WEBSITE DA CLP: Uma Iniciativa política de participação em meio a Sociedade da Informação. Tenaflae Lordêlo 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WEBSITE DA CLP: Uma Iniciativa política de participação em meio a Sociedade da Informação. Tenaflae Lordêlo 1"

Transcrição

1 21 WEBSITE DA CLP: Uma Iniciativa política de participação em meio a Sociedade da Informação. Tenaflae Lordêlo 1 RESUMO O presente trabalho é uma aproximação com o objeto de estudo com vistas a fundamentar uma futura sondagem com usuários dos fóruns e os responsáveis pelo website da COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA (CLP) da Câmara dos Deputados Federal. Este trabalho discorre sobre espírito do serviço público que deve aproximar os avanços tecnológicos do âmbito social, em meio às discussões sobre Sociedade da informação. Embora alguns autores apontem que toda esta infraestrutura tecnológica que está presente nos diversos âmbitos da sociedade, seja uma estrutura comercial, e não social da Sociedade da Informação. Assim este trabalho observa a participação política na sociedade da informação, utilizando o website da CPL. Palavra-chave: Participação, Sociedade da Informação, engajamento cívico, iniciativa política. ABSTRACT The present work is an approach with the object of study with sights to base one future sounding with users of forums and the responsible ones for the Website of the COMMISSION OF PARTICIPATIVE LEGISLATION (CLP) of the House of representatives Federal. This work discourses on spirit of the public service that must approach the technological advances of the social scope, in way to the quarrels on Society of the information. Although some authors point that all this technological infrastructure that are present in the diverse scopes of the society, either a commercial structure, and not a social one of the Society of the Information. Thus this work if withholds to observe the participation politics in the society of the information, using the Website of the CPL. Key-words: Participation, Society of the Information, civic engagement, initiative politics. INTRODUÇÃO Os avanços tecnológicos das últimas décadas veem reorganizando as práticas econômicas, sociais e políticas, a partir da introdução do elemento computacional, mas precisamente o Chip. Estudos e publicações descrevem e registram as mutações mais importantes produzidas pelas infraestruturas computacionais na cultura contemporânea, descrito pelo nome de Sociedade da Informação - SI. Este tema, embora influente, não tem sua origem bem esclarecida, alguns considerando que a expressão foi cunhada por cientistas da comunidade acadêmica japonesa (FREITAS, 2004). Os estudos que apontam os japoneses como responsáveis pelo termo, sugerem como 1 Graduado em Comunicação Social, pós-graduado em desing e Mestre em Comunicação e Cultura Contemporânea UFBA. Professor da FAVIP em Caruaru-PE.

2 22 trabalho pioneiro, uma assessoria realizada por Yujiro Hayashi, ao governo japonês, em 1969, que resultou em dois relatórios sobre a SI. Além de uma série de estudos anteriores que envolveram: Jiro Kamishima, em 1963; Hoso Asahi, em 1964 e finalmente Yonije Masuda, em 1968, que publicou um livro denominado Introdução à Sociedade da Informação, que seria mais tarde precursor do famoso livro, A sociedade da informação como sociedade pós-industrial, em Segundo Mattelart (2002), foi o interesse pioneiro do Japão pela Sociedade da Informação, que obviamente o tornou a primeira sociedade da informação da história. Nos escritos do futurólogo Yoneji Masuda (1980) estão registradas as implicações sociais, em que o poder centralizado e a hierarquização dão lugares a uma sociedade multicentrada. O pano de fundo para este processo é o modelo Computépolis, a cidade inteiramente interconectada e organizada com terminais domésticos, com gestão automatizada do cotidiano (MATTELART, 2002). Alguns autores acreditam que os escritos de Yoneji Masuda estão distantes do sentido social da Sociedade da Informação, a qual teria um sentido muito mais econômico (FREITAS, 2004; GARNHAM, 2000; WEBSTER, 2003). Para longe do que se possa desejar de uma Sociedade da Informação, segundo Frank Webster, não há nenhuma espaço da terra que se possa designar como um tipo novo de sociedade, tudo que se testemunha é uma quantidade maior de informação em circulação e em armazenamento. Assim a Sociedade da Informação tende cada vez mais a ser sinônimo de comércio da informação em níveis nunca vistos, afetando duas áreas de regulação: telecomunicações desregulamentadas pelos governos e reguladas pela iniciativa privada e propriedade intelectual crescentemente regulamentada, desregulamentando os obstáculos (FREITAS, 2004). Embora se perceba que o norte dos avanços tecnológicos formado por toda uma infraestrutura computacional seja coordenado pelo âmbito econômico, o que claramente o distância das possibilidades sociais, não se pode deixar de perceber que a sociedade é influenciada e reorganizada, mesmo que seja por caminhos considerados como sinônimos de comércio. Contudo o espírito do serviço público poderia aproximar os avanços tecnológicos do âmbito social. Somente uma ação dos poderes públicos que

3 23 regulamente as redes, lance satélites, crie bancos de dados pode deixar uma margem de manobra a um modelo de sociedade original, um novo modelo de crescimento, (MATTALART, 2002). A ações ou presença do poder público na web foram batizadas de e-government, que são as iniciativas governamentais de oferta on-line de serviços públicos que visam combater a burocracia e tornar a interação entre governo e cidadãos mais eficiente. As duas partes integrantes do e-government são: e-democracy e e-administration. O que se observa é que as ações dos poderes públicos focalizam principalmente e-administration. Embora as ações sejam majoritariamente com vistas a combater a burocracia na relação entre governo e cidadão, as mesmas ações abrem caminhos para iniciativas políticas que permitam a participação dos cidadãos no sistema político, mediado por uma infraestrutura computacional. A PATICIPAÇÃO E A COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA (CLP) Na Internet as iniciativas políticas 2 estruturadas a partir de ferramentas web veem gerando oportunidades de participação política e de informação política qualificada. Como parte das ações que visam à participação da sociedade, o artigo 14, da Constituição Federal de 1988, reservado aos direitos políticos, assegura a todo cidadão brasileiro a participação no exercício da soberania popular pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos e nos termos da lei, mediante plebiscito, referendo e iniciativa popular. Com base neste artigo a Câmara dos Deputados criou, em 2001, a COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA (CLP), com o objetivo de estimular e ampliar a participação da sociedade civil no processo legislativo, estabelecendo um canal direto entre a sociedade civil organizada e o Parlamento. A CLP dispõe de um website 3 para a participação da sociedade, como um dos canais 2 Iniciativas políticas, compreendidas aqui como ações que visão desenvolver ferramentas de participação e produção de informações sobre a política, além de possibilitar trabalhos dos políticos em ambiente web, ou conjugados com a mesma. 3 No mundo virtual, é um endereço cuja porta de entrada é sempre sua home page, Um website é um dos nós/computadores existentes.

4 24 diretos, o mesmo encontra-se no portal da Câmara dos Deputados Federal (www.camara.gov.br), no link denominado participação popular. Segundo Schlozman e Verba (1995), as iniciativas políticas on-line, como o portal da CLP, precisam superar três barreiras para a participação dos indivíduos na web, como um canal direto: a barreira da motivação, da capacidade e da oportunidade. Os estudos empíricos apontam que estas barreiras apresentam um efeito na participação, distinto do afloramento e difusão das novas tecnologias (STANLEY e WEARE, 2004). A primeira barreira é a motivação, a qual consiste no fato das ferramentas 4 de publicação ou de gerenciamento de conteúdo, utilizadas pelas iniciativas políticas, serem pouco direcionadas para estabelecer a motivação individual. Assim, a difusão da informação tem efeitos menos qualitativos nas percepções psicológicas da informação política. A segunda barreira, a da capacidade, relaciona-se na utilização das ferramentas interativas (fóruns 5 e weblog entre outras) como principal forma de construção de um espaço de discussão na web, porém, faz-se necessário identificar quais cidadãos possuem as competências efetivas de atuação nas esferas de decisões políticas. O que coloca o debate muito além da infraestrutura computacional. Schlozman e Verba (1995) colocam como última barreira, as oportunidades, que ainda escassas, servem de limites para as iniciativas políticas on-line. O acesso aos meios tecnológicos ainda é limitado e as principais ações governamentais focam mais nas aplicações informativas do e-governement, esse vêm agregando mais clientes que participantes ativos para realizar decisões democráticas (STANLEY e WEARE, 2004). No caso dos acessos domiciliares no Brasil pelos últimos números, do comitê Gestor da Internet no Brasil CGI, menos de 15% dos domicílios possuem acesso à internet, dos quais menos da metade possuem acesso banda larga, cerca de 40,35 %. Não é por acaso 4 O termo ferramenta deriva do latim ferramenta, plural de ferramentum. É um utensílio, ou dispositivo, ou mecanismo físico ou intelectual utilizado por trabalhadores das mais diversas áreas. Na web as ferramentas são estruturada como software, ou programa de computador, que é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redirecionamento ou modificação de um dado/informação ou acontecimento em ambiente web, geralmante contruidas em linguegem de programação PHP ou ASP. 5 Fórum de discussão ou grupo de discussão (newsgroup) recurso web que permite escreve-se publicamente sobre o tema indicado pelo nome do grupo.

5 25 que iniciativa políticas on-line, como o Portal da CLP, utilize outros canais de comunicação combinados com a web, tais como sistemas de telefonia e correios. Embora as três barreiras de Schlozman e verbas tenham uma aceitação mais palatável muito da discussão sobre participação políticas e comunicação de massa, atualmente, permeia o conceito da teoria do capital social. Termo proveniente das ciências sociais no término dos anos 80, a qual é apropriada e trabalhada por diversos autores, inclusive Robert D. Putnam, em especial, no livro Bowling Alone: The collapse and Revival of American Community, publicado em O conceito de capital social é usado para compor uma abordagem, com vistas ao entendimento do engajamento cívico, no qual, Putnam (2000) apresenta uma crítica de parte das práticas políticas contemporâneas. Isto porque a idéia de capital social esta baseada, para Putman (2000), nos aspectos da organização social que viabiliza a coordenação e cooperação dos indivíduos com o objetivo de obterem benefícios comuns. Desta fora a prática de criar associações por parte do povo americano, a qual impressionou o jornalista francês Aléxis De Tocquevillen, no século XIX, é a forma central de atuação social, caracterizada, como normas sociais de confiabilidade e reciprocidade, permitindo a participação política (PUTMAN, 2000). A Participação ou engajamento cívico, entendidos, como as relações dos cidadãos como as instituições política, é compreendido por Putman (2000) como uma lista de atividades da vida social ou vida fora de casa: filiação a associação voluntária ou igreja, manifestações de protesto, jantar com amigos ou família entre outros. Desta forma toda prática de engajamento que gera capital social é engajamento cívico, rede de relações que proporciona e nutri de forma saudável a participação política. Nos últimos 30 anos o modelo do cidadão e o seu engajamento cívico sofreram mutações, principalmente no que tange a vida social fora de casa. Para Putnam (2000), a causa principal no declínio direto na capacidade dos americanos de se associar é a presença da comunicação de massa, protagonizada pela televisão. Em conseqüência da televisão causa uma série de prejuízos para vida cívica, a mais relevante é que o consumo de TV exerce efeitos psicológicos prolongado sobre as crianças. Fatalmente estes efeitos, segundo Putman (2000), inibem a formação de cidadãos mais confiantes

6 26 na natureza humana e mais dispostos a sair de casa para engajar-se em redes cívicas. Assim o consumo de notícias e de entretenimento se tornou uma atividade que se pode realizar isoladamente, sem está engajado em uma rede cívica, aos moldes convencionais. Robert Putman (2000), embora seja um escritor americano e obviamente esteja falando de sua própria cultura, e muito enfático na atribuição de culpa do declínio de participação civil na política, porém a questão é aceitando este argumento, colocamos o cidadão como um ser de vocação para a política. Como o surgimento e popularização da comunicação de massa, em quais quer sociedade, incluindo a brasileira, fatalmente, os indivíduos serão menos engajados politicamente. Para uma iniciativa política on-line que busca participação popular na discussão de sugestões políticas públicas, tais como: Projeto de Lei Complementar, Projeto de Lei Ordinária, Decreto Legislativo, Resolução da Câmara dos Deputados, Projeto de Consolidação, Emenda entre outros, como é o caso em especial do website da CLP, deve projetar as ações e processos do website, para um ambiente de baixa participação, em que as orientações devam seguir muito mais a questões das barreiras apontadas por Schlozman e Verbas (1995), do que as causas do declínio por Robert Putman (2000), além de considerar o baixo acesso em domicílios no Brasil. Fator esse que coloca a necessidade de abrir canais de comunicação fora da internet. Porque a utilização, no presente cenário, de todas as interconexões, tais como sistemas telefônicos, correio e Internet, criam cadeias de decisões políticas e resultados interligados entre os poderes públicos e seus cidadãos que alteram a natureza e a dinâmica dos próprios sistemas políticos nacionais (IANN, 1992). A INICIATIVA POLÍTICA DA COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA (CLP) E OS PROCESSOS Embora a discussão sobre participação políticas esteja focada principalmente no cidadão, existem algumas iniciativas, como a CLP, que são feitas basicamente pela participação da sociedade civil organizada por meio de fóruns. Essa forma associativa

7 27 de participação está mais próxima a percepção de Putman (2000), sobre a forma de organização saudável para a democracia, que se estende para uma relação social mediada por uma infraestrutura computacional. Nos fóruns as entidades podem intervir diretamente no sistema de produção política das normas e das leis, apresentando sugestões para o aperfeiçoamento da legislação já existente ou para elaboração de novas normas. Assim entidades registradas em cartório ou em órgão do Ministério do Trabalho, tais como: Organizações Não-Governamentais ONGs; Associações e Órgãos de Classe; Sindicatos; Entidades da Sociedade Civil, exceto Partidos Políticos; Órgãos e Entidades de Administração Direta e Indireta, desde que tenham participação paritária da sociedade civil; podem participar das discussões e processos da CLP. Desde 2001 a CLP apreciou, sugestões de 344 projetos de lei; 126 sugestões de Emendas à Lei Orçamentária Anual; 02 Sugestões de Emendas ao Plano Plurianual; 12 sugestões de Emendas à Lei de Diretrizes Orçamentárias; totalizando 484 apreciações de sugestões de projetos. O processo tem início como à classificação, numeração e averiguação das sugestões pela CLP. As sugestões passam por uma adequação formal com vistas a assegurar as condições de redação técnica para a tramitação. Em seguida, a Presidência da Comissão indica um(a) relator(a) para elaborar parecer sobre a sugestão apresentada. Caso aprovada, a sugestão passará a tramitar como proposição legislativa da Comissão de Legislação Participativa, e será distribuída à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) para análise dos aspectos de constitucionalidade, juridicidade e técnica legislativa. O Projeto de Lei de autoria da Comissão de Legislação Participativa depende de análise do Plenário da Câmara dos Deputados Federal, mesmo que já tenha sido aprovado pelas Comissões Temáticas, constantes do despacho da Secretaria Geral da Mesa. Dessa forma, quando aprovado nas Comissões, é encaminhado à Mesa para ser incluído na Ordem do Dia do Plenário da Câmara dos Deputados Federal para discussão e votação. Se aprovada, a proposição é remetida, e segue os tramiteis legais de qualquer proposição: no Senado Federal e na Presidência da Republica.

8 28 O website da CLP conta com links, como: Fale com o deputado, Sua proposta pode virar lei, Ouvidoria parlamentar, Bate papo; além das chamadas para os fóruns de debate na web. Embora o website tenha outros recursos o fórum comunicação on-line, fóruns web ou fóruns de discussão, parecem está mais alinhada com as expectativas de alguns pesquisadores, como Kees Brants (2002). O mesmo sugere que os fóruns de comunicação on-line oferecem espaço público para deliberação e troca de informação política, as quais aumentam e ampliam a participação em âmbito local. A INICIATIVA POLÍTICA DA COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA (CLP) COMO FÓRUNS WEB Uma ramificação recente do argumento liberal, apontada por Wilson Gomes (2005) vem se constituindo ao redor de três expressões-chave: internet esfera pública democracia. Deste modo, cunha-se o verbete democracia digital e as outras formas semelhantes (democracia eletrônica, e-democracy, democracia virtual, ciberdemocracia, entre outras nomenclaturas), o tema vem ocupando espaço nos últimos 15 anos. O centro da discussão diz respeito à possibilidade das novas tecnologias da informação e ferramentas de comunicação, tal como o portal da CLP, oferecerem oportunidades para a prática dos cidadãos em sistemas democráticos, considerando a eficiência e qualidade nos ambientes de decisão política. A introdução de uma nova infraestrutura tecnológica, entretanto, faz ressurgir fortemente as esperanças de modelos alternativos de democracia, que implementem uma terceira via entre a democracia representativa, que retira do povo a decisão política, e a democracia direta, que a quer inteiramente consignada ao cidadão. Estes modelos giram ao redor da idéia de democracia participativa e, nos últimos dez anos, na forma da democracia deliberativa, para a qual a internet é, decididamente, uma inspiração. (Gomes, 2005). As iniciativas políticas on-line abrem espaço para os dispositivos lógicos que permitem o alcance dos objetivos de informar e possibilitar a interação via websites, do usurário. Desta forma as ferramentas web, estruturas lógicas, potencializam os meios de realização da democracia digital, permitindo aos indivíduos interessados em participar do jogo democrático. Para James Bohman (2004), a presença de uma mediação tecnológica é o que torna possível a existência de uma esfera pública em uma Sociedade

9 29 da Informação, em que seria possível obter informação política qualificada e oportunidade de discussões política. O primeiro ponto para a formação de uma esfera pública na web, segundo Bohman, é a existência, na mediação tecnológica ou infraestrutura eletrônica das iniciativas políticas on-line, um fórum, que permita o significado democrático de uma esfera pública. O mesmo seria um espaço social em que os participantes podem expressar suas questões e obter respostas e ao término consolidar sua opinião. O segundo ponto é que o dialogo e postagens no fórum colaborem para as soluções das questões públicas e que todos participantes tenha direitos iguais. A base do Portal da CLP é formado pelas discussões através de fóruns de discussão. Os fóruns permitem o confronto de ideia a partir de um tema ou de uma questão apresentada. Um tema presente nos trabalhos da Comissão, no site, é a questão: Como a Câmara dos Deputados pode aproximar você, cidadão, e a sociedade civil organizada da Comissão de Legislação Participativa? Desta forma abre caminho para discussão e aponta também a barreira que um projeto como este tem: a barreira de participação. Os fóruns eletrônicos se tornaram um lugar útil para observar os efeitos da internet na participação. Estas ferramentas são locas em que os participantes da política, fora da rede, normalmente freqüentam (STANLEY e WEARE, 2004). Isso facilita uma possível análise dos indivíduos que participam. Além de reforçar que as ferramentas web, como os fóruns, têm mais efeito e funcionalidade sobre os indivíduos que já participavam em âmbito off-line (NORRIS, 2003). Contudo, existem mensagens circulantes nos fóruns que embora incipientes, permitam a presença de novos participantes, sobretudo em épocas de eleições, abrindo, para além das informações oficiais do governo ou de partidos políticos, espaços de discussões, a partir de fóruns on-line (STANLEY e WEARE, 2004). CONSIDERAÇÕES FINAIS

10 30 Mesmo com o surgimento de ferramentas e dispositivos web, utilizados pelas iniciativas de cunho político como o website da CLP, com suas práticas e objetivos, é preciso um último elemento, para consolidar a participação, em uma Sociedade da Informação: a cultura política, que ultrapasse as barreiras de Schlozman e Verbas: motivação, capacidade e oportunidades. Assim, por mais que a internet ofereça, até inéditas, oportunidades de participação na esfera política, tais oportunidades serão aproveitadas apenas se houver uma cultura e um sistema político disposto (ou forçado) a acolhê-los (GOMES, 2005). Nesse sentido, talvez nem toda a mudança de participação política, ao longo dos últimos anos, se explique em termos de dificuldade de acesso, raridade de meios, escassez de oportunidades e informação política disponível, ou até mesmo como Robert Putman (2000) coloque, a presença dos meios de massa. A abundância de meios tecnológicos e acesso, por se só, não formará uma cultura da participação política (BOHMAN, 2004). Durante oito anos a CLP, mostra que existem recursos tecnológicos para a participação. Porém neste presente momento, este trabalho careces, dos dados necessários, que só uma futura sondagem apontará a eficácia do processo. Contudo, isso não quer dizer que não se devam explorar ao extremo todas as possibilidades democráticas comportadas nos ambientes políticos e nas ferramentas na internet. Assim é preciso identificar a potencialidade e o real papel na democracia, evitando atribuir às iniciativas e ferramentas esperanças e papéis característicos que não lhes pertence. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBROOK, Richard. A regulamentação da liberdade: liberdade de expressão, liberdade de comércio e liberdade de dádiva na rede. BIMBER, Bruce. The Internet And Citizien Communication Witj Government:Does the Medium Matter? Political Communication, 16, 1999, p BOHMAN, James. Expanding dialogue: The Internet, the public sphere and prospects for transnational democracy. The Sociological Review, 52 (s1), 2004, p BRANTS, Kees. Politics is E-verywhere. Communications, 27, 2002, p

11 31 CARPINI, Michael X Delli.Gen.com:Youth, Civic Engagement, and the New Information Environment. Political Communication, 17, 2000, p DAHLBERG, Lincoln. Democracy via cyberspace: Mapping the rhetorics and pratices of three prominet camps. New Media & Society, 3(2), 2001,p DAHLGREN, Peter. The Internet and the Democratization of Civic Culture. Political Communication, 17, 2000, p The Internet Public Spheres, and Poliutical Communication: Dispersion and Deliberation. Political Communication, , p FREITAS, Lídia Silva de. A memória polêmica da noção de sociedade da informação e sua relação com a área de informação. Trabalho apresentado no V Cinform, Salvador, UFBA, GARNHAM, Nicholas. 'Information Society' as Theory or Ideology. Information, Communication and Society, vol 3, n. 2, GOMES, Wilson. A política de imagem p. Artigo.. Internet e participação política em sociedades democráticas. HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigação quanto uma categoria da sociedade burguesa. Traduzido por Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984; ENLEPICC, 2005, Salvador IANN, Octavio. A Sociedade Global, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, JESSOP, Bob. The state and the contradicions of the knowledge-driven economy. Disponível em Acessado em MATTELART, Armand. História da Sociedade da Informação. São Paulo: Loyola, NORRIS, Pippa. Preaching To the Converted? Pluralism, Participation and Party Websites. Party Politics, 9(1), 2003, p PUTNAM, Robert D. Bowling Alone: The collapse and Revival of American Community, Simon & Schuster, New York, STANLEY, J Woody; WEARE, Christopher. The effects of Internet Use on Political

12 32 Participation: Evidence From an Agency Online Discussion Forum. Administration Society, 36, 2004, p VERBA, Schlozman; K and Brady, H. Voice and Equality: Civic Voluntarism in American Politics. Harvard University Press, Cambridge, MA, WEBSTER, Frank. The information society revisited. In Lievrouw, L. and Livingstone, S. (orgs): The Handbook of New Media, London: Sage, 2003.

Legislativo On-line: o caso da Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco 1

Legislativo On-line: o caso da Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco 1 Legislativo On-line: o caso da Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco 1 Tenaflae LORDÊLO 2 Resumo O legislativo brasileiro vem aplicando em seus websites tecnológicas hipertextuais, abrindo possibilidades,

Leia mais

REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL

REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL GILBERTO FUGIMOTO 1 LUIZ FERNANDO SARMENTO 2 1 Engenheiro. Agrônomo - UFV e Assessor de Projetos Comunitários - SESC / RJ 2 Economista e Técnico

Leia mais

A CLP COMO CANAL DE INTERAÇÃO Uma análise dos fóruns on line da CLP à luz dos requisitos de Habermas

A CLP COMO CANAL DE INTERAÇÃO Uma análise dos fóruns on line da CLP à luz dos requisitos de Habermas A CLP COMO CANAL DE INTERAÇÃO Uma análise dos fóruns on line da CLP à luz dos requisitos de Habermas Tenaflae LORDÊLO Universidade Federal da Bahia (UFBA) RESUMO: O canal on line da Comissão Permanente

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA.

AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA. GLAUCO ROJAS IVO AVANÇOS E LIMITAÇÕES NA RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA E SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-graduação do Cefor como parte

Leia mais

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação pública (Projeto) PPG-AU/UFBA Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo 1 Contexto e justificativa Odesenvolvimento

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL Façam perguntas por: Telefone: (71) 2105-7900 E-mail: perguntas@tmunicipal.org.br DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Com

Leia mais

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS PRÁTICA 1) TÍTULO Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: O Hotsite da Carta de Serviços ao Cidadão do MDS foi um projeto realizado pela Ouvidoria

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador EDUARDO AMORIM

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador EDUARDO AMORIM PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre a Sugestão nº 3, de 2014, das Jovens Senadoras Jéssica Horta, Joyce Xavier Pacheco e Loysleny França e dos Jovens Senadores

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Manual com normas para solicitação de produção e publicação de material informativo jornalístico no site, lista de

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil

Governo Eletrônico no Brasil Governo Eletrônico no Brasil João Batista Ferri de Oliveira Natal, 18 de Setembro de 2009 II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal Estrutura da apresentação Estrutura organizacional Diretrizes Principais

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011

COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011 COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011 Institui o Programa de Acessibilidade e Mobilidade Urbana, através da adoção de uma linguagem universal no transporte público. Autor: Deputado

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

A Sua Excelência o Senhor Deputado Federal RÔMULO GOUVEIA DD. Presidente da Comissão Especial do PL 1.775/2015

A Sua Excelência o Senhor Deputado Federal RÔMULO GOUVEIA DD. Presidente da Comissão Especial do PL 1.775/2015 Nota Técnica ADPF/ANPR/AJUFE Registro Civil Nacional (RCN) Proposição: PL 1.775/2015 Ementa: Dispõe sobre o Registro Civil Nacional - RCN e dá outras providências. Explicação da Ementa: Revoga a Lei nº

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 1962 Lei nº 4.117, de 27 de agosto de 1962 Institui o Código Brasileiro de Telecomunicações CBT. 1963 Decreto

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO

TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO WANDER MENDONÇA DE OLIVEIRA TEXTOS EM DELIBERAÇÃO CONTROLES DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO Projeto de pesquisa apresentado ao programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

A realização da soberania popular se dá através da participação. É o exercício da cidadania, a expressão popular em suas diversas manifestações.

A realização da soberania popular se dá através da participação. É o exercício da cidadania, a expressão popular em suas diversas manifestações. A realização da soberania popular se dá através da participação. É o exercício da cidadania, a expressão popular em suas diversas manifestações. Como princípio clássico da democracia, a participação popular

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

Plano de trabalho ABMES 2013

Plano de trabalho ABMES 2013 1. Apoio às IES de pequeno porte (eventos presenciais e a distância) Diretoria, Assessoria, Consultores e IES apoiadoras Realizar seminário na com o objetivo de identificar a situação atual das PMIES Contratar

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

EDITAL 36/2014 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL

EDITAL 36/2014 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL EDITAL 36/2014 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

O que é educação a distância (*)

O que é educação a distância (*) O que é educação a distância (*) José Manuel Moran Professor da Universidade Bandeirante e das Faculdades Sumaré-SP Assessor do Ministério de Educação para avaliação de cursos a distância jmmoran@usp.br

Leia mais

Teoria Geral de Administração Pública

Teoria Geral de Administração Pública Teoria Geral de Administração Pública Robert B. Denhardt GRUPO 4 Disciplina Débora Cabral Nazário Fabíola Ferreira de Macedo Rafael Arns Stobbe Governo Eletrônico Professor Aires José Rover Eduardo Costa

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer?

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer? e inclusão digital: o que fazer? Coordenador da Trilha Eduardo Fumes Parajo (CGI.br, Abranet) Oradores iniciais indicados pelo setores do CGI.br: 3º Setor Beá Tibiriçá (Coletivo Digital) e Paulo Lima (Saúde

Leia mais

1. Conhecendo o Moodle... 2

1. Conhecendo o Moodle... 2 Departamento de Educação / 2015 1. Conhecendo o Moodle... 2 1.1 O que é o Moodle?... 2 1.2 Qual o significado de Moodle?... 2 1.3 Para que serve?... 2 2. O Moodle QI... 3 3. Cadastramento... 4 4. Alterando

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris

Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E DOS DIREITOS HUMANOS DIRECÇÃO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Instituições Nacionais de Direitos Humanos à luz dos princípios de Paris As Instituições Nacionais

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Planejamento estratégico, Portal e Redes Sociais. A experiência da Assembleia de Minas

Planejamento estratégico, Portal e Redes Sociais. A experiência da Assembleia de Minas Planejamento estratégico, Portal e Redes Sociais A experiência da Assembleia de Minas Um pouco de história 1979: início da informatização 1995: lançamento do Portal da Assembleia de Minas segunda casa

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Virgilio Almeida Secretário de Política de Informática Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasilia Setembro de 2015 Elementos

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

A OUVIDORIA NAS UNIVERSIDADES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OUVIDORES

A OUVIDORIA NAS UNIVERSIDADES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OUVIDORES A OUVIDORIA NAS UNIVERSIDADES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OUVIDORES Edson Luiz Vismona - Presidente DEMOCRACIA PROCESSO CONTÍNUO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NÃO EXISTE DEMOCRACIA SEM CONFLITOS O SENTIDO

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO EMENTA: Novas tendências na produção, distribuição e consumo da comunicação com vertentes no jornalismo diante nova reconfiguração capitalista em um cenário neoliberal. AVALIAÇÃO: A avalição será feita

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG Natureza Jurídica: Gestão: Finalidade: ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT Coordenar as ações planejadas

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnico n.º 08/07 Relações das obras com indícios de irregularidades graves constantes nos anexos às leis orçamentárias para os exercícios de 2002

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO

CONTAS CONTROLADAS. Sede do TCU em Brasília R I S K M A N A G E M E N T R E V I E W 1 9 DIVULGAÇÃO CONTAS CONTROLADAS TCU adota modelo de governança de TI no ambiente interno alinhando com seu plano estratégico para realizar o controle externo das contas da União com maior eficiência COMO ÓRGÃO RESPONsável

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 285, DE 2011 (Apensado: PL nº 1.328, de 2011)

PROJETO DE LEI N.º 285, DE 2011 (Apensado: PL nº 1.328, de 2011) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N.º 285, DE 2011 (Apensado: PL nº 1.328, de 2011) Acrescenta 3º ao art. 23 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Objetivo da Política... 1 1.2 Princípios e Diretrizes... 1 2 Governança... 2 3 Partes Interessadas... 2 4 Definição de Risco Socioambiental...

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC

Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Gestão do Conhecimento e Governo Como sensibilizar os órgãos governamentais para implementarem a GC Elisabeth Gomes elisabeth.gomes@sbgc.org.br Diretora de relações com o governo - SBGC 2º Fórum de Gestão

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL 1 SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL Toda organização, pública ou privada, independente de seu tamanho, deve constituir uma área para atendimento às demandas dos colaboradores

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 A Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí CEPRO, instituição de caráter técnico-científico,

Leia mais

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR

Coordenadoria de Tecnologia da Informação. Documentos Formais. Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança de Auditoria Interna de TI com AGIL-GPR NOV/2011 1 Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas de Governança de Auditoria Interna de TI...

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL O Comitê de entidades brasileiras que idealizou e organizou

Leia mais

Moodle - CEAD Manual do Estudante

Moodle - CEAD Manual do Estudante Moodle - CEAD Manual do Estudante Índice Introdução 3 Acessando o Ambiente 4 Acessando o Curso 5 Navegando no Ambiente do Curso 5 Box Participantes 5 Box Atividades 5 Box Buscar nos Fóruns 5 Box Administração

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania QUESTIONÁRIO SOBRE A ATUAÇÃO DAS INSTÂNCIAS DE CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA - ICS MANUAL DE

Leia mais