Brasil é reconhecido por...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brasil é reconhecido por..."

Transcrição

1

2 Brasil é reconhecido por...

3 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

4 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

5 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

6 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

7 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

8 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

9 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

10 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

11 Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria??

12 Oportunidades

13 Entre 2006 e 2010, a taxa de crescimento anual composta (CAGR) do mercado varejista brasileiro foi de 13,1%. No mesmo período, o crescimento do mercado varejista mundial foi de 6,2% e o do mercado norteamericano, de apenas 2,9%.%. Fonte: IMS Health.

14 Crescimento nas vendas no segmento de genéricos, em 2010, foi de: 33,0%, em volume; 37,7%, em valor; Crescimento das vendas dos demais medicamentos foi de: 13,5% em volume; 17% em valor; Fonte: IMS Health.

15 Em 2011, em função do crescimento do das classes B e C, o consumo no varejo atingiu R$ 43 Bi. Varejo 2007 por classe social R$ (bi) Varejo 2011 por classe social R$ (bi) Fonte: IBGE PNAD, IMS Health, IBOPE. Consultoria Macrotempo

16 31,05 CAGR: 15% 34,85 39,85 46,50 55,07 O Crescimento anual composto da demanda nacional entre 2007 e 2010 do Sistema Único de Saúde (SUS) foi de 13%, enquanto do varejo foi 16%; O crescimento da demanda pelos hospitais foi de 13%. Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

17 Gasto público com saúde: CAGR 10% (1995 a 2010) PIB: CAGR 7% para o mesmo período Fonte: Banco Mundial. Elaboração própria

18 Fonte: Banco Mundial. Elaboração própria. * Média 2005 a Gasto público com saúde/gasto público com saúde no Brasil* População/População brasileira (2011) Estados Unidos 19,62 1,58 Japão 6,20 0,64 Alemanha 4,92 0,41 França 4,06 0,33 Reino Unido 3,27 0,31 China 1,72 6,83 Espanha 1,61 0,23 Brasil 1 1 Rússia 0,75 0,72 Coréia do Sul 0,62 0,25 Suíça 0,55 0,04 Irlanda 0,26 0,02 Há países cuja população corresponde apenas a 40% da população brasileira e cujos gastos públicos com saúde são mais de 4 vezes maiores do que no Brasil.

19 Bilhões R$ 40 Oferta Agregada no Brasil R$ 35 R$ 30 R$ 25 20,91% 23,88% 24,75% 29,71% R$ 20 R$ 15 R$ 10 R$ 5 79,09% 76,12% 75,25% 70,29% R$ Oferta Interna (Prod. - Exp) Oferta Externa (Importação) O CAGR da oferta interna entre 2007 e 2010 foi de 5,3%; Já o crescimento da oferta externa (importação), no mesmo período foi de 16,3%. Fonte: Pesquisa Industrial Anual (IBGE); Sistema Alice (MDIC); Elaboração própria

20 Novo desafio para a Indústria

21 Alto custo unitário, por exemplo: Rituximab 500mg, custa cerca de R$ 8.000,00; Etanercepte (Embrel) 50mg, custa cerca de R$ 7.700,00. Promoveu avanço nas terapias das doenças neurodegenerativas, como esclerose múltipla, por exemplo. MEDICAMENTOS BIOTECNOLÓGICOS Exemplos: Algumas patologias podem ser tratadas somente com produtos biotecnológicos: Artrite Juvenil Idiopática, para tratamento de pacientes refratários ao metotrexato ; e Tratamento de Hemofílicos refratários a fator VIII.

22 O envelhecimento populacional favorece o aumento da demanda do setor de saúde no Brasil Expectativa de vida aumentará de 72 anos (2006) para 76 anos (2020) Mudança no perfil de agravos Prevalência de doenças crônicas e neurodegenerativas Aumento dos gastos per capita com saúde

23 RENAME adalimumabe alfaepoetina alfainterferona 2b alfapeginterferona 2a alfapeginterferona 2b betainterferona 1a betainterferona 1b etanercepte filgrastim imiglucerase infliximabe insulina humana NPH insulina humana regular molgramostim natalizumabe pancreatina pancrelipase toxina botulínica tipo a + Incorporações recentes abatacepte certolizumabe pegol golimumabe rituximabe tocilizumabe trastuzumabe

24 Cres. Médio Biotecnológico 22,41% Produtos Farmacêuticos (Cap. 30) 17,27%

25 Mercado Farmacêutico Mundial Crescimento médio acumulado de vendas (2002 a 2010) _ Biológicos - 17% a.a. _ Demais - 7% a.a. Vendas globais do Mercado Farmacêutico no mundo (2010) - US$ 707 bilhões _ Biológicos representa 18,4% (US$ 130 bilhões) do total. Vendas globais ( previsão) - US$ 900 bilhões _ Biológicos representa 21% (US$ 189 bilhões) do total, crescimento de 45% em relação à Fonte: Evaluate Pharma. Elaboração: BNDES

26 Mercado Farmacêutico Brasileiro Medicamentos biológicos compras públicas Tendência de crescimento dos gastos totais do MS - 17% a.a.(média) _ Biológicos - 28% ao ano (média) _ Em 2010, os gastos com biológicos ultrapassaram 4 bilhões de reais. Fonte: Ministério da Saúde Inclui repasses a estados e municípios. Elaboração: BNDES

27 Índice de Benefícios pela Biodiversidade é um índice do potencial de aproveitamento da biodiversidade de cada país. O índice foi normalizado para valores de 0 (sem potencial de biodiversidade) a 100 (máximo potencial de biodiversidade). Fonte: Banco Mundial

28 Grupo FarmaBrasil

29 RESPOSTA OBJETIVA À OPORTUNIDADE HISTÓRICA A participação das empresas nacionais no mercado passou de 4,7% em 1998 para 20,86% em 2011, o que representa crescimento superior a 400%. 36% de toda a produção de medicamentos e 53% da produção de genéricos no País Market Share dos Laboratórios farmacêuticos no mercado brasileiro Market Share Market Share Laboratórios Laboratórios Novartis 6,30% EMS Pharma 7,77% Roche 5.5% MEDLEY 7,11% Bristol Meyers Squibb 5.4% ACHE 5,24% Hoechst Marion Roussel 5.2% SANOFI-AVENTIS 4,63% ACHÉ/Prodome 4.7% EUROFARMA 4,14% Janssen Cilag 3.7% NEO QUIMICA 3,71% Boehringer lng. 3.7% Novartis 3,54% Glaxo Wellcome 3.5% MSD 2,56% Scheding Plough 3.2% PFIZER 2,43% Eli Lilly 3,00% BAYER PHARMA 2,16% Demais empresas 55.5% Demais empresas 56,71% Fonte: Callegari (2000) para 1998 e IMS Health para 1998 e 2011

30 6.00% Porcentagem da receita líquida investida em atividades internas e externas de P&D 6% 5.00% 4.00% 3.00% 2.00% 1.00% 0.90% 2.10% 0.20% 0.70% 0.60% 1.80% 1.10% 2.20% 0.00% Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, Pesquisa de Inovação Tecnológica Elaboração própria.

31 EMS Hebron, Hypermarcas Total de 40 Fábricas União Química, EMS Hypermarcas, Aché Hypermarcas Eurofarma, Hebron Ache, Biolab, Cristália, EMS, Eurofarma, Hebron, Hypermarcas, Libbs e União Química Hypermarcas Hypermarcas, União Química

32 parcerias, investimentos, exportações e importações.

33 9.00 Receita líquida de vendas - Grupo FarmaBrasil R$ bi Receita líquida de vendas Fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos R$ bi CAGR: 21,5% CAGR: 12% Fonte: PIA IBGE

34 Novo desafio para as empresas do GFB

35 BIONOVIS ORYGEN BIOTECNOLOGIA HEBRON BIOTECNOLOGIA BIOTECNOLOGIA Nanotecnologia Farmacogenômica Fitoterápicos

36 36% de toda a produção de medicamentos no País; 53% da produção de medicamentos genéricos; 32 mil trabalhadores empregados; R$ 13,3 bilhões de faturamento bruto em 2011;

37 Entraves e obstáculos a serem superados

38 Setor intensivo em mão de obra A necessidade de profissionais especializados atinge todas as etapas da fabricação de medicamentos: Administrativa gestão industrial e planejamento controle de produção estoque Produção engenharia de produção, engenharia mecânica farmácia, biotecnologia Pesquisa síntese química e biotecnologia O setor de saúde foi o que mais ampliou a oferta de emprego na última década (Fonte: A saúde no Brasil em 2030)

39 Número de testes clínicos*, por data de início, regiões selecionadas, 2001 e 2011 Fraquezas: Estoque de testes clínicos registrados desde 1990, por país Pos. País Estudos Part. Pos. País Estudos Part. 1 EUA ,5% 11 Coréia do Sul ,8% 2 Canadá ,2% 12 Austrália ,8% 3 Alemanha ,8% 13 Dinamarca ,7% 4 França ,2% 14 China ,6% 5 Inglaterra ,6% 15 Brasil ,5% 6 Itália ,7% 16 Polônia ,5% 7 Espanha ,4% 17 Suécia ,4% 8 Holanda ,2% 18 Suíça ,4% 9 Bélgica ,1% 19 Taiwan ,4% 10 Israel ,9% 20 Áustria ,3% Total 10 maiores ,7% Total 20 maiores ,2% Total mundo* ,0% Prazo longo de análise regulatória e ética Baixa capacidade de elaboração de protocolos clínicos Fonte: clinicaltrials.gov Falta de infraestrutura para fase I Demanda nacional incipiente Concorrência internacional Fonte: clinicaltrials.gov

40

41 BARREIRAS RISCOS Exigência de obtenção de autorização de acesso ao patrimônio genético antes do início da pesquisa ou estudos. Falta de mecanismos de regularização e multas desproporcionais; Atrasos e aumento de custo nos processos de desenvolvimento; Dificuldade de identificar as comunidades tradicionais eventualmente envolvidas com o conhecimento tradicional associado. Insegurança jurídica no acesso à biodiversidade e ao conhecimento tradicional associado; Incerteza no modelo de negócio a ser estabelecido;

42 Necessidade de aumento do quadro de funcionários da Anvisa para aprofundar e dar continuidade ao processo de crescimento e desenvolvimento da indústria farmacêutica no país. Consolidação da ANVISA como órgão permanentemente atualizado e ágil, com foco na inovação incremental e radical. É necessário aprofundar articulação da Anvisa com a política industrial do País. Eficiência da ANVISA tem impacto direto nos negócios das empresas e na ampliação do acesso da população a medicamentos mais baratos e eficientes.

43 Fonte: Dados do Inpi, Dez/2010, CNI. Obs.: uma patente internacional equivale a três patentes japonesas

44 BARREIRAS RISCOS Necessidade de adequar a regra de precificação atual ao novo estágio de desenvolvimento da indústria nacional; Necessidade de adequar a norma para precificar inovações incrementais; Necessidade de adequar lista de países comparadores, considerando a crise econômica internacional e custos de produção semelhantes ao do Brasil. Insegurança jurídica no preço final a ser permitido; Incerteza no modelo de negócio a ser estabelecido;

45 Carga tributária no preço final de alimentos e medicamentos (% do total) 40.00% 35.00% 33.87% 30.00% Medicamentos para uso humano 25.00% 20.00% 15.00% 15.05% 20.59% 17.47% 17.24% 17.34% 18.65% Sal Ovos Carne Bovina Arroz e Feijão 10.00% Farinha de trigo 5.00% Leite 0.00% Carga Tributária no Preço Final Comparada à carga tributária de outros produtos de extrema importância para a saúde, como os alimentos, constatamos que a carga tributária sobre os medicamentos é a mais elevada. Fonte: Pró-Genéricos e IBGE. Elaboração própria.

46 Medidas governamentais para o desenvolvimento da indústria farmacêutica

47 Plano Brasil Maior GECIS Profarma Lei do uso do poder de compra PDPs, portaria 837 MS Margem de preferência - Decreto nº 7.713/12 Alteração da lei 8666: Art. 73 MPV 563/2012 Revisão do marco de acesso à biodiversidade Revisão da Resolução n.º 2 da CMED Ciência Sem Fronteiras

48 Políticas adotadas recentemente pelo governo demonstram uma política industrial direcionada ao desenvolvimento produtivo e à inovação; Mecanismos semelhantes foram utilizados com sucesso em outros países; Implementação efetiva das polítcas; Continuidade e aprofundamento da articulação com o setor privado. SETOR FARMACÊUTICO RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

49 Obrigado!

PRINCIPAIS MERCADOS DE ESPECIALIDADES FARMACÊUTICAS(P OR PAÍS)* US$ BILHÕES

PRINCIPAIS MERCADOS DE ESPECIALIDADES FARMACÊUTICAS(P OR PAÍS)* US$ BILHÕES PRINCIPAIS MERCADOS DE ESPECIALIDADES FARMACÊUTICAS(P OR PAÍS)* US$ BILHÕES Estados Unidos 150 Japão 58 Alemanha 17 França 16 Italia 11 Reino Unido 11 Canadá 6 Espanha 6 México 5,6 Brasil 5,4 PRINCIPAIS

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

A LEGISLAÇÃO DE PATENTES E O FUTURO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL O Olhar sobre a legislação de Patentes São Paulo 07.11.2011 Roteiro de Questões: focos Usos e Eficácia da Legislação Patentária brasileira

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Panorama dos gastos com cuidados em saúde

Panorama dos gastos com cuidados em saúde Panorama dos gastos com cuidados em saúde 08 de abril de 2008 João Sanches Diretor de Relações Institucionais Cadeia de Valor - Inovação em Saúde Transparência Proteção à propriedade intelectual Mercados

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Farmácias: Estratégia e Diferenciação

Farmácias: Estratégia e Diferenciação Seminário GVcev Farmácias: Estratégia e Diferenciação Evolução e Tendências do Mercado de Farmácias Paulo Paiva IMS Health do Brasil Brasil Retail Market 2 O mercado vive hoje um bom momento Evolução mercado

Leia mais

Reunião Pública com Analistas Abril, 2009

Reunião Pública com Analistas Abril, 2009 Reunião Pública com Analistas Abril, 2009 Profarma Overview Profarma: Overview da Companhia Desde 1961, a Profarma distribui produtos farmacêuticos, higiene pessoal e cosméticos para farmácias e hospitais

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 Carlos Fadigas A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 10 % do PIB INDUSTRIAL 6 ª MAIOR Indústria Química DO MUNDO A INDÚSTRIA QUÍMICA DEVE FATURAR US$ 157 BILHÕES

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

P e d r o W o n g t s c h o w s k i G r u p o U l t r a

P e d r o W o n g t s c h o w s k i G r u p o U l t r a 5º Diálogos da MEI Aprimoramento do Marco Legal de Inovação P e d r o W o n g t s c h o w s k i G r u p o U l t r a 1 110 105 100 95 90 85 Fonte: IBGE jan/13 fev/13 mar/13 Cenário Econômico abr/13 mai/13

Leia mais

Relatório COMPLEXO DA SAÚDE INDÚSTRIA FARMACÊUTICA. Acompanhamento. Setorial VOLUME I. Agosto Junho de 2008

Relatório COMPLEXO DA SAÚDE INDÚSTRIA FARMACÊUTICA. Acompanhamento. Setorial VOLUME I. Agosto Junho de 2008 Relatório de Acompanhamento Setorial COMPLEXO DA SAÚDE INDÚSTRIA FARMACÊUTICA VOLUME I Agosto Junho de 2008 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL COMPLEXO DA SAÚDE INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Volume I Equipe:

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação

Seminário O Público e o Privado na Saúde. Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Seminário O Público e o Privado na Saúde Mesa: Políticas e Estratégias Governamentais de Regulação Tema: O Mais Saúde (PAC Saúde) e as Políticas Sistêmicas de Investimentos Setoriais Pedro Ribeiro Barbosa

Leia mais

"As Ciências da Vida no Brasil e as Oportunidades de Integração no Mercosul"

As Ciências da Vida no Brasil e as Oportunidades de Integração no Mercosul Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos "As Ciências da Vida no Brasil e as Oportunidades de Integração no Mercosul" KELLEN SANTOS REZENDE Diretora Substituta do Departamento

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente

Estado de São Paulo. Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde. Juan Quirós Presidente Estado de São Paulo Polo de Investimentos e Inovação para a Saúde Juan Quirós Presidente 12 de agosto de 2015 Investimento Estrangeiro na Saúde Abertura ao investimento do capital estrangeiro: Oportunidades

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

LIFE SCIENCES NO BRASIL

LIFE SCIENCES NO BRASIL LIFE SCIENCES NO BRASIL L IFE S CIENCES NO B R A presença da iniciativa privada no setor da saúde é cada vez mais relevante para a indústria de medicamentos e para as áreas de assistência à saúde, serviços

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos

Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde. Inova Saúde Equipamentos Médicos Atuação do BNDES no Apoio à Indústria de Equipamentos e Tecnologias para Saúde Inova Saúde Equipamentos Médicos Agenda Diagnóstico da Indústria * - Condicionantes e tendências da demanda por saúde - Estrutura

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência;

Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência; UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Objetivos do Programa Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência;

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

3 O mercado farmacêutico

3 O mercado farmacêutico 3 O mercado farmacêutico Este capítulo contempla os conceitos básicos do mercado farmacêutico, a estrutura da cadeia produtiva farmacêutica e o arcabouço legal e regulatório aplicado ao setor. Aborda,

Leia mais

Financiamento da saúde

Financiamento da saúde Financiamento da saúde Sessão de debates temáticos no Senado Federal Senado Federal 19 de setembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE

FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE O PROGRAMA: Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012 Financiamento para o desenvolvimento Novembro/2012 Agenda Contexto dos investimentos em infraestrutura no Brasil Desafios para a realização de investimentos em infraestrutura 1 Brasil Média Global Países

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 30 países mais ricos do mundo (OCDE) tiveram uma queda no PIB de 0,2% no quarto trimestre de 2012. Diminuição forte do consumo na Europa vai afetar economia

Leia mais

9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed)

9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 9º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 18 de agosto de 2015 PALESTRA: Internacionalização dos laboratórios farmacêuticos nacionais: acesso a novos mercados O Projeto A

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DO CONSELHO DA ABIT JANEIRO DE 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso de Graduação em Administração (Presencial) Turmas 1 e 2 MACROECONOMIA Prof. Adm. Dr. José Carlos de Jesus Lopes Material

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

Educação para o Desenvolvimento

Educação para o Desenvolvimento Educação para o Desenvolvimento FIESC Jornada pela Inovação e Competitividade Florianópolis, 19 de julho de 2012 gustavo.ioschpe@g7investimentos.com.br gioschpe A Educação no Brasil 74% da população brasileira

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009 Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil 6 de outubro de 2009 1 Agenda Estado da Indústria Nacional de Informática Estímulos à Indústria Nacional

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI

FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI FLAVIO VORMITTAG Médico pediatra FMUSP Especialização Medicina Farmacêutica UNIFESP Mestrado em Administração de Empresas FEA USP FURP - Superintendente

Leia mais

Clipping Farmacêutico

Clipping Farmacêutico Clipping Farmacêutico 18 de Setembro de 2015. Índice - Mercosul fará compra conjunta de remédios - Sem marca definida - Brasileira Eurofarma compra fábrica da Sanofi na Argentina - Cade aprova venda de

Leia mais

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS

MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO ESPECIAL ANÁLISE DOS BALANÇOS AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS www.valoronline.com.br Agosto 2011 Ano 11 Número 11 R$ 20,00 VALOR ECONÔMICO AS 250 MAIORES HOLDINGS OS 100 MAIORES BANCOS edição 2011 MAIORES EMPRESAS AS CAMPEÃS DE 25 SETORES OS DESTAQUES DE CADA REGIÃO

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

A IMPORTÂNCIA DO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A IMPORTÂNCIA DO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O caminho para a dignidade até 2030: acabando com a pobreza, transformando todas as vidas e protegendo o planeta. O secretário-geral

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Marco Legal da Inovação. Igor Cortez - CNI

Marco Legal da Inovação. Igor Cortez - CNI Marco Legal da Inovação Igor Cortez - CNI Australia Austria Belgica Canada Dinamarca Finlândia França Alemanha Irlanda Itália Japão Coreia do Sul Holanda Nova Zelândia Espanha Suécia Suíca Reino Unido

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO SETOR DE PRODUTOS PARA A SAÚDE NO BRASIL PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA E VENDAS NO COMÉRCIO

BOLETIM ECONÔMICO SETOR DE PRODUTOS PARA A SAÚDE NO BRASIL PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA E VENDAS NO COMÉRCIO EDIÇÃO: 05 FEVEREIRO 2014 JANEIRO-DEZEMBRO 2013 PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA E VENDAS NO COMÉRCIO A produção industrial de equipamentos de instrumentação médico- -hospitalar e ópticos, segundo a Pesquisa Industrial

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras

O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras O BNDES e a Internacionalização das Empresas Brasileiras Demian Fiocca Presidente do BNDES Apresentação no Seminário As Novas Multinacionais Brasileiras FIRJAN, Rio de Janeiro, 29 de maio de 2006 www.bndes.gov.br

Leia mais

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e

UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Objetivos do Programa Oferecer 101 mil bolsas de estudo no exterior para que nossos mais talentosos estudantes de graduação,

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios

Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios MODELO DE ATUAÇÃO Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios Conceitos É a implementação (do que?) de um produto (bem ou serviço) novo ou significamente melhorado, ou processo,

Leia mais

692.903 518.590 385.512 246.617 126.965 53.171. Fonte: Empresas Associadas Pró Genéricos

692.903 518.590 385.512 246.617 126.965 53.171. Fonte: Empresas Associadas Pró Genéricos Geração de impostos Valores Acumulados em R$ (000) 692.903 518.590 385.512 246.617 53.171 126.965 1999 2000 2001 2002 2003 2004 Estaduais Federais Fonte: Empresas Associadas Pró Genéricos Geração de empregos

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1. Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO

Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1. Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO Painel Setorial Inmetro Visão do setor produtivo sobre a nova série IEC 60601-1 Palestrante: Franco Pallamolla Presidente da ABIMO Maio de 2010 1. A ABIMO Associação Brasileira da Indústria de Artigos

Leia mais

O VAREJO E A DISTRIBUIÇÃO FARMACÊUTICA EM 2010. Eugênio De Zagottis Vice Presidente Comercial Droga Raia

O VAREJO E A DISTRIBUIÇÃO FARMACÊUTICA EM 2010. Eugênio De Zagottis Vice Presidente Comercial Droga Raia O VAREJO E A DISTRIBUIÇÃO FARMACÊUTICA EM 2010 Eugênio De Zagottis Vice Presidente Comercial Droga Raia TÓPICOS PARA DISCUSSÃO O VAREJO E O ATACADO DE MEDICAMENTOS EM 2005 TENDÊNCIAS PARA 2010 PERGUNTAS

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011

O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho. Janeiro/2011 O DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: O modelo atual e suas alternativas: Uma agenda de trabalho Janeiro/2011 O modelo atual (1994/2010) MAIS QUE UM MODELO DE DESENVOLVIMENTO É UM MODELO DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Perspectivas para o Setor de TI

Perspectivas para o Setor de TI Perspectivas para o Setor de TI Irecê Loureiro Maio / 2013 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952: empresa pública de propriedade da União Papel fundamental como investidor em equityatravés da BNDESPare

Leia mais

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL INDÚSTRIA DIVERSIFICADA... outros; 18,8% Alimentos

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Economia da Saúde: a inovação e seu impacto no Sistema de Saúde. Erika Aragâo Fiocruz BA e UFBA

Economia da Saúde: a inovação e seu impacto no Sistema de Saúde. Erika Aragâo Fiocruz BA e UFBA Economia da Saúde: a inovação e seu impacto no Sistema de Saúde Erika Aragâo Fiocruz BA e UFBA Ciência: "Refere-se a um sistema de aquisição de conhecimento. Tradicionalmente relacionado a observação e

Leia mais

EDITAL 1/2014 DE SELEÇÃO INTERNA DE CANDIDATOS AO PROGRAMA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPq/CAPES

EDITAL 1/2014 DE SELEÇÃO INTERNA DE CANDIDATOS AO PROGRAMA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPq/CAPES EDITAL 1/2014 DE SELEÇÃO INTERNA DE CANDIDATOS AO PROGRAMA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPq/CAPES A Universidade Católica de Brasília é participante do Programa Ciência

Leia mais

Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico

Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico Uma avaliação da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico Outubro de 2007/Maio de 2008 Ciro Mortella- Presidente Executivo Mercado Farmacêutico Mundial (12

Leia mais