SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO"

Transcrição

1 1 SINDICALISMO NO BRASIL E O MUNDO DO TRABALHO Andrezza Vaz dos Reis 1 Letícia Pinheiro Nascimento Maria Cecília Paulino Teixeira RESUMO Há necessidade de o assistente social compreender as lutas das classes antagônicas para que, assim, entenda o surgimento do sindicalismo, a sua influência sobre a classe trabalhadora e os movimentos de classe. Através de lutas, a classe trabalhadora conquistou direitos trabalhistas e políticos que tiveram seu auge entre as décadas de 1960 a Nesse período, houve um acelerado processo de industrialização no país. Com a implantação do ajuste neoliberal, no final de 1980 e início 1990, houve a precarização do trabalho e, consequentemente, o enfraquecimento do sindicalismo. O sindicato passa a encontrar dificuldades impostas pelo ajuste neoliberal, pois os partidos que influenciavam os sindicatos (alguns de esquerda) passaram a ceder ao ajuste. Com isso, os sindicatos vão perdendo a capacidade de mobilizar e conscientizar os trabalhadores de suas respectivas categorias. Mesmo assim o sindicato continua sendo um mediador entre classes, apesar das mudanças ocorridas na contemporaneidade. Dessa forma, os sindicatos precisam encontrar alternativas para conquistar a confiança dos trabalhadores para que os mesmos possam tomar consciência do seu papel dentro do sindicato e, assim, o sindicato se fortaleça e busque melhorias de direitos para o trabalhador. Palavras-chave: Sindicalismo. Mundo do trabalho. Neoliberalismo. 1 As autoras do presente artigo são acadêmicas do Curso de graduação em Serviço Social na Faculdade Universo, Juiz de Fora/ MG.

2 2 INTRODUÇÃO O tema a ser tratado é de importante relevância para a atualidade, pois, no mundo atual, o capitalismo é o que domina tanto a economia quanto as relações sociais. Assim, o tema vai abranger a fase da reestruturação produtiva do capital e seus reflexos nas relações trabalhistas e sociais. O que vamos tratar a seguir é o movimento sindical nas suas mais variadas mudanças ocorridas ao longo do tempo. Os modelos atuais de sindicato e luta da classe trabalhadora são estimulados cada vez mais pelo individualismo e pela competitividade. Nesta perspectiva, a ideia de conjunto, de coletivo, dilui-se. Se partirmos da noção de como está o trabalhador na contemporaneidade, percebemos discursos que passam por mutações no mundo e, neste sentido, interferem na construção desses novos discursos. E, com isso, os sindicatos vão perdendo a capacidade de mobilizar e conscientizar os trabalhadores de suas respectivas categorias. Relataremos a história do sindicalismo no Brasil, como os trabalhadores vivenciaram as mudanças históricas e sua atual situação com o novo modelo econômico. O estudo é relevante para o Serviço Social, pois buscamos mostrar que o sindicalismo sofreu mudanças, principalmente com a entrada do ajuste neoliberal no país, e como esse fragmentou o sindicalismo, fazendo com que a classe trabalhadora afastasse do sindicato, deixando de manter-se informada sobre seus direitos. Assim, o sindicalismo acaba enfraquecendo e perdendo a influência junto à classe trabalhadora. Com isso, a classe dominante acaba sobrepondo sua força sobre a classe trabalhadora, dessa forma a classe dominante segue à risca os ideais do ajuste neoliberal. É necessário que os Sindicatos encontrem alternativas para mobilizar a classe trabalhadora, para que conquiste mais filiados, que, ao tomar consciência de seu papel, tornam-se mais fortes e possibilitam que o sindicato fortaleça-se e busque melhorias de direitos para o trabalhador. HISTÓRIA DO SINDICALISMO O sindicalismo surgiu no final do século XIX com a chegada dos imigrantes europeus, que traziam consigo a influência do sindicalismo de seu país. Dessa forma,

3 3 as condições trabalhistas brasileiras começaram a ser questionadas. Assim, tem-se um primeiro contato com os ideais sindicais no Brasil. Em 1930 com a entrada de Getúlio no poder, instaura-se uma política de industrialização em que é criada a lei de Sindicalização n l (imposto sindical), na qual o controle e repressão impediam a participação dos estrangeiros nas direções, controlavam-se as finanças dos sindicatos, além de proibir suas atividades políticas e ideológicas. Nessa época, era imposto para a classe trabalhadora filiar-se ao sindicato oficial, desestruturando os sindicatos autônomos existentes e também desarticulando a luta de classes, tornando-se um órgão assistencialista. Mas isso não impediu que as lutas operárias, sociais e sindicais se desenvolvessem amplamente durante os anos (ANTUNES, 2007: 290) Em 1964, com o golpe de Estado e entrada da Ditadura Militar, houve uma repressão ao movimento Sindical. A economia do país teve expansão para o exterior, o que emergiu uma problemática para a classe trabalhadora: o rebaixamento dos salários, super exploração do trabalho, alta jornada de trabalho. De modo sintético, pode-se dizer que o movimento operário e sindical no pré-64 foi predominantemente reformista sobre a hegemonia forte do PCB, que aceitava a política de aliança policlassista entre o capital e o trabalho. Mas foi também um período de grandes lutas sociais e grevistas. (ANTUNES, 2007: 291) No período da Ditadura Militar, houve uma privatização de empresas estatais e uma expansão do capitalismo que ampliou significativamente a classe trabalhadora. Após vários anos de repressão e controle, em 1978, as greves voltaram com intensidade e, em 1980, emerge um novo movimento sindical denominado ou chamado novo sindicalismo. Esse movimento sindical tem força junto à classe trabalhadora e atua fortemente na defesa dos interesses igualitários e na luta de classes por seus direitos. Vai também abranger os trabalhadores rurais que vêm com um forte movimento de luta pela reforma agrária. O sindicalismo rural veio fortemente na presença da esquerda católica que influenciou o Movimento Dos Sem-Terra em Nesse mesmo contexto, surgiu a Central Única dos Trabalhadores (CUT) [...] fundada em 1983 e inspirada, na origem, num sindicalismo classista, autônomo e independente do Estado. Herdeira das lutas sociais e operárias das décadas anteriores, especialmente dos anos

4 4 de 1970; a CUT resultou da confluência entre o novo sindicalismo nascido no interior da estrutura sindical daquele período (do qual o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo era exemplo) e o movimento das oposições sindicais (de quem foram exemplos o Movimento de Oposição Metalúrgica de São Paulo MOMSP - e oposição Metalúrgica de Campinas) que atuavam fora da estrutura sindical oficial e combatiam seu sentido estatal, subordinado, atrelado e verticalizado (ANTUNES, 2007: 293). De acordo com o autor Ricardo Antunes (2007), as tendências citadas anteriormente mostram um quadro favorável ao novo sindicalismo no Brasil. Esse novo sindicalismo caminhava para uma tendência capitalista avançada, esse modelo já era implantado nos países de capitalismo central (1970), era um modelo de ajuste neoliberal, em que seus fragmentos repercutiram na América Latina na década de A onda regressiva que resultou na reestruturação produtiva do capital, em curso da escala global do capital e na divisão internacional do trabalho, gerou consequência ao capital financeiro e improdutivo que afetou fortemente os países capitalistas e os subdesenvolvidos como o Brasil, gerando assim uma problemática para o movimento operário sindical. Nesse contexto, há um ajuste tardio na política neoliberal e uma reestruturação produtiva (1980) que faz surgir os ideais neoliberais, mas não se institui o neoliberalismo no governo de Sarney (1985/90). Afetada pela política internacional do capital, a economia traz uma nova realidade para o capital nacional. O ajuste fica nítido apenas no governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC). No Governo de FHC, há uma flexibilização e desregulamentação e novas formas de gestão produtiva nas quais a classe trabalhadora torna-se a mais afetada, pois o modelo antes usado era o baseado no Fordismo e no Taylorismo dando lugar agora a um modelo de produção de larga escala e ampliado: o Toyotismo, que traz junto a ele a alteração dos circuitos produtivos, passando utilizar a acumulação flexível. O neoliberalismo é uma política de máximo para o capital e mínimo para o social, na qual as políticas sociais tornam-se cada vez mais precárias e fragmentadas, atrelado a uma forte política de privatização. Assim, gera-se uma agudização da questão social cujas consequências são o desemprego, subemprego, contratos precários e a terceirização do trabalho. O trabalhador, nessa sociedade contemporânea, passa a perder sua identidade, passa a ser individualista,

5 5 multifuncional, visto que o próprio sistema neoliberal passa a pregar que o mesmo cada vez mais tenha que vestir a camisa da empresa e que ele passe a ser um colaborador e não mais um empregado. Em síntese, trata-se de garantir a vigência da super exploração do trabalho combinando à extração da mais-valia relativa com a expansão das formas de extração da mais-valia absoluta, isso é combinando o avanço tecnológico junto com o prolongamento e intensificação do ritmo e da jornada de trabalho. (ANTUNES, 2007: 296) De acordo com Antunes (2007: 298): Esta nova realidade arrefeceu e tornou mais defensivo o novo sindicalismo que se encontrava, de um lado, diante da emergência de um sindicalismo neoliberal, expressão da nova direita sintonizada com a onda mundial conservadora, de que a Força Sindical ( central sindical criada em 1991) é o melhor exemplo. E, de outro, diante da inflexão que vem ocorrendo, desde os anos 1990, no interior da CUT, inspirada pela sua tendência majoritária, a Articulação Sindical, que cada vez mais se aproxima dos modelos do sindicalismo socialdemocrata europeu. O sindicalismo ligado à CUT (é vinculada a um partido dito de esquerda) a tem como aliada para o combate ao neoliberalismo, mas por ter tendências a Articulação Sindical e se parecer muito com o modelo Europeu. Suas ações e reproduções acabam não repercutindo como deveriam, sendo assim, aproximando-se cada vez mais de uma perspectiva de manutenção do ajuste. Embora se preocupe em apresentar alternativas contra o neoliberalismo. O Movimento dos Sem Terra (MST) influenciou as lutas sociais, não só do trabalhador rural, mas também do trabalhador urbano, uma vez que seus movimentos eram voltados para a melhor condição de trabalho. O MST é um movimento popular e sua posição era muito influente na sociedade. O governo FHC mostrava-se contra o movimento dos sem terra. Essa contradição foi decisiva para a entrada de Luiz Inácio Lula da Silva. Lula foi vinculado ao Sindicato dos Metalúrgicos que teve uma forte influência da CUT e, conseguindo a confiança da classe trabalhadora e dos principais líderes sindicais e de vários partidos de esquerda, foi eleito à presidência pelo PT, Partido Trabalhista, que era considerado um partido de esquerda que teve influência do socialismo. Mas mesmo sendo um partido de esquerda, a política que estava naquele momento (neoliberal) não foi bem

6 6 como a classe trabalhadora e o MST esperavam. O MST continuou com o movimento de ocupações de terra mostrando que o governo Lula continuou com a mesma política de FHC (neoliberalismo). O neoliberalismo é um modelo econômico que afeta não só as relações econômicas, mas também sociais e trabalhistas. MUNDO DO TRABALHO O trabalho antes de tudo é uma relação entre o Homem e a natureza, ou seja, a transformação da natureza através do Homem para satisfazer suas necessidades. Entendendo essa relação do homem com a natureza, constatamos que o trabalho é a base da sociedade humana, pois é através desse, que se iniciam as relações sociais, há uma cooperação de seres humanos entre si para fazer uso da natureza. Já compreendido o que é o trabalho e qual seu significado para a sociedade, façamos agora um breve histórico para entendê-lo na contemporaneidade. Os trinta anos gloriosos ( ) marcaram uma plena expansão econômica capitalista, apoiada nas bases Taylorista e Fordista, sob a liderança do capital industrial. A estratégia taylorista e fordista de organização do processo produtivo implicava na produção em série e em massa, para o consumo massivo, uma rígida divisão de tarefas entre executores e planejadores, o trabalho parcelar, fragmentado e a constituição da figura do operário massa. O estado buscava canalizar o fundo público, tanto para o financiamento do capital quanto para a reprodução da força de trabalho. Para atingir as metas desejadas era necessária uma plena expansão do emprego, utilizando-se então das idéias Keynesianas, que propunham a intervenção estatal na vida econômica com o objetivo de conduzir a um regime de pleno emprego (IAMAMOTO, 2010: 30). O papel do Estado era o de viabilizar salários indiretos por meio de políticas sociais públicas, passando então a fortalecer e investir na área de serviços sociais. Esse acordo entre Estado, empresariado e sindicatos envolveu uma ampliação das funções do Estado no campo das políticas públicas, que passaram a dispor de ampla abrangência, permitindo que fosse liberada parcela da renda familiar para o consumo (IAMAMOTO, 2010: 30). Por esses motivos esse período ficou conhecido como o

7 7 estado de bem estar social ou Walfare State. A crise desse padrão eclode em meados da década de1970, quando a economia apresenta sinais de estagnação. Estabelece-se então a necessidade de um novo modelo econômico que atendesse às novas realidades, implantando assim um novo modelo de produção, o japonês (Toyotismo) que alguns chamam de acumulação flexível. Toyotismo é um modelo econômico japonês que busca flexibilizar a produção. Esse modelo faz parte do ajuste neoliberal. No final da década de 1970 e início de 1980, os economistas e ideólogos políticos deram uma nova característica ao ideário liberal, criando assim o neoliberalismo. Do liberalismo econômico, constitui-se num movimento intitulado de retorno à ortodoxia, que deu origem as teses monetaristas neoliberais que passaram a nortear as políticas econômicas (SOARES, 2002 :12). O ajuste neoliberal foi caracterizado como a Terceira Revolução Industrial na qual houve um grande incremento tecnológico. O Neoliberalismo é o estado que visa o máximo para o capital e o mínimo para o social, que dá origem a uma nova pobreza. Denominado de neoliberal que inclui (por definição) a informalidade no trabalho, o desemprego, o subemprego, a desproteção trabalhista e, consequentemente, uma nova pobreza. (SOARES, 2002: 12). Verifica-se então que o ajuste neoliberal não é apenas uma mudança econômica e política, é também uma mudança nas relações sociais. Nesse sentido, o ajuste neoliberal não é apenas de natureza econômica: faz parte de uma redefinição global do campo político institucional e das relações sociais. (SOARES, 2002: 12) Com a nova pobreza, com o mínimo para o social, as políticas sociais passam a ser focalizadas, com grande seletividade. As repercurssões da proposta neoliberal no campo das políticas sociais são nítidas tornando-se cada vez mais focalizadas, mais descentralizadas, mais privatizadas. Presenciam-se a desorganização e destruição dos serviços sociais públicos, em consequência do enxugamento do Estado em suas responsabilidades sociais. (IAMAMOTO, 2010: 36) Com esse modelo econômico e a separação de público e privado fica claro para a sociedade que o patrimônio público está sendo privatizado cada vez mais. Como exemplo, no Brasil, podemos citar a companhia Vale do Rio Doce, uma empresa que era pública e foi privatizada. As empresas estatais foram organizadas com recursos do povo provindos de impostos ou taxas criadas especificamente para a sua constituição.

8 8 Pertencem ao patrimônio público como parte de seu próprio solo. A privatização e a passagem de seu controle para o capital estrangeiro ficam, além da perda de patrimônio, a drenagem permanente de lucros para o exterior como transferência de lucro ou como pagamento para os acionistas estrangeiros. (GIROLETTI, 2007: 317) Com o modelo neoliberal, afetou-se diretamente a vida dos trabalhadores, pois esse modelo econômico trás consigo uma desregulamentação dos direitos sociais, a informalidade, precariedade nos contratos de trabalho e a flexibilidade do trabalho. Surge, nesse contexto um trabalhador polivalente, aquele que é chamado a exercer várias funções, no mesmo tempo de trabalho e com o mesmo salário, como uma consequência do enxugamento do quadro de pessoal das empresas. (IAMAMOTO, 2010: 32) Na sociedade contemporânea, faz-se muito presente o desemprego devido ao incremento de novas tecnologias que vêm substituindo o trabalho humano, isso causa uma insegurança do trabalhador. No atual quadro recessivo da produção econômica mundial, as lutas sindicais encontram-se fragilizadas e a defesa do trabalho é dificultada diante do crescimento das taxas de desemprego (IAMAMOTO, 2010: 33). OS SINDICATOS NA ATUALIDADE Como exposto anteriormente, o modelo econômico que prevalece até os dias atuais é o neoliberal, que influenciou na estrutura dos sindicatos, fazendo com que esse não tivesse a mesma força, pois o neoliberalismo trás como conseqüências uma maior desregulamentação das leis trabalhistas, desemprego maciço, precariedade nos contratos de trabalho. Essas mudanças estruturais e superestruturais continuam em curso provocando, entre outras conseqüências, um maior enfraquecimento do sindicalismo em âmbito nacional e internacional. (GIROLETTI, 2007: 310) A organização sindical na atualidade foi elaborada pela PEC (Proposta de Emenda da Constituição). A estrutura atual tem como base o sindicato, que forma federações e estas criam confederações; (QUEIROZ, 2007: 39). O sindicato pode se filiar a federação e confederação ou qualquer entidade. E independente de sua filiação o sindicato deve acima de tudo defender os interesses coletivos ou individuais,

9 9 inclusive em questões jurídicas e administrativas. Assim QUEIROZ (2007), mostra as principais normas de funcionamento do sindicato na atualidade: Autonomia e interferência: a constituição diz que é livre a associação profissional ou sindical, mas a PEC, proíbe a interferência e a intervenção na organização sindical, o mesmo para o Governo/ Estado. Representação enquadramento sindical: este enquadramento dá-se através de uma determinada categoria específica, em que essa categoria vai se enquadrar em um sindicato específico, que vai abranger uma determinada área, como por exemplo, seu município. Representatividade sindical: é o índice de filiação que tem por base as publicações, deveres e proteção de seus associados. E se o determinado sindicato tiver uma rejeição de novos filiados considera-se uma pratica antisindical. Democracia e a participação: o sindicato deve deixar bem claro para a categoria que o mesmo é um espaço democrático com o conhecimento de seus direitos e acesso às informações do interior do sindicato de que fundamentam a cidadania sindical. Negociação coletiva: é assegurada pela constituição que dá o direito de negociação ao sindicato. As federações e confederações, essas só poderão negociar na falta do sindicato. Financiamento: as contribuições vêm através de associação, doações, comercialização, prestação de serviço (venda de planos de previdência privada e planos de saúde), aplicação de multas, entre outros. Contribuição negociação, limitada 12% de um salário por ano, assim distribuída: I) centrais sindicais, com 10%; II) confederações, com 5%; III) federação, com 10%; IV) sindicato, com 70%; e V) Fundo solidário, com 5%. Terceirização: hoje é um grande problema para o sindicato, já que o patrão do empregado terceirizado não é o mesmo da empresa para qual o funcionário trabalha. Assim, os empregados terceirizados deveriam ser representados pelo

10 10 sindicato que representa os empregados de seu tomador de serviços e as cláusulas do acordo deveriam ser estendidas aos terceirizados, tornando desinteressante essa prática. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em uma sociedade em que se fazem muito presentes as desigualdades sociais entre classes antagônicas, torna-se constante uma defasagem nas lutas trabalhistas, causando assim um enfraquecimento nas conquistas por direitos trabalhistas, deixando os trabalhadores a mercê do capital. No período de 1980, o sindicalismo encontrava-se no ápice dos movimentos sociais. Os trabalhadores faziam-se mais presentes nas lutas socias e na reivindicação de seus direitos, sem medo de serem repreendidos pela força policial e pelos seus opressores, no ambiente de trabalho por parte de seus empregadores. Com a nova estrutura Sindicalista no Brasil (Novo Sindicalismo), os movimentos sociais mostraramse mais fortes, dando ênfase à CUT, ao MST e a outros movimentos sindicais. Nesse período em que o sindicalismo encontrava-se atenuante, começavam também a despontar tendências econômicas, políticas e ideológicas voltadas para a reestruturação produtiva e para a emergência do ajuste neoliberal. Nos dias atuais, posto que o ajuste neoliberal tem influência desde a década de 1990, faz presente a idéia de um trabalhador polivalente, multifuncional, havendo uma desregulamentação das leis dos direitos sociais, civis e políticos. Com a retração do Estado nas políticas sociais, surge uma precarização tanto na vida do trabalhador quanto na sociedade. Percebemos que além das mudanças econômicas, sociais e políticas, há também uma mudança nas relações sociais e principalmente na vida dos trabalhadores, o qual passa por uma transformação ideológica e em sua forma de trabalhar. Mesmo com essas transformações no sindicalismo, esse continua sendo um mediador entre classes. A partir das reflexões relatadas compreende-se à necessidade para que o sindicato reveja sua trajetória e a causa de seu enfraquecimento. E que esse encontre alternativas para mobilizar a classe trabalhadora, conquistando mais filiados,

11 11 tornando-se mais fortes. O trabalhador deve tomar consciência da importância de seu papel e de seus direitos, e com isso o sindicato revigora-se, buscando melhorias trabalhistas.

12 12 REFERÊNCIAS ANTUNES, Ricardo. Uma breve radiografia das lutas sindicais no Brasil recente e alguns de seus principais desafios. In: INÁCIO, J.R. (Org.). Sindicalismo no Brasil: os primeiros 100 anos?. Belo Horizonte: Crisálida, p SOARES, Laura Tavares. Os custos sociais do ajuste neoliberal na América Latina. -2. Ed. - São Paulo: Cortez, IAMAMOTO, Marilda Villela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 19 ed. - São Paulo: Cortez, GIROLETTI, Domingos. Os desafios do sindicalismo no século XXI. In: INÁCIO, J.R. (Org.). Sindicalismo no Brasil: os primeiros 100 anos?. Belo Horizonte: Crisálida, 2007.p QUEIROZ, Antonio augusto. Movimento Sindical: passado, presente e futuro. In: INÁCIO, J.R. (Org.). Sindicalismo no Brasil: os primeiros 100 anos?. Belo Horizonte: Crisálida, p

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil.

Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A FORMAÇÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA NO BRASIL Até agora discutimos as bases do capitalismo mundial. Nesta unidade vamos falar um pouco das particularidades do capitalismo no Brasil. A sociedade brasileira

Leia mais

AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE

AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE AS ENTIDADES NÃO GOVERNAMENTAIS E O ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE: A EXPERIÊNCIA DO GAFAM/AE Amália Madureira Paschoal Anna Débora Fritzen Marcante Jaqueline Nadir da Silva Patrícia Ortigosa Chaves

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo. Danilo Chaves Nakamura 1

Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo. Danilo Chaves Nakamura 1 Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo Danilo Chaves Nakamura 1 Para minha geração, o êxito do capital era um problema. Agora muitos acreditam que isso é

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO

Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Mapa Mental Mapa Mental Sobre a Metodologia no Curso da ENFOC REAPROPRIAÇÃO TEMÁTICA E METODOLÓGICA DO PRIMEIRO MÓDULO Dois Focos Temáticos Sistema Capitalista História Contradições Desafios para a classe

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA?

A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? A FORMAÇÃO IDEOPOLÍTICA DOS MILITANTES DO MOVIMENTO DOS ATINGIDOS POR BARRAGENS (MAB): EMANCIPAÇÃO POLÍTICA OU EMANCIPAÇÃO HUMANA? Carmen Gomes Macedo 1 Ednéia Alves de Oliveira 2 Resumo Este projeto objetiva

Leia mais

DIMENSÕES DO DESEMPREGO E DA POBREZA NO BRASIL

DIMENSÕES DO DESEMPREGO E DA POBREZA NO BRASIL http:///br/traducoes.asp?ed=8&cod_artigo=140 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo

Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo Algumas considerações sobre o trabalho informal no capitalismo contemporâneo Thiago Leibante * Introdução O trabalho informal é um fenômeno social que se encontra em praticamente todo o mundo capitalista.

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova

Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova Consultoria empresarial: o Serviço Social posto à prova Resultado de investigación finalizada GT18 Reestructuración productiva, trabajo y dominación social Fernanda Caldas de Azevedo RESUMO: Este trabalho

Leia mais

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013 1. Introdução 2. Estados

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1.

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1 A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1. INTRODUÇÃO Laudicéia Lourenço de Araújo 2 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão laudiceia.geografia@gmail.com

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO Christiani Cassoli Bortoloto Lopes Marilia Borges Claudia Debora Picolli Claudimara

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR Ana Paula S. Giroto ALVES 1 Resumo: o Estado é parte integrante, que foi e é determinado, pelas mudanças na estrutura da sociedade e pelas relações sociais

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Fórum Região Sul Curitiba 7 a 9 de julho de 2015 EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Para lembrar... A Reforma Sanitária Brasileira, ao postular

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima OBJETIVO Situar o cenário da reestruturação produtiva na

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO COLETIVO NA ENFERMARIA DE ORTOPEDIA DO HOSPITAL ESTADUAL PEDRO II

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO COLETIVO NA ENFERMARIA DE ORTOPEDIA DO HOSPITAL ESTADUAL PEDRO II A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO COLETIVO NA ENFERMARIA DE ORTOPEDIA DO HOSPITAL ESTADUAL PEDRO II Elzimar de Souza, Luciana Vieira e Nícia Geiger e Souza 1 RESUMO: Este artigo nos remete a uma discussão acerca

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com.

Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com. Subsunção formal e real do trabalho ao capital e suas implicações nas relações sociais Bárbara Cristhinny G.Zeferino 1 barbara_formacaoal@yahoo.com.br Modalidad de trabajo: Eje temático: Palabras claves:

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO NO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

A PRECARIZAÇÃO NO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A PRECARIZAÇÃO NO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Fernanda Alves Ribeiro Paz 1 RESUMO Este artigo aborda a precarização do trabalho do assistente social na Política de Assistência

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO GABARITO DAS QUESTÕES DE SOCIOLOGIA Estudante: Turma: Data:

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO 1 POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO Gislaine dos Santos Silva 1 Edvânia Ângela de Souza Lourenço 2 Resumo A partir da Constituição da República Federativa do Brasil,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Thaiz Braga, Francisco Vidal, Xaumar Neves (orgs.) TRABALHO EM QUESTÃO

Thaiz Braga, Francisco Vidal, Xaumar Neves (orgs.) TRABALHO EM QUESTÃO > / Thaiz Braga, Francisco Vidal, Xaumar Neves (orgs.) TRABALHO EM QUESTÃO SUMÁRIO 9 APRESENTAÇÃO 11 rtrabalho EM QUESTÃO NESTE INÍCIO DE SÉCULO XXI Mareio Pochmann 12 TRAJETÓRIA RECENTE DO MERCADO DE

Leia mais

Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1

Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Da era fordista ao desemprego estrutural da força de trabalho: mudanças na organização da produção e do trabalho e seus reflexos 1 Vinicius Correia Santos 2 Introdução Como conseqüência da reestruturação

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

Brasil: o novo sindicalismo no setor público.

Brasil: o novo sindicalismo no setor público. Brasil: o novo sindicalismo no setor público. Maurício Sardá de Faria( ) No Brasil, o reconhecimento do direito à greve e à organização sindical dos servidores públicos foi efetivado somente com a Constituição

Leia mais

AS DETERMINAÇÕES DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: mecanismos de controle social x condicionalidades dos organismos internacionais

AS DETERMINAÇÕES DA POLÍTICA DE SAÚDE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: mecanismos de controle social x condicionalidades dos organismos internacionais UFMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS III JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍCAS PÚBLICAS QUESTÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO NO SÉCULO XXI 1 AS DETERMINAÇÕES DA

Leia mais

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse O B R A S I L DE SARNEY A FHC Da redemocratização à globalização O G O V E R N O S A R N E Y (1985-1990) 1990) Antecedentes Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Curso Iniciação ao Cooperativismo

Curso Iniciação ao Cooperativismo Seja bem Vindo! Curso Iniciação ao Cooperativismo CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 01. Introdução 02. As sociedades cooperativas 03. As Cooperativas 04. Competividade 05.

Leia mais

GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE.

GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE. GLOBALIZATION AND MOBILIZATION IN THE NEOLIBERAL ERA IN LATIN AMERICA. CONTRIBUIÇÃO AO DEBATE. Maria da Glória Gohn University of Campinas-Brazil 1 O paper da Profa Susan Eckstein analisa as novas tendências

Leia mais

Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013. Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013

Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013. Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013 Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013 Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013 1. Desenvolvimento, crises e implicações sobre o mundo trabalho

Leia mais

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL

DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL DEMOCRACIA, ESTADO SOCIAL, E REFORMA GERENCIAL Luiz Carlos Bresser-Pereira Intervenção no VI Fórum da Reforma do Estado. Rio de Janeiro, 1º. de outubro de 2007. Sumário. A democracia permitiu que os trabalhadores

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO

GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO Maria Christine Berdusco Menezes Faculdade Estadual de Educação, Ciências e Letras de Paranavaí O modelo de gestão democrática na educação

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG)

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) Igor Silva Figueiredo 1 Igor.figueiredo@gmail.com Este trabalho consiste numa pesquisa

Leia mais

A LUTA EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA PROTAGONIZADA PELOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO MARANHÃO NA DÉCADA DE 80 E 90: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES

A LUTA EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA PROTAGONIZADA PELOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO MARANHÃO NA DÉCADA DE 80 E 90: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES A LUTA EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA PROTAGONIZADA PELOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO MARANHÃO NA DÉCADA DE 80 E 90: PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES Malila da Graça Roxo Abreu 1 1. Para início da discussão

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje?

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Estudos do Trabalho Ano II. Nº 3-2008. Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Ricardo Antunes Professor da Universidade Estadual

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade.

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade. O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO SETOR PRODUTIVO PRIVADO: REFLEXÕES SOBRE OS NOVOS DISPOSITIVOS DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA MIRANDA, Aline Barbosa UFU alinebarbosas@yahoo.com.br SILVA, Maria Vieira UFU

Leia mais

O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA

O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA O TRABALHO EM TEMPOS DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA Caroline Maria Leal 1 Larissa Vieira Rêgo 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar a real situação do trabalho na sociedade brasileira, buscando sinalizar

Leia mais

O papel do Estado 20/3/2012

O papel do Estado 20/3/2012 O papel do Estado Na passagem do século XIX para o século XX Função Principal do Direito e Segurança garantia da liberdade da propriedade Século XIX nenhuma interferência na ordem natural da economia O

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL As conquistas mais definitivas da Previdência Social, como um sistema do trabalhador para o trabalhador, estão ligadas às lições aprendidas com os próprios segurados, no tempo e no espaço Extraído do Livro

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

Encontro Nacional ISONOMIA. Conquistando uma só Caixa para todos os empregados

Encontro Nacional ISONOMIA. Conquistando uma só Caixa para todos os empregados 3º o Encontro Nacional de ISONOMIA Conquistando uma só Caixa para todos os empregados ATS e licença-prêmio já! ISONOMIA, UMA LUTA DE TODOS A isonomia de direitos e benefícios entre todos os trabalhadores

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO ACIOLI, Maria de Fátima da Costa Lippo - UFBA GT: Trabalho e Educação/n. 09 Agência Financiadora: não contou com financiamento 1 - Tempos e Movimentos

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA.

REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. REFORMA SINDICAL: PORTA PRINCIPAL PARA A TÃO FALADA REFORMA TRABALHISTA. INTRODUÇÃO Recentemente o Governo Federal, por seu Ministro do Trabalho e Emprego, Ricardo Berzoini, um mineiro de Juiz de Fora

Leia mais

Palavras-chave: Conselho Municipal de Educação; reformulação do Estado; gestão democrática.

Palavras-chave: Conselho Municipal de Educação; reformulação do Estado; gestão democrática. LIMITES À GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO E O PAPEL DO CONSELHO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Lúcio Lord Mestrando no PPGEDU da Faculdade de Educação da UFRGS Resumo: O presente estudo busca refletir sobre

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

Palavras-chave: crise do sindicalismo público; mobilização dos trabalhadores do serviço público; políticas neoliberais

Palavras-chave: crise do sindicalismo público; mobilização dos trabalhadores do serviço público; políticas neoliberais A CRISE DO SINDICALISMO DO SETOR PÚBLICO MUNICIPAL NO BRASIL EM UM CONTEXTO DE IMPLANTAÇÃO DE POLÍTICAS NEOLIBERAIS DE REFORMA DO ESTADO: O CASO DO SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAL DE BAURU

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

CARTA DE MARICÁ NO DIA DA AÇÃO GLOBAL Fórum Global 2008 http://wsf2008.net/eng/node/6478

CARTA DE MARICÁ NO DIA DA AÇÃO GLOBAL Fórum Global 2008 http://wsf2008.net/eng/node/6478 CARTA DE MARICÁ NO DIA DA AÇÃO GLOBAL Fórum Global 2008 http://wsf2008.net/eng/node/6478 CARTA DE MARICÁ NO DIA DA AÇÃO GLOBAL DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL CARTA DE MARICÁ Sejamos nós que conquistemos A terra

Leia mais

Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social

Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social A formação acadêmica em Serviço Social e a contrarreforma do Estado em tempos de crise do capital ANGELY DIAS DA CUNHA Aluna de Graduação

Leia mais

O sistema de proteção social e a previdência social brasileira ( Breve considerações) previdência social brasileira

O sistema de proteção social e a previdência social brasileira ( Breve considerações) previdência social brasileira O sistema de proteção social e a ( Breve considerações) O sistema de proteção social, particularmente a seguridade social, na sociedade capitalista, foi construído como exigência histórica resultante da

Leia mais

História Fascículo 03 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

História Fascículo 03 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli História Fascículo 03 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice História do Brasil Política trabalhista na República Velha e na Era Vargas... 1 Exercícios...2 Gabarito...5 História

Leia mais

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal

8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal 8º.Seminário de Qualificação do Servidor Público Municipal FUP Federação Única dos Petroleiros Secretaria de Relações Internacionais e Setor Privado Anselmo Ernesto Ruoso Jr. Porto Alegre, 10 de maio de

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein

Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br Ferdinando Vinicius Domenes Zapparoli. UEL Ferdinando@uel.br Introdução

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO: CRISE E DESAFIOS*

AS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO: CRISE E DESAFIOS* 25 AS TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO: CRISE E DESAFIOS* Introdução Magda de Almeida Neves** O presente artigo tem como objetivo analisar as mudanças no mundo do trabalho, enfatizando as questões mais

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099

PLANO DE ENSINO. Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099 PLANO DE ENSINO Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099 Código: DV Pré-requisito: Carga horária: 30 (trinta) horas aula Créditos: 2 (dois) Natureza: semestral Docente: EMENTA História do sindicalismo.

Leia mais

A SOLIDARIEDADE E O PROJETO HISTÓRICO DE EMANCIPAÇÃO HUMANA: Questões e perspectivas no Brasil

A SOLIDARIEDADE E O PROJETO HISTÓRICO DE EMANCIPAÇÃO HUMANA: Questões e perspectivas no Brasil A SOLIDARIEDADE E O PROJETO HISTÓRICO DE EMANCIPAÇÃO HUMANA: Questões e perspectivas no Brasil Josefa Batista Lopes Marina Maciel Abreu* INTRODUÇÃO Esta discussão fundamenta-se nas condições históricas

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014 Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para ampla divulgação, a Carta de Aracaju (59º

Leia mais

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB O Encontro Nacional do Ramo da Construção e do Mobiliário da CTB, este ano em sua 5ª edição, realizado nos dias 28 e 29 de

Leia mais

A opinião do Partido dos Trabalhadores sobre a crise internacional

A opinião do Partido dos Trabalhadores sobre a crise internacional A opinião do Partido dos Trabalhadores sobre a crise internacional O Segundo Diálogo entre o Partido do Congresso Nacional Africano, o Partido do Congresso Nacional Indiano, o Partido Social-Democrata

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NO PROCESSO DE TRABALHO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA: A ZONA FRANCA DE MANAUS

AS TRANSFORMAÇÕES NO PROCESSO DE TRABALHO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA: A ZONA FRANCA DE MANAUS AS TRANSFORMAÇÕES NO PROCESSO DE TRABALHO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA: A ZONA FRANCA DE MANAUS Beatriz Maria Soares Pontes * Marinez Gil Nogueira ** Na realidade capitalista contemporânea, a palavra "mudança"

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO

EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DA GLOBALIZAÇÃO Mônica Mota Tassigny Universidade de Fortaleza, Brasil As relações entre capitalismo, trabalho e educação têm sido objeto de consideração

Leia mais

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região 1 Entidades proponentes: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté Sindicato dos Químicos e Plásticos

Leia mais

balanço crítico Zulene Muniz Barbosa Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)

balanço crítico Zulene Muniz Barbosa Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) 273 balanço crítico Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) Este artigo expõe algumas inquietações sobre o movimento sindical e a necessidade deste em explorar as suas vias de renovação, a partir das

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais