CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS KALIANE APARECIDA PILON BACHIEGA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA CONTROLE DAS ATIVIDADES DO SETOR DE ESTÁGIO DA FATEC DE LINS LINS/SP 1º SEMESTRE/2013

2 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS KALIANE APARECIDA PILON BACHIEGA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA CONTROLE DAS ATIVIDADES DO SETOR DE ESTÁGIO DA FATEC DE LINS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins para obtenção do Título de Tecnóloga em Banco de Dados. Orientador: Prof. Me. Anderson Pazin LINS/SP 1º SEMESTRE/2013

3 KALIANE APARECIDA PILON BACHIEGA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA PARA CONTROLE DAS ATIVIDADES DO SETOR DE ESTÁGIO DA FATEC DE LINS Trabalho de Conclusão de Custo apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Tecnóloga em Banco de Dados sob orientação do Prof. Me. Anderson Pazin. Data de Aprovação: 18/06/2013 Orientador (Prof. Me. Anderson Pazin) Profª Me. Gisele Molina Becari Prof. Me. Adriano Bezerra

4 A Deus, a meu esposo Naylor, aos meus pais Marineide e Aparecido Gilberto, a minha irmã Natashi e a minha avó Lourdes, in memorian. Kaliane Aparecida Pilon Bachiega

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por ser o detentor de tudo e por ter me concedido essa conquista. Aproveito também, para manifestar a minha gratidão ao meu esposo Naylor pela compreensão, paciência, carinho, apoio e incentivo durante a realização deste trabalho. Não poderia esquecer-me de incluir aqui, meus pais, minha irmã e a minha avó Lourdes, in memorian, por sempre me incentivarem e serem o motivo por estar aqui hoje. Com alegria fico grata pela oportunidade de cumprir uma promessa a alguém que foi muito especial em minha vida, minha avó. A todos os funcionários da FATEC e amigos que conquistei, gostaria de dizer que foram muito importantes e que sempre serão lembrados com muito carinho. Gostaria de agradecer ao meu orientador Prof. Me. Anderson Pazin por todo apoio e atenção, a todos que direta ou indiretamente contribuíram para realização deste trabalho e aos professores: Prof. Me. Mario Henrique S. Pardo, Prof. Me. Fábio Lúcio Meira, Profª Mª Luciane Noronha do Amaral, Profª Mª Adriana de Bortoli, Prof. Me. Julio Fernando Lieira, Prof. Me. Adriano de Souza Marques, Prof. Me. Alexandre Ponce de Oliveira, Prof. Me. Luiz Fernando de Oliveira Silva, Profª Mª Gisele Molina Becari, Prof. Dr. Luciano Soares de Souza, Prof. Me. Adriano Bezerra, Prof. Dr. Renato Correia de Barros, Prof. Me. Alexandre Teso, Profª Mª Elaine V. H. de Moraes, Prof. Me. Euclides Reame Junior, Prof. Me. João Luiz C. de Moraes, Prof. Me. Luiz Antonio Cabañas, Prof. Me. Rogerio Pinto Alexandre, Profª Mª Sandra Maria G. Bertozzo. Por fim, muito obrigada a todos com quem tive a grande oportunidade de conviver durante meu período de estágio na FATEC. Em especial ao Rafael Hamamura com quem aprendi muito e ao Bruno Floriano pelo tema deste trabalho.

6 RESUMO O meio de organização do trabalho mudou extremamente se comparado há apenas algumas décadas. O que antes, em sua maioria, era realizado manualmente agora enfrenta as mudanças e facilidades trazidas pela computação. Todavia, ainda existem setores que não contam com sistemas informatizados para auxílio nas atividades realizadas diariamente. Nesse contexto encontra-se o setor de estágio da FATEC de Lins. A informatização desse setor, através do desenvolvimento de um sistema web, pode contribuir para facilitar e aprimorar as atividades ali realizadas, por permitir o acesso a informações mais rapidamente, por exemplo. Deste modo, este trabalho objetiva o desenvolvimento de uma aplicação web para o referido setor, com foco nas tecnologias utilizadas, no sentido de poder contribuir para o aprimoramento dos seus processos cotidianos, por meio da agilização da geração de documentos e relatórios, bem como facilitar o acesso a dados de empresas e estagiários. O sistema conta com áreas para cadastros, acompanhamento das atividades realizadas pelos estagiários, possibilita que estagiários preencham o seu relatório mensal, disponibiliza informações sobre vagas de estágio e permite diversas consultas aos dados nele inseridos. Para que o objetivo fosse concretizado foram utilizadas as seguintes tecnologias: Java Server Faces (JSF), PrimeFaces, Hibernate, Java Enterprise Edition (JEE), o banco de dados Mysql, IReports e Integrated Development Environment (IDE) Netbeans. Palavras-chave: setor de estágio, aplicação web, primefaces, JSF.

7 ABSTRACT The means of the organization of work has changed greatly compared a few decades ago. What before, mostly done manually was now facing the changes and facilities brought about by computing. However, there are still areas that do not have systems to aid in daily activities. In this context is the internship department of FATEC Lins. The computerization of this department through the development of a web system can help to facilitate and enhance the activities carried out there by allowing access to information more quickly, for example. Being so, this work aims to develop a web application for this sector, with a focus on technologies used in order to contribute to the improvement of their daily processes through streamlining of document generation and reporting, as well as facilitate access to business data and trainees. The system has areas for records, monitoring of activities performed by the trainees, enables trainees meet their monthly report provides information on apprenticeship positions and allows various queries against the data contained therein. To that goal was achieved were used the following technologies: Java Server Faces (JSF), PrimeFaces, Hibernate, Java Enterprise Edition (JEE), the MySQL database, ireports and Integrated Development Environment (IDE) Netbeans. Keywords: internship department, web application, primefaces, JSF.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1.1 Alunos e estagiários Brasil Figura 1.2 Porcentagem de alunos no ensino superior presencial e superior à distância Figura 1.3 Página voltada a empresas no site da CIEE Figura 1.4 Página voltada a estudantes e estagiários no site da CIEE Figura 1.5 Página voltada a instituições de ensino no site da CIEE Figura 2.1 Fases do Programa Java Figura 2.2 Camadas da plataforma Java EE Figura 2.3 Framework JSF Figura 2.4 Árvore de componentes Figura 2.5 Codificação e decodificação página JSF Figura 2.6 Exemplo de DataTable Figura 2.7 Código para criação do DataTable Figura 2.8 Arquivo hibernate.cfg.xml Figura 2.9 Esquema de como o Hibernate funciona Figura 2.10 Interface de linha de comando Figura 2.11 Interface gráfica do programa MySQL Workbench Figura 3.1 Diagrama de atividade gerenciar login de usuários Figura 3.2 Diagrama MVC gerenciar login de usuários Figura 3.3 Diagrama de sequência gerenciar login de usuários Figura 3.4 Diagrama de atividade manter estagiário Figura 3.5 Diagrama MVC manter estagiário Figura 3.6 Diagrama de sequência manter estagiário Figura 3.7 Diagrama de atividade solicitar consulta de estagiário Figura 3.8 Diagrama MVC solicitar consulta de estagiário Figura 3.9 Diagrama sequência solicitar consulta de estagiário Figura 3.10 Diagrama de atividade assinalar documentos entregues Figura 3.11 Diagrama de MVC assinalar documentos entregues Figura 3.12 Diagrama de sequência assinalar documentos entregues Figura 3.13 Diagrama de atividade confirmar nova vaga de estágio

9 Figura 3.14 Diagrama MVC confirmar nova vaga de estágio Figura 3.15 Diagrama sequência confirmar nova vaga de estágio Figura 3.16 Diagrama de atividade realizar termo de compromisso Figura 3.17 Diagrama de MVC realizar termo de compromisso Figura 3.18 Diagrama de sequência realizar termo de compromisso Figura 3.19 Diagrama de atividade confirmar carga horária de estágio Figura 3.20 Diagrama de MVC confirmar carga horária de estágio Figura 3.21 Diagrama de sequência confirmar carga horária de estágio Figura 3.22 Diagrama de atividade manter vaga de estágio Figura 3.23 Diagrama MVC manter vaga de estágio Figura 3.24 Diagrama sequência manter vaga de estágio Figura 3.25 Diagrama de atividade preencher relatório a Figura 3.26 Diagrama MVC preencher relatório a Figura 3.27 Diagrama sequência preencher relatório a Figura 3.28 Diagrama de atividade preencher relatório b Figura 3.29 Diagrama MVC preencher relatório b Figura 3.30 Diagrama sequência preencher relatório b Figura 3.31 Diagrama de caso de uso completo Figura 3.32 Diagrama de classes Figura 3.33 Modelo de entidade e relacionamento Figura 4.1 MySQL Workbench e estrutura da tabela usuário Figura 4.2 Implementação do componente DataTable de cursos Figura 4.3 Página inicial do sistema Figura 4.4 Controle de Login Figura 4.5 Função func_dologin Figura 4.6 método dogetpassword Figura 4.7 Função func_busca_cep Figura 4.8 Área do responsável de estágio Figura 4.9 Área do estagiário Figura 4.10 Área da empresa Figura 4.11 Consulta de convênio Figura 4.12 Criação de novo relatório Figura 4.13 Criação de novo relatório diário Figura 4.14 Cadastro de novo relatório diário

10 Figura 4.15 Conclusão de relatório diário Figura 4.16 Conclusão de relatório diário Figura 4.17 Conclusão de relatório diário Figura 4.18 Editor de texto Figura 4.19 Página 1 do Plano de Estágio Figura 4.20 Página 2 do Plano de Estágio Figura A.1 Adicionar plug-ins no Netbeans Figura A.2 Adicionar plug-ins do Ireport no Netbeans Figura A.3 Ícone da ferramenta Ireport no Netbeans Figura A.4 Janela para criar conexão com o banco Figura A.5 Tipo de conexão com o banco Figura A.6 Configuração de conexão com o banco Figura A.7 Welcome to Jaspersoft Figura A.8 Welcome to Window Figura A.9 Janela para escolha do tema Figura A.10 Criação relatório Figura A.11 Relatório com tema cherry Figura A.12 Relatório após modificação Figura A.13 Barra de ferramentas do IReport Figura A.14 Interface para criação de consultas SQL Figura A.15 Aba Report Inspector Figura A.16 Relatório compilado

11 LISTA DE QUADROS Quadro 3.1 Necessidades e Prioridades Quadro 3.2 Eventos e Casos de Uso A Quadro 3.3 Eventos e Casos de Uso B Quadro 3.4 Eventos e Casos de Uso C Quadro 3.5 Eventos e Casos de Uso D

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABRES Associação Brasileira de Estágios AJAX Asynchronous JavaScript and Extensible Markup Language APIs - Application Programming Interfaces CIEE Centro de Integração Empresa Escola EIS Enterprise Information Systems HTML Hypertext Markup Language HTTP HyperText Transfer Protocol IDEs Integrated Development Environments JDBC Java Database Connectivity JDK Java Development Kit JEE Java Enterprise Edition JME Java Micro Edition JPA Java Persistence API JSE Java Standart Edition JSF Java Server Faces JVM Java Virtual Machine MER Modelo de Entidade e Relacionamento MVC Model View Controller MYD MyDara MYI MyIndex PDF Portable Document Format POJO Plain Old Java Object SO Sistema Operacional SQL Structured Query Language UI User Interface URL Uniform Resource Locator XHMTL Extensible Hypertext Markup Language XML Extensible Markup Languague INEP/MEC Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais e pelo Ministério da Educação

13 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES... 8 LISTA DE QUADROS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS INTRODUÇÃO SETOR DE ESTÁGIO LEIS DE ESTÁGIO DADOS SOBRE O ESTÁGIO NO BRASIL AGENTES DE INTEGRAÇÃO DE ESTÁGIO CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO TECNOLOGIAS ENVOLVIDAS JAVA Java Enterprise Edition JAVA SERVER FACES (JSF) PRIMEFACES HIBERNATE MYSQL O SERVIDOR TOMCAT GERAÇÃO DE RELATÓRIOS CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO ANÁLISE E PROJETO DO SISTEMA ANÁLISE DE NEGÓCIO Instrução do Problema Atores e Envolvidos no Processo Descrição do Ambiente Atual VISÃO GERAL DO PRODUTO Perspectiva do Produto Características ANÁLISE E PROJETO DO SISTEMA Casos de Usos, Diagramas de Atividades, MVC e Diagramas de Sequência... 47

14 3.4 DIAGRAMA DE CLASSES PROJETO DE BANCO DE DADOS CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO IMPLEMENTAÇÃO BANCO DE DADOS IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA WEB CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A Instalação do plugin ireport no Netbeans A.1 PASSOS DE INSTALAÇÃO A.2 EXEMPLO DE CRIAÇÃO DE UM RELATÓRIO A.3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

15 14 INTRODUÇÃO Atualmente a computação vem facilitando os processos de trabalho. Dessa maneira, o que antes era organizado manualmente em muitas fichas e armários dentro de uma empresa, hoje é realizado e mais satisfatoriamente organizado por sistemas desenvolvidos pela computação. Assim, contratos e formulários podem ser preenchidos através da Internet e enviados a longas distâncias em apenas segundos. Deste modo, é possível observar que o meio de organização do trabalho mudou extremamente se comparado há apenas algumas décadas. Alguns avanços tecnológicos produzem um grande impacto nas organizações empresariais, inclusive na sociedade como um todo, exigindo uma completa alteração na forma de agir diante desta nova realidade. Atualmente, devido à revolução da informação, uma extraordinária mudança está fazendo com que passemos da sociedade industrial para a sociedade da informação. Os pilares desta nova sociedade, que é fortalecida a cada dia, estão baseados na TI e nos valores intangíveis. (AGRASSO; ABREU, 2000, p.12) Tendo em vista as facilidades proporcionadas pelo uso de sistemas computacionais, torna-se menos viável para uma empresa continuar com as antigas formas de organizações e realizações de suas atividades cotidianas. Laudon (2007), afirma que investimentos em sistemas e tecnologias da Informação são necessários, uma vez que se tornaram de extrema importância na prática de negócios garantindo a sobrevivência das empresas. Rainer e Cegielski (2011) defendem o ponto de vista de que as organizações hoje não vivem mais sem as tecnologias de informação e que as mesmas se tornaram partes integrantes de cada área de uma organização. Seguindo esse pensamento, constata-se que na Faculdade de Tecnologia de Lins Professor Antonio Seabra FATEC Lins, o setor de estágio encontra-se hoje, sem um sistema específico para atender ao seu fluxo de atividades. A tramitação de documentos necessários para contratação de estagiários é feita por meio dos próprios alunos, que levam até as empresas interessadas os documentos para convênio, ou através do site da faculdade onde os documentos estão acessíveis. Assim, torna-se onerosa a tarefa de organizar esses documentos e realizar o acompanhamento das atividades de estágio de cada aluno, bem como os relatórios entregues e acompanhamento das cargas horárias.

16 15 Acredita-se, que a informatização do setor de estágio da FATEC de Lins poderá contribuir para agilizar as atividades diárias. Pois, por meio do desenvolvimento de um programa específico para atender as necessidades deste setor, o acompanhamento dos planos de estágio de cada aluno poderá vir a ser realizado com maior eficácia. Sendo assim, esta monografia tem por objetivo o desenvolvimento de um sistema web para o setor de estágio da faculdade com foco nas tecnologias utilizadas. Por meio do sistema proposto, pretende-se tornar possível uma nova forma de organização de trabalho, contribuindo no desempenho diário das tarefas desenvolvidas. Para que esses objetivos possam ser concretizados, utilizar-se-á as seguintes tecnologias: Java Server Faces (JSF), PrimeFaces, Hibernate, Java Enterprise Edition (JEE), o banco de dados Mysql, IReports e Integrated Development Environment (IDE) Netbeans. Quanto à organização do trabalho, no primeiro capítulo será realizada uma análise de mercado em busca de sua compreensão e investigação dos serviços já existentes para controle no setor de estágio. No segundo capítulo serão apresentadas as descrições das tecnologias necessárias para a realização desta monografia. No terceiro capítulo constará a análise de sistema. O capítulo quatro apresentará informações sobre a implementação do sistema.

17 16 1 SETOR DE ESTÁGIO que o regem. Nesse capítulo encontram-se informações sobre o que é o estágio e as leis 1.1 LEIS DE ESTÁGIO O estágio é um ato educativo, que se desenvolve em um ambiente de trabalho visando à integração dos estudantes com o mercado, é realizado através de supervisão por parte do professor orientador da instituição de ensino e também por um supervisor da parte cedente, como consta na Lei /2008, Art. 1º (BRASIL, 2008). Pode enquadrar-se na categoria de estagiário o aluno que se encontra nas situações onde os requisitos são (BRASIL, 2008): Estar frequentando o ensino regular em instituições de educação superior, de educação profissional, ou de ensino médio; Os que estiverem frequentando educação especial; E também, os que estiverem nos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos. Alunos estrangeiros devidamente matriculados em cursos superiores podem realizar atividade de estágio, todavia o prazo do visto temporário necessita condizer com o período previsto para o cumprimento do estágio como consta no Art. 4º (BRASIL, 2008). O estágio é dividido em duas categorias, o obrigatório e o não obrigatório. O estágio obrigatório é aquele, que constitui parte da grade curricular de um curso, contendo a especificação das horas necessárias e sendo requisito para obtenção de diploma. O estágio não obrigatório é aquele que não se encontra no projeto pedagógico do curso como requisito para aprovação, sendo desta forma opcional. (BRASIL, 2008) O estágio não é considerado um vínculo empregatício, desde que esteja dentro das normas regidas perante a lei. Desta forma, não lhe cabe encargos sociais, trabalhistas e previdenciários como consta no Art. 3º (BRASIL, 2008). Todavia, para que o vínculo não seja formado há alguns requisitos necessários a

18 17 serem cumpridos: matrícula e frequência do educando em uma das modalidades de ensino citadas acima e realização do termo de compromisso de estágio. As atividades desenvolvidas no estágio necessitam corresponder àquelas que são especificadas no seu termo de compromisso. (BRASIL, 2008) Podem contratar estagiários pessoas e órgãos, que encontram-se em situação prevista no Art. 9º. Art. 9º As pessoas jurídicas de direito privado e os órgãos da administração pública direta, autárquica e fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como profissionais liberais de nível superior devidamente registrados em seus respectivos conselhos de fiscalização profissional, podem oferecer estágio [...].(BRASIL, 2008, p.11) Existem requisitos necessários ao órgão ou pessoa cedente de estágio para que a oportunidade de estágio possa ser oferecida. Esses requisitos são: Realização de um termo de compromisso entre a instituição de ensino e o educando; A parte cedente necessita dispor de instalações, que proporcione ao educando local adequado para a aprendizagem social, profissional e cultural; Há a necessidade de um funcionário responsável na área de atuação do estagiário, para supervisionar as atividades realizadas pelo mesmo; Contratar ao estagiário um seguro contra acidentes; Possuir os documentos que comprovem a relação do estágio e no mínimo a cada seis meses enviar à instituição de ensino, relatórios das atividades desenvolvidas. (BRASIL, 2008) Quanto às obrigações relativas à instituição de ensino, cabe-lhe a celebração do termo de compromisso de estágio com educando e também com a parte cedente. A instituição de ensino deve ainda: realizar a avaliação das instalações concedidas ao ambiente de estágio, indicar o professor que será responsável pela supervisão das atividades, requerer relatórios das atividades desenvolvidas no prazo máximo de seis meses, cuidar para que o termo de compromisso seja cumprido e informar a parte cedente o calendário do ano letivo. (BRASIL, 2008) Segundo o Art. 10º (BRASIL, 2008), as horas diárias de estágio serão definidas entre a instituição, o estagiário, ou responsável, caso o mesmo seja menor

19 18 de idade, e também entre a parte cedente. No entanto, cabe ressaltar que não se deve ultrapassar seis horas diárias (30 horas semanais) de estágio em casos nos quais o educando seja um estudante de ensino superior, de educação profissional de nível médio ou do ensino regular. Quando a modalidade de ensino frequentada, corresponder a de nível de educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, ou na profissional de educação de jovens e adultos, a quantidade de horas não deve ultrapassar quatro horas diárias, totalizando 20 horas semanais. Apenas pode realizar estágio com carga horária de até 40 horas semanais o educando, que frequenta curso onde a prática e o ensino teórico são alternados. Nesse caso a prática realizada através do estágio, necessita ser realizada em períodos onde não irão ocorrer aulas presenciais. Conforme os Art. 11, Art. 12 e Art. 13 (BRASIL, 2008), a duração de um estágio no mesmo local não poderá ultrapassar dois anos, cabendo exceção somente ao educando portador de deficiência. A cada um ano de estágio é assegurada férias de 30 dias ao aluno, caso o estágio seja remunerado, as férias também serão. O site do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), trás um demonstrativo comparativo entre a antiga lei que regia as atividades de estágio e a nova lei. Dentre as principais mudanças, o site da CIEE (CIEE, 2012a), pontua a regulamentação da carga horária limite de estágio, a duração do estágio no mesmo local não podendo este ultrapassar dois anos, a designação de um professor orientador e a exigência de relatórios. Quanto às modificações na lei a respeito da parte cedente do estágio, cabe-lhes a nomeação de um supervisor para cada dez estagiários. Essas regulamentações citadas à cima, não constavam na antiga Lei 6494/ DADOS SOBRE O ESTÁGIO NO BRASIL Segundo o site da Associação Brasileira de Estágio (ABRES, 2012a), logo após o sancionamento da Lei /2008, o número de estagiários diminuiu em 20 mil no ensino superior e 40 mil no ensino médio, totalizando uma perca de 60 mil estagiários. O mesmo site ainda mostra que o número de vagas ofertadas para estágio em outubro de 2009 caiu em 40%. Todavia, nos meses seguintes, algumas empresas após se adaptarem as novas leis começaram a contratar estagiários

20 19 novamente. Em 2010 de acordo com o site da ABRES (2012b), foi realizado um censo pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais e pelo Ministério da Educação (INEP/MEC) para uma compreensão da situação em que se encontram os estudantes brasileiros e o seu relacionamento com as atividades de estágio. Os dados mostraram que no Brasil existem alunos no ensino médio e no nível superior existem , onde são de cursos presenciais e correspondem a alunos matriculados em ensino superior à distância, conforme representado nas figuras 1.1 e 1.2. Houve no ano correspondente a pesquisa, um aumento de 13,8% de estagiários cursando nível superior e um aumento de 4% de estagiários cursando nível médio. O número mais elevado de estagiários de nível superior deve-se as limitações, impostas pela Lei /2008, para estagiários que estão no ensino médio. (ABRES, 2012b) Figura 1.1 Alunos e estagiários Brasil. Fonte: ABRES, 2012b.

21 20 Figura 1.2 Porcentagem de alunos no ensino superior presencial e superior à distância. Fonte: ABRES, 2012b. Segundo a pesquisa realizada pelo INEP/MEC de 2010 e disponibilizada pelo site da ABRES (2012b), são ofertadas um milhão de vagas de estágios no Brasil, as vagas para os estudantes de nível superior são de 740 mil. Contudo, esse número ainda não é suficiente, uma vez que apenas 14,5% dos estudantes acabam conseguindo uma vaga para poder realizar as atividades de estágio. A pesquisa citada considera a oportunidade de estágio uma fonte importante para manutenção dos alunos nos cursos superiores, pois apenas 44,6% dos alunos que ingressam no nível superior de ensino concluem o curso, sendo uma das maiores causas a dificuldade financeira. Desta forma, o estágio constituindo-se uma forma de renda e a abertura de uma porta para a carreira profissional do estudante, podendo ajudar a diminuir os números de desistências nos cursos superiores. Quanto aos números relativos a estágio para alunos de ensino médio e educação profissional, a pesquisa realizada em 2010 pelo INEP/MEC, de acordo com o site da ABRES (2012b), mostra que apenas 260 mil são contemplados pela oportunidade de estágio, o que representa 3,1% dos estudantes desta modalidade de ensino. O censo citado acima contabilizou 8,6 milhões de alunos matriculados no ensino médio, e que podem estagiar a partir dos 16 anos. Apenas 2,57% desses estudantes estavam cursando o nível médio técnico. A pesquisa coloca como ponto relevante que 3,4 milhões de estudante frequentam a escola no período noturno, fato que corresponde à pretensão dos mesmos de conseguirem uma atividade para poderem contribuir com a renda da família. (ABRES, 2012b) 1.3 AGENTES DE INTEGRAÇÃO DE ESTÁGIO Agentes de integração de estágio são entidades que buscam aproximar as

22 21 instituições de ensino, os alunos e as partes cedentes de estágio, bem como buscar espaço de mercado para a atividade de estágio. Segundo o Art. 5º (BRASIL, 2008) e o site da ABRES (2012c), a atividade de agente de integração de estágio tem por deveres: O cadastro de alunos; A identificação das propostas e oportunidades de vagas de estágio; Cuidar para que as condições de realização de estágio previstas em lei sejam cumpridas; Encaminhar os contratos para seguro de estágio e preparar toda a documentação necessária (acordo de cooperação entre instituição de ensino e parte concedente de estágio, termo de compromisso de estágio e seguro contra acidentes pessoais); Realizar a organização dos cadastros das partes cedentes de estágio, bem como selecionar os locais para a realização dos mesmos. Realizar encaminhamento dos estudantes aos estágios ofertados pelas partes cedentes. Além das atribuições acima, segundo o site da ABRES (2012c), os agentes de integração podem ainda deixar a disposição das instituições de ensino, informações como: total de alunos cadastrados, quantidade de alunos realizando estágio e relação de estudantes em estágio por curso. De acordo com o Art. 5º (BRASIL, 2008), é vedada qualquer cobrança pelos agentes de integração em relação aos estudantes pela concessão de seus serviços. Os agentes de integração de estágio podem responder civilmente se encaminharem estudantes para estágios, cujas atividades não estejam de acordo com as especificadas nas grades curriculares do aluno. Existem vários sites que realizam a atividade de agentes de integração, que buscam estreitar o relacionamento entre estudantes, empresas e intuições de ensino. Nesses sites são encontradas informações e esclarecimentos sobre as leis que regem a atividade de estágio, deveres que cabem as empresas, alunos e instituições de ensino. Existem áreas distintas para cadastros de empresas, estudantes e instituições de ensino, com informações referentes ao interesse de cada um. Como exemplo de site que promove o papel de agente integrador pode-se citar o CIEE, uma instituição que é mantida pelo empresariado nacional e que não

23 22 visa finalidades lucrativas, promovendo desta forma a integração entre todos os envolvidos na relação de estágio. (CIEE, 2012b) No site do CIEE (2012c), existem áreas especificas para as empresas poderem: Realizar cadastros; Recuperar senhas; Enviarem propostas de estágio; Realizarem pré-convênios; Cadastrar supervisores de estágios; Certificados de seguro; Encaminhados para a oportunidade de estágio; Estagiários contratados; Recesso de estágio; Relatório de atividades desenvolvidas no estágio; Rescisões de contratos. Os exemplos acima podem ser visualizados na figura 1.3. Figura 1.3 Página voltada a empresas no site da CIEE Fonte: CIEE, 2012c.

24 23 Este site, CIEE, que promove a função de agente de integração, também possui áreas reservadas a estagiários e instituições de ensino, como mostradas nas figuras 1.4, e 1.5. Na área de estudantes, no site do CIEE (2012d), podem ser encontradas funcionalidades para alunos que ainda não foram contemplados com estágio e querem realizar seu cadastro no site, como também funcionalidades para estudantes que já foram contemplados com a oportunidade de estágio. As funcionalidades disponibilizadas para os estudantes são: Área para cadastro; Área para atualização de dados; Banco de vagas de estágio ofertadas; Currículo do estudante; Cursos à distância; Histórico de vagas; Testes de capacitação; Testes de temperamentos entre outras. O aluno que já realiza a atividade de estágio possui as seguintes áreas segundo o site CIEE (2012d): Certificado de seguro; Curso primeiro estágio; Declaração de estágio; Pagamento de bolsa; Relatório de estágio. As instituições de ensino podem realizar as seguintes operações no site da CIEE (CIEE, 2012e): Cadastro do orientador de estágio; Atestado de estágio; Cartaz de vagas de estágio ofertadas; Estagiários contratados por curso; Estagiários contratados por empresa; Estudantes em seleção para estágio; Plano de estágio; Relatórios de Atividades;

25 24 Rescindidos por curso; Síntese de relatórios; Termo de realização. Figura 1.4 Página voltada a estudantes e estagiários no site da CIEE. Fonte: CIEE, 2012d. Figura 1.5 Página voltada a instituições de ensino no site da CIEE Fonte: CIEE, 2012e.

26 CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO As funcionalidades coletadas no site de integração CIEE, colaboram para um entendimento dos requisitos que um sistema de controle de estágio deve conter. Tendo como base as pesquisas realizadas sobre as funcionalidades disponibilizadas pelos sites de agentes de integração de estágio, observam-se requisitos que se tornam essenciais para um sistema de controle de estágio são eles: Áreas específicas voltadas ao perfil de quem irão acessa-las, como por exemplo, empresas, alunos e administrador responsável pelas atividades de estágio; Controle de frequência dos estagiários; Áreas para realização de cadastros de alunos e empresas; Disponibilização de formulários oficiais, convênios entre outros; Controle de início e término dos contratos de estágio; Desenvolver restrições de acesso a certas áreas do sistema; Possibilitar consultas sobre dados dos estagiários; Manter um controle sobre os documentos entregues; No próximo capítulo serão abordadas a tecnologias que foram utilizadas para a realização deste trabalho monográfico.

27 26 2 TECNOLOGIAS ENVOLVIDAS Nesse capítulo encontram-se informações sobre as tecnologias utilizadas para realização desta monografia. 2.1 JAVA Segundo Mendes (2009), Java é uma linguagem de programação orientada a objetos, altamente portável e com alto desempenho. Sendo constituída pela linguagem de programação propriamente dita, uma plataforma formada por Application Programming Interfaces 1 (APIs) e por uma máquina virtual Java. Esta linguagem pode ser considerada simples ao permitir que desenvolvedor não se preocupe com infraestruturas como o hardware e o sistema operacional em que o seu aplicativo será executado, o que facilita o seu desenvolvimento. Como facilitador pode ser citado também, o fato de Java implantar o conceito de reuzabilidade de códigos evitando a repetição desnecessária dos mesmos. Dentre os fatores de Java ser considerada uma linguagem de alto desempenho, é que ela conta com um recurso conhecido como garbage colletctor (coletor de lixo), que trabalha em segundo plano liberando memória que não se encontra mais em uso. Isso permite que a memória desalocada possa ser utilizada por outras partes do sistema, aumentando o seu desempenho. (MENDES, 2009) Linguagens de programação como C e Pascal, por exemplo, possuem seus respectivos códigos fontes, que ao serem compilados geram um código binário e este é compatível a um determinado sistema operacional (SO). Se o desenvolvedor precisar migrar de um sistema operacional para outro é necessário reescrever pedaços da aplicação onde o código fonte é específico para aquele sistema operacional. Isso ocorre devido ao fato de que a aplicação pode se comunicar com bibliotecas específicas de um sistema. (CALEUM, 2013) Java é uma linguagem interpretada e compilada e utiliza o recurso de uma máquina virtual, Java Virtual Machine (JVM). Esse fato possibilita a sua independência em relação à plataforma utilizada (sistemas operacionais e tipos de 1 Uma interface entre aplicativo e programação (API) é um conjunto de instruções e padrões de programação para acesso a um aplicativo de software baseado na web, ou ferramenta de web. Uma empresa de software lança seu API para o público de modo a que outros criadores de software possam desenvolver produtos acionados por esse serviço. (ROOS, 2013)

28 27 dispositivos, por exemplo). Para isso, a JVM funciona como um tradutor entre a aplicação e o sistema operacional de forma a realizar chamadas ao SO que foram requisitadas pela aplicação. Deste modo aplicação não se comunica diretamente com o sistema operacional, tornando-a independente. (CALEUM, 2013) Segundo Deitel (2007), programas desenvolvidos em Java possuem cinco fases e são elas: Edição: o código fonte é escrito em um programa editor, também podendo ser utilizado ambientes de desenvolvimento integrados (IDEs Integrated Development Environments) e é armazenado em uma unidade de disco com a extensão java. Compilação: o código fonte é compilado e produz os bytecodes 2 que são armazenados em um arquivo de extensão class e executados pela JVM. Os bytecodes são independentes das plataformas (hardwares e SOs), sendo por isso portáveis. Carga: é o processo em que os arquivos class que possuem os bytecodes são carregados na memória principal. Verificação: enquanto os bytecodes são carregados é feita uma verificação para constatar se os eles são válidos e não quebram restrições de segurança do Java. Execução: nesta fase os bytecodes são executados pela JVM. Na figura 2.1, estão representadas as fases de um programa escrito em Java, descritas acima. A linguagem Java, possui três edições sendo elas: Java Standart Edition (JSE): possibilita o desenvolvimento e a implementação de aplicativos Java em desktops e em servidores, oferecendo entre outros recursos segurança e portabilidade. (ORACLE, 2013c) Java Enterprise Edition (JEE): tem como alvo aplicações voltadas para a Internet e é muito utilizada em desenvolvimentos de aplicativos empresariais. (ORACLE, 2013b) Java Micro Edition (JME): oferece conjunto de tecnologias que 2 A linguagem Java é interpretada, ou seja, após a compilação é gerado um arquivo intermediário (nem texto nem executável) no formato bytecode, que poderá ser executado em qualquer arquitetura (Windows, Linux, Mac e Unix) que tenha uma máquina virtual Java instalada. (MENDES, p.20, 2009).

29 28 disponibiliza recursos para desenvolvedores criarem aplicações voltadas à dispositivos em que recursos de hardware são limitados. Essa plataforma é utilizada, por exemplo, em dispositivos móveis como smartphones. (ORACLE, 2013a) A criação de programas em Java exige que o desenvolvedor possua o Java Development Kit (JDK), que consiste em um ambiente de desenvolvimento onde são encontradas ferramentas para a criação e testes de aplicações. (ORACLE, 2013d) Figura 2.1 Fases do Programa Java. Fonte: CyberSphera, 2013.

30 Java Enterprise Edition Segundo Sampaio (2011), a plataforma Java JEE trata-se de uma plataforma voltada ao desenvolvimento de aplicações coorporativas, o que significa ter o intuito de resolver problemas organizacionais ou empresariais. Essa plataforma divide-se em quatro camadas: cliente, apresentação, negócios e Enterprise Information Systems, que serão apresentadas abaixo: Na camada cliente temos o web browser ou applets 3, podendo ter também aplicações Java rodando dentro do Java EE client container. Na camada de apresentação (ou Web Tier) temos os componentes web da arquitetura Java EE, como Java Server Pages (JSP), Servlets e Java Server Faces. Na camada de negócios rodamos os componentes remotos que implementam regras de negócio ou representam entidades 4 de dados, os Enterprise Javabeans e Web Services. Finalmente, na camada EIS (Enterprise Information Systems) temos os servidores de recursos corporativos, como: Servidores de Banco de Dados ou Mainframes. (SAMPAIO, 2011, p. 20 e 21) Na figura 2.2 abaixo são ilustradas as camadas da plataforma JEE. Figura 2.2 Camadas da plataforma Java EE. Fonte: Sampaio, 2011, p Applets são aplicativos computacionais que possuem características limitadas, requerem poucos recursos de memória para serem executadas e, normalmente, são portáveis entre sistemas operacionais. Os applets escritos [...] em linguagem computacional Java são os mais populares. (GAUDIO, 2013). 4 Uma classe de entidade é um objeto Java simples e antigo (POJO), uma classe Java simples que é identificada como uma entidade pela (NETBEANS, 2013)

31 30 A plataforma Java JEE é baseada em containers 5 e para cada tipo de aplicação programada baseada nesta plataforma existe um container específico. Para exemplificar, podem ser citados os exemplos que Sampaio (2011, p. 20), descreve: Aplicações servidoras web rodam em um container Web. [...]. E aplicações clientes que utilizam componentes Java EE rodam no Aplication Client Container. Ainda segundo Sampaio (2011), todas as aplicações feitas utilizando o Java JEE precisam de um container. Um dos containers mais utilizado para aplicações web é o Apache Tomcat, sendo este puramente web. 2.2 JAVA SERVER FACES (JSF) Segundo Geary e Horstmann (2012), o JSF é um framework 6 baseado em componentes, é utilizado para o desenvolvimento de interface de usuário, User Interface (UI). É formado por componentes de UI, programação orientada a eventos e permite que desenvolvedores criem componentes adicionais. [...] o framework JSF é responsável pela interação com os dispositivos clientes e fornece ferramentas para unir a apresentação visual, a lógica da aplicação e a lógica de negócios de uma aplicação web. Entretanto, o escopo do JSF, restringe-se na camada de apresentação. (GEARY; HORSTMANN, 2012, p.24) Na figura 2.3 é exemplificada a visão desse framework. O JSF trabalha com a arquitetura model-view-controller. Essa arquitetura segundo Minetto (2007) representa o conceito da separação do desenvolvimento de uma aplicação em três camadas. Essas camadas são: Model gerencia o comportamento dos dados da aplicação. View gerencia a saída gráfica e textual da parte da aplicação visível ao usuário. Controller interpreta as entradas de mouse e teclado do usuário, comandando a Visão e o Modelo para se alterarem de forma apropriada. Todas as requisições feitas pelo usuário são enviadas ao Controller. Este 5 Dificilmente uma aplicação gráfica é composta por um único componente, mas sim por vários componentes inter-relacionados. Para este tipo de aplicação, um componente fundamental é a área onde os demais componentes da aplicação estarão dispostos. Um componente que pode conter outros componentes é denominado um container. (RICARTE, 2002) 6 [...] um framework de desenvolvimento é uma base de onde se pode desenvolver algo maior ou mais específico. É uma coleção de códigos-fonte, classes, funções, técnicas e metodologias que facilitam o desenvolvimento de novos softwares.. (MINETTO, 2007, p.17).

32 31 manipula os dados usando o Model e invoca a View correta, de acordo com a ação executada ou com os resultados vindos do Model. (MINETTO, 2007, p.19) Figura 2.3 Framework JSF. Fonte: Geary; Horstmann, 2012, p.24. De acordo com Geary e Horstmann (2012), o JSF desempenha o papel do controller, pois relaciona a interface com o modelo. Ele reage aos eventos criados pelos os usuários criando essa comunicação com o modelo. Este por sua vez, atualiza os seus dados com base nos valores criados pelo evento e o JSF retorna os dados processados novamente a interface. Para exemplificar, pode-se pensar em uma página de login de usuário, em que o usuário digita seu nome e sua senha. Esses dados são passados pelo JSF ao modelo que realiza o processamento para verificar se os dados são válidos. A resposta originada por esse processamento é devolvida a interface pelo JSF. Esse framework, o JSF, funciona da seguinte maneira: primeiramente o navegador se conecta a página inicial Extensible Hypertext Markup Language (XHMTL) da aplicação. O JSF lê esta página e suas tags 7. Cada uma dessas tags está ligada a uma classe chamada tag handler, que consiste em uma classe de manipulação de tags. Ao serem lidas, essas tags constroem uma árvore de componentes, que formam uma estrutura de dados contendo objetos Java para cada uma das tags da interface da página JSF. Por exemplo, o objeto UIInput criado, possui correspondência com um campo h:inputtext no arquivo JSF. Na figura 7 Tags são rótulos usados para informar ao navegador como deve ser apresentado o website. (HTML.NET, 2013)

33 é representada a árvore de componentes, acima citada. Figura 2.4 Árvore de componentes. Fonte: Geary; Horstmann, 2012, p.26. Após a execução das tags handlers do JSF, a página Hypertext Markup Language (HTML) é rendenizada. Isto significa que as tags do JSF são convertidas a tags HTML simples. Para cada componente das tags JSF, existe um rendenizador. Esse processo é chamado de codificação. Em seguida ocorre o processo de decodificação. Para exemplificar esse processo usar-se-á o exemplo de envio de formulário. Após o usuário digitar seu nome e senha ele aciona o botão enviar. Então, o navegador envia os dados deste formulário para o servidor web através do método POST (método em que os parâmetros passados não podem ser visualizados através da Uniform Resource Locator 8 (URL)). Dados de formulários são pares de strings, e esses pares são armazenados em uma tabela hash 9. Através do processo de decodificação o JSF possibilita os componentes, construídos através da execução das tags handllers do JSF, inspecionar e interpretar os dados da tabela hash. O componente UIInput atualiza o bean através dos valores passados pelo usuário. Um bean é uma classe Java que expõe propriedades e eventos a um framework como o JSF. Uma propriedade é um valor nomeado de um determinado tipo que pode ser lido e/ ou escrito [...], ou seja, a convenção familiar get/set.(geary; HORSTMANN, 2012, p.16). 8 URL consiste em um endereço de um arquivo na Internet. É usada com frequência para localizar páginas web, por exemplo: (MICROSOFT, 2013) 9 Tabela hash trata-se de um array unidimensional e a execução de uma função hash é necessária para o acesso a cada entrada da tabela. Cada entrada da tabela pode ter um ou mais registros. (NUNES, 2008)

34 33 Outro componente, o UICommand, realiza a verificação para saber se o botão enviar foi acionado. Caso positivo, um evento é disparado para iniciar o processo de login. (GEARY; HORSTMANN, 2012) Na figura 2.5 é ilustrado o processo de codificação e decodificação de páginas JSF. Figura 2.5 Codificação e decodificação página JSF. Fonte: Geary; Horstmann, 2012, p PRIMEFACES Segundo Çivici no manual PrimeFaces User s Guide, PrimeFaces é um framework de componentes para JSF, utilizado para a criação de interface de usuário. Seu foco é trazer simplicidade aos desenvolvedores. Esse framework oferece ao desenvolvedor de aplicação um rico conjunto de componentes e possui Asynchronous JavaScript and Extensible Markup Language 10 (AJAX) nativo. Alguns desses componentes são listados a seguir: Menu: esse componente possui recursos para posicionamentos de menus estáticos e dinâmicos; Editor de HTML; InputMask: componente para formatação de campos; 10 [...] é uma tecnologia para atualização de páginas web no navegador do cliente sem que o formulário tenha que ser submetido e a resposta criada. [...] O resultado para o usuário é uma apresentação mais estável, sem a temida atualização total de página. (GEARY; HORSTMANN, 2012).

35 34 DataTable: componente de iteração de dados (tabela de dados). Esse componente disponibiliza ações como paginação AJAX, filtragem (para busca de dados), seleção de dados, busca por filtragem entre outros recursos; Dialog: apresentação de mensagem sobreposta à página atual. Na figura 2.6 é ilustrado o componente DataTable com filtragem de dados e na figura 2.7 é apresentado o código disponibilizado no site do PrimeFaces para construção do DataTable. Figura 2.6 Exemplo de DataTable. Fonte: PrimeFaces, 2013.

36 35 Figura 2.7 Código para criação do DataTable. Fonte: PrimeFaces, HIBERNATE Segundo o site Jboss (2013), a persistência de dados através da linguagem Java, por muito tempo foi algo que envolvia desenvolvedores em grandes dificuldades. De um lado encontravam-se banco de dados relacionais e de outro, a necessidade dos dados dessas tabelas serem representados em forma de objetos para a aplicação Java. Então, surge o framework Hibernate, que consiste em uma solução para o mapeamento Objeto/Relacional. Mapeamento Objeto/Relacional refere-se ao mapeamento de tabelas de um banco de dados relacional para uma classe Java ou de uma classe Java para uma tabela de banco de dados relacional. Em suma, esse framework cuida do relacionamento da aplicação Java com o banco de dados. A portabilidade também era um problema. Muitos bancos de dados possuem dialetos próprios, esse fato tornava dificultosa a tarefa de migração de um banco de dados para o outro. O framework Hibernate, facilita essa tarefa, uma vez que se

37 36 necessária a mudança de um banco de dados para outro, caberá ao desenvolvedor apenas mudar algumas configurações no Hibernate. (GONÇALVES, 2007) O Hibernate precisa ser configurado para que possa estabelecer a conexão com o banco de dados. Essa configuração encontra-se no arquivo hibernate.cfg.xml e possui as seguintes propriedades: hibernate.connection.driver_class: nesta propriedade está contido o nome da classe do driver Java Database Connectivity (JDBC) utilizado para a conexão com o banco de dados. O driver utilizado no programa desenvolvido para o setor de estágio é o driver para banco de dados MySQL. hibernate.connection.url: URL de conexão com o banco de dados. hibernate.connection.username: nome do usuário do banco de dados, que o Hibernate utiliza para realizar a conexão. hibernate.connection.password: senha que o Hibernate utiliza para se conectar ao banco. hibernate.dialect: cada banco de dados possui um dialeto 11. Essa propriedade especifica qual é o dialeto que o Hibernate utilizará para realizar a comunicação com o banco. No programa em questão foi utilizado o dialeto para MySQL. (GONÇALVES, 2008a) A figura 2.8 tem por finalidade exemplificar as propriedades acima descritas e representa o hibernate.cfg.xml utilizado no projeto. Figura 2.8 Arquivo hibernate.cfg.xml. Fonte: Elaborada pelo autor, Um dialeto encapsula todas as diferenças em como o Hibernate deve comunicar-se com um banco de dados particular para completar algumas tarefas como obter um valor de sequência ou estruturar uma consulta SELECT. (JBOSS, 2013)

38 37 Segundo Carvalho (2007), a realização do mapeamento entre as classes Java e as tabelas do banco, no Hibernate, podem ser realizados através de arquivos Extensible Markup Languague (XML), diretamente no código Java ou pela Java Persistence API JPA. A interação entre os códigos de programação e o banco ocorre por meio do Hibernate Session. Este pode ser entendido como um gerenciador de persistência, que realiza atividades como: consultas, execução de operações de inserção, atualização e remoção de cada instância de classes que estão mapeadas pelo Hibernate. Para simplificar, Um objeto Session pode ser considerado como uma sessão de comunicação com o banco de dados através de uma conexão JDBC. (GONÇALVES, 2007, p.521) É necessária uma classe Java para que se possa trabalhar com o Hibernate. Esta classe possui o objeto SessionFactory que é responsável por armazenar os mapeamentos e configurações do Hibernate. A figura 2.9 exemplifica o esquema de trabalho utilizado por este framework. Um objeto instanciado pode estar em um entre três tipos diferentes de estágios. Esses estágios são: Transient: Objeto em memória, porém não foi salvo ainda; Persistent: Objeto já salvo, porém em cachê no SessionFactory, mas pode ser que ainda não esteja no banco de dados; Detached: Objeto já persistido no banco de dados. (CARVALHO, 2007) De acordo com Saab (2011), algum tempo depois da criação do Hibernate foi desenvolvida a especificação API (JPA) tendo como base funcionalidades contidas no Hibernate. Pela grande popularidade e influência da empresa Sun Microsystems, que criou a JPA, esta se tornou rapidamente conhecida. Por este motivo os criadores do Hibernate implementaram a especificação JPA para manter a compatibilidade com as especificação de da plataforma JEE como JSF, por exemplo. A JPA disponibiliza anotações para que classes Java simples se tornem entidades que representem as tabelas contidas em um banco de dados. Esse processo é conhecido como Mapeamento Objeto/Relacional. A figura 2.9 representa um esquema de funcionamento do Hibernate.

39 38 Figura 2.9 Esquema de como o Hibernate funciona. Fonte: Carvalho, Segundo Gonçalves (2008a), a JPA é baseada em um conceito chamado Plain Old Java Object (POJO), que utiliza ideias de outros frameworks de persistência com o intuito de realizar a padronização do mapeamento Objeto/Relacional em Java. Na JPA, os objetos persistentes são denominados entidades (Entities). Uma entidade é um objeto simples (POJO), que representa um conjunto de dados persistidos no banco. (GONÇALVES, 2008ª, p. 101) No pacote javax.persistence encontram-se as classes e interfaces desta API. O que possibilita o desenvolvedor fazer o mapeamento da aplicação através de anotações conhecida também por Java Annotations. Os objetos contidos nos POJOs (entidades de persistência) possuem diversas anotações. Na API JPA cada anotação é precedida pelo símbolo de e possui um significado. Algumas dessas anotações A entidade. Indica que essa classe é uma entidade (entity bean), que nada mais é do que um POJO, representando um objeto de negócio. Sem a definição de um parâmetro adicional, é assumido que o valor padrão será o nome da Mapeia o nome da tabela. Caso não seja utilizado o parâmetro name, o valor padrão assumido é o nome da O identificador da entidade. Normalmente se refere à chave primaria

40 39 da tabela Define que terá seus identificadores automaticamente gerados. Isso é chamado de geração de id e é especificado por essa Mapeia o nome da coluna existente na tabela relacional. É importante frisar que o Hibernate assume os atributos da classe como os mesmos nomes da tabela existente no banco de dados. A utilização dessa anotação com o atributo name se faz necessário nesse caso, uma vez que existem campos de nomes diferentes no modelo relacional com relação à classe. Define uma relação de um-para-muitos do utilizado em banco de dados relacional. Possui um atributo chamado mappedby para definir o atributo da outra Entidade no qual é Define uma relação de muitos-para-um do utilizado em banco de dados - São usadas para especificar a coluna que contém a chave estrangeira de cada relacionamento, os conhecidos Inner Joins de um relacionamento SQL. (GONÇALVES, p.104, 2008a). Outro ponto importante a ser ressaltado sobre JPA é que de acordo com o que descreve Araújo e Guizzo (2012), é ela que especifica como os frameworks de mapeamento Objeto/Relacional irão funcionar na plataforma Java, não sendo assim um framework de mapeamento propriamente dito. Por isso JPA pode ser entendido um conjunto de especificações. Deste modo o Hibernate realiza a tarefa das persistências implementando as especificações JPA. Apesar de ter esse papel importante para a persistência de dados em um banco de dados relacional, o Hibernate trabalha de forma transparente ao desenvolvedor. Pois, este se concentra em grande parte do tempo, na utilização de anotações e interfaces que a API JPA disponibiliza. Outro conceito necessário para a persistência de dados na linguagem Java é a API JDBC. Essa API permite que uma aplicação Java possa se conectar e comunicar com um banco de dados relacional, enviar comandos Structured Query Language 12 (SQL) para execução e recuperação dos resultados desses comandos. Para o acesso ao banco de dados, também é necessário um driver JDBC, que consiste em uma biblioteca Java. Este driver é importante para a conexão com o banco de dados e é disponibilizado pelo próprio fornecedor do banco. (LOZANO, 2008) 12 SQL é uma linguagem estruturada de consultas para o banco de dados. É a linguagem padrão para as realizações de operações com banco de dados. (INTELLECTUALE, 2013)

41 MYSQL Segundo o site MYSQL (2013d), o MySQL é um banco da dados registrado pela Oracle Corporation e possui duas licenças, sendo uma gratuita e outra, uma licença comercial padrão da Oracle que é paga. Para o presente trabalho foi utilizado o banco de dados MySQL Community Edition, que possui código fonte aberto e é distribuído gratuitamente. Esse banco é escrito na linguagem de programação C e C++ e é aceito por diversos sistemas operacionais como: Linux, Windows, FreeBSD, Solaris e Mac OS X (MYSQL, 2013b). O MySQL aceita tipos de dados como: numéricos, data e string (caracteres e bytes) (MYSQL, 2013e). Quanto à questão relacionada a limites de capacidade deste banco de dados, ele possui suporte para grande volume de dados. Existem usuários que possuem até tabelas armazenadas no MySQL e cerca de linhas de dados. Ele suporta até 64 índices por tabela, sendo que cada índice pode ter de uma a 16 colunas.(mysql, 2013a) Em relação à conectividade, o MySQL possui conectores e APIs que disponibilizam ao programa cliente (programa que se conecta e utiliza recursos do banco), acesso a protocolos e recursos MySQL. Isso permite que conexões e instruções MySQL possam ser executadas de outros programas escritos em outras linguagem de programação. Um exemplo de conector é o Connector/J, que fornece driver JDBC possibilitando a conexão com o banco de dados a partir de um programa escrito em Java. (MYSQL, 2013g) O MySQL disponibiliza ao usuário a possibilidade manipulação de dados através de interface de linha de comando ou através de um programa de interface gráfica como o MySQL Workbench. Nas figuras 2.10 e 2.11 são representadas a interface por linha de comando e a interface gráfica garantida pelo Workbench. (MYSQL, 2013h) Através da interface gráfica o MySQL Workbench fornece ao usuário ferramentas para conexão, consulta e modelagem de dados, por exemplo. Esta última permite a criação do modelo de entidade e relacionamento 13 (MER) das tabelas do banco de dados. E possibilita ainda, que através do MER, tabelas possam ser criadas automaticamente e vice e versa através do recurso de 13 O Modelo Entidade-Relacionamento tem o objetivo de representar as estruturas de dados da forma mais próxima do mundo real dos negócios.. (DEVMEDIA, 2009)

42 41 engenharia reversa. (MYSQL, 2013h) Figura 2.10 Interface de linha de comando. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 2.11 Interface gráfica do programa MySQL Workbench. Fonte: Elaborada pela autora, O MySQL, possui diferentes mecanismos para armazenamento de dados. Esses mecanismos são conhecidos como motores de armazenamento. O motor escolhido para a realização desta monografia foi o InnoDB. O InnoDB é um mecanismo de armazenamento que possui segurança e alto

43 42 desempenho. Segue o modelo ACID 14 para transações como rollback 15, commit 16 e crash-recovery (capacidade de proteção de dados do usuário). Suporta o conceito de Foreign Key (chave estrangeira) para manter a integridade dos dados perante restrições. Cada tabela InnoDB tem um índice de chave primária chamado de índice de agrupamento que organiza os dados para minimizar a Input/Output (entrada e saída de dados) para pesquisas de chave primária. (MYSQL, 2013c). Este é o motor de armazenamento padrão do MySQL Nas versões anteriores a do MySQL, o MyISAM era o motor de armazenamento padrão. Neste mecanismo as tabelas são gravadas em três formatos de arquivos diferentes. Um arquivo possui extensão frm, responsável pelo armazenamento do tipo de tabela, outro tem extensão MyDara (MYD) e é um arquivo de dados e por último se tem o arquivo de índices de extensão MyIndex (MYI). (MYSQL, 2013f) 2.6 O SERVIDOR TOMCAT Segundo o site Caleum (2013), o servidor Tomcat, desenvolvido pela fundação Apache, consiste em um Servlet Container, que suporta funcionalidades proporcionadas por tecnologias como JSP, JSF e Servlets. E é indicado para quem está interessado em aplicações web. Existem servidores web que não englobam todas as especificações JEE, mas somente aquelas que são necessárias para o desenvolvimento web. Para esses servidores foi criado um termo a partir do JEE 6 que é application server web profile. O servidor Tomcat enquadra-se nessa definição. Um Servlet Container pode ser descrito como um container usado para o desenvolvimento de servlets. (GAMA, 2010) Servlets são classes Java executadas do lado servidor, que trabalham com requisições HyperText Transfer Protocol 17 (HTTP) que são enviadas por clientes (página web) e envio de resposta para essas requisições. Os servlets possuem 14 O modelo ACID é um dos mais velhos e importantes conceitos da teoria de Banco de Dados. Ele define quatro pontos que todos os SGBD devem ter: atomicidade, consistência, isolamento e durabilidade. (MACÊDO, 2011). 15 Comando que desfaz os efeitos dos comandos da transação.. (KNEIPP; ALBUQUERQUE, 2005). 16 Comando que grava definitivamente os efeitos dos comandos de uma transação (insert, delete e update).. (KNEIPP; ALBUQUERQUE, 2005). 17 Protocolo de comunicação utilizado na web. (ANDRADE, 2009)

44 43 ciclos de vida que incluem o seu carregamento, inicialização, atendimento de requisições, finalização e descarregamento. Esse ciclo de vida é gerenciado pelo Servlet Container que também pode ser definido como um módulo de um servidor web. (SILVA, 2009) 2.7 GERAÇÃO DE RELATÓRIOS Em 2001 Teodor Danciu desenvolveu o JasperReports, uma biblioteca de código fonte aberto escrita em Java, para auxiliar desenvolvedores na geração de relatórios. Pois, até então as ferramentas existentes para tal tarefa não eram distribuídas gratuitamente. Para usar esta biblioteca era preciso que o desenvolvedor tivesse conhecimento do formato XML, usado para criação de relatórios. Fato esse que tornava a tarefa difícil para programadores iniciantes. Todavia, um ano mais tarde Giulio Toffoli desenvolveu uma ferramenta que permitiu o desenvolvimento visual (por meio de interface gráfica) de relatórios através de uma ferramenta chamada IReport. Essa ferramenta gráfica utilizava como base a biblioteca JasperReports, o que facilitou muito o desenvolvimento de relatórios. O IReport, também foi escrito na linguagem de programação Java. (GONÇALVES, 2008b) Tendo em vista a necessidade de geração de relatórios em Portable Document Format (PDF) no sistema, a ferramenta IReport foi utilizada na presente monografia com este propósito. A ferramenta em questão também dispõe de suporte para o banco de dados que possam ser cessados através do driver JDBC. (GONÇALVES, 2008b) No final desta monografia consta um apêndice contendo um tutorial de instalação e criação de relatório com o IReport. 2.8 CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO Como visto, este capítulo teve o propósito de apresentar e esclarecer as tecnologias, que foram utilizadas para a realização deste trabalho monográfico. A linguagem Java apresenta como grande vantagem o fato de ser uma linguagem portável e disponibilizar a programadores APIs e frameworks, que facilitam o seu desenvolvimento de aplicações.

45 44 No próximo capítulo serão abordados detalhes sobre o desenvolvimento do programa para controle do setor de estágio da FATEC de Lins.

46 45 3 ANÁLISE E PROJETO DO SISTEMA Neste capítulo encontram-se descritas as etapas de desenvolvimento do sistema de controle de estágio, sendo importante para a compreensão do mesmo. 3.1 ANÁLISE DE NEGÓCIO Instrução do Problema Atualmente o setor de estágio da FATEC de Lins, não possui um sistema informatizado para a realização de seus processos diários como, por exemplo, controle de documentos entregues e pendentes, acompanhamento de entrega de relatórios e controle sobre os contratos de estágio que irão vencer. Deste modo, as realizações das tarefas tornam-se onerosas, pois a cada necessidade de modificação ou consulta de dados referentes aos estagiários e mesmo vencimentos de convênios entre a FATEC Lins e as empresas cedentes de estágio, é preciso consultar inúmeros formulários contidos em pastas dentro de armários. Tais dificuldades fazem com que as informações sobre o andamento de contratos, documentos entregues e vencimentos de convênios nem sempre estejam atualizadas. A implantação de um sistema voltado às necessidades deste setor contribuirá para um acompanhamento mais detalhado das atividades realizadas pelos estagiários e poderá funcionar como um facilitador para a realização de convênios entre as empresas cedentes de estágio e a instituição de ensino FATEC Lins. Por meio do sistema, dados poderão ser visualizados, alterados e atualizados com maior rapidez sem a necessidade de consultas a formulários manuscritos Atores e Envolvidos no Processo Os atores envolvidos no processo são: responsável pelo setor de estágio, os estagiários e as empresas cedentes de estágio. O responsável pelo setor de estágio possui permissões para consultar, alterar, incluir e excluir dados das empresas e estagiários, juntamente com

47 46 funcionalidades como gerenciamento das movimentações mensais dos estagiários, data de início e término de contratos e convênios. Cabe às empresas cedentes de estágio confirmar cargas horárias realizadas pelos estagiários, encaminhar documentos referentes ao convênio com a instituição de ensino, realizar termo de compromisso de estágio e disponibilizar comunicado de abertura de vagas. Aos estagiários são atribuídas funcionalidades como: realizar cadastro, ter acesso às vagas de estágio ofertadas e o preenchimento dos relatórios mensais de estágio Descrição do Ambiente Atual O setor de estágio da FATEC de Lins, não é informatizado. Por conseguinte, a realização de suas atividades ainda é feita por meio de formulários manuscritos e quando o aluno consegue uma vaga para estagiar, é o mesmo que encaminha até as empresas os documentos necessários como termo de compromisso de estágio e realização de convênio e também é responsável por entregar todos os documentos necessários para a celebração de tais contratos. Todos esses documentos necessitam ser assinados tanto pelas partes responsáveis na instituição de ensino, quanto pelas partes responsáveis nas empresas cedentes de estágio. Como parte das atividades de estágio, o estagiário deve entregar relatórios de atividades mensais que devem ser assinados por seus orientadores. Ao responsável pelo setor de estágio cabe verificar se há documentos e relatórios pendentes, vencimentos de contratos e possíveis renovações dos mesmos. Haja vista, que todos esses documentos são armazenados em pastas contidas em armários, e toda vez que se necessita fazer uma consulta para inteirarse das particularidades de cada estagiário ou das empresas cedentes de estágio existe a necessidade de se procurar por esses dados em diversas pastas. Assim, as atividades tornam-se exaustivas e corre-se o risco de possuir informações ultrapassadas não condizentes com as mudanças ocorridas como, por exemplo, o vencimento de convênios entre a FATEC e as empresas cedentes de estágio.

48 VISÃO GERAL DO PRODUTO Perspectiva do Produto O produto em questão trata-se de um sistema independente, visto que não recebe dados oriundos de outros sistemas ou softwares. O objetivo do desenvolvimento desse sistema é buscar maior eficiência por meio da informatização do setor de estágio. Deste modo, buscar-se-á confiabilidade de dados sobre estagiários e empresas fazendo com que se tenham informações atuais sobre os mesmos Características Quadro 3.1 Necessidades e Prioridades Necessidades Gerenciamento de login dos usuários do sistema Gerenciamento de estagiários Gerenciamento da documentação para a formalização do estágio Gerenciamento de relatórios (consultas) Gerenciamento de vagas de estágio Gerenciamento de carga de horária de estágio mensal Realização de contrato de convênio Empresa insere plano de estágio (atividades que serão desenvolvidas pelo estagiário) Estagiário preenche relatório de estágio Fonte: Elaborado pela autora, Prioridades Alta Alta Alta Alta Alta Alta Alta Alta Alta 3.3 ANÁLISE E PROJETO DO SISTEMA Nesta seção são explicitados os requisitos, o que irão cooperar para melhor compreensão das funcionalidades e que irão compor o sistema para controle de estágio Casos de Usos, Diagramas de Atividades, MVC e Diagramas de Sequência Especificação Caso de Uso A Casos de uso gerais aos atores: esses casos de uso tratam de funcionalidades em comum a todos os atores envolvidos no

49 48 sistema. Quadro 3.2 Eventos e Casos de Uso A. Identificação Caso de Uso Descrição Evento Resposta A.1 Gerenciar login Atores solicitam Dados dos Página inicial de usuários realização de usuários. do dos login, cadastramento, alteração e usuários recuperação de senha. Fonte: Elaborado pela autora, A.1 Gerenciar login de usuários: este caso de uso representa a funcionalidade responsável pelo gerenciamento de login. Esta possibilita também o cadastro de usuários, recuperação de senha e alteração de senha. As figuras 3.1, 3.2 e 3.3 representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência. Figura 3.1 Diagrama de atividade gerenciar login de usuários. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

50 49 Figura 3.2 Diagrama MVC gerenciar login de usuários. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.3 Diagrama de sequência gerenciar login de usuários. Fonte: Elaborada pela autora, Especificação Caso de Uso B Ator Principal Responsável pelo setor de estágio: os casos de uso descritos abaixo se referem às funcionalidades referentes ao responsável pelo setor de estágio da FATEC.

51 50 Quadro 3.3 Eventos e Casos de Uso B. Identificação Caso de Uso Descrição Evento Resposta B.1 Manter Responsável pelo Dados do Cadastro, Estagiário setor de estágio Estagiário mensagem realiza cadastro do estagiário B.2 Manter Empresa Responsável pelo Dados da Cadastro, setor de estágio empresa mensagem realiza de empresa B.3 Solicitar Responsável pelo Relatório de consulta de setor de estágio estagiários estagiários solicita consulta de estagiários B.4 Solicitar Responsável pelo Relatório de consulta de setor de estágio empresas empresas solicita consulta de empresas B.5 Assinalar documentos entregues Responsável pelo setor de estágio assinala documentos Assinalar campos Campo assinalado B.6 Confirmar nova vaga de estágio B.7 Consultar vagas de estágio B.8 Realizar termo de compromisso B.9 Realizar convênio Fonte: Elaborado pela autora, entregues Responsável pelo setor de estágio confirma recebimento de solicitação de vaga de estágio Responsável pelo setor de estágio realiza consulta a solicitação de vagas de estágio Responsável pelo setor de estágio realiza termo de compromisso de estágio Responsável pelo setor de estágio realiza convênio Dados termo de compromisso Dados convênio Confirmação, mensagem Relatório de vagas solicitadas PDF Termo de compromisso PDF Convênio B.1 Manter Estagiário: este caso representa a funcionalidade que permite realizar o cadastro dos estagiários. Os dados do estagiário são inseridos pelo responsável pelo setor de estágio e então o sistema os envia ao banco de dados.

52 51 Abaixo se encontram as figuras 3.4, 3.5 e 3.6, que representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência desta funcionalidade. Figura 3.4 Diagrama de atividade manter estagiário. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.5 Diagrama MVC manter estagiário. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

53 52 Figura 3.6 Diagrama de sequência manter estagiário. Fonte: Elaborada pela autora, B.2 Manter Empresa: este caso de uso possibilita realizar o cadastro de empresas concedentes de estágio. Os digramas desta funcionalidade não serão ilustrados, pois são semelhantes aos digramas representados no caso de uso B.1 Manter Estagiário. B.3 Solicitar consulta de estagiários: este caso de uso representa a funcionalidade que permite consultar os estagiários cadastrados. Deste modo, o sistema permitirá consultas de estagiários por: documentos entregues, datas de início e término de convênio, por empresa e por curso. As figuras 3.7, 3.8 e 3.9 representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência desta funcionalidade. Figura 3.7 Diagrama de atividade solicitar consulta de estagiário. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

54 53 Figura 3.8 Diagrama MVC solicitar consulta de estagiário. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.9 Diagrama sequência solicitar consulta de estagiário. Fonte: Elaborada pela autora, B.4 Solicitar consulta de empresas: este caso de uso representa a funcionalidade que permite consultar as empresas cedentes de estágio. Os diagramas foram suprimidos por apresentarem um fluxo semelhante aos do caso de uso B.3 Solicitar consulta de estagiários.

55 54 B.5 Assinalar documentos entregues: este caso de uso representa a funcionalidade, que possibilita que a relação de documentos entregues pelo estagiário sejam assinaladas. Cada estagiário possui uma lista de documentos necessários para a realização da atividade de estágio e muitas vezes esses documentos não são entregues. Ao receber um novo documento, o responsável pelo setor de estágio poderá assinalar o campo ao qual se refere o documento entregue. As figuras 3.10, 3.11 e 3.12 representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência desta funcionalidade. Para a criação dos diagramas foi utilizado o exemplo em que os relatórios de estágio são assinalados. Os diagramas dos demais documentos, que são assinalados como entregue, foram suprimidos por serem similares aos aqui ilustrados. Figura 3.10 Diagrama de atividade assinalar documentos entregues. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

56 55 Figura 3.11 Diagrama de MVC assinalar documentos entregues. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.12 Diagrama de sequência assinalar documentos entregues. Fonte: Elaborada pela autora, B.6 Confirmar nova vaga de estágio: este caso de uso representa a funcionalidade referente ao responsável pelo setor de estágio que o permite validar uma nova vaga de estágio oferecida por uma empresa. As figuras 3.13, 3.14 e 3.15 representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência desta funcionalidade.

57 56 Figura 3.13 Diagrama de atividade confirmar nova vaga de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.14 Diagrama MVC confirmar nova vaga de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.15 Diagrama sequência confirmar nova vaga de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

58 57 B.7 Consultar vagas de estágio: este caso de uso representa a funcionalidade de realizar consulta as vagas de estágio ofertadas pelas empresas. Deste modo haverá um controle das vagas, que cada empresa disponibiliza aos alunos da FATEC. Os diagramas desta funcionalidade foram suprimidos por apresentarem um fluxo semelhante aos da funcionalidade B.3 Solicitar consulta de estagiários. B.8 Realizar termo de compromisso: este caso de uso representa a funcionalidade que permite a realização do termo de compromisso de estágio. Após a realização do termo de compromisso o mesmo é gerado em PDF. As figuras 3.16, 3.17 e 3.18 representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência desta funcionalidade. Figura 3.16 Diagrama de atividade realizar termo de compromisso. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

59 58 Figura 3.17 Diagrama de MVC realizar termo de compromisso. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.18 Diagrama de sequência realizar termo de compromisso. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

60 59 B.9 Realizar convênio: este caso de uso possibilita solicitar ao sistema a realização de convênio entre a instituição de ensino FATEC e a empresa cedente de estágio. Ao solicitar a realização de convênio, o sistema irá gerar um arquivo digital em PDF contendo o contrato de convênio. Os diagramas desta funcionalidade foram suprimidos por apresentarem um fluxo semelhante aos do caso de uso B.8 Realizar termo de compromisso. Especificação Caso de Uso C Ator Principal Empresas cedentes de estágio: esses casos de uso referem-se a funcionalidades disponibilizadas para as empresas cedentes de estágio. Quadro 3.4 Eventos e Casos de Uso C. Identificação Caso de Uso Descrição Evento Resposta C.1 Realizar convênio Empresa realiza convênio Dados convênio PDF Convênio C.2 Realizar termo Empresa realiza Dados termo PDF Termo de compromisso termo de de de compromisso de compromisso compromisso estágio C.3 Confirmar carga Empresa Confirmação, horária de confirma carga mensagem estágio horária de estágio realizada pelo estagiário mensalmente C.4 Solicitar consulta Empresa solicita Relatório de de estagiários consulta de estagiários estagiários C.5 Manter plano de estágio Empresa insere plano de estágio Dados plano de estágio Confirmação, mensagem (atividades que serão desenvolvidas pelo estagiário) C.6 Solicitar abertura vaga de estágio Empresa solicita vaga de estágio Dados vaga de estágio Confirmação, mensagem C.7 Consultar vagas A empresa Relatório de de estágio solicita ao vagas sistema a ofertadas consulta de vagas de estágio ofertadas C.8 Declarar A empresa Confirmação, preenchimento declara mensagem

61 60 de vaga Fonte: Elaborado pela autora, preenchimento de vaga solicitada C.1 Realizar convênio: este caso de uso possibilita solicitar ao sistema a realização de convênio com a instituição de ensino FATEC. Ao solicitar a realização de convênio, o sistema irá gerar um arquivo digital em PDF contendo o contrato de convênio. Os diagramas desta funcionalidade foram suprimidos por apresentarem um fluxo semelhante aos da funcionalidade B.8 Realizar termo de compromisso. C.2 Realizar termo de compromisso: este caso de uso representa a funcionalidade que permite realizar o termo de compromisso de estágio. Após a realização do termo de compromisso o mesmo é gerado em PDF. Os diagramas desta funcionalidade foram suprimidos por apresentarem o mesmo fluxo da funcionalidade realizar termo de compromisso, ilustrada no caso de uso B.8 Realizar termo de compromisso. C.3 Confirmar carga horária de estágio: este caso de uso trata a funcionalidade que permite confirmar ou modificar a carga horária de estágio realizada pelo aluno mensalmente. As figuras 3.19, 3.20 e 3.21 representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência desta funcionalidade. Figura 3.19 Diagrama de atividade confirmar carga horária de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

62 61 Figura 3.20 Diagrama de MVC confirmar carga horária de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.21 Diagrama de sequência confirmar carga horária de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, C.4 Solicitar consulta de estagiários: este caso de uso representa a funcionalidade que permite a empresa consultar os dados de seus estagiários. Os diagramas desta funcionalidade não serão apresentados por serem os mesmos apresentados no caso de uso B.3 Solicitar consulta de estagiários. C.5 Inserir plano de estágio: cada estagiário necessita de um plano de estágio, este caso de uso representa a funcionalidade que permite preencher os

63 62 campos referentes ao plano de estágio do aluno. Os diagramas desta funcionalidade são semelhantes aos representados no caso de uso D.2 Preencher relatório, por isso não estão aqui ilustrados. C.6 Manter vaga de estágio: este caso de uso consiste na funcionalidade que possibilita solicitar abertura de vaga de estágio. Ao realizar a oferta de vaga, a mesma é disponibilizada ao responsável pelo setor de estágio. As figuras 3.22, 3.23 e 3.24 representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência desta funcionalidade. Figura 3.22 Diagrama de atividade manter vaga de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

64 63 Figura 3.23 Diagrama MVC manter vaga de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.24 Diagrama sequência manter vaga de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, C.7 Consultar vagas de estágio: depois de solicitada vagas de abertura de estágio, a empresa cedente de estágio poderá visualizar a relação de vagas que ofertou. Este caso de uso representa a funcionalidade que permite a visualização das vagas acima citadas. Os diagramas desta funcionalidade foram suprimidos por apresentarem um fluxo semelhante aos ilustrados no caso de uso B.3 Solicitar consulta de estagiários.

65 64 C.8 Declarar preenchimento de vaga: depois de realizada a seleção do candidato à vaga de estágio ofertada pela empresa, a mesma poderá declarar que a vaga foi preenchida. Este caso de uso trata a funcionalidade descrita acima. Os diagramas desta funcionalidade não serão apresentados por serem semelhantes aos digramas da funcionalidade B.6 - confirmar nova vaga de estágio. Especificação Caso de Uso D Ator Principal Estagiário: as especificações aqui contidas, dizem respeito aos casos de uso que representam as funcionalidades disponibilizadas aos estagiários. Quadro 3.5 Eventos e Casos de Uso D. Identificação Caso de Uso Descrição Evento Resposta D.1 Consultar vagas Estagiário Relatório de de estágio consulta relatório vagas de vagas ofertadas ofertadas D.2 Preencher relatório Estagiário preenche relatório de estágio Dados relatório Confirmação, mensagem Fonte: Elaborado pela autora, D.1 Consultar vagas de estágio: este caso de uso diz respeito a funcionalidade que permite visualizar novas vagas de estágio ofertadas. Depois de validadas pelo responsável do setor de estágio, as novas vagas são disponibilizadas para que os alunos interessados possam acessá-las. Os diagramas desta funcionalidade foram suprimidos por apresentarem um fluxo semelhante aos ilustrados no caso de uso B.3 Solicitar consulta de estagiários. D.2 Preencher relatório: todo estagiário deve preencher relatórios mensais contendo as atividades de estágio que realizou. Este caso de uso representa a funcionalidade que possibilita preencher esses relatórios. As figuras 3.25, 3.26, 3.27, 3.28, 3.29 e 3.30 representam respectivamente os diagramas de atividade, MVC e sequência desta funcionalidade. Esta funcionalidade possui dois controles, pois um relatório pode ter várias atividades relacionadas a ele.

66 65 Figura 3.25 Diagrama de atividade preencher relatório a. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.26 Diagrama MVC preencher relatório a. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

67 66 Figura 3.27 Diagrama sequência preencher relatório a. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.28 Diagrama de atividade preencher relatório b. Fonte: Elaborada pelo autor, 2012.

68 67 Figura 3.29 Diagrama MVC preencher relatório b. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 3.30 Diagrama sequência preencher relatório b. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

69 68 A figura 3.28 abaixo ilustra o diagrama de caso de uso do sistema. Figura 3.31 Diagrama de caso de uso completo. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

70 DIAGRAMA DE CLASSES Figura 3.32 Diagrama de classes. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

71 PROJETO DE BANCO DE DADOS Figura 3.33 Modelo de entidade e relacionamento. Fonte: Elaborada pela autora, 2012.

72 CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO Neste capítulo foi realizada a análise de requisitos do sistema por meio de levantamento de requisitos, diagramas de atividade, MVC, sequência e caso de uso. Esses passos de análise possibilitam que possa haver uma visualização geral do sistema. No próximo capítulo serão abordados assuntos que fazem referência ao desenvolvimento do sistema web.

73 72 4 IMPLEMENTAÇÃO Para a implementação desse projeto foram utilizadas as tecnologias já explanadas no capítulo dois. Este presente capítulo tem por finalidade, introduzir a maneira como essas tecnologias foram utilizadas para o desenvolvimento da aplicação web de controle das atividades desenvolvidas no setor de estágio da FATEC de Lins. Deste modo, aqui serão mostradas as principais telas das funcionalidades desenvolvidas no sistema. 4.1 BANCO DE DADOS Após a finalização do projeto e análise do sistema, o banco de dados foi implementado. O banco utilizado, como já descrito no segundo capítulo, foi o MySQL 5.5. Para facilitar a criação de tabelas e funções foi utilizada a sua interface gráfica conhecida como MySQL Workbench. Este mesmo programa, também foi utilizado para construir o modelo entidade relacionamento das tabelas. Sua interface para criação de tabelas pode ser observada na figura 4.1. Figura 4.1 MySQL Workbench e estrutura da tabela usuário. Fonte: Elaborada pela autora.

74 IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA WEB O sistema foi desenvolvido utilizando-se o padrão de projeto Model View Controller (MVC) utilizando frameworks como JSF, PrimeFaces e Hibernate. As páginas de interface com o usuário foram desenvolvidas utilizando o framework JSF juntamente com o PrimeFaces. Na página web do PrimeFaces podese encontrar uma boa documentação do framework onde é possível observar diversos modelos de componentes para construção de páginas de interface. Esses componentes facilitam o processo de desenvolvimento da aplicação. Para ilustrar um exemplo da facilidade obtida pelo uso desses componentes, a figura 4.2 ilustra a criação de uma tabela dinâmica que foi utilizada muitas vezes no decorrer do desenvolvimento do sistema. Figura 4.2 Implementação do componente DataTable de cursos. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

75 74 Ao iniciar pela primeira vez o sistema é necessário cadastrar a instituição de ensino e um responsável pelo setor de estágio. Esses dados são necessários para que se possa acessar o sistema, quando não há nenhuma informação na base de dados. Na página index.xhtml da aplicação é disponibilizado aos usuários: uma área de login, que também possibilita a recuperação de senha; uma área de cadastro para empresa e uma área de cadastro para estagiários. A tela inicial do sistema é mostrada na figura 4.3. Figura 4.3 Página inicial do sistema. Fonte: Elaborada pela autora, Para a criação das funcionalidades citadas acima, foram desenvolvidas funções no banco de dados. Para a realização de login é utilizada a função func_dologin. Essa função recebe como parâmetro o e a senha, que foram digitados pelo usuário e retorna dados do usuário se os dados passados no login estiverem corretos ou zero se os dados passados forem incorretos. Essa função é importante, pois o sistema possui três áreas diferentes de acordo com o tipo de usuário e através do valor de retorno desta função o usuário é direcionado a área a qual pertence. As figuras 4.4 e 4.5 representam respectivamente o controle responsável pelo gerenciamento de login e a função implementada no banco. Para a

76 75 autenticação de login são usados conceitos conhecidos como filtros. Esses são utilizados para que arquivos, ou seja, certas páginas não possam ser acessadas por quem não tenha permissão. Figura 4.4 Controle de Login. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 4.5 Função func_dologin. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

77 76 Ainda em relação ao gerenciamento de login, existe um método, que é utilizado no processo de envio da senha para o do usuário. Em caso de esquecimento de senha, basta apenas que o usuário digite seu e acione o botão Recuperar Senha. O método responsável por esta ação chama-se dogetpassword e é apresentada na figura 4.6. Ele recebe como parâmetro um e- mail digitado e o passa para o método isvaliduser da classe LoginDAO. Este se encarrega de retornar a senha para o digitado. Se os dados requisitados forem encontrados, então é chamado o método send da classe , que é encarregado de realizar o envio da senha para o do usuário que a requisitou. Figura 4.6 método dogetpassword. Fonte: Elaborada pela autora, Em relação a funções inseridas no banco de dados, existe uma função que está envolvida no processo de busca automática de cidade, logradouro e bairro através de um determinado CEP. Ela foi utilizada para realização de cadastros de usuários. Primeiro essa função executa uma instrução do tipo Select em uma tabela do banco de dados chamada cep_log_index e compara os cinco primeiros números do CEP passado pelo usuário com os registros desta tabela, para que possa encontrar em que estado o CEP está inserido. É realizada também, uma consulta na tabela cep_unico, pois para cidades que apresentam apenas um CEP existe uma tabela separada. Se a busca na tabela CEP único for diferente de vazio é retornado ao sistema apenas o nome da cidade a que o CEP se refere. Caso a busca pela tabela de CEP único retornar vazia, ocorre o processo de busca do CEP na tabela do estado em que o mesmo está inserido. Neste caso é retornado ao sistema o logradouro, a cidade, o estado e o bairro referente ao CEP inserido. Os passos acima descritos podem ser observados na figura 4.7.

78 77 Figura 4.7 Função func_busca_cep. Fonte: Elaborada pela autora, A aplicação web possui áreas especificas de acordo com os usuários que irão acessá-las. Estas áreas são dividas em: área do responsável de estágio, área da empresa e a área do estagiário. Cada uma dessas áreas apresenta funcionalidades diferentes em função das necessidades de seus usuários. A figura 4.8, 4.9 e 4.10 ilustram respectivamente as funcionalidades do responsável pelo setor de estágio, estagiário e empresa cedente de estágio. Na área do responsável pelo setor de estágio, por exemplo, é possível observar diversas funcionalidades divididas por assuntos pertinentes a estagiários, empresas entre outras. Ao clicar em cada aba do menu localizado a esquerda da página serão mostradas as funcionalidades disponíveis a seus respectivos assuntos. Para exemplificar, ao clicar na aba de estagiário, serão encontradas funcionalidade que permitem ao responsável pelo setor de estágio: consultar, cadastras, alterar e excluir estagiários.

79 78 Figura 4.8 Área do responsável de estágio. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 4.9 Área do estagiário. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

80 79 Figura 4.10 Área da empresa. Fonte: Elaborada pela autora, O responsável pelo setor de estágio tem acesso aos dados de estagiários e empresas concedentes de estágio, como por exemplo, contratos. Deste modo, este usuário do sistema pode acompanhar as datas de início e término de contrato de estágio, de convênios com empresas, entre outros. Essa funcionalidade é apresentada na figura 4.11.

81 80 Figura 4.11 Consulta de convênio. Fonte: Elaborada pela autora, Ao criarem um login no sistema, os estagiários podem ter acesso a vagas de estágios ofertadas e também desenvolverem seus relatórios. Esses relatórios de estágio podem ser gerados em PDF para impressão e entrega ao responsável pelo setor de estágio, como requisito obrigatório das tarefas, que compõe a atividade de estágio. Para confecção deste relatório o estagiário primeiro cria um relatório contendo informações como mês, horas cumpridas entre outras. Após criar o relatório, ele pode inserir no mesmo várias atividades, que consistem nas tarefas realizadas diariamente. E por fim, ao terminar de inserir todas as atividades o estagiário aciona a opção concluir relatório inserindo deste modo as informações pertinentes para a conclusão do relatório mensal. A funcionalidade aqui descrita está ilustrada nas figuras 4.12, 4.13, 4.14 e Figura 4.12 Criação de novo relatório. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

82 81 Figura 4.13 Criação de novo relatório diário. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 4.14 Cadastro de novo relatório diário. Fonte: Elaborada pela autora, Figura 4.15 Conclusão de relatório diário. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

83 82 Para a geração de documentos de convênio, termo de compromisso bem como os planos e relatórios de estágio foi utilizado o plugin do IReports no Netbeans. Esse plugin oferece uma interface gráfica para a criação de relatórios, o que facilita o seu desenvolvimento. A figura 4.17 ilustra a estrutura de um documento criado no IReports. Os dados que serão inseridos na estrutura do relatório estão especificados em uma instrução SQL que o IReport realiza ao banco de dados. Essa SQL recebe como parâmetro o código que identifica o documento o qual o usuário deseja gerar. O que possibilita que os relatórios sejam gerados a partir de parâmetros passados pelos usuários via web, é a configuração de uma conexão com o banco de dados e um Bean gerenciado. Este último recebe os dados envidados por uma página JSF e os envia para a classe RelatorioUtil, esta por sua vez, os envia para o relatório que foi escolhido. A figura 4.16 exibe a tela em que um convênio entre a instituição FATEC de Lins e uma empresa foi gerado como exemplo. O responsável pelo setor de estágio possui uma funcionalidade, que o possibilita modificar dinamicamente o conteúdo do contrato de estágio e também termo de compromisso de estágio. Para isso é utilizado o componente editor do PrimeFaces. O modelo de editor de texto utilizado no presente trabalho pode ser observado na figura Figura 4.16 Conclusão de relatório diário. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

84 Figura 4.17 Conclusão de relatório diário. Fonte: Elaborada pela autora,

85 84 Figura 4.18 Editor de texto. Fonte: Elaborada pela autora, As figuras 4.19 e 4.20 abaixo ilustram um documento em PDF, gerado pelo sistema, que representa o exemplo de um plano de estágio. Figura 4.19 Página 1 do Plano de Estágio. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

86 85 Figura 4.20 Página 2 do Plano de Estágio. Fonte: Elaborada pela autora, Pode-se ressaltar que os exemplos de documento de Plano de Estágio ilustrado nas figuras anteriores, representam apenas um exemplo do relatório citado. 4.3 CONSIDERAÇÕES SOBRE O CAPÍTULO Este capítulo tratou apenas de algumas funcionalidades do sistema. Insta salientar, que todos os requisitos propostos no capítulo três foram desenvolvidos. Existem outras funcionalidades como: alteração de senha, busca por dados de estagiário e empresa, entre outros que não foram aqui ilustrados.

87 86 CONCLUSÃO Nesse trabalho foi apresentado o desenvolvimento de um sistema web para o setor de estágio da FATEC de Lins objetivando a informatização das atividades cotidianas desse setor. O sistema contou com três áreas distintas, separando as funcionalidades por usuários de acordo com as rotinas de cada um. As tecnologias utilizadas mostraram-se eficazes para efetivação dos objetivos propostos. Java Server Faces aliado a PrimeFaces contribuiu para a criação de páginas dinâmicas de modo simples e atendeu as necessidades geradas pelo sistema, ao disponibilizar componentes úteis e de fácil utilização para criação de consultas, inserção, exclusão e alterações de dados. Ao fazer uso de uma linguagem orientada a objetos e um banco de dados relacional, tornou-se necessário uma ferramenta que realizasse o mapeamento objeto-relacional. O ORM Hibernate juntamente com JPA mostrou sua importância para conectar essas duas tecnologias. Por meio deles foram geradas classes que representam entidades do banco de dados relacional MySQL utilizado neste trabalho. Entretanto, houveram algumas regras de relacionamentos entre tabelas, que ao serem representadas por classes de entidades, tiveram que ser modificadas em relação ao modelo criado automaticamente. O modelo MVC, também permitiu que o sistema fosse desenvolvido de modo claro ao separar as interfaces, controles e modelos. Conclui-se também que, o plug-in ireport foi de grande contribuição para a geração dinâmica de documentos por meio do sistema. Não obstante, esse plug-in não possui suporte para que ao introduzir um campo dinâmico em meio a campos estáticos, esses se reorganizem em função do campo dinâmico introduzido. Para sanar essa dificuldade, foi criada uma funcionalidade que permite armazenar o conteúdo de texto estático na base de dados e deste modo os textos dos documentos podem ser alterados caso haja necessidade. Por derradeiro, acredita-se que após a implantação do sistema no setor de estágio da FATEC de Lins, o mesmo atuará como um facilitador no processo das atividades diárias, contribuindo na agilização da realização de cadastros, consultas e geração de relatórios. Apesar de outras dificuldades comumente encontradas no desenvolvimento

88 87 de um projeto desse porte, os requisitos levantados no capítulo de análise foram cumpridos e como trabalhos futuros pode-se citar a implantação do sistema dentro do servidor da instituição FATEC de Lins e a coleta de informações sobre a utilidade das funcionalidades desenvolvidas.

89 88 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABRES. Mapa do estágio no Brasil. Disponível em: <http://www.abres.org.br/v01/stats/> Acesso em: 12 out. 2012b.. Abres realiza pesquisa sobre estágio. Disponível em: <http://www.abres.org.br/v01/pesquisaabres/> Acesso em: 12 out. 2012a.. Dúvidas frequentes. Disponível em: <http://www.abres.org.br/v01/faqs/> Acesso em: 21 out. 2012c. ANDRADE, Wagner. Afinal, o que é HTTP? Disponível em: < Acesso em: 21 fev ARAÚJO, E. C.; GUIZZO, G. JPA/Hibernate ou NoSQL, qual utilizar Revista Java Magazine Disponível em: < Acesso em: 13 fev BRASIL. Decreto-Lei nº , de 25 de setembro de Nova Cartilha Esclarecedora sobre a lei do estágio, Brasília, DF. CALEUM. Apostila Java para Desenvolvimento Web. Capítulo 3 O que é Java EE?. Disponível em: < Acesso em: 14 fev CARVALHO, Marcio S. Persistindo Objetos com Java, Hibernate e PostgreSQL, Disponível em: <http://www.devmedia.com.br/persistindo-objetos-com-javahibernate-e-postgresql/4149> Acesso em: 13 fev CIEE. CIEE esclarece dúvidas sobre a nova lei do estágio. Disponível em: <http://www.ciee.org.br/portal/nova_lei_estagio.asp> Acesso em: 10 out. 2012a.. Página inicial do portal institucional. Disponível em: <http://www.ciee.org.br/portal/institucional/index.asp> Acesso em: 27 out. 2012b.. Pré-cadastro exclusivo para empresas. Disponível em: <http://www.empresas.ciee.org.br/portal/empresas/precad.asp> Acesso em: 27 out. 2012c.. Portal dos estudantes. Disponível em: < Acesso em: 27 out. 2012d.. Portal das escolas. Disponível em: < Acesso em: 27 out. 2012e. ÇIVICI, Çagatay. PrimeFaces User s Guide 3.5. Disponível em: < Acesso em: 13 fev

90 89 CYBERSPHERA. Processo de criação de um programa. Disponível em: < Acesso em: 20 mar DEVMEDIA. MER e DER Disponível em: < Acesso em: 21 fev GAMA, Alexandre. Servlets simples e prático, Parte Disponível em: < Acesso em: 14 fev GAUDIO, Anderson C. Applets em Java. Disponível em: < Acesso em: 18 fev GEARY, D.; HORSTMANN C. Core JavaServer Faces. Tradução Lúcia Helena. 3. ed. Rio de Janeiro: Alta Books, p GONÇALVES, Edison. Desenvolvendo Aplicações Web com JSP Servlets, JavaServer Faces, Hibernate, EJB3 Persistence e Ajax. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda, Dominando JavaServer Faces e Facelets Utilizando Spring 2.5, Hibernate e JPA. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda, 2008a.. Dominando Relatórios JaperReport com ireport. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda, 2008b. HTML.NET. O que são tags HTML. Disponível em: < Acesso em: 20 fev INTELLECTUALE. O que é SQL? Disponível em: < Acesso em: 21 fev JBOSS. Hibernate Relational Persistence for Idiomatic Java. Disponível em: < Acesso em: 12 fev KNEIPP, R. E.; ALBUQUERQUE, R. C. Transações no Oracle Commit, Rollback e Savepoint Disponível em: < Acesso em: 18 fev LAUDON K. C.; LAUDON J. P. Sistemas de informação gerenciais. Tradução Thelma Guimarães.7. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, LUCKOW, D. H.; MELO, A. A. Programação Java para a Web. 3. ed. São Paulo: Novatec Editora Ltda, LOZANO, Fernando. Artigo Java Magazine 41 JDBC de Ponta a Ponta: Parte Disponível em: < Acesso em: 12 fev

91 90 MACÊDO, Diego. O modelo ACID. Disponível em: < Acesso em: 18 fev MENDES, Douglas R. Programação em Java com ênfase em Orientação a Objetos. São Paulo: Novatec, p MICROSOFT. Hiperlinks I: Noções Básicas. Disponível em: < RZ aspx?section=5> Acesso em: 20 fev MINETTO, Elton L. Frameworks para Desenvolvimento em PHP. Disponível em: < Acesso em: 18 fev MySQL. MySQL 5.5 Reference Manual The Main Features of MySQL. Disponível em: < Acesso em: 15 fev. 2013a.. MySQL 5.5 Reference Manual Operating Systems Suppoted by MySQL Community Server. Disponível em: < Acesso em: 15 fev. 2013b.. MySQL 5.5 Reference Manual The InnoDB Storage Engine. Disponível em: < Acesso em: 15 fev. 2013c.. MySQL 5.5 Reference Manual Chapter 1. General Information. Disponível em: < Acesso em: 15 fev. 2013d.. MySQL 5.5 Reference Manual Chapter 11. Data Types. Disponível em: < Acesso em: 15 fev. 2013e.. MySQL 5.5 Reference Manual Chapter 14. Storage Engines. Disponível em: < Acesso em: 15 fev. 2013f.. MySQL 5.5 Reference Manual Chapter 22. Connectors and APIs. Disponível em: < Acesso em: 15 fev. 2013g.. MySQL 5.5 Reference Manual Chapter 25. MySQL Workbench. Disponível em: < Acesso em: 15 fev. 2013h.

92 91 NETBEANS. Introdução às aplicações Java EE6. Disponível em: < Acesso em: 20 fev NUNES, Paulo. Conceito de Tabela Hash Disponível em: < Acesso em: 9 fev OLIVEIRA, Renato. G. Desenvolvimento baseado em componentes Revista Java Magazine Disponível em: < Acesso em: 18 fev ORACLE. About Java for Mobile Devices. Disponível em: < l> Acesso em: 17 mar. 2013a.. Java Platform, Enterprise Edition (Java EE). Disponível em: < em: 17 mar. 2013b. Acesso. Java SE at a Glance. Disponível em: < Acesso em: 17 mar. 2013c.. Readme Java Platform, Standard Edition 7 Development Kit. Disponível em: < > Acesso em: 8 fev. 2013d. PRIMEFACES. DataTable Filtering. Disponível em: < Acesso em: 11 fev RAINER, R. K.; CEGIELSKI, C. G. Introdução a sistemas de informação. Tradução Daniel Vieira. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, RICARTE, Ivan L. M. Containers Disponível em: < Acesso em: 18 fev ROOS, Dave. Como aproveitar melhor uma API para conferência online. Disponível em: < Acesso em: 20 fev SAAB, Felipe N. Hibernate Annotations Artigo Java Magazine Disponível em: <http://www.devmedia.com.br/hibernate-annotations-artigo-javamagazine-90/20433> Acesso em: 12 fev SAMPAIO, Cleuton. Java Enterprise Edition 6: devenvolvendo aplicações corporativas. 1. ed. Rio de Janeiro: Brasport, p

93 92 SILVA, F. A.; SILVA, F. B. Máquinas Virtuais Java e.net. Disponível em: <http://www.ic.unicamp.br/~rodolfo/cursos/mc722/2s2008/trabalho/g25_texto.pdf> Acesso em: 8 fev SILVA, Izalmo P. Artigo Java Magazine 66 Desenvolvendo Java para web Disponível em: < desenvolvendo-java-para-web/12289> Acesso em: 14 fev SOBRAL, Diogo. Componentização em Java: da concepção à publicação Disponível em: <http://www.gonow.com.br/blog/2011/05/18/componentizacao-emjava-da-concepcao-a-publicacao/> Acesso em: 18 fev

94 93 A APÊNDICE A Instalação do plugin ireport no Netbeans Esse apêndice trata-se de um tutorial de instalação do plugin da ferramenta ireport utilizado para geração de relatórios no sistema de controle de estágio. A.1 PASSOS DE INSTALAÇÃO Primeiramente é necessário baixar o plugin do ireport, isso pode ser realizado através do site do Netbeans netbeans.org, na guia Plugins. Após baixar é preciso descompactar o arquivo. Então, com o Netbeans aberto deve-se acionar a janela ferramentas e selecionar a opção Plug-ins. A janela referente às opções de plug-ins é mostrada na figura A.1 Figura A.1 Adicionar plug-ins no Netbeans. Fonte: Elaborada pela autora, A opção Adicionar plug-ins deve ser acionada e os arquivos que foram baixados devem ser selecionados como mostra a figura A.2. Deve-se clicar na opção instalar, desse modo os plug-ins serão instalados no Netbeans. Ao terminar a instalação irá aparecer na barra de ferramentas do Netbeans um ícone referente ao ireport. Esse ícone é ilustrado na figura A.3.

95 94 Figura A.2 Adicionar plug-ins do Ireport no Netbeans. Fonte: Elaborada pela autora, Figura A.3 Ícone da ferramenta Ireport no Netbeans. Fonte: Elaborada pela autora, Figura A.4 Janela para criar conexão com o banco. Fonte: Elaborada pela autora, Agora basta somente configurar a conexão com o banco de dados. Para isso,

96 95 é necessário acionar o novo ícone do ireport criado na barra de ferramentas do Netbeans (figura A.3). Ao acionar o ícone irá aparecer a janela ilustrada na figura A.4, nesta janela deve-se escolher a opção new. Após, deve aparecer outra janela para que se possa escolher o tipo de conexão. É necessário escolher a opção Database JDBC Connection, como mostra a figura A.5. Figura A.5 Tipo de conexão com o banco. Fonte: Elaborada pela autora, Após escolher o tipo de conexão, o botão next é habilitado e deve-se configurar a conexão com o banco. Segundo Luckow e Melo (2012), essa conexão serve para realização de testes dos documentos desenvolvidos no ireport, pois quando o documento criado for executado dentro da aplicação, a conexão utilizada é a que foi configurada para o projeto. Ainda de acordo com os mesmos autores, abaixo são explicados os valores que os campos de configuração de conexão recebem: Name irá receber o nome que deseja-se colocar na conexão; O campo JDBC Driver será selecionado o driver utilizado para a conexão; O campo JDBC URL recebe o endereço do banco de dados e o nome do banco de dados que será utilizado; Username é o campo em que é inserido o login para o banco; Password recebe a senha do usuário.

97 96 A janela em que se configura os campos explicados acima são mostrados na figura A.6. A ferramenta ireport permite que após as configurações acima explanadas, seja realizado um teste para verificação da conexão. Ao selecionar o botão Test na janela de configuração de conexão, a ferramenta irá solicitar a senha do banco e tentará conectar-se a ele. Caso a configuração esteja correta, será exibida uma mensagem de conexão realizada com sucesso. Figura A.6 Configuração de conexão com o banco. Fonte: Elaborada pela autora, A.2 EXEMPLO DE CRIAÇÃO DE UM RELATÓRIO Na aba janela do Netbeans existe a opção Welcome to Jaspersoft IReport Designer como mostra a figura A.7. Essa opção possibilita que possa haver escolha do tema que se deseja incluir no relatório. Ao clicar nessa opção irá aparecer a interface, ilustrada na figura A.8, onde deve-se selecionar a opção Step 2.

98 97 Figura A.7 Welcome to Jaspersoft. Fonte: Elaborada pela autora, Figura A.8 Welcome to Window. Fonte: Elaborada pela autora, Em seguida irá aparecer a janela com temas pré-moldados. Então basta selecionar o tema desejado.

99 98 Figura A.9 Janela para escolha do tema. Fonte: Elaborada pela autora, Após escolhido o tema deve-se clicar na opção Open this Template e aparece uma janela onde deverá ser escolhido o nome para o relatório. Essa janela é ilustrada na figura A.9. Figura A.10 Criação relatório. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

100 99 Foi escolhido o tema cherry e o seu modelo é apresentando na figura A.10 abaixo. O modelo inicial foi modificado retirando-se alguns componentes para que ficassem com a aparência ilustrada na figura A.11. Figura A.11 Relatório com tema cherry. Fonte: Elaborada pela autora, Figura A.12 Relatório após modificação. Fonte: Elaborada pela autora, Para a construção do relatório foi utilizada os dados inseridos nas tabelas empresa, usuários, site_custom e instituição do banco de dados MySQL. É necessário para isso, construir a uma consulta em SQL para que esses dados sejam trazidos do banco. Esse processo pode ser realizado por meio da interface selecionando o ícone destacado na figura A.12 Figura A.13 Barra de ferramentas do IReport. Fonte: Elaborada pela autora, 2013.

101 100 Na próxima janela que irá aparecer deve-se escolher a opção Query Designer, e aparecerá uma interface para que se escolha com quais tabelas e campos se pretende trabalhar. No canto esquerdo da figura A.13 é possível observar, que existe uma lista de tabelas do banco de dados com o qual se está trabalhando. Deste modo, basta clicar na tabela desejada e arrastar até o meio da janela e então selecionar os campos que queira que apareça no relatório. Os relacionamentos entre as tabelas são feito de modo automático. Figura A.14 Interface para criação de consultas SQL. Fonte: Elaborada pela autora, A aba Report Inspector localizada a esquerda no Netbeans, permite que os campos trazidos pela consulta SQL sejam introduzidos no relatório, bastando para isso clicar no campo de solta-lo na parte do relatório onde ele deve aparecer. Essa aba é mostrada na figura A.14.

102 101 Figura A.15 Aba Report Inspector. Fonte: Elaborada pela autora, Após a efetivação desses passos é possível realizar um teste para saber como ficará o relatório. Para isso, deve-se selecionar a opção Preview na barra do IReport e obter-se-á o resultado mostrado na figura A.15.

103 102 Figura A.16 Relatório compilado. Fonte: Elaborada pela autora, A.3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste Apêndice foi explicado e ilustrado como instalar e configurar o plug-in do IReport no Netbeans e também um exemplo prático de criação de um relatório. Dados os exemplos é possível observar a simplicidade que o IReport oferece para a criação de relatórios.

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

JPA: Persistência padronizada em Java

JPA: Persistência padronizada em Java JPA: Persistência padronizada em Java FLÁVIO HENRIQUE CURTE Bacharel em Engenharia de Computação flaviocurte.java@gmail.com Programação Orientada a Objetos X Banco de Dados Relacionais = Paradigmas diferentes

Leia mais

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Luis Gustavo Zandarim Soares 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paraná PR Brasil luisgustavo@live.co.uk,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink

Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink Vinicius Teixeira Dallacqua Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFTO AE 310 Sul, Avenida

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009.

EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009. INSTITUTO FEDERAL GOIÁS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009. A

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

SISTEMA PARA COMPOSIÇÃO E CORREÇÃO DE LISTAS DE QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SISTEMA PARA COMPOSIÇÃO E CORREÇÃO DE LISTAS DE QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ROBERTO ROSIN SISTEMA PARA COMPOSIÇÃO E CORREÇÃO DE LISTAS DE QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados Desenvolvimento de Aplicações Desenvolvimento de Aplicações Dificuldades no uso de Bancos de Dados Um leigo não sabe o que é e como funciona um BD Mesmo um profissional da área de informática pode ter

Leia mais

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB Raul Victtor Barbosa Claudino¹, Ricardo Ribeiro Rufino¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil victtor.claudino@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo: Este

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Struts 2 : Projeto e Programação Editora: Ciência Moderna Autor: Antunes Budi Kurniawan Número de páginas: 600

Struts 2 : Projeto e Programação Editora: Ciência Moderna Autor: Antunes Budi Kurniawan Número de páginas: 600 Objetivo Com enfoque totalmente prático permite que programadores Java possam ampliar seus conhecimentos no mundo Web na criação de sistemas profissionais. Utilizar os modelos de programação com Servlets,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA 1 Objetivos Apresentar de forma progressiva as diversas alternativas de persistência de dados que foram evoluindo na tecnologia Java, desde o JDBC, passando

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

ruirossi@ruirossi.pro.br

ruirossi@ruirossi.pro.br Persistência Com JPA & Hibernate Rui Rossi dos Santos ruirossi@ruirossi.pro.br Mediador: Rui Rossi dos Santos Slide 1 Mapeamento Objeto-Relacional Contexto: Linguagem de programação orientada a objetos

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTÔNIO SEABRA CURSO SUPERIOR EM TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS MICHAEL WILLIANS DE PAIVA RIBEIRO MURILO RALSEN BENEVIDES

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) J2EE () Sumário Introdução J2EE () APIs J2EE Web Container: Servlets e JSP Padrão XML 2 J2EE é Uma especificação para servidores

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Java & OpenJDK Thiago S. Gonzaga Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Tópicos Sobre a Sun Microsystems Algumas tecnologias da Sun Linguagem de Programação Ciclo de Desenvolvimento O que é Java?

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES (11.788, DE 25/09/2008) Definição Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo

Leia mais

Persistência de dados com JPA. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Persistência de dados com JPA. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Persistência de dados com JPA Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com O que é persistência? A persistência de dados é o fato de pegar um dado e torná-lo persistente, ou seja, salvar em algum banco

Leia mais

Thiago Hernandes de Souza

Thiago Hernandes de Souza Thiago Hernandes de Souza Dedicatória Confia ao SENHOR as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos. (Provérbios 16:3) Primeiramente ao Senhor Jesus Cristo, por fazer o intermédio junto a Deus

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://blog.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Conteúdo Programático Instalação e configuração básica do Eclipse Indigo e do

Leia mais

SISTEMA PARA GESTÃO DE CRIATÓRIOS

SISTEMA PARA GESTÃO DE CRIATÓRIOS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA PARA GESTÃO DE CRIATÓRIOS por Cláudio Antônio Maraninchi Leite Documento de conclusão da

Leia mais

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

JPA Passo a Passo. Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br. Globalcode Open4Education

JPA Passo a Passo. Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br. Globalcode Open4Education JPA Passo a Passo Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br 1 Palestrante Henrique Eduardo M. Oliveira (henrique@voffice.com.br) > Trabalha: Arquiteto JEE / Instrutor Java > Formação: Ciências

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Introdução ao Ambiente de Desenvolvimento Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Prova Específica Cargo Desenvolvimento

Prova Específica Cargo Desenvolvimento UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD/UFPI Rua Olavo Bilac 1148 - Centro CEP 64.280-001 Teresina PI Brasil Fones (86) 3215-4101/ 3221-6227 ; Internet: www.uapi.edu.br

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA ANALISTA DE SUPORTE 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

SISTEMA AVANÇADO DE PROPOSTAS ORÇAMENTÁRIAS. Pedro Henrique Silva Antunes

SISTEMA AVANÇADO DE PROPOSTAS ORÇAMENTÁRIAS. Pedro Henrique Silva Antunes SISTEMA AVANÇADO DE PROPOSTAS ORÇAMENTÁRIAS Pedro Henrique Silva Antunes Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Eletrônica e de Computação da Escola Politécnica, Universidade Federal do

Leia mais

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB Ruan Alves Brandão 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil brandao15@gmail.com

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR INTRODUÇÃO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR INTRODUÇÃO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR EM SISTEMAS WEB INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Visão Geral 1 2 3 4 Apresentação Programação Servidor? O que é Java? Grupos de Trabalho Apresentação Quem é o professor?

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

JSF e PrimeFaces. Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL Campus Sapucaia do Sul

JSF e PrimeFaces. Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL Campus Sapucaia do Sul JSF e PrimeFaces Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL 2015 Agenda Introdução Desenvolvimento Web Java Server Faces Exercício 2 Introdução Ao longo dos anos diversas linguagens de programação foram

Leia mais

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Secretaria Geral de Informática Sin Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Versão 2.1 O(s) critério(s) de escolha pelas tecnologias para desenvolvimento

Leia mais

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Nova Lei de Estágio (Lei nº 11.788/08) Lei

Leia mais

Hibernate. Mapeamento Objeto-Relacional. Prof. Anselmo Cardoso Paiva Prof. Geraldo Braz Junior

Hibernate. Mapeamento Objeto-Relacional. Prof. Anselmo Cardoso Paiva Prof. Geraldo Braz Junior Hibernate Mapeamento Objeto-Relacional Baseado nas notas de aula de João Dalyson e Raphaela Galhardo Fernandes Prof. Anselmo Cardoso Paiva Prof. Geraldo Braz Junior Objetivos Aprender MOR usando Hibernate

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

SIQ GQF Plugin s WEB (Aplicações WEB) Gestão da Qualidade de Fornecedores

SIQ GQF Plugin s WEB (Aplicações WEB) Gestão da Qualidade de Fornecedores SIQ GQF Plugin s WEB (Aplicações WEB) Gestão da Qualidade de Fornecedores Requerimentos do Software Versão para Microsoft Windows/Unix Dezembro 2006 Bem-Vindo ao to SIQ GQF Plugin s WEB - Gestão da Qualidade

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA CAROLINE VISOTO 1 EDUARDO RUBIN 2 THIAGO X. V. OLIVEIRA 3 WILINGTHON PAVAN 4 JOSÉ MAURÍCIO CUNHA FERNANDES 5 CRISTIANO ROBERTO CERVI

Leia mais

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada

Leia mais

Dados em Java. Introdução

Dados em Java. Introdução Interface Gráfica e Banco de Dados em Java Introdução Java and all Java-based marks are trademarks or registered trademarks of Sun Microsystems, Inc. in the U.S. and other countries. Licença para uso e

Leia mais

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Primeira Dica Afirmação O que é Java? Características do Java Como Java Funciona Plataforma Java Edições Java Java SE Java EE Java ME

Leia mais

Aula 2 - Revisão de JPA (Java Persistence API)

Aula 2 - Revisão de JPA (Java Persistence API) Aula 2 - Revisão de JPA (Java Persistence API) Professor: Ricardo Luis dos Santos IFSUL 2015 Tabela para Revisão Assunto (JPA) Interesse? 1 Vantagens e Desvantagens 4 2 Principais Conceitos 7 3 Anotações

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Daniel Wildt dwildt@gmail.com. FACENSA Grupo de Estudos Java - FUJA Slide: 1

Daniel Wildt dwildt@gmail.com. FACENSA Grupo de Estudos Java - FUJA Slide: 1 Apresentação Tecnologia Java Daniel Wildt dwildt@gmail.com FACENSA Grupo de Estudos Java - FUJA Slide: 1 1. Java 2. JCP 3. Tecnologia Java 4. J2ME/J2SE/J2EE 5. Certificações 6. JUG 7. RSJUG Agenda 8. Ambiente

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition CURSO DE GRADUAÇÃO J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition Antonio Benedito Coimbra Sampaio Junior abc@unama.br OBJETIVOS DO CURSO Capacitar os alunos no desenvolvimento de aplicações para a WEB com

Leia mais

Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo

Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo Novatec Copyright 2010 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS

JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS FOZ DO IGUAÇU 2013 SUMÁRIO 1. PERSISTÊNCIA

Leia mais

Programação de Computadores II TCC-00.309 Turma A-1

Programação de Computadores II TCC-00.309 Turma A-1 Material elaborado pelo prof. Leandro A. F. Fernandes com contribuições dos profs. Anselmo A. Montenegro e Marcos Lage Programação de Computadores II TCC-00.309 Turma A-1 Conteúdo Introdução ao Ambiente

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração O livro Ambiente Web É o ambiente

Leia mais

Java para WEB com Hibernate e Struts 2. Duração 52 horas/aula. Objetvo

Java para WEB com Hibernate e Struts 2. Duração 52 horas/aula. Objetvo Objetvo O curso visa explorar a geração de conteúdo dinâmico para páginas WEB através de recursos da linguagem Java que são a base da plataforma Java Entreprise Editon (Java EE), e mostrar os frameworks

Leia mais

Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE

Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE 1 Sumário Sumário... 2 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Propósito... 3 1.2 Escopo... 3 1.3 Referências... 3 2 DIRETRIZES...

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL por Luisiane Pereira Costa Pinto Trabalho de Curso II submetido

Leia mais

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração

Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Desenvolvimento em PHP usando Frameworks Elton Luís Minetto Agenda Ambiente Web PHP Problemas Frameworks CakePHP Symfony Zend Framework Prado CodeIgniter Demonstração Ambiente Web É o ambiente formado

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais