Novembro. Tribunal de Contas condecora professores da Milton Campos. Juristas e alunos discutem papel do processo na construção democrática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novembro. Tribunal de Contas condecora professores da Milton Campos. Juristas e alunos discutem papel do processo na construção democrática"

Transcrição

1 Direito Administração Ciências Contábeis JORNAL DAS FACULDADES MILTON CAMPOS N.ª 121 ANO XIV 2008 Tribunal de Contas condecora professores da Milton Campos Novembro O presidente do Centro Educacional de Formação Superior (Cefos), prof. Sidney Safe Silveira, e as professoras Sônia Diniz Viana e Selma Marques, da FDMC, foram agraciados em sessão solene no último dia 30 de outubro com o Colar do Mérito da Corte de Contas Ministro José Maria Alkmim. Trata-se de uma condecoração oferecida anualmente pelo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCEMG) a personalidades que tenham prestado relevantes serviços para a sociedade e para o bom funcionamento do próprio Tribunal. Os homenageados são indicados pelos próprios conselheiros do Tribunal. O Colar do Mérito da Corte de Contas foi instituído em 1995 e desde então vem fazendo um reconhecimento simbólico de autoridades e personalidades mineiras, nacionais e até internacionais que tenham se destacado por sua atuação. Governadores, deputados e ministros estão entre as pessoas já agraciadas com essa importante comenda. Juristas e alunos discutem papel do processo na construção democrática Renomados juristas brasileiros e mais de 250 alunos inscritos participaram em outubro último de um grande seminário na Faculdade de Direito Milton Campos, para discutir "O processo na Construção do Estado Democrático de Direito". A realização do seminário foi uma iniciativa do aluno e monitor de Prática Jurídica Rodolfo Fischer Pimentel, com orientação da professora Mary Lucy 2 3 da Adfamic Assembléia elege dia 10 nova diretoria 6 Novo mestre Aluno comenta defende direito direito à imagem à ampla defesa pública e exposição em dissertação Carvalho. Segundo ele, o evento possibilitou apresentar uma "visão vertical do processo", ao reunir especialistas como o desembargador Caetano Levi Lopes, o professor e advogado Fernando Horta Tavares e o juiz do Trabalho Vicente de Paula Maciel Júnior. Página 3 7 Artigo critica aplicação da Lei da improbidade do corpo administrativa Sergio Falci

2 A S S E M B L É I A Eleição e posse da nova diretoria da Adfamic serão no dia 10 No próximo dia 10 de novembro, às 19 horas, a comissão nomeada para revitalizar a Associação dos Diplomados das Faculdades Milton Campos (Adfamic) realizará uma Assembléia Geral Extraordinária para dar continuidade ao processo iniciado em agosto. De acordo com o exaluno e coordenador da comissão, Eduardo de Ávila, a reunião terá quatro objetivos: aprovação das alterações estatutárias; eleição da nova diretoria, que terá mandato de três anos; posse da nova diretoria; e uma homenagem especial a exdiretores da Adfamic. A nova diretoria da entidade será formada pelo presidente, seu vice, um secretário, um subsecretário, um tesoureiro e um subtesoureiro. Além disso, serão formados três conselhos: o Consultivo (com cinco membros efetivos e cinco suplentes), o Fiscal (também com cinco F A C U L D A D E S M I L T O N C A M P O S A Faculdade do seu tempo. DIRETORA DA FACULDADE DE DIREITO: Prof.ª Lucia Massara VICE-DIRETOR: Prof. Marcos Afonso de Souza DIRETOR DA FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO: Prof. Jorge Lasmar SECRETÁRIO: Prof. Décio Fulgêncio Alves da Cunha ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO: GM3 Comunicação e Consultoria EDITOR RESPONSÁVEL: Manoel Marcos Guimarães (JP 1587/MG) REDAÇÃO: Fernando Affonseca (JP 4350/MG) e Miriam Gomes Chalfin (JP 4525/MG) EDIÇÃO, PROJ. GRÁFICO e DIAGRAMAÇÃO: Communicatio (31) FOTOS: Fernando Affonseca TIRAGEM: 7,5 mil. As Faculdades são uma instituição de ensino superior, de natureza privada, sem qualquer vínculo com órgão público, tendo como entidade mantenedora a Sociedade Civil denominada Centro Educacional de Formação Superior (Cefos). PRESIDENTE: Prof. Sidney Safe Silveira SECRETÁRIO: Prof. Haroldo da Costa Andrade DIR. FINANCEIRO: Prof. Osmar Brina Corrêa Lima Home page - Tel.: (31) CAMPUS I - Rua Milton Campos, 202 CAMPUS II - Alameda da Serra, 61 Bairro Vila da Serra - Nova Lima - MG Caixa Postal Cep BH efetivos e cinco suplentes) e o Cultural, (com três efetivos e três suplentes). Para que a entidade tenha maior êxito na tarefa de integrar a Faculdade e seus exalunos, é fundamental que cada egresso atualize seus dados, participe com sugestões e até compareça às reuniões da comissão, que é formada por Fernando La Rocca, Matheus de Mendonça Gonçalves C O N G R E S S O Leite, Maria Renata Fonseca Yarochewsky, Marinely de Paula Bonfim e Emilce Maria Diniz, além de Eduardo de Ávila. O endereço eletrônico é A Adfamic tem como finalidades básicas o apoio assistencial, profissional e cultural aos ex-alunos e pretende também promover encontros, debates, cursos de reciclagem e aperfeiçoamento. Coordenador de Contábeis participa de evento em Gramado O coordenador do curso de Ciências Contábeis das Faculdades Milton Campos, professor Paulo Cezar Consentino dos Santos, participou do maior evento de Contabilidade do Brasil, o 18 Congresso Brasileiro de Contabilidade, realizado entre 24 e 28 de agosto em Gramado (RS). Ele teve a oportunidade de assistir palestras proferidas por profissionais de renome nacional e internacional, que falaram sobre temas como a contabilidade pública, a governança corporativa e a transparência contábil, entre outros. O evento foi realizado pelo Conselho Federal de Contabilidade com o apoio dos 27 conselhos estaduais. Foram registradas mais de inscrições para o congresso, que teve 99 trabalhos científicos apresentados, 60 expositores e contou ainda com a participação da governadora gaúcha, Yeda Crusius, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ENVIE ARTIGOS PARA O JORNAL: (veja especificações na página 7) anunciou medidas para fortalecer o setor de contabilidade no País. O presidente Lula e o professor Paulo Consentino durante o congresso em Gramado Arquivo pessoal

3 P A L E S T R A S Seminário destaca construção do Estado Democrático de Direito Seminário reuniu juristas e estudantes para debates sobre o processo. A Faculdade de Direito Milton Campos sediou, nos dias 6, 7 e 16 de outubro, o Seminário "O processo na Construção do Estado Democrático de Direito", um evento que contou com mais de 250 inscritos e trouxe à faculdade renomados juristas mineiros. O seminário foi uma iniciativa do aluno do 10 período e monitor de Prática Jurídica I e II, Rodolfo Fischer Pimentel, com orientação da professora Mary Lucy Carvalho. Para Rodolfo, que se forma neste semestre, foi uma grande satisfação materializar um seminário que despertou grande interesse nos colegas, principalmente a respeito de tema tão importante, sobre o qual foi apresentada uma visão vertical do processo. Um dos palestrantes foi o desembargador Caetano Levi Lopes, que também é professor na instituição, que falou sobre "os princípios do Código Civil de 2002 nas reformas sofridas pelo CPC". Após contextualizar historicamente o Código Civil brasileiro, Lopes destacou os princípios da sociabilidade, eticidade e concretude, presentes integralmente no Código de Proesso Civil. Fez ainda uma análise das novas leis, principalmente a /2006, e comparou o atual Código com os anteriores. O desembargador chamou ainda a atenção para novas reformas a serem sofridas pelo CPC, as quais decorrem do princípio da celeridade, referentes à extinção da duplicidade de prazo para a Fazenda Pública e litisconsortes. Encerrando sua palestra, ele discutiu o fim do duplo efeito das apelações, nos moldes do artigo 520 do CPC. Já o doutor, professor e advogado Fernando Horta Tavares abordou o tema "Constituição, Processo e Estado Democrático de Direito". Ele fez uma análise de vários dispositivos constitucionais que possuem caráter processual e comparou institutos do Direito brasileiro com os de outros países, mais precisamente a Itália. Trouxe ainda uma visão da efetividade processual e das reformas sofridas pelo CPC. O último palestrante do seminário, o professor, doutor e juiz do Trabalho Vicente de Paula Maciel Júnior, tratou do tema "A eficácia das garantias processuais no Estado Democrático de Direito". Estudioso das tutelas coletivas, arroladas na Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor), o professor apresentou aos alunos os princípios previstos no artigo 5 da Constituição da República de Falou ainda sobre a diferença entre direito e interesse público, os princípios do devido processo legal, ampla defesa, publicidade e contraditório. Ao final de sua apresentação, Maciel Júnior narrou casos já apreciados, como a responsabilidade objetiva do Estado e a punição direta aplicada ao Chefe do Executivo. M E S T R E Dissertação de Thiago Almeida discute direito à ampla defesa Justiça Penal foi o tema da dissertação de Mestrado do professor Thiago Martins de Almeida. Intitulado "Acesso à Justiça Penal no Estado Democrático de Direito: a Ampla Defesa como Meio de Igualdade entre as Partes", o estudo foi pioneiro ao apresentar o princípio da ampla defesa como marco norteador dentro do Processo Penal, a fim de compensar as desigualdades materiais tanto estranhas ao processo como aquelas reveladas dentro dele. Segundo Almeida, que dá aula de Direito Penal II na FDMC, a dissertação decanta o processo de formação da cidadania nos estados latino-americanos, sob o prisma da (des)igualdade formal e material, em especial no Brasil. "Numa segunda etapa, procurei descortinar a relação desses cidadãos com o Estado, quando submetidos ao controle impingido pelo Direito Penal e Processo Penal, constatando, por conseguinte, que ambos funcionam como instâncias de caráter clientelista, orientados a conter possíveis insatisfações da grande massa de excluídos", explica. A conclusão foi apresentar uma alternativa a corrigir, na perspectiva material, as distorções identificadas no acesso ao Poder Judiciário a garantia da ampla defesa, como faculdades e ônus dos sujeitos processuais. O professor acrescenta que a pesquisa buscou lastro na Teoria do Garantismo Penal, de Luigi Ferrajoli, desta-cando o processo penal como instrumento de tutela do cidadão em detrimento da concepção de processo como meio a se perseguir uma pena (e um culpado). Título: Acesso à Justiça Penal no Estado Democrático de Direito: a Ampla Defesa como Meio de Igualdade entre as Partes" Instituição: PUC Rio Data da defesa: 3/6/2008 Banca examinadora: José Ribas Vieira, Alejandro Bugallo Alvarez, Carlos Eduardo Adriano Japiassú Orientador: José Ribas Vieira

4 P O S S E Duas novas imortais na Academia Mineira de Letras Jurídicas A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Carmem Lúcia Antunes Rocha e a juíza do Trabalho Mônica Sette Lopes assumiram, respectivamente, as cadeiras 21 e 11 da Academia Mineira de Letras Jurídicas, em solenidade ocorrida no último dia 24 de outubro no auditório da Faculdade de Administração Milton Campos. A posse contou com a presença de dirigentes e membros da entidade. Para Carmem Lúcia, é uma honra pertencer a uma entidade que é "um espaço para discussão e proposição de novas idéias para uma ciência velha como o Direito". Ela se diz particularmente feliz por estar junto a grandes amigos e companheiros de profissão. Ela ocupa agora a cadeira que pertenceu ao professor Melo Cançado, cujo patrono é Afonso Pena. Diante de Carlos Rohrmann e Sidney Safe, Carmem Lúcia assina seu termo de posse Já Mônica Sette considera a academia, ao mesmo tempo um importante veículo de difusão do Direito e uma entidade que congrega a tradição da ciência jurídica que é ensinada em Minas Gerais. Sua cadeira, de número 11, pertenceu anteriormente a José Alfredo de Oliveira Baracho, e tem Pedro Lessa como patrono. Fundada em 1984 e instalada em 2004, a Academia Mineira de Letras Jurídicas é presidida pelo ex-vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira. Sua missão é proporcionar e difundir o estudo do Direito, por juristas mineiros ou que morem em Minas há mais de cinco anos, visando incentivar o estudo dessa ciência e estimular a produção científica. A juíza Mônica Sette vai ocupar a cadeira 11 da Academia O professor Jorge Lasmar foi designado em setembro último, pelo presidente do Cefos, para diretor da Faculdade de Administração Milton Campos, em virtude do pedido de dispensa do professor Wille Duarte Costa. Em seguida, por portaria, o professor Lasmar delegou ao professor Carlos Alberto Rohrmann "a prática de todos os atos atribuídos ao Diretor, conforme o Capítulo III, Seção III, Artigo 13 do Regimento Interno". Coordenador do Programa de Pós- Graduação em Direito da Milton Campos e editor da Revista da FDMC, o professor A D M I N I S T R A Ç Ã O Jorge Lasmar é nomeado diretor e delega atribuições a Rohrmann Carlos Alberto Rohrmann é especialista em Direito Virtual, com participação em congressos e artigos publicados em revistas do mundo inteiro. Atuação Internacional Em setembro último, por exemplo, Rohrmann teve seu artigo "Electronic Law suits: how do we regulate digital evidence", em parceria com o professor Jason Soares de Albergaria Neto, publicado no International Journal of Liability and Scientific Enquiry (Volume I, número 4/2008), da Inglaterra. Também em setembro, o professor foi indicado para integrar o Conselho Editorial Internacional do Journal of International Commercial Law and Technology, ao lado de juízes da Corte Européia de Direitos Humanos e de professores europeus, norteamericano e sul-africana, entre outros. Ainda nesse mês, recebeu comunicado do secretário da Corte Central de Propriedade Intelectual e Comércio Internacional, do Poder Judiciário da Tailândia, sobre a aceitação da Revista da FDMC, da qual é coordenador, pela biblioteca do órgão.

5 "A preparação para a formatura está a mil!". Com todo esse entusiasmo, a aluna Marcela Ohana, da comissão de formatura de uma das turmas da manhã da Faculdade de Direito Milton Campos, define os toques finais nos preparativos para a série de eventos que vão marcar o fim de um ciclo acadêmico e o início da atividade profissional. Os alunos envolvidos nessa programação se dizem ao mesmo tempo eufóricos e extenuados com tanto trabalho. "Mas valeu a pena", continua Marcela. "As finalizações dos convites e textos, os preparativos para o baile, tudo isso exigiu momentos de muito trabalho, dedicação e sufoco", relata a futura advogada. O presidente da comissão de formatura da turma da noite, Rodolfo Fischer Pimentel, acrescenta que o planejamento começou há três anos. Segundo ele, foi fundamental a contratação de uma empresa de cerimonial, que orientou na definição do cronograma, planos e projeções financeiras. Quem está de fora não vê as inúmeras dificuldades enfrentadas no dia-a-dia de uma comissão de formatura. Contratação da banda, bufê, foto, filmagem, iluminação, salão e convites (tudo com parte ou todo o pagamento antecipado), escolha e reserva da igreja para a missa e mais uma série de providências para que tudo saia direitinho podem levar qualquer um à loucura. Depois de tudo pronto, vale o desabafo de C O L A Ç Ã O D E G R A U Uma grande solenidade espera pelos novos formandos de Direito Rodolfo: "O alívio é grande". Mas também a satisfação, emenda ele. "O melhor momento foi ter visto o convite de formatura pronto para ser impresso", destaca. Para Marcela, a solenidade de formatura é a celebração de uma importante etapa vencida. Com esse pensamento em mente, as comissões de formatura estão ainda envolvidas na conscientização dos colegas sobre a seriedade desse momento. Rodolfo explica que está sendo feito um trabalho para se impedir atitudes como o Divulgação "apito", por exemplo, "para se evitar o repúdio dos professores e permitir a realização de uma colação de grau séria, com a presença de todas as autoridades, pais e convidados". A expectativa dos formandos em relação à nova fase da vida que está prestes a começar é enorme. Marcela, que inicialmente pensa em advogar, tem consciência de que o mercado de trabalho está cada dia mais exigente. "Colocar em prática todos esses anos de estudo e preparação não será fácil, teremos que nos dedicar muito", afirma ela. Rodolfo segue a mesma linha de raciocínio: "A responsabilidade é enorme, mas com prudência, pensa-se em planos, traçam-se metas e procura-se o melhor caminho". Ele já traçou suas metas: pretende cursar mestrado em Direito Processual Civil ou Direito Empresarial. Em seguida, pensa em lecionar, atuar como assessor no Tribunal de Justiça de Minas Gerais e, após três anos de atividade jurídica, quer fazer concurso para a Magistratura. A Colação de Grau de todas as turmas será no dia 22 de janeiro de 2009, às 20 horas, no Minascentro. Como neste ano houve três comissões de formatura (uma comissão para cada turma da manhã e uma para as turmas da noite), cada uma definiu seus próprios locais e datas para a realização dos respectivos bailes e missas, mas serão todos próximos à data da colação. A R T I G O Professor Adauto: o Mestre dos mestres MARLEY DUARTE COSTA* O coração chora a ausência de alguém, porque a cabeça se esquece de que a presença incorpora-se definitivamente na memória. Bom saber que quem passa e deixa sua marca não fenece, permanece. Assim, o Professor Adauto Junqueira Rebouças ficou entre nós com seu exemplo de fortaleza mansa, alegria velada, caráter irrepreensível. E, para dar continuidade à nossa caminhada, devemos nos espelhar naquele que foi um exemplo para os que o conheceram de perto, pois Mestre não é aquele que ensina, mas o que tem a humildade de saber aprender. Era, dessa forma, o nosso mestre: um iluminado. Falava com o seu silêncio, percebia sem olhar, "sorria um sorriso" tímido, quase a pedir licença para se manifestar; andava sem fazer barulho, trazendo consigo a impressão de que não queria incomodar. Pessoa serena que tranqüilizava, sem aconselhar; era grande, fazendo-se de pequeno. Deixou para nós a revelação de que o crescimento vem de dentro para fora e vai aumentando, paralelo ao tempo, sem fazer alarde. Por isso, o nosso Professor afastou-se, permanecendo. Deixou em cada um de nós um pedaço dele, que a lembrança cobre e revela a cada instante que o invocamos. Ele se tornou um modelo de vida a ser imitado, uma luz que continua acesa no nosso caminho, uma presença viva, uma estrela que se juntou às outras, para nos iluminar. Que bom passar, ficando! Ave, Professor Adauto! PROFESSORA DA FDMC

6 A R T I G O Direito à imagem Consentimento tácito: topless DANILO BAYÃO GOMES* Nada, absolutamente nada, poder-se-ia dizer anteriormente ao entendimento de Antônio Chaves que, a respeito, afirma: "dentre os direitos da personalidade, não existe outro tão humano, profundo e apaixonante como o direito à própria imagem". 1 (Grifos nossos) Sustenta Carlos Alberto Bittar que "consiste no direito que a pessoa tem sobre a sua forma plástica e respectivos componentes distintos (rosto, olhos, perfil, busto) que a individualizam no seio da coletividade. Incide, pois, sobre a conformação física da pessoa, compreendendo esse direito um conjunto de caracteres que a identifica no meio social. Por outras palavras, é o vínculo que une a pessoa à sua expressão externa, tomada no conjunto, ou em partes significativas (como a boca, os olhos, as pernas, enquanto individualizadoras da pessoa)." 2 Inicialmente, problemas a respeito do direito de imagem surgiram apenas com a pintura. Informam alguns doutrinadores que, quanto à primeira vez, certeza alguma existe. Mas, é provável que tenha ocorrido com a divulgação do retrato de uma famosa atriz. A respeito, informa Milton Fernandes que "A Senhora Felix, irmã da atriz Rachel, encarregou Crette e Ghémar de reproduzir-lhe os traços, estipulando expressamente que os desenhos seriam de sua propriedade, não podendo qualquer cópia ser entregue a quem quer que fosse. Um desenho, assinado pela Senhora O'Connell, representando Rachel na cama de moribunda, foi exposto e colocado à venda nas lojas Goupil. Declarou o Tribunal boa e válida a apreensão do corpus e de suas várias provas fotográficas, efetuada na casa da Senhora O'Connell e no jomal L'lllustration, ordenando que todos os objetos apreendidos fossem destruídos." Informa, ainda, o autor que esse julgamento ocorreu em 16 de junho de Afirma, a propósito, Silma Mendes Bertis "que ninguém pode, sem o consentimento formal da família, reproduzir e fazer publicar os traços fisionômicos de uma pessoa em seu leito de morte, mesmo em se tratando de uma pessoa célebre." 4 Entretanto, anteriormente ao surgimento da fotografia, explica Milton Fernandes que para reproduzir, com fidelidade, uma pessoa, que deveria permanecer totalmente paralisada, faziam-se imprescindíveis várias horas de exposição perante o pintor ou ao artista plástico 5, o que nos faz concluir, com respaldo na autora supracitada, que o consentimento, ainda que tácito, faz-se imprescindível à produção ou publicação de imagem. Tácita, há de se observar, é a manifestação de vontade que se extrai do comportamento da pessoa. A exposição de objetos em vitrines, por exemplo, caracteriza uma declaração tácita de oferta. 1 Apud Milton Fernandes. Proteção civil da intimidade. São Paulo: Saraiva, 1977, p Os direitos da personalidade - 7.ed./atualizada por Eduardo Carlos Bianca Bittar, p Proteção civil da intimidade. São Paulo: Saraiva, 1977, ps. 18 e seguinte. 4 Direito à própria imagem - Belo Horizonte: Del Rey, 1993, p Proteção civil da intimidade, p. 172 Um julgado do Superior Tribunal de Justiça, de , confirma nosso entendimento no sentido da imprescindível necessidade do consentimento, ainda que tácito. Maria Aparecida de Almeida Padilha ajuizou ação de indenização por danos materiais e morais contra Zero Hora Editora Jornalística S.A., visto que publicou sem autorização uma foto da autora em topless, em praia pública, a título de lazer. O juiz de primeiro grau julgou improcedente o pedido, pois entendeu, resumidamente, que a autora exerceu sua liberdade em público. O Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, por maioria, deu provimento ao recurso interposto pela autora, concedendo-lhe indenização no valor de 100 (cem) salários mínimos, sob as alegações de que o direito à imagem goza de proteção constitucional e sua publicação depende necessariamente da autorização do fotografado. É esta, em síntese, a decisão do mencionado tribunal. O Ministro César Asfor Rocha, relator, entendeu que: "a proteção à intimidade não pode ser ressaltada a ponto de conferir imunidade contra toda e qualquer veiculação de imagem de uma pessoa, constituindo uma redoma protetora só superada pelo expresso consentimento, mas encontra limites de acordo com as circunstâncias e peculiaridades em que ocorrida a captação." (Grifamos) Conclui seu voto afirmando que a "a própria recorrente optou por revelar sua intimidade, a expor o peito desnudo em local público de grande movimento, inexistindo qualquer conteúdo pernicioso na veiculação, que se limitou a registrar sobriamente o evento sem sequer citar o nome da autora. Assim, se a demandante expõe sua imagem em cenário público, não é ilícita ou indevida sua reprodução sem conteúdo sensacionalista pela imprensa, uma vez que a proteção à privacidade encontra limite na própria exposição realizada." 6 (Grifos nossos) Podemos, portanto, afirmar com plena convicção que as questões relativas ao direito à imagem devem ser analisadas, cuidadosamente, pelos nossos julgadores, pois é de extrema dificuldade, para o legislador, criar normas que estabeleçam ser cabível ou não o pagamento 6 Recurso Especial nº SC (2003/ ) de indenização para um caso específico. É preciso examinar cada um, pois entre eles existe certa peculiaridade, ainda que aparentemente imperceptível. Tanto é verídica nossa assertiva que apenas os arts. 5º, incisos V e X da Constituição Federal e o art. 20 do Código Civil, sujeito ainda a inúmeras críticas, inclusive, se referem ao direito à imagem. E, sem a menor sombra de dúvida, na atual conjuntura brasileira, se revela extremamente necessária a proteção dos direitos fundamentais do ser humano. *ALUNO DO 10º PERÍODO DE DIREITO. ARTIGO ELABORADO SOB ORIENTAÇÃO DA PROFESSORA LINA FERNANDES

7 A Lei de Improbidade Administrativa Lei 8429/92 vem sendo alvo de debates no Supremo Tribunal Federal que merecem ser comentados uma vez que tratam de questões intrinsecamente ligadas à efetiva responsabilização dos agentes políticos. A primeira polêmica que surgiu naquela Corte e, inclusive, já comentada em artigo publicado neste Jornal das Faculdades Milton Campos, Nº 95, com o título "Autoridades Políticas versus Lei de Improbidade Administrativa", foi em relação à competência para o processo e julgamento das condutas previstas na Lei de Improbidade. Ficou decidido, nos autos da Ação Direta de Inconstitucionalidade 2797, que o instituto foro por prerrogativa de função não é aplicável às ações de improbidade em virtude da sua natureza civil. A Constituição Federal de 1988 somente permitiu a aplicação desse instituto nas hipóteses de crime comum e de responsabilidade art. 102, inc. I, alíneas b e c, art. 105, inc. I, alínea a. Após a polêmica trazida pela ADIN 2797, surgiu outra com a Reclamação 2138, sobre a qual, até o momento, não há posição consolidada do STF. No julgamento desta, ficou decidido, por 6x5, que as autoridades políticas submetidas a regime próprio de responsabilização não estariam sujeitas às sanções da Lei de Improbidade, uma vez que estas guardam similitude com as previstas na Lei 1079/50 diploma legal que disciplina os crimes de responsabilidade praticados por Ministros de Estado e do STF, Presidente da República e Procurador Geral da República. Os eminentes Ministros Carlos Velloso, Sepúlveda Pertence, Nelson Jobim, Maurício Corrêa e Ilmar Galvão participaram do julgamento da Rcl. 2138, mas, atualmente, não compõem o STF, por isso não é possível afirmar que a decisão ali exarada permanecerá como o entendimento da Corte Suprema. Todavia, nos autos da Rcl. 2186, o Ministro Gilmar Mendes, em decisão monocrática, deferiu liminar, suspendendo os efeitos de decisão proferida em ação civil por ato de improbidade administrativa proposta contra os ex- Ministros de Estado A R T I G O Limites à aplicação da Lei de Improbidade Administrativa Pedro Malan, Pedro Parente, o então Senador da República José Serra e outros. O fundamento utilizado nesse decisório foi no sentido de que o Sistema Constitucional Brasileiro vislumbrou dois regimes de responsabilização político-administrativa: um para agentes públicos, previsto no art. 37, 4º, da CF/88 Lei de Improbidade Administrativa; e outro para Ministros de Estado, fixado no art. 102, inc. I, alínea c, e disciplinado pela Lei 1079/50. O Ministro Gilmar Mendes ressaltou que aquelas autoridades políticas não poderiam ter sido processadas e julgadas perante Varas Federais, pois, já que estão sujeitas a regime especial de responsabilização, o juiz natural, nesse caso, seria o STF. Por isso, reputou nulas as decisões proferidas nas ações de improbidade ora mencionadas. Outro argumento apontado pelo relator Gilmar Mendes foi o seguinte: "[...] as sanções de suspensão de direitos políticos e de perda da função pública demonstram, de modo inequívoco, que as ações de improbidade possuem, além de forte conteúdo penal, a feição de autêntico mecanismo de responsabilização política [...]" Contudo, não podemos concordar com os argumentos apresentados na decisão monocrática proferida nos autos da Rcl Como já mencionado, no julgamento da ADIN 2797, prevaleceu o entendimento de que as ações de improbidade possuem caráter civil e, portanto, não se submetem ao foro por prerrogativa de função previsto, taxativamente, na CF/88 para crimes comuns e de responsabilidade. Além disso, o fato de as condutas elencadas na Lei 8429/92 e Lei 1079/50 desaguarem nas mesmas sanções de perda da função pública e suspensão de direitos políticos não nos autoriza a concluir pela similitude desses diplomas, o que pode ser constatado no artigo 15 da CF/88. Neste, há previsão de outras hipóteses que desencadeiam a perda ou suspensão dos direitos políticos. Caso a tese do Ministro Gilmar Mendes prevaleça, vindo a confirmar o entendimento exarado na Rcl. 2138, outra questão se impõe: quais são as autoridades políticas que irão submeter-se ao sistema de responsabilização da Lei de Improbidade Administrativa? O STF já possui algumas CARLA GUIMARÃES LEAL* decisões mono-cráticas que abordam o tema. Na Rcl. 6254, também de relatoria do Ministro Gilmar Mendes, um deputado federal insurgiuse contra ato do juízo de Vara Federal com o objetivo de ser processado e julgado pelo STF, já que também acredita não estar submetido à Lei de Improbidade Administrativa, e sim a regime próprio de respon-sabilização, assim como os Ministros de Estado. Todavia, nesse caso, o reclamante não obteve êxito, pois o relator considerou que deputados federais e senadores não estão contemplados na Lei 1079/50 e, por via de conseqüência, apenas irão sujeitar-se à jurisdição ordinária do STF na hipótese de crimes comuns. Outro exemplo de decisão monocrática nesse sentido foi a Rcl. 2208, na qual o relator, Ministro Marco Aurélio, fez a seguinte ressalva: "[...] Observo, a propósito, que a redação do 1º do artigo 53 da Carta da República (EC 35/01) não ampliou a jurisdição desta Corte em relação aos parlamentares. A norma há de ser interpretada de forma sistêmica, de modo que os membros do congresso nacional deverão ser submetidos a julgamento do Supremo Tribunal apenas quando este for competente para a matéria. Na realidade a disposição, no ponto, já estava prevista originalmente no 4º do mesmo artigo 53 [...]" (Rcl. 2208/SP, Rel. Marco Aurélio, DJ 28/09/2005) Vale deixar registrado que os chefes do Poder Executivo municipal também possuem "regime de responsabilidade especial" (expressão utilizada pelo ex-ministro Nelson Jobim) disciplinado no Decreto 201/67, o que torna desnecessário tecer maiores comentários sobre as possíveis implicações das ações civis por atos de improbidade praticados por prefeitos nos municípios. Os debates aqui apresentados sobre o alcance da Lei de Improbidade Administrativa quando se tratar de agentes políticos bem como o foro competente para o ajuizamento de ações dessa natureza acabam por paralisar por tempo indefinido a efetiva responsabilização daqueles em virtude da suspensão do curso de processos e anulação de sentenças proferidas por juízes declarados absolutamente incompetentes. Os agentes políticos, eleitos de forma democrática pelo povo, deveriam ser os maiores interessados na promoção dos valores constantes da Lei 8429/92 respeito aos bens e haveres da administração pública; dever de honestidade, imparcialidade, legalidade, e de lealdade às instituições. *ADVOGADA, GRADUADA PELA FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS E PÓS-GRADUANDA EM DIREITO PÚBLICO. P U B L I C A Ç Ã O D E A R T I G O S O espaço para artigos é aberto a professores, alunos e ex-alunos das Faculdades Milton Campos. Envie o seu para O texto deve ter de a caracteres (com espaço), ser identificado com o nome do autor, telefone para contato e, no caso de estudantes, nome do professor responsável pela revisão. Mande também sua dica para a ilustração. Os artigos são publicados por ordem de chegada. N O T A Os professores e alunos interessados em encaminhar artigos para publicação no ESTADO DE MINAS poderão fazê-lo por intermédio da Assessoria de Comunicação da faculdade:

8 CALENDÁRIO FAMC N o v e m b r o CALENDÁRIO FDMC N o v e m b r o IMPRESSO ESPECIAL Contrato n.º ECT DR/MG Centro Educ. Form. Superior a 31 Realização do Exame para Obtenção de Novo Título e Transferência - 1º/2009 Realização do Vestibular - 1º/2009 Feriado (Proclamação da República) Reunião do Conselho Superior Último dia para entrega de notas da 2ª avaliação D e z e m b r o Feriado Religioso (Imaculada Conceição) Último dia de atividade escolar 2º semestre Recesso PARTICIPE! ENVIE ARTIGOS PARA O JORNAL: (veja especificações na página 7) a 31 Reunião do Conselho Superior Realização do Exame para Obtenção de Novo Título e Transferência - 1º/2009 Realização do Vestibular - 1º/2009 Feriado (Proclamação da República) Último dia para entrega das notas da 2ª avaliação 2ª chamada da 2ª avaliação Reunião Administrativa D e z e m b r o Reunião do Conselho Superior Feriado Religioso (Imaculada Conceição) Reunião Administrativa Último dia de atividade escolar do 2º semestre Recesso E S T U D A N T E S Novo DA da Administração e Contábeis embala ações de integração A nova diretoria do Diretório Acadêmico Waldevino Costa, da Administração e Ciências Contábeis, tomou posse em outubro e está cheia de planos para reforçar a imagem tanto do DA quanto dos cursos oferecidos pela faculdade. Seu presidente, o aluno Marcus Vinícius Braga Silva, do 3 período de Administração (noite), afirma que a chapa vencedora das eleições vai dar um novo gás no trabalho de integração dos estudantes, envolvendo inclusive os ex-alunos. É claro que a primeira ação nesse sentido tinha que ser uma grande festa de confraternização. Ela está marcada para o próximo dia 8 de novembro, no saguão da faculdade. Com isso, Marcus Vinícius espera iniciar um processo que ele chamou de "resgate" da interação entre os colegas. Não é por acaso que a chapa tem o nome de "Integração", tendo vencido as eleições com quase 270 votos, cinco vezes mais que a chapa concorrente. "Temos uma estrutura como poucas faculdades no Brasil e cursos muito bem conceituados no mercado; por isso precisamos ter um DA à altura", afirma o vice-presidente, Diego Antonioni Sampaio, do 7 período de Administração (noite). Uma pesquisa sobre as principais demandas dos estudantes já está em curso. Segundo Diego, ela vai servir de referência para as ações do DA nos próximos meses. Os dirigentes querem saber os reais interesses dos colegas para agirem no sentido de buscar soluções práticas. Mas algumas iniciativas já estão sendo elaboradas, afirma Marcus Vinícius. Ele relata, por exemplo, os estudos para a reativação da monitoria e para a criação de uma associação atlética, aos moldes da existente na Faculdade de Direito. Outro projeto em andamento é a elaboração de programas de palestras a serem IMPRESSO ministradas pelos próprios alunos, a respeito de temas que não são debatidos em sala de aula, como a educação (ou falta dela) no trânsito, o cinema e outros. Mas a grande ação deste final de ano será a campanha "Natal Solidário", que vai arrecadar brinquedos novos ou usados junto aos alunos, professores e funcionários para serem entregues a duas instituições que cuidam de crianças carentes. No dia 6 de dezembro, a turma do DA, vestida de Papai Noel, Minnie e outros personagens do universo infantil, irá entregar os presentes em creches de Nova Lima e Arraial de Macacos. Marcus Vinicius lembra que serão instalados postos de coleta na faculdade, mas as doações também podem ser feitas a qualquer funcionário, que ficará encarregado de repassá-las ao DA. "A gente não pode mudar todo o mundo, mas pode mudar o mundo de alguém", ensina Diego. Composição da diretoria do DA Marcus Vinicius Braga Silva Presidente Tiago Ferreira Alves Vice-presidente acadêmico Diego Antonione Sampaio Lourêdo Vice-presidente administrativo Andreza Rafaela Ferreira e Silva Diretora financeira Laína Louzada Laine Diretora de comunicação Clayton Alves Sirino Diretor cultural Bruno Soldatelli Diretor social Vanessa Dias Pinto Secretária Julia Carolina Souza de Azevedo Assistente de pesquisa e projetos

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte.

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. A contratação de servidores por prazo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público e a competência da Justiça do Trabalho. Cleber Lúcio de Almeida 1 I. Constitui objeto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Diário da Justiça de 12/05/2006 18/04/2006 PRIMEIRA TURMA RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE RECORRENTE(S) : CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO - CEFET/MA ADVOGADO(A/S) : PROCURADORIA-GERAL

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY. fls. 133 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000597809 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2120157-80.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante EMPRESA FOLHA DA

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

MANUAL DE FORMATURAS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA

MANUAL DE FORMATURAS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA MANUAL DE FORMATURAS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA A conclusão de um curso superior é a celebração de uma grande conquista, portanto a cerimônia de formatura se transforma num momento especial

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 29/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 692.186 PARAÍBA RELATOR RECTE.(S) RECTE.(S) RECTE.(S)

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA AGRAVO Nº 831.160-0/01, DE MEDIANEIRA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS AGRAVADOS : DORIVAL ASSIS DE SOUZA E OUTROS RELATOR ORIGINÁRIO : DES. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA

Leia mais

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007.

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. Glauce de Oliveira Barros O chamado recesso forense, tratado no

Leia mais

1008012-70.2013.8.26.0053 - lauda 1

1008012-70.2013.8.26.0053 - lauda 1 fls. 388 SENTENÇA Processo Digital nº: 1008012-70.2013.8.26.0053 Classe - Assunto Requerente: Requerido: Ação Civil Pública - Violação aos Princípios Administrativos 'MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007)

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) Acrescenta 1º e 2º ao art. 45 do Decreto n.º 70.235, de 6 de março de 1972, para vedar a

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO MEDIDA CAUTELAR EM MANDADO DE SEGURANÇA 32.299 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS

Leia mais

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34)

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34) Tribunal de Contas da União Data DOU: 19/07/2004 Colegiado: Segunda Câmara Número da Ata: 25/2004 Texto do Documento: RELAÇÃO Nº 58/2004 - Segunda Câmara - TCU Gabinete do Ministro Benjamin Zymler Relação

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014)

BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014) BOLETIM INFORMATIVO Nº 19/2014 ANO XI (07 de julho de 2014) 01. PIS E COFINS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE 23/06/2014 - Operadora de planos de saúde não deve contribuição sobre faturamento total dos planos

Leia mais

CONCURSO DE FOTOGRAFIA EM COMEMORAÇÃO AOS 80 ANOS DA OAB/MA EDITAL

CONCURSO DE FOTOGRAFIA EM COMEMORAÇÃO AOS 80 ANOS DA OAB/MA EDITAL CONCURSO DE FOTOGRAFIA EM COMEMORAÇÃO AOS 80 ANOS DA OAB/MA EDITAL 1. JUSTIFICATIVA: No dia 4 de abril de 2012, a Seccional Maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil completará 80 anos de criação. A

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

FACULDADE LA SALLE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COLAÇÃO DE GRAU. Cursos de Graduação. Lucas do Rio Verde-MT

FACULDADE LA SALLE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COLAÇÃO DE GRAU. Cursos de Graduação. Lucas do Rio Verde-MT FACULDADE LA SALLE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COLAÇÃO DE GRAU Cursos de Graduação Lucas do Rio Verde-MT Caro Graduando! 2015 Ao cumprir a integralização curricular estabelecida para seu curso, está na hora

Leia mais

ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA

ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA Ministra do Supremo Tribunal Federal, empossada em 19 de dezembro de 2011. Nascida em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 02 de outubro de 1948. Filha do médico José Júlio

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 715.268 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. LUIZ FUX :UNIÃO :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO :JOSE SOARES GONCALVES : JOÃO ALVES DE GOES E OUTRO(A/S)

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.966, DE 2004 Modifica a Lei nº 9.609, de 1998, que dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador. Autor:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 455, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 455, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 455, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 Aprova o Regulamento do PRÊMIO GUERREIRO RAMOS DE GESTÃO PÚBLICA, e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO, no uso da competência

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

MANUAL DE SOLENIDADE DE COLAÇÃO DE GRAU

MANUAL DE SOLENIDADE DE COLAÇÃO DE GRAU MANUAL DE SOLENIDADE DE COLAÇÃO DE GRAU Profa. Dra. Fátima Ahmad Rabah Abido Diretora Silvia Regina Tedesco Rodella Diretora Acadêmica Luci Mieko Hirota Simas Assistente Técnico Administrativo I Profa.

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (PROJETO DE PESQUISA E RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA)

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (PROJETO DE PESQUISA E RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA) REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (PROJETO DE PESQUISA E RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA) ARARUAMA / RIO DE JANEIRO AGOSTO / 2013 Diretor Geral: Prof. Rogério Leopoldo Rocha Diretor Acadêmico:

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )2( oãdróca atneme702984 DE-ER Diário da Justiça de 10/11/2006 17/10/2006 PRIMEIRA TURMA RELATOR EMBARGANTE(S) EMBARGADO(A/S) : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE : GENIL MACHADO E OUTRO(A/S) : MARCOS ANDRÉ DE ALMEIDA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000172403 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0021434-36.2009.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

2.1.2. Cada candidato concorrerá com apenas 01 (uma) frase.

2.1.2. Cada candidato concorrerá com apenas 01 (uma) frase. REGULAMENTO DO CONCURSO ESTUDE INGLÊS DE GRAÇA EM HARVARD. O Reitor da Universidade FUMEC, no uso de suas atribuições Estatutárias e Regimentais, leva ao conhecimento dos interessados, por meio do presente

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

A APOSENTADORIA ESPECIAL PARA MEMBROS DO MAGISTÉRIO

A APOSENTADORIA ESPECIAL PARA MEMBROS DO MAGISTÉRIO A APOSENTADORIA ESPECIAL PARA MEMBROS DO MAGISTÉRIO Gina Copola Α (dezembro/2.011) I A aposentadoria especial para os membros do magistério, prevista pelo art. 40, 5º, da Constituição Federal, ainda tem

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA CONSULTA N o 20, DE 2011 Consulta sobre incompatibilidade entre o exercício do mandato parlamentar e a atividade de apresentação de programa em emissora

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no MANDADO DE SEGURANÇA Nº 13.873 - DF (2008/0219759-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADA EMBARGADO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : INSTITUTO NOSSA SENHORA DO CARMO : PRISCILLA TRUGILLO MONELLO

Leia mais

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.0024.05.707278-7/001(1) Tipo: Acórdão TJMG Data de Julgamento: 27/04/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:13/05/2011 Estado: Minas Gerais Cidade: Belo Horizonte

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça SENTENÇA ESTRANGEIRA CONTESTADA Nº 1.032 - GB (2005/0066622-7) RELATOR REQUERENTE ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : GRACE NANCY JOY PIRIE : MICHAEL MARY NOLAN E OUTRO(S) EMENTA HOMOLOGAÇÃO DE

Leia mais

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO Ação Direta de Inconstitucionalidade Autos n. 2008.005668-5 Requerente: Partido Socialista.Brasileiro -PSB Advogada: Flávia Manarte Hanna Relator: Desdor. Rafael de Araújo Romano EMENTA:

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A V Conferência Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. SITE DE BUSCA. O trabalho da demandada é tão somente de organizar o conteúdo já existente na internet, cuja elaboração é realizada por terceiros. Ou seja,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador RENAN CALHEIROS

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador RENAN CALHEIROS PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Mensagem Presidencial nº 82, de 2012 (nº 403, 10 de setembro de 2012, na origem), que submete à aprovação do Senado Federal

Leia mais

A efetivação de servidores sem concurso público e o Recurso em Mandado de Segurança nº 25.652-PB

A efetivação de servidores sem concurso público e o Recurso em Mandado de Segurança nº 25.652-PB A efetivação de servidores sem concurso público e o Recurso em Mandado de Segurança nº 25.652-PB O poderoso precedente inaugurado pelo Superior Tribunal de Justiça * por Bruno Barata Magalhães (Advogado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO/USP.

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO/USP. REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO/USP. Alteração do Regimento Interno da CEUA aprovado na 1ª Reunião Ordinária do Conselho Gestor do Campus de Ribeirão

Leia mais

CAMARJ CAIXA DE ASSISTÊNCIA AOS MEMBROS DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHO CONSULTIVO REGIMENTO INTERNO

CAMARJ CAIXA DE ASSISTÊNCIA AOS MEMBROS DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHO CONSULTIVO REGIMENTO INTERNO 1 CAMARJ CAIXA DE ASSISTÊNCIA AOS MEMBROS DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHO CONSULTIVO REGIMENTO INTERNO ARTIGO 1º Este regimento Interno dispõe sobre as atribuições e o funcionamento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente) e EGIDIO GIACOIA.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente) e EGIDIO GIACOIA. ACÓRDÃO Registro: 2015.0000723861 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2173891-09.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante RICARDO MORAND DE LIMA, é

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2015.0000941456 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4001661-41.2013.8.26.0114, da Comarca de Campinas, em que é apelante

Leia mais

NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO.

NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO. NULIDADE POR FALTA DE INTIMAÇÃO DA AVALIAÇÃO. A inexistência de intimação para o devedor se manifestar em relação à avaliação realizada implica em nulidade do processo. Esse fato macula de nulidade a arrematação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000073026 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0145148-24.2009.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ASSEFAC ASSESSOR FACTORING LTDA sendo apelados

Leia mais

Propriedade Intelectual nº16

Propriedade Intelectual nº16 Intelectual nº16 Destaques STJ - Não se aplica a responsabilidade objetiva ao provedor de correio eletrônico por não fazer a fiscalização prévia das mensagens enviadas TJSP No caso de depósitos realizados

Leia mais

Embora regularmente notificada, fl.67, a reclamada não apresentou contrarrazões, conforme certificado à fl. 68.

Embora regularmente notificada, fl.67, a reclamada não apresentou contrarrazões, conforme certificado à fl. 68. A C Ó R D Ã O 10ª TURMA PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Marcelo Antero de Carvalho Av. Presidente Antonio Carlos, 251 6º

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR RECURSO INOMINADO Nº 2006.0003212-2/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE CRUZEIRO DO OESTE RECORRENTE...: BRADESCO SEGUROS S. A. RECORRIDO...: ALEXANDRE GONÇALVES MANFRIM RELATOR...: EMENTA RECURSO

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - CARLOS SIMÕES FONSECA 11 de dezembro de 2012

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - CARLOS SIMÕES FONSECA 11 de dezembro de 2012 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - CARLOS SIMÕES FONSECA 11 de dezembro de 2012 AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0902402-16.2012.8.08.0000 (048129002084) - SERRA - 4ª VARA

Leia mais

PROPONENTE. Razão Social: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO PARÁ. ANTONIO REIS GRAIM NETO (Presidente da Comissão de Jovens Advogados)

PROPONENTE. Razão Social: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO PARÁ. ANTONIO REIS GRAIM NETO (Presidente da Comissão de Jovens Advogados) PROPONENTE Razão Social: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO PARÁ Nome de Fantasia - OAB-PA CNPJ 05.070.008/0001-48 Endereço: Praça Barão do Rio Branco, 93 CEP 66015-060 Fone: (91) 40068600 Email: gabinetediretoria@oabpa.com.br

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO OITAVA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO OITAVA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO OITAVA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 0003191-75.2005.8.19.0001 APELANTES : NUMA - NÚCLEO DE CULTURA E MEIO AMBIENTE E MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO APELADOS

Leia mais

QUEM É QUE ESTÁ DISPENSADO DO EXAME DE ORDEM DA OAB?

QUEM É QUE ESTÁ DISPENSADO DO EXAME DE ORDEM DA OAB? QUEM É QUE ESTÁ DISPENSADO DO EXAME DE ORDEM DA OAB? Autor: Joselito Alves Batista. Advogado atuante na Capital do Estado de São Paulo, graduado pela Universidade São Francisco, pós-graduado em Direito

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 99923000171201317 Assunto: PARECER Recurso contra decisão ao pedido de acesso à informação requerido à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT Senhor Ministro de Estado Chefe da,

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas

Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos - UNIRIO Observatório de Políticas Arquivísticas MESA REDONDA SOBRE A ALTERAÇÃO DA LEI DE ARQUIVO PPGARQ Relatório Síntese Com a presença de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA

PODER JUDICIÁRIO. Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA 1 de 5 17/03/2015 11:04 PODER JUDICIÁRIO INFORMACÕES SOBRE ESTE DOCUMENTO NUM. 27 Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA Data da Inclusão 12/03/201518:44:13 Réu

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

PODER JUDIGÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR MANOEL PAUUNO DA LUZ

PODER JUDIGÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR MANOEL PAUUNO DA LUZ 1' t PODER JUDIGÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR MANOEL PAUUNO DA LUZ ACÓRDÃO Embargos de Declaração na Apelação Cível n 001.2004.027809-3/001 7' Vara Cível da Comarca

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : S B : JASON SOARES DE ALBERGARIA FILHO E OUTRO : T C DA C : EBER CARVALHO DE MELO E OUTRO EMENTA Direito civil e processual civil.

Leia mais

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar?

O que é Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar? O Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar CDCE tem amparo legal? Sim. A Lei 7.040/98 que estabeleceu a gestão democrática no Sistema de Ensino, instituiu o CDCE, na forma, composição e outros providências

Leia mais