Conheça a coleção Academy da Linux New Media

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conheça a coleção Academy da Linux New Media"

Transcrição

1 Conheça a coleção Academy da Linux New Media Os livros da Coleção Academy são roteiros práticos e objetivos, com didática adequada tanto ao profissional quanto ao estudante da área de TI. Luciano Antonio Siqueira Infraestrutura de Redes Paulo Henrique Alkmin da Costa Samba: com Windows e Linux Luciano Antonio Siqueira Máquinas virtuais com VirtualBox Passo a passo da montagem de uma rede de computadores, desde o cabeamento e roteadores até a configuração das máquinas clientes. Configuração e manutenção de serviços essenciais como DNS, compartilhamento de arquivos e acesso remoto. Como permitir a comunicação de diferentes sistemas operacionais em rede: Windows, Linux, Mac OS X etc. Definição de compartilhamentos de arquivos, impressoras incluindo a instalação automática de drivers e utilização do Samba como controlador de domínio (PDC) também para clientes Windows Vista e Windows 7. Administração de infraestrutura de máquinas virtuais com Sun VirtualBox. Como trabalhar com sistemas operacionais Windows, Linux etc na mesma máquina e simultaneamente. Criação de diferentes modalidades de conexões virtuais, exportação/importação de máquinas virtuais e criação de pontos de recuperação (snapshots). O conteúdo e o formato dos livros foram desenvolvidos a partir da experiência prática e educacional de seus autores, com foco principal no desenvolvimento de competências, através de conceitos, exemplos detalhados e dicas de quem realmente entende do assunto. O material é indicado tanto para autodidatas que desejam se aperfeiçoar quanto para utilização em escolas. O professor irá se sentir confortável para desenvolver as atividades a partir do livro, que procura atender tanto à expectativa do aprendiz quanto à demanda profissional do mercado de TI. Disponível no site

2 Ferramentas de diagnóstico REDES Ajuste seu sistema com ferramentas de diagnóstico Pacote de estatísticas Para verifi car a saúde de um sistema Linux, os administradores podem recorrer ao vmstat, ao iostat, ao netstat e ao ifstat. Ou você pode simplesmente usar o versátil dstat, que combina as características de várias ferramentas em um único pacote. por Valentin Höbel REDES Os administradores de sistema normalmente usam várias ferramentas para monitorar a carga de recursos em um sistema Linux. Mas para alguns poderosos aplicativos de ponta para monitoramento, a sobrecarga (overhead ou sobrecarga) pode ser bastante elevada, especialmente se você precisar solucionar problemas de desempenho. Algumas ferramentas precisam funcionar durante um período prolongado de tempo e, é claro, utilizam recursos próprios. Este artigo apresenta o vmstat, o iostat, o netstat e o ifstat, quatro programas simples que se encaixam bem em qualquer caixa de ferramentas de administrador. Você também vai aprender sobre a ferramenta multifuncional dstat, que combina muitos recursos de outras ferramentas em um único utilitário. Conhecimento básico Se você quiser interpretar as métricas do sistema, primeiro precisa entender o que elas significam. Muitas métricas referem-se à memória virtual. A RAM física na forma de blocos de memória RAM apresenta uma quantidade tangível, mas os limites são mais obscuros no gerenciamento de memória virtual. O sistema de gerenciamento de memória do sistema operacional é um enigma até mesmo para usuários Linux experientes. Todo processo do Linux precisa de memória para lidar com suas tarefas. Para manter este processo, o sistema operacional aloca memória, isto é, reserva uma quantidade de espaço de memória de A para B, que o programa vai provavelmente usar em algum momento posterior. Mas, pelo fato de nem todo processo ativo precisar de toda a memória que lhe é atribuída o tempo todo, o kernel troca essa memória por uma página de memória no disco ( paging out ), o que permite que o sistema utilize a memória RAM física disponível para necessidades mais imediatas. Se toda a memória reservada para um processo for gravada no disco, este processo é conhecido como swapping (virtualização de memória). Se o kernel só escreve no disco páginas individuais da RAM alocada, o processo é chamado de paginação ( paging ). Em contrapartida, o sistema pode carregar essa memória de volta para a RAM em um processo conhecido como paging in. Este processo é absolutamente normal e não é indicativo de uma execução com poucos recursos. Paginar no disco pode ocasionar uma carga pesada em alguns sistemas, com o kernel passando mais tempo gerenciando a memória virtual do que realmente trabalhando nos processos. Munido destas informações, é fácil entender as diferenças entre buffer e cache. Enquanto um buffer contém dados que ainda precisam ser escritos no disco, o cache lê dados já escritos em uma mídia de armazenamento. Troca de contexto ( context switching ) é outro termo importante que se refere à interrupção de um processo pelo Linux, salvando o contexto de memória para em seguida completar outro processo. Pelo fato de a mudança de contexto ser uma das operações mais custosas em um sistema Linux, se o número de trocas de contexto cresce de alguns Figura 1 Se o vmstat for executado sem quaisquer parâmetros, mostrará apenas os valores médios. Linux Magazine #91 Junho de

3 REDES Ferramentas de diagnóstico milhares para mais de em um período curto, isso pode indicar o alto uso de recursos desnecessariamente. Munido dessas informações, o administrador Linux pode agora começar a descobrir os problemas de desempenho, executando as ferramentas certas. O vmstat Muitos administradores de sistemas Linux provavelmente estão familiarizados com o vmstat [1]. Essa poderosa ferramenta mostra uma visualização em forma de tabela para processos, uso de RAM e paginação, I/O (entrada e saída de dados) e atividade da CPU. Se você chamar a ferramenta sem nenhum parâmetro, verá somente uma única linha que reflete os valores médios desde a última reinicialização ( figura 1 ). A saída do vmstat normalmente ocupa seis colunas. A primeira parte, procs, contém os valores r (run time ) para o número de processos atualmente à espera do momento de serem processados, enquanto b (blocked processes ) significa processos em um estado de espera que não pode ser interrompido. Se você olhar para a coluna memory, verá o total de memória virtual em uso em swpd, enquanto free lhe dá o total de RAM não utilizado, buff o buffer de memória, e cache o cache de memória. A área swap dessa saída contém um valor si para a memória alocada do disco para a RAM ( swapped in ) Curta Longa Função -c --cpu Habilita estatísticas de CPU -d --disk Habilita estatísticas de disco -g --page Habilita estatísticas de paginação -i --int Habilita estatísticas de interrupções -l --load Habilita estatísticas de carga de sistema -m --mem Habilita estatísticas de memória -n --net Habilita estatísticas de rede -s --swap Habilita estatísticas de troca -y --sys Habilita estatísticas de sistema -v --vmstat Saída do vmstat com o dstat Tabela 1 Opções do dstat. por segundo, e assim so se refere ao processo oposto ( swapped out ). O io mostra o número de blocos lidos pelo sistema ( bi ) ou escritos ( bo ) por segundo. Uma olhada rápida na área system revela o número de interrupções ( in ) e trocas de contexto ( cs ) por segundo. A coluna final, chamada cpu, é bastante exaustiva e contém valores percentuais: us é a porcentagem de tempo de processamento que os processos no espaço do usuário exigem; sy é a métrica de tempo de processamento exigido pelo kernel para o processamento de eventos do sistema. O id diz respeito ao tempo de inatividade ( idle ). O último valor na coluna atual, wa, lhe dá os processos em espera por entrada ou saída. O comando vmstat 1 5 executa o programa com uma taxa de atualização de uma vez a cada segundo e cinco linhas de saída ( figura 2 ). Neste exemplo, os processos tiveram de esperar o tempo de execução duas vezes, e o Linux teve que ler os dados do disco ao mesmo tempo (primeira linha de saída). Outra opção útil é vmstat -d para estatísticas de disco; isso lhe dá uma visão um pouco desordenada dos eventos de I/O na memória RAM e no disco. O comando vmstat -s mostra os valores de eventos de CPU e memória em uma lista, o que torna a saída utilizável para avaliação automática em um script. Outro adicional interessante é a opção vmstat -p, seguida por uma indicação da partição que lhe mostra as operações de leitura e escrita somente na partição selecionada. O vmstat é extremamente popular no uso diário, mas peca pela legibilidade da saída de dados, bem como por uma falta de clareza geral. O iostat O iostat [2] foca na entrada e saída de sistemas Linux. A ferramenta fornece estatísticas significativas, mesmo sem opções de linha de comando. A linha avg-cpu (average cpu ) contém estatísticas da CPU e dá ideias sobre o estado de carga geral. Na figura 3, o sistema parece ter muito pouco a fazer: os processadores estão 84% ociosos e a porcentagem de processos à espera de I/O é inferior a um. Se seu sistema tem várias CPUs, o iostat mostra os valores médios. A tabela na parte inferior da figura 3 fornece informações sobre os dispositivos de bloco. A coluna tps mostra as transferências por segundo, o que é equivalente ao número de pedidos de I/O para o dispositivo. O parâmetro Blk_read/s ( read blocks/s ) lhe dá o número de blocos que o Linux lê a partir do dispositivo especificado em 1 segundo. Um bloco normalmente significa 512 bytes. Blk_wrtn/s mostra o acesso de escrita na mesma unidade e as duas últimas colunas, Blk_read e Blk_wrtn, representam as estatísticas globais desde a última inicialização do sistema. Chamar o iostat sem nenhum parâmetro fornece um panorama útil de eventos de I/O. No caso da virtualização, o roubo ( steal ) também é de interesse para o usuário: ele lhe mostra quanto tempo os processadores virtuais estão gastando ao esperar pelo hypervisor (máquina virtual). Se os números apresentados são muito grandes e portanto difíceis de ler, você pode ajustar a saída para megabytes colocando iostat -m. Para um ajuste mais granular, é possível definir o parâmetro -p e a partição a ser monitorada. O comando iostat 62

4 Ferramentas de diagnóstico REDES -c mostra apenas os valores de CPU. Se você não está interessado em dados dos dispositivos de bloco, pode salvar muitas linhas de saída. Para obter mais visibilidade para os dispositivos de bloco, experimente o iostat -d, que esconde as estatísticas da CPU. Claro, você pode combinar os parâmetros: iostat -d -p drbd4 só mostra o que está ocorrendo atualmente no dispositivo drbd4. O iostat também suporta sistemas de arquivos NFS montados. O iostat -n lhe dá uma visão geral dos diretórios NFS montados e o tráfego atual em blocos e kilobytes por segundo. Se você precisar de mais detalhes sobre as ocorrências de I/O, confira a página do manual, o que mostra detalhes de outras opções úteis, tais como -x, que adiciona mais valores na saída de estatísticas. O netstat O netstat [3] é uma popular ferramenta de diagnóstico de rede tanto no Windows quanto no mundo Linux. Embora a maioria dos sistemas Linux tenha substituído o netstat pelo o ss, os administradores de sistemas ainda gostam de usar a familiar ferramenta netstat, que remonta a um passado de quase 30 anos. A lista de recursos do netstat é tão longa que este artigo só pode examinar as características mais importantes. Por exemplo, o comando netstat --ip, mostra o número de conexões abertas. Você pode digitar o seguinte Figura 2 O vmstat com cinco linhas de saída e uma taxa de atualização de uma vez a cada segundo. Figura 3 O iostat fornece informações sobre CPUs e dispositivos baseados em blocos. Figura 4 A ferramenta de rede netstat mostra as conexões de escuta (listening). netstat --ip wc -l para contabilizar as conexões. Para mais detalhes da lista de conexões, utilize a opção netstat -l, como mostrado na figura 4 (saída abreviada). A página de manual ( man page ) do netstat lista outras opções úteis. O ifstat O ifstat [4] lhe dá um breve panorama do tráfego da rede para todas as interfaces de rede que encontrar. Se você executar o programa com as opções -a -b, terá uma breve visuali-figura 5 É possível monitorar suas interfaces (de rede) com o ifstat. Linux Magazine #91 Junho de

5 REDES Ferramentas de diagnóstico zação geral de todas as suas interfaces, como mostrado na figura 5. O programa mostra os dados enviados e recebidos em kilobytes por segundo. Se os serviços do sistema não estiverem usando todas as interfaces disponíveis, você pode omitir as interfaces não utilizadas com a opção -z. Se você prefere ter a saída do ifstat tão curta quanto possível, digite ifstat -S para restringir a saída para uma linha, que é continuamente atualizada. O dstat: recursos combinados Figura 6 O dstat usa tabelas e cores para melhorar a legibilidade. Figura 7 O dstat sendo executado em uma das partições do disco rígido. Se esta lista de ferramentas individuais para análise de sistema é muito longa para o seu gosto, você perceberá que o dstat [5] combina praticamente todos os recursos dessas outras ferramentas em um único utilitário. Além disso o dstat usa cores e fixa a largura da coluna, o que significa que os números são sempre apresentados de forma clara. A ferramenta foi criada em 2004, é escrita em Python possui licença GPL e utiliza uma abordagem modular. Cada coluna na saída é criada por um módulo. Esses módulos residem no diretório /usr/share/dstat/. Você precisará instalar o dstat na maioria das distribuições. Chamar a ferramenta sem quaisquer argumentos de linha de comando mostra as semelhanças com o vmstat ( figura 6 ). Como o vmstat, o dstat lhe dá todos os valores em uma tabela. A cor vermelha não indica necessariamente um problema. O dstat muda a cor quando os valores excedem o limite definido em um módulo. Essa mudança de cores é projetada para melhorar a legibilidade de dados e chamar a atenção do administrador para as mudanças no comportamento do sistema. Mas se você realmente não gostar do esquema de cores, pode desativá-lo usando --nocolor, ou pode usar --bw para modificar a exibição para um terminal com uma cor de fundo clara. Os cabeçalhos das colunas correspondem aos do vmstat em sua maior parte, portanto não precisam de nenhuma explicação. O que é interessante é o enorme espaço para personalização na estrutura modular do dstat. Para uma visão geral dos plugins disponíveis, digite o comando dstat --list. Chamar o dstat sem nenhum parâmetro equivale a digitar o seguinte por padrão: dstat -c -d -n -g -y Figura 8 Caça dos maiores monopolizadores de memória: o dstat identifi cou o serviço do LDAP neste caso. Figura 9 Com as opções corretas, você pode usar o dstat como uma espécie de iostat e monitorar a carga da CPU. As opções que podem ser acionadas com um único dizem respeito às funções embutidas no dstat. As que vêm de módulos externos precisam de dois sinais de menos, --. Os plugins assim podem ser chamados digitando dstat --nome_plugin. Por exemplo, se você digitar dstat --proc-cont, é levado até uma lista de estatísticas permanentemente atualizada com os processos atualmente em execução. Pelo fato de o dstat abranger as versáteis características do vmstat, 64

6 Ferramentas de diagnóstico REDES do iostat, do ifstat e do netstat, mesmo o autor do programa, Dag Wieers, recomenda usar a ferramenta especificamente para determinados casos. Isso significaria, por exemplo, apenas monitorar os discos rígidos e pontos de montagem, o que você poderia fazer com o seguinte comando: dstat -d --disco-util --freespace A figura 7 mostra os resultados (saída abreviada). O dstat divide a saída mesmo nos discos existentes e em partições. Se ocorrem ações de escrita ou exclusão em segundo plano nas partições especificadas, você automaticamente observa as mudanças no dstat. E se você montar diretórios NFS em seu sistema, também vai encontrá-los nas estatísticas. Os usuários comuns do vmstat podem gostar de se concentrar na análise de memória. O seguinte comando: dstat -g -l -m -s --top-mem lhe dá uma visão útil para esta finalidade. Na figura 8 é possível ver como o servidor LDAP, slapd, abarca mais e mais recursos no decorrer do tempo. O comando --top-mem revela que esse processo é o consumidor número um de memória. Refletindo o aumento da memória RAM exigida pelo slapd, o parâmetro memory-usage mostra um aumento na memória cache. Enquanto o dstat estava funcionando, o administrador lançou uma pesquisa complexa no LDAP que disse para o daemon ler informações do disco. Os usuários do dstat também podem se concentrar no monitoramento da CPU em um estilo semelhante ao do iostat. Para revelar o processo que consome mais tempo de CPU, você deve digitar o seguinte ( figura 9 ): dstat -c -y -l --proc-cont --top-cpu Como o valor para idl em total-cpu-usage mostra, o sistema não está muito carregado. Os administradores de sistemas atentos também executarão o programa em uma rede, como se segue: dstat -n --socket --tcp --udp Embora os valores medidos para os sockets e o protocolo UDP mostrem pouca mudança neste exemplo, você pode ver na seção net/total que as placas de rede atualmente precisam responder aos pedidos ( figura 10 ). Novamente, o motivo para este aumento de atividade é uma pesquisa LDAP. O dstat usa realce de cor para chamar a atenção sobre a presença de pedidos pendentes. O dstat é rico em recursos, mas também um monstro em opções. Para ajudá-lo a se localizar, a tabela 1 mostra as opções mais importantes a partir dos exemplos apresentados neste artigo. Conclusão Depois de ter descoberto os benefícios do dstat, você provavelmente vai considerar escrever seus próprios plugins para suas necessidades específicas. A linguagem de programação usada para criar plugins para o dstat é o Python. Depois de colocar os módulos que você fez em /usr/share/dstat/, pode executá-los como opção de linha de comando digitando dois sinais de menos antes do nome do módulo. Se você estiver procurando um modelo, confira o arquivo dstat_helloworld.py no diretório de módulos. Você pode até mesmo executar esse código digitando dstat --hello, mas note que ele serve apenas como um exemplo. Se você preferir um exemplo mais significativo e prático, dê uma olhada nos outros módulos no diretório /usr/share/dstat. Você encontrará uma gama de exemplos diferentes, que pode modificar para seus próprios fins. Mais informações [1] Vmstat: sourceforge.net/ [2] Iostat: godard.pagesperso-orange. fr/documentation.html [3] Netstat: demon.co.uk/phil/net-tools/ [4] Ifstat: roualland.free.fr/ifstat [5] Dstat: com/home-fez/dstat Figura 10 O dstat monitorando sockets TCP e UDP. Gostou do artigo? Queremos ouvir sua opinião. Fale conosco em Este artigo no nosso so site: Linux Magazine #91 Junho de

Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho. Prof: Paulo Maciel

Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho. Prof: Paulo Maciel <prmm@cin.ufpe.br Instrutor: Jamilson Dantas <jrd@cin.ufpe.br> Monitoramento no Linux Avaliação de desempenho Prof: Paulo Maciel

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

Ajuste fino. OMonitor de Desempenho no Windows. Exchange e Active Directory

Ajuste fino. OMonitor de Desempenho no Windows. Exchange e Active Directory Ajuste fino Desempenho pode ser um problema se executados serviços como SharePoint, Exchange, ou SQL em um servidor Windows de uma só vez. Felizmente, algumas ferramentas podem ajudar os administradores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS IsmaelSouzaAraujo INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, graduado em Tecnologia em Segurança da Informação

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02 Prof. André Lucio Competências da aula 2 Instalação e configuração dos sistemas operacionais proprietários Windows (7 e

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Everson Santos Araujo

Everson Santos Araujo Administrando Servidores Linux Everson Santos Araujo Esta apresentação O que esperar: Dicas para uma boa administração de O que não esperar: Como fazer passo a passo; sistemas; Monitoramento; Everson Santos

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: O Sistema de Arquivos de Rede Fabricio Breve Introdução NFS (Network File System) Permite compartilhar sistemas de arquivos entre computadores

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/25 Roteiro Estrutura de um sistema operacional Interrupções Proteção do núcleo Níveis de privilégio Chamadas de sistema 2/25 Mono-processadores atuais seguem um

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede 1. Configuração de rede no Windows: A finalidade deste laboratório é descobrir quais são as configurações da rede da estação de trabalho e como elas são usadas. Serão observados a

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

TUTORIAL SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP

TUTORIAL SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP TUTORIAL SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS XP Abaixe o assistente no site: www.virtualbox.org Assistente de Instalação da Virtual Box Bem vindo ao Assistente de Instalação Virtual Box, clique em NEXT Esta é

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Sobre o Parallels Desktop 10 for Mac

Sobre o Parallels Desktop 10 for Mac Sobre o Parallels Desktop 10 for Mac O Parallels Desktop 10 for Mac é uma grande atualização para o premiado software da Parallels para executar o Windows em um Mac. Sobre essa atualização Esta atualização

Leia mais

09a: Máquina Virtual Particionamento Sistemas de Arquivos. ICO60801 2014/2 Professores: Bruno Fontana da Silva Maria Cláudia de Almeida Castro

09a: Máquina Virtual Particionamento Sistemas de Arquivos. ICO60801 2014/2 Professores: Bruno Fontana da Silva Maria Cláudia de Almeida Castro 09a: Máquina Virtual Particionamento Sistemas de Arquivos ICO60801 2014/2 Professores: Bruno Fontana da Silva Maria Cláudia de Almeida Castro PARTICIONAMENTO Particionamento e Sistema de Arquivos Divisão

Leia mais

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS)

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Hoje é fundamental para as empresas poder contar com recursos de comunicação, mobilidade, flexibilidade

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1

Entrada e Saída. Interface entre periféricos, processador e memória. Fonte: Minho - Portugal 1 Entrada e Saída Interface entre periféricos, processador e memória Fonte: Minho - Portugal 1 Ligação Processador/Memória - Periférico Processador Memória Controlo Dados Controlador Fonte: Minho - Portugal

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

LSOF - LiSt Open Files

LSOF - LiSt Open Files LSOF - LiSt Open Files Descrição Como o nome indica, LSOF lida com arquivos abertos em um sistema UNIX. Um arquivo aberto pode ser um arquivo comum, um diretório, uma biblioteca, um stream, ou um soquete

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Manual do System Monitor. Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama

Manual do System Monitor. Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usando o System Monitor 7 2.1 Iniciando........................................... 7 2.2 Tabela

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual Definindo DHCP: DHCP O DHCP é a abreviatura de Dynamic Host Configuration Protocol é um serviço utilizado para automatizar as configurações do protocolo TCP/IP nos dispositivos de rede (computadores, impressoras,

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT O que é um Sistema Operacional? Um software que abstrai as complexidades do hardware de um usuário/programador

Leia mais

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS 1 - Objetivos Existe uma grande distância entre os circuitos eletrônicos e dispositivos de hardware e os programas aplicativos em software. Os circuitos são complexos, acessados através de interfaces de

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Crie um novo disco virtual. Figura 03. Figura 04.

Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Crie um novo disco virtual. Figura 03. Figura 04. Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Figura 03. Crie um novo disco virtual. Figura 04. 2 Escolha o formato de disco padrão do Virtual Box, VDI. Figura 05. Escolha o disco rígido Dinamicamente Alocado. Figura

Leia mais

PRÁTICA DE VLAN - LINUX 1. AMBIENTE PARA REALIZAÇÃO DAS PRÁTICAS UTILIZAÇÃO DA IMAGEM NO DVD UTILIZAÇÃO DO SERVIDOR REMOTO ESPEC

PRÁTICA DE VLAN - LINUX 1. AMBIENTE PARA REALIZAÇÃO DAS PRÁTICAS UTILIZAÇÃO DA IMAGEM NO DVD UTILIZAÇÃO DO SERVIDOR REMOTO ESPEC PRÁTICA DE VLAN - LINUX Exercícios práticos sobre VLANs usando Linux. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br IMPORTANTE: Para facilitar a execução

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Conteúdo Programático! Introdução ao Active Directory (AD)! Definições! Estrutura Lógica! Estrutura Física! Instalação do Active Directory (AD)!

Leia mais

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION UNIFIED A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO UNIFIED DATA PROTECTION Incentivadas pelo crescimento

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Utilizando License Server com AnywhereUSB

Utilizando License Server com AnywhereUSB Utilizando License Server com AnywhereUSB 1 Indice Utilizando License Server com AnywhereUSB... 1 Indice... 2 Introdução... 3 Conectando AnywhereUSB... 3 Instalação dos drivers... 3 Configurando AnywhereUSB...

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA

RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN DE LIMA, TAMIRES RODRIGUES FERREIRA Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FRANCIS RODRIGUES JARDIM,MIRIAN BERGMANN

Leia mais

Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento

Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento Por que os administradores de sistema devem estar atentos ao desempenho de virtualização e armazenamento 2013, SolarWinds Worldwide, LLC. Todos os direitos reservados. É importante que os administradores

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

Gerenciamento de memória virtual no Kernel Linux conceitos básicos

Gerenciamento de memória virtual no Kernel Linux conceitos básicos Gerenciamento de memória virtual no Kernel Linux conceitos básicos João Eriberto Mota Filho Rio de Janeiro, Eriberto RJ, 03 dez. dez. 2011 2011 Sumário Modelo von Neumann Causas de esgotamento da memória

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de CPU, disco, memória. rsp série 3.0

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de CPU, disco, memória. rsp série 3.0 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de CPU, disco, memória rsp série 3.0 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins informativos

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Sistema de Monitoramento Zabbix Eduardo Jonck jonck.info@gmail.com Jeferson Catarina catarinajeferson@gmail.com Resumo: O Sistema Zabbix é um código aberto free lançado em 2001. Em 2005 foi fundada a Empresa

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Manual de referência do Device Storage Manager

Manual de referência do Device Storage Manager Manual de referência do Device Storage Manager Avisos sobre direitos autorais e marcas comerciais Copyright 2003 Hewlett-Packard Development Company, L.P. É proibida a reprodução, adaptação ou tradução

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Curso Técnico de Informática de Sistemas

Curso Técnico de Informática de Sistemas Curso Técnico de Informática de Sistemas Módulo: 772 Sistemas Operativos Formador: Henrique Fidalgo Objectivos da UFCD: Instalar e configurar sistemas operativos. Instalar e configurar utilitários sobre

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais