Palavras-chave: Educação.Tecnologias computacionais. Planejamento. Educação a Distância. Mercosul.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: Educação.Tecnologias computacionais. Planejamento. Educação a Distância. Mercosul."

Transcrição

1 As tecnologias computacionais na Educação a Distância e o planejamento como ferramenta na contribuição e desenvolvimento da aprendizagem: uma análise no Mercosul: Brasil e Paraguai Alexandre Franco Aranha Bacharel em Administração pela Faculdade Batista Brasileira. Licenciado em Matemática pela Faculdade de Ciências Educacionais. Especialização em Metodologia do Ensino Superior com Ênfase em Novas Tecnologias. Resumo Busca, no contexto histórico da educação e dentro de revisões bibliográficas, uma análise das relações que surgem, oferecendo conflitos, pela falta de políticas sociais levadas, guiadas ou dirigidas pelo interesse de determinadas facções ou grupos sociais articulados, como houve no final da primeira República e início da Segunda, assim como as tecnologias associadas, que impulsionaram as possibilidades de integração entre quem ensina e quem aprende, de forma ágil e com recursos multimídia, e com a utilização de ferramentas de planejamento empregadas na educação. O artigo demonstra que dentro do contexto histórico, verifica-se a tentativa de se estruturar, no país, uma política de diretrizes e base da educação, que se diverge em duas partes principais: de um lado o ideal da implantação da pedagogia tradicional pelos católicos e do outro o ideal pela pedagogia com base na escola novista, desenvolvida principalmente nos Estados Unidos da América, defendida por intelectuais na época, como por exemplo, Anísio Teixeira. Aborda o contexto histórico da educação e as ferramentas computacionais na utilização do desenvolvimento da aprendizagem, como forma de impulsionar as metodologias educacionais em sua aplicabilidade, onde perpassa sua utilização inclusive em países membros do Mercado Sul Americano, como exemplo, a Educação à Distância. A pesquisa mostra, também, os incrementos de novas tecnologias associadas ou inseridas na educação, utilizando processo de planejamento, que por longos anos, também, sofreu várias transformações no desenvolvimento da aprendizagem, forte propulsora no desenvolvimento dos processos de ensino-aprendizagem, que possibilita manter, de forma fácil e rápida, a interação professor-aluno, até sua inserção na educação, e o avesso que é a exclusão destas classes, na utilização da tecnologia, como forma de desenvolver a aprendizagem. Se a educação levou décadas para sua democratização, a tecnologia consolidase em estrutura, a solidez desta democratização. Palavras-chave: Educação.Tecnologias computacionais. Planejamento. Educação a Distância. Mercosul. Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

2 Computer technologies in distance education and planning as a tool in the assessment and development of learning: an analysis in Mercosur: Brazil and Paraguay Abstract Looking at the historical context of education and within literature review, an analysis of the relationships that emerge, offering conflict, lack of social policies led, guided or directed by the interests of certain social groups or factions articulated, as there was at the end of the First Republic and beginning of the second, as well as associated technologies have spurred the integration possibilities between those who teach and those who learn, in an agile and multimedia features, and the use of planning tools employed in education. The article demonstrates that within the historical context, there is the attempt to structure in the country, a policy and guidelines based education, which diverges into two main parts: on one hand the ideal deployment of traditional pedagogy by catholics and the other by the ideal school-based pedagogy novista, developed mainly in the United States of America, defended by intellectuals at the time, such as Teixeira. Discusses the historical context of education and the use of computational tools in the development of learning as a way to boost the educational methodologies in its applicability, which permeates their use in member countries including South American Market, as an example, the Distance Education. The research also shows the increments of new technologies associated with or embedded in education, using planning process, which for many years has also undergone several transformations in learning development, strong driving the development of teaching and learning, which enables keeping, easily and quickly, the teacher-student interaction, to its insertion in education, and the reverse, which is the exclusion of these classes, the use of technology as a way to develop learning. If the education took decades for its democratization, the technology is consolidated in structure, the strength of this democratization. Keywords: Education. Computer technologies. Planning. Distance education. MERCOSUL. 1 INTRODUÇÃO A educação brasileira em muito tem passado por oscilações durante sua história, desde o entusiasmo pela educação, ao otimismo pedagógico de meado da década de 20 ao inicio de 30, passando pelas reflexões pedagógicas, onde endossava as teses da pedagogia nova, até a imposição pela constituinte de 1937, onde o Estado Novo se desincumbiu da educação pública, assumindo apenas um papel de subsidiário, na educação em classes populares em Novamente, em 1964, a educação volta a não ser de interesse público. Conheceu, durante 21 anos, a ditadura, a repressão educacional, a privatização do ensino e novamente a exclusão da parcela das classes populares. Segundo Ghiraldelli (1996) Só uma visão Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

3 otimista/ingênua poderia encontrar indícios de saldo positivo na herança deixada pela ditadura. Outra abordagem será um paralelo dentro da pesquisa por definição na utilização no processo de ensino-aprendizagem, a ferramenta planejamento, seu uso na gestão educacional, a fim de obter o resultado desejado e a forma de prevê e distribuição dos conhecimentos organizados e participativos, além de apresentar as novas ferramentas computacionais na utilização do desenvolvimento da aprendizagem, como forma de impulsionar as metodologias educacionais, como podemos citar a Educação a Distância (EAD): [...] há muito que evoluir não somente no aspecto tecnológico, mas, sobretudo no que diz respeito á sua democratização, permitindo o acesso de camadas da população de baixa renda. (ALVES, 2003, p. 64). Diante de políticas protecionistas e paternalistas 1 aplicadas pelo governo, nota-se que o intuito é preencher uma imensa lacuna de irresponsabilidade, pela exclusão de boa parte da população, articulando projetos de inclusão e inserção das novas tecnologias para o desenvolvimento de aprendizagem para esta população excluída. Toda a coleta de dados deste trabalho está organizada para proporcionar à sociedade, como um todo, a importância das novas tecnologias computacionais inseridas como ferramentas na Educação e a sua acessibilidade pelas classes populares, no desenvolvimento da Educação, além de apresentar, de forma clara, as novas formas de aprender, com o uso da Internet, onde o aluno vai descobrir e viajar para novos locais, estando no seu próprio mundo, definido o momento para a realização dos seus estudos. As razões pelas quais tornam a pesquisa relevante é pelo fato da relação entre tecnologia, educação e mundo, estarem em constante mudança, pois, muito se deve, de um quadro social, político e econômico brasileiro, não muito recente; desde a transição do império, a primeira República, principalmente na década de 20, onde se dá o início a um surto de crescimento industrial, um melhoramento nas redes telegráficas, ferroviárias e portuárias. Assim, a Educação conhece duas frentes de desenvolvimento educacional, o entusiasmo pela Educação, otimismo pedagógico como inicio da popularização da Educação e a inserção de novas tecnologias computacionais, no desenvolvimento educacional para as classes populares, e a Educação tradicional, idealizada pela Igreja Católica, única mantenedora do conhecimento. Os entusiastas pela educação fomentaram, desta forma, contribuições teóricas, a fim de prover, à realidade atual, o fenômeno pesquisado. Como na história da Educação, assim como no avanço tecnológico computacional, surge a discussão: como a tecnologia Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

4 computacional requer um planejamento de ensino e como são inseridas na Educação, contribuindo para aprendizagem, entre as classes menos favorecidas? O computador, a Internet, os softwares e as mídias são tecnologias computacionais utilizadas na educação, como ferramentas na contribuição do desenvolvimento da aprendizagem das classes populares em Salvador-Bahia, como é o caso da criação dos infocentros, pelo Departamento de Modernização da Secretária de Segurança Pública e o Projeto de Inclusão Digital, pelo Ministério das Tecnologias do Governo Federal, que utilizam as ferramentas computacionais, na Educação, para incluir o indivíduo na era digital, sendo muito utilizado para a proposta da Educação a Distância (EAD). Sendo, ainda, uma tecnologia pouco manipulada por professores e educadores, estes abnegam as tecnologias computacionais por indiferença ou resistência às novas formas de educar, não oferecendo ao individuo a inserção desta tecnologia, como forma de contribuir para a Educação, o extraído da sociedade da informação e tornando-o excluído da era digital. Muito bem observados nos planejamentos de ensino e os de aula, elaborados pelos professores educadores 2 e por instituições educacionais. 2 PLANEJAMENTO É imprescindível que toda aplicação de recursos materiais utilizados para o desenvolvimento do ensino-aprendizagem requer, a fim de obter melhor desempenho e êxito nos objetivos findo, o planejamento. 2.1 O INÍCIO DA APLICABILIDADE COMO INSTRUMENTOS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Segundo Delcia et al. (1994 p.34) [...] planejar é a previsão metódica de uma ação a ser desencadeada e a racionalização dos meios para atingir os fins. Mais do que planejar uma ação, com propósitos de se chegar a um determinado objetivo educacional, os professores e instituições de educação, podem tornar o ato de ensinar algo mecanizado e aplicado de forma errônea e, por conseguinte, não atingirá esses objetivos propostos inicialmente; daí é que se faz necessário que o planejamento seja direcionado com o intuito no desenvolvimento cultural e social do homem, contribuindo para a sua dignificação. No processo de planejamento, a estrutura obedece, em sua formatação, a planos que significa projetar objetivos e metas para serem alcançados. Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

5 Na educação, o planejamento de ensino divide-se em plano de curso, de unidade e o plano de aula, onde torna necessário a sua execução, como o intuito de observarmos mudanças comportamentais, integração de estudo oriundos do ambiente extra escolar e inter escolar, contribuições em dimensões filosófica, psicológica e social, onde o aprendizado não só passa a ser transmitida como mera informação, mas a constituição dentro de experiências trazidas e colaborada no ensino-aprendizagem, professor e aluno no contexto social real. Entendermos por objetivos educacionais formulações explicitas das mudanças que, se espera, ocorrerem nos alunos mediante o processo educacional, isto é, dos moldes como aluno modificam seu pensamento, seus sentimentos e suas ações. (DELCIA et al., 1994, p. 43) Fica claro que dentro do planejamento de ensino, os objetivos explicitam o que se quer desenvolver no aluno: os objetivos cognitivos, afetivos e os psicomotores. Trata-se da diversidade de fatos que serão abstraídos do aluno, do ambiente e do próprio professor. [...] Entretanto, a realização de uma serie extrema de objetivos não se converteria nunca em uma possibilidade prática se necessitarmos experiências especiais para cada objetivo. São indispensáveis experiências de aprendizagem que levem em si mesma oportunidade para alcançar objetivos múltiplos ou, em outras palavras para por em prática diversos comportamento. O alcance de objetivos múltiplos compreende também o aumento de oportunidade para aprendizagem ativa. (DELCIA et al., 1994, p. 36) 2.2 OS TIPOS DE PLANEJAMENTO APLICADOS NA EDUCAÇÃO Como planejar é condição indiscutível para a realização de uma ação, a fim de obter êxito nos objetivos proposto, surgindo assim a necessidade de verificarmos os tipos de planejamento e as suas influências na educação. Segundo Maximiniano (2000) [...] o planejamento como processo é a ferramenta que as pessoas e organização visam para administrar suas relações com o futuro. O planejamento é uma forma hierarquizada, como se partisse do geral até o atendimento de objetivos específicos de uma ação desenvolvida. Podemos assim, tipificar os planejamentos utilizados na Educação como: a) o planejamento educacional; b) o planejamento curricular; Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

6 c) o planejamento de ensino: - o plano de curso; - o plano de unidade; - e o plano de aula. Como início, no processo educacional é montado no primeiro momento utilizando o planejamento educacional como [...] processo contínuo que se preocupa com o para onde ir e quais as maneiras adequadas para chegar lá, tendo em vista a situação presente e a possibilidade futuras, para que o desenvolvimento da educação atenda tanto as necessidades do desenvolvimento da sociedade, quanto do individuo. (COARACY, 1972, p. 79). Verifica-se que no planejamento educacional propõem-se os objetivos e traçam-se os requisitos necessários para obter êxito no processo de ensino-aprendizagem. Outro tipo de planejamento é o curricular, não sendo estudado como uma grade curricular imutável, estável, não dinâmico, mas sim, é a forma organizada, sistêmica, dinâmica do modo a concentrar o maior campo do conhecimento abordado para que atinja o objeto máximo do ensino-aprendizagem. Portanto, o planejamento curricular deve, além de atender à estruturação do conteúdo e do desenvolvimento de habilidades específicas, atendem, também à junção e a mobilização dos conhecimentos abordados e comuns do dia a dia do aluno. Como define bem Delcia et al. (1994, p. 54). Uma tarefa multidisciplinar que tem por objeto organização de um sistema de relações lógica e psicológicas dentro de um ou vários campos do conhecimento, de tal modo que se favoreça ao máximo o processo ensinoaprendizagem. Em todas as atividades desenvolvidas pelo professor na sala de aula, mesmo já traçadas no planejamento educacional e no curricular, haverá a necessidade de um planejamento de ensino, que é na verdade, um guia onde irá mostrar o inicio sistêmico, um direcionamento do projeto de educar, a fim de atingir os objetivos propostos no processo de ensinoaprendizagem. Poderá ser realizado de forma abrangente ou até mesmo específico, de forma hierarquizada; os professores dispõem de uma subdivisão do planejamento de ensino que são: Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

7 o Plano de Curso, onde ações serão desenvolvidas num período de um ano ou maior período; sua abrangência total reflete nos cursos; temos o Plano de Unidade, onde as ações serão observadas e executadas por disciplinas, numa esfera menor que a do plano de curso; e temos por fim, Plano de Aula, onde realizarão e materializarão os planos diariamente aplicados pelo professor. Num planejamento de ensino os processos de decisão são múltiplos e pra cada etapa existem várias alternativas. Estas devem ser selecionadas de tal forma que cada uma constitua pré-requisito para cada etapa seguinte. (CAPPELLETTI, p. 123). Nota que a autora em descrever que as decisões são múltiplas para cada etapa no processo de ensino, vislumbrando a abrangência que um planejamento de ensino, deve possuir, quando da tentativa de traçar metas e objetivos para o ensino e os quais terão variações nestes mesmos objetivos específicos, principalmente quando se tratar dos objetivos cognitivos, todo o processo que estará contido no planejamento de ensino é de formular, explicitamente, mudanças que se espera que ocorra, ou não, no aluno. Já, na Ciência Administrativa verifica-se que o processo de planejamento compreende três etapas: a) definição dos objetivos; b) os meios de execução; c) a forma de controle, que são distribuídas em três níveis: - o estratégico; - o funcional; - o operacional. Em muito, assemelham-se aos moldes e necessidades na educação. Plano estratégico é o processo de definições de objetivos e de metas a fim de realizá-los [...]. Planos Funcionais são elaborados para possibilitar a realização de planos estratégicos [...] e por fim os planos operacionais processo de definir atividades e recursos. (UNVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA, 2006, p. 83). Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

8 2.3 ENSINAR E APRENDER COM A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS PRÉ- DETERMINADOS NO PLANEJAMENTO Fica claro e notório que todos os recursos de ensino utilizado pelo professor, em sala, para facilitar o aprendizado do aluno, utilizando determinada forma de transmissão do conhecimento e sua discussão em sala de aula, proporciona uma interação e intervenção da realidade com o aluno. Para se atingir este objetivo, será necessário ter escrito e ditado no planejamento de ensino. Porém, surge um questionamento por parte do aplicador do plano: para que serve os recursos de ensino? a resposta para esta indagação seja em atender de forma clara e objetiva o estímulo do aluno em sala de aula no processo de aprendizagem, ou seja, [...] são componentes do ambiente de aprendizagem que dão origem à estimulação para o aluno. (GAGNEÉ, 1971, p. 247). Não podemos confundir que os equipamentos de apoio ao ensino, seja o fim ou a substituição do professor, ou seja, a utilização de recursos de ensino para o processo de aprendizagem é apoio ao processo de ensino-aprendizagem, uma ferramenta do profissional da educação, para melhor desempenho em sala de aula. É comum notar que professores já utilizavam no processo de ensino, principalmente nos seus planos de aula, os recursos de ensino disponíveis na época da formulação de seus planejamentos; isto significa que em determinado período da historia da educação não existia a aplicação dos computadores em sala, por motivos variados, como por exemplo: a tecnologia nova, muito cara, utilização que necessitava de treinamentos específicos, entre outras. Tradicionalmente, havia uma classificação fixa e rígida dos recursos de ensino utilizada pelos professores em sala de aula, como por exemplo: recursos visuais: cartazes e gravuras; recursos auditivos: rádio, e recursos áudio visual: televisão. É claro, que os itens mencionados acima são apenas exemplos de recursos, que os professores em determinada época, tinham à sua disposição. Entretanto, ainda hoje são muito utilizados os recursos de ensino daquela época, com uma enorme variação de ferramenta à disposição do professor, atualmente e principalmente com o advento das novas tecnologias computacionais, que antes não eram acessíveis; hoje, as ferramentas são realidade para melhor desempenho profissional dos professores. Hoje em dia, os recursos adotados no planejamento de ensino têm a presença cada vez mais marcante das tecnologias computacionais, empregados na educação, e, por conseguinte, permitem que esta educação quebre barreiras físicas e políticas, como é o caso da Educação a Distância (EAD), pois revela-nos um quadro paradoxal da realidade; se por um lado existem Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

9 professores com resistência de aplicar ferramentas computacionais na transmissão do conhecimento, por outro, temos uma sociedade ainda com pouco ou nenhum acesso a essa tecnologia. Hoje, todos admitem que, conhecer sistemas de informação é essencial para os administradores, porque a maioria das organizações precisa deles para sobreviver e prosperar. (LAUDON; LAUDON, 2006, p. 7) O professor, como principal articulador no processo de ensino, não poderá, mesmo que seja trabalhoso ou difícil, por falta de treinamento, na qual esta última deverá buscar treinamento especializado, negar a aplicação de ferramenta computacional como recurso de ensino, apesar desta tecnologia está cada vez mais sendo aperfeiçoadas e com multimídias variadas. O professor deverá sempre utilizar os recursos que achar mais importante para facilitar o processo de ensino-aprendizagem, não perdendo de vista que, como motivador no processo terá que inserir constante e gradativamente tecnologias associadas como ferramenta de ensino dentro das salas de aula, pois assim, diminui-se o aspecto sobre o desconhecimento das tecnologias computacionais por parte do aluno. Não sendo aqui conhecidas como inclusão digital, que significa acesso pela sociedade às tecnologias computacionais, mas sim, o conhecimento da aplicação das tecnologias, como ferramenta de transmissão do conhecimento. 2.4 O PROFESSOR: ATOR NO PROCESSO DE MOTIVAÇÃO Motivação, expressão utilizada e designada para [..] ação ou efeito de motivar, dar motivo: a) causar, despertar o interesse ou a curiosidade de: estimular, incentivar, mover [...], conforme XIMENES (1999). Então, enquanto ator no principal papel da transmissão do conhecimento, o professor deverá despertar a curiosidade, estimular, incitar a busca do saber, do conhecer e do interagir. Fatos do dia a dia dos alunos irão apresentar em sala, e o professor não poderá deixar de interagir e ajudar quando se tratando do processo de ensino-aprendizagem. Algumas falhas mostram que um determinado aluno poderá sofrer forte influência negativa sobre a inércia do professor em sala ou até o não estimular no processo de aprendizagem. [...] o professor, geralmente mostrava-se irritado por ter que ensinar a um principiante. O professor nunca estava satisfeito com os progressos de seu aluno. Às vezes ridicularizava e insultava o aluno; utilizava o violão como instrumento de castigo: como você aprendeu a lição de ontem, hoje praticará Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

10 uma hora a mais; a janela da sala de aula dava para o campo de futebol onde o aluno viu seus amigos jogando; os amigos zombavam dela; o aluno nunca sabia o que o professor esperava dele em relação ao progresso na aprendizagem; o professor não utilizava nenhum recurso didático; o professor nunca perguntava ao aluno se havia entendido as explicações; as vezes, queria que o aluno soubesse coisas que ele nunca havia ensinado. (PILETTI, 1990, p. 233). Fica claro que, se houvesse um planejamento anterior que estabelecesse quais os recursos que serão utilizados no processo de ensino, sendo estes recursos acompanhados, na medida do possível aos avanços tecnológicos, principalmente para a Educação a Distância, iria instigar, estimular o aluno à descoberta do novo saber, do conhecer, e fadado estará o professor a atingir os objetivos propostos, que de forma geral será o aprendizado. Motivar não é um processo fácil, e que todo e qualquer professor, após sua preparação que detém um conhecimento específico da sua matéria está capacitado para entrar em sala e, como passo de mágica, fomentando ao aluno à motivação, o aprender, o que se deseja ensinar dentro do planejamento pré-estabelecido. O óbvio é que, mesmo estando preparada para ministrar uma aula pelos conhecimentos adquiridos, uma pequena parte do professor ainda requer algo para estar completo, e que não está disponível nas escolas para serem treinados. Podemos aqui chamar de atividade e sensibilidade da realidade vivida pelo aluno. O professor, apesar de utilizar tecnologias computacionais como ferramenta para melhorar o entendimento do aluno ministrado em sala, planejando suas ações pela técnica pedagógica, deverá apresentar sensibilidade da realidade dos seus alunos, a fim de não estar cometendo um equívoco, ou de até não estar sendo entendido, além da criatividade, que somente caso a caso, ou seja, professor a professor poderá analisar como, quando e para quem poderá utilizar uma determinada ação e equipamentos para motivar o aluno. Não podemos aqui imaginar que somente os recursos de ensino farão o papel de motivação, mas sim, os recursos aliados às novas tecnologias e sua aplicação de forma criativa e sensível à realidade dos alunos, pode tornar o ensino-aprendizagem menos traumática e mais participativa. Motivar um aluno não é tarefa fácil. Muitas vezes o professor conhece as teorias e técnicas de motivação da aprendizagem, mas ele próprio não está motivado para ensinar. Os alunos percebem essa desmotivação e apesar das técnicas e dos métodos de ensino utilizados, não demonstra maior entusiasmo pela matéria [...] a falta de motivação para aprender pode ter origem na não satisfação de necessidades que antecedem a necessidade do conhecimento, um aluno com fome ou muito cansado, por exemplo, dificilmente terá motivação para aprender. (PILLET, 1990, p. 237). Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

11 2.5 LEI DE DIRETRIZES E BASE: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. USO DAS TECNOLOGIAS COMPUTACIONAIS A própria Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) estabelece que o planejamento é visto como uma ferramenta para alcançar os objetivos da formação do homem, segundo o que trata o Art. 1 0 da LDB, e seus incisos Da educação - Art A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. 1º. Esta Lei disciplina a educação escolar, que se desenvolve, prédominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias. 2º. A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social. (BRASIL, 1996). O Ministério da Educação, para viabilizar o processo de abrangência da educação, de forma ampla e sem fronteiras estruturais, como a parede da sala de aula, resolve, por Decreto n , de 19 de dezembro de 2005, regulamentar o art. 80 da Lei n de 20 de dezembro de Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, estabelecendo a educação a distância, como modalidade na qual a mediação nos processos de aprendizagem é feita por uso incondicional da tecnologia da informação, principalmente a rede de computadores, e professores [tutores] com conhecimentos razoáveis destas tecnologias. Foi o Ministério da Educação que criou a Secretaria de Educação a Distância (SEAD), setor responsável em incorporar tecnologias nos processos de ensino e a aprendizagem. Desta forma, o governo utiliza as tecnologias para atingir seus objetivos, ensinar e educar à distância. Resgatando o Governo Brasileiro, o período histórico onde se manteve afastado das diretrizes. CAPÍTULO 1 - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS - Art. 1 0 Para os fins deste Decreto, caracteriza-se a educação a distância como modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos. 1 A educação a distância organiza-se segundo metodologia, gestão e avaliação peculiares, para as quais deverá estar prevista a Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

12 obrigatoriedade de momentos presenciais para: I - avaliações de estudantes; II - estágios obrigatórios, quando previstos na legislação pertinente; III - defesa de trabalhos de conclusão de curso, quando previstos na legislação pertinente; e IV - atividades relacionadas a laboratórios de ensino, quando for o caso. Art. 2 0 A educação a distância poderá ser ofertada nos seguintes níveis e modalidades educacionais: I - educação básica, nos termos do art. 30 deste Decreto; II - educação de jovens e adultos, nos termos do art. 37 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996; III - educação especial, respeitadas as especificidades legais pertinentes; IV - educação profissional, abrangendo os seguintes cursos e programas: a) técnicos, de nível médio; e b) tecnológicos, de nível superior; V - educação superior, abrangendo os seguintes cursos e programas: a) sequenciais; b) de graduação; c) de especialização; d) de mestrado; e e) de doutorado. Art. 30 A criação, organização, oferta e desenvolvimento de cursos e programas a distância deverão observar ao estabelecido na legislação e em regulamentações em vigor, para os respectivos níveis e modalidades da educação nacional. 1 Os cursos e programas a distância deverão ser projetados com a mesma duração definida para os respectivos cursos na modalidade presencial. 2 Os cursos e programas a distância poderão aceitar transferência e aproveitar estudos realizados pelos estudantes em cursos e programas presenciais, da mesma forma que as certificações totais ou parciais obtidas nos cursos e programas a distância poderão ser aceitas em outros cursos e programas a distância e em cursos e programas presenciais, conforme a legislação em vigor. (BRASIL, 2005). 2.6 NOVAS FORMAS DE ENSINAR E APRENDER UMA VISÃO DA EDUCAÇÃO SEM FRONTEIRAS, MERCOSUL A exemplo de utilização de tecnologias computacionais associadas na educação, de forma planejada no bloco econômico Mercado Comum Sul Americano (MERCOSUL), está a Universidade Autônoma de Assunção (UAA), que representa esta nova modalidade de transmissão de conhecimentos. Como no Brasil, o Paraguai também, de forma análoga, adota parâmetros que são sugeridos por lei, entretanto, todos têm as mesmas convicções sobre o uso das tecnologias, ampla interação professor e aluno e sua facilidade em atender de forma rápida e a qualquer tempo na relação do ensino-aprendizado. A Universidade Autônoma de Assunção tem sua origem na Faculdade de Administração de Empresas (HESS), fundada em A instituição está estabelecida como uma associação civil sem fins lucrativos, com a missão de produzir e divulgar conhecimento na área específica das Ciências Sociais: Domus on line: rev. Teor. pol. soc. Cidad., Salvador, v. 6/7, n. 1/12, p , jan./dez. 2009/

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe?

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe? O que é? Educação à Distância: [...]a modalidade de educação em que as atividades de ensino-aprendizagem são desenvolvidas majoritariamente (e em bom número de casos exclusivamente) sem que alunos e professores

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC. Multimídia

PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC. Multimídia PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC Multimídia Prof.ª Sylvia Augusta Catharina Fernandes Correia de Lima Floresta - PE 2013 CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

fundamentos teóricos e práticos necessários ao processo de inclusão do aluno com Deficiência Visual.

fundamentos teóricos e práticos necessários ao processo de inclusão do aluno com Deficiência Visual. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur

Unidade I TECNOLOGIA. Material Instrucional. Profª Christiane Mazur Unidade I TECNOLOGIA EDUCACIONAL EM EAD Material Instrucional Profª Christiane Mazur Ensinar Ensinar é, também, a arte de estimular o desejo de saber. EAD - Brasil 1904: Correspondência impressos; 1923:

Leia mais

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1

PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 PROPOSTAS DE EAD NO ENSINO SUPERIOR, SOB A ÓTICA DA LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL 1 Elaine Turk Faria 1 O site do Ministério de Educação (MEC) informa quantas instituições já estão credenciadas para a Educação

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

ANÁLISE DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ANÁLISE DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Isabelle Maria Lima de Souza 1, Maria Lúcia Serafim 2 1 Departamento de Educação a Distância, Instituto Brasileiro de Desenho Instrucional,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista:

Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: Duvidas administrativas dos cursos da EAD Metodista: A metodista é credenciada pelo MEC para o oferecimento de cursos a distância? Sim. A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o credenciamento do

Leia mais

SOLUÇÕES PERSONALIZADAS DE E-LEARNING: CURSOS DE LARGA ESCALA

SOLUÇÕES PERSONALIZADAS DE E-LEARNING: CURSOS DE LARGA ESCALA SOLUÇÕES PERSONALIZADAS DE E-LEARNING: CURSOS DE LARGA ESCALA ARTIGO ACEITO PARA O IADIS EUROPEAN CONFERENCE 2012 LISBOA (PORTUGAL) Categoria mini artigo com no máximo 2500 palavras RESUMO Este artigo

Leia mais

José Severino da Silva UFPE js.pedagogo@gmail.com. Julho 2011. Educação Media e Tecnologia. Sistemas e Instituições. Descrição de Projeto em Andamento

José Severino da Silva UFPE js.pedagogo@gmail.com. Julho 2011. Educação Media e Tecnologia. Sistemas e Instituições. Descrição de Projeto em Andamento 1 O TRABALHO DO PROFESSOR-TUTOR NOS CURSOS A DISTÂNCIA: UM OLHAR SOBRE A REGULAMENTAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE EM ALGUMAS IES PÚBLICAS DE PERNAMBUCO Julho 2011 José Severino da Silva UFPE

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior.

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Perguntas e respostas sobre o curso superior tecnológico a distância do Centro Paula Souza

Perguntas e respostas sobre o curso superior tecnológico a distância do Centro Paula Souza Perguntas e respostass sobre o curso superior tecnológico a distância do Centro Paula Souza 1) Posso fazer este novo curso superior de tecnologia em Gestãoo Empresarial na modalidade EaD do Paula Souza

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO FATOR DE MUDANÇA NO PROCESSO ENSINO X APRENDIZAGEM Resumo Frederico Augusto Siqueira Gentil 1 Este artigo faz uma breve análise com relação ao processo de Educação à Distância

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA

TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA TECNICISMO E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA CAMPOS, Graziela gracampos7@uol.com.br GUIMARÃES, Suely Fernandes fmsuely@hotmail.com PALHARINI, Alessandra Rosa alepalharini@yahoo.com.br SANTOS,

Leia mais

Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência

Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência 1 Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência Maio/2005 190-TC-A5 Tarcilena Polisseni Cotta Nascimento Escola Nacional de Administração Pública ENAP Tarcilena.Nascimento@enap.gov.br Maria Fernanda Borges-Ferreira

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA AZEVEDO, Prof. Dr. Antulio José de antuliojose@uol.com.br Docente do Curso de Pedagogia da FAEF/ACEG BONADIMAN,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD

PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD Roberto Douglas da Costa 1, Fábio Alexandre G. Silva 2, Ana Cristina T. B. da Costa 3 1, 2, 3 IFRN Instituto

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará

XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará XLV PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO FNCE Belém do Pará Educação Profissional em EAD; soluções para o Brasil remoto Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br EAD: dispositivos

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr Diretor Acadêmico Júlio César Alvim Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Caro aluno, Seja bem-vindo às Disciplinas Semipresenciais

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento:

Público Alvo: Critérios de admissão para o curso: Investimento: A Faculdade AIEC, mantida pela Associação Internacional de Educação Continuada AIEC, iniciou, em 2002, o curso de Bacharelado em Administração, na metodologia semipresencial. Foi pioneira e até hoje é

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

RECURSOS PARA PESQUISA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR ATRAVÉS DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO: um caso para o marketing de serviços

RECURSOS PARA PESQUISA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR ATRAVÉS DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO: um caso para o marketing de serviços TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Uso estratégico das tecnologias em informação documentária RECURSOS PARA PESQUISA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

UM RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DA TERMODINÂMICA: ANIMAÇÕES VIRTUAIS INTERATIVAS

UM RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DA TERMODINÂMICA: ANIMAÇÕES VIRTUAIS INTERATIVAS UM RECURSO PEDAGÓGICO PARA O ENSINO DA TERMODINÂMICA: ANIMAÇÕES VIRTUAIS INTERATIVAS João Bosco Abrantes Júnior Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Matemática - UEPB E-mail: jbaj25@yahoo.com.br

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 70 A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O USO DE AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Rita de Cássia Viegas dos Santos

Leia mais

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL

Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Eje temático: EXPERIENCIAS Y ACCIONES CONCRETAS RELACIONADAS CON LA EDUCACIÓN MEDIÁTICA EN EL ÁMBITO DE LA EDUCACIÓN FORMAL Titulo: UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB) Autor: Wilson dos Santos Almeida

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Emanoel Lopes Ferreira Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES emanoel_l@yahoo.com.br.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Fundamentos da Educação a Distancia, Legislação e Organização

Fundamentos da Educação a Distancia, Legislação e Organização Fundamentos da Educação a Distancia, Legislação e Organização Autores: Elisabete Péres Queiroz de Paiva e Lays Batista Fitaroni Coordenação: Beatriz Stransky e Sílvia Dotta Introdução Neste texto iremos

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

O PAPEL DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NO DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO A DISTÂNCIA

O PAPEL DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NO DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO A DISTÂNCIA 1 O PAPEL DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO NO DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO A DISTÂNCIA Adriana Clementino - SENAC-SP / FIPEN / UniABC-FUNADESP São Paulo 05/2012 Categoria: C Métodos e Tecnologias Setor Educacional:

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO

ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO ESTUDO DA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE PORTO VELHO Porto Velho - RO - 03/2010 Sara Luize Oliveira Duarte, Universidade de Taubaté, saralod@msn.com Walace

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA: LIMITES E POSSIBILIDADES DE INSERÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO E ASCENSÃO PROFISSIONAL OLIVEIRA, Silvana Aparecida Guietti de (UEM) COSTA, Maria Luisa

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL Sejam bem vindos! As Faculdades Integradas do Brasil reafirmam no início desse semestre letivo, o seu compromisso divulgado no Projeto Pedagógico Institucional (PPI), com

Leia mais

RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001.

RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001. RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001. Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de Educação a Distância no Sistema Estadual de Ensino do Estado do Rio Grande do Sul. O Conselho

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO CURSO DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO CURSO DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO CURSO DE PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET 05/2008 JANAE GONÇALVES MARTINS Instituto Superior Tupy / SOCIESC - janaegm@gmail.com JULIANO PRIM Instituto Superior Tupy / SOCIESC - juliano@sociesc.org.br

Leia mais

Certeza de um. grande negócio

Certeza de um. grande negócio ESPECIAL EAD Certeza de um grande negócio A educação a distância no ensino superior segue uma tendência irreversível de crescimento, puxada pelas instituições particulares, que investem cada vez mais pesadamente

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GESTÃO DE CURSOS EM EaD Maringá PR Maio 2012 Camilla Barreto Rodrigues Cochia CESUMAR camilla.cochia@ead.cesumar.br José Renato de Paula Lamberti

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais