Marketing para o transporte coletivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marketing para o transporte coletivo"

Transcrição

1 Marketing para o transporte coletivo Rejane D. Fernandes Diretora de Relações Estratégicas da EMBARQ Brasil

2

3 SSES IDIOTAS OMASSEM SE ESSES IDIOTAS SE ESSES IDIOTAS IBUS, EU JÁ TOMASSEM ÔNIBUS, TOMASSEM SE ESSES IDIOTAS STARIA EM EU JÁ ESTARIA EM ÔNIBUS, EU JÁ TOMASSEM CASA... SE ESSES CASA... ÔNIBUS, EU JÁ ESTARIA EM IDIOTAS ESTARIA EM CASA... TOMASSEM SE ESSES IDIOTAS CASA... SE ESSES SE ESSES IDIOTAS ÔNIBUS, EU JÁ SE ESSES IDIOTAS SE ESSES IDIOTAS IDIOTAS TOMASSEM TOMASSEM TOMASSEM ÔNIBUS, ESTARIA EM TOMASSEM ÔNIBUS, EU JÁ ÔNIBUS, EU JÁ EU JÁ ESTARIA EM CASA... ÔNIBUS, EU JÁ ESTARIA EM CASA... CASA... ESTARIA EM ESTARIA EM CASA... CASA...

4

5

6 Marketing não faz milagres

7 NÃO!

8 Transantiago

9

10 Transantiago

11 Manual de Marketing EMBARQ

12 Oito componentes do marketing 1 Marca e identidade 5 Campanhas de marketing 2 Comunicação Interna 6 Relações públicas e comunicação externa 3 Educação do usuário 7 Sistemas de feedback do usuario 4 Sistemas de informação ao usuário 8 Engajamento online

13

14

15 Velocidade (rapidez no deslocamento) Conectividade (chegar a todos os lugares a toda hora) Confiabilidade (chegar na hora certa)

16 Cidade do México - Metrobús 7,8 Escala de 1 a 10 6,9 Fonte: Entrevista de satisfação do usuário, REFORMA, agosto 2011

17 Los Angeles

18

19 Visual Unificado/ Relacionado/ Consistente

20

21

22 Rio de Janeiro

23 Campanhas de Marketing apoiadas na qualidade do sistema

24 Ri o de Janei r o abr e al as par a o BRT A Pr ef ei t ura do Ri o i naugura emmai o o pri mei ro cor redor expr esso de BRT (Bus Rapi d Tr ansi t ) da ci dade. A Tr ansoest e vai l i gar a Bar ra da Ti juca a Campo Gr ande e Sant a Cr uz de manei ra ági l e conf or t ável, benef i ci ando cer ca de 220 mi l pessoas por di a. Pr edomi nant ement e segr egado do t ráfego ger al, compost o por l i nhas expr essas e par ador as, o cor redor t er á 56 kmde ext ensão e 64 est ações. O i nvest i ment o da Pr ef ei t ura é de R$ 900 mi l hões. Ao l ongo do t raçado da Tr ansoest e a Secr et ar i a Muni ci pal de Obr as const rui u o t únel da Gr ot a Funda, o mai s moder no do Ri o, l i gando o Recr ei o dos Bandei rant es a Guar at i ba. O t únel é a pri nci pal est rutura do projet o e uma das mai or es i nt er venções urbaní st i cas da Foto: Jorge dos Santos/Fetranspor Tr ansoest e t er á veí cul o arti cul ado de pi sto al to. ci dade. O i t i ner ár i o dos l i gei r ões da Tr ansoest e - como os BRTs já f or ampopul ar ment e bat i zados - conta ai nda comtrês vi adutos e três pontes, al ém de 45 est ações. Tambémest ão emandament o as obr as do cor r edor Tr anscar i oca, que vai l i gar a Bar r a da Ti juca ao Aer opor t o I nt er naci onal, na I l ha do Gover nador, numa f ai xa segr egada de 39 kmde ext ensão. O si st ema vai r eduzi r emmai s de 60%o t empo gast o 6 7 Ri o de Janei r o, Br asi l. Foto: Prefeitura do Rio de Janeiro no t rajet o ent re os doi s bai rros, per mi t i ndo ai nda a i ntegr ação aos out ros modai s (t rem, met rô e ci cl ovi as) ao l ongo da vi a. A est i mat i va é que cer ca de 400 mi l pessoas sejambenef i ci adas di ar i ament e pel o si st ema, que vai at ender t ambémos bai rros de Cur i ci ca, Taquar a, Tanque, Pr aça Seca, Campi nho, Madur ei ra, Vaz Lobo, Vi cent e de Car val ho, Vi l a da Penha, Penha, Ol ar i a e Ramos. Umano após o i níci o da pri mei ra f ase da Tr anscar i oca, al gumas das mai s i mpor t ant es obr as est ão próxi mas da concl usão, como a const rução do mer gul hão do Campi nho e a ampl i ação do vi adut o de Madur ei ra (Negr ão de Li ma), que ser ão i naugurados no f i nal de mai o dest e ano e l i ber ados par a o t ráfego ger al - at é os t rechos f i car emt ot al ment e pront os e ser eml i gados pel os BRTs. A pref ei t ura t ambémjá t rabal ha na const rução de doi s mer gul hões e uma pont e est ai ada na Aveni da Ayr t on Senna, na Bar ra da Ti juca, e já deu i níci o à segunda et apa da obr a, que começou pel a const rução de uma pont e est ai ada sobr e a Baí a de Guanabar a (l i gando o Fundão à I l ha do Gover nador ). As obr as da Tr anscar i oca cont amcomr ecur so de R$ 1,1 bi l hão do Gover no Feder al e cont rapar t i da de R$ 403 mi l hões da Pr ef ei t ura. A Pr ef ei t ura do Ri o t ambémf i nal i zou o processo l i ci t at ór i o da Tr ansol ímpi ca, vi a expr essa de 26 kmde ext ensão, que vai l i gar o Recr ei o dos Bandei rant es à Deodor o, passando por Bar ra da Ti juca, Jacar epaguá, Cur i ci ca, Taquar a, Jardi msul acap e Magal hães Bast os. A model agemeconômi ca ser á de concessão, precedi da de obr a públ i ca, sendo o úni co cor redor expr esso compedági o. O projet o est á or çado emr$ 1,6 bi l hão. Fechando o anel vi ári o da ci dade, a Pr ef ei t ura do Ri o já gar ant i u, comapoi o do Gover no Feder al, a execução do projet o da Tr ansbr asi l, cor redor de BRTs de 32 kme 28 est ações ao l ongo da Aveni da Br asi l, desde Deodor o at é o Aer opor t o Sant os Dumont - passando t ambémpel as aveni das Pr esi dent e Var gas e Franci sco Bi cal ho. Or çada emr$ 1,3 bi l hão, a Tr ansbr asi l t er á f i nanci ament o de R$ 1,129 bi l hão pel o PACda Mobi l i dade Ur bana. A Pr ef ei t ur a do Ri o ent r ar á comr$ 171 mi l hões de contraparti da. Comessa nova i nf r aest r ut ur a vi ár i a, o í ndi ce de cober t ur a de t r anspor t e de al t a capaci dade passa dos at uai s 18%par a 63%at é As Tr ans dar ão supor t e aos megaevent os espor t i vos que a ci dade vai sedi ar - Copa do Mundo de 2014 e Ol i mpí adas de e ser ão umgr ande l egado par a os cari ocas. Foto: Jorge dos Santos/Fetranspor Tr ansoest e t emest ações moder nas e comacessi bi l i dade uni ver sal

25

26 Obrigada! Rejane D. Fernandes

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL)

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL) Mét odo do Valor At ual () ou Valor r esent e Líquido (VL) O mét odo do Valor At ual () per mit e que conheçamos as nossas necessidades de caixa, ou ganhos de cer t o pr oj et o, em t er mos de dinheir

Leia mais

NOSSA LI STA DE PRODUT OS PARA COFFEE BREAK

NOSSA LI STA DE PRODUT OS PARA COFFEE BREAK NOSSA LI STA DE PRODUT OS PARA COFFEE BREAK ( Na foto: qui che i ntegr al de alho porró co muva passa branca, torta i ntegr al de goi abada comcastanha de caj u, empada de pal mi to e muffi n de uva) A

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Des pacho Normativo n.º 37/2003

Des pacho Normativo n.º 37/2003 Des pacho Normativo n.º 37/2003 Cons i der ando que o Decr eto- L ei n.º 125/2003, de 20 de Junho, regulou a f or m a de emis s ão de bi lhetes de ingr esso nos recintos de es pectácul os de nat ur ez

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO DE ALTA QUALIDADE. Luis Antonio Lindau, PhD Diretor Presidente

TRANSPORTE COLETIVO DE ALTA QUALIDADE. Luis Antonio Lindau, PhD Diretor Presidente TRANSPORTE COLETIVO DE ALTA QUALIDADE Luis Antonio Lindau, PhD Diretor Presidente Fonte: capa do livro Viação ilimitada (Brasileiro, Henry, 999) Divisão modal nas cidades brasileiras Ônibus Fonte: Associação

Leia mais

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação

Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação Programa 1: O Processo Educacional: Saúde ou Alienação DEPA R TAMENTO : Psicologia Social PERÍODO/A NO : 7º/2014 CA RG A HOR Á RIA : 34 PR OFESSOR AS : A na Mercês Bahia Bock A driana Eiko Matsumoto O

Leia mais

CONCEI TOS BÁSI COS I. Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do

CONCEI TOS BÁSI COS I. Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do APOSTILA DE REDES CONCEI TOS BÁSI COS I Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do cr it ér io que ser á ut ilizado par a def ini-lo. Assim, t emos vár ios conceit os: É um

Leia mais

FAMAR FUNDAÇÃO DE APOI O A FACULDADE DE MEDI CI NA DE MARÍ LI A CNPJ ( MF) 09. 161. 265/ 0001-46 EDITAL

FAMAR FUNDAÇÃO DE APOI O A FACULDADE DE MEDI CI NA DE MARÍ LI A CNPJ ( MF) 09. 161. 265/ 0001-46 EDITAL EDITAL PREÂMBUL O EDI TAL DE CARTA CONVITE N 001/2008 - M PROCESSO n 150/2008- M DATA DA REALIZAÇÃO: 30/12/2008 HORÁRI O: 8: 30 h LOCAL DA REALIZAÇÃO SESSÃO: Sal a de abert ura de li citações da FUNDAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ENSI NO. Per í o do / Fase: 1º Semestr e: 1º Ano : 2011

PLANO DE ENSI NO. Per í o do / Fase: 1º Semestr e: 1º Ano : 2011 PLANO DE ENSI NO 1. DADOS DE I DENTI FI CAÇ Ã O I nsti tui ç ã o : Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Cur so : Jornalismo Pr o f esso r : Joel Cezar Bonin joel@uniarp.edu.br Per í o do / Fase: 1º Semestr

Leia mais

Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP

Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP CEPARA - Centro de Pesquisa para o Aproveitamento de Resíduos Agroindustriais/ESALQ 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

ér co pe pa as le so se al tr on ro pr arc lie ond ase ete ole es ima ine red air o ca re uta mito K iro tei K bj or d orei ali tr tio seg as o em ocr at co arc h ong ab chl

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região Escoteira do Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro Jacui 033/RS

União dos Escoteiros do Brasil Região Escoteira do Rio Grande do Sul Grupo Escoteiro Jacui 033/RS Guia de Especialidade Especialidade de Pioneiria 1. Fazer e saber a utilidade de pelo menos 15 nós. 2. Fazer as amarras quadrada e diagonal, conhecendo sua aplicação 3. Fazer as amarras: paralela e de

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade A Term oquím ic a t em c om o objet ivo o est udo das variaç ões de energia que ac om panham as reaç ões quím ic as. Não há reaç ão quím ic a que oc orra sem variaç ão de energia! A energia é c onservat

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Sar a Oli veira e Sil va

Sar a Oli veira e Sil va Facul dade Set e de Set embr o - FASETE Cur so de Ad mi ni stração Co m Habilit ação em Mar keti ng Or gani zação Set e de Set embr o de Cultur a e Ensi no - LTDA Sar a Oli veira e Sil va COMPETÊNCI AS

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892)

Seminário Engenh ri & Desenvolvimento. Vi duto do Chá (1892) Vi duto do Chá (1892) UHE P rn íb (1900) Est ção d Luz (1900) 1.2 Atr ção do C pit l Estr ngeiro Em 1911 Emile Quoni m de S hompré publi ou, em fr n ês, pel C s G rreux o livro L Bourse de São P ulo, om

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Cartilha de Machos. Machos para Roscar. Ter i olo ia do Macho. Especi ca o do Macho. Escolha do Macho. Tipos de Aplica o e Tipos de Macho M i a

Cartilha de Machos. Machos para Roscar. Ter i olo ia do Macho. Especi ca o do Macho. Escolha do Macho. Tipos de Aplica o e Tipos de Macho M i a CARTILHA DE MACHOS Cartilha de Machos Machos para Roscar De i o Ter i olo ia do Macho Especi ca o do Macho Escolha do Macho Tipos de Aplica o e Tipos de Macho Ma al Tipos de Aplica o e Tipos de Macho M

Leia mais

6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça

6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça 6º C O N G R E S S O EX O D U S BR A S I L Goiânia, 5 a 7 de Setembro de 2008 Sexualidade, Verdade e Graça Vive m o s um mo m e n t o cruci al para a Igreja Cristã, onde mais do que nunca é imp ort a n

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

MANUAL TÉCNI CO. Esse manual é apli cável aos segui nt es pr oj et os de Exti nt ores de I ncêndi o:

MANUAL TÉCNI CO. Esse manual é apli cável aos segui nt es pr oj et os de Exti nt ores de I ncêndi o: Pági na 1 de 18 MANUAL TÉCNI CO Par a Transport e, I nstal ação, Recar ga, Manut enção e Oper ação de Exti nt ores de I ncêndi o Fabri cados pel a Exti nt ores Moceli n com base na Norma ABNT NBR 15808

Leia mais

17:45 h Escola Polo par a ent r ada do Cor r ego das Pedr as / Ent r ada do Cor r ego das Pedr as

17:45 h Escola Polo par a ent r ada do Cor r ego das Pedr as / Ent r ada do Cor r ego das Pedr as Transporte Escolar Linhas Disponíveis LINHA 01 06:00 h Pinhalzinho par a Escola Pólo / Escola Pólo par a ent r ada Cór r ego das Pedr as / Ent r ada Cór r ego das Pedr as par a ent r ada do Ser t ãozinho

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL MONTESSORIANO REINO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NOVEMBRO/2015 (MATUTINO)

CENTRO EDUCACIONAL MONTESSORIANO REINO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO NOVEMBRO/2015 (MATUTINO) (MATUTINO) 2º ANO GRAMÁTICA: Estudar os assuntos: Grau do substantivo/ Adjetivo/ Sinônimo e Antônimo/ Pronome. Assim eu aprendo, págs: 94 a 98 / 107 a 109 / 111 a 113/ 116 a 118/ 137 a 139. Descobrindo

Leia mais

P ro f. Ma te u s An d ra d e

P ro f. Ma te u s An d ra d e Um efeit o c oligat ivo é um a m odific aç ão em c ert as propriedades de um solvent e quando nele adic ionados um solut o não-volát il, a qual só depende do núm ero de part íc ulas (m oléc ulas ou íons)

Leia mais

Confronto com as idéias a respeito de literatura infantil

Confronto com as idéias a respeito de literatura infantil AULA S LI T E R A T U R A IN F A N T I L E J U V E N I L LI N G U A G E M D O IM A G I N Á R I O I Pr o f a. Dr a M a r i a Zil d a d a C u n h a I - Introdução A liter a t u r a inf a n t i l e juv e

Leia mais

Protocolo de NPT Hospital Samaritano. Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional

Protocolo de NPT Hospital Samaritano. Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional Protocolo de NPT Hospital Samaritano Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional Enf a Daniele Soares Tórtora O enf er meir o é r esponsável pelo r ecebiment o; pr epar o par a administ r ação da NP;

Leia mais

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 16 CARLOS RODRIGUES BRANDÃO 1 a Começa assim Este jogo começa com todos os participantes procurando as PA LAVRAS SEMENTES. E isso não é nada difícil! Basta as pessoas que vão jogar o jogo saírem conversando

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

INSTITUTO NATUREZA DO TOCANTINS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COORDENADORIA DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

INSTITUTO NATUREZA DO TOCANTINS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COORDENADORIA DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO INSTITUTO NATUREZA DO TOCANTINS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COORDENADORIA DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Criado at ravés da Lei 1. 203 de 12 de Janeiro de 2001 Município: Mat eiros TO Ext ensão

Leia mais

1ª JORNADA I NTERNACI ONAL DA ABI OMAC Associ ação Bi omédi ca de Acupunt ura

1ª JORNADA I NTERNACI ONAL DA ABI OMAC Associ ação Bi omédi ca de Acupunt ura 1ª JORNADA I NTERNACI ONAL DA ABI OMAC Associ ação Bi omédi ca de Acupunt ura CURSOS Pr é Congr esso e Pr é Pr ova de Tit ul o a serem di sponi bilizado por vi deoconf erênci a - vi de demai s pr ogr a

Leia mais

Feedback - Cursos do Módulo Risk Manager

Feedback - Cursos do Módulo Risk Manager Feedback - Cursos do Módulo Risk Manager Q1 Nome, Sobrenome Nome Sobrenome 1. T at iana Moreira 2. marcos sat oru okamura 3. sergio manoel 4. Gabriel Bast os 5. Edson Coelho Q2 Qual o seu e-mail? 1. tatiana.sousa@modulo.com

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE CURSO DE BACHARELADO DE SI STEMAS DE I NFORMAÇÃO OLAVO DE JESUS SI MAS

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE CURSO DE BACHARELADO DE SI STEMAS DE I NFORMAÇÃO OLAVO DE JESUS SI MAS FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE CURSO DE BACHARELADO DE SI STEMAS DE I NFORMAÇÃO OLAVO DE JESUS SI MAS ESTUDO DE CASO SOBRE A REDE DO 20º BPM( VI GÉSI MO BATALHÃO DE POLÍ CI A MI LI TAR) PAUL O AFONSO

Leia mais

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV Bibliotecária Luzia Ribeiro 2010 Juarez Moraes Ramos Júnior Diretor Geral Luiz Cláudio

Leia mais

DICAS DA VOLVO CONDUÇÃO ECONÔMICA VOLVO DO BRASIL OLÁ! NESTA EDI ÇÃO, VEREMOS COMO FAZER A CONDUÇÃO MAI S ECONÔMICA E EFICIENTE.

DICAS DA VOLVO CONDUÇÃO ECONÔMICA VOLVO DO BRASIL OLÁ! NESTA EDI ÇÃO, VEREMOS COMO FAZER A CONDUÇÃO MAI S ECONÔMICA E EFICIENTE. ALAGOAS Maceió Tel.: (82) 324-5407 AMAZONAS Manaus Tel.: (92) 663-4040 BAHIA Feira de Santana Tel.: (75) 624-2014 Salvador Tel.: (71) 394-1311 Teixeira de Freitas Luvep Tel.: (73) 292-6688 Vitória da Conquista

Leia mais

Pal estra: SI MPLES NACI ONAL: Lei Ger al do Est ado do Ceará SI MPLES NACI ONAL. Lei Geral do Est ado do Ceará. Apr esent ação

Pal estra: SI MPLES NACI ONAL: Lei Ger al do Est ado do Ceará SI MPLES NACI ONAL. Lei Geral do Est ado do Ceará. Apr esent ação Pal estra: SI MPLES NACI ONAL: Lei Ger al do Est ado do Ceará SI MPLES NACI ONAL Lei Geral do Est ado do Ceará Apr esent ação Eduar do Araúj o de Azevedo Out ubr o de 2013 Su mári o: 1. Cont ext uali zação

Leia mais

Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT

Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT Q1 Nome, Sobrenome Nome Sobrenome 1. Pedro Pereira Rangel Sales 2. Edson Coelho 3. f ernando perrelli 4. T aiane Fonseca 5. João Máximo 6. Allison Cardoso da Silva 7.

Leia mais

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S

REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S REGULA M E N T O DO PROGRA M A SUPER PONTO S SORO C R E D 1. DEFINIÇÕE S 1.1. AD M I N I S T R A D O R A S O R O C R E D AD M I N I S T R A D O R A DE CA R T Õ E S DE CR É D I T O LT D A. 1.2. AFILI A

Leia mais

SIG Acesso Público. Manual do Usuário

SIG Acesso Público. Manual do Usuário SIG Acesso Público Manual do Usuário Brasília Dezembro de 2013 Sumário Apresentação......2 1. O que é o SIG Acesso Público?.........3 2. Para acessa r o Sistema............3 3. Conjuntos de Pesquisa de

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT

Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT Q1 Nome, Sobrenome Nome Sobrenome 1. Edson Coelho 2. marcos okamura 3. Igor Cost a 4. f ernando perrelli 5. Francisco Oliveira 6. Allison Cardoso 7. joao LARA 8. Gilda

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

Conhecendo o Kit Real

Conhecendo o Kit Real Conhecendo o Kit Real Versão do Kit Botão de Login Botões de Cálculo Pesquisa de Cálculos Botões de Transmissão Manutenção e Relatórios Acompanhamento de propostas transmitidas Versão do Kit: Mostra qual

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

$% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $

$% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $ "#!!"# $% & '( )& & & $ *+ & % & ''( & & & & & $ $, &-. & */0$ & 1 &#&2& &2# &* &##&* 889$ 1# &0 ' 1 &:1 && 8$;:$!& 𕬸 '( & '( ' $ &# 1 &1 & $ $ % P a í s Em pre s a Té c nic a R e s po nde nte s

Leia mais

TEM + BRASIL by Flot TABELA REVEILLON 2011_2012 COM BLOQUEIOS AÉREOS BAHIA

TEM + BRASIL by Flot TABELA REVEILLON 2011_2012 COM BLOQUEIOS AÉREOS BAHIA TEM + BRASIL by Flot TABELA REVEILLON 2011_2012 COM BLOQUEIOS AÉREOS BAHIA Gua rajub a...... Pág. 0 2 Imbas saí...... Pág.0 3 Praia do Fo rte...... Pág.0 4 Sal vador..... P ag. 05 e 06 Condi ções Gerais...

Leia mais

Catálogo geral de materiais hospitalares

Catálogo geral de materiais hospitalares Catálogo geral de materiais hospitalares www.airliquide.com LINHA ROSCA ABNT Re gu la do res de pres são fixa para cilindros pressão de entrada : 0 a 300 kgf/cm² pressão de saída : 3,5 kgf/cm² (fixa) vazão

Leia mais

O q u e v o c ê q u e r

O q u e v o c ê q u e r O q u e v o c ê q u e r GANHAR AGORA? Prêmios de 1.000 a BELEZA E SAÚDE Má q u i n a d e Cortar Cabelo 110V 8.000 Medidor de Glicose Massageador Relax 8.000 PERFUMARIA De 1.000 a Creme de Renovação Facial

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

QUINTA DA BEMPOSTA PROJECTO PARA TURISMO EM ESPAÇO RURAL (TER) AGRO-TURISMO

QUINTA DA BEMPOSTA PROJECTO PARA TURISMO EM ESPAÇO RURAL (TER) AGRO-TURISMO QUINTA DA BEMPOSTA PROJECTO PARA TURISMO EM ESPAÇO RURAL (TER) AGRO-TURISMO 1 Localização A Quinta da Bemposta, encontra-se precisamente na encruzilhada dos caminhos históricos e trilhos dos pescadores,

Leia mais

ACTA Nº 44 '1 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28-11-1980

ACTA Nº 44 '1 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28-11-1980 ACTA Nº 44 '1 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28-11-1980 J{t~~ -C ~-U Aos vinte e oito di as do mês de Novembr o do ano de mi l novecen t os e oi tenta, nesta Cidade de Avei ro, Edi fício dos Paços do Concelho e

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS Realização Secretaria Municipal de Governo Secretaria Municipal Adjunta de Gestão Compartilhada Secretaria Municipal de Desenvolvimento Secretaria

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS Dispõe Sobre o Regulamento de Aplicação de Recursos Destinados Pela Assembleia Geral da Unicred Alagoas em Projetos de Ações Sociais O Conselho

Leia mais

DICAS DA VOLVO CONHECENDO A EMBREAGEM EMBREAGEM UBT. MAIOR DISPONIBILIDADE E AGILIDADE TANTO PARA TROCAR A PEÇA COMO PARA O SEU NEGÓCIO.

DICAS DA VOLVO CONHECENDO A EMBREAGEM EMBREAGEM UBT. MAIOR DISPONIBILIDADE E AGILIDADE TANTO PARA TROCAR A PEÇA COMO PARA O SEU NEGÓCIO. 9 DICAS DA VOLVO 9 CONHECENDO A EMBREAGEM VAMOS VER NESTA EDI ÇÃO COMO FUNCI ONA A EMBREAGEM DO SEU VOLVO. EMBREAGEM UBT. MAIOR DISPONIBILIDADE E AGILIDADE TANTO PARA TROCAR A PEÇA COMO PARA O SEU NEGÓCIO.

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

SOFT WA RE DE GEST Ã O

SOFT WA RE DE GEST Ã O SOFTWARE DE GESTÃO Ambiente Computacional VISÃO GERAL DESCRIÇÃO QTD. TOTAL LINKS 596 SISTEMAS 131 MÁQUINAS EM REDE 4560 USUÁRIOS 6525 TÉCNICOS 324 CENTRAL DE ATENDIMENTO 48 COLABORADORES QTD. ATENDIMENTOS

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

18 cidades Latino-Americanas 20 milhões de passageiros diários. 700 km de linhas exclusivas. 30.000 unidades de transporte SECRETARIA EXECUTIVA

18 cidades Latino-Americanas 20 milhões de passageiros diários. 700 km de linhas exclusivas. 30.000 unidades de transporte SECRETARIA EXECUTIVA 18 cidades Latino-Americanas 20 milhões de passageiros diários 700 km de linhas exclusivas 30.000 unidades de transporte SECRETARIA EXECUTIVA SIBRT ASSOCIADOS PLENOS A Associação Latino-Americana de Sistemas

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Pl enári a Temát i ca Aposent adori a do Médi co

Pl enári a Temát i ca Aposent adori a do Médi co Pl enári a Temát i ca Aposent adori a do Médi co 18h às 18h30 Abert ura Moment o Ét i co 21 de novembro de 2014, sext a f ei ra. João Ladi sl au Rosa Presidente do Cremesp Cl óvi s Franci sco Const ant

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

10 motivos para investir e se apaixonar

10 motivos para investir e se apaixonar 10 motivos para investir e se apaixonar CONHEçA UM POUCO MAIS SObRE A CIDADE que NãO PARA DE CRESCER E que TEM TUDO PARA fazer O MESMO PELA SUA EMPRESA. o Brasil está se firmando como um gigante do desenvolvimento

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Manual de Montagem de Expe rimento utilizando placa Modelixino 2.6

Manual de Montagem de Expe rimento utilizando placa Modelixino 2.6 Manual de Montagem de Expe rimento utilizando placa ino 2.6 Est e m anual é uma referência para a conexão de component es, utiliz ando o M odelixino 2.6, ele apresent a uma idéia com a flexibilidade que

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Facul dade Set e de Set e mbr o FASETE Depart a ment o de Ad mi ni stração Cur so de Bacharel ado e m Ad mi ni stração/ Mar keti ng

Facul dade Set e de Set e mbr o FASETE Depart a ment o de Ad mi ni stração Cur so de Bacharel ado e m Ad mi ni stração/ Mar keti ng Facul dade Set e de Set e mbr o FASETE Depart a ment o de Ad mi ni stração Cur so de Bacharel ado e m Ad mi ni stração/ Mar keti ng Andr essa Wany Pedr eira de Andr ade AVALI AÇÃO DE DESEMPENHO E ORGANI

Leia mais

Anos Dour ados e Revi ver l ocali zados no muni cí pi o de Paul o Af onso- BA passar am a vi ver mel hor?

Anos Dour ados e Revi ver l ocali zados no muni cí pi o de Paul o Af onso- BA passar am a vi ver mel hor? I NTRODUÇÃO O t uri smo é u ma das pri nci pai s ati vi dades econô mi cas par a o desenvol vi ment o l ocal e soci al em u ma r egi ão, vi st o que, pr opi ci a a ger ação de bens e ser vi ços par a a

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Anexo 5.3 - presentação do

Anexo 5.3 - presentação do RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 5.3 - presentação do Plano Mestre e Plano Urbanístico Básico Os Planos

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

1. MAPA De ReLACIONAMeNtO DO SISteMA AQUISIÇÕeS

1. MAPA De ReLACIONAMeNtO DO SISteMA AQUISIÇÕeS DE AQUIIÇÕE GOVERAMET AI D ef in ir e p ad ro ni za r p ro ce d im en to d e aq ui si çã o e co nt ra ta çã o O ri en ta r e ca p ac it ar ó rg ão s e en ti d ad es G er en ci ar o is te m a In fo rm at

Leia mais