial Económico, Relatório Global de Concorrência Horário de trabalho reduzido: brochuras, formulários, endereços > Für Arbeitgeber > Versicherungsleistungen (> Para empregadores > Serviços de Seguranças) A rescisão é pois o último recurso que um empresário pode considerar diante de oscilações do grau de ocupação. O direito das obrigações (OR, Art. 335d 335g) prevê, no caso de demissões em massa pretendidas, que o empregador: consulte o quadro de funcionários e informe o departamento de trabalho cantonal por escrito Em comparação com o exterior na Suíça as determinações legais de mercado de trabalho são muito favoráveis aos investidores. As empresas podem contratar e demitir funcionários de forma relativamente simples. 8.6 Segurança social. O sistema social e de previdência suíço combina a previdência estadual, empresarial e individual, e coloca-as em sintonia uma com a outra. Ele valoriza a responsabilidade própria e com isso, no final, o ónus total de impostos e encargos sociais é bastante moderado se comparado internacionalmente. O sistema previdenciário suíço está estruturado sobre três pilares: 1º pilar: a garantia de subsistência do assegurado realiza-se através do seguro estadual de velhice e para beneficiários de fa- 76 Manual para investidores 2012

10 lecidos (staatliche Alters- und Hinterlassenenversicherung AHV), e também pelo seguro contra invalidez (Invalidenversicherung IV). Ambos são obrigatórios e são financiados pelas contribuições, bem como por impostos (porcentagem sobre a remuneração) do empregador e empregado. 2º pilar: a previdência profissional (berufliche Vorsorge BVG) serve, adicionalmente ao 1º pilar, para dar continuidade ao padrão de vida habitual após a rescisão do trabalho remunerado. Todos os empregados ocupados devem ser assegurados na Suíça. O financiamento realiza-se por meio de contribuições (porcentagem sobre a remuneração) do empregador e empregado. 3º pilar: a previdência privada, voluntária e individual, das pessoas que exercem atividades remuneradas deve cobrir a necessidade pessoal adicional, sobretudo através de economias por meio de bancos e seguros. As medidas de previdência do 3º pilar têm um favorecimento tributário parcial. Os três pilares básicos do seguro social são complementados pelo seguro-desemprego (Arbeitslosenversicherung ALV), pela ordem de compensação de renda para suspensões de renda em virtude de serviço militar ou de proteção civil (EO), pela licença de maternidade, e também através de salários-família, que se baseiam no direito cantonal. Departamento Federal para as Seguridades Sociais BSV Fig. 43: Quadro geral das contribuições obrigatórias Seguro Empregado Empregador Autônomo Sem atividade remunerada Seguro-velhice e seguro para beneficiários de falecidos (AHV) 4,2 % da renda salarial 4,2% da renda salarial máx. 7,8 % Seguro por invalidez (IV) 0,7 % da renda salarial 0,7% da renda salarial máx. 1,4 % Compensação de renda e 0,25 % da renda salarial 0,25% da renda salarial máx. 0,5 % indenização por maternidade Acidentes de trabalho nenhum em do ganho segurado (varia conforme a empresa) Acidentes que não são de trabalho em do ganho segurado (varia conforme a empresa) nenhum Plano de saúde Por pessoa Nenhum (no máximo voluntário) Seguro-desemprego Previdência profissional Salários-família Fonte: Diagram Generis AG, Schaffhausen 1,1 % para partes salariais até francos suíços; 0,5 % partes salariais acima de francos suíços até o limite de francos suíços; sem contribuições para partes salariais a partir de francos suíços máx. 50% dos prêmios. Valor conforme o regulamento do seguro Apenas no cantão do Valais (0,3% da soma salarial) 1,1 % para partes salariais até francos suíços; 0,5 % para partes salariais acima de francos suíços até um limite de francos suíços; sem contribuições para partes salariais a partir de francos suíços min. 50% dos prêmios. Valor conforme o regulamento do seguro 0,1% a 4,0% da soma salarial (conforme a caixa de compensação de família) Segurado via seguro de saúde obrigatório Segurado via seguro de saúde obrigatório Por pessoa (não pode ser segurado) voluntário Nos cantões de Berna, Lucerna, Schwyz, Nidwalden, Glarus, Basel- Cidade, Basel-Arredores, Schaffhausen, Appenzell AR, St. Gallen, Waadt, Valais e Genebra Contribuição mínima: 475 francos suíços/ano Contribuição máxima: francos suíços/ano Segurado via seguro de saúde obrigatório Por pessoa Manual para investidores

11 Aconselhamento KMU para seguranças sociais > Praxis > KMU/Betriebe (> Prática > KMU/Empresas) Seguranças sociais para o KMU > KMU-Themen > Personal (> Temas KMU > Pessoal) Idiomas: Alemão, Francês, Italiano Seguro-velhice e seguro para benefciários de falecidos (Alters- und Hinterlassenenversicherung AHV) O AHV presta benefícios por idade (aposentadoria por idade), ou a beneficiários de falecidos (aposentadorias a viúvas e órfãos). Os benefícios dependem do valor da renda obtida até então e da duração do período de contribuição. Todas as pessoas que estão domiciliadas ou trabalham na Suíça são obrigatoriamente asseguradas pelo AHV. Por um lado, todos os homens e mulheres com atividades remuneradas na Suíça estão sujeitos à contribuição, sendo que as contribuições são pagas pelo empregador e empregado, cabendo a cada um a metade. Porém, aqueles que não exercem nenhuma atividade, como estudantes, inválidos, aposentados ou donas de casa e que residem na Suíça, pagam uma contribuição. O seguro baseia-se no processo de rateio: a geração que hoje está economicamente ativa financia os aposentados de hoje Seguro por invalidez (Invalidenversicherung IV) O seguro por invalidez tem como finalidade a integração ou então reintegração de pessoas que, devido a defeitos congênitos, consequências de doenças ou acidentes, são portadoras de deficiência. Um pagamento de aposentadoria realiza-se somente quando não é possível uma integração ou reintegração à vida profissional remunerada. O pagamento da contribuição é obrigatório; o recolhimento da contribuição realiza-se juntamente com o pagamento do AHV Seguro contra acidentes (UV) O seguro contra acidentes assegura todos os empregados ativos na Suíça contra acidentes de trabalho, doenças do trabalho econtra acidentes que não são de trabalho. De um lado, estão assegurados benefícios materiais e de cuidado (tratamento de saúde, meios auxiliares necessários, custos de viagem e de transporte), do outro, benefícios em dinheiro (diárias, aposentadoria por invalidez, subsídios de indigência e integridade e pensões de sobrevivência). Os prêmios do seguro contra acidentes que não são do trabalho, em contrapartida, basicamente ficam a cargo dos empregados. O empregador é devedor da quantia total do prêmio, sendo que ele deduz a participação dos empregados de sua remuneração. O valor baseia-se no ganho assegurado e o ganho mais elevado assegurado importa em francos suíços por ano. Informações do Departamento Federal para a Saúde BAG relativamente ao seguro contra acidentes > Themen > Unfall- und Militärversicherung (> Temas > Seguro contra acidentes e militar) Seguro-saúde O seguro-saúde obrigatório oferece proteção no caso de doença, gravidez e acidente, desde que, para isso, não seja acionado o seguro contra acidentes. O seguro pode ser escolhido livremente. Cada pessoa tem o direito de ser aceito em um seguro básico, independentemente da situação de saúde e da idade. Também podem ser contratados seguros adicionais voluntários (geralmente com exame de saúde). Os prémios são recolhidos por pessoa (e não por renda). O valor do prémio depende, entre outros factores, do valor da participação nos custos ( francos suíços) do modelo escolhido e da comuna de residência. Normalmente, os empregadores não pagam quaisquer contribuições ao segurosaúde. Na Suíça não existe a obrigatoriedade legal para que o empregador celebre um seguro de diária de auxílio-doença para os seus colaboradores. Os custos dependem do volume de cobertura (doença, maternidade, acidente). Se o empregador renunciar à contratação de um seguro coletivo para seus funcionários ele deverá então pagar ao 78 Manual para investidores 2012

12 empregado, no caso de impedimento de executar seu trabalho, a remuneração integral por um certo tempo (de acordo com os anos trabalhados). Por isso, na prática, muitos empregadores contratam para seus funcionários um seguro para diária de auxílio-doença. A indemnização por maternidade, de acordo com a lei de compensação de renda, precede o seguro de diárias. As diárias concluídas orientam-se de qualquer modo adicionalmente relativamente à indemnização por maternidade desde que não haja um excesso de indemnização. Se, portanto, uma funcionária grávida se ausentar do trabalho por motivos de saúde, então durante certo tempo haverá a obrigatoriedade de continuação do salário integral. dere que exerçam actividade. A proteção contra rescisão de contrato existe durante a gravidez e nas 16 primeiras semanas após o nascimento. Até oito semanas após o nascimento, a funcionária não tem permissão para trabalhar (proibição de trabalho). Informações do Bundesamt für Sozialversicherungen (BSV) (Departamento Social de Segurança Social) >Themen > EO/Mutterschaft (> Temas > EO/Maternidade Informações do Departamento Federal para a Saúde BAG relativamente ao seguro de saúde >Themen > Krankenversicherung (> Temas/Caixa de previdência) Comparação dos prémios das caixas de previdência Idiomas: Alemão, Francês, Italiano Compensação de renda (EO) e indemnização por maternidade O regulamento de compensação de renda indemniza as pessoas que prestam o serviço militar, civil ou de proteção civil e que têm uma parte de seu ganho suspensa. De igual modo, a compensação de renda em caso de maternidade (indemnização por maternidade) está abrangida pelo EO. O seguro é obrigatório, e as contribuições são pagas por todas as pessoas que também recolhem contribuições no AHV (empregador e empregado pagam, cada um, a metade). As mães com actividades remuneradas recebem, durante catorze semanas, 80 % da renda média remunerada antes do nascimento até um tecto de no máximo 196 francos suíços por dia. A condição consiste em que durante os nove meses imediatamente antes do nascimento tenham estado orbigatoriamente asseguradas no AHV e que tenham trabalhado durante a gravidez durante, pelo menos, cinco meses e que no momento do nascimento se consi Seguro-desemprego (Arbeitslosenversicherung ALV) O seguro-desemprego (ALV) concede continuidade parcial e por tempo limitado do pagamento do salário e promove a reintegração de desempregados ao mercado de trabalho. Ele é obrigatório para os empregados. A obrigação de pagar a contribuição existe para todas as pessoas que desempenham actividades remuneradas de forma não-autónoma. O seguro-desemprego é financiado por empregadores e empregados, cabendo a cada parte a metade da contribuição (equivalente a 1,1 % do salário). Profissionais autónomos basicamente não podem se assegurar contra segurodesemprego nem mesmo de forma voluntária. Para se receber a indemnização do seguro-desemprego deve-se comprovar que foram pagos, dentro dos últimos dois anos, pelo menos doze meses de contribuição, ou seja, que se trabalhou como empregado. No caso dos cidadãos membros dos estados membros da UE/EFTA, o pagamento de contribuições é também deduzido nos seus países de origem, quando após a entrada na Suíça se exerceu uma actividade com obrigatoriedade de contribuição. Como premissa adicional, é necessário que se esteja apto para a recolocação, ou seja, que se esteja disposto, apto e com o direito de aceitar um trabalho adequado e a participar em medidas de integração. Solicitações de emprego regulares são uma obrigação. O valor da indenização normalmente é de 70 % do salário sujeito ao AHV (média dos seis ou caso seja mais vantajosos dos doze últimos meses de contribuição antes do desemprego), 80 % no caso de pessoas com filhos menores, invalidez ou de uma renda inferior a francos suíços. O ganho máximo assegurado é de francos suíços por mês. Via de regra, podem ser recebidas, no máximo, 520 diárias dentro de um prazo básico de dois anos. Manual para investidores

13 Informações para desempregados > Arbeitslos was tun? (> Desempregado - o que fazer?) Regime profissional de pensões Os fundos de reforma de empresas devem assegurar a continuidade do padrão de vida habitual do funcionário. O princípio básico é a lei federal sobre a previdência profissional (BVG), que desde 1985 prevê o seguro obrigatório de todos os empregados a partir do 18º ano de vida (contra riscos) e a partir do 25º ano de vida (seguro-poupança). A premissa é um ganho mínimo, no valor atual de francos suíços. O ganho obrigatoriamente assegurado está limitado a francos suíços. O empregador deposita prémios pelo menos na mesma quantia que o empregado. Alguns empregadores concedem voluntariamente uma quantia mais elevada. De acordo com a idade e o sexo, vigoram prémios variados que podem ser de 7 % a 18 % da renda (quanto maior a idade, mais elevado). O pagamento da reforma baseiase numa taxa de reconversão legalmente fixada que não pode ficar abaixo do nível (Homens: 6,95 % e mulheres: 6,90 %; taxa de reconversão situação de 2011). Os fundos de aposentadoria são fundações, sociedades cooperativas ou instituições públicojurídicas que são inspecionadas por autoridades de inspeção cantonais e federais. Empresas menores muitas vezes se unem a uma fundação colectiva ou a uma instituição. Informações do Departamento Federal para seguranças sociais BSV para a previdência profissional > Themen > Berufliche Vorsorge und 3. Säule (> Temas > Previdência profissional e 3º pilar) Idiomas: Alemão, Francês, Italiano Salário-família O salário-família tem a finalidade de compensar parcialmente os custos dos pais no provimento de alimentação a seus filhos. O apoio que até agora se limita a funcionários, deverá ser alargado em toda a Suíça a trabalhadores autónomos (o mais tardar no início de 2013). Actualmente, já existem cantões (Berna, Lucerna, Schwyz, Nidwalden, Glarus, Basel-Cidade, Basel-Arredores, Schaffhausen, Appenzell AR, St. Gallen, Waadt, Valais e Genebra) que conhecem um direito para trabalhadores autónomos, que está parcialmente ligado a um limite de rendimento. Aqueles que não exercem atividade remunerada têm, regra geral, apenas direito quando o seu rendimento anual não ultrapassar os francos suíços. Para a agricultura vigora um regulamento especial. O salário-família abrange adicionais por filhos e para a educação havendo também adicionais de nascimento e adopção introduzidos por cantões individuais. Em todos os cantões são pagos pelo menos os seguintes adicionais por filho e mês: Um adicional de 200 francos suíços para filhos de até 16 anos Um adicional para educação no valor de 250 francos suíços para filhos de 16 a 25 anos. O salário-família é, à exceção do Valais (contribuições adicionais por parte do empregado), financiado quase que exclusivamente pelos empregadores. Cálculo do salário-família por cantão Idiomas: Alemão, Francês 8.7 Recrutamento. Para procurar candidatos externos, há muitas possibilidades: Anúncios em jornais ou revistas Ofertas na Internet Contactos com as universidades (Plataformas na Internet/feiras) Contratação de consultores externos Recrutamento em concorrentes (headhunting) Cooperação com centros regionais de recrutamento (RAV Regionale Arbeitsvermittlungszentren) Consultas a terceiros etc. A escolha dos métodos dependerá das necessidades e do orçamento do empregador Agências de emprego públicas Os centros regionais de recrutamento (Regionale Arbeitsvermittlungszentren RAV) são uma rede de prestação de serviços do poder público especializados na consultoria e recolocação profis- 80 Manual para investidores 2012

14 sional de pessoas que procuram uma vaga. Os empregadores recebem assessoria pessoal de um consultor RAV para recrutarem mão-de-obra. Nos aproximadamente 130 RAVs estão registadas pessoas qualificadas em busca de trabalho, que podem ser empregadas imediatamente para cargos fixos ou temporários. O RAV oferece se desejado uma seleção objectiva de pessoal, de acordo com os critérios do empregador, facilitando assim o processo de seleção. Conforme a necessidade do empregador, o RAV publica as vagas de trabalho no mercado interno e/ou na página do site próprio na Internet, que é a maior bolsa de empregos do país. Vantagem: todos os serviços oferecidos pelo RAV são gratuitos. Centros regionais de mediação de emprego RAV > Für Arbeitgeber (> Para empregadores) Idiomas:Alemão, Inglês, Francês, Italiano Agências privadas de emprego Para procurar um especialista altamente qualificado ou um executivo, a contratação de consultores de mão-de-obra pode valer muito a pena. Eles assumem a parte principal do recrutamento de pessoal, passando pela preparação do anúncio, planeamento da mídia e seleção dos candidatos. A cooperação de consultores de mão-de-obra é recomendada, também, quando o nome da empresa deve ser omitido por motivos internos da empresa. Entretanto, esse tipo de procura por mão-de-obra é cara e pode custar de um a vários meses de salário do cargo a ser ocupado. internos ou anúncios do cargo em portais da Internet e em jornais diários, não funcionam Empréstimo de mão-de-obra/trabalho temporário A admissão de mão-de-obra por tempo limitado, através de um serviço de terceirização, é ofertada quando temporariamente houver mais ofertas a serem atendidas, ou quando houver falta de funcionários. A empresa de serviço de terceirização acorda com a empresa empregadora um honorário por hora, que, para actividades comuns, é de aproximadamente 1,4 a 2 vezes a remuneração por hora comparativa. Nesse procedimento, deve-se considerar que apenas as horas trabalhadas deverão ser pagas, e que todos os custos salariais acessórios já estão inclusos no preço. A empresa de serviço de terceirização efectua a remuneração ao empregado temporário na qualidade de empregador e é responsável por todos os encargos sociais e pela proteção por seguro. Vigoram as mesmas determinações de proteção do direito trabalhista que nas formas tradicionais de contratação. Empresas de serviço de terceirização necessitam de uma autorização cantonal para funcionamento. Além disso, a empresa deve depositar uma caução considerável para a garantia das reivindicações do empregado. No trânsito com o exterior, são necessárias, adicionalmente, uma autorização do órgão federal e também uma caução de valor mais elevado. HR Swiss Sociedade Suíça de Gestão de Recursos Humanos Caçadores de talentos Headhunters, ou então Consultores para Busca de Executivos, são um importante ponto de ligação entre a procura das empresas por executivos e profissionais especializados e o desejo desses executivos e profissionais especializados de exercer uma actividade desafiadora e atraente. Eles são especializados no recrutamento através de comunicação directa e trabalham com base em mandatos. Além de empresas especializadas em determinados sectores, há grandes empresas com nomes conhecidos que trabalham no âmbito internacional, assim como empresas de consultoria em trabalhos altamente especializados e apropriadas especialmente para tarefas gerais, tarefas complexas e também soluções não-convencionais. Contratar um headhunter sempre é bastante útil se as vias normais, tais como recrutamentos Associação de prestadores de serviços Idiomas: Alemão, Francês Manual para investidores

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol «Um esplêndido nascer de sol sobre o lago e os Alpes, é o que eu gosto particularmente na Suíça.» Claudia Ruisi, parteira, Bélgica VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA + O SISTEMA DE SEGURANÇA SOCIAL NA SUÍÇA +

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

2. Força de trabalho e custos de mão de obra

2. Força de trabalho e custos de mão de obra 2. Força de trabalho e custos de mão de obra Índice 2.1 Produtividade, motivação e 2 experiência internacional 2.2 Condições do contrato de trabalho 2 2.3 Recrutamento 3 2.4 Níveis salariais 3 2.5 Custos

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS Aprovada em Nova Iorque, em 28 de Setembro de 1954 Entrada em vigor: 6 de Junho de 1960, em conformidade com o artigo 39.º As Altas Partes Contratantes, PREÂMBULO

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

Contrato para vínculos de trabalho com Artistas

Contrato para vínculos de trabalho com Artistas ASCO Associação Suíça de Salas de Concerto, Cabarés, Dancings e Discotecas, Caixa Postal, 8046 Zurique O Contrato é celebrado entre a Direção: a Artista* e a Agência intermediária: Compete à Artista firmar

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007 Sicherheitsfonds BVG Geschäftsstelle Postfach 1023 3000 Bern 14 Tel. +41 31 380 79 71 Fax +41 31 380 79 76 Fonds de garantie LPP Organe de direction Case postale 1023 3000 Berne 14 Tél. +41 31 380 79 71

Leia mais

PERDA INVOLUNTÁRIA DE EMPREGO

PERDA INVOLUNTÁRIA DE EMPREGO PERDA INVOLUNTÁRIA DE EMPREGO 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir ao beneficiário, dentro dos limites estabelecidos e observadas as demais condições contratuais, o pagamento

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

Como contratar seu empregado

Como contratar seu empregado MEI - Microempreendedor Individual: Como contratar seu empregado O que você precisa para contratar o seu empregado? Para você que já se tornou MEI Microempreendedor Individual e precisa contratar um empregado,

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

aware ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1

aware ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1 ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1 Seminário: As Relações entre Portugal e Angola: O Investimento Angolano em Portugal 17 de Novembro de 2010, no Auditório da Abreu Advogados Reserve na

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

Comportamento nas Organizações

Comportamento nas Organizações Comportamento nas Organizações Trabalho realizado por: Pedro Branquinho nº 1373 Tiago Conceição nº 1400 Índice Introdução... 3 Comportamento nas organizações... 4 Legislação laboral... 5 Tipos de contrato

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA Endereços importantes Secretaria de Estado da Economia SECO Direcção do Trabalho / EURES Holzikofenweg 36 3003 Berne/Suíça info@eures.ch.eures.ch.espace-emploi.ch Hotline: +41 (0)58 463 25 25 Secretaria

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações PLANO EXECUTIVO

Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações PLANO EXECUTIVO Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações PLANO EXECUTIVO O presente Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações para executivos que prestem serviços à Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações

Leia mais

Os acordos laborais da Autoeuropa no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen

Os acordos laborais da Autoeuropa no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen Os acordos laborais da no enquadramento competitivo do grupo Volkswagen Conferência NEXT 20 Março 2009 Julius von Ingelheim Director de Recursos Humanos O grupo Volkswagen Exemplo de competitividade global

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência de Pesquisa Mensal PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PME 1.0 QUESTIONÁRIO DE MÃO-DE-OBRA

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM

SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM Rua de Santa Maria n.º 90 Telef: 291224942 291225115 9060 291 Funchal www.seram.pt SUPLEMENTO INFORMATIVO Relembramos o capítulo VI, artigos 54, 55 e 56 do decreto-lei

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

Contrato de trabalho

Contrato de trabalho Modelo de contrato de trabalho conforme ODPr DFAE/0 Este modelo deve obrigatoriamente ser utilizado para contratar uma pessoa doméstica privada nos termos do Regulamento sobre os domésticos privados (ODPr)

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000055/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/01/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070984/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.112503/2010-92 DATA DO

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE 2012/2013 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE que entre si fazem, o SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE CRICIÚMA E REGIÃO, entidade representativa sindical da categoria profissional

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

CIDADE UNIVERSITÁRIA Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130 Bairro Petrópolis CEP 95070-560 Caxias do Sul RS Brasil Coordenadoria de Relações

CIDADE UNIVERSITÁRIA Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130 Bairro Petrópolis CEP 95070-560 Caxias do Sul RS Brasil Coordenadoria de Relações PROGRAMA INTEGRAR A Universidade de Caxias do Sul no intuito de atender às necessidades da comunidade acadêmica e empresarial, coloca à disposição o Programa Integrar. O Programa é alicerçado na Lei n.º

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

5. JORNADA DE TRABALHO

5. JORNADA DE TRABALHO 5. JORNADA DE TRABALHO 5.1 DURAÇÃO DA JORNADA A duração normal do trabalho não pode ser superior a oito horas diárias e 44 semanais, sendo facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

Índice. Capítulo VI. 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1. 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4

Índice. Capítulo VI. 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1. 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4 Índice Capítulo VI 6. Licenças de Maternidade na Europa dos 15...1 6.1 Licenças de Paternidade na Europa dos 15...4 6.2 Licenças Parentais na Europa dos 15...6 6.3 As Licenças de Maternidade, Paternidade,

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Directiva para o programa especial da Federação Alemã para o Fomento da mobilidade profissional de jovens interessados em formação e jovens profissionais

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social IV Conferência Brasileiros no Mundo PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Praia do Forte, 20 de novembro de 2013. 1 SEGURIDADE SOCIAL (CONCEITO AMPLO) CONTRIBUTIVO NÃO CONTRIBUTIVO

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva - Apoio ao emprego

Leia mais

Aplicação dos Regulamentos UE sobre Coordenação de Segurança Social Regs. ns. 883/2004 (RB) e 987/2009 (RA)

Aplicação dos Regulamentos UE sobre Coordenação de Segurança Social Regs. ns. 883/2004 (RB) e 987/2009 (RA) Aplicação dos Regulamentos UE sobre Coordenação de Segurança Social Regs. ns. 883/2004 (RB) e 987/2009 (RA) 26 de maio de 2014 (Braga - AIMinho) (artigos 11.º a 16.º RB e 14.º a 21.º RA) Regras gerais

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo)

Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo) Contrato de trabalho celebrado com trabalhador não residente (Modelo) O primeiro outorgante O segundo outorgante Entre [Nome do empregador/seu representante legal] (1), com domicílio ou sede em, portador

Leia mais

SALÁRIO Kyuuryou SALÁRIO. Em dinheiro. Direto. Total. Mensal. Em um dia definido. www.consbrashamamatsu.jp/setor-trabalhista

SALÁRIO Kyuuryou SALÁRIO. Em dinheiro. Direto. Total. Mensal. Em um dia definido. www.consbrashamamatsu.jp/setor-trabalhista SALÁRIO 11 SALÁRIO Kyuuryou O salário deve ser pago conforme os cinco princípios citados abaixo. Para ter certeza sobre os procedimentos adotados para pagamento de salários, peça ao empregador uma cópia

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

CUSTOS DOS ENCARGOS SOCIAIS

CUSTOS DOS ENCARGOS SOCIAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO

SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO SEMINÁRIO SOBRE A NOVA LEI GERAL DO TRABALHO TEMA 2: MICRO, PEQUENA, MÉDIAS EMPRESAS E O CONTRATO DE TRABALHO 1 I- INDÍCE I.INTRODUÇÃO II.REGIME JURIDICO DAS MICRO, PEQUENAS, MEDIAS EMPRESAS III.LEI GERAL

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais