FACULDADE DE BALSAS CURSO DOE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SUMDIG: A SÚMULA DIGITAL. Mauricio da Costa Gomes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE BALSAS CURSO DOE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SUMDIG: A SÚMULA DIGITAL. Mauricio da Costa Gomes"

Transcrição

1 FACULDADE DE BALSAS CURSO DOE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SUMDIG: A SÚMULA DIGITAL Mauricio da Costa Gomes BALSAS-MA 2013

2 1 FACULDADE DE BALSAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SUMDIG: A SÚMULA DIGITAL Mauricio da Costa Gomes Trabalho de conclusão de curso para Curso de Sistemas de Informação como requisito para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Aluno: MAURICIO DA COSTA GOMES Orientador: JEFFERSON FONTINELE DA SILVA Orientador: Jefferson Fontinele da Silva Coordenador do Curso de Sistemas de Informação: Junior Marcos Bandeira Balsas - MA 2013

3 2 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus primeiramente por me dar a oportunidade de vivenciar este momento único que é estar concluindo um curso superior na área em que sempre me identifiquei e gosto de atuar, aos meus amigos que sempre me apoiaram torcendo pela minha vitória e aos meus familiares que sempre me deram forças para alcançar os meus objetivos apoiando as minhas decisões quando corretas e me sugerindo opções e caminhos alternativos, contribuindo assim com a minha formação intelectual e profissional. Um agradecimento especial ao meu orientador Jefferson Fontinele, que sempre acreditou em mim e em meu potencial para o desenvolvimento desse projeto, tirando minhas dúvidas e me aturando durante todo esse período cansativo, porém, muito rico em conhecimento e em troca de experiências. Agradeço a minha mãe querida, Sonia Regina Barbosa da Costa Noleto, por sempre ter lutado para me proporcionar o melhor perante os seus limites, ao meu padrasto, Francisco Noleto Junior, por ter me orientado em muitas ocasiões, ao meu pai Gregório Gomes Neto que é meu grande ídolo e exemplo de vida por suas vitórias e conquistas em sua longa jornada de vida e que até hoje surpreende a todos. A todos só tenho a agradecer do fundo do coração pelo apoio moral durante esses meus inesquecíveis (04) quatro anos de Unibalsas.

4 3 RESUMO Em uma partida de futebol de salão são geradas várias informações que são armazenadas em um documento que oficializa a partida. Essas informações geradas são necessárias para a definição de uma equipe campeã de um torneio ou para medidas administrativas. Com isso se faz necessário a utilização de um documento que oficialize a partida, este documento é chamado de súmula. A informatização deste documento junto com o melhoramento da interação entre árbitros e auxiliares é o foco principal desta pesquisa que configura um trabalho de conclusão de curso. No desenvolvimento da aplicação foi utilizado métodos de engenharia de software que sustentam a implementação de software multiplataforma, ou seja, softwares capazes de atuar em mais de uma plataforma. As ferramentas e plataformas adotadas para o desenvolvimento deste sistema serão descritas ao longo do trabalho. Palavras-chaves: Futebol de salão, Súmula digital, Comunicação, Metodologia de desenvolvimento, aplicações multiplataforma.

5 4 ABSTRACT In an indoor soccer match many informations are generated and stored in a document which formalizes the match. Those informations are necessary for the definition of a winner team of a champions hipor for admistrative actions. With that, its necessary to use a document that formalizes the match, this document is called docket. The computerization of this document allied to the improvement of the interaction between referees and auxiliary is the main focus of this research, which sets a End-coursework. In the development of the application, methods of software engeneering which supports the implementation of multiplataform software has been used, that softwares capable of acting in more than one plataform. The tools and plataform adopted for the development of this system willbed escribed during this work. Key words: Indoor Soccer, Digital Docket, Comunication, Development Methodology, Multiplataform applications.

6 5 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Ambiente de Trabalho do GGTS Figura 2 - Arquitetura Grails Figura 3 - Camadas da Arquitetura Android Figura 4 - Hierarquia de Views e Viewgroups Figura 5 - Ambiente ADT-Bundle Figura 6 - Recursos Phonegap Figura 7 - One-Way Data Binding Figura 8 - Tela principal da aplicação SUMDIG em um dispositivo móvel Figura 9 - Telas de listagem da aplicação SUMDIG em um dispositivo móvel Figura 10 - Tela inicial da aplicação SUMDIG Figura 11 - Tela de Registro das equipes e a listagem das cadastradas Figura 12 - Tela de registro de jogadores e tela de listagem dos cadastrados Figura 13 - Registro da Equipe Técnica Figura 14 - Registro de Pessoas Figura 15 - Registo do Árbitro e a lista dos cadastrados Figura 16 - Registro da Equipe de Arbitragem e a listagem da equipe registrada Figura 17 - Registro de cartões, faltas, gols, pedidos de tempo Figura 18 - Listagem das informações registradas no decorrer da partida Figura 19 - Criação da sumula e a listagem das criadas Figura 20 - Arquitetura do Projeto Figura 21 - Súmula Oficial da Confederação Brasileira de Futebol de Salão Figura 22 - Súmula Oficial da Confederação Brasileira de Futebol de Salão

7 6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problemática Objetivos Geral Específicos Justificativa Metodologia REVISÃO BIBLIOGRÁFICA As Regras e Leis do Futebol de Salão Definição das Plataformas de Desenvolvimento Grails Scaffolding Plugins Jetty Arquitetura Grails Git A linguagem Groovy Android Plataforma Android A Arquitetura Android Interface Gráfica e Layouts Framework PHONEGAP O Framework ANGULARJS O IDE Eclipse DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SISTEMA A Versão Mobile A Versão WEB ARQUITETUA DO PROJETO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS... 36

8 7 1 INTRODUÇÃO Sobre o surgimento do futebol de salão, segundo a Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS ), existem duas versões: a primeira é que o futebol de salão começou a ser jogado por volta de 1940 por frequentadores da Associação Cristã de Moços em São Paulo - SP, pois encontravam dificuldades para jogar em campos de futebol por estarem sempre superlotados e se reuniam em quadras de basquete e hóquei para jogar as famosas peladas. A segunda versão é que o futebol de salão foi inventado em 1934 na cidade de Montevidéu, Uruguai, pelo professor Juan Carlos Ceriani, que denominou este esporte de indoor-foot-ball. No início, este esporte era jogado com bolas grandes feitas de materiais caseiros e com uma quantidade indefinida de jogadores, às vezes sete, seis ou cinco em cada equipe. Ao longo do tempo as bolas foram diminuídas e tornadas mais pesadas para que não saíssem pulando das quadras, daí veio o nome de Esporte da Bola Pesada. Com o surgimento das regras veio o surgimento das primeiras entidades oficiais deste esporte. Em 28 de Julho de 1954 foi fundada a primeira federação de futebol de salão estadual do Brasil, a Federação Metropolitana de Futebol de Salão, que logo se tornou a Federação de Futebol de Salão do Estado do Rio de Janeiro. Com a criação da primeira federação estadual, veio o desencadeamento de origem de federações estaduais por todo o Brasil. Foi criada, a partir de então, a Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS), a Confederação Sul Americana de Futebol de Salão (CFAS) e a Federação Internacional de Futebol de Salão (FIFUSA). Estas regras cabem às equipes que disputam os campeonatos oficiais, aos árbitros, regulamenta as quadras oficiais e toda a disputa em si. Baseada em algumas dessas regras, acontecem punições para alguns jogadores, como por exemplo, em um campeonato oficial, se o jogador for expulso em uma partida, o mesmo não poderá participar da próxima partida do time na mesma etapa do campeonato. Essas são algumas das informações geradas em uma partida de futebol de salão podendo, também, definir uma equipe campeã de um campeonato oficial. Essas informações são armazenadas na súmula da partida onde concentram-se todos os dados gerados como, por exemplo, registro dos jogadores que irão disputar a partida, quantos cartões foram aplicados, se houve expulsão ou não, quem é o técnico, quantos gols foram marcados, e outros. A solução desenvolvida neste período trata de uma primeira versão da aplicação final, todas essas características das súmulas oficiais são tratadas informatizando o processo

9 8 de controle das partidas de futebol de salão, porém, de forma ainda primitiva visando o seu melhoramento gradativo. A solução desenvolvida trata-se de um software disponível em mais de uma plataforma, substituindo a súmula utilizada nos dias atuais por uma súmula digital, onde são armazenadas todas as informações coletadas durante uma partida de futebol de salão, os cartões utilizados pelos árbitros por um dispositivo móvel portando a versão mobile da aplicação e efetuando a troca de informações dos auxiliares para os árbitros ou vice-versa. 1.1 Problemática As partidas de futebol de salão são grandes geradoras de informações que necessitam de controle e gerenciamento. É possível a criação de um software gerenciador dessas informações e, ainda, a melhoria da troca de informação entre árbitro e mesários com um sistema móvel? 1.2 Objetivos Geral Analisar e desenvolver um software multiplataforma (WEB e Móvel), para gerenciar as informações obtidas em uma partida de futebol de salão. Esta aplicação deverá identificar a melhoria da eficiência na coleta, no armazenamento e na utilização das informações para tomada de decisão Específicos Pesquisar em meio às entidades e órgãos responsáveis pela organização de torneios de futebol de salão em Balsas - MA, os métodos utilizados atualmente na coleta dessas informações; Pesquisar e analisar softwares desenvolvidos para a solução de problemas similares ao proposto; Identificar os requisitos funcionais e não funcionais para o desenvolvimento da aplicação; Especificar o conjunto de ferramentas e linguagens de programação para o desenvolvimento do software; Desenvolver o software proposto usufruindo das técnicas utilizadas nos modelos de processo de software;

10 9 1.3 Justificativa Nas partidas de futebol de salão geram-se vários dados que devem ser trabalhados e armazenados para que seja possível a organização e gerência desse tipo de evento. Há também uma troca de várias informações entre os árbitros e seus auxiliares. Uma partida de futebol de salão é representada oficialmente por uma súmula que, por sua vez, é assinada por árbitros e preenchida por mesários com as informações obtidas ao decorrer da partida, porém, todo o processo é feito de forma manual, consumindo muito tempo e atenção de quem trabalha nesta atividade. A solução visa alterar um pouco esse quadro tornando a súmula um documento digital que possa ser preenchido pelos mesários de forma mais rápida e prática, e trazendo melhorias aos árbitros substituindo seus antigos cartões por um doispositivo móvel.a manipulação do sistema será feita em paralelo e, ao final de uma partida, as informações serão conciliadas entre o dispositivo móvel e o computador, mesmo em locais onde a conexão à internet ainda é inexistente. 1.4 Metodologia No trabalho foram realizadas pesquisas bibliográficas sobre o desenvolvimento de softwares multiplataforma, também, realizou-se uma pesquisa relativa a programas que realizam as mesmas funções ou funções parecidas ao software proposto, foram encontradas algumas soluções parciais ao problema proposto, mas não capaz de suprir todas as suas necessidades. Foi feita uma análise do problema para o levantamento dos requisitos, o desenvolvimento da aplicação seguindo as técnicas trabalhadas no modelo de desenvolvimento em espiral, que mais se adequou ao problema apresentado, tomando como base bibliográfica o livro de Engenharia de Software (SOMMERVILLE, 2003). Foi realizada uma pesquisa através de documentos oficiais da CBFS para um melhor entendimento do processo de armazenamento de informação por meios convencionais. A pesquisa foi realizada através de documentação indireta (pesquisa em livros, artigos e outros), e através de documentação direta (pesquisa de campo, incluindo a observação de como é feito o trabalho dos mesários e árbitros nas disputas dos campeonatos de futebol de salão).

11 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Houve a necessidade de conhecer alguns conceitos necessários para o desenvolvimento do trabalho como, por exemplo, obras sobre o assunto, artigos de eventos relacionados ao tema em questão, artigos e documentos oficiais sobre as regras e leis que regem o regulamento do futebol de salão, da ferramenta de desenvolvimento WEB Grails, da linguagem de desenvolvimento web HTML 5, CSS 3 e Java Script de algumas ferramentas e plug-ins que auxiliam no desenvolvimento da aplicação, como o phonegap, e tudo que está direcionado ao desenvolvimento da aplicação. Em relação a escolha da plataforma utilizada para o desenvolvimento da aplicação, questionou-se muito para que tipo de público seria destinado a aplicação. A decisão de utilizar uma plataforma WEB usufruindo da linguagem HTML 5 foi praticamente unânime por existirem inúmeras características positivas em relação a linguagem. Em algumas de suas características podemos citar, por exemplo, o dinamismo e a praticidade da plataforma para com diversos meios de acesso, seja por meio de aparelhos móveis ou fixos com sistemas operacionais distintos. Para a versão mobile do sistema, mais uma vez levou-se em consideração a praticidade e o dinamismo optando-se, assim, por se trabalhar com a própria linguagem de script HTML 5, CSS 3, Java Script e ferramentas para aumentar a flexibilidade da aplicação e a não limitação a uma só plataforma como o framework Phonegap. 2.1 As Regras e Leis do Futebol de Salão 10 O futebol de salão, assim como em outros esportes, baseia-se em regras e leis específicas e gerais que contemplam o livro nacional de regras da confederação brasileira de futebol de salão. Estas regras servem para criar um padrão oficial para o esporte e, assim, tornar todas as partidas de futebol de salão, que seguem esse padrão, oficiais. A aplicação a ser desenvolvida se baseia em algumas regras deste livro que se fazem necessárias para a criação da súmula, como o número de atletas por equipe, árbitros principais e auxiliares, cronometrista e anotador, duração da partida, faltas e incorreções, tiros livres, penalidades, decisão por penalidades, a própria súmula e o modelos de relatórios gerados, conforme é possível verificar no Livro de Nacional de Regras, aprovado pela FIFA, da Confederação Brasileira de Futebol de Salão - CBFS.

12 Definição das Plataformas de Desenvolvimento Após muitas dúvidas levantadas e algumas pesquisas realizadas, definiu-se que as plataformas de desenvolvimento, tanto para a versão WEB quanto para a versão Mobile, seriam voltadas para uma maneira onde as duas se comunicariam de uma melhor forma, ou seja, as duas seriam desenvolvidas em uma linguagem parecida para a melhoria da comunicação entre si. Levando em consideração as definições anteriormente concluídas, decidiu-se que as a linguagem utilizada para o desenvolvimento das aplicações seria a linguagem de Script HTML 5, CSS 3 e Java Script. A partir destas definições, só restou decidir para qual plataforma seria desenvolvida a primeira versão mobile da aplicação, decidiu-se então que a escolhida seria a Android por se tratar da plataforma que vem sendo mais utilizada no mundo dos mobiles. Segundo uma pesquisa realizada pela Kantar World panel Comtech, e divulgada no jornal britânico The Guardian em Abril de 2011, o sistema Android teve uma elevação nas vendas em todos os países pesquisados. Somente em dois desses países o sistema não é líder de mercado. Na Itália a liderança é do Sybian, sistema da Nokia, e na Austrália a liderança é do ios, da Apple. Mas, também segundo a pesquisa, o Android em poucos meses virará o jogo nesses países, pelo fatídico crescimento de 17% e 25,6% na Itália e Austrália respectivamente. Com um público maior e com uma maior facilidade de disponibilidade da aplicação a esse público, definiu-se então que a aplicação móvel seria desenvolvida para essa tecnologia. A aplicação Web ficou mais a critério da dominância da linguagem e da facilidade de se trabalhar Java utilizando Grails, e pela facilidade em sincronização entre as tecnologias, já que dispunham da mesma linguagem. 2.2 Grails O framework de aplicações web Grails, segundo ANSELMO (2010), é um framework completo para a máquina virtual Java, por tirar proveito da linguagem de programação Groovy e fornecer uma experiência de desenvolvimento produtivo e de fluxo alinhado.

13 12 Este framework foi à base do desenvolvimento da versão WEB da SUMDIG, pois, utilizando suas ferramentas, foi possível sua utilização de forma integral no funcionamento da aplicação, até mesmo na manipulação dos dados gerados pela aplicação com o banco de dados da mesma. Segundo ANSELMO (2010), a ferramenta Groovy Grails Tool Suite GGTS, é um ambiente de desenvolvimento para criação de aplicações Grails, podendo ser utilizada também, na criação de aplicações em linguagens distintas. A GGTS fornece suporte para as últimas versões de Grails, e suporta aplicação de direcionamento para servidores locais, virtuais e em nuvem e, também, é uma ferramenta open source e com um ambiente de desenvolvimento bastante interativo, conforme mostrado na figura 1. Figura 1 - Ambiente de Trabalho do GGTS Fonte: Print Screen da aplicação no sistema operacional Windows 8. O paradigma de configuração baseado em conversão trabalha para preparar todas as configurações necessárias para qualquer tipo de necessidade básica. Este paradigma dispõe de uma flexibilidade para as necessidades específicas, que apareça no desenvolvimento da aplicação.

14 13 O Grails gera, de forma automática, muitos detalhes necessários em uma aplicação WEB. Assim obteve-se pronta uma aplicação web em um curto espaço de tempo, e com uma mínima complexidade possível. O framework Grails baseia-se em tecnologias abertas e conhecidas como a Spring que é um framework de código aberto não intrusivo para plataforma Java baseado nos padrões de projeto de inversão de controle e injeção de dependência (JOHNSON, 2002), e, também, o Hibernate que é um framework que cuida do mapeamento das classes Java para tabelas de banco de dados e de tipos de dados SQL (KING, 2001). O principal objetivo do Grails é disponibilizar caminhos simples e fáceis para o desenvolvimento de um sistema web de uma forma bastante rápida. Grails foi desenvolvido para projetos rápidos e fáceis sem deixar de lado a qualidade e a eficiência se enquadrando perfeitamente para o objetivo principal deste projeto, por isso, este framework foi escolhido para o desenvolvimento da aplicação Scaffolding O Grails possui uma estrutura scaffolding, um recurso que gera aplicações do tipo CreateRead Update Delete CRUD, de forma automática com uma quantidade mínima de código, proporcionando ao desenvolvedor apenas a preocupação da definição na classe de domínio Groovy as propriedades do atributo, seu comportamento e suas restrições. Após o CRUD das classes, o Scaffolding identifica o comportamento do controle e cria as GPS (Groovy Server Pages) que estão associadas com as funcionalidades do CRUD nas classes de domínio. Também gera, ao mesmo tempo, o esquema de banco de dados, criando as tabelas e seus respectivos relacionamentos para cada uma das classes de domínio Plugins O Grails fornece uma arquitetura plug-in e uma comunidade onde são encontrados vários plugins para aspectos como segurança, análise, pesquisa, comunicação e web services Jetty Para garantir um completo ambiente de desenvolvimento, o Grails disponibiliza de um servidor web jetty, que já é pré-configurado para qualquer aplicação gerada, isso permite realizar testes sem a necessidade de instalar um Apache Tomcat, por exemplo.

15 14 O servidor jetty, segundo LECHETA (2012), é um servidor HTTP e Servlet Container 100% escrito na linguagem Java. Ele é um grande concorrente do servidor Tomcat, e ficou mais conhecido por ser utilizado como o servlet container do JBoss. A grande vantagem do Jetty com relação ao Tomcat e a sua fácil configuração Arquitetura Grails A figura 2 mostra a arquitetura do Grails. Figura 2 - Arquitetura Grails Fonte: Grails: desenvolvimento web sem grandes dores de cabeça. 1 Podemos perceber que a base do Grails é a máquina virtual Java, no nível acima da JVM, temos duas linguagens de programação sendo usadas, que é o Java e o Groovy respectivamente. Acima destas linguagens encontramos o Grails em si, que é composto por vários componentes à exemplo de Spring, Site Mesh e GORM. O Grails não se limita apenas ao uso de bibliotecas Groovy, pode usar qualquer biblioteca Java, seja de código aberto ou proprietário. A camada final, não poderia deixar de ser a camada das aplicações. É nesta camada que são desenvolvidos as aplicações do sistema, seguindo um padrão MVC que torna mais simples a sua organização e execução. 1 Disponível em: Acesso em Dezembro de 2013.

16 Git O Git é um sistema de controle de versão distribuído, livre e de código aberto desenhado para lidar com tudo, desde pequenos a grandes projetos com rapidez e eficiência. (CHACON, 2013). Esta ferramenta foi utilizada no desenvolvimento da aplicação como forma de sincronismo de informações com o repositório Git. É uma ferramenta fácil de se aprender e supera ferramentas SCM como Subversion, CVS, Perforce, e Clear Case com recursos como ramificações locais baratas, convenientes áreas de estágio, e vários fluxos de trabalho. Git é rápido. Com Git, quase todas as operações são realizadas no local, dando-lhe uma enorme vantagem de velocidade em sistemas centralizados que constantemente tenham que se comunicar com um servidor em algum lugar. Git foi construído para trabalhar no kernel do Linux, o que significa que ele teve de lidar eficazmente com grandes repositórios, salvo que Linux é open source, sendo assim o maior repositório de códigos fontes existente. Git é escrito em C, reduzindo a sobrecarga de tempos de execução associados com linguagens de alto nível A linguagem Groovy A linguagem Groovy foi utilizada no desenvolvimento da interação da aplicação com o banco de dados por se tratar de uma linguagem totalmente integrada ao Grails. Esta linguagem de programação é uma linguagem script e dinâmica destinada a Máquina Virtual Java JVM, suportando o padrão Java de construção, segundo afirmações de GRAHL (2010). Ela também fornece muitas simplificações ou facilitações na escrita em relação ao padrão de características da própria linguagem Java. A linguagem groovy é uma forma simplificada da linguagem Java, tendo como principais diferenças a utilização do ponto e vírgula no final das linhas sendo opcional, a palavra-chave return deixa de existir uma vez que o Groovy assume o valor do último comando de uma função como sendo o valor a ser retornado, valor bolleanotrue assumindo qualquer valor diferente de null como sendo verdadeiro, possui também uma forma simplificada para representação de beans não havendo mais a necessidade de criar os gettersesetters para cada atributo do bean, o tratamento de Strings com as concatenações facilitadas e algumas outras alterações que facilitam a vida do utilizador da linguagem para criação de aplicações web.

17 Android Em 2007, a Google tornou pública a primeira plataforma Open Source de desenvolvimento para dispositivos móveis baseada na plataforma Java com o sistema operacional Linux, ganhando o nome de Android. Por ela ser código aberto, tornou-se alvo dos desenvolvedores Java de todo o Mundo. Android é uma plataforma totalmente voltada para o desenvolvimento de aplicações para dispositivos móveis como smartphones e tablets. A aplicação desenvolvida está voltada para uma tecnologia flexível para todas as plataformas mobile existentes, porém, a plataforma foco foi o Android, por se tratar de uma plataforma aberta e de fácil acesso Plataforma Android A plataforma Android foi, inicialmente, desenvolvida e mantida pela Google. Hoje em dia é mantida pelo Open Handset Alliance, que é um grupo composto por mais de 30 empresas, as quais se uniram para inovar e acelerar o crescimento do desenvolvimento de aplicações, serviços, e melhorando os recursos utilizados por seus consumidores. Esta plataforma foi desenvolvida utilizando o sistema operacional Linux, incorporando todas as suas características A Arquitetura Android Afirma RABELLO (Pág. 02) que a plataforma Android está dividida em várias camadas: Applications, Aplication Framework, Libraries e Android Runtime; e Linux Kernel. Na camada Applications, encontra-se localizada uma lista de aplicações padrões que incluem programas de SMS (Short Message Service - Serviço de Mensagens Curtas), calendário, mapas, navegadores, gerenciadores de contatos, serviços de s, todos criados em linguagem Java. Na camada Framework, são encontrados os componentes que permitiram que novas estruturas sejam utilizadas para a criação de novas aplicações enfatizando a ideia da reutilização de códigos. São componentes da camada Framework: Um rico e extensível conjunto de componentes gráficos que pode ser utilizado para construir uma aplicação como listas, grids, caixas de textos, botões, e até um navegador web embutido.

18 17 Provedores de conteúdo que habilitam às aplicações acessar dados de outras aplicações como os Contatos gravados na memória interna do aparelho, por exemplo, ou compartilhar seus próprios dados. Gerenciador de recursos que prove acesso a recursos não-codificados como strings, gráficos, e arquivos de layout. Um gerenciador de notificação que permite que todas as aplicações exibam mensagens de alerta personalizáveis na barra de status. Um gerenciador de atividade que gerencia o ciclo de vida das aplicações e permite controlar os recursos previamente alocados, sendo que caso eles não estejam sendo mais utilizados, os mesmos são desalocados para liberar memória. A próxima camada está dividida em um grupo de bibliotecas (Libraries) e o ambiente de execução (Runtime) da plataforma Android, composto pelas bibliotecas padrão e pela máquina virtual chamada de Dalvik. Estas são as bibliotecas que são utilizadas pela plataforma Android: Biblioteca de sistema C: é uma implementação da biblioteca C padrão (libc), otimizada para dispositivos que suportam a plataforma Linux (embbededlinux). Bibliotecas de Mídias: as bibliotecas suportam execução e gravação da maioria dos formatos de áudio e vídeo, bem como exibição de imagens, incluindo MPEG4, H.264, MP3, AAC, AMR, JPG, e PNG. Gerenciador de Superfície: gerencia o acesso ao display do dispositivo e camadas de gráficos 2D e 3D de múltiplas aplicações. Lib Web Core: uma moderna engine de navegador web que turbina tanto o navegador da plataforma Android e um outro navegador qualquer desenvolvido. SGL: uma engine de gráficos 2D. 3D libraries: uma implementação baseada na especificação OpenGL ES 1.0, a qual utiliza tanto aceleração de hardware 3D e um avançado e otimizado software para renderização de modelos tridimensionais. Free Type: renderização em formatos bitmaps e vetoriais de fontes.

19 18 SQ Lite: uma ponderosa e leve engine de banco de dados relacional disponível para todas as aplicações. Toda e qualquer aplicação Android é executada em seu próprio processo, ou seja, no contexto de sua instância de máquina virtual. Essa máquina foi escrita para que dispositivos possam suportar múltiplas máquinas funcionando de forma eficiente. Na base está localizado o Kernel Linux, que para o Android será a versão 2.6, fornecendo serviços do núcleo do sistema com segurança, gerenciamento de memória, gerenciamento de processos, pilhas, etc. A figura 04, mostra como fica disposta esta arquitetura. Figura 3 - Camadas da Arquitetura Android Fonte: Conhecendo o Android Interface Gráfica e Layouts Os principais itens que compõe a interface gráfica são os Views e os Viewgroups. (RABELLO, pág. 05). 2 Disponível em: Acesso em Junho de 2013.

20 19 Um view é representado pela classe android.view.view. Este componente nada mais é do que uma estrutura de dados que representa uma área retangular limitada da tela do dispositivo, é a área que deverá ser explorada pelo desenvolvedor para ter a noção de largura e altura, desenho, mudança de foco, capacidade de rolagem (Scrolling) e capturas de comandos simulando as teclas dos dispositivo que são percebidas e determinadas por aquela área específica. Esta classe pode se estender e serve de base para outros widgets, que segundo Emmanuel (2008), é um componente de interface gráfica composta por botões, menus, janelas, etc., e que permite adicionar ao sistema operacional uma funcionalidade específica, como por exemplo, widgets de relógio, previsão do tempo, e assim por diante. A plataforma vem equipada com vários widgets já disponíveis, prontos para serem usados, como: Text, EditText, InputMethod, MovementMethod, Button, RadioButton, Checkbox, e o ScrollView. O outro componente está presente na classe android.view.viewgroup. Um Viewgroup pode ser considerado um layout, isto é, um container de Views (e também de Viewgroups) que pode ser utilizado para criar estruturas mais complexas, ricas e robustas. Um Viewgroup é a classe de layouts do Android, constituída por LinearLayout, RelativeLayout, AbsolutLayout, etc. No momento em que o método setcontentview() é chamado, o mesmo recebe uma referência para o nó raiz da árvore que representa o layout a ser mostrado. A figura 4 mostra um árvore hierárquica formada por Views e Viewgroups. Figura 4 - Hierarquia de Views e Viewgroups Fonte: Artigo WebMobile 21 Construindo Layouts Completos em Android Framework PHONEGAP O Framework PHONEGAP é considerado um dos melhores para mobile web aplications, tornando possível a fácil criação de aplicativos utilizando HTML, CSS e 3 Disponível em: Acesso em Maio de 2013.

21 20 JavaScript e sua distribuição em várias plataformas como, por exemplo, Android, Windows Phone, IOS, e outros. Segundo MARINHO (2012), para o desenvolvimento de um aplicação voltada a plataforma Android, a plataforma escolhida para este projeto, deve-se seguir algumas orientações e obter alguns pré-requisitos como o Java JDK, que é um kit de desenvolvimento java, e do Apache Ant, que é uma ferramenta utilizada para automatizar a construção de software. Após os pré-requisitos prontos deve-se instalar o SDK do Android, o Eclipse e o plugin ADT. A ADT bundle é um pacote composto pelo mínimo necessário para o início do desenvolvimento de uma aplicação para Android, nela estão contidos a Android SDK Tools (API e ferramentas para a construção, testes e debugs dos aplicativos), Android Platform Tools (Ferramenta para o controle das variadas versões do Android que serão emuladas para testar o aplicativo) e a última versão do Android para ser emulado. Assim como o ambiente GRAILS, o ambiente Phonegap também é bastante agradável e de fácil manuseio, como pode ser notado na figura a seguir. Figura 5 - Ambiente ADT-Bundle Fonte: Print Screen da aplicação em execução no sistema operacional Windows 8. Este framework foi utilizado no desenvolvimento da versão mobile da aplicação uma vez que, segundo Frederico MARINHO (2012), este framework proporciona uma maior flexibilidade na implantação da aplicação e por ser de fácil utilização em projetos rápidos. Segundo Marcel GUINTHER (2011) o Phonegap é uma tecnologia open source que tem como característica principal o desenvolvimento de aplicativos webapp, que poder ser instalados e operados em ambientes online ou off-line e, também, em várias plataformas.

22 21 Para que não haja conflitos e que se adeque às linguagens nativas de cada plataforma, ele utiliza dos melhores padrões web, que é a linguagem de script HTML, as de estilo CSS e de programação JavaScript, tornando o desenvolvimento de uma aplicação bastante simples. Dentro da realidade brasileira, onde há uma vasta variedade de aparelhos comportando sistemas nativos variado, tamanhos de telas variados, e comprando a ideia inicial da utilização da aplicação em smartphones, os arquivos CSS são encarregados de exibir a aplicação corretamente. O Phonegap também possui suporte a alguns recursos de extrema utilidade dos aparelhos. A figura 6 mostra alguns desses recursos suportados pela API (Interface de Programação de Aplicativos) do Phonegap: Figura 6 - Recursos Phonegap Fonte: Desenvolvimento Mobile Multiplataforma com Phonegap. 4 Esta é uma tecnologia indicada para projetos de menor porte, como é o caso da aplicação desenvolvida. 2.5 O Framework ANGULARJS O framework JavaScript ANGULARJS utiliza a linguagem HTML 5 como uma templateengine, ou seja, um motor de modelos, para poder fornecer uma solução completa para os desenvolvedores de aplicações WEB. Segundo Wilson Mendes (2013) o 4 Disponível em: Acesso em Junho de 2013.

23 22 ANGULARJS é um conceito novo em desenvolvimento de WEB APPS e tem total compatibilidade com as bibliotecas JavaScript mais utilizadas, como o jquery. Esta ferramenta foi utilizada na construção do front-end da aplicação, ou seja, na parte visível ao utilizador da aplicação na versão web. No registro de pessoas utilizou-se uma data binding, ou seja, uma ligação de dados que em aplicações angular é a sincronização automática de dados entre o modelo e os componentes de visualização. Quando o modelo for alterado, o ponto de vista reflete a mudança, e vice-versa. A maioria dos sistemas de templates vinculam dados em uma única direção: eles unem o template e o modelo para, posteriormente, serem visualizados como ilustrado na figura a seguir. Figura 7 - One-Way Data Binding Fonte: Vinculação de dados em sistemas modelo clássico. 5 Somente após a união do modelo e do template é que as alterações poderão ser visualizadas. Já nos modelos angulares a forma como ocorre essa interação de dados é diferenciada, porque o modelo é compilado no browser e essa compilação produz uma exibição ao vivo, como mostrado na figura 8. 5 Disponível em: Acesso em Maio de 2013.

24 23 Figura 8 - Two-Way Data Binding Fonte: Vinculação de dados em modelos angulares. 6 Todas as alterações à vista são refletidas diretamente no modelo, isso simplifica o modelo de programação para o desenvolvedor. 2.6 O IDE Eclipse O Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) Eclipse começou a ser criado em 1998 pela IBM. Em paralelo, a IBM iniciou a preparação de equipes para a criação de novos produtos construídos sobre esta plataforma. A IBM criou o consórcio Eclipse juntamente com outras oito organizações em virtude de dificuldades encontradas no inicio em encontrar parceiros comerciais, tornando-o assim, um modelo de código aberto. Em 2004 foi criada a Eclipse Foundation, com o objetivo de desvincular o projeto da IBM. Esta fundação é independente, sem fins lucrativos, possui sua própria equipe e é mantida através de doações das próprias organizações que a compõe. Após essa mudança, foi lançado o Eclipse 3.0 seguido da versão 3.1, que foram aceitas com um nível muito maior que as versões anteriores em meio a comunidade mundial de programadores. O Eclipse é conhecido mais comumente no desenvolvimento em Java, no entanto, por meio de plug-ins, ele pode ser usado no desenvolvimento de aplicações em várias linguagens, como C/C++, Python, PHP e inclusive para a plataforma Android. Seguindo com base nestas informações, esta IDE foi utilizada no desenvolvimento da aplicação nas versões mobile e web, por suportar o desenvolvimento de projetos Phonegap, através do ADT Bundle (Plugin que comporta o SDK Android), Angularjs e por dar suporte ao desenvolvimento de aplicações utilizando GRAILS, ou seja, todas as ferramentas utilizadas no desenvolvimento desta aplicação. 6 Disponível em: Acesso em Maio de 2013.

25 24 3 DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SISTEMA A SUMDIG é um sistema criado para substituir futuramente o processo realizado atualmente na oficialização de campeonatos de futebol de salão. Este aplicativo está distribuído em duas versões, a mobile e a web, funcionando em complemento de um ao outro. 3.1 A Versão Mobile A versão Mobile é a versão que será acessada em um smartphone através de qualquer navegador, independente do sistema operacional instalado. O dispositivo deverá estar em posse dos árbitros da partida substituindo os cartões utilizados normalmente nos dias atuais. Nos smartphones, os árbitros terão acesso às informações cadastradas no software, das duas equipes em disputa. O software irá se redesenhar automaticamente para que o árbitro não tenha dificuldades para entender as informações. A figura a seguir mostra a tela inicial da aplicação em um smartphone com o sistema operacional Android instalado. Figura 8 - Tela principal da aplicação SUMDIG em um dispositivo móvel Fonte: Print Screen da tela inicial da aplicação utilizando um dispositivo móvel na versão 4.2 do Android

26 25 Na versão mobile os árbitros terão acesso a todas as funcionalidades do software, porém, por questões de agilidade da utilização da aplicação, não haverá a necessidade de cadastro, todo esse trabalho deverá ser pré-cadastrados pelo mesário, assim, os árbitros acessarão as listagens do que estão cadastrados no sistema, como mostra as telas a seguir. Figura 9 - Telas de listagem da aplicação SUMDIG em um dispositivo móvel Fonte: Print Screen das telas de listagem da aplicação em um dispositivo móvel utilizando a versão 4.2 do Android A função dos árbitros será apenas o registro dos cartões, amarelo e vermelho, para as equipes no decorrer da partida. 3.2 A Versão WEB Na versão WEB há uma pequena diferença no Layout da tela inicial, porém as mesmas funcionalidades mostradas anteriormente serão trabalhadas nesta versão. Confira na figura a seguir a tela inicial da aplicação SUMDIG.

27 26 Figura 10 - Tela inicial da aplicação SUMDIG Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1. Na tela inicial encontram-se todas as funcionalidades da aplicação, o cadastro das equipes, cadastro dos jogadores, cadastro das pessoas que participarão da partida como mesários e cronometristas, o registro dos jogos, dos árbitros, da comissão técnica, os dados informativos e opcionais registrados na súmula, os cartões, faltas, gols e pedidos de tempo das equipes ao decorrer da partida. O registro das equipes deverá ocorrer primeiramente, pois a partir deste momento os outros cadastros que necessitam da equipe estarão aptos a serem preenchidos, como por exemplo, o registro dos jogadores, e a definição da partida. A figura a seguir mostra como funciona o registro da equipe e a listagem das equipes registradas. Figura 11 - Tela de Registro das equipes e a listagem das cadastradas Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1.

28 27 O cadastro de jogadores é feito da mesma maneira, porém, deverá ser informado todos os dados do mesmo. Veja: Figura 12 - Tela de registro de jogadores e tela de listagem dos cadastrados Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1. A partir de então, após o registro das equipes e seus jogadores, podemos estar registrando a equipe técnica e a equipe de arbitragem. Para o registro da equipe de arbitragem há a necessidade do registro de pelo menos mais duas pessoas primeiramente, o mesário e o cronometrista. Veja nas próximas telas como são feitos esses registros: Figura 13 - Registro da Equipe Técnica Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1.

29 28 Figura 14 - Registro de Pessoas Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1. Figura 15 - Registo do Árbitro e a lista dos cadastrados Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1.

30 29 Figura 16 - Registro da Equipe de Arbitragem e a listagem da equipe registrada Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1. A definição da partida trabalha da mesma forma, onde o mesário estará cadastrando as informações necessárias para identificar a partida, como a seguir. Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1. O preenchimento é bem simples, o mesário irá informar o número identificador da partida (ID), a categoria (Adulto, juniores, etc.), o Grupo, a Chave e os dados sobre o local onde ocorrerá o jogo (Cidade, UF, Competição, Data, a Fase e o nome do Ginásio). Um fator bastante importante e o mais exercido pelo mesário é o registro das atividades que ocorrem durante a partida, por exemplo, a quantidade de faltas, gols, pedidos de tempo, cartões aplicados e placar do primeiro e segundo tempo de partida. Estas informações serão adicionadas como é mostrado a seguir:

31 30 Figura 17 - Registro de cartões, faltas, gols, pedidos de tempo. Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1. Estas informações serão mostradas na listagem de cada funcionalidade, como pode ser verificador a seguir: Figura 18 - Listagem das informações registradas no decorrer da partida. Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1. Ao término da partida ou em seu decorrer, as observações e colocações da arbitragem devem ser anotadas, então foi criada a funcionalidade chamada de sumula, onde estas informações deverão ser registradas. Veja a seguir:

32 31 Figura 19 - Criação da sumula e a listagem das criadas. Fonte: Print Screen da aplicação SUMDIG no Sistema Operacional Windows 8.1.

33 32 4 ARQUITETUA DO PROJETO O projeto caracteriza-se pela interação das informações entre um dispositivo móvel e um desktop conectado à Internet, conforme exposto na figura a seguir: Figura 20 - Arquitetura do Projeto Fonte: Elaborado pelo autor. O dispositivo móvel com acesso a versão Web Mobile da aplicação terá acesso as informações registradas através da rede, onde essas informações serão sincronizadas e atualizadas conforme ocorrerá a partida. Essas informações coletadas e organizadas serão armazenadas em um servidor nas nuvens.

34 33 5 CONCLUSÃO Com o desenvolvimento da aplicação SUMDIG houve uma melhoria no processo de preenchimento do documento que oficializa uma partida de futebol de salão, a súmula. A aplicação torna o processo de busca, atualização e preenchimento destas informações mais prático e rápido. Apesar dos bons resultados obtidos no desenvolvimento da SUMDIG, ainda há a necessidade de alterações e adequações futuras. Como trabalhos futuros podemos citar o desenvolvimento de diferentes perfis de acesso à aplicação (O perfil torcedor, clube, árbitro jogador, confederação), alterações na amostragem final dos resultados, possibilitar a emissão de um relatório ao final de cada partida/torneio. Com isso, nota-se então que o objetivo do trabalho foi concluído, mas outras funcionalidades devem ser adicionadas ao software.

35 34 REFERÊNCIAS Livros: SOMMERVILLE, I. (2003). Engenharia de Software. (6ª ed.). (A. M. Ribeiro, Trad.) Adisson Wesley: Pearson. Internet: Android é o sistema que mais cresce no mundo, diz pesquisa. (01 de Junho de 2013). Fonte: Terra: Android é o sistema que mais cresce no mundo. (18 de Maio de 2013). Fonte: Terra Tecnologia: Artigo: o Android é seguro? (02 de Junho de 2013). Fonte: IT WEB: Conheça a súmula utilizada nos jogos. (31 de Março de 2013). Fonte: Futsal do Brasil: CHACON, Scott. GIT rápido e fácil. (16 de Maio de 2013). Fonte: GIT-SCM: GRAHL, C. A. (16 de Maio de 2013). Groovy & Grails. Fonte: SOA SOA BEM: Groovy/Grails Tool Suite. (28 de Maio de 2013). Fonte: Grails: Hibernate. (01 de Junho de 2013). Fonte: Hibernate: JONHSON, R. (10 de Junho de 2013). Introduction to Spring Framework. Fonte: Free Java Basic Books: Framework-(Rod-Johnson)-PDF.html KING, G. (10 de Junho de 2013). Framework Hibarnate. Fonte: Hibernate: MARINHO, Frederico. (06 de Novembro de 2013). Instalando Phonegap com Eclipse IDE: preparando o ambiente para programação Android no Windows. Fonte: O esporte da bola pesada que virou uma paixão. Origem do Futsal. (31 de Março de 2013). Fonte: Futsal do Brasil: O que é Grails? (28 de Maio de 2013). Fonte: ITexto: O que são Gadgets e Widgets? (28 de Maio de 2013). Fonte: Código Fonte:

36 35 RABELLO, R. R. (12 de Maio de 2013). Android: um novo paradigma de desenvolvimento móvel. Fonte: CESAR: RhoSync Tutorial. (29 de Maio de 2013). Fonte: RHO Mobile: LECHETA, Ricardo Rodrigues.Introdução ao JETTY. (28 de Maio de 2013).

37 ANEXOS 36

38 37 ANEXOS A - Documento de Requisitos SUMDIG A Súmula Digital Versão 0.04 MAURICIO DA COSTA GOMES Balsas-MA 2013

39 38 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor Criação de Requisitos Funcionais [RF] Maurício Inclusão dos Requisitos Não Funcionais [RNF] Maurício Inclusão dos Diagramas de Classes [DC] Maurício Atualização do Documento de Requisitos Maurício

40 39 Introdução Finalidade Esse documento tem por finalidade reunir todas as informações necessárias para o desenvolvimento da súmula digital multiplataforma para a gerência de informações de uma partida de futebol de salão. Visão geral do Documento O documento está subdividido em passos de uma etapa do desenvolvimento do software, que é o documento de requisitos, onde mostra passo a passo como funciona os requisitos funcionais e não-funcionais.

41 40 Requisitos Funcionais [RF 01 Cadastro de Integrantes] Na tela inicial do sistema deverá conter campos para cadastro de integrantes, proporcionando ao usuário do sistema as opções de cadastrar um nome ao integrante, um código de registro, uma opção para definir a qual perfil esse integrante se encaixa (Técnico, Atendente, Preparador Físico, Médico, Fisioterapeuta, Jogador, Arbitro 1, Arbitro 2, Anotador, Cronometrista, Representante) e um botão para salvar o cadastro. [RF 02 Cadastro da Partida] Caso a partida ainda não esteja cadastrada, o sistema deverá fornecer a opção para cadastrá-la, recebendo os dados coletados na sumula manual, que são: os nomes das duas equipes que se enfrentarão e o horário que a partida iniciará. [RF 03 Registro do Jogo] Nesta opção deverá ser informado os dados do jogo (Categoria, Chave, Cidade, Competição, Data, Fase, Ginásio, Grupo, Número do Jogo e UF). [RF 03 Cadastro de Equipes] O sistema deverá conter um cadastro de equipes simulando a súmula real e oficial, com todos os campos da sumula utilizada em partidas oficiais. [RF 04 Interface do Dispositivo Móvel] O sistema deverá contar com uma interface voltada para dispositivo móvel contendo dois botões principais, o amarelo e o vermelho, uma vez que a versão mobile substitui o cartão utilizado pelos árbitros e suas características de uso. Após pressionar um dos botões a tela do dispositivo deverá estar na cor indicada pelo nome do botão e, após um segundo clique, deverá ser mostrado o teclado numérico do dispositivo para que o árbitro informe o número da camisa para qual o respectivo cartão será adicionado. [RF 05 Interface WEB] O sistema deverá contar com uma interface WEB voltada para o usuário que irá gerir as informações ao decorrer da partida. Esta tela deverá conter, no menu principal, todos as opções fornecidas na aplicação como: as opções de preenchimento em tempo real (gols por etapa, cartões por etapa, pedidos de tempo, número de faltas cometidas por ambas equipes por etapa), Cadastro das Equipes, Cadastro dos Integrantes (Árbitros, Equipe Técnica e Jogadores).

42 Requisitos Não Funcionais [RNF01 - Interface] A interface do sistema deverá ser flexível ao tamanho da tela do dispositivo. [RNF02 Interação de Dados] A interação entre o dispositivo móvel e o fixo deverá ser feita via Bluetooth. [RNF03 - App-Offline] O aplicativo deverá ser desenvolvido utilizando técnicas app-offline. [RNF04 - Armazenamento] O sistema deverá armazenar as informações coletadas em um servidor nas nuvens. Diagrama de Classes [DC 01 SUMDIG] 41

43 ANEXO B - Súmula Oficial da CBFS (Confederação Brasileira de Futebol de Salão) 42 Figura 21 - Súmula Oficial da Confederação Brasileira de Futebol de Salão. Fonte: Confederação Brasileira de Futebol de Salão. 7 7 Disponível em: Acesso em Maio de 2013.

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

A plataforma Android: Uma Introdução

A plataforma Android: Uma Introdução A plataforma Android: Uma Introdução Android Iniciativa da Google de prover uma plataforma aberta para Web móvel Open Handset Alliance Associação de um grupo bastante heterogêneo de empresas (operadoras,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Android. Marcelo Quinta @mrquinta

Android. Marcelo Quinta @mrquinta Android Marcelo Quinta @mrquinta Oi, eu sou o Marcelo Quinta Pública Público-privada Privada Próprio negócio Voluntariado Parabéns à organização do GO-GTUG Tablets 160% de aumento em 2011 Smartphones

Leia mais

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

Programação para Android

Programação para Android Programação para Android Aula 01: Visão geral do android, instalação e configuração do ambiente de desenvolvimento, estrutura básica de uma aplicação para Android Objetivos Configurar o ambiente de trabalho

Leia mais

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Android Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Universidade Federal de Santa Catarina November 18, 2008 Agenda 1 Introdução 2 Dalvik 3 Linux 2.6 Introdução

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

Visão geral Estrutura do sistema Ferramentas de desenvolvimento Uma aplicação. Android. Universidade Federal de Santa Catarina. 17 de dezembro de 2008

Visão geral Estrutura do sistema Ferramentas de desenvolvimento Uma aplicação. Android. Universidade Federal de Santa Catarina. 17 de dezembro de 2008 Android José João Junior Universidade Federal de Santa Catarina 17 de dezembro de 2008 Agenda 1 Visão geral 2 Estrutura do sistema 3 Ferramentas de desenvolvimento 4 Uma aplicação Visão geral Histórico

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 5 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM DEZEMBRO / 2014 2 de 5 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Android Básico Hello World!

Android Básico Hello World! Android Básico Hello World! Instrutor Programador desde 2000 Aluno de doutorado Mestre em informática pelo ICOMP/UFAM Especialista em aplicações WEB FUCAPI marcio.palheta@gmail.com sites.google.com/site/marcio

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

PLATAFORMA ANDROID. Ariel Soares Teles arielsoaresteles@gmail.com

PLATAFORMA ANDROID. Ariel Soares Teles arielsoaresteles@gmail.com Universidade Federal do Maranhão UFMA Programa de Pós-graduação em Engenharia de Eletricidade PPGEE Área de Concentração: Ciência da Computação Disciplina: Introdução a Computação Móvel Professor: Dr.

Leia mais

Dispositivos móveis e o mercado Android Open Handset Alliance Informações sobre Android Arquitetura

Dispositivos móveis e o mercado Android Open Handset Alliance Informações sobre Android Arquitetura Dispositivos móveis e o mercado Android Open Handset Alliance Informações sobre Android Arquitetura Dispositivos móveis e o mercado Mercado cresce a cada ano Muitos recursos Múltiplas plataforma Symbian

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis

Programação para Dispositivos Móveis Programação para Dispositivos Móveis Fatec Ipiranga Análise e Desenvolvimento de Sistemas Aula 02 História do desenvolvimento de software para dispositivos móveis Dalton Martins dmartins@gmail.com São

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android (Organização do Ambiente) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações. Android. Rick Rogers, John Lombardo, Zigurd Mednieks e Blake Meike. Novatec

Desenvolvimento de Aplicações. Android. Rick Rogers, John Lombardo, Zigurd Mednieks e Blake Meike. Novatec Desenvolvimento de Aplicações Android Rick Rogers, John Lombardo, Zigurd Mednieks e Blake Meike Novatec Sumário Prefácio... xi Público-alvo...xi Organização do livro...xii Convenções adotadas neste livro...xiii

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Sistema para gestão de restaurante

Sistema para gestão de restaurante Sistema para gestão de restaurante Luciana Tavares Rosa luciana.rosa@inf.aedb.br AEDB Fábio Rezende Dutra fabio.dutra@inf.aedb.br AEDB Resumo:O sistema para gestão de restaurante é um software desenvolvido

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

SenchaTouch + PhoneGap

SenchaTouch + PhoneGap SenchaTouch + PhoneGap Ramos de Souza Janones Phonegap.ramosdainformatica.com.br Desenvolvendo para 7 plataformas mobile www.sucessocomsoftware.com.br No mundo Android ios Windows Phone Outros 1% 4% 25%

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Componentes Visuais Gerenciadores de Layouts Professor: Danilo Giacobo OBJETIVOS DA AULA Apresentar os conceitos básicos da programação de interfaces visuais para Android

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Google. Ricardo R. Lecheta. Aprenda a criar aplicações para dispositivos móveis com o Android SDK. Novatec

Google. Ricardo R. Lecheta. Aprenda a criar aplicações para dispositivos móveis com o Android SDK. Novatec Google Aprenda a criar aplicações para dispositivos móveis com o Android SDK Ricardo R. Lecheta Novatec Sumário Agradecimentos... 15 Sobre o autor... 16 Prefácio... 17 Capítulo1 Introdução ao Android...

Leia mais

O que é o Android? O que é o Android

O que é o Android? O que é o Android O que é o Android? O Android é um sistema operacional para dispositivos móveis, baseado em uma plataforma de código aberta sob a licença apache, permitindo que os fabricantes possam modificar seu código

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS

SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS Danielle Dias Simões¹, Júlio César Pereira². Universidade Paranaense - Unipar Paranavaí PR - Brasil dannesimoes@hotmail.com juliocesarp@unipar.br Resumo. O

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS - APLICATIVOS HÍBRIDOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS - APLICATIVOS HÍBRIDOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS - APLICATIVOS HÍBRIDOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução PhoneGap PhoneGap Build GitHub INTRODUÇÃO Aplicativos nativos

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE BIBLIOTECAS GRÁFICAS I TEGRADAS COM OPE GL

ESTUDO COMPARATIVO DE BIBLIOTECAS GRÁFICAS I TEGRADAS COM OPE GL ESTUDO COMPARATIVO DE BIBLIOTECAS GRÁFICAS I TEGRADAS COM OPE GL Francisco Tiago Avelar, Vitor Conrado F. Gomes, Cesar Tadeu Pozzer Universidade Federal de Santa Maria UFSM Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

IV SEMANA DE INFORMÁTICA. Prof. Rafael Hens Ribas (rafael.r@ienh.com.br)

IV SEMANA DE INFORMÁTICA. Prof. Rafael Hens Ribas (rafael.r@ienh.com.br) IV SEMANA DE INFORMÁTICA Prof. Rafael Hens Ribas (rafael.r@ienh.com.br) O que é; ROTEIRO Quais versões existem e suas principais funcionalidades; O que preciso para começar a desenvolver; Como é o ambiente

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Desenvolvimento de um Caderno de Campo para Plataformas Móveis utilizando PhoneGap

Desenvolvimento de um Caderno de Campo para Plataformas Móveis utilizando PhoneGap Desenvolvimento de um Caderno de Campo para Plataformas Móveis utilizando PhoneGap Maicon Anderson Mattos da Silva 1, Casiane Salete Tibola 2, Jose Mauricio Cunha Fernandes 2, Jaqson Dalbosco 1, Rafael

Leia mais

Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE

Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE 1 Sumário Sumário... 2 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Propósito... 3 1.2 Escopo... 3 1.3 Referências... 3 2 DIRETRIZES...

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design

Leia mais

Informações importantes

Informações importantes Informações importantes Genexus Web: Marketing e TI alinhados em Aplicativos para Dispositivos móveis DUAS ÁREAS IMPORTANTES... DOIS AMBIENTES... Mais do nunca, marketing e TI precisam estar alinhados

Leia mais

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br

Fatos e Mitos do Java EE. Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br Fatos e Mitos do Java EE Fernando Lozano Consultor 4Linux lozano@4linux.com.br O Que É o Java EE? É um padrão de bibliotecas e componentes (APIs) para a criação de aplicações corporativas Também é um padrão

Leia mais

CONTEÚDO (técnico) COMPLETO DO TREINAMENTO INTENSIVO PARA ANDROID Universidade Android

CONTEÚDO (técnico) COMPLETO DO TREINAMENTO INTENSIVO PARA ANDROID Universidade Android Conteúdo detalhado CONTEÚDO (técnico) COMPLETO DO TREINAMENTO INTENSIVO PARA ANDROID Universidade Android Android Básico 1. Dispositivos Android 2. Instalação do Android 3. Emuladores de Android 4. Exercício:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Introdução ao Android

Introdução ao Android Introdução ao Android André Gustavo Duarte de Almeida docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Parte 1 Conhecendo o Sistema e Primeiro Programa Roteiro Pré-requisitos Conceitos Básicos Configurando o Ambiente

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

MONOGRAFIA: PLATAFORMAS DE DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

MONOGRAFIA: PLATAFORMAS DE DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO PUC-RIO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA - DI PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA INF2541 INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO MÓVEL PROF. MARKUS ENDLER MONOGRAFIA:

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.002 Revisão v. 2014 Plataformas Web 2. PUBLICAÇÃO Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2014 23 de dezembro de 2014 PORTARIA N Nº 225 de

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Desenvolvimento Android. http://www.larback.com.br

Desenvolvimento Android. http://www.larback.com.br Desenvolvimento Android http://www.larback.com.br Introdução ao Android O Android é a resposta da Google ao mercado crescente de dispositivos móveis. É uma nova plataforma de desenvolvimento baseado no

Leia mais

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft O OneDrive é um serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft que oferece a opção de guardar até 7 GB de arquivos grátis na rede. Ou seja, o usuário pode

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS APLICATIVOS HÍBRIDOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS APLICATIVOS HÍBRIDOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS APLICATIVOS HÍBRIDOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução PhoneGap PhoneGap Build GitHub INTRODUÇÃO Aplicativos nativos É

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis Aula 1. Prof. William Yamamoto

Programação para Dispositivos Móveis Aula 1. Prof. William Yamamoto Programação para Dispositivos Móveis Aula 1 Prof. William Yamamoto Visual Studio É uma ferramenta de desenvolvimento completa que atende praticamente a todas as plataformas de desenvolvimento, como: Web

Leia mais

RELATÓRIO FINAL Sistema para monitoramento de serviços com o Android OS

RELATÓRIO FINAL Sistema para monitoramento de serviços com o Android OS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO INF 655 COMPUTAÇÃO MÓVEL RELATÓRIO FINAL Sistema para monitoramento de serviços com

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações na plataforma Google Android

Desenvolvimento de aplicações na plataforma Google Android Desenvolvimento de aplicações na plataforma Google Android Rafael M. Lins Manoel Taenan Prof. Dr. Fábio Gomes Design by Rafael M. Lins Autores Rafael Madureira Lins de Araújo Bla bla bla Manoel Taenan

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Uso do SQLite no Android Professor: Danilo Giacobo OBJETIVOS DA AULA Aprender a persistir dados utilizando o banco de dados SQLite. Conhecer e utilizar a classe SQLiteOpenHelper.

Leia mais

Introdução ao Android SDK. Prof. Me. Hélio Esperidião

Introdução ao Android SDK. Prof. Me. Hélio Esperidião Introdução ao Android SDK Prof. Me. Hélio Esperidião Android SDK O Android SDK permite que os desenvolvedores elaborem as aplicações a partir de um dispositivo virtual para os aparelhos de celular e tablet,

Leia mais

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Secretaria Geral de Informática Sin Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Versão 2.1 O(s) critério(s) de escolha pelas tecnologias para desenvolvimento

Leia mais

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR Acompanhe o ritmo de aceleração dos ciclos de lançamento. Descubra a automatização com um toque humano EXECUTE UM TESTE 26032015 Com a Borland, tanto analistas de negócios

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Cursos de Magento. 2013 Gugliotti Consulting

Cursos de Magento. 2013 Gugliotti Consulting Cursos de Magento F U N D A M E N T O S D E M A G E N T O C O M M E R C E C U R S O E M V Í D E O - A U L A S M Ó D U L O 2 F T O 2 Fundamentos de Magento Commerce Módulo 2 Aula 1 Configuração da plataforma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Objetivos Desenvolver software baseados na plataforma de dispositivos móveis com ênfase na Android SDK, abrangendo desde princípios

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Depurando aplicações Professor: Danilo Giacobo OBJETIVOS DA AULA Aprender dicas e técnicas para encontrar erros em aplicações Android. Conhecer os recursos que auxiliam

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX. Vinícius Barreto de Sousa Neto

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX. Vinícius Barreto de Sousa Neto INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX Vinícius Barreto de Sousa Neto Libgdx é um framework multi plataforma de visualização e desenvolvimento de jogos. Atualmente ele suporta Windows, Linux,

Leia mais

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS Aluna: Eleonora Cominato Weiner Orientador: Markus Endler Introdução A palavra mobilidade ganha mais importância a cada instante,

Leia mais

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de TI (GTI034) 06/11/2012 RESUMO Escrever programas de computador,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS. por

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS. por UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS por Daniel Teixeira Braga Trabalho de Conclusão de curso II Prof. Marcos Echevarria

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla 6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla O mercado brasileiro de dispositivos móveis em breve ganhará mais uma grande plataforma. Anunciado oficialmente

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE CELULAR X COMPUTADOR Atualmente, o Celular roubou a cena dos computadores caseiros e estão muito mais presentes na vida dos Brasileiros. APLICATIVO PARA CELULAR O nosso aplicativo para celular funciona

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF-MG Campo Universitário Bairro Marmelos Juiz de Fora MG Brasil

Leia mais

OFICINA ANDROID COMO COMEÇAR A DESENVOLVER!

OFICINA ANDROID COMO COMEÇAR A DESENVOLVER! OFICINA ANDROID COMO COMEÇAR A DESENVOLVER! QUEM SOU EU? REGILAN MEIRA SILVA Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização em Sistemas de Informação e Mestrado

Leia mais