Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica"

Transcrição

1 Metáfora e real no amor: os destinos do amor na clínica psicanalítica 147 Maria Angélica Augusto de Mello Pisetta Resumo Neste artigo pretendemos discutir questões cruciais da clínica psicanalítica lacaniana: as relações entre o amor romântico e a transferência e os destinos que estes experimentam no percurso de uma análise. Para tanto, discutimos as conceituações freudianas e lacanianas sobre o amor e a transferência em suas relações com o conceito de narcisismo. Nossa questão central situa-se na discussão da estrutura do amor e do reconhecimento do outro a partir da consideração de que o amor é essencialmente narcísico. Nesse sentido, para nós, o amor que a transferência veicula é o instrumento principal do narcisismo, por comportar um tamponamento da castração. A referência aos conceitos fundamentais da psicanálise nos serviram para circunscrever o lugar que o analista é chamado a ocupar na transferência e, a partir disso, que resposta pode ele oferecer. Palavras-chave: Transferência; Amor; Psicanálise. Abstract In this paper we propose a discussion about crucial questions of the lacanian psychoanalytical clinics: The relationship between the romantic love and transference and the destinies that they experience in analysis course. So we discuss the Freudian and Lacanian concepts about love and transference connected with the narcissism concept. Our central purpose can be seen in the discussion of love s structure and the other s reconnaissance but considering that love is essentially narcissic. In this meaning, for us, the love that transference propagates is the main instrument of narcissism, for having a castration s obstruction. The reference to the fundamental psychoanalysis concepts serve us for circumscribing the place that the analyst is calling to occupy in the transference and, from that, which answer he can offers. Key-words: Transference; Love; Psychoanalysis.

2 148 É o amor que nos tira o sentimento de estranheza e nos enche de familiaridade, promovendo todas as reuniões deste tipo (PLATÃO, 1972, p. 19). Trataremos da transferência como metáfora do amor, conforme indica Lacan (1992/ ), enfatizando a posição do analista, que põe à mostra, para o analisando, a sua posição no enamoramento dentro e fora da análise. Pretendemos discutir, ainda, a essência narcísica do amor, tal como Freud e Lacan acentuaram, como campo do encontro imaginário entre os sexos. Para tanto, destacaremos os seguintes pontos: A perspectiva freudiana do amor como aquilo que une e a contrapartida lacaniana do amor como narcísico, com sua vertente de agressividade; a formação do objeto a partir do narcisismo, como um prolongamento da essência narcísica no mundo e a impossibilidade de um amor autêntico e finalmente o amor romântico, como metáfora do narcisismo, como fundamento da demanda de amor na clínica. Freud destaca do amor o fator civilizador e construtor entre os homens (1980/1927). Sua visão do amor como Eros, aquele que tudo une e combate a pulsão de morte é uma das marcas de seu trabalho. Em Psicanálise silvestre (1980/1910) Freud distingue amor de enamoramento como paixão amorosa, indicando que vê o amor como sinônimo de sexualidade, ou seja, fator de união entre os seres. Em Psicologia das massas e análise do eu (1980/1921) temos sua posição definitiva em relação ao amor: Eros, como pulsão sexual inclui sobre seus domínios tanto a amizade, o amor fraternal e parental quanto a sexualidade e o amor romântico. Sua posição final é a de um amor que engloba desde a paixão amorosa até a tendência pulsional de construir, unir. É a faceta da pulsão sexual. Aqui vemos as diferenças conceituais entre Freud e Lacan. Sexualidade para Lacan é tudo o que separa, diferencia. Temos aí a premissa da inexistência da relação sexual (1985/ ), e uma disjunção muito específica entre amor e sexualidade. Já para Freud, a sexualidade pode unir, por Eros. Contudo, o narcisismo, estádio de objetalização do eu (1980/1914), para Freud, vem colocar um senão na concepção do amor como fator de união entre os homens. Se é o próprio eu o objeto por excelência do sujeito, como haveria a união entre os seres, proposta com o conceito de Eros? O avanço de Lacan (1992/ ) se introduz neste

3 149 ponto para destacar que Freud situou em primeiro lugar o amor, por mostrar que sua essência é narcísica, e que, portanto, o sujeito só reservaria para si mesmo o pretenso bem destinado aos seus iguais. Demonstrando a queda deste ideal, e acentuando a quase inexistência do outro no amor, Lacan se questiona em Mais, Ainda... (1985/ ) acerca da possibilidade de pensarmos na existência do amor, senão como uma suplência à não existência da relação sexual. Para nos fazermos claros, entendemos que por não-existência da relação sexual em suas relações com amor, Lacan aponta para a diferença absoluta que torna da ordem do impossível o encontro dos dois sexos. A inexistência de um significante que representasse a mulher, no inconsciente, faz a metáfora desta impossibilidade do encontro entre os sexos. A relação será sempre de cada um com o falo, a partir da inexistência de uma pulsão genital que unificaria as pulsões parciais e proporcionaria um pretenso encontro (MILLER, 1997). O que pretende então aquele que se dedica ao amor romântico? A questão aqui seria: Por que o sujeito sai do narcisismo, pretenso estado de complementação, para enamorar-se? AMOR ROMÂNTICO E DEMANDA Observa bem, continuou Sócrates, se em vez de uma probabilidade não é uma necessidade que seja assim, o que deseja, deseja aquilo de que é carente. Sem o que, não deseja, se não for carente. É espantoso, Agatão, como me parece ser uma necessidade, e a ti? (PLATÃO, 1972, p. 29). O problema do investimento objetal, após o conforto imaginário que o narcisismo proporciona é, para Freud, um problema da economia do desejo. Assim Freud o decifra: precisamos amar para não adoecer (1980/1914, p. 231), demonstrando que tratase de um limite econômico, de quantidade de libido nos domínios do eu. Como nos diz ele, a libido aprisionada nos limites do eu provocaria um estado mórbido evitado através do investimento objetal (1980/1917). Pressionado pela realidade, este eu teria a necessidade econômica de investir nos objetos, relançando para si apenas uma parte suportável de sua própria energia libidinal. O excesso pulsional aqui é demarcado, indicando o caráter excessivo e traumático da pulsão. Lacan encontra outro caminho para tratar desta questão. Mais pela esfera do dinâmico, afirma que o homem impregna a realidade

4 150 com sua própria face, através do estádio do espelho. Por este ele constitui seus objetos, num prolongamento do narcisismo. Não se trata apenas, como poderíamos pensar com a noção econômica de Freud, de uma retirada estratégica por excesso de libido, mas da própria constituição dos objetos regulada pelo narcisismo. Deste modo, o objeto do desejo, libidinal, seria construído a partir da prótese do narcisismo, no espelhamento. Contudo, a necessidade de retirar-se do estado de enamoramento por si, narcísico, em direção aos objetos é um enigma lacaniano, destacado pelo autor: Se no nível libidinal, o sujeito é realmente constituído de uma maneira tal que seu fim e sua visada sejam satisfazer-se com uma posição inteiramente narcísica - pois bem, como é que ele não consegue, de um modo geral, permanecer ali? (LACAN, 1992/ , p. 328) A projeção de caracteres do sujeito no objeto permite seu reconhecimento e se dá graças à impossibilidade real de permanecer apenas no imaginário especular. Como nos diz Lacan, em outro seminário, assim, o sujeito pode amar-se através do outro (1988/ , p. 368). Alteridade não reconhecida, o objeto se presta a um prolongamento dinâmico do eu, já marcado pela castração. No texto O estádio do espelho como formador da função do eu (1988A), e ainda em A agressividade na Psicanálise (1988B), Lacan indica que o homem, para além do animal, deixa-se capturar pela miragem de sua imagem. É ali que se reconhece, ainda que em parte. Por esta fenda na constituição de seu eu, o outro se aloja, neste que mira o próprio eu, outro de si, rival: essa furiosa paixão, que especifica o homem por imprimir na realidade a sua imagem, é o fundamento obscuro das mediações da vontade (1988B, p. 119). A agressividade é constitutiva desta primeira aproximação e captura do sujeito pelo seu eu. Já que o outro que completa é também aquele que aliena, este outro alienante será sempre euoutro, procurado como o complemento. No mesmo movimento em que complementa, destrói, por encerrar em si toda a verdade especular do sujeito. O eu é o outro do sujeito no que se refere ao imaginário, enquanto que o inconsciente é o Outro do sujeito, no registro do simbólico: Ele (o eu) é o caramujo que encerra no âmago de sua carapaça imaginária o objeto que causa tanto meu ódio quanto meu maravilhamento (QUINET, A. 1997). Em virtude disso, os momentos de identificação e negação do eu se confundem

5 151 com a acusação da usurpação do outro sobre si (LACAN, 1988B, p. 117). A essência imaginária do eu, destacada por Lacan do texto freudiano, não prescinde do reconhecimento simbólico ofertado pelo olhar da mãe. Porém é decisiva para entendermos a dinâmica do enamoramento. A mediação da captura imaginária, deste modo, encontra-se no olhar da mãe, que projeta de seu inconsciente uma imagem modeladora, possibilidade do primeiro reconhecimento possível. Um eu pretensamente uno se projeta no espelho, ordenando, nesta miragem, um corpo espedaçado. Ao lançar seu olhar, indicando seu desejo, a mãe não apenas introduz alguma ordem no caos autoerótico como indica a pretensa identidade do eu. A dinâmica do eixo imaginário, da visão que o bebê tem de si mesmo, só é significada a partir do reconhecimento da mãe. Sendo visto, quando se vê, o bebê deixa de ser, para si mesmo, um total desconhecido, formando o ideal do eu. Des-conhecido de si mesmo, rival, mas em parte conhecido. Podemos ver aqui uma das fontes de todos os problemas do amor. A faceta do ódio no amor, de rivalidade, é bem demonstrada, especialmente no amor-paixão. Seria essa vertente contingência de uma relação ou condição da existência do investimento amoroso? Como nos indica Viltard: Que significa então, na fortuna de um bom encontro, a resposta do amor se, por querer a felicidade do parceiro, é preciso enfrentar um gozo nocivo, maligno, do próximo, que se apresenta como o verdadeiro problema desse amor? (IN KAUFMANN, 1996, p. 35). A vertente de agressividade se encontra fundamentada na formação do eu enquanto alienado no outro, que só a partir da identificação, para além do imaginário primordial, pode ser mediada (e não superada) na identificação ao Pai (simbólico). A identificação ao pai já se encontra, como dissemos, no olhar da mãe, que fitando a criança no espelho deixa entrever seu desejo, fruto de sua falta inscrita no simbólico. É seu olhar que vem perturbar a absorção especular imaginária entre eu e outro. Lacan estrutura conceitualmente o olhar como objeto não-especularizável, que impõe uma saída à sideração especular proporcionada pelo imaginário (2005/ , p. 252). Sua inscrição na fantasia, destacando uma posição de gozo do sujeito, virá cristalizar-se no complexo de Édipo, tal como Freud destacou. A partir dele, se inicia a mediação da metáfora paterna numa relação mínima entre um sexo e outro, num

6 152 encontro possível na fantasia (LACAN, 2005/ , p. 260). Se, como Lacan sublinha, por intermédio do espelho, nos vemos a nós mesmos nos objetos, coloca-se em xeque o próprio conceito de amor, já que não se sai dos limites dinâmicos do eu no investimento objetal (LACAN, 1985/ , p. 12). Seria o amor apenas uma miragem ideal, onde eu ideal e ideal do eu se fundem? Ou há, no reconhecimento do outro em sua mínima alteridade, superação em alguma medida do narcisismo, sem tamponamento da falta? AMOR E CLÍNICA PSICANALÍTICA A transferência é menos um amor verdadeiro que a verdade do amor (PORGE, IN KAUFMANN, 1996 p. 552). Vemos que na clínica é do ideal do amor romântico que se queixam os neuróticos, e é do mesmo material imaginário que se trata no amor romântico e na transferência amorosa analítica. Freud já havia destacado o caráter de falsa ligação da transferência nos Estudos sobre a histeria. Entendemos aqui que o falso implicado nesta afirmação não se refere à transferência, mas ao amor, na sua constituição. Na clínica vemos amor interrompido, amor não satisfeito, ilusões amorosas, desencontros... O que promete uma psicanálise? Se não podemos prometer a felicidade, algo do possível se insinua no terreno do amor, desde que o sujeito caia na real da impossibilidade do encontro sexual, pela queda dos ideais e do atravessamento da fantasia, proporcionado no percurso de análise. Nesse sentido, nos perguntamos: só há amor possível, para além da face narcísica do amor, a partir de uma mudança de posição do sujeito em direção ao seu investimento amoroso, fruto de uma análise? Seja como for, esta mudança de posição passa pela metáfora do amor na clínica, atualizado na transferência ao analista. No amor romântico, tal como Freud (1980/1914) demonstrou, trata-se de uma troca, onde o sujeito ama para ser amado, atraindo para si o desejo do Outro. Podemos supor a metáfora - termo lacaniano utilizado pelo autor no seminário sobre a transferência - não apenas na cena analítica, mas na própria constituição do amor. Assim, o amor romântico, para nós, é metáfora do narcisismo. Já na clínica, por se tratar do mesmo material imaginário, temos na transferência, uma metáfora do amor romântico. Essa metáfora clínica se dá pela

7 153 tentativa de repetição da posição do sujeito em relação ao Outro, representado pelo analista, colocando em cena as peculiaridades destas relações. Contudo, o analista, amante avisado da inexistência da relação sexual e de sua posição frente ao desejo do analisante, não se oferece como amante, fazendo valer sua posição de objeto a 1. Ali onde o sujeito deseja seu amor, o analista responde com sua presença de analista, ausentando-se como sujeito. No que o analista se presta ao apagamento de si, faz surgir a relação existente entre o sujeito e o Outro que o constituiu. Há coincidência do material imaginário na análise e no amor romântico, na própria repetição que faz, do analista, sujeito suposto saber. Assim, na análise, podemos ver a diferença na função do amor. Em ambas as escolhas objetais (analista e parceiro amoroso), repete-se a história erótica do sujeito. Contudo, algo de novo se passa na transferência, indicando o surgimento do desejo, para além do lugar congelado do sujeito em relação ao Outro. Esse congelamento tem a faceta do desconhecimento. Nas palavras de Lacan (1985/ , p. 13): O amor, aí está uma paixão que pode ser ignorância do desejo. É interessante a relação explicita aqui entre o amor e o não saber sobre seu próprio desejo. Por isso vemos que na metáfora do amor que se repete na transferência, há que obter-se uma torção na posição em que o sujeito se situa, de amar o suposto saber, para que o próprio sujeito possa saber sobre seu desejo. A transferência está, deste modo, a meio passo entre o amor e o desejo. Para ser amado, o sujeito demandava ao analista seu reconhecimento, seu desejo, sua presença. Como nos indica Lacan (1992/ ), a partir da abstinência do analista, pela substituição do lugar que antes ocupava (amado do Outro), o sujeito passa a ser o amante do analista, situado no lugar do Outro, tendo como condutor seu próprio desejo. É o que ele denomina metáfora do amor. Cabe esclarecer que o conceito Outro é fundamental na obra de Lacan. Indica o lugar da palavra, dos significantes, que primordialmente é encarnado pela mãe ou por quem se encarrega dos cuidados dispensados ao infante. A metáfora do amor (amante, desejante/amado, desejado) a que se refere Lacan neste seminário se dá porque o sujeito, a partir de uma (nova) posição de desejante, passa a perceber que o Outro também desejava, deixando entrever sua falta. É aí que vemos a significação do amor (PORGE, Op. Cit.). Pode-se dizer que o sujeito se des-cobre, na transferência, como desejante. Essa descoberta é a significação do amor. Opera-se a

8 154 metáfora do amor, tal como depurou Lacan do discurso de Sócrates em O banquete (1992/ ). De amante do analista, o paciente passa a amante dos objetos de seu desejo, desde que descobre que é seu próprio desejo que está em cena em sua relação com o Outro, e não do desejo do Outro. Notamos aqui uma travessia do amor ao desejo, tendo como propiciador o estabelecimento de uma transferência. Lacan (1992/ ) demonstrou neste mesmo seminário que Sócrates, ao questionar Agatão sobre seu discurso, faz aparecer o desejo, onde só havia o amor. É da verdade de Alcibiades que se trata na questão do amor, pela qual entrevemos que a visada do enamoramento, por trás do disfarce da paixão amorosa, é a queda do Outro, A, em outro, a (LACAN, idem, p.178). Em última instância o objetivo da analise seria barrar o grande Outro, e submetê-lo a desejado, outro. Do lado do analista teríamos então o amante, inicialmente, que pela aceitação da demanda de amor do paciente se converte, em sua fantasia, em seu parceiro. Neste inicio, o paciente se colocaria no lugar do amado. Na recusa da demanda de amor o analista oferece o vazio de sua posição, favorecendo a reviravolta dialética de que fala Lacan em Intervenções sobre a transferência (1998C), donde as posições do analisante se invertem, ocupando ele, então, o lugar de amante. O analista cede ainda mais seu lugar à falta na dissolução da transferência. O analisante perceberia, então, que é sua falta que o faz desejar, e não o desejo do Outro. Vemos assim que a verdade do amor se refere na análise a um engano primordial. Encruzilhada que prevê obturação da falta, pela aceitação da demanda de amor do analisante, ao mesmo tempo, sustentação do desejo que está encoberto pela demanda de amor. Na metáfora do amor desvela-se para o sujeito a verdade de sua própria condição. Como Freud (1980/1914) nos diz, o sujeito ama como artimanha para se sentir amado, numa busca de recuperação narcísica. Podemos ver aí que não é o Outro que ele deseja nessa demanda, mas o desejo do Outro, que, recaindo sobre si, lhe dê noticia de seu eu ideal. É, desta forma, a verdade do amor que está em causa numa psicanálise. Este amor revela sua verdade de embuste e se volta para o sujeito suposto saber (LACAN, IN KAUFMANN, 1996, p. 556). Vemos que a identificação ao pai - como a primeira marca do sujeito que relativiza a prevalência do narcisismo e introduz um elo primitivo com o Outro simbólico - condiciona os investimentos e define toda relação com o objeto, a partir da falta que é buscada no outro. A máxima lacaniana amar é dar o que não se tem

9 155 (1992/ , p. 169) indica este atrelamento do desejo à falta e relativiza a importância dada ao amor por Freud, como fator civilizador. Assim, desdobramos nossa questão inicial. Haverá amor para além da lei do simbólico, sustentada pela fantasia? Na clínica a resposta se dará pela dissolução da transferência, onde o amor de transferência, em sua dialetização, mostrará ao sujeito o engodo de sua fantasia de amor. É o que Lacan nos aponta, quando postula que na transferência o desejo do analista tende para o avesso da identificação, num atravessamento desta, nos mostrando que, ao fim de uma análise, no mínimo, restaria uma posição diante do amor que seria para além da identificação ao Pai (LACAN, 1985/ , p. 259). Teoricamente vemos que isso abre uma fenda no conceito de amor, pois algo do encontro amoroso resta ao fim de uma análise. Nossa questão primordial não se volta para o fim da análise, mas para a conceituação necessária aos destinos do amor na posição que o sujeito passa a ocupar em relação ao seu inconsciente. Se há um amor para além da identificação, da fantasia fundamental que ordena a pulsão, o caminho de pesquisa nos levará invariavelmente para a reviravolta amorosa que a análise proporciona. Nota 1.O conceito de objeto a é central na obra de Lacan. A partir do seminário X (2005/ ), ele traça primeiras marcações deste conceito modificando-as no desdobramento de seu ensino. Para o entendimento das proposições deste artigo, podemos acompanhar o autor, a partir da perspectiva de que tal objeto se constitui em torno da perda radical do objeto de satisfação, na constituição do sujeito. É a partir desse ponto de opacidade e falta de objeto que o desejo gira, estabelecendo, nesse contorno, os objetos do desejo. Referências Bibliográficas FREUD, Sigmund. Fragmento da análise de um caso de histeria. In Edição Standand Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. VII. Rio de Janeiro: Imago, 1980 (1905).. Psicanálise silvestre. In Edição Standand Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. VII. Rio de Janeiro: Imago, 1980 (1910).

10 156. A dinâmica da transferência. In Edição Standand Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. XII. Rio de Janeiro: Imago, (1912).. Sobre o narcisismo: uma introdução. In Edição Standand Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1980 (1914).. Conferências introdutórias sobre psicanálise. In Edição Standand Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. XV e XVI. Rio de Janeiro: Imago, 1980 (1917).. Além do princípio do prazer. In Edição Standand Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago, 1980 (1920).. Psicanálise das massas e análise do eu. In Edição Standand Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago, 1980 (1921).. Mal estar na civilização. In Edição Standand Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1980 (1927). LACAN, Jacques. O seminário, livro 20 Mais, ainda.... Rio de Janeiro, Jorge Zahar editora, O seminário, livro 11 Os quatro conceitos da psicanálise. Rio de Janeiro, Jorge Zahar editora, O seminário, livro 7 A ética da psicanálise. Rio de Janeiro, Jorge Zahar editora, Rio de Janeiro, O seminário, livro 8 A transferência. Rio de Janeiro, Jorge Zahar editora, O seminário, livro 10 A angústia. Rio de Janeiro, Jorge Zahar editora, O estádio do espelho como formador da função do eu. In Escritos. Campo Freudiano no Brasil. Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, 1998A.. A agressividade em Psicanálise. In Escritos. Campo Freudiano

11 157 no Brasil. Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, 1998B.. Intervenção sobre a transferência. In Escritos. Campo Freudiano no Brasil. Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, 1998C. MILLER, J. Lacan elucidado. Palestras no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, PISETTA, Maria Angélica M. Transferência e repetição: os limites do simbólico na clínica psicanalítica. (2003) 219 f. Tese (doutorado). Tese defendida no Programa de Pós-Graduação em Psicologia no Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. PORGE, E. Transferência. In Dicionário enciclopédico de psicanálise. Kaufmann (Org.) Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, PLATÃO. O banquete. Os Pensadores. Rio de Janeiro, Abril Cultural, QUINET, Antonio. A heteridade de Lacan. Rio de Janeiro, Disponível em: Acesso em 29/fev./2009. VILTARD, M. Amor. In Dicionário enciclopédico de psicanálise. Kaufmann (Org.) Rio de Janeiro, Jorge Zahar editor, Recebido em: 20/10/2008 Aceito em: 26/02/2009 Sobre a autora Maria Angélica Augusto de Mello Pisetta Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Professora da Faculdade de Psicologia da Universidade Católica de Petrópolis; Membro correspondente da Escola Brasileira de Psicanálise Seção Rio

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

O SUJEITO SUPOSTO SABER E TRANSFERÊNCIA (The Subject Supposed to Know and Transference)

O SUJEITO SUPOSTO SABER E TRANSFERÊNCIA (The Subject Supposed to Know and Transference) O SUJEITO SUPOSTO SABER E TRANSFERÊNCIA (The Subject Supposed to Know and Transference) Maria Angélica Augusto de Mello Pisetta 1 Resumo: Palavras-chave: Abstract: Keywords: Neste artigo discutimos o conceito

Leia mais

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael

INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael 1 INIBIÇÃO, SINTOMA E FPS Cristiane Elael Sabemos que, antes dos 6 meses, o bebê ainda tem de seu corpo a idéia de uma imagem despedaçada. Suas relações com um outro diferenciado dela mesma, ou seja, suas

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008

PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008 1 PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008 A Clínica do Amor Jorge Sesarino 1... um egoísmo forte constitui uma proteção contra o adoecer, mas num último recurso devemos começar a amar afim de não adoecermos, e estamos

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros

Os nós e o amor. Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Os nós e o amor Silvia Emilia Espósito* Palavras - chave: nós, real, amor, três registros Aprendemos com Freud que o amor é sempre narcísico, ou seja, não importa de que escolha de objeto se trate, ele

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 Chistophé Honoré, diretor do filme A bela Junie, inspira-se no romance A Princesa de Clèves, publicado anonimamente por Madame de Lafayette,

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Biblioteca Freudiana de Curitiba Centro de Trabalho em Psicanálise

Biblioteca Freudiana de Curitiba Centro de Trabalho em Psicanálise O psicanalista só se autoriza de si mesmo Inicio com três citações de Lacan: Angela Dal' Vesco Nery O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...)Aquilo que ele tem de cuidar é que, a autorizar-se

Leia mais

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br.

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. Título: A incidência do narcisismo na esquizofrenia e na histeria Autora: Graciela Bessa Psicanalista, Doutora em Teoria Psicanalítica (UFRJ). E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. RESUMO: No texto Sobre

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund

A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE. Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund A CRIANÇA, O ADULTO E O INFANTIL NA PSICANÁLISE Germano Quintanilha Costa Desde a inauguração da psicanálise, através dos estudos de seu criador Sigmund Freud, a infância se difundiu e se impôs à cultura

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Miller, J. A Un répartiroire sexuel, in: La Cause Freudienne, numero 34, Paris Navarin, 1998, pags 7-28 2

Miller, J. A Un répartiroire sexuel, in: La Cause Freudienne, numero 34, Paris Navarin, 1998, pags 7-28 2 O ANALISTA-PARCEIRO-SINTHOMA DA HISTÉRICA Tania Coelho dos Santos - Membro da EBP/Rio e da AMP Eu defendo que a clínica psicanalítica hoje precisa orientar-se pelo parceiro-sinthoma. 1 Isso signfica que

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan

Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan Maria Aparecida de Andrade Novaes Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan O objetivo deste artigo é abordar a constituição do eu como unidade e sua relação com a constituição da

Leia mais

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Cristina Marcos No filme Sonata de Outono, Bergman nos dá a ver a conturbada relação entre mãe e filha, marcada pela impossibilidade do amor.

Leia mais

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Palavras-chave: Transferência; Neurose de Transferência; Tratamento da Psicose; Psicanálise com crianças.

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito,

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito, 1 TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE Marisa De Costa Martinez i Tiago Ravanello ii Nem só a Arte e a Ciência servem; No trabalho há que mostrar paciência 1 São a fome e o amor

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA

ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA ESPECULARIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO EU E NA RELAÇÃO ANALÍTICA aproximar, ao que se segue a descoberta de que o outro no espelho não é real mais uma imagem e 1 Luciane Batista Após uma primeira leitura do

Leia mais

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915)

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Flávia Lana Garcia de Oliveira (Doutoranda em Teoria Psicanalítica pela UFRJ Bolsa CAPES no Brasil e Bolsa doutorado sanduíche FAPERJ Université Paris-Diderot

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

Narcisismo e cultura contemporânea

Narcisismo e cultura contemporânea Narcisismo e cultura contemporânea Flávia Ferro Costa Veppo José Juliano Cedaro A cultura hedonista, marcada pela ilusão na satisfação rápida e sempre possível, evidencia a ausência do elemento de barramento

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário

Leia mais

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos,

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1 Alejandro Luis Viviani A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, supondo veladamente uma resposta sobre a origem da sexualidade. Jogo em espelho onde,

Leia mais

Revisão de literatura

Revisão de literatura Novas formas do sintoma... E o corpo continua a sofrer Laura Monteiro Junqueira Revisão de literatura A Psicossomática é um termo alheio à Psicanálise e Freud (1923), fala uma vez à respeito da mesma,

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005

Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Latusa digital ano 2 N 14 maio de 2005 Dos novos sintomas ao sintoma analítico Elizabeth Karam Magalhães Na contemporaneidade, a prática clínica confronta o analista com novas formas do sintoma, que têm

Leia mais

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Doutora em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 1 A psicanálise e a discussão sobre o normal e o patológico Rosane Zétola Lustoza Endereço: Rua Goiás, 1777 apt. 307 Centro Londrina PR CEP: 86020-410 e-mail: rosanelustoza@yahoo.com.br Professora Adjunta

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida

Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida Título: A imagem e o imaginário: quando o sujeito é excluído do imaginário materno e permanece sem a ajuda de nenhuma imagem estabelecida Autor: Suzana Faleiro Barroso Psicóloga, psicanalista praticante

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da

das duas estruturas mencionadas verdadeiras irmãs de sangue. Quando Freud (1905/1970) introduz o aforismo que a neurose é o negativo da O GOZO E SEUS DESDOBRAMENTOS NA CLÍNICA DA HISTERIA E DA PERVERSÃO Marco Aurélio de Carvalho Silva Vivian Ligeiro Partindo da relação de parentesco entre a histeria e a perversão, resolvemos abordar a

Leia mais

Narcisismo, trabalho e sociedade contemporânea

Narcisismo, trabalho e sociedade contemporânea Narcisismo, trabalho e sociedade contemporânea Marco Antônio Rotta Teixeira Atualmente, já é fato amplamente reconhecido o quanto toda a organização do trabalho do paradigma da administração taylorista

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor

Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor 581 Resenhas de filmes Piaf: um Hino ao Amor Título Original: La Môme Gênero: Drama Tempo de Duração: 140 minutos Ano de Lançamento (França/República Tcheca/Inglaterra): 2007 Autor da resenha Henrique

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público

Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Reflexões sobre Impasses e Possibilidades da Psicanálise no Hospital Público Ludmila Stalleikem Sebba 1 e Ademir Pacelli Ferreira 2 Resumo A partir do referencial da psicanálise procura-se apontar elementos

Leia mais