8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007"

Transcrição

1 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 GERAÇÃO DE CAMINHOS DA FERRAMENTA SOBRE SUPERFÍCIES DE FORMA LIVRE Cristiane P. Tonetto*, Altamir Dias * Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Florianópolis, SC, , Brasil RESUMO Durante a etapa de planejamento de trajetórias são definidos todos os detalhes do movimento a ser executado pelo robô para a realização de uma tarefa. Esses detalhes consistem em determinar quais pontos o efetuador deve seguir, além de informações adicionais como as velocidades e as acelerações em cada ponto do percurso, tanto para o efetuador final quanto para cada uma das juntas do robô. No planejamento de trajetórias é importante conhecer as propriedades geométricas do contorno do objeto, geralmente a forma das superfícies, em que as tarefas serão executadas. Sobre a superfície será gerado o caminho a ser seguido pelo robô para executar a tarefa. Este artigo tem como objetivo apresentar uma proposta de sistematização para o processo de planejamento de trajetórias em ambientes robóticos, explorando as características geométricas da superfície e descrevendo os resultados do algoritmo implementado para a geração de caminhos a ser seguido pelo efetuador do robô. PALAVRAS-CHAVE: Planejamento de trajetórias, reconstrução de superfícies, caminho da ferramenta.

2 INTRODUÇÃO O processo de planejamento de trajetórias é uma atividade muito importante na simulação de uma tarefa robótica, pois é ele que permite antecipar o comportamento dos movimentos que o robô efetuará em cada etapa da tarefa. Portanto, sem o planejamento de trajetórias a execução de tarefas poderá ter resultados imprevisíveis, demandando tempo para possíveis correções e expondo os usuários do robô a risco de acidentes. Por outro lado, uma trajetória planejada e bem definida contribui para que a tarefa seja realizada com sucesso e possibilita o reuso destas informações para tarefas futuras. Neste trabalho será explorada uma proposta metodológica de ordenar o processo de planejamento de trajetórias em ambientes robóticos. Embora isso venha sendo feito em ambientes industriais, procedimentos metodológicos são escassamente encontrados na literatura e nem sempre muito bem sistematizados, principalmente em ambientes de pesquisa. Mesmo assim, é possível encontrar alguns autores que estabelecem algumas rotinas para organizar o planejamento de trajetórias em ambientes robóticos. Por exemplo, Lozano-Peres apud Ranky e Ho[1] divide a função de planejamento de tarefas robóticas em três partes: modelagem do espaço de trabalho, especificação da tarefa e síntese de programação do manipulador. Ele define que o aspecto de modelagem do espaço de trabalho tenta encontrar a informação física do ambiente usando descrições matemáticas ou relacionais. As especificações das tarefas designam os estados de paradas ou movimentos para garantir que a tarefa seja executada completamente. A síntese de programação prescreve o comportamento do manipulador em relação à tarefa objetivo e aos sensores de entrada. A partir dessa idéia de Lozano-Peres buscou-se desenvolver um modelo que contemple detalhes do processo mais completo, envolvendo a busca de informações sobre a tarefa a ser executada, reconstrução de superfícies até a geração do caminho e da trajetória que guiará a ferramenta na tarefa a ser executada. Nesta sistematização é considerada a contribuição de vários outros autores, dentre os quais destaca-se Toledo [2], Simas [3] e Boesel e Dias [4] que propõem formas de sistematizar o planejamento de trajetórias e Feng e Li [5], Suresh e Yang [6] e Sarma e Dutta [7] que trabalham mais localizadamente em conceitos envolvendo o cálculo de propriedades das superfícies de trabalho e os métodos e os recursos matemáticos para calcular os caminhos a serem seguidos pelo efetuador final do robô. UMA METODOLOGIA EM PLANEJAR TRAJETÓRIAS O modelo geral proposto neste trabalho é mostrado na Figura 1. Ele descreve as etapas necessárias ao planejamento de trajetórias robóticas. Esse modelo servirá como referência ao longo desse artigo e cada uma das etapas será descrita com mais detalhes a seguir. Figura 1: Proposta de modelo para planejamento de trajetórias robóticas.

3 Desta forma, o modelo geral, exibido graficamente na Figura 1, é divido em cinco etapas: Obter dados e informações -- é a etapa inicial focada na obtenção da informação e forma do objeto a ser fabricado ou reparado; esta etapa envolve a aquisição da forma como uma nuvem de pontos, a definição do processo de transferências dos dados e é concluída com a determinação do tipo de formato de arquivo que será utilizado para manipulação e transferência de dados. Reconstruir superfície -- os dados obtidos na etapa 1 são trabalhados algoritmicamente para gerar um modelo matemático da superfície de trabalho, visando calcular os detalhes geométricos do objeto que vão ser usados para programar a tarefa para o robô. Nesta fase, a nuvem de pontos é organizada topologicamente, a representação da superfície e sua modelagem são criadas. Determinar região de trabalho -- a região de trabalho é a região da superfície que a tarefa vai ser executada. Pode ser considerada apenas parte da superfície para o processo de planejamento da tarefa, mas em alguns casos, ela pode compreender toda a superfície do objeto. Determinar caminho e trajetória -- nesta fase é preciso escolher o tipo de caminho que o manipulador do robô deve percorrer para recobrir a região. Existem várias formas de relacionar a geometria do objeto a ser manufaturado e a do robô, possibilitando diferentes precisões no seguimento da tarefa. O caminho será descrito por curvas que seguem pontos pré-selecionados de acordo com a exatidão exigida para execução da tarefa; a curva definidora do caminho servirá de dado para a determinação da trajetória do efetuador. Executar tarefa -- consiste em passar as informações e preparar o robô. Além da trajetória, outras informações adicionais são necessárias para completar a etapa de programação da tarefa, antes de executá-la pela ação do robô. Todas estas etapas, descritas acima serão trabalhadas textualmente visando mostrar o que é preciso ser feito para implementar esta proposta metodológica no planejamento de trajetórias. OBTER DADOS E INFORMAÇÕES A primeira etapa é a aquisição de informação da região de execução da tarefa. Neste trabalho foi focalizada a determinação de uma superfície de interesse, onde a tarefa vai ser executada. A tarefa proposta neste trabalho referese a recuperação de danos causados por erosão devido a cavitação provocada pelo movimento de fluidos em turbinas hidráulicas de geração de eletricidade. Esta recuperação será feita por soldagem efetuada por robô. As informações geométricas da superfície erodida são obtidas através de métodos de aquisição de dados, geralmente medidas de pontos em coordenadas cartesianas. Dentre as várias possibilidades de aquisição de dados que capturem a forma da superfície da tarefa, as propostas mais usadas atualmente são pelo o uso de: máquinas de medição de coordenadas (CMM), técnicas óticas com câmeras e iluminação especial, varredura a laser. Por estes métodos e o tratamento adequado dos dados adquiridos, a forma da superfície pode ser registrada, por exemplo, em termos de uma nuvem de pontos descritos em coordenadas cartesianas. Para realizar um compartilhamento de dados com outros aplicativos as informações devem ser armazenadas de forma padronizada. Desta forma, para transferir dados é necessária a escolha de um formato de arquivo com uma estrutura padrão. As mais usadas para facilitar a troca de dados, são padrões universais de armazenagem de dados, dentre os quais destacam-se os seguintes formatos: IGES, STEP, ASCII. É necessário que esses padrões suportem os dados a serem transferidos para que ocorra a recomposição do objeto de interesse no sistema a ser manipulado. Caso alguma informação não seja suportada pelo formato, ao se transferir esse arquivo, ele não corresponderá aos dados originais, havendo perda de informação (incompatibilidade com o objeto de interesse original). Isso também poderá ocorrer se não for utilizado algum padrão para se arquivar os dados. A incompatibilidade entre sistemas pode implicar na perda de informação ou em algum erro ao tentar transferir os dados de sistema para sistema. As informações adquiridas são necessárias para reconstruir a representação da superfície da tarefa a ser planejada e consistem do conjunto de pontos definidos em coordenadas cartesianas, sem a necessidade de registrar dados topológicos adicionais. Desta forma, no algoritmo implementado optou-se por um formato de arquivo mais simples para armazenar os dados adquiridos do objeto (como o formato de arquivo ASCII). Ele contém as informações da superfície como uma nuvem de pontos, onde cada linha do arquivo armazena as coordenadas cartesianas na ordem (x, y, z) de cada ponto lido pelo método de aquisição de informação, como mostrado na matriz (figura 2):

4 Figura 2: Estrutura de dados em ASCII, representando a nuvem de pontos de uma superfície. Conhecido o formato do arquivo, é possível se processar a informação contida nele e armazená-la em formato de listas que serão utilizadas na etapa de reconstrução de superfícies. RECONSTRUIR SUPERFÍCIE A nuvem de pontos adquirida e organizada num arquivo ASCII é usada para reconstrução de superfícies. A superfície reconstruída será a fonte de dado para a execução da tarefa. As tarefas robóticas que precisam de estudo mais preciso e principalmente que exigem controle contínuo da trajetória do efetuador final do robô são as soldagens contínuas e os processos de pintura. A execução desse tipo de tarefa exige um modelo matemático da geometria, e assim da superfície, fonte dos dados que vão permitir que o efetuador do robô siga sobre ela mais suavemente, como relatam Toledo [2], Simas [3], Feng e Li [5] e Yin [8]. Os sistemas de medição de coordenadas, em geral, conseguem fornecer o conjunto de pontos capturados da superfície de forma ordenada, pois o processo de captura de dados requer também um planejamento de aquisição dos dados e assim a geração de uma estrutura ordenada dos dados. Isso pode ser usado para acelerar o processo de construção de uma representação de superfície. Quando só a forma da superfície é necessária, as superfícies de forma livre podem ser geradas pela interpolação de pontos ordenados vindos do processo e aquisição de dados e fornecer a representação matemática compacta para a geração do caminho da ferramenta sobre a superfície. Às vezes, somente a ordenação previamente determinada não é suficiente para uma boa reconstrução da superfície. Nestes casos, então, é necessário obter uma representação topológica da estrutura de dados que representa a região a ser recuperada. Ou seja, a informação topológica fornece a localização precisa dos pontos no espaço de trabalho e também determina as relações de vizinhanças entre eles. Por isso, que nesta etapa é realizada a busca de um modelo de informação geométrica da estrutura de pontos de forma que inclua não só a ordenação de pontos, mas também suas informações de vizinhanças. Com os dados da nuvem de pontos topologicamente ordenados o passo seguinte é estabelecer formas de representá-los como uma superfície. Uma representação da forma da nuvem de pontos pode ser obtida através de malhas, onde os pontos topologicamente organizados seriam ligados por segmentos de retas. No entanto, isso forneceria uma representação wireframe ou facetada da estrutura de pontos, a qual precisaria, certamente, ser refinada para poder ser usada dentro dos requisitos necessários dos métodos de produção. Uma outra forma é fazer a reconstrução da superfície usando um sistema CAD/CAM convencional. Neste caso, a superfície é feita a partir das informações de projeto do objeto a ser trabalhado, e o projetista observando a disposição dos pontos vai manipulando-os e reconstruindo a superfície. Muitos sistemas CAD/CAM oferecem também a possibilidade de reconstrução a partir da nuvem de pontos que seria transformada em superfícies com o auxílio de aproximação por features geométricas (planos, cilindros, cones, esferas), malhas triangularizadas ou ainda, pela interpolação de pontos (através de métodos como Bézier, Hermite, B-Splines, etc). Tais métodos são muito aplicados em engenharia reversa nos sistemas CAD/CAM [9]. Figura 3: Superfície reconstruída a partir do diagrama de Voronoi (a) Wireframe e (b) Sombreada [10].

5 Uma terceira saída seria desenvolver algoritmos específicos para reconstruir superfícies a partir de nuvem de pontos. Nesta pesquisa é utilizado um processo de reconstrução de superfícies baseado na organização da estrutura da nuvem de pontos pela técnica do diagrama de Voronoi [10, 11]. O diagrama de Voronoi foi usado para organizar topologicamente a nuvem de pontos. O diagrama, quando representado graficamente no espaço 3D, pode inclusive ser usado como uma representação ilustrativa da superfície. A Figura 3 ilustra uma superfície reconstruída através de um conjunto de pontos representativos da superfície original. Em (a), é ilustrada a representação em wireframe da superfície usando simplesmente a ligação dos pontos por segmentos de retas, e em (b) a mesma representação sombreada. As duas representações são obtidas através da ordenação da nuvem de pontos e pela construção do diagrama de Voronoi. A construção do diagrama de Voronoi, quando mapeada no espaço 3D, possibilita uma forma de visualização aproximada da superfície original. Detalhes sobre a teoria do diagrama de Voronoi e a implementação do algoritmo reconstrutor de superfícies podem ser encontradas em Tonetto e Dias [11]. A pesquisa desenvolvida por Tonetto e Dias [10, 11] teve como objetivo principal a utilização do diagrama de Voronoi para a ordenação topológica do conjunto de pontos, que pode ser utilizada para obter uma representação matemática de superfícies, por exemplo, por B-Splines. Assim, a vantagem da ordenação do conjunto de pontos pelo diagrama de Voronoi é que fica mais fácil construir uma superfície de forma livre, além de poder manipular dinamicamente a estrutura de dados para eventuais correções da representação. O algoritmo implementado utiliza a teoria de superfícies B-Splines uniforme para a reconstrução de superfícies [10]. A representação por B-Spline foi escolhida por ter algumas vantagens sobre as outras representações, como a interpolação dos pontos dados (obtidas através do algoritmo inverso), o controle local da forma da superfície e a flexibilidade de desacoplar o grau da curva, ou da superfície do número de pontos de controle, e ainda, por se tratar de uma generalização de outras representações [12]. A Figura 4 ilustra uma superfície B-Spline reconstruída pelo algoritmo desenvolvido nesta pesquisa, a partir de um conjunto de pontos ordenado topologicamente pelo diagrama de Voronoi. Figura 4: Superfície B-Spline reconstruída Tonetto [10]. Esse tipo de representação fornece uma forma mais suave da superfície. A superfície B-Spline é necessária para calcular de forma mais exata as propriedades em operações de manufatura, como o planejamento do caminho e trajetória, operações de recobrimentos, cálculo e simulação de propriedades mecânicas como curvatura, volume e análise de tensão. Contudo, ressalta-se que qualquer das propostas evidenciadas nesta secção pode ser usada no escopo do planejamento de tarefas robóticas, dependendo da informação a ser obtida para auxiliar a sua execução. DETERMINAR REGIÃO DE TRABALHO Geralmente, em processos de aquisição de dados a região mapeada para execução da tarefa é maior do que a região onde a tarefa vai ser realizada. Assim, em uma das etapas da metodologia é preciso selecionar a região de interesse, pois dependendo da tarefa ela pode ser feita sobre toda ou parte da superfície do objeto a ser recuperado ou produzido. Pode-se, então, imaginar a região da tarefa como resultado do cálculo de intersecções entre duas superfícies, ou seja, existe a princípio uma superfície original da peça a ser trabalhada (que pode ser fornecida por

6 parâmetros de projeto quando há registro através de sistemas CAD/CAM) e a região a ser trabalhada é resultado da reconstrução da superfície adquirida em termos de nuvem de pontos. A superfície de trabalho é, portanto, resultado do cálculo de intersecção entre a superfície original e a superfície adquirida por métodos de captura de dados. Essa diferença é que constitui a região de interesse a ser manipulada posteriormente. Quando não há registro da superfície original por um sistema CAD/CAM, a superfície original precisa ser reconstruída a partir da própria nuvem de pontos adquirida. A coleta de dados é realizada para capturar superfícies danificadas, geralmente é feita com uma margem de segurança de leitura de pontos, medindo regiões circundantes além da região de interesse. Estas regiões circundantes podem ser usadas para criar uma representação aproximada da superfície original. A Figura 5 ilustra um exemplo de seleção de uma região a ser usada para reconstrução da superfície por soldagem robótica (a superfície foi reconstruída pela metodologia usada nesta pesquisa). O contorno vermelho indica a região onde será planejada a tarefa. Esta metodologia pode ser ampliada para determinar a região a ser recuperada, principalmente em casos de erosões de pás de turbinas hidráulicas de usinas elétricas, onde é comum a superfície da pá apresentar várias erosões. Figura 5: Região de trabalho. DETERMINAR CAMINHO E TRAJETÓRIA Conhecida a forma geométrica da superfície, suas propriedades podem ser agora usadas para obter o caminho sobre ela que o efetuador do robô deve seguir para concretizar a tarefa. A partir dos trabalhos de Chen et al [13], Suresh e Yang [6] e Sarma e Dutta [7], três técnicas principais de geração de caminho da ferramenta são considerados: iso-paramétrico, iso-planar e iso-scallop. Esses três métodos foram implementados: Geração do caminho da ferramenta no espaço paramétrico Este algoritmo é bem simples e usa a relação entre o espaço paramétrico e o espaço de trabalho para determinar o caminho da ferramenta. Portanto, como ilustra a Figura 6, um caminho em zig-zag pode ser definido no espaço paramétrico. As curvas que a ferramenta deve seguir ficam totalmente determinadas pelos parâmetros u e v do espaço paramétrico, como mostra a Figura 6. Embora seja um método fácil para planejar movimentos do efetuador, esta metodologia falha na definição da precisão que o caminho deve seguir ao longo da superfície, não respeitando parâmetros como o passo constante entre as passadas da ferramenta.

7 Figura 6: Geração de caminho no espaço paramétrico. Geração do caminho da ferramenta no espaço de trabalho Duas propostas principais têm sido usadas para a geração de caminho da ferramenta no espaço de trabalho: o método iso-planar e o método iso-scallop. A geração do caminho da ferramenta iso-planar é determinada considerando-se intersecção entre a superfície B-Spline reconstruída e um plano que definirá o caminho da ferramenta. A curva gerada pela intersecção do plano com a superfície B-Spline estabelece um caminho sobre a superfície. Os planos de intersecção são transladados em uma dada direção, cuja distância é estabelecida pelo passo da ferramenta para execução da tarefa. A Figura 7(a), ilustra a malha de curvas obtida pelo procedimento de geração do caminho iso-planar no espaço de trabalho. (a) (b) Figura 7: (a) Caminho iso-planar gerado sobre o espaço de trabalho; (b) caminho iso-scallop gerado sobre o espaço de trabalho. A direção do plano de corte influencia nos resultados da geração do caminho da ferramenta. No entanto, a decisão da escolha da direção de um plano ótimo é um problema de difícil resolução segundo Suresh e Yang [6]. No algoritmo proposto, a direção do plano é fixa e é paralela ao plano XZ do sistema de coordenadas de trabalho. A geração do caminho da ferramenta iso-scallop é realizada também sobre uma superfície B-Spline reconstruída, tendo como objetivo o cálculo do caminho segundo parâmetros de execução da tarefa. Isso possibilita executar a tarefa com precisão e acabamento superficial, ao manter, por exemplo, a distância constante da altura da rugosidade em uma operação de usinagem. A metodologia usa a curva de uma das fronteiras da superfície como o caminho inicial, e os demais caminhos são determinados paralelos entre si a partir dos parâmetros exigidos para executar a tarefa (mantêm distância constante em relação ao caminho anterior) de forma a manter a rugosidade constante. A abordagem utilizada para o cálculo dos caminhos paralelos foi baseada no método proposto por Suresh e Yang [6]. Considerando-se o primeiro caminho dado, para cada ponto desse caminho são encontrados os pontos que estão a uma distância L, dada pelo passo da ferramenta desejada, gerando um conjunto de pontos paralelos ao primeiro caminho. A união desses pontos paralelos originará uma curva paralela ao caminho anterior. Repetindo-se recursivamente essa operação, é possível construir todos os caminhos paralelos, de forma que o recobrimento da superfície possa ser dado por caminhos que estão a uma distância constante entre si. A Figura 8(b) ilustra a geração do caminho iso-scallop da ferramenta.

8 RESULTADOS A metodologia proposta neste artigo foi implementada através de uma interface computacional para visualizar os vários tipos de informações necessárias na reconstrução das superfícies e no planejamento de caminhos a ser trilhado pelo efetuador final do robô. O protótipo desenvolvido possui as seguintes capacidades: entrar com dados do conjunto de pontos no formato de arquivos ASCII com estrutura definida; reconstruir e visualizar superfícies a partir de três formas diferentes: o diagrama de Voronoi, a triangularização de Delaunay e a representação B-Splines; permitir a geração de caminhos da ferramenta no espaço paramétrico e no espaço de trabalho, com entrada de valores para o avanço e passo da ferramenta; visualizar as superfícies em wireframe e sombreadas; abrir e salvar arquivos em formatos compatíveis com outros programas, como Blender e Pro/ENGINEER; permitir a manipulação da visualização utilizando a interface padrão via mouse (controle de zoom, rotação e translação). O protótipo desenvolvido é composto de duas janelas interativas, uma que oferece as opções de trabalho e outra para manipulação e visualização do objeto. A Figura 8 ilustra a execução do programa mostrando a superfície B- Spline reconstruída e o caminho gerado. Dessa forma, o único parâmetro de entrada inicial do programa é uma nuvem de pontos adquirida a partir da qual as superfícies necessárias a reconstrução são formadas; foi implementado, ainda, a entrada de parâmetros de programação de tarefas, como o avanço da ferramenta e o passo da mesma para execução da tarefa. Figura 8: Resultados obtidos pelo algoritmo. O caminho calculado refere-se a apenas uma passada para recobrir a superfície, usando qualquer uma das três técnicas de geração de caminho dentro das especificações de projeto desejadas. O algoritmo foi desenvolvido utilizando-se a linguagem de programação JAVA (Sun - Java(TM) Development Kit (JDK) 5.0) [14]. Foi necessário utilizar algumas bibliotecas extras disponíveis de forma livre na internet, sendo uma chamada Jama [15], que adiciona funcionalidades relativas à manipulação e operação de matrizes, e outra chamada java3d [14], utilizada para visualização e manipulação dos objetos 3D e a biblioteca CyberVRML97 para salvar os resultados do aplicativo no formato de arquivo VRML [16]. Os resultados obtidos pelo programa podem ser salvos no formato OBJ e VRML e o caminho pode ser salvo como uma lista de pontos, podendo ser exportado para outros programas como Blender e Pro/ENGINEER.

9 CONSIDERAÇÕES Este estudo sistematiza cada etapa necessária para o desenvolvimento da implementação de uma interface para trabalhar as informações no processo de planejamento de trajetórias. Na proposta apresentada e no protótipo desenvolvido, é feito o uso de métodos de reconstrução de superfícies. A representação da superfície é feita a partir de uma nuvem de pontos adquiridos do próprio objeto de trabalho. Ela possibilita o planejamento e a geração de caminhos para o desenvolvimento da tarefa desejada em robôs manipuladores. As superfícies obtidas são representações geométricas da superfície original; a interface gerada produz várias visualizações aproximadas da superfície original e da superfície a ser trabalhada, compondo-a através de segmentos de superfícies B-Splines. No estudo são considerados outros aspectos, como a formulação matemática usada em cada etapa, bem como os algoritmos propostos para se ter uma visão completa da superfície do objeto de trabalho. Os próximos passos incluem a simulação de soldagem por camadas e a introdução de módulos de simulação de cinemática inversa a partir dos caminhos obtidos. Esta interface foi pensada ser disponibilizada dentro da concepção de Software Livre, e os algoritmos e seus códigos-fonte estão disponíveis em: REFERÊNCIAS 1. P.G. Ránky and C. Y. Ho, Robot Modelling: Control and Applications with Software, IFS (Publications) Ltd. UK, Springer-Verlag Berlin, L.B. Toledo, Uma interface CAD/CAM para a programação fora de linha de robôs industriais, Dissertação, Florianópolis-SC, Universidade Federal de Santa Catarina, Fev H. Simas, Planejamento de Trajetória de Soldagem para Robôs Redundantes Operando em Ambientes Confinados, Qualificação de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, março D. Boesel and A. Dias, Reconstrução de superfícies no planejamento de trajetórias de tarefas de robôs através de diagrama de Voronoi, 7 Congresso Iberoamericano de Ingenieria Mecanica, México D.F., Out H. Feng and H. Li, Constant scallop-height tool path generation for three-axis sculptured surface machining, Computer-Aided Design, Elsevier Ltd, n.34, pp , K. Suresh and D. C. H. Yang, Constant Scallop-height Machining of free-form Surfaces, Journal of Engineering for Industry, vol. 116, pp , May R. Sarma and D. Dutta, The Geometry and Generation of NC Tool Paths, Journal of Mechanical Design, vol. 119, pp , June Z. Yin, Rough and finish tool-path generation for NC machining of freeform surfaces based on a multiresolution method, Computer-Aided Design Elsevier, n. 36,pp , Jan H. Pottmann and S. Leopoldseder and M. Hofer and T. Steiner and W. Wang, Industrial geometry: recent advances and applications in CAD, Computer-Aided Design Elsevier, n.37, pp , Tonetto, C. P., Uma proposta de sistematização do processo de planejamento de trajetórias para o desenvolvimento de tarefas de robôs manipuladores, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Tonetto, C. P., Dias, A., Rebuilding surfaces through Voronoi diagram, Flexible Automation and Intelligent Manufacturing -- FAIM2007, Philadelphia, USA, D. Qiulin and B. J. Davies, Surface engineering geometry for computer-aided design and manufacture, Ellis Horwood limited, Chichester - United Kingdom, Y. D. Chen and J. Ni and S.M. Wu, Real-Time CNC Tool Path Generation for Machining IGES Surfaces, Journal of Engineering for Industry, vol. 115, pp , nov Sun-JAVA, Disponível em: 17. Jama-Matrix, Disponível em: 18. CyberVRML97, Disponível em:

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos 1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos Pontos, eixos e planos são entidades bastante usadas como referências em sistemas CAE/CAE/CAM. Por isso a importância em estudar como definir pontos,

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

DESENHO TÉCNICO AULA 01

DESENHO TÉCNICO AULA 01 DESENHO TÉCNICO AULA 01 INTRODUÇÃO Computação Gráfica A computação gráfica é a área da ciência da computação que estuda a transformação dos dados em imagem. Esta aplicação estende-se à recriação visual

Leia mais

Prof. Responsável Wagner Santos C. de Jesus

Prof. Responsável Wagner Santos C. de Jesus Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina Desenho Técnico Aplicado a Segurança do Trabalho Material III-Bimestre Introdução e Conceito de CAD e Ferramentas,Primitivas

Leia mais

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING)

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) 16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) Autor(es) OLIVEIRO LEUTWILER NETO Orientador(es) KLAUS SCHüTZER Apoio Financeiro

Leia mais

Computer-Aided Drafting System

Computer-Aided Drafting System Introdução ao CAD Computer-Aided Drafting System Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Kai Tang 1 O que é um desenho técnico? Definição de desenho técnico (Encarta) Desenho preciso mostrando quantidades

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem,

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, centros de torneamento e eletro-erosão a fio. Por que GibbsCAM?

Leia mais

ScanTo3D. www.istsistemas.com.br

ScanTo3D. www.istsistemas.com.br ScanTo3D www.istsistemas.com.br O ScanTo3D do SolidWorks permite abrir dados escaneados por qualquer scanner (arquivos de malha ou nuvem de pontos) ou dados de curva de software matemáticos, preparar os

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Análise do Produto Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Tendências e requisitos do setor...3 Uma nova abordagem de programação de inspeção de CMM...4 O aplicativo na prática...5

Leia mais

Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia

Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia H-1000-0116-02-A Sistema de fixação Renishaw Soluções para fixação em metrologia Fixações para CMM Fixações para inspeção visual Fixações para Equator Fixações especiais Fixações CMM Renishaw Fixações

Leia mais

TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM

TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE SISTEMAS CAE/CAD/CAM EMC 6633 by: José Ricardo de Menezes CAE/CAD/CAM Troca de Definição Informações Motivação A necessidade de troca de dados de modelagem é motivada diretamente

Leia mais

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT.

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ Curso de Bacharelado em Ciência da Computação UNIOESTE - Campus de Cascavel MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado.

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO II UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA III 7.5

Leia mais

PLM Software. Os benefícios do NX CAM-SINUMERIK Otimizando a conexão entre o software CAM e os controladores de ferramentas

PLM Software. Os benefícios do NX CAM-SINUMERIK Otimizando a conexão entre o software CAM e os controladores de ferramentas Siemens PLM Software Os benefícios do NX CAM-SINUMERIK Otimizando a conexão entre o software CAM e os controladores de ferramentas www.siemens.com/nx w h i t e p a p e r Para obter o melhor desempenho

Leia mais

4. Aplicações de Software

4. Aplicações de Software 1. Introdução 2. Sistemas de Fabrico 3. Actividades na Gestão do Processo Produtivo 4. Aplicações de Software 5. e-manufacturing 6. Conclusões Eduardo Tovar, Novembro 2002 20 Aplicações de Software (1)

Leia mais

Tecnologia CAD/CAM - Definições e estado da arte visando auxiliar sua implantação em um ambiente fabril

Tecnologia CAD/CAM - Definições e estado da arte visando auxiliar sua implantação em um ambiente fabril Tecnologia CAD/CAM - Definições e estado da arte visando auxiliar sua implantação em um ambiente fabril Adriano Fagali de Souza (EESC-USP) afagali@sc.usp.br Reginaldo Teixeira Coelho (EESC-USP) rtcoelho@sc.usp.br

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

PRINCIPAIS MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DE UM ALGORITMO

PRINCIPAIS MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DE UM ALGORITMO PRINCIPAIS MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DE UM ALGORITMO Fluxograma e diagrama de blocos Representação gráfica do processo, ou seja, das instruções e ou módulos do processamento, que compõem o algoritmo e que

Leia mais

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW "Esse ambiente pode ser usado para simular e explorar as possibilidades e alcances de uma solução empregando visão de máquina, testar

Leia mais

SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas

SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas SOLIDWORKS PEÇAS E MONTAGENS - 40 horas Segunda, Quarta e Sexta: 11/05 a 01/06/2009. Noite: 18:30 às 22:30 horas. Sábado: 23/05 a 20/06/2009. Integral: 08:00 ás 12:00-13:00 ás 17:00 horas. Introdução a

Leia mais

A-Graph: Uma ferramenta computacional de suporte para o ensino-aprendizado da disciplina Teoria dos Grafos e seus Algoritmos

A-Graph: Uma ferramenta computacional de suporte para o ensino-aprendizado da disciplina Teoria dos Grafos e seus Algoritmos A-Graph: Uma ferramenta computacional de suporte para o ensino-aprendizado da disciplina Teoria dos Grafos e seus Algoritmos Luis Arturo Pérez Lozada 1 1 Centro de Matemática, Computação e Cognição Universidade

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM Autor(es) FELIPE ALVES DE OLIVEIRA PERRONI Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS SOLUÇÕES EM METROLOGIA SCANNER CMM 3D PARA APLICAÇÕES INDUSTRIAIS TRUsimplicity TM MEDIÇÃO MAIS FÁCIL E RÁPIDA PORTÁTIL E SEM SUPORTE. MOVIMENTAÇÃO LIVRE AO REDOR DA PEÇA USO FACILITADO. INSTALAÇÃO EM

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Engenharia da Computação Centro de Informática 2D Feature Distance Estimation for Indoor Environments using 2D laser range data Proposta de Trabalho de Graduação

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. /jcarlos j.c.ferreira@ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Prof. Cesar Tadeu Pozzer Disciplina: Computação Gráfica pozzer@inf.ufsm.br 19/03/2008 1. CG Computação Gráfica Introdução Teve

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nome:Daniel Oliveira de Lima Paper: Real-Time Shaded NC milling Display Tim Vam Hook - SIGGRAPH 86

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nome:Daniel Oliveira de Lima Paper: Real-Time Shaded NC milling Display Tim Vam Hook - SIGGRAPH 86 Universidade Federal do Rio de Janeiro Nome:Daniel Oliveira de Lima Paper: Real-Time Shaded NC milling Display Tim Vam Hook - SIGGRAPH 86 SIMULAÇÃO DE USINAGEM EM TEMPO REAL Motivação Problema Considerações

Leia mais

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS.

PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. RIO 3 - World Climate & Energy Event, 1-5 December 2003, Rio de Janeiro, Brazil 379 PRO-FAE: FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA AUXILIO NO PROJETO PRELIMINAR DE FAZENDAS EÓLICAS. Jorge Antonio Villar Alé, Alexandre

Leia mais

Projetos mecânicos: Melhores Práticas com o Autodesk Inventor

Projetos mecânicos: Melhores Práticas com o Autodesk Inventor Projetos mecânicos: Melhores Práticas com o Autodesk Inventor Guilherme Augusto Franco de Souza SENAI Aplicação de recursos avançados do software bem como a aplicação de melhores páticas para acelerar

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING Fatores de mercado... 3 Aplicações especializadas existentes... 4 Uma nova geração de software que proporciona flexibilidade... 4 Operações

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Usinagem 5-Eixos para Moldes Sandro, Vero Software Vero Software está no topo do relatório de fornecedores de CAM da CIMData 2014 Com maior Market Share, crescimento

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

Simular de Financiamento

Simular de Financiamento Simular de Financiamento Versão: PI001 1. Objetivo deste documento Este documento tem como objetivo autorizar formalmente o início de um projeto e contém informações necessárias para o entendimento do

Leia mais

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS Faculdade de Tecnologia de Sorocaba DEPARTAMENTO DE PROJETOS MECÂNICOS MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS RELATÓRIO FINAL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Aluno: Ricardo Lorenzati Machado Orientador:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS Ilmar Ferreira Santos Rodrigo Fernandes de Carvalho UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D

SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D SCANNER DE TRIANGULAÇÃO LASER PARA PROTOTIPAGEM 3D Autores: Evandro Francisco WEISS, Felipe Augusto SCHIQUETTI, Eduardo Bidese PUHL Identificação autores: Aluno da Ciência da Computação, Bolsista IFC Rio

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide

UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide - SEPesq UniRitter tecnológica: integrando Engenharias para desenvolvimento de um robô humanoide 1. Introdução Diego Augusto de Jesus Pacheco Giovani Geremia Segundo Vargas (2012) é perceptível que uma

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D

Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D Deteção do Espaço Navegável para o ATLASCAR usando informação 3D Diogo Artur Fonseca Matos Universidade de Aveiro Departamento de Engenharia Mecânica 16 de Julho 2013 Conteúdos 1 Introdução Apresentação

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SUPERFÍCIES. Introdução ao Projeto e Manufatura assistido por Computador PROF. ALTAMIR DIAS

REPRESENTAÇÃO DE SUPERFÍCIES. Introdução ao Projeto e Manufatura assistido por Computador PROF. ALTAMIR DIAS REPRESENTAÇÃO DE SUPERFÍCIES Introdução ao Projeto e Manufatura assistido por Computador PROF. ALTAMIR DIAS 17/4/2001 1 Introdução Superfícies são usadas: projeto de forma e representação de objetos complexos

Leia mais

marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com

marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com DSC/CEEI/UFCG marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com 1 Realiza atividades com ênfase em Ensino, Pesquisa e Extensão (Ensino) 2 Configurando o projeto Adicionando código ao arquivo com o código-fonte

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

Automação de Medição: Mesa Posicionadora

Automação de Medição: Mesa Posicionadora UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA EMC 5301 INTRODUÇÃO AO PROJETO E MANUFATURA ASSISTIDOS POR COMP. TURMA 730 Automação de Medição: Mesa Posicionadora César Augusto

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone COMO USAR O MAPA COM INDICADORES DO GEOPORTAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DA BAHIA? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas do Mapa com Indicadores do GeoPortal

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

Resumo. Abstract 1 INTRODUÇÃO

Resumo. Abstract 1 INTRODUÇÃO Resumo doi: 1.4322/tmm.447 Influência da INTERPOLAÇÃO DA TRAJETÓRIA da ferramenta NO FRESAMENTO a altas velocidades DE SUPERFÍCIES COMPLEXAS Jacson Machado Nunes 1 Jefferson de Oliveira Gomes 2 Guilherme

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES. Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES. Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Projeto de Iniciação Científica: Visualizador Dinâmico para Estruturas de Representação de Subdivisões Planares Orientador: Prof. Dr. Pedro J. de Rezende Orientado: Flávio

Leia mais

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico January - 10 - Janeiro The contents

Leia mais

5- ROBÓTICA INDUSTRIAL Células Robóticas; Projecto e controlo; Aplicações dos Robôts Industriais; Integração com Máquinas CNC.

5- ROBÓTICA INDUSTRIAL Células Robóticas; Projecto e controlo; Aplicações dos Robôts Industriais; Integração com Máquinas CNC. Grupo de disciplinas: Engenharia da Programação Anual Obrigatória Semestral X Opcional X Regime Diurno Nocturno Horas/semana T Teórica 2 Ano 5º T/P Teórico/Prática Semestre 2º P- Prática 2 Objectivos da

Leia mais

Estruturando um aplicativo

Estruturando um aplicativo Com o Visual FoxPro, é possível criar facilmente aplicativos controlados por eventos e orientados a objetos em etapas. Esta abordagem modular permite que se verifique a funcionalidade de cada componente

Leia mais

Um Ambiente Gráfico para Desenvolvimento de Software de Controle para Robôs Móveis Utilizando Simulação 3D

Um Ambiente Gráfico para Desenvolvimento de Software de Controle para Robôs Móveis Utilizando Simulação 3D Um Ambiente Gráfico para Desenvolvimento de Software de Controle para Robôs Móveis Utilizando Simulação 3D Cardoso Marchezi e Hans-Jorg Andreas Schneebeli VIII Simpósio Brasileiro de Automação Inteligente

Leia mais

Palavras-chave: Usinagem de superfícies complexas, Simulação Virtual, Fresamento 5 eixos.

Palavras-chave: Usinagem de superfícies complexas, Simulação Virtual, Fresamento 5 eixos. 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Simulação de máquinas-ferramentas virtuais e sua importância na usinagem de superfícies

Leia mais

Introdução à Engenharia

Introdução à Engenharia Introdução à Engenharia Modelagem e Simulação (Técnicas e Ferramentas Utilizadas) Edgar Brito Introdução Técnicas e ferramentas de modelagem e simulação, são utilizadas para facilitar e visualizar projetos

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Sumário. Manual Frota

Sumário. Manual Frota Sumário Apresentação... 2 Home... 2 Definição do Idioma... 3 Aba Frota... 4 Abastecimento... 4 Calendário... 26 Agenda Data... 38 Agenda Km... 59 Agendamento... 81 Agendas realizadas...104 Agenda...123

Leia mais

Controle de robôs industriais via Labview

Controle de robôs industriais via Labview Leonel Lopes Lima Neto Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H20B, casa, nº 114, Campus do CTA São José dos Campos São Paulo 12.228-460 Bolsista PIBIC-CNPq leonel@aluno.ita.br Emilia Villani Instituto

Leia mais

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Marcelo Costa Engenheiro de Vendas Telles Soares Engenheiro de Campo Agenda Benefícios da integração Tipos de integração e exemplos MOVIMENTO VISÃO

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Organizador: Prof. Valmir Heckler Disponível em: http://profvalmir.blogspot.com/

Organizador: Prof. Valmir Heckler Disponível em: http://profvalmir.blogspot.com/ Organizador: Prof. Valmir Heckler Disponível em: http://profvalmir.blogspot.com/ Integrantes do Projeto desenvolvido e implementado em 2002 - Paulo Eliseu Weber (estudante), Valmir Heckler (orientador)

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente:

A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente: A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente: Computer Aided Drafting (CAD) a palavra drafting pode ser traduzida como desenho técnico,

Leia mais

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático

Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Trabalho apresentado no CMAC-Sul, Curitiba-PR, 2014. Validação Experimental do Modelo Matemático de 3ª. Ordem para um Atuador Pneumático Claudio da S. dos Santos, Sandra E. B. Viecelli, Antonio C. Valdiero,

Leia mais

Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte

Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte Fluxo de trabalho em empresas de elevação e transporte Leandro Castellanos Castellanos Tecnologia LTDA È apresentado um fluxo de trabalho (Estudo Projeto Revisão e Informações técnicas) em empresas que

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

PLM Software. A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças. Respostas para a indústria.

PLM Software. A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças. Respostas para a indústria. Siemens PLM Software A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças www.siemens.com/nx W h i t e p a p e r A eficiência de usinagem e a produtividade

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO DE REFRIGERAÇÃO NO PROCESSO DE INJEÇÃO DE TERMOPLÁSTICOS. Carlos Mauricio Sacchelli*, Christian

Leia mais