Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data"

Transcrição

1

2 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Módulos Base (Questionários de Avaliação Financeira de Gestão e da Excelência) dos Índices de Benchmarking (IBP Índice de Benchmarking Português e BI Benchmark Index). INTRODUÇÃO O módulo de marketing é constituído por sete temas principais, com um total de vinte e seis sub-temas ou questões. Todas as questões se encontram no formato de nota ou indicador e recorrem a uma escala de referência de quatro pontos. Não existem outros grupos de dados. Os sete temas principais são: 1 Estratégia 2 Marketing 3 Novos produtos 4 Abordagem ao desenvolvimento / desempenho 5 Estabelecimento de marcas e promoções 6 Competitividade e preços 7 Clientes

3 02 ÍNDICE Os vinte e seis sub-temas são os seguintes: Estratégia Estratégia de marketing e desenvolvimento de produtos. Estratégia, objectivos e competências da empresa. Alianças estratégicas Marketing Estudos e previsões de mercado Segmentação e alvos de mercado Desenvolvimento de programas de marketing Parcerias com agentes e outros Formação na área de marketing Novos produtos / serviços Orçamento para investigação e desenvolvimento Ideias para novos produtos Avaliação de projectos e definição de prioridades Parcerias com clientes e fornecedores chave Parcerias com organismos de investigação Abordagem ao desenvolvimento/desempenho Equipas funcionais multidisciplinares Desenvolvimento de produtos e processos paralelos Prazo de desenvolvimento de produtos Execução de desenvolvimento de produtos Marcas e promoções Estratégia de marca As marcas como fonte de vantagem competitiva Mix promocional Concorrentes e política de preços Investigação e informações sobre os concorrentes Análise competitiva Mecanismos e políticas de preços Clientes Recolha e análise de informações sobre clientes Conhecimento de clientes Satisfação dos clientes

4 03 NOTAS DE REFERÊNCIA Nas página seguintes são dadas notas indicadoras sobre aquelas que são consideradas as melhores práticas para o marketing e desenvolvimento de produtos no âmbito das questões correspondentes. Convém realçar que a expressão desenvolvimento de produtos e a utilização da palavra produtos pode equivaler e ser aplicada a serviços. Foi definida uma escala de referência de quatro pontos para cada sub-tema. De forma a facilitar a avaliação foram indicadas características resumidas relativamente ao que tipifica cada ponto. Para atribuir uma nota a cada sub-tema, a empresa seleccionará um valor entre a) a d) que melhor represente a sua posição. O presente módulo foi concebido e avaliado pelo British Marine Equipment Council em conjunto com o First Marine International. É por este meio reconhecido o apoio e suporte dado ao BMEC e ao First Marine pelo Chartered Institute of Marketing, na compilação do presente módulo. Nomeadamente, as notas indicadoras foram retiradas directamente da ferramenta Company Self-Assessment do Instituto.

5 04 NOTAS DE REFERÊNCIA SOBRE BOAS PRÁTICAS Assinale com um círculo o número correcto entre a), b), c) ou d). Para atribuir uma nota a cada sub-tema, seleccione um valor entre a) e d) que melhor represente a sua posição. Dará origem a um relatório num formato normal. (Convém realçar que a expressão desenvolvimento de produtos e a utilização da palavra produtos pode equivaler e ser aplicada a serviços ). ESTRATÉGIA Existe um processo de planeamento estratégico bem definido. O planeamento estratégico é um processo que tem de envolver os directores de todas áreas do negócio. Tem de determinar as estratégias e os objectivos comerciais para o período planeado. O planeamento estratégico requer que a actividade analise cuidadosamente os mercados e os clientes que serve e quais as prováveis alterações. Por conseguinte, a recolha e a distribuição de dados fiáveis são fundamentais para o processo. A empresa deve reconhecer inteiramente as suas diferentes competências e o modo como estas são colocadas ao serviço dos clientes, conseguindo assim uma vantagem competitiva. As competências podem ser descritas como a complexa organização das capacidades, conhecimentos e processos que permitem as empresas liderarem uma determinada posição competitiva. Existem estratégias explícitas para o desenvolvimento e gestão de alianças estratégicas. Os tipos e as razões para as alianças estratégicas são variados. Contudo, todas elas partilham um objectivo comum permitir que a empresa entre em mercados e satisfaça clientes que de outro modo não conseguiria. O procedimento para determinar a entrada numa aliança estratégica e com quem ela deve ser feita, terá de ser rigoroso, sistemático e envolver os directores de todas as áreas do negócio. O marketing deverá desempenhar um papel fundamental na definição, no desenvolvimento e gestão das alianças.

6 05 ESCALA DE REFERÊNCIA DE AUTO-AVALIAÇÃO 1 Estratégia 1.1 Estratégia de marketing e desenvolvimento de produtos. a. Nenhum planeamento estratégico formal. b. Algum reconhecimento da importância do planeamento estratégico. Planeamento ad hoc com alguma contribuição dos directores. c. Procedimentos estabelecidos. A maioria dos directores seniores participa no planeamento anual. d. Um processo de planeamento estratégico claramente definido e sistematicamente aplicado. 1.2 Estratégia, objectivos e competências da empresa. a. Poucos objectivos específicos ou mensuráveis b. Objectivos financeiros formulados mas pouco divulgados. Dentro da empresa não há muita consciência da estratégia nem daquilo que a empresa faz. c. Os objectivos financeiros e não financeiros são parte integrante do processo de planeamento estratégico e são bastante divulgados. d. A missão comercial está traduzida em objectivos a todos os níveis da empresa. 1.3 Alianças estratégicas a. A empresa não recorreu, nem pensa recorrer, a qualquer tipo de aliança estratégica. b. Apenas a maioria dos directores seniores determina a abordagem comercial em relação às alianças estratégicas. c. A empresa analisará possíveis alianças para conquistar novos clientes e mercados para os produtos existentes e participou em projectos de desenvolvimento de novos produtos. d. Desde há algum tempo que as alianças estratégicas têm sido utilizadas para conjugar competências com outras empresas, desde as vendas até ao pós-venda.

7 06 2 Marketing Existe um processo sistemático para a recolha e utilização das informações de marketing As informações de marketing podem derivar de várias fontes e o processo de recolha e distribuição de dados deverá ser rigoroso e sistemático. Cada vez mais, a satisfação do cliente é reconhecida como o motor do sucesso comercial. Por conseguinte, as empresas têm de desenvolver formas de avaliar as expectativas e os níveis de satisfação dos clientes. Os dados de marketing proporcionam cada vez mais oportunidades para o estabelecimento do perfil do cliente e para a avaliação da concorrência. Várias empresas líder utilizam sistemas de marketing baseados em TI, de forma a permitir um serviço de valor acrescentado, verdadeiramente centrado no cliente. O pessoal de todas as áreas está activamente envolvido na recolha de informações de mercado. As informações de mercado podem estar relacionadas com clientes, concorrentes, produtos de substituição, novas entradas, fornecedores, etc. Na realidade, podem ser encarados como todos os dados externos à empresa. Para a maioria das empresas a melhor fonte de informações de mercado são os próprios empregados e não apenas a força de vendas. Os empregados perfeitamente conscientes das necessidades dos clientes e da situação competitiva descobrirão e comunicarão com frequência informações úteis. O reconhecimento dos esforços de recolha de dados também é essencial. A formação continua é fundamental para estabelecer o profundo conhecimento das necessidades do mercado. Há uma abordagem consciente e explicita à segmentação, à definição de alvos e ao posicionamento Todos os mercados são constituídos por compradores e os compradores diferem num ou mais aspectos. Podem divergir no que procuram, no poder de compra, na localização, nos comportamentos de compra e nas formas de compra. Qualquer destas variáveis, bem como muitas outras, podem ser utilizadas para segmentar um mercado. A empresa terá de desenvolver perfis, quantificar o poder de atracção de um segmento e definir um segmento alvo onde entrar. De seguida, terá de estabelecer uma posição competitiva viável para si mesma e para as suas ofertas dentro de cada mercado alvo.

8 07 Terão de ser desenvolvidos vários programas de marketing para assegurar que o segmento escolhido receba os produtos, serviços e informações adequados e que estão a ser utilizados os meios de marketing correctos. A empresa tem um programa explícito para desenvolver parcerias estratégicas com distribuidores, agentes e outros intermediários. Os meios escolhidos pela empresa afectam todas as outras decisões de marketing. Um sistema de distribuição é um recurso externo chave que leva anos a ser construído e que não pode ser alterado de um momento para o outro. Tem tanta importância como os recursos internos chave como o pessoal e instalações de produção, de pesquisa, de concepção e de vendas. Representa um compromisso significativo perante empresas independentes que se dedicam à distribuição. A cultura da empresa está orientada para o marketing Uma orientação para o mercado não significa que o pessoal de marketing seja ao mais importante para a empresa. Apenas significa que todo o pessoal, desde os directores seniores aos operários, compreende os mercados e os clientes servidos. Um entendimento total dos processos de marketing, principalmente da análise dos clientes e dos concorrentes, do marketing estratégico, do planeamento e dos objectivos, é fundamental ao nível dos directores seniores.

9 08 2 Marketing 2.1 Estudos e previsões de mercado a. Não é efectuado qualquer estudo de mercado. As publicações sobre comércio apenas são adquiridas mediante o interesse. b. A pesquisa é principalmente de secretária. O orçamento é englobado no orçamento de para o marketing. c. Existe um orçamento próprio para a pesquisa de mercado. São utilizadas outras fontes com frequência. Todos são encorajados a prestarem informações sobre os mercados. d. As fontes principais e secundárias fornecem dados sobre previsões de mercado e perfis de clientes. 2.2 Segmentação e alvos de mercado a. A empresa segmenta os mercados de forma muito básica e não define os graus de atracção dos segmentos identificados. b. São utilizadas variáveis alargadas para segmentar os mercados, como por exemplo, a aplicação do produto e as características dos produtos. A tendência vai para a concentração no segmento de maior crescimento. c. Ao escolher os segmentos alvo, a empresa avaliou dimensão, taxa de crescimento, recursos adequados à empresa e a rentabilidade relativa. d. Existe uma abordagem rigorosa à segmentação, consistente com os objectivos a longo prazo e com as diferentes competências da empresa. 2.3 Desenvolvimento de programas de marketing a. A empresa raramente ajusta o seu marketing aos diferentes segmentos de mercado. b. A empresa ajusta um ou dois elementos do marketing (exemplo, preço, canais de promoção) para satisfazer as necessidades do segmento alvo. c. A empresa procura definir a oferta de modo a que o produto, serviço, pessoal e imagem a distingam dos outros concorrentes. e. O posicionamento da oferta da empresa reflecte um entendimento profundo do modo como o mercado alvo define valores e escolhe os fornecedores.

10 Parcerias com agentes e outros a. A empresa raramente revê as suas estratégias de distribuição e não estabelece objectivos destinados a distribuidores e agentes. São quase sempre utilizados os mesmos intermediários. b. Os canais de distribuição são alterados se surgir uma alternativa com custos mais baixos mas o processo é bastante arbitrário. São definidos objectivos para os intermediários. c. São estabelecidos claros critérios de recrutamento de distribuidores e agentes. O controle do desempenho é feito pela análise das vendas durante um determinado período, da cota de mercado, da satisfação dos clientes, etc. d. A empresa e os seus distribuidores estabelecem alianças estratégicas claras destinadas ao desenvolvimento do mercado. 2.5 Formação na área de marketing a. Formação limitada em termos de marketing e vendas. A formação cobre os produtos e os mercados. b. Todos os empregados recebem formação sobre produtos, mercados e compreensão das necessidades dos clientes. Há alguma formação contínua, conforme a necessidade. c. A formação procura ser pró-activa. É dada formação contínua aos empregados sempre que os processos e os mercados mudam. d. Como c com todos os empregados a serem mantidos informados sobre as mudanças das necessidades dos clientes e sobre a concorrência.

11 10 3 Novos produtos / serviços O desenvolvimento de um novo produto é encarado como um processo complicado e são utilizadas abordagens sistemáticas Existe um processo fiável para alocar recursos para o desenvolvimento de um novo produto, que é sujeito ao controlo e revisão de quase todo o nível sénior. Existe um ambiente de aprendizagem que permite que a empresa beneficie com os seus próprios erros. O pessoal técnico e o próprio mercado fornecem as informações necessárias a todo o processo de desenvolvimento de um novo produto. As propostas têm de ser apoiadas por elementos comerciais bastante sólidos antes de serem levadas à prática. Os projectos estão sujeitos a análises disciplinadas em momentos chave do seu desenvolvimento. As análises de mercado e os procedimentos de teste são utilizados ao longo do processo de desenvolvimento para guiar e avaliar os resultados. Os clientes, fornecedores e outras partes relevantes externas estão conscientes e deliberadamente envolvidos no desenvolvimento de um novo produto Obtêm-se ganhos mútuos através da combinação das capacidades e conhecimentos de todos os envolvidos na cadeia de valor. São estabelecidas parcerias de investigação com instituições académicas e de pesquisa.

12 11 3 Novos produtos / serviços 3.1 Orçamento para investigação e desenvolvimento a. Não há qualquer orçamento formal para investigação e desenvolvimento. I&D não têm qualquer organização sistemática. b. A investigação e desenvolvimento constituem um item padrão do plano de negócios. c. O planeamento da I&D integra o processo formal do planeamento dos negócios. O período orçamentado ultrapassa um ano. d. Existe um processo de orçamentação formal e estabelecido que abrange o desenvolvimento de novos produtos. Os orçamentos são definidos com a participação de todos os directores seniores. 3.2 Ideias para novos produtos / serviços a. Não está definido qualquer processo de identificação de novas ideias e oportunidades. Por norma, as ideias são casuais. A forma e o conteúdo das propostas não estão especificados. b. É reconhecida a necessidade de criar um departamento de criação de ideias. Estão definidas linhas orientadoras para a apresentação e avaliação de novos projectos. c. A estrutura e o processo de captação de novas ideias estão implantados. É necessária uma estrutura comercial sistemática para apoiar as novas ideias de produtos. d. É feita uma procura profunda e alargada de novos projectos. Das fontes de informações fazem parte os clientes, os concorrentes e os intermediários Avaliação de projectos e definição de prioridades a. Os projectos evoluem de forma casual. O sistema de informação é informal. A direcção não efectua qualquer controlo activo. b. São feitas tentativas para priorizar propostas de novos desenvolvimentos. Periodicamente são solicitados relatórios formais. c. O desenvolvimento de novos produtos é uma actividade sistemática e organizada. O planeamento antecipado é a norma. A estratégia impulsiona o esforço de desenvolvimento. d. O processo de avaliação e priorização de projectos foi implementado e testado ao longo do tempo, tendo em vista a sua eficácia em termos dos resultados reais.

13 Parcerias com clientes e fornecedores chave a. Os clientes, fornecedores e outras partes, não estão envolvidos no desenvolvimento de novos produtos. b. Existem exemplos do envolvimento não coordenado de clientes / fornecedores, que constituem a excepção e não a regra. c. A empresa tem por política o envolvimento de clientes / fornecedores no desenvolvimento de novas ideias de produtos, bem como a sua colaboração nos projectos. d. As equipas de desenvolvimento incluem representantes do cliente ou do fornecedor, em algumas fases. O planeamento comercial conjunto é uma prática corrente. 3.5 Parcerias com organismos de investigação a. Não são estabelecidas parcerias com universidades ou outros organismos de investigação. b. Existem alguns exemplos em que as actividades de pesquisa e de desenvolvimento da empresa foram colher informações junto destas fontes. c. As instituições de investigação têm uma contribuição activa para o programa de pesquisa e desenvolvimento da empresa. d. Existe um historial de relações estabelecidas com vários organismos de investigação. As trocas de informações e de pessoal são comuns.

14 13 4 ABORDAGEM AO DESENVOLVIMENTO/DESEMPENHO O envolvimento das equipas coordenadas é consciente e deliberado A organização do desenvolvimento de novos produtos considera a necessidade de transpor para o processo todas as perspectivas importantes e o esforço de harmonização. São tomadas medidas que têm em vista a comunicação efectiva entre todas as áreas e departamentos. A produtividade e a eficácia são importantes para a realização do desenvolvimento de novos produtos. O desenvolvimento de produtos e de processos são considerações simultâneas São utilizadas ferramentas e técnicas para assegurar que os temas de produção sejam discutidos durante o processo de concepção. O desenvolvimento de novos produtos está condicionado pelo tempo e são estabelecidos objectivos quantificados para a gestão e controlo Podem ser definidos padrões e objectivos para a melhoria do desempenho tendo em vista o prazo de lançamento no mercado. São implementados planos de acção que darão origem às melhorias pretendidas. Ganha quem tiver objectivos respeitantes ao prazo de lançamento no mercado. A empresa tem de compreender os factores que têm impacto nos mercados. Os alvos e as medidas estão relacionados com os resultados de um determinado negócio e com os factores chave que impulsionam o sucesso do desenvolvimento de novos produtos.

15 14 4 ABORDAGEM AO DESENVOLVIMENTO/DESEMPENHO 4.1 Equipas funcionais multi-disciplinares a. O desenvolvimento de novos produtos não é organizado. As comunicações seguem as linhas verticais tradicionais. b. Está a ser desenvolvida uma estratégia para melhorar as comunicações e a eficácia das equipas coordenadas. c. O desenvolvimento de produtos é uma actividade que abrange toda a empresa. As comunicações são efectivas. O desempenho da equipa é visível. d. As equipas coordenadas estão conscientemente envolvidas no desenvolvimento de produtos. Os sistemas de comunicação são testados e constantemente melhorados. 4.2 Desenvolvimento de produtos/serviços e processos paralelos a. Há poucas ou nenhumas provas de que as considerações em termos de custos e eficácia de produção são incorporadas nas fases de concepção de produtos. b. Na sua actividade, a empresa debruça-se sobre o assunto do desenvolvimento paralelo de produtos e de processos de fabrico. c. Foi estabelecida uma ligação formal que assegura que as questões de fabrico sejam incorporadas nas fases adequadas da concepção e do desenvolvimento. d. A abordagem da empresa ao desenvolvimento simultâneo de processos e de produtos está bem definida e estende-se a todas as partes envolvidas no negócio. 4.3 Prazo de desenvolvimento de produtos a. Não há uma consciência explícita do prazo de desenvolvimento até ao lançamento no mercado. b. A importância de uma estratégia para reduzir o prazo necessário ao desenvolvimento de novos produtos é reconhecida e são tomadas medidas para tal. c. A empresa tem uma estratégia clara para reduzir o prazo para o lançamento no mercado. d. São alocados recursos para suportar uma estratégia, em constante evolução, destinada a reduzir o prazo até ao lançamento no mercado, com bons resultados.

16 Execução do desenvolvimento de produtos a. O desenvolvimento de novos produtos não está sujeito a quaisquer avaliações sistemáticas. b. São aplicadas algumas avaliações de resultados, como por exemplo, a comparação das vendas previstas com as reais, numa tentativa de avaliar a eficácia das equipas de desenvolvimento de produtos. c. A empresa regista e analisa sistematicamente os custos e vendas em relação às previsões. O processo de revisão é incorporado no trabalho de desenvolvimento. d. O desenvolvimento de novos produtos é julgado em termos do desempenho da equipa bem como do sucesso do produto final, mediante os objectivos e avaliações estabelecidos.

17 16 5 MARCAS E PROMOÇÕES Em toda a organização há a plena consciência do papel das marcas As marcas podem ser encaradas como uma afirmação do empenho da empresa perante os clientes, accionistas, empregados e parceiros comerciais. Por conseguinte, o estabelecimento de marcas tem de ser um processo de integração, que envolve a criação e a sustentação de uma posição clara e distinta nas mentes dos clientes alvo relativamente à importância da empresa e dos produtos. O estabelecimento de marcas é encarado como uma fonte de vantagem concorrencial A gestão efectiva do estabelecimento de marcas deve ser baseada na avaliação sistemática e regular da posição da empresa no mercado. As decisões de investir numa marca devem considerar o potencial a longo prazo que a marca tem em termos de vendas e lucros e não o oportunismo a curto prazo. Devem ser feitas tentativas para estimar o valor da marca da empresa em termos de avaliação positiva de cliente, da posição concorrencial e do empenho dos empregados.

18 17 5 MARCAS E PROMOÇÕES 5.1 Estratégia de marca a. Não existem ou quase não existem referências à imagem da empresa, a marcas ou ao estabelecimento de marcas em documentos relacionados com o planeamento comercial. b. Têm havido algumas tentativas para definir uma estratégia de gestão e desenvolvimento da marca da empresa existente (ou para a criação de uma nova). c. Existe uma estratégia bem definida para a gestão e desenvolvimento da marca. O marketing é encarado como uma decisão de investimento. d. O lema da empresa foi completamente traduzido numa declaração de posição que guia os esforços e a estratégia global do negócio. 5.2 A marca como vantagem competitiva a. Não foi efectuado qualquer esforço para identificar o modo como os clientes, fornecedores ou distribuidores entendem a imagem global da empresa ou a marca individual. b. Foi feito algum esforço para definir o modo como os clientes e outros compreendem a imagem e os produtos da empresa. Por vezes, este aspecto é discutido nas reuniões de direcção. c. Dentro da empresa há um vasto conhecimento do valor das marcas da empresa e do que elas representam. As marcas são discutidas com regularidade. d. A empresa conduz sistematicamente estudos sobre a noção que os clientes e as outras entidades têm da sua imagem e marcas. Os resultados dos estudos são largamente discutidos. 5.3 Mix promocional a. As noções sobre os melhores mix promocionais (publicidade, promoções de vendas, feiras, vendas pessoais, etc.) tendem a ser baseadas nas opiniões do director principal. b. A empresa avaliou informalmente a importância relativa das várias ferramentas promocionais dentro dos seus mercados. c. A empresa avaliou formalmente a importância relativa das várias ferramentas promocionais, dos registos das vendas e da actividade promocional. d. A empresa opera uma estratégia de comunicações de marketing integrada que coordena, unifica e controla o pacote promocional.

19 18 6 CONCORRÊNCIA E POLÍTICA DE PREÇOS Há cada vez mais uma consciência da necessidade de avaliações e revisões externas da competitividade da empresa e da sua situação no mercado A perspectiva externa é cada vez mais vital uma vez que os mercados e a competitividade evoluem rapidamente. A actividade tem de ter os procedimentos bem estabelecidos para avaliar a concorrência e para formular os planos estratégicos adequados. Toda a actividade tem de estar consciente das exigências dos clientes e da situação geral da concorrência. Os recursos são efectivamente desenvolvidos tendo em conta a concorrência A maioria das empresas funciona dentro de um ambiente cada vez mais competitivo. Por consequência, é essencial um profundo conhecimento dos seus concorrentes, bem como um profundo conhecimento dos seus clientes. As informações sobre a concorrência nos mercados industriais são, notoriamente, difíceis de obter. Por conseguinte, os sistemas destinados à recolha, análise e distribuição de dados têm de ser rigorosos e ser constantemente aplicados. Depois de os dados sobre a concorrência terem sido analisados, a empresa tem de avaliar a sua própria competitividade dentro dos mercados escolhidos. Então, terá de ter consciência da forma como poderá desenvolver os seus recursos por forma criar mais-valias para os clientes.

20 19 6 CONCORRÊNCIA E POLÍTICA DE PREÇOS 6.1 Investigação e informação sobre os concorrentes a. A empresa não recolhe formalmente informações sobre os concorrentes. b. A empresa controla a cota de mercado e os preços dos produtos concorrentes. c. São avaliadas as cotas de mercado de produtos, os preços e as informações financeiras dos concorrentes. A empresa discute amplamente a competitividade. d. São analisadas as forças, fraquezas e estratégias dos concorrentes. A empresa leva a cabo o fabrico invertido dos produtos da concorrência 6.2 Análise competitiva a. Não há análise sistemática da concorrência nem das fontes de vantagens ou desvantagens competitivas. b. O departamento de marketing reúne as informações sobre a concorrência. Os directores seniores têm um entendimento básico da origem da vantagem competitiva c. Todos os directores têm um entendimento profundo da origem da vantagem competitiva da empresa. Está instalado um sistema de análise de competitividade. d. Sistema de informações sobre a concorrência bem definido e alto grau de análise da competitividade. Largo conhecimento dos processos negociais que dão origem a valores acrescentados. 6.3 Mecanismos e políticas de preços a. Os preços são estabelecidos simplesmente mediante uma margem acima dos custos ou de uma avaliação da marca. b. A empresa prevê a procura e os custos ao definir os preços dos produtos. c. A empresa considera as previsões sobre a procura, custos e preços da concorrência em cada segmento de mercado, ao estabelecer os preços dos produtos. d. A empresa segue um conjunto de procedimentos para o estabelecimento de preços que consideram a procura, os custos, os preços da concorrência, mais um valor calculado para cada produto em cada segmento de mercado.

21 20 7 CLIENTES O programa de marketing é ajustado regularmente de forma a reflectir e antecipar as necessidades dos clientes O ambiente em constante alteração em que a maioria dos negócios opera requer um feedback periódico e preciso por parte dos clientes, em relação a cada aspecto do programa de marketing. Este feedback não tem de ser apenas recolhido como também distribuído e levado em conta. Os directores de todas as áreas da empresa têm de estar conscientes de todas as implicações destas informações. Não chega o marketing reflectir as necessidades dos clientes, tem também de antecipar as mudanças a que estas necessidades estão sujeitas. Para a preparação dos planos de marketing há que prever as alterações na procura, na tecnologia, na concorrência, na macroeconomia, nos fornecedores, etc. A empresa faz a gestão através do marketing de relações Por vezes, o recrutamento de novos clientes tem custos mais elevados do que a manutenção dos existentes. A manutenção é cada vez mais reconhecida como um aspecto vital para a prosperidade da empresa. Baseia-se na total compreensão das necessidades dos clientes e no ter como objectivo principal a sua satisfação. Uma estrutura de contas chave, que alinhe os recursos da empresa com os clientes chave, é cada vez mais fundamental para a manutenção de uma estreita ligação com os clientes mais preciosos. Ao desenvolver uma estrutura de contas chave há que também levar em conta o futuro potencial dos clientes. Tal requer uma avaliação do tempo útil de vida dos clientes. Os que estão em rápido crescimento e / ou têm uma liderança tecnológica devem ser encarados como possíveis futuros clientes chave.

22 21 7 CLIENTES 7.1 Recolha e análise de informações sobre clientes a. Poucos ou nenhuns dados sobre clientes são recolhidos. A equipa de vendas pode prestar algumas informações qualitativas. b. A empresa dispõe de dados sobre as vendas de produtos, nomeadamente geográficos e sobre os canais de distribuição, estando consciente das vendas a empresas. c. Grande quantidade de dados sobre o mercado e sobre os clientes. Os dados são sempre analisados nas reuniões de direcção. d. A empresa também dispõe de dados detalhados sobre o comportamento dos compradores. Todos eles constituem um elemento fundamental de um sistema de informações de marketing e são úteis para as análises estratégicas. 7.2 Conhecimento de clientes a. A empresa não tem consciência da rentabilidade relativa dos clientes individuais. b. A empresa tem consciência de quais os clientes que têm boas prestações nos seus mercados. São mantidos registos das vendas a cada cliente. c. A empresa levou a cabo uma análise sistemática da sua base de clientes e identificou a minoria de clientes responsáveis pela maioria das vendas. d. A empresa avalia formalmente o valor de cada cliente e centra-se nos mais atractivos A empresa dispõe de uma estrutura de contas chave. 7.3 Satisfação dos clientes a. Não há controlo de clientes. Poucas informações da equipa de vendas. b. A empresa regista as queixas dos clientes. A maioria dos dados sobre a satisfação dos clientes é qualitativa e provém da equipa de vendas. c. Periodicamente são feitos controlos ao grau de satisfação dos clientes. A empresa verifica e avalia as queixas. As tendências de satisfação influenciam. d. São feitos controlos e avaliações regulares às causas de satisfação e insatisfação dos clientes. Os resultados são cuidadosamente verificados e têm um forte impacto sobre a estratégia.

O seu CNB terá todo o prazer em lhe oferecer ajuda adicional, se esta for necessária.

O seu CNB terá todo o prazer em lhe oferecer ajuda adicional, se esta for necessária. 01 Pessoa de Contacto Cargo Nome da Empresa Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em conjugação com os Questionários de Avaliação Financeira e de Gestão, Módulos base dos Índices de

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data

Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data 01 Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data O presente questionário deve ser utilizado em complemento dos Questionários de Avaliação Financeira, de Gestão e Excelência Módulos Base dos Índices

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade Sistemas de estão da Qualidade Transparências de apoio à disciplina de estão da Qualidade rupo de ontrolo e estão Normas de arantia da Qualidade Historicamente Imposição dos grandes compradores e detentores

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Fazer um plano de marketing

Fazer um plano de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Fazer um plano de marketing A coerência e articulação das diferentes políticas da empresa ou produto(s) é responsável em grande parte pelo seu sucesso ou insucesso.

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E Quem somos? Quem somos? O que fazemos? O que nos distingue? Onde estamos? 2 Quem somos? APRESENTAÇÃO A Talent Search foi

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Benchmarking e Boas Práticas no sector das Novas Tecnologias Jorge Carrola Rodrigues

Benchmarking e Boas Práticas no sector das Novas Tecnologias Jorge Carrola Rodrigues Benchmarking e Boas Práticas no sector das Novas Tecnologias Jorge Carrola Rodrigues Director, Lisconsult Consultoria Empresarial SA Consultor Nacional de Benchmarking (IAPMEI/UKBI-DTI) Coimbra, 8 de Abril

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

2007 Prentice Hall 4-1

2007 Prentice Hall 4-1 Capítulo 4 Desenho da Pesquisa Exploratória: Dados Secundários 4-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução; 2) Informação Secundária versus Primária; 3) Vantagens e Usos da Informação Secundária; 4) Desvantagens

Leia mais

Elementos das Organizações

Elementos das Organizações Elementos das Organizações > Teoria das Organizações > Teoria dos Sistemas (TGS) > Componentes das Organizações / Ambiente Recursos Estratégia Objectivos Estrutura Processos Regras Cultura Politica Pessoas

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de Sistema de Gestão e de Garantia da Qualidade Agenda Enquadramento Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Garantia da Qualidade 2 Enquadramento Estatutos da ESHTE Prossecução de objectivos de qualificação

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS 1 INTRODUÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS Ao abordarmos o conceito de projecto de investimento começaremos por citar algumas definições propostas por alguns autores e instituições de reconhecido

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing Departamento Comercial e Marketing As inovações na gestão empresarial O desenvolvimento económico actual e a necessidade das empresas serem competitivas estão gerando inovações constantes na gestão empresarial.

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 COMMERCIAL & MARKETING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados,

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO

DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL DIRECTOR(A) DE RESTAURAÇÃO ÁREA DE ACTIVIDADE - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO OBJECTIVO GLOBAL - Planear, dirigir e controlar as actividades de produção e de serviço de alimentos

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade.

Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade. 2 BENCHMARKING Todas as informações fornecidas serão tratadas com a mais estrita confidencialidade. Nome da Empresa Pessoa de Contacto Cargo Consultor Data INTRODUÇÃO O presente questionário, concebido

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias ÍNDICE Introdução...2 Capítulo I Programa Formação Ação para PME...3 I.1 Objetivos...3 I.2 Metodologia de Intervenção...4 I.3 Equipas de Intervenção...11

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT McGraw-Hill/Irwin 2007 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. 6 Desenvolvimento Chapter Title da Estratégica Competitiva 15/e PPT Screen graphics created by: Jana F. Kuzmicki, Ph.D. Troy

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal E HCMS Hospitality Concepts & Management Solutions Índex Sobre a HCMS Empresa Missão Valores Serviços Áreas de Intervenção Directrizes

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO

Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO Síntese do estudo sobre A ADESÃO DAS PME NACIONAIS À PRÁTICA DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. PRINCIPAIS CONCLUSÕES Há um entendimento razoável das vantagens da prática do comércio electrónico no seio das PME

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário

Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho Inquérito europeu às empresas sobre riscos novos e emergentes Sumário Este inquérito, realizado pela EU-OSHA a empresas de toda a Europa, visa contribuir

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Departamento comercial e Marketing

Departamento comercial e Marketing Departamento comercial e Marketing Tânia Carneiro Nº20 12ºS Departamento Comercial Noção e objectivos da função comercial O departamento de vendas é considerado por muitos como mais importante da empresa,

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro

Certificar para Ganhar o Futuro Certificar para Ganhar o Futuro Loulé, 9 de Novembro 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região do Algarve como Mercado Estratégico

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço BENCHMARKING 2014 Estudo dos niveis de serviço Objetivo do estudo BENCHMARKING 2014 O objectivo deste estudo é conhecer o nível de serviço oferecido pelos fabricantes do grande consumo aos distribuidores,

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO

PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO PRODUTOS INOVADORES CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO CINCO PASSOS PARA ATINGIR O SUCESSO Os produtos são componentes diferenciadores nos serviços financeiros. E sempre o foram. Mas no ambiente competitivo,

Leia mais

CONTROLPLAN CONSULTING

CONTROLPLAN CONSULTING A ESTRATÉGIA É IMPORTANTE, MAS A EXECUÇÃO É QUE CONTA CONTROLPLAN CONSULTING O SEU PARCEIRO DE NEGÓCIOS CONTROLPLAN CONSULTING APRESENTAÇÃO ESTUDOS DE MERCADO A ControlPlan Consulting tem sido uma referência

Leia mais

DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS

DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS Circular No. 169/B/2002-DSB/AMCM (Data: 21/11/2002) DIRECTIVAS PARA O CONTROLE INTERNO DAS INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO AUTORIZADAS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), com os poderes conferidos pelo artigo

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais