FONTES GOVERNAMENTAIS DE INFORMAÇÃO: A QUALIDADE DE WEBSITES SOBRE O TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FONTES GOVERNAMENTAIS DE INFORMAÇÃO: A QUALIDADE DE WEBSITES SOBRE O TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA CURSO DE BIBLIOTECONOMIA FONTES GOVERNAMENTAIS DE INFORMAÇÃO: A QUALIDADE DE WEBSITES SOBRE O TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE Orientanda: CLEIDE CAVALCANTI Orientadora: Prof ª Andréa V. Carvalho de Aguiar NATAL - RN 2003

2 CLEIDE CAVALCANTI FONTES GOVERNAMENTAIS DE INFORMAÇÃO: A QUALIDADE DE WEBSITES SOBRE O TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE Monografia apresentada à disciplina Monografia, ministrada pela professora Maria do Socorro de Azevedo Borba e orientada pela professora Andréa Vasconcelos Carvalho de Aguiar para fins de avaliação da disciplina e como requisito parcial para a conclusão do curso de Biblioteconomia do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. NATAL - RN 2003

3 Cavalcanti, Cleide. Fontes governamentais de informação: a qualidade de websites sobre o turismo no Rio Grande do Norte Cleide Cavalcanti Natal: UFRN, f. Orientadora: Andréa Vasconcelos Carvalho de Aguiar Monografia (Graduação em Biblioteconomia) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Bibliografia Fontes de informação turística Qualidade de fontes de informação eletrônica Fontes governamentais de informação

4 CLEIDE CAVALCANTI FONTES GOVERNAMENTAIS DE INFORMAÇÃO: A QUALIDADE DE WEBSITES SOBRE O TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE MONOGRAFIA APROVADA EM / /2003 BANCA EXAMINADORA PROFª. MsC ANDRÉA VASCONCELOS CARVALHO DE AGUIAR (Orientadora) PROF a. MsC MARIA DO SOCORRO DE AZEVEDO BORBA (Prof a da Disciplina) PROF a. MsC RILDA ANTONIA CHACON MARTINS (Membro)

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Hirtes Tinoco, Vilma Tinoco, Vicência de Paula Tinoco, Vera Tinoco aos meus padrinhos Maria de Lurdes e Almir Tinoco, pelo incentivo a apoio para a realização deste trabalho. Agradeço aos(as) meus(minhas) amigos(as), Ana Cristina, Ana Raquel, Daisy Cristiane, Giovani Wenceslau, Leonardo Minora, Luiz Murat, Maria Auxiliadora, Poliana Linhares, Sandra Bigoes, Roseane pelo companheirismo, compreensão, apoio, força e incentivo e para a conclusão dos meus objetivos. Aos professores que contribuíram para a minha formação acadêmica em especial a professora da disciplina Maria do Socorro de Azevedo Borba e minha orientadora Profa. Andréa Vasconcelos Carvalho de Aguiar.

6 "O homem se torna muitas vezes o que ele próprio acredita que é. Se eu insisto em repetir pra mim mesmo que não sou capaz de realizar alguma coisa, é possível que me tome incapaz de fazê-la. Ao contrário, se tenho convicção de que posso fazê-la, certamente adquirirei a capacidade de realizá-la, mesmo que não a tenha no começo". Gandhi

7 CAVALCANTI, Cleide. Fontes governamentais de informação: a qualidade de websites sobre o turismo no Rio Grande do Norte. Natal: UFRN, 2003, 50f. (Monografia apresentada à disciplina Monografia, ministrada pela professora Maria do Socorro de Azevedo Borba e orientada pela professora Andréa Vasconcelos Carvalho de Aguiar para fins de avaliação da disciplina e como requisito parcial para a conclusão do curso de Biblioteconomia) - Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. RESUMO Mostra que na sociedade atual a informação é um recurso indispensável, sendo necessário, porém, encontrar fontes de informação de qualidade. As informações acerca do Turismo em fontes eletrônicas encontram-se dispersas, dificultando a sua utilização. Assim, objetiva-se de modo geral analisar a qualidade de fontes governamentais de informação sobre o turismo no Rio Grande do Norte. De modo específico os objetivos são: contextualizar a informação na sociedade em rede, caracterizar as fontes de informação eletrônica, as fontes de informações governamentais e identificar fatores relevantes para aferição da qualidade da informação eletrônica. Aborda alguns aspectos sobre informação, qualidade e fontes disponíveis na área de turismo. Reflete-se sobre a informação na sociedade em rede, abordando o conceito de informação, sua relação com a sociedade ao longo do tempo, sua tipologia. Ainda, discorre-se sobre a informação turística. Na seqüência, são pontuados os conceitos, as características e os tipos de fontes de informação, destacando as fontes de informação eletrônicas e as fontes de informação governamentais. Aborda sobre a qualidade das fontes eletrônicas de informação e apresenta-se critérios úteis para aferir sua qualidade. Segue-se, então, a análise, à luz dos critérios de qualidade apresentados, as fontes governamentais de informação para o turismo no Rio Grande do Norte, disponíveis na Internet. Finaliza apresentando as considerações finais acerca desta pesquisa, assim como sugestões para futuros desenvolvimentos acerca do assunto abordado. Palavras-chave: Fontes de informação turística; Qualidade de fontes de informação eletrônica; Fontes governamentais de informação.

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 FIGURA 2 FIGURA 3 FIGURA 4 Cinco Anéis de Wurman Website da EMBRATUR Website da SETUR Website da SECTUR

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS EMBRATUR NTIC P&D SECTUR SETUR Instituto Brasileiro de Turismo Novas Tecnologias de Informação e Telecomunicações Pesquisa e Desenvolvimento Secretaria Municipal de Turismo Secretaria de Turismo

10 SUMÁRIO RESUMO LISTA DE FIGURAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS INTRODUÇÃO A INFORMAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE Tipos de Informação Informação Para o Turismo FONTES DE INFORMAÇÃO Fontes de Informações Eletrônicas Fontes Governamentais QUALIDADE DAS FONTES ELETRÔNICAS DE INFORMAÇÃO A QUALIDADE DE WEBSITES GOVERNAMENTAIS SOBRE O TURISMO NO RIO GRANDE DO NORTE Website da EMBRATUR Website da SETUR Website da SECTUR CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE... 51

11 10 1. INTRODUÇÃO Na Sociedade atual a informação é um recurso indispensável, sendo necessário, porém, encontrar fontes de qualidade. Na área do turismo não é diferente. As pessoas em busca de lazer estão a procura de informações atualizadas e confiáveis. Assim, é necessário um trabalho de seleção e avaliação das fontes de informação disponíveis utilizando-se de critérios pré-estabelecidos. Há fontes de informação disponíveis nos mais diferentes suportes. Atualmente, com o advento das novas tecnologias de informação e comunicação, emergem as fontes eletrônicas. Com a expansão da Internet, os vários níveis de governo passaram a utilizá-la como veículo para se comunicar com a sociedade e como mídia para disponibilizar as informações geradas. Porém, considerando que as informações existentes na rede mundial de computadores variam de excelentes a muito pobres, que se encontram dispersas e que são disponibilizadas sem qualquer processo de seleção prévia, questiona-se: como estão, em termos de qualidade, as fontes governamentais de informação turística sobre o Rio Grande do Norte disponíveis na Internet? A resposta a esta pergunta motivou uma análise acerca dos sites governamentais informacionais turísticos, tendo como resultado o presente trabalho. Uma vez que não é feita uma manutenção nos sites existentes, assim como não é registrado nenhum tipo de padronização pelos mesmos, tornando a informação disponível e difundida por eles dispersas não atendendo, em sua maioria, as expectativas do usuário que dela necessita.

12 11 Neste sentido, objetiva-se, de modo geral, analisar a qualidade das fontes governamentais de informação turística sobre o Rio Grande do Norte, disponíveis na Internet. Especificamente se objetiva: contextualizar a informação na sociedade em rede, caracterizar as fontes de informação eletrônicas, caracterizar as fontes de informação governamentais e identificar fatores relevantes para aferição da qualidade da informação eletrônica. Para tanto, além da pesquisa bibliográfica, recorreu-se aos critérios de qualidade da informação na Internet propostos por Tomaél et al (2001) para analisar três websites governamentais sobre o turismo no Rio Grande do Norte, foram eles: Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR), Secretaria de Turismo do Estado do Rio Grande do Norte (SETUR), e a Secretaria Municipal de Turismo da cidade de Natal (SECTUR). No que concerne à estrutura, esta monografia apresenta as seguintes partes: após a introdução, no segundo capítulo, reflete-se sobre a informação na sociedade em rede, abordando o conceito de informação, sua relação com a sociedade ao longo do tempo, sua tipologia. Ainda neste capitulo discorre-se sobre a informação turística. No capítulo seguinte, são pontuados os conceitos, as características e os tipos de fontes de informação, destacando as fontes de informação eletrônicas e as fontes de informação governamentais. No quarto capitulo, discorre-se sobre a qualidade das fontes eletrônicas de informação e apresenta-se critérios úteis para aferir sua qualidade. Segue-se, então, o quinto capítulo no qual são analisadas, à luz dos critérios de qualidade apresentados, as fontes governamentais de informação para o turismo no Rio Grande do Norte, disponíveis na Internet. No último capítulo são apresentadas as considerações finais acerca desta pesquisa.

13 12 2 A INFORMAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE A palavra informação tem sua raiz no latim informare, que significa ação de formar matéria, dar forma, colocar em forma, criar; mas também representar, construir uma idéia ou uma ação. Sendo uma palavra empregada para definir vários conceitos, seu significado se tornou ambíguo com o passar dos tempos (CUNHA 1983). No século XVI, segundo Wurman (1991, p.42), surgiu à definição que veio se tornar a mais comum, "onde a informação é: a ação de informar, formação ou modelagem da mente ou do caráter, treinamento, instrução, ensinamento, comunicação de conhecimento instrutivo". Acerca da relação entre informação e conhecimento Cintra et al (2002, p.20) afirma que: O conceito de informação apresenta significados específicos nas diferentes áreas de conhecimento, podendo a relação informação/conhecimento ser observada a partir de três aspectos que se complementam: Enquanto o conhecimento é estruturado, coerente e freqüentemente universal, a informação é otimizada, fragmentada e particular; enquanto o conhecimento é de duração significativa, a informação é temporária, transitória, talvez mesmo efêmera; enquanto o conhecimento é um estoque, a informação é um fluxo de mensagens. Para ter valor, a informação precisa fazer parte de um contexto, ou seja, a informação deve ser aquilo que leva a compreensão, ao conhecimento, tendo algum

14 13 sentido para quem a recebe. Neste sentido, Rosznk {apud WURMAN, 1991, p.36), acrescenta dizendo: Informação não é conhecimento. Você pode produzir dados primários em massa e incríveis quantidades de fatos e números. Mas não pode fazer produção em massa de conhecimento, que é criado por mentes individuais, partindo de experiências individuais, separando o significativo do irrelevante, realizando julgamentos de valor. O conceito de informação ultrapassa suas definições e usos. Isto é notado no período após a 2 a Guerra Mundial onde a palavra informação passou a ser utilizada para definir qualquer coisa que fosse transmitida por canal elétrico ou mecânico, tornando-se parte do vocabulário da ciência das mensagens (WURMAN, 1991), agregando-se, assim, as novas tecnologias de informação e comunicação (NTIC) à palavra informação. A partir dos conceitos expostos, observa-se que as mesmas seguem à evolução dos meios de produção e suportes da informação. Assim, durante a produção artesanal, a informação - que tinha como suporte os blocos de argila, pergaminhos, couros, etc - podia ser mais facilmente controlada, pois estava restrita a poucos donos (nobres, religiosos e etc.), que as detinham para obter status ou por considerar o seu conteúdo infame. Desta forma, não era permitido ao restante da sociedade o livre acesso à informação. Contudo, a relação da sociedade com a informação mudou drasticamente com a invenção da imprensa por Gutemberg e continuou a se transformar nos séculos seguintes.

15 14 Neste sentido, Castell (1998,p 20) afirma que "A assombrosa multiplicação de documentos em todos os campos da atividade humana, no inicio do século XX, e a crescente dependência no que diz respeito à documentação deu origem à era da informação". A explosão da informação encontrou barreiras históricas, como a censura, a queima de livros etc., mas, apesar destas restrições, a produção e a difusão da informação cresceram rapidamente, exigindo da sociedade uma adaptação as implicações geradas por este crescimento. Surgiram então as tecnologias eletrônicas, marcando o ponto forte da era da informação. A produção da informação aumentou de forma assustadora, onde esta teoricamente tornou-se globalizada. Le Coadic (1996, p.8) descreve este aumento como "implosão do tempo", onde: Não há mais distância que seja obstáculo à velocidade, nenhuma fronteira detém a informação. A velocidade de computadores se mede em bilionésimo de segundo. Os satélites de telecomunicações atingem em poucos segundos, de modo inteiramente automático, todas as regiões do mundo. O advento das NTIC tornou possível a difusão instantânea da informação. O aumento do número de pessoas envolvidas em produção e processamento de dados e o baixo custo da coleta fizeram disparar a velocidade de sua produção. Atualmente, a quantidade de informação disponível dobra a cada cinco anos. A informação transformou-se na força motriz da sociedade.

16 15 Diante do exposto, ressalta-se a força fundamental das novas tecnologias de informação e comunicação na sociedade contemporânea. Há agora o incremento da demanda internacional por informação, ao lado da possibilidade de maior rapidez na sua disseminação, para garantia do crescimento econômico, social e político das nações. Assim, a informação, entendida como o registro do conhecimento, serve não apenas à comunidade cientifica, mas a toda a sociedade, em suas várias atividades. É neste sentido que as estruturas organizacionais e as profissões começam a sofrer transformações em busca de adaptação às exigências da nova ordem social. Neste sentido, observa-se o fortalecimento da competitividade entre os profissionais (não só para ingresso no mercado de trabalho, mas também para manter-se neste) e a expansão das áreas do conhecimento. Por sua vez, as unidades de informação se interligam às grandes redes eletrônicas, buscando uma comunicação rápida e precisa, sem limite geográfico, sem demarcação de fronteiras. As novas tecnologias da informação e comunicação e o investimento neste cenário significam um mundo teoricamente mais organizado e com uma possível democracia informacional. A primeira vista, estamos testemunhando o nascimento de um mundo exclusivamente aberto sem fronteiras e limites (TOFFLER, 1993). O surgimento do computador na década de 60 abriu as portas para as mudanças que repercutem até hoje. Desde então o computador vem sendo aperfeiçoado e adaptado para ser usado em diversos campos. Nos anos 80 começa a ocorrer uma grande revolução na comunicação em massa, é quando a tecnologia adentra o mundo da mídia, com o surgimento da Internet. Houve, neste momento, também uma adaptação e junção de uma tecnologia pré-existente com uma nova, no caso a adaptação da linha telefônica,

17 16 com a placa de fax modem e o computador, gerando um novo meio de comunicação. Neste sentido, Rowley (1994, p.30) afirma que: A combinação entre informática e telecomunicações é pré-requisito indispensável a uma sociedade desenvolvida baseada na informação. Originalmente as telecomunicações cuidavam da transmissão de informações e os computadores se dedicavam ao processo de informação. Hoje em dia, os sistemas de comunicação e dados conectados a computadores processam informações e transmitem dados para qualquer lugar instantaneamente. Com a Internet houve a proliferação do suporte eletrônico, permitindo uma nova forma de manuseio da informação. Por tratar-se de uma mídia interativa, e que permite a difusão instantânea das informações, causou um impacto muito grande no processo de tratamento e disseminação da informação, representando um avanço imensurável. Ter acesso a Internet significa compartilhar informações com pessoas nos quatro cantos do planeta, e abrir um canal para comunicação direta com as mais diversas comunidades em todos os países. Qualquer coisa que puder ser transmitida sob forma digital poderá ser disponibilizada na rede. Segundo Veiga Filho (2001,p.10): Internet hoje quer dizer acompanhamento simultâneo do que acontece no mundo, mas não apenas no entretenimento, não apenas na informação contemporânea, mais do que isso. Internet hoje quer dizer conteúdo de conhecimento: o que vai fazer a diferença entre os países do futuro e entre os que têm conhecimento e os que não tem conhecimento. Hoje o caminho do conhecimento é a Internet.

18 17 Com a responsabilidade de transmitir informações correntes, houve uma crescente preocupação com a capacidade de tratar, entender, manipular e compreender a epidemia de dados que começou a tomar conta da vida da sociedade. Segundo Wurman (1991, p.40), "o que as pessoas realmente querem, quando falam de informação, são significados não fatos [...] somos bombardeados com fatos demais, dados isolados e sem contexto". O tipo de informação criada depende da relação definida entre dados existentes. É preciso transformar os dados em informação. Segundo Ramos (apud Wurman, 1991, p.11): Dados são componentes básicos a partir dos quais a informação é criada: informação são dados inseridos em um contexto; contexto é a situação que está sendo analisada, [...]; conhecimento, corpo ou regras, diretrizes e procedimentos usados para selecionar, organizar, e manipular os dados, para torná-los úteis para uma tarefa especifica. A informação pode ser considerada um dado que se tornou útil através da aplicação do conhecimento. A informação se tornou um bem de consumo, pois através do seu uso se consegue mudar a realidade. Ouve-se muito falar a frase "informação é poder", frase que reforça o seu valor. Com tanta exigência a cerca do 'produto' informação, a qualidade da transmissão e armazenamento, da mesma se tornou vital para seu uso nas mais diversas áreas do conhecimento. 2.1 TIPOS DE INFORMAÇÃO

19 18 Com o crescente número de informações fez-se necessário, para um melhor entendimento das mesmas, dividi-las em tipos. Ao falar de tipos de informação Wurmam (1991) utiliza os cinco anéis (Figura 1) para ilustrar sua tipologia. FIGURA 1 - CINCO ANÉIS DE WURMAN > 1 o anel: As informações internas são mensagens que governam nossos sistemas internos e possibilitam o funcionamento do nosso corpo. Onde a informação toma forma de mensagens cerebrais. Sendo este nível de informação o que temos o menor controle e o que mais nos afeta. > 2 o anel: Informação convencional é um intercâmbio de conversas informais com pessoas a nossa volta. Tendo ela um importante papel na fonte de informação. Esse tipo de informação pode ser mais controlada, sendo que cada indivíduo é tanto emissor quanto receptor de informação. > 3 o anel: As informações de referência são informações que trabalham os sistemas do nosso mundo - ciência e tecnologia - diretamente com materiais

20 19 de referência que utilizamos no dia-a-dia, sendo estes: manuais, dicionários, lista telefônica. > 4 o anel: Informação noticiosa é transmitida pela mídia e se refere às pessoas, lugares e acontecimentos não afetando a nossa vida, mas influenciando nossa visão de mundo. > 5 o anel: Informação cultural abrange a história, filosofia e artes, qualquer expressão numa tentativa de compreender e acompanhar nossa civilização. Estas informações são formadas a partir da incorporação de informações internas, conversacionais, nas de referência e noticiosa, constituindo o conjunto que determina nossas atividades, crenças, bem como a natureza de nossa sociedade como um todo. Como Wurman, Aguiar (1991) também apresentou uma tipologia informacional. Contudo, enquanto aquele categorizou a informação de modo bastante amplo, este restringiu sua tipologia às informações que servem de insumo para o desenvolvimento cientifico e socioeconômico. Assim, Aguiar (1991, p.10) cita os seguintes tipos de informação: > Informação Científica: é um conhecimento que resulta de uma pesquisa científica, tendo as seguintes funções: divulgação do conhecimento científico, insumo para a atividade de pesquisa científica, explicitação da metodologia usada na pesquisa científica. > Informação Tecnológica: é um estudo de conhecimentos específicos com intuito de auxiliar o avanço de pesquisas. > Informação em Ciência e Tecnologia: engloba as informações que, além de cumprirem as funções relacionadas como especificas da informação

21 20 cientifica ou da informação tecnológica servem ainda para cumprir e apoiar a atividade de planejamento de gestão e tecnologia. > Informação para a indústria: entendida como um conjunto de conhecimento que facilitam o desenvolvimento da indústria. A escolha do tipo de informação utilizada dependerá de uma prévia análise do perfil dos usuários, bem como dos objetivos que se pretendem alcançar. Assim, e tendo em vista que objetivamos analisar fontes de informação para o turismo, convém refletirmos acerca da informação para o turismo. 2.2 AINFORMAÇÃO PARA O TURISMO O turismo constitui hábito bastante difundido em todos os países civilizados, representando uma fonte apreciável de renda. Uma série de atividades convergem para tornar agradável e proveitosa a permanência do turista: constroem-se confortáveis hotéis, abrem-se boas estradas, estabelecem-se centros de informações e orientações turísticas. Todas essas atividades contribuem para atrair aos países numerosos turistas. À medida que a informação se fortalece enquanto recurso econômico das várias atividades, a política de quem a detém ou acessa torna-se extremamente relevante. Diante disso, as empresas de turismo, movidas por interesses comerciais, estão engajadas em um processo de tornar as informações necessárias disponíveis ao seu cliente. Com esta finalidade, buscam formas mais eficientes que permitem

22 21 identificar e obter com rapidez a informação de que precisam, bem como, disponibilizar por via eletrônica, diminuindo assim, drasticamente, o tempo necessário nesse processo (MARQUES, BISSOLI, 2000). As informações turísticas são constituídas de dados sobre lugares, referindo- se a aspectos históricos, localização, translado, hotéis, e outros. Sua função é contribuir para uma divulgação positiva, despertando o interesse dos profissionais e usuários em geral com informações atualizadas e confiáveis. Na nova economia, marcada, entre outras coisas, pela concorrência acirrada e pela disponibilidade de muitas fontes de informação, para um melhor aproveitamento das informações no setor turístico, é necessário que as empresas integrem seus sistemas e, além disto, possam se conectar com parceiros, fornecedores e clientes. A integração elimina a redundância de informações em diferentes sistemas, reduzindo a possibilidade de erros, atrasos e retrabalho. As fontes de informação turísticas buscam dar suporte à atividade, divulgando a oferta turística, contribuindo para a geração de novos fluxos e o aumento da permanência do turista. A boa informação ajuda a criar uma imagem positiva do local. Portanto, é de grande importância que as mesmas sejam precisas e atualizadas, acompanhadas de material gráfico, equipamentos e recursos humanos adequados. O objetivo das fontes de informação turística são os seguintes: > Reunir acervo bibliográfico, visando a democratização da informação. > Selecionar, organizar e preservar a memória técnica produzida pelos pontos e cidades turísticas desde a sua criação. > Contribuir para o enriquecimento da comunidade, mediante o fornecimento de informações de caráter técnico e promocional.

23 22 > Contribuir para a divulgação da oferta turística. > Auxiliar os municípios e entidades na seleção e difusão das informações turísticas. O desenvolvimento destes objetivos é muito importante para a atividade turística. O setor gera uma quantidade muito grande de informação que tem importância e valor estratégico para os negócios turísticos. Isso significa que a informação deve ser tratada como um elemento de estratégia e planejamento organizacional. Pois, a informação é o principal instrumento e ferramenta de trabalho de um profissional desta área. Por isso, é importante que se criem estruturas para exercer a autoridade necessária sobre as informações cooperativas, reduzindo o conflito e obtendo consenso quanto a sua utilização. Marques e Bissoli (2000, p.54) apresentam como solução para este problema o surgimento das novas tecnologias de informação: A tecnologia invadiu todos os setores da economia, com especial destaque para a área de serviços, na qual se observam alterações como o emprego da tecnologia na redução da informação 'vaga' e incerta ocasionada pela inacessibilidade da informação; pela eliminação da redundância de trabalho; pela melhoria na utilização de recursos humanos nas tarefas que requerem, e pela exploração do escritório virtual por meio da expansão do local de trabalho no espaço e no tempo [...] o setor de turismo estará cada vez mais vinculado a tecnologias que permitam melhorar a prestação de serviços, reduzir custos, incrementar a produtividade e melhorar a qualidade no atendimento. As NTIC foram as responsáveis pela complexidade do mercado atual, tornando-se uma importante ferramenta para o encantamento dos clientes do turismo. Estas permitiram que as empresas estabelecessem um diálogo em tempo

24 23 real com seus consumidores, fortalecendo o relacionamento entre as partes e a lealdade dos clientes para com a empresa. Essa interação pode permitir que a empresa detenha informações importantes para tornar seus serviços aceitáveis para o mercado. Segundo Marcos e Bissoli (2000, p. 57): Os sistemas mundiais de distribuição de informações turísticas tratam e transmitem informações em tempo real. Muitos serviços como reserva de hotéis, emissão de passagens, informações sobre roteiros, interligação das operadoras turísticas e agências de viagens com os principais sistemas de reservas informatizadas e identificação das pessoas pela geometria das mãos, no processo de imigração de alguns aeroportos internacionais - já estão disponíveis e são utilizados com o que há de mais avançado em termos de tecnologia." Dentro deste panorama as novas tecnologias de informação tornarem-se um importante ativo para alavancar as atividades empresariais, proporcionando vantagem quando relacionadas com informações de qualidade.

25 24 3 FONTES DE INFORMAÇÃO As fontes de informações, tradicionalmente, são divididas em três tipos: primárias, secundárias e terciárias. As fontes primárias contêm informações originais ou novas interpretações de fatos ou idéias já conhecidas, Podem ser representadas por álbuns; almanaques; folhetos; livros; publicações seriadas como jornal, boletins informativos, periódicos, trabalhos apresentados em congresso, fóruns; teses; dissertações; relatórios (técnicos, científicos de viagens); arquivos de computador; artefato tridimensional e realia; gravação de som; imagens em movimento; material cartográfico e materiais iconográficos. Por sua vez, as fontes secundárias apresentam seus dados organizados de acordo com arranjos definidos, resultando da análise das fontes primárias passadas por uma reorganização. Para Campos e Campello, (1988, p. 16) "São aquelas informações que tem a função de facilitar o uso do conhecimento. Apresentam a informação filtrada e organizada de acordo com um arranjo definido, dependendo da finalidade da obra". São representadas pelos dicionários, enciclopédias, bibliografias, manuais, relatórios de graduação e anuários. No que concerne às fontes terciárias, pode-se afirmar que são serviços e instrumentos bibliográficos, cuja finalidade é facilitar o acesso do usuário às fontes primárias e as fontes secundárias. São representadas pelas bibliografias de bibliografias, periódicos de indexação e resumos e catálogos.

26 FONTES DE INFORMAÇÃO ELETRÔNICA No contexto atual, com o grande fluxo de informações há necessidade de novas formas de gerenciamento das informações de forma a facilitar o acesso aos que dela necessitam. As fontes de informação eletrônica agrupam todos os tipos de fontes (primárias, secundárias e terciárias), em seus meios de acesso e difusão, podendo até ser encontradas ao mesmo tempo, em um mesmo meio eletrônico. Recorder (1995, p,17) define Informação eletrônica como sendo "Um termo genérico, utilizado para designar todos os sistemas ou serviços de informática que ela é armazenada ou distribuída por meio de um suporte magnético ou óptico e que, portanto pode ser lida por um computador". Com o advento das novas tecnologias de informação e comunicação surgiram novas maneiras de transmitir, receber, registrar e armazenar a informação. Estas transformações influenciaram todos os setores em especial o de serviços. Dentre estas novas tecnologias convém destacar: o teletexto, o videotexto, os bancos de dados on-line e a Internet. O sistema de videotexto é o processamento de dados que utiliza um computador pessoal ou um terminal para a transmissão. Ele pode ainda utilizar uma televisão conectada à rede telefônica por um modem. Sua utilização é maior nas agências de bancos e de turismo. O teletexto, por sua vez, transmite informações unidirecionais que aparecem na tela da televisão.

27 26 Os bancos de dados on-line são grandes volumes de informações organizadas e estruturadas de forma lógica e gravadas em um suporte magnético. Os usuários desses serviços são pesquisadores, estudantes, bibliotecários, documentalistas e profissionais em geral. São pessoas que necessitam estar sempre atualizadas, principalmente em sua área de especialidade, demandando informações com mais rapidez e precisão. Os bancos de dados on-line podem ser categorizados em função do tipo de informação processada. Assim, os bancos de dados podem ser referenciais ou fontes. Os bancos de dados referenciais podem ser bibliográficos ou diretórios e os bancos de dados fontes podem ser textuais, numéricos ou texto-numéricos. Os bancos de dados referenciais não dispõem da informação final, mas auxiliam na sua consulta na medida em que remetem o usuário à fonte primária. Quando são bibliográficos, apresentam a descrição com resumos que remetem a diversos tipos de documentos. Quando se trata de bancos de dados referenciais do tipo diretório, são apresentados dados completos que remetem a organizações, instituições, empresas e indivíduos. Fontes são um tipo de banco de dado que proporciona a informação final, não contendo unicamente referências a outros documentos. Este tipo de banco de dados incorpora a informação mais recente e facilita o acesso do usuário à informação desejada, tendo em vista que responde diretamente a consulta formulada, sem a necessidade de dirigi-lo a outras fontes de informações. Quando é textual, este tipo de banco de dados contém textos completos, permitindo acessar rapidamente à fonte primária da informação, sem a necessidade de uma etapa de referência. Quando são numéricos, os bancos de dados do tipo fonte contêm cifras e valores numéricos sobre aspectos diversos como estatísticas, cotações, questionários, onde

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Roberto Tonera Projeto Fortalezas Multimídia - Universidade Federal de Santa Catarina Brasil projeto@fortalezasmultimidia.com.br artonera@hotmail.com

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano

Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano Cristina Lerina Patrícia Rocha Eusebia Diniz Simone Bispo edoc 2015 Rio de

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação da área de CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE CIÊNCIA DA INFORAMÇÃO-CEECInfo Indicadores e Padrões de Qualidade

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 1.2 - Dados Governamentais Abertos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

Projeto Rede WiFi amplia disponibilidade, segurança e praticidade da rede de internet da UERJ

Projeto Rede WiFi amplia disponibilidade, segurança e praticidade da rede de internet da UERJ Projeto Rede WiFi amplia disponibilidade, segurança e praticidade da rede de internet da UERJ Perfil A história da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) teve início em 04 de dezembro de 1950,

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

JCL Tecnologia. Proposta para Criação, Desenvolvimento e Manutenção de Website. 10 de setembro

JCL Tecnologia. Proposta para Criação, Desenvolvimento e Manutenção de Website. 10 de setembro 10 de setembro JCL Tecnologia 2009 Proposta para Criação, Desenvolvimento e Manutenção de Website 1 Hamilton Junior Multimídia Designer APRESENTAÇÃO Meu trabalho consiste em criar conceitos e a partir

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA

BALANÇO DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA: A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO FERRAMENTA DE PESQUISA ACADÊMICA MILHOMEM, André Luiz Borges; GENTIL, Heloisa Salles; AYRES, Sandra Regina Braz. Balanço de Produção Científica: A utilização das TICs como ferramenta de pesquisa acadêmica. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD Luciane Meire Ribeiro STRAUD Biblioteca FCAV (Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação) 1. Introdução: Definição de FI (em

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 REALIZAÇÃO TABULAÇÃO Quem Somos A WBI BRASIL é uma empresa especializada em planejamento de marketing digital, que presta

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Existem 109 questões nesta pesquisa

Existem 109 questões nesta pesquisa FASE 2: ANÁLISE DO WEBSITE INSTRUÇÕES Leia atentamente todas as questões Explore o website em avaliação, procurando pelas questões propostas Depois, responda cada questão Algumas questões precisam de informações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 15/05/2013-15:50:44 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas

Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1. Guilhermina de Melo Terra 2. Universidade Federal do Amazonas Biblioteca Virtual: Atualidade e Perspectivas 1 Guilhermina de Melo Terra 2 Universidade Federal do Amazonas Resumo Discute o processo de produção, armazenamento e disseminação da informação que se encontra

Leia mais

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Este guia vai ajudar você a pesquisar e encontrar dados geoespaciais no Portal de Mapas do Instituto

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br.

As publicações da Confederação Nacional de Municípios CNM podem ser acessadas, na íntegra, na biblioteca online do Portal CNM: www.cnm.org.br. 2015 Confederação Nacional de Municípios CNM. Esta obra é disponibilizada nos termos da Licença Creative Commons: Atribuição Uso não comercial Compartilhamento pela mesma licença 4.0 Internacional. É permitida

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais