A Credibilidade Percebida em Websites Através do Desenho Gráfico 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Credibilidade Percebida em Websites Através do Desenho Gráfico 1"

Transcrição

1 A Credibilidade Percebida em Websites Através do Desenho Gráfico 1 Daniel Perotoni FELIPPETTI 2 PhDC em Comunicação Audiovisual e Publicidade Universitat Autònoma de Barcelona Espanha RESUMO Com base na teoria do desenho emocional de Norman (2005), este estudo verifica a credibilidade percebida no desenho gráfico de websites em função do tempo de exposição ao usuário. Para tanto, foi realizado um experimento utilizando uma ferramenta online, desenvolvida especificamente para esta tarefa. O experimento consta da visualização controlada de 20 páginas iniciais de lojas online distintas e fictícias, e subsequente avaliação do grau de credibilidade percebida em cada uma destas. Através da utilização de duas amostras distintas de usuários, verificamos a diferença entre os graus de credibilidade percebida a nível visceral e a nível reflexivo dos websites analisados. Ainda que o experimento tenha sido realizado no âmbito de um pré-teste avaliativo da ferramenta, os resultados obtidos se demonstram relevantes. PALAVRAS-CHAVE: internet; web; design; desenho; credibilidade; online; ferramenta. TEXTO DO TRABALHO Introdução A credibilidade já foi amplamente debatida no âmbito da comunicação, especialmente sob a forma de um modelo teórico chamado Source Credibility Theory (SCT), o qual pressupõem que as pessoas tendem a avaliar a credibilidade na comunicação, inicialmente, com base na experiência 3, confiabilidade 4, e dinamismo de quem comunica, e depois através de vários outros critérios (ROBINS & HOLMES, 2008). Dessa forma, a credibilidade percebida é fruto da avaliação simultânea de diferentes dimensões, e, ainda que não haja consenso na discussão sobre quantas e quais seriam as dimensões envolvidas, é fato que a maior parte dos autores está de acordo sobre a posição chave da experiência e da confiabilidade neste processo. 1 Trabalho apresentado no ALCAR RS 2 Titulação, Instituição e . 3 Experiência no sentido de autoridade reconhecida no âmbito em questão. 4 Confiabilidade no sentido de reputação e moral no âmbito em questão. 1

2 O SCT dá margem ao chamado Efeito Halo, um fenômeno reconhecido na literatura de investigação em Marketing, o qual descreve um mecanismo pelo qual as pessoas tendem a replicar as primeiras impressões de um elemento à avaliação dos demais aspectos deste mesmo elemento (TRACTINSKY & LOWENGART, 2007). Isso ajudaria a explicar comportamentos embasados em afirmações do tipo o que é bonito é bom ou se é bonito é credível. Adaptando ao enfoque deste estudo, podemos aplicar este mecanismo a uma situação hipotética, onde, se uma fonte (loja online) é reconhecida como credível, o receptor (usuário) tende a perceber os elementos que compõem sua mensagem (o desenho gráfico do website, por exemplo) como também o sendo. Ainda que as dimensões relativas ao emissor sejam tão representativas na avaliação da credibilidade, as mesmas serão neutralizadas em nosso experimento, uma vez que nosso objetivo é verificar os fatores sob a dimensão do dinamismo. De acordo com Robins e Holmes (2008), na comunicação com base na web os fatores não-escritos como o desenho gráfico e a estética representam um vínculo mais próximo à esta dimensão. Estudos realizados no Persuasive Technology Lab 5 da Universidade de Stanford verificaram que 75% dos entrevistados sinalizaram que consideram mais importante a apresentação do conteúdo do que os atributos do conteúdo/fonte, como base para a avaliação da credibilidade na web (FOGG et al., 2003). Fogg (2003) também defende a teoria da proeminência-interpretação, a qual postula que duas coisas ocorrem quando você avalia a credibilidade na web: primeiramente o usuário percebe algo (proeminência), e logo realiza um julgamento sobre isso (interpretação). Se algum dos dois não ocorre, não há avaliação da credibilidade, uma vez que ambos estão condicionados entre si. Este processo ocorre mais de uma vez ao longo da avaliação, repetindo-se a cada novo aspecto percebido. Para fins deste estudo e levando em conta as teorias verificadas sobre credibilidade na web, utilizaremos uma definição bastante simples deste conceito, onde a credibilidade pode ser definida como crença, ou seja, algo credível uma pessoa, uma informação é algo no qual cremos/acreditamos (FOGG et al., 2001a). Dessa forma, crença se faz similar porém não igual ao conceito de confiança. Além disso, o autor confirma a 5 Laboratório de pesquisa em tecnologia situado na Universidade de Stanford, EUA, amplamente reconhecido por seus estudos sobre como os produtos da computação (softwares, websites, etc.) modificam o modo de pensar e agir das pessoas. O laboratório é dirigido pelo Dr. BJ Fogg, considerado uma autoridade no campo de estudos em credibilidade na web. 2

3 credibilidade como uma qualidade percebida, e não uma propriedade do sujeito em questão. Ou seja, quando falamos da credibilidade de algo, em realidade estamos falando da percepção da credibilidade desta coisa. Objetivos O objetivo geral deste estudo é verificar a existência de diferença no grau de credibilidade percebida no desenho gráfico de websites especificamente lojas online de produtos eletrônicos em dois níveis distintos da teoria de desenho emocional de Norman (2005). Tal teoria subdivide as reações ante o desenho gráfico em três níveis: Visceral: é a reação imediata ao desenho. É instintiva e natural. Trata-se de uma resposta poderosa, sem a necessidade de acessar à porção cognitiva da mente. Aqui dominam as características físicas (apelo visual), avaliados de forma particular. Comportamental: enfoca a utilização do desenho. Preocupa-se com o rendimento, dando importância a quatro componentes principais: função, compreensibilidade, usabilidade, e sensação física. Este nível não será tomando em conta neste estudo. Reflexivo: é o nível mais amplo e envolve aspectos mais profundos. Centra-se na mensagem e no significado do desenho através de relações mais pessoais. Utiliza-se da cognição para reflexionar sobre a atração, somando as experiências individuais que derivam da utilização do desenho em questão. Como o autor afirma que o ser humano avalia o desenho de diferentes modos, julgando uma série fatores, e entre eles a credibilidade, nossa intenção será verificar se as avaliações realizadas a nível visceral são divergentes das efetuadas a nível reflexivo. Adicionalmente, nos propomos a outros dois objetivos secundários. O primeiro seria verificar se os resultados do experimento apresentam algum tipo de tendência, ou seja, por exemplo, que os sujeitos da amostra a nível visceral tendem a avaliar a os desenhos de forma mais positiva que os sujeitos a nível reflexivo. O segundo, como extensão do anterior, seria analisar se as avaliações e um dos níveis costuma resultar valores consideravelmente superiores/inferiores ao outro, denotando uma relação de positivismo/negativismo entre os níveis verificados. 3

4 O experimento O experimento ha sido criado tomando como base a teoria do desenho emocional de Norman (2005). Dessa forma, nosso interesse se centra em verificar se a forma pela qual a credibilidade do desenho gráfico dos websites é percebida muda (ou não) entre os níveis visceral e reflexivo. Em outras palavras, o experimento busca comprovar se o a credibilidade percebida no primeiro impacto do desenho gráfico dos websites é similar à credibilidade posterior à uma análise mais consciente do mesmo. Para tanto, foram neutralizados os fatores adicionais que poderiam influenciar nesta verificação, e descartados os demais fatores que não nos sejam relevantes. Para que o experimento obtivesse êxito foram tomadas os seguintes cuidados: Todas lojas são fictícias e, por consequência, completamente desconhecidas por parte dos participantes. Isso busca neutralizar as dimensões relacionadas à fonte emissora utilizada no processo de avaliação da credibilidade na web, tal como abordado na introdução deste artigo. Além disso, todas as lojas pertencem ao mesmo setor (eletrônicos), de forma a evitar diferentes níveis de afinidade junto ao sujeitos participantes das amostras. Os desenhos gráficos das lojas são completamente distintos entre si, ainda que em conformidade com os princípios básicos de desenho gráfico (proporção, equilíbrio, ritmo, etc.). Dessa forma enfocamos a avaliação do desenho com base na composição gráfica como um conjunto. Todos os sujeitos foram instruídos a simular a mesma situação. O cenário é a necessidade de compra de um cartão de memória digital, tal como os utilizados em câmeras de fotografia e telefones celulares. Fatores relacionados ao produto, como preço, marca, atributos, formas de pagamento e entrega, foram descartados, assumindo-se que todas as lojas ofereciam exatamente o mesmo. Uma vez que as variáveis contaminantes e os ruídos externos foram neutralizados, podemos prosseguir ao enfoque de nossa variável principal: o tempo de exposição. O experimento foi concebido utilizando duas amostras distintas de sujeitos que tiveram que avaliar a credibilidade percebida nos desenhos gráficos das lojas online utilizadas como estímulo. A primeira amostra teve uma fração de segundos para visualizar cada desenho, avaliando-os posteriormente fazendo uso de reações instintivas e pessoais, assumida como o nível visceral na teoria do desenho emocional de Norman (2005). Já a 4

5 segunda amostra foi exposta aos mesmos desenhos que a primeira, porém com o tempo de exposição definido pelo sujeito, o qual deveria clicar em um botão quando desejasse avaliar o desenho visualizado. Dessa forma, este grupo fez uso da cognição e de experiências anteriores, dando origem a avaliações a nível reflexivo. O experimento foi conduzido em âmbito de pré-teste, objetivando uma avaliação inicial da ferramenta desenvolvida. Dessa forma, a seleção dos sujeitos de ambas amostras foi feita por conveniência. Cada amostra esteve composta por 12 sujeitos, todos brasileiros, com idade entre 20 e 40 anos, equilibrados em gênero e com perfis bastante diferenciados. Todos foram convidados a participar por , o qual apresentava brevemente os objetivos do experimento e explicava o funcionamento da ferramenta. Foram tomados os devidos cuidados para não condicionar o comportamento dos participantes. As avaliações foram realizadas de forma remota (Internet) e individual. Todos os sujeitos receberam um link com o endereço da ferramenta, de acordo com a amostra da qual faziam parte. O sujeitos também foram instruídos à efetuar todas as avaliações de forma ininterrupta e sem distúrbios, desligando telefones celulares e desconectando de websites e serviços de mensagens instantâneas (MSN Live, etc.). A ferramenta utilizada foi um aplicativo web projetado especificamente para este fim. Trata-se de uma plataforma de coleta de informações desenvolvida com tecnologia Adobe Flash em combinação com a linguagem de programação web PHP e um banco de dados SQL. Tal aplicativo foi hospedado em um servidor web, podendo ser acessado de qualquer computador com conexão à Internet e que cumpra alguns requisitos bastante básicos de hardware e software, independentemente do sistema operacional. A ferramenta foi estruturada, basicamente, em cinco telas distintas. Na tela inicial (Figura 1) os participantes encontravam uma breve descrição do experimento (complementar às informações disponíveis no de convite para participação), instruções e regras para utilização da ferramenta, e um breve formulário de dados pessoais (nome completo, idade, sexo, e ), ademais das informações de identificação do pesquisador. Uma vez preenchidos os dados solicitados, o sujeito deveria clicar no botão CADASTRAR, recebendo uma mensagem de confirmação de cadastro e acesso ao botão INICIAR, o qual daria acesso à próxima tela. 5

6 Figura 1. A segunda tela (Figura 2) apresentava um quadro branco com uma cruz ao centro. Esta composição tem por objetivo centralizar o olhar do sujeito, além de limpar estímulo visual da tela anterior. Junto à cruz no centro da tela havia uma barra indicativa do carregamento da imagem. Uma vez que a imagem estivesse completamente carregada e pronta para ser visualizada, a barra mudaria para o botão VER IMAGEM, que quando pressionado, levaria à próxima tela. A terceira tela (Figura 3) apresentava um dos desenhos gráficos a serem avaliados, e seu funcionamento era distinto para cada uma das amostras. Para a amostra 1, que deveria avaliar os desenhos à nível visceral, esta tela apresentava o desenho gráfico em questão por apenas 1 segundo, passando automaticamente à tela seguinte, a de avaliação. Inicialmente havíamos programado para que o desenho fosse apresentado por apenas 0,5 segundo, de acordo com a teoria que afirma que o ser humano é capaz de conjugar uma primeira impressão em apenas 50 milissegundos (LINDGAARD et al., 2006), porém, após alguns testes preliminares, verificamos que este tempo era demasiado curto para nosso experimento. Já para a amostra 2, a qual avaliaria à nível reflexivo, a ferramenta não procedia de forma automática à tela seguinte, senão que o próprio sujeito deveria clicar no botão AVALIAR quando desejasse proceder à tela de avaliação. 6

7 Figura 2. Figura 3. A quarta tela (Figura 4) foi muito debatida ao longo do desenvolvimento da ferramenta. Aqui o sujeito deveria avaliar a credibilidade percebida no desenho gráfico visualizado anteriormente respondendo à pergunta Como você se sentiria comprando na loja online anterior?. A avaliação deveria ser realizada selecionando-se um dos valores da escala Likert disponível abaixo da pergunta. Tal escala era composta por cinco valores, tendo como extremos os termos Pouco seguro e Muito seguro. Tanto a escala como os términos utilizados foram modificados durante o desenvolvimento da ferramenta. 7

8 Figura 4. Inicialmente a escala tinha formato de barra deslizante com valores numéricos de 0 a 100%, e a pergunta a ser respondida era Quão seguro você se sentiria comprando na loja online anterior?. Esta primeira opção foi inspirada em uma pesquisa similar, onde Lindgaard e seus colegas (2006) justificam sua utilização afirmando que a distância entre valores pré-concebidos pode não ser percebida de maneira igual, ademais de que a tendência dos sujeitos em favorecer os valores centrais, evitando as extremidades, reduz a possibilidade de encontrar diferenças significativas nos resultados, mesmo quando tais diferenças efetivamente existem. No entanto, uma vez mais nossos testes preliminares demonstraram que o sujeitos achavam tal escala confusa e difícil de utilizar. A mesma foi substituída por uma avaliação por diferencial semântico, a qual também resultou inadequada uma vez que possibilitava respostas negativas nãoaplicáveis à proposta do experimento. Uma vez mais a escala foi modificada, passando a utilizar o formato Likert, porém inicialmente com 10 pontos. A mesma foi reduzida a 5 pontos, de forma a possibilitar um ponto neutro. Finalmente, com a escala definitiva, tal tela foi programada para que, após o sujeito clicar sobre o valor que lhe parecia mais adequado, o mesmo fosse novamente redirecionado para a tela 2, onde um novo desenho gráfico seria carregado. O processo da tela 2 até a tela 4 se repetiria até que todos os 20 desenhos gráficos de forma aleatória fossem avaliados. 8

9 Por fim, uma quinta tela confirmava o final do experimento, agradecendo ao sujeito por sua importante participação nesta pesquisa. Ao clicar no botão FINALIZAR o sujeito encerrava o processo de participação. Todas as avaliações de ambas as amostras foram registradas no banco de dados SQL. A utilização da ferramenta foi acompanhada em segundo plano, de modo a localizar, identificar e solucionar qualquer possível erro ou problema. Uma vez que todos os sujeitos completaram suas avaliações, os dados foram compilados e introduzidos no software de análise estatística SPSS, trazendo à luz os resultados apresentados a seguir. Resultados e discussão Reunimos os todos os resultados em uma única tabela (Tabela 1), de forma a facilitar a visualização e comparação das avaliações efetuadas pelas duas amostras. Além disso, as diferenças verificadas nas avaliações do desenho gráfico das páginas inicias das diferentes lojas online foram representadas em dois gráficos, sendo um composto pela media das avaliações (Gráfico 1) e o outro pela variação entre os valores assignados a cada desenho (Gráfico 2). Comparação entra as avaliações das duas amostras Avaliação média Variação Amostra 1 Amostra 2 Amostra 1 Amostra 2 Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Desenho Média geral Tabela 1. 9

10 A diferença de valores entre as avaliações das amostras representa um valor médio de 0,5 ponto. Tal valor representa uma diferença considerável, levando em conta a utilização de uma escala de apenas 5 pontos. Mesmo com a utilização de amostras de tamanho reduzido, tal diferença se demonstra relativamente constante, sendo exceção em apenas alguns casos extremos ou invertidos, não sendo esta observação generalizável a um universo mais amplo. Como podemos verificar no gráfico abaixo (Gráfico 1), a avaliação do desenho de número 10 é o único caso onde as médias de avaliação de ambas amostras coincidem em um mesmo valor. Já os desenhos 1, 13 e 17 são os únicos onde os sujeitos da amostra 1 avaliaram com notas inferiores às dos sujeitos da amostra 2 ainda que com pouquíssima diferença. Considerando o pequeno número de ocorrências deste gênero, somado à relativa constância dos demais resultados, estas avaliações foram classificadas irrelevantes para os objetivos deste estudo. Valores médios das avaliações Amostra 1 Amostra Desenho 1 Desenho 2 Desenho 3 Desenho 4 Desenho 5 Desenho 6 Desenho 7 Desenho 8 Desenho 9 Desenho 10 Desenho 11 Desenho 12 Desenho 13 Desenho 14 Desenho 15 Desenho 16 Desenho 17 Desenho 18 Desenho 19 Desenho 20 Gráfico 1. Um fato que nos chamou a atenção foi a elevada média das avaliações, resultando em um nível de percepção de credibilidade interessante. As médias gerais de ambas amostras são superiores a 3 novamente, em uma escala de 5 pontos, o que supõe um alto índice de credibilidade percebida nos desenhos gráficos avaliados. Acreditamos que 10

11 isso seja recorrente da seleção de desenhos gráficos coerentes com os princípios básicos do desenho gráfico, ainda que em diferentes níveis. Por outro lado, a análise da variação das avaliações denuncia uma certa disparidade entre as duas amostras, sendo que a amostra 1 apresenta valores mais dispersos que a amostra 2. Além disso, a amostra 1 também apresenta os dois pontos extremos entre todos os resultados, com a menor variação de valores no caso do desenho 11 e a maior no case do desenho 12, como podemos visualizar no gráfico seguinte (Gráfico 2). Variação das avaliações Amostra 1 Amostra Desenho 1 Desenho 2 Desenho 3 Desenho 4 Desenho 5 Desenho 6 Desenho 7 Desenho 8 Desenho 9 Desenho 10 Desenho 11 Desenho 12 Desenho 13 Desenho 14 Desenho 15 Desenho 16 Desenho 17 Desenho 18 Desenho 19 Desenho 20 Gráfico 2. Finalmente, levando em conta nossos objetivos específicos, identificamos uma tendência por parte dos sujeitos da amostra 1 em avaliar os desenhos de forma mais positiva do que os sujeitos da amostra 2. Isto é, as avaliações realizadas a nível visceral tendem a ser mais positivas (maior valor, maior credibilidade), enquanto as avaliações a nível reflexivo tendem a ser não tão positivas, ainda que tampouco possam ser consideradas negativas. Por sua vez, a inexistência de distâncias consideravelmente grandes entre as avaliações das duas amostras, assim como a ausência de valores extremos constantes, demonstram que não há uma relação de positivismo e negativismo entre os dois níveis verificados. Em outras palavras, existe uma tendência de avaliação positiva em ambos níveis, sendo que o fato de um ser mais positivo não influi em que o outro seja mais negativo. 11

12 Considerações finais Conscientes das limitações deste estudo, consideramos os resultados bastante relevantes. Através destes resultados podemos concluir que o nível de credibilidade percebida muda desde o primeiro impacto causado pelo aspecto visual do desenho gráfico dos websites até o momento em que o usuário passa a relacionar-se conscientemente com o mesmo. Fica evidente que o tema em questão merece maior atenção. Mesmo contando com duas amostras de tamanho reduzido, foram identificadas tendências que valem a pena ser comprovadas, assim como a ocorrência de alguns fenômenos assumidos como exceções à regra neste estudo. Aumentar o tamanho das amostras, assim como selecionar sujeitos de perfis melhor definidos, possibilitaria a generalização dos resultados a um universo mais amplo, concedendo mais relevância aos mesmos. Adicionalmente, uma das maiores contribuições deste estudo foi o desenvolvimento da ferramenta de pesquisa utilizada para a coleta dos dados. A mesma demonstra um potencial interessante, ainda que seu aperfeiçoamento seja imperativo. As possibilidades de ampliação e personalização são muitas, habilitando sua utilização inclusive em outros campos de pesquisa. Consolidar sua programação e realizar ajustes em sua interface seriam os passos necessários para um próximo estudo. 12

13 REFERÊNCIAS COLLINS, J. An investigation of web-page credibility. J.Comput.Small Coll.,, USA, v. 21, n. 4, p , FOGG, B.J. Prominence-interpretation theory: explaining how people assess credibility online., New York, NY, USA, p , FOGG, B.J. et al. What makes Web sites credible?: a report on a large quantitative study., New York, NY, USA, p , FOGG, B.J. et al. How do users evaluate the credibility of Web sites?: a study with over 2,500 participants., New York, NY, USA, p. 1-15, FOGG, B. et al. Web credibility research: a method for online experiments and early study results., New York, NY, USA, p , FOGG, B. et al. Elements that affect web credibility: early results from a self-report study., New York, NY, USA, p , KENSICKI, L.J. Building Credibility for Non-Profit Organizations through Webpage Interface Design. Journal of Visual Literacy, v. 23, n. 2, p , LINDGAARD, G. et al. Attention web designers: You have 50 milliseconds to make a good first impression! Behaviour and Information Technology, v. 25, p (12), Number 2/March-April MICHAILIDOU, E.; HARPER, S.; BECHHOFER, S. Visual complexity and aesthetic perception of web pages., New York, NY, USA, p , NORMAN, D.A. El Diseño emocional: por qué nos gustan (o no) los objetos cotidianos Barcelona: Paidós, ROBINS, D.; HOLMES, J. Aesthetics and credibility in web site design. Information Processing & Management, v. 44, n. 1, p , TENA PARERA, D. Diseño gráfico y comunicación Madrid: Pearson Educación, THORLACIUS, L. The Role of Aesthetics in Web Design. Nordicom Review, v. 28, n. 1, p , TRACTINSKY, N., LOWENGART, O. "Web-store aesthetics in e-retailing: a conceptual framework and some theoretical implications", Academy of Marketing Science Review, v. 11, n.1, p. 1-18, TRACTINSKY, N. Mensch und Computer 2005: Kunst und Wissenschaft - Does Aesthetics Matter in Human-Computer Interaction?. München: Oldenbourg,

14 WATHEN, N.C.; BURKELL, J. Believe it or not: Factors influencing credibility on the Web. Journal of the American Society for Information Science and Technology, Faculty of Information and Media Studies, The University of Western Ontario, London, Ontario, Canada N6A 5B7; Faculty of Information and Media Studies, The University of Western Ontario, London, Ontario, Canada N6A 5B7, v. 53, n. 2, p , WONG, W. Fundamentos del diseño Barcelona: Gustavo Gili,

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE

MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual de Aprendizagem MOODLE Caro Aluno, Este Manual tem por finalidade orientá-lo na utilização do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). 1. O que é ambiente virtual de aprendizagem

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

Acif Sistema de Recuperação de Crédito

Acif Sistema de Recuperação de Crédito Acif Sistema de Recuperação de Crédito 2 Índice Acesso ao Sistema...3 Menu de acesso...3 Cadastro de Devedores...4 Cadastro de Dívidas...5 Alertas do sistema...8 3 Acif Sistema de Recuperação de Crédito

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Ferramenta de Fidelização Eletrônica ÁGUA DOCE SABORES DO BRASIL. Interface de OPERAÇÃO (no caixa)

MANUAL DO USUÁRIO. Ferramenta de Fidelização Eletrônica ÁGUA DOCE SABORES DO BRASIL. Interface de OPERAÇÃO (no caixa) MANUAL DO USUÁRIO Ferramenta de Fidelização Eletrônica ÁGUA DOCE SABORES DO BRASIL Interface de OPERAÇÃO (no caixa) http://abf.e-deploy.com.br/operacao/ Versão 1.0 Conteúdo Sobre o programa fidelidade

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Consultório On-line. Tudo o que você precisa em um só lugar.

Consultório On-line. Tudo o que você precisa em um só lugar. Índice 1) Acesso ao sistema 2) Recepção do paciente 3) Envio do atendimento para faturamento: consulta médica ou procedimentos simples 4) Envio do atendimento para faturamento: procedimentos previamente

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES Sumário 1. O que são interações?... 3 2. Posso registrar uma interação com um parceiro?... 3 3. Posso registrar interações para empresas?... 3 4. Quando converso informalmente com um cliente, parceiro

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT.

Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. Tutorial WEB CONTENT MANAGEMENT [WCM] Obtenha benefícios a partir das aplicações customizadas da ADMT. PÁGINA: 2 de 21 Nenhuma parte deste documento pode ser utilizado ou reproduzido, em qualquer meio

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Manoel Cardoso da Silveira Neto 1, Luciana Vescia Lourega 1 1 Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos RS - Brasil Caixa Postal 38 98.130-000

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso

Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso Sumário Introdução_... 3 Detalhamento_... 5 Importação_... 8 Funcionalidades na Intranet_... 13 Geração de nova senha... 14 Lembrete de expiração da senha... 15

Leia mais

Algumas vantagens você só tem quando compra pelo nosso e-commerce. Torne sua vida mais fácil e prática.

Algumas vantagens você só tem quando compra pelo nosso e-commerce. Torne sua vida mais fácil e prática. Facilite sua vida com a Comprando em nossa loja online você só tem a ganhar. Veja nossas vantagens exclusivas, algumas dúvidas frequentes e como otimizar seu tempo. Comece já! Compre em nossa loja virtual

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

Manual de uso do RM Portal Acessando o portal

Manual de uso do RM Portal Acessando o portal Manual de uso do RM Portal Acessando o portal 1º) Deve-se abrir um browser de internet (Utilizar o Internet Explorer para uma melhor visualização do portal). Após o browser aberto, deve-se digitar o endereço

Leia mais

Interação Humano-Computador Golfos e Execução e Avaliação PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Golfos e Execução e Avaliação PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Golfos e Execução e Avaliação PROFESSORA CINTIA CAETANO Teoria de IHC Explicações e previsões fenômenos de interação entre usuário e o sistema. Na década de 80 as fundamentações

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Certidão Online Manual do Usuário

Certidão Online Manual do Usuário JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Certidão Online Manual do Usuário Versão 3.1 Lista de Tópicos - Navegação Rápida CADASTRANDO O USUÁRIO... 3 ACESSANDO O SISTEMA... 5 CERTIDAO SIMPLIFICADA NADA

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

Manual de instalação e configuração

Manual de instalação e configuração SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CAMPUS SÃO BORJA Manual de instalação e configuração Autores Claiton Marques

Leia mais

Documentação do site de imóveis e parcerias RIO ONLINE

Documentação do site de imóveis e parcerias RIO ONLINE Documentação do site de imóveis e parcerias RIO ONLINE Índice 1) Painel de Imóveis...3 1.1) Filtrar...3 1.2) Incluir Imóvel...3 1.3) Alterar Imóvel...4 1.3.1) Não publicar imóvel no site...4 1.4) Fotos

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação. SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL

Universidade Federal de Mato Grosso. Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação. SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL Universidade Federal de Mato Grosso Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL Versão 2.1 2013 Cuiabá MT Sumário Usuários do SISCOFRE... 3 Fases

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Facebook Instruções de integração com PayPal

Facebook Instruções de integração com PayPal Facebook Instruções de integração com PayPal Há diversas formas de utilizar o PayPal para receber pagamentos na plataforma do Facebook. Primeiro você precisa decidir suas necessidades para a opção mais

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 UNIMED BLUMENAU COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO SCCard Sistema de Autorização On-Line O SCCard é a interface web do sistema de autorização da Unimed Blumenau

Leia mais

INSCRIÇÃO ON- LINE A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA ATLETAS E ASSOCIAÇÕES

INSCRIÇÃO ON- LINE A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA ATLETAS E ASSOCIAÇÕES INSCRIÇÃO ON- LINE A PARTIR DE 2015 INDICADO PARA ATLETAS E ASSOCIAÇÕES 2015 ABMN Escrito por Julian Romero jromero@abmn.org.br Revisão: 9 February 2015 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA ACESSO ATRAVÉS DE MATRÍCULA

Leia mais

Especificação dos Requisitos do Software. White Label

Especificação dos Requisitos do Software. White Label Ubee Especificação dos Requisitos do Software White Label Review 0.3 Autores: Airton Sampaio de Sobral (asds@cin.ufpe.br) Alan Gomes Alvino (aga@cin.ufpe.br) Glauco Roberto Pires dos Santos (grps@cin.ufpe.br)

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio?

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? O que é o Facebook? É uma rede social que permite conectar-se com amigos, familiares e conhecidos para trocar informações como fotografias, artigos, vídeos

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML...

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML... 1 Sumário 1 Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 3 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Versão 30/06/2014 FOR Segurança Eletrônica Rua dos Lírios, 75 - Chácara Primavera Campinas, SP (19) 3256-0768 1 de 12 Conteúdo A cópia total ou parcial

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico

Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico Treinamento GVcollege Módulo Acadêmico - Pedagógico 2015 GVDASA Sistemas Pedagógico 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações

Leia mais

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit Presskit Guia Rápido Release 2.0 Presskit 06/07/2009 Sumário 1 Login 2 Login e Senha...................................... 2 Esqueci minha senha.................................. 2 Fale Com o Suporte...................................

Leia mais

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com. Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.br SÃO PAULO - SP SUMÁRIO Introdução... 3 Autenticação no sistema administrativo... 4 Apresentação do sistema administrativo... 5 Gerenciamento

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Elaborado por SIGA-EPT Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Versão Dezembro - 2009 Sumário 1 Introdução 5 1.1 Entrando no sistema e repassando as opções................... 5 1.2 Administração......................................

Leia mais

GERENCIADOR ELETRÔNICO

GERENCIADOR ELETRÔNICO MANUAL DO USUÁRIO GERENCIADOR ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS Sumário Menu Arquivos Empresas Usuárias... 04 Ativar Empresas... 04 Cadastro (Assunto/Documento)... 05 Sair... 07 Menu Digitalização Normal... 08

Leia mais

Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares Locais, Tradicionais e Crioulas

Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares Locais, Tradicionais e Crioulas Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Departamento de Financiamento e Proteção da Produção Seguro da Agricultura Familiar Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares

Leia mais

GUIA DE APOIO AO USUÁRIO

GUIA DE APOIO AO USUÁRIO GUIA DE APOIO AO USUÁRIO COMO ASSOCIAR-SE AO CONPEDI? 1) Acessar o website http://www.conpedi.org.br e, no campo Associação, clicar em Clique aqui para fazer sua associação, conforme abaixo: 2) No campo

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E Unidade III TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM EDUCAÇÃO Prof. Me. Eduardo Fernando Mendes Google: um mundo de oportunidades Os conteúdos abordados neste modulo são: Google: Um mundo de oportunidades;

Leia mais

I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante

I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante I.H.C. Inventário de Habilidades e Competências Manual de Utilização do Contratante Olá, Seja bem-vindo ao Instituto Lexec. Este manual foi criado por nossa equipe para orientar nossos clientes no acesso

Leia mais

Tutorial do Usuário para utilização do Magento e commerce

Tutorial do Usuário para utilização do Magento e commerce Tutorial do Usuário para utilização do Magento e commerce Sumário Introdução...3 Página inicial (Home Page)...3 Criar uma conta ou Entrar (Login)...4 Criar uma Conta...5 Entrar (Login)...6 Minha Conta...7

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

1. Conhecendo o Pligg

1. Conhecendo o Pligg MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Conhecendo o Pligg....................................................... 1 2. Como instalar o Pligg...................................................... 2 3. Como ativar

Leia mais

1. Tela de Acesso pg. 2. 2. Cadastro pg. 3. 3. Abas de navegação pg. 5. 4. Abas dados cadastrais pg. 5. 5. Aba grupo de usuários pg.

1. Tela de Acesso pg. 2. 2. Cadastro pg. 3. 3. Abas de navegação pg. 5. 4. Abas dados cadastrais pg. 5. 5. Aba grupo de usuários pg. Sumário 1. Tela de Acesso pg. 2 2. Cadastro pg. 3 3. Abas de navegação pg. 5 4. Abas dados cadastrais pg. 5 5. Aba grupo de usuários pg. 6 6. Aba cadastro de funcionários pg. 7 7. Pedidos pg. 12 8. Cartões

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1 MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento Toledo PR Página 1 INDICE 1. O QUE É O SORE...3 2. COMO ACESSAR O SORE... 4 2.1. Obtendo um Usuário e Senha... 4 2.2. Acessando o SORE pelo

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC. Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC

Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC. Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC Manual de uso do e-mail institucional FMB e HC 1 FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA SEÇÃO TÉC. AQUIS. E TRAT. DA INFORMAÇÃO DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO - CAMPUS DE BOTUCATU - UNESP BIBLIOTECÁRIA

Leia mais

Análise de Dados do Financeiro

Análise de Dados do Financeiro Análise de Dados do Financeiro Introdução Para reunir em um só local as informações de contas a pagar e receber cadastradas e/ou geradas no sistema TTransp existe a interface de análise de dados do financeiro.

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

Web & Marketing Digital

Web & Marketing Digital Web & Marketing Digital TUTORIAL CRIANDO E GERENCIANDO SUA AGENDA 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...PG 03 1.1. ESTRUTURA DO SISTEMA...PG 03 2. CONHEÇA O MENU DO SISTEMA AGENDA...PG 04 2.1. CRIANDO UMA AGENDA...PG

Leia mais

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Maio 2008 Conteúdo 1 Primeiros passos...4 1.1 Tornando-se um usuário...4 1.2 Acessando o ambiente Moodle...4 1.3 O ambiente Moodle...4 1.4 Cadastrando-se

Leia mais

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 1 COMO ACESSAR O PATRONAGE... 4 2 INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO... 5 3 PRESTAÇÃO DE CONTAS... 8 3.1 Execução do projeto... 8 3.2 Autorização de recursos (remanejamento de recurso,

Leia mais

Portal do Magistrado Guia Rápido Atualização Cadastral e Inclusão de IRPF

Portal do Magistrado Guia Rápido Atualização Cadastral e Inclusão de IRPF Acesso ao Portal do Magistrado Como entrar no Portal do Magistrado: ENDEREÇO ELETRÔNICO: www.portaldomagistrado.tjsp.jus.br/ptlpdb/ Conecte seu Certificado Digital ao computador e informe sua Senha de

Leia mais

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO Antes de criarmos um novo Banco de Dados quero fazer um pequeno parênteses sobre segurança. Você deve ter notado que sempre

Leia mais

Sistema de Logística Reversa

Sistema de Logística Reversa Sistema de Logística Reversa Manual de Utilização do Sistema Índice 1 Acessando o Sistema...3 1.1 Alterando a Senha...3 2 Tela Principal...4 3 Inserindo uma nova solicitação de coleta...4 4 Pesquisar solicitações

Leia mais

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3)

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Antes de iniciar o processo, você precisará um pen drive USB com uma capacidade de 2 GB ou maior. Em caso de dúvida ou dificuldade

Leia mais

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 índice Passo 1: Visão geral 3 Passo 2: Como acessar o Consultório Online? 3 Passo 3: Recursos disponíveis 4 Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 Pesquisa de histórico

Leia mais

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET

COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET COMO REDUZIR O CUSTO NA COMUNICAÇÃO USANDO A INTERNET Ao mesmo tempo em que hoje se tornou mais fácil falar a longa distância, pela multiplicidade de opções e operadoras de telefonia, também surgem as

Leia mais

Sistema de Solicitação de Pagamento de Fornecedores

Sistema de Solicitação de Pagamento de Fornecedores 2014 Sistema de Solicitação Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação FUNDEPAG 04/11/2014 Sumário 1- SPF Solicitação.... 3 1.1 Acesso ao sistema:... 3 1.2 Ferramentas do sistema:... 5 2- Abertura

Leia mais

MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL

MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL MANUAL DE UTILIZAÇÃO TERMO DE USO E COMPROMISSO As informações contidas neste aplicativo Marcos Geodésicos/Referências de Nível, com exceção às monografias (para

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Versão 1.0 18/01/2013 Sempre consulte por atualizações deste manual em nossa página. O Cotação Web está em constante desenvolvimento, podendo ter novas funcionalidades adicionadas

Leia mais

SEGURO DESEMPREGO ON-LINE.

SEGURO DESEMPREGO ON-LINE. SEGURO DESEMPREGO ON-LINE. GERAÇÃO DO ARQUIVO SEGURO DESEMPREGO NO SGRH: Depois de calcular a rescisão, acesse o menu Relatórios > Demissionais > Requerimento SD, selecione o empregado que será gerado

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA A Serveloja soluções empresariais é uma empresa de tecnologia, especialista em consultoria, serviços financeiros e softwares. Disponibilizamos diversas soluções de cobranças

Leia mais

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania

Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Manual de Publicaça o no Blog da Aça o TRIBOS nas Trilhas da Cidadania Sumário Objetivos do Blog... 2 Log-in... 3 Esqueci minha senha... 4 Utilizando o Blog... 5 Encontrando seu Blog... 5 Conhecendo o

Leia mais

Este é o material de apoio oferecido pela Clic Viagem, criado com finalidade de instruir melhor nossos clientes e proporcionar maior segurança,

Este é o material de apoio oferecido pela Clic Viagem, criado com finalidade de instruir melhor nossos clientes e proporcionar maior segurança, Este é o material de apoio oferecido pela Clic Viagem, criado com finalidade de instruir melhor nossos clientes e proporcionar maior segurança, confiança e credibilidade nas negociações. Dicas Essenciais

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server.

Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server. Manual de Instalação e Configuração para Revendedores e Assinantes Virtual Server. Parte I Cadastrando Sites no painel de controle Parte II Criando E-mail Parte III Configurando o Outlook do Cliente Última

Leia mais

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2 Índice 1. Prefácio... 2 2. Requisitos Mínimos... 3 3. Como acessar o SIMEC... 4 4. Solicitando cadastro... 5 5. A Estrutura do Módulo... 7 6. Instruções Gerais... 8 6.1. Diagnóstico/BRASIL PROFISSIONALIZADO...9

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução...2. 2. O que é o Sistema Mo Porã...2. 3. Como acessar o Site Mo Porã...3. 4. Cadastro do Sistema Mo Porã...

ÍNDICE. 1. Introdução...2. 2. O que é o Sistema Mo Porã...2. 3. Como acessar o Site Mo Porã...3. 4. Cadastro do Sistema Mo Porã... ÍNDICE 1. Introdução...2 2. O que é o Sistema Mo Porã...2 3. Como acessar o Site Mo Porã...3 4. Cadastro do Sistema Mo Porã...4 5. Navegando no Site Mo Porã...6 5. 1 Manual de ajuda do sistema Mo Porã...7

Leia mais

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox Manual Software Controle de Jukebox Versão 1.0 2014 Sumário 1. Principais Características... 2 2. Software Controle de Jukebox... 3 I. Tela Principal... 4 1 Data Cobrança... 4 2 Linha... 4 3 Cobrador...

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS

MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS NETPAN CDC VEÍCULOS CONTATO COMERCIAL ÍNDICE 1. ACESSO AO SISTEMA... 3 1.1. ABERTURA DO INTERNET EXPLORER...3 1.2. ACESSO AO NETPAN...3 1.2.1. Tela Inicial...4 1.2.2. Digitando

Leia mais

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Atenção: Os requerimentos de segunda oportunidade, matrícula em disciplina, rematrícula, matrícula em dependência e trabalhos orientados só poderão ser abertos

Leia mais

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA.

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA MANUAL DO VTWEB CLIENT CADASTROS /PEDIDOS E PROCEDIMENTOS Resumo Esse manual tem como o seu objetivo principal a orientação de uso do

Leia mais

Registro 1º PASSO DIGITALIZE SEUS DOCUMENTOS

Registro 1º PASSO DIGITALIZE SEUS DOCUMENTOS Registro 1º PASSO DIGITALIZE SEUS DOCUMENTOS Digitalize todos os documentos necessários para solicitar seu registro, salvando no formato PDF, JPG, PNG ou GIF (tamanho máximo de 1MB por arquivo), com o

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS

MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS NETPAN CDC VEÍCULOS LOJISTA ÍNDICE 1. ACESSO AO SISTEMA... 3 1.1. ABERTURA DO INTERNET EXPLORER...3 1.2. ACESSO AO NETPAN...3 1.2.1. Tela Inicial...4 1.2.2. Digitando o Nome

Leia mais