Expatriados: Aspectos Imigratórios, Fiscais e Trabalhistas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expatriados: Aspectos Imigratórios, Fiscais e Trabalhistas"

Transcrição

1 Expatriados: Aspectos Imigratórios, Fiscais e Trabalhistas Apresentado por Ivan Tauil, Eduardo Telles, Cesar Cadena e Carolina Bottino Tauil & Chequer Advogados Associado a Mayer Brown LLP 12 de março de 2010 Mayer Brown is a global legal services organization comprising legal practices that are separate entities ("Mayer Brown Practices"). The Mayer Brown Practices are: Mayer Brown LLP, a limited liability partnership established in the United States; Mayer Brown International LLP, a limited liability partnership incorporated in England and Wales; and JSM, a Hong Kong partnership, and its associated entities in Asia. The Mayer Brown Practices are known as Mayer Brown JSM in Asia.

2 Agenda: Estrangeiros no Brasil: Aspectos Imigratórios; Aspectos Fiscais e Trabalhistas. Brasileiros no Exterior: Aspectos Trabalhistas. Obrigações Fiscais e Trabalhistas para Estrangeiros no Brasile Brasileiros no Exterior.

3 Et Estrangeiros no Brasil Aspectos Imigratórios Mayer Brown is a global legal services organization comprising legal practices that are separate entities ("Mayer Brown Practices"). The Mayer Brown Practices are: Mayer Brown LLP, a limited liability partnership established in the United States; Mayer Brown International LLP, a limited liability partnership incorporated in England and Wales; and JSM, a Hong Kong partnership, and its associated entities in Asia. The Mayer Brown Practices are known as Mayer Brown JSM in Asia.

4 A Contratação de Mão-de-obra Estrangeira. Autorização de trabalho a estrangeiros ato administrativo de competência da Coordenação Geral de Imigração do Ministério do Trabalho e Emprego, exigida pelas autoridades consulares brasileiras para a concessão de visto. Visto ato administrativo de competência do Ministério das Relações Exteriores que concede autorização (por meio de repartições consulares no exterior), registrada em passaporte, para ingresso e permanência no país, desdequesatisfeitas satisfeitas asexigências previstas nalegislação legislação.

5 A Contratação de Mão-de-obra Estrangeira. Lei de 19 de Agosto de 1980 Com alterações pelas leis: Lei de 09 de Dezembro de 1981 Lei de 10 de Julho de 1995 Lei de 18 de Dezembro de 2009 Estatuto do Estrangeiro; Define a situação jurídica do estrangeiro; Cria o Conselho Nacional de Imigração; Estabelece os tipos de vistos existentes. Decreto de 10 de Regulamenta a Lei 6.815/80 Dezembro de 1981

6 A Contratação de Mão-de-obra Estrangeira. Principais órgãos na concessão de autorização de trabalho / vistos: Ministério do Trabalho e Emprego: Coordenação Geral de Imigração critérios de análise para autorização de trabalho e fiscalização. Ministério da Justiça: Departamento de Estrangeiros prorrogações e transformações. Ministério i i das Relações Rl Exteriores: Et Divisão de Imigração concessão de vistos Consulados Brasileiros no exterior.

7 Considerações na Escolha do Visto. Antes da chamada do estrangeiro ao Brasil, a empresa deverá responder às seguintes questões: 1. Qual a atividade id d a ser exercida? 2. Qual o tempo mínimo de permanência? Diante das respostas às questões acima, a empresa deverá analisar qual o tipo de autorização / visto mais adequado ao caso, e requerer um daqueles estabelecidos na legislação. l

8 Visto Temporário com Contrato de Trabalho Local. Art. 13, item V, da Lei 6.815/80, RN 80/08 do CNIg, Resolução Administrativa n.º 74/07; Prazo até 2 anos (uma prorrogação ou transformação em permanente); Estrangeiro incluído na folha salarial da empresa brasileira vínculo sempre com a empresa brasileira que solicitou o visto; Impossibilidade de trabalhar para outras empresas; Contrato de trabalho por prazo determinado = não existe período de experiência; Residência fiscal a partir da data de ingresso;

9 Visto Temporário com Contrato de Trabalho Local. Dependentes proibidos de exercer atividade remunerada no Brasil; Empresa deve ter no mínimo dois empregados brasileiros para cada expatriado (art. 354, único CLT); A folha de salários brasileiros deve ser ao menos o dobro da folha de estrangeiros (art. 354, único CLT); Com a rescisão do contrato de trabalho, a empresa deverá solicitar ao MTE o cancelamento do visto. Rescisão antecipada e sem justa causa do contrato de trabalho por prazo determinado: indenização prevista no artigo 479 da CLT + verbas rescisórias.

10 Visto Temporário sem Vínculo Empregatício Local. Art. 13, item V, da Lei 6.815/80 e RN 61/04 do CNIg; Prazo até 1 ano (possibilidade de uma única prorrogação); Contrato de assistência técnica com cláusula de garantia possibilidade de mais prorrogações; Estrangeiro não é empregado da empresa brasileira; Verificar necessidade de registro do contrato no INPI; Residência fiscal a partir do 183º dia de permanência no país; Proibido utilizar esse visto para cargo de gerência meramente Proibido utilizar esse visto para cargo de gerência, meramente administrativo ou financeiro;

11 Visto Temporário sem Vínculo Empregatício Local. Plano detalhado de treinamento e número de técnicos brasileiros a serem treinados; Possibilidade de visto de urgência prazo de 90 dias (art. 6º RN 61 CNIg) improrrogável; Possibilidade de visto de emergência prazo de 30 dias (art. 7º RN 61 do CNIg) improrrogável; P di i i lifi d li i ã ã d i Procedimentos mais simplificados para solicitação e concessão dos vistos de urgência e emergência.

12 Visto Temporário de Negócios. Art. 13, item II da Lei 6.815/80; Destinado tão somente a estudos de mercado, prospecção de negócios, fechamento de contratos é concedido preferencialmente a empresários e representantes de empresas estrangeiras; Permanência de no máximo 90 dias, admitindo uma prorrogação.

13 Visto Permanente : Representantes Legais. Art. 16 e 18 da Lei 6.815/80 e RN 62/04 do CNIg; Concedido a diretores e gerentes indicados d no contrato t social/ il/ estatuto ttt social, com poderes de administração e aos administradores de sociedades empresária; Aplicável somente à empresas que possuem capital estrangeiro; Portador de visto temporário PROIBIDO de ser representante legal sob pena de deportação; Necessidade de comprovação de investimento igual ou superior a USD ,00 por dirigente estrangeiro (com a integralização do investimento) ou USD , por dirigente mais a geração de 10 novos empregos (também necessária a integralização do investimento);

14 Visto Permanente : Representantes Legais. Executivo estrangeiro deve ser transferido de empresa do grupo; Visto condicionado i d ao exercício íi de função e empresa para a qual foi solicitada a autorização de trabalho ao MTE, e pelo prazo de duração do contrato ou da indicação feita em ata/contrato = PROIBIÇÃO DE TRABALHO PARA OUTRAS EMPRESAS SEM A AUTORIZAÇÃO DO MTE E MJ; Visto é cancelado com a destituição do cargo; Dependentes podem trabalhar no Brasil; Residência fiscal na data do ingresso no Brasil.

15 Et Estrangeiros no Brasil Aspectos Fiscais e Trabalhistas Mayer Brown is a global legal services organization comprising legal practices that are separate entities ("Mayer Brown Practices"). The Mayer Brown Practices are: Mayer Brown LLP, a limited liability partnership established in the United States; Mayer Brown International LLP, a limited liability partnership incorporated in England and Wales; and JSM, a Hong Kong partnership, and its associated entities in Asia. The Mayer Brown Practices are known as Mayer Brown JSM in Asia.

16 Residência Fiscal. A função a ser exercida pelo estrangeiro no Brasil define o tipo de visto a ser aplicado, o qual, a seu turno, determinará a caracterização da residência fiscal: Visto Temporário V com contrato de trabalho Residente Fiscal desde a primeira entrada no Brasil com esse visto. Visto Temporário V sem contrato de trabalho Residente fiscal após 183 dias (consecutivos ou não) fisicamente presentes no Brasil, contados dentro de um período de 12 meses. meses. Visto Permanente Residente fiscal desde a primeira entrada no Brasil com esse visto.

17 Tributação de Rendimentos no Brasil. Bases Mundiais (totalidade da renda); Regime Caixa; Antecipações Mensais, Tributação Definitiva e Ajuste Anual; Patrimônio não é tributado; Ganho de Capital; Carnê leão; IR Fonte.

18 Tributação de Rendimentos no Brasil. Rendimentos recebidos de Pessoa Jurídica Local: IR Fonte; Responsável retenção e recolhimento é a pessoa jurídica pagadora dos rendimentos; Tabela progressiva ou tributação definitiva. Rendimentos auferidos no exterior ou de Pessoa Física: Carnê leão; Responsável pelo recolhimento é a pessoa física (expatriado) beneficiária dos rendimentos; Tabela progressiva.

19 Tributação de Rendimentos no Brasil. Residentes Não residentes Remuneração Local IR Fonte Tabela Progressiva IR Fonte 25% ou isento, quando previsto em tratado Aluguel no Brasil Carnê leão Tabela Progressiva 15% Rendimentos no Exterior Carnê leão Tabela Progressiva Isentos

20 Tabelas Progressivas. Tabela Mensal do Imposto de Renda Pessoa Física 2011 (ano calendário de 2010) Base de Cálculo Alíquota Parcela a Deduzir Até R$ 1.499,15 Isento Isento De R$ 1.499,16 a R$ 2.246,75 7,5% R$ 112,43 De R$ 2.246,76 a R$ 2.995,70 15% R$ 280,94 De R$ 2.995,71 a R$ 3.743,19 22,5% R$ 505,62 Acima de R$ 3.743,19 27,5% R$ 692,78 Tabela Anual do Imposto de Renda Pessoa Física 2011 (ano calendário de 2010) Base de Cálculo Alíquota Parcela a Deduzir Até R$ ,80 Isento Isento De R$ ,81 a R$ ,00 7,5% R$ 1.349,24 De R$ ,01 a R$ ,40 15% R$ 3.371,31 De R$ ,41 a R$ ,28 22,5% R$ 6.067,44 Acima de R$ ,28 27,5% R$ 8.313,35

21 Contrato de Trabalho Local. Além da caracterização da residência fiscal, o tipo de visto também é fundamental na determinação da necessidade de um contrato de trabalho local (no Brasil), ou não: Função Tipo de Visto Formalização da relação de Trabalho Técnico Técnico Empregado Diretor Empregado Temporário V sem contrato de trabalho Temporário V com contrato de trabalho Temporário V com contrato de trabalho ou Permanente Temporário V com contrato de trabalho ou Permanente Contrato de Prestação de Serviços entre a empresa Brasileira e a Estrangeira (assistência técnica, transferência de tecnologia ou cooperação técnica). Não existe vínculo trabalhista (CLT) entre a empresa local e o expatriado, não existe contrato de trabalho local. Contrato de Trabalho Local Contrato de Trabalho Local Contrato de Trabalho Local Diretor Nãoempregado contrato social, ou como diretor no estatuto Nomeação como representante legal da sociedade no Permanente social

22 Encargos Sociais Estimados. Função INSS (empresa) INSS (empregado) FGTS 13º Salário Férias Técnico (sem contrato) Não aplicável Técnico (com contrato) Empregado Diretor Empregado 26,8 a 28,8% sendo 20% + 5,8% (Sal.Educ., SENAI, SESI, INCRA e SEBRAE) + SAT (máx. 3% + FAP) Tabela INSS - limitado a R$ 375,82* por mês 8% Obrigatório 13º Salário = 8,33% (+ 4% de Férias = 11,12% provisão da multa por Total previdenciário = 40,80 rescisão) Previdenciário 13º e Férias = 7,93% (custo total mensal de 68,18%) Diretor Não- Empregado 20% sem limite sobre o valor do prólabore pago. Tbl Tabela INSS - limitado a R$ 683,31*, por mês (contribuinte individual) Não obrigatório * valor base máximo para 2010.

23 Remuneração Split Payroll. Método de pagamento de salário no qual o expatriado recebe parte da remuneração no Brasil e parte no exterior ( divisão de folha de pagamento ). Vantagens: Maior conforto para o expatriado ; Pode evitar burocracia de remessas de valores ao exterior. Pode gerar menor gasto com expatriados. Desvantagens : Questões previdenciárias, iá i trabalhistas t e fiscais i (encargos, IR, burocracias, etc.); O salário local deve ser compatível com o valor estipulado no contrato apresentado ao MTE; Equiparação salarial com empregados locais na mesma função.

24 Remuneração Split Payroll. Não existe disposição na legislação que proíba sua utilização; Artigo 3, único da Resolução Normativa CNIg n.º 74/07: Poderá d á ser concedida autorização de trabalho ao estrangeiro, empregado de empresa integrante do mesmo grupo econômico, quando a remuneração a lhe ser paga no Brasil e no exterior não for inferior à última remuneração que tenha recebido no exterior. Haja vista o silêncio da legislação, não existem regras ou métodos legais que determinem como deve ser feita a sua implementação por empresas sediadas no Brasil.

25 Remuneração Split Payroll. Modelos utilizados: Brasil FullCost os custos no exterior com o expatriado são reembolsados pela empresa brasileira à empresa no exterior através de contratos firmados entre as empresas, de forma específica ou abrangente, ou através de interposta pessoa no exterior. Actual Split Cost todas as despesas associadas ao expatriado são divididas entre a empresa brasileira (responsável pela remuneração paga no Brasil) e a empresa estrangeira (responsável pela parte da remuneração paga no exterior). Cada sociedade arca com as suas próprias despesas relativas ao expatriado que se encontra no Brasil.

26 Remuneração Split Payroll. Alternativa ao Split Payroll é o Direct wire transfer Permite o pagamento pg no exterior, mas a remuneração integral dos expatriados transita integralmente pela folha da empresa brasileira; Vantagem: Forma de evitar riscos trabalhistas e previdenciários; Desvantagem: Maiores custos, inclusive com encargos junto ao BACEN.

27 Remuneração Fringe Benefits. São benefícios indiretos concedidos aos expatriados, por meio de reembolso direto ou pagamento pg de despesas em favor dos mesmos. Exemplos: aluguel, condomínio, escola; etc. É considerada parte do salário do Expatriado. Responsabilidade do Pagamento e Tributação: Empresa Brasileira trânsito em folha de pagamento, com ou sem gross up (incidência de encargos trabalhistas e tributação no Brasil) e assunção do encargo (despesa); Empresa estrangeira carnê leão.

28 Brasileiros i no Exterior Aspectos Trabalhistas Mayer Brown is a global legal services organization comprising legal practices that are separate entities ("Mayer Brown Practices"). The Mayer Brown Practices are: Mayer Brown LLP, a limited liability partnership established in the United States; Mayer Brown International LLP, a limited liability partnership incorporated in England and Wales; and JSM, a Hong Kong partnership, and its associated entities in Asia. The Mayer Brown Practices are known as Mayer Brown JSM in Asia.

29 Estrutura da Transferência. Em 06 de julho de 2009 foi publicada no Diário Oficial da União a Lei n.º , de , contendo importante alteração do artigo 1º, da Lei n.º 7.064/1982, que dispõe sobre a situação de trabalhadores contratados ou transferidos para prestar serviços no exterior. Esta alteração serviu para dirimir dúvidas existentes no segmento e Esta alteração serviu para dirimir dúvidas existentes no segmento e estender as regras previstas na Lei n.º 7.064/1982 a todas as empresas(independente do ramo de atividade) que venham a contratar ou transferir trabalhadores para prestar serviços no exterior.

30 Estrutura da Transferência. Li Lei n.º 7.064/1982 permite a utilização das seguintes modalidades d de contratação de trabalhadores para prestar serviços no exterior: transferência para o exterior do trabalhador brasileiro; contratação direta do trabalhador brasileiro por empresa no exterior.

31 Estrutura da Transferência. Fica excluído do regime da Lei n.º 7.064/82 o empregado designado para prestar serviços de natureza transitória, por período não superior a 90 (noventa) dias, desde que: a) o trabalhador tenha ciência expressa dessa transitoriedade; e b) b lé d d d l dá d í d d b) receba, além da passagem de ida e volta, diárias durante o período de trabalho no exterior, as quais, seja qual for o respectivo valor, não terão natureza salarial.

32 Transferência para o Exterior do Trabalhador Brasileiro. Considera se transferido nos termos da Lei 7.064/82: Empregado removido para o exterior, cujo contrato estava sendo executado no território brasileiro; Empregado cedido à empresa sediada no exterior, para trabalhar no exterior, desde d que mantido o vínculo trabalhista; blh Empregado contratado por empresa sediada no Brasil para trabalhar a seu Empregado contratado por empresa sediada no Brasil para trabalhar a seu serviço no exterior.

33 Transferência para o Exterior do Trabalhador Brasileiro. Deve ser ajustada por escrito e estipulados em moeda nacional o salário e o adicional de transferência, podendo, contudo, a remuneração ser paga (no todo ou em parte) no exterior. Após 02 (dois) anos de permanência no exterior é facultado o gozo de férias no Brasil do trabalhador e seus dependentes, devidamente custeado pela empresa contratante. Obrigatoriedade de assistência médica e seguro de vida. O prazo máximo de permanência no exterior é de 03 (três) anos e as vantagens adicionais recebidas pelo trabalhador durante esse período não são incorporadas à sua remuneração. Impõe a legislação a manutenção do vínculo empregatício com a empresa brasileira, bem como a manutenção quanto ao pagamento das contribuições previdenciárias (segurado e empresa) e dos depósitos do FGTS. Retorno pode se dar por conveniência do empregador ou rescisão por justa causa. Aplicação da Legislação Brasileira de Proteção ao Trabalho.

34 Contratação Direta do Trabalhador Brasileiro por Empresa no Exterior. Condicionada à prévia autorização do Ministério do Trabalho e Emprego, e somente pode ser realizada por empresa de cujo capital participe pessoa jurídica domiciliada no Brasil (mínimo de 5%). A empresa estrangeira deverá assumir despesas de viagem de ida e retorno, inclusive dos familiares, e a permanência do trabalhador deverá ser inferior a 03 (três) anos. Contudo, caso o tempo de permanência seja ajustado por período superior a três anos, o empregado deverá ter assegurado gozo de férias anuais no Brasil custeado pela empresa contratante. Destaca se que a empresa brasileira é solidariamente responsável pelo cumprimento das obrigações da empresa estrangeira.

35 Obrigações Fiscais e Trabalhistas: Estrangeiros no Brasil e Brasileiros no Exterior Mayer Brown is a global legal services organization comprising legal practices that are separate entities ("Mayer Brown Practices"). The Mayer Brown Practices are: Mayer Brown LLP, a limited liability partnership established in the United States; Mayer Brown International LLP, a limited liability partnership incorporated in England and Wales; and JSM, a Hong Kong partnership, and its associated entities in Asia. The Mayer Brown Practices are known as Mayer Brown JSM in Asia.

36 Obrigações Fiscais. Obrigações Acessórias Inscrição no CPF Residentes Obrigatória Não-residentes Somente se possuírem bens, investimentos e quotas de empresas brasileiras Declaração de Ajuste Anual (IRPF) Obrigatória a apresentação (respeitadas as exigências da legislação) Isentos de apresentação Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior (CBE) Obrigatória a apresentação para as pessoas físicas que possuam bens no exterior que somem valor igual ou superior a USD ,00 Isentos de apresentação Comunicação de Saída Definitiva do País Obrigatória a apresentação quando pessoa física deixar o país em caráter temporário ou definitivo, a fim de cancelar a residência fiscal e a tributação no Brasil em bases mundiais Isentos de apresentação

37 Obrigações Trabalhistas. Estrangeiros admitidos como empregados no Brasil estão sujeitos ao mesmo tratamento legal dispensado aosempregados brasileiros. Exemplos: Registro Profissional (CTPS, Registro de Empregado, RAIS, etc.); Normas relativas à jornada de trabalho; Irredutibilidade Salarial / Equiparação Salarial; Aquisição i e concessão de Férias e 13º Slái Salário; Disposições relativas à segurança e medicina do trabalho; Procedimentos aplicáveis à rescisão contratual;

38 Obrigações Trabalhistas. Obrigatória a apresentação do número (protocolo) do RNE e CTPS para a admissão do estrangeiro como empregado. Empresas brasileiras com três ou mais empregados ao contratar estrangeiros deverão observar a limitação prevista em lei: manutenção da proporção de 2/3 de brasileiros no quadro de pessoal em relação ao número total de empregados e em relação à totalidade dos salários pagos.

39 Obrigado. Contatos através do telefone (21) ou e mails abaixo : Ivan Tauil E mail: Eduardo Telles E mail: Cesar Cadena E mail: Carolina Bottino E mail:

Expatriados CIESP -CAMPINAS

Expatriados CIESP -CAMPINAS Expatriados CIESP -CAMPINAS Aspectos Imigratórios Trabalhistas Aspectos imigratórios Segundo dados do MTE, a maioria dos expatriados são originários dos Estados Unidos. O Estado de São Paulo recebe o maior

Leia mais

Trabalhadores sem fronteiras

Trabalhadores sem fronteiras Trabalhadores sem fronteiras 28 KPMG Business Magazine Autores: Valter Shimidu e Adriana Soares, respectivamente diretor e gerente sênior da área de TAX; Patricia Quintas, sócia da área de International

Leia mais

Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais

Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais Trabalhadores a bordo de navios e plataformas Principais aspectos legais Navios e Plataformas Embarcação: Designação comum a toda construção destinada a navegar sobre água. (in Aurélio) Navio: Embarcação

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

Seminário Imigração de Mão de Obra. AMCHAM - 23 de agosto de 2013

Seminário Imigração de Mão de Obra. AMCHAM - 23 de agosto de 2013 Seminário Imigração de Mão de Obra AMCHAM - 23 de agosto de 2013 Introdução Expatriados: Quem são? Existência de dois regimes: (1) Transferência de Estrangeiro para o Brasil; e (2) Transferência de Brasileiro

Leia mais

Peculiaridades Legais envolvendo Profissionais Estrangeiros. Aspectos Legais Trabalhistas. Câmara Portuguesa 27 de maio de 2014

Peculiaridades Legais envolvendo Profissionais Estrangeiros. Aspectos Legais Trabalhistas. Câmara Portuguesa 27 de maio de 2014 Peculiaridades Legais envolvendo Profissionais Estrangeiros Aspectos Legais Trabalhistas Câmara Portuguesa 27 de maio de 2014 Introdução Expatriados: Quem são? Existência de dois regimes: (1) Transferência

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO ORGANOGRAMA GM / CGIg / CNIg GM Gabinete do Ministro CGIg Coordenação Geral de Imigração CNIg Conselho

Leia mais

Questões Trabalhistas

Questões Trabalhistas Questões Trabalhistas Vinda de Profissionais Estrangeiros para o Brasil Mauricio Tanabe Sócio, São Paulo 08 de Abril de 2015 Término do assignment - Deduções Offer letter prévia no país de origem: previsão

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 26/2015 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES Maria Carolina Matias Morales Toda a regulamentação existente em torno da contratação de mão de obra estrangeira para trabalho em

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CRC-CE CE GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC FORTALEZA-CE

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ANEXO V PLANILHA DE CUSTO E FORMAÇÃO DE PREÇO SERVENTE DE LIMPEZA MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL Dados complementares para composição dos custos referentes

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Expatriados. Como lidar com os aspectos fiscais. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci

Expatriados. Como lidar com os aspectos fiscais. Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci Expatriados Como lidar com os aspectos fiscais Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (CCIJB) Elisabeth Lewandowski Libertuci 1 Residência Fiscal 2 Caracterização de Residência Fiscal Art. 2

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006 / 2007

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2006 / 2007 2006 / 2007 O SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE AVIAÇÃO AGRÍCOLA SINDAG e o SINDICATO DOS TÉCNICOS AGRÍCOLAS DE NÍVEL MÉDIO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SINTARGS, firmam a presente CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF. Rubricas INSS FGTS IRRF

TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF. Rubricas INSS FGTS IRRF TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS Este procedimento trata das incidências de INSS, FGTS e IRRF sobre as verbas trabalhistas. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF Rubricas INSS FGTS IRRF 1 - Abono pecuniário de

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

VERITAE CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA E SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO APLICADA ÀS EMPRESAS

VERITAE CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA E SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO APLICADA ÀS EMPRESAS VERITAE Cursos/RJ/Maio/2013 CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA E SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO APLICADA ÀS EMPRESAS Aperfeiçoando Controles Internos e Gestão de Recursos Humanos para Eliminação

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais.

Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais. Atualização dos percentuais máximos para Encargos Sociais. 1. Introdução 1.1 Trata-se de atualização dos estudos relativos aos percentuais máximos de encargos sociais admissíveis nas contratações de serviços

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO (PPE)

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO (PPE) PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO (PPE) Recentemente (Medida Provisória nº 680/2015), foram divulgadas regras para adesão das empresas ao Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Segundo consta, o objetivo

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

O REGIME JURÍDICO DO PROFISSIONAL ESTRANGEIRO NO BRASIL 24/08/11

O REGIME JURÍDICO DO PROFISSIONAL ESTRANGEIRO NO BRASIL 24/08/11 O REGIME JURÍDICO DO PROFISSIONAL ESTRANGEIRO NO BRASIL 24/08/11 ASPECTOS REGULATÓRIOS Legislação aplicável Lei nº 6.815 de 19/08/1980 Decreto nº 86.715 de 10/12/1981 Resoluções Normativas do Conselho

Leia mais

VERITAE CURSO. Rio de Janeiro, RJ, Dias 19, 20 e 21 de Outubro de 2011 LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA APLICADA ÀS EMPRESAS

VERITAE CURSO. Rio de Janeiro, RJ, Dias 19, 20 e 21 de Outubro de 2011 LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA APLICADA ÀS EMPRESAS VERITAE Cursos/RJ/Outubro/2011 CURSO Rio de Janeiro, RJ, Dias 19, 20 e 21 de Outubro de 2011 LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA APLICADA ÀS EMPRESAS Inclui Módulo Específico: REP-Registro Eletrônico

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011.

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Requisitos 3 - Comprovação 4 - Parcelas 4.1 - Parcelas Adicionais

Leia mais

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL

esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL esocial: Integração no Ambiente Sped SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL NF-e Abrangência ECD esocial EFD EFD - IRPJ CT-e NFS-e E-Lalur FCont O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar

Leia mais

C A R T I L H A. final do Projeto de Lei nº 4330.

C A R T I L H A. final do Projeto de Lei nº 4330. C A R T I L H A Perguntas e Respostas sobre a redação final do Projeto de Lei nº 4330. Esta cartilha elaborada pelo Departamento Jurídico do Sindeprestem e pela Fenaserhtt tem o propósito de detalhar o

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE

EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE EXMO. JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DE José, nacionalidade, estado civil, profissão, RG, CPF, CTPS, PIS, residente e domiciliado na, vem, respeitosamente, perante V. Exa., por meio de seu advogado,

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Global Mobility Services - GMS

Global Mobility Services - GMS Global Mobility Services - GMS Grant Thornton Brasil Análise dos Aspectos Tributários no Processo de Expatriação CIESP Campinas 02/10/2014 Agenda 1. Aspectos gerais do processo de expatriação; 2. Aspectos

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE TRABALHO

AUTORIZAÇÃO DE TRABALHO INFORMAÇÕES SOBRE OBTENÇÃO DE VISTO BRASILEIRO Primeiramente, para que se possa ser compreendido os procedimentos e a política adotada pelo Governo Brasileiro no que concerne a situação jurídica do estrangeiro

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas. Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013

Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas. Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013 Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013 A CPFL Energias Renováveis S.A é a maior empresa de

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO Nº 467, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos relativos à concessão do Seguro-Desemprego. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

VERITAE CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA E SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO APLICADA ÀS EMPRESAS

VERITAE CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA E SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO APLICADA ÀS EMPRESAS VERITAE Cursos/RJ/Maio/2013 CURSO LEGISLAÇÃO TRABALHISTA, PREVIDENCIÁRIA E SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO APLICADA ÀS EMPRESAS Aperfeiçoando Controles Internos e Gestão de Recursos Humanos para Eliminação

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO)

COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) COMPOSIÇÃO DO CÁLCULO DA TAXA DE ENCARGOS SOCIAIS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES Inicialmente é necessário esclarecer que este estudo permite ser moldado às características de cada empresa,

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de aluguel e

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de aluguel e Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de e descontos concedidos no recebimento antecipado. 22/06/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 091/2015

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 091/2015 DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 223/2015-29/09/2015 BOLETIM 091/2015 Fixados os critérios sobre o recolhimento obrigatório do FGTS pelo empregador doméstico e divulgada a versão 2 do manual de recolhimento

Leia mais

PAT. Tudo. sobre o. Programa de Alimentação do Trabalhador. www.vb.com.br

PAT. Tudo. sobre o. Programa de Alimentação do Trabalhador. www.vb.com.br www.vb.com.br PAT Tudo sobre o Programa de Alimentação do Trabalhador Com a VB seu maior benefício é aumentar a produtividade da sua empresa. Especializada na comercialização e logística de benefícios,

Leia mais

Perguntas importantes: Que tipo de trabalho desempenhará para empresa brasileira? * Definição do tipo de visto e documentos necessários

Perguntas importantes: Que tipo de trabalho desempenhará para empresa brasileira? * Definição do tipo de visto e documentos necessários Mercado de Imigração no Brasil - Tipos de vistos e correta aplicação nas diversas modalidades de contratação de estrangeiros por empresas sediadas no Brasil. Maio 2015 Vou receber um estrangeiro em minha

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

SUMÁRIO. Travessa Francisco de Leonardo Truda, n 40 10 andar Centro Histórico Porto Alegre, RS CEP 90010-050 Fone/Fax: 3301-1600 www.garrastazu.com.

SUMÁRIO. Travessa Francisco de Leonardo Truda, n 40 10 andar Centro Histórico Porto Alegre, RS CEP 90010-050 Fone/Fax: 3301-1600 www.garrastazu.com. CONTRATO TEMPORÁRIO SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Condições do Contrato...3 3. Principais Direitos do Contrato Temporário...5 4. Vigência do Contrato...5 5. Rescisão...6 6. Principais Vantagens para a Empresa

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário)

Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Programa de Unificação do Crédito (Fazendário e Previdenciário) Projeto EFD Social Integra o Programa de Unificação do Crédito Previdenciário) PUC 1 (Fazendário e Iniciativa

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

Guia Prático de Registro e Tributação do Advogado

Guia Prático de Registro e Tributação do Advogado PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO NA OAB/MG A sociedade deve elaborar contrato atendendo à Lei 8.906/94 e ao Regulamento Geral do Estatuto da OAB, bem como ao Provimento do Conselho Federal 112/06, com as alterações

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS

Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS Gilson Fernando Ferreira de Menezes ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS NA CONCESSÃO DE SALÁRIOS INDIRETOS E BENEFÍCIOS Tributo Conceito Corresponde à toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 15 CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL A Seguridade Social é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, mediante recursos provenientes

Leia mais

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como:

VALE-TRANSPORTE. São beneficiários do vale-transporte os trabalhadores em geral, tais como: VALE-TRANSPORTE 1. Introdução O vale-transporte foi instituído pela Lei nº 7.418 de 16.12.85, regulamentada pelo Decreto nº 92.180/85, revogado pelo de nº 95.247, de 17.11.87, consiste em benefício que

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa NOTA INFORMATIVA n.º 01/2015 COORDENADORIA DE PROJETOS E PROGRAMAS INTERNACIONAIS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIFESP A da UNIFESP, por sua Coordenadoria de Projetos e Programas Internacionais,

Leia mais

Orientações gerais. Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE

Orientações gerais. Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Orientações gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Exercício 2016 Ano base 2015 Exercício É o ano de apresentação da declaração Ano-Base

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO. Item 1- Razão Social:. CNPJ:. Item 2 - Denominada simplesmente:. EMPRESA- Item 3 - Endereço: Fone: (45) Foz do Iguaçu Paraná

TERMO DE CONVÊNIO. Item 1- Razão Social:. CNPJ:. Item 2 - Denominada simplesmente:. EMPRESA- Item 3 - Endereço: Fone: (45) Foz do Iguaçu Paraná TERMO DE CONVÊNIO De um lado a GUARDA MIRIM DE FOZ DO IGUAÇU Entidade de direito privado, de fins educacionais e de assistência social, de utilidade pública sem fins lucrativos, com sede à Travessa Tadeu

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador:

Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador: 4.3 - CATEGORIA Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador: Cód. 01 Empregado; 02 Trabalhador avulso; Categoria 03 Trabalhador não vinculado ao RGPS, mas com direito ao FGTS;

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA REMUNERAÇÃO INDIRETA - TRATAMENTO TRIBUTÁRIO Introdução - Cômputo na Remuneração do Beneficiário

Leia mais

e-social Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013

e-social Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013 Divisão Trabalhista e Previdenciária Agosto de 2013 Conceito de EFD-Social O (EFD-Social) é um projeto do governo federal que visa a unificação das obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015 Neste bip Participação nos Lucros e Resultados... Rescisão Complementar... 1 DIRF 2015... 2 Novas Alterações Trabalhistas e Previdenciárias... 3 EFD ICMS-IPI... 4 Nova Tabela de INSS e Salário Família...

Leia mais

Em complemento às normas

Em complemento às normas A Nova Sistemática de Tributação dos Planos de Previdência Privada Luca Priolli Salvoni e Mário Shingaki Consultores Tributários do Levy & Salomão Advogados Em complemento às normas editadas no final do

Leia mais

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos

Leia mais