Elementos de Máquinas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elementos de Máquinas"

Transcrição

1 Professor: Leonardo Leódido

2 Sumário Definição Eixos e Árvores Cabos

3 Definição Função: Transmissão de potênica e movimento (direção).

4 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida

5 Definição As transmissões entre elementos de máquinas: Por contato direto rodas de atrito;

6 Definição As transmissões entre elementos de máquinas: Por contato direto rodas de atrito; engrenagens;

7 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto rodas de atrito; engrenagens; cames; etc.

8 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível correias;

9 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível correias; correntes;

10 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível correias; correntes; cabos.

11 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida biela;

12 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida biela; manivela;

13 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida biela; manivela; excêntricos.

14 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida Ligação entre eixo ou árvores

15 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida Ligação entre eixo ou árvores Acoplamentos

16 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida Ligação entre eixo ou árvores Acoplamentos Rígidos;

17 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida Ligação entre eixo ou árvores Acoplamentos Rígidos; Flexíveis;

18 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida Ligação entre eixo ou árvores Acoplamentos Rígidos; Flexíveis; Articulados.

19 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida Ligação entre eixo ou árvores Acoplamentos Embreagens De fricção;

20 Definição As transmissões entre os elementos podem se realizar: Por contato direto Por ligação flexível Por ligação rígida Ligação entre eixo ou árvores Acoplamentos Embreagens De fricção; De engate.

21 Eixos e Árvores Definição: Eixos: servem para apoiar peças de máquinas que podem ser fixadas a eles ou serem móveis. Não transmitem momento de torção.

22 Eixos e Árvores Definição: Eixos: servem para apoiar peças de máquinas que podem ser fixadas a eles ou serem móveis. Não transmitem momento de torção. Eixos-árvore: transmitem momento de torção.

23 Eixos e Árvores Classificação da Transmissão: Eixos paralelos - Dois eixos são paralelos se eles não possuem interseção e estão em um mesmo plano.

24 Eixos e Árvores Classificação da Transmissão: Eixos paralelos - Dois eixos são paralelos se eles não possuem interseção e estão em um mesmo plano. Eixos concorrentes - Dois têm um ponto em comum. Os eixos perpendiculares são eixos concorrentes que formam entre si um ângulo reto.

25 Eixos e Árvores Classificação da Transmissão: Eixos paralelos - Dois eixos são paralelos se eles não possuem interseção e estão em um mesmo plano. Eixos concorrentes - Dois têm um ponto em comum. Os eixos perpendiculares são eixos concorrentes que formam entre si um ângulo reto. Eixos reversos - quando um não tem interseção com o outro e eles não são paralelos. Isto significa que eles estão em planos diferentes.

26 Eixos e Árvores Material de Fabricação: Geralmente são fabricados em aço ou ligas de aço devido as melhores propriedades mecânicas: eixos com pequena solicitação mecânica são fabricados em aço ao carbono; eixo-árvore de máquinas e automóveis são fabricados em aço-níquel; eixo-árvore para altas rotações ou para bombas e turbinas são fabricados em aço cromo-níquel; eixo para vagões são fabricados em aço-manganês.

27 Eixos e Árvores Características Conforme as funções as árvores podem ser de engrenagens ou de manivela (circular em linear).

28 Eixos e Árvores Características Conforme os esforço, tem-se espigas diferentes: Radiais

29 Eixos e Árvores Características Conforme os esforço, tem-se espigas diferentes: Radiais Axiais

30 Eixos e Árvores Características Conforme os esforço, tem-se espigas diferentes: Radiais Axiais

31 Eixos e Árvores Características Conforme a seção transversal podem ser: Maciços.

32 Eixos e Árvores Características Conforme a seção transversal podem ser: Maciços. Vazados ou ocos.

33 Eixos e Árvores Características Conforme a seção transversal podem ser: Maciços. Vazados ou ocos. Cônicos.

34 Eixos e Árvores Características Conforme a seção transversal podem ser: Maciços. Vazados ou ocos. Cônicos. Roscados.

35 Eixos e Árvores Características Conforme a seção transversal podem ser: Maciços. Vazados ou ocos. Cônicos. Roscados. Ranhurados.

36 Eixos e Árvores Características Conforme a seção transversal podem ser: Maciços. Vazados ou ocos. Cônicos. Roscados. Ranhurados. Estriados.

37 Eixos e Árvores Características Conforme a seção transversal podem ser: Maciços. Vazados ou ocos. Cônicos. Roscados. Ranhurados. Estriados. Flexíveis.

38 Cabos Uso Máquinas de elevação e transporte Embreagens Escavadeiras Pontes rolantes etc.

39 Cabos Constução

40 Cabos Constução: cabo 6 por 19

41 Cabos Constução: passo

42 Cabos Distribuição:

43 Cabos Distribuição: Normal: os fios dos arames e das pernas tem o mesmo diâmetro.

44 Cabos Distribuição: Normal Seale

45 Cabos Distribuição: Normal Seale Filler

46 Cabos Distribuição: Normal Seale Filler Warrignton

47 Cabos Alma Fibra: Vantagens das fibras artificiais: não se deterioram em contato com agentes agressivos; são obtidas em maior quantidade; não absorvem umidade. Desvantagens das fibras artificiais: são mais caras; são utilizadas somente em cabos especiais.

48 Cabos Alma Aço: A alma de aço pode ser formada por uma perna de cabo (AA) ou por um cabo de aço independente (AACI), sendo esta ultima modalidade preferida quando se exige do cabo maior flexibilidade, combinada com alta resistência à tração

49 Cabos Alma Algodão: Pequenas dimensões Arbesto: Altas temperaturas

50 Cabos Torção Regular ou em cruz: Os fios de cada perna são torcidos no sentido oposto ao das pernas ao redor da alma. Estes cabos são estáveis, possuem boa resistência ao desgaste interno e torção e são fáceis de manusear. Também possuem considerável resistência a amassamentos e deformações devido ao curto comprimento dos arames expostos.

51 Cabos Torção Lang ou Em Paralelo: Os fios de cada perna são torcidos no mesmo sentido das pernas que ficam ao redor da alma. torção aumenta a resistência ao atrito (abrasão) e dá mais flexibilidade.

52 Cabos Torção Lang ou Em Paralelo: Estão mais sujeitos ao desgaste interno, distorções e deformações e possuem baixa resistência aos amassamentos. Além do mais, os cabos de aço torção Lang devem ter sempre as suas extremidades permanentemente fixadas para prevenir a sua distorção e em vista disso, não são recomendados para movimentar cargas com apenas uma linha de cabo. Nota: A não ser em casos especiais (como por exemplo, cabo trator de linhas aéreas) não se deve usar cabos de torção Lang com alma de fibra por apresentarem pouca estabilidade e pequena resistência aos amassamentos.

53 Cabos Fixação dos cabos

54 Cabos Fixação dos cabos soquete chumbador fixado em zinco fundido cunha Olhal com sapatilha de proteção Olhal com estribo protetor presilha rosqueadas Amarração por grampos ou clips

Cabos. Um motorista dirigia, quando, de repente, Conceito

Cabos. Um motorista dirigia, quando, de repente, Conceito A U A UL LA Cabos Introdução Um motorista dirigia, quando, de repente, surgiu um problema na embreagem do carro. Por mais que tentasse, o motorista não conseguia engatar a marcha. O carro foi rebocado

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Correias e Polias Correntes Definição Polia: São peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo do motor e pelas correias. Correias: É o elemento da máquina que,

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

FIXAÇÃO EIXO-EIXO ACOPLAMENTOS ACOPLAMENTOS ACOPLAMENTOS PMR 2201 1. FUNÇÕES:

FIXAÇÃO EIXO-EIXO ACOPLAMENTOS ACOPLAMENTOS ACOPLAMENTOS PMR 2201 1. FUNÇÕES: PMR 2201 FIXAÇÃO EIXO-EIXO 1. FUNÇÕES: Permitir a montagem, desmontagem e/ou manutenção de equipamentos Compensar e/ou absorver desalinhamentos entre eixos Absorver ou isolar vibrações e choques Permitir

Leia mais

MANUAL PRÁTICO ARI 01

MANUAL PRÁTICO ARI 01 MANUAL PRÁTICO ARI 01 CONHECIMENTOS BÁSICOS CABOS DE AÇO Desenvolvido por Gustavo Cassiolato Construção é o termo empregado para designar as características do cabo de aço, como: 1) Número de pernas e

Leia mais

Elementos Flexiveis: Cabos. Elementos de Maquinas - ME446 Prof. Jose Maria Barbosa

Elementos Flexiveis: Cabos. Elementos de Maquinas - ME446 Prof. Jose Maria Barbosa Elementos Flexiveis: Cabos Elementos de Maquinas - ME446 Prof. Jose Maria Barbosa História do Cabo de Aço (fonte: SIVA) Idade da Pedra Redes de pesca com Cabos de fibra vegetal; 5.000 atrás Egípcios fabricavam

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima?

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima? Eixos e correntes A UU L AL A Uma máquina em processo de manutenção preventiva apresentava vários eixos e algumas correntes, além de mancais que necessitavam de reparos. Entre os eixos, um cônico e um

Leia mais

MANUAL DE CABO DE AÇO

MANUAL DE CABO DE AÇO MANUAL DE CABO DE AÇO 2014 Sumário Departamento Técnico e de Vendas Via de Acesso João de Goes, 478 CEP 06616-130 Jandira - SP Fone: 11 4789 8400 www.saoraphael.com.br Fevereiro de 2013 1- Cabo de Aço...

Leia mais

Práticas de Manutenção

Práticas de Manutenção Professor: Leonardo Leódido Aula Ferramentas de Torque Sumário Características Fabricação Tipos Características São ferramentas utilizadas na manutenção de equipamentos e que gera um torque sobre outros

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção

Universidade Federal de Pelotas Centro de Engenharias. Resistência dos Materiais I Estruturas II. Capítulo 5 Torção Capítulo 5 Torção 5.1 Deformação por torção de um eixo circular Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA NOS TRABALHOS COM CABO DE AÇO. www.cpsol.com.br (11) 4106-3883

NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA NOS TRABALHOS COM CABO DE AÇO. www.cpsol.com.br (11) 4106-3883 NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA NOS TRABALHOS COM CABO DE AÇO UM CABO DE AÇO É CONSTITUÍDO DE TRÊS PARTES DISTINTAS: Laço - é confeccionado com olhal trançado e prensado com presilha de aço. Passo - comprimento

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

Tratores Agrícolas 1

Tratores Agrícolas 1 Tratores Agrícolas 1 TRATOR AGRÍCOLA 1 DEFINIÇÃO???? Máquina autopropelida provida de meios que, além de lhe conferirem apoio estável sobre uma superfície horizontal, capacitam-no a tracionar, transportar

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

Diâmetro dos Cabos de Aço. Tabelas de Conversão MM/Polegadas ( )

Diâmetro dos Cabos de Aço. Tabelas de Conversão MM/Polegadas ( ) Diâmetro dos Cabos de Aço O diâmetro do cabo deve ser medido da forma como indica a gravura. CORRECTO INCORRECTO Quando um cabo de aço é posto em serviço o seu diâmetro diminui ligeiramente em consequência

Leia mais

Elementos de Transmissão Correias

Elementos de Transmissão Correias Elementos de Transmissão Correias Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Transmissão por polias e correias Transmissão por polias e correias As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo

Leia mais

Polias e correias I. Como Ernesto resolveu o problema da correia e da polia? Polias e correias é o tema desta aula.

Polias e correias I. Como Ernesto resolveu o problema da correia e da polia? Polias e correias é o tema desta aula. Polias e correias I A UU L AL A O número de rotações por minuto (rpm) executado por uma furadeira de coluna não estava compatível com a necessidade exigida pelo trabalho. O número de rotações desenvolvido

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Polias e correias. Polias

Polias e correias. Polias A U A UL LA Polias e correias Introdução Às vezes, pequenos problemas de uma empresa podem ser resolvidos com soluções imediatas, principalmente quando os recursos estão próximos de nós, sem exigir grandes

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Embreagens são elementos que

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Introdução Definição Classificação Características Aplicação Representação Definição São elementos que ligam peças permitindo que essas se movimentem sem sofrerem alterações.

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

cabos de aço para a indústria de OIL E GÁS OFFSHORE www.iphdobrasil.com.br

cabos de aço para a indústria de OIL E GÁS OFFSHORE www.iphdobrasil.com.br cabos de aço para a indústria de OIL E GÁS OFFSHORE www.iphdobrasil.com.br Planta San Miguel Buenos Aires - Argentina SAICF Centro de Serviços e Vendas Itapevi São Paulo - Brasil SAICF Nascida há 65 anos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Mancais: São elementos de máquinas que suportam eixo girante, deslizante ou oscilante. São classificados em mancais de: Deslizamento

Leia mais

Simetria de Figuras Planas e Espaciais

Simetria de Figuras Planas e Espaciais Simetria de Figuras Planas e Espaciais Introdução A maioria das pessoas acreditam que a simetria está ligada mais a pensamentos sobre Arte e Natureza do que sobre Matemática. De fato, nossas ideias de

Leia mais

Introdução. elementos de apoio

Introdução. elementos de apoio Introdução aos elementos de apoio A UU L AL A Esta aula - Introdução aos elementos de apoio - inicia a segunda parte deste primeiro livro que compõe o módulo Elementos de máquinas. De modo geral, os elementos

Leia mais

Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo

Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo TUBOS INOX Validade: Os valores e medidas apresentadas são válidas salvo erro de edição e são sujeitos a alteração sem aviso prévio. Validade dos Preços: salvo erro de edição, os preços são válidos para

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Linha Industrial. Soluções Rexnord ÍNDICE. Soluções em Acoplamentos. Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU. Correntes de Engenharia

Linha Industrial. Soluções Rexnord ÍNDICE. Soluções em Acoplamentos. Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU. Correntes de Engenharia www.rexnord.com.br vendassl@rexnord.com.br Soluções Rexnord Linha Industrial ÍNDICE Soluções em Acoplamentos Acoplamentos Omega Acoplamentos Omega HSU Correntes de Engenharia Pronto atendimento Rexnord:

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

Brocas, buchas e mandris

Brocas, buchas e mandris Brocas, buchas e mandris Para fixação de elementos, cada material exige broca e bucha específicos. Saiba quais são os tipos corretos para cada necessidade Fixações em parede de alvenaria, concreto ou drywall

Leia mais

aos elementos de transmissão

aos elementos de transmissão A U A UL LA Introdução aos elementos de transmissão Introdução Um motorista viajava numa estrada e não viu a luz vermelha que, de repente, apareceu no painel. Mais alguns metros, o carro parou. O motorista,

Leia mais

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES 1 FERRITES Os ferrites são produzidos com óxido de ferro, cobalto, níquel, manganês e zinco. Após misturados são prensados de acordo com o perfil desejado. É sinterizado

Leia mais

Elementos de transmissão de potência José Queiroz - Unilins

Elementos de transmissão de potência José Queiroz - Unilins Projetos Mecânicos Elementos de transmissão de potência José Queiroz - Unilins 2 Polias e correias Polias: As polias são peças cilíndricas, movimentadas pela rotação do eixo do motor e pelas correias.

Leia mais

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 Index - Anéis O rings - Gaxetas - Raspadores - Reparos - Retentores - Placas - Rolamentos para Bombas - Rotativos - Bombas - Peças Especiais - Dumax Comercial

Leia mais

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha A U A UL LA Buchas Introdução Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se que a primeira roda tenha sido um tronco cortado em sentido transversal. Com a invenção da roda, surgiu, logo depois, o eixo. O

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna Sistemas auxiliares dos motores SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO O sistema de lubrificação tem como função distribuir o óleo lubrificante entre partes móveis

Leia mais

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas *

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * 1. Introdução Uma das principais fontes de potência, responsáveis pela alta produção agrícola com significante economia de mão-de-obra, é o trator agrícola.

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA NA

ENGENHARIA MECÂNICA NA ENGENHARIA MECÂNICA NA Gonçalo Falcão Marta Ramos Paulo Fernandes Pedro Lima Pedro Forte Pedro Seabra 1M05_03 Supervisor: Monitor: Ana Reis Mário Silva Mestrado Integrado Engenharia Mecânica Motores Energy

Leia mais

Classificação e Características dos Rolamentos

Classificação e Características dos Rolamentos Classificação e Características dos 1. Classificação e Características dos 1.1 dos rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel e um anel ), corpos rolantes (tanto esferas

Leia mais

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE POTÊNCIA Introdução Funções do sistema de transmissão de potência: Transmitir potência do motor para as rodas motrizes e para a TDP (tomada de potência) Possibilitar o engate

Leia mais

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Cabos Ópticos. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Cabos Ópticos Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Cabos Ópticos Estruturas de encapsulamento e empacotamento de

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN

PINOFLEX-NP 2009/01 ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRA-RECUOS DENFLEX - NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN ACOPLAMENTO HIDRODINÂMICO CONTRARECUOS DENFLEX NVD DISCFLEX EMBREAGENS INDUSTRIAIS FLEXOMAX G FLEXOMAX GBN FLEXOMAX GSN PINOFLEXNP SPEFLEX N VULBRAFLEX VB VULKARDAN E VULMEX 2009/01 GENERALIDADES Os acoplamentos

Leia mais

Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque. Limitadores de torque Autogard Guia de seleção

Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque. Limitadores de torque Autogard Guia de seleção Visão geral do Guia de seleção do limitador de torque Limitadores de torque Guia de seleção Limitadores de torque Há mais de 80 anos, a tem sido líder no setor de proteção contra sobrecargas em equipamentos,

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com.

SUPORTE LATERAL componentes. VARANDA componentes. SUPORTE LATERAL componentes. Tel: 55 11 4177-2244 plasnec@plasnec.com.br l www.plasnec.com. VARANDA 5 6 9 SUPORTE LATERAL 12 4 7 10 8 Código: 17010101 Descrição: Conjunto suporte lateral regulável Ø 13mm: 1 - Manopla - PA rosca M10 SS 304 2 - Arruela - M12 24mm SS 304 3 - Olhal - M10 PA M10 SS

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS Tratores Agrícolas PROFº RUI CASARIN PERGUNTAS IMPORTANTES? QUEM FABRICA TRATORES NO BRASIL? WWW.AGRALE.COM.BR POTÊNCIA ENTRE 15 E 168CV WWW.BRASIL.CAT.COM MÁQUINAS

Leia mais

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a A UU L AL A Guias Uma senhora solicitou a um serralheiro a colocação de um "box" com porta corrediça no banheiro. Com pouco tempo de uso a porta começou a dar problemas: sempre emperrava no momento de

Leia mais

8 Informação Importante, Tabelas e Dimensionais

8 Informação Importante, Tabelas e Dimensionais Possíveis combinações.1 Possíveis combinações Estrutura das tabelas Estas tabelas mostram as possíveis combinações dos redutores e motores (freio) CA. Os dados a seguir são indicados para cada combinação,

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br Informativo Técnico Descrição Os fixadores contidos neste informativo são normalizados pela incorporadora de normas ASTM (American Society for Testing and Materials), com finalidade fixação e união de

Leia mais

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos Elementos de Máquinas I Engrenagens Conceitos Básicos 34 5. EGREAGES Conceitos Básicos 5.1 Tipos de Engrenagens Engrenagens Cilíndricas Retas: Possuem dentes paralelos ao eixo de rotação da engrenagem.

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

CINEMÁTICA DE MÁQUINAS

CINEMÁTICA DE MÁQUINAS CINEMÁTICA DE MÁQUINAS CAPITULO I Rotação em torno de um eixo fixo 1. A barra dobrada ABCDE mostrada na figura 1, roda com velocidade angular constante de 9 rad/s em torno do eixo que liga as extremidades

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

Eletroduto de PVC Rígido Roscável

Eletroduto de PVC Rígido Roscável Eletroduto de PVC Rígido Roscável Localização no Website TIGRE: Obra Predial Eletricidade Eletroduto roscável Função: Proteção mecânica para instalações elétricas embutidas. Aplicação: instalações elétricas

Leia mais

verope Catálogo Geral St. Antons-Gasse 4a CH-6300 Zug / Switzerland Tel: +41 (0) 41 72 80 880 Fax: +41 (0) 41 72 80 888 www.verope.com info@verope.

verope Catálogo Geral St. Antons-Gasse 4a CH-6300 Zug / Switzerland Tel: +41 (0) 41 72 80 880 Fax: +41 (0) 41 72 80 888 www.verope.com info@verope. 2010 / 03 verope Catálogo St. Antons-Gasse 4a CH-6300 Zug / Switzerland Tel: +41 (0) 41 72 80 880 Fax: +41 (0) 41 72 80 888 Geral www.verope.com info@verope.com O hábito é um cabo. Todo dia, nós torcemos

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 9 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

Espírito Santo CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção

Espírito Santo CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Noções Básicas de Amarração, Sinalização e Movimentação de Cargas Noções Básicas de Amarração, Sinalização e Movimentação de Cargas - Mecânica

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Material Terrestre MMT ESTRUTURA DA PROVA

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Material Terrestre MMT ESTRUTURA DA PROVA PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Material Terrestre MMT ESTRUTURA DA PROVA Disciplina Motores Sistemas Auto Electricidade Auto Oficinas Máquinas e Ferramentas Capítulo

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Escovas Cilíndricas As escovas cilíndricas SUISSA são usadas em diversos tipos de máquinas, algumas de suas aplicações são nas varredeiras industriais de pisos, nos equipamentos de

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS METÁLICOS São feitos em metal (normalmente aço inox), fechado em uma das extremidades através de solda ou caldeamento, e, quase sempre rosqueado na outra parte e fixo ao. TUBOS CERÂMICOS São muito

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Desenho de Elementos de Máquinas II Professor(es) Luiz Antonio Pinheiro Balestrero Código da Disciplina 210.1400.0 Etapa

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

Chapas Perfuradas. Ardan. Ardan. Indústria e Comércio de Metais Ltda. Fone: 41-3346-2434 Fax: 41-3247-6323. ardan@ardan.com.br www.ardan.com.

Chapas Perfuradas. Ardan. Ardan. Indústria e Comércio de Metais Ltda. Fone: 41-3346-2434 Fax: 41-3247-6323. ardan@ardan.com.br www.ardan.com. Chapas erfuradas Indústria e Comércio de Metais Ltda. Fone: 41-3346-2434 Fax: 41-3247-6323 ardan@ardan.com.br www.ardan.com.br Chapas erfuradas Com uma qualidade que prioriza a leveza e a flexibilidade,

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Tipos (continuação) Contato plano-frontal para junções móveis. Contato plano-frontal para junções móveis. Contato plano-frontal para junções móveis. Frontais: é composto

Leia mais

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Olhal soldável VLBS Elevação e amarração de cargas Cumpre as diretrizes de maquinaria 2006/42/EG C F T D E T I Articulação 180 G B A H Descrição Carga de trab. (t) Dimensões (mm) Solda Peso O VLBS forjado

Leia mais

TRANSMISSÃO MECÂNICA E MECÂNICA HIDRÁULICA HIDRÁULICA EM TRAT EM TRA ORES

TRANSMISSÃO MECÂNICA E MECÂNICA HIDRÁULICA HIDRÁULICA EM TRAT EM TRA ORES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL VERSÃO 2005 CAPÍTULO 6 TORQUE POTÊNCIA SISTEMAS DE TRANSMISSÃO MECÂNICA E HIDRÁULICA EM TRATORES

Leia mais

Prestamos serviços de instalação de correias, emendas vulcanizadas,

Prestamos serviços de instalação de correias, emendas vulcanizadas, APRESENTAÇÃO. A União Correias é uma empresa especializada em CORREIAS TRANSPOTARDORAS E TRANSMISSÃO para os diversos seguimentos industriais e agrícolas. Fornecendo correias resistentes a diversos fatores

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres Estruturas Metálicas Módulo V Torres APLICAÇÕES ESTRUTURAIS - TORRES Introdução Neste capítulo são abordadas as estruturas não classificadas como de edificações nem como de obras de arte, já abordadas

Leia mais

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos.

Na Cinemática Aplicada estuda-se a aplicação dos conceitos da Cinemática na Síntese e Análise dos Mecanismos. . MECA!ISMOS.0 Algumas definições Um mecanismo é um conjunto de elementos de máquinas ligados de forma a produzir um movimento específico. Podem ser subdivididos conforme suas aplicações: mecanismos com

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

- MINI GRUA RG MG 500.1 -

- MINI GRUA RG MG 500.1 - - MINI GRUA RG MG 500.1 - 2 ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO...3 2- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...4 3- INSTRUÇÕES DE MONTAGEM MECÂNICA...5 3.1- SISTEMA DE FIXAÇÃO POR TRIPÉ...5 3.2- CONJUNTO DE ACIONAMENTO PRINCIPAL...6

Leia mais