O USO DAS CORES NO DESENVOLVIMENTO DE WEBSITES COM FOCO EM USABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DAS CORES NO DESENVOLVIMENTO DE WEBSITES COM FOCO EM USABILIDADE"

Transcrição

1 O USO DAS CORES NO DESENVOLVIMENTO DE WEBSITES COM FOCO EM USABILIDADE Profa. Adriana Morais da SILVA: Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio - Ceunsp Prof. Ricardo Roberto LEME: Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio - Ceunsp Resumo: A usabilidade tem componentes múltiplos e por isso há a necessidade de se definir os seus atributos. Com base nestes atributos, algumas orientações são pertinentes para que a técnica de desenvolvimento com foco em usabilidade, seja alcançada. Para se construir interfaces dentro dos padrões de usabilidade um dos enfoques é o enfoque Artístico, em que o designer deve expressar seu trabalho de forma criativa e harmoniosa, sendo que neste enfoque a cor ganha destaque especial. Palavras-chave: interface, usabilidade, cores. ABSTRACT Usability has multiple components and therefore there is a need to define their attributes. Based on these attributes, some guidelines are relevant to the technical development with a focus on usability is achieved. To build interfaces within the standards of usability of the approaches is the Artistic approach, in which the designer should express his work in a creative and harmonious, and this approach is highlighted especially the color. Keywords: interface, usability, colors

2 1. Introdução Damasceno (2005) relata que desde primórdios da humanidade, a cor vem sendo utilizada como elemento de sinalização. Quando relacionada à cultura de cada sociedade do planeta, uma mesma cor tende a adquirir diversos significados. Estudos revelam que o modo como a cor chega aos nossos olhos, inevitavelmente, faz com que o cérebro ainda perceba significados inconscientes que ela muitas vezes transmite. Dessa forma a cor deve ser utilizada pelos Web Designers que buscam o desenvolvimento com foco em usabilidade, levando-se em consideração para isso alguns aspectos relevantes sobre o uso das cores. Para Farina, Perez e Bastos (2006), a cor é tão importante que pode ser utilizada também como transmissora de informações e como um código que, após ter sido aprendido, pode ser entendido por todas as pessoas. Para qualquer pessoa a cor não pode ser desvinculada de uma estreita relação com os sentimentos. Essa importância pode ser evidenciada através de estudos que demonstram que os indivíduos julgam subconscientemente as pessoas, um ambiente ou um item nos primeiros 90 segundos, e nesse lapso de tempo entre 62% e 90% do julgamento é baseado unicamente na cor. Além disso, quando se trabalha com cores deve-se levar em consideração o

3 mecanismo fisiológico da visão que está associado a um mecanismo de equilíbrio das cores que procurar neutralizar um forte estímulo visual de uma cor com uma impressão de sua cor complementar. Busca-se então com este estudo das cores, demonstrar algumas técnicas de aplicação que favorecem a usabilidade do Site. 2. Teoria das Cores e Percepção das Cores Segundo Damasceno (2005) a cor vem perdendo ao longo dos anos os mitos que possuía desde a antiguidade. Este fato deve-se a grandes gênios que passaram a utilizar a cor em suas obras após pesquisas de seus efeitos de iluminação e impacto sobre as obras. Atualmente os Web designers a utilizam com frequência como elemento diferencial e harmonioso em seus trabalhos. Para Damasceno (2005) é necessário então que o Web designer, antes de escolher as cores para a composição do layout, deve ter em mente dois pontos fundamentais: O tipo de empresa para a qual está construindo o Web site. O público-alvo que esta empresa pretende atingir. Já na visão de Marmion (2005), ao definir a cor ou as cores básicas do Website, deve-se levar mais do que dois pontos

4 fundamentais. Na visão do autor, deve haver uma preocupação com relação: Ao assunto: neste sentido deve-se levantar qual o foco principal do Website, trata-se de um site de diversão ou um site para operadores da bolsa de valores. A plateia: deve-se buscar homogeneizar as informações, detectando se a maioria é do sexo feminino ou masculino. A idade é algo importante, pois o desenvolvimento deve contemplar características daquela faixa etária. Deve-se também identificar quando a plateia é totalmente heterogênea como nos casos de usuários de home banks. o ambiente: o ambiente físico no qual os usuários estão inseridos pode levá-los a algum tipo de estresse. O tipo de luminosidade do ambiente pode ser elevada ou baixa. Além desses pontos especiais, o Web Designer precisa lembrar que a cor, relaciona-se diretamente aos sentimentos humanos e, por isso, também influi fisicamente no organismo, conforme provaram diversos estudos científicos. Na visão de Damasceno (2005), as cores podem agradar ou desagradar o usuário e, por isso, cores escuras devem ser

5 evitadas, pois dificultam a leitura. A autora recomenda a utilização de cores mais claras em grandes áreas, para que se tenha um trabalho harmonioso escolhendo ainda combinações adequadas à empresa e às exigências do mercado atual. Para a autora, algumas recomendações devem ser seguidas, são elas: Cuidado redobrado com as cores roxo e preto: ambas as cores causam fadiga aos olhos do usuário, além de sugerir amadorismo dificultando a leitura. Evite misturar dois tons quentes ou dois tons muito luminosos em áreas maiores: observa-se que esta combinação tende também a ferir a vista. Evite combinar apenas preto e cinza: esta combinação demonstra monotonia e por isso sugere-se uma cor mais alegre para quebrar este efeito. Cuido extremo com alguns tons de verde (verde bandeira e limão): deve-se analisar cuidadosamente esta aplicação que pode até mesmo favorecer o layout quando bem aplicada. O rosa deve ser utilizado restritamente para sites femininos: neste sentido a análise do público alvo é imprescindível. Cores muitos escuras ofuscam a leitura de textos: isto acontece mesmo quando os textos estão em cores claras.

6 3. As cores e os sentimentos Para Marmion (2005), é extremamente importante compreender os significados das cores para definir adequadamente as características de nossas aplicações. Neste sentido Farina, Perez e Bastos (2006), elencam características relacionadas aos sentimentos de algumas cores que devem ser observadas para o desenvolvimento com foco em usuários que podem ser observadas no quadro abaixo. Ao se projetar as interfaces, uma análise primordial deve ser feita onde a pergunta chave deve ser: O que pretendo transmitir ao utilizar determinada cor? Tabela 1.0 Relação de Cores com Sentimento

7 Fonte: Tabela elaborada a partir dos dados constantes em Farina, Perez e Bastos (2006) Segundo Farina, Perez e Bastos (2006) as cores quando aplicadas em ambientes tem funções especificas. Desta forma quando pensamos em uma página Web, estas também passam a ser um ambiente de interação e desta forma as funções devem ser previamente analisadas. Um ambiente pintado de branco cria um clima tranquilo, porém, torna-se monótono e hostil, levando à dispersão. É aconselhável a utilização de outras cores para quebrar a monotonia compondo assim um layout mais interessante. Não se aconselha a colorir um ambiente na cor preta, pois significa escuridão e depressão. Expressa um sentimento

8 universal de agressividade, sinalizando sensações de distância e isolamento. Já o vermelho pode ser usado em ambientes que requeiram um clima de excitação. O vermelho deve aparecer em áreas de pequenas extensões. Em exageros pode estimular reações agressivas e irritantes. Por ser uma cor alegre o amarelo é indicado para todos os ambientes em que o objetivo é comunicação e reflexão. O amarelo eleva o poder de criatividade, ativa o raciocínio e estimula a memória. Considerada a cor da harmonia, o verde é a cor que menos causa fadiga visual, pois é o equilíbrio entre o calor e o movimento do amarelo e a estática e a frieza do azul. Estimula o silêncio e pode ajudar a amenizar o estresse. Rocha e Baranauskas (2005) acreditam no poder do cinza combinado em vários tons, podendo-se assim compor um ambiente bonito e elegante. O azul pode ser usado em superfícies maiores não se tornando cansativo. Aconselha-se a utilização de outras cores para evitar um clima de tristeza e monotonia. O azul tem ainda ação terapêutica. O Violeta e o roxo levam a dispersão, porém estimulam a intuição e a espiritualidade influenciando diretamente nas emoções e humores.

9 Para Rocha e Baranauskas (2005), a cor bege é uma cor bastante versátil e pode ser utilizada para qualquer público-alvo e por isso recomenda-se a sua utilização sem restrições. Para Marmion (2005), é extremamente importante compreender os significados das cores para definir adequadamente as características de nossas aplicações. Trata-se da análise proposta por Damasceno (2005) em que o tipo de empresa para a qual está construindo o Website deve ser objeto de estudo. 4. Percepção das Cores pelos usuários Segundo afirmações de Borges e Souza (2002), as imagens são formadas no cérebro através da retina. A retina é uma área sensível a luz que possuí cones e bastonetes que são células foto receptoras. Os cones são os responsáveis pela percepção de cores enquanto os bastonetes identificam a presença ou ausência de luz. Existem três tipos de cones no olho e cada tipo é capaz de distinguir uma cor: vermelho, verde e azul. A quantidade de cones varia para cada cor. O olho possuí pequenos músculos que fazem com que o cristalino seja modificado focando sobre a retina a imagem do objeto visualizado. A acomodação e convergência do cristalino estão relacionadas à cor que se visualiza, visto que as ondas verde, azul e vermelha convergem à diferentes distâncias da retina.

10 Somente ondas verdes são capazes de serem enviadas diretamente para a retina sem que haja a convergência do cristalino e por esse motivo não causa fadiga visual. Já as ondas vermelhas, também chamadas de ondas longas convergem além da superfície da retina, e desta forma para focalizar objetos avermelhados o cristalino deve tornar-se mais convexo, como se o objeto estivesse próximo do observador. Ao contrário para focalizar objetos azuis, o cristalino fica menos convexo e mais relaxado, como se o objeto estivesse distante. Isto resulta em uma acomodação O resultado da visualização das cores é uma acomodação sofrida pelo mecanismo de visão constante sempre que se tenta visualizar cores diferentes o que comprova o fato de que cores muito intensas na interface podem causar fadiga visual. Ainda na visão de Borges e Souza (2002), quando expomos os usuários a áreas extensas e de cores fortes podemos levar os usuários a um efeito chamado afterimages. Este efeito ocorre, pois o olho exposto 30 segundos fixamente para uma área preenchida com uma única cor, e a seguir mudando-se o foco para uma folha de papel branco; nela se formará uma imagem semelhante em forma, mas nas cores complementares da figura original. A interrupção do movimento dos olhos pode reduzir temporariamente a sensibilidade dos cones produzindo imagens posteriores (afterimages). Isto pode ser facilmente

11 experimentado observando-se por 30 segundos fixamente para uma área preenchida com uma única cor, e a seguir mudando-se o foco para uma folha de papel branco; nela se formará uma imagem semelhante em forma, mas nas cores complementares da figura original. Uma área vermelha poderá ser observada na cor azul porque foi suprimida temporariamente a resposta dos cones para ondas longas (vermelho) e apenas os cones para ondas médias (verdes) e curtas (azuis) estão respondendo normalmente para a luz branca. Este mecanismo fisiológico da visão parece estar associado a um mecanismo de equilíbrio das cores que procurar neutralizar um forte estímulo visual de uma cor com uma impressão de sua cor complementar. Por este motivo, cores com fortes e com alto contraste que podem produzir afterimages devem ser evitadas Diferenças na visualização das cores entre indivíduos Para Borges e Souza (2002), as cores não são percebidas por todas as pessoas da mesma forma. Dados revelam que 8% dos homens europeus e norteamericanos têm algum tipo de deficiência visual para cor. O tipo mais comum de deficiência de cor é o dicromatismo, onde a pessoa não percebe uma das três cores. Existe também um

12 efeito um efeito denominado contraste simultâneo, na qual a percepção da cor de um objeto pode variar em função da cor dos demais objetos da cena e da cor de fundo. Desta forma objetos da mesma cor podem parecer de cores diferentes, ou vice-versa, pela influência de outros objetos na cena. Uma ferramenta que poderia ser utilizada para projetar interfaces de cores pensando nas diferenças de visão entre indivíduos está disponível no site

13 Figura 1.0 Deficiências Visuais na percepção das cores. Fonte: Na figura 4.0, pode-se observar uma lista com os principais distúrbios na visão. O desenvolvedor Web poderá então escolher as cores que utilizará e perceber como esta cor é percebida pelo grupo de usuários portador daquela deficiência. 5. Harmonia das Cores Para Borges e Souza (2002), trabalhar o conceito de harmonia das cores pode facilitar a projeção de interfaces através de combinações de cores que agradem o usuário final. Neste contexto de harmonias é utilizado um círculo cromático

14 desenvolvimento inicialmente por Guilherme Ostwald 1 onde cores frias e quentes se combinam. As harmonias podem ser facilmente identificadas também no site local este em que um sistema facilita a composição dentro de algumas harmonias possíveis, sendo elas: Harmonia Monocromática: onde se utiliza apenas uma cor e suas variantes em tons claros e escuros. Harmonia Análoga: utiliza-se uma cor do círculo cromático e uma ou mais cores vizinhas. Harmonia de Contraste: escolhe-se uma cor do círculo cromático e a cor oposta do círculo. Harmonia Tetra: Nesta harmonia, quatro cores se combinam a fim de conferir uma mistura inovadora. Harmonia Tríade: Nesta harmonia compõem-se a combinação através da junção das cores que correspondem a um triângulo. Um exemplo pode ser observado na figura Guilherme Ostwald professor da Universidade de Leipzig e ganhador do prêmio Nobel

15 Figura 2.0 Harmonia Tríade Fonte: 6. Princípios de Projetos de Cores Segundo Borges e Souza (2002) uma boa orientação para projetar interfaces baseadas em cores seria seguir as recomendações citadas pela ISO (ISO (International Standards Organization). Neste sentido, alguns princípios são citados e evidenciados na sequência. 6.1 Organização da Cor Quanto ao princípio da Organização da Cor, recomendase:

16 Utilizar uma única cor para criar uma coesão visual entre itens relacionados, e usar uma cor padrão para telas de monitores, para documentação e para materiais de treinamento. Em geral, cores similares implicam numa relação entre objetos. O usuário pode sentir o relacionamento ou não entre objetos, pela cor entre espaços e no tempo através da sequência de imagens. Use cores de fundo similares ou iguais para áreas corelatadas. Uma vez estabelecidas às codificações de cores, estas devem ser mantidas em todas as interfaces gráficas e matérias relacionados. Para tanto há a necessidade da utilização de Pantones para a padronização das cores. Figura 3.0 Exemplo de Website onde se aplicou o Princípio de Organização das Cores Fonte:

17 6.3 Economia da Cor Um dos princípios da simplicidade das cores sugere que se usem no máximo três cores, onde seu significado deve ser lembrado. A cor deve ser utilizada para destacar a informação preto-e-branco, desta forma recomenda-se que primeiro projete a tela para trabalhar em preto-e-branco. 6.4 Ênfase das Cores Recomenda-se a utilização de um forte contraste na saturação e na luminosidade, para chamar a atenção do usuário sobre uma informação crítica. O uso de cores brilhantes é recomendado para sinais de alerta ou perigo, bem como para fixar a atenção sobre um ponto. Na página abaixo o vermelho altamente saturado torna-se muito mais eficaz para chamar a atenção do que qualquer outra cor. Neste exemplo a cor esta falando por si só.

18 Figura 7.0 Exemplo de Página onde se aplicou o Princípio de Ênfase das Cores Fonte:

19 4. CONCLUSÃO Mesmo sabendo que o desenvolvimento de Websites sob a ótica da usabilidade vai além da projeção de interfaces com boa aparência, transcendendo o design gráfico, fica evidente que o estudo do uso das cores na interface continuam influenciando positivamente na aceitação do Web Sites pelos usuários, garantindo-se assim uma navegação prazerosa. Vale ressaltar que diante do caráter dinâmico e veloz que a internet apresenta, os projetos precisam ser revistos de tempos em tempos para se adaptarem às exigências emergentes dos usuários de Internet, do mercado de trabalho e da atualização de tecnologias que possam aperfeiçoar o desenvolvimento dos Websites.

20 REFERÊNCIAS BORGES, Roberto Cabral de Mello; SOUZA, Helena Saint P. V. Comunicação Homem-Máquina. Disponível em: <http://www.inf.ufrgs.br/~cabral/ Apostila.IHC.doc>. Acesso em: 5 de novembro de DAMASCENO, Anielle. Webdesign: teoria e prática. Florianópolis: Visual Books, FARINA, Modesto; PEREZ, Clotilde; BASTOS, Dorinho. Psicodinâmica das Cores em Comunicação. Rio de Janeiro: Edgard Blucher, MARMION, Jorge. A utilização de cor no mecanismo de interação com o usuário. Disponível em: <http://www.ibrau.com.br/artigoutilizacaodecor.html>. Acesso em: 27 de janeiro de MARTINEZ, Maria Laura. Um método de webdesign baseado na usabilidade Tese (Doutorado em Engenharia de Sistemas Eletrônicos) Programa e Pós-Graduação em Engenharia de Sistemas Eletrônicos, USP, São Paulo. ROCHA, Heloisa Vieira da; BARANAUSKAS, Cecília C. Design e avaliação das interfaces humano-computador. Campinas: NIED/UNICAMP, <http://www.universodacor.com.br>.acesso em: 11 de novembro de <http://www.coca-cola.com.br>.acesso em: 8 de dezembro de <http://www.nippon-maquinas.com.br>.acesso em: 8 de dezembro de 2009.

Uso de Cores no Design de Interfaces

Uso de Cores no Design de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Uso de Cores no Design de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

USO DE CORES. Ruy Alexandre Generoso

USO DE CORES. Ruy Alexandre Generoso USO DE CORES Ruy Alexandre Generoso DEFINIÇÃO DE COR Cor é a sensação ou o efeito fisiológico que produz a decomposição da luz branca em radiações com larguras variáveis. veis. AS CORES Proporcionam uma

Leia mais

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5%

Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Visão 87% Audição 7% Olfato 3% Tato 1,5% Paladar 1,5% Células fotossensíveis CONES: funcionam com maior nível de iluminação e são responsáveis pela percepção das cores, além da percepção de espaço e de

Leia mais

COMBINAÇÕES EFICAZES DE CORES. Rosa: Sugere doçura, simplicidade, intimidade, feminilidade, criança, calma, afeto, delicadeza.

COMBINAÇÕES EFICAZES DE CORES. Rosa: Sugere doçura, simplicidade, intimidade, feminilidade, criança, calma, afeto, delicadeza. AS CORES NA WEB A percepção da cor é o mais emocional dos elementos específicos do processo visual, ela tem grande força e pode ser usada com muito proveito para expressar e intensificar a informação visual.

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1

Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS. Cores. Prof. Elisa M. Pivetta. Cores 1 Universidade Ferederal de Santa Maria Campus de Frederico Wesphalen - RS Cores Prof. Elisa M. Pivetta Cores 1 COR Adicionam impacto, interesse e informação a documentos e gráficos; Vários fatores envolvidos

Leia mais

TEORIA DA COR NO DESIGN

TEORIA DA COR NO DESIGN FAUPUCRS Design Gráfico TEORIA DA COR NO DESIGN Prof. Arq. Mario Ferreira, Dr.Eng. Outubro, 2011 AXIOMAS NA ÁREA DO DESIGN Projeto cromático tipo e utilização do elemento (objeto ou imagem) tratado; Falta

Leia mais

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico Conceitos de Design Gráfico Disciplina de Design Gráfico Índice Projeto de Design Gráfico Layouts Efetivos Elementos de Design Princípios de Design Referências Bibliográficas 2 Projeto de Design Gráfico

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 3 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA FEVEREIRO 2009 O USO DAS CORES NA PROPAGANDA Não há como negar que, psicologicamente

Leia mais

A COR NO AMBIENTE HOSPITALAR

A COR NO AMBIENTE HOSPITALAR A COR NO AMBIENTE HOSPITALAR Luiz Cláudio Rezende Cunha RESUMO O objetivo desta pesquisa é demonstrar que há diferentes reações, de pacientes e de profissionais que trabalham em um hospital, na presença

Leia mais

Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign

Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Ferramentas de Desenvolvimento do Webdesign Ferramentas de Desenvolvimento, design, cores e Posicionamento de Elementos Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão

Leia mais

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais.

É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão da luz Luz Branca v Prisma Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Anil Violeta COR Luz: As Primárias São: Vermelho, Verde e Azul

Leia mais

Gramática Visual. A cor

Gramática Visual. A cor Gramática Visual A cor Os nossos olhos são sensíveis às radiações luminosas propagadas no espaço em diferentes comprimentos de onda, o que origina a percepção visual das coisas que nos rodeiam. Temos

Leia mais

A Cor nos Ambientes Construídos. Para Desenvolver um Plano de Cores

A Cor nos Ambientes Construídos. Para Desenvolver um Plano de Cores A Cor nos Ambientes Construídos A medicina psicossomática já constatou as fortes relações entre os ambientes construídos e as atitudes mentais e emocionais dos usuários. Para Desenvolver um Plano de Cores

Leia mais

A COR NOS INTERIORES

A COR NOS INTERIORES IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design / Escola Superior de Publicidade e Marketing Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica A COR NOS INTERIORES José

Leia mais

Comunicação Visual em Bibliotecas

Comunicação Visual em Bibliotecas UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Comunicação Visual em Bibliotecas Profa. Marta Valentim Marília 2014 Conceitos Comunicação:

Leia mais

Luz e fotografia considerações iniciais

Luz e fotografia considerações iniciais Introdução às técnicas de iluminação luz e óptica 67 Luz e fotografia considerações iniciais Tudo o que a câmera registra se deve à luz, natural ou artificial. A própria palavra "fotografia" significa

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Cor. A cor como ferramenta. Cor-luz. Percepção das cores. Cor-pigmento. Tipos de estímulos cromáticos. Design & Percepção 2. www.ligiafascioni.com.

Cor. A cor como ferramenta. Cor-luz. Percepção das cores. Cor-pigmento. Tipos de estímulos cromáticos. Design & Percepção 2. www.ligiafascioni.com. Design & Percepção 2 A cor como ferramenta Lígia Fascioni Cor Disco de Newton Muita gente estudou o fenômeno: Filósofos (Platão) Matemáticos (Newton) Físicos (Kepler, Descartes) Escritores (Goethe) Pintores

Leia mais

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um modo que justifique e reafirme o seu lugar na vanguarda.

Leia mais

COR. Prof. Wanderlei Paré

COR. Prof. Wanderlei Paré DEFINIÇÃO Cada fonte, ou centro luminoso, emana ondas ou vibrações que, impressionando a vista, dão precisamente a sensação de luz. A luz se compõe de uma mistura de radiações de diferentes longitudes

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental

Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Como Vemos as Coisas? Uma proposta para o ensino de Óptica e Visão no Ensino Fundamental Valéria Rangel Soares Uma pergunta antiga que desde a Antiguidade despertou a curiosidade do homem. Como Vemos as

Leia mais

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez

Visão humana. Guillermo Cámara-Chávez Visão humana Guillermo Cámara-Chávez Cor e visão humana Como uma imagem é formada? Uma imagem é formada a partir da quantidade de luz refletida ou emitida pelo objeto observado. Cor e visão humana Cor

Leia mais

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA

WEB DESIGN LAYOUT DE PÁGINA LAYOUT DE PÁGINA Parte 3 José Manuel Russo 2005 17 Introdução A Cor é um factor importante em qualquer Web Site não só reforça a identificação de uma Empresa como o ambiente psicológico pretendido (calma,

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

Índice de Refração. c v. n =

Índice de Refração. c v. n = Refração da Luz O que é Refração? É um fenômeno que ocorre quando a luz passa através da interface que separa dois meios, ocasionando uma mudança na direção de propagação. A refração é decorrente de uma

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 10 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

serifa inclinada TIMES serifa

serifa inclinada TIMES serifa TIPOLOGIA NA WEB CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS Com Serifa Serifa é uma haste perpendicular que termina os principais traços de algumas letras. Este recurso facilita a leitura de textos impressos, aglutiando

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

1. A CUTÍCULA E a parte externa. E formada de células planas ou escamas que se posicionam como telhas de um teto.

1. A CUTÍCULA E a parte externa. E formada de células planas ou escamas que se posicionam como telhas de um teto. 1 ESTRUTURA DO CABELO A estrutura dos cabelos é formada por três partes concêntricas: A CUTÍCULA (parte externa) A MEDULA (centro) O CÓRTEX (a verdadeira estrutura) 1. A CUTÍCULA E a parte externa. E formada

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello Pós-Graduação em Ciência da Computação Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Nós somos criaturas visuais A maior parte das informações que adquirimos vem dos nossos olhos Cerca

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS Profª. MSc. Marta Cristina Wachowicz Especialista em Psicologia do Trabalho Mestre em Engenharia

Leia mais

Fenômeno Físico Como a cor acontece

Fenômeno Físico Como a cor acontece Fenômeno Físico Como a cor acontece Teoria das Cores Definição Expressa uma sensação visual que nos oferece a natureza através dos raios de luz irradiados em nosso planeta. A cor não existe, materialmente

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA CORES

CLASSIFICAÇÃO DA CORES CLASSIFICAÇÃO DA CORES Na nossa vida cotidiana, estamos cercados por cores e as escolhemos regularmente, para nos vestir, decorar nossas casas ou mesmo para comprar um carro. Ter um olhar para as cores

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos Design Web Estrutura e estética: Organiação, layout, cores e tipos Apresentação: Estrutura e Estética Organiação Navegação Layout Cores e Tipografia! " Representação e Apresentação Representação Utiliar

Leia mais

prof.nelson_urssi a cultura contemporânea em projeto

prof.nelson_urssi a cultura contemporânea em projeto prof.nelson_urssi dsg> cor, cultura e significado qualidades da cor cores aditivas e subtrativas harmonias e contrastes programação cromática psicologia das cores códigos+público alvo a cultura contemporânea

Leia mais

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110

Fundamentos. da Cor. Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Fundamentos da Cor Aluno: Claudio Dreher de Araujo Número de matrícula: 0519503-9 Curso: Design (420) Turma: 0195A Disciplina: Teoria da Luz e Cor - EGR5110 Professora: Berenice Gonçalves Data de entrega:

Leia mais

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4

Cores Introdução. As cores como fenômenos físicos e químicos. 48 Capítulo 4 Cores Introdução O ser vivo é conectado ao meio ambiente por meio das sensações sonoras, luminosas, gustativas, táteis e olfativas. Portanto, a falta de qualquer um dos órgãos dos sentidos nos traz sérios

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Ergonomia Cognitiva comunicação / dispositivos / fatores cognitivos

Ergonomia Cognitiva comunicação / dispositivos / fatores cognitivos Ergonomia Cognitiva comunicação / dispositivos / fatores cognitivos Parte 3 Pós-Graduação em Ergonomia Profª Rosimeire Sedrez Bitencourt, Drª Eng 10 e 11 de Abril de 2010 Ergonomia Cognitiva: conteúdo

Leia mais

O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA

O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA 1 O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA INTRODUÇÃO Este artigo relata a experiência de monitora em Desenho de Moda, no Curso Superior

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

O Guia Emocional das. Cores

O Guia Emocional das. Cores O Guia Emocional das Cores 84,7% dos consumidores acham que a cor é mais importante que muitos outros fatores ao escolher um produto. 1% decidem pelo som ou pelo cheiro 6% decidem pela textura 93% das

Leia mais

4. Princípios de Design. JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com

4. Princípios de Design. JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com 4. Princípios de Design JAMES ITALIANO italiano.james@gmail.com Design é projetar A partir de uma necessidade Para contribuir na soluçāo de um problema Focado em um público específico Através de um processo

Leia mais

Testes de Usabilidade

Testes de Usabilidade Testes de Usabilidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Setembro de 2012 Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Reflexão Ao fazer referência à questão da qualidade da relação

Leia mais

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar

Gorovitz/Maass Design 2000. Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Gorovitz/Maass Design 2000 Recomendações para uso de cores no ambiente escolar Introdução O objetivo desse trabalho é fazer um estudo que fundamente as recomendações de uso de cor na pintura de ambientes

Leia mais

Cores são efetivas na codificação de informação?

Cores são efetivas na codificação de informação? Cores são efetivas na codificação de informação? Sistema Visual Sinais visuais Radiações Sinais luminosos Sinais elétricos Fóvea ou mancha amarela Cones sensíveis a comprimento de onda curto, médio e longo

Leia mais

Confira o Processo de Redesign de um Site

Confira o Processo de Redesign de um Site Confira o Processo de Redesign de um Site O designer holandês Peter Van De Weerd está trabalhando há algumas semanas no redesign de um site brasileiro, o Cupons Mágicos. Apesar da produção já estar num

Leia mais

apostila técnica COLORS www.lolacosmetics.com.br

apostila técnica COLORS www.lolacosmetics.com.br COLORS apresentação Prezado, É com imenso prazer que apresentamos a apostila de coloração da Lola. Nosso objetivo foi desenvolver um material completo que reunisse informações técnicas e alguns bons argumentos

Leia mais

BIOFÍSICA DA VISÃO Existe a cabeça de um homem na figura. Onde? Olhe abaixo e diga as CORES, não as palavras... Conflito no cérebro: o lado direito do seu cérebro tenta dizer a cor, enquanto o lado

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES

Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: Aula 1: Cores primárias e cores secundária Aula 2: Luz e sombra 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Preciso usar óculos?

Preciso usar óculos? A U A UL LA Preciso usar óculos? Você lembra daquela brincadeira de criança chamada cabra-cega? Nela, coloca-se uma venda nos olhos de um dos participantes que, sem conseguir enxergar nada, precisa pegar

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Programa Sintonia; Cinema; Música; Encarte DVD.

PALAVRAS CHAVES: Programa Sintonia; Cinema; Música; Encarte DVD. RESUMO: Programa Sintonia: Encarte DVD 1 Adilson Soares Ferreira 2 Andre Renato Tambucci 3 Adam Pierre 4 Renata Boutin Becate 5 Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio CEUNSP Salto - SP Para atrair

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ERGONOMIA COGNITIVA PARA A MELHORIA DA USABILIDADE DE UM SISTEMA HOMEM-MÁQUINA: ESTUDO DE CASO EM UM WEBSITE DE UMA IFES

CONTRIBUIÇÃO DA ERGONOMIA COGNITIVA PARA A MELHORIA DA USABILIDADE DE UM SISTEMA HOMEM-MÁQUINA: ESTUDO DE CASO EM UM WEBSITE DE UMA IFES CONTRIBUIÇÃO DA ERGONOMIA COGNITIVA PARA A MELHORIA DA USABILIDADE DE UM SISTEMA HOMEM-MÁQUINA: ESTUDO DE CASO EM UM WEBSITE DE UMA IFES Daniel Augusto de Moura Pereira (UFCG) danielmoura13@uol.com.br

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL VOLUME 1 - SISTEMA BÁSICO MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL GUIA PARA APLICAÇÃO DA IDENTIDADE VISUAL DO PROJETO TARAMANDAHY - FASE 2 1 MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL SISTEMA BÁSICO 2 REDESENHO DA MARCA TARAMANDAHY

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

Design e criação em e-mail marketing

Design e criação em e-mail marketing Design e criação em e-mail marketing 17 de junho de 2008, 07:34 E-commerce obteve sucesso em uma campanha de e-mail marketing, que repetiu este ano em versão aperfeiçoada Conheça as decisões de design

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sumário Apresentação 3 Logotipo - Versões Cromáticas 4 Diagrama de Construção, Área de Reserva e Redução 5 Convivência com Outras Marcas 6 Patrocínio 7 Aplicações sobre Fundos 8 Aplicações Incorretas 9

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

O Emprego da Cor- Informação no Layout das Páginas dos Portais Sergipanos Infonet e Emsergipe.com 1

O Emprego da Cor- Informação no Layout das Páginas dos Portais Sergipanos Infonet e Emsergipe.com 1 O Emprego da Cor- Informação no Layout das Páginas dos Portais Sergipanos Infonet e Emsergipe.com 1 Andreza Lisboa da SILVA 2 Michele da Silva TAVARES 3 Universidade Federal de Sergipe RESUMO Este artigo

Leia mais

Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1

Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1 Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1 Rafael Duarte SILVA 2 Adriely Cristiny de Lima CUNHA 3 Rita Carla da Conceição SILVA 4 Paula Apolinário ZAGUI 5 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte,

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

Usabilidade da interface de sites e-commerce

Usabilidade da interface de sites e-commerce - 1 - Revista Eletrônica Multidisciplinar Pindorama do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA Usabilidade da interface de sites e-commerce Profª. MSc. Simone Azevedo Bandeira

Leia mais

Cap IV Cor. Aplicação de Algoritmos de Visão Computacional à Inspeção Industrial de Maçãs

Cap IV Cor. Aplicação de Algoritmos de Visão Computacional à Inspeção Industrial de Maçãs Cap IV Cor Aplicação de Algoritmos de Visão Computacional à Inspeção Industrial de Maçãs Disciplina: Tópicos em Engenharia de Computação VI Prof. Léo Pini Magalhães Apresentação por: Celso Henrique Cesila

Leia mais

O Uso de Cores em Aplicações Web: um Estudo dos Projetos Desenvolvidos no Curso Lato Sensu de Desenvolvimento de Software para a Web

O Uso de Cores em Aplicações Web: um Estudo dos Projetos Desenvolvidos no Curso Lato Sensu de Desenvolvimento de Software para a Web ISSN 2316-2872 T.I.S. São Carlos, v. 3, n. 2, p. 204-214, mai-ago 2014 Tecnologias, Infraestrutura e Software O Uso de Cores em Aplicações Web: um Estudo dos Projetos Desenvolvidos no Curso Lato Sensu

Leia mais

formação web design. 2013 01. 127

formação web design. 2013 01. 127 formação web design. 2013 01. 127 as cores a cor m a t i z o nome atual, como vermelho ou verde s a t u r a ç ã o indica a pureza da cor, o grau de pureza do matiz l u m i n o s i d a d e indica o quanto

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Análise psicológica das cores no contexto do design de interação sob a visão da Psicologia Analítica

Análise psicológica das cores no contexto do design de interação sob a visão da Psicologia Analítica 376 Análise psicológica das cores no contexto do design de interação sob a visão da Psicologia Analítica Brenda Ludovico Vieira Nascimento 1, Cleomar de Souza Rocha 2 1 Faculdade de Educação Universidade

Leia mais

Interface Usuário Máquina. Aula 06

Interface Usuário Máquina. Aula 06 Interface Usuário Máquina Aula 06 Conteúdo Qualidade do Design Acessibilidade Comunicabilidade Usabilidade Experiência do Usuário Usabilidade em Sistemas Computacionais Usabilidade O que você entende por

Leia mais

1) PROBLEMATIZAÇÃO 2) PERGUNTAS-CHAVE 3) CONCEITOS CHAVE. Atividade 3

1) PROBLEMATIZAÇÃO 2) PERGUNTAS-CHAVE 3) CONCEITOS CHAVE. Atividade 3 Atividade 3 1) PROBLEMATIZAÇÃO Não é raro se ouvir as pessoas falando que não é apropriado usar roupas pretas em dias muito quentes, por algum motivo afirmam que a roupa preta esquenta mais do que outra

Leia mais

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA

PUBLICIDADE & PROPAGANDA PRODUÇÃO GRÁFICA PRODUÇÃO GRÁFICA PUBLICIDADE & PROPAGANDA Prova Semestral --> 50% da nota final. Sistema de avaliação Atividades em laboratório --> 25% da nota final Exercícios de práticos feitos nos Laboratórios de informática.

Leia mais

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC O OBJETIVO DO PROJETO A criação dos ícones dos cursos tem como objetivo construir uma identidade visual única para os cursos ofertados pelo IFC, principalmente

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

DESIGN DE INTERAÇÃO. José Alexandre Ducatti

DESIGN DE INTERAÇÃO. José Alexandre Ducatti DESIGN DE INTERAÇÃO José Alexandre Ducatti DESIGN DE I NTERAÇÃO PERCEPÇÃO DESIGN BOM E MAU DESIGN METAS DE DESIGN DE INTERAÇÃO METAS DE USABILIDADE METAS DECORRENTES DA EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO PRINCÍPIOS

Leia mais

COMO MELHORAR SUAS APRESENTAÇÕES

COMO MELHORAR SUAS APRESENTAÇÕES Conceitos e Dicas Por: Paulo Kazuo Kato +55-81-34453505 / 87412841 paulo@dotk.com.br 1. O Desafio (02/18) Quer ser bem sucedido em suas apresentações? 1. O Desafio (03/18) ( Ivan Teorilang ) 2. O que fazer

Leia mais

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos:

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos: Princípios de Composição do Vestuário Para trabalhar com roupas mais elaboradas é importante conhecer os princípios de composição do vestuário. Neste nicho de mercado, este tipo de peça é desenvolvido

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais