Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008"

Transcrição

1 Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

2 Agend Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 2 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

3 Enqudrmento Visão d AMP sobre o AFSC Um hub n região e cidde de Lisbo Um linh de lt velocidde entre Vigo Porto Lisbo Afirmção do turismo e d centrlidde do Porto no Noroeste d Penínsul Ibéric O eroporto como principl infrestrutur O potencil de crescimento não explordo do AFSC O AFSC - um infr-estrutur o serviço de um novo perfil de desenvolvimento regionl pr um competitividde num região mis lrgd. 3 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

4 Índice Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 4 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

5 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. Modelos de gestão em nálise 1. Monopólio Público 2. Prceri Públic 6. Monopólio Privdo Modelos de Gestão 3. Prceri Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II 5 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

6 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Enqudrmento Os modelos desenvolvidos considerm essencilmente 3 spectos: Componentes considerds Stkeholders do sector: tipo de entiddes que detêm prticipções/ interesses directos nos diferentes eroportos do sector. Modelo Modelo concorrencil: intercção existente entre os diferentes plyers que integrm o sector. Stkeholders do Sector Públicos Privdos Monopólio: sector domindo exclusivmente por um plyer (ex: ANA). Monopólio Prtilhdo: sector com vários plyers que dispõem de relções de grupo (ex: ANA e ANAM); Modelo Concorrencil Prtilhdo Concorrencil Concorrencil: existênci de concorrênci entre os diversos plyers do sector. Est. Português Actores no Modelo de Governção do A.F.S.C.: tipo de entiddes que prticipm direct ou indirectmente n explorção do A.F.S.C. Actores no Modelo de Governção do AFSC Autrquis Ass. Locis Privdos 6 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

7 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Enqudrmento O qudro presentdo resume os modelos de gestão considerdos pr o A.F.S.C. Modelo / Intervenientes 1. Monopólio Público 2. Prceri Públic 3. Prceri Público- Privd I 4. Prceri Público- Privd II 5. Gestão Privd 6. Monopólio Privdo Stkeholders do Sector Públicos Privdos Modelo Concorrencil Monopólio Prtilhdo Concorrencil Actores no Modelo de Governção do AFSC Est. Português Autrquis Ass. Locis Privdos Crcterizção sectoril Aeroporto Frncisco Sá Crneiro 7 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

8 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Enqudrmento Com objectivo de simplificr nálise dos diferentes modelos de gestão form definidos 6 vectores: Envolvimento de Prceiros: nível de envolvimento de entiddes públics e privds no modelo de gestão d infr-estrutur. Polítics Regionis: nível de integrção existente entre gestão do eroporto e s polítics regionis. Impcte Económico: impcto d ctividde eroportuári n economi locl. Cpcidde de Investimento: gru de propensão investir de form continud n infr-estrutur (por prte d entidde concessionári). Retorno do Investimento: retorno finnceiro do investimento efectudo n infr-estrutur. Stisfção do Cliente: gru de stisfção obtido pelos pssgeiros que frequentm o eroporto. Vectores de nálise Stisfção do Cliente Retorno do Investimento Envolvimento de Prceiros Cpcidde de Investimento Polítics Regionis Impcto Económico 8 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

9 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Indicdores de suporte os vectores de nálise Vectores Envolvimento de Prceiros Polítics Regionis Penetrção n Economi Indicdores de nálise Número de entiddes envolvids Nturez ds entiddes envolvids (Públics, privds, ssocições de municípios, câmrs de comércio, etc.) Percentgem de cpitl detido por privdos Polítics de rendimento d cidde/ região PIB per cpit Índice de poder de compr Tx de empregbilidde Nível de escolridde d populção Investimento em infr-estruturs Número de estbelecimentos hoteleiros Número de cms Número de hóspedes / Número de dormids RevPr / Tx de ocupção Gsto médio diário por turist Número de ligções Cpcidde instld pr pssgeiros Número de pssgeiros / Lod fctor - pssgeiros Cpcidde instld pr crg / Crg trnsportd / Lod fctor crg 9 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

10 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Indicdores de suporte os vectores de nálise (cont.) Vectores Cpcidde de Investimento Retorno do Investimento Stisfção do Cliente Volume de negócios d infr-estrutur Csh Flow d infr-estrutur Orçmento nul dos detentores de cpitl Csh Flow dos detentores de cpitl Indicdores de nálise Retorno Cpitl Próprio / Retorno Cpitl Investido Retorno dos Activos / Retorno ds Vends Mrgem Brut Mrgem EBITDA Mrgem EBIT Rec./ Pssg. Custos Op./ Pssg. Gru de stisfção dos pssgeiros domésticos/ interncionis Acessos Check-In Segurnç e imigrção Sinlizção Serviço/ instlções Ambiente no eroporto Chegds o eroporto 10 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

11 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Modelo Monopólio Público Vectores nlisdos 1 1. Monopólio Público Stkeholders Públicos do Sector Privdos Envolvimento de Prceiros Modelo Concorrencil Monopólio Prtilhdo Concorrencil Stisfção do Cliente Polítics Regionis Actores no Modelo de Governção do AFSC Estdo Português Autrquis Associções Locis Privdos Retorno do Investimento Cpcidde de Investimento Impcto Económico 1 Vlores tribuídos com bse n nálise referente o Aeroporto do Porto 11 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

12 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Modelo - Prceri Públic Vectores nlisdos 1 2. Prceri Públic Stkeholders Públicos do Sector Privdos Envolvimento de Prceiros Modelo Concorrencil Monopólio Prtilhdo Concorrencil Stisfção do Cliente Polítics Regionis Actores no Modelo de Governção do AFSC Estdo Português Autrquis Associções Locis Privdos Retorno do Investimento Cpcidde de Investimento Impcto Económico 1 Vlores tribuídos com bse n nálise referente o Aeroporto d Mdeir 12 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

13 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Modelo Prceri Público-Privd I Vectores nlisdos 1 3. Prceri Público- Privd I Envolvimento de Prceiros Stkeholders Públicos do Sector Privdos Stisfção do Cliente Polítics Regionis Modelo Concorrencil Actores no Modelo de Governção do AFSC Monopólio Prtilhdo Concorrencil Estdo Português Autrquis Associções Locis Privdos Retorno do Investimento Cpcidde de Investimento Impcto Económico 1 Não form retirds conclusões reltivs lguns vectores do Aeroporto de Lyon pelo fcto do modelo de gestão deste eroporto ser reltivmente recente, ou por não existirem ddos. Nesse sentido optámos por tribuir vlores intermédios os vectores: Penetrção n Economi, Retorno do Investimento e Gru de Stisfção do Cliente. 13 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

14 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Modelo Prceri Público-Privd II Vectores nlisdos 1 4. Prceri Público- Privd II Envolvimento de Prceiros Stkeholders Públicos do Sector Privdos Modelo Concorrencil Actores no Modelo de Governção do AFSC Monopólio Prtilhdo Concorrencil Estdo Português Autrquis Associções Locis Privdos Stisfção do Cliente Retorno do Investimento Cpcidde de Investimento Polítics Regionis Impcto Económico 1 Vlores tribuídos com bse n nálise referente o Aeroporto de Mnchester 14 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

15 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Modelo Gestão Privd Vectores nlisdos 1 5. Gestão Privd Stkeholders Públicos do Sector Privdos Modelo Concorrencil Monopólio Prtilhdo Concorrencil Stisfção do Cliente Envolvimento de Prceiros Polítics Regionis Actores no Modelo de Governção do AFSC Estdo Português Autrquis Associções Locis Privdos Retorno do Investimento Cpcidde de Investimento Impcto Económico 1 Vlores tribuídos com bse n nálise referente o Aeroporto de Bruxels 15 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

16 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Modelo Monopólio Privdo Vectores nlisdos 1 Stkeholders Públicos 6. Monopólio Privdo Envolvimento de Prceiros do Sector Privdos Modelo Concorrencil Monopólio Prtilhdo Concorrencil Stisfção do Cliente Polítics Regionis Actores no Modelo de Governção do AFSC Estdo Português Autrquis Associções Locis Privdos Retorno do Investimento Cpcidde de Investimento Impcto Económico 1 Não foi desenvolvid nenhum nálise eroportos/ entiddes com ests crcterístics 16 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

17 Modelos de gestão pr o A.F.S.C. 1. Monopólio 2. Prceri Públic Público 6. Monopólio 3. Prceri Modelos de Gestão Privdo Público-Privd I 5. Gestão Privd 4. Prceri Público-Privd II Digrm Resumo 1,2 Envolvimento de Prceiros Stisfção do Cliente Polítics Regionis Legend: Modelos de Gestão: Retorno do Investimento Cpcidde de Investimento Impcto Económico Monopólio Público Prceri Públic Prceri Público-Privd I Prceri Público Privd II Gestão Privd Monopólio Privdo 1 Não form retirds conclusões reltivs lguns vectores do Aeroporto de Lyon pelo fcto do modelo de gestão deste eroporto ser reltivmente recente, ou por não existirem ddos. Nesse sentido optámos por tribuir vlores intermédios os vectores: Penetrção n Economi, Retorno do Investimento e Gru de Stisfção do Cliente. 2 Não foi desenvolvid nenhum nálise eroportos/ entiddes com ests crcterístics 17 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

18 Alguns tems críticos Tems que fvorecem ou prejudicm comprtivmente este modelo Monopólio público - ANA Prceri públic ANAM PPP 1 - Estdo e Entiddes Locis Lyon PPP 2 Mnchester AG Gestão Privd Brussels Airport ANA totlmente privtizd Articulção com polític regionl Impcte económico Cpcidde de investimento Retorno do investimento Economi d região Economi do projecto Portfolio de clientes (linhs éres) justd às necessiddes do eroporto e região Autonomi de decisão pr responder os desfios locis Adequbilidde o posicionmento competitivo d região em turismo 18 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

19 Alguns tems críticos Tems que fvorecem ou prejudicm comprtivmente este modelo Monopólio público - ANA Prceri públic ANAM PPP 1 - Estdo e Entiddes Locis Lyon PPP 2 Mnchester AG Gestão Privd Brussels Airport ANA totlmente privtizd Adequbilidde o posicionmento competitivo d região n economi locl Obtenção de sinergis de grupo Dependênci d entidde do desenvolvimento d região Flexibilidde de gestão opercionl Poder negocil do concessionário com compnhis éres Interdependênci do reguldor e operdor Vlor globl d concessão eroportuári pr o Estdo Rpidez e dptção à competição regionl de eroportos 19 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

20 Alguns tems críticos Tems que fvorecem ou prejudicm comprtivmente este modelo Monopólio público - ANA Prceri públic ANAM PPP 1 - Estdo e Entiddes Locis Lyon PPP 2 Mnchester AG Gestão Privd Brussels Airport ANA totlmente privtizd Importânci do eroporto no médio przo pr entidde concessiond Ligção d estrtégi d compnhi áre ncionl à estrtégi do eroporto Expnsão do eroporto com bse em polítics regionis Modelo trifário futuro dptdo à bse de custos locl Crescente know-how técnico Prioridde os eroportos miores Efeito descentrlizdor n economi - melhor região - melhor Pís Efeito estimdo n procur 4,50% 4,80% 5,10% 8,70% 6,90% 5,90% 20 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

21 Alguns tems críticos Tems que fvorecem ou prejudicm comprtivmente este modelo Monopólio público - ANA Prceri públic ANAM PPP 1 - Estdo e Entiddes Locis Lyon PPP 2 Mnchester AG Gestão Privd Brussels Airport ANA totlmente privtizd Poder reguldor do sector Qulidde eroportuári portugues consistente Controlo ds questões mbientis, segurnç e bem público consistente Expecttivs dos gentes económicos 10,50% 15,80% 33,00% 12,30% 14,00% Custos de trnscção mis bixos com empress prestdors Quem detém os terrenos de domínio público A quem é concedid concessão Quem é o concessionário Quem explor infrestrutur eroportuári Quem explor o non vition business 21 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

22 Índice Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 22 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

23 Algums evidencis A Europ tem diversos modelos; A tendênci tem vindo ser de privtizção seprd e explorção seprd num lógic concorrencil cd vez mior; Os modelos seguidos n gestão de infr-estruturs de rede de telecomunicções, portos e estrds deve levr um créscimo de concorrênci; O modelo de gestão em sistem d totlidde de eroportos pens subsiste em Portugl e Espnh; O modelo preconizdo é de um gestão pr mesm áre metropolitn (<100km); O modelo de expnsão ssent n interncionlizção e gestão de rede metropolitn; Nd recomend um sociedde gestor únic de eroportos; Necessidde de um gestão mis qulificd em cso de gestão individulizd de eroportos; 23 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

24 Algums evidencis As diferençs dos eroportos e vocção - Lisbo; Fro; Funchl e Porto; A necessidde de cutelr o hub de Portugl em Lisbo e o hub feeder regionl de Portugl; Ligção do eroporto á indústri exportdor e outrs infr-estruturs; Infr-estrutur chve pr conectividde interncionl do Arco Metropolitno do Porto - ver PNPOT; Assegurr mobilidde interncionl de pessos, negócios e cdemi; Eliminr visão unipolr do Pís - dus conectividdes interncionis; e Modelos monopolists levm rticulção com o NAL. 24 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

25 Índice Enqudrmento Modelos de gestão estuddos Algums evidencis Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC 25 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

26 Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC Micro Efeito o nível do negócio especifico d empres gestor do Aeroporto FSC Mcro Contributo pr o desenvolvimento socioeconómico regionl Politics Públics Conformidde com s orientções e estrtégis de desenvolvimento definids pelos poderes públicos Operdores do Sector Contributo pr o desenvolvimento regionl com reflexos no turismo/hotelri 26 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

27 Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC Micro Efeito o nível do negócio especifico d empres gestor do Aeroporto FSC Eficiênci Tx médi nul de crescimento do movimento de pssgeiros Rendibilidde 27 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

28 Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC Mcro Contributo pr o desenvolvimento socioeconómico regionl Pressupostos: - Centrlidde d região do Porto; - AFSC é principl infr-estrutur do Noroeste Peninsulr; - Novo hub do Aeroporto de Lisbo; - Comboio de Alt Velocidde Vigo - Porto - Lisbo Vrição no Rendimento Medir o efeito multiplicdor Vrição no Emprego Totl 28 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

29 Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC Politics Públics Conformidde com s orientções e estrtégis de desenvolvimento definids pelos poderes públicos A Arco Metropolitno do Porto (rio de 60 Km) represent: - 25% do PIB; - 40% ds exportções; - 1/3 d populção de Portugl Progrm Ncionl d Politic de Ordenmento do Território (PNPOT) QREN ( ) Eixo Prioritário 2 Prog. Opercionl Norte -Prog. Promoção mrc Porto; -Plno de Desenv. Turístico do Vle do Douro Gru de consistênci com s polítics regionis Plno Estrtégico Ncionl do Turismo (PENT) 29 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

30 Impcte de cd modelo de Governânci do Aeroporto FSC Operdores do Sector Contributo pr o desenvolvimento regionl com reflexos no turismo/hotelri Existe um correlção elevd entre o número de pssgeiros erotrnsportdos e tx de ocupção dos Hotéis. Qul seri o formto de gestão do Aeroporto Sá Crneiro que melhor stisfç os interesses d região? Expecttivs dos gentes económicos em relção é solução mis dequd pr região 30 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

31 Indicdores Qudro Resumo Monopólio Público Monopólio Privdo Prceri Públic Prceri Público- Privd I Gestão Privd Prceri Público- Privd II Tx Médi Anul de Crescimento do movimento de Pssgeiros ,5% 5,9% 4,8% 5,1% 6,9% 8,7% Vrição no Emprego Totl (vlores esperdos) Vrição no Rendimento em 2020 (vlores esperdos em euros) Gru de consistênci com s Politics Regionis (1 5) Expecttivs dos gentes económicos em relção á solução mis dequd pr Região 10,5% 14,0% 15,8% 33,3% 12,3% 33,3% 31 Deloitte Consultores, S.A. / Fculdde de Economi d Universidde do Porto Grnde Áre Metropolitn do Porto - Conferênci de Imprens

32 Aeroporto do Porto: Que modelo de gestão?. Porto, 16 de Abril de 2008

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO

PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO REVITALIZAÇÃO NAVEGAÇÃO COMPETITIVA NO NO MÉDIO CURSO IRRIGAÇÃO COM TECNOLOGIA MODERNA INTEGRAÇÃO DO DO SÃO SÃO FRANCISCO COM RIOS INTERMITENTES REFORÇO HÍDRICO

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia Plno Estrtégico Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 1 ÍNDICE 1 Enqudrmento... 3 2 Modelo de Execução d Estrtégi... 5 2.1 Definir estrtégi... 5 2.1.1 Missão... 6 2.1.2 Visão... 6 2.1.3 Atribuições

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade

O sector ferroviário definiu um modelo estruturado e inovador para aumentar a sua competitividade 17 LEADERSHIP AGENDA gnhr o futuro trvés d lidernç, gestão e inovção O sector ferroviário definiu um modelo estruturdo e inovdor pr umentr su competitividde O sector ferroviário português definiu um progrm

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

PANORAMA TURÍSTICO GERAL EM PORTUGAL. Oferta de Alojamento por NUTS II, 1998 2009 (Número de Camas) Açores. Centro. Madeira. Norte

PANORAMA TURÍSTICO GERAL EM PORTUGAL. Oferta de Alojamento por NUTS II, 1998 2009 (Número de Camas) Açores. Centro. Madeira. Norte Tx de crescimento nul CB RICHARD ELLIS neoturis MrketView Mercdo Turístico www.cbre.eu/reserch T1 2010 PANORAMA TURÍSTICO GERAL EM PORTUGAL Tendêncis Turismo Pssgeiros Hóspedes Dormids Proveitos Turísticos

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: Comercilizr e Vender (10.º Ano) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Mri do Crmo Mendes Ano Letivo 2013/2014 Competêncis Geris

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Indicadores de Lisboa. Indicadores do Porto. Tendências SUMÁRIO 1º SEMESTRE 2011

Indicadores de Lisboa. Indicadores do Porto. Tendências SUMÁRIO 1º SEMESTRE 2011 m² CB RICHARD ELLIS MrketView Escritórios Lisbo e Porto Setembro SUMÁRIO 1º SEMESTRE Indicdores de Lisbo vs. Stock Novo Disponibilidde Absorção Brut Rends Prime Yields Prime Indicdores do Porto vs. Tendêncis

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Programa de Trabalho. Operacionalização da Declaração de Malabo sobre a Agricultura Africana e Estratégia e Roteiro do CAADP

Programa de Trabalho. Operacionalização da Declaração de Malabo sobre a Agricultura Africana e Estratégia e Roteiro do CAADP Progrm de Trblho Opercionlizção d Declrção de Mlbo sobre Agricultur Africn e Estrtégi e Roteiro do CAADP Visão e Objectivos sobre Agricultur Africn no horizonte de (2015-2025) Africn Union Commission Progrm

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

Programa de Trabalho. Operacionalização da Declaração de Malabo sobre a Agricultura Africana e Estratégia e Roteiro do CAADP

Programa de Trabalho. Operacionalização da Declaração de Malabo sobre a Agricultura Africana e Estratégia e Roteiro do CAADP Progrm de Trblho Opercionlizção d Declrção de Mlbo sobre Agricultur Africn e Estrtégi e Roteiro do CAADP Visão e Objectivos sobre Agricultur Africn no horizonte de(2015-2025) Africn Union Commission Going

Leia mais

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL

PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL PLANO REGIONAL DE ORDENAMENTO FLORESTAL DO PROPOSTA DE PLANO Novembro 2006 Direcção Regionl de Agricultur de Entre Douro e Minho Direcção Gerl dos Recursos Florestis Universidde de Trás-os-Montes e Alto

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

Equivalência Estrutural

Equivalência Estrutural Equivlênci Estruturl Jefferson Elert Simões sedo nos rtigos: Structurl Equivlence of Individuls in Socil Networks (Lorrin & White, 1971) Structurl Equivlence: Mening nd Definition, Computtion nd ppliction

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

about us zone soft mercado nacional clientes vs softwares

about us zone soft mercado nacional clientes vs softwares bout us zone soft mercdo ncionl clientes vs softwres S Cfé S Rest S POS 1 bout us fturção fturção zone soft 2 bout us the crew Suporte Técnico 3 colbordores Apoio Agentes Testes Softwre Desenvolvimento

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Bahia. Maior economia do Nordeste deve manter crescimento próximo ao do Brasil nos próximos anos. Paula Yamaguti Luzineide Sales

Bahia. Maior economia do Nordeste deve manter crescimento próximo ao do Brasil nos próximos anos. Paula Yamaguti Luzineide Sales Bhi Mior economi do Nordeste deve mnter crescimento próximo o do Brsil nos próximos nos. Pul Ymguti Luzineide Sles Luzineide Sles Mrin Orsini Lilin Ferro Pul Ymguti Mrin Orsini Mrcel M. Silv gosto 2013

Leia mais

2.012 MW. 2,934 milhões. 24.923 GWh DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. R$ 342 milhões. R$ 6,3 bilhões. R$ 1,3 bilhão. R$ 370 milhões.

2.012 MW. 2,934 milhões. 24.923 GWh DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. R$ 342 milhões. R$ 6,3 bilhões. R$ 1,3 bilhão. R$ 370 milhões. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2012 2,934 milhões de clientes tendidos 2.012 MW de cpcidde instld de gerção 24.923 GWh de energi distribuíd R$ 6,3 bilhões de receit opercionl líquid* * Não consider Receit de

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA):

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA): CURRICULUM VITAE Nome Ncionlidde Helder Jorge Gomes Ribeiro Portugues Dt de Nscimento 27 de Setembro de 1979 Estdo Civil Mord Solteiro Ru d Figueir d Foz nº77, 2DTO 3000-184 Coimbr Tlm: +351 916 515 477

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

15,00% 13,00% 11,00% 9,00% 7,00% 5,00% 3,00% 1,00% -1,00% -3,00% -5,00% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 (p)

15,00% 13,00% 11,00% 9,00% 7,00% 5,00% 3,00% 1,00% -1,00% -3,00% -5,00% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 (p) CB RICHARD ELLIS MrketView Residencil Lisbo e Porto Agosto 2011 SUMÁRIO Indicdores Geris Nº de Licencimentos Tx de Juro Vlor dos Imóveis Indicdores de Lisbo Vrição d Ofert Tendêncis A ctul crise d dívid

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau Registo inicil Actulizção de ddos Direcção dos Serviços d Reform Jurídic e do Direito Interncionl Questionário Bse de Ddos dos Recursos Humnos d Áre Jurídic d Administrção Públic d Região Administrtiv

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017

CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017 CONTRIBUIÇÃO SENAR 2017 26 Com o pgmento d contribuição SENAR 2017, o Serviço de Aprendizgem Rurl (SENAR) obtém recursos pr desenvolver ções de Formção Profissionl Rurl FPR e de Promoção Socil PS, por

Leia mais

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV

Oportunidade de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Oportunidde de Negócio: OFICINA DE CONVERSÃO - GNV Mio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestção de Serviço Conversão de motores utomotivos (GNV) DESCRIÇÃO: Oficin pr montgem de Kit

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS:

SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: ANO XLIV N.º 095 01/07/2014 SUMÁRIO ESTE BOLETIM DE SERVIÇO É CONSTITUÍDO DE 26 (VINTE E SEIS) PÁGINAS CONTENDO AS SEGUINTES MATÉRIAS: SEÇÃO I EXTRATO DE INSTRUMENTO CONVENIAL...02 SEÇÃO II PARTE 1: DESPACHOS

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Serviço de Pessoal e Recursos Humanos

SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Serviço de Pessoal e Recursos Humanos SERVIÇOS DE ACÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e

Leia mais

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná

ESMAFE/PR Escola da Magistratura Federal do Paraná ESMAFE/PR Escol d Mgistrtur Federl do Prná Curso Regulr Preprtório pr Crreir d Mgistrtur Federl com opção de Pós-Grdução ltu sensu em Direito Público em prceri com UniBrsil - Fculddes Integrds do Brsil

Leia mais

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL

GEORREFERENCIAMENTO DOS PONTOS DE OCUPAÇÃO URBANA DESORDENADA AO LONGO DO LITORAL SUL DE PERNAMBUCO-BRASIL II Congresso sobre Plnejmento e Gestão ds Zons Costeirs dos Píses de Expressão Portugues IX Congresso d Associção Brsileir de Estudos do Quternário II Congresso do Quternário dos Píses de Língu Ibérics

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS Mnul de GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Deprtmento/Gbinete Pág. 1/26 FICHA TÉCNICA TÍTULO Gui Prático Abono de fmíli pr crinçs e jovens

Leia mais

Memória da 41ª Reunião do Comitê Gestor de Capacitação CGCAP 25/5/2015

Memória da 41ª Reunião do Comitê Gestor de Capacitação CGCAP 25/5/2015 Memóri d 41ª Reunião do Comitê Gestor de Cpcitção CGCAP 25/5/2015 Às quinze hors e vinte minutos do di vinte e cinco de mio de dois mil e quinze, presentes André de Mrque, Helen Arujo, Erismr Noves, Crl

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS LICITAÇÕES HOMOLOGADAS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014

DEMONSTRATIVO DAS LICITAÇÕES HOMOLOGADAS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014 ESTDO D BHI PREFEITUR MUNICIPL DE QUIJINGUE PODER EXECUTIVO MUNICIPL COMISSÃO DE LICITÇÃO DEMONSTRTIVO DS LICITÇÕES HOMOLOGDS NO MÊS DE FEVEREIRO/2014 Órgão/Entidade: PREFEITUR MUNICIPL DE QUIJINGUE Exercício:

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

Indicadores de desempenho: Balanced Scorecard (BSC)

Indicadores de desempenho: Balanced Scorecard (BSC) lândi ersidde Federl de Uberlâ Indicdores de desempenho: Blnced Scorecrd (BSC) Prof. Vinícius Silv Pereir vinicius@fgen.ufu.br 1 Progrm lândi ersidde Federl de Uberlâ Estrtégi e Avlição de Desempenho Análise

Leia mais

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 1/2008/RC

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 1/2008/RC 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Quis os registos contbilísticos relizr pel Associção de Municípios que resultm d cobrnç d tx de gestão de resíduos e consequente entreg junto d Autoridde

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007

L E I Nº 6.969, DE 9 DE MAIO DE 2007 L E I Nº 6.969, DE 9 DE MIO DE 2007 Institui o Plno de rreirs, rgos e Remunerção dos Servidores do Poder Judiciário do Estdo do Prá e dá outrs providêncis. seguinte Lei: SSEMLÉI LEGISLTIV DO ESTDO DO PRÁ

Leia mais

Optimização da Afectação de Recursos à Produção de Serviços da CP Regional

Optimização da Afectação de Recursos à Produção de Serviços da CP Regional INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Deprtmento de Engenhri Mecânic ISEL v o o = M f A D(m) (L A ) (Lτ) T t Optimizção d Afectção de Recursos à Produção de Serviços d CP Regionl CARLOS MANUEL TELES

Leia mais

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3 PAULA et l. 133 ANÁLISE COMPARATIVA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DOS SEGMENTOS DE CALÇADOS E ALIMENTOS DIVERSOS Amnd de Pul 1 Myr Nkok 2 Adlberto Rmon Vlderrm Gerbsi 3 Isbel Cristin Gozer 4 PAULA,

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA AVISO N.º 05/ SI/ 2011 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO A metodologia de cálculo para selecção e hierarquização dos prs é baseada no indicador de Mérito do Pr

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

1. VISÃO GERAL 2. OBJETIVOS. Objetivos centrais:

1. VISÃO GERAL 2. OBJETIVOS. Objetivos centrais: Centro de Polítics Sociis Súde Ocupcionl e Segurnç no Trnsporte Rodoviário Sumário Executivo Junho de 2001 1. VISÃO GERAL O Centro de Polítics Sociis (CPS) d Fundção Getulio Vrgs relizou pr Fundcentro

Leia mais