4. GERÊNCIA DE PROCESSADOR (Escalonamento de processos)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4. GERÊNCIA DE PROCESSADOR (Escalonamento de processos)"

Transcrição

1 4. GERÊNCIA DE PROCESSADOR (Escalonamento de processos) Para implementar o compartilhamento da CPU entre diversos processos, um sistema operacional multiprogramável deve possuir um critério para determinar, entre os diversos processos no estado pronto, qual o próximo processo a executar. Figura A- Estados de um processo em um Sistema Operacional Esse procedimento de seleção é realizado por um importante componente do sistema operacional denominado escalonador, e, por isso, recebe o nome de escalonamento de processos. O escalonamento tem como principais objetivos: maximizar a utilização do processador maximizar o número de processos completados por unidade de tempo garantir que todos o processos recebam o processador minimizar o tempo de resposta para o usuário Tipos de escalonamento: não-preemptivo: processo que está executando não pode ser interrompido. Presente nos primeiros sistemas multiprogramáveis, onde predominava o processamento em batch. As políticas que implementam escalonamento não-preemptivo não são aplicáveis à sistemas de tempo compartilhado, pois em processos interativos é necessário um tempo de resposta ao usuário razoável. preemptivo: o processador pode ser retirado do processo que está executando. Permite atenção imediata aos processos mais prioritários (tempo real), melhores tempos de resposta (tempo compartilhado), compartilhamento uniforme do processador. 4.1 Políticas de escalonamento não-preemptivas Primeiro a chegar-primeiro a sair (first-in first-out ou Fifo) O primeiro processo que chegar é o primeiro a ser selecionado para execução. Os processos que passam para o estado pronto são colocados no final de uma fila. Quando chegarem ao seu início, serão selecionados para executarem. Utilizado para processos bloqueados também. Algoritmo de implementação bastante simples, utilizando uma única fila. Ao receber o processador, o processo utiliza-o sem sofrer interrupções. Processos pequenos esperam tanto quanto os grandes.

2 Figura B- Implementação do escalonamento First in-first out Menor-tarefa-primeiro (shortest-job-first ou shortest-job-next) Cada processo possui um tempo de uso do processador É ativado o processo com menor tempo de processador O processo não perde o processador para um processo de menor duração (não preemptivo) Minimiza o tempo médio de espera de um conjunto de processo pois os processos menores são colocados à frente e terminam mais rápido Processo pequenos tem espera média menor que os grandes Dificuldade de se determinar antecipadamente o tempo de processador de cada processo. Na prática o tempo é estimado aproximadamente Não considera outros tipos de seleção (prioridades) Pode causar postergação indefinida quando um processo com elevado tempo de processamento não receber nunca o processador. Processos grandes possuem espera média maior do que no FIFO

3 Figura C- Implementação do escalonamento Shortest-Job-First Exercícios com as políticas de escalonamento não-preemptivas. Arquivo 4-ExNaoP.doc 4.2 Políticas de escalonamento preemptivas Circular (round robin) O primeiro processo na fila de prontos recebe o processador Cada processo executa durante uma fatia de tempo (time-slice) Se a fatia de tempo for excedida, o processo que estava executando é removido (preempção) e inserido, do mesmo modo que os processos que são desbloqueados e os recém criados, no final da fila pronto O tratamento dispensado aos processos é o mesmo, indistintamente O valor da fatia de tempo (entre 100 e 300 ms) é crucial: pequeno: o tempo de troca de contexto torna-se significativo, gerando overhead grande: aumenta o tempo de resposta dos processos no final da fila de prontos Bastante adequado para sistemas de tempo compartilhado. Favorece processos pequenos, que terminam primeiro, sem penalizar os grandes Simplicidade de implementação Processos I/O bound não recebem tratamento diferenciado de modo a compensar o elevado tempo que passam bloqueados, competindo de forma igual com os outros pelo processador.

4 Figura D- Implementação do escalonamento circular (Round robin) Por prioridades A cada processo é atribuída uma prioridade O processo com maior prioridade na fila de prontos receberá o processador É possível fazer diferenciação entre os processos Adaptabilidade (prioridades dinâmicas) No caso de processos I/O-bound serem prioritários, não há prejuízo para os CPU-bound que podem executar enquanto os primeiros estão bloqueados Pode causar postergação indefinida quando um processo com baixa prioridade de processamento não receber nunca o processador. Pode ser resolvido pela verificação do tempo de espera, seguida do aumento da prioridade dos processos há muito tempo esperando A política de escalonamento por prioridades pode ser: não-preemptiva: o processo libera espontaneamente o processador preemptiva: o processo que está executando é interrompido pela chegada à fila de prontos de um processo de maior prioridade As prioridades podem ser de: atribuição estática: quando o processo tem uma prioridade fixa durante seu tempo de vida atribuição dinâmica: quando a prioridade muda ao longo do tempo de vida do processo (todo processo ao sair do estado de bloqueado recebe um acréscimo à sua prioridade). Embora sejam mais complexos de implementar e geram overhead maior, o tempo de resposta compensa.

5 Figura E- Implementação do escalonamento por prioridades Múltiplas filas Prioridades são atribuídas à classes de processos (de acordo com o tipo de processamento), cada qual com sua própria fila de prontos com seu mecanismo de seleção Processos das classes de maior prioridade recebem o processador Os processos das classes de menor prioridade só receberão o processador se as filas de prontos das outras classes (de maior prioridade) estiverem vazias

6 Figura F- Implementação do escalonamento por múltiplas filas Os processos devem ser previamente classificados para serem enviados à fila correspondente. Isto é feito em função das características dos processos, como, por exemplo: Figura G- Características dos processos consideradas na criação das múltiplas filas Associação estática à fila de prontos Os mecanismos de seleção implementados podem ser circular (round robin) ou FIFO Exige uma classificação prévia dos processos, os quais são direcionados para as suas respectivas filas Uma vez associado à uma fila o processo sempre retorna à ela

7 Figura H- Implementação do escalonamento de múltiplas filas com associação estática às filas de Associação dinâmica à fila de prontos Processos podem migrar entre as classes (adaptabilidade) de acordo com seu comportamento, identificado pelo sistema O processo entra na fila de maior prioridade, a qual também possui a maior fatia de tempo Se o processo perde o processador para um de uma fila de maior prioridade, permanece na mesma fila de prontos. Se perder por preempção, é direcionado para a fila seguinte, de menor prioridade As filas de maior prioridade implementam políticas FIFO, enquanto que a de menor prioridade implementa um mecanismo circular (round robin) Gera um overhead maior, porém, ainda assim, pode compensar a sua implementação

8 Figura I- Implementação do escalonamento de múltiplas filas com associação dinâmica às filas de prontos

Definição. ? Algoritmo de Escalonamento de CPU. ? Algoritmo do S.O. que determina qual o próximo processo a ocupar a CPU

Definição. ? Algoritmo de Escalonamento de CPU. ? Algoritmo do S.O. que determina qual o próximo processo a ocupar a CPU Definição? Algoritmo de Escalonamento de CPU 6 Terminado? Algoritmo do S.O. que determina qual o próximo processo a ocupar a CPU? Executado quando ocorre estouro de Quantum ou interrupção do processo (I/O,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Escalonamento de processos

Sistemas Operacionais. Escalonamento de processos Sistemas Operacionais Escalonamento de processos 1 Escalonamento de Processos Sistemas Interativos Algoritmos para Sistemas Interativos: First-Come-First-Served (FIFO) Round-Robin; Prioridade; Múltiplas

Leia mais

Estratégias de Escalonamento de Processos

Estratégias de Escalonamento de Processos Estratégias de Escalonamento de Processos Rossano Pablo Pinto, MSc. FATEC - Americana 15/02/2008 Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto - FATEC Ame 1 O que é um sistema multiprogramável? compartilha a CPU entre

Leia mais

Escalonamento de Processos Estratégias de Escalonamento de Processos

Escalonamento de Processos Estratégias de Escalonamento de Processos Estratégias de Escalonamento de s Rossano Pablo Pinto, MSc. FATEC - Americana 15/0/008 O que é um sistema multiprogramável? compartilha a CPU entre diversos processos é desejável que os processos obtenham

Leia mais

Processos. Escalonamento de Processos

Processos. Escalonamento de Processos Processos Escalonamento de Processos Objetivos do Escalonamento Maximizar a taxa de utilização da UCP. Maximizar a vazão ( throughput ) do sistema. Minimizar o tempo de execução ( turnaround ). Turnaround:

Leia mais

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1)

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1) Aula Passada Processos (Aula 6) Escalonamento de Processos O SO gerencia os recursos do sistema de computação em benefício dos processos Para isso, mantem estruturas de controles Tabelas (memória, I/O,

Leia mais

Algoritmos de escalonamento

Algoritmos de escalonamento Algoritmos de escalonamento Escalonamento de Processos Sistemas Interativos Algoritmos para Sistemas Interativos: First-Come-First-Served (FIFO) Round-Robin; Prioridade; Múltiplas Filas; Utilizam escalonamento

Leia mais

Escalonamento de Processos Uniprocessador

Escalonamento de Processos Uniprocessador Sistemas Operacionais Escalonamento de Processos Uniprocessador Capítulo 9 IC - UFF 1 Objetivos do Escalonamento É a chave de multiprogramação eficiente deve ser transparente ao usuário Esolher processos

Leia mais

Lista de Exercícios Escalonamento de CPU. 1. Considere o seguinte conjunto de processos, com o tamanho do tempo de burst de CPU dado em milissegundos:

Lista de Exercícios Escalonamento de CPU. 1. Considere o seguinte conjunto de processos, com o tamanho do tempo de burst de CPU dado em milissegundos: Lista de Exercícios Escalonamento de CPU 1. Considere o seguinte conjunto de processos, com o tamanho do tempo de burst de CPU dado em milissegundos: Tempo de Serviço Prioridade 10 3 1 1 P3 2 3 P4 1 4

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo

Davidson Rodrigo Boccardo Gerenciamento de processos Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Revisão Critérios de alocação: Utilização da CPU Produtividade (Throughput) Número de processos finalizados por unidade de tempo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille e da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Processos - Parte 3 Prof. Dr. Fábio Rodrigues de la Rocha (Processos - Parte 3) 1 / 19 Algoritmos de Escalonamento Nas aulas anterior vimos o ESCALONADOR, que é uma parte do SO responsável

Leia mais

Sistemas Operacionais. Universidade Federal de Minas Gerais. Aula 3. Escalonamento

Sistemas Operacionais. Universidade Federal de Minas Gerais. Aula 3. Escalonamento Aula 3 Escalonamento Escalonamento Porque? Quando? Como? Critérios? Políticas de escalonamento Como avaliar? Referências: Capítulo 5: 5.1 a 5.3, 5.6 Porque Escalonar? Escalonamento controla compartilhamento

Leia mais

Gerência de Recursos. Gerência do Processador

Gerência de Recursos. Gerência do Processador Gerência de Recursos Gerência do Processador Escalonamento Não-Preemptivos e Preemptivos Preempção - possibilidade de o SO interromper um processo em execução e substituí-lo por um outro. O Escalonamento

Leia mais

Temporização(Scheduling) de Processos. TemporobjectivomaximizarousodoCPU,i.e.tersempre um processo a executar.

Temporização(Scheduling) de Processos. TemporobjectivomaximizarousodoCPU,i.e.tersempre um processo a executar. Temporização(Scheduling) de Processos TemporobjectivomaximizarousodoCPU,ietersempre um processo a executar Filas de processos usadas em scheduling: Fila de tarefas: processos submetidos para execução,

Leia mais

Temporização (Scheduling) de Processos

Temporização (Scheduling) de Processos Temporização (Scheduling) de Processos Tem por objetivo maximizar o uso da CPU, i.e. ter sempre um processo a executar. Ð ÔÖÓ Ó Ù Ñ ÙÐ Ò Fila de tarefas: processos submetidos para execução, à espera de

Leia mais

Escalonamento de Processos. Estratégia de atribuição do Processador aos Processos

Escalonamento de Processos. Estratégia de atribuição do Processador aos Processos Escalonamento de Processos Estratégia de atribuição do Processador aos Processos 1. Introdução 2. Políticas de Escalonamento 3. Critérios para um bom escalonador 4. Caracterização dos escalonadores 5.

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 5 Gerenciamento de Processos Prof. Belarmino Execução de Processos Já vimos que o processador executa os processos entregando uma fatia de tempo (time slice) para

Leia mais

Sistemas de Computação. Processos e escalonamento

Sistemas de Computação. Processos e escalonamento Processos e escalonamento Sistema operacional Programa que age como intermediário entre o usuário de um computador e o hardware Objetivos: Executar programas do usuário e facilitar a resolução de problemas

Leia mais

Sistemas Operativos: Escalonamento de Processos

Sistemas Operativos: Escalonamento de Processos Sistemas Operativos: Escalonamento de Processos Pedro F. Souto (pfs@fe.up.pt) March 29, 2011 Sumário Escalonamento de Processos O Problema Algoritmos de Escalonamento de Processos Leitura Adicional Padrão

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Escalonamento de Processos Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano da Aula 2 Componentes básicos Algoritmos de Escalonamento Conceito escalonamento Tipos de escalonadores

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais ESCALONAMENTO DE PROCESSOS Processos e Recursos Conceito de Escalonamento O S.O. gerencia recursos computacionais em benefício dos diversos processos que executam no sistema. A questão

Leia mais

SO: Escalonamento. Sistemas Operacionais Flavio Figueiredo (http://flaviovdf.github.io)

SO: Escalonamento. Sistemas Operacionais Flavio Figueiredo (http://flaviovdf.github.io) SO: Escalonamento Sistemas Operacionais 2017-1 Flavio Figueiredo (http://flaviovdf.github.io) 1 Aonde Estamos Processos Chapt 3 Threads Chapt 4 Vamos pular o Chapt 5 brevemente Sincronização e comunicação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Escalonadores preemptivos p Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Sistemas Operacionais i Gerência do processador Escalonamento preemptivo Aula 07 O escalonador retira o processador de um processo*

Leia mais

Sistemas Operacionais. Capítulo 8 Gerência do Processador

Sistemas Operacionais. Capítulo 8 Gerência do Processador Sistemas Operacionais Capítulo 8 Gerência do Processador Baseado no Livro e Material de Apoio de Arquitetura de Sistemas Operacionais 3ª edição - LTC - 2004 Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia 1 Sumário

Leia mais

Resumo: Sistemas Operacionais Abertos

Resumo: Sistemas Operacionais Abertos Resumo: Sistemas Operacionais Abertos Prof. Michael A. Pontes Processos Um processo é um programa em execução. Enquanto um processo é executado, ele muda de estado. O estado de um processo é definido pela

Leia mais

Sistemas Operacionais. Capítulo 5 Processos

Sistemas Operacionais. Capítulo 5 Processos Sistemas Operacionais Capítulo 5 Processos Baseado no Livro e Material de Apoio de Arquitetura de Sistemas Operacionais 3ª edição - LTC - 2004 Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Cap. 5 Processo 1

Leia mais

Um modelo de objetos para simulação de mecanismos de alocação da CPU

Um modelo de objetos para simulação de mecanismos de alocação da CPU Um modelo de objetos para simulação de mecanismos de alocação da CPU Tópicos Introdução: Motivação e requisitos do simulador O Modelo de Objetos: Projeto e implementação Interface gráfica O Sistema Operacional

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais ANHANGUERA Sistemas Operacionais Prof. Esp. Rafael Gross Processos Sumário Introdução Conceito de processo Estrutura do processo Estados do processo Mudanças de estado do processo Criação e eliminação

Leia mais

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 8 Ge r ê n cia a do o Pr oce ssa dor

Ar qu it e t u r a a de e Sist e m a s Ope r a cion a is Fa bia n o o Ut iy a m a Ca pít u lo o 8 Ge r ê n cia a do o Pr oce ssa dor Arquitetura de Sistem as Operacionais Fabiano Utiyam a Capítulo 8 Gerência do Processador 8/1 I ntrodução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, nos quais múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Estados dos processos. Infra Estruturas Computacionais. A troca de contexto. Escalonamento de Processos. Escalonamento de Processos

Estados dos processos. Infra Estruturas Computacionais. A troca de contexto. Escalonamento de Processos. Escalonamento de Processos Infra Estruturas Computacionais Professor: André Ferreira andre.ferreira@ifba.edu.br Material baseado: Prof.ª Renata Vilas e outros Estados dos processos novo admissão condição satisfeita pronto carga

Leia mais

Escalonamento de processos

Escalonamento de processos de processos Carlos Gustavo A. da Rocha Nos computadores atuais frequentemente temos vários processos (threads) competindo por um pequeno número de CPUs Nestes casos uma escolha deve ser feita de qual

Leia mais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Capítulo 2 Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Multiprogramação Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização de um SO Moderno

Leia mais

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo Conceito de processo Os computadores executam várias operações ao mesmo tempo. - Compilar um programa; - Enviar um arquivo para a impressora; - Exibir uma página web; - Reproduzir músicas; - Receber mensagens

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO. Resenha Livro Sistemas Operacionais 4ª edição Capítulo quatro: Gerencia do processador

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO. Resenha Livro Sistemas Operacionais 4ª edição Capítulo quatro: Gerencia do processador LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Resenha Livro Sistemas Operacionais 4ª edição Capítulo quatro: Gerencia do processador SANTO AMARO 2012 JEANDERVAL SANTOS DO CARMO RESENHA Resenha do quarto capítulo: Gerencia

Leia mais

Sistemas Operativos. Escalonamento e sincronização. Rui Maranhão

Sistemas Operativos. Escalonamento e sincronização. Rui Maranhão Sistemas Operativos Escalonamento e sincronização Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Benefícios da Multiprogramação maximiza o tempo de utilização do CPU utilização do CPU = 1 - p n n é o número de processos

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads

Capítulo 2 Processos e Threads Capítulo 2 Processos e Threads 2.1 Processos 2.2 Threads 2.3 Comunicação interprocesso 2.4 Problemas clássicos de IPC 2.5 Escalonamento Pearson Education Sistemas Operacionais Modernos 2ª Edição 1 Processos

Leia mais

Sistemas Operativos: Implementação de Processos

Sistemas Operativos: Implementação de Processos Sistemas Operativos: Implementação de Processos Pedro F. Souto (pfs@fe.up.pt) March 8, 2012 Sumário: Implementação de Processos Contexto (Estado) dum Processo Comutação de Processos Escalonamento de Processos

Leia mais

Técnicas Avançadas de Programação

Técnicas Avançadas de Programação Sumário Técnicas Avançadas de Programação Prof. João Marcos M. da Silva Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Agosto de 2011 Prof. João Marcos

Leia mais

Sistemas Operativos 5ª parte - Escalonamento do CPU

Sistemas Operativos 5ª parte - Escalonamento do CPU Sistemas Operativos 5ª parte - Escalonamento do CPU Prof. José Rogado jrogado@ulusofona.pt Prof. Pedro Gama pedrogama@gmail.com Universidade Lusófona 1 Escalonamento do CPU Objectivos: Perceber a importância

Leia mais

Fila. Algoritmos e Estruturas de Dados I

Fila. Algoritmos e Estruturas de Dados I Fila Algoritmos e Estruturas de Dados I Fila O que é? Para que serve? 2 Biblioteca Problema: automação de uma biblioteca Todos os livros devem ser cadastrados O sistema deve informar se um livro está disponível

Leia mais

Processos. Prof. Gustavo Leitão

Processos. Prof. Gustavo Leitão Processos Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes Baseada na Aula do Prof. Ricardo Valentim 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 PLANO DE AULA Processos Processos:

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade II - 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 Conceituação Estruturas de Controle Modos de execução do S.O. Estados de um

Leia mais

ENADE 2011 SISTEMAS OPERACIONAIS

ENADE 2011 SISTEMAS OPERACIONAIS ENADE 2011 SISTEMAS OPERACIONAIS SOs: conteúdos comuns Gerência de processos/processador Comunicação Concorrência e Sinc. de Processos Gerenciamento de Memória Alocação de Recursos e Deadlocks Sistemas

Leia mais

Sistemas de Computação. Memória virtual (cont.)

Sistemas de Computação. Memória virtual (cont.) Memória virtual (cont.) Thrashing Se um processo não possui páginas suficientes para ser executado na memória, a taxa de falta de páginas pode se tornar muito alta. baixa utilização de CPU sistema operacional

Leia mais

BC1518-Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC1518-Sistemas Operacionais. Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC1518-Sistemas Operacionais Escalonamento de CPU 3 Quadrimestre de 2010 Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Conceito Despachante Critérios de escalonamento Algoritmos

Leia mais

Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional

Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional - Sistema Operacional: Programa que, do ponto de vista do programador, adiciona uma grande quantidade de instruções e funcionalidades bem além das disponibilizadas

Leia mais

Instalando sua Impressora na sua rede pela primeira vez

Instalando sua Impressora na sua rede pela primeira vez Avançar>> Instalando sua Impressora na sua rede pela primeira vez PIXMA PRO-100 Sistema operacional Mac e Windows 1 Instalando sua Impressora na sua rede pela primeira vez PIXMA PRO-100 Sistema operacional

Leia mais

Processos e Threads. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto

Processos e Threads. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Processos e Threads Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos Conceito de Processos Escalonamento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Material Teórico Gerenciamento de Processos Responsável pelo Conteúdo: Prof. Ms. Claudney Sanches Junior Revisão Textual: Profa. Dra. Patrícia Silvestre Leite Di Iório Gerenciamento

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Educação. Resolução N o 03/2015

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Educação. Resolução N o 03/2015 Resolução N o 03/2015 Dá nova redação à Resolução 01/2014 e disciplina a realização do Processo Seletivo para o curso de Doutorado em Educação desta Faculdade. O Colegiado do Programa de Pós-graduação

Leia mais

Unidade: Ferramentas de administração Tópico: Contas de usuário e autorizações. Desmarque o campo de seleção Modificar senha no próximo logon.

Unidade: Ferramentas de administração Tópico: Contas de usuário e autorizações. Desmarque o campo de seleção Modificar senha no próximo logon. Exercícios Unidade: Ferramentas de administração Tópico: Contas de usuário e autorizações 1-1 Definir departamentos e contas de usuário 1-1-1 Definir departamentos Selecione Administração Configuração

Leia mais

LISTA DE EXERCICIOS 1

LISTA DE EXERCICIOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA SISTEMAS OPERACIONAIS I N - INF01142 LISTA DE EXERCICIOS 1 Não há gabarito, nem respostas aos exercícios

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Processos. Edeyson Andrade Gomes

Sistemas Distribuídos. Processos. Edeyson Andrade Gomes Sistemas Distribuídos Processos Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Fluxos de Execução (THREADS) Sistemas tradicionais Processos com único Espaço de Endereçamento Virtual (EEV) e único Fluxo de Execução

Leia mais

Escalonamento no Unix. Sistemas Operacionais

Escalonamento no Unix. Sistemas Operacionais Escalonamento no Unix Introdução (1) Unix é um sistema de tempo compartilhado: Permite que vários processos sejam executados concorrentemente. Processos ativos competem pelos diversos recursos do sistema

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Deadlock Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano da Aula 2 Introdução Modelo de um Sistema Computacional Característica de um Deadlock Modelagem de um Deadlock (Grafos de

Leia mais

Sistemas Operativos. Objetivo. Entrega do Questionário. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Exercício 4. Grupo 1 Introdução

Sistemas Operativos. Objetivo. Entrega do Questionário. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Exercício 4. Grupo 1 Introdução Sistemas Operativos Objetivo O objetivo deste questionário é levá-lo a rever os conceitos básicos dos sistemas operativos, bem como os algoritmos de scheduling e mecanismos de sincronização estudados.

Leia mais

Sistemas Operacionais. DeadLock. Edeyson Andrade Gomes.

Sistemas Operacionais. DeadLock. Edeyson Andrade Gomes. Sistemas Operacionais DeadLock Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula DeadLock Metas Algoritmos 2 DeadLock Um estado de deadlock ocorre quando dois ou mais processos estão esperando por

Leia mais

Sistemas Operacionais. Processos IC - UFF

Sistemas Operacionais. Processos IC - UFF Sistemas Operacionais Processos O conceito de processos No capítulo 1, fizemos as seguintes afirmativas quanto aos processos: Mais geral que programa Consiste em um código executável e seus dados associados,

Leia mais

Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0

Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0 Novidades Plataforma de suporte remoto do SAP Business One Versão do documento: 1.0 08.10.2012 PÚBLICO Novidades da Plataforma de suporte remoto 3.0 Todos os países Convenções tipográficas Estilo de letra

Leia mais

Desempenho de computação paralela

Desempenho de computação paralela Desempenho de computação paralela o paralelismo existente na aplicação decomposição do problema em subproblemas menores a alocação destes subproblemas aos processadores o modo de acesso aos dados: a existência

Leia mais

Interpretador Hall - Calculando o MDC

Interpretador Hall - Calculando o MDC Interpretador Hall - Calculando o MDC Veja no exemplo abaixo um algoritmo para se calcular o MDC (Maior Divisor Comum) entre dois números inteiros e positivos. O algoritmo implementa o método de Euclides

Leia mais

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ fevereiro, / 41

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ   fevereiro, / 41 Thread Sistemas Operacionais Leonard B. Moreira UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ e-mail: leonardbarreto@gmail.com.br fevereiro, 2013 1 / 41 Sumário 1 Introdução 2 Ambientes Monothread 3 Ambientes Multithread

Leia mais

Projecto de Lei n.º 12/XI

Projecto de Lei n.º 12/XI Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 12/XI Altera as Regras da Atribuição do Subsídio de Desemprego, introduzindo uma maior justiça social O desemprego em Portugal atinge actualmente níveis dramáticos,

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIADO RIO GRANDE DO NORTE IFRN Disciplina: Fundamentos de Sistemas Operacionais e Sistemas Operacionais de Rede Professor: Msc. Rodrigo Ronner T. da Silva

Leia mais

Figura 01 Programa e Processo

Figura 01 Programa e Processo 02 PROCESSOS 2.1 Introdução Para poder controlar a execução dos diversos programas e o uso concorrente do processador e dos demais recursos um programa deve sempre estar sempre associado a um processo.

Leia mais

Simulador para a Prática de Sistemas Operacionais

Simulador para a Prática de Sistemas Operacionais Simulador para a Prática de Sistemas Operacionais Denise Schimitz de Carvalho, Glauber da Rocha Balthazar, Carlos Rodrigo Dias, Marco Antônio Pereira Araújo, Paulo Henrique Rezende Monteiro Bacharelado

Leia mais

Gerência de Memória Algoritmos de Substituição de Páginas

Gerência de Memória Algoritmos de Substituição de Páginas Gerência de Memória Algoritmos de Substituição de Páginas Carlos Gustavo A. da Rocha Memória Virtual Processo A 60-64kb 56-60kb 52-56kb 48-52kb 44-48kb 40-44kb 36-40kb 32-36kb - A executa: ADD REG, 37000

Leia mais

Manual do Professor AVA - Moodle/Unesp (versão 3.0) Grupos e agrupamentos

Manual do Professor AVA - Moodle/Unesp (versão 3.0) Grupos e agrupamentos Manual do Professor AVA - Moodle/Unesp (versão 3.0) Grupos e agrupamentos O Moodle permite trabalhar com grupos entre os alunos, não necessariamente a composição dos grupos que irão desenvolver uma atividade

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

GERÊNCIA DE MEMÓRIA. INF009 Laboratório de Sistemas Operacionais

GERÊNCIA DE MEMÓRIA. INF009 Laboratório de Sistemas Operacionais GERÊNCIA DE MEMÓRIA INF9 Laboratório de Sistemas Operacionais Agenda Motivação Gerência de memória com monoprogramação Gerência de memória com multiprogramação Partições Fixas Divisão e Alocação das Partições

Leia mais

NEC Portugal, SA. Sistemas Operativos de Tempo Real

NEC Portugal, SA. Sistemas Operativos de Tempo Real NEC Portugal, SA Sistemas Operativos de Tempo Real Utilizaçã ção em Aplicaçõ ções Móveis 17 Dezembro 2003 Tópicos a Abordar Apresentaçã ção o da NEC Portugal SO de Tempo Real NUCLEUS Plus Utilizaçã ção

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Desempenho de computação paralela

Desempenho de computação paralela Desempenho de computação paralela o paralelismo existente na aplicação decomposição do problema em subproblemas menores a alocação destes subproblemas aos processadores o modo de acesso aos dados: a existência

Leia mais

1 Criptografando arquivos em um arquivo zip com o menu de contexto

1 Criptografando arquivos em um arquivo zip com o menu de contexto 1 Criptografando arquivos em um arquivo zip com o menu de contexto Selecione o(s) documento(s) que deseja adicionar ao arquivo.zip clicando com o botão direito sobre eles: no menu de contexto, selecione

Leia mais

Gerência de Recursos. Gerência do Processador

Gerência de Recursos. Gerência do Processador Gerência de Recursos Gerência do Processador Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer na memória principal compartilhando o uso da CPU, a

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Processador INTRODUÇÃO Projetado apenas para executar instruções Não é capaz de distinguir qual programa está em execução Processo

Leia mais

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1:

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1: ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares Campus: Data: / / Nome: RA: Turma: Questão 1: Silberschatz, Galvin e Gagne (c) 2007 Os alunos

Leia mais

PORTARIA N.º 1.708, DE 02 DE OUTUBRO DE 2015.

PORTARIA N.º 1.708, DE 02 DE OUTUBRO DE 2015. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Comissão Permanente de Legislação e Jurisprudência Este texto não substitui o original publicado no DJe PORTARIA N.º 1.708, DE 02 DE OUTUBRO DE

Leia mais

Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Ciclo de Vida de um Processo Todo processo passa por 3 fases durante sua vida: criação, execução e término. Um processo pode ser criado por outro

Leia mais

TECLAS PARA FORMATAR CARACTERES E PARÁGRAFOS

TECLAS PARA FORMATAR CARACTERES E PARÁGRAFOS ATALHOS WORD TECLAS PARA FORMATAR CARACTERES E PARÁGRAFOS CTRL + SHIFT + F Altera o tipo de letra CTRL + SHIFT + P Altera o tamanho do tipo de letra CTRL + SHIFT + > (maior que) Aumenta o tamanho da letra

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Fundamentos Evolução Estrutura

Leia mais

MSP430 Lab 03 Montagem e teste do cristal

MSP430 Lab 03 Montagem e teste do cristal MSP430 Lab 03 Montagem e teste do cristal LaunchPad Texas Instruments Neste Lab explicaremos como montar o cristal de referência (32.768 KHz) que por padrão não é soldado na placa LaunchPad G2. A Texas

Leia mais

Proteção para visualização do arquivo:

Proteção para visualização do arquivo: Este conteúdo faz parte da série: Excel Dicas Básicas Ver 10 posts dessa série Em determinadas ocasiões precisamos proteger trabalhos realizados no Excel, seja para enviá-los via e-mail, armazená-los em

Leia mais

Tutorial. Associação de Professor na Classe

Tutorial. Associação de Professor na Classe Tutorial Associação de Professor na Classe 1 1.0 Introdução Este Tutorial tem como objetivo orientar os usuários sobre o módulo Associação de Professor na Classe da Plataforma SED Secretaria Escolar Digital.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS CURSO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS CURSO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS CURSO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA 2º Semestre 2005/2006 Programação de Sistemas 13/7/2006 Seja objectivo, utilizando respostas curtas e directas, e justifique

Leia mais

Dispõe sobre as atividades complementares a serem cumpridas pelos alunos do Curso de Direito, como requisito para a graduação.

Dispõe sobre as atividades complementares a serem cumpridas pelos alunos do Curso de Direito, como requisito para a graduação. 1 COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO RESOLUÇÃO Nº 02 DE 14 DE MARÇO DE 2005. Dispõe sobre as atividades complementares a serem cumpridas pelos alunos do Curso de Direito, como requisito para a graduação.

Leia mais

Tipos de Sistemas Operacionais

Tipos de Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 TIPOS DE S.O. Monoprogramáveis / monotarefas; Multiprogramáveis / multitarefas: Batch; Tempo compartilhado; Tempo real; Sistemas

Leia mais

Capítulo 4: Camada de rede

Capítulo 4: Camada de rede Capítulo 4: Camada de Objetivos do capítulo: entender os princípios por trás dos serviços da camada de : modelos de serviço da camada de repasse versus roteamento como funciona um roteador roteamento (seleção

Leia mais

Sistemas Opera r cionais Sistemas de E/S 1

Sistemas Opera r cionais Sistemas de E/S 1 Sistemas Operacionais Sistemas de E/S 1 Hardware I/O Grande variedade de dispositivos I/O: Dispositivos de memória (discos, cd-rom, fitas) Dispositivos de transmissão (placas de rede e modems) Dipositivos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Dispositivos de E/S O acesso aos registradores de dispositivo apresenta se como uma questao do projeto da CPU e

Leia mais

Escalonamento em Sistemas de Tempo Real

Escalonamento em Sistemas de Tempo Real Escalonamento em Sistemas de Tempo Real Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos Conceito de Processo Módulo 4: Processos Um Sistema Operacional executa uma variedade de programas: Sistemas de processamento em lotes (batch) processa jobs Sistemas de tempo partilhado (time shared) roda

Leia mais

Uma Ferramenta de Apoio à Aprendizagem de Sistemas Operacionais

Uma Ferramenta de Apoio à Aprendizagem de Sistemas Operacionais Uma Ferramenta de Apoio à Aprendizagem de Sistemas Operacionais Shigueo Isotani 1, Carlos Henrique Jorge 1, Nelson Miguel Quitério Junior 1, Fabiano Souza da Silva 1, Seiji Isotani 2 1 Departamento de

Leia mais

OntoGen: Uma Ferramenta para Integração de Esquemas XML - Manual da Ferramenta

OntoGen: Uma Ferramenta para Integração de Esquemas XML - Manual da Ferramenta UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MÁRCIO ROBERTO DE MELLO OntoGen: Uma Ferramenta para Integração de Esquemas XML - Manual da Ferramenta

Leia mais

MENSAGENS. Mensagens AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM TUTORIAL DO. Autor(es) Natália Regina de Souza Lima, Scarlat Pâmela Silva

MENSAGENS. Mensagens AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM TUTORIAL DO. Autor(es) Natália Regina de Souza Lima, Scarlat Pâmela Silva TUTORIAL DO MENSAGENS AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Mensagens Autor(es) Natália Regina de Souza Lima, Scarlat Pâmela Silva 1 1. Mensagens 2. Como Enviar uma Mensagem 3. Como Criar uma Pasta 2 1. Mensagens

Leia mais

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA.

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. Teoria das Filas Mário Meireles Teixeira Departamento de Informática, UFMA mario@deinf.ufma.br Filas, filas... As filas são a praga do mundo atual! Espera-se em fila no banco, na padaria, no ponto de ônibus,

Leia mais

DigiLogger. Guia do Usuário

DigiLogger. Guia do Usuário DigiLogger Guia do Usuário DigiLogger - Guia do Usuário Gravação ( Recorder ) Gravação ( Recorder ) Execução ( Player ) Execução ( Player ) DigiLogger II - habilita até dois canais mono ou um estéreo O

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013. TAD, Pilhas e Filas. Prof. César Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013. TAD, Pilhas e Filas. Prof. César Melo Algoritmos e Estruturas de Dados II IEC013 TAD, Pilhas e Filas Prof. César Melo TAD: Definição SE programa = definição de um tipo de dados + operação sobre dados desse tipo + restrições sobre dados e operações

Leia mais

Aula 8. Escalonamento de tarefas aperiódicas. Sistemas de Tempo-Real

Aula 8. Escalonamento de tarefas aperiódicas. Sistemas de Tempo-Real Sistemas de Tempo-Real Aula 8 Escalonamento de tarefas aperiódicas Execução conjunta de tarefas periódicas e aperiódicas Utilização de servidores de tarefas aperiódicas Servidores de prioridades fixas

Leia mais