EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO SETOR DE CARVÃO MINERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO SETOR DE CARVÃO MINERAL"

Transcrição

1 EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO SETOR DE CARVÃO MINERAL Leandro Fagundes, Eng. Minas, P&D Gerente, Cleber José Baldoni Gomes, Eng. Minas, SIECESC Gerente Luciane Garavaglia, Geóloga, CTCL/SATC Colaboradora Mirlene Meis Amboni, Eng. Civil, CTCL/SATC Colaboradora RESUMO Este trabalho apresenta as estimativas das emissões de gases de efeito estufa (GEE) do setor de carvão mineral no Brasil para os períodos de 1990 a 2005 (I e II Inventário Nacional), com base nas diretrizes do painel intergovernamental sobre mudança do clima (IPCC). O estudo foi elaborado em parceria pelo programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD), o fundo global para o meio ambiente (GEF), a Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM) e os sindicatos Nacional e de Santa Catarina da Indústria de Extração de Carvão (SNIEC e SIECESC), no âmbito do Projeto BRA/95/G31, conforme solicitação da Coordenação Geral de Mudanças Globais do Ministério da Ciência e Tecnologia. As estimativas compreendem as emissões fugitivas de metano das minas a céu aberto e subterrâneas, bem como as emissões de CO 2 dos depósitos de carvão e pilhas de rejeitos. Palavras-chave: Mineração; carvão mineral; mudanças climáticas; gases de efeito estufa (GEE). ABSTRACT This report presents the estimates of greenhouse gas (GHG) emissions from the coal industry in Brazil for the period 1990 to 2005 (I and II National Inventory), based on the Guidelines of the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC). The present report has been developed in partnership by the United Nations Development Program (UNDP), the Global Environment Facility (GEF), the Brazilian Coal Association (ABCM) and the Brazilian Coal Industry Extraction Union (SNIEC and SIECESC), under the Project BRA/95/G31 by request of the Ministry of Science and Technology through its General Coordination on Global Changes. The estimates include fugitive emissions of methane from open pit and underground mines as well as CO 2 emissions from coal deposits and waste piles. Keywords: Mining; coal; climate change; greenhouse gas (GHG).

2 INTRODUÇÃO A produção de carvão mineral no Brasil ocorre nos três estados do sul do país, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Considerando as reservas lavráveis, temos o seguinte quadro de distribuição para o Brasil, conforme a tabela 1. Tabela 1 Reservas minerais de carvão mineral no Brasil por estado. RIO GRANDE DO SUL - RS SANTA CATARINA - SC PARANÁ - PR BRASIL 5.375,6 x 10 6 ton ,6 x 10 6 ton. 6,6 x 10 6 ton ,8 x 10 6 ton. 81,5 % 18,4 % 0,1 % 100 % Fonte: Anuário Mineral Brasileiro (2005). DNPM/MME. Em relação aos municípios com jazidas minerais identificadas temos o quadro de 63,6% no Rio Grande do Sul com um total de 28 municípios, 27,3% em Santa Catarina com um total de 12 municípios e 9,1% no Paraná com 4 municípios, totalizando 44 municípios com jazidas minerais de carvão em território nacional. A figura 1 mostra a localização das principais jazidas de carvão mineral do Brasil. PR 1 Jazidas do Paraná Parana Coalfields 1.1. Sapopema 1.2. Cambui SC 2 Jazidas de Santa Catarina Santa Catarina Coalfields 2.1. Criciúma, Forquilhinha, Içara, Lauro Müller, Morro da Fumaça, Nova Veneza, Siderópolis, Treviso, Urussangae Cocaldo Sul RS Jazidas do Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul Coalfields 3.1. Santa Terezinha 3.2. Morungava e Chico Lomã 3.3. Gravataí 4.1. Charqueadas e Guaíba 4.2. Arroio dos Ratos, Água Boa e Faxinal 4.3. Leão, Sul do Leão e Cerro do Roque 5.1. Pantâno Grande, Iruí 5.2. Capanée São Sepé 6.1. Candiota e Seival Figura 1 Localização das principais jazidas de carvão mineral no Brasil. Fonte: SIG/P&D. Conforme os dados disponíveis no Departamento Nacional de Produção Mineral DNPM, no período do I Inventário, a produção total de carvão run-of-mine (ROM) no Brasil foi de 10,3 MTPA (milhões de toneladas por ano) em 1990 e de 9,7 MTPA, em No período do II Inventário, a produção total de carvão run-of-mine (ROM) no Brasil foi de 12,3 MTPA em 2000 e de 10,9 MTPA em 2005.

3 Produção de Carvão ROM no Brasil mil toneladas Rio Grande do Sul Santa Catarina Paraná Figura 2 Produção de carvão mineral run of mine (ROM) por estado. A produção de carvão mineral é realizada em 41 minas subterrâneas (52,6%) e 37 minas a céu aberto (47,4%) por 30 empresas. Sendo no período de , 5 minas estavam localizadas no Rio Grande do Sul, 23 minas em Santa Catarina e 2 minas no Paraná. A figura 3 mostra um perfil esquemático dos principais métodos de lavra aplicados para o carvão para as minas a céu aberto e minas subterrâneas. A B Figura 3 Perfil esquemático das operações de minas a céu-aberto e subterrâneas no Brasil. A) Corte e Prenchimento. B) Câmaras e pilares. Fonte: Empresas mineradoras, adaptado P&D. O quadro de distribuição dos produtos das minas e usinas nacionais, no ano-base de 2005 é apresentado na tabela 2, com a sua participação conforme os setores de aplicação. Tabela 2 Situação do mercado de carvão mineral no Brasil. MERCADO CONSUMIDOR MINAS CARVÃO BRUTO USINAS CARVÃO LAVADO Carvão Mineral Extração e Beneficiamento 100 % Termoeletricidade 94,8 % Setor Industrial 5,2 % Fonte: Anuário Mineral Brasileiro (2005). DNPM/MME.

4 Como o carvão metalúrgico possui 100% de seu consumo obtido por fontes importadas, temos que o Brasil possui dependência em relação ao produto proveniente do exterior. O Brasil se situa em posição de destaque como importador, com valores da ordem de US$ 1,6 bilhões, sendo que isto representa 30% da balança comercial de bens primários importados pelo país. O carvão mineral teve, em 2005, uma participação de 6,3% na matriz energética brasileira, um decréscimo de 0,4% em relação a 2004, principalmente em razão da queda na produção de ferro-gusa e aço. Dessa forma, o futuro do uso do carvão mineral está relacionado a geração térmica de eletricidade, em projetos atuais como a UTE Candiota, ou futuros como a UTE Seival (Figura 4). Figura 4 Exemplo de projetos térmicos com carvão mineral no Brasil. Fonte: Empresas CGTEE e STEAG, adaptado P&D. METODOLOGIA A atividade de extração e manuseio de carvão mineral integra a matriz de potenciais fontes para emissão de gases de efeito estufa, sendo o gás metano sua maior contribuição. A quantificação da emissão segue a metodologia do IPCC (1996), baseada nos documentos Revised 1996 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories e Good Practice Guidance and Uncertainty Management on National Greenhouse Gas Inventories. Os dados utilizados para o desenvolvimento deste trabalho e aplicação da metodologia do IPCC (1996) foram obtidos junto a fontes oficiais dos órgãos nacionais de governo, especificamente o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). As emissões totais oriundas da extração de carvão são calculadas e baseadas em quatro categorias principais: mineração subterrânea, mineração a céu aberto, atividades de pósmineração e conversão térmica de gases coletados. No período compreendido entre 1990 e 2005, não foram registrados no Brasil casos envolvendo a recuperação de gases e conversão térmica em empresas de mineração de carvão, sendo desconsiderada esta categoria para a aplicação da metodologia IPCC 1996 ¹ e ². As informações disponíveis da atividade de extração de carvão mineral, dentro do referido período, permitem a quantificação das emissões de metano dentro do enquadramento na Tier 1 ou Tier 2, referidas na metodologia do IPCC (1996). Estas se baseiam na produção de carvão mineral e em fatores de emissão estimados, de forma apropriada às informações técnicas disponíveis sobre o carvão. Os critérios para a definição dos fatores de emissão empregados na estimativa foram definidos por especialistas, a partir de dados de caracterização dos carvões brutos e/ou ROM e dos

5 resultados encontrados experimentalmente, cuja finalidade específica era realizar medições de metano em minas de carvão no Brasil. De uma forma genérica, o cálculo das emissões segue a seguinte composição. Emissão de Metano = Produção de Carvão x Fator de Emissão x Fator de Conversão (Gg Metano) (10 6 ton Carvão) (m 3 Metano/ ton Carvão) (Gg Metano/ 10 6 m 3 Metano) Para a elaboração do II Inventário Nacional ( ) foram desenvolvidas atividades experimentais, de forma a reduzir as incertezas relacionadas diretamente aos fatores de emissão a serem aplicados, procurando-se atender especificamente a um critério de nacionalização. O desenvolvimento e validação da metodologia para a amostragem e coleta de metano, oriundo da extração de carvão em minas brasileiras, foram realizados em parceria com a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS), através do laboratório de química ambiental do instituto de química. Atualmente no Brasil estão sendo realizados estudos referentes ao teor de metano no carvão, principalmente visando à aplicação de tecnologias mais limpas para obtenção de energia a partir do carvão mineral. Segundo a abordagem Tier 1, são apresentados os seguintes valores como referencial para os fatores de emissão (Tabela 3). Tabela 3 Fatores de emissão para o setor, segundo Tier 1 do IPCC (1996). NATUREZA DA ATIVIDADE BAIXO NÍVEL DE EMISSÃO (m 3 CH 4 /ton Carvão) ALTO NÍVEL DE EMISSÃO (m 3 CH 4 /ton Carvão) Mineração Subterrânea Pós-Mineração Subterrânea 0,9 4,0 Mineração a Céu Aberto 0,3 2,0 Pós-Mineração a Céu aberto 0 0,2 Teoricamente, o teor de metano presente no carvão está relacionado com fatores como rank, porosidade, profundidade da camada, propriedades físico-químicas, entre outras (Day et al. 2008). Porém, existem fatores geológicos que apresentam extrema relevância, e que afetam o equilíbrio dinâmico do metano presente nas camadas de carvão, como os processos de carbonificação, uma vez que é o gás predominantemente gerado e/ou armazenado no carvão (Levine, 1993; Rice, 1993). As medições realizadas em minas com atividade de extração mineral indicaram que o carvão brasileiro pode apresentar fatores de emissão significativamente inferiores aos indicados pelo IPCC, para aplicação em situações de pós-mineração previstas pela Tier 1. A seguir é apresentada a representação gráfica dos dados verificados para os carvões nacionais. No eixo X são listados as medições realizadas nas minas nacionais e no eixo Y os fatores de emissão previstos pelo IPCC (em segundo plano) e os obtidos nos trabalhos realizados pelo Brasil (em primeiro plano).

6 1,00 0,90 0,80 0,70 0,60 0,50 Pós-Mineração Valores Mínimos de Referência 0,40 Fator Emissão IPCC - Mina Subterrânea 0,30 Fator de Emissão IPCC - Mina Céu Aberto 0,20 0,10 0, Fatores de Emissão Estimados através de Amostragem e Medição de Metano em Minas Brasileiras Figura 5 Fatores de emissão na pós-mineração, comparativo entre IPCC e medições realizadas. Fonte: P&D. Para o desenvolvimento e elaboração deste II Inventário Nacional ( ) fica estabelecida a utilização dos valores mínimos indicados para os fatores de emissão preconizados pela metodologia do IPCC (1996), de acordo com a Tier 1. Tal medida visa resguardar a confiabilidade dos valores a serem calculados, considerando-se que a parte experimental apontou divergências entre o comportamento previsto conceitualmente para as emissões de metano e os resultados efetivamente encontrados nas minas amostradas. Destacamos que na situação de pós-mineração a céu aberto, o valor mínimo de referência do IPCC é nulo. No experimento realizado em laboratório, ficou comprovado que existe emanação de metano oriunda da pós-mineração em amostras de carvão a céu aberto. O desenvolvimento do experimento permitiu comprovar que o carvão brasileiro apresenta baixo nível de emissão. Considera-se o erro, em generalizar e empregar o fator mínimo de emissão, de menor magnitude frente ao erro envolvido na atribuição de diferentes valores com base em aspectos teóricos (profundidade e grau de evolução). A justificativa reside no fato de que estes não foram devidamente comprovados para o caso do carvão brasileiro. Dessa forma, recomenda-se a continuidade dos estudos, com maior abrangência no número de amostras, através de experimentos com a devida representatividade e reprodutibilidade. Na tabela 4, são apresentados os valores para os fatores de emissão de metano utilizados para a estimativa das emissões na mineração de carvão. Tabela 4 Fatores de emissão para o setor, segundo II Inventário Nacional. Natureza da Atividade Baixo Nível de Emissão (m3 CH4/ton Carvão) Mineração Subterrânea Pós-Mineração Subterrânea Mineração a Céu Aberto Pós-Mineração a Céu aberto 10,0 * 0,90 * 0,30 * 0,05 **

7 Fonte: P&D; * Valor Mínimo IPCC (1996), **Valor arbitrado. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS EMISSÕES DE METANO NA MINERAÇÃO As estimativas da emissão de metano foram realizadas a partir dos dados de extração e os fatores de emissão apresentados. Seguindo a recomendação técnica apresentada anteriormente, foram utilizados para os fatores de emissão os valores mínimos de referência, como os que mostram a tabela 5. Tabela 5 Fatores de emissão para o setor, valores mínimos de referência. FONTE ATIVIDADE MINERAÇÃO ATIVIDADE PÓS-MINERAÇÃO Tier 1 IPCC 1996 FATOR DE EMISSÃO (m 3 CH 4 /ton Carvão) FATOR DE EMISSÃO (m 3 CH 4 /ton Carvão) Mina Subterrânea 10 0,9 Mineração Céu Aberto 0,3 0,05* * O fator de emissão mínimo sugerido é nulo, sendo arbitrado um valor de referência, com base nas características do carvão brasileiro e utilizados no I Inventário de Emissões Fugitivas da Mineração de Carvão Mineral. Na tabela 6 é apresentado o quadro-resumo das emissões de metano, estimadas segundo a metodologia do IPCC (1996) e de acordo com as premissas técnicas abordadas. Tabela 6 Emissão de metano no setor de mineração de carvão mineral no Brasil. FONTE: MINERAÇÃO SUBTERRÂNEA ,431 41,749 1,603 44, ,745 35,212 2,041 37, ,301 61,352 0,916 62, ,213 1,927 44,140 TOTAL 8, ,904 24, ,933 FONTE: MINERAÇÃO A CÉU ABERTO ,719 0,004-0, ,732 0,080-0, ,893 0,111-1, ,854 0,026-0,880 TOTAL 12,109 0,870-12,977 FONTE: TOTAL ACUMULADO DA MINERAÇÃO DE CARVÃO MINERAL ,150 41,753 1,603 45, ,477 35,292 2,041 38, ,194 61,463 0,916 63, ,854 42,239 1,927 45,020 TOTAL 20, ,774 24, ,912

8 Fonte: P&D. EMISSÕES DE METANO NA PÓS-MINERAÇÃO As estimativas para a emissão de metano na etapa de pós-mineração são apresentadas na tabela 7. Tabela 7 Emissão de metano na pós-mineração de carvão mineral no Brasil. FONTE: PÓS-MINERAÇÃO SUBTERRÂNEA ,129 3,757 0,144 4, ,067 3,169 0,184 3, ,027 5,522 0,082 5, ,000 3,799 0,173 3,973 TOTAL 0,727 54,710 2,245 57,682 FONTE: PÓS-MINERAÇÃO A CÉU ABERTO ,120 0,001-0, ,122 0,013-0, ,149 0,019-0, ,142 0,004-0,146 TOTAL 2,018 0,145-2,163 FONTES: TOTAL ACUMULADO NAS ATIVIDADES PÓS-MINERAÇÃO ,249 3,758 0,144 4, ,189 3,182 0,184 3, ,176 5,541 0,082 5, ,142 3,804 0,173 4,119 TOTAL 2,745 54,856 2,245 59,846 Fonte: P&D. TOTALIZAÇÃO DAS EMISSÕES DE METANO PELO SETOR Conforme a tipologia das atividades do setor de extração de carvão (mineração a céu aberto, subterrânea e na pós-mineração) é apresentada a seguir as estimativas das emissões acumuladas de metano (tabela 8 e figuras 6 e 7). Tabela 8 Totalização das emissões de metano no setor de carvão mineral do Brasil. TOTAL ACUMULADO PELA EXTRAÇÃO MINERAÇÃO E PÓS-MINERAÇÃO ,398 45,511 1,747 49, ,666 38,474 2,225 42, ,370 67,004 0,998 69, ,996 46,043 2,100 49,139 TOTAL 22, ,630 27, ,758

9 Estimativa/Elaboração: P&D. 60 Emissões fugitivas do carvão mineral Gg CH Minas subterrâneas Minas a céu aberto Pós-mineração Figura 6 Emissões de metano da mineração e beneficiamento de carvão mineral por fonte. 60 Emissões fugitivas do carvão mineral Gg CH Rio Grande do Sul Santa Catarina Paraná Figura 7 Emissões de metano da mineração e beneficiamento de carvão mineral por estado.

10 EMISSÕES DE CARBONO EM PILHAS Destacamos o desenvolvimento técnico e gerencial da indústria de extração de carvão mineral nos últimos anos. A sustentabilidade ambiental da extração deste bem mineral apresentou significativos avanços, contribuindo para a minimização dos impactos decorrentes da atividade. Os rejeitos gerados pelo processo de beneficiamento do carvão bruto apresentam uma deposição temporária considerada pequena, sendo encaminhados para destinação final. Tal procedimento visa minimizar as drenagens ácidas no processo de extração de carvão mineral e evitar a combustão espontânea em pilhas de rejeitos. A combustão espontânea de carvão em pilhas de estocagem também pode ser considerada praticamente nula, pois o tempo de estocagem é pequeno para ser iniciado o processo de combustão. A quantificação seguiu a metodologia do IPCC (1996), tal como no I Inventário Nacional ( ), considerando-se um fator de oxidação de 50% para os rejeitos. Estas premissas inferem em um erro de maior, porém permitem a quantificação para o período 1990 a Importante lembrar, que os valores estão relacionados com o potencial de liberação, não sendo a efetiva emissão de dióxido de carbono. Tal fato se justifica pelo teor médio de carbono se referir à massa seca de carvão, enquanto que os valores de produção são apresentados em base úmida, havendo a necessidade de se conhecer a umidade média de cada produto para a correção em massa. O beneficiamento de antigos depósitos de rejeitos foi incluído na estimativa da emissão, pois este é utilizado como matéria-prima para a obtenção de produtos beneficiados, apresentados na tabela 9. Tabela 9 Emissão de dióxido de carbono nos rejeitos da mineração de carvão do Brasil. MINERAÇÃO SUBTERRÂNEA E A CÉU ABERTO (Unidade: Gg CO 2 /ano) , ,7 11, , , ,4 19, , ,5 690,3 1, , ,00 891,5 65,5 957,0 TOTAL 1.856, ,8 333, ,3 (ton) Estimativa: SATC e P&D e Elaboração: MCT. EMISSÕES DE ÓXIDO NITROSO NO 2 Salientamos que uma estimativa específica para as emissões contabilizadas em termo de óxido nitroso (N 2 O), pela atividade não foi possível devido à falta de informações específicas sobre o teor de nitrogênio presente no carvão minerado e beneficiado.

11 EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO (CO 2 ) POR EFEITO SO 2 SCRUBBING As emissões contabilizadas em termo de dióxido de carbono (CO 2 ), pela atividade de remoção do enxofre presente nos gases de combustão (SO 2 scrubbing), não apresentou participação significativa para o período inventariado. Atualmente, esta é uma técnica de controle ambiental que está iniciando e encontra-se em crescimento no Brasil, havendo a necessidade de um mapeamento destas unidades para avaliação e possível inclusão em estimativas futuras. CONCLUSÕES O desenvolvimento da pesquisa aplicada sobre as emissões de gases de efeito estufa na mineração do carvão mineral brasileiro, feita para o II Inventário ( ), permitiu comprovar que o carvão nacional apresenta baixo nível de emissão de GEE. As estimativas apresentadas tiveram como base as diretrizes revisadas de 1996 do IPCC, ou simplesmente Guidelines Os fatores de emissão sugeridos pelo IPCC foram confrontados com medições realizadas em algumas camadas de carvão tanto do Rio Grande do Sul quanto em Santa Catarina. Foi feita uma correlação entre as características geológicas das minas/camadas amostradas, com as suas características referentes à quantidade e qualidade do carvão ROM e também do carvão energético produzidos no país. Com isso, foram adotados os fatores de emissão que mais se aproximavam à realidade nacional. Generalizar e empregar o fator mínimo de emissão dos Guidelines 1996, conforme foi feito no II Inventário ( ), foi considerado a abordagem mais precisa, do que a atribuição de diferentes valores com base em aspectos teóricos (profundidade e grau de evolução), conforme adotado no I Inventário ( ). A justificativa reside no fato de que esses aspectos não foram devidamente comprovados para o caso do carvão brasileiro. AGRADECIMENTOS Nosso agradecimento a ABCM na pessoa do Fernando Zancan, e ao MCT na pessoa do José Miguez pelo suporte ao desenvolvimento do trabalho. Também o nosso muito obrigado as equipes técnicas do MCT, SATC, PUC-RS, DNPM e P&D, além das empresas do setor. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MCT Ministério da Ciência e Tecnologia (2006). BRASIL. Primeiro Inventário Brasileiro de Emissões Antrópicas de Gases de Efeito Estufa Relatórios de Referência: Emissões Fugitivas da Mineração e do Tratamento de Carvão Mineral Ano-Base: 1990 a Disponível em: <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0008/8850.pdf>. Acesso em: 28 abr

12 MCT Ministério da Ciência e Tecnologia (2010). BRASIL. Segundo Inventário Brasileiro de Emissões Antrópicas de Gases de Efeito Estufa Relatórios de Referência. Emissões de Gases de Efeito Estufa no Setor Energético: Emissões Fugitivas da Mineração e Beneficiamento do Carvão Mineral Ano-Base: 1990 a Disponível em: <http://www.mct.gov.br/upd_blob/0210/ pdf >. Acesso em: 28 abr

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental.

Segurança de suprimento. availability 3 A (WEC) Mix energético balanceado. Eficiência econômica. Compatibilidade ambiental. Carvão Mineral: Ações de Mitigação das Mudanças Climáticas Eng. Fernando Luiz Zancan Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral ABCM Brasília 27 de Junho de 2007 Segurança de suprimento availability

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Relatório de Emissões Relatório Nacional de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Alexandre Filizola NEPA/SAR São José dos Campos, Junho de 2010 Objetivo Apresentar o trabalho que tem sido

Leia mais

CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social

CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social CARVÃO MINERAL Desenvolvimento Econômico e Social Eng. Fernando Luiz Zancan - ABCM Belo Horizonte, 17 de Setembro de 2015 170915 A curva do esquecimento de Ebbinghaus www.carvaomineral.com.br Contato:

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009)

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INFORMAÇÕES IMPORTANTES O Inventário Nacional de Emissões

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC Este documento é um dos volumes das Diretrizes Revisadas do IPCC de 1996 para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa. A série é composta por três livros:

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE

Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento X Convenção do Clima UNFCCC é um tratado ambiental

Leia mais

CARVÃO MINERAL BRASILEIRO E A GERAÇÃO TERMELÉTRICA

CARVÃO MINERAL BRASILEIRO E A GERAÇÃO TERMELÉTRICA CARVÃO MINERAL BRASILEIRO E A GERAÇÃO TERMELÉTRICA Fernando Luiz Zancan Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Rio de Janeiro/RJ - 07 de Outubro de 2008 Agenda Carvão no mundo Carvão no Brasil

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL

POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL POLÍTICA DE ESTADO PARA O CARVÃO MINERAL Política energética sustentável: objetivos Segurança de suprimentos Compatibilidade ambiental Mix energético balanceado Eficiência econômica Carvão mineral no mundo

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Metodologia, resultados e ações CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS CARTA ABERTA AO BRASIL Compromissos Assumidos A. Publicar anualmente o

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DAS ÁREAS MINERADAS EM SUBSOLO PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA SANTA CATARINA

QUANTIFICAÇÃO DAS ÁREAS MINERADAS EM SUBSOLO PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA SANTA CATARINA QUANTIFICAÇÃO DAS ÁREAS MINERADAS EM SUBSOLO PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO NO MUNICÍPIO DE CRICIÚMA SANTA CATARINA Mirlene Meis Amboni, eng. civil, SATC mirlene.amboni@satc.edu.br Márcio Zanuz, eng. de minas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECRETARIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO COORDENAÇÃO-GERAL DE MUDANÇAS GLOBAIS DE CLIMA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECRETARIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO COORDENAÇÃO-GERAL DE MUDANÇAS GLOBAIS DE CLIMA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORES O Projeto de Cooperação Internacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), BRA/05/G31 Elaboração da Segunda Comunicação Nacional

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2016 Av. Historiador Rubens de Mendonça, 4193 Bosque da Saúde Cuiabá/MT www.acaoverde.org.br (65) 3611 1606 Sumário

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL

CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL CARVÃO MINERAL & COMBUSTÍVEL ESTRATÉGICO PARA SANTA CATARINA E O BRASIL Fernando Luiz Zancan Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Assembléia Legislativa de Santa Catarina Florianópolis/SC - 09

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA Josilene Ticianelli Vannuzini Ferrer PROCLIMA - CETESB, 2010 SP, a Agenda Climática e a CETESB 40 milhões de habitantes 18 milhões

Leia mais

Inovação da Gestão em Saneamento IGS

Inovação da Gestão em Saneamento IGS Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS GESTÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE) Ciclo 2013 2 Organograma Simplificado Organograma simplificado da OC, com ênfase

Leia mais

VALIDAÇÃO DE AMOSTRADORES ALTERNATIVOS DE GÁS EM MINAS DE CARVÃO

VALIDAÇÃO DE AMOSTRADORES ALTERNATIVOS DE GÁS EM MINAS DE CARVÃO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Química Laboratório de Química Analítica Ambiental LQAmb VALIDAÇÃO DE AMOSTRADORES ALTERNATIVOS DE GÁS EM MINAS DE CARVÃO Silvia F. R.

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Apoio Organização Realização Política de clima e inventário de GEE de

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

Estimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil

Estimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento SEPED Coordenação Geral de Mudanças Globais de Clima CGMC anuais de emissões de gases

Leia mais

In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009

In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009 In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009 1 Sumário 1. Introdução 1.1. Empresa 1.2. Inventário 1.3. Metodologia de Cálculo 2. Determinação do Inventário 2.1. Limites do Inventário

Leia mais

Brazilian Coal Industry Overview and Perspectives

Brazilian Coal Industry Overview and Perspectives INTERNATIONAL WORKSHOP ON COAL TECHNOLOGY PETROBRAS/ABCM Brazilian Coal Industry Overview and Perspectives Eng. Fernando Luiz Zancan Brazilian Coal Association ABCM Rio de Janeiro, 14 March 2007 Brazilian

Leia mais

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED dezembro de 2011. Sumário Resumo Executivo 03 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Plural Editora e Gráfica Ltda. Nome fantasia: Plural - CNPJ: 01.306.088/0001-37 Tipo da empresa: Holding Setor econômico:

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS:

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: INVENTEARIOS DE EMISSÕES E METODOLOGIAS Carlos Henrique Delpupo 28 / 05 / 2010 CONTEÚDO 1.Visão geral 2. Inventário de Emissões 4. Mercado de carbono 5. Riscos

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Estudo Comparativo de Emissões de Gases de Efeito Estufa

Estudo Comparativo de Emissões de Gases de Efeito Estufa Estudo Comparativo de Emissões de Gases de Efeito Estufa 2013 2 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO 1. INTRODUÇÃO------------------------------------------------------------------------09 2. METODOLOGIA----------------------------------------------------------------------12

Leia mais

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CIENAM CENTRO INTERDISCIPLINAR DE ENERGIA E AMBIENTE www.cienam.ufba.br ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA Qual o custo para reduzir 1 % da concentração

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS ALTERNATIVAS ENERGÉTICAS QUANTO ÀS EMISSÕES DIRETAS E INDIRETAS DE CO 2

ANÁLISE COMPARATIVA DAS ALTERNATIVAS ENERGÉTICAS QUANTO ÀS EMISSÕES DIRETAS E INDIRETAS DE CO 2 ANÁLISE COMPARATIVA DAS ALTERNATIVAS ENERGÉTICAS QUANTO ÀS EMISSÕES DIRETAS E INDIRETAS DE CO 2 M. Sc. FRANCISCO RONDINELLI Presidente da ABEN M. Sc. EDSON KURAMOTO Diretor de Comunicação da ABEN Muito

Leia mais

PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010

PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010 PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010 O Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria do

Leia mais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Nota Técnica Nº 1/2013 GEMUC/DPED/FEAM Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Maio 2013 Carolina

Leia mais

Climate Change - Coal Overview

Climate Change - Coal Overview CSLF : Capacity Building Climate Change - Coal Overview Fernando Luiz Zancan President - Associação Brasileira do Carvão Mineral - ABCM Salvador - 08 September 2008 BRAZILIAN COAL INDUSTRY Resources: 31,7

Leia mais

1. Mudanças climáticas : Aumento da temperatura da Terra. Fonte: IPCC, 2000)

1. Mudanças climáticas : Aumento da temperatura da Terra. Fonte: IPCC, 2000) Novas Tecnologias para o desenvolvimento sustentável: a viabilidade da produção de gás natural à partir do armazenamento geológico de CO 2 na Jazida de Charqueadas Letícia Hoppe Agenda 1. Contextualização

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2015 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

"#$%%& ) * ' ) +)), ) ' * -.* '*# +)/, 0 1 2" +012",3

#$%%& ) * ' ) +)), ) ' * -.* '*# +)/, 0 1 2 +012,3 ! "#$%%& '( ) * ' ) +)), ) ' * -.* '*# +)/, 0 1 2" +012",3 1 21!024/0 )/45/06/ "7 )2!20 )64/244//8! "* 90)!2/)6:)/:012" ) ') ( ) '; (! " #$% & '" (# " %) % % "" *+, -"./ "! 00" & " "1 2 Introdução... 4

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Inventário GEE- São Paulo MAIO - 2014 Sumário - Base Legal Inventário - Sugestão para elaboração de inventário 2/40 Base Legal Lei 13.798 de 09 de

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

Metodologia de Inventário de. Federativo -Energia e Transportes-

Metodologia de Inventário de. Federativo -Energia e Transportes- Metodologia de Inventário de Emissões de GEE DO Estado Federativo -Energia e Transportes- Alexandre d Avignon davignon@lima.coppe.ufrj.br Curitiba, 21 de novembro de 2007 Emilio La Rovere Professor PPE

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

A NORMA BRASILEIRA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS - ABNT NBR ISO 14064

A NORMA BRASILEIRA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS - ABNT NBR ISO 14064 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 A NORMA BRASILEIRA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS - ABNT NBR ISO 14064 Reynaldo Galvão Antunes (ABNT) reytunes@ig.com.br Eduardo Linhares Qualharini (UFF) qualharini@all.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ.

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. Priscila Lourenzi, Janaina Lewandowski, Gustavo Simão, Wolfgang Kalkreuth.

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 Banco Bradesco S.A Nome fantasia: Organização Bradesco - CNPJ: 60.746.948/0001-12 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

MEDIDAS PARA REDUÇÃO DE IMPACTOS ORIUNDOS DO CONSUMO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO

MEDIDAS PARA REDUÇÃO DE IMPACTOS ORIUNDOS DO CONSUMO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO ISSN 1984-9354 MEDIDAS PARA REDUÇÃO DE IMPACTOS ORIUNDOS DO CONSUMO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO Mariana Sarmanho de Oliveira Lima (UFAM) Deborah de Sousa Vinhote (UFAM) Resumo Este trabalho

Leia mais

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa 2011 Inventário de GEE Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa Evento: -Super 9k Montevérgine -Prova Ciclística 9 de Julho 0 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL

METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL Sumário Eng. Olimpio de Melo Álvares Jr. 1 Fís. Renato Ricardo Antonio Linke 2 Como órgão de referência

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2013

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2013 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2014 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500

CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 CFD ANALYSIS OF THE PULVERIZED COAL COMBUSTION IN A BOILER USING DIFFERENT BRAZILIAN MANUFACTURED COALS: CE3100 AND CE4500 Ac. Luís Carlos Lazzari luislazzari@yahoo.com.br Departamento de Engenharia e

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Mineração de Baixa Emissão de Carbono (PMBC)

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Mineração de Baixa Emissão de Carbono (PMBC) CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Mineração de Baixa Emissão de Carbono (PMBC) Rio de Janeiro/RJ 6 de julho de 2012 Processo de Construção do PMBC Grupo

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de Referência 2013 Junho de 2014 RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação

Leia mais

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil

Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Opções de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Setores-Chave do Brasil Régis Rathmann e Maurício Francisco Henriques Jr. Identificação do Projeto Agência implementadora: PNUMA Financiamento: Doação

Leia mais

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA 2010 Preparado Por ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Avenida João XXIII, Santa Cruz Rio de Janeiro, RJ CEP 2356-352 Tel (21) 2141-2550 Thyssenkrupp-csa.com.br

Leia mais

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute Metodologias para medir pegada carbônica Stephen Russell World Resources Institute O que é uma pegada carbônica? Empresa Fonte Instalação GHG Protocol Inventário Nacional Ferramentas de cálculo GHG Protocol

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1 KRETTLI, Luísa Guimarães; PIMENTA, Mariana Antunes ; ALVARENGA, Luiza Helena Barbosa; MICHELLI, Andressa Miguez de Souza; NASCIMENTO,

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Manual do Professor VAMOS APRENDER SOBRE O CARVÃO

Manual do Professor VAMOS APRENDER SOBRE O CARVÃO Manual do Professor VAMOS APRENDER SOBRE O CARVÃO Índice A Força do Carvão 07 Carvão Mineral Origem 09 Quantidade de Jazidas 09 Localização 10 Consumo/Transporte 10 Usos do Carvão Eletricidade 13 Calor

Leia mais

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO)

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2001

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Estudo comparativo dos limites legais de Emissões Atmosféricas no Brasil, EUA e Alemanha.

Estudo comparativo dos limites legais de Emissões Atmosféricas no Brasil, EUA e Alemanha. Estudo comparativo dos limites legais de Emissões Atmosféricas no Brasil, EUA e Alemanha. Ricardo de Lima Silva (1) ; Cristiane Ferreira Pimenta (2) ; Prof. Neimar Freitas Duarte (3). (1) Mestrando em

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais (1) Leonardo

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais