REDUÇÃO DE PERDAS REAIS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE ITAPIRA/SP ATRAVÉS DA PESQUISA E COMBATE DE VAZAMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDUÇÃO DE PERDAS REAIS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE ITAPIRA/SP ATRAVÉS DA PESQUISA E COMBATE DE VAZAMENTOS"

Transcrição

1 REDUÇÃO DE PERDAS REAIS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE ITAPIRA/SP ATRAVÉS DA PESQUISA E COMBATE DE VAZAMENTOS Denis Augusto Mathias (1) Engenheiro Ambiental. Pós-graduado em Infraestrutura de Saneamento Básico pela FUMEP. Engenheiro do SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira. Daniel Manzi Engenheiro Civil. Mestre em Hidráulica e Saneamento pela EESC/USP. Doutorando em Engenharia Hidráulica pela UNICAMP. Coordenador de Fiscalização da Agência Reguladora ARES-PCJ. Endereço (1) : Rua das Rosas, nº 1360 Vila Assumpção Neto Águas de Lindóia São Paulo CEP: Brasil Tel: +55 (19) RESUMO O alto índice de perdas reais de água tem sido um agravante dentro das companhias de saneamento, assim, diversas ações devem ser tomadas para se combater este problema. Um programa interno de gerenciamento e combate às perdas é essencial, dentro do qual se destaca a pesquisa de vazamento não visível e seu posterior reparo. Dentro deste contexto, o presente trabalho analisa e avalia a redução de perdas de água no município de Itapira/SP, por meio de procedimentos e operações de pesquisa e combate a vazamentos de água em redes de abastecimento público pelo SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira. Por meio de medições de vazão, para se quantificar o volume de água recuperada com o combate aos vazamentos, a pesquisa de vazamentos foi realizada dentro dos subsetores de abastecimento de água denominados Cônego Henrique M. Matos, Henriqueta Soares e Santa Terezinha, os quais são delimitados por válvulas redutoras de pressão (VRP) que possuem macromedidores de vazão, com dados armazenados em data loggers. A priorização da pesquisa foi baseada no fator de pesquisa obtido no subsetor, encontrado através da vazão mínima noturna, que indica possíveis vazamentos de água. Após a pesquisa realizada, e os devidos reparos nos vazamentos encontrados, foram adquiridos os dados dos data loggers dos respectivos subsetores. Com a comparação dos dados de vazão mínima noturna e vazão média, antes e após os trabalhos de pesquisa e combate aos vazamentos, foi possível quantificar o volume mensal de água ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1

2 recuperada (cerca de m³) e seu retorno financeiro (aproximadamente R$ ,00). Assim, o trabalho demonstrou a eficiência destes procedimentos, os quais geram um ganho ambiental e econômico às companhias de saneamento e para toda a população. Palavras-chave: Saneamento, Itapira, Perdas, Vazamentos, Vazão. INTRODUÇÃO/OBJETIVOS Atualmente, os serviços de abastecimento de água, sejam eles gerenciados por entes públicos ou privados, tem enfrentado e combatido exaustivamente a problemática denominada perdas de água. Os altos índices de perdas acabam por demonstrar uma baixa eficiência operacional das companhias que prestam os serviços de abastecimento de água, levando elas a buscar um melhor gerenciamento através de ações contínuas que sanem esta problemática. De acordo com Tardelli Filho (2006), o sucesso na melhoria e no controle das operações que garantam a diminuição dos índices de perdas de água, resultam em uma performance econômica da companhia, que levam a mesma a praticar tarifas mais baixas aos seus clientes, além de poupar investimentos imediatos de ampliação dos sistemas de abastecimento de água. As perdas de água podem ser classificadas em Perdas Reais e Perdas Aparentes, e ambas demonstram a ineficiência de um sistema de abastecimento de água. Estas perdas decorrem de diversos fatores, principalmente por meio de vazamentos (Perda Real) e de erros de medição (Perda Aparente), e acarretam inúmeras consequências negativas, tanto à companhia de saneamento como aos consumidores (TARDELLI FILHO, 2006). Do ponto de vista das perdas decorrentes de vazamentos, podemos elencar duas consequências de extrema importância ambiental e de saúde pública. Ambientalmente, as perdas aumentam a necessidade de se explorar cada vez mais os recursos naturais provenientes de corpos hídricos, para que se equilibre o volume de água no sistema, o que por fim pode ser considerado um impacto ambiental. E estas perdas advindas de vazamentos geram um risco para a saúde pública, visto que ao se realizar uma manutenção ou interrupção no sistema de abastecimento de água, a mesma pode vir a ser contaminada pela entrada de agentes nocivos dentro das tubulações. Em geral, o combate às perdas de água decorrentes de vazamentos tem sido eficaz por meio das ações de pesquisa e reparos de vazamentos, principalmente em um curto intervalo de tempo. Mesmo que estas ações sejam consideradas corretivas, se bem empregadas e rotineiras, podem levar a uma redução significativa das perdas. Além da pesquisa de vazamento, para se combater as perdas reais (físicas), ações como a setorização da rede, melhoria da qualidade de materiais e ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 2

3 mão de obra e a redução de pressão através de válvulas redutoras de pressão (VRP) são extremamente necessárias, e quando trabalhadas em conjunto levam a uma queda significativa no índice de perdas de água (AZEVEDO NETTO, 1998). Itapira, município do interior do Estado de São Paulo, com uma população de habitantes, possui seus serviços de saneamento básico (água e esgoto) mantidos e operados pelo SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira, com uma cobertura de 100% de água tratada e distribuída e 100% de esgoto coletado e tratado, na área urbana do município. As primeiras ações concretas de controle e redução de perdas de água datam de 2006, quando foi elaborado um Plano de Controle de Perdas. Deste Plano, nasceu um projeto de um sistema de redução de pressão no ano de 2007, por meio da implantação de 20 VRP s. Anteriormente, no início das ações de controle e redução de perdas, o município de Itapira possuía um índice de perdas de água na distribuição (IPD) acima dos 40%, e logo após o primeiro ano sofreu uma queda significativa neste índice (SNIS, 2014). Atualmente o IPD do município está na ordem de 36,27%. Dentro deste contexto de preocupação e empenho na redução das perdas de água, no final do ano de 2013, a autarquia deu início aos trabalhos de uma Equipe de Perdas, responsável pela execução da pesquisa de vazamentos não visíveis de água. O principal objetivo deste trabalho é analisar e avaliar a redução de perdas de água no município de Itapira/SP, através de um estudo de caso baseado na atuação do SAAE de Itapira, por meio de procedimentos e operações de pesquisa e combate a vazamentos de água em redes de abastecimento público. Através deste trabalho espera-se apreciar e demonstrar a redução do volume de água perdido com o combate dos vazamentos e também o retorno financeiro que a redução destas perdas podem gerar. METODOLOGIA O sistema de abastecimento de água do município de Itapira atualmente é dividido em sete setores: Setor Santa Bárbara, Setor Alto Vila Ilze, Setor Baixo Vila Ilze, Setor Alto Centro, Setor Baixo Centro, Setor Alto Prados e Setor Baixo Prados. Os setores de abastecimento não possuem sistemas de macromedição, o que dificulta a análise e o monitoramento dos índices de perdas de água. Assim, o índice de perdas de água no município é calculado apenas através do volume de água produzido na Estação de Tratamento de Água comparado com o volume total de água consumido no município (micromedição). Desta forma não há um controle mais detalhado das perdas de ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 3

4 água por setor, visto que não existem macromedidores nas entradas e saídas de reservatórios (os quais delimitam os setores de abastecimento). No entanto, com a implantação do sistema redutor de pressão no município, através das válvulas redutoras de pressão (VRP), foi possível a delimitação de subsetores de abastecimento de água (Figura 1). Ao todo são 19 subsetores, contando com 20 VRP s (o subsetor Cubatão-Alemanha possui duas VRP s), e cerca de 138 Km de redes de abastecimento de água setorizadas. Apenas o subsetor VRP Paoletti se encontra com sua válvula inoperante, fazendo com que seus dados não sejam inseridos neste trabalho. A seguir é apresentada uma legenda (numeração) dos subsetores, que será utilizada ao longo deste trabalho em Tabelas e para uma melhor visualização da Figura 1: 01: VRP Industrial Penha 11: VRP Brasília 02: VRP Mauro Simões 12: VRP Henriqueta Soares 03: VRP Cônego Henrique M. Matos 13: VRP Rodrigues Alves 04: VRP Heitor Soares 14: VRP Francisco de Oliveira Job 05: VRP Ari Wilson Cremasco 15: VRP São Paulo 06: VRP José Arthur M. da Silva 16: VRP Cubatão e Alemanha 07: VRP Della Rocha III 17: VRP Getúlio Vargas 08: VRP Vereador David Moro 18: VRP Santa Terezinha 09: VRP Istor Luppi 19: VRP Paoletti 10: VRP José Tonoli Figura 1 - Subsetores de abastecimento de água (áreas de VRP) ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 4

5 Diante da existência destes subsetores, e levando-se em conta que cada um deles possui uma macromedição através de medidores Woltmann e de data loggers, o presente trabalho se utilizará das informações destes subsetores para realizar a avaliação do controle e redução de perdas de água com a utilização das pesquisas de vazamentos nestas áreas. Na Figura 2 é apresentada uma planta em corte de um sistema redutor de pressão, composto por uma válvula redutora de pressão (VRP), um macromedidor à montante da válvula, e um filtro à montante deste medidor de vazão. A Figura 2 ilustra a montagem hidromecânica da VRP existente nos 19 subsetores de abastecimento de água no município de Itapira/SP. Figura 2 - Planta em corte de um sistema redutor de pressão Inicialmente foram levantados dados históricos das vazões (mínima, média e máxima) das VRP s nos subsetores, antes das pesquisas de vazamentos, para a determinação das vazões mínimas noturnas (VMN) e dos fatores de pesquisa (FP). Estes dados foram de extrema importância para se verificar a prioridade dos locais para se iniciar os trabalhos de pesquisa de vazamento. Ao final do ano de 2013, o SAAE de Itapira, visando melhorar a gestão do controle e redução de perdas de água no município, formou e deu início aos trabalhos de uma Equipe de Perdas. Esta equipe foi composta por um chefe de setor, um encanador e um mecânico, estes últimos, responsáveis pela efetiva execução da pesquisa de vazamentos de água não visíveis. Para os serviços de pesquisas de vazamentos, a Equipe de Perdas se utiliza de alguns equipamentos específicos, como a haste de escuta, haste de perfuração, geofone eletrônico ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 5

6 (marca Palmer Xmic) e data loggers de vazão e pressão (marca Compuway Maxxi Logger). Na Figura 3 são apresentados alguns dos equipamentos utilizados no SAAE de Itapira. Figura 3 - Equipamentos utilizados na pesquisa de vazamentos pelo SAAE Com os setores priorizados para a pesquisa de vazamentos, a Equipe de Perdas se desloca até a área de abrangência e inicia o processo com a haste de escuta nos cavaletes de água das residências, cujo range de frequência se situa entre 200 a Hz. Caso sejam observados sinais acústicos característicos de vazamento, a equipe utiliza posteriormente o geofone eletrônico (frequência de 30 a Hz) para localizar precisamente o vazamento, seja ele na rede ou ramal. Outro processo ocorre quando o SAAE é informado de água fraca em algum setor. Para este caso, são instalados data loggers de pressão (range de até 200 mca e exatidão de +/- 0,25%) nas residências próximas ao chamado, e verificando-se baixa pressão inicia-se a pesquisa de vazamento neste setor. Todos os vazamentos encontrados pela Equipe de Perdas são catalogados em um formulário intitulado Relatório de Pesquisa de Vazamentos, no qual são descritos o local pesquisado, data, equipamentos utilizados e os dados do vazamento encontrado (horário, tipo e posição do vazamento, tipo de pavimento, e prioridade no reparo). Através do Sistema de Atendimento ao Cidadão (versão 5.13 do software da empresa CEBI) existente no SAAE, para a abertura de ordens de serviço e demais solicitações, foi possível quantificar o número de vazamentos ocorridos no município de Itapira no primeiro semestre dos anos de 2012 a ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 6

7 Foi escolhido o período do primeiro semestre, devido à coleta dos dados utilizados para este trabalho ocorrer entre os meses de janeiro a junho de Desta forma, foram adquiridos dados anteriores nestas mesmas épocas. Os dados de vazamento no sistema são organizados por bairros, e são separados em vazamentos em calçada, cavalete e rua. Estes dados de vazamentos, obtidos por meio das ordens de serviço, servirão para uma análise da evolução da ocorrência de vazamentos. A partir dos chamados abertos para as ordens de serviço (OS) de conserto de vazamentos, as equipes de encanadores se deslocam até o local para sanar o ocorrido. Caso não exista vazamento é solicitado que seja dada baixa na OS, e caso exista, o mesmo é prontamente estancado. Quando a OS é aberta, nela consta a localização do vazamento (calçada, cavalete ou rua). Ocorre que muitas das vezes, durante a verificação in loco por meio das equipes de encanadores, a localização é diferente, sendo necessária a troca da ordem de serviço, para posterior arquivamento correto. Desta forma, a partir do conserto dos vazamentos, uma nova quantificação é verificada, sendo a mesma disposta mensalmente, por tipo de vazamento, dentro do Google Earth, no qual se identificam visualmente os vazamentos no município de uma forma simples e eficaz. Será apresentada uma síntese destes dados coletados junto ao SAAE de Itapira, agrupando os vazamentos em calçada, cavalete e rua, mensalmente durante os anos de 2012, 2013 e 2014, no primeiro semestre. Através dos dados de vazamentos ocorridos mensalmente durante o período de análise deste trabalho, e da inserção dos mesmos dentro do Google Earth, foi possível quantificar o número de vazamentos existentes dentro dos subsetores de abastecimento de água (áreas de VRP s). Como citado anteriormente, a análise do trabalho em termos de eficiência da pesquisa de vazamentos ocorrerá através destes subsetores, dado que os mesmos são dotados de medidores de vazão, e que esta medição é de extrema importância para verificar a redução do volume perdido de água e seu retorno financeiro. Foram coletados também os dados de vazão dos subsetores, anteriormente às pesquisas de vazamentos (coleta realizada em setembro de 2013), através dos data loggers existentes nas VRP s, de onde se extraiu a vazão mínima noturna, a vazão média e a vazão máxima. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 7

8 Por meio da utilização da relação entre a vazão mínima noturna e a vazão média, determinamos os fatores de pesquisa (FP), que acima de 30%, podemos ter um subsetor com vazamentos economicamente detectáveis (FAVERO; DIB, 1981). Partindo dessa premissa, foi realizada a priorização da pesquisa de vazamentos nos subsetores (quanto maior o FP, maior a prioridade). A pesquisa de vazamentos ocorreu em três subsetores de abastecimento de água (Cônego Henrique M. Matos, Henriqueta Soares e Santa Terezinha), os quais serão destacados a seguir. O primeiro, subsetor 03, com 6,23 Km de redes setorizadas, é caracterizado pela predominância de residências de classe média baixa, englobando os bairros Figueiredo, Achiles Galdi, Jardim Galego e Penha do Rio do Peixe. Na Figura 4 é destacado o subsetor 03 e o sistema redutor de pressão. Figura 4 - Subsetor 03 (VRP Cônego Henrique M. Matos) O segundo, subsetor 12, com 10,20 Km de redes setorizadas, é caracterizado pela predominância de residências de classe média e algumas empresas (comércio) de pequeno porte, englobando os bairros Parque São Lucas, Vila Esperança, Jardim Itapuã e João de Barros. Dentre os três subsetores, este é o que apresenta as redes de abastecimento mais antigas. Na Figura 5 é destacado o subsetor 12 e o sistema redutor de pressão. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 8

9 Figura 5 - Subsetor 12 (VRP Henriqueta Soares) E o terceiro, subsetor 18, com 18,60 Km de redes setorizadas, é caracterizado pela predominância de residências de classe média e algumas empresas (comércio e serviços) de pequeno e médio porte, englobando os bairros Prados, Parque Felicidade, Jardim Lindóia e Parque Fortaleza. Na Figura 6 é destacado o subsetor 18 e o sistema redutor de pressão. Figura 6 - Subsetor 18 (VRP Santa Terezinha) ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 9

10 A partir da coleta dos dados realizada, e após o efetivo início da pesquisa de vazamentos nos subsetores, e a compilação dos dados de vazamentos nos anos de 2012, 2013 e 2014 (totais ocorridos no município, e dentro das áreas de VRP s), é possível apresentar os resultados e discutir a importância dos trabalhos de pesquisa de vazamentos dentro do SAAE de Itapira e demais companhias de saneamento. RESULTADOS E DISCUSSÃO Após a execução dos trabalhos de pesquisa de vazamento no município de Itapira, através da Equipe de Perdas do SAAE, e dos devidos reparos nas redes, ramais e cavaletes que apresentaram vazamentos, foi possível apresentar os resultados obtidos. A Tabela 1 apresenta a síntese dos vazamentos totais (vazamentos em calçada, cavalete e rua) ocorridos durante o primeiro semestre dos anos de 2012 a Tabela 1 - Número de vazamentos ocorridos de janeiro a junho (2012/2013/2014) A análise desta tabela pode sugerir duas realidades distintas. A primeira sugere o aumento dos vazamentos totais, principalmente entre 2013 e 2014 (aumento de 23%), relacionado a uma má qualidade de materiais e gestão do sistema, o que estaria aumentando o número de vazamentos. E a segunda, e talvez a mais adequada ao trabalho proposto, de que através das pesquisas de vazamento não visíveis e à melhor atuação do SAAE em relação ao controle de perdas de água, foram identificados mais vazamentos, que consequentemente foram sanados e um maior volume de água deixou de ser perdido. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 10

11 Inicialmente o processo e os trabalhos de pesquisa de vazamentos pela Equipe de Perdas seriam realizados de acordo com a priorização de pesquisa em subsetores (VRP) que apresentaram os maiores fatores de pesquisa (FP), cujo ideal é estar abaixo de 30%, conforme pode ser observado na Tabela 2, através da coleta de dados anteriormente à pesquisa de vazamentos. Tabela 2 - Vazões e fator de pesquisa nos subsetores (setembro de 2013) Subsetor de VRP Fator de Prioridade Vazão Mínima Vazão Média Vazão Máxima Pesquisa Pesquisa de Noturna (m³/h) (m³/h) (m³/h) (adm.) Vazamentos 01 1,36 2,95 7,44 46% 3º 02 2,96 20,70 63,72 14% 14º 03 11,40 25,94 45,28 44% 5º 04 2,08 7,88 17,40 26% 11º 05 6,80 14,74 28,16 46% 2º 06 3,00 21,27 53,32 14% 15º 07 1,00 8,28 21,32 12% 18º 08 2,80 10,01 23,56 28% 9º 09 3,60 29,59 80,93 12% 17º 10 0,28 0,87 3,48 32% 6º 11 5,12 18,89 41,88 27% 10º 12 5,20 24,71 52,40 21% 13º 13 4,12 13,57 26,84 30% 7º 14 0,72 5,26 12,68 14% 16º 15 13,08 25,83 43,44 51% 1º 16 23,96 53,09 90,20 45% 4º 17 4,80 22,54 57,60 21% 12º 18 13,20 44,54 84,80 30% 8º No entanto, devido a diversos fatores, a pesquisa não ocorreu desta forma, sendo a mesma iniciada de forma aleatória, e sem critérios específicos, como o apresentado na metodologia deste trabalho. Mesmo assim, a pesquisa ocorreu em alguns subsetores e em demais regiões do município, trazendo alguns benefícios e resultados que serão apresentados a seguir. A pesquisa ocorreu apenas nos subsetores 03 (VRP Cônego Henrique M. Matos), 12 (VRP Henriqueta Soares) e 18 (VRP Santa Terezinha), e em mais alguns locais do município sem setorização, durante o primeiro semestre de Em números, a Equipe de Perdas, por meio da pesquisa diária de vazamentos não visíveis, foi responsável pela detecção de aproximadamente 80 vazamentos em cerca de 35 km de redes de ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 11

12 abastecimento. Muitos destes vazamentos se encontravam localizados ao longo dos ramais de ligação de água, tanto nas calçadas como nas ruas. Durante os reparos dos vazamentos encontrados pelos encanadores, o diagnóstico das causas mais prováveis, foi caracterizado pela utilização de tubulação ou conexão de má qualidade, seguido de lastro (terra e areia) inadequado pela falta de compactação e adensamento do solo, ocasionando um mau assentamento da tubulação. O tempo médio entre a localização do vazamento e seu devido reparo, foi de aproximadamente 04 (quatro) horas. Após a pesquisa realizada nos subsetores, foram coletados os dados dos data loggers, nos quais se obteve os resultados das vazões mínima noturna (VMN), média e máxima, e o consequente fator de pesquisa (Tabela 3). Tabela 3 - Vazão e FP nos subsetores após o reparo de vazamentos Subsetor de VRP Vazão Mínima Noturna (m³/h) Vazão Média (m³/h) Vazão Máxima (m³/h) Fator de Pesquisa VRP Cônego Henrique M. Matos 5,44 19,87 41,32 27% VRP Henriqueta Soares 2,80 21,56 46,40 13% VRP Santa Terezinha 2,80 36,03 79,60 8% Com estes dados percebemos que o fator de pesquisa ficou abaixo dos 30%, atendendo à recomendação de Favero e Dib (1981). Outro ponto que pode ser observado após os trabalhos de pesquisa de vazamentos, com as vazões encontradas e o número de vazamentos existentes nos subsetores, é a vazão por vazamento (Tabela 4), cuja vazão média por vazamento é de 0,209 m³/h. Tabela 4 - Valores médios de vazão de vazamentos por subsetor VMN (m³/h) Vazão Total de Vazão de Subsetor de VRP Antes da pesquisa Após a pesquisa recuperada (m³/h) vazamentos por subsetor vazamento (m³/h.vaz) VRP Cônego Henrique M. Matos 11,40 5,44 5, ,331 VRP Henriqueta Soares 5,20 2,80 2, ,071 VRP Santa Terezinha 13,20 2,80 10, ,226 ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 12

13 Por meio dos dados de vazão, antes e após a pesquisa e combate de vazamentos nas áreas dos subsetores, podemos verificar o volume de água recuperada (Tabela 5). Tabela 5 - Volume de água recuperada nos subsetores (m³/mês) Vazão Média (m³/h) Volume em 7 dias (m³) Volume Subsetor de VRP Antes da pesquisa Após a pesquisa Antes da pesquisa Após a pesquisa recuperado (m³/mês) VRP Cônego Henrique M. Matos 25,94 19, , , ,40 VRP Henriqueta Soares 24,71 21, , , ,00 VRP Santa Terezinha 44,54 36, , , ,20 Como pode ser observado, a partir da diferença das vazões médias, antes e após a pesquisa, multiplicada por 24 horas, e posteriormente multiplicada por 30 dias, chegamos a um volume de água recuperada por mês no subsetor, após a devida pesquisa e combate (reparo) dos vazamentos encontrados nesta área. Em uma análise mais global, podemos analisar que mensalmente, um volume de ,60 m³ de água deixou de ser perdido. Uma análise com a produção média de água na Estação de Tratamento de Água, que atualmente está na ordem de 300 l/s, também é possível. A vazão recuperada mensal de ,60 m³/mês equivale a uma vazão média de 4,93 l/s. Desta forma, esta vazão recuperada corresponde a 1,64% da vazão média de água produzida. Outro resultado muito importante é o cálculo do retorno financeiro que o trabalho de pesquisa de vazamentos pode alcançar através do volume de água recuperada (Tabela 6). Levando-se em conta que através da pesquisa e combate dos vazamentos dentro dos três subsetores, houve um volume total de ,60 m³ de água recuperada mensalmente, e por meio de um levantamento dentro do setor financeiro do SAAE de Itapira, que estima um custo médio de produção da água na ordem de R$ 1,92/m³ (produtos químicos, energia elétrica, pessoal, combustível, impostos, entre outros), podemos chegar a um valor de R$ ,95 economizados mensalmente (ou R$ ,40 anualmente). Ainda podemos majorar este retorno financeiro apenas com o valor dos insumos para o tratamento da água, onde seriam contemplados apenas os produtos químicos e a energia elétrica, perfazendo uma média de R$ 0,26/m³. Desta maneira o retorno financeiro seria de R$ 3.319,06 mensalmente (ou R$ ,72 anualmente). ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 13

14 Tabela 6 - Valores de retorno financeiro Subsetor de VRP Volume recuperado Retorno Financeiro (R$ 0,26/m³) Retorno Financeiro (RS 1,92/m³) (m³/mês) Mensal (R$) Anual (R$) Mensal (R$) Anual (R$) VRP Cônego Henrique M. Matos 4.370, , , , ,04 VRP Henriqueta Soares 2.268,00 589, , , ,72 VRP Santa Terezinha 6.127, , , , ,64 Total , , , , ,40 CONCLUSÃO O presente trabalho demonstra de forma satisfatória a redução de perdas reais de água através da pesquisa e combate a vazamentos não visíveis no município de Itapira, realizada por meio da Equipe de Perdas do SAAE. A eficiência da execução da pesquisa de vazamentos nos três subsetores em destaque neste trabalho resultou em uma eliminação de vazamentos não visíveis, que por consequência reduziu um volume de água perdida de cerca de m³ mensais, o que representaria um retorno financeiro de aproximadamente R$ ,00/mês (ou R$ 3.300,00 apenas com insumos de energia elétrica e produtos químicos). Este volume de água recuperada demonstra de forma clara que os procedimentos de redução e combate às perdas de água, atribuídos à pesquisa de vazamentos, são extremamente importantes e eficazes para o uso racional e adequado dos recursos hídricos, gerando um ganho ambiental e econômico para as companhias de saneamento e para toda a população. Salienta-se ainda, que para um ganho maior de redução de perdas reais de água, recomenda-se que os trabalhos de pesquisa de vazamento no município devem ocorrer constantemente, e nos demais subsetores e setores de abastecimento de água, sempre apoiados nos resultados e no tratamento dos dados do setor técnico da companhia, aliados à experiência e no dia a dia dos encanadores e demais responsáveis diretos pela pesquisa e reparo de vazamentos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AZEVEDO NETTO, J. M. Manual de Hidráulica. 8ª ed. São Paulo: Blücher, p. FAVERO, J. A.; DIB, M. E. M. Pesquisa e Controle de Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água. Revista DAE, São Paulo, ed. 126, p , ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 14

15 SNIS SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. Série Histórica. Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, Disponível em: < Acesso em: 02 out TARDELLI FILHO, J. Controle e redução de perdas. In: TSUTIYA, M. T. Abastecimento de Água. 4ª ed. São Paulo: Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, cap. 10. ASSEMAE - Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 15

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A TÍTULO: Metodologia para Detecção de Vazamentos não Aparentes utilizando Armazenadores de Ruídos de Vazamento em Setores isolados na cidade de Campinas. AUTOR: Engº Paulo Sérgio Vicinança RESPONSÁVEL PELA

Leia mais

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL.

REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. REDUÇÃO DE PERDAS REAIS NA ÁREA PILOTO DO PARQUE CONTINENTAL. TEMA DO TRABALHO: ABASTECIMENTO DE ÁGUA Nome dos Autores: Luiz Eduardo Mendes Divisão de Manutenção e Operação Cargo: Engenheiro Civil - Formação:

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE VAZAMENTOS DE ÁGUA NA REDE COLETORA DE ESGOTOS TEMA I: ÁGUA AUTORES Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Fac. Barão de Mauá. Engenheiro Civil formado pela Fac. de Engenharia

Leia mais

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS

PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS PLANO DE REDUÇÃO DE PERDAS FÍSICAS NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS TEMA I: ABASTECIMENTO DE ÁGUA AUTORES: Silvano Silvério da Costa: Ex-Diretor de Manutenção e Operação do SAAE de Guarulhos.

Leia mais

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG EFEITOS DA PESQUISA DE VAZAMENTOS NA REDUÇÃO DAS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Guilherme Resende Tavares (1) Graduado em Engenharia Ambiental pela Universidade Fumec. Antes de ingressar

Leia mais

Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas e Sistemas

Diretoria Técnica Gerência de Controle de Perdas e Sistemas Título: Gestão da Pesquisa de vazamentos não visíveis AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio Cargo Atual: Coordenador Macromedição e Pesquisas Formação: Engenharia Mecânica Área de Atuação: Controle de Perdas,

Leia mais

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água

Trabalho Definitivo. Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados. Tema: Abastecimento de Água Trabalho Definitivo Título: Indicadores de Perdas através de Sistemas Informatizados Tema: Abastecimento de Água Autores: Cristina Helena Fukuda, Emy Kikuchi, Cristiane Costrov da Silva, Ivanir Joaquim

Leia mais

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon

1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS. Eng. Gustavo Lamon 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas de Água ABES-RS Eng. Gustavo Lamon JULHO DE 2015 TÓPICOS ABORDADOS NESTA APRESENTAÇÃO PRINCIPAIS NÚMEROS NO BRASIL PITOMETRIA SETORIZAÇÃO MACROMEDIDOR

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil cristian sippel Diogo Angelo Stradioto Rio Grande Energia SA APS Engenharia de Energia

Leia mais

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS

I-028 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS I-28 CONTROLE DE PERDAS ATRAVÉS DE MACROMEDIDORES ELETROMAGNÉTICOS Kleber Castilho Polisel (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade de Taubaté 1986. Especialização em Engenharia de Saneamento Básico pela

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira (ISO 9001 Em Processo de Implantação) TERMO DE REFERÊNCIA 18/2016

Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira (ISO 9001 Em Processo de Implantação) TERMO DE REFERÊNCIA 18/2016 (ISO Em Processo de Implantação) Itapira, 18 de Abril de 2016. TERMO DE REFERÊNCIA 18/2016 1. OBJETO Instalação de moduladores eletrônicos e registradores de pressão e vazão com telemetria GPRS, para controle

Leia mais

EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO

EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO EMPREGO DA PRESSÃO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO ENQUANTO INDICADOR DA QUALIDADE DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO Daniel Manzi (1) Engenheiro Civil, Mestre em Hidráulica e Saneamento (EESC/USP), Doutorando

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE VAZÃO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE GUARULHOS Thiago Garcia da Silva Santim (1) Engenheiro Civil e Mestre em Recursos Hídricos e Tecnologias Ambientais

Leia mais

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. 05 a 07 de Dezembro de 2013 Salvador- BA REDUÇÃO DA PERDA DE ÁGUA COM O CONTROLE DE VAZÃO EM SUBSETOR DE ABASTECIMENTO DA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. Sérgio Ricardo dos Santos Silva (1) Engenheiro Civil,

Leia mais

PROJETO DE READEQUAÇÃO HIDRÁULICA BUSCANDO REGULARIDADE NAS CONDIÇÕES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

PROJETO DE READEQUAÇÃO HIDRÁULICA BUSCANDO REGULARIDADE NAS CONDIÇÕES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROJETO DE READEQUAÇÃO HIDRÁULICA BUSCANDO REGULARIDADE NAS CONDIÇÕES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA APLICAÇÃO NA REGIÃO DO BOMBEAMENTO ITAPUÍ EM BLUMENAU/SC Marcelo Torresani Pós-graduado do curso de Gestão

Leia mais

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES

I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES I-067 MINI DISTRITOS CONSUMO DE LIGAÇÕES NÃO MEDIDAS, CLANDESTINAS E COM FRAUDES Abal Simões de Magalhães (1) Engenheiro Civil pela (UFBa/BA - 1982). Superintendente da Embasa na Região Metropolitana de

Leia mais

DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. José do Carmo de Souza Júnior

DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA. José do Carmo de Souza Júnior DISTRITOS DE MEDIÇÃO E CONTROLE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE PERDAS EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA José do Carmo de Souza Júnior AUTORES José do Carmo de Souza Júnior Companhia de Saneamento Básico do

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 58, DE 10 DE JULHO DE 2014

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 58, DE 10 DE JULHO DE 2014 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 58, DE 10 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto a serem aplicados pela Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia SAAE, no Município

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº 90, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Tarifas de Água e Esgoto a serem aplicados pela Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia SAAE, no Município

Leia mais

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas Porto Alegre/RS 13 e 14 de julho de 2015 REDUÇÃO DE PERDAS SOB A PERSPECTIVA FINANCEIRA 01) Garantir

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP

IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA AUTOMÁTICO DE CONTROLE DE BOMBEAMENTO NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO SAAE DE GUARULHOS-SP Geraldo Pereira de Abreu* Técnico em Eletroeletrônica pelo Colégio Torricelli

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS Fernando Cesar Uzan Graduando em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, atualmente trabalha na Coordenadoria

Leia mais

METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA. Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho

METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA. Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho METODOLOGIA PARA ESTUDO DE PERDAS EM SETOR DE ABASTECIENTO DE ÁGUA Eng. Adalberto Cavalcanti Coelho Resumo As perdas nas empresas de abastecimento de abastecimento de água do Brasil apresentam valores

Leia mais

GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA.

GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. GERENCIADOR INTELIGENTE DE REDE DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. O e-eficiência foi desenvolvido em plataforma WEB, o que permite o acesso das pessoas autorizadas através de Desktops, Notebooks e Tablet s, propiciando

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS

AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS AUTOMAÇÃO DE UNIDADES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AVANÇO TÉCNOLÓGICO E REDUÇÃO DE GASTOS ITALIANO, W. L. Secretário Interino de Obras e Serviços Públicos, Engenheiro Civil (DeCiv UFSCar), Mestre em Arquitetura

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA

T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA T- 072 FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA FERRAMENTAS PARA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO DE CONSUMO RESIDENCIAL DE ÁGUA Tema I: Abastecimento de Água Autores: Jennifer Conceição

Leia mais

V-004 AVALIAÇÃO ESPACIAL DA CAPACIDADE DE RESERVAÇÃO TOTAL E PER CAPITA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MANAUS, NO PERÍODO DE 2000 A

V-004 AVALIAÇÃO ESPACIAL DA CAPACIDADE DE RESERVAÇÃO TOTAL E PER CAPITA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MANAUS, NO PERÍODO DE 2000 A V-004 AVALIAÇÃO ESPACIAL DA CAPACIDADE DE RESERVAÇÃO TOTAL E PER CAPITA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE MANAUS, NO PERÍODO DE 2000 A 2029 Cheila Santos de Oliveira (1) Engenheira Ambiental

Leia mais

Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética ÍNDICE Visão Geral das Perdas na SABESP Programa de Redução de Perdas de Água e Eficiência Energética Benefícios do Programa Visão Geral das

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG Newton Morais e Silva (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Computer Studies pela Essex University

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP.

METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. METODOLOGIA PARA A IMPLANTAÇÃO DE ÁREAS PILOTO DE CONTROLE E COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS-SP. Silvano Silvério da Costa * Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos SAAE Engenheiro

Leia mais

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água

Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Universidade Mackenzie Perdas em Sistemas de Abastecimento de Água Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental S. Paulo, fevereiro 2014 Conceitos Sistema

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO

INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO INFLUÊNCIA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA ÁGUA E ESGOTO Paulo Mailson Vieira da Mota Graduando em Sistemas de Informação e Técnico em Informática, Analista de TI do SAAE de Iguatu-CE. Endereço

Leia mais

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes Controle de Indicadores por Setor de Manobra Ferramenta para o Gerenciamento de Redes JOÃO RICARDO LETURIONDO PUREZA jpureza@comusa.com.br Responsável pelo setor de operação da Companhia, Eng Civil formado

Leia mais

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda

RHS CONTROLS Recursos Hídricos e Saneamento Ltda A laje sanitária do poço está em boas condições atendendo a padronização do DAEE. O funcionamento do poço P5 ocorre com timer, no período entre 5:00 e 22:00 horas. Assim, deve-se instalar um sistema de

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA AUTOR: Tatiana Rodrigues Moura. Chefe de Seção de Expediente

Leia mais

Gestão de Perdas. Glauco Montagna

Gestão de Perdas. Glauco Montagna Gestão de Perdas Glauco Montagna Agenda 1. A perda de água 2. Gestão de perda de água 3. Redes de água inteligentes 4. Caso de Sucesso Componentes (1) Componentes (2) A perda de água é a somatória de:

Leia mais

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA

I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA I-021 PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ - UFPA Evaristo C. Rezende dos Santos 2 José Almir R. Pereira 1 Lindemberg Lima Fernandes 2 Rui Guilherme

Leia mais

Medidas de Combate às Perdas de Água

Medidas de Combate às Perdas de Água Medidas de Combate às Perdas de Água 2 As perdas de água em sistemas de abastecimento podem ser classificadas em físicas e não físicas. A classificação pelo tipo de perda facilita a identificação da medida

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO

CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO CCP_INFO - SISTEMA DE CONTROLE DE PROCESSOS INFORMATIZADO Gilson Gibaile (1) Técnico Contábil, Instrutor de Informática Sérgio Antônio Pacheco Educação Física, Pós Graduação em Administração de Sistemas

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 2 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

UTILIZADORES DE REDUTORES DE VAZÃO NA REDUÇÃO DO TEMPO DE RECUPERAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO

UTILIZADORES DE REDUTORES DE VAZÃO NA REDUÇÃO DO TEMPO DE RECUPERAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO UTILIZADORES DE REDUTORES DE VAZÃO NA REDUÇÃO DO TEMPO DE RECUPERAÇÃO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO Luiz Eduardo Mendes (1) Engenheiro Civil formado pela FESP, Tecnólogo em Obras Hidráulicas pela Fatec-SP.

Leia mais

NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016

NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016 NOTA TÉCNICA CRFEF 07/2016 Programa de Controle de Perdas - Revisão Tarifária Periódica de 2016 da Companhia de Saneamento Municipal de Juiz de Fora Cesama (Versão Audiência Pública) Coordenadoria Técnica

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio

Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Detecção de vazamentos na rede urbana de água com rede de sensores sem fio Igo Romero Costa de Souza 1, Icaro Ramires Costa de Souza 1, Mailson Sousa Couto 1 1 Instituto Federal da Bahia (IFBA) - Campus

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE PERDAS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM GUARULHOS - SP Sérgio Braga* Engenheiro Civil e Sanitarista Diretor do Departamento de Obras Cícero Felipe

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES GERAIS A FEAM - Fundação Estadual do

Leia mais

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE

PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: DIAGNÓSTICO, POTENCIAL DE GANHOS COM SUA REDUÇÃO E PROPOSTAS DE MEDIDAS PARA O EFETIVO COMBATE SUMÁRIO EXECUTIVO ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO HEBER PIMENTEL GOMES EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Análise Econômica de Projetos 2ª Edição Revisada e Ampliada Editora Universitária - UFPB João Pessoa 2009 2ª Edição: 2009 Editora Universitária

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE

TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE TÍTULO: PROGRAMA DE IDENTIFICAÇÃO E ELIMINAÇÃO DE LIGAÇÕES IRREGULARES DE ESGOTO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE Tema II Esgotamento Sanitário Palavras-chaves: ligação de esgoto irregular. Autores: Heloiza Rachel

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO

TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO TÍTULO: PORQUE O ÍNDICE DE PERDAS POR LIGAÇÃO IPL NÃO É RECOMENDADO COMO INDICADOR DESEMPENHO AUTORES: Claudio Luiz Tiozzi Rubio responsável pela apresentação oral Cargo Atual: Coordenador Macromedição

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias

Metas de Infraestrutura - Contrato de Programa - Duque de Caxias PRAZO EXECUÇÃO META A SER EXECUTADA DESCRITIVO DA META FÍSICO EXECUTADO 2008 2009 2010 2011 Ampliação e complementação do sistema de produção de água tratada para as localidades de Imbariê e Taquara, na

Leia mais

vista se tratar de Concorrência Pública Internacional regida pelas 1

vista se tratar de Concorrência Pública Internacional regida pelas 1 ICB Nº 001/2014. PROCESSO Nº 005305/2014, CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS, PROJETOS E OBRAS CIVIS, VISANDO O AUMENTO DA EFICIÊNCIA OPERACIONAL NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO

Leia mais

CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2.

CON O TR T AT A O T : O C : SS 2 SS.2. : CONTRATO: CSS 2.213/03 Prestação de Serviços Técnicos Especializados de Engenharia para o desenvolvimento do Programa de Redução das Perdas Globais e Avaliação da Sua Eficiência e Viabilidade Econômica

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL CONCEITO CONCEITO Unidade do SAA constituída

Leia mais

I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA

I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA I-132 - EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA Alex Orellana (1) Engenheiro de Produção Mecânica pelo Centro Universitário Nove de Julho. Pós-graduado

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE RIO CLARO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE RIO CLARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE RIO CLARO PRESTADOR: DAAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTOS DE RIO CLARO Relatório R4 Continuação diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

LEME RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

LEME RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE LEME PRESTADOR: SAECIL SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTOS DA CIDADE DE LEME Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

(EEAT) 3.1.7. 40 4. RECOMENDAÇÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS...

(EEAT) 3.1.7. 40 4. RECOMENDAÇÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS... RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM PRESTADOR: SAAE - SERVIÇO AUTÔNOMO DE AGUA E ESGOTOS DE MOGI MIRIM Relatório R3 Continuação do diagnóstico e Não

Leia mais

Sistemas produtores capacidades

Sistemas produtores capacidades Sistemas produtores capacidades CAPACIDADES DE PRODUÇÃO ATUAIS SISTEMA INTEGRADO SISTEMA PRODUTOR Nominal Máxima (m³/s) (m³/s) Cantareira 33,0 35,0 Guarapiranga 14,0 15,0 Alto Tietê 10,0 12,0 Rio Claro

Leia mais

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO WEB VISUALIZADOR SSD SABESP - MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Nilzo Renê Fumes 1 ; Carlos Toshio Wada 2 Resumo - O desenvolvimento do visualizador do Sistema de Suporte a Decisões da Sabesp

Leia mais

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Desenvolvimento Interno de Soluções AMI/AMR Advanced Metering

Leia mais

Relatório de Descrição da Prática de Gestão

Relatório de Descrição da Prática de Gestão Relatório de Descrição da Prática de Gestão 2 0 1 3 OC Superintendência Qualidade Polo Comunicação Depto Admin. e Financ. Depto Engenharia de Operação Depto Planej. Integ. e Rel. Com. UGR A UGR B UGR C

Leia mais

PEDREIRA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do diagnóstico e Não Conformidades

PEDREIRA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PEDREIRA PRESTADOR: SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE PEDREIRA Relatório R3 Continuação do diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais

CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão CEMEO - A INOVAÇÃO NO MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E COLETA COM FOCO NA GESTÃO DA

Leia mais

Autores: Sérgio Oliveira Pinto de Assis Renavan Andrade Sobrinho Paulo Romero Guimarães Serrano de Andrade (JULHO / 2.010)

Autores: Sérgio Oliveira Pinto de Assis Renavan Andrade Sobrinho Paulo Romero Guimarães Serrano de Andrade (JULHO / 2.010) REDUÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM LINHAS TRONCO E REDES DISTRIBUIDORAS DE ÁGUA, POR MEIO DO MONITORAMENTO E REDUÇÃO DE PRESSÕES: CASOS EM SAAs DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR. Autores: Sérgio Oliveira

Leia mais

TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP

TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP Flavio Geraidine Naressi Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Leia mais

XII-015 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E SANEAMENTO AMBIENTAL A EXPERIÊNCIA DE SANTO ANDRÉ (SP) DE 1998 A 2003

XII-015 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E SANEAMENTO AMBIENTAL A EXPERIÊNCIA DE SANTO ANDRÉ (SP) DE 1998 A 2003 XII-015 ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E SANEAMENTO AMBIENTAL A EXPERIÊNCIA DE SANTO ANDRÉ (SP) DE 1998 A 2003 Marcelo Bispo (1) Projetista Industrial Pós Graduado em Gestão Ambiental pela Faculdade de Saúde

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG Aplicação de Metodologia para medição de perdas em redes de abastecimento de água

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

MANUAL HOSPITALAR DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

MANUAL HOSPITALAR DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA MANUAL HOSPITALAR DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Ernesto Fernando Ferreyra Ramírez Elizabeth Crestani Caldas Paulo Rodrigues dos Santos Júnior LondrinaPR 03/04/02 ORELHA DIANTEIRA DO LIVRO Este manual foi desenvolvido

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp

Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Workshop Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp Eric C Carozzi 29.07.2014 Visão geral das Perdas de Água na Sabesp - Balanço Hídrico Balanço

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais