DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015"

Transcrição

1 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

2 PRODUTOS

3 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa Pinus 100% mercado interno 25% importação 15% Pinus 3% Pastas de Alto 100% mercado interno Rendimento FONTE: BRACELPA

4 O Brasil tem 6,9 milhões de hectares de florestas plantadas com pinus e eucalipto. Sendo 66% com eucalipto e 34% com pinus; A base do setor é de 2,2 milhões de hectares de reflorestamentos próprios; As indústrias do setor utilizam como matéria prima exclusivamente madeira extraída de florestas plantadas para fins industriais, preservando as nativas; As florestas são próprias, porém há uma pequena parcela de compra de madeira de pequenos produtores rurais; A produtividade do eucalipto é de 41 metros cúbicos com casca por hectare/ano; A produtividade do pinus é de 30 metros cúbicos com casca por hectare/ano.

5 A fibra curta tem maior capacidade absorvente, destina-se à produtos menos rígidos como papel para impressão e para escrever, papéis tissue (higiênicos); A fibra longa é mais resistente e utilizada na fabricação de embalagens; As pastas de alto rendimento (PAR) são utilizadas na produção de papel jornal e podem ser misturadas com fibra longa ou curta para dar maior resistência; Celulose solúvel celulose que não tem as mesmas utilizações da celulose comum fibras têxteis (viscose), celofane, filtros de cigarro e para salsicha.

6 O BRASIL É O MAIOR PRODUTOR MUNDIAL DE CELULOSE DE FIBRA CURTA, POIS O CLIMA BRASILEIRO FAVORECE O PLANTIO DE EUCALIPTO, AO PASSO QUE NOS DEMAIS PAÍSES PRODUTORES A PRODUÇÃO DE CELULOSE DE FIBRA LONGA É MAIOR, POIS O CLIMA FAVORECE MAIS AS FLORESTAS DE PINUS.

7 50% Embalagens 10% exportação 90% mercado interno 4% importação 26% Imprimir e Escrever 36% exportação 64% mercado interno 28% importação 1% exportação PAPEL PAPEL 10% Sanitários (Tissue) 99% mercado interno 1% importação 7% Papel Cartão 30% exportação 70% mercado interno 8% importação FONTE: BRACELPA 1% Papel Imprensa 5% Outros 100% mercado interno 75% importação 35% exportação 65% mercado interno 35% importação

8 O Brasil é auto-suficiente na fabricação de papel, porém ainda é dependente da importação de papel imprensa. O Brasil importa 80% do que utiliza de papel imprensa; A única fábrica desse tipo de papel no Brasil é a Norske Skog Pisa, do grupo norueguês Norske, maior produtor mundial de papel imprensa; 80% das importações de papel imprensa são supridas pelo Canadá; O Brasil não tem escala de produção desse tipo de papel e não tem matéria prima suficiente (fibra longa); Ademais, o papel imprensa importado entra no País com isenção de imposto de importação.

9 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DO SETOR CELULOSE Demanda Global; Voltado à exportação; PAPEL Demanda regional maior na região sudeste do país; Concentração em grandes empresas; elevada escala de produção mínimo de 1 milhão de tonelada/ano; Fragmentação há atuação de médias empresas; Preços são spread da celulose. Ciclicidade de preços.

10 PROCESSO PRODUTIVO

11 As pastas destinadas à fabricação de papel são resultantes do processamento industrial de fibras vegetais. No Brasil, cerca de 96% das fibras utilizadas são de origem arbórea, os 4% restantes são de bagaço de cana, sisal e bambu. Existem 2 tipos de processos para industrialização das fibras: Processo químico, que dá origem à celulose e representa cerca de 95% do total produzido no Brasil; Processo mecânico, que resulta em pastas de alto rendimento (PAR), cuja produção chega a apenas 5% do total, em razão de ser intensivo em energia elétrica. A celulose de fibra curta é originária do eucalipto (representa 85% da produção brasileira) e a de fibra longa é proveniente do pinus (responde por 15% da produção nacional); No Brasil não é mais utilizada a moto-serra, hoje o processo de extração da madeira é totalmente mecanizado; o equipamento corta, descasca e empilha a madeira. A cor original da celulose é marrom e para chegar à produção de papel para imprimir a celulose passa por um processo químico de branqueamento (celulose branqueada) que utilizada soda cáustica, cloro e enxofre;

12 IMPORTÂNCIA ECONÔMICA DO SETOR

13 PAUTA DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Materiais Elétricos e Eletrônicos 1,8% Calçados e Couro 1,9% Papel e Celulose 3,2% Máquinas e Instrumentos 3,9% Açúcar e Etanol 6,1% Fumo e Cigarros 1,1% Café 2,9% Suco de Laranja 1,0% Madeira e Manufaturas 1,0% Outros 9,7% Complexo Soja 14,0% Minérios Metalúrgicos 12,6% Petróleo e Derivados 11,2% Produtos Siderúrgicos e Produtos Químicos Metalúrgicos 6,7% FONTE: SECEX 6,4% Complexo Carnes 7,5% Material de Transporte 9,1%

14 SAZONALIDADE

15 São possíveis 3 cortes do eucalipto, um a cada 7 anos; As plantas industriais operam 24 horas por dia em 3 turnos; por isso, a sazonalidade é pouco definida; Anualmente existem paradas programadas para manutenção nas fábricas, variando de 5 a 10 dias.

16 SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO DE CELULOSE Sazonalidade mensal de Produção de Celulose 8,9% 8,7% 8,8% 8,5% 8,6% 8,6% 8,3% 8,3% 8,3% 8,3% 8,2% 8,4% 8,3% 8,4% 8,1% 7,9% 8,0% 7,7% 7,8% 7,5% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte: BRACELPA Elaboração: BRADESCO

17 9,5% SAZONALIDADE DAS EXPORTAÇÕES DE CELULOSE Sazonalidade mensal de Exportação de Celulose 9,0% 8,9% 8,9% 9,0% 8,5% 8,0% 8,4% 8,3% 8,4% 8,6% 8,0% 8,2% 7,5% 7,7% 7,8% 7,7% 7,0% 6,5% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte: SECEX Elaboração: BRADESCO

18 Sazonalidade mensal de Produção de Papel SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO DE PAPEL ,7% 8,5% 8,4% 8,5% 8,5% 8,6% 8,4% 8,5% 8,3% 8,3% 8,3% 8,3% 8,1% 8,2% 8,1% 7,9% 7,7% 7,8% 7,5% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte: BRACELPA Elaboração: BRADESCO

19 Sazonalidade mensal de Exportação de Papel SAZONALIDADE DAS EXPORTAÇÕES DE PAPEL ,5% 9,0% 9,1% 9,1% 8,5% 8,6% 8,8% 8,0% 8,3% 8,2% 8,3% 8,2% 8,2% 7,5% 7,8% 7,9% 7,6% 7,0% 6,5% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte: SECEX Elaboração: BRADESCO

20 CUSTOS DE PRODUÇÃO

21 MAIS DE 65% DE TODA A ENERGIA CONSUMIDA PELO SETOR É AUTO GERADA NO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CELULOSE, POR MEIO DA QUEIMA DO LICOR NEGRO, PRODUZINDO VAPOR.

22 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CELULOSE NO BRASIL Pessoal 7.0% Outros 7.0% Combustíveis 10.0% Manutenção 9.0% Madeira 44.0% Produtos Químicos 23.0% FONTE: CORRETORA BRADESCO

23 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE PAPEL NO BRASIL Depreciação 14.0% Pessoal 25.8% Outros e Manutenção 12.9% Produtos Químicos 12.9% Madeira e fibras 13.8% Energia Elétrica e óleo 11.2% Fretes 9.5% FONTE: CORRETORA BRADESCO

24 O BRASIL RECICLA ANUALMENTE 3,9 MILHÕES DE TONELADAS DE PAPEL, O QUE REPRESENTA 46% DO CONSUMO APARENTE DE PAPEL

25 ÍNDICE DE RECICLAGEM 2010* Coreia do Sul Alemanha Japão Reino Unido Espanha Estados Unidos Itália Indonésia Finlândia México Brasil Argentina China Rússia Índia 25.9% 53.4% 48.9% 48.8% 46.0% 45.8% 40.0% 36.4% 63.6% 62.8% 91.6% 84.8% 79.3% 78.7% 73.8% 0.00% 20.00% 40.00% 60.00% 80.00% % FONTE: BRACELPA * Último dado divulgado pela fonte

26 O SETOR DE PAPEL E CELULOSE É BASTANTE COMPETITIVO NO BRASIL, POR POSSUIR O MENOR CUSTO DE PRODUÇÃO DO MUNDO Clima favorável; Utilização de biotecnologia e de engenharia genética, que favorecem a produtividade brasileira a produção de 1 milhão de tonelada de celulose no Brasil requer apenas 100 mil hectares de madeira, enquanto que na Escandinávia são necessários 720 mil hectares e na Península Ibérica 300 mil; O eucalipto leva em média 7 anos para crescer, enquanto que o pinus leva em média 15 a 20 anos; Produtividade no Brasil: Eucalipto 44 m3/ha/ano; Pinus 38 m3 /ha/ano;

27 O SETOR DE PAPEL E CELULOSE É BASTANTE COMPETITIVO NO BRASIL, POR POSSUIR O MENOR CUSTO DE PRODUÇÃO DO MUNDO O custo da madeira (eucalipto) no Brasil gira em torno de US$ 235 por tonelada, enquanto que nos EUA chega a US$ 420 e US$ 498 na China; A tecnologia de clonagem de mudas foi totalmente desenvolvida no Brasil por pesquisas realizadas entre as empresas, a Embrapa e universidades; Excelente logística, com florestas próximas das fábricas, que também são próximas dos terminais privativos para exportação.

28 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CELULOSE NO BRASIL E NOS PRINCIPAIS PAÍSES PRODUTORES 2014 Japão China França/Bélgica Outros Ásia Suécia Ibéria/Noruega EUA Finlândia Canadá Indonésia Chile/Uruguai África Rússia Brasil EM US$ POR T FONTE: FIBRIA

29 FORNECEDORES

30 A maior parte da madeira comprada pela indústria é de produção própria, em torno de 90%; Importações de celulose representam 20% do consumo aparente nacional, concentradas em produtos de fibra longa; Importações de papel representam 11% do consumo aparente nacional, concentradas em papel imprensa. O Brasil importa 80% do consumo aparente de papel imprensa; Cerca de 70% das importações de papel imprensa são supridas pelos seguintes países: Canadá, França, Noruega, Holanda e Chile. O Brasil não tem escala de produção desse tipo de papel e não tem matéria-prima suficiente, que é a fibra longa e a PAR (pasta de alto rendimento). Além disso, o papel imprensa importado tem isenção de tarifa de importação;

31 Nos últimos anos vem crescendo a participação do fomento florestal, com estímulo à produção de madeira por pequenos e médios proprietários; A integração de pequenos produtores é uma tendência para a expansão da base florestal; As empresas fornecem aos produtores integrados toda assistência técnica ao plantio.

32 REGIONALIZAÇÃO

33 CELULOSE NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS Celulose POR ESTADOS Paraná São Paulo Santa Catarina Minas Gerais Bahia Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Pernambuco Mato Grosso do Sul Amazonas Espírito Santo Maranhão Pará Distrito Federal Paraíba Rondônia FONTE: RAIS

34 PAPEL NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS Papel POR ESTADOS São Paulo Santa Catarina Paraná Rio Grande do Sul Rio de Janeiro Minas Gerais Pernambuco Goiás Ceará Bahia Espírito Santo Mato Grosso do Sul Mato Grosso Rio Grande do Pará Paraíba Amapá Sergipe Maranhão Amazonas Piauí Tocantins Acre FONTE: RAIS

35 EMBALAGENS E PRODUTOS DE PAPEL NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS POR ESTADOS Embalagens e produtos de papel São Paulo Rio Grande do Sul Paraná Minas Gerais Santa Catarina Rio de Janeiro Bahia Ceará Pernambuco Goiás Espírito Santo Paraíba Amazonas Rio Grande do Norte Mato Grosso Mato Grosso do Sul Piauí Pará Maranhão Distrito Federal Rondônia Alagoas Sergipe Tocantins Roraima Acre Amapá FONTE: RAIS

36 REFLORESTAMENTO

37 ÁREA PLANTADA COM PINUS NO BRASIL POR UF 2014 PINUS em hectares MG 2,5% GO 0,6% BA 0,4% MS 0,4% ES 0,2% SP 7,8% RS 11,6% PR 42,4% SC 34,1% FONTE: IBÁ

38 ÁREA PLANTADA COM EUCALIPTO NO BRASIL POR UF 2014 EUCALIPTO em hectares MT 3,4% PR 4,0% ES 4,1% RS 5,6% PA 2,3% MA 3,8% GO 2,2% BA 11,3% TO 2,1% SC 2,0% PI AP 0,6% outros 1,1% 0,3% MS 14,5% MG 25,2% SP 17,6% FONTE: IBÁ

39 ÁREA PLANTADA COM PINUS E EUCALIPTO NO BRASIL POR TIPO 2011 DE PROPRIEDADE 2012 Arrendamento 17% Fomento 14% Própria 69% FONTE: IBÁ

40 Evolução do Plantio anual ÁREA PLANTADA COM PINUS E EUCALIPTO NO BRASIL Mil hectares Pinus Eucalipto FONTE: IBÁ

41 As principais indústrias que utilizam a madeira são a indústria de papel e celulose, a siderurgia a carvão vegetal e a indústria de painéis de madeira; A área plantada própria se refere a essas indústrias; O fomento florestal é um sistema integrado de produção, por meio do qual, a indústria fornece para o produtor as mudas, insumos como fertilizantes, defensivos, orientação técnica e a garantia de compra; No arrendamento, a indústria apenas aluga a terra do produtor, por um período mínimo de 7 anos.

42 CONSUMO DE MADEIRA EM TORA (PINUS) PARA USO INDUSTRIAL POR SEGMENTO 2012 Lenha 8% Painéis Reconstituídos 15% Papel e Celulose 19% Serrados e compensados 58% FONTE: ABRAF

43 CONSUMO DE MADEIRA EM TORA (EUCALIPTO) PARA USO INDUSTRIAL POR SEGMENTO Serrados e compensados 5.4% Painéis Reconstituídos 4.3% Outros 2.1% Carvão Vegetal 17.7% Papel e Celulose 42.1% Lenha 28.4% FONTE: ABRAF

44 RANKING

45 PLAYERS MUNDIAIS

46 OFERTA EUA, China, Canadá e Brasil 55% da produção global de celulose; EUA, China e Japão 50% da produção global de papel; Os maiores exportadores de papel são: Canadá, Finlândia e Suécia; DEMANDA Os maiores consumidores mundiais de papel são EUA e China; Os maiores importadores de papel são EUA, China e Europa. Na Finlândia as florestas cobrem 70% do território do país e o setor responde por 10% do PIB e 1/4 das exportações. O país abriga uma das maiores empresas do setor, a Stora Enzo.

47 CONSUMO PER CAPITA MUNDIAL DE PAPEL 2010* Finlândia Alemanha EUA Japão Canadá Itália Reino Unido França Chile China México Argentina Média Mundial Brasil EM MIL TONELADAS FONTE: BRACELPA *Último dado divulgado

48 Maiores Produtores de Celulose Fonte: Bracelpa RANKING MUNDIAL DE PRODUÇÃO DE CELULOSE 2012 Estados Unidos 30,2% China Canadá Brasil Suécia Finlândia Japão Rússia Indonésia Chile Índia 10,9% 10,2% 8,4% 7,0% 6,1% 5,2% 4,5% 4,0% 3,1% 2,5% 0,0% 30,2% FONTE: BRACELPA

49 Maiores Produtores de Papel RANKING MUNDIAL DE PRODUÇÃO DE PAPEL 2012 Fonte: Bracelpa China 23.7% Estados Unidos 19.4% Japão Alemanha 5.9% 7.0% Canadá Finlândia Suécia Coréia do Sul Indonésia Brasil Itália Índia 3.3% 3.0% 2.9% 2.8% 2.5% 2.5% 2.4% 2.4% 0.0% 5.0% 10.0% 15.0% 20.0% 25.0% FONTE: BRACELPA

50 COMPARAÇÃO INTERNACIONAL DE PRODUTIVIDADE POR TIPO DE FIBRA Espécie Países Rotação em anos Rendimento m3 / ha / ano Eucalipto Brasil 7 39 Eucalipto África do Sul Fibra Curta Eucalipto Chile Eucalipto Portugal Eucalipto Espanha Bétula Suécia Bétula Finlândia Pinus Brasil Pinus Nova Zelândia Pinus Chile Fibra Longa Pinus EUA Pinus Canadá - costa 45 7 Picea Canadá - interior 55 3 Picea Canadá - leste 90 2 Picea Suécia Picea Finlândia FONTE: BRACELPA

51 PLAYERS NACIONAIS

52 NO SETOR ATUAM 3 TIPOS DE EMPRESAS Integradas produzem a celulose e o papel. Produtoras apenas de celulose e destinam a maior parcela da produção para o mercado externo. Essas empresas vendem a celulose para as produtoras de papel, o que se denomina celulose de mercado. Produtoras de papel. Esta categoria é a maior do segmento, constituindo-se de empresas que compram celulose de coligadas ou de terceiros, empresas que participam de grandes grupos econômicos e também as de menor porte.

53 O segmento de celulose é bastante concentrado, pois a escala de produção é elevada, sendo intensiva em capital; O segmento de papel é mais pulverizado, pois existem pequenos fabricantes de papel.

54 CONSUMIDORES

55 PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES NA PRODUÇÃO DE PAPEL E CELULOSE Exportações 61% Mercado Interno 39% CELULOSE Exportações 19% PAPEL Mercado Interno 81% FONTE: BRACELPA

56 PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE PAPEL E CELULOSE 2014 Coréia do Sul 2,5% Japão 2,8% Franca 3,7% Bélgica 5,4% Reino Unido 2,8% Outros 7,9% China 26,1% CELULOSE Itália 9,2% Holanda 20,3% EUA 19,4% Argentina 19,2% Outros 39,4% EUA 9,7% PAPEL Reino Unido 6,7% FONTE: SECEX Bélgica 3,3% Venezuela 4,8% Peru 3,9% Espanha 3,1% Chile 5,7% China 4,3%

57 PARTICIPAÇÃO DA CHINA NAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE CELULOSE em % Participação da China nas exportações brasileiras em quantum de celulose Fonte: Secex Elaboração: Bradesco 37% 33% 33.1% 29% 26.3% 25% 21% 17.6% 23.7% 17% 15.5% 16.8% 13% 10.2% 13.3% 14.0% 09% 9.8% 05% 3.4% 4.2% 01% 1.9% 2.3% 3.4% FONTE: SECEX

58 FATORES DE RISCO

59 Setor cíclico em função do longo período de maturação dos investimentos realizados no setor. O crescimento da produção ocorre periodicamente e em grandes volumes, ao passo que a demanda não cresce na mesma proporção, levando o setor a desequilíbrios. Dessa forma, alterna-se períodos de preços elevados no mercado internacional e fases de margens comprimidas. Intensivo em capital o BNDES estima que a escala mínima viável de uma nova planta de celulose chegue a 1 milhão t/ano, quase 7% da capacidade produtiva do setor no Brasil, somando investimento de cerca de US$ 1 bilhão. Ou seja, os projetos greenfield exigem investimentos de US$ 1,2 bilhão. Cerca de US$ 450 milhões é o custo de uma máquina para fazer papel, com produção aproximada de 450 mil t/ano de papel; Endividamento em moeda estrangeira das empresas do setor; Crescimento da produção chinesa de papel, tomando mercado brasileiro na Ásia e Europa.

60 CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS

61 em mil toneladas PRODUÇÃO NACIONAL DE PAPEL E CELULOSE EM MIL TONELADAS Celulose Papel FONTE: BRACELPA

62 VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CELULOSE BRACELPA Celulose 16,0% 14,0% 14,4% 12,0% 10,0% 10,3% 8,0% 6,0% 8,4% 5,7% 8,2% 8,1% 8,0% 6,0% 4,7% 6,7% 6,6% 5,6% 4,0% 2,9% 2,0% 0,0% -2,0% -0,3% -0,1% -0,8% FONTE: BRACELPA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

63 em mil toneladas Exportações Brasileiras de Papel e Celulose em volume EXPORTAÇÕES DE PAPEL E CELULOSE EM MIL TONELADAS Fonte: Bracelpa Elaboração: Bradesco Celulose Papel FONTE: BRACELPA

64 BALANÇA COMERCIAL DO SETOR PAPEL E CELULOSE Exportações EM US$ MILHÕES Importações Saldo FONTE: BRACELPA

65 CELULOSE

66 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 produção Fonte: Bracelpa PRODUÇÃO NACIONAL DE Produção CELULOSE Nacional de Celulose ACUMULADO DE 12 MESES EM MIL TONELADAS FONTE: BRACELPA

67 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 produção Produção de Celulose - Var. % 12 MM Fonte: Bracelpa PRODUÇÃO NACIONAL DE CELULOSE VAR. % ACUMULADA EM 12 MESES ,0% 13,0% 10,0% 10,2% 8,7% 10,1% 7,0% 4,0% 6,0% 5,5% 3,4% 4,6% 6,8% 7,4% 1,0% 1,3% 1,7% 0,8% -2,0% -2,9% -5,0% FONTE: BRACELPA

68 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 vendas dom ésticas VENDAS INTERNAS DE CELULOSE Vendas Domésticas de ACUMULADO Celulose DE 12 MESES Fonte: Bracelpa EM MIL TONELADAS FONTE: BRACELPA

69 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 vendas dom ésticas Vendas Domésticas de Celulose - Var. % 12 MM VENDAS INTERNAS DE CELULOSE VAR. ACUMULADA EM 12 MESES ,0% 26,5% 25,0% 22,9% 20,0% Fonte: Bracelpa 15,0% 10,0% 13,8% 6,5% 10,5% 11,3% 5,0% 3,9% 0,0% -5,0% -2,8% 0,0% FONTE: BRACELPA

70 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 vendas externas EXPORTAÇÕES DE CELULOSE Exportações ACUMULADO de Celulose DE 12 MESES Fonte: Bracelpa EM TONELADA FONTE: BRACELPA

71 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 EXPORTAÇÕES DE CELULOSE VAR. % ACUMULADA EM 12 MESES vendas externas Exportação de Celulose - Var. % 12 MM Fonte: Bracelpa 30,0% 25,0% 27,7% 20,0% 22,4% 18,5% 14,6% 15,0% 11,8% 14,5% 13,2% 10,0% 5,0% 8,5% 2,7% 2,3% 8,3% 5,3% 9,7% 10,1% 9,9% 0,0% -5,0% -3,4% -0,2% -1,5% FONTE: BRACELPA

72 BALANÇA COMERCIAL DE CELULOSE Exportações Importações EM US$ MILHÕES Saldo FONTE: BRACELPA

73 EXPORTAÇÕES DE CELULOSE EM MIL TONELADAS FONTE: BRACELPA

74 COEFICIENTE DE EXPORTAÇÃO DE CELULOSE 67,0% 62,0% 61,8% 59,4% 60,6% 60,8% 62,9% 57,0% 52,0% 50,4% 50,8% 52,6% 55,1% 54,0% 55,4% 47,0% 42,0% 37,0% 32,0% 27,0% FONTE: BRACELPA

75 * 2016* PRODUÇÃO DE CELULOSE Produção Nacional de Celulose em mil toneladas FONTE: BRACELPA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

76 * 2016* VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CELULOSE Fonte: Bracelpa Elaboração e Projeção: Bradesco Variação Anual da Produção Nacional de Celulose ,0% 13,1% 12,0% 10,0% 8,0% 7,8% 8,2% 7,6% 8,0% 7,3% 8,8% 8,5% 8,1% 6,0% 4,5% 5,6% 6,1% 5,8% 4,9% 5,9% 6,0% 4,0% 3,5% 2,0% 1,8% 2,1% 0,0% 0,1% -2,0% -0,7% -0,8% FONTE: BRACELPA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

77 nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09 fev/10 mai/10 ago/10 nov/10 fev/11 mai/11 ago/11 nov/11 fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 ago/13 nov/13 fev/14 mai/14 ago/14 nov/14 fev/15 mai/15 ago/15 nov/15 US$ por tonelada Preços de Celulose Fibra Curta BHKP - Europa Fonte: FOEX Elaboração: Bradesco PREÇOS DA CELULOSE FIBRA CURTA BHKP - EUROPA BHKP Bleached Hardwood Kraft Pulp (Celulose Branqueada de Fibra Curta) EM US$ POR TONELADA 918, ,0 871, ,1 811,8 809, ,0 658,2 743,4 482,9 648,1 669,8 763,4 741, ,9 492,5 400 FONTE: FOEX

78 nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09 fev/10 mai/10 ago/10 nov/10 fev/11 mai/11 ago/11 nov/11 fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 ago/13 nov/13 fev/14 mai/14 ago/14 nov/14 fev/15 mai/15 ago/15 nov/15 US$ por tonelada Preços de Celulose Fibra Longa NBSK - Europa Fonte: FOEX PREÇOS DA CELULOSE FIBRA LONGA NBSK - EUROPA NBSK Northem Bleached Softwood Kraft (Celulose Branqueada de Fibra Longa do Norte) EM US$ POR TONELADA 904,4 956,4 972, ,8 843,9 858,9 932, ,0 829,7 777, ,0 621, ,6 577, FONTE: FOEX

79 US$ por tonelada nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09 fev/10 mai/10 ago/10 nov/10 fev/11 mai/11 ago/11 nov/11 fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 ago/13 nov/13 fev/14 mai/14 ago/14 nov/14 fev/15 mai/15 ago/15 nov/15 Preços de Celulose Fibra Longa NBSK - EUA Fonte: FOEX PREÇOS DA CELULOSE FIBRA LONGA NBSK - EUA NBSK Northem Bleached Softwood Kraft (Celulose Branqueada de Fibra Longa do Norte) EM US$ POR TONELADA 1.012, , ,0 892,3 960,4 880,0 948,0 942, ,3 793,6 842,1 870,0 894, ,9 646,4 600,7 583,5 650,4 400 FONTE: FOEX

80 PAPEL

81 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 PRODUÇÃO NACIONAL DE Produção PAPEL Nacional ACUMULADO de Papel DE 12 MESES produção Fonte: Bracelpa EM MIL TONELADAS FONTE: BRACELPA

82 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 PRODUÇÃO NACIONAL DE PAPEL VAR. % ACUMULADA EM 12 MESES produção Produção de Papel - Var. % 12 MM Fonte: Bracelpa 6,8% 5,8% 4,8% 5,1% 3,8% 3,7% 2,8% 2,6% 2,9% 1,8% 1,7% 1,1% 1,7% 2,0% 0,8% 0,8% 0,9% -0,2% -1,0% -1,2% -0,7% FONTE: BRACELPA

83 out/01 fev/02 jun/02 out/02 fev/03 jun/03 out/03 fev/04 jun/04 out/04 fev/05 jun/05 out/05 fev/06 jun/06 out/06 fev/07 jun/07 out/07 fev/08 jun/08 out/08 fev/09 jun/09 out/09 fev/10 jun/10 out/10 fev/11 jun/11 out/11 fev/12 jun/12 out/12 fev/13 jun/13 out/13 fev/14 jun/14 out/14 fev/15 jun/15 out/15 VENDAS INTERNAS DE PAPEL ACUMULADO DE 12 MESES vendas domésticas Vendas Internas de Papel Fonte: Bracelpa EM MIL TONELADAS FONTE: BRACELPA

84 out/06 dez/06 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 VARIAÇÃO DAS VENDAS INTERNAS DE PAPEL VAR. % ACUMULADA EM 12 MESES vendas dom ésticas Vendas de Papel - Var. % 12 MM Fonte: Bracelpa 10,0% 8,0% 7,1% 6,0% 5,0% 4,0% 2,0% 3,7% 3,8% 2,6% 0,7% 3,5% 3,0% 2,0% 0,0% -2,0% -0,2% -0,6% -0,4% -1,7% -4,0% -3,7% -3,6% -6,0% FONTE: BRACELPA

85 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 vendas externas Exportações de Papel Fonte: Bracelpa EXPORTAÇÕES DE PAPEL ACUMULADO DE 12 MESES EM MIL TONELADAS FONTE: BRACELPA

86 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 vendas externas EXPORTAÇÕES DE PAPEL Exportações VAR. de Papel % ACUMULADA - Var. % 12 MM EM 12 MESES Fonte: Bracelpa 28,0% 26,9% 22,0% 16,0% 13,7% 10,0% 4,0% 7,8% 3,6% 6,8% 5,9% -2,0% -8,0% -3,9% -0,7% -8,1% -4,5% -11,0% -14,0% -20,0% FONTE: BRACELPA

87 EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DE PAPEL em mil toneladas EM MIL TONELADAS Exportações e Importações Brasileiras de Papel em volume Fonte: Bracelpa Elaboração: Bradesco Importação Exportação FONTE: BRACELPA

88 EXPORTAÇÕES DE PAPEL Exportações Brasileiras de Papel em mil toneladas fonte: Bracelpa Elaboração: Bradesco EM MIL TONELADAS FONTE: BRACELPA

89 BALANÇA COMERCIAL DE PAPEL Exportações Importações EM US$ MILHÕES Saldo FONTE: BRACELPA

90 25,0% COEFICIENTE DE EXPORTAÇÃO DE PAPEL 23,7% 23,0% 22,5% 22,2% 22,8% 22,3% 21,0% 21,1% 21,5% 21,2% 20,7% 19,0% 18,3% 17,9% 17,0% 15,0% 13,0% FONTE: BRACELPA

91 * PRODUÇÃO DE PAPEL em mil toneladas Produção Nacional de Papel 11,000 10,000 9,000 8,000 7,000 6,000 5,654 5,798 7,912 7,663 7,417 7,188 6,944 6,176 6,518 6,589 8,339 8,5978,733 8,979 9,4099,348 10,44410,405 10,302 10,260 9,806 9,935 5,000 4,000 FONTE: BRACELPA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

92 * VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE PAPEL Fonte: Bracelpa Elaboração e (*) projeção: Bradesco Variação Anual da Produção Nacional de Papel ,0% 6,5% 6,0% 5,0% 5,5% 5,4% 5,4% 4,8% 4,9% 4,0% 3,0% 2,5% 3,5% 3,2% 3,3% 3,3% 3,1% 2,8% 3,3% 2,0% 1,0% 1,1% 1,6% 1,3% 1,6% 0,8% 0,8% 0,0% -1,0% -0,7% -2,0% FONTE: BRACELPA ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

93 nov/04 mar/05 jul/05 nov/05 mar/06 jul/06 nov/06 mar/07 jul/07 nov/07 mar/08 jul/08 nov/08 mar/09 jul/09 nov/09 mar/10 jul/10 nov/10 mar/11 jul/11 nov/11 mar/12 jul/12 nov/12 mar/13 jul/13 nov/13 mar/14 jul/14 nov/14 mar/15 jul/15 nov/15 US$ por tonelada PREÇOS DE PAPEL JORNAL NOS EUA EM US$ POR TONELADA Preços de Papel Jornal- EUA Fonte: FOEX , ,6 621,4 643,0 616,3 660,6 614,7 619,8 625,19 615,75 588, ,9 532,3 533,6 503, ,2 FONTE: FOEX

94 nov/04 mar/05 jul/05 nov/05 mar/06 jul/06 nov/06 mar/07 jul/07 nov/07 mar/08 jul/08 nov/08 mar/09 jul/09 nov/09 mar/10 jul/10 nov/10 mar/11 jul/11 nov/11 mar/12 jul/12 nov/12 mar/13 jul/13 nov/13 mar/14 jul/14 nov/14 mar/15 jul/15 nov/15 US$ por tonelada Preços de Papel Jornal - Europa PREÇOS DE PAPEL JORNAL NA EUROPA Fonte: FOEX EM US$ POR TONELADA ,8 519,8 524,0 518,7 514,2 499,2 504, ,5 490,2 494,7 483,65 471,72 466,3 465, ,9 437,26 430, ,3 FONTE: FOEX

95 nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09 fev/10 mai/10 ago/10 nov/10 fev/11 mai/11 ago/11 nov/11 fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 ago/13 nov/13 fev/14 mai/14 ago/14 nov/14 fev/15 mai/15 ago/15 nov/15 US$ por tonelada Papel não-revestido para escrever e imprimir na Europa Fonte: FOEX PREÇOS DE PAPEL NÃO-REVESTIDO PARA ESCREVER E IMPRIMIR NA EUROPA EM US$ POR TONELADA 858,7 851,1 853,2 874,81 863,0 870,4 860,11858,51 849,77 815,6 829,2 854,34 839,55 827,93 829, ,5 810,3 812,98 796,7 780,8 778,4 770,8 755 FONTE: FOEX

96 nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09 fev/10 mai/10 ago/10 nov/10 fev/11 mai/11 ago/11 nov/11 fev/12 mai/12 ago/12 nov/12 fev/13 mai/13 ago/13 nov/13 fev/14 mai/14 ago/14 nov/14 fev/15 mai/15 ago/15 nov/15 US$ por tonelada Papel revestido para revista e impressão na Europa PREÇOS DE PAPEL REVESTIDO PARA REVISTA E IMPRESSÃO NA EUROPA Fonte: FOE 740 EM US$ POR TONELADA ,6 725,3 715,9 721,9 714,31 717, ,4 708, ,4 695,1 694,2 699,1 701, ,4 684,5 674,2 680,45 678,54 671, ,5 661,37 657,14 FONTE: FOEX

97 Depec-Bradesco O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 PRODUTOS MERCADO DE CIMENTO NO BRASIL - 2012 26 mil toneladas EXPORTADO (0,05%) 53% Paraguai 34% Bolívia 68,8 MILHÕES DE TONELADAS

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PLANTA DE TELEFONIA NO BRASIL 2011 Acessos fixos 14,4% Acessos móveis 85,6% FONTE: ANATEL dez/10 PLANTA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

PAPEL E CELULOSE. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

PAPEL E CELULOSE. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE Papel: produção segue em retração desde 2014, refletindo a fraca demanda doméstica

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 Borracha Natural Consumo Interno 300 mil toneladas/ano 64% Importação 262 mil toneladas/ano 36% Produção

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 PRODUTOS HIGIENE PESSOAL 61% Sabonetes Higiene Oral Desodorantes Talcos Higiene Capilar Produtos para Barbear Fraldas

Leia mais

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 A Indústria de Papel no Brasil BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 1 Produção mundial de papel por região - 2001- Em % A produção mundial está distribuída uniformemente em 3 áreas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS MAIO DE 2016 PRODUTOS CADEIA DE ELETROELETRÔNICOS Matérias-primas Básicas Aço Motores Componentes Outros insumos

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Aracruz Celulose principais dados

Aracruz Celulose principais dados ARACRUZ CELULOSE Aracruz Celulose principais dados Fundada em 1972, e iniciou a produção em 1978 400.000 t/ano Hoje produz 3.000.000 t/ano. Responde por 33% do mercado mundial de celulose de eucalipto.

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE CALÇADOS Pecuária Couros Importação de insumos Importação de calçados prontos Petroquímica

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 03 DE MAIO DE 2004 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA JANEIRO/ABRIL -

Leia mais

A reciclagem de papel no Brasil 2014

A reciclagem de papel no Brasil 2014 1 A reciclagem de papel no Brasil 2014 II Encontro Nacional dos Aparistas de Papel São Paulo, 22 outubro 2015 Associação Nacional dos Aparistas de Papel 2 Aparas definidas na Norma Refile de papelão ondulado

Leia mais

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado,

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

Reunião MDIC. 07 de maio de 2013

Reunião MDIC. 07 de maio de 2013 Reunião MDIC 07 de maio de 2013 1 Características Indústria brasileira de papel nasceu recicladora. A reciclagem permite a existência de 60 empresas de porte médio e pequeno espalhadas pelo país, próximas

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Ibá Inédita união de quatro associações de empresas de produtos de base florestal plantada, com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL. Março/2004 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES GOVERNO FEDERAL PORTO DE SANTOS A PORTA DO BRASIL Março/2004 PORTO DE SANTOS Localização dos Terminais Derivados Petróleo Autos Inflam. Papel Margem Esquerda Contêineres. Trigo

Leia mais

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Papelcartão Papelcartão, ou simplesmente cartão, é o papel fabricado em múltiplas camadas, com gramaturas superiores a 150 g/m

Leia mais

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55 Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo...... 55 Distribuição relativa (%) de imigrantes bolivianos no Estado de São Paulo em 20 I O..._... 62 Distribuição relativa

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br ESTRUTURA ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ATUAÇÃO GLOBAL REINO UNIDO CANADÁ ESTADOS UNIDOS HONDURAS PANAMÁ COLÔMBIA EQUADOR PERÚ BOLÍVIA CHILE EL SALVADOR CONGO ARGENTINA URUGUAI PARAGUAI BRASIL GUIANA

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas Beatriz P. Milliet Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 30 de setembro- 2015 1 1 A Ibá

Leia mais

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo.

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Comércio exterior Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Janeiro 2015 Sindusfarma Gerência de Regulação de Mercados Índice Brasil...

Leia mais

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS Vendas, pelas distribuidoras, dos derivados combustíveis de petróleo por produto -

Leia mais

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília.

Mercado em números. Brasil. Designação oficial: República Federativa do Brasil. Guiana Venezuela Suriname Columbia. Capital: Brasília. Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres: 16.145 km com a Argentina

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Siderurgia 12 de maio de 2015 Demanda externa deve compensar parcialmente retração doméstica de produtos siderúrgicos Leandro de Oliveira Almeida Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos A retração

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 214 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 214 CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ACR 2. BASE FLORESTAL PLANTADA 3. MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil A ABIPLAST representa as empresas de transformação de material plástico ( 3ª geração ) e as Industrias de Reciclagem de Material Plástico.

Leia mais

SETOR DE CELULOSE E PAPEL

SETOR DE CELULOSE E PAPEL SETOR DE CELULOSE E PAPEL 7º Encontro da Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis BENTO GONÇALVES 12/11/2008 Pedro Vilas Boas Dados Gerais Cadeia Produtiva do Setor Florestal Lenha Carvão Vegetal PRODUÇÃO

Leia mais