CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA JURÍDICA. Receita Federal do Brasil"

Transcrição

1 CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR Receita Federal do Brasil SEFIP/GFIP? Como declarar no SEFIP/GFIP a Receita da Comercialização Rural Versão 8.4 SENAR Previdência Rural

2 CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR ATUALIZAÇÃO 2015 Alterações introduzidas pela IN/RFB Nº 971, de 13 de novembro 2009 APRESENTAÇÃO Visando oferecer atendimento de qualidade a seu cliente/usuário com rapidez e comodidade, o SENAR-AR/PE, através do Projeto Cidadania Rural, vem buscando novas fórmulas que possibilitem atingir os seus objetivos. Neste sentido o SENAR-AR/PE, com apoio técnico da RECEITA FEDERAL DO BRASIL, elaborou a presente Cartilha que, como instrumento didático, possibilita maior compreensão e esclarecimento aos seus contribuintes no entendimento dos dispositivos legais na área de Previdência Rural, atenuando as dificuldades com que se deparam no cumprimento de suas obrigações e principalmente na correta percepção do fato gerador da contribuição previdenciária rural e no preenchimento do SEFIP/GFIP. Este trabalho destina-se aos produtores rurais, agroindústrias, cooperativas rurais, adquirentes de produtos rurais, profissionais das áreas contábil e de recursos humanos e ao público em geral. Abril 2015

3 DEFINIÇÃO: Produtor Rural Pessoa Jurídica é o empregador rural que, constituído sob a forma de firma individual ou de empresário individual, assim considerado pelo art. 931 da lei nº , de 2002 (Código Civil), ou sociedade mercantil, tem como fim apenas a atividade de produção rural. ENQUADRAMENTO PARA FINS DE RECOLHIMENTO - Se o produtor rural pessoa jurídica explorar a atividade exclusivamente rural contribuirá sobre sua comercialização rural; - Se exerce outra atividade autônoma seja ela comercial, industrial ou de serviços, no mesmo ou em estabelecimento destinto contribuirá com base na folha de pagamento para todas as suas atividades; - Se prestar serviços a terceiros em condições em que não caracteriza atividade econômica autônoma, recolherá sobre a folha de pagamento somente com relação a estes trabalhadores, devendo essa receita ser excluída da base de cálculo da contribuição sobre a receita bruta; - Se mantiver escritório administrativo fora da sede, exclusivamente para o exercício de atividade rural, deve contribuir com base na receita bruta da comercialização da produção rural. ATIVIDADE ECONÔMICA AUTÔNOMA Atividade econômica autônoma a que não constitui parte de atividade econômica mais abrangente ou fase de processo produtivo mais complexo, e seja exercida mediante estrutura operacional definida, em um ou mais estabelecimentos. - Registrar na Junta Comercial como Pessoa Jurídica; DEVERES - Efetuar a inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ, na Secretaria da Receita Federal do Brasil; - Promover a inscrição no INSS de seus sócios-gerentes e sócios-cotistas com retirada de Pró-Labore como contribuintes individuais, se ainda não inscritos. - Preencher e recolher a Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social - GFIP por meio magnético através do SEFIP, informando a remuneração dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais que lhe prestam serviço, bem como o valor de sua produção rural e/ou as adquiridas de terceiros. 21

4 CONTRIBUIÇÃO SOBRE A COMERCIALIZAÇÃO RURAL BASE DE CÁLCULO: A base de cálculo das contribuições sociais devidas pelo produtor rural é: 1. O valor da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção e dos subprodutos e resíduos, se houver; 2 - O valor do arremate da produção rural; 3 - O preço de mercado da produção rural dada em pagamento, permuta, ressarcimento ou em compensação. NOTA: Na hipótese de a documentação não indicar o valor da produção dada em pagamento, ressarcimento ou em compensação, tomar-se-á, como base de cálculo das contribuições, o valor da obrigação quitada. ALÍQUOTAS: 2,5% - INSS 0,1% - RAT 0,25% - SENAR RESPONSÁVEL PELO RECOLHIMENTO a) O próprio produtor rural pessoa jurídica, quando comercializar sua produção rural; b) O próprio produtor rural pessoa jurídica, quando adquire produção rural do produtor rural pessoa física ou segurado especial, fica sub-rogado nas obrigações do produtor rural pessoa física e do segurado especial. COMO RECOLHER Por meio da Guia da Previdência Social - GPS eletrônica gerada, através das informações prestadas pelo contribuinte no sistema SEFIP/GFIP. COMO PREENCHER E INFORMAR O SEFIP/GFIP: O contribuinte deve preencher a GFIP - Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social, por meio magnético através, do Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informação à Previdência Social /SEFIP, baixada do site: ou 22

5 SEFIP/GFIP DO O produtor rural Pessoa Jurídica deverá preencher o SEFIP/GFIP com seus dados cadastrais constante no CNPJ, informando o código FPAS 604 e para Outras Entidades o código 0003, os demais campos deverão ser preenchidos de acordo com o Manual da GFIP Versão CNPJ / AGROPECUÁRIA CAMPO VERDE LTDA PE 05 KM 120 ZONA RURAL CARPINA PE Código FPAS 604 Produtor Rural Pessoa Jurídica 0 - Não centralizado 1 - Não Optante 0, Código de Outras Entidades Recolhimento e/ou Declaração ao FGTS e Informações à Previdencia Social Informar a competência e o código de recolhimento, no caso de Recolhimento usar o Código 115 Informar o valor de sua comercialização Informar o valor da comercialização adquirida pessoa física informar todas as remunerações pagas, devidas, ou creditadas aos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais 23

6 CONTRIBUIÇÃO SOBRE A FOLHA DE PAGAMENTO E COMERCIALIZAÇÃO As contribuições serão calculadas de acordo com o seguinte quadro: Base de cálculo da contribuição FPAS Segurado Previdência Social Terceiros Empresa GILRAT Código Terceiros Total (%) Receita bruta da comercialização Valor total da folha de salários ,5% 0,1% ,25% 8, 9 ou 11% ,70% NOTA: O código FPAS 744 não é cadastrado no SEFIP/GFIP, ele é gerado pelo próprio sistema, quando o contribuinte Produtor Rural Pessoa Física ou Pessoa Jurídica informa no campo próprio da GFIP o valor bruto de sua comercialização ou quando, no caso da pessoa jurídica informar, além do valor bruto de sua comercialização, o valor da produção rural adquirida de produtor rural pessoa física ou de segurado especial. EXEMPLOS PRÁTICOS: A empresa Agropecuária Campo Verde LTDA, CNPJ nº / , realizou durante o mês de Março de 2015 as seguintes operações: - Comprou produção rural de segurado especial no valor de R$10.000,00; - Vendeu sua produção rural no valor de R$ ,00; - Pagou Folha de Salário e Pró-Laboré conforme abaixo: RESUMO DA FOLHA DE PAGAMENTO Nome dos Empregados Salários João Severino da Silva 800,00 Severino Rodrigues Gomes 1.000,00 TOTAL 1.800,00 RESUMO DO PRÓ-LABORE Nome dos sócios Remuneração Paulo Antônio de Souza 2.000,00 Maria do Carmo da Mota 2.000,00 TOTAL 4.000,00 Com base nas informações, acima preparar a Guia da Previdência Social-GPS da Empresa Agropecuária Campo Verde Ltda. 24

7 RECOLHIMENTOS DE RESPONSABILIDADE DO PRODUTOR RURAL Para preparar a Guia da Previdência Social-GPS eletrônica o contribuinte deverá proceder da seguinte forma: Abrir o, Clicar no Menu Movimento, informar a competência e código de recolhimento; Recolhimento e /ou Declaração ao FGTS e Informação à Previdência Social Marcar a participação da empresa no Movimento ; Na tela Movimento do Trabalhador, marcar a participação dos trabalhadores no movimento, informando a modalidade de cada um, bem como a sua remuneração, que poderá ser digitada diretamente no SEFIP/GFIP ou importada do arquivo Folha de Pagamento. 800, , , , ,00 Na tela Movimento da Empresa, clicar no menu Receita e informar o valor de sua comercialização, no Campo Comercialização da Produção - Pessoa Jurídica e no Campo Pessoa Física o valor da comercialização adquirida de pessoa física; , ,00 25

8 Com base nas informações, o sistema SEFIP/GFIP gerou as Guias da Previdência Social- GPS eletrônica, com as seguinte informações: 1 - Da Comercialização de código de pagamento Da Folha de Pagamento de código de pagamento 2100 MINISTÉRIO DA FAZENDA - MF SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB SEFIP 8.4 TABELA 22.0 DATA: 14/09/2011 HORA 08:24: NOME / TELEFONE / ENDEREÇO AGROPECUÁRIA CAMPO VERDE LTDA (0081) PE 5 KM ZONA RURAL PE CARPINA 2 - VENCIMENTO (USO EXCLUSIVO INSS) ATENÇÃO: É VEDADA A UTILIZAÇÃO DA GPS PARA RECOLHIMENTO DE RECEITA DE VALOR INFERIOR AO ESTIPULADO EM RESOLUÇÃO PUBLICADA PELO INSS. A RECEITA QUE RESULTAR VALOR INFERIOR DEVERÁ SER ADICIONADA A CONTRIBUIÇÃO OU IMPORTÂNCIA CORRESPONDENTE NOS MESES SUBSEQUENTES, ATÉ QUE O TOTAL GPS DA COMERCIALIZAÇÃO GUIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - GPS 3 - CÓDIGO DE PAGAMENTO COMPETÊNCIA 5 - IDENTIFICADOR /001/ VALOR DO INSS (+) 730,00 SEJA IGUAL OU SUPERIOR AO VALOR MÍNIMO FIXADO VALOR DE OUTRAS ENTIDADES 70, ATUALIZAÇÃO / MONETÁRIA/JUROS 0,00 /MULTA/(+) 11 - VALOR ARRECADADO 800, AUTENTICAÇÃO MECÂNICA PARA RECOLHIMENTO NO PRAZO MINISTÉRIO DA FAZENDA - MF SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB SEFIP 8.4 TABELA 22.0 DATA: 14/09/2011 HORA 08:24: NOME / TELEFONE / ENDEREÇO AGROPECUÁRIA CAMPO VERDE LTDA (0081) PE 5 KM ZONA RURAL PE CARPINA 2 - VENCIMENTO (USO EXCLUSIVO INSS) ATENÇÃO: É VEDADA A UTILIZAÇÃO DA GPS PARA RECOLHIMENTO DE RECEITA DE VALOR INFERIOR AO ESTIPULADO EM RESOLUÇÃO PUBLICADA PELO INSS. A RECEITA QUE RESULTAR VALOR INFERIOR DEVERÁ SER ADICIONADA A CONTRIBUIÇÃO OU IMPORTÂNCIA CORRESPONDENTE NOS MESES SUBSEQUENTES, ATÉ QUE O TOTAL GPS DA FOLHA DE PAGAMENTO GUIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - GPS 3 - CÓDIGO DE PAGAMENTO COMPETÊNCIA 5 - IDENTIFICADOR /001/ VALOR DO INSS (+) 1.384,00 SEJA IGUAL OU SUPERIOR AO VALOR MÍNIMO FIXADO VALOR DE OUTRAS ENTIDADES 48, ATUALIZAÇÃO / MONETÁRIA/JUROS 0,00 /MULTA/(+) 11 - VALOR ARRECADADO 1.432, AUTENTICAÇÃO MECÂNICA PARA RECOLHIMENTO NO PRAZO 26

9 SUB - ROGAÇÃO RECOLHIMENTO EXCLUSIVO PARA O SENAR Quando a empresa adquire produção rural de produtor rural Pessoa Física que possua liminar para não recolher a contribuição Patronal de 2.1% destinada a Previdência Social e ao RAT, deverá proceder para efetuar ao recolhimento destinado ao SENAR da seguinte forma: a) lançar na GFIP o valor da receita bruta proveniente da comercialização da produção rural adquirida desse produtor, na tela Movimento de Empresa, menu Receita, campo Comercialização Produção Pessoa Física, conforme tela abaixo: Informar o valor da receita adquirida da Pessoa Física. b) lançar no campo Compensação da tela Movimento de Empresa, menu Informações Complementares o valor resultante da aplicação de 2.1% sobre produção rural adquirida do produto rural pessoa física e nos campos Período Início e Período Fim a competência do recolhimento, conforme tela abaixo: Informar o valor de 2.1% da produção adquirida da Pessoa Física. c) manter controles relativos à compensação efetuada para fins de fiscalização, principalmente cópia da Decisão Judicial. EXEMPLO PRÁTICO: A empresa Agropecuária Campo Verde LTDA, CNPJ nº / , realizou durante o mês de Março de 2015 as seguintes operações: - Comprou produção rural de produtor rural Pessoa Física no valor de R$ ,00, que detém decisão judicial para não recolher a contribuição destinada a Previdência Social (2.1%). - Pagou folha de pagamento e Pró-Laboré conforme resumo abaixo: 27

10 RESUMO DO PRO-LABORÉ Nome dos sócios Remuneração Paulo Antônio de Souza 2.000,00 Maria do Carmo da Mota 2.000,00 TOTAL 4.000,00 RESUMO DA FOLHA DE PAGAMENTO Nome dos empregados Salários João Severino da Silva 800,00 Severino R. Gomes 1.000,00 TOTAL 1.800,00 Com base nas operações acima preparar o movimento da empresa. 1º) PASSO: Abrir o movimento, marcar a participação da empresa, importar sua Folha de pagamento ou digitar diretamente no SEFIP/GFIP a remuneração, de cada empregado e contribuintes individuais a seu serviço, bem como indicar a modalidade de cada um, conforme tela abaixo. 800, , , , ,00 2º) PASSO: Informar o valor da Produção adquirida da Pessoa Física, na Tela Movimento de empresa, Menu Receita, Campo Comercialização da Produção - Pessoa Física ,00 3 ) PASSO: Lançar na tela de Movimento da Empresa, Menu Informações Complementares no Campo Compensação o valor de R$ 210,00 (10.000,00 X 2.1%), e nos períodos Início e Fim a competência do recolhimento: / Agropecuária Campo Verde Ltda 210,00 28

11 4º PASSO: Da informação prestada pelo contribuinte o Sistema gerou as seguintes GPS: MINISTÉRIO DA FAZENDA - MF GPS DA COMERCIALIZAÇÃO SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB GUIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - GPS IP 8.40 TAB DATA: 17/ HORA: 09:24: CÓDIGO DE PAGAMENTO 2607 NOME / TELEFONE / ENDEREÇO 4 - COMPETÊNCIA Agropecuária Campo Verde PE 5 km IDENTIFICADOR / Zona Rural CEP: Fone: (81) PE 6 - VALOR DO INSS(+) 210,00 Valor lançado no campo VENCIMENTO compensação da GFIP: 7 - (USO EXCLUSIVO INSS) ,00 x 2.1% = 210, ATENÇÃO É VEDADA A UTILIZAÇÃO DA GPS PARA RECOLHIMENTO 9 - VLR OUTRAS ENTIDADES 20,00 DA RECEITA DE VALOR INFERIOR AO ESTIPULADO EM RESOLUÇÃO PUBLICADA PELO INSS. A RECEITA QUE RESULTAR VALOR INFERIOR 10 - ATUAL. MONETÁRIA / DEVERÁ SER ADICIONADA A CONTRIBUIÇÃO OU IMPORTÂNCIA JUROS/MULTA/(+) RESPONDENTE NOS MESES SUBSEQUENTES, ATÉ QUE O TOTAL SEJA IGUAL OU SUPERIOR AO VALOR MÍNIMO FIXADO VALOR ARRECADADO 230, AUTENTICAÇÃO MECÂNICA PARA RECOLHIMENTO NO PRAZO MINISTÉRIO DA FAZENDA - MF GPS DA FOLHA DE PAGAMENTO SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB GUIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - GPS SEFIP 8.40 TAB DATA: 17/ HORA: 09:24: NOME / TELEFONE / ENDEREÇO 3 - CÓDIGO DE PAGAMENTO 2100 Agropecuária Campo Verde Fone: (81) COMPETÊNCIA PE 5 km 120 CEP: IDENTIFICADOR / Zona Rural PE Carpina 1.800,00 x 8% = 144, VALOR DO INSS(+) 1.174, ,00 x 11% = 440, ,00 x 20% = 800, VENCIMENTO Sub-total = 1.384, (USO EXCLUSIVO INSS) (-)Compensação: = 210,00 Total = 1.174,00 ATENÇÃO É VEDADA A UTILIZAÇÃO DA GPS PARA RECOLHIMENTO 9 - VLR OUTRAS ENTIDADES 48,60 DA RECEITA DE VALOR INFERIOR AO ESTIPULADO EM RESOLUÇÃO PUBLICADA PELO INSS. A RECEITA QUE RESULTAR VALOR INFERIOR 10 - ATUAL. MONETÁRIA / DEVERÁ SER ADICIONADA A CONTRIBUIÇÃO OU IMPORTÂNCIA RESPONDENTE NOS MESES SUBSEQUENTES, ATÉ QUE O TOTAL SEJA IGUAL OU SUPERIOR AO VALOR MÍNIMO FIXADO. Como o sistema processou a compensação: NOTA: É aconselhável colocar na GPS de folha de pagamento A seguinte observação: 1º Compensação efetuada na forma da ADE/CODAC N 6 de 23/02/2015 2º Arquivar cópia da decisão judicial. JUROS/MULTA/(+) 11 - VALOR ARRECADADO 1.222, AUTENTICAÇÃO MECÂNICA PARA RECOLHIMENTO NO PRAZO 29

12 OUTRAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS DOS EMPREGADOS: - Retenção e recolhimento das contribuições descontadas dos segurados empregados e trabalhadores avulsos de acordo com a faixa salarial (Art. 30, I, da Lei 8.212/91). - Reter e recolher 11% sobre o total das remunerações dos contribuintes individuais (autônomos), diretores, gerentes não empregados e sócios cotistas com retirada de Pró-Labore, (Art. 4º da Lei /03) DA EMPRESA: - Recolhimento de 20% sobre o total das remunerações de contribuintes individuais,diretores, gerentes nãoempregados e sócios cotistas com retirada de Pró-Labore, (Art. 22 item III da Lei 8.212/91); - Recolher 15% sobre o valor de Nota Fiscal / Fatura na contratação de cooperativas de trabalho, (Art. 22, IV da Lei 8.212/91) e a partir de 01/04/2003, é devida a contribuição adicional de nove, sete ou cinco pontos percentuais, a cargo da empresa tomadora de serviço de cooperados incidentes sobre Nota Fiscal/Fatura, conforme a atividade exercida pelo cooperado que permita a concessão de aposentadoria especial após quinze, vinte ou vinte cinco anos de contribuições, (Art. 1º 1º da Lei /03); - Reter e recolher 11% sobre o valor bruto da Nota Fiscal / Fatura de prestação de serviço, (Art. 31 da Lei 8.212/91) e a partir de 01/ 04/ 2003 este percentual é acrescido de quatro, três ou dois pontos percentuais a cargo da empresa contratante cuja a atividade permita a concessão de aposentadoria especial após quinze, vinte ou vinte e cinco anos de contribuições (Art 6º da Lei /03). OUTRAS ENTIDADES: - Recolher 2,7% sobre a Folha de Pagamento para Outras Entidades. (Código FPAS 604 Código de terceiro 0003); NOTAS: - A empresa é obrigada a fazer a inscrição no INSS dos contribuintes individuais a seu serviço ainda não inscritos, (Art. 4 2 da Lei /03); - Deve declarar o valor da receita bruta de exportação na GFIP no Campo Comercialização da Produção - Pessoa Jurídica, quando a exportação for realizada diretamente com adquirente no exterior na forma da IN/RFB nº 880/2008, alterada pela 1.338/2013; - A empresa ou cooperativa adquirente, consumidora ou consignatária da produção fica obrigada a fornecer ao segurado especial cópia do documento fiscal de entrada da mercadoria, para fins de comprovação da operação e da respectiva contribuição previdenciária, na forma do do Art da Lei n 8.212/91. 30

13 FAEPE Pio Guerra Júnior Presidente do Conselho Administrativo Adriano Leite Moraes Superintendente Rua São Miguel, nº 1050, Afogados, Recife/PE - CEP: Fone:(81) / Fax: (81)

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR ADQUIRENTE, CONSIGNATÁRIO E COOPERATIVA. Receita Federal do Brasil

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR ADQUIRENTE, CONSIGNATÁRIO E COOPERATIVA. Receita Federal do Brasil CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR Receita Federal do Brasil SEFIP/GFIP? Como declarar no SEFIP/GFIP a Receita da Comercialização Rural Versão 8.4 SENAR Previdência Rural CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR

Leia mais

? Como contribuir para Previdência Social e para o

? Como contribuir para Previdência Social e para o EXPORTAÇÃO? Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO Atualização Agosto de 2013 ATUALIZAÇÃO 2013 Alterações introduzidas pela IN/RFB Nº 971, de 13 de novembro 2009 Apresentação

Leia mais

SEGURADO ESPECIAL. Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO. Atualização Agosto de 2013

SEGURADO ESPECIAL. Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO. Atualização Agosto de 2013 SEGURADO ESPECIAL? Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO Atualização Agosto de 2013 ATUALIZAÇÃO 2013 Alterações introduzidas pela IN/RFB Nº 971, de 13 de novembro 2009

Leia mais

Previdência. Rural. Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO. Atualização Agosto de 2013

Previdência. Rural. Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO. Atualização Agosto de 2013 Previdência Rural? Como contribuir para Previdência Social e para o SENAR SENAR PERNAMBUCO Atualização Agosto de 2013 ATUALIZAÇÃO 2013 Alterações introduzidas pela IN/RFB Nº 971, de 13 de novembro 2009

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT...

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT... Índice Apresentação... 03 Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03 Contribuintes do SEST/SENAT... 03 Como contribuir ao SEST/SENAT... 04 Alíquotas das Contribuições e Vencimentos... 04 Formas de Contribuição...

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

www.sistemafaep.org.br

www.sistemafaep.org.br www.sistemafaep.org.br www.receita.fazenda.gov.br www.fazenda.pr.gov.br O que é a Nota Fiscal de Produtor Rural 1. NOTA FISCAL DE PRODUTOR RURAL (NFP) É o documento obrigatório para acompanhar a produção

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Declarações Previdenciárias INFORMATIVO GFIP/SEFIP Nº 001 JUNHO/2003

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 52 - Data 20 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÕES INCIDENTES SOBRE

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Contribuição Previdenciária valor limite para recolhimento proveniente da comercialização da produção rural

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Contribuição Previdenciária valor limite para recolhimento proveniente da comercialização da produção rural Contribuição Previdenciária valor limite para recolhimento proveniente da comercialização da produção rural antigo Funrural 10/04/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10.

CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10. São Paulo, 21 de Agosto de 2003 DE: MÁRCIO FERNANDES DA COSTA PARA: ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10.666 DE 08/05/2003

Leia mais

MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8

MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8 PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8 ORIENTAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES Atualização: 12/2006 AVISO

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 01 De que trata a Instrução Normativa 89? A IN 89 trata da contribuição adicional para financiamento

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias

28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias 28/06/2012 (Orientação) Fato Gerador das Contribuições Previdenciárias 1. Introdução 2. Fato Gerador da Obrigação Previdenciária Principal 2.1. Em Relação ao Segurado Empregado 2.2. Em Relação ao Empregado

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012)

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) ÍNDICE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) TÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CAPÍTULO I DOS CONTRIBUINTES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seção II Dos Segurados Contribuintes Obrigatórios

Leia mais

Problemas ao gerar SEFIP x Soluções

Problemas ao gerar SEFIP x Soluções Problemas ao gerar SEFIP x Soluções 1. Orientações cadastrais... 3 1.1. Empresas usuárias... 3 1.2. Departamentos... 3 1.2.1. SEFIP com o código 115 ou 905... 3 1.2.2. SEFIP com o código 150 ou 907...

Leia mais

MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8.4

MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8.4 MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO MANUAL DA GFIP/SEFIP PARA USUÁRIOS DO SEFIP 8.4 ORIENTAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DAS INFORMAÇÕES Atualização: 10/2008 AVISO IMPORTANTE NO FECHAMENTO, O SEFIP

Leia mais

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual;

b) agrupados, por categoria, os segurados empregado, trabalhador avulso e contribuinte individual; Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009 DOU de 17.11.2009 O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 261 do Regimento Interno

Leia mais

Desoneração da Folha AC Pessoal

Desoneração da Folha AC Pessoal Desoneração da Folha AC Pessoal É uma medida governamental voltada para o crescimento da produção: o governo está eliminando a atual contribuição previdenciária sobre a folha e adotando uma nova contribuição

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª RF Solução de Consulta Interna nº 1 Data 15 de junho de 2012 Origem DIFIS/SRRF01 (e processo nº 10166.725012/2012 53) Assunto: Contribuições

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Gerenciamento de Declarações INFORMATIVO GFIP/SEFIP

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/99. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 01/99. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 01/99 NORMAS DE ARRECADAÇÃO DIRETA MEDIANTE CONVÊNIO, alterações, aprova A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Apresentamos nos capítulos abaixo as orientações para a utilização do sistema:

APRESENTAÇÃO. Apresentamos nos capítulos abaixo as orientações para a utilização do sistema: Manual de Preenchimento Aplicativo Cliente - GRRF Versão 2.0.2 APRESENTAÇÃO O Sistema GRRF Guia de Recolhimento Rescisório do FGTS foi elaborado com o propósito de agilizar o processamento dos recolhimentos

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial MATÉRIAS Salário-Maternidade Sistemática de Compensação e Atualização do Sistema SEFIP Versão

Leia mais

Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária

Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária Versão 01 - Página 1/10 1. Objetivo Este documento tem por objetivo orientar na emissão de Guias de Retenção Previdenciária. 2. Aplicação Esta instrução aplica-se a emissão de todas as guias de retenções

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA COMPENSAÇÃO E RESTITUIÇÃO DE VALORES RETIDOS NAS CESSÕES

Leia mais

Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social. GIFUG/CB - Gerência de Filial Administrar FGTS

Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social. GIFUG/CB - Gerência de Filial Administrar FGTS Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social CONTEXTO: Evolução da Versão (CAIXA / RFB) Obrigatoriedade (21/11/2008) Mudanças no SEFIP (Operacionalização) Mudanças na Arrecadação

Leia mais

INFORMATIVO GFIP/SEFIP

INFORMATIVO GFIP/SEFIP PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS Diretoria de Receitas Previdenciárias DIREP Coordenação Geral de Arrecadação CGA Divisão de Declarações INFORMATIVO GFIP/SEFIP Nº 003 SALÁRIO-MATERNIDADE

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA FÍSICA. Receita Federal do Brasil

CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA FÍSICA. Receita Federal do Brasil CONTRIBUIÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL/SENAR PRODUTOR RURAL PESSOA FÍSICA Receita Federal do Brasil SEFIP/GFIP? Como declarar no SEFIP/GFIP a Receita da Comercialização Rural Versão 8.4 SENAR Previdência Rural

Leia mais

1. Cadastro de Funcionários

1. Cadastro de Funcionários Autônomo 1. Cadastro de Funcionários... 2 1.1. Tela Dados... 2 1.2. Tela Ident. Adm.... 3 1.3. Tela Outros... 4 2. Eventos dos Autônomos... 5 3. Digitação... 6 4. Autônomo Transportador (Carreteiro)...

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A

AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A AGENDA T R A B A L H I S T A E P R E V I D E N C I Á R I A JANEIRO / 2015 D S T Q Q S S 01 02 03 04 05 06 07 07 08 09 09 10 11 12 13 14 15 15 16 17 18 19 20 20 21 22 23 23 24 25 26 27 28 29 31 31-1 - AGENDA

Leia mais

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa

Código: Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Diretoria de Administração. Orientação Normativa Versão: 1/2007 Nome: para recolhimento de tributos previdenciários e IR I Introdução: Devido às dúvidas originadas por várias unidades da Fiocruz no que se refere ao recolhimento de Tributos Previdenciários

Leia mais

INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014

INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014 INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014 Áreas comprometidas Área Fiscal: Fará a apuração da receita bruta, com todas as particularidades de exclusões, CFOP, etc. Além disso,

Leia mais

ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010

ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ASSUNTOS TRABALHISTAS ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010 ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RECOLHIMENTO EM ATRASO - TABELA - JULHO/2010 Introdução - Texto Explicativo Sobre Aplicação de Multas Divulgado

Leia mais

Protocolo de Informações De Arrecadação

Protocolo de Informações De Arrecadação Protocolo de Informações De Arrecadação Protocolo GPS GPS Emenda 18 Seção I Registro de Alterações Atualizado em 01/03/2007 GPS_Emenda18.pdf Seção I - GPS Página 1 / 31 DATA SITUAÇÃO FOLHA 01/03/2007 01/03/2007

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA

PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA Lei 12.715/12 COMITÊ DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA TÊXTIL, CONFECÇÃO E VESTUÁRIO 1 Plano Brasil Maior - Evolução Legislativa MP 540/11 Lei nº. 12.546/11

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

Datamace informática Ltda. 0

Datamace informática Ltda. 0 06/2012 EXTRAORDINÁRIO Bl. 06/2012 OBSERVE A PRINCIPAL INFORMAÇÃO E/OU ALTERAÇÃO LEGAL OCORRIDA NESTE PERÍODO QUE PODERÁ TER IMPACTO EM SUAS ATIVIDADES: EFD Contribuições Lucro Presumido Página 2 Desoneração

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - DAS EMPRESAS EM GERAL, sobre: Folha de Pagamento (EMP./AVULSOS) 20% Remunerações pagas aos CI 20% Terceiros (EMP./AVULSOS) 5,8% RAT (EMP./AVULSOS) 1% (leve) 2%

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA. MP nº 540, de 02.08.2011. Lei nº 12.546, de 14.12.2011. MP nº 563, de 03.04.

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA. MP nº 540, de 02.08.2011. Lei nº 12.546, de 14.12.2011. MP nº 563, de 03.04. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA MP nº 540, de 02.08.2011 Plano Brasil Maior Lei nº 12.546, de 14.12.2011 Conversão da MP nº 540 MP nº 563, de 03.04.2012 Ampliação do benefício

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

SEFIP SISTEMA EMPRESA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL (CONECTIVIDADE SOCIAL) O que é

SEFIP SISTEMA EMPRESA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL (CONECTIVIDADE SOCIAL) O que é SEFIP SISTEMA EMPRESA DE RECOLHIMENTO DO FGTS E INFORMAÇÕES À PREVIDÊNCIA SOCIAL (CONECTIVIDADE SOCIAL) O que é SEFIP (Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social) é um aplicativo

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 15 CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL A Seguridade Social é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, mediante recursos provenientes

Leia mais

GPS Guia da Previdência Social

GPS Guia da Previdência Social GPS Guia da Previdência Social O preenchimento desta guia precisa de um conhecimento da legislação pois alguns campos dependem de cálculos a serem feitos e estes cálculos são em cima de valores encontrados

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Desoneração sobre folha de pagamento

Desoneração sobre folha de pagamento Desoneração sobre folha de pagamento Luciana Lupinucci Agosto/2015 Qual o conceito de contribuição patronal? Em regra, as empresas possuem os seguintes encargos previdenciários (INSS patronal), incidentes

Leia mais

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011)

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO consiste na substituição, total ou parcial, do cálculo da contribuição previdenciária

Leia mais

Índice 1.Orientações Gerais...2 1.1.O que é GFIP...2 1.2.Quais as vantagens de utilizar o SEFIP?...2 1.3.Prazo de Entrega...2 1.4.Transmissão...

Índice 1.Orientações Gerais...2 1.1.O que é GFIP...2 1.2.Quais as vantagens de utilizar o SEFIP?...2 1.3.Prazo de Entrega...2 1.4.Transmissão... Índice 1.Orientações Gerais...2 1.1.O que é GFIP...2 1.2.Quais as vantagens de utilizar o SEFIP?...2 1.3.Prazo de Entrega...2 1.4.Transmissão...2 1.5.O que deverá ser informado na SEFIP...3 1.6. Ausência

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/01/2013. Sumário: 1 - Introdução

Leia mais

ANUIDADE DE 2011 CONCESSÃO DE REDUÇÃO DE ANUIDADE PARA PESSOA FÍSICA (RESOLUÇÃO CRC SP Nº 1071/2010)

ANUIDADE DE 2011 CONCESSÃO DE REDUÇÃO DE ANUIDADE PARA PESSOA FÍSICA (RESOLUÇÃO CRC SP Nº 1071/2010) ANUIDADE DE 2011 CONCESSÃO DE REDUÇÃO DE ANUIDADE PARA PESSOA FÍSICA (RESOLUÇÃO CRC SP Nº 1071/2010) Poderá solicitar desconto de 30% (trinta por cento) ou 20% (vinte por cento) sobre o valor da anuidade

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castelo Av. Nossa Senhora da Penha, 103 Centro Cep: 29360 000 Castelo/ES Tel.: +55 28 3542 2124 8526

Prefeitura Municipal de Castelo Av. Nossa Senhora da Penha, 103 Centro Cep: 29360 000 Castelo/ES Tel.: +55 28 3542 2124 8526 DECRETO Nº 13.492 DE 25 DE SETEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 017/2014, DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE CASTELO / ES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014

Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014 Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014 Dia: 06 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Importador O contribuinte importador de combustíveis deverá entregar,

Leia mais

1. Cadastro de Empresas

1. Cadastro de Empresas Religioso 1. Cadastro de Empresas... 2 1.1. Tela Básico... 2 1.2. Tela Folhamatic... 3 2. Eventos... 3 3. Cadastro de Funcionários... 4 3.1. Tela Dados... 5 3.2. Tela Ident. Adm.... 6 3.3. Tela Outros...

Leia mais

Desoneração de Folha no Persona Gold

Desoneração de Folha no Persona Gold Desoneração de Folha no Persona Gold O que é a desoneração de Folha de Pagamento? A desoneração da folha de pagamento é constituída de duas medidas complementares. Em primeiro lugar, o governo está eliminando

Leia mais

RSN Administrar FGTS/RJ

RSN Administrar FGTS/RJ RSN Administrar FGTS/RJ Índice Legislação Vigente Evolução Procedimental Percentuais Guias em utilização recolhimento regular SEFIP 8.4 - Importação de Folha e Entrada de dados SEFIP 8.4 - Dados do Movimento

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013

INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 INFORMAÇÃO TRIBUTÁRIA CONTRIBUIÇÕES JANEIRO/1989 A DEZEMBRO/1995 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1.343/2013 Considerando a publicação da Instrução Normativa (IN) nº 1.343 em 08 de abril de 2013 pela Receita

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO 1 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Objetivo: Atender a Lei 12.546/2011 (Confira as principais alterações legais no fim deste tutorial). Benefícios: Conceder benefícios adicionais para as empresas de setores

Leia mais

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Manual Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Sumário DASN-SIMEI 1. Definições...2 2. Acesso à Declaração...3 3. Apresentação do Programa...3 4. Requisitos Tecnológicos...4

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI

EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI EMPREGADORES COM MATRÍCULA CEI CADASTRO DA MATRÍCULA NO CEI Inicialmente, cabe informar que a Matrícula CEI, de acordo com o artigo 17 da Instrução Normativa RFB nº 971/09, é considerada como cadastro

Leia mais

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras Matéria atualizada com base na legislação vigente em 07/10/2011. Sumário 1 - Introdução 2 - Segurado Facultativo 2.1 - Filiação 2.1.1

Leia mais

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB VERITAE CURSO Cursos/RJ/Maio/2013 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB No Rio de Janeiro, dia 10 de maio de 2013 (Nova Turma) PÚBLICO ALVO Colaboradores

Leia mais

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e

MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e MANUAL DE EMISSÃO DE NFS-e 130729 SUMÁRIO EMISSÃO DE NFS-E... 2 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA... 2 ACESSANDO O SISTEMA... 2 ACESSO AO SISTEMA... 3 SELEÇÃO DA EMPRESA... 4 CONFERÊNCIA DOS DADOS E EMISSÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/DIR/2011 ESTABELECE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O PAGAMENTO DE SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA FÍSICA, EM CARÁTER EVENTUAL, POR MEIO DE RECIBO DE PAGAMENTO A CONTRIBUINTE INDIVIDUAL

Leia mais

Dicas de Custeio do Prof. Italo Romano

Dicas de Custeio do Prof. Italo Romano 1. As alíquotas de contribuição dos segurados: empregado, doméstico e trabalhador avulso são 8%, 9% e 11% observando a faixa remuneratória na tabela abaixo: SALÁRIO-DE-CONTRIBUIÇÃO ALÍQUOTAS Até 965,67

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

Atualizado em Maio/2014 Página 1 de 10

Atualizado em Maio/2014 Página 1 de 10 Perguntas e Respostas sobre o parcelamento do Simples Nacional 1. Quem pode parcelar? Todos os contribuintes que tenham débitos de ICMS declarados e apurados (DASN) no período de 07/2007 a 12/2011 e no

Leia mais

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO O Manual

Leia mais

Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015

Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015 Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015 Dia: 07 CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados Envio ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da relação das admissões, demissões e transferências

Leia mais

RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011.

RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011. RESOLUÇÃO DE ORIENTAÇÃO nº 002/2008. Edição em 01 de maio de 2011. Orienta os procedimentos necessários para o pagamento de honorários aos professores dos cursos de Pós-Graduação promovidos pelo IEDUCORP

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB Nº. 761 DE 30.07.2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB Nº. 761 DE 30.07.2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - RFB Nº. 761 DE 30.07.2007 D.O.U.: 01.08.2007 Altera a Instrução Normativa MPS/SRP nº. 3, de 14 de julho de 2005, que dispõe sobre normas gerais de tributação

Leia mais

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia.

Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado. Clique e veja o compromisso do dia. 6 7 8. Clique e veja o compromisso do dia. Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA à SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA CAXIAS DO SUL/RS, DEZEMBRO/2005.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA CAXIAS DO SUL/RS, DEZEMBRO/2005. MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA CAXIAS DO SUL/RS, DEZEMBRO/2005. 2 Disponível a partir da competência Novembro/2005. Obrigatório a partir de 01/02/2006 e para a competência

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO por RODOLFO MACHADO MOURA 1 em 30 de janeiro de 2014 Consulta o Presidente do SINDICATO DAS EMPRESAS DE RÁDIO E TELEVISÃO DO PARANÁ SERT PR, o SR.

Leia mais

Ato Declaratório Executivo nº 79/2010

Ato Declaratório Executivo nº 79/2010 28/10/2010 Ato Declaratório Executivo nº 79/2010 ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº 79, DE 27 DE OUTUBRO DE 2010 DOU 28.10.2010 Dispõe sobre a divulgação de códigos de receita para recolhimento das contribuições

Leia mais

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano;

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano; cultura 1. Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? 2. Faturar até R$ 36 mil por ano; Não participar de outra empresa, como sócio ou titular; Trabalhar sozinho

Leia mais

Contribuição Previdenciária Área Rural e SENAR DRF LAURO DE FREITAS/BA

Contribuição Previdenciária Área Rural e SENAR DRF LAURO DE FREITAS/BA Contribuição Previdenciária Área Rural e SENAR DRF LAURO DE FREITAS/BA 1 Receita Federal do Brasil - RFB Estrutura na 5ª Região Fiscal (Bahia e Sergipe) 6 Delegacias, 3 Inspetorias e 2 Alfândegas DRF Lauro

Leia mais

Simples Nacional e as Responsabilidades na Área Rural

Simples Nacional e as Responsabilidades na Área Rural e as Responsabilidades na Área Rural SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - SENAR ISBN 978-85-7664-041-7 Simples Nacional e as Responsabilidades na Área Rural Projeto Cidadania Rural 1ª edição Brasília

Leia mais

Contratualização de Serviços de Saúde. Gestão de Contratos

Contratualização de Serviços de Saúde. Gestão de Contratos Contratualização de Serviços de Saúde Gestão de Contratos C0NTROLE DA ADMISTRAÇÃO PÚBLICA O CONTROLE CONSTITUI PODER-DEVER DOS ÓRGÃOS A QUE A LEI ATRIBUI ESSA FUNÇÃO, PRECISAMENTE PELA SUA FINALIDADE CORRETIVA;

Leia mais