Apresentar um resumo e as principais ideias e propostas apresentadas em cada um dos painéis de discussão realizados.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentar um resumo e as principais ideias e propostas apresentadas em cada um dos painéis de discussão realizados."

Transcrição

1 Introdução Objetivos Principais assuntos abordados no evento Síntese dos painéis Ideias força Encerramento Introdução Este documento consiste em uma síntese das apresentações e discussões do Painel 2014 Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística, realizado na Sede da ANTT, em Brasília, DF, nos dias 02 e 03 de setembro de 2013, conduzido pelo Instituto Besc de Humanidades e Economia. O objetivo do Painel 2014 é propor uma discussão a fim de proporcionar a formação de uma visão realista e estratégica sobre o tema, por meio da contribuição do poder público, segmentos produtivos privados, especialistas e estudiosos do assunto. O cenário que temos favorece o debate em torno de muitos assuntos relacionados à infraestrutura e logística. Um debate que conta com a participação de especialistas, dirigentes do setor privado, de órgãos reguladores e gestores do transporte no país, com o objetivo de propor e assegurar intervenções para a melhoria da integração regional do Brasil, reduzindo as desigualdades internas e contribuindo para fortalecer a inserção do país no cenário econômico internacional. Objetivos Este documento tem os seguintes objetivos: Apresentar uma síntese geral das principais discussões do Painel Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística, identificando as oportunidades e ameaças para o setor logístico, de infraestrutura e transporte no Brasil; Apresentar um resumo e as principais ideias e propostas apresentadas em cada um dos painéis de discussão realizados. Principais assuntos abordados no evento A contribuição do TCU para a melhoria da governança, do desenvolvimento e da competitividade; Conflitos dos processos de gestão da logística do país; Sobreposição de funções institucionais; Racionalização dos papéis institucionais dos órgãos executores e dos órgãos de controle; Aspectos culturais no modelo de gestão brasileiro; Melhoria da gestão portuária; Porque o Porto Sem Papel não acontece?

2 Operação 24h com órgãos de controle (SRF, PF, Ministério da Agricultura, ANVISA etc); Atuação da CONAPORTOS; Novo Marco Regulatório Portuário; Desenvolvimento de um marco legal que defina como devem ser realizadas as intervenções no meio ambiente; Importante definir o que é necessário conter nos planos para que sejam aprovados; Diminuir a arbitrariedade na análise dos projetos e unificação dos critérios de aprovação; Eliminar a necessidade de aprovações múltiplas; Elaboração de legislação positiva; A questão indígena no licenciamento ambiental de rodovias; Acessibilidade a portos e aeroportos; Planejamento urbano; Descentralização de terminais em centros urbanos; Obstáculos à operação multimodal no país; CLIAS, terminais alfandegários no interior; Como interconectar os diferentes modais nas grandes cidades do mundo; Racionalização da tributação sobre todos os modais de transporte; Desoneração do transporte como forma de melhorar a competitividade do país; Isenção de ICMS sobre o frete nas exportações (liminares); Isonomia tributária no transporte; Afetação do transporte de cabotagem e o transporte aéreo; Aspectos de competitividade da produção industrial brasileira devido à oneração do transporte; O formato nos novos projetos ferroviários; Novos projetos já preveem espaço para a instalação de outras infraestruturas; Interferência urbana na operação do transporte (portos, aeroportos e ferrovias); Hidrovias e eclusas como compensação ambiental modelo Holanda ou Bélgica; Uso múltiplo das águas; Participação do investimento estrangeiro;

3 Participação do mercado de capitais; Participação do Private Equity. Ideias força Estamos vivendo uma desindustrialização absurda, nos últimos 25 anos a participação da indústria de transformação no PIB caiu de 25% para 12,5%. Nós temos dinheiro; a questão é gastar bem esse dinheiro, é investir bem. A máquina pública não precisa crescer. Ela deve sim diminuir. Quanto menor for, melhor será. Uma análise da visão integrada de planejamento: o pleonasmo vicioso da logística integrada. Não se faz logística desintegrada. Nenhum de nós é contratado para fazer uma consultoria de logística desintegrada. É a mesma coisa: não se faz planejamento desintegrado. O capital vai para onde há segurança. Se ele não tem segurança, ele não vai a busca de simpatia. Ele vai pra onde encontra regra clara. Se a regra está clara, a coisa vai. Será que os três diretores das agências reguladoras almoçam juntos? Têm reuniões de trabalho juntos? Os três ministros se reúnem, discutem suas áreas e suas relações de trabalho? Se o CONIT não se reúne, imagina as outras esferas... Possibilitar que o Brasil realize seu potencial de crescimento econômico e desenvolvimento social por meio do aperfeiçoamento da eficiência nas cadeias de suprimentos, ampliação da capacidade portuária e promoção da sustentabilidade ambiental, para que o país ocupe uma posição internacional competitiva. Como resultados práticos do Novo Marco Regulatório estão: os objetivos pretendidos em atrair investimentos privados, como reaparelhar os portos e terminais existentes, promover novos arrendamentos, reduzir a burocracia e consequentemente os custos portuários e ainda incentivar e aumentar a competitividade do comércio exterior brasileiro, até o momento não vem ocorrendo na velocidade pretendida e necessária. Falta uma Política de Preços para o Combustível Marítimo, pois o preço do combustível marítimo está atrelado ao mercado internacional, acompanhando as flutuações da demanda dos derivados de petróleo e as variações cambiais no País. O cidadão comum não tem ideia do que é o porto. Infelizmente ainda é visto como local de contrabando, prostituição e tráfego de drogas. Não é visto como um local de desenvolvimento e geração de renda, riqueza e que 95% do comércio exterior brasileiro passa pelos nossos portos. O porto não é o porto simplesmente. O porto é a sobrevivência da economia. É por onde movimenta 86% do volume de comércio exterior brasileiro. Tratar bem o porto é garantir o futuro do Brasil. Às vezes, o licenciamento ambiental se torna o palco de outras manifestações que, a despeito de serem legítimas, deviam encontrar outros canais para dar à sociedade o diálogo que ela precisa ter com o poder público. Órgãos ambientais bem aparelhados e independentes, que tenham capacidade de fiscalização, de atuação, salvos da pressão política interna para a realização de grandes obras, para dar conta de cronogramas políticos-eleitorais, são necessários para que tenhamos um esvaziamento da tensão que existe no licenciamento ambiental.

4 A multimodalidade é uma visão integrada dos vários modais de transporte existentes, por isso é preciso desenvolver marcos regulatórios factíveis e exequíveis, pois o setor privado não quer facilitações, quer garantia de sustentabilidade e desenvolvimento. A logística é fator crítico de sucesso. É a palavra da moda, mas as pessoas podem não estar falando da mesma coisa quando abordam o tema, pois estão usando de reducionismo. Logística é muito mais abrangente! Para que a logística no Brasil deixe de ser gargalo e passe a ser alavanca competitiva é necessário: mudança Cultural, reconhecer a importância do valor e do tempo, ter um ambiente regulatório adequado e que resolva os problemas de alfandega, câmbio e impostos internos, integração operacional entre os agentes públicos, capacitação de gestão, investimentos, infraestrutura nos modos de transportes e integração modal. Valor do Pedágio definido como parâmetro nacional de política econômica (em R$ por 100 km).

5 Conferência de abertura do seminário Tema Abertura Data 02/09/2014 Horário 9h Palestrantes Aurélio Murta coordenador temático do Painel 2014 Jussara Ribeiro diretora do Instituto Besc e Presidente do Painel 2014 Síntese do painel Discutir as melhores práticas e técnicas para que o Brasil discuta o sistema logístico, de transporte e de infraestrutura. Principais ideias e propostas apresentadas Pacto pela melhoria do transporte e logística é um assunto que vemos na universidade, principalmente eu, que sou professor do tema. Precisamos dar uma reviravolta em tudo que estamos vendo na deficiência em estrutura logística. Não podemos ter problemas num país tão grande e rico. Tema tão importante e tão urgente de discutir. Fala-se muito e faz-se pouco. É um privilégio reunir os senhores para discutir este tema tão importante no país. O Brasil carece de muitas coisas, mas no quesito infraestrutura é gritante. É uma esquizofrenia o que enfrentamos aqui. Empresário no Brasil é herói e não é respeitado pelos governantes. Trazêlos aqui é uma dádiva de Deus! Os políticos não respeitam os nossos votos. Tem gente aqui de todas as partes do país e de todos os segmentos e modais de transporte. Respeito a todos por mobilizá-los e a todos por reuni-los aqui e podermos discutir este tema tão atual e urgente. Esse esforço de reunir as mais altas personalidades do segmento é um esforço hercúleo. Foi uma demanda da EPL (Jarbas/Bernardo), reunimos um conselho do mais alto gabarito e sou muito agradecida a todos que nos ajudaram a organizar e promover este evento. São todos muito bem-vindos e tem minha eterna gratidão! Espero que possamos manter o grupo unido e que o conselho seja permanente para nos reunirmos anual ou bienalmente para discutir o tema. Que Deus nos abençoe para uma discussão promissora e que possamos contribuir para o crescimento do nosso país!

6 PAINEL 1 Tema Governança pública e formulação de políticas de investimentos Data 02/09/2014 Horário Palestrantes 10h Moderador: Paulo Guedes presidente da Veloce Palestrantes Carlos César Meireles Vieira Filho diretor executivo da ABOL Rodrigo Otaviano Vilaça presidente da seção ferroviária da CNT Jean Paulo Castro e Silva diretor do Departamento de gestão e logística portuária da Secretaria dos Portos (SP) Síntese do painel As discussões envolveram questões como conflitos dos processos de gestão da logística do país; sobreposição de funções institucionais; racionalização dos papéis institucionais dos órgãos executores e dos órgãos de controle; aspectos culturais no modelo de gestão brasileiro e melhoria da gestão portuária. Principais ideias e propostas apresentadas Esta é uma frase que permeou a última semana, do Benjamin Steinbruch, presidente da FIESP, e ele mesmo diz: O louco sou eu, que estou investindo em ,5 bilhões. Assim como eu, outros loucos também. Então o que leva, dentro da abordagem dele, que só um louco investe no Brasil? O custo Brasil é, no mínimo, o dobro, quando se compara com outros países, as agências têm que regular de maneira transparente, de forma a dar tranquilidade às partes, hoje ninguém tem essa avaliação. Estamos presos a uma lei trabalhista do tempo de Vargas, é preciso modernizar esse modelo, poderia haver períodos de contratação menores e jornadas de trabalho mais flexíveis. É a falta de segurança em relação ao futuro, qualquer país tem um plano de investimento de 20 anos China, Japão, Coréia o Brasil não tem. Estamos vivendo uma desindustrialização absurda, nos últimos 25 anos a participação da indústria de transformação no PIB caiu de 25% para 12,5%. Seja quem for que venha a ganhar a eleição, terá que fazer aquilo que é necessário, ou seja, reformas. Se não houver as reformas imediatamente após a eleição, reforma política, fiscal e trabalhista, o país não vai a lugar algum. Nós temos dinheiro; a questão é gastar bem esse

7 dinheiro, é investir bem. A máquina pública não precisa crescer. Ela deve sim diminuir. Quanto menor for, melhor será. O que a gente poderia agregar a esse pensamento no nosso campo? Não só um processo de desindustrialização, nós estamos num processo de desinfrainstruturalização. Então eu acho que isso é o que nós agregaríamos a essa observação do presidente da FIESP e traríamos essa abordagem para discutirmos uma vez mais. A Fundação Dom Cabral traz, em seu último levantamento, que o Chile, Colômbia e os demais países do BRICS investem em média 3,4% do PIB anualmente em infraestrutura. O Brasil investe 0,6%. Menos investimento em infraestrutura, maior custo logístico, perda de produtividade e competitividade. Quando se fala que nunca antes na história desse país se investiu em infraestrutura, verifica-se que de 2010 para cá há uma queda. Contra fatos não há argumentos. Então os países da América Latina investem em média 4% a 8% do PIB. Então precisaríamos investir 3% do PIB ao ano para nos igualarmos aos nossos pares. Não é questão de liderança. É nos igualarmos aos países que estão fazendo o dever de casa na América Latina. Sem investimento, o custo logístico se eleva. Essa é uma análise do ILOS, de De 2010 para 2012 tivemos um processo de incremento do custo logístico no Brasil. Sem investimento em infraestrutura, é automático. Comparando com os EUA, nós temos um custo de 11,5 enquanto os EUA de 8,7. Essa informação também é do ILOS. Tanto o ILOS quanto o FDC fazem um cálculo de que estamos perdendo algo entre 80 e 100 bilhões anuais. É como se a gente pegasse o PIB do Ceará inteiro e jogasse na sarjeta. Isso é um dado impressionante. É algo que não podemos mais de jeito algum continuar ouvindo isso, vendo isso, percebendo isso. A velha tecla da participação dos modais. Temos um processo de novo, quando se diz que estamos avançando num processo de minimizar a participação rodoviária, aumentar a ferroviária, mas os fatos mostram que de 2010 pra cá nós tivemos uma diminuição da participação ferroviária e um aumento da participação rodoviária. De novo: sem investimentos não vai haver reversão da matriz de transportes e o custo aumenta. Então 75% dos países do G20 possuem infraestrutura mais competitiva que a gente. Na área de portos, a coisa é pior. O índice de competitividade mais crítico é o dos portos e gente vê a posição em que a gente se encontra tanto em relação ao G20 quanto ao G10, ao G7, ao BRICS, enfim, resultado: 123ª posição no ranking de competitividade dos portos. O Brasil cai da posição 65 para a 45ª e nós já tínhamos caído 20 posições de 2010 a Nos portos, vejam de novo esse quadro que é uma contribuição da ANTT e faz um comparativo rápido entre Roterdã e Santos. Temos ali a movimentação de cargas, Roterdã 434 milhões, contra 97 em Santos. Roterdã é um porto consolidado, maduro, investimento de 1,149 bilhão, enquanto em Santos, 35 milhões. Uma análise da visão integrada de planejamento: o pleonasmo vicioso da logística integrada. Não se faz logística desintegrada. Nenhum de nós é contratado para fazer uma consultoria de logística desintegrada. É a mesma coisa: não se faz planejamento desintegrado.

8 Quais são os caminhos para que as políticas públicas sejam efetivas para o desenvolvimento sustentável? Tudo que está aí todo mundo sabe, mas vamos fazer uma contextualização, já que nós temos que compor pautas, compor agenda para discutir com os próximos atores. É preciso ter uma ordem muito clara de prioridades. Então harmonizar as políticas públicas federais, estaduais e municipais de infraestrutura com o meio ambiente, ministério público, patrimônio histórico e demais áreas anuentes e de interesse para que se evitem embargos e soluções de continuidade no licenciamento e outorga de projetos futuros. Isso é clássico no Brasil. Definir claramente com a iniciativa privada os marcos legais e regulatórios para os setores de transporte, portos, aeroportos, hidrovias, rodovias e ferrovias, revisando e adequando o arcabouço legal do setor, que a bem da verdade tem trazido discussões, inconformidades e inseguranças jurídicas em excesso. O capital vai para onde há segurança. Se ele não tem segurança, ele não vai a busca de simpatia. Ele vai pra onde encontra regra clara. Se a regra está clara, a coisa vai. Realizar reforma do sistema de gestão pública dos transportes e agências reguladoras, evitando a fragmentação dos núcleos de gestão e decisão. Revitalização de ferrovia em Houve? A nossa lei dos portos, houve? A lei dos motoristas houve? Concessões de aeroportos, rodovias e ferrovias, houve? Licenciamento ambiental? Troca de diretorias em agências? Troca de ministros, problemas nas autarquias, Lei do passe livre, concessões de ônibus intermunicipais e interestaduais, aeroportos centrais, terminais alfandegários, CONIT, EPL? Tem alguma coisa errada? Na minha concepção deve ter alguma coisa errada. Na década de 80 e 90 não tínhamos plano, não tínhamos uma economia estável, o setor de transporte terrestre e ferrovia sofria, o aéreo ganhava na carga de Manaus para o Sudeste, sem planejamento, sem visão estratégica, sem visão de longo prazo. Pode? A EPL hoje é transparente? No meu ponto de vista não. Não está faltando integrar as agências? Como mudar uma matriz de transporte sem integrar todos os atores envolvidos? É um país de dimensões continentais, com diferenças regionais, e a grande questão da indústria hoje é centraliza ou descentraliza a gestão? Se não tiver um gestor, um líder, um ministro, um presidente da república na liderança não funciona. Será que os três diretores das agências reguladoras almoçam juntos? Têm reuniões de trabalho juntos? Os três ministros se reúnem, discutem suas áreas e suas relações de trabalho? Se o CONIT não se reúne, imagina as outras esferas... É isso que me incomoda como brasileiro. Era para vermos obras por todos os cantos do país, sendo realizadas de forma desburocratizada, sem tantas questões ambientais, sem desapropriação de área, de marco regulatório, linhas de financiamento. Temos problemas de mobilidade urbana que foram destacados em julho e agosto do ano passado e que não mudaram. Pode ser até um ministro ou político na liderança, mas os responsáveis por portos, hidrovias, ferrovias, rodovias e aeroportos têm que ser gente técnica, com as agências reguladoras com poder de força para deliberar, orientar, não para gerar multa

9 ou problemas, mas de contribuir com o processo de aceleração, de avanço das obras e da fiscalização do serviço público que tem que ser prestado. Sem a convivência entre as agências reguladoras nós não conseguiremos fazer as mudanças de longo prazo. O entendimento do homem público é que precisa mudar. O técnico precisa estar junto ao político e o político junto ao técnico, sem um sobressair sobre o outro. O novo governante do país terá que fazer mudanças radicais. Não é possível gerir desta forma o setor de transporte. Tem muito burocrata que não conhece a Amazônia, que nunca viu uma plantação de soja no meio de Rondônia e que não conhece o Porto de Santos, que não é o único do país. Precisamos da transparência de um plano executivo pelo menos de cinco em cinco anos. O país é grande e deve ser mais bem conduzido e centralizado. Cada modal de transporte tem suas características. A administração da Infraero adiantou alguma coisa para os aeroportos brasileiros? O adicional de marinha mercante? O pedágio? O valor de arrendamento das ferrovias? Isso não colabora para resolver os problemas básicos de gargalo no transporte brasileiro. Nós sabemos onde está o problema, temos que entender as regionalidades, a aglutinação de forças para que possamos avançar. Debate: José Alberto Pereira Ribeiro - ANEOR gostaria de fazer uma provocação: Primeiro quero cumprimentar a mesa e agradecer as apresentações muito lúcidas dos quatro participantes. Tenho mais de 30 anos de atuação e, além do que disse o Steinbruch só louco investe no Brasil, acrescento que só louco e chato como nós não desistimos e queremos achar uma solução para o país. Temos que interagir. Sem o CONIT e sem prioridades vamos ficar correndo atrás de nem sei o que. O que me preocupa é que as coisas do governo são bem intencionadas e com esta vontade está se destruindo o que foi montado. Não estamos vendo avanços e temos que agradecer a oportunidade de estarmos aqui reunidos e daqui nos turbinarmos novamente nesta vontade de ajudar e avançar. Queremos o melhor e tudo que fazemos e que foi colocado aqui é com o objetivo de construir. Estamos aqui para fazer esta interação. Frederico Bussinger IDELT gostaria de fazer um comentário: Quero parabenizar as quatro intervenções apresentadas e fazer três registros. O grupo que foi montado na Casa Civil partiu da informação de que os portos estavam abandonados há 20 anos. Que não se fazia planejamento, que as cias docas eram obsoletas, inchadas, politizadas e seus administradores incompetentes. Isto não é verdade. O Brasil investiu mais de 13 bi de reais este ano e precisamos ser mais científicos. Precisamos decidir se houve investimento ou se não houve investimento nos portos? Por isso repito que o grupo que trabalhou na Casa Civil atuou com uma hipótese falsa e por isso conduziu a conclusão equivocada. Nós conseguimos quintuplicar o lucro porque os investimentos foram feitos. Os portos foram transformados, porque a eficiência cresceu 5, 10, 15 vezes. As filas desapareceram e os custos caíram a uma metade e um terço. Isso fez surgir a indústria da cana em São Paulo, o transporte da soja para

10 o Porto de Santos. Como foi possível tudo isso se não havia planejamento? A verdade dos fatos está lá, aconteceu. Talvez estejamos no retrocesso, o que é pior. Em 2014, as filas foram menores que no ano passado porque foram tomadas ações operacionais, integradas, que não demandou investimentos. Foram medidas aprovadas em 1999 e implantadas 15 anos depois. Para finalizar, quero responder por que Roterdã funciona e Santos não funciona. Roterdã é um porto autônomo, como todos os portos eficientes do mundo. Isso não é possível fazer no Brasil. César faz observação para Frederico planejamento a gente tem e continua tendo. De 1995 para cá, tivemos oito grandes planos. Todos eles tiveram algum grau de efetividade. A nação tem que ter planejamento de 50 anos mesmo. É ambicioso mesmo. Dalmo Marcheti BNDES pergunta para Rodrigo: indo na tua linha da provocação, temos uma meta estabelecida para 2050, mas, acho realmente que temos que estabelecer metas muito mais longas e independentes de governo ou de planos de médio e curto prazo. Temos que começar a pensar o que é o Brasil em 2050 e a partir daí construir nossa governança e nossos planos para uma meta de longo prazo. Nós temos recursos para construir o Brasil para 2050? Rodrigo responde Não tenho a menor dúvida que o que falta é colocar em prática. É no dia-a-dia que temos que resolver os problemas. O planejamento é de longo prazo mesmo. A tática de atuação é de curto prazo. A logística estratégica é planejada a partir de 10 anos mesmo. Dalmo Marcheti BNDES - pergunta para Jean Paulo: qual a composição do Conselho de Administração dos portos públicos? E se há conselhos independentes e com membros do local onde o porto está instalado? Jean Paulo responde - o Conselho é formado por um representante da SEP, outro vem dos empresários ligados ao setor (da região), outro representante da classe trabalhadora (sempre da região do porto), representante dos acionistas minoritários. Não tem conselheiro independente. Dalmo Marcheti BNDES - pergunta para Jean Paulo: e em relação ao CONAPORTOS, como está evoluindo a integração e se já tem resultados em relação ao trabalho das instituições do comércio exterior e burocracia alfandegária? E se tem previsão de melhoria no processo aduaneiro? Jean Paulo responde - O trabalho das instituições do comércio exterior e burocracia alfandegária está na fase de diagnóstico, mas ainda não resultou em nenhuma grande mudança. Em questões pontuais, como o porto sem papel, se ainda não está bom, muita coisa já melhorou devido à rotina de encontros da CONAPORTOS, onde os problemas são tratados em conjunto. Quanto ao Porto 24 horas, outro exemplo, é tema que as soluções têm sido pensadas em conjunto, mas sem resultados expressivos ainda também. Paulo faz a conclusão do painel - O Brasil de hoje é muito diferente do Brasil de 50 anos atrás. O país cresceu muito, a distribuição de renda fez com que novos mercados fossem incorporados, as mercadorias chegaram nestes mercados, exportações ocorreram e o comércio exterior foi 500 milhões de dólares. O que se pergunta sempre é a que custo estas coisas

11 foram feitas? Porque se sabe que poderiam ter sido feitas a custos bem menores. A operação logística não melhorou. As condições com as quais operamos não melhoraram. O que queremos é melhorar. Fizemos muito e nada se perdeu. Mas poderia ter feito muito mais e com custos mais eficientes. A que custo foi feito é que ninguém quer discutir. A infraestrutura tem que viabilizar um crescimento maior.

12 PAINEL 2 Tema Procedimentos aduaneiros competitivos Data 02/09/2014 Horário Palestrantes 13h30 Moderador: Riley Rodrigues especialista em logística do Sistema FIRJAN Palestrantes Ernani Argolo Checucci Filho secretário de aduana e relações internacionais da Receita Federal Aluísio de Souza Sobreira diretor da Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB Luis Cláudio Santana Montenegro diretor de planejamento da CODESP Luís Resano vice-presidente executivo do Syndarma Waldemar Rocha Júnior presidente da FENAMAR Síntese do painel O painel abordou temas como porque o Porto Sem Papel não acontece; operação 24h com órgãos de controle (SRF, PF, Ministério da Agricultura, ANVISA etc); atuação da CONAPORTOS e novo marco regulatório portuário. Principais ideias e propostas apresentadas Possibilitar que o Brasil realize seu potencial de crescimento econômico e desenvolvimento social por meio do aperfeiçoamento da eficiência nas cadeias de suprimentos, ampliação da capacidade portuária e promoção da sustentabilidade ambiental, para que o país ocupe uma posição internacional competitiva. Nos Comitês Técnicos da CONAPORTOS estão: Comitê Técnico de Modernização Portuária; Comitê Técnico de Integração de Sistemas; Comitê Técnico de Parâmetros de Desempenho; Comitê Técnico de Ações Especiais. A Comissão Nacional das Autoridades nos Portos (Decreto nº 7.861/13) permite uma atuação conjunta dos órgãos que atuam nos portos, visando tornar os processos mais eficientes. Reduzir tempo de permanência no porto pela metade, com isso os fretes poderão ser diminuídos. A LEI Nº 8.630/93 possibilitou a descentralização do controle dos portos; valorização das Companhias Docas; ruptura do modelo até então vigente da Relação Capital-Trabalho; introdução de Processo Licitatório nos Arrendamentos Portuários com prazos maiores; saída do

13 ente público das operações portuárias; possibilidade dos Terminais Portuários Privativos operarem cargas de Terceiros; introdução dos Conselhos de Autoridade Portuária com caráter deliberativo; o reaparelhamento portuário tornou-se uma realidade via investimentos privados e os custos de movimentação de cargas foram reduzidos. Com isso, o país pode atender a evolução da movimentação portuária que passou, nos últimos 20 anos, da faixa de 300 milhões toneladas, chegando a um bilhão de toneladas no ano de No caso da movimentação de contêineres, cresceu e alcançou 9 milhões TEUS em Entre os problemas não resolvidos com o advento da lei, estão: a questão da dragagem, que determinava que a responsabilidade da execução das dragagens fosse da União, a atividade deixou de ser desenvolvida adequada e tempestivamente sem atender a demanda gerada; os contratos anteriores a Lei nº 8.630/93 não foram adaptados, apesar de haver sido fixado no texto da Lei um prazo de 180 dias para tal; os arrendamentos em sua maioria ocorreram na segunda metade da década de 90 e não foram precedidos de modelagem padronizada. Cada Cia. Docas modelou o Processo Técnico e Econômico ao seu arbítrio. Com o novo marco regulatório, o poder dos Estados nas administrações dos Portos Públicos administrados pela União ou delegados foi esvaziado com as decisões centralizadas na SEP, na qualidade de poder concedente e os Processos de Licitação de Arrendamentos, antes realizados pelas Companhias Docas passou para a ANTAQ. Foi Instituído o Programa Nacional de Dragagem Portuária e Hidroviária II. O Conselho de Autoridade Portuária CAP deixou de ser um órgão deliberativo e passou a ser um órgão consultivo. Foi instituída a Comissão Nacional das Autoridades nos Portos CONAPORTOS (Decreto 7.861/2012). Nos Arrendamentos de Terminais em Portos Públicos o vencedor passou a ser aquele que ofertar o menor preço e/ou maior quantidade de carga movimentada não sendo mais considerada a oferta de maior valor de Outorga. Os contratos de arrendamentos anteriores a 1993 (Lei dos Portos) que estavam vencidos ou prestes a vencer passaram a ser licitados. Foi mantida a não obrigatoriedade dos Terminais Privados a contratar funcionários por meio do OGMO como ocorre nos Portos Públicos. Os processos de autorização para construção e operação de Terminais Privativos passaram a considerar preliminarmente o Anúncio/Chamada Pública, com presença de processo seletivo. Os Terminais Privados autorizados passaram a ter liberdade, sem restrições para movimentar cargas de terceiros, independente de sua titularidade. Porém surgiram alterações no processo de autorização. Os processos de autorização de Terminais de Uso Privado passaram a ser realizada em duas fases, a primeira simplificada e a segunda com maior complexidade. Foi vedada a Implantação de Terminais Privados e Estações de Transbordo dentro das poligonais dos Portos Públicos, sem que tais poligonais fossem atualizadas. Foi estabelecido o prazo de três anos para realizar o empreendimento do Terminal privado, podendo ser prorrogado por mais três, porém ao arbítrio do Poder Concedente SEP. Foi instituída a figura da garantia financeira de compromisso para execução do empreendimento. Como resultados práticos do Novo Marco Regulatório estão: os objetivos pretendidos em atrair investimentos privados, como reaparelhar os portos e terminais existentes, promover novos arrendamentos, reduzir a burocracia e consequentemente os custos portuários e ainda incentivar e aumentar a competitividade do comércio exterior brasileiro, até o momento não vem ocorrendo na velocidade pretendida e necessária. Na lista de áreas e instalações portuárias a serem licitadas estão presentes alguns terminais com contratos anteriores a criação da Lei dos Portos, (8.630/93), cujos contratos estão vencidos ou prestes a vencer. Esta condição deverá gerar judicialização.

14 As Empresas Portuárias (Cias Docas) perderam a prerrogativa e a autonomia, bem como a liberdade para firmar contratos. O poder político e jurídico no setor portuário passou a ser centralizado e concentrado nas mãos da SEP e, em menor peso, porém não menos importante, da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) a quem executar as licitações. Como impactos e perspectivas, houve frustração temporal nos objetivos que levaram às alterações do Marco Regulatório, incluindo a esperada atração dos investimentos que não ocorreu como esperado. A possibilidade de disputas judiciais em relação aos contratos anteriores a Lei nº 8.630/93 deverá ser materializada logo após o lançamento dos respectivos Editais para arrendamentos de áreas e instalações portuárias. A materialização da curva de aprendizado pelos interessados em investir no segmento só deverá ocorrer em curto e médio prazo após a definição por parte do TCU em relação à modelagem desenvolvida pela SEP. O uso do modal marítimo, considerando que o Brasil tem mais de km de costa navegável (incluindo o Rio Amazonas são km) dá Eficiência Geoeconômica; adicionalmente é o meio de transporte de carga que menos interfere no meio ambiente, gerando Eficiência Ambiental; tem reduzida emissão de CO2; uso vias naturais; tem baixo impacto ambiental em sua implantação; baixo consumo de combustível por tonelada útil transportada comparado com outros modais (Eficiência Energética); contribui para um o crescimento econômico mais eficiente e racional (Eficiência Social): redução do número de caminhões nas estradas e redução número de acidentes, mortes e custos relacionados. Para a navegação de cabotagem é requerida quase a totalidade dos documentos de comércio exterior, enquanto os documentos necessários no transporte rodoviário são apenas quatro: Certificado de Propriedade, IPVA, Nota Fiscal e CTe. A criação da CONAPORTOS com o Decreto de 06/12/12 pretende trazer maior eficiência nos processos portuários com a participação dos principais intervenientes federais. Cargas de cabotagem e longo curso compartilham as mesmas áreas nos portos e estão sujeitas ao mesmo procedimento. As mercadorias oriundas da cabotagem, movimentadas através dos portos alfandegados, estão sujeitas à mesma fiscalização aduaneira (Siscomex carga) das cargas de longo curso. A Instrução Normativa nº 800/07 da SRF dispõe sobre o controle aduaneiro informatizado e movimentação de embarcações, cargas e unidades de carga nos portos alfandegados. Sugestão: que as cargas de cabotagem tenham o mesmo tratamento do modal rodoviário. Navios de cabotagem são vistoriados pela ANVISA em todas as escalas. A Resolução da ANVISA nº 217/01 prevê a Livre Prática ou fiscalização em cada manobra de atracação nos portos brasileiros. Navios de cabotagem escalam sequencialmente portos brasileiros tornando desnecessária sua fiscalização em cada escala. Sugestão: Alterar a Resolução, simplificando os processos de liberação pela ANVISA. A IN nº 800/07 da SRF estabelece que todas as escalas dos navios em portos brasileiros devem ser cadastradas no Siscarga com antecedência mínima de cinco dias. Caso as escalas não sejam cadastradas o navio não é autorizado a atracar. Sugestão: desvincular o envio de informações ao Siscarga da operação de atracação dos navios operando na cabotagem. Falta uma Política de Preços para o Combustível Marítimo, pois o preço do combustível marítimo está atrelado ao mercado internacional, acompanhando as flutuações da demanda dos derivados de petróleo e as variações cambiais no País. A legislação determina a igualdade do preço de fornecimento para as embarcações de cabotagem com o do longo curso, mas a Petrobras adiciona o ICMS local quando fornece para cabotagem; o preço do diesel consumido pelos modais terrestres tem sua formação atrelada à política de combate à inflação do País e é fornecido a valores inferiores ao custo do óleo diesel

15 importado para atender a demanda. Proposta: que sejam adotadas políticas de preço e reajustes para o combustível marítimo equivalente ao combustível rodoviário. A Receita Federal tem atuação em momentos variados das Cadeias Logísticas, com o Gerenciamento de Riscos, incluindo Habilitação e Credenciamento de Operadores; Controle de Cargas e Despacho Aduaneiro; Auditorias Fiscais e Operacionais; Vigilância e Repressão Aduaneiras e Implementação do Centro Nacional de Gestão de Riscos Aduaneiros (CERAD). O Projeto OEA Operador Econômico Autorizado inclui a construção do modelo brasileiro de OEA; com focos em conformidade aduaneira e segurança; agilidade e previsibilidade para operadores confiáveis e possibilidade de acordos de reconhecimento mútuo. O aprimoramento do Siscomex inclui plataforma web, melhorias e novas funcionalidades; mudança no fluxo (dispensa de apresentação de documentos no canal verde); absorção do AFRMM; notificação de lançamento eletrônico; transferência simplificada de carga entre recintos e integração com Porto Sem Papel. Com o Portal Único do Comércio Exterior, a cadeia logística ganha com o desenvolvimento de soluções tecnológicas integradas em parceria com todos os órgãos de controle do Comércio exterior; visão integrada do usuário; anexação de documentos e imagens; catálogo de produtos; cadastro de intervenientes e mapeamento; revisão dos processos de exportação e importação; integração com outros órgãos de controle; harmonização de procedimentos; compartilhamento de informações e documentos e disseminação de inteligência fiscal. O cidadão comum não tem ideia do que é o porto. Infelizmente ainda é visto como local de contrabando, prostituição e tráfego de drogas. Não é visto como um local de desenvolvimento e geração de renda, riqueza e que 95% do comércio exterior brasileiro passa pelos nossos portos. Havia uma especulação circulando que o porto necessitava de 962 informações (número hipotético) para o navio atracar e desatracar. Com o porto sem papel, projeto que apoiamos e acreditamos que vai dar certo, as informações passaram a ser digitadas e ficam arquivadas, facilitando a localização das mesmas. O navio não vai entrar mais rápido ou ter um atendimento mais eficiente só com o porto sem papel. Tem vários fatores e atores envolvidos nesta questão e que precisam ser equacionadas, envolvendo vários agentes e órgãos de anuência. Porto sem papel toma de 3 a 4 horas diárias de digitação. Isso pode ser revisto? Será que documentos que estão sendo digitados têm mesmo utilidade? Mas continuamos a entregar papel, pois alguns órgãos exigem o papel. Temos a cultura de papel e carimbo, isto está impregnado na cultura latina. Exemplo da vida diária: usamos o banco só pela web. Não vamos mais ao banco para nada, nem precisamos do gerente. Só não conseguimos ainda tirar o dinheiro pelo computador. A mesma coisa acontecerá com o porto sem papel. Hoje ainda não nove anuências necessárias para a liberação de um navio no porto. Não podemos comparar os portos brasileiros com portos eficientes mundo afora, como Singapura ou Roterdã. O porto não é o porto simplesmente. O porto é a sobrevivência da economia. É por onde movimenta 86% do volume de comércio exterior brasileiro. Tratar bem o porto é garantir o futuro do Brasil.

16 Debate: Dalmo Marcheti BNDES pergunta para Ernani: sobre a importância de se ter novos clias e sobre o direito de autorga, gostaria de saber se a Receita Federal está capacitada a dar autorizações aos novos cliars e como é esta autorização? Ernani responde o processo de interiorização dos serviços aduaneiros é uma praxe no mundo, não só no Brasil, um país continental com indústrias espalhadas por todo o território. A aproximação do porto seco do cliar se faz necessária para oferecer este tipo de serviço. O porto como essência deveria ter o maior interesse por parte do Estado, pois tem maior controle de quem explora. Em qualquer local do Brasil pode se instalar e explorar um cliar. É um modelo que exige um processo longo de debate com todos os interessados. E para abrir um novo cliar é necessário um processo licitatório. César Meireles - ABOL pergunta para Ernani: ao julgo da Receita Federal, o desembaraço alfandegário nos clias, nos portos secos e reais, é ou não um serviço público? E existe hoje um déficit de auditores fiscais para o desembaraço de todo o processo nacional, se nós ampliarmos a rede de cliars, como suprir isto num país continental como o nosso? Ernani responde: a atuação da Receita Federal é um serviço público. O que o cliar oferece não é um serviço público, é o serviço de armazenagem de carga e alguns outros serviços correlatos como recuperação de container etc. Sobre o déficit de auditores, não sei que o estudo o senhor tem que embasa esta afirmação. Como gerente do processo, reclamo da falta de recursos, isso é a realidade do país, com carência social e dificuldade de recursos como a maioria dos órgãos federais. Mas não afirmaria o que você afirmou. No modelo do cliar que foi apresentado ao Congresso Nacional tinha um dispositivo específico estabelecido, dizendo que o poder executivo deveria regulamentar o procedimento entre a admissão do cliar e sua efetiva operação, e fazer um comunicado a todos os envolvidos, incluindo Receita Federal, ANVISA, entre outros, com um processo de recrutamento específico para atender aquela demanda. Não existe outra forma de evoluir no tema sem ser tratando esta questão. O problema não é só do cliar, é do porto, do aeroporto etc. Sávio Bittencourt ABRAMPA pergunta para Ernani: quais são os embaraços específicos desta licitação? O que está sendo alegado sobre o enfrentamento destas ações? Ernani responde - Basicamente os interessados que não se viram beneficiados com o processo questionam se o mesmo foi transparente, se teve direito a cumprir todas as etapas etc. A judicialização passa pela iniciativa de algum interessado que não teve seu direito reconhecido. Em Recife, sei que tem três ações civis públicas em andamento. Mas esta é uma deliberação da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional e não saberia te responder com detalhes a respeito. Bruno Lima Rocha Syndarma pergunta para Montenegro e Ernani: porque quase depois de dois anos, o CONAPORTOS foi incapaz de nos dar uma única solução para o destravamento dos portos brasileiros? Montenegro responde - Precisamos acreditar mais nas instituições, pois as soluções nem sempre são simples. Temos que ter coragem para enfrenta-las. A criação do CONAPORTOS é antiga. Mas não tinha condição de funcionar, pois não tinha uma entidade nacional que o

17 coordenasse. Um grande avanço foi da integração do porto sem papel com a marinha mercante. A questão da cabotagem encontra dificuldades e temos que enfrentar estas questões. Temos que insistir, acreditar nas instituições e seguir adiante. Ernani responde Não importa o comitê, se não houver alinhamento e diálogo em torno das questões e uma convergência de um entendimento, não haverá solução. A solução tem que vir por um entendimento entre todos os órgãos envolvidos que trabalham para o controle do comércio exterior, com a convergência de interesses. Waldemar Rocha - FENAMAR fez um comentário sobre o painel: quero apresentar o princípio da oportunidade e mencionar algo que estamos tentando há algum tempo. Gostaria que as entidades representativas também fossem convidadas para as reuniões do CONAPORTOS. Os portos de Santos e Vitória já convidam, mas os outros não. As entidades representativas são as que mostram os problemas e ajudam a buscar e contribuir para encontrar as soluções. Dalmo Marcheti BNDES pergunta para Ernani: a tarifação dos containers de cabotagem é diferente dos containers de importação. Isso ocorre nos portos brasileiros? A segunda questão é que já ouvi dizer que há normativos na Receita Federal de que os containers de cabotagem não sofreriam a mesma fiscalização do container de exportação. Isso é verdade? Ernani responde tivemos uma reunião hoje mesmo sobre o assunto. Temos um conjunto de containers que vêm em transporte internacional, saindo, por exemplo, do Porto de Roterdã e é destinado ao Brasil para o aeroporto de Vitória e, por qualquer motivo, parou no Porto do Rio de Janeiro ou no de Santos e que tem que depois chegar ao seu destino. Este último trecho é cabotagem, mas a carga ainda não foi nacionalizada, não teve nenhum tratamento aduaneiro. Ela terá o controle da Receita Federal como carga internacional que é. A cabotagem normal, doméstica, a Receita Federal não tem interesse em controlar, não é nossa função. Por isso é nosso entendimento que a carga de cabotagem normal não deve ter o mesmo tratamento alfandegário da carga internacional. Luís Resano Syndarma complementa a resposta: no Brasil, em todos os portos, o container de cabotagem não é escaneado obrigatoriamente, a não ser que haja suspeita a respeito da carga transportada etc. Ernane conclui a resposta A Receita Federal tem que controlar isso, controla a carga internacional, a carga que está sendo exportada e que já foi desnacionalizada.

18 PAINEL 3 Tema Licenciamento ambiental Data 02/09/2014 Horário Palestrantes 16h Moderador: Carlos Tavares diretor Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Palestrantes Sávio Bittencourt promotor de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e presidente da ABRAMPA Thomaz Miazaki de Toledo diretor de licenciamento ambiental do IBAMA Renata Twardowsky Ramalho gerente de licenciamento e relações institucionais da ALL e coordenadora do comitê de meio ambiente da ANTF Betina Maciel Versiani engenheira e pesquisadora do COPPE/UFRJ Síntese do painel As discussões do terceiro painel envolveram os temas: desenvolvimento de um marco legal que defina como devem ser realizadas as intervenções no meio ambiente; definição do que é necessário conter nos planos para que sejam aprovados; diminuição da arbitrariedade na análise dos projetos e unificação dos critérios de aprovação; eliminação da necessidade de aprovações múltiplas; elaboração de legislação positiva e a questão indígena no licenciamento ambiental de rodovias. Principais ideias e propostas apresentadas A ABRAMPA reúne todos os Ministérios Públicos estaduais envolvidos com questões ambientais. O foco é promover um acesso mais rápido ao licenciamento, cumprindo todos os passos para que o processo seja mais eficiente. A entidade tem um papel de uniformizador por meio de sua escola, realizar atividades científicas que venham dar ao Ministério Público uma unidade de pensamento. Cada órgão envolvido tem independência funcional, na manifestação processual e investigativa. A sociedade precisa de uma instituição cujos membros tenham a capacidade de decidir sem se submeter às pressões políticas internas ou externas de qualquer ordem. O desafio da ABRAMPA é que o país progrida com a preservação ambiental, é dar ao MP, ao lado desta independência funcional, elementos por meio de estudos, aprofundamentos e debates, numa discussão aberta às outras instituições e setores, para que por meio destes artifícios tenha capacidade para mostrar a todos os interessados quais, em linhas gerais, as posições que o MP tem.

19 Temos conseguido muito sucesso em alguns pontos e temos aprofundado as discussões em outros para que o MP possa ter uma linha de pensamento compreensível a olho nu daqueles que não são integrantes da carreira. Às vezes, o licenciamento ambiental se torna o palco de outras manifestações que, a despeito de serem legítimas, deviam encontrar outros canais para dar à sociedade o diálogo que ela precisa ter com o poder público. O licenciamento ambiental não aparece como entrave de diversas questões colocadas aqui neste painel. Não são necessariamente as questões vinculadas a licenciamento ambiental ou proteção ambiental que são as principais vilãs do entrave para o sucesso do plano ambiental brasileiro. Este discurso é vazio e não se compactua com a realidade. Há vários outros empasses que são de ordem política e que são tradicionais e precisam ser abordadas com clareza. As questões ambientais precisam de um debate maior com todos os stakeholders envolvidos na infraestrutura. Por isso é preciso criar uma alternativa política para que prefeitos não sejam punidos. Qual o entrave então que o licenciamento cria neste processo e na ampliação do saneamento ambiental brasileiro? Tudo que o MP, a sociedade civil organizada e os ambientalistas querem é que surjam investimentos lucrativos em saneamento, na questão dos resíduos sólidos, sejam eles urbanos ou da indústria. No campo da infraestrutura e da logística o licenciamento ambiental precisa ser feito da mesma forma. Tudo que nos queremos é que ele seja feito de forma rápida e que tenha a capacidade de fazer também todos os estudos necessários e dar conta efetivamente da preservação que precisa ser feita. Inclusive porque o licenciamento ambiental não pode ser visto meramente como uma etapa burocrática de determinado projeto. É uma etapa colocada como forma de pensar o projeto no momento em que ele é feito, e precisa fazer parte da alma deste projeto para que ele não tenha os problemas ambientais decorrentes e que serão analisados e expostos num licenciamento ambiental sério. Outra questão que frequentemente ocorre em licenciamento ambiental é, em função de emergências políticas, por falta de um projeto integrado, que não seja um planejamento de progresso em migalhas, parcial, partido, que não seja visto por todos os ângulos dos interlocutores, de todos os modais e de todas as conjecturas tem que ser feitas num plano de longo prazo para desenvolvimento de um país, o problema é que esta pulverização e fragmentação acabam causando descontinuidade das questões ambientais, pois, se não é tratada desde o início como algo que precisa ser respeitado e que pode apontar dificuldades e facilidades, algo que tem ser levado em consideração em várias decisões subsequentes e políticas, você terá a exclusão da questão ambiental e inclusão em termos de licenciamento ambiental, ações judicias, inquéritos civis e multas administrativas. O licenciamento ambiental talvez seja o momento mais histérico da proteção ambiental, porque há certa desconfiança da sociedade civil na continuidade da fiscalização daquela atividade. Então, portanto parece que ali todas as questões ambientais serão resolvidas. Bom, ali, muitas questões ambientais serão resolvidas, mas é necessário que se faça um acompanhamento contínuo das atividades, por meio da polícia do Estado e dos órgãos ambientais. Órgãos ambientais bem aparelhados e independentes, que tenham capacidade de fiscalização, de atuação, salvos da pressão política interna para a realização de grandes obras, para dar conta de cronogramas políticos-eleitorais, são necessários para que tenhamos um esvaziamento da tensão que existe no licenciamento ambiental.

20 Em 2011, o IBAMA expediu 624 Licenças Ambientais; em 2012, 700 e, em 2013, 829. Em 2014, já foram realizadas 28 audiências públicas com pessoas envolvidas. Existem 1884 processos em licenciamento no IBAMA atualmente. Existe uma tendência em tratar tudo como impacto ambiental e incluí-lo como pauta do licenciamento. Um exemplo é a desapropriação. Isso precisa ser avaliado para a liberação da licença ambiental. Entre 2011 e 2013 houve um boom na demanda do licenciamento ambiental. Para uma concessão da FUNAI é preciso que toda a equipe passe por uma avaliação da entidade para avaliação das atividades a serem desenvolvidas, o referencial teóricometodológico orientador da abordagem, o cronograma das atividades e os resultados e produtos almejados. Cada profissional da equipe assina com a FUNAI, para assegurar a observação rigorosa da legislação e regulamento que trata dos direitos indígenas. E o órgão poderá suspender, a qualquer tempo, as autorizações concedidas quando: solicitadas a sua interrupção por parte da comunidade indígena; os trabalhos venham a gerar conflitos dentro da TI e do não cumprimento do termo de compromisso firmado. No Estudo do Componente Indígena é preciso identificar os impactos que incidirão sobre as comunidades indígenas situadas na área de influência do empreendimento; construção da matriz de impactos e apontamento dos programas de mitigação e compensação e do Programa Básico Ambiental Índigena PBAi; detalhar os programas de mitigação e compensação dos impactos e estabelecimento de procedimentos que atendam às necessidades e solicitações das comunidades indígenas. A FUNAI faz o processo que envolve as terras indígenas e quem dá a licença é o IBAMA. O principal fator a ser observado é o princípio da precaução, fundamental por causa da diversidade cultural envolvida. Nenhum empreendimento recebe licenciamento ambiental se não tiver a interveniência dos órgãos Ministério da Saúde, IPHAN, FUNAI, Instituto Palmares, quando o licenciamento ambiental envolve terras indígenas e quilombolas. Precisa da Vigilância Sanitária e Ministério da Saúde quando o empreendimento envolve áreas de risco endêmico, para malária, por exemplo. E envolve o IPHAN quando o empreendimento está localizado em locais preservados. Entre as principais problemáticas envolvendo órgãos intervenientes estão: Morosidade dos órgãos intervenientes número reduzido de técnicos para análise dos processos; Prazos estabelecidos na Portaria 419 não são respeitados pelos órgãos intervenientes e pelos órgãos licenciadores; Órgãos licenciadores não dão continuidade no processo de licenciamento sem o parecer formalizado dos órgãos intervenientes; Fundação Palmares e FUNAI: exigência de estudos em comunidades que não possuem decretos, divergência com a Portaria 419; Condicionantes e exigências de compensações que não estão relacionadas com os impactos causados pelo empreendimento empreendimentos assumem responsabilidade de políticas públicas.

O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS

O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS ALUISIO SOBREIRA O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS O Contexto da Lei Anterior Lei nº 8.630/93 O Contexto da Nova Lei Lei nº 12.815/13 A Evolução do Novo Marco Regulatório Principais Alterações

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística

Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Receita Federal Procedimentos Aduaneiros Competitivos Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística 1 Mapa Geográfico de Serviços Aduaneiros 8,5 milhões de km² 16.886 km de fronteira terrestre 7.367 km

Leia mais

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Desafios Regulatórios: Visão dos Reguladores Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 29 de novembro de 2006

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Melhoria do Ambiente de Negócios

Melhoria do Ambiente de Negócios Melhoria do Ambiente de Negócios 1 Medidas adotadas APRIMORAMENTO DO SISCOMEX IMPORTAÇÃO Plataforma Web Melhorias e novas funcionalidades SISCOMEX EXPORTAÇÃO CARGA Melhorias em funcionalidades Mudança

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

Facilitação do Comércio Exterior. Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013

Facilitação do Comércio Exterior. Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013 Facilitação do Comércio Exterior Encontro Nacional de Comércio Exterior Enaex 2013 8,5 milhões de km2 16.886 Km de Fronteiras terrestres 7.367 Km de Orla Marítima 197 milhões de habitantes PIB de 2,39

Leia mais

Apresentação: Cesar Meireles, MSc.

Apresentação: Cesar Meireles, MSc. Apresentação: Cesar Meireles, MSc. Qual agenda positiva é necessária para ser discutida em ano eleitoral para alavancar novos investimentos? Sobreposição de funções institucionais. Racionalização dos papéis

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Portal Único de Comércio Exterior Programa Portal Único de Comércio Exterior É uma iniciativa de redesenho dos processos de trabalho e de desenvolvimento e integração

Leia mais

Apresentação: Cesar Meireles, MSc.

Apresentação: Cesar Meireles, MSc. Apresentação: Cesar Meireles, MSc. Questões Legais e Regulatórias Questões Tributárias, Fiscais e Burocráticas Questões de Governança Contra-medidas / Ações Essenciais Obstáculos à Multimodalidade no Brasil

Leia mais

Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT

Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT Carta do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos - USUPORT Os participantes do II Fórum Brasileiro de Usuários de Portos e Transporte, realizado em 11 de agosto de 2014, no Grande Hotel São Francisco,

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 e 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva

Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva Agenda 1 2 3 4 5 6 Situação Anterior Concepção do PSP Implantação do PSP Resultados e Benefícios Alcançados Dificuldades Encontradas

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob

Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob Quem Somos Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado) A AIV Auditoria Aduaneira

Leia mais

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14 Reforma Portuária Breakbulk South America 01.12.14 AGENDA 2 Reforma Portuária Desafios Oportunidades e Decisões das Empresas Expectativas EVOLUÇÃO DO MARCO REGULATÓRIO 3 1990 1993 2001 2007 2008 2013 EXTINÇÃO

Leia mais

CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO

CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO CONTROLE EXTERNO GOVERNANÇA A E DESENVOLVIMENTO Evento Tá na Mesa Federasul Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul Ministro João Augusto Ribeiro Nardes Presidente do TCU

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura Presidência da República Secretaria de Portos Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura 29 de junho de 2010 Subsecretário de Planejamento

Leia mais

Memória de Reunião. Data da Reunião: 07/03/2012 Horário: 10h00min às 12h58min Local: MDIC, 3º andar, sala 301.

Memória de Reunião. Data da Reunião: 07/03/2012 Horário: 10h00min às 12h58min Local: MDIC, 3º andar, sala 301. Memória de Reunião 1. Identificação da Reunião Data da Reunião: 07/03/2012 Horário: 10h00min às 12h58min Local:, 3º andar, sala 301. Líder da Reunião: Humberto Ribeiro / Luiz Carlos Ordem do dia: Reunião

Leia mais

SUB-PRODUTO 12.5 RELATÓRIO: RESULTADO DAS ENTREVISTAS (SUB-PRODUTO 12.4)

SUB-PRODUTO 12.5 RELATÓRIO: RESULTADO DAS ENTREVISTAS (SUB-PRODUTO 12.4) SUB-PRODUTO 12.5 RELATÓRIO: RESULTADO DAS ENTREVISTAS (SUB-PRODUTO 12.4) 1 CONTEÚDO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PERFIL DOS ENTREVISTADOS E FORMA DAS ENTREVISTAS... 4 III. RESULTADO DAS ENTREVISTAS... 5 III.1

Leia mais

do Transporte Aquaviário

do Transporte Aquaviário Principais dados da Pesquisa CNT do Transporte Aquaviário Cabotagem 2013 Pesquisa CNT do Transporte Aquaviário Cabotagem 2013 OBJETIVOS Pes Mensurar a importância econômica da cabotagem no Brasil. Identificar

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011

Aduana Brasileira. Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Aduana Brasileira Seminário Internacional sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos Recife, 22 a 24 de fevereiro de 2011 Exportação de Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos - REEE EUA exportam

Leia mais

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007 Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional Siscomex Carga PROCOMEX Brasília março de 2007 Cenário Contemporâneo Crescimento do comércio internacional; Preocupação com

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014

A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 A NAVEGAÇÃO DE CABOTAGEM COMO SOLUÇÃO DE LOGÍSTICA COSTEIRA PARA O BRASIL Thiago Gonçalves Maio de 2014 SOBRE LOG-IN QUEM SOMOS? Quem Somos Números 96% 96% DE REDUÇÃO EM EMISSÕES DE CO 2 EM RELAÇÃO AO

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito?

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? SESSÃO TEMÁTICA Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? Brasília, 17 de novembro de 2009 Perspectivas de Investimentos O Brasil está diante de uma oportunidade inédita para aumentar de

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS ESPEDITO SALES e CLELIA MAROUELLI Especialista em Regulação A AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Criada

Leia mais

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Apresentação para o Grupo Votorantim Brasília, 05 de maio de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela

Leia mais

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA Novo Marco Regulatório do Setor - Lei n 12.815, de 05/06/2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Audiência Pública Comissão

Leia mais

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática Planejamento da fiscalização no TCU Um novo paradigma em prática Competências do TCU(art. 70 e 71 da CF) Art. 70 - A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Especialização APRESENTAÇÃO O curso tem como objetivo

Leia mais

Seminário Internacional sobre Hidrovias

Seminário Internacional sobre Hidrovias Seminário Internacional sobre Hidrovias Estação de Transbordo de Cargas ETC Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte IP4 Navegação Interior Navegação Marítima e Apoio Portuário Esfera de atuação ANTAQ

Leia mais

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Salvador - BA, 10 de março de 2008 Regulação do transporte aquaviário e das atividades

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

Facilitações para o Comércio Exterior

Facilitações para o Comércio Exterior EXPORTAÇÕES POR ENVIOS POSTAIS Facilitações para o Comércio Exterior São Paulo 18 de novembro de 2009 José Barroso Tostes Neto Coordenação Geral de Administração Aduaneira FACILITAÇÕES PARA O COMÉRCIO

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR

SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR SISTEMA BRASILEIRO DE COMÉRCIO EXTERIOR Professor: Moacir HISTÓRICO Criado no final de 1953 a Carteira de Comercio Exterior conhecida como CACEX, do Banco do Brasil, substituindo a CEXIM. Tinha competências

Leia mais

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento.

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. 2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. A Evolução Clique para das editar Hidrovias o estilo Brasileiras do subtítulo mestre Visão da CNT Marcos Machado Soares Advogado e Diretor

Leia mais

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Ana Maria Pinto Canellas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Esfera de Atuação Navegação de Longo Curso; Navegação de Cabotagem; Navegação

Leia mais

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Data: 18/04/2013 Horário: 14 às 17h30 Local: Sede do Sistema FIESC Objetivo do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC: Incrementar e Promover

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional

2.8 Infraestrutura. Por que Infraestrutura? Comparação Internacional 2.8 Infraestrutura Por que Infraestrutura? Uma rede eficaz de transportes intermodal é fundamental para a competitividade da indústria. A logística eficiente permite a realização das entregas dos insumos

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS Rio de Janeiro 11 de Dezembro de 2012 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PSTM - Lei 12.187/2009,

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

A Atuação e Responsabilidades dos Órgãos Intervenientes no Licenciamento Ambiental

A Atuação e Responsabilidades dos Órgãos Intervenientes no Licenciamento Ambiental A Atuação e Responsabilidades dos Órgãos Intervenientes no Licenciamento Ambiental RENATA TWARDOWSKY RAMALHO Gerente de Licenciamento Ambiental da ALL Coordenadora do Comitê de Meio Ambiente da ANTF renatatr@all-logistica.com

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS

O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS REGULAÇÃO DO OPERADOR FERROVIÁRIO INDEPENDENTE (OFI) EXPOSIÇÃO NA CTLOG / MAPA BRASÍLIA, 07 DE MAIO DE 2014 Luis Henrique T. Baldez Presidente Executivo OBJETIVOS

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

Soluções em TI ao alcance de todos

Soluções em TI ao alcance de todos Você sabia que a sua prefeitura, independentemente do tamanho, pode ser beneficiada com o uso de mais de 50 aplicações que fazem parte do Portal do Software Público Brasileiro? Soluções em TI ao alcance

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR

PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR PROGRAMA PORTAL ÚNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR Programa Portal Único de Comércio Exterior Integração dos sistemas de controle dos órgãos governamentais que atuam no comércio exterior Visa otimizar e simplificar

Leia mais

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES Reestruturação do Setor de ESTRUTURA Transportes DE Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no, com

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio)

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) $ PREÇOS X CUSTOS Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) CUSTO PREÇO Sobrevivência das empresas depende de redução de custos t C TEMPO

Leia mais

Estratégias para Acelerar os Investimentos Públicos no Brasil

Estratégias para Acelerar os Investimentos Públicos no Brasil Estratégias para Acelerar os Investimentos Públicos no Brasil Ministro Paulo Bernardo Silva Brasília Novembro, 2009 O Brasil hoje Estável Inflação Relação dívida x PIB Taxa de juros Reserva cambial Dinâmico

Leia mais

aumentar a arrecadação?

aumentar a arrecadação? Como aumentar a arrecadação? Como economizar recursos públicos? Como modernizar a Gestão Pública? Como oferecer melhores serviços ao cidadão? Melhoria da Gestão com o uso de Tecnologia da Informação Melhore

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais RFB/SUARI/COANA/COFIA/DIDES Buenos Aires, 08 de novembro de 2011 Tópicos: 1. Panorama Atual do

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

Ferramentas para dirigir e administrar portos competitivos

Ferramentas para dirigir e administrar portos competitivos Ferramentas para dirigir e administrar portos competitivos Miami, 12 a 14 de fevereiro de 2007 Wilen Manteli Presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários - ABTP A ABTP Representação: mais

Leia mais

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Deputado Edson Ezequiel PMDB/RJ 19/05/2014 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Venho a esta tribuna para falar de um assunto altamente preocupante para o nosso país. Trata-se do CUSTO BRASIL,

Leia mais

Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG

Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG Conselho de Política Econômica Industrial - FIEMG Infraestrutura de transportes no Brasil: políticas para elevar a oferta e a eficiência dos modais de transporte PAULO RESENDE, Ph.D. Núcleo FDC de Infraestrutura,

Leia mais

PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS

PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS BRASÍLIA, 03 DE SETEMBRO DE 2014 Luis Henrique T. Baldez Presidente Executivo OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

Leia mais

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR SOLUÇÕES LOGÍSTICAS MODERNAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR 1 Maio de 2010 São Paulo (SP) LOGÍSTICA INTERNACIONAL Idéia inicial limitada a transporte: Local de Produção Local de Consumo

Leia mais

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Brasília, 29 de setembro de 2014 1 A Crise mundial reduziu os mercados Baixo crescimento do comércio mundial, principalmente

Leia mais