ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA"

Transcrição

1 29 REPARAÇÃO I. INTRODUÇÃO: A neutralização de agentes agressores leva a desorganização e destruição tecidual. Torna-se necessária uma segunda etapa dos mecanismos de defesa, caracterizada pela reorganização da área lesada. O reparo consiste na substituição das células e tecidos alterados por um tecido neoformado derivado do parênquima e/ou estroma do local injuriado. Se a reparação for feita principalmente pelos elementos parenquimatosos, uma reconstrução igual a original pode ocorrer (regeneração) mas, se for feita em grande parte pelo estroma, um tecido fibrosado não especializado será formado (cicatriz). Poderá ocorrer um ou outro processo ou os dois, dependendo de alguns fatores sendo os mais importantes: a capacidade dos elementos do parênquima se regenerarem e a extensão da lesão. O termo quelóide é usado para as cicatrizações hipertróficas que ocorrem comumente nos indivíduos da raça negra. Resumindo então, temos que o reparo pode ser pelo: PARÊNQUIMA - regeneração ESTROMA - cicatrização QUELÓIDE - cicatrização hipertrófica II. CÉLULAS LÁBEIS, ESTÁVEIS E PERMANENTES: As células do corpo podem ser divididas em 3 categorias de acordo com a capacidade de regeneração: lábeis, estáveis e permanentes. As lábeis são aquelas que continuam a se multiplicar durante a vida toda (células epiteliais, hematopoiéticas e linfóides). As estáveis normalmente não se dividem, contudo têm a capacidade de proliferar quando estimuladas (são as células das glândulas como: fígado, pâncreas, salivares, endócrinas e as células derivadas do mesênquima como fibroblastos, osteoblastos). As permanentes são aquelas que perderam totalmente a capacidade de se dividir, como as células do sistema nervoso central e músculo. Uma reconstrução original da área lesada só poderá ocorrer se as células afetadas forem do tipo lábil ou estável porque se for do tipo permanente, ocorrerá a substituição por tecido conjuntivo. O processo de reparo pode ser dividido em duas grandes classes, que são a REGENERAÇÃO e a CICATRIZAÇÃO. III. REGENERAÇÃO (regenerar = re-produzir, ou produzir de novo): Compreende o processo onde o tecido lesado é reposto por células da mesma origem daquelas que se perderam. É necessário que se faça aqui a distinção entre a regeneração de tecido previamente lesado e a regeneração dita "fisiológica", que significa a reposição de células tais como as células do sangue e do epitélio, que são destruídas normalmente. Diariamente ocorre a substituição de 2% de células do organismo, isto representa células e cerca de 1Kg. Na boca a reparação ocorre rapidamente, talvez devido a participação da saliva, que umidecendo a superfície da lesão não permite a formação da crosta. Deve-se também considerar a elasticidade da mucosa bucal, permitindo maior contração do tecido, visto que nas mucosas móveis a reparação é mais rápida do que nas mucosas mastigatórias. Na pneumonia lobar ocorre intenso acúmulo de células inflamatórias, com destruição dos pneumócitos, mas os vasos e a arquitetura são preservados, permitindo a regeneração. Fica claro que a regeneração restitui à área lesada a completa normalidade, tanto morfológica quanto funcional; seria portanto ideal que todo o processo de cura se efetuasse pela regeneração. IV. CICATRIZAÇÃO: A cicatrização é a substituição do tecido lesado por tecido conjuntivo fibroso. Para que a cicatrização se efetue são necessárias a eliminação do agente agressor, a ativa manutenção do potencial de proliferação das células, complementadas pela irrigação e nutrição suficientes. Como a cicatrização por tecido fibroso é constituída por tecido mais simples e mais primitivo do que os

2 30 tecidos que ela substitui, essa cicatrização implica na perda permanente da função fisiológica da região comprometida. Dessa maneira, a cicatrização de uma região cardíaca, após um infarto, reduz a função do órgão, sendo a cicatriz uma marca residual permanente e irreversível. As cicatrizes via de regra se hialinizam e perdem a elasticidade devido a pobreza em fibras elásticas. Dada a grande variedade de situações onde ocorre a cicatrização, é evidente que esse processo pode diferir na razão direta dessas situações. Didaticamente, pode-se considerar dois tipos básicos de cicatrização: a primária (ou por 1ª intenção) e a secundária (ou por 2ª intenção). 1- Cicatrização por 1ª intenção: Também chamada de união primária, tem importância principalmente em cirurgia e em ferimentos. É o tipo mais simples de reparação que pode ocorrer. O exemplo mais comum é a incisão cirúrgica feita com bisturi e posterior sutura dos bordos. A incisão leva a morte de células epiteliais, assim como de elementos do tecido conjuntivo. Uma vez feita a sutura o espaço entre os bordos é reduzido e fica cheio de coágulo. A fibrina formada induz a migração e serve de matriz para a proliferação de fibroblastos e angioblastos, que vão formar o tecido de granulação. Geleias de fibrina induzem a fibroplasia e angiogênese. Inicia-se uma inflamação aguda com exsudato principalmente de neutrófilos e posteriormente de mononucleares. Ao mesmo tempo fibroblastos e angioblastos proliferam a partir dos bordos e começam a invadir a área inflamada dando origem a um tecido rico em fibroblastos e vasos neoformados conhecido como tecido de granulação. Inicialmente é um tecido altamente celular mas com a contínua produção de fibras colágenas tornase menos celular e dentro de algum tempo a área está ocupada por um tecido pouco celularizado e vascularizado, rico em fibras, constituindo a cicatrização, marcando para sempre o local da incisão cirúrgica. O epitélio de revestimento da pele ou da mucosa bucal tem grande capacidade de proliferação, recobrindo rapidamente a área alterada. A proliferação não contínua de células epiteliais é controlada por fatores do crescimento celular, e esta é uma das diferenças importantes em relação ao que ocorre nos carcinomas. 2- Cicatrização por 2ª intenção: Também chamada de união secundária, ocorre quando a área lesada é mais extensa e os bordos não podem ser coaptados por sutura, como por exemplo em úlceras, abcessos ou então devido a contaminação de uma incisão cirúrgica. O processo básico é o mesmo que na união primária, diferindo apenas por ser a área lesada maior e ter grande quantidade de exsudato inflamatório e restos necrosados. O tecido de granulação vai se proliferando a medida que a área vai sendo limpa. A cicatrização por segunda intenção ocorre inevitavelmente com a formação de grande quantidade de tecido cicatricial. A formação excessiva de tecido cicatricial pode provocar uma protuberância no local, como ocorre freqüentemente nos negros, sendo o processo chamado de quelóide. A união secundária difere da primária por: l. Perda de grande quantidade de tecido 2. Presença de uma maior quantidade de restos necróticos e exsudato inflamatório 3. Formação de maior quantidade de tecido de granulação 4. Produção de cicatriz mais extensa V. TECIDO DE GRANULAÇÃO: A resposta dos tecidos à injúria é um acúmulo de células inflamatórias na região atingida. Dentro das primeiras 24 horas, estas células acumuladas são principalmente polimorfonucleares. Posteriormente, os macrófagos tornam-se mais numerosos, e por volta do 3º dia, os fibroblastos começam a proliferar. Novos capilares avançam para a zona lesada, enquanto material extracelular, produzido pelos fibroblastos, começa a acumular-se. Este conjunto de células, material extracelular (fibras e componentes da substância fundamental) e vasos neoformados constituem o tecido de

3 31 granulação jovem. O tecido de granulação se caracteriza macroscopicamente pelo aspecto róseo granular, e microscopicamente pela proliferação de vasos e fibroblastos. Com o passar do tempo, este tecido de granulação modifica-se paulatinamente, tornando-se maduro e adquirindo aspectos e funções diferentes daqueles dos primeiros dias. É importante que se estude detalhadamente os diversos passos deste processo. Os gráficos abaixo são dos trabalhos do Dr. R. Ross que estudou a presença de células, vasos e fibras na reparação de pele de cobaias. Inicialmente além de fibrina, predominam neutrófilos e macrófagos e posteriormente fibroblastos. A medida que aumenta a quantidade de colágeno, diminui o número de células e vasos. O colágeno inicialmente formado é do tipo III, que é substituído pelo tipo I. a) Fibroblastos: As principais atividades do fibroblasto na inflamação são: a) síntese de substância fundamental e fibras. b) fagocitose de fibrilas de colágeno. c) contração tecidual durante a cicatrização- miofibroblastos d) erupção dental b) Fatores de crescimento: São fatores que estimulam a proliferação celular. 0l) EGF - Fator de Crescimento Epidérmico: polipeptídio de daltons. Mitogênico para células epidérmicas e fibroblastos. 02) PDGF - Fator de Crescimento Derivado das Plaquetas: Proteína altamente catiônica armazenada nos grânulos α das plaquetas e liberado na ativação plaquetária. Também é produzido por macrófagos, endotélio, células tumorais. Estimula proliferação de fibroblastos e céls musculares lisas. 03) FGF - Fator de crescimento dos Fibroblastos: estimula fibroblastos e angiogênese. 04) TGFα e TGFβ - Fatores de Crescimento Transformadores: Acreditava-se que transformavam células normais em malignas. O TGFα tem propriedades semelhantes ao EGF. O TGFβ é um inibidor da proliferação celular. Estimula produção de colágeno e fibronectina, e inibe degradação do colágeno, favorecendo a fibrogênese. O TGFβ pode ser produzido por várias células, como plaquetas, endotélio, LT, macrófagos. 05) IL-1 e FNT - fator de necrose tumoral: Participam da remodelação do tecido conjuntivo. 06) Inibidores do crescimento TGFβ, α-interferon, PGE2, Heparina. Inibem fibroblastos. 07) Os macrófagos podem secretar: PDGF, FGF, IL-1, FNT ou inibidores como TGFβ, PG.

4 32 Vários fatores que estimulam a proliferação de fibroblastos e angioblastos na inflamação crônica. Alguns são citados no quadro abaixo: PDGF FGF TGF TGFα IL-1 β EGF FNT Angiogênese Mitogênese Fibroblasto Endotélio Síntese de colágeno +? +? + VII. REPARAÇÃO ALVEOLAR PÓS-EXTRAÇÃO: O processo de reparo de alvéolos dentais pós-extração é assunto relativamente bem estudado por meio de estudos experimentais em animais de laboratório, especialmente cães e macacos, cujas particularidades anatômicas aproximam-se das do ser humano. Assim, pode-se descrever o reparo alveolar pós-extração da seguinte maneira: Decorridas 24 horas da extração do dente, o alvéolo encontra-se preenchido por coágulo sangüíneo, formado por malha de fibrina. A superfície da ferida alveolar é formada por camada necrótica contendo polimorfonucleares e bactérias, contidos dentro de uma depressão pouco pronunciada. No 3º dia, pode-se notar, histologicamente evidências de organização do coágulo. A malha de fibrina e as células sangüíneas começam a ser substituídas por tecido de granulação, no qual fibroblastos e vasos neoformados estão em franca proliferação. Estes aspectos são evidentes no fundo do alvéolo, a partir de remanescentes da membrana periodontal que permaneceram após a extração. Assim, é preciso destacar a importância desses remanescentes no processo de reparo alveolar, pois é deles que se inicia a proliferação do tecido de granulação no fundo do alvéolo. Aos 5 dias, a infiltração do coágulo por componentes do tecido de granulação é bastante evidente, bem como a presença de osteoclastos (células que reabsorvem tecido ósseo) próximos à crista alveolar e nos espaços medulares do osso alveolar. O tecido de granulação ocupa cerca de um quarto do fundo do alvéolo, não havendo nessa região mais nenhum sinal de coágulo, que permanece nos três quartos superiores do alvéolo, até a superfície. Nesta, o epitélio das margens da ferida está sob intensa proliferação, mas a ferida ainda não está completamente coberta por ele. Uma semana depois, o epitélio está recobrindo a ferida. A substituição do coágulo por tecido de granulação toma três quartos do alvéolo. Aos 11 dias pós-extração o epitélio recobre, e o tecido de granulação preenche o alvéolo, com a produção de fibras de colágeno sendo bastante evidente. No fundo do alvéolo, começam a se tornar evidentes os primeiros sinais de ossificação. Após 16 dias, a ossificação que ocorre no seio do tecido de granulação é bastante ativa, com as trabéculas ósseas atingindo a metade do alvéolo. Uma semana depois, aos 23 dias, a ossificação está em plena fase de amadurecimento das trabéculas ósseas, com os espaços medulares, que ao início do processo eram amplos, tornando-se progressivamente mais estreitos. Apenas uma pequena porção mais superficial do alvéolo ainda não está sofrendo ossificação. A fibromucosa gengival sobre o alvéolo, está reconstituída. Depois de 30 dias, o alvéolo está completamente reparado, através do seu preenchimento por tecido ósteo-fibroso. Nos dias que se seguem, ocorre a completa remodelação e amadurecimento do novo tecido que preenche o alvéolo, até que, aos 40 dias, o processo está terminado. Em síntese, os seguintes eventos da reparação alveolar pós-extração são significativos: a) Hemorragia e subsequente preenchimento do alvéolo por coágulo sangüíneo; b) Organização do coágulo desde o 3º até o 11º dia. Ao fim deste período, a proliferação epitelial acaba por cobrir por completo a ferida alveolar.

5 33 c) Ainda por volta do 11º dia inicia-se o processo de ossificação que se completa aos 40 dias; d) Paralelamente às atividades formativas pode-se observar atividades de reabsorção osteoclástica, necessárias para a remodelação da região. e) Os remanescentes da membrana periodontal são importantes para o início da proliferação do tecido de granulação que procederá à reparação do alvéolo. f) Por volta dos 11 dias a superfície da ferida está recoberta por epitélio e a mucosa oral sobre o alvéolo está reconstituída. VI. REPARAÇÃO DE NERVOS, MÚSCULOS, OSSO E TENDÃO: NERVOS: Quando ocorre a reparação dos nervos o processo é de regeneração. Como as células do sistema nervoso não se multiplicam, a regeneração ocorre pela neoformação do axônio e isto só é possível quando o corpo celular não sofreu necrose. A degeneração da porção distal do axônio é chamada de degeneração Walleriana. Se o corpo celular sofreu lesão irreversível a regeneração não se processa, podendo ocorrer uma cicatrização da área. O axônio lesado prolifera usando o caminho deixado pela fibra lesada, sendo portanto importante a preservação do endoneuro. Se, por exemplo, o nervo ciático de camundongos é seccionado, e as extremidades são presas com fio de nylon num tubo de 5 a 6mm de comprimento, deixando um espaço entre as extremidades do nervo de 4-5mm, há regeneração das fibras motoras e sensitivas. Inicialmente há formação de fibrina, seguida da proliferação de células endoteliais, fibroblastos, células de Schwann e finalmente por fibras nervosas. As fibras mielinizadas aparecem após 4-6 semanas. O preenchimento do tubo com laminina parece acelerar a regeneração das fibras. No Sistema Nervoso Central, o potencial de crescimento é provavelmente similar ao dos nervos periféricos mas a proliferação glial é usualmente uma barreira para a regeneração. Mesmo após anatomicamente regeneradas, as fibras nervosas levam ainda algum tempo para retornar à função da inervação original. A neoformação das placas motoras é possível sob algumas condições, bem como a neoformação de terminações sensoriais. O tempo requerido para a regeneração das fibras nervosas é variável. Nervos esmagados em coelhos, começam a regenerar-se após 5 dias, e os axônios crescem a uma taxa de 3-4mm por dia, enquanto os nervos seccionados iniciam a regeneração após 7 dias e crescem 2-3mm por dia. No homem as taxas de crescimento dos nervos são menores do que na maioria dos animais. Reparação no SNC Lesões no cérebro não são reparadas por fibroblastos, mas sim por astrócitos. O tecido necrótico é substituído por astrócitos que formam fibras gliais (gliose). Se a lesão for mais pronunciada, há formação de cavidade contendo liquido (cisto), envolvida por astrócitos e fibras gliais. MÚSCULOS O tecido muscular liso tem capacidade de regeneração, embora áreas extensas sofram reparação por cicatrização. A regeneração do músculo liso pode ser observada especialmente em duas condições: regeneração de pequenas áreas da mucosa intestinal e proliferação de vasos neoformados. A capacidade de regeneração do músculo estriado é muito limitada, podendo-se dizer que a capacidade de regeneração do músculo cardíaco é inexistente. Deve-se lembrar, entretanto, que as células musculares estriadas podem apresentar hipertrofias acentuadas. Devido a reparação incompleta do tecido muscular do abdômen, é comum após cirurgias abdominais a formação de hérnias. As hérnias são projeções de vísceras devido a pressão abdominal nas áreas de enfraquecimento do tecido muscular. Hérnias inguinais e umbilicais são bons exemplos. Também pode ocorrer a protusão de um órgão para uma cavidade natural, como a vagina, no prolapso uterino.

6 34 OSSO: Enquanto o tecido ósseo pode ter uma reparação sem maiores complicações, a cartilagem pode formar um tecido desorganizado levando à lesões irreversíveis. Portanto, enquanto a fratura da tíbia pode voltar ao normal, a ruptura da cartilagem do joelho ou as alterações da cartilagem na artrite podem ser irreversíveis. Na reparação óssea os seguintes passos ocorrem: REDUÇÃO DA FRATURA: para facilitar o processo de reparação e para evitar deformidades, os fragmentos da região fraturada são aproximados. Este processo é chamado de redução da fratura. Fatores predisponentes à fratura óssea: - osteoporose (fêmur, coluna vertebral) - osteomalácia (fraturas pequenas, mas não são substituídas) - doença de Paget - tumores primários e metástases - osteogênese imperfeita ESQUEMA DA REPARAÇÃO: Agressão Exsudato sem necrose Necrose reabsorção fibrose cicatricial cels estáveis ou lábeis cels permanentes (lesão térmica leve) (pericardite fibrinopurulenta, peritonite) estroma preservado estroma destruído fibrose (infarto do coração) regeneração fibrose (pneumonia lobar) (abscesso) VIII. FATORES QUE PARTICIPAM DA REPARAÇÃO: SISTÊMICOS: a) Condições Fisiológicas do Indivíduo: Em geral os pacientes jovens apresentam capacidade de reparação maior, isto devido principalmente à presença de melhor suprimento sangüíneo no local afetado. b) Nutrição: Proteína e Vit. C: Já que a reparação é feita por tecido neoformado, a nutrição é fator importante, entretanto apenas uma deficiência protéica grave, envolvendo principalmente cisteína e metionina, pode retardar a reparação. A deficiência de vitamina C retarda a reparação devido as alterações na síntese de fibras colágenas. Na expedição de Scott ao Polo Sul, pouco depois do início do século, foram realizadas várias tentativas para descobrir quais das latas de conserva continham a "infecção" que causava o escorbuto. Na viagem de Vasco da Gama, contornando o Cabo da Boa Esperança, em 1497, cerca de 2/3 da tripulação morreu de escorbuto. A Vit. C atua na transformação de prolina em hidroxiprolina. A maioria das espécies sintetizam Vit. C, através da enzima L- gulonolactose oxidase. Isto não ocorre com o homem, macaco e cobaia, que portanto podem apresentar escorbuto. No escorbuto há tendências para hemorragias gengivais e dificuldades no processo de reparo, devido a não formação adequada de colágeno. Periodonto de macacos com escorbuto contém cerca de 40% menos colágeno em relação ao de animais normais, podendo ter mobilidade dental, desorganização das fibras e reabsorção óssea. Há alterações degenerativas nos fibroblastos devido a não secreção normal de colágeno, levando a formação inadequada da substância

7 35 intercelular. Muitas enzimas como as metaloproteinases e polimerases do DNA e RNA são dependentes de Zinco. A cicatrização da ferida fica retardada nos pacientes deficientes de Zinco. c) Diabetes: Além da possível diminuição na síntese protéica, um fator relevante é a alteração dos vasos na diabetes. d) Esteróides: Um dos mecanismos de ação dos glicocorticóides pode ser o aumento de produção das lipocortinas, que inibem a fosfolipase A2, importante para liberação do acido. aracdonico. LOCAIS: a) Suprimento Sangüíneo: Como todo o processo inflamatório, a reparação depende do suprimento sangüíneo local. O reparo não se faz ou é feito com demora em áreas mal irrigadas, como por exemplo na arterioesclerose acentuada. Na cabeça do fêmur e escafóide (pulso) pode haver necrose avascular (mesmo sem trauma evidente) b) Presença de Corpo Estranho: A presença de qualquer corpo estranho impede que haja a reparação pois é um estímulo constante para a inflamação. O tecido necrosado (infarto) é estímulo para a inflamação e deve ser removido. c) Mobilidade: Nos casos de reparação óssea é importante que haja uma imobilização e redução da fratura. Em tecidos moles a imobilização também parece ajudar a reparação. d) Extensão da lesão e) Natureza do Tecido Lesado f) Infecção OBS.: Nos hemofílicos não há nenhum fator específico que retarda a reparação. Dependendo da severidade da hemofilia há hemorragias espontâneas, particularmente nas articulações. O coágulo age como episódios recorrentes, pode haver deformidades das articulações. Nas cirurgias, como extração dentária deve-se considerar o risco de hemorragia e o tratamento pré-cirúrgico.

8 36 Objetivos - Reparação: - Conceitue reparação, regeneração e cicatrização. - Exemplifique células lábeis, estáveis e permanentes. - Quais as diferenças entre cicatrização por 1 a e 2 a intenção. - Que é tecido de granulação e quais suas principais características morfológicas - Cite e descreva as principais etapas da inflamação e cicatrização na pele após um corte (com ou sem) contaminação. - Esquematize num gráfico a dinâmica de acúmulo de fibrina, neutrófilos, linfócitos, macrófagos, fibroblastos e de formação de vasos e colágeno numa lesão de pele causada por incisão, sem contaminação bacteriana. Coloque na ordenada a quantidade e na abscissa o tempo em dias. - Cite as principais atividades do fibroblasto na inflamação e cicatrização. - Que são fatores de crescimento. Exemplifique citando o nome e a função. - Descreva o processo de reparação alveolar após a extração dental. - Compare a reparação do fêmur fraturado e cicatrização da pele. - Discuta reparação de nervos, músculos e cartilagem. - Comente reparação do SNC. - Conceitue hérnia e como pode se desenvolver após cirurgias. - Que é redução de fratura óssea. - Cite os fatores predisponentes à fratura óssea. - Esquematize o resultado final da reparação tecidual, após uma agressão, considerando que o tecido sofreu ou não necrose (não considere a evolução para inflamação crônica). - Discuta os efeitos da desnutrição protéica e de vitamina C no processo de reparo. - Comente processo de reparo em pacientes diabéticos. - Cite os fatores locais que facilitam ou dificultam o processo de reparo.

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

Patologia Geral. Regeneração e Cicatrização

Patologia Geral. Regeneração e Cicatrização Patologia Geral Regeneração e Cicatrização Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Reparo de lesões Reparo é o processo de cura de lesões teciduais e pode

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko REPARAÇÃO M.Sc Isabela Brcko Conceito: "Processo de reposição do tecido destruído observado após a extinção dos agentes flogísticos Objetivo: restaurar o tecido a seu estado natural A reparação pode acontecer

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

III. 4 - Tecido Ósseo

III. 4 - Tecido Ósseo Capítulo 2: Parte 4 1 III. 4 - Tecido Ósseo É um tecido conjuntivo resistente em virtude da impregnação da sua substância fundamental pelos sais de cálcio, principalmente o fosfato e o carbonato de cálcio.

Leia mais

REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração

REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração 1. INTRODUÇÃO REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração Perda células (necrose, inflamação, traumatismo) restituição ou reparação Inicia durante ou ao final do Processo Inflamatório Finalidade: restabelecimento

Leia mais

Histologia animal. Equipe de Biologia

Histologia animal. Equipe de Biologia Histologia animal Equipe de Biologia Tipos de tecidos animais Tecidos epiteliais Tecidos conjuntivos Tecidos musculares http://www.simbiotica.org/tecidosanimal.htm Tecido nervoso Tecidos epiteliais Apresenta

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

Regeneração e Cicatrização

Regeneração e Cicatrização Aula de Biopatologia Regeneração e Cicatrização Prof. Fernando Schmitt Aula desgravada por: Rita Mendes e Chiara Rodriguez 16 de Outubro de 2006 A cicatrização e regeneração não são processos degenerativos,

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea André Montillo UVA Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea O Tecido ósseo é o único que no final de sua cicatrização originará tecido ósseo verdadeiro e não fibrose como os demais tecidos

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão

TECIDO CONJUNTIVO. derme tendão TECIDO CONJUNTIVO derme tendão Tecido adiposo cartilagem sangue osso http://medinfo.ufl.edu/~dental/denhisto/lecture_materials/conntiss1_07_nxpowerlite_1.ppt Tecido Conjuntivo Característica: vários tipos

Leia mais

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Reparação Prof. Raimundo Tostes Reparação Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas

Leia mais

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS Por Dr.Marcelo Bonanza PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS O que é a aplicação de Plasma Rico em Plaquetas? As Plaquetas são formadas a partir do Megacariócito que tem origem na medula óssea. Cada Plaqueta guarda

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO HISTOLOGIA 2011/12 PROFESSOR PEDRO CÂMARA FUNÇÕES FUNÇÕES DOS S MECÂNICA SUPORTE DUREZA ARQUITECTURA INTERNA MOVIMENTO

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO 28/07/2015. Origem mesodérmica; Grande quantidade de substância intercelular: Profº Fernando Teixeira @biovestiba. Vascularizado.

TECIDO CONJUNTIVO 28/07/2015. Origem mesodérmica; Grande quantidade de substância intercelular: Profº Fernando Teixeira @biovestiba. Vascularizado. TECIDO CONJUNTIVO Origem mesodérmica; Profº Fernando Teixeira @biovestiba Grande quantidade de substância intercelular: o Substância fundamental; o Proteínas colágenas ou elásticas; Vascularizado. Preenchimento;

Leia mais

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Professora Daniele Domingues Anatomia da Pele Anatomia da Pele Pele é o maior órgão do corpo humano. É composta por 2 camadas:

Leia mais

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br

Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br M!K! Consolidação Óssea www.ortopediausp.med.br Objetivos Tipos de consolidação: Primária e Secundária Tipos de estabilidade: Absoluta e Relativa O Osso 1 Estrutura Óssea OSTEOCLASTOS OSTEOBLASTOS MATRIZ

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema Tecido Conjuntivo Prof Leonardo M. Crema Variedades de Tecido Conjuntivo Propriamente dito (frouxo, denso modelado e não modelado) Com propriedades especiais (tecido elástico, reticular, adiposo, mielóide,

Leia mais

Níveis de. Organização do. Corpo Humano

Níveis de. Organização do. Corpo Humano Níveis de Organização do Corpo Humano No corpo humano existem vários grupos de células semelhantes entre si. Cada grupo constitui um TECIDO Semelhança de forma: todas destinam-se a uma função específica.

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO Poucas células, encontram-se separadas; Presença de grande quantidade de substância intercelular; Substância intercelular ou matriz extracelular Substância fundamental amorfa:

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com

Anatomia do Periodonto. Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Anatomia do Periodonto Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo,, DDS, MDSc,, PhD cmfigueredo@hotmail.com Periodonto Normal Anatomia macroscópica Anatomia microscópica Anatomia macroscópica Gengiva Ligamento

Leia mais

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula:

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula: TECIDO EPITELIAL Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo Característica principal: Células justapostas, permitindo a existência de pouco material

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

C O NJUNTIVO D I C E T

C O NJUNTIVO D I C E T C NJUNTIVO TECIDO ORIGEM EMBRIONÁRIA Mesoderma OBS.: Os tecidos conjuntivos da cabeça se originam das células das cristas neurais (neuroectoderma). CARACTERISTICAS MORFOLÓGICAS Formado por inúmeros tipos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa:

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa: 1 - A respeito da inflamação crônica, analise as assertivas a seguir: I) A inflamação crônica sempre tem início após a inflamação aguda. II) A inflamação crônica inespecífica é observada em resposta à

Leia mais

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares:

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: Capítulo 1: Parte 3 1 II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: O epitélio que participa principalmente da secreção está geralmente disposto em estruturas denominadas glândulas. As substâncias

Leia mais

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL ANIMAL Módulo 12 Página 15 à 36 FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS TECIDOS = Conjunto

Leia mais

3º PROVA PATOLOGIA GERAL

3º PROVA PATOLOGIA GERAL 1 - A imunoterapia tem sido usado no tratamento de tumores e em alguns casos com sucesso significativo, meios de imunização ativo e passivo foram empregados para estimular o sistema imune. A melhor resposta

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Disciplina: Patologia Oral Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Parte 2 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 ALTERAÇÕES DA POLPA, DO PERIÁPICE E DO PERIODONTO PATOLOGIA

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve:

1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve: Enfermagem Perioperatória Período Pós-Operatório Tardio Enfermagem Perioperatória Admissão do Utente na U.C.Intermédios 1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve: Observar Estado Respiratório:

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 1ª TURMA(S):

Leia mais

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade.

Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos observar os sistemas de Havers e os sistemas intermediários com facilidade. 1. Tecido Ósseo Compacto desgastado Material: Diáfise de osso em corte transversal Técnica: Desgaste com a utilização de disco de Carborundum Observação com aumento total de 100x: Neste aumento poderemos

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função.

Histologia Animal. multicelularidade. tecido. parazoários eumetazoários. conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal multicelularidade parazoários eumetazoários tecido conjunto de células afins que atuam no desempenho de uma determinada função. Histologia Animal Nos vertebrados, quatro tipos principais:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante

Tecido conjuntivo. Células. Matriz Extracelular (MEC) Abundante Células Tecido conjuntivo Matriz Extracelular (MEC) Abundante Tecido conjuntivo I Matriz Extracelular (MEC) Tipos de tecido conjuntivo Tecido conjuntivo II Células residentes Células transitórias Tecido

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Qual é a Menor Unidade Viva? Célula Qual é a Menor Unidade Viva? Tecidos Órgãos Aparelhos Sistemas Célula Células Tecidos Órgãos Sistemas ou Aparelhos Sistemas ou

Leia mais

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br

Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. www.institutododelta.com.br Como citar este documento: Vasconcelos, DFP. Roteiro para Aula Prática de Histologia Básica. Disponível em:, acesso em: (coloque a data aqui). ROTEIRO PARA AULA PRÁTICA DE HISTOLOGIA BÁSICA Roteiro de

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR

CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR CÉLULAS-TRONCO E A DIFERENCIAÇÃO CELULAR Plano de Aula -Desenvolvimento embrionário -Diferenciação celular -Células-tronco em diversos tecidos - Profª Juliana Schmidt

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Cirurgiã-Dentista CONCEITO: PERIODONTIA Especialidade Odontológica que estuda os tecidos normais e as doenças do sistema de implantação e sustentação dos

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Tecido Epitelial Glandular

Tecido Epitelial Glandular Tecido Epitelial Glandular Revestimento Glandular Tecido epitelial É constituído por células epiteliais especializadas na atividade de secreção As moléculas a serem secretadas são armazenadas em grânulos

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA

TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA TECIDOS EPITELIAIS HISTOLOGIA Tecidos: Células justapostas, nas quais o material intersticial é escasso ou inexistente. TECIDOS EPITELIAIS FUNÇÕES: PROTEÇÃO ABSORÇÃO E SECREÇÃO DE SUBSTÂNCIAS PERCEPÇÃO

Leia mais

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Anteriormente... Zigoto Mórula Blástula Gástrula Neurula Organogênese Anexos embrionários Gêmeos Dos

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS TECIDO CONJUNTIVO células pouco numerosas e bastante espaçadas Substância intercelular composição varia de acordo com o tipo de tecido, ex: derme: há uma substância gelatinosa que dá resistência e elasticidade

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre

ESTUDO BASE 8 ANO. Prof. Alexandre ESTUDO BASE 8 ANO Prof. Alexandre FORMA E FUNÇÃO Natureza FORMA E FUNÇÃO Artificiais FORMA E FUNÇÃO Todos os objetos apresentam uma relação intíma entre sua forma e função Relação = FORMA/FUNÇÃO BIOLOGIA

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo Tecido Conjuntivo Tecido com diversos tipos de células c separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. - Origem: mesênquima (derivado do mesoderma); conjuntivo Coloração depende muito

Leia mais

Tecido conjuntivo 1º ano Pró Madá Componentes da matriz extracelular A matriz é uma massa amorfa, de aspecto gelatinoso e transparente. É constituída principalmente por água e glicoproteínas e uma parte

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

INFLAMAÇÃO. Processos Imunológicos e Patológicos PROCESSO INFLAMATÓRIO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA Processos Imunológicos e Patológicos INFLAMAÇÃO Prof.: Hermínio M. da R.Sobrinho PROCESSO INFLAMATÓRIO A inflamação constitui uma resposta imune

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia

Atresia... TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO E DA DIFERENCIAÇÃO CELULAR. Agenesia, aplasia, atresia e hipoplasia PATOLOGIA GERAL CRESCIMENTO E DIFERENCIAÇÃO CELULAR VETERINÁRIA INDISPENSÁVEIS PARA OS SERES VIVOS CRESCIMENTO - multiplicação celular formação normal dos organismos e reposição TRANSTORNOS DO CRESCIMENTO

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo TECIDO CONJUNTIVO Embrionário - Conjuntivo Propriamente Dito - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo Origem Embrionária Mesoderma Células Mesenquimais Funções Gerais Fornecer suporte estrutural

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito)

TECIDO CONJUNTIVO. (tecido conjuntivo propriamente dito) Definições gerais Estabelece conexões e une os demais tecidos; Sustentação e manutenção da forma (estroma); Caminho para vasos e fibras nervosas; Origem: Mesoderma Características gerais formado por matriz

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular

Dra. Maria Izabel Gallão. Matriz Extracelular Matriz Extracelular - a matriz extracelular (MEC) corresponde aos complexos macromoleculares relativamente estáveis, formados por moléculas de diferentes naturezas que são produzidas, exportadas e complexadas

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO

EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO www.iaci.com.br BIOLOGIA Iaci Belo EPITELIAL CONJUNTIVO MUSCULAR NERVOSO Células justapostas com pouco material intercelular Ausência de vasos sanguíneos ou nervos Funções de revestimento e secreção NARINAS

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular

Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular DISCIPLINA DE PATOLOGIA Prof. Renato Rossi Jr Unidade 1 Adaptação e Lesão Celular Objetivo da Unidade: Identificar e compreender os mecanismos envolvidos nas lesões celulares reversíveis e irreversíveis.

Leia mais

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE O sangue é um tecido conectivo especializado constituído por diferentes tipos celulares em suspensão em um meio líquido denominado de plasma. Funciona primordialmente

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / /

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / / Resumo de fisiologia Sistema Nervoso Nome: Curso: Data: / / 1 - Organização dos tecidos biológicos CÉLULA TECIDO ORGÃO SISTEMA - SER 2 - Estrutura Do Sistema Nervoso Características a. Apresenta-se com

Leia mais