CAPES/MEC. Diretoria de Avaliação DAV COLETA DE DADOS Manual Simplificado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPES/MEC. Diretoria de Avaliação DAV COLETA DE DADOS 12.0. Manual Simplificado"

Transcrição

1 CAPES/MEC Diretoria de Avaliação DAV COLETA DE DADOS 12.0 Manual Simplificado Atualizado em Janeiro/2012

2 Fundação CAPES Presidente Jorge Almeida Guimarães Diretor de Programas e Bolsas no País Emídio Cantídio de Oliveira Filho Diretor de Gestão Fábio de Almeida Vaz Diretor de Avaliação Livio Amaral Coordenação de Gestão da Informação CGI/CGAP/DAV Cássia Cristina Donato Coordenadora Maria Goretti de Lacerda Maciel Coordenadora Substituta Tereza Lúcia Pereira Gonçalves Secretária Elenita Alves de Moura Francisco das Chagas Gonçalves Loiola Gerson de Sousa Filho Gustavo Leandro Tutida Kênia Jaqueline Gonzaga Livia Rejane Miguel Amaral Luis André de Carvalho Losi Lurde Bispo Paula Leite Cunha e Melo Sílvia Akemi Fujikura Telefones para contato: (61) / (61) / (61) (61) / (61) / (61) Endereço Postal Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV Coordenação de Gestão da Informação - CGI Setor Bancário Norte - Quadra 02 Bloco "L" Lote 06-6º Andar CEP: Brasília DF 2

3 ÍNDICE 1. DOCUMENTOS PROGRAMAS Dados do Programa Endereço Áreas de Concentração Financiadores CURSOS Dados Básicos Áreas de Concentração Áreas Afins CADASTRO CADASTRO DOCENTE Dados Pessoais Titulação Vínculo com a IES Atuação Acadêmica CADASTRO DISCENTE Dados Pessoais CADASTRO PARTICIPANTE EXTERNO Dados Pessoais Titulação PROPOSTA DO PROGRAMA LINHAS DE PESQUISA PROJETOS Identificação Equipe Financiamentos DISCIPLINAS TURMAS Dados Básicos Docentes TRABALHOS DE CONCLUSÃO PRODUÇÃO INTELECTUAL Identificação Detalhamento Contexto Vínculo FLUXO DISCENTE RELATÓRIOS RELATÓRIOS DE CONFERÊNCIA RELATÓRIOS DE CONSOLIDAÇÃO UTILITÁRIOS IMPORTAÇÃ O/EXPORTAÇÃO DE DADOS

4 3.1.1 Processo de importação Processo de exportação Importação do Cadastro de Discentes CÓPIA DE SEGURANÇA (BACKUP) VERIFICAÇÃO DE ERROS APROVEITAMENTO DE CURRÍCULO LATTES Instruções para inserir o ícone do aplicativo Coleta de Dados na área de trabalho...27 OBSERVAÇÕES GERAIS SOBRE O APLICATIVO COLETA DE DADOS 12.0 Sistema informatizado desenvolvido com o objetivo de coletar informações dos Programas de Pós-Graduação stricto sensu do país, para subsidiar a avaliação do Sistema Nacional de Pós-Graduação (SNPG). A coleta de dados objetiva, ainda, prover a CAPES de informações necessárias ao planejamento dos seus programas de fomento e delineamento de suas políticas institucionais. Utilizar, preferencialmente, o navegador Mozilla Firefox para acessar a página de instalação do aplicativo Coleta de Dados. O aplicativo Coleta de Dados depende do Software Máquina Virtual Java (JRE) versão 1.6 ou superior. Caso haja algum problema na instalação do Software Máquina Virtual Java (JRE), que normalmente ocorre de forma automática, solicite auxílio ao suporte técnico de sua Instituição.. O aplicativo Coleta de Dados foi testado, única e exclusivamente, em ambiente operacional Windows XP. O uso do aplicativo em outros ambientes, tais como Windows Vista, Windows 7 ou sistemas baseados em Linux, não é recomendado Apenas Programas de Pós-Graduação recomendados pela CAPES podem preencher o Coleta de Dados. O aplicativo é fornecido somente em modo monousuário. Ou seja, somente um usuário por vez poderá alterar os dados de um determinado Programa de Pós- Graduação. ATENÇÃO! Desde a versão 9.0 do aplicativo Coleta de Dados não é mais necessário que a CAPES disponibilize arquivo específico para preenchimento das informações no 4

5 ano base. Apenas programas novos ou que tiveram dados básicos alterados necessitam baixar arquivos específicos para iniciar o preenchimento do relatório. O próprio usuário, a partir do arquivo enviado no ano anterior, poderá rodar a rotina para iniciar preenchimento do ano base clicando em Utilitários, item Iniciar Preenchimento do Próximo Ano. Concluída a ação, utilizar a ferramenta Muda Ano Base. 1. DOCUMENTOS 1.1 PROGRAMAS Consulta aos dados básicos do Programa, sendo que os campos Programa e Área Básica são alterados apenas pela CAPES, em caso de inconsistências. Registro e alteração de informações gerais e comuns aos cursos do Programa. Composto por quatro fichas: Dados do Programa; Endereço; Áreas de Concentração; Financiadores Dados do Programa Dados que constam na base de dados da CAPES, como código e nome do Programa e sua área básica, não podem ser alterados no aplicativo. Em caso de inconsistências, solicitar a CAPES correção do arquivo específico para coleta de dados do Programa. Regime Letivo: divisão do ano acadêmico em períodos letivos. Anual - um período letivo anual - (1º) Bimestral - seis períodos letivos anuais - (1º, 2º, 3º, 4º, 5º e 6º) Quadrimestral - três períodos letivos anuais - (1º, 2º e 3º) Semestral - dois períodos letivos anuais - (1º e 2º) Trimestral - quatro períodos letivos anuais - (1º, 2º, 3º e 4º) Recomenda-se que o preenchimento do regime letivo seja feito antes do preenchimento do documento Turmas. ATENÇÃO! Parte das informações inseridas no documento Turmas pode ser perdida, se houver necessidade de alterações no Regime Letivo posterior a essa inserção. 5

6 1.1.2 Endereço A informação nesse campo deve ser a mais completa possível. Atualizar sempre que necessário. Os dados solicitados são referentes ao Programa. Evitar endereços postais e eletrônicos pessoais. Os dados do telefone devem incluir DDD Áreas de Concentração Exibe o conjunto das áreas de concentração cadastradas pelo Programa. Podem receber alterações, inclusões e exclusões. Definir a especificação do conjunto de áreas de concentração antes de iniciar o registro de dados nos demais documentos. ATENÇÃO! Alterações registradas no Coleta, relativas às áreas de concentração do Programa, geralmente são originárias de mudanças na proposta ou concepção de curso originalmente aprovada pela CAPES. Dessa forma, embora os princípios constitucionais de autonomia universitária permitam tais mudanças, recomenda-se que, antes de implementá-las, o Programa utilize os canais de interlocução com as Comissões de Área, por intermédio da CGAA (Coordenação-Geral de Avaliação e Acompanhamento para garantir que a nova proposta/estrutura/concepção dos Cursos ou Programa não afete negativamente a sua avaliação Financiadores As entidades que efetivamente desempenharam o papel de financiador e estejam referidas em algum outro documento da aplicação precisam ser previamente cadastradas neste documento. O aplicativo já disponibiliza alguns financiadores previamente cadastrados, os quais não são habilitados para qualquer tipo de alteração ou exclusão. O fato de o Financiador estar listado nesse cadastro, não significa que ele financiou o Programa no ano base, apenas possibilita que tais entidades sejam indicadas como financiadoras de atividades específicas do Programa, 6

7 tais como Trabalho de Conclusão de alunos ou Projeto de Pesquisa, nos respectivos cadastros. ATENÇÃO! O cadastro de financiadores do ano anterior será disponibilizado para o preenchimento do ano base. É opção do Programa de Pós-Graduação excluir, ou não, o registro de financiadores que não tenham contribuído materialmente com o Programa a cada ano. 1.2 CURSOS Registro, consulta e alteração de informações e requisitos gerais dos cursos. Composto por três fichas: Dados Básicos; Áreas de Concentração; Áreas Afins. ATENÇÃO! O conteúdo dos campos constantes nas fichas refere-se ao curso selecionado na aplicação, conforme cursor. São exibidas (ou devem ser fornecidas) informações exclusivamente pertinentes ao curso selecionado Dados Básicos Os dados exibidos estarão de acordo com o curso selecionado. Campo Coordenador: obrigatório; para cada curso deverá ser cadastrado um coordenador. Utilizar o botão coordenador para seleção do docente previamente cadastrado, que coordenou cada um dos níveis do curso. Campo Créditos para Titulação: Disciplinas/Trabalho de Conclusão/Outros informar o número mínimo de créditos exigidos nesses quesitos para titulação dos discentes. Campo Equivalência Horas Aulas/Créditos: quantidade de horas aula equivalente a 1 (um) crédito Áreas de Concentração Esta ficha destina-se à associação das áreas de concentração aos cursos, dentre aquelas pertencentes ao Programa. Há uma ficha para cada curso (Mestrado Acadêmico, Doutorado ou Mestrado Profissional). 7

8 ATENÇÃO! Para alterar a situação da Área de Concentração de Associada ao Curso para Não Associada ao Curso, é necessário que não haja disciplinas vinculadas a essa Área Áreas Afins São cadastradas por curso. Por meio do botão Selecionar Áreas Afins, temse acesso à Tabela de Áreas do Conhecimento. Essa tabela também está disponível para consulta no sítio da CAPES: 1.3 CADASTRO Registro de informações sobre as pessoas referenciadas no aplicativo durante o ano base. Em função da natureza de sua atividade e vínculo institucional, as pessoas que atuam no Programa podem ser classificadas como: Docentes, Discentes ou Participantes Externos. Ao ser aberta uma janela de cadastro aparecerá a Barra de Ferramentas com os seguintes botões: NOVO REGISTRO Abre campo para inserção de novo cadastro. EXCLUIR REGISTRO Exclui as informações cadastradas. SALVAR ALTERAÇÕES Salva as informações cadastradas. BUSCA REFERÊNCIAS Essa função identifica todas as referências a uma pessoa cadastrada, ou seja, informa onde a pessoa foi citada dentre os documentos da base de dados. ATENÇÃO! O botão Busca Referências pode ser utilizado quando for necessário excluir uma pessoa do cadastro de pessoal, já que devem ser desfeitas todas as suas referências, antes que o registro seja apagado da base. TROCAR CATEGORIA Essa função presta-se à alteração da categoria de uma pessoa já cadastrada na aplicação. Pode ser utilizada para correção de 8

9 cadastramento inapropriado ou alteração de cadastramento feito no ano base anterior, em virtude de nova situação no ano base corrente. ATENÇÃO! Na troca de categoria são perdidos os dados que constam nas fichas da categoria original, caso esses não sejam requeridos pela nova categoria. Por exemplo, ao se alterar um cadastro da categoria Docente para Participante Externo, são definitivamente perdidos os dados adicionais que lhes são específicos. Se houver necessidade de retorno da pessoa à categoria Docente os dados devem ser redigitados. Procedimento para a Troca de Categoria 1. A mudança de categoria pode ser feita para qualquer cadastro. 2. Abrir o documento da categoria onde consta o registro e selecionar os dados cadastrais de interesse. 3. Acionar a função Troca de Categoria, selecionar a categoria desejada e confirmar. 4. A tela de cadastro da nova categoria será exibida com os dados da pessoa. 5. Incluir os dados cadastrais obrigatórios na nova categoria. 6. Para conclusão da troca de categoria, acionar botão Salvar Alterações CADASTRO DOCENTE Devem ser cadastrados todos aqueles docentes que atuam de forma contínua ou sistemática no Programa, ainda que, eventualmente, não possuam atividades naquele ano base. (Ver Portaria nº 02, de 04 de Janeiro de 2012.) Composto por quatro fichas: Dados Pessoais; Titulação; Vínculo; Atuação Acadêmica Dados Pessoais Nesta ficha são coletadas informações pessoais que identificam a pessoa cadastrada na base de dados da CAPES. Como documento é exigido o número do CPF caso o docente, independente da sua nacionalidade, seja da categoria Permanente ou Colaborador. Para a categoria Docente Visitante, no caso de docentes estrangeiros que não tenham CPF, a recomendação é que sejam informados o número do passaporte e o país emissor. No caso de docente Visitante, se as informações sobre a documentação da pessoa não estiverem disponíveis no momento do preenchimento, o sistema irá gerar um código padrão que será utilizado em todas as referências à mesma pessoa no ano base. 9

10 ATENÇÃO! O registro do CPF ou de outro identificador deve ser tratado com o máximo de atenção e cuidado, pois a ele são associados todos os dados referentes às autorias e outras atividades pessoais, quando da incorporação e tratamento desse registro na base de dados da CAPES. O campo Egresso deve ser marcado se o docente houver se titulado no Programa, independente do nível Titulação Deve ser informada a titulação de nível mais elevado, dentre as opções: Graduação, Mestrado, Doutorado e Notório Saber Vínculo com a IES Relação formal do docente com a IES. Caso o docente continue na IES no final do ano base, deverá ser registrado dezembro (Dez) no campo Mês Fim. Existem quatro opções para o vínculo do docente com a IES, sendo: a. Servidor Público/CLT: vínculo empregatício ativo. b. Bolsa de Fixação: Docente recém-doutor que recebe bolsa. Não possui outro vínculo formal com a IES. c. Aposentado: Docente com atuação sistemática na IES da qual é aposentado. ATENÇÃO! A carga horária do aposentado deve ser a que mais se aproxima do tempo dispensado com as atividades desenvolvidas na IES. d. Colaborador: Docente com atuação na IES da qual não seja servidor público ativo ou celetista. Campo Carga Horária: Número de horas semanais de trabalho, estabelecido no vínculo contratual do docente com a IES. Campo Categoria do Docente neste Programa: Escolher entre as categorias Permanente, Colaborador ou Visitante. (Ver Portaria nº 02, de 04 de Janeiro de 2012) 10

11 Atuação Acadêmica Refere-se à atuação do docente no Programa. As informações da participação do docente nos cursos de Graduação são apenas quantitativas. Esses cursos devem ser da IES à qual pertence o Programa. Aqui prevalece a intenção de não atribuir uma conotação censitária ao Coleta, já que seus objetivos restringem-se principalmente aos Programas de Pós-Graduação. O campo Carga Horária Anual na Graduação registra a carga horária total das turmas ministradas no ano base. Aceita a inclusão de até quatro caracteres. No quadro referente ao Número de Orientações (Em 31 de Dezembro): Os campos Mestrado Acadêmico, Mestrado Profissional e Doutorado serão preenchidos automaticamente pelo registro dos dados referentes aos orientadores no Cadastro Discente. Os campos Tutoria, Monografia em Graduação e Iniciação Científica devem ser preenchidos pelo usuário CADASTRO DISCENTE Devem ser registrados todos os membros do corpo discente do Programa de Pós- Graduação que estejam nele matriculados. Os discentes matriculados em Programas Minter/Dinter são considerados alunos regularmente matriculados no Programa de Pós-Graduação da Instituição promotora. Sendo assim devem ser registrados nesse cadastro. ATENÇÃO! Os discentes de cursos de Graduação da IES devem ser registrados no Cadastro Discente apenas se tiverem citação nominal em algum outro documento do Coleta, ou seja, se vinculados ao Programa em relação a autorias, coautorias, projetos, entre outros. ATENÇÃO! Discentes de Graduação de outra IES devem ser registrados no Cadastro Participante Externo. Os discentes que se titularam, abandonaram ou foram desligados do Programa e estão vinculados a projetos de pesquisa em andamento, serão enviados pelo sistema, no próximo ano base, para o cadastro de participante externo. 11

12 Os discentes que se titularam, abandonaram ou foram desligados do Programa, mas não se encontram vinculados a projetos de pesquisa em andamento, não constarão do cadastro de participante externo, mas poderão ser aproveitados através do botão Aproveitamento do Ano Anterior no cadastro de Participante Externo Dados Pessoais Nesta ficha são coletadas informações que identificam a pessoa cadastrada na base de dados da CAPES. Como documento, é facultada a escolha entre CPF (para brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil) e Outro (para estrangeiros que não tenham CPF). Para estrangeiros, a recomendação é que sejam informados o número do passaporte e o país emissor. Se as informações sobre a documentação do estrangeiro não estiverem disponíveis no momento do preenchimento, o sistema irá gerar um código padrão que será utilizado em todas as referências à mesma pessoa no ano base. ATENÇÃO! O registro do CPF ou de outro identificador deve ser tratado com o máximo de atenção e cuidado, pois a ele são associados todos os dados referentes às autorias e outras atividades pessoais, quando da incorporação e tratamento desse registro na base de dados da CAPES. Data da matrícula: Devem ser informados o mês e ano de início das atividades para o discente da Pós-Graduação. Para o discente da Graduação deve ser informada a data de matrícula no curso de Graduação. Financiador: está habilitado para a indicação de bolsa de alunos da Graduação e da Pós-Graduação. O preenchimento deste campo refere-se ao financiador no final do ano base. Status do Discente: situação do discente no Programa, referente ao ano base corrente. É composto pelas seguintes opções: a. Abandonou: aluno da Pós-Graduação que abandonou o Programa, por iniciativa própria; 12

13 b. Desligado: aluno da Pós-Graduação que foi formalmente desligado pelo Programa; ATENÇÃO! O status deve conter a data referente ao abandono do curso pelo discente. c. Matriculado: aluno da Pós-Graduação formalmente vinculado a um dos cursos do Programa; ou aluno da Graduação que tenha menção nominal em outros documentos da aplicação; ATENÇÃO! O Status do discente da Graduação será sempre matriculado, tendo em vista que não há tratamento posterior no Coleta de Dados para o referido discente - Campo desabilitado. d. Mudança de nível com defesa de dissertação: aluno que defendeu trabalho de conclusão de mestrado e ingressou no doutorado no mesmo ano base. ATENÇÃO! Deverá ser cadastrado o respectivo trabalho de conclusão. e. Mudança de nível sem defesa de dissertação: aluno que mudou de nível de mestrado para doutorado automaticamente, sem defesa de dissertação; ATENÇÃO! Neste caso NÃO deverá ser cadastrado o respectivo trabalho de conclusão. f. Titulado: aluno do Programa de Pós-Graduação que defendeu trabalho de conclusão no ano base. ATENÇÃO! Deverá ser cadastrado o respectivo trabalho de conclusão CADASTRO PARTICIPANTE EXTERNO Devem ser registrados neste cadastro apenas aqueles que tenham citação nominal em outros documentos da aplicação como participação em bancas examinadoras, autores, co-autores, e que não estejam incluídos nas categorias de discentes ou docentes. 13

14 Caso seja necessário o aproveitamento do participante externo em outra categoria o usuário deverá utilizar o botão Troca de Categoria. Composto por duas fichas: Dados Pessoais; Titulação Dados Pessoais Nesta ficha são coletadas informações que identificam a pessoa cadastrada na base de dados da CAPES. Como documento, é facultada a escolha entre o número do CPF (para brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil) e Outro (para estrangeiros que não tenham CPF). Para estrangeiros, a recomendação é que sejam informados o número do passaporte e o país emissor. Se as informações sobre a documentação do estrangeiro não estiverem disponíveis no momento do preenchimento, o sistema irá gerar um código padrão que será utilizado em todas as referências à mesma pessoa, no ano base. ATENÇÃO! O registro do CPF ou de outro identificador deve ser tratado com o máximo de atenção e cuidado, pois a ele são associados todos os dados referentes às autorias e outras atividades pessoais, quando da incorporação e tratamento desse registro na base de dados da CAPES. Caso o participante externo tenha sido aluno do Programa sua condição de Egresso pode ser indicada no check box. O campo origem refere-se à IES à qual o participante externo esteja vinculado Titulação Deve ser informada a titulação mais elevada, entre as opções: Graduação, Mestrado, Doutorado e Notório Saber, e o ano de obtenção desta titulação. Área de Conhecimento da titulação do participante externo. O campo instituição refere-se à IES onde o participante externo se titulou. 1.4 PROPOSTA DO PROGRAMA Registrar a concepção acadêmica do Programa, bem como críticas e sugestões referente ao aplicativo e ao processo de avaliação. 14

15 Este documento é composto por 12 fichas, sendo elas: 1. Objetivos; 2. Integração com a Graduação; 3. Infraestrutura; 4. Atividades Complementares; 5. Trabalhos em Preparação; 6. Intercâmbios Institucionais; 7. Auto avaliação; 8. Ensino à Distância; 9. Outras Informações; 10. Críticas e Sugestões; 11. Produções mais Relevantes; 12. Solidariedade, Nucleação e Visibilidade. Os textos de cada uma das fichas, constantes da base de dados do ano anterior, estão disponíveis para reaproveitamento e atualização no ano base corrente, acionando a função Aproveitamento do Ano Anterior. ATENÇÃO! O documento Proposta do Programa aceita a inserção de aproximadamente caracteres, em cada ficha do documento. Nas fichas que possuem mais de um campo, deverão ser divididos caracteres pela quantidade de campos. 1.5 LINHAS DE PESQUISA Registro, consulta e alteração de informações gerais sobre as linhas de pesquisa vigentes no ano base. A Linha de Pesquisa Projeto Isolado não poderá ser excluída. Composto por duas fichas: Identificação; Projeto. ATENÇÃO! O campo Descrição da Linha de Pesquisa aceita a inserção de 250 caracteres. A ficha Projetos será atualizada automaticamente ao serem preenchidos os campos do documento Projetos. 15

16 1.6 PROJETOS Registro, consulta e alteração de informações gerais sobre os projetos do Programa, desenvolvidos ou em desenvolvimento no ano base da Coleta de Dados. Pode ser vinculado a uma linha de pesquisa, enquadrar-se em uma das áreas de concentração do Programa, ou pode ser um empreendimento independente destas. O projeto sem vínculo com qualquer uma das linhas de pesquisa do Programa pode ser associado a uma linha de pesquisa virtual, denominada Projeto Isolado. Essa linha de pesquisa é previamente cadastrada pelo sistema e não poderá ser excluída. Cada um dos projetos de pesquisa do Programa pode ou não ser relacionado com uma das áreas de concentração do Programa. Devem ser cadastrados apenas os projetos de pesquisa dos docentes. Os projetos de teses e dissertações dos alunos deverão ser lançados em Trabalhos de Conclusão, quando finalizados. Composto por três fichas: Identificação; Equipe; Financiamentos Identificação Cadastramento de novo projeto ou consulta e alteração de dados do projeto indicado. O campo Alunos Envolvidos buscará, automaticamente, a quantidade de discentes cadastrados na equipe do projeto, referentes à Graduação, Mestrado Acadêmico, Doutorado, Mestrado Profissional. O campo alunos envolvidos de Especialização continuará liberado para preenchimento quantitativo, tendo em vista que o aplicativo não possui cadastro de discentes da especialização. ATENÇÃO! Se o projeto possui trabalhos no prelo (trabalhos a serem publicados), pode ser entendido que ainda não foi totalmente concluído. Mantendo o projeto em andamento, poder-se-á vincular o trabalho publicado, no ano seguinte, sem necessidade de reinserir um projeto concluído para vinculá-lo à publicação. No documento Projetos, no campo Descrição, o número limite de caracteres é de aproximadamente

17 1.6.2 Equipe Todos os membros da equipe devem ser registrados nessa ficha Financiamentos Presta-se à associação das entidades financiadoras do projeto. ATENÇÃO! Estas entidades são cadastradas na aplicação, mediante a ficha Financiadores, do documento Programas. Sugere-se que sejam informadas as entidades que contribuíram no ano base com bolsas de estudo, bolsas de pesquisa ou outras formas de remuneração aos docentes e alunos, e aquelas cujo apoio financeiro tenha sido relevante para o desenvolvimento dos projetos de pesquisa. 1.7 DISCIPLINAS Registro, consulta e alteração de dados das disciplinas que compõem a estrutura curricular dos cursos do Programa. ATENÇÃO! Todas as disciplinas que fazem parte da grade curricular do Programa deverão ser relacionadas neste documento, mesmo que não tenham sido ministradas no ano base. Antes de operar o documento Disciplinas, recomenda-se ao usuário completar os dados do documento Cursos. Composto por três fichas: a. Dados da Disciplina: Serve para cadastramento das disciplinas dos cursos do Programa. b. Áreas de Concentração: Informa quais as disciplinas obrigatórias e não obrigatórias para cada área de concentração. c. Ementa / Bibliografia: Serve para registro de um resumo da ementa da disciplina e da bibliografia básica ou recomendada para a disciplina. O sistema aceita inserção de disciplinas com crédito 0 (zero), desde o ano base

18 1.8 TURMAS Para cada uma das vezes em que uma disciplina é ministrada no ano base, deverá ser cadastrada uma Turma. Vários docentes podem compartilhar turmas de uma disciplina. Dentre as disciplinas cadastradas na base de dados do Programa, são consideradas como efetivamente ministradas no ano base aquelas para as quais há registro de pelo menos uma turma. ATENÇÃO! Neste documento são cadastradas apenas as turmas ministradas no ano base. A caracterização de uma turma requer a indicação do período em que foi oferecida e dos docentes que a ministraram. Composto por duas fichas: Dados Básicos; Docentes Dados Básicos No item Período são apresentadas opções de acordo com o preenchimento do Regime Letivo no Documento Programas. ATENÇÃO! O número de períodos nesse documento não poderá ser alterado. Esta alteração deverá ser feita no Documento Programas, Ficha Dados do Programa, Campo Regime Letivo Docentes Devem ser registrados como docentes da turma todos aqueles que a ministraram. A aplicação requer o registro da fração da carga horária da disciplina, correspondente à participação de cada docente. Nos casos em que mais de um docente tem participação percentual integral, devem ser registradas turmas distintas. Todos os docentes de cada turma devem estar registrados na base de dados, através do documento Cadastros. 1.9 TRABALHOS DE CONCLUSÃO Destina-se ao registro dos Trabalhos de Conclusão defendidos e aprovados nos cursos de mestrado acadêmico, doutorado ou mestrado profissional do Programa, durante o ano base. 18

19 Além de dados cadastrais e de catalogação bibliográfica, é requerido um conjunto de informações complementares, cujo objetivo é relacionar os trabalhos de conclusão às linhas de pesquisas, projetos, orientadores do Programa, financiadores e a intenção de trabalho futuro dos titulados. Trabalhos de Conclusão não devem ser cadastrados como projetos dos respectivos orientadores. Antes de operar o documento Trabalhos de Conclusão, recomenda-se ao usuário completar os dados dos documentos Cursos, Linhas de Pesquisa e Projetos, bem como registrar, no Documento Cadastro, todas as pessoas a terem referência nominal no novo documento. O Documento Trabalhos de Conclusão é composto por nove fichas: 1. Identificação 2. Referência Bibliográfica 3. Resumo 4. Orientadores 5. Financiadores 6. Banca Examinadora 7. Atividade Futura 8. Contato 9. Áreas de Conhecimento 1.10 PRODUÇÃO INTELECTUAL Registro da Produção Bibliográfica, Técnica e Artística realizada no Programa. Além de dados cadastrais e de catalogação, são requeridas informações adicionais, com o objetivo de relacionar a produção intelectual às linhas de pesquisa e projetos, bem como registrar seu vínculo com os trabalhos de conclusão realizados no Programa. Devem ser registrados apenas trabalhos ou atividades efetivamente concluídos. No caso da produção bibliográfica, registrar exclusivamente os trabalhos publicados. Não devem ser registrados trabalhos apenas submetidos à publicação, mesmo que aceitos ou com atividades ainda em andamento. Composto pelas fichas: Identificação; Detalhamento; Contexto; Vínculo. 19

20 Identificação São registrados os dados comuns a qualquer natureza ou tipo de produção intelectual: o nome dos autores e o título da produção Detalhamento Para cada tipo de produção, há um conjunto específico de campos de detalhamento. Os campos de detalhamento da produção intelectual são apresentados no Capítulo Tabelas do Manual do Usuário Coleta de Dados Para facilitar o registro de artigos publicados em periódicos e anais especializados, a aplicação traz uma relação dos títulos dos veículos devidamente padronizados, sendo composta atualmente por títulos de periódicos e de eventos. ATENÇÃO! Apenas títulos inexistentes na Tabela Coleta devem ser digitados. Esses títulos servirão de base para o Qualis e se cadastrados de forma inconsistente poderão NÃO ser classificados no processo de qualificação da produção do Programa. ATENÇÃO! Não confundir o título do artigo com o título do periódico. O Programa pode ter até 2% de publicações em periódicos cadastradas sem ISSN. Caso esse percentual ultrapasse, haverá alerta de erro durante a verificação. Informando cidade e editora, esse percentual poderá ser de até 10%. Não é necessário digitar todo o nome do periódico ou evento para buscá-lo. Digitando os primeiros caracteres do título o sistema fará uma busca e apresentará as opções similares Contexto São registrados os dados comuns a qualquer natureza e tipo de produção intelectual. A produção deve ser contextualizada em relação às linhas e projetos de pesquisa e às suas áreas de concentração. Devem ser registradas as áreas de conhecimento nas quais a produção se insere. 20

21 No documento Produção Intelectual, Ficha contexto, ao colocar o cursor sobre o nome do projeto, esse poderá ser visualizado de forma completa dentro de um tooltip. A seleção das áreas de conhecimento é feita sobre a Tabela de Áreas do Conhecimento, utilizada pela CAPES e por várias Agências de Fomento. Essa tabela também está disponível para consulta no sítio da CAPES: Vínculo Registro da relação da produção com trabalhos de conclusão. Esses podem ser de Programas e/ou Instituições diferentes daquela a qual pertence a produção. A caracterização do vínculo exige que um dos autores da produção seja autor ou orientador do Trabalho de Conclusão. O vínculo pode ocorrer com Trabalho de Conclusão concluído ou em andamento FLUXO DISCENTE Destina-se à visualização das informações relativas ao corpo discente dos Cursos do Programa. O fluxo de alunos é representado pela diferença entre entrada e saída de alunos durante o ano base, considerados os novos e antigos, o número de titulações, a evasão e a mudança de nível do mestrado para o doutorado. Os dados exibidos nesse documento são inferidos do documento cadastro Discente e do documento Trabalhos de Conclusão. Portanto, qualquer inconsistência no fluxo deve ser verificada nesses documentos. ATENÇÃO! Possíveis causas de inconsistência no Fluxo Discente: Aluno, no cadastro Discente, com status de Titulado ou Mudança de nível com defesa sem trabalho de conclusão cadastrado. Trabalho de conclusão do discente lançado sem alteração do status para titulado ou mudança de nível com defesa. Aluno, no cadastro Discente, com status Mudança de nível sem defesa, mas que possui trabalho de conclusão cadastrado. 21

COLETA DE DADOS 12. 0

COLETA DE DADOS 12. 0 CAPES/ M E C Diretoria de Avaliação D A V COLETA DE DADOS 12. 0 Manual Simplificado Atualizado em J a n e i r o / 2 0 11 Fundação CAPES President e Jorge Almeida Guimarães Diretor de Programas e Bolsas

Leia mais

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 1 APRESENTAÇÃO...2 2 INSTALAÇÃO...2 3 IMPORTAÇÃO DO ARQUIVO ESPECÍFICO...3 4 IMPORTAÇÃO DE DADOS DO CADASTRO DE DISCENTES...4 5 PREENCHIMENTO

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Índice Página PROGRAMAS ACADÊMICOS E PROFISSIONAIS OFERECIDOS POR UM MESMO DEPARTAMENTO...2 PROPOSTA DE PROGRAMA...2 COMO COPIAR E COLAR...2 CADASTRO DOCENTE...2 ATIVIDADE DOCENTE...2

Leia mais

Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG

Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG O Sistema de Acadêmico

Leia mais

Guia de Referência Pós-Graduação

Guia de Referência Pós-Graduação Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC MÓDULO EDUCAÇÃO Guia de Referência Pós-Graduação Belém, 2009 APRESENTAÇÃO O Sistema de

Leia mais

ÍNDICE 1. CADASTRO DE BOLSAS... 2

ÍNDICE 1. CADASTRO DE BOLSAS... 2 ÍNDICE 1. CADASTRO DE BOLSAS... 2 1.1. ACESSANDO A APLICAÇÃO... 2 1.2. GUIA : BOLSAS... 3 1.2.1. Instruções para preenchimento dos campos... 3 1.3. GUIA : OBSERVAÇÃO... 7 1.4. GUIA : UNIDADES... 8 1.4.1.

Leia mais

Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual

Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual Diário On-line Apresentação ----------------------------------------------------------------------------------------- 5 Requisitos Básicos

Leia mais

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Diretoria de Avaliação (DAV) COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Manual de preenchimento da Plataforma Sucupira

Leia mais

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo 04 - Exportação e Importação de Dados Manual do SINASC Módulo Exportador Importador Introdução O Sistema SINASC

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PROGRAMAS COM CURSOS ACADÊMICO E PROFISSIONAL... 2 PROPOSTA DE PROGRAMA... 2 COMO COPIAR E COLAR... 2 INSTALAÇÃO DAS VERSÕES ANTERIORES DO COLETA DE DADOS:... 2 EXCLUSÃO DE UMA

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

SAC Sistema de Acompanhamento de Concessões Manual do Usuário

SAC Sistema de Acompanhamento de Concessões Manual do Usuário 70040-020 Brasília - DF SAC Manual do Usuário Sumário Assunto PÁGINA 1. Objetivos do Manual 3 2. Perfil do Usuário 3 2.1 Coordenador Institucional 3 3. Acesso ao Sistema SAC 3 3.1 Endereço de acesso 3

Leia mais

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Diretoria de Avaliação (DAV) COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Manual de preenchimento da Plataforma Sucupira

Leia mais

SIE Manual da aplicação Gestão de Bolsas

SIE Manual da aplicação Gestão de Bolsas 1. CADASTRO DE BOLSAS Esta aplicação tem como objetivo realizar os cadastros das modalidades ou programas de bolsa. Será possível também, incluir e localizar uma bolsa, sendo que após localizar uma bolsa

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Diretoria de Avaliação (DAV) COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Manual de preenchimento da Plataforma Sucupira

Leia mais

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 Conteúdo 1 - O que é o Conectividade Social? 03 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 3 - O que é necessário para instalar o Conectividade Social?.... 05 4 - Como faço para executar

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2ª Edição 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1. SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Índice 1 Introdução...2 2 Acesso ao Sistema...3 3 Funcionamento Básico do Sistema...3 4 Tela Principal...4 4.1 Menu Atendimento...4 4.2 Menu Cadastros...5 4.2.1 Cadastro de Médicos...5

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Sistema de Acompanhamento de Concessões SAC PRODOC E PNPD

Sistema de Acompanhamento de Concessões SAC PRODOC E PNPD Sistema de Acompanhamento de Concessões SAC PRODOC E PNPD Manual do Usuário Revisões Data Versão Descrição Responsável 21/12/2009 1.0 SAC Célia dos Santos 05/01/2010 1.0 SAC Edmar de Lima e Silva 07/01/2010

Leia mais

SIPED - Sistema de Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento. Reservado ao Ambiente Interno da ANP

SIPED - Sistema de Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento. Reservado ao Ambiente Interno da ANP Versão 2.0 SIPED - Sistema de Investimento em Pesquisa e Aviso de Sigilo Este documento contém informações reservadas à ANP, sendo o documento como um todo classificado no nível reservado, conforme art.

Leia mais

TUTORIAL MÓDULO EXTERNO (IES) ÍNDICE

TUTORIAL MÓDULO EXTERNO (IES) ÍNDICE TUTORIAL MÓDULO EXTERNO (IES) ÍNDICE 1. Descrição... 2 2. Especificações técnicas... 2 2.1. Ambiente... 2 2.2. Configurações de hardware recomendadas... 2 2.3. Navegador recomendado... 2 3. Acesso... 2

Leia mais

Manual do sistema Perfil de Usuário

Manual do sistema Perfil de Usuário Manual do sistema Perfil de Usuário MANUAL DO SISTEMA PERFIL DE USUÁRIO Universidade Federal de Alfenas Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento em Computação Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

SAP - Sistema de Avaliação de Projetos. Orientações para a inscrição de Projetos

SAP - Sistema de Avaliação de Projetos. Orientações para a inscrição de Projetos SAP - Sistema de Avaliação de Projetos Orientações para a inscrição de Projetos Versão 1 Página 1 Apresentação O Sistema de Avaliação de Projetos (SAP) tem a finalidade de concentrar informações referentes

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais

CPS FINANÇAS PESSOAIS MANUAL DO USUÁRIO

CPS FINANÇAS PESSOAIS MANUAL DO USUÁRIO APRESENTAÇÃO O CPS FINANÇAS PESSOAIS é um software desenvolvido para gerenciar a movimentação financeira de forma pessoal, rápida e simplificada fornecendo relatórios e demonstrativos. Este manual é parte

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E

Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO (*) Módulo: Produção Institucional Guia de

Leia mais

Manual. Objetivo: resumir as informações fornecidas durante o treinamento do SIGAA.

Manual. Objetivo: resumir as informações fornecidas durante o treinamento do SIGAA. Manual Objetivo: resumir as informações fornecidas durante o treinamento do SIGAA. Informações importantes: a) O SIGAA é um sistema desenvolvido pela UFRN e adquirido em cooperação pela UFPA. Ele visa

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Índice Página PROGRAMAS ACADÊMICOS E PROFISSIONAIS OFERECIDOS POR UM MESMO DEPARTAMENTO...2 PROPOSTA DE PROGRAMA...2 COMO COPIAR E COLAR...2 CADASTRO DOCENTE...2 ATIVIDADE DOCENTE...2

Leia mais

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Manual de Utilização Perfil Beneficiário 1. 2. Objetivo do Manual... 2 Siglas e Abreviações... 2 3. Perfil do Usuário... 2 4. Descrição Geral do Sistema...

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características...5 Configuração necessária para instalação...6 Conteúdo do CD de Instalação...7 Instruções para Instalação...8 Solicitação da Chave de Acesso...22 Funcionamento em Rede...26

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA

DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA DIRETORIA DE GESTÃO DE ALUNOS - DGA SETOR DE REGISTRO DIPLOMAS - SRD MANUAL DE ENVIO DE PROCESSOS MÓDULO SOLICITANTE - SICP Versão 2 CUIABÁ-MT Setembro / 2014 1 ÍNDICE GERAL APRESENTAÇÃO...03 INSTRUÇÕES

Leia mais

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA.

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA MANUAL DO VTWEB CLIENT CADASTROS /PEDIDOS E PROCEDIMENTOS Resumo Esse manual tem como o seu objetivo principal a orientação de uso do

Leia mais

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características... 5 Configuração necessária para instalação... 6 Conteúdo do CD de Instalação... 7 Instruções para Instalação... 8 Solicitação da Chave de Acesso... 22 Funcionamento

Leia mais

Seminários Enade 2015

Seminários Enade 2015 Seminários Enade 2015 Coordenação-Geral de Controle de Qualidade da Educação Superior CGCQES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES A Diretoria

Leia mais

SEAP / CAS. Manual V1.0

SEAP / CAS. Manual V1.0 SEAP / CAS Manual V1.0 Janeiro - 2013 Coordenadoria de Administração de Serviços - CAS Palácio das Araucárias Rua Jacy Loureiro de Campos, s/nº 80530-140 - Centro Cívico - Curitiba Paraná Fone: (41) 3313-6071

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

WEB COLABORADOR. Envio e Recebimento de arquivos de consignação

WEB COLABORADOR. Envio e Recebimento de arquivos de consignação TUTORIAL Envio e Recebimento de arquivos de consignação Para acessar o Web Colaborador e transferir arquivos de consignação, entre com os dados de CNPJ, usuário e senha, nos campos correspondentes. Regras

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Manual Sistema Curumim. Índice

Manual Sistema Curumim. Índice Versão 1.0 Índice 1. Instalação do Sistema... 3 2. Botões e Legenda... 4 3. Login do Sistema... 5 4. Tela Principal... 6 5. Dados Cadastrais da Empresa... 7 6. Aluno Cadastro... 8 7. Aluno - Cadastro de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 Manual do Usuário Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 1. CONFIGURAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA ACESSO... 4 2 GUIAS... 11 2.1 DIGITANDO AS GUIAS... 11 2.2 SALVANDO GUIAS... 12 2.3 FINALIZANDO UMA GUIA... 13

Leia mais

Sistema de Filiação Partidária

Sistema de Filiação Partidária Sistema de Filiação Partidária Antonio Augusto de Toledo Gaspar Corregedor Regional Eleitoral Março de 2011 FILIAWEB MATERIAL DE APOIO AOS PARTIDOS POLÍTICOS 1 Introdução O novo sistema de filiação partidária,

Leia mais

O Sistema de Currículos Lattes está dividido em seis módulos, vistos abaixo.

O Sistema de Currículos Lattes está dividido em seis módulos, vistos abaixo. Preenchendo o Currículo Lattes Estrutura do Sistema de Currículos Lattes As informações do currículo estão estruturadas de forma hierárquica. Cada módulo contém inúmeras áreas e dentro de cada uma delas

Leia mais

INTRODUÇÃO ALTERAÇÃO EM RELAÇÃO À VERSÃO ANTERIOR

INTRODUÇÃO ALTERAÇÃO EM RELAÇÃO À VERSÃO ANTERIOR Manual Operacional Aplicativo Cliente - GRRF Versão 2.0.4 INTRODUÇÃO O aplicativo cliente da GRRF é o instrumento criado para que os empregadores façam o recolhimento rescisório do Fundo de Garantia do

Leia mais

GUIA SISTEC. Endereço Eletrônico : http://portal.mec.gov.br/sistec. Correio Eletrônico: sistec@mec.gov.br (61) 2022-8662 (61) 2022-8660 (61)2022-8533

GUIA SISTEC. Endereço Eletrônico : http://portal.mec.gov.br/sistec. Correio Eletrônico: sistec@mec.gov.br (61) 2022-8662 (61) 2022-8660 (61)2022-8533 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) GUIA SISTEC Endereço Eletrônico : http://portal.mec.gov.br/sistec

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA DE MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Empresas Especiais Suporte 2.01. Cadastro das empresas 2.02. Relação das empresas 2.03. Controle das emissões 2.04. Exclusão

Leia mais

SAGRES LICITAÇÕES MANUAL

SAGRES LICITAÇÕES MANUAL SAGRES LICITAÇÕES MANUAL Sumário 1 - Objetivo...5 2 - Instrução Normativa 003/2014-TCE/RR...5 3 - A quem se destina o...5 4 - Perfis dos usuários do...5 5 - Regras de cadastro de usuários...6 6 - Acesso

Leia mais

Matrícula on line Pós-graduação

Matrícula on line Pós-graduação Universidade Federal de Minas Gerais Matrícula on line Pós-graduação Stricto Sensu Manual do usuário Versão 2010/2 Pró-Reitoria de Pós-Graduação DRCA CECOM Junho - 2010 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 EQUIPE

Leia mais

MANUAL DE SISTEMA. Página1

MANUAL DE SISTEMA. Página1 Página1 Página2 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 3 2 Passo a Passo... 4 2.1. Visão inicial do Sistema Presença 4 2.2. Solicitar Acesso 5 2.3. Substituição do Operador Municipal Máster 7 2.4. Acessar

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH Sistema de Gestão de Pessoas Versão 2.0a Manual de Operação

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?...

Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?... Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?... 4 COMO CONFIGURAR O CNAB... 5 CADASTRO DE BANCOS... 5 PARAMETROS DO CNAB...

Leia mais

Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor

Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor Universidade Federal do Espírito Santo Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) Novembro/2014 Sumário 1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 1.1 O que é o menu

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS Versão 1.0 SUMÁRIO 1. Descrição do Local de Acesso... 1 2. Módulo Registrar Diárias... 3 3. Módulo Aprovar Diárias... 11 4. Registrar Prestação de Contas...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF APLICATIVO DE FORMULÁRIOS GUIA DE NAVEGAÇÃO PERFIL MUNICÍPIO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Abril de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

INTRODUÇÃO 0800 726 0104 www.caixa.gov.br 0800 726 0104

INTRODUÇÃO 0800 726 0104 www.caixa.gov.br 0800 726 0104 Manual Operacional Aplicativo Cliente - GRRF Versão 2.0.2 INTRODUÇÃO O aplicativo cliente da GRRF é o instrumento criado para que os empregadores façam o recolhimento rescisório do Fundo de Garantia do

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.br NOTA TÉCNICA N.º 01/2010 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS

Leia mais

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Corregedoria-Geral de Justiça Serviço Notarial e de Registro Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Atualizado em 29/04/2015 CONTEÚDO APRESENTAÇÃO... 4 CAPÍTULO 1 DOWNLOAD DO SISNOR CARTÓRIO... 5 CAPÍTULO 2

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

Orientações para o Lançamento de Notas. Diretor

Orientações para o Lançamento de Notas. Diretor Orientações para o Lançamento de Notas Diretor 1 CONTEÚDO Conteúdo... 2 Como acessar o Conexão Educação... 3 Lançamento de Notas... 5 Notas por Turma... 5 Liberação de Lançamento de Notas... 13 2 COMO

Leia mais

14º LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE EMPREENDIMENTOS DE GERAÇÃO EXISTENTES

14º LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE EMPREENDIMENTOS DE GERAÇÃO EXISTENTES EDITAL nº 10/2014 - ANEEL 14º LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE EMPREENDIMENTOS DE GERAÇÃO EXISTENTES Os Valores numéricos, bem como datas e horários apresentados são apenas fictícios,

Leia mais

PROGRAMA DE DEMANDA SOCIAL

PROGRAMA DE DEMANDA SOCIAL PROGRAMA DE DEMANDA SOCIAL Manual de Acompanhamento de Bolsas de Estudo Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Diretoria de Programas e Bolsas no País (DPB) Coordenação-Geral

Leia mais

Índice Objetivo do Manual...3 Siglas e Abreviações...3 Papel do Coordenador Institucional...3 Cadastramento e Substituição de Homologadores...

Índice Objetivo do Manual...3 Siglas e Abreviações...3 Papel do Coordenador Institucional...3 Cadastramento e Substituição de Homologadores... Índice 1. Objetivo do Manual...3 2. Siglas e Abreviações...3 3. Papel do Coordenador Institucional...3 4. Cadastramento e Substituição de Homologadores...4 4.1 Passo-a-passo para Acessar o Acordo de Adesão...6

Leia mais

Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo

Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo 1 CONTEÚDO Conteúdo..2 Introdução... 3 Como acessar o Portal?... 4 Lançamento de Notas... 6 Lançamento de Frequência para Programas / Projetos

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 2.1. Atualização... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 6 4.1. Tela Principal... 6 4.2.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO SInAE Sistema Integrado de Administração Escolar Fevereiro - 2006 Sumário INTRODUÇÃO... 2 APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS... 3 Módulo Acadêmico... 3 Módulo de Cofigurações da Escola...

Leia mais

MANUAL DO PROESC EDUCACIONAL

MANUAL DO PROESC EDUCACIONAL Manual do Proesc Educacional 2012 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO --------------------------------------------------------------------------------------- 3 1.2 ACESSANDO O SISTEMA -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda Manual do Usuário Sistema Notapará Programa Nota Fiscal Cidadã Objetivo: Estabelecer orientações aos usuários do sistema Notapará, tais como: usabilidade, funcionalidade e navegabilidade. Manual do Usuário

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

1. Introdução... 2. 2. Instalação máquinas cliente... 2. 3. Configurações gerais... 3. 4. Cadastro de pessoas... 4

1. Introdução... 2. 2. Instalação máquinas cliente... 2. 3. Configurações gerais... 3. 4. Cadastro de pessoas... 4 MANUAL DE UTILIZAÇÃO Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Instalação máquinas cliente... 2 3. Configurações gerais... 3 4. Cadastro de pessoas... 4 5. Cadastro de usuários para o sistema... 6 6. Cadastro de

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E

Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO (*) Módulo CONTROLE ACADÊMICO Guia de Referência

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1 SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Fevereiro de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Livre Docência

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Livre Docência UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Livre Docência Centro de Informática de São Carlos Julho de 2011 Versão 1.1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Reitor

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

1. Apresentação... 2. 1.1. Primeiro acesso... 2. 1.2. Conhecendo a Plataforma... 4. 1.2.1. Seleção da Empresa... 4. 1.2.2. Sair do Sistema...

1. Apresentação... 2. 1.1. Primeiro acesso... 2. 1.2. Conhecendo a Plataforma... 4. 1.2.1. Seleção da Empresa... 4. 1.2.2. Sair do Sistema... 1. Apresentação... 2 1.1. Primeiro acesso... 2 1.2. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2.1. Seleção da Empresa... 4 1.2.2. Sair do Sistema... 4 1.2.3. Retornar a tela principal... 5 1.3. Cadastro da Empresa...

Leia mais

Roteiro de geração do Informativo Fiscal Único Para Contribuintes do tipo Empresa de Pequeno Porte e Micro-empresa.

Roteiro de geração do Informativo Fiscal Único Para Contribuintes do tipo Empresa de Pequeno Porte e Micro-empresa. Roteiro de geração do Informativo Fiscal Único Para Contribuintes do tipo Empresa de Pequeno Porte e Micro-empresa. 1 SELECIONANDO O CONTRIBUINTE. 1 SELECIONANDO O CONTRIBUINTE 03 2 INCLUINDO O INFORMATIVO

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012 01 Para ajuste de matrícula de um aluno é necessário abrir uma janela de busca, então

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO (PIBIC, PIBIC - AF, PIBITI, PIBIC - EM) - PICDTI/PRPPG/UFPR

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO (PIBIC, PIBIC - AF, PIBITI, PIBIC - EM) - PICDTI/PRPPG/UFPR PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO (PIBIC, PIBIC - AF, PIBITI, PIBIC - EM) - PICDTI/PRPPG/UFPR EDITAL 2015-2016 De acordo com a Legislação Vigente, Resolução RN

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Apresentação...2. 1. Como acessar o sistema...3

Apresentação...2. 1. Como acessar o sistema...3 Índice: Apresentação...2 1. Como acessar o sistema...3 1.1. Já estando cadastrado... 3 1.2. Não estando cadastrado... 4 1.2.1 Como cadastrar um Consultor... 4 1.2.2 Salvando o cadastro... 8 1.2.3 Inserindo

Leia mais

Manual do Usuário Novembro/2012

Manual do Usuário Novembro/2012 Manual do Usuário Novembro/2012 Sumário 1. Objetivos...3 2. Informações Operacionais...4 3. Configurações Recomendadas...7 4. Preparação do Sistema...8 4.1 Solicitando acesso ao Sisu...8 4.2 Autorização

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais