Profª Karina Gomes Lourenço

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profª Karina Gomes Lourenço"

Transcrição

1 Profª Karina Gomes Lourenço

2 A exigência de trabalho à noite, nos finais de semana e nos feriados, uma necessidade freqüente em organizações de saúde, é estressante e frustrante para alguns enfermeiros. Uma escala de trabalho inflexível é um dos elementos que mais contribuem para a insatisfação desses profissionais no trabalho. Shullanberger, 2000.

3 Escala Mensal Também denominada escala de pessoal, escala de folgas Refere-se às distribuição da equipe de enfermagem de uma unidade, durante todos os dias do mês, segundo os turnos de trabalho Folgas: devem ser planejadas de modo a garantir o nº suficiente de cada categoria na assistência de enfermagem prestada nas 24 horas do dia

4 Escala Mensal Competência da enfermeira chefe da unidade Delegação à outro membro da equipe de enfermagem após orientação quanto aos critérios de embasamento Sistemas informatizados: enfermeira chefe analisa e escolhe a melhor opção após elaboração

5 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Conhecimento das leis trabalhistas que subsidiam a elaboração da escala O funcionário pode trabalhar até 8 horas diárias e 44 horas semanais. A jornada de trabalho pode chegar, no máximo 12 horas diárias O funcionário tem direito a no mínimo uma folga semanal, remunerado e preferencialmente no domingo, exceto em atividade profissional exija trabalho aos domingo. Nesse caso, o funcionário tem direito a pelo menos 1 domingo a cada 7 semanas

6 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Conhecimento das leis trabalhistas que subsidiam a elaboração da escala Inclusão na escala das folgas referentes aos feriados civis e religiosos; Entre o intervalo de uma jornada de trabalho e outra deve ter no mínimo 11 horas consecutivas; O trabalho noturno compreende das 22h às 5h. A hora noturna equivale a 52 e 30. Portanto 7 h noturnas = 8 h diurnas.

7 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Conhecimento das leis trabalhistas que subsidiam a elaboração da escala A mulher que está amamentando tem direito a 2 descansos especiais, de meia hora cada um, até os 6 meses do filho É obrigatória a concessão de um intervalo de no mínimo 1h e de no máximo 2h, para repouso e alimentação em trabalho contínuo que exceda 6 horas. Para trabalhos com mais de 4h e até 6h é obrigatório intervalo de 15 Os intervalos de descanso não são computados na jornada de trabalho.

8 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Condições em que a ausência do funcionário não é considerada falta em serviço, não havendo prejuízo do salário Até 15 dias, em caso doença devidamente comprovada, mediante atestado; Até 2 dias consecutivos em caso de falecimento do cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou dependentes declarados em CTP; 5 dias para homem em caso de nascimento do filho; Até 3 dias consecutivos em virtude de casamento;

9 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Condições em que a ausência do funcionário não é considerada falta em serviço, não havendo prejuízo do salário Por 1 dia, a cada 12 meses de trabalho, em caso de doação de sangue, devidamente comprovada; Até 2 dias, consecutivos ou não, para alistamento eleitoral, nos termos da lei; Período de exigência do serviço militar; Durante suspensão preventiva para responder a inquérito administrativo, ou de prisão preventiva quando for absolvido;

10 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Condições em que a ausência do funcionário não é considerada falta em serviço, não havendo prejuízo do salário Quando o funcionário servir de testemunha, devidamente comprovada; Licença gestação 120 dias Por 15 dias como prorrogação da LG, mediante atestado médico, quando a mãe amamenta e não tem creche na instituição; Por 15 dias em caso de aborto não criminoso; Se a falta estiver fundamentada na lei sobre acidente e trabalho

11 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Conhecimento da duração semanal de trabalho do pessoal de enfermagem na instituição: A duração semanal do trabalho do pessoal de enfermagem varia de acordo com a instituição: 30h, 36h, 40h, 44h, 12x36 e 12x60, não podendo exceder 44 h semanais; O nº de folgas é de acordo com a duração semanal de trabalho, acrescentando as folgas correspondentes aos feriados do mês

12 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Conhecimento das características da clientela, da dinâmica da unidade e da equipe de enfermagem Conhecimento das necessidades de assistência de enfermagem para suprir as necessidades de pessoal, equilibrar férias e folgas, considerando licenças; Conhecimento das características pessoais de cada membro da equipe, para que os plantões sejam produtivos e o clima proporcione colaboração

13 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Humanização na elaboração da escala Distribuição dos elementos da equipe de enfermagem: planejada por todos os membros da equipe para atender às necessidades pessoais de cada um, da melhor maneira possível; Exceções: decididas e assumidas pela equipe Escolha da folgas: o que for possível Alterações de escala: realizadas segundo o; estabelecido; Escala visível a todos

14 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Recomendação para a elaboração da escala mensal Colocar nome completo de cada funcionário e o cargo que ocupa Usar escalonamento do turno: M, T, N, F; Ressaltar domingos e feriados Certificar-se do número de folgas correspondentes ao mês, registrando o mesmo no rodapé Anotar na escala, o número de folgas em haver ou que esteja devendo o funcionário

15 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Recomendação para a elaboração da escala mensal Evitar deixar folgas de um mês para o outro, podem dificultar a elaboração de escalas subsequentes Verificar o dia da última folga do mês anterior, para que não haja período maior do que 7 dias consecutivos

16 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Recomendação para a elaboração da escala mensal Observar que o retorno do funcionário de férias incida em dia útil Consultar escala anterior para verificar o último plantão noturno trabalhado; Procurar distribuir as folgas em domingos e feriados de forma equitativa entre os funcionários.

17 Escala Mensal: pontos a serem considerados na elaboração Determinação de um cronograma para elaboração da escala Estabelecer pontos a serem seguidos: Até que dia do mês os funcionários podem solicitar folgas; Período para elaboração da escala; Data de entrega da escala para a chefia de enfermagem.

18 ESCALA MENSAL Instituição: Mês: Setor: Nome Cargo/ Função Horário e t c OBS: Observações: Enfermeira Encarregada:

19 Escala Diária Também conhecida como escala de atividades ou de serviço Tem o objetivo de dividir as atividades de enfermagem entre os elementos da equipe (de maneira equitativa); Deve ser elaborada pela enfermeira responsável pelo plantão considerando o nº e a qualificação dos membros da equipe, área física, volume e complexidade dos cuidados a cada paciente e tipo de atividade a ser desenvolvida.

20 Escala Diária 1. Método funcional: distribuição de acordo com as tarefas 2. Método Integral: designação da assistência prestada a um ou mais pacientes 3. Método do trabalho em equipe: designação de um grupo para prestação de atendimento durante o turno de serviço

21 ESCALA DE ATIVIDADES UNIDADE: DATA: Período: Manhã( )/ tarde( )/noite( ) Ana Juliana Maria Paciente(s)/leito(s) Paciente(s)/leito(s) Paciente(s)/leito(s) João Paciente(s)/leito(s) Carlos Paciente(s)/leito(s) Eduardo Paciente(s)/leito(s) Método Integral

22 ESCALA DE ATIVIDADES UNIDADE: DATA: Período: Manhã( )/ tarde( )/noite( ) Leito: Paciente: Enfermeira: Leito: Paciente: Enfermeira: Leito: Paciente: Enfermeira: Leito: Paciente: Enfermeira: Leito: Paciente: Enfermeira: Leito: Paciente: Enfermeira: Método Integral

23 ESCALA DE ATIVIDADES UNIDADE: DATA: Período: Manhã( )/ tarde( )/noite( ) Nome: Função: Nome: Função: Ana Enfermeira Carlos Enfermeira João Técnico João Técnico Quarto: Leito: Paciente; Manoela Bianca Marcos Luís Quarto: Leito: Paciente Manoel Bernaro Marios Louro Método de trabalho em equipe

24 Escala de Férias Também denominada escala anual Sugere-se que seja passada uma folha para que os funcionários possam colocar os meses de preferência Indicar período das últimas férias evitando acúmulo de funcionários com férias na mesma época: rodízio Considerar os meses de maior atividade na Instituição, evitando que muitos membros da equipe gozem de férias nesse período Férias distribuídas racionalmente: bom andamento do serviço e satisfação do pessoal

25 Legislação Trabalhista: Após cada 12 meses de contrato de trabalho o funcionário tem direito a férias, na seguinte proporção: 30 dias corridos, quando não houver mais de 5 faltas 24 dias corridos, de 6 a 14 faltas 18 dias corridos, quando houver 15 a 23 faltas 12 dias corridos, se 24 a 32 faltas

26 Legislação Trabalhista: A concessão de férias será participada ao funcionário com antecedência de 30 dias O funcionário poderá trabalhar 1/3 das férias, recebendo por isso; < 18 e > 50 anos: férias concedidas de uma só vez

27 Escalas bem elaboradas e satisfatórias = funcionários motivados

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO Código: MT.GPES.001 Data: 30/08/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: 1. INTRODUÇÃO CONSIDERANDO QUE O REGISTRO DE PONTO ESTÁ PREVISTO NA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO CLT, NO ARTIGO

Leia mais

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas.

Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada; Banco de Horas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito do Trabalho / Aula 05 Professor: Leandro Antunes Conteúdo: Suspensão e Interrupção do Contrato de Trabalho. Jornada de Trabalho: Compensação de Jornada;

Leia mais

Perguntas Frequentes - Trabalhista

Perguntas Frequentes - Trabalhista Perguntas Frequentes - Trabalhista 01) O empregador poderá descontar do empregado as importâncias correspondentes a danos por eles causados? 1º do art. 462 da CLT prevê a possibilidade de que, em caso

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS CELETISTAS DA FUNDEPES LOTADOS NO HUPAA. Saúde como Instrumento no Âmbito da UFAL.

CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS CELETISTAS DA FUNDEPES LOTADOS NO HUPAA. Saúde como Instrumento no Âmbito da UFAL. Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa FUNDEPES Coordenação Administrativo-Financeira COAF Departamento de Gestão de Pessoas DGP CARTILHA ORIENTATIVA FREQUÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema: Frequência dos Empregados

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

. Conceito: sustação temporária dos efeitos do contrato de trabalho, unilateralmente (interrupção) ou bilateralmente (suspensão)

. Conceito: sustação temporária dos efeitos do contrato de trabalho, unilateralmente (interrupção) ou bilateralmente (suspensão) Material do Professor: Tema: Suspensão e Interrupção do contrato de trabalho (471 segs. CLT). Denominação: - suspensão X interrupção - suspensão total X suspensão parcial. Conceito: sustação temporária

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO

DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DIREITO DO TRABALHO II SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO REVISÃO (OAB/FGV 2010.3) Relativamente à alteração do contrato de trabalho, é correto afirmar que (A) o empregador pode, sem a anuência do empregado

Leia mais

5. JORNADA DE TRABALHO

5. JORNADA DE TRABALHO 5. JORNADA DE TRABALHO 5.1 DURAÇÃO DA JORNADA A duração normal do trabalho não pode ser superior a oito horas diárias e 44 semanais, sendo facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011

JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO JORNADA DE TRABALHO 18/05/2011 - Quadro de Horário Segundo a Art 74 da CLT a empresa deve afixar em lugar visível o quadro de horário. - Sistema alternativo de Controle de Jornada O Ministério aprovou através da portaria nº 1120, este

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013

JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 JORNADA DE TRABALHO SINDIREPA LUCIANA CHARBEL GERÊNCIA DE RELAÇÕES TRABALHISTAS 20 DE JUNHO DE 2013 DURAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DIÁRIA: 8 HORAS SEMANAL: 44 HORAS MENSAL: 220 HORAS INTERVALOS PARA DESCANSO

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO AS OCORRÊNCIAS PODEM SER INCLUÍDAS PELO MENU FREQUÊNCIA (NO ATALHO DISPONÍVEL NO FINAL NA LINHA DO DIA) OU APENAS PELO MENU OCORRÊNCIA TIPOS DE OCORRÊNCIAS

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE FÉRIAS 23/04/203. INTRODUÇÃO A Política de Férias tem por objetivo estabelecer os critérios relativos a concessão de férias dos empregados da Melhoramentos Papéis 2. ESCOPO Férias solicitadas pelos funcionários

Leia mais

Direito do Trabalho I

Direito do Trabalho I Direito do Trabalho I Princípio: continuidade do emprego Art.471 a 476 da CLT. Tanto na interrupção quanto na suspensão do contrato laboral há uma paralisação transitória da prestação de serviço e não

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA I -FINALIDADE. Este Regulamento tem por finalidade apresentar os princípios básicos de pessoal que devem

Leia mais

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente DESPACHO Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente Face à entrada em vigor da Lei n.º 68/2013 de 29 de agosto e às alterações provocadas no regime da duração

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Suspensão do Contrato de Trabalho PONTO 2: Interrupção do Contrato de Trabalho SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Exceção ao princípio da continuidade, ao trato

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Dispositivo Prazo Referência Art. 12 Art. 13 1º Até 2 anos Validade do concurso público - podendo ser prorrogado

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DE CAMPINAS, PAULÍNIA, VALINHOS, SUMARÉ e HORTOLÂNDIA CAMPINAS JANEIRO/2014 1 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO CLÁUSULA 1ª - PISO SALARIAL Fica estipulado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

TÓPICOS ABORDADOS. Departamento Jurídico

TÓPICOS ABORDADOS. Departamento Jurídico TÓPICOS ABORDADOS 1) JORNADA DE TRABALHO 2) HORAS NOTURNAS E ADICIONAL 3) TREINAMENTO PARA USO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 4) CARTÃO DE PONTO 5) REFEIÇÃO 1. JORNADA DE TRABALHO A) LIMITE DIÁRIO E SEMANAL

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Ponto Eletrônico Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Ponto Eletrônico. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO Tanto na interrupção como na suspensão, ocorre a cessação temporária da obrigação de trabalhar, o que se suspende é o trabalho e não o contrato de trabalho.

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 1/20 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO - Registro de Ponto Versão 2.0 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha:

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41)

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41) SERVIÇO DE PESSOAL Lista dos benefícios / direitos / deveres dos servidores Legislação trabalhista: ESU http://www.usp.br/drh/novo/esu/esuorig1.html CLT http://www.planalto.gov.br/ccivil/decreto-lei/del5452.htm

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10

Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10 Duração do Trabalho Análise histórica: Era medieval: 18 horas diárias. Países Europeus por volta 1800:12 a 16 horas diárias. Estados Unidos e Inglaterra:1847: 10 horas diárias. Acordo OIT-Organização Internacional

Leia mais

Cartilha Ponto Eletrônico

Cartilha Ponto Eletrônico Cartilha Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes 2014 CAERN Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte. Cartilha: Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes. 1. ed. Natal, 2014. Elaboração,

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002 Rev./ VALEC INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA Rev. / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1-1 1 1 1 0 0 0 16 2 17 3 18 4 19 5 20 6 21 7 22 8 23 9 24 10 25 11 26 12 27 13 28 14 29

Leia mais

SUSPENSÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS PERDA DA FUNÇÃO MULTA PROIBIÇÃO DE CONTRATAR COM A ADM. PÚB. PERDA DE BENS E VALORES ILICITAMENTE CONQUISTADOS

SUSPENSÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS PERDA DA FUNÇÃO MULTA PROIBIÇÃO DE CONTRATAR COM A ADM. PÚB. PERDA DE BENS E VALORES ILICITAMENTE CONQUISTADOS PENAS RESSARCIMENTO INTEGRAL PERDA DE BENS E VALORES ILICITAMENTE CONQUISTADOS MULTA PERDA DA FUNÇÃO SUSPENSÃO DOS DIREITOS POLÍTICOS PROIBIÇÃO DE CONTRATAR COM A ADM. PÚB. Enriquecimento Ilícito X X (inclusive

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000160/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/01/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001019/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001005/2013-38 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

2. DIRETRIZES E DISPOSITIVOS LEGAIS:

2. DIRETRIZES E DISPOSITIVOS LEGAIS: Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa FUNDEPES Coordenação Administrativo-Financeira COAF Departamento de Gestão de Pessoas DGP Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria AUXÍLIO-TRANSPORTE Eu,, [nome completo do servidor (a)] 1) DECLARO PARA FINS DE PERCEPÇÃO DE AUXÍLIO-TRANSPORTE, e sob as penas da lei que: Ocupo o cargo de: Matrícula SIAPE n : Local de exercício das

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR. a.1) normal: 06 horas por dia e 30 horas por semana 224, caput e 226 CLT TURMA EXTENSIVA SEMANAL Prof. Otavio Calvet Data: 09.11.2009 Aula nº 31 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Contratos de Trabalho Especiais: I. Bancário a) Duração do trabalho - art. 224 CLT a.1) normal: 06 horas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original)

Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Diário Oficial da União - Seção 1-3/4/2013, Página 6 (Publicação Original) Proposição Originária: PEC 478/2010 PODER LEGISLATIVO Título EMC 72 de 02/04/2013 - EMENDA CONSTITUCIONAL Data 02/04/2013 Ementa

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (SEM TERMO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho sem termo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação de cláusulas

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE Disciplina: Gestão de Pessoas II Profª: Marcia Cristina Rafael da Silva

FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE Disciplina: Gestão de Pessoas II Profª: Marcia Cristina Rafael da Silva FÉRIAS (art. 129 a 145 da CLT) 1. Conceito O direito às férias integra o conjunto de garantias conferidas ao empregado visando a defesa de seu lazer e repouso. Visam proporcionar descanso ao trabalhador,

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

SALÁRIO Kyuuryou SALÁRIO. Em dinheiro. Direto. Total. Mensal. Em um dia definido. www.consbrashamamatsu.jp/setor-trabalhista

SALÁRIO Kyuuryou SALÁRIO. Em dinheiro. Direto. Total. Mensal. Em um dia definido. www.consbrashamamatsu.jp/setor-trabalhista SALÁRIO 11 SALÁRIO Kyuuryou O salário deve ser pago conforme os cinco princípios citados abaixo. Para ter certeza sobre os procedimentos adotados para pagamento de salários, peça ao empregador uma cópia

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas Cartão de Ponto O

Leia mais

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS 2 de abril de 2013 CARTILHA SOBRE A EMENDA CONSTITUCIONAL DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Hoje foi promulgada uma Emenda Constitucional que amplia os direitos trabalhistas dos empregados domésticos. Alguns direitos

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (Alterada pelas Resoluções nºs 52, de 11 de maio de 2010 e 62, de 31 de agosto de 2010) Dispõe sobre a concessão de estágio

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-007/SGP Revisão 00 Assunto: Aprovada por: LICENÇA À GESTANTE, À ADOTANTE E PATERNIDADE DOS SERVIDORES OCUPANTES DE CARGOS EFETIVOS E OCUPANTES DE CARGO EM COMISSÃO SEM VÍNCULO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados.

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados. TRABALHADORES EM CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Lei 7/2009, de 12 de Fevereiro 1. Férias 1.1. Qual a duração do período de férias? O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA

REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA 1/11 Preâmbulo As últimas alterações legislativas, designadamente a publicação da Lei

Leia mais

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional

Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Faltas Justificadas e Licenças na Aprendizagem Profissional Matheus Florencio Rodrigues Assessor Jurídico do INAMARE www.inamare.org.br Fone: (44) 3026-4233 Juliana Patricia Sato Assessora Jurídico do

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC. Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARIACICA - IPC Principais procedimentos Perícia Médica e Benefícios Previdenciários APRESENTAÇÃO DE ATESTADO À CHEFIA IMEDIATA As licenças

Leia mais

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL

NORMA CORPORATIVA DEPARTAMENTO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para rotinas de Departamento Pessoal. 2. DEFINIÇÕES TRCT: Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho. DP: Departamento Pessoal; DP Central: Departamento Pessoal de

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 PORTARIA Nº. 17, DE 23 DE JANEIRO DE 2015. Aprova

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA NOR 305

NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA NOR 305 Empresa Brasileira de Comunicação S. A. MANUAL DE PESSOAL COD. 300 ASSUNTO: NORMA DE CONCESSÃO DE LICENÇA COD: NOR- 305 APROVAÇÃO: Res. Nº 108/12, de 12/07/95 Res. Nº 013/00, de 01/08/00 Res. Nº 005/04,

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de folgas compensatórias e o gozo de Licença-Prêmio por Assiduidade dos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 Dispõe sobre o reajuste, direitos e deveres dos empregados do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 Dispõe sobre o registro e controle da freqüência dos servidores do Poder Judiciário. PUBLICADO NO DIÁRIO DO PODER JUDICIÁRIO NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2009. A PRESIDENTE DO

Leia mais

Orientações aos estagiários sobre a jornada de trabalho

Orientações aos estagiários sobre a jornada de trabalho Orientações aos estagiários sobre a jornada de trabalho Subprocuradoria-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos Diretoria-Geral edifício-sede do Ministério Público sala 225 62 3243-8312 diretoria@mpgo.mp.br

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO CONTRATADOS PELOS CAIXAS ESCOLARES 2014/2015 A presente Pauta de Reivindicações, elaborada pela categoria profissional

Leia mais

III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO

III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO III REPOUSO SEMANAL REMUNERADO I. O DOMINGO COMO DESCANSO II. FERIADOS III. A REMUNERAÇÃO DO REPOUSO IV. MULTA ADMINISTRATIVA V. OS TRIBUNAIS E O REPOUSO I - O DOMINGO COMO DESCANSO 1) FUNDAMENTO LEGAL

Leia mais

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro As Mudanças na Maternidade e Paternidade Inês Albuquerque e Castro Nova terminologia Licença em situação de risco clínico durante a gravidez; Licença por interrupção de gravidez; Licença parental, em qualquer

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO Prof. Maria Cláudia Felten E-mail: maria.claudia.felten@terra.com.br JORNADA DE TRABALHO - Jornada de trabalho. - Benefícios da jornada de trabalho. - Diferença entre jornada de trabalho

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 1- Falta: Considera-se falta a ausência de trabalhador do local em que devia desempenhar a atividade durante

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF PRIMEIRO TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA EM 30 DE AGOSTO DE 1993. ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO O SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DO AMAZONAS DE UM LADO, E, DE OUTRO LADO, O SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE TÁXI AÉREO - SNETA, TÊM, ENTRE SI, JUSTA E CONTRATADA A SEGUINTE

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior.

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior. 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão de licenças. 2. CONCEITOS 2.1. Beneficiado É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304

NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: SOLICITAÇÃO, PROGRAMAÇÃO, CONCESSÃO E PAGAMENTO DE FÉRIAS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 023, de 04/02/2013 VIGÊNCIA: 04/02/2013 NORMA DE FÉRIAS - NOR 304 1/12

Leia mais

MA UAL DE ECURSOS HUMANOS

MA UAL DE ECURSOS HUMANOS CATAVENTOCULTURAL E EDUCACIONAL MA UAL D RECUR O HUMA O 13187 MA UAL DE ECURSOS HUMANOS Catavento Cultural e Educacional Organização Social de Cultura CATA VENTO CULTURAL E EDUCACIONAL MANUAL DE RECURSOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERALDE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II

UNIVERSIDADE FEDERALDE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (admii/sem2/2013) UNIVERSIDADE FEDERALDE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Dimensionamento de Pessoal em Enfermagem Bernadete

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO - Férias regulamentares clique aqui - Pagamento proporcional de férias clique aqui - Fixação de sede de controle

Leia mais