MODELO DE REFERÊNCIA PARA WEBSITES DE ROCHAS ORNAMENTAIS BRASILEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE REFERÊNCIA PARA WEBSITES DE ROCHAS ORNAMENTAIS BRASILEIRAS"

Transcrição

1 Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação de Apoio Tecnológico a Micro e Pequena Empresa - CATE MODELO DE REFERÊNCIA PARA WEBSITES DE ROCHAS ORNAMENTAIS BRASILEIRAS Hélio Camargo Mendes Marcelo Gonçalves do Amaral Giorgio Francesco Cesare de Tomi Adriano Caranassios Rio de Janeiro Dezembro/2006 CT Comunicação Técnica elaborada para o Congresso ENEGEP XXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 9 a 11 de Outubro de 2006, Fortaleza, Ceará.

2 Modelo de Referência Para Websites de Rochas Ornamentais Brasileiras Hélio Camargo Mendes (EP/USP) Marcelo Gonçalves do Amaral (CETEM/MCT) Giorgio Francesco Cesare de Tomi (EP/USP) Adriano Caranassios (CETEM/MCT) Resumo O presente trabalho apresenta um modelo referencial para desenvolvimento de websites adequado ao segmento de rochas ornamentais brasileiro. A concepção de modelos aderentes às práticas comerciais e ao perfil do mercado, requer um estudo sistemático e a formulação de soluções que harmonizem os múltiplos aspectos envolvidos. O mercado nacional de rochas ornamentais emprega mais de 120 mil trabalhadores e está em franco processo de crescimento, sendo capaz de multiplicar o número de empregos com baixo investimento. Entretanto é um mercado extremamente competitivo, tanto no front interno, quanto no internacional. A Internet pode aumentar a competitividade global desse segmento, criando ou reforçando vantagens competitivas de ordem superior. O segmento já conhece o ebusiness, sendo sua presença no mundo virtual assinalada por quase 200 websites. Mas essa presença não favorece as empresas nacionais - 94% estão ainda na etapa inicial de evolução, focada no marketing institucional. A divulgação institucional na WEB não é suficiente para estabelecer um diferencial de mercado, sendo necessário evoluir para o Comércio Eletrônico. Na China, líder mundial de exportação, 32 % dos websites de rochas ornamentais já realizam ecommerce. Palavras-chave: Rochas Ornamentais; Ebusiness; Website. 1. Introdução O segmento de rochas ornamentais brasileiro congrega 12 mil PMEs (CHIODI, Março 2004), cerca de 73 % micro empresas e de 24 %, pequenas, com base em pesquisa publicada pelo SINDIROCHAS (1999). Tais empresas empregam mais de 120 mil trabalhadores e podem gerar um grande número de novos empregos com baixo investimento (CHIODI, Junho 2004). A Internet é um canal de distribuição de custo relativamente baixo, que amplia a abrangência geográfica, transpõe as diferenças de fuso-horário, expande a carteira de prospects, fideliza clientes e aumenta as vendas das empresas. Esses benefícios são especialmente percebidos pelas pequenas empresas e por aquelas que operam fora dos grandes centros consumidores, como é o caso da maioria das empresas do setor de rochas ornamentais. As maiores empresas brasileiras já perceberam a importância do mercado virtual. Quase 200 utilizam websites no marketing institucional e na promoção de produtos, cerca de 1,5 % do total, segundo pesquisa publicada por Mendes, Damasceno e Caranassios (2005). Mas o modelo de website utilizado não favorece as empresas nacionais. Exibe conteúdo

3 deficiente e não prevê recursos de comércio eletrônico para fidelização de clientes, integração da cadeia produtiva e redução de custos de comercialização. Na China, principal competidor internacional, o ecommerce é praticado em 32 % dos sites de rochas ornamentais (MENDES & OUTROS, 2005). A simples presença na WEB não assegura uma inclusão digital lucrativa. Para promover a competitividade é necessário formular novos conceitos e implementar um modelo mais abrangente em termos de funcionalidades e mais adequado à realidade brasileira. No Capitulo 5 deste trabalho é apresentado um modelo com essas características, fruto de pesquisas realizadas pela equipe do Projeto Emine RO (http://www.eminero.com.br). O Projeto Emine RO ( Rochas Ornamentais ) contempla a pesquisa, a formulação, a implementação e a operação em caráter piloto de um modelo de referência para o ebusiness das empresas brasileiras. Esse projeto é conduzido pelo Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Escola Politécnica da USP e pelo CETEM/MCT (Centro de Tecnologia Mineral, Ministério da Ciência e Tecnologia), em parceria com a CBPM (Companhia Baiana de Pesquisa Mineral) e com o CETEMAG (Centro Tecnológico do Mármore e do Granito - ES), contando com apoio financeiro da FAPESP. 2. Perfil Econômico das Rochas Ornamentais Designa-se por Rochas Ornamentais diferentes tipos de rochas que podem ser extraídos na forma de blocos ou de placas, serrados e polidos para a utilização na construção civil (80%), na decoração (5%) e nas artes (15%) (Peiter e Chiodi, 2001). Em termos comerciais as rochas ornamentais são classificadas como Mármores, Granitos, Ardósias, Quartzitos, etc. A relevância das rochas ornamentais na economia mundial pode ser avaliada pelo montante de recursos monetários movimentados, mais de US$ 40 bilhões em 2002, quando o consumo era estimado em 68 milhões de toneladas e as exportações globais, em 25 milhões de toneladas. Naquele ano, os principais países exportadores eram a China (23%), a Itália (13%), a Índia (10 %), a Espanha (7 %) e o Brasil (6 %) (CHIODI, Junho 2004). Em 2005 o Brasil exportou 2,1 milhões de toneladas, obtendo US$ 790 milhões em divisas e registrando um crescimento de 100 % em relação a 2002 (ABIROCHAS, 2006). O mercado de rochas ornamentais é extremamente competitivo. No âmbito nacional, devido ao grande número de players e ao baixo consumo per capita. Na esfera internacional, pela concorrência com empresas de países que dispõe de mão de obra de baixo custo, como a China e a Índia, bem como com empresas que detêm o domínio tecnológico da produção, como as empresas italianas. A beleza e a variedade das rochas brasileiras constituem diferenciais de nível superior. Mas essas vantagens são neutralizadas com a exportação de materiais primários, que habilita os competidores a processá-los e comercializá-lo, sob a forma de produtos mais elaborados. 3. Fundamentos Conceituais O Modelo das Cinco Forças Competitivas de Porter, referência universal para análise de cenários de competição e formulação de estratégias empresariais, orientou a configuração básica do Modelo de Referência para websites de rochas ornamentais (PORTER, 1980). Porter entende que as estratégias organizacionais devem ir de encontro às oportunidades e ameaças presentes no meio ambiente das organizações. Segundo Porter, 5 forças determinariam o perfil competitivo de um mercado: Fornecedores; Clientes; Novos Competidores; Produtos Substitutos e Competidores Atuais. O objetivo das estratégias organizacionais seria então a modificação dessas forças de modo a melhorar o

4 posicionamento da organização no seu meio ambiente (PORTER, 1980). Em Strategy and the Internet Porter qualificou a Internet como uma tecnologia extremamente importante, mas que deveria ser entendida como um recurso para fortalecimento das estratégias competitivas tradicionais. Ratificando o modelo inicial, Porter esclareceu a influência da Internet sobre as 5 forças competitivas (2001). Com base nesses esclarecimentos e nas peculiaridades do segmento de rochas ornamentais, as características básicas do Modelo de Referência foram definidas como indicado na Tabela1. Fornecedores Clientes Novos Competidores Impactos no Segmento de Rochas Ornamentais A Internet reduz o poder dos fornecedores de matérias primas, compensada pelo acesso a mais clientes. Diminui o poder dos intermediários tradicionais. Propicia igual acesso aos produtores de matérias primas, provocando a vulgarização dos materiais e reduzindo o diferencial dos produtos mais elaborados. Amplia o poder dos fornecedores de matérias primas, reduzindo barreiras de comunicação e aumentando a competição entre distribuidores e produtores de semielaborados. Elimina os agentes de intermediação mais fortes e reduz o poder dos demais. Desloca o poder de negociação em direção ao cliente final. Reduz o custo da troca de fornecedores. Diminui barreiras de entrada, reduzindo a importância dos vendedores, do relacionamento com os canais de distribuição, do acesso a produtores, das instalações físicas, etc. Propicia a entrada de concorrentes oriundos de outros segmentos do mercado. Características do Modelo Portal comunitário para divulgação das empresas e de seus produtos para compradores, formadores de opinião e decisores Diferenciação de materiais através de classificação e exposição de informações sobre qualidade. Desenvolvimento de mecanismo para comparação de produtos. Orientação do ecommerce para clientes regulares. Fidelização de clientes através da usabilidade dos websites e da amplitude dos processos eletrônicos. Cadastramento de visitantes para ações diretas de marketing. Controle dos processos comerciais pelos vendedores e compradores. Exposição institucional e de catálogos de produtos em portais comunitários. Venda pró-ativa mediante oferta de mix diferenciado para cada classe de clientes. Produtos Substitutos Competidores Atuais Expande o mercado de rochas ornamentais, pelo aumento da eficiência do segmento. Facilita a substituição de rochas ornamentais por outras de menor qualidade ou até por materiais de outra natureza. Reduz a diferenciação entre competidores, pela dificuldade em manter exclusividade na oferta de novos materiais e de produtos com características especiais. Intensifica a competição por preços. Amplia os territórios comerciais das empresas, aumentando o número de concorrentes. Reduz custos variáveis de produção e distribuição, aumentando a pressão sobre os preços. Fonte: Adaptado de Porter (2001) por Mendes & Outros (2005) Amplitude dos processos e integração com sistemas existentes, para redução de custos. Classificação e divulgação das propriedades das rochas ornamentais e comparação com outros materiais Utilização de diversos idiomas. Acesso limitado à oferta de produtos, preços e estoques, conforme a classe de clientes. Marketing dos produtos das empresas através de catálogo consolidado. Tabela 1 Características do Modelo de Referência determinadas pelo impacto da Internet no segmento Para especificar o elenco de funcionalidades a implementar no Modelo de Referência, foi utilizado um recurso de sistematização consagrado internacionalmente, o Modelo ICDT ( Information, Communication, Distribution and Transaction ) de Angehrn (1997). Na concepção de Angehrn, a Internet amplia o mercado tradicional criando 4 novos espaços

5 virtuais : a) Espaço de Informação Virtual. Canal para exibição de informações institucionais e divulgação de produtos e serviços para agentes econômicos externos (clientes, profissionais, fornecedores, agentes financeiros, associações, etc.). As funcionalidades relacionadas a esse espaço são usualmente as primeiras a serem desenvolvidas, sendo designadas com títulos como Quem Somos, Catálogo de Produtos, Notícias da Empresa, etc. Embora sejam as funcionalidades de menor custo de desenvolvimento, são ferramentas poderosas para o marketing das empresas, quando bem estruturadas. Uma boa presença no Espaço de Informação, com exibição de informações pertinentes e relevantes, estimula a visitação ao site; b) Espaço de Comunicação Virtual. Canal para os agentes econômicos desenvolverem relacionamentos, trocarem idéias e formarem opinião. Esse canal é instrumentado através de recursos interativos como s, chats, fóruns de debate, conferências virtuais, etc. As funcionalidades mais freqüentes são baseadas no uso de s para obtenção de feedbacks ou para intercâmbio de perguntas e respostas. Enquanto as funcionalidades mais evoluídas permitem implementar debates sobre experiências com produtos e trocas de idéias sobre sua utilização, fidelizando clientes e promovendo a visitação ao site; c) Espaço de Distribuição Virtual. Canal para os agentes econômicos distribuírem produtos e serviços. O foco desse espaço é a distribuição de serviços on line e a oferta de produtos digitalizáveis, como músicas, livros e softwares. A distribuição virtual não se aplica, obviamente, aos produtos derivados de rochas ornamentais, porém alguns autores, como Laurindo, consideram nesse espaço o fornecimento de informações para acompanhamento do processo de distribuição (LAURINDO & LAMOUNIER, 2000); d) Espaço de Transação Virtual. Canal para os agentes econômicos iniciarem e executarem transações relacionadas a negócios. No mundo WEB é prontamente identificado com o ecommerce, sendo utilizado para cotação, pedido de compra, faturamento, pagamento, etc. A venda na Internet amplia o market share das empresas, entretanto, requer equacionamento de questões logísticas, como a resposta ágil às cotações, a disposição de produtos em diferentes regiões geográficas, o despacho de um número crescente de cargas menores, a redução dos prazos de entrega, etc. O Espaço de Transações produz os maiores retornos para as empresas, mas é o espaço que apresenta maior custo de implementação. Por outro lado, demanda estratégias para conciliar os decorrentes conflitos de canal e evitar perdas no faturamento (Leong, 1998). 4. Pesquisas Realizadas Análise de Processos. Pesquisa de campo para investigação dos procedimentos de comercialização, das práticas comerciais, do uso da Internet e da mecânica de interação entre as empresas. Essa investigação foi realizada por meio de entrevistas presenciais e telefônicas com empresários, executivos e profissionais de destaque, tendo sido entrevistadas mais de 30 empresas e entidades atuantes no segmento. A pesquisa revelou um posicionamento comercial conservador, com exposição low profile e

6 sonegação de importantes informações institucionais e de produtos, classificadas como sigilosas. As carteiras de clientes das empresas são relativamente pequenas e ensejam vendas eminentemente passivas, com forte envolvimento dos vendedores e tratamento personalizado de clientes. A aquisição de novos clientes é realizada através de participação em feiras, visitação, propaganda em periódicos e, secundariamente, inserção em sites de catálogos de empresas e de associações empresariais. A Internet é predominantemente entendida como um complemento dos cartões de visita, enquanto os sites são definidos e desenvolvidos pela área técnica ou por terceiros, sem aderências às estratégias empresariais e com alienação de empresários e executivos das empresas. Mapeamento de Websites. Investigação do perfil dos websites brasileiros, utilizando as bases de dados disponíveis em 19 sites, englobando sites gerais de busca, sites com catálogos de empresas, sites de associações empresariais, além de listas de expositores em feiras do segmento. Foram examinados cerca de 180 empresas brasileiras e 510 operantes nos 4 países líderes de exportação, para efeito de benchmark. Os websites amostrados representam indiscriminadamente empresas de toda a cadeia produtiva do setor. Os websites brasileiros são predominantemente operados pelas maiores empresas do setor. A presença das empresas de maior porte representa até 90% do total nacional. Nos demais países investigados essa concentração é menos evidente, sobretudo na Índia, onde 40 % dos sites amostrados são de pequenas e microempresas alojadas no portal India Mart - (MENDES & OUTROS, 2005). A investigação mapeou a utilização de 21 funcionalidades, definidas previamente em pesquisa exploratória. Essas funcionalidades registram a presença dos websites em 3 dos Espaços Virtuais de Angehrn, descritos no capítulo anterior: Informação (VSI); Comunicação (VSC) e Transação (VST). O resumo dos resultados é apresentado na Tabela 2. N o de sites N o de funcionalidades N o médio de funcionalidades freqüência analisados Média Mediana VIS VCS VTS CHINA 144 5,6 5 3,7 100% 1,5 98% 1,6 32% ITALIA 141 5,4 5 3,7 100% 1,4 99% 1,4 19% INDIA 166 4,8 5 2,9 100% 1,8 97% 1,3 16% ESPANHA 64 5,3 5 3,8 100% 1,4 94% 1,3 9% BRASIL 176 5,0 4 3,4 100% 1,6 94% 1,1 14% TOTAL 691 5,2 5 3,4 100% 1,5 96% 1,3 19% Fonte: Mendes & Outros (2005) Tabela 2 Perfil dos Sites de Rochas Ornamentais A Internet estabelece uma vantagem competitiva inicial, que é neutralizada à medida em que seu uso se difunde, passando a ser um recurso comum, mas essencial para as empresas (PORTER, 2001). 14 % dos websites nacionais têm presença no Espaço de Transação, mas a grande maioria está no estágio de simples divulgação institucional (ANGEHRN, Agosto 1997). Os websites dos países líderes de mercado apresentam um perfil mais competitivo, em vista da maior presença de transações comerciais on line. Por outro lado, os sites brasileiros raramente divulgam as informações mais relevantes para a tomada de decisão, como especificações técnicas, estoques disponíveis, prazos de entrega e lotes mínimos, para produtos ou capacidade produtiva, volume de vendas, participação de mercado, para as empresas.

7 Também se observa que há falta de funcionalidades para estimular a visitação continuada, o que pode determinar a perda de oportunidades de venda. 5. Modelo de Referência Um ponto importante para promoção dos produtos de rochas ornamentais brasileiros é a concepção de um portal comunitário, auto-suficiente economicamente e com links para os websites das empresas. Esse portal contaria com recursos para fidelização de visitantes, como conteúdos de qualidade, anúncios classificados e fóruns de debates para estreitamento das relações comunitárias, além de facilidades para colocação de solicitações de cotação à vista de um catálogo consolidado de produtos. Adicionalmente, o Portal alojaria páginas de conteúdo simples para marketing institucional das microempresas, propiciando inclusão digital. Os websites empresariais, por sua vez, deveriam contar com um elenco mínimo de funcionalidades, compreendendo: divulgação institucional objetiva; catálogo promocional de produtos; endereços para contato; para contato; novidades e notícias da empresa; FAQ; cadastro de visitantes; responsabilidade pelo sigilo das informações; rol de revendedores e distribuidores (quando pertinente); portifólio de projetos com aplicação dos produtos da empresa e acesso restrito para clientes e funcionários cadastrados ( login ). Na área restrita seria desenvolvido o comércio eletrônico com os clientes regulares, obedecendo ao modelo indicado na Figura 1. Esse modelo é aderente às práticas comerciais do segmento e não confronta a cultura dominante, enquanto induz uma atitude mais pró-ativa nas atividades de venda. Administração de Vendas Estoque Catálogo de Produtos Oferta Solicitação de Cotação Cotação Pedido de Compra Administração de Vendas Follow-up de Pedidos Cadastro de Clientes Vendedor Comprador Vendedor Comprador Comprador / Vendedor Administração de Vendas Figura 1 Modelo de Comercialização contemplado no Modelo de Referência Os processos contemplados no modelo de referência para o ecommerce, são: a) Catálogo de Produtos. Disponibilização de dados dos produtos comercializados, preferencialmente integrado ao cadastro de produtos do sistema de informação da empresa; b) Cadastro de Clientes. Disponibilização de dados dos clientes, preferencialmente integrado ao cadastro de clientes do sistema de informação da empresa; c) Oferta. Elaboração e publicação de tabelas com sugestões de compra e preços de referência, individualizadas para cada classe de clientes, pertencentes a uma

8 determinada região, representando um poder de compra homogêneo ou de acordo com outros critérios de agrupamento. A Oferta faculta o envio de s promocionais; d) Solicitação de Cotação. Consulta à tabela de Oferta customizada e publicada por um Vendedor que atende a empresa, permitindo a formulação e a publicação de uma Solicitação de Cotação, com especificação de quantidades e local de entrega, bem como o envio automático de um informativo; e) Estoque. Disponibilização de informações sobre os lotes de produtos em estoque, preferencialmente integrada ao sistema de informação da empresa; f) Cotação. Resposta às Solicitações de Cotação com preços, prazos e quantidades compromissadas. A Cotação é formulada com base nos lotes de produtos em estoque e permite o envio automático de informativo para o Comprador; g) Pedido de Compra. Elaboração e publicação de Pedidos de Compra com base em Cotações recebidas e com envio automático de informativo; h) Follow-Up de Pedidos de Compra. Publicação e consulta de informações para acompanhamento da expedição do Pedido de Compra. O Modelo de Referência final contemplará, adicionalmente, recomendações para o design dos websites de modo a promover sua usabilidade e alavancar vendas. Tais recomendações serão formuladas após a conclusão de pesquisa de usabilidade dos sites de rochas ornamentais, em desenvolvimento pela equipe do Projeto EmineRO. 6. Conclusões O Modelo de Referência apresentado para os websites de rochas ornamentais procura promover a competitividade das empresas brasileiras do segmento, focalizando estratégias de promoção da marca Brasil, fidelização de clientes e expansão geográfica do mercado. Os pontos fundamentais do Modelo de Referência são o marketing institucional e de produtos em um Portal Comunitário, além da utilização de ferramental de ecommerce, voltado para os clientes regulares. O Modelo é aderente às práticas comerciais e respeita as peculiaridades das empresas nacionais. Entretanto, os benefícios propiciados pelo Modelo somente serão percebidos quando sua utilização for governada por planos de comercialização factíveis e aderentes às estratégias empresariais. Os websites nacionais foram desenvolvidos, em grande parte, sem comprometimento do nível estratégico das empresas. Desse modo, além da divulgação do Modelo de Referência, é necessário aplicar esforços para sensibilizar e capacitar os dirigentes empresariais para gestão do ebusiness. Um esforço inicial nesse sentido está sendo efetivado pelo projeto Emine RO, mas deve ser continuado pelas agremiações e sindicatos empresariais do segmento. Por outro lado, a inclusão digital é essencial para a promoção das rochas ornamentais brasileiras, pois a maior parte das microempresas do segmento atua no final da cadeia produtiva, produzindo produtos para os clientes finais. Tal inclusão pode ser viabilizada através de um Portal Comunitário, mas demanda o envolvimento dos 8 APLs operantes no segmento (IEL FIEMG, 2002). Finalmente, o Modelo de Referência apresentado é teoricamente adequado para as

9 necessidades nacionais, entretanto deve ser testado em condições de operação regular. Essa verificação está sendo empreendida pelo Projeto Emine Ro, através de um Projeto Piloto envolvendo empresas líderes do mercado. Referências ABIROCHAS, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ROCHAS ORNAMENTAIS. Balanço das Exportações Brasileiras de Rochas Ornamentais em Portal Abirochas [On Line]. Janeiro Disponível em: Informações de Mercado, Exportações de Rocha em 2005 [acesso em 13 de março de 2006]. ANGEHRN, A. A. The Strategic Implications of the Internet. In: 5th European Conference on Information Systems. France: 1997, Anais, vol. III, p Resumo disponível em: Publication/ICDT/strategicImplication.htm [acesso em março de 2006].. Designing Mature Internet Business Strategies: The ICDT Model. European Management Journal. Agosto 1997, vol. 15, n. 4, p Disponível em: icdt %20 documents/icdt-emj-1.pdf [acesso em 5 de maio de 2005]. CHIODI, F.C. Consumo Interno, Perfil de Utilização e Estrutura de Comercialização das Rochas Ornamentais e de Revestimentos no Brasil. Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais. Portal Abirochas [On Line]. Março Disponível em: Informações de Mercado, Estrutura de Comercialização Mercado Interno [acesso em 10 de maio de 2005].. Panorama Setorial das Rochas Ornamentais. Revista Brasil Mineral. Junho 2004, n. 229, p ISSN IEL - FIEMG / MG Instituto Euvaldo Lodi Núcleo regional de Minas Gerais. Identificação, Caracterização e Classificação de Arranjos Produtivos de Base Mineral e de Demanda Significativa no Brasil [On Line]. Setembro Disponível em: [acesso em 10 de maio de 2005]. LAURINDO, F.J.B. & LAMOUNIER, A.E.B. Mapping the Cyber Space: Strategies and Implications. In: VI International Conference on Industrial Engineering and Operations Management. São Paulo: 2000, Anais, p LEONG, A. The ICDT Model: A Framework for e-business. The New Economy Page [On Line] Disponível em: aleong1631/icdt.html. [acesso em 11 de maio de 2005]. MENDES, H.C.; DAMASCENO, E. C. & CARANASSIOS, A. Referências para Inclusão Digital de PMEs de Rochas Ornamentais. In: XI Seminario de Gestión Tecnológica ALTEC Salvador: outubro 2005, Anais [CD ROM] PEITER, C. C. & CHIODI F. C. Rochas Ornamentais no Século XXI; Bases para uma Política de Desenvolvimento Sustentado das Exportações Brasileiras. CETEM/ABIROCHAS. Rio de Janeiro: Abril ISBN PORTER, M. E. Competitive Strategy: Techniques for Analyzing Industries and Competitor. The Free Press. New York: Strategy and the Internet. Harvard Business Review. Mars 2001, p SINDIROCHAS Sindicato da Industria de Rochas Ornamentais, Cal e Calcários do Estado do Espírito Santo. Diagnóstico e Atualização do Cadastro do Setor de Mármores e Granitos do Estado do Espírito Santo. Site Sindirochas [On Line] Disponível em: CENSO.EXE [acesso em 10 de maio de 2005].

PROJETO EMINE: UM MODELO DE EBUSINESS IDEAL PARA O SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS

PROJETO EMINE: UM MODELO DE EBUSINESS IDEAL PARA O SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS IBEROEKA en Mármoles y Granitos 69 PROJETO EMINE: UM MODELO DE EBUSINESS IDEAL PARA O SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS Giorgio de Tomi, Helio Camargo Mendes, Henrique Ceotto Laboratório de Planejamento e Otimização

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO

Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos

Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos Gestão da Tecnologia da Informação em empresas industriais e de serviços: estudo de casos Carlos Augusto Angrisano (USP) carlos.angrisano@poli.usp.br Fernando José Barbin Laurindo (USP) fjblau@usp.br Resumo

Leia mais

O Comércio Eletrônico no Setor de Celulose e Papel

O Comércio Eletrônico no Setor de Celulose e Papel ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 BNDES FINAME BNDESPAR O Comércio Eletrônico no Setor de Celulose e Papel INTRODUÇÃO O desenvolvimento dos mercados possibilitou para o setor papeleiro

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

VITRINE DE EXPORTAÇÃO

VITRINE DE EXPORTAÇÃO VITRINE DE EXPORTAÇÃO Fortaleza - CE 2013 2013. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Ceará - SEBRAE/CE. Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Curso de Capacitação de Agentes Gestores em APLs ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Prof. Gustavo Martins Porto Alegre, abril 2012 Estudo Dirigido Estratégia Competitiva A partir dos conceitos e

Leia mais

A CHINA NO MERCADO DE COMMODITIES MINERAIS: O CASO DAS ROCHAS ORNAMENTAIS

A CHINA NO MERCADO DE COMMODITIES MINERAIS: O CASO DAS ROCHAS ORNAMENTAIS A CHINA NO MERCADO DE COMMODITIES MINERAIS: O CASO DAS ROCHAS ORNAMENTAIS Geól. Cid Chiodi Filho Simexmin 2012 Ouro Preto, MG 22 de Maio de 2012 A EVOLUÇÃO E SITUAÇÃO BRASILEIRA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

ANÁLISE DOS FATORES DE COMPETITIVIDADE NA COMERCIALIZAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS NA INDÚSTRIA BAIANA DE SOFTWARE

ANÁLISE DOS FATORES DE COMPETITIVIDADE NA COMERCIALIZAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS NA INDÚSTRIA BAIANA DE SOFTWARE ANÁLISE DOS FATORES DE COMPETITIVIDADE NA COMERCIALIZAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS NA INDÚSTRIA BAIANA DE SOFTWARE Lucas Santos Cerqueira (UNIFACS ) lucasscerqueira@gmail.com Este estudo pretende analisar os

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

NERY VICENTE MILANI DE ROSSI

NERY VICENTE MILANI DE ROSSI Ilmo. Senhor NERY VICENTE MILANI DE ROSSI Secretário de Estado de Desenvolvimento Assunto: Analise de Competitividade do Setor de Vendas não Presencial do Estado do Espírito Santo. A AVENPES, Cumprindo

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Alinhamento estratégico entre Tecnologia da Informação e Negócio: o caso do comércio eletrônico no varejo brasileiro

Alinhamento estratégico entre Tecnologia da Informação e Negócio: o caso do comércio eletrônico no varejo brasileiro Alinhamento estratégico entre Tecnologia da Informação e Negócio: o caso do comércio eletrônico no varejo brasileiro Ana Elisa Bacha Lamounier Depto. de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

MAC5743 - Computação Móvel

MAC5743 - Computação Móvel Departamento de Ciência da Computação IME/USP MAC5743 - Computação Móvel Cássio Alexandre Paixão Silva Alkmin {cassiop@ime.usp.br} Tema da Monografia: Mobile Commerce 1 Introdução O constante aumento nas

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada

ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada SAP Business Transformation Study Produtos de Usina ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil: Preparando o cenário para Transformação de Negócios com uma Força de Vendas Integrada A ArcelorMittal Brasil

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia

e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia e-business (Negócio Eletrônico): Conceitos e Estratégia DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS Departamento de Automação e Sistemas UFSC Universidade Federal de Santa Catarina SUMÁRIO Conceitos

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Comércio eletrônico: aspectos que devem ser considerados em sua análise/ implementação e avaliação no mercado brasileiro

Comércio eletrônico: aspectos que devem ser considerados em sua análise/ implementação e avaliação no mercado brasileiro Comércio eletrônico: aspectos que devem ser considerados em sua análise/ implementação e avaliação no mercado brasileiro Vagner Luiz Gava (IPT) vlgava@ipt.br Mauro de Mesquita Spinola (EPUSP) mauro.spinola@poli.usp.br

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

FUNDAMENTOS E DESDOBRAMENTOS DA CRISE BRASILEIRA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS

FUNDAMENTOS E DESDOBRAMENTOS DA CRISE BRASILEIRA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS 33 Informe 07/2009 FUNDAMENTOS E DESDOBRAMENTOS DA CRISE BRASILEIRA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista, 1313 8º andar sala

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Inteligência Estratégica em Compras Pesquisa Exploratória - 2010

Inteligência Estratégica em Compras Pesquisa Exploratória - 2010 Inteligência Estratégica em Compras Pesquisa Exploratória - 2010 Arlete Nogueira de Almeida Administradora habilitada em Comércio Exterior Especialização em Processos de Gestão da Informação Compras e

Leia mais

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Pavilhão Amarelo São Paulo BEM VINDO A FRUIT & LOG 2009! ABRINDO

Leia mais

SOLUÇÕES INOVADORAS PARA ORGANIZAÇÃO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR

SOLUÇÕES INOVADORAS PARA ORGANIZAÇÃO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR SOLUÇÕES INOVADORAS PARA ORGANIZAÇÃO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR As políticas públicas implementadas nos últimos anos têm consolidado a importância da agricultura familiar para a segurança

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Programa Tear. Objetivo: Propósito: Sustentabilidade. Competitividade

Programa Tear. Objetivo: Propósito: Sustentabilidade. Competitividade Programa Tear Objetivo: Competitividade & Sustentabilidade Propósito: Implementação da RSE em PMEs da cadeia de valor de empresas estratégicas em 07 setores da economia Parceiros Parceiros do projeto:

Leia mais

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO

O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO O QUE PRECISAMOS SABER PARA IMPLANTAR UM COMÉRCIO ELETRÔNICO BEM SUCEDIDO CONCEITUAÇÃO Comércio Eletrônico (E-Commerce provém de Electronic Commerce ) - termo usado para identificar um sistema comercial

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro

CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro Your trade partner in Brazil CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro AGROEX Viçosa, 27 de abril de 2009 Jorge Duarte de Oliveira Diretor 1 Minas Gerais Facts and

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Brasil IT Emerging Players

Brasil IT Emerging Players Sua empresa tem um produto competitivo e inovador na área de Tecnologia da Informação e Comunicação? Você tem interesse em expandir sua atuação no mercado externo? Está disposto a qualificar sua empresa

Leia mais

"CRM para Inteligência de Mercado

CRM para Inteligência de Mercado "CRM para Inteligência de Mercado Patricia Rozenbojm patricia@consumer-voice.com.br CONSUMER Agenda A Empresa Conceitos CRM como ferramenta para Inteligência de Mercado Benefícios Melhores Práticas A Empresa

Leia mais