Análise do uso de sistema de informações de marketing e de suas contribuições para a gestão de marketing de empresas varejistas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do uso de sistema de informações de marketing e de suas contribuições para a gestão de marketing de empresas varejistas"

Transcrição

1 Análise do uso de sistema de informações de marketing e de suas contribuições para a gestão de marketing de empresas varejistas Resumo Autoria: Josimeire Pessoa de Queiroz A obtenção e uso da informação são apontados em vários estudos acadêmicos como ferramenta de suma importância para redução de riscos na tomada de decisões, melhoria de desempenho e contribuições aos planos de ações estratégicas. A fim de promover o relacionamento informação-habilidade-conhecimento do mercado para criação de estratégias que ampliem a competitividades das empresas na atualidade, observa-se uma adoção contínua de diferentes métodos para a obtenção, tratamento e uso de informações relevantes. Este artigo tem por objetivo conhecer o sistema de informações de marketing (SIM) e sua contribuição para a gestão de marketing como suporte às decisões e atividades de marketing no varejo. Assim, foi realizada a revisão da literatura pertinente e uma pesquisa de campo em quatro empresas varejistas, viabilizada pelo estudo de múltiplos casos, por meio de análise documental e de entrevista semi-estruturada com o principal gestor e com profissional de marketing, entre os meses de janeiro e fevereiro de A entrevista semi-estruturada contou com questões abertas provenientes de variáveis geradas e exploradas para esta pesquisa. Dentre outros achados, os resultados do trabalho indicam que a utilização do SIM gera benefícios e contribuições para o planejamento estratégico para geração e manutenção de vantagens competitivas, com algumas semelhanças encontradas na literatura, mas que a potencialidade do seu uso depende da integração com o sistema de informação da empresa. Os modelos de SIM adotados pelas empresas pesquisadas são semelhantes ao modelo proposto por Kotler (1998), mas dependem de melhorias Para os gestores entrevistados se faz necessário o uso integrado SIM-SI como forma de aproveitar todo o potencial dos benefícios e contribuições gerados pelas informações. No entanto, em relação ao fluxo e distribuição de informações notou-se que este é restrito nas quatro empresas pesquisadas por questões estratégicas, de forma que apenas o gestor principal tem acesso a todas as informações. Dentre as limitações temos a escolha metodológica que apesar de reduzir conclusões prematuras não permite generalizações, bem como a ausência de dados quantitativos. Contudo, cabe ressaltar que apesar da limitação atendeu ao objetivo proposto. Como forma de contribuir para futuros estudos recomenda-se a comparação com outras empresas varejistas que atuam no mesmo segmento, além de outras pesquisas qualitativas que busquem levantar diferentes questões e variáveis relativas aos assuntos abordados. 1 Introdução A competitividade de ambientes dinâmicos tem levado as empresas à busca de novas estruturas que permitam respostas rápidas às necessidades do mercado exigindo das empresas a monitoração do seu ambiente de negócio, bem como a elaboração de estratégias. Davenport (2006) e Pinto et al. (2006) argumentam que esta corrida competitiva conta com grandes investimentos em tecnologia, uma vez que as empresas têm combinado políticas e técnicas de marketing com as tecnologias de informação por meio da exploração de banco de dados, a fim de antecipar as expectativas e necessidades dos clientes e oferecer produtos diferenciados dos concorrentes. Desta forma, o processo de gestão por meio do banco de dados funciona como suporte tecnológico para um bom desenvolvimento das atividades relacionadas às análises dos ambientes interno e externo e do planejamento das ações responsivas e/ou proativas das empresas frente às diversas demandas do negócio. 1

2 Contudo, Jaworski, Macinnis e Kohli (2002) chamam atenção para o fato de que não basta apenas obter informações: é preciso criar sentido para elas, desenvolver uma estrutura formal e estável para a coleta de informações, verificando se a mesma trafega livremente dentro da organização de forma que possibilite ao gestor planejar e desenvolver processos de decisão. Para Davenport (2006) além de verificar a procedência das informações, cabe trabalhar cada uma delas como se fossem únicas: procedimento comum em empresas que desenvolvem business intelligence, definido como análise e processos pertinentes ao banco de dados e de relatórios com utilização de softwares específicos. Em cenários competitivos, a obtenção e o tratamento das informações necessárias, especificamente, no que tange às decisões de marketing, bem como a sua disseminação entre os gestores da organização, podem ser viabilizados pelo sistema de informações de marketing (SIM). Assim sendo, este trabalho tem como objetivo conhecer o sistema de informações de marketing (SIM) e sua contribuição para a gestão de marketing como suporte às decisões e atividades de marketing no varejo, pouco explorados pela literatura de marketing. Com vistas ao alcance do objetivo proposto, foram pesquisados e abordados assuntos, considerados relevantes para a elucidação do questionamento efetuado: competitividade e orientação de mercado; marketing estratégico; serviços e varejo; e, gerenciamento de informações e sistema de informações de marketing. Além de um estudo de múltiplos casos em quatro empresas varejistas com vistas a contribuir para o aprofundamento do conhecimento da problemática em questão, em segmentos altamente competitivos, com características inerentes ao varejo, como será exposto posteriormente. Este artigo está dividido em oito partes, contando com essa introdução. A segunda parte aborda a competitividade e a orientação para o mercado; a terceira parte o marketing estratégico; a quarta parte o gerenciamento de informação e o sistema de informações de marketing; a quinta parte discorre sobre serviço e varejo; a sexta parte discorre sobre a metodologia da pesquisa de campo; a sétima parte apresenta os resultados da pesquisa de campo, compreendendo a caracterização da empresa e a análise das informações obtidas; e, por fim, a oitava e última parte apresenta as conclusões do trabalho. 2 Competitividade e orientação para mercado Para Henderson (1989), a competição tem sua origem nos primórdios da vida em que cada espécie lutava pela própria sobrevivência, buscando os recursos dos quais necessitavam. Os competidores mais aptos adquirem vantagens sobre os demais, combinando inteligência, imaginação, recursos acumulados e condução de guerra. Desta forma, podemos acreditar que a competição empresarial é proveniente de uma batalha ou luta pela espécie com base na percepção, atitude e comportamento característico a cada empresa e do conhecimento e análise da concorrência. Neste cenário competitivo agressivo, o acúmulo de dados e de informações permite a ampliação de receitas e de reputação, a superação de expectativas dos consumidores e auxílio para a tomada de decisão e a tecnologia deixa de ser uma ferramenta de suporte e passa a ser vista como poder de fogo, pois cria grande vantagem competitiva (DAVENPORT, 2006). Em complemento, Prahalad e Ramaswamy (2004) identificam que a qualidade da interação entre o consumidor e a empresa é o elo crítico para o futuro da competição. Idéia também desenvolvida por D Aveni (1995) ao afirmar que processo de desenvolvimento de novas vantagens começa com uma compreensão de como satisfazer os clientes. Também Ohmae (1985), ao estudar modelos japoneses de competição, constatou que o segredo está em analisar o concorrente, depois as necessidades do cliente e avaliar o grau de 2

3 liberdade da organização em resposta às suas necessidades e testar possíveis estratégias contrárias e depois determinar a criação de valor para o cliente (OHMAE, 1985). Os modelos japoneses são compostos do raciocínio que reúne três elementos: a corporação (empresa), a clientela e a concorrência, os quais são moldados conforme o objetivo e o plano de ação a ser trabalhado. O modelo proposto por Ohmae (1985) sugere que dentro do contexto de planejamento estratégico, em busca da vantagem competitiva, deverão ser considerados todos os segmentos básicos dos grupos de clientes com necessidades semelhantes; todas as funções básicas da corporação, tanto em relação à concorrência como em relação a uma diferenciação positiva na percepção do cliente (valor); e análise de todos os aspectos da concorrência que promovam a criação de vantagens e a busca de novas oportunidades, sem que a concorrência interfira no seu desempenho operacional. Neste contexto, Kohli e Jaworski (1990) propõem o posicionamento de ofertas por meio da orientação de mercado por meio de uma organização receptiva à inteligência de mercado e à promoção de geração e disseminação dessa inteligência em toda a organização. Segundo Hooley, Saunders e Piercy (2005) a orientação ao mercado proporciona melhor atendimento ao cliente e sobrevivência da empresa no futuro, bem como melhor desempenho organizacional e financeiro, além do aumento de parcerias e alianças e da melhoria na cadeia de suprimento e distribuição, por meio de recursos de marketing bem desenvolvidos. Já para Hurley e Hult (1998) a orientação para mercado e a performance podem se beneficiar por meio da recomposição da incorporação de modelos de inovação. Em outras palavras, de acordo com a pesquisa de Hurley e Hult (1998), a orientação para mercado, quando combinada com o aprendizado organizacional e a antecipação da resposta às necessidades do consumidor tende a criar um cenário propício para o desenvolvimento de produtos e serviços inovadores, bem como para o desenvolvimento de estratégias. Em vista de a estratégia possuir diversos relacionamentos com atividades e ferramentas de marketing, torna-se de fundamental importância abordar o marketing estratégico. 3 Marketing estratégico Para Lambin (2000) os fundamentos de marketing estão associados à economia de mercado (troca voluntária e concorrencial) levando a empresa ao desenvolvimento do marketing estratégico e do marketing operacional - duas dimensões do marketing distintas, porém de comportamentos estreitos que se complementam nas tarefas exercidas pela empresa. Cabe ao marketing estratégico orientar a empresa às oportunidades de mercado visando crescimento e lucro, por meio de análise sistemática e contínua das necessidades do mercado e do desempenho do produto em relação ao segmento atendido, distinguindo qualidades e características que a diferenciem de seus concorrentes e garantindo vantagem competitiva sustentável e duradoura. Possui foco no médio e longo prazo (LAMBIN, 2000). Ao passo que o marketing operacional é visto como um aliado comercial da empresa cujo papel é auxiliá-la na obtenção de seus objetivos de venda e participação de mercado, utilizando-se dos meios táticos do marketing: produto, preço, distribuição e comunicação. Possui foco no curto e médio prazo. Lambin (2000) ressalta, ainda, que o marketing estratégico tem função ativa focada na orientação-marketing, diferentemente do marketing operacional que é focado na orientaçãovenda. Jain (1999) acrescenta, ainda, que planejamento e decisões estratégicas constituem o campo de marketing estratégico, ajudando no desenho do negócio e do relacionamento ambiente-empresa por meio da interação cliente-empresa-concorrência. Também conhecida como os três C s - do inglês: customer, competition, corporation. Nota-se a semelhança desta 3

4 proposta com o modelo dos três C S de Ohmae (1985), para a análise e busca de novas estratégias e de novas oportunidades no mercado. Jain (1999) afirma, ainda que, o foco do marketing estratégico é a escolha do produto certo, no mercado certo e na hora certa, mas que difere da gestão de marketing devido aos seus objetivos. Assim, a gestão de marketing trabalha para projetar o mercado e obter posição competitiva. Já o marketing estratégico analisa e compara possibilidades. A gestão de marketing é determinista e o marketing estratégico essencialmente oportunista. Mas, oportunidades dependem da combinação informações-preferências de mercado (LOVELOCK; WIRTZ, 2006). 4 Gerenciamento de informações e Sistema de informação de marketing Para Davenport; Eccles e Prusak (1992) a informação é um diferencial que precisa estar presente em toda a empresa. Neste contexto, a informação é a matéria-prima da tomada de decisão (HOOLEY; SAUNDERS; PIERCY, 2005, p. 133). Laudon e Laudon (2004) acrescentam ainda que o sistema de informação apóia o gestor na tomada de decisão, na coordenação e no controle da organização, reduzindo fluxo de informação e burocracia, bem como riscos no processo decisório, custos e procedimentos, além de criar novos produtos e alimentar a inovação e o relacionamento com fornecedores e com clientes e auferir receitas adicionais. Assim, a informação passa a ter valor estratégico, uma vez que fornece informações para a gestão, permitindo melhores tomadas de decisões e oferecendo novas oportunidades de negócios (LAUDON; LAUDON, 2001). No entanto, a análise das informações é proveniente de uma dura disciplina embutida na cultura da empresa (DAVENPORT, 2006). Contudo, ter acesso às informações mencionadas implica em coletar dados. No que tange à gestão de marketing, Kotler (1998) defende que o sistema de informação de marketing (SIM) é primordial, pois permite classificar, analisar, avaliar e distribuir as informações relevantes, de forma precisa e oportuna para os tomadores de decisão. Em adição, Mattar et al. (2009) afirmam que o SIM permite monitorar os resultados da empresa e do ambiente externo, disseminando os dados obtidos pela empresa e contribuindo na redução de incertezas na tomada de decisões. Neste contexto, o SIM dá suporte ao plano e às decisões de marketing, auxiliando o gerenciamento das informações (CAMPOMAR; IKEDA, 2006, p. 37). Mattar (1985) ressalta que as decisões de marketing são difíceis de serem tomadas uma vez que se dão em ambiente complexo e em constante mudança, cuja saída para redução de tais riscos depende da quantidade e da qualidade de informações adquiridas. Mattar et al. (2009) acreditam que, até o momento, a definição de sistema de informação de marketing, mais completa, fora proposta por Cox e Good, em 1967: É um complexo estruturado e interagente de pessoas, máquinas e procedimentos destinados a gerar um fluxo ordenado e contínuo de dados, coletados de fontes internas e externas à empresa, para uso como base para a tomada de decisões em áreas de responsabilidade específicas de marketing (MATTAR et al.; 2009, p. 100). Para Kotler (1998), o modelo de sistema de informações de marketing possui os seguintes componentes: (1) sistema de registros internos, que inclui informações sobre o ciclo de pedidos e o sistema de relatórios de vendas; (2) sistema de inteligência de marketing, composto de um conjunto de procedimentos e fontes usados por administradores para a obtenção de informação diária sobre desenvolvimentos pertinentes no ambiente de marketing (3) sistema de pesquisa de marketing, que permite o projeto, a coleta, a análise, o relatório de dados e a apresentação dos resultados relevantes para uma situação de marketing específica e; 4

5 (4) sistema computadorizado de apoio à decisão de marketing, que ajuda os administradores a interpretar dados e informações relevantes e a transformá-los em uma base para a ação de marketing. O modelo proposto é apresentado na Figura 1: Figura 1 Modelo de sistema de informações de marketing. Fonte: KOTLER, P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle (p.12). São Paulo: Atlas, No entanto, Mattar et al. (2009) entendem que um modelo genérico de SIM deve ser aplicado e adaptado à realidade de qualquer empresa, desde que compreendam as atividades de reunir, processar, disseminar e armazenar dados e informações relevantes, internas e externas à organização, para a tomada de decisões de marketing. FONTES DE DADOS Macroambiente Concorrentes Empresa Mercado DADOS Coleta de Dados Sistema de Monitorações Ambientais Sistema de Informações Competitivas Sistema de Informações Internas Sistema de Pesquisa de Marketing Processamento Monitora Condensa Armazena Analisa Avalia Trata Atualiza Interpreta Seleciona Classifica Recupera Dissemina INFORMAÇÕES USUÁRIOS Analisam Planejam Organizam Decidem Executam Controlam Figura 2 - Sistema de informações de marketing e seus componentes. Fonte: MATTAR, F. N. et al., Gestão de produtos, serviços, marcas e mercados: estratégias e ações para alcançar e manter-se Top of Market (p.105). São Paulo: Atlas,

6 Deste modo, o modelo proposto é composto por quatro subsistemas: (1) sistema de monitoração ambiental (sistema de inteligência); (2) sistemas de informações competitivas; (3) sistemas de informações internas ou sistema de contabilidade gerencial e; (4) sistema de pesquisa de marketing; como pode ser observado na Figura 2. O modelo propõe a seqüência: dado-informação-conhecimento em que os dados são processados e transformados em informações que serão analisadas pelos usuários e utilizadas na tomada de decisões, a fim de se transformarem em conhecimento. Para Campomar e Ikeda (2006), os estudos de Cox e Good, em 1967, permitiram afirmar que o uso do SIM pode proporcionar, benefícios com sistemas de planejamento, controle e pesquisa. Contudo, novas tecnologias de gerenciamento de informações disponíveis no mercado oferecem possibilidades de incrementar o diferencial competitivo das empresas (CRAVENS; PIERCY, 2006), nos quais podemos destacar os sistemas de gerenciamento de informações (EIS, BI), os sistemas de banco de dados (data warehousing, data mining), os sistemas de suporte a decisões (DSS, MDSS), os sistemas de gerenciamento do relacionamento com o cliente e da cadeia de valor (CRM, SCM) e os sistemas de inteligência competitiva. Entretanto, assim como Mattar (1985), Mattar et al. (2009) e Minciotti (1992) argumentam que o SIM deve adaptar-se à realidade e à cultura de cada empresa sem que haja um modelo único de SIM, mas estruturas organizadas com base em experiências acumuladas, estrutura de pessoal e grande volume de dados obtidos interna e externamente à empresa. 5 Serviços e Varejo A definição de serviço consiste em um conjunto de ações, processos e atuações que entrega e cria valor ao cliente em um lugar específico. Mas não pode ser considerado um produto físico, devido às suas características de intangibilidade (não pode ser tocado), de heterogeneidade (variabilidade), de perecibilidade (não é estocável) e de produção e consumo simultâneo (ZEITHAML; BITNER, 2003; LOVELOCK; WRIGHT, 2005). De acordo com Berry, Zeithaml e Parasuraman (1990) cinco elementos permitem que a empresa aperfeiçoe sua estratégia e permita a entrega de serviço com qualidade e ainda uma melhor avaliação por parte do cliente: (1) o papel do serviço (comunicação material/pessoal, aparência, equipamentos, facilidades físicas no processo da compra/oferta); (2) a competição por talento (recrutamento de trabalhadores hábeis e qualificados), (3) a equipe de trabalho (motivação, treinamento, unidade), (4) busca da confiabilidade (oferta de serviço confiável, seguro e preciso); (5) capacidade de solucionar problemas ou de superar a expectativa do cliente (habilidade/treinamento de funcionários, histórico de consumo e de venda, desenvolvimento de sistemas de informação). No entanto, Lovelock e Wright (2005) chamam atenção para o fato de que as empresas de serviços competem também com os varejistas que não só vendem bens, como fornecem o atendimento ao cliente, com pessoas bem informadas e prestativas em vários departamentos. Varejo pode ser definido como: atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente aos consumidores finais, com objetivo de uso pessoal ou familiar, e cuja venda pode ser efetuada pelo fabricante, atacadista ou varejista. E, ainda apresenta uma orientação de gerenciamento voltada para as necessidades de seus mercados-alvo e para a satisfação dessas necessidades de forma mais eficiente que seus concorrentes (LEVY; WEITZ, 2000; KOTLER; KELLER, 2006). O varejo no processo de tomada de decisão também pode ser definido como orientação de gerenciamento que o varejista utiliza. Neste sentido, para o desenvolvimento da estratégia de marketing de varejo devem ser considerados os elementos do varejo: o ambiente de loja, os tipos de mercadorias (linha de produtos), o atendimento e serviços oferecidos, preços de mercadorias, publicidade e programas promocionais, design de 6

7 lojas, exposição das mercadorias, assistência aos consumidores fornecida pelos vendedores, e a conveniência da localização e expansão das lojas (LEVY; WEITZ, 2000; PARENTE; BARKI; KATO, 2007).Contudo, Levy e Weitz (2000) acrescentam que para o gerenciamento e planejamento de marketing, o varejo deve contar com um sistema de banco de dados para identificar os clientes potenciais, bem como melhorar os serviços e direcionar suas atividades promocionais. 6 Metodologia da pesquisa de campo Considerando a abordagem do papel da gestão de informações, a pesquisa realizada teve por objetivo principal conhecer o sistema de informações de marketing (SIM) e sua contribuição para a gestão de marketing como suporte às decisões e atividades de marketing no varejo. Para esta pesquisa foram exploradas as seguintes variáveis: (a) importância da informação para a empresa; (b) sistematização da informação; (c) coleta, análise, tratamento e disseminação da informação; (d) uso da informação; (e) contribuição da informação para a tomada de decisão; (f) contribuição da informação para o planejamento; (g) contribuição da informação para a geração e manutenção de vantagens competitivas. As variáveis foram desmembradas em questões abertas no roteiro semi-estruturado aplicado aos entrevistados. Em vista do objetivo da pesquisa de campo, que por sua vez, contribui para o alcance do objetivo do estudo, optou-se pela realização de uma pesquisa do tipo descritiva, a qual foi operacionalizada por meio do estudo de múltiplos casos (VERGARA, 1998; YIN, 2001), comumente apresentado como um método de pesquisa para estudos exploratórios (YIN, 2001) de processos investigativos em fenômenos contemporâneos inseridos dentro de um contexto real e de natureza qualitativa. Eisenhardt (1989) afirma, ainda, que a comparação entre os dados de cada caso, com base em observações e teoria existente, possibilitam a construção de conhecimento indutivamente, sendo que o número ideal de casos para esta construção são quatro, pois menos que isto é difícil buscar a generalização da teoria e mais que isto impossível trabalhar o volume de dados obtidos. Assim, quatro mini-casos evitam conclusões prematuras e fornecem informações e contructos mais fortes e mais detalhados. Para a contribuição empírica, foram escolhidas quatro empresas pertencentes ao varejo de segmentos distintos, por serem segmentos altamente competitivos, por possuírem características inerentes ao varejo e pela escassez de trabalhos acadêmicos no varejo destes setores. Estes fatores se mostraram favoráveis ao estudo proposto neste trabalho. A coleta de dados deu-se por meio de entrevistas semi-estruturadas nestas empresas, entre os meses de janeiro e fevereiro de 2009, com o principal gestor tomador de decisões e com profissional de marketing, de acordo com suas responsabilidades. A primeira parte do roteiro buscou melhor conhecer as empresas, enquanto que a segunda abordou o objetivo da pesquisa propriamente dito. Também foram realizadas análises de documentos apresentados durante a entrevista, com o objetivo de confrontar as informações fornecidas no processo de entrevistas, a fim de que se pudesse expandir a contribuição, confrontar as informações e minimizar a tendenciosidade (YIN, 2001, p. 114). A análise foi do tipo interpretativa e buscou correspondência com a teoria apresentada, de forma que se pudesse reforçar ou questionar informações obtidas por meio da revisão da literatura sobre o assunto em questão (YIN, 2001, p. 134). 7 Apresentação dos Resultados da Pesquisa de Campo 7.1 Caracterização das empresas 7

8 A empresas são todas varejistas, sendo que a empresa A pertence ao setor de moda, as empresas B e C ao setor de construção e a empresa D ao setor livreiro, como observado na Figura 3. EMPRESA A EMPRESA B EMPRESA C EMPRESA D Setor Moda Construção Construção Livreiro Fundação Final dos anos Matriz São Paulo São Paulo Osasco São Paulo Centro de distribuição Natal e Guarulhos São Paulo Osasco Não informado Fábrica Região Nordeste Não possui Não possui Não possui Shopping Center Natal Não possui Não possui Não possui Nº de lojas (uma física e uma virtual) 12 lojas físicas e 1 virtual 8 lojas físicas e 1 virtual Nº funcionários ,2 mil Produtos Moda feminina, masculina, infantojuvenil, calçados e moda casa Mais de 200 mil itens em categorias distintas Mais de 250 mil itens em categorias distintas 150 mil títulos de livros e 70 mil CDs e DVDs Público-alvo Classes C e D Consumidores Classes A e B Classes A e B finais, hotéis e arquitetura Cartão loja 13,5 milhões de Não possui Não possui Não possui associados Faturamento R$ ,00 (em mil) Não informado Não informado R$ 292 milhões Inaugurações 6 Nenhuma 2 1 (2008/2009) Parcerias Não informado Google e Correio Não informado Google, Masp e Cia. Das Letras Figura 3 Estrutura das empresas. Fonte: Autora, a partir dos dados coletados na pesquisa. 7.2 Variáveis pesquisadas Análise do ambiente e pesquisa de mercado EMPRESA A EMPRESA B EMPRESA C EMPRESA D Ambiente Agressivo, acirrado, pulverizado Concorrentes Análise ambiente externo Tendências do setor Pesquisa de mercado Quatro grandes redes e loja locais Tendências, atividades dos concorrentes, mídia, pesquisa de mercado e pesquisa com cliente Polarização do setor (mercado de luxo e mercado popular), aquisição e fusões Empresa e agências: Gouvêa de Souza, Ipsos e Agressivo, acirrado, pulverizado e pouco estruturado Lojas virtuais e lojas locais Tendências, atividades dos concorrentes, mídia, pesquisa de mercado, Google, pesquisas com clientes/fornecedores Aquisições e fusões, aumento de vendas pela Internet, busca por preço e prazo. Empresa e Google Agressivo, acirrado, pulverizado e pouco estruturado Duas grandes redes e lojas virtuais Tendências, atividades dos concorrentes, pesquisa de mercado e pesquisas com fornecedores Aquisições e fusões Empresa e agência Latim Panel Pouco estruturado Competição acirrada na Internet Lojas virtuais Mídia Aquisições e fusões Não realiza 8

9 Insider Figura 4 - Visão do mercado e do ambiente externo das empresas. Fonte: Autora, a partir dos dados coletados na pesquisa. As quatro empresas pesquisadas reconhecem a necessidade de buscar informações não só para o conhecimento do setor, mas das ações dos concorrentes e para análise de tendências. No entanto, cada uma tem uma visão particular do seu negócio, o que implica na obtenção de dados tão singulares sobre como cada uma enxerga seu mercado e seus concorrentes. As empresas A e B monitoram além das grandes redes varejistas os lojistas locais devido às regiões em que atendem. No caso da loja C apenas as duas grandes redes potenciais e algumas lojas virtuais, pois acredita que concorre não com lojas, mas em produtos, uma vez que a exposição não padronizada em categorias na loja, mas em venda casada e o serviço de consultoria representam o diferencial do seu negócio. Contudo, todas elas realizam pesquisa de mercado. Entretanto, a visão de negócio da loja D e a busca de informações estão totalmente voltadas para o objetivo da empresa que é tornar-se referência em entretenimento, uma vez que além de livros, CDs e DVDs oferta ao consumidor shows, entrevistas, saraus, café e ponto de encontro. Desta forma, embora seja reconhecida pelo gestor a presença de algumas livrarias não as considera como concorrentes potenciais, porque não vende apenas livros e por este motivo não realiza pesquisa de mercado acerca dos itens comercializados, pois consegue estas informações com fornecedores e com a pesquisa com o consumidor. As fusões e aquisições observadas nos diferentes setores pesquisados representam a alta competitividade do setor, que como descrito na literatura tende a propiciar inovação de valor ou oferta de produtos complementares (D AVENI, 1995). No caso da empresa a segmentação de negócio promovida pela polarização do setor. A empresa B descobriu um novo nicho com a Internet. A empresa C acrescentou o serviço de consultoria e exposição diferenciada e a empresa D buscou a inovação pelo entretenimento Principais decisões tomadas e informações necessárias EMPRESA A EMPRESA B EMPRESA C EMPRESA D Principais decisões tomadas - abordagens estratégicas, contábeis, investimentos, auditoria, criação de perfis de usuários. - inteligência de mercado, insight estratégico por meio de informações de outros departamentos. Análise de mercado, decisões estratégicas, suporte aos setores Financeiro e E- commerce. Planejamento estratégico, comunicação, estratégias de venda e promoção. Informações necessárias Informações externas e principalmente internas. Informações externas e internas. Figura 5 Relacionamento entre decisões tomadas e informações utilizadas. Fonte: Autora, a partir dos dados coletados na pesquisa. Informações externas e internas. As principais decisões são voltada ao relacionamento com o cliente. Informações internas. A dificuldade em obter informações externas por conta do mercado pouco estruturado e do dinamismo dos setores levam as empresas a buscarem basicamente informações sobre a concorrência e principalmente sobre o cliente. Contudo, existe por parte de todas as empresas pesquisadas a preocupação com a utilização de informações internas. No caso da empresa A existe uma parceria entre os departamentos de Marketing e Business Intelligence (BI) e Tecnologia da Informação (TI), a fim de analisarem dados estatísticos e modelagem de clusters (possíveis novos segmentos ou novas ofertas com base em compras casadas). A empresa B e C monitoram volume de vendas e preferências de consumidores e a empresa D utiliza apenas as informações internas para (a) melhorar o relacionamento com os clientes a fim de promover shows e saraus com base na preferência e no comportamento do 9

10 consumidor; (b) acompanhar o histórico de vendas e relatório de estoque uma vez que os preços dos itens ofertados já vêm sugeridos pelo fabricante. De acordo com a literatura, percebe-se a busca pela utilização da informação para a redução de risco na tomada de decisão, por meio da obtenção de informações e armazenamento de dados, a fim de compreender e conhecer o ciclo de vida e de exposição de produtos comercializados, bem como as incertezas do ambiente para uma melhor avaliação estratégica. (LAUDON; LAUDON, 2004; CRAVENS; PIERCY, 2006; MINCIOTTI, 1992; CAMPOMAR; IKEDA, 2006; MATTAR et al., 2009) Processos de aquisição, coleta, tratamento de dados e influência da informação na tomada de decisões EMPRESA A EMPRESA B EMPRESA C EMPRESA D Fontes de informação interna Fontes de informação externa Dificuldades na obtenção de informações internas Dificuldades na obtenção de informações externas Tratamento de dados Influência da informação Ponto de venda, cadastro do cliente, banco de dados analítico, SERASA Concorrência, fornecedores, Geomarketing, pesquisa com cliente Cultura para aprendizado; excesso de Segurança para liberação de informação; Disponibilidade do pessoal de TI; Especificação da informação que o gestor quer Carência de informações do mercado. Relatórios internos disponíveis no sistema de informação Site, clientes e fornecedores Não há o próprio gestor desenvolve o sistema e banco de dados Mercado pouco estruturado, falta de divulgação acerca da concorrência Relatórios internos e shopping de preços disponível na Internet Fornecedores Não há o gestor desenvolve junto com TI Mercado pouco estruturado e diferenciação do serviço permite poucas comparações Sistematização de dados, nada manual Mídia Não há Não há Não informado Não informado Não informado Não informado Suporte à gestão Recurso estratégico Figura 6 Processos e influência da informação na tomada de decisão. Fonte: Autora, a partir dos dados coletados na pesquisa. Suporte à gestão Suporte à gestão e recurso estratégico Apesar das dificuldades enfrentadas para a obtenção de informações, principalmente externas, existe o reconhecimento de que as informações são necessárias para resolução de problemas que envolvem as necessidades dos clientes, as ações dos concorrentes e as decisões quanto ao mix e quantidade de produto a ser oferecido. Em relação à empresa A foram observadas algumas particularidades: (a) para obtenção de informações externas utiliza-se um recurso por meio de software específico chamado geomarketing que consiste em determinar qual a influência de determinada loja ou marca em uma determinada região; (b) as dificuldades para obtenção de informações internas não foram atribuídas à tecnologia usada, mas aos fatores citados na Figura 6; (c) houve divergência quanto a estas dificuldades por parte dos gestores: o gestor de cúpula não vê nenhuma dificuldade, porém o gestor de marketing menciona que cada departamento só tem acesso às 10

11 informações relacionadas às atividades de sua área, dependendo da autorização do gestor de cúpula para visualizar demais informações que se façam necessárias; a junção de BI e TI sob o comando de uma única gerência facilita o trabalho de dados e informações Utilização do sistema de informação, verificação da presença de um SIM e distribuição da informação Sistema de informação Sistema de informações de marketing Distribuição de informação EMPRESA A EMPRESA B EMPRESA C EMPRESA D Sistema SAP Desenvolvido pelo Desenvolvido pelo Desenvolvido gestor principal pessoal de TI pela própria Possui SIM desenvolvido Acesso restrito com base em perfis de usuários Em desenvolvimento Somente gestor principal tem acesso a todas as informações Não possui Disponível para os níveis institucional e intermediário Figura 7 Utilização de sistema de banco de dados, SIM e distribuição de informação. Fonte: Autora, a partir dos dados coletados na pesquisa. empresa Não possui Possui restrições de acesso às informações Todas as empresas pesquisadas possuem um sistema de informação (SI) sendo que a maioria delas desenvolveu seu próprio sistema conforme suas necessidades. A exceção é a empresa A que possui um SI mais elaborado, uma vez que trabalha com o sistema SAP (Systems Applications and Products in Data Processing Sistemas, Aplicativos e Produtos para Processamento de Dados software de gestão de negócios fabricado por empresa alemã de mesmo nome), possui duas bases: uma que atende a área comercial e a outra o restante da empresa. O modelo é divido em dois blocos, um com base em perfis e o outro com base em dados estatísticos trabalhados por BI e TI. Apenas as empresas A e B possuem um SIM. A empresa A acredita que o modelo ainda pode ser melhorado, por conta da carência de informações externas e a empresa B vem junto com a Google desenvolvendo o SIM de forma que possa aproveitar todo o seu potencial, uma vez que reconhece não utilizar nem 10% do que poderia. Foi solicitado a todos os entrevistados que comparassem o SIM da empresa com o modelo proposto por Kotler (1998) por ser mais didático: (a) a empresa A possui todos os subsistemas ainda que não de forma tão estruturada; (b) a empresa B, apesar da fase de implementação reconhece os subsistemas ainda que de forma integrada; (c) a empresa C trabalha com dados do SI; e, (d) a empresa D possui em seu SI um módulo específico para Marketing que contempla os quatro subsistemas. Os entrevistados das empresas A e B afirmam que o SIM apesar de ser trabalhado de forma integrada com o SI permitem obter informações sobre qualquer tipo de mercado, além do mercado de construção, bem como trabalhar o cruzamento e análise de dados que considere relevante. Além disso, o sistema permite obter dados sobre histórico de venda, receita por loja e Internet, comportamento do consumidor e gerenciamento de estoque, conforme literatura abordada na pesquisa (MINCIOTTI, 1992; KOTLER, 1998). Quanto ao fluxo e disseminação na informação podemos perceber a restrição de informações em todas as empresas pesquisadas. Segundo os entrevistados a restrição é justificada pela proteção às questões estratégicas das empresas. Diverge, portanto do proposto pela literatura (LAUDON; LAUDON, 2004; CRAVENS; PIERCY, 2006; MINCIOTTI, 1992; CAMPOMAR; IKEDA, 2006; MATTAR et al., 2009, KOTLER, 1998) Aquisição de novas tecnologias para obtenção e disseminação de informações - como complemento ao SIM 11

12 Apesar dos gestores de cada empresa entenderem que novas tecnologias podem beneficiar os processos gerenciais, acreditam que a aquisição de novos softwares não é o mais importante, na realidade o que existe é necessidade de pessoas capacitadas para usá-los, a fim de extrair informações relevantes para a tomada de decisão. Nota-se, portanto, a convergência com a literatura: dificuldade de obter informação relevante e como utilizar a informação obtida (LAUDON; LAUDON, 2004; CRAVENS; PIERCY, 2006; MINCIOTTI, 1992; CAMPOMAR; IKEDA, 2006; MATTAR et al., 2009) Benefícios obtidos pela utilização do SIM e sua contribuição para o planejamento de marketing Os entrevistados foram questionados acerca da contribuição do SIM em relação às decisões que envolvem as principais estratégias de varejo. Considerando as empresas A e B que possuem o SIM, os entrevistados ressaltam sua utilização de forma integrada ao SI. Apena a empresa A contempla todos os elementos da estratégia de varejo. Segundo os demais entrevistados ainda não é possível trabalhar o ambiente de loja, uma vez não adotam um padrão de exposição de mercadorias. Também foi solicitado aos entrevistados das empresas A e B que apontassem os benefícios obtidos apenas pela utilização do SIM e os entrevistados da empresas C e D, aqueles obtidos pelo uso do SI. Os resultados podem observados na Figura 8. EMPRESAS BENEFÍCIOS A B C D Reduzir custos operacionais X X X X Elaborar relatórios mais precisos e rápidos X X X X Melhorar produtividade X X X X Controlar custos de Marketing X X X X Melhorar os serviços internos realizados e oferecidos X X X X Melhorar a tomada de decisões X X X X Prever e elaborar planejamentos X X X X Melhorar a estrutura organizacional X X X Promover estratégias de preço e propaganda X X X X Melhorar a flexibilização da empresa em relação à mudanças de fatores ambientais X X X Otimizar a prestação de serviços oferecidos aos clientes X X X X Melhorar a interação com seus fornecedores X X X Melhorar o desempenho da força de vendas X X X Desenvolver programas de treinamento pessoal X X Construir atendimento diferenciado ao cliente X X X X Identificar o mercado-alvo e direcionar esforços X X X Conhecer as atividades do concorrente X X X Monitorar e identificar novos segmentos X X X Desenvolver novos produtos/serviços X X X Gerenciar e reduzir custo de estoque X X X Localizar novas fontes de mercadorias X X Fortalecer o relacionamento com o consumidor X X X X Melhorar o controle do canal de distribuição X X X Reduzir o risco percebido pelo cliente X X X Construir vantagem longo prazo sobre a concorrência X X Identificar a natureza de serviços e produtos ofertados ao mercado X X Continua 12

13 Aperfeiçoamento do controle Continuação X X X Aperfeiçoamento do planejamento X X X Figura 8 Benefícios gerados pela utilização do SIM da empresa. Fonte: Autora, elaborado a partir dos dados coletados na pesquisa. Para a empresa A os itens não assinalados dizem respeito a atividades referente à logística (fábrica e distribuição) e a retornos de campanhas promocionais que dependeriam de análise efetuado por outros setores da empresa, como Compras, BI e TI. No caso da empresa B, apenas o uso do SIM não permite obter os benefícios não assinalados. De acordo com as contribuições propostas pela literatura quanto ao uso do SIM para o planejamento e obtenção de vantagem competitiva, os entrevistados das empresas A e B limitaram-se a responder as contribuições obtidas apenas pela utilização do SIM. Contudo, os entrevistados das empresas C e D responderam as contribuições obtidas apenas com o uso do SI. Item SAÍDA DE DADOS EMPRESAS A B C D 1 Oportunidades de marketing A Previsões de vendas X X X X B Tamanho do mercado X X C Tendências de consumo X X X 2 Implementação: O marketing mix A Produto X X X X B Preço X X X C Distribuição X X X X D Comunicação X X X 3 Marketing estratégico A Segmentação X X X X B Diferenciação X X X C Posicionamento X X D Competitividade X X X 4 Controle: Dados de desempenho A Custos X X X X B Vendas X X X X C Lucros X X X X D Participação X X Figura 9 Contribuições do uso do SIM para o planejamento e obtenção de vantagens competitivas. Fonte: Autora, com base na pesquisa realizada. Para os entrevistados das empresas A e B as contribuições proporcionadas pelo SIM poderiam ser potencializadas com o uso integrado do SI. Já os entrevistados das empresas C e D afirmam que apesar do SI da empresa possuir um módulo que contempla marketing, este não é eficiente o bastante para gerar todas as contribuições. Vale ressaltar que nenhuma das empresas pesquisadas possui o serviço de pós-venda, que faz parte das atividades de relacionamento com cliente e, ainda que todas monitoram de forma precária a satisfação do cliente e as ações do concorrente. Desta forma, nota-se uma lacuna no relacionamento corporação-cliente-concorrência, proposto por Ohmae (1985). 13

14 8 Conclusões, Limitações e Recomendações A realização do estudo de múltiplos casos permitiu observar que as empresas pesquisadas estão inseridas em um ambiente altamente competitivo, agressivo e muito dinâmico, tal como o cenário descrito por D Aveni (1995). É possível observar, de acordo com a literatura, que a luta pela sobrevivência tem levado a empresa a buscar novos recursos e novos nichos, fugindo da concorrência existente (D AVENI, 1995). No caso da empresa A o posicionamento pelo mercado popular, a integração loja-fábrica-distribuição reduzindo custos. A empresa B encontrou acessibilidade a um novo canal de distribuição por meio do recurso tecnológico atendendo o preço e o prazo exigidos pelos clientes. Enquanto que a empresa C descobriu na exposição de mercadorias e no serviço de consultoria o seu diferencial. E, finalmente, a empresa D optou por um novo nicho o de entretenimento como forma de atrair seus consumidores e ao mesmo tempo alavancar as vendas dos produtos que oferta tradicionalmente. Apesar da busca de novos recursos para lutar pela sobrevivência e da rapidez em enxergar e aproveitar as oportunidades como descreve Jain (1999), o uso potencial do SIM permitiria às empresas elaborarem estratégias focadas nos três C s estratégicos propostos por Ohmae (1985) e Jain (1999), aumentando a possibilidade das empresas lucrarem mais com as inovações implantadas, bem como para identificar outras demandas não atendidas pelos concorrentes, as quais as empresas teriam condições de explorar (KOTLER, 1998; MATTAR et al., 2009). Contudo, a dificuldade às informações externas faz com mostrem-se mais voltadas aos seus clientes, em detrimento da orientação ao mercado. Percebeu-se que apenas as empresas A e C utilizam a informação apenas como suporte à gestão, contudo os gestores da empresa A entendem que estão caminhando para o uso da informação como recurso estratégico a fim de prover melhor desempenho operacional e melhores oportunidades de negócio, com a junção de BI e TI, sob a mesma gerência, e ainda como apoio ao setor de Marketing. Todas as empresas pesquisadas apresentam certas dificuldades quanto ao fluxo, distribuição e acesso à informação que muitas vezes se perde no sistema e vem de encontro com a revisão de literatura no que diz respeito à cultura da empresa, necessidade da busca de aperfeiçoamento de estruturação e de processos de aprendizagem organizacional (LOVELOCK; WHRIGHT, 2005; LEVY; WEITZ, 2000; PINTO et. al, 2006; MINCIOTTI, 1992; PIERCY; CRAVENS, 1994; KOTLER, 1998; MATTAR et al., 2009). O estudo permitiu identificar os subsistemas propostos por Kotler (1998), tanto nas empresas A e B que possuem o SIM, como nas empresas C e D que possuem módulos de marketing dentro do seu SI. Para os gestores entrevistados se faz necessário o uso integrado SIM-SI como forma de aproveitar todo o potencial dos benefícios e contribuições gerados pelas informações. Em relação ao acesso e manipulação de todas as informações apenas por parte dos principais gestores tomadores de decisões não foi possível associar o SIM adotado pelas empresas A e B ao modelo proposto por Mattar et al. (2009). Dentre as limitações que se pode reconhecer no presente trabalho temos a escolha metodológica que apesar de reduzir conclusões prematura não permite generalizações, bem como a ausência de dados quantitativos. Também o fato de que nem todas as empresas pesquisadas adotaram o uso do SIM, embora tenham em seu SI módulos de marketing bem definidos. No entanto, cabe ressaltar que apesar da limitação atendeu ao objetivo proposto. Como forma de contribuir para futuros estudos recomenda-se a comparação com outras empresas varejistas que atuam no mesmo segmento, em vista de obter melhores avaliações quanto a relevância da gestão de informações que o SIM propicia para a geração de vantagem competitiva, além de outras pesquisas qualitativas que busquem levantar diferentes questões e variáveis relativas aos assuntos abordados. 14

15 Referências BERRY, L. L.; ZEITHAML, V. A.; PARASURAMAN, A. Five imperatives for improving service quality. Sloan Management Review, Cambridge, v. 31, n. 4, p , summer CAMPOMAR, M. C.; IKEDA, A. A. O planejamento de marketing e a confecção de planos: dos conceitos a um novo modelo. São Paulo: Saraiva, CRAVENS, D. W.; PIERCY, N. F. Strategic Marketing. Boston: McGraw-Hill, D AVENI, R. A. Hipercompetição: estratégias para dominar a dinâmica do mercado. Rio de Janeiro: Campus, DAVENPORT, T. H. Competing on analytics. Harvard Business Review, Boston, v. 84, p. 1-10, jan ; ECCLES, R. G.; PRUSAK, L. Information politics. Sloan Management Review, Cambridge, v. 34, n. 1, p , fall EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v.14, n. 4, p , oct HENDERSON, B. D. The origins of strategy. Harvard Business Review, Boston, v. 67, p , HOOLEY, G. J.; SAUNDERS, J. A.; PIERCY, N. F. Estratégia de marketing e posicionamento competitivo. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, HURLEY, R. F.; HULT, G. T. M. Innovation, market orientation, and organizational learning: an integration and empirical examination. Journal of Marketing, Chicago, v. 62, n. 3, p , jul JAIN, S. C. Marketing planning & strategy. 6. ed. United States: Thomson Learning, JAWORSKI, B. J.; MACINNIS, D. J.; KOHLI, A. K. Generating competitive intelligence in organizations. Journal of Market Focused Management, v. 5, n. 4, p , dec KOHLI, A. K.; JAWORSKI, B. J. Market orientation: the construct, research propositions and managerial implications. Journal of Marketing, v. 54, p. 1-18, apr KOTLER, P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, ; KELLER, K. L. Administração de Marketing. 12. ed. São Paulo: Prentice Hall, LAMBIN, J. J. Marketing estratégico. 4. ed. Lisboa: McGraw Hill, LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de informação gerenciais: administrando a empresa digital. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall,

16 . Gerenciamento de sistemas de informação. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC, LEVY, M.; WEITZ, B. A. Administração de varejo. São Paulo: Atlas, LOVELOCK, C.; WRIGHT, L. Serviços: marketing e gestão. São Paulo: Saraiva, ; WIRTZ, J. Marketing de serviços: pessoas, tecnologia e resultados. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, MATTAR, F. N. Contribuição ao estudo dos sistemas de informações de marketing: proposta de um modelo para concessionárias de veículos f. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade FEA, Universidade de São Paulo, São Paulo.. et al. Gestão de produtos, serviços, marcas e mercados: estratégias e ações para alcançar e manter-se Top of Market. São Paulo: Atlas, MINCIOTTI, S. A. O sistema de informações de marketing como suporte para a adoção do marketing estratégico: o desenvolvimento de um modelo f. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade FEA, Universidade de São Paulo, São Paulo. OHMAE, K. O estrategista em ação: a arte japonesa em negociar. São Paulo: Pioneira, PARENTE, J. G.; BARKI, E.; KATO, H. T. Estratégias de marketing para o varejo na baixa renda. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 31, Rio de Janeiro. Anais..., Rio de Janeiro: ANPAD, CD ROM. PINTO et al. Integração da Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados como Suporte a Actividades de CRM. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 30, Salvador. Anais..., Salvador: ANPAD, CD ROM. PRAHALAD, C. K.; RAMASWAMY, V. O futuro da competição: como desenvolver diferenciais inovadores em parceria com os clientes. Rio de Janeiro: Elsevier, VERGARA, Sylvia C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, ZEITHAML, V. A.; BITNER, M. J. Marketing de serviços: a empresa com foco no cliente. 2. ed. Porto Alegre: Bookman,

A contribuição da informação de marketing para a geração de vantagem competitiva no pequeno varejo: um estudo de caso no setor de construção

A contribuição da informação de marketing para a geração de vantagem competitiva no pequeno varejo: um estudo de caso no setor de construção Área temática: Marketing A contribuição da informação de marketing para a geração de vantagem competitiva no pequeno varejo: um estudo de caso no setor de construção AUTORES JOSIMEIRE PESSOA DE QUEIROZ

Leia mais

Contribuições e Limites do Sistema de Informações de Marketing

Contribuições e Limites do Sistema de Informações de Marketing Área temática: Marketing Contribuições e Limites do Sistema de Informações de Marketing AUTORES JOSIMEIRE PESSOA DE QUEIROZ Centro Universitário da FEI josimeirepessoa@ig.com.br BRAULIO OLIVEIRA Centro

Leia mais

Análise do Ambiente e Tomada de Decisão de Marketing com Base em Sistema de Informações

Análise do Ambiente e Tomada de Decisão de Marketing com Base em Sistema de Informações Área temática: Marketing Análise do Ambiente e Tomada de Decisão de Marketing com Base em Sistema de Informações AUTORES BRAULIO OLIVEIRA Centro Universitério da FEI braulio@fei.edu.br JOSIMEIRE PESSOA

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Estratégia de para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Miguel Rivera PERES JÚNIOR 1 ; Jordan Assis REIS 2 1 Professor do IFMG Campus Formiga. Rua Padre Alberico, s/n. Formiga,MG

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

TÍTULO: BIG DATA: UM DESAFIO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO NO SETOR VAREJISTA

TÍTULO: BIG DATA: UM DESAFIO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO NO SETOR VAREJISTA TÍTULO: BIG DATA: UM DESAFIO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO NO SETOR VAREJISTA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE PRESBITERIANA

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Orientação Estratégica e Gestão de Informações de Marketing em uma Empresa de Pequeno Porte

Orientação Estratégica e Gestão de Informações de Marketing em uma Empresa de Pequeno Porte Orientação Estratégica e Gestão de Informações de Marketing em uma Empresa de Pequeno Porte Resumo Autoria: Juliana de Araujo Pereira, Josimeire Pessoa de Queiroz, Braulio Oliveira Diversos estudos acadêmicos

Leia mais

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Relatório de pesquisa Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Via Consulting Maio de 2009 1 Caro leitor, Gostaria de convidá-lo a conhecer o resultado de uma pesquisa patrocinada pela Via Consulting

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Marcia Habiro (Universidade Federal de São Carlos) marciahabiro@yahoo.com.br Moacir Godinho

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG)

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Prof. José Roberto Dale Luche Unesp Um SISTEMA DE INFORMAÇÃO é um conjunto de componentes inter-relacionados, desenvolvidos

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Pauta Visão do Negócio Oportunidades de Melhoria Resultados Alcançados Como nos estruturamos para alcançar os resultados? Organograma Institucional Controladoria

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 Curso: TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Habilitação: TECNÓLOGO Disciplina: NEGÓCIOS INTELIGENTES (BUSINESS INTELLIGENCE) Período: M V N 4º semestre do Curso

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

6 Conclusões e recomendações 6.1. Resumo do estudo

6 Conclusões e recomendações 6.1. Resumo do estudo 6 Conclusões e recomendações 6.1. Resumo do estudo As operadoras de telefonia móvel do mercado brasileiro estão diante de um contexto em que é cada vez mais difícil a aquisição de novos clientes. Dado

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 06 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 278 à 285 1 AULA 06 APOIO ÀS DECISÕES DE E BUSINESS 2 E business e Apoio

Leia mais