Uma mesma doença oportuna afeta quase todos os sites da Web atualmente,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma mesma doença oportuna afeta quase todos os sites da Web atualmente,"

Transcrição

1 capítulo um 99,9% dos Websites Estão Obsoletos capítulo 1 Uma mesma doença oportuna afeta quase todos os sites da Web atualmente, desde os websites pessoais mais simples até os de milhões de dólares de grandes empresas. Esperta e traiçoeira, ela passa despercebida por respeitar as normas do mercado. Embora os donos e administradores de sites talvez ainda não tenham notado, 99,9% de todos os websites estão obsoletos. Eles podem parecer e funcionar bem nos navegadores principais e em áreas de trabalho. Entretanto, fora desses ambientes tolerantes a erros, já começam a aparecer os sintomas de decadência. Nas versões modernas do Microsoft Internet Explorer, do Opera Browser da Opera Software, do Safari da Apple, do Chrome do Google e do Mozilla (navegador de código aberto baseado no Gecko cujo código é o que faz funcionar o Firefox e o Camino), layouts cuidadosamente construídos começaram a falhar e comportamentos custosamente projetados começaram a parar de funcionar. Conforme esses navegadores principais evoluem, a performance do site continua a se deteriorar. Em navegadores genéricos, leitores de tela usados por pessoas com necessidades especiais e em muitos telefones celulares, grande parte desses sites jamais funcionou e ainda não funciona, enquanto outros funcionam precariamente. Dependendo de suas necessidades e verbas, os donos e desenvolvedores de sites ou ignoraram esses sites e 13

2 14 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos dispositivos genéricos ou os suportam apenas detectando a presença deles e enviando a eles marcações e códigos específicos, como fazem com os navegadores regulares. A fim de entender a inutilidade desta prática ultrapassada de mercado e observar como ela aumenta o custo e a complexidade do desenvolvimento de sites sem obter o resultado desejado, devemos analisar como os navegadores atuais e compatíveis com padrões se diferem daqueles do passado. Navegadores Atuais e Padrões Web Neste livro, quando me refiro a navegadores atuais ou compatíveis com padrões, quero dizer aqueles que entendem e suportam HTML e XHTML, Folhas de Estilo em Cascata (CSS - Cascading Style Sheets), ECMAScript (mais conhecido como padrão JavaScript ) e o Modelo de Objetos de Documentos (DOM Documents Object Model). Juntos, eles são os padrões que nos permitem lidar com as linguagens de marcação de apresentação, as de script incompatíveis e a obsolescência contínua que elas geram. Dentre esses navegadores estão o Firefox 3.5+ de código aberto, ganhador de uma premiação; o Microsoft Internet Explorer 7/8 e versões maiores para Windows; o Safari 3.0/4.0+ da Apple para Macintosh OS X; o Chrome do Google; e o Opera 9/10+ da Opera Software. (Deixei de fora o seu navegador predileto compatível com padrões? Meu intuito aqui não é desmerecê-lo, mas se eu fosse listar cada navegador compatível com padrões, levaria tanto tempo que este livro ficaria ultrapassado mais rápido que a dança da Macarena). Embora eu use o termo compatível com padrões, lembre-se de que navegador algum é, ou possa vir a ser, 100% compatível com padrões. Mas essa falta de perfeição não é motivo para evitá-los. Milhões de pessoas ainda usam o Internet Explorer 6 para Windows e seu suporte a padrões é decididamente inferior ao do IE7+, do Firefox, do Opera e do Safari. Então se alguns de seus usuários usam o IE6 você não deve usar os padrões? Isso significa que você deve dizer a eles para atualizarem seus navegadores ou caírem fora? É claro que não! A criação de sites usando padrões não precisa e não deve implicar construir apenas para os navegadores mais recentes. Da mesma forma, usar XHTML e CSS não implica ter que dizer aos usuários de navegadores antigos para caírem fora. Mas é improvável que um site devidamente construído com padrões tenha a mesma apresentação, pixel por pixel, no IE6 do que naqueles compatíveis com padrões. De fato, dependendo de seu

3 Um Novo Código para uma Nova Função 15 método de criação, ele pode ter uma aparência totalmente diferente. Até aí tudo bem. Na verdade, alguns designers chegaram a sugerir fornecer aos usuários do IE6 estilos personalizados que aumentem a legibilidade, sem tentar imitar a aparência e a impressão do site quando exibido em navegadores mais compatíveis. Leia o Universal Internet Explorer 6 CSS (www.forabeautifulweb.com/blog/ about/universal_internet_explorer_6_css) de Andy Clarke para mais detalhes sobre essa abordagem. Um Novo Código para uma Nova Função Os navegadores atuais não são simplesmente novas versões dos anteriores. Eles possuem diferenças consideráveis em relação a seus predecessores, e, em muitos casos, foram totalmente reconstruídos do zero. Mozilla Firefox, Camino e navegadores relacionados baseados no Gecko não são versões novas do há muito extinto Netscape 4. O Opera 10 não se baseia no mesmo código de suas versões anteriores. Esses produtos foram criados com códigos novos para executarem novas funções isto é, para aderir da melhor forma possível aos padrões Web discutidos aqui. Em contrapartida, os navegadores da década de 1990 baseavam-se em tecnologias exclusivas (apenas da Microsoft, apenas da Netscape) e davam pouca atenção a padrões. Navegadores antigos ignoravam alguns padrões completamente, mas, paradoxalmente, essa falta de suporte não trazia muitos problemas. Se os navegadores não suportavam o padrão PNG (Portable Network Graphic), por exemplo, então os desenvolvedores não usavam imagens PNG. Sem problema. Mas aqueles navegadores também forneciam suporte parcial e incorreto a alguns padrões. Esse suporte desleixado e inconsistente para padrões básicos, como HTML, criou um ambiente de publicação Web sem restrições. Quando o apêndice de um paciente rompe, um cirurgião qualificado efetua uma apendicectomia. Mas e se em vez disso fosse um residente bêbado que removesse metade do apêndice, sem querer perfurando alguns outros órgãos e se esquecesse de suturar as costas do paciente? Assim era o suporte a padrões em navegadores antigos: incompetentes, incompletos e perigosos à saúde da Web. Se o Netscape 4 ignorava as regras CSS aplicadas ao elemento body e inseria aleatoriamente espaços em branco a cada estrutura de elementos em sua página e o IE4 entendia o body, porém o processava mal, qual tipo de CSS era mais seguro para se usar? Alguns desenvolvedores preferiram não usar CSS

4 16 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos algum. Outros usavam folhas de estilo para compensar as falhas do IE4 e outras diferentes para compensar os erros do Netscape 4. A fim de compensar as diferenças de fontes e widgets de desktop multiplataforma, alguns desenvolvedores também ofereciam diferentes folhas de estilo para variados sistemas operacionais. O CSS não era o único problema: os navegadores não usavam o mesmo HTML, renderização de tabela ou linguagens de script usadas para adicionar interatividade à página. Não havia uma forma 100% correta de suporte para estruturar o conteúdo de uma página, produzir seu design ou adicionar um comportamento sofisticado a um site. Esforçando-se para lidar com cada incompatibilidade que surgia, designers e desenvolvedores criaram versões personalizadas (não padrão) de código e marcação para contornar as deficiências em cada navegador lançado. Era tudo o que podíamos fazer naquela época se quiséssemos criar sites que funcionassem em mais de um navegador ou sistema operacional. Mas hoje esse é o caminho errado a se tomar, pois todos os navegadores atuais suportam os mesmos padrões abertos. Mesmo assim tal prática ainda existe, desnecessariamente devorando recursos, fragmentando a Web e levando a sites que não podem ser acessados ou utilizados. O Problema da Versão A criação de várias versões de marcação e código não padrão é a origem da contínua obsolescência que assola a maioria dos sites e seus donos. Entretanto, embora seja cara, inútil e insustentável, essa prática ainda persiste. Ao se depararem com navegadores que suportam padrões Web, desenvolvedores o tratam como se não suportassem. Com isso, eles criam scripts para detectar o IE6 e, então, fornecem um código voltado apenas para a Microsoft mesmo que o IE6 suporte JavaScript padrão e o DOM.

5 O Problema da Versão 17 Os Riscos da Detecção de Navegadores Todos os navegadores possuem uma string de agente de usuário (UA): uma string curta de texto com o nome, a versão e a plataforma do navegador, que funciona como a impressão digital do navegador. Servidores Web frequentemente registram a UA, fornecendo valiosas informações aos donos de websites que procuram melhor entender seus usuários. Mas muito constantemente eles usam código Javascript ou código do lado do servidor para analisar a sintaxe da string UA de modo que possam fornecer o conteúdo apropriado àquela plataforma ou específico àquela versão. O problema com esse método é que não se pode depender da string UA. Dependendo das configurações de segurança ou de rede do usuário, o navegador talvez não passe sua UA ao servidor, ocasionando falha no script de detecção e impedindo que os usuários cheguem onde desejam. Além disso, todos os navegadores atuais permitem ao usuário alterar a UA, seja através de extensões instaladas pelo usuário (Firefox) ou através de um recurso do próprio navegador (Safari e Opera). Na verdade, antes da versão 8.02, o Opera, por padrão, identificava a si mesmo como Internet Explorer para evitar ser bloqueado pelos sites que só aceitavam o IE. A falibilidade de detecção da UA foi ressaltada no lançamento do Opera 10, o primeiro navegador a conseguir usar dois dígitos. Esse grande avanço foi prejudicado com o lançamento da versão beta, na qual uma legião de scripts mais aperfeiçoados de detecção da versão do navegador não conseguiu registrar o segundo dígito no número de versão do Opera 10, identificando-o como Opera 1. O problema foi tão extenso que a Opera fez alterações para que seu navegador fosse identificado não como Opera 10.00, mas Opera 9.80 (sua versão mais recente, dev.opera.com/articles/view/opera-ua-string-changes). Infelizmente, essa versão do bug do milênio aguarda a todos os navegadores que faltam chegar à versão 10, a não ser que acabemos com a detecção do navegador e adotemos uma abordagem mais voltada para padrões. Com cada versão vem o aumento constante de custos e enigmas. Sites desenvolvidos para especificações de scripts próprios de navegadores já há muito extintos não funcionam nos navegadores e dispositivos atuais. O dono do site deveria destinar mais dinheiro ao problema pedindo aos desenvolvedores que criem uma quinta ou sexta versão do site? E se não houver verba para isso? Muitos usuários não conseguiriam acessar o site.

6 18 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos Mesmo quando adotam tecnologias de padrões Web, como XHTML e CSS, os designers e desenvolvedores que aprendem os métodos antigos costumam não perceber a questão. Em vez de usar padrões para evitar a necessidade de múltiplas versões, muitos desenvolvedores que usam as práticas antigas criam arquivos CSS específicos a variados navegadores e plataformas, o que quase sempre é autodestrutivo. 1.1 Em 1999, o MSN Game Zone (zone.msn.com/blog. asp) tinha três folhas de estilo externas e ainda assim não era exibido adequadamente na maioria dos navegadores. Ele também possuía vários scripts (a maioria in-line), incluindo detecção de navegadores reforçados. Nem assim funcionava ainda. Lançar mais versões de códigos em um problema raramente o resolve. 1.2 Para ser justo, a foto anterior já tem quatro anos. Hoje, a mesma página ficou pior ainda conforme acrescentam mais códigos a ela. Seis anos depois de a Microsoft lançar o primeiro navegador compatível com padrões, algumas partes de seu site ainda não usam os padrões do novo navegador.

7 Venda On-line de Produtos de Segunda Mão 19 Essas práticas desperdiçam tempo e dinheiro, e nenhum desses dois jamais foi uma comodidade. Criar múltiplas versões de sites que ninguém possa bancar não acrescenta nada à causa pela qual tanto tempo e dinheiro foram gastos. Os sites ainda estão com falhas, e os usuários sem acesso. Venda On-line de Produtos de Segunda Mão Analise minuciosamente grandes sites comerciais, como Amazon.com e ebay.com. Observe suas tortuosas marcações não padrão, seus confusos JavaScripts (geralmente com scripts de detecção falhos) e o mal uso do CSS. É surpreendente como esses sites funcionam em qualquer navegador. Geralmente, sites não compatíveis com padrões funcionam em navegadores antigos porque seus donos investiram em ferramentas dispendiosas que aceitam as diferenças entre os navegadores através da criação de múltiplas versões não padrão voltadas para as peculiaridades de sites e plataformas específicos, como descrito anteriormente no tópico O problema da versão. As quatro primeiras gerações do Nestcape Navigator e do Microsoft Internet Explorer não suportavam simplesmente marcações não padrão e códigos específicos para cada navegador; e sim incentivavam a criação de scripts e desenvolvimento de sites desleixados numa batalha doentia para dominar o mercado de navegadores. Entra Lixo, Sai Lixo Antigamente, nos cursos de programação, aprendia-se o chavão Entra lixo, sai lixo. Da mesma forma, dentre as primeiras coisas que um designer gráfico aprende é que a qualidade das fontes primárias determina a eficiência do produto final. Comece com uma resolução alta, uma fotografia de alta resolução e a impressão ou o gráfico da Web ficará bom. Experimente desenvolver com uma fotografia ou uma imagem da Web de baixa resolução que o resultado não valerá a pena. Entra lixo, sai lixo. Mas os navegadores antigos não funcionam assim. Negligentes ao absurdo, eles passam marcações falhas e links errôneos para os arquivos fonte javascript sem pestanejar. E, na maioria dos casos, exibem o site como se tivesse sido desenvolvido corretamente. Essa falta de rigor incentiva designers e desenvolvedores de front-end a criarem hábitos ruins e também estimula desenvolvedores de middleware e back-end a enxergarem tecnologias como XHTML, CSS e JavaScript como primitivas e insignificantes.

8 20 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos Quem não respeita uma ferramenta possivelmente não a usará corretamente. Veja o pedaço de código abaixo extraído de um site caro de e-commerce de uma empresa que compete num mercado acirrado: <td width= 100% ><ont face= verdana,helvetica,arial size= +1 color= #CCCC66 ><span class= header ><b>join now!</b></span> </ont></td> A desnecessária tag ont, é um erro de digitação da obsoleta tag font um erro que ocorre diversas vezes ao longo do site graças a uma ferramenta de publicação altamente eficiente. Erros à parte, essa marcação talvez seja familiar a você e até mesmo pareça com a marcação do seu site. No contexto dessa página Web, é necessário usar apenas: <h3>join now!</h3> Combinado com uma regra adequada numa folha de estilo, a marcação acima (mais simples) fará exatamente o mesmo que a outra marcação excessiva, não padrão e inválida ao mesmo tempo economizando tráfego entre o cliente e o servidor e facilitando a transição para sites mais flexíveis com marcações semânticas (provavelmente incluindo código de máquina legível, como microformatos, discutido mais para frente neste livro). Esse mesmo site de e-commerce possui o seguinte link quebrado em JavaScript: <script language=javascript1.1src= ></script> Outro problema é que o valor de language sem aspas se mistura com a tag source. Em outras palavras, está sendo dito ao navegador para usar uma linguagem de script inexistente ( JavaScript1.1src ). Uma medida racional seria o site apresentar erro alertando aos desenvolvedores que o corrigissem imediatamente. Mas, até recentemente, o JavaScript daquele site funcionava na maioria dos navegadores, perpetuando assim o ciclo de sites mal desenvolvidos. Não é de se estranhar que programadores habilidosos enxergassem os desenvolvedores de front-end como pessoas burras desmerecedoras de respeito ou atenção. Conforme os novos navegadores se tornam mais compatíveis com padrões Web, eles toleram cada vez menos marcações e códigos falhos. Entra lixo, sai lixo está começando a se estabelecer no mundo dos navegadores, tornando o conhecimento sobre padrões Web uma necessidade para todos que projetam ou criam websites.

9 Code forking Pode ser Arriscado Para a Saúde do Site a Longo Prazo 21 Code forking Pode ser Arriscado Para a Saúde do Site a Longo Prazo Mais de uma empresa que conheço gastou mais de um milhão de dólares em um sistema de gerenciamento de conteúdo (SGC) altamente complexo e de uso dificílimo. Os criadores desse gigantesco software defendem seu custo absurdo ressaltando sua capacidade de se esforçar para cobrir todas as versões não padrão de código. Além de desperdiçar enormes quantias insensatas de dinheiro, esta prática afeta a navegabilidade ao inserir conteúdo significativo num mar de tags não semânticas (1.3). O mais injusto é que ela exige demais da paciência de usuários de acesso discado (ou Smartphones), desperdiçando largura de banda com code forking, tabelas muito aninhadas, espaços em pixels e outros truques com imagens e tags e atributos desatualizados ou inválidos. 1.3 Rápido! Encontre informações sobre os modelos e serviços da Volkswagen na confusa e desestruturada marcação HTML do site www. volkswagen.com. Dica: Se teve dificuldades para achá-las, também as terão os leitores e as ferramentas de pesquisa.

10 22 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos O que é Code Forking? Código é o que os programadores escrevem para criar programas, sistemas operacionais ou praticamente tudo no mundo digital. Quando mais de um grupo de desenvolvedores trabalha em um projeto, o código pode se ramificar em várias versões incompatíveis, especialmente se cada grupo estiver tentando resolver um problema diferente ou seguindo outro planejamento. Essa inconsistência e perda de controle centralizado costumam ser vistos como uma coisa ruim. Neste livro, code forking se refere à pratica de criação de múltiplas versões de código incompatível para lidar com as necessidades dos navegadores que não suportam o padrão JavaScript e o DOM (consulte o tópico anterior O problema da versão ). Ao mesmo tempo, code forking desperdiça tanto a largura de banda do dono do site a um custo que mesmo os contadores ultraminuciosos sairiam perdendo na contagem. Quanto maior o site, maior o tráfego e maiores são os gastos com chamadas ao servidor, redundâncias, truques com imagens e marcações e códigos complexos e desnecessários. É difícil alcançar certas metas, mas, de modo geral, se um site reduz seu problema com as marcações em 35%, o mesmo ocorrerá nos custos com a largura de banda. Uma empresa que gasta 2 mil e quinhentos dólares por ano com largura de banda economizaria 875 dólares. Outra que gasta 160 mil dólares por ano economizaria 56 mil dólares. Considere a página inicial do Volkswagen.com (1.4). Apesar do design elegante e objetivo, a marcação da página é analisada como antiquada, cheia de tabelas, com JavaScript ineficazes e páginas de CSS embutidas. Agora, esse não é um site amador: o portal internacional de um das marcas mais conhecidas mundialmente é acessado milhões de vezes por dia. Multiplique cada byte desperdiçado, de truques de design HTML ultrapassados, pelo número gigantesco de páginas visitadas do site. O resultado serão gigabytes de largura de banda que exigem demais dos servidores da Volkswagen e também adicionam custos exorbitantes, como os do Pentágono, em suas despesas gerais. Se a Volkswagen simplesmente substituísse sua marcação ineficiente e devoradora de largura de banda (1.3 e 1.5) por um HTML semântico com CSS e leve, o custo com cada página seria reduzido consideravelmente. E isso aumentaria os lucros da empresa.

11 Code forking Pode ser Arriscado Para a Saúde do Site a Longo Prazo Página inicial da Volkswagen (www.volkswagen.com) completo, chamativo, belo. 1.5 Belo, até que você olhe por debaixo dos panos. Retire a capa da Volkswagen (com o exibir código-fonte de seu navegador) e verá que o código e a marcação usados para criar esse site de aparência simples são inacreditavelmente complexos e confusos.

12 24 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos Então por que a Volkswagen não faz alterações? Aparentemente, a empresa deseja que seu site seja exibido exatamente da mesma forma tanto nos navegadores antigos que não suportam CSS como nos atuais que usam padrões. O irônico é que quem usa um navegador de dez anos atrás, provavelmente pouco se importará com a aparência do site da Volkswagen. E certamente não fará comparações da exibição do site no IE5 com as do Firefox3 ou IE8. Se a equipe de designers da Volkswagen usasse as técnicas expostas neste livro, poderia garantir a acessibilidade ao seu site através de qualquer dispositivo e navegador, independente da aparência do site. Quando uma empresa tão competente como a Volkswagen perde uma oportunidade como essa você logo percebe a mentalidade arraigada dos gerentes de marcas, que tratam a Web como se fosse uma propaganda impressa, e dos desenvolvedores, que colocam a compatibilidade com a versão anterior acima do bom senso, da usabilidade ou de seus próprios lucros. O Custo Indireto de uma Marcação Grande Demais Suponha que o código e a marcação de uma página Web criada com técnicas antigas some 60 K. Digamos que, ao substituir as tags font e outros entulhos de apresentação e de uso exclusivo por uma marcação clara e estruturada e algumas regras CSS, a mesma página possa ficar com 30 K. (Em nossa empresa, geralmente conseguimos diminuir 60 K de marcação para 22 K ou menos. Mas fiquemos com um exemplo mais discreto, que representa economia de 50% de largura de banda). Considere os dois cenários típicos a seguir. Redução no Número de Linhas de T1 Cenário: um website auto-hospedado de um negócio ou de um setor público recebe um fluxo constante de visitantes centenas deles em qualquer momento. Depois de reduzir pela metade o tamanho de sua página ao migrar para uma marcação XHTML clara, enxuta e estruturada, a empresa economiza mil dólares por mês. Como funciona: antes da migração, a fim de atender seu público, o site auto-hospedado exigia quatro linhas de T1, cada uma alugada por 500 dólares ao mês (custo normal de uma linha de T1 de 1,544 megabits por segundo). Após reduzir o tamanho dos arquivos em 50%, a empresa descobre que pode manter a mesma eficiência com apenas duas linhas de T1, removendo, assim, mil dólares por mês de suas despesas operacionais. Além da economia com a largura de banda, haverá também gastos menores nas despesas

13 O Custo Indireto de uma Marcação Grande Demais 25 com hardwares e redução nos custos de armazenagem e no uso de energia de grandes centrais de processamento de dados, tanto no uso de máquinas como no resfriamento da sala. Isso mesmo: os padrões Web podem ajudar a salvar o planeta. Quanto mais simples for a marcação, mais rapidamente ela chegará ao usuário. E, consequentemente, menos do servidor será exigido e menos servidores você terá de comprar, fazer manutenção e substituir. Isso é válido especialmente para servidores que precisam lidar com conteúdo dinâmico de banco de dados ou seja, todos os sites comerciais e a maioria dos conteúdos atuais (até mesmo blogs). Megabytes Excedentes Cenário: com o aumento da popularidade de sites que oferecem hospedagem, os donos desses websites notaram que estão pagando por uma taxa inesperada por ultrapassar o limite mensal de transferência de dados, chegando a centenas, ou mesmo milhares de dólares. Reduzir o tamanho dos arquivos pela metade retorna o custo mensal a uma taxa aceitável e cabível. Como funciona: muitos serviços de hospedagem pagos oferecem a seus usuários um limite gratuito de transferência mensal digamos até 3GB. Não ultrapasse esse limite e você pagará o valor normal de sua mensalidade. Ultrapasse-a e você pagará mais às vezes muito mais. Em um caso vergonhoso, uma empresa de hospedagem cobrou 16 mil dólares de taxas adicionais do designer Al Sacui após seu site não comercial (Nosepilot.com) exceder o limite de sua transferência mensal. Era um caso extremo. Portanto, Sacui conseguiu evitar a cobrança ao provar que a empresa havia mudado os termos de serviço sem notificar seus clientes mas só depois de longas brigas judiciais. Quem arriscaria contas ultrajantes ou brigas judiciais demoradas com uma empresa de hospedagem encrenqueira? Mas é claro que nem toda empresa de hospedagem cobra quantias exorbitantes por exceder o limite de transferência. Seja seu site grande ou pequeno, visitado por milhões ou apenas algumas pessoas, quanto menor forem seus arquivos, menor será o seu tráfego. (Aliás, é melhor escolher uma empresa de hospedagem que ofereça transferência de dados ilimitada ou limitada com um valor fixo para os megabytes excedentes do que uma que penaliza você por ter um site popular).

14 26 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos Marcação Condensada e Compactada Depois de dar uma palestra sobre padrões Web, um desenvolvedor veio até mim e alegou que as vantagens da largura de banda de uma marcação clara e bem estruturada pouco ajudam empresas que compactam seus códigos HTML. Além de condensar sua marcação com o uso de estruturas semânticas, você pode compactá-la digitalmente em alguns ambientes de servidores. Por exemplo, o servidor Web da Apache possui um módulo mod_gzip que comprime o HTML no lado do servidor. Depois, ele é expandido novamente no navegador do usuário. Aquele desenvolvedor que falou comigo me deu um exemplo: Se o Amazon.com desperdiça 40 K em tags font ultrapassadas e outros entulhos, mas usa o mod_gzip para compactá-los para 20K, então a marcação grande demais do Amazon.com representaria menos despesas do que minha palestra (e este livro) sugerira. Mas a Amazon não usa o mod_gzip. De fato, essa ferramenta é pouco usada na Web comercial. Possivelmente devido ao tempo extranecessário para compactar as páginas antes de enviá-las. Entretanto, desconsiderando essa questão, quanto menor for o arquivo, mais compactado ele ficará. Se você economiza dinheiro compactando uma página de 80 K para 40 K, você economizaria muito mais quando uma de 40 K passa para 20 K. Reduzir o processo de exibição de uma página pode parecer pequeno, mas seu valor é acumulativo. Com o tempo, pode diminuir consideravelmente os custos de operação. Economia com largura de banda é apenas uma das vantagens de se escrever marcações claras e bem estruturadas, mas uma apreciada por contadores e clientes. O mesmo vale tanto para quem compacta seus próprios códigos HTML como para o resto de nós.

15 Compatibilidade com a Versão Anterior é uma Mentira 27 Compatibilidade com a Versão Anterior é uma Mentira O que os desenvolvedores querem dizer com compatibilidade com a versão anterior? Se perguntar, eles dirão que é prover suporte a todos os nossos usuários. E que argumento há contra tal dedicação? Na prática, contudo, compatibilidade com a versão anterior significa usar marcação e código exclusivos (ou obsoletos) para garantir que cada visitante obtenha os mesmos resultados, estejam usando o IE2 ou o Opera 10. Teoricamente, compatibilidade com a versão anterior soa ótimo. Mas o custo é alto demais e essa prática sempre se baseou em uma mentira. A verdade é que não há uma compatibilidade com a versão anterior real. Sempre existe uma limitação. Por exemplo, nem o Mosaic (primeiro navegador visual) e nem o Netscape 1.0 suporta layouts com tabelas HTML. Logo, por definição, quem usa esses navegadores antigos jamais poderia obter a mesma visualização de quem usa navegadores mais recentes, como o Netscape 1.1 ou o MSIE2. Desenvolvedores e clientes que alegam se esforçar para obter compatibilidade com a versão anterior inevitavelmente especificam um navegador base, como o Internet Explorer 6, afirmando ser o navegador mais antigo que seus sites suportarão. (Nesse cenário, os usuários do IE5 estão sem sorte). A fim de oferecer suporte ao navegador base, os desenvolvedores inserem em suas marcações artifícios não padrão específicos a determinados navegadores, criam variados scripts para acomodar os navegadores suportados e usam a detecção da UA para prover a cada navegador o código mais adequado. Ao fazer isso, eles aumentam o tamanho das páginas, sobrecarregam o servidor e garantem a continuidade da obsolescência.

16 28 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos Limitar Usuários é Ruim para os Negócios Enquanto algumas empresas prejudicam seus próprios lucros ao tentar garantir que mesmo os navegadores antigos exibam seus sites exatamente como os atuais, outras decidiram que só um navegador importa. Num esforço equivocado para reduzir as despesas, muitos sites são desenvolvidos para funcionar apenas no Internet Explorer, e às vezes só na plataforma Windows. Isso exclui entre 15 e 25% os possíveis visitantes e clientes [1.6, 1.7, 1.8, 1.9, 1.10]. 1.6 A página da KPMG (www. kpmg.com), em 2003, vista no Netscape Navigator. Ou melhor, não vista, graças ao código voltado apenas para o IE. 1.7 O site também ficava inútil no Nestcape 7.

17 Compatibilidade com a Versão Anterior é uma Mentira Bem, se o site fosse apenas para o IE, como ele funcionava no IE5/Mac? Aparentemente, não tão bem assim. 1.9 Mesmo site visto no IE6/ Windows, onde ele finalmente funciona Para ser justo, o site meio que funcionou no Opera 7 para Windows quando o navegador estava configurado para ser identificado como se fosse o IE, caso contrário não funcionaria.

18 30 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos 1.11 Após um novo desenvolvimento, hoje o site da KPMG parece e funciona bem em vários sites e plataformas. Mas ainda há muito espaço para melhorias no código, porém uma marcação atualizada e voltada não apenas para o IE fez toda a diferença. Ver Apêndice - Imagens Coloridas Não fingirei que entendo o modelo de negócios de uma empresa que excluiria um quarto de possíveis clientes. E só a quantidade de clientes perdidos devido a essa abordagem com falta de percepção deveria chocar qualquer dono de negócios racional ou agência não corporativa cuja função seja servir ao público. Segundo estatísticas recentes (www.internetworldstats.com), quase 1,6 bilhões de pessoas usaram a Web em maio de 2009). Faça as contas! Digamos que você não se importe de perder 25% de visitantes do seu site. A prática só IE ainda não faz sentido, pois não há garantias de que o IE (ou mesmo outros navegadores) continuará a dominar a Web. Conforme escrevo essas linhas aqui, o Firefox continua a tomar espaço do IE, e cada vez mais pessoas estão acessando a internet através de dispositivos móveis como o Webkit e o Opera Mini. Conforme a informática se propaga e gera novos mercados, a noção de desenvolvimento exclusivo para qualquer navegador parece cada vez mais coisa do século XX e cada vez menos inteligente. Além disso, como este livro mostrará, padrões possibilitam desenvolver sites para todos os navegadores e dispositivos de forma tão rápida e fácil como se fosse apenas para um. No esforço para prover visualizações idênticas em ambientes incompatíveis de navegadores, nos esquecemos de seu verdadeiro potencial como um meio rico e multicamadas, com acessibilidade para todos. Isso ocorreu quando designers

19 A Cura 31 e desenvolvedores, lutando para cumprirem as demandas de produção durante o curto estouro da internet, aprenderam técnicas altamente falhas de criação de sites, o que nos levou ao estado de obsolescência atual. Mas o período de obsolescência do desenvolvimento Web está sumindo conforme você lê este livro, levando inúmeros sites junto. Se for dono, administrador, designer ou programador de sites, seu site corre perigo também. A Cura Escreva uma vez, publique em todo lugar. A promessa de padrões Web é mais do que um pensamento desejado. Hoje em dia eles já são viáveis através dos métodos que exploraremos aqui. Embora os principais navegadores atuais finalmente suportem esses padrões e métodos, muitos designers e desenvolvedores ainda não estão cientes deles. E novos sites ainda são construídos na areia movediça de códigos e marcações não padrão. Este livro espera mudar isso. Criadas por membros do W3C e outras entidades de padrões e suportadas por todos os navegadores a partir do ano 2000, tecnologias como CSS, XHTML, Javascript e o DOM do W3C possibilitaram que designers conseguissem: y Controle mais preciso no layout, posicionamento e tipografia de navegadores gráficos ao mesmo tempo permitindo que usuários modificassem a exibição conforme suas necessidades. y Desenvolvimento de comportamentos sofisticados que funcionassem em vários navegadores e plataformas. y Cumprimento das regras e instruções de acessibilidade sem comprometer beleza, performance ou sofisticação. y Re-design do site em horas em vez de dias ou semanas, reduzindo os custos e eliminando um trabalho maçante. y Suporte a vários navegadores sem o incômodo e a despesa para se criar versões separadas, e geralmente com pouco ou nenhum code forking. y Suporte a dispositivos não tradicionais e novos, desde gadgets sem-fio e smartphones a dispositivos com saída em Braille e leitores de tela usados por pessoas com deficiências novamente sem o incômodo e a despesa para se criar versões separadas.

20 32 capítulo 1 > 99,9% dos Websites Estão Obsoletos y Provimento de versões impressas sofisticadas de qualquer página Web, geralmente sem criar versões separadas de impressões para o usuário final ou sem depender de sistemas exclusivos de publicação para gerar tais versões. y Transição da salada de tags do passado para a verdadeira Web semântica do presente e do futuro. y Garantia de que sites bem projetados e criados funcionarão corretamente nos navegadores atuais compatíveis com padrões e terão um desempenho aceitável nos navegadores antigos mesmo que a renderização pixel por pixel desses não seja a mesma que nos atuais. y Garantia de que sites bem desenvolvidos continuarão a funcionar nos navegadores e dispositivos futuros, incluindo aparelhos que ainda nem foram imaginados. Essa é a promessa da compatibilidade futura. y... e tem mais, como este livro mostrará. Antes que possamos aprender como os padrões atingem esses objetivos, devemos analisar as técnicas antigas que eles irão substituir e descobrir exatamente como elas perpetuam o ciclo de obsolescência. O Capítulo 2 tratará disso tudo. Não está no clima para ler sobre história? Pule para o Capítulo 3 para um pouco de ar puro.

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

DWEB. Design para Web. CSS3 - Fundamentos. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

DWEB. Design para Web. CSS3 - Fundamentos. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico DWEB Design para Web Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico CSS3 - Fundamentos E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Teste rveras@unip.br Aula 11 Agenda Usabilidade Compatibilidade Validação Resolução de tela Velocidade de carregação Acessibilidade Testes Nesta etapa do projeto do web site

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Website para dispositivos Móveis. O futuro na palma de sua mão!

Website para dispositivos Móveis. O futuro na palma de sua mão! Website para dispositivos Móveis O futuro na palma de sua mão! Sites Mobile A Internet está sendo cada vez mais acessada através de telefones móveis e, como resultado, sites estão recebendo uma boa quantidade

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX

Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Potenciais de Aplicação da Metodologia AJAX Bruno Simões Kleverson Pereira Marcos Santos Eduardo Barrere Associação Educacional Dom Bosco - AEDB RESUMO

Leia mais

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1 Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1 Do inglês, Cascading Style Sheet, ou folha de estilo em cascata. É uma linguagem

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage SeçãodoCorpo Imagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger SeçãodoCorpo Imagens Índice

Leia mais

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5

A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 A WEB COMO PLATAFORMA Revolução do HTML5 Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de TI (GTI034) 06/11/2012 RESUMO Escrever programas de computador,

Leia mais

Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos

Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANA MINISTERIO DA EDUCAÇÃO Câmpus Santa Helena Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos Prof. Me. Arlete

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

PROFISSIONAL. Por que o Comércio Eletrônico em Multicanais é Fundamental para o Sucesso do seu Negócio On-line

PROFISSIONAL. Por que o Comércio Eletrônico em Multicanais é Fundamental para o Sucesso do seu Negócio On-line EDIÇÃO Nº 05 GRÁTIS FOTOGRAFIA PROFISSIONAL SOLUÇÕES PARA IMAGENS DE PRODUTO QUE CONQUISTARAM OS LÍDERES DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Por que o Comércio Eletrônico em Multicanais é Fundamental para o Sucesso

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (O Mercado Mobile no Brasil) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Hospedagem de site. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Hospedagem de site. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Hospedagem de site Prof. Marciano dos Santos Dionizio Hospedagem de site O mundo está preparado para ver suas páginas? O mundo está preparado sim - você, em breve, estará também. Para publicar seu trabalho

Leia mais

Criação de Websites com Dreamweaver. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 50p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Criação de Websites com Dreamweaver. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 50p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Daniel Lima Daniel Lima iniciou sua carreira na área de desenvolvimento desde muito jovem, antes mesmo de ingressar no curso de Sistemas de Informações da Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

AppouWeb?Comparativode possibilidades

AppouWeb?Comparativode possibilidades Capítulo 3 AppouWeb?Comparativode possibilidades Eu sei que esse livro é sobre Web, então há uma clara tendência minha e do grupo de leitores para esse caminho. Mas nem sempre essa escolha é tão simples,

Leia mais

DHTML - MÓDULO 1: VISÃO GERAL E INTRODUÇÃO Por Marcelo Camargo Visão geral

DHTML - MÓDULO 1: VISÃO GERAL E INTRODUÇÃO Por Marcelo Camargo Visão geral Apostila retirada de http://www.ibestmasters.com.br DHTML - MÓDULO 1: VISÃO GERAL E INTRODUÇÃO Por Marcelo Camargo Visão geral A tecnologia DHTML (Dynamic HTML) foi apresentada inicialmente como um conjunto

Leia mais

RELATÓRIO DO GOMOMETER

RELATÓRIO DO GOMOMETER RELATÓRIO DO GOMOMETER Análise e conselhos personalizados para criar sites mais otimizados para celular Inclui: Como os clientes de celular veem seu site atual Verificação da velocidade de carregamento

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4

Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Análise Comparativa dos Recursos e Diferenças das Tecnologias de Programação HTML5 e HTML4 Guilherme Miranda Martins 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Fundamentos de Ajax e o Modelo DOM

Fundamentos de Ajax e o Modelo DOM Fundamentos de Ajax e o Modelo DOM Introdução O Ajax é uma nova tecnologia em ascensão e, embora o Ajax seja incontestavelmente atual, ele não é realmente novo. Ajax não é por si só tecnologia, mas sim

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta quinta edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos o estudo do Windows Mail, um cliente

Leia mais

INDE X AÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS EM 2015 PEL A SIZMEK. Análises de formatos, adoção e desperdício em dispositivos móveis.

INDE X AÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS EM 2015 PEL A SIZMEK. Análises de formatos, adoção e desperdício em dispositivos móveis. INDE X AÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS EM 2015 PEL A SIZMEK Análises de formatos, adoção e desperdício em dispositivos móveis. CO N T EÚ D O S O RESUMO GERAL DO MARKETING PARA MÓVEIS Inventário Móvel CH A

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

Design responsivo para WEB com Bootstrap. Fernando Freitas Costa dovernando@gmail.com Especialista em Gestão e Docência Universitária/UNIFIMES

Design responsivo para WEB com Bootstrap. Fernando Freitas Costa dovernando@gmail.com Especialista em Gestão e Docência Universitária/UNIFIMES Design responsivo para WEB com Bootstrap Fernando Freitas Costa dovernando@gmail.com Especialista em Gestão e Docência Universitária/UNIFIMES Assunto de hoje... Um pouco de História... Por que me preocupar

Leia mais

Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery

Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery Curso de Desenvolvimento Web com HTML5, CSS3 e jquery Professor: Marcelo Ricardo Minholi CH: 32 horas anuais (4 dias de 8 horas) Umuarama - 2012 Fundamentação Teórica: HTML (acrônimo para a expressão inglesa

Leia mais

#Aula Nº 1 Introdução webstandards.samus.com.br Vinicius Fiorio Custódio samus@samus.com.br

#Aula Nº 1 Introdução webstandards.samus.com.br Vinicius Fiorio Custódio samus@samus.com.br #Aula Nº 1 Introdução webstandards.samus.com.br Vinicius Fiorio Custódio samus@samus.com.br #O que é Web Standards? São padrões de desenvolvimento web recomendados pela W3C que visam a implementação de

Leia mais

Maurício Samy Silva. Novatec

Maurício Samy Silva. Novatec Maurício Samy Silva Novatec Sumário Agradecimentos...13 Sobre o autor...13 Introdução...15 Para quem foi escrito este livro... 15 Convenções tipográficas... 16 Site do livro... 18 Capítulo 1 O que é (X)HTML?...20

Leia mais

Análise dos Navegadores de Internet

Análise dos Navegadores de Internet Análise dos Navegadores de Internet Midia Proativa Patos de Minas 2012 Esta análise tem o objetivo de mostrar uma comparação entre os navegadores de internet utilizados atualmente. Queremos deixar claro

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

Checklist para ações de email marketing

Checklist para ações de email marketing Checklist para ações de email marketing Publicado em: 15/01/2008 Planejamento Quais os objetivos da campanha (atrair mais visitantes ao site, aumentar as vendas de produtos, conquistar a fidelidade dos

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Requisitos Técnicos para Usuário Doméstico

Requisitos Técnicos para Usuário Doméstico Requisitos Técnicos para Usuário Doméstico MindQuest Educação S.A. 29/08/2013 1 / 52 AGENDA 1 Requisitos técnicos para usuários domésticos 1.1. Configurações para os Browsers 1.2. Player multimídia 1.3.

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Segurança em PHP. Márcio Pessoa. Desenvolva programas PHP com alto nível de segurança e aprenda como manter os servidores web livres de ameaças

Segurança em PHP. Márcio Pessoa. Desenvolva programas PHP com alto nível de segurança e aprenda como manter os servidores web livres de ameaças Segurança em PHP Desenvolva programas PHP com alto nível de segurança e aprenda como manter os servidores web livres de ameaças Márcio Pessoa Novatec capítulo 1 Conceitos gerais No primeiro capítulo serão

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML Juliano Niederauer Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML de Juliano Niederauer Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos

Leia mais

Manual de Boas Maneiras no E-mail Marketing

Manual de Boas Maneiras no E-mail Marketing Manual de Boas Maneiras no E-mail Marketing Conheça alguns cuidados que você precisa ter quando elaborar suas campanhas de e- mail marketing. A MailSender elaborou para você um breve manual com as melhores

Leia mais

Templates. Existem vários frameworks e softwares para criação de templates, sendo os mais conhecidos: Gantry, T3 e Artisteer.

Templates. Existem vários frameworks e softwares para criação de templates, sendo os mais conhecidos: Gantry, T3 e Artisteer. Templates Template ou tema, é a camada de visão de qualquer programa orientado a objetos, isto mesmo, template não é uma exclusividade do Joomla! Fim manter um padrão de nomenclatura, irei utilizar o termo

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Checklist para ações de E-mail Marketing

Checklist para ações de E-mail Marketing Checklist para ações de E-mail Marketing Os tópicos abordados neste checklist são úteis antes de começar e depois de concluir o desenvolvimento de uma mensagem de email marketing, pois abrange desde os

Leia mais

Yuri Maximiano de Pina Ferreira Paulo Ricardo Magalhães Igor César João Luiz

Yuri Maximiano de Pina Ferreira Paulo Ricardo Magalhães Igor César João Luiz NAVEGADORES WEB UFF Universidade Federal Fluminense Curso de Graduação em Ciência da Computação Informática 1 1º semestre de 2007 Yuri Maximiano de Pina Ferreira Paulo Ricardo Magalhães Igor César João

Leia mais

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo

Desenvolvimento de Sites. Subtítulo Desenvolvimento de Sites Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS

Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS Proposta Comercial para criação e desenvolvimento do novo portal do Município de São José do Norte - RS Abril 2014 - Versão 1.0 A/C da Srta. Cíntia Arbeletche 1 / 5 Escopo & Premissas Essa proposta contempla

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Sumário. Os Créditos que Faltavam Introdução

Sumário. Os Créditos que Faltavam Introdução Sumário Os Créditos que Faltavam Introdução Parte Um: Bem-vindo à Web Capítulo 1: Preparação para a web 9 Apresentação da World Wide Web 9 Navegadores 10 Servidores web 14 Planejamento de um website 15

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução O Gmail possui duas versões distintas para seu webmail: uma mais recente, que é a versão atual utilizada pelos usuários de Gmail, e

Leia mais

e-book E-MAIL MARKETING Como alavancar suas vendas utilizando o de forma eficaz. por Paula Tadeu

e-book E-MAIL MARKETING Como alavancar suas vendas utilizando o de forma eficaz. por Paula Tadeu e-book Como alavancar suas vendas utilizando o E-MAIL MARKETING de forma eficaz. por Paula Tadeu ÍNDICE INTRODUÇÃO... O QUE É E-MAIL MARKETING?... PRÉ-REQUISITOS INDISPENSÁVEIS... MÃOS À OBRA: TRANSFORMANDO

Leia mais

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email

Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Coleção - Análises de email marketing em clientes de email Introdução Nesta sexta e penúltima edição da Coletânea de Análises de Email Marketing em Clientes de Email, apresentamos os estudos dos clientes

Leia mais

Torne seu site mais rápido e venda mais

Torne seu site mais rápido e venda mais Torne seu site mais rápido e venda mais Descubra como criar uma estratégia de aceleração de sites que deixe seu site mais rápido e aumente sua conversão UAIZO A Uaizo ajuda a sua empresa a definir a estratégia

Leia mais

Beijos e sorrisos: thinkinsights. como as campanhas publicitárias da "Art, Copy & Code" ganharam vida O RESUMO

Beijos e sorrisos: thinkinsights. como as campanhas publicitárias da Art, Copy & Code ganharam vida O RESUMO Beijos e sorrisos: como as campanhas publicitárias da "Art, Copy & Code" ganharam vida ESCRITO POR Mike Glaser PUBLICADO Janeiro 2014 O RESUMO A Art, Copy & Code faz parceria com marcas e agências inovadoras

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Conheça Melhor a Loja Virtual ASP

Conheça Melhor a Loja Virtual ASP Proposta para Instalação da Loja Virtual Grátis no mês de junho 2011 O comércio eletrônico não é um bicho de 7 cabeças Ter sua loja virtual, agora ficou mais fácil ainda! Sem necessidade de saber programação

Leia mais

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS.

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS. Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010 Comparativo entre Apache e IIS. Apache versus IIS 1. Resumo Os programas de computador Apache, da fundação Apache

Leia mais

Gestão de Conteúdo de Websites

Gestão de Conteúdo de Websites Gestão de Conteúdo de Websites Sandra Regina da Luz, diretora da DS Consultoria, PhD em administração de empresas pela Flórida Christian University (EUA), Mestre em Administração de Empresas pela USP O

Leia mais

Aula: BrOffice Impress primeira parte

Aula: BrOffice Impress primeira parte Aula: BrOffice Impress primeira parte Objetivos Conhecer as características de um software de apresentação; Saber criar uma apresentação rápida com os recursos de imagem e texto; Saber salvar a apresentação;

Leia mais

A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites

A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites Ciclo de Workshops Departamento de Informática A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites 16 de Dezembro - ESEIG Ricardo Queirós (ESEIG) e Paulo

Leia mais

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C Roteiro Oficina de Aula 10 s Selos de conformidade Prof. Vinícius Costa de Souza www.inf inf.unisinos..unisinos.br/~vinicius outubro de 2006 W3C São um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas

Leia mais

Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader. Sistemas operacionais em concursos públicos

Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader. Sistemas operacionais em concursos públicos Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader Sistemas operacionais em concursos públicos Antes de tudo é importante relembrarmos que o sistema operacional é um tipo de software com a

Leia mais

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla 6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla O mercado brasileiro de dispositivos móveis em breve ganhará mais uma grande plataforma. Anunciado oficialmente

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP VitorFariasCoreia INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Vitor Farias Correia Graduado em Sistemas de Informação pela FACITEC e especialista em desenvolvimento de jogos

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza Técnicas e processos de produção Profº Ritielle Souza INTRODUÇÃO HTML Sigla em inglês para Hyper Text Markup Language, traduzindo daria algo como Linguagem para marcação de Hipertexto. E o que seria o

Leia mais

Melhores Práticas em Design para Email Marketing

Melhores Práticas em Design para Email Marketing Melhores Práticas em Design para Email Marketing Índice 1. Boas práticas na criação de peças de Email Marketing 2. Identificação de Características para Pontuação Anti-Spam 2 1 BOAS PRÁTICAS NA CRIAÇÃO

Leia mais

Os piores erros em Web Design Jacob Nielsen

Os piores erros em Web Design Jacob Nielsen Os piores erros em Web Design Jacob Nielsen Os dez mais chocantes crimes contra os usuários. 1. Busca interna ruim Motores de busca excessivamente literais reduzem a usabilidade uma vez que eles são incapazes

Leia mais

Formatos de Imagem PNG. Universidade Federal de Minas Gerais. Bruno Xavier da Silva. Guilherme de Castro Leite. Leonel Fonseca Ivo

Formatos de Imagem PNG. Universidade Federal de Minas Gerais. Bruno Xavier da Silva. Guilherme de Castro Leite. Leonel Fonseca Ivo Universidade Federal de Minas Gerais Formatos de Imagem PNG Bruno Xavier da Silva Guilherme de Castro Leite Leonel Fonseca Ivo Matheus Silva Vilela Rafael Avelar Alves Belém Belo Horizonte, 5 de maio de

Leia mais

WebDesign. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br. Escola CDI de Videira

WebDesign. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br. Escola CDI de Videira WebDesign Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Entendendo Alguns Conceitos Antes de prosseguirmos é importante ter em mente o motivo pelo

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução Desenvolvimento em Ambiente Web HTML - Introdução O que é HTML? HTML é uma linguagem para descrever a estrutura de uma página WEB. Ela permite: Publicar documentos online com cabeçalhos, texto, tabelas,

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

As Três Camadas da Web

As Três Camadas da Web As Três Camadas da Web 1 Era uma vez... Um rei! meus pequenos leitores diriam imediatamente. Não, crianças, vocês estão errados. Era uma vez um pedaço de madeira... As Aventuras de Pinóquio Você pode fazer

Leia mais

6 Infraestrutura de Trabalho

6 Infraestrutura de Trabalho 6 Infraestrutura de Trabalho Este capítulo tem como objetivo fornecer uma visão geral do ambiente de trabalho encontrado na organização estudada, bem como confrontá-lo com a organização ideal tal como

Leia mais

Construindo Aplicações Web com. PHPe MySQL. André Milani. Novatec

Construindo Aplicações Web com. PHPe MySQL. André Milani. Novatec Construindo Aplicações Web com PHPe MySQL André Milani Novatec Capítulo 1 Bem-vindo ao PHP Seja bem-vindo ao PHP! O primeiro capítulo deste livro aborda como obter, instalar e configurar corretamente o

Leia mais

Utilitários de Sistema Operacional

Utilitários de Sistema Operacional Utilitários de Sistema Operacional Paint utilizado para a criação de desenhos simples e também para a edição de imagens Paint - Ferramentas Ferramentas Selecionar forma livre: seleciona uma área livre:

Leia mais

Manual de Apoio SIBE Atestado Eletrônico. Emissão de Atestado Eletrônico pelo Site da Agência da Previdência Social

Manual de Apoio SIBE Atestado Eletrônico. Emissão de Atestado Eletrônico pelo Site da Agência da Previdência Social Manual de Apoio SIBE Atestado Eletrônico Emissão de Atestado Eletrônico pelo Site da Agência da Previdência Social Índice Hyperlinks Descanse o mouse na frase, aperte sem largar o botão Ctrl do seu teclado

Leia mais

Design para internet. Resolução. - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim.

Design para internet. Resolução. - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim. Resolução - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim. Resolução Exemplo de imagem com diferentes resoluções de Pontos/Pixels por polegada". Em uma imagem digital quanto mais

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Ademir C. Gabardo. Novatec

Ademir C. Gabardo. Novatec Ademir C. Gabardo Novatec Novatec Editora Ltda. 2015. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem

Leia mais

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira Objetivo e desafio do curso Como objetivo o curso irá tornar o aluno capaz de desenvolver um

Leia mais

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 Regras e instruções O objetivo de uma página web é transmitir informação de uma maneira útil

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Estrutura da Página

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Estrutura da Página IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage SeçãodoCorpo EstruturadaPágina ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger SeçãodoCorpo EstruturadaPágina

Leia mais