INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Escola Superior de Educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Escola Superior de Educação"

Transcrição

1 INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Escola Superior de Educação Relatório de Concretização do Processo de Bolonha Mestrado em Inovação e Mudança Educacional 2011 (cf. DL n.º 74/2006, de 24 de Março, alterado pelo DL n.º 107/2008) Viana do Castelo, 30 de Dezembro de 2011

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO MONITORIZAÇÃO DO PLANO DE ESTUDOS 1. População-alvo 2. Instrumentos e procedimentos de recolha de dados 3. Estratégias de análise de dados RESULTADOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 1. Caracterização dos estudantes 2. Realização académica ATIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO ASSOCIADAS A ESTE CICLO DE ESTUDOS 1. Divulgação em congressos 2. Outras ações de divulgação da investigação 3. Atividades com vista ao desenvolvimento de um grupo de estudos e reflexão no domínio APRECIAÇÃO GLOBAL 1. Pontos fortes e pontos fracos 2. Oportunidades e ameaças 3. Recomendações ANEXO 2

3 INTRODUÇÃO O presente Relatório vem dar cumprimento ao estabelecido no Art.º 66º-A do Decreto-Lei n.º 107/2008, que veio alterar o definido pelo Decreto-Lei n.º 74/2006, para o Curso de Mestrado em Inovação e Mudança Educacional (MIME) da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. O MIME, aprovado e publicado em DR de 20 de Janeiro de 2010 (Despacho n.º 1271/2010), entrou em funcionamento no ano letivo transato (2009/2010), tendo por finalidade principal proporcionar uma formação sólida a profissionais da Educação no âmbito da avaliação e inovação educacional. O MIME surgiu da constatação da escassez de oferta formativa a nível da pós-graduação na área da Inovação e Mudança Educacional e da necessidade de formar profissionais da educação dotados de competências científicas e técnicas no domínio em Portugal. Na continuidade do relatório do ano letivo anterior, o presente Relatório toma como ano objeto de análise o ano letivo de 2010/2011 referente ao 3.º semestre curricular do MIME. 3

4 MONITORIZAÇÃO DO PLANO DE ESTUDOS Para uma maior compreensão do processo de monitorização do Plano de Estudos, destacam-se em seguida alguns dos elementos centrais da monitorização da Concretização do Processo de Bolonha neste curso: (1) população alvo; (2) técnicas de recolha de dados; e (3) estratégias de análise de dados. 1. População-alvo Os estudantes que frequentaram o MIME são profissionais da Educação, sendo que intervêm diretamente no sistema educativo do Ensino Básico e Secundário. Trata-se de Educadores de Infância; Professores do 1.º, 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico e Professores do Ensino Secundário. 2. Técnicas de recolha de dados Na recolha de informação foram utilizadas diversas fontes de dados, designadamente: (a) Documentos obtidos através dos Serviços Académicos da ESE-IPVC; (b) Reuniões de Direção de Curso. 3. Estratégias de análise de dados Utilizaram-se dois tipos de estratégias de análise de dados em função da natureza da informação recolhida: (1) análise de conteúdo para dados textuais e (2) estatística descritiva para dados numéricos. Segue-se a apresentação dos resultados mais relevantes relativamente ao 3.º semestre curricular (2010/2011) do Curso de MIME. 4

5 RESULTADOS DA CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 1. Caracterização dos estudantes Como é possível verificar no Quadro 1, dos 20 estudantes aprovados no final do 1.º ano curricular, 80% inscreveram-se no 2.º ano curricular do MIME (13 mulheres e 3 homens). Quadro 1. Número e percentagem de estudantes inscritos, avaliados e aprovados para os anos letivos de 2009/10 e 2010/11 Ano letivo 2009/2010 Ano letivo 2010/2011 Admitidos Inscritos no 1.º ano Aprovados no final do 1.º ano Inscritos no 2.º ano 25 24/25 96% 20/24 83,3% 16/20 80% Quadro 2. Género dos estudantes inscritos no ano letivo 2010/2011 Género n % Masculino 3 18,75 Feminino 13 81,25 2. Realização académica A seguir apresentamos sumariamente os resultados relativos à realização académica dos mestrandos a nível das duas unidades curriculares que fazem parte do 3.º semestre curricular, nomeadamente, Seminário de Apoio ao Projeto e Elaboração e Redação do Projeto/Dissertação. 5

6 Quadro 3. Número e percentagem de mestrandos inscritos, avaliados e aprovados para o ano letivo de 2010/2011 n % Inscritos no 2.º Ano % Terminaram dissertação no tempo previsto 12/16 75% Dissertações em curso 4/16 25% Como é possível constatar no Quadro 3, dos 16 estudantes inscritos no 3.º semestre curricular do MIME, 12 obtiveram o grau de Mestre no tempo previsto, tendo as respectivas dissertações sido arguidas por especialistas nos domínios tratados (cf. Quadro 4). Relativamente ao aproveitamento dos estudantes, podemos destacar os resultados bastante positivos a nível do Seminário de Apoio ao Projeto (M = 17,33; Min. = 16,00; Máx. = 18,00) e da Elaboração e Redação do Projeto/Dissertação (M = 17,92; Min. = 17,00; Máx. = 19,00). De acordo com a escala qualitativa europeia de classificações 1, o nível de realização médio obtido encontra-se entre o Muito Bom e o Excelente. Quadro 4. Dissertações finalizadas no tempo previsto Mestranda(o) Título da dissertação Orientador(es) Carla Ferreira O potencial Motivador dos textos narrativos no 1º Ciclo do Ensino Básico: Contribuições da investigação Prof. Doutora Fernanda Leopoldina Viana Prof. Doutora Alice Bastos Carla Monteiro Competência de Comunicação oral e competência social no ensino Básico: Contributos da investigação para a inovação Prof. Doutora Alice Bastos Conceição Sá Condições da Escola para a Mudança e Inovação Educacional: Um Estudo Piloto Prof. Doutor José Melo de Carvalho Florinda Michão Autonomia, Gestão das Escolas e Liderança do Sistema: Uma avaliação inicial na perspetiva do School Improvement Prof. Doutor José Melo de Carvalho 1 Escala Europeia: 0 9 Reduzido; Suficiente; Bom; Muito bom; Excelente. 6

7 Helena Mendes Isabel Covêlo Motivação para a leitura e compreensão leitora no ensino básico: contributos para a inovação educacional Escola Inclusiva e Auto-eficácia dos professores: Um estudo comparativo entre professores do Ensino Regular e de Educação Especial Prof. Doutora Fernanda Leopoldina Viana Prof. Doutora Alice Bastos Prof. Doutora Teresa Gonçalves José Carlos Silva Projecto Ritmos do Mundo : Estratégia de educação inter/multicultural. Estudo de caso Prof. Doutora Anabela Moura Manuela Alves Margarida Barbosa Preferências de leitura e motivação no 1º ciclo do ensino básico: A perspetiva dos alunos e dos professores Transição de Ciclos, Agrupamentos de Escolas e Inovação Educacional: Um estudo multimétodo Prof. Doutora Fernanda Leopoldina Viana Prof. Doutora Alice Bastos Prof. Doutor José Melo de Carvalho Prof. Doutora Alice Bastos Maria Manuel Machado Vinculação e estilos educativos parentais: Contribuições para a inovação na educação especial Prof. Doutora Carla Faria Rosária Carrilho Trabalho colaborativo entre professores e inovação educacional: contribuições da investigação Prof. Doutor José Melo de Carvalho Sheila Ferreira Inovação e Empowerment em Contexto Educativo: contribuições de um programa integrado no currículo Prof. Doutora Carla Faria ATIVIDADES DE DIVULGAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO ASSOCIADA A ESTE CICLO DE ESTUDOS 1. Divulgação em congressos Em paralelo à execução da Dissertação, os estudantes foram incentivados a divulgar alguns dos resultados obtidos no âmbito dos seus trabalhos de investigação, não só em reuniões científicas nacionais, mas também internacionais. Segue-se a listagem dos trabalhos divulgados. 7

8 Congressos Internacionais Alves, M., Peixoto, C., & Bastos, A. (2011, Setembro). Preferências de leitura e motivação no 1.º Ciclo do Ensino Básico: A perspetiva dos alunos. Poster a apresentar no XI Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, Corunha, Espanha. Carrilho, R., Peixoto, C., & Melo de Carvalho, J. (2011, Setembro). Trabalho colaborativo entre professores e inovação educacional: Contribuições da investigação. Poster a apresentar no XI Congresso Internacional Galego- Português de Psicopedagogia, Corunha, Espanha. Ferreira, C., Bastos, A., Peixoto, C., & Viana, F. L. (2011, Setembro). O potencial motivador dos textos narrativos no 1.º Ciclo do Ensino Básico: Contribuições da investigação. Poster a apresentar no XI Congresso Internacional Galego- Português de Psicopedagogia, Corunha, Espanha. Ferreira, S., Moreira, E., Faria, C. (2011, Setembro). Inovação e empowerment em contexto educativo: Contribuições de um programa integrado no currículo. Comunicação apresentada no XI Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, Corunha, Espanha. Mendes, H., Peixoto, C., & Bastos, A. (2011, Setembro). Motivação para a leitura: Efeitos do género e dos hábitos de leitura em alunos do ensino básico. Poster a apresentar no XI Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, Corunha, Espanha. Michão, F., Peixoto, C., & Melo de Carvalho, J. (2011, Setembro). Autonomia e gestão da escola numa perspetiva de School Improvement: Um estudo exploratório. Poster a apresentar no XI Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, Corunha, Espanha. Sá, C., Peixoto, C., & Melo de Carvalho, J. (2011, Setembro). Condições da escola para a mudança e inovação educacional no ensino secundário: Um estudo piloto. Poster a apresentar no XI Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, Corunha, Espanha. Congressos nacionais Barbosa, M., Moreira, E., Melo de Carvalho, J., & Bastos, A. (2011, Junho). Mudança e transição de ciclos: Estudo longitudinal. Poster apresentado no XI Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação Investigar, Inovar e Desenvolver: Desafios das Ciências da Educação, Guarda. Machado, M. M., Moreira, E., & Faria, C. (2011, Junho). Vinculação e estilos educativos parentais: Contribuições para a inovação na educação especial. Poster apresentado no apresentado no XI Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação Investigar, Inovar e Desenvolver: Desafios das Ciências da Educação, Guarda. 8

9 Melo de Carvalho, J., Peixoto, C., Sá, C., & Michão, F. (2011, Junho). Avaliação das condições dos alunos, dos professores e da escola para a mudança na perspetiva do School Improvement. Comunicação apresentada no XI Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação Investigar, Inovar e Desenvolver: Desafios das Ciências da Educação, Guarda. Monteiro, C., Moreira, E., & Bastos, A. (2011, Junho). Avaliar a competência comunicativa oral na Língua Portuguesa no Ensino Básico: Estudo sobre uma grelha de observação/avaliação. Poster apresentado no apresentado no XI Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação Investigar, Inovar e Desenvolver: Desafios das Ciências da Educação, Guarda. 2. Outras ações de divulgação da investigação A Comissão Científica do Mestrado em Inovação e Mudança Educacional promoveu os Encontros de Avaliação e Inovação em Educação: Contributos do School Improvement, que decorreu no dia 18 de Junho de 2011 na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (cf. programa científico em Anexo 1). Este encontro permitiu, por um lado, divulgar o trabalho desenvolvido pelos mestrandos até à data e, por outro, discutir aprofundadamente a metodologia e os resultados obtidos no âmbito das suas dissertações com especialistas convidados que têm desenvolvido investigação nos domínios em análise (Prof. Doutor José Alberto Correia, Universidade do Porto; Prof. Doutora Preciosa Fernandes, Universidade do Porto; Prof. Doutora Fernanda Leopoldina Viana, Universidade do Minho). Segue-se a listagem dos trabalhos apresentados e discutidos. Monteiro, C. - Competência Comunicativa Oral e Competência Social no Ensino Básico: Investigar para Inovar em Educação Sá, C. - Condições da Escola para a Mudança e Inovação Educacional no Ensino Secundário: Um Estudo Piloto Michão, F. - Autonomia e Gestão das Escolas na Perspetiva do School Improvement: Um Estudo Piloto Barbosa, M. - Inovação Externamente Induzida e Transição de Ciclos: Um Estudo Longitudinal Machado, M. M. - Vinculação e Estilos Educativos Parentais: Contribuições para a Inovação na Educação Especial Carrilho, R. - Trabalho Colaborativo entre Professores e Inovação Educacional: Um Estudo Piloto 9

10 Ferreira, C. - O Potencial Motivador dos Textos Narrativos no 1º Ciclo do Ensino Básico Mendes, H. - Motivação para a Leitura e Compreensão leitora no Ensino Básico: Contribuições para a Inovação Educacional Covêlo, I. - Escola Inclusiva e Auto-Eficácia dos Professores: Um Estudo entre Professores do Ensino Regular e de Educação Especial Silva, J. C. - Projeto Ritmos do Mundo - Estratégia de Educação Inter/Multicultural: Estudo de Caso Alves, M. - Preferências de Leitura no 1º Ciclo do Ensino Básico: A Perspetiva dos Alunos Ferreira, S. - Um Programa de Estratégias de Estudo para Alunos do Ensino Básico: Da Construção à Avaliação 3. Atividades com vista ao desenvolvimento de um grupo de estudos e reflexão no domínio Criação do Núcleo de Estudos sobre Inovação Educacional, Aprendizagem e Sucesso Escolar No sentido de continuar a desenvolver investigação no domínio e de criar uma rede de apoio à melhoria nas escolas foi criado o Núcleo de Estudos sobre Inovação Educacional, Aprendizagem e Sucesso Escolar, o qual agrega os mestres formados no MIME. Formação contínua De iniciativa do Núcleo de Estudos foram apresentadas propostas de formação contínua (um círculo de estudos e seis oficinas de formação) no âmbito do domínio da avaliação e inovação educacional. Estas propostas aguardam acreditação do Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua. APRECIAÇÃO GLOBAL 1. Pontos fortes e pontos fracos Considerando a globalidade dos resultados obtidos para o ano letivo 2010/2011, destacamos como pontos fortes deste mestrado os seguintes aspetos: (1) taxa de conclusão no tempo 10

11 previsto particularmente elevada (75%); (2) apreciação global bastante positiva por parte dos arguentes externos, predominantemente da Universidade do Porto e da Universidade do Minho; (3) divulgação do trabalho de investigação desenvolvido pelos mestrandos à comunidade científica, concretizada através da realização de Seminários Aprofundados e contacto com especialistas, assim como através da participação em encontros científicos a nível nacional e internacional; (4) envolvimento da equipa docente, capacidade de suporte e desafio por parte dos orientadores de dissertação; capacidade de trabalho por parte dos estudantes; (5) transferência de conhecimento para a Comunidade académica e educativa através da criação de um grupo de formação contínua em que os mestres do MIME se transformam em formadores, estabelecendo ligações em rede com os Agrupamentos de Escola do Distrito. Atendendo ao volume de trabalho inerente à elaboração e redação de uma dissertação/trabalho de Projecto numa nova área do conhecimento, como é o caso da Inovação Educacional, bem como ao facto de todos os mestrandos serem estudantestrabalhadores, destacamos como pontos fracos a duração do MIME (três semestres curriculares) e a impossibilidade dos estudantes realizarem o 3.º semestre curricular a tempo parcial. 2. Oportunidades e ameaças Quanto às oportunidades, sublinhamos a abertura à comunidade educativa concretizada através da transferência de conhecimento/desenvolvimento para a região em que a Instituição se insere concretizada na divulgação dos resultados e na criação do Núcleo de Estudos sobre Inovação Educacional, Aprendizagem e Sucesso Escolar. Finalmente, no que se refere às ameaças, não podemos deixar de referir (1) a atual conjuntura económica do país que afeta a possibilidade de alguns estudantes suportarem as despesas inerentes à realização de uma Dissertação de mestrado, (2) a dificuldade em conciliar a elaboração e redação do Projeto/Dissertação com a sobrecarga de trabalho que existe atualmente nas escolas onde os mestrandos exercem a sua atividade docente, e (3) a alteração 11

12 da legislação que dificulta a participação dos mestrandos em atividades de formação avançada. 3. Recomendações Atendendo à necessidade de se proceder à elaboração de Planos de Melhoria nas Escolas/Agrupamentos de escolas e de desenvolver a formação especializada de avaliadores, considera-se relevante a reformulação do plano de estudos do MIME, no sentido de realçar a vertente de avaliação. De salientar ainda, a importância de criar condições para um trabalho mais distribuído, prevendo-se a execução da dissertação de mestrado a tempo parcial. Em síntese, e atendendo que o MIME entrou em funcionamento pela primeira vez no ano letivo transato (2009/2010), pode-se concluir que, em geral, este Ciclo de Estudos funcionou de forma adequada, tendo cumprido em grande medida os objetivos estabelecidos. 12

13 Comissão Científica do Mestrado em Inovação e Mudança Educacional Prof. Doutor José Melo de Carvalho (Coordenador de Curso) Prof. Doutora Alice Bastos (vogal) Prof. Doutora Carla Faria (vogal) Os Relatores Jose Melo de Carvalho, Coordenador do Mestrado Carla Peixoto 13

14 ANEXO

15 PROGRAMA CIENTÍFICO 9h30 Conferência abertura José Alberto Correia FPCE, Universidade do Porto 10h30 Coffee Break 11h - 13h Mesa redonda 1 - Avaliar para inovar em Educação Moderadora: Preciosa Fernandes FPCE, Universidade do Porto Carla Monteiro - Competência Comunicativa Oral e Competência Social no Ensino Básico: Investigar para Inovar em Educação Conceição Sá - Condições da Escola para a Mudança e Inovação Educacional no Ensino Secundário: Um Estudo Piloto Florinda Michão - Autonomia e Gestão das Escolas na Perspectiva do School Improvement: Um Estudo Piloto Margarida Barbosa - Inovação Externamente Induzida e Transição de Ciclos: Um Estudo Longitudinal Mª Manuel Machado - Vinculação e Estilos Educativos Parentais: Contribuições para a Inovação na Educação Especial Rosária Carrilha - Trabalho Colaborativo entre Professores e Inovação Educacional: Um Estudo Piloto 13h 14h30 Almoço 14h30 Mesa redonda 2 - Motivação para a Leitura e Inovação Educacional Moderadora: Fernanda Leopoldina Viana - IE, Universidade do Minho Carla Ferreira - O Potencial Motivador dos Textos Narrativos no 1º Ciclo do Ensino Básico Helena Mendes - Motivação para a Leitura e Compreensão leitora no Ensino Básico: Contribuições para a Inovação Educacional Isabel Covêlo - Escola Inclusiva e Auto-Eficácia dos Professores: Um Estudo entre Professores do Ensino Regular e de Educação Especial José Carlos Silva - Projecto Ritmos do Mundo - Estratégia de Educação Inter/Multicultural: Estudo de Caso Manuela Alves - Preferências de Leitura no 1º Ciclo do Ensino Básico: A Perspectiva dos Alunos Sheila Ferreira - Um Programa de Estratégias de Estudo para Alunos do Ensino Básico: Da Construção à Avaliação 16h30 Coffee Break 17h 18h Encerramento

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Ano Lectivo 2007/2008 Junho de 2009 ÍNDICE Objectivos do Relatório Fases de Elaboração do Relatório Universo do Relatório

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS DO ALENTEJO

INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS DO ALENTEJO XI Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia Coruña, 7, 8 e 9 de Setembro de 2011 INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS

Leia mais

MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO - Especialização em Administração e Organização Escolar

MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO - Especialização em Administração e Organização Escolar 2014 MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO - Especialização em Administração e Organização Escolar Título do relatório: Os Exames Nacionais do Ensino Secundário como Modelo de Avaliação Externa Autor: Maria

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

RESPOSTA AO RELATÓRIO de

RESPOSTA AO RELATÓRIO de RESPOSTA AO RELATÓRIO de Comissão Externa de Avaliação Comissão D. Educação Subcomissão D.4.1 Educação de Infância + 1º Ciclo Do Curso de Licenciatura de Educação de Infância Da Escola Superior de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE Artigo 1º Objeto O Regulamento do 2º Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria.

REGULAMENTO. Projetos de tese de doutoramento. Elaborado por: Aprovado por: Versão. Reitor 1.3. Gabinete Apoio Reitoria. REGULAMENTO Projetos de tese de doutoramento Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.3 (Professor Doutor Rui oliveira) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira) 31 de

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS

SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS 1. Descrição Simuladores Virtuais no Ensino Experimental das Ciências 2. Razões justificativas da ação: Problema/Necessidade de formação identificado

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

NCE/14/00711 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00711 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00711 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Artigo 1.º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

IV JORNADAS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA O(s) DesENCONTRO(s) entre a escola e a família 17 e 18 maio 2013

IV JORNADAS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA O(s) DesENCONTRO(s) entre a escola e a família 17 e 18 maio 2013 As IV Jornadas da Prática Pedagógica, subordinadas à temática O(s) DesENCONTRO(s) entre a escola e a família, pretendem constituir um espaço de debate e de reflexão sobre os processos de (inter)ação dos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Correio electrónico Telefone 96 6257803 Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 08/ 06/1976 EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola Edição Instituto de Educação

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Mestrado em Conservação e Restauro 1 Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa (UNL),

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

Relatório de atividades do IPAM- Aveiro

Relatório de atividades do IPAM- Aveiro Relatório de atividades do IPAM- Aveiro 2013 2014 Índice INTRODUÇÃO... 4 1. Grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual e dos respetivos objetivos... 5 Enquadramento: plano e objetivos...

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI O presente Regulamento visa dar cumprimento ao estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO Aprovado por deliberação do Conselho Científico da Escola do Porto da Faculdade de Direito da UCP em 10 de Janeiro de 2014 Artigo 1.º Grau de Mestre em Direito 1. A Universidade

Leia mais

EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO

EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO Norma I Objetivos 1. No quadro da sua política de Responsabilidade Social, e no cumprimento da sua missão mutualista, o Montepio, através da Fundação Montepio, tem vindo a privilegiar

Leia mais

Aplicações Informáticas de Gestão

Aplicações Informáticas de Gestão 1. Denominação do curso de especialização tecnológica: Aplicações Informáticas de Gestão 2. Perfil profissional que visa preparar: Técnico (a) Especialista em Aplicações Informáticas de Gestão É o profissional

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS

PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS 2015-2016 2 PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS COORDENAÇÃO Prof. Doutor Paulo Lopes Henriques Prof. Doutor Sérgio

Leia mais

MBA MASTER BUSINESS ADMINISTRATION E MBAH MASTER EM GESTÃO HOTELEIRA E TURISTICA

MBA MASTER BUSINESS ADMINISTRATION E MBAH MASTER EM GESTÃO HOTELEIRA E TURISTICA MBA MASTER BUSINESS ADMINISTRATION E MBAH MASTER EM GESTÃO HOTELEIRA E TURISTICA Angra do Heroísmo 2007 1 MBA MASTER BUSINESS ADMINISTRATION MBAH MASTER EM GESTÃO HOTELEIRA E TURISTICA Objectivos dos dois

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território

Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território RELATÓRIO DA CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA Ano Lectivo 2008/2009 Porto, Dezembro 2009 1 Índice 1. O curso de 2º ciclo em Ecologia,

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze CONSELHO GERAL 2013-17 Ata número treze -------- Aos vinte e nove dias do mês de Abril de dois mil e quinze reuniu, pelas dezoito horas o conselho geral para tratar da seguinte ordem de trabalhos: -----

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES PROCESSO REFERENTE À CRIAÇÃO E ENTRADA EM FUNCIONAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES (De acordo com o Artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 74/200, de 24 de Março) DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília Projectos de investigação Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais Coordenador: Isabel Barca Equipa de investigação Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte Contemporânea Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A Pós-Graduação

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais ÍNDICE CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS... 3 OBJECTIVOS...

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

MESTRADO EM EDUCAÇÃO

MESTRADO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O CURSO 1. Recomendação pela Capes: ofício nº 115-20/2012/CTC/CAAII/CGAA/DAV/ CAPES de 2 de outubro de 2012. 2. Objetivo geral: formar o pesquisador, o docente

Leia mais

NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Maiêutica Cooperativa De Ensino Superior,

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

(Re)pensar a Formação de Professores no contexto do Processo de Bolonha: Que constrangimentos? Que alternativas?

(Re)pensar a Formação de Professores no contexto do Processo de Bolonha: Que constrangimentos? Que alternativas? (Re)pensar a Formação de Professores no contexto do Processo de Bolonha: Que constrangimentos? Que alternativas? Elisabete Brito Instituto Politécnico da Guarda Seminário Formação Inicial de Professores

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CONTRATAÇÃO DE INVESTIGADOR/A DOUTORADO/A EM CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS a. Descrição do Concurso: O Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, Laboratório Associado (LA) por contrato assinado

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Maria Luísa de Solla Mendes da Fonseca Data de nascimento: 7 de Novembro de 1950 BI nº 6065179 Lisboa Rua Sacadura Cabral, 76, 1ºEsq.- Cruz Quebrada 1495-713 Lisboa Telefone: 965009978

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1)

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2. AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) DOC2 AVALIAÇÃO DO SUCESSO ACADÉMICO: como desenvolver o processo? (Part. 1) NOTA INTRODUTÓRIA Integrado no Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais