Exercício de Inventariação 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercício de Inventariação 2012"

Transcrição

1 Exercício de Inventariação a 8 de Fevereiro de 2012

2 Agenda 1 2 Conteúdos e objectivos da formação Processo de inventariação 2.1 Contexto e objectivos do processo de inventariação 2.2 Enquadramento legal 2.3 Responsabilidades e calendário de trabalhos 3 Ferramentas de apoio à inventariação e procedimentos 3.1 As ferramentas suporte e suas vantagens 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE 3.4 Instruções para outras entidades 4 Disseminação de conhecimento 4.1 Como ser um multiplicador de conhecimento eficaz Slide 2

3 Agenda 5 Exercícios práticos na ferramenta de inventariação 5.1 Exercícios para UOs e ODs com acesso ao SIGPE 5.2 Exercícios para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE 5.3 Exercícios para outras entidades 6 Contactos da DNPE para apoio operacional Slide 3

4 Agenda 1 2 Conteúdos e objectivos da formação Processo de inventariação 2.1 Contexto e objectivos do processo de inventariação 2.2 Enquadramento legal 2.3 Responsabilidades e calendário de trabalhos 3 Ferramenta de apoio à inventariação e procedimentos 3.1 As ferramentas suporte e suas vantagens 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE 3.4 Instruções para outras entidades 4 Disseminação de conhecimento 4.1 Como ser um multiplicador de conhecimento eficaz Slide 4

5 1. Conteúdos e objectivos da formação Temas a abordar Detalhe Objectivos esperados Duração Processo de inventariação Contexto e objectivos do processo de inventariação Enquadramento legal Responsabilidades Calendário dos trabalhos Clarificar importância do processo de inventariação na elaboração da CGE Identificar legislação de orientação ás actividades de inventariação Clarificar intervenientes sobre as suas responsabilidades e calendário de trabalhos 25 min Ferramentas e procedimentos Apresentação das ferramentas de apoio ao registo de inventários Benefícios esperados da utilização Demonstração passo-a-passo dos procedimentos de registo de activos a inventariar Demonstração dos procedimentos para geração de relatórios a enviar à DNPE para consolidação Exercícios práticos nas ferramentas Sensibilizar para a importância da utilização das ferramentas de apoio ao registo de inventários Clarificar benefícios da utilização das ferramentas apresentadas Obter entendimento claro sobre os procedimentos de utilização das ferramentas Testar assimilação dos procedimentos de utilização das ferramentas desenvolvidas Identificar dificuldades e dúvidas existentes na utilização das ferramentas 2 horas Esclarecimento de dúvidas Esclarecimentos de dúvidas ainda existentes sobre os temas abordados na formação Sensibilizar intervenientes para a importância do processo de inventariação e utilização das ferramentas desenvolvidas Obter clareza sobre a utilização das ferramentas 20 min Disseminação 4. Transferência de de conhecimento Apresentação de uma proposta para a disseminação de conhecimento Sensibilizar intervenientes da importância da passagem de conhecimento Assimilar de técnicas de passagem de conhecimento 15 min Slide 5

6 Agenda 1 2 Conteúdos e objectivos da formação Processo de inventariação 2.1 Contexto e objectivos do processo de inventariação 2.2 Enquadramento legal 2.3 Responsabilidades e calendário de trabalhos 3 Ferramentas de apoio à inventariação e procedimentos 3.1 As ferramentas suporte e suas vantagens 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE 3.4 Instruções para outras entidades 4 Disseminação de conhecimento 4.1 Como ser um multiplicador de conhecimento eficaz Slide 6

7 2.1 Contexto e objectivos do processo de inventariação Importância do Inventário Geral do Estado (IGE) Conta Geral do Estado (CGE) De acordocom: Decreto Executivo Elaboração da Conta Geral do Estado,28/11 LeiQuadrodo Orçamento Geral,15/10,art. 58 Aelaboração da ContaGeraldo Estado (CGE) é uma exigência legal, constituída, entre outros elementos, pelos demonstrativos de gestão patrimonial, com destaque para o inventário do património do Estado reflectido através do Inventário Geral do Estado (IGE) CGE IGE Elaboração do IGE O IGE resulta de uma consolidação realizada pela DNPE de todos os inventários de entidades públicas sujeitas à jurisdição do Tribunalde Contas O IGE tem como objectivo reflectir todo o património do GdA, sendo elaborado através de um processo anual de sistematização e contabilização de bens móveis, imóveis e veículos, quer sejam de domínio público, quer de domínio privado, bem como do activo imobilizado intangívelde todas as entidadespúblicas OIGE desempenhaum papelimportantena elaboraçãode uma CGE íntegraetransparente,tendo como principaisobjectivos: Suportar as despesas e custos financeiros registados no SIGFE Dar a conhecer todo o património do GdAe o seu valor líquido Disponibilizar informação precisa, importante para a tomada de decisões Melhorar a gestão de bens públicos Maior transparência na aplicação dos recursos utilizados e dos resultados obtidos Slide 7

8 2.2 Enquadramento legal Princípios legais no processo de inventariação Princípios da gestão do património público Art. 3º - Os órgãos do Estado, as autarquias locais, os institutos públicos e outras pessoas colectivas públicas pertencentes ao sector público administrativo estão obrigados a observar os princípios da legalidade, da prossecução do interesse público, da probidade pública e do respeito pelo património público, boa gestão, transparência, responsabilidade e concorrência no âmbito dos procedimentos de aquisição, administração e alienação de bens Lei 18/10 - Património Público Art 4º - O património público e os recursos financeiros a ele consignados devem ser geridos de acordo com os princípios de economia, da eficiência, da eficácia e da utilização racional Principio da inventariação patrimonial Art. 8º - Os serviços e as entidades abrangidas pela presente lei estão obrigadas a inventariar, anualmente, o património próprio ou o património do Estado que administrem e a fornecer à DNPE os respectivos inventários acompanhados de informações relativas à sua existência, caracterização, situação registral, matricial e de utilização Dever de informação Art. 9º 1. - Os serviços e entidades abrangidas pela presente lei estão obrigadas a colaborar com a DNPE e a fornecer, no prazo de 20 dias, qualquer informação que lhes seja solicitada sobre o património público, designadamente quanto à existência, caracterização, valor, situação registral, matricial e de utilização do património próprio ou o património do Estado que administrem ou que lhes esteja afecto Slide 8

9 2.2 Enquadramento legal Legislação de orientação ao exercício de inventariação Decreto Executivo nº 28/11 Elaboração da Conta Geral do Estado Composição da Conta Geral do Estado Art. 4º -A Conta Geral do Estado constitui-se dos seguintes componentes, entre outros: a) Lista de responsáveis, assinado pelo titular da unidade ou pelo dirigente máximo da instituição b) Relatório sobre os resultados da gestão orçamental, financeira e patrimonial do período g) Demonstrativos da gestão patrimonial, com destaque para o inventário do património do Estado Contabilidade patrimonial Art. 54º -A contabilidade evidencia, nos seus registos, os bens, direitos e obrigações, com indicação dos elementos necessários para a sua identificação Lei nº 15/10 Lei Quadro do Orçamento Geral do Estado Art. 55º -O controlo do registo é feito mediante levantamento dos bens e dos titulos representativos de créditos, que têm por base o inventário analítico, estruturado segundo o responsável pela sua guarda Conta Geral do Estado Art. 58º - A Conta Geral do Estado compreende as contas de todos os órgãos integrados no Orçamento Geral do Estado. Os resultados do exercício são evidenciados na Conta Geral do Estado, através do Balanço Orçamental, do Balanço Financeiro, do Balanço Patrimonial e da Demonstração das Variações Patrimoniais e acompanhados das respectivas notas explicativas Slide 9

10 2.2 Enquadramento legal Legislação de orientação ao exercício de inventariação Obrigatoriedade de inventariar Art. 82º -Os serviços de Estado, através das secretarias gerais do Ministério de tutela, as autarquias locais, os institutos públicos e outras pessoas colectivas públicas estão obrigados a inventariar todos os bens patrimoniais, os direitos e as obrigações que recaiam sobre esse tipo de bens, de que sejam titulares, administradores ou utilizadores Lei nº 18/10 - Património Público Responsabilidade da DNPE Art. 85º -Compete à Direcção Nacional do Património do Estado organizar e supervisionar a inventariação dos bens públicos, devendo emitir os competentes esclarecimentos e garantindo qualidade da informação constante do suporte do inventário Art. 83º -São inventariados os bens patrimoniais, os direitos e as obrigações a eles inerentes, quer os bens que estejam integrados no domínio público ou no domínio privado e sejam situados em território nacional ou no exterior. Decreto Presidencial nº 177/10 - Instruções de Inventariação dos Bens Patrimoniais Públicos Objecto e âmbito do inventário Art. 3º -O âmbito da inventariação inclui todos os bens do activo imobilizado, com carácter permanente, utilizados a qualquer título, que não se destinam a ser vendidos, nomeadamente: bens móveis, veículos, bens imóveis e direitos e bens do activo imobilizado intangível Slide 10

11 2.2 Enquadramento legal Legislação de orientação ao exercício de inventariação Art. 3º e 21º- Ficam excluídos do âmbito da inventariação: i) os bens de natureza militar afectos às Forças Armadas Angolanas e aos Serviços de Inteligência, bem como os bens do património financeiro ii) os bens móveis não duradouros, isto é, bens de consumo imediato, em regra, com uma duração útil estimada inferior a um ano Decreto Presidencial nº 177/10 - Instruções de Inventariação dos Bens Patrimoniais Públicos Entidades sujeitas à obrigatoriedade de inventariar Art. 3º - O Inventário dos Bens Patrimoniais Públicos (IBP), respeita aos bens utilizados, a qualquer título, pelas seguintes entidades, quer estejam localizadas no território da República de Angola, quer no estrangeiro: a) Serviços e organismos da Administração Central e da Administração Local do Estado, dotados ou não de autonomia administrativa, financeira ou patrimonial b) Institutos Públicos, nas suas várias modalidades c) Empresas públicas ou de capitais maioritariamente públicos d) Associações públicas e) Autarquias locais e suas associações f) Demais entidades sujeitas à jurisdição do Tribunal de Contas Metodologia, regras e procedimentos Art. 6º -Cada bem móvel, veículo, imóvel e activo imobilizado intangível é inventariado individualmente, se constituir um bem com funcionalidade autónoma Art. 8º -Os bens do activo imobilizado corpóreo mantêm-se em inventário desde a sua aquisição, recepção e inventariação, até ao seu abate. Nos casos em que não for possível determinar o ano de aquisição, estima-se a vida útil do bem em função do seu estado de conservação, a partir da data do levantamento Slide 11

12 2.2 Enquadramento legal Legislação de orientação ao exercício de inventariação Metodologia, regras e procedimentos (cont.) Art. 9º -A identificação a constar em cada bem móvel e veículo corresponde ao número do inventário, que deve ser gerado automaticamente pelo SIGPE, a nível nacional, e que deve ter 14 dígitos. O 1º corresponde à classe, os 12 seguintes são sequenciais para o universo de bens, e o 14º é o dígito de controlo do inventário. O número do inventário é afixado no próprio bem, em local de fácil visualização, de modo a permitir a verificação imediata do mesmo, tanto para efeitos do controlo interno como externo Decreto Presidencial nº 177/10 - Instruções de Inventariação dos Bens Patrimoniais Públicos Art. 13º -Os bens do activo imobilizado são valorados, de acordo com o seguinte: a) Ao custo de aquisição b) Ao custo de produção (de bens fabricados ou construídos pela própria entidade) c) Ao valor resultante da avaliação, nos casos em que o bem não esteja valorizado, quando da inserção no património público, designadamente: perda, doação, herança, legado, reversão, transferência, permuta, etc. nos termos destas instruções Os custos de aquisição ou produção incluem os impostos sobre o consumo sendo aplicado Nos casos de impossibilidade de atribuição fundamentada do valor, designadamente de bens de relevância histórico-cultural, os mesmos devem constar com valor zero ou, se for o caso, com o valor com que o mesmo se encontra seguro, tendo em consideração o regime de amortizações previsto nas presentes instruções Slide 12

13 2.3 Responsabilidades e calendário de trabalhos Macro actividade Inventariação e envio dos mapas de inventário Elaboração do Inventário Geral do Estado Elaboração da Conta Geral do Estado Descrição da fase Entidades efectuam o registo de todos os activos fixos que adquiriram de 1 de Janeiro de 2004 até 31 de Dezembro de 2012 Entidades enviam mapas de inventário analítico e consolidado, gerados pelo ficheiro Excel ou SIGPE, para a DNPE Entidades responsáveis Unidades Orçamentais (UOs) e os seus respectivos orgãos dependentes (ODs), empresas públicas, missões diplomáticas, institutos públicos, fundos autónomos, associações públicas e outras entidades no âmbito do Decreto Presidencial nº 177/10, Art. 3º Prazo Os mapas de inventário elaborados através da ferramenta de suporte Excel devem ser enviados por , CD ou Pen Drive, e em formato impresso à Direcção Nacional do Património do Estado, até ao dia 15 de Março. Os mapas de inventário elaborados através do SIGPE devem ser finalizados no sistema e enviados para a DNPE, em versão impressa e assinada pelo responsável máximo da entidade, até ao dia 22 de Março. Slide 13

14 2.3 Responsabilidades e calendário de trabalhos Macro actividade Inventariação e envio dos mapas de inventário Elaboração do Inventário Geral do Estado Elaboração da Conta Geral do Estado Descrição da fase Pedidos de esclarecimento por parte da DNPE às entidades relativos aos seus inventários Consolidação dos mapas analíticos e consolidados de todas as entidades intervenientes no exercício de inventariação Entidades responsáveis Direcção Nacional do Património do Estado (DNPE) Prazo O Inventário Geral do Estado deve ser elaborado e enviado à Direcção Nacional da Contabilidade Pública até ao dia 29 de Março Slide 14

15 2.3 Responsabilidades e calendário de trabalhos Macro actividade Inventariação e envio dos mapas de inventário Elaboração do Inventário Geral do Estado Elaboração da Conta Geral do Estado Descrição da fase Elaboração da Conta Geral do Estado em conformidade com a lei Entidades responsáveis Direcção Nacional da Contabilidade Pública (DNCP) Prazo A Conta Geral do Estado deve ser elaborada até ao dia 30 de Abril Slide 15

16 Agenda 1 2 Conteúdos e objectivos da formação Processo de inventariação 2.1 Contexto e objectivos do processo de inventariação 2.2 Enquadramento legal 2.3 Responsabilidades e calendário de trabalhos 3 Ferramentas de apoio à inventariação e procedimentos 3.1 As ferramentas suporte e suas vantagens 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE 3.4 Instruções para outras entidades 4 Disseminação de conhecimento 4.1 Como ser um multiplicador de conhecimento eficaz Slide 16

17 3.1 As ferramentas suporte e suas vantagens Ferramentas de apoio ao registo de inventários O exercício de elaboração do Inventário Geral do Estado de 2012 irá ser suportado por ferramentas que tornarão todo o processo de registo e consolidação de inventários mais eficiente e eficaz Para registar o seu inventário anual, cada entidade deve utilizar uma das ferramentas indicadas em baixo, tendo em conta a situação em que se enquadra: UOs e ODs com acesso ao SIGPE UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Outras entidades sem acesso ao SIGPE SIGPE Ficheiro suporte em Excel Ficheiro suporte em Excel Instruções: Cap. 3.2 Instruções: Cap. 3.3 Instruções: Cap. 3.4 Slide 17

18 3.1 As ferramentas suporte e suas vantagens Vantagens das ferramentas Padronização do envio das informações e conformidade com a lei Preenchimento de campos automáticos, possibilitando: Cálculo automático das amortizações e valor patrimonial líquido Elaboração automática dos mapas de inventário consolidados Maior agilidade no preenchimento do mapa de inventário Menor risco de erros de cálculo e preenchimento Maior agilidade na consolidação de toda a informação Slide 18

19 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Ferramenta: SIGPE Slide 19

20 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Aceder ao SIGFE e seleccionar a aba Património Nota: O utilizador deve entrar no sistema com as suas credenciais Slide 20

21 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccionar a aba Levantamento e de seguida Processo de Inventariação Nota: Dentro da aba Património, o utilizador deve seleccionar a aba Levantamento para visualizar a funcionalidade pretendida Slide 21

22 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Indique qual a sua Unidade Orçamental e Órgão Dependente e prima Consultar A opção Consultar permite ver os mapas de inventário que tem que preencher Nota: Em ambiente de produção, os campos relativos à UO e OD aparecem automaticamente preenchidos Slide 22

23 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccione a categoria do bem para aceder ao respectivo mapa de inventário Na primeira vez que o utilizador aceder a esta tela, o nº de itens será zero em todas as categorias. Nesta tela apresentam-se os 5 mapas de inventário para cada categoria de bem, a sua situação e o nº de activos que contém. Nota: A coluna Situação informa se os seus mapas estão finalizados ou em aberto. Se estiverem em aberto, poderá inserir mais activos. A opção Finalizar fecha todos os mapas de inventário em simultâneo Slide 23

24 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Prima Incluir para registar um novo bem no seu mapa de inventário Nesta tela consegue visualizar todos os activos individuais que já acrescentou ao seu inventário Nota: Se ainda não tiver registado nenhum activo, esta tabela aparecerá vazia, sem quaisquer activos Slide 24

25 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Insira os dados sobre o activo que deseja inserir no seu mapa de inventário Nota: os campos com asterisco são campos de preenchimento obrigatório Só pode inserir activos da categoria seleccionada anteriormente Slide 25

26 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Comece por indicar qual o código do Classificador Patrimonial que pretende inserir > No campo Classificador seleccione Consultar O utilizador pode consultar os Classificadores Patrimoniais dos bens em Consultar Nota: Os campos com asterisco são de preenchimento obrigatório Slide 26

27 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Ao abrir a janela de pesquisa do Classificador Patrimonial, pesquise o bem que pretende inserir pelo seu nome (ou pelo seu código) -> Prima Consultar A informação dada pelo sistema reflecte a tabela do Classificador Patrimonial que consta do Decreto Presidencial nº 177/10, Anexo III Slide 27

28 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccione o activo que quer inserir no seu mapa de inventário Slide 28

29 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Preencha os restantes campos relativos ao activo -> Número de Inventário Nota: Este campo não é de preenchimento obrigatório O número de inventário deve estar de acordo com as regras definidas no Art. 9º do Decreto Presidencial nº 177/10 Nota: O número de inventário deve ter 14 dígitos. O 1º corresponde à classe, os 12 seguintes são sequenciais para o universo de bens, e o 14º é o dígito de controlo do inventário Slide 29

30 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Preencha os restantes campos relativos ao activo -> Ano de Aquisição A entidade apenas deve informar sobre os bens adquiridos entre o período de 2004 e 2012 Slide 30

31 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccione uma das opções relativas ao Tipo de Aquisição do activo Os vários tipos de aquisição encontram-se descritos no Decreto nº 177/10, Art 12º Slide 31

32 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccione uma das opções relativas ao Estado do activo Indique o estado do activo no momento da aquisição (novo / usado) Nota: Nos casos em que o tipo de aquisição seja Compra (novo) ou Compra (usado), não tem que seleccionar uma opção para este campo Slide 32

33 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Preencha os restantes campos relativos ao activo -> Valor de Aquisição (AKZ) O valor de aquisição deve ser inserido em Kwanzas Slide 33

34 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Preencha os restantes campos relativos ao activo -> Bem afecto a Nota: Este campo não é de preenchimento obrigatório Deve indicar a que entidade, Direcção, Departamento ou colaborador a quem está afecto o bem Nota: No caso dos veículos, é importante indicar qual o utilizador que faz uso do bem Slide 34

35 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Prima Confirmar para adicionar o bem ao mapa de inventário. O bem será adicionado automaticamente Slide 35

36 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Sempre que desejar consultar o seu mapa de inventário da categoria em que está a inserir dados, prima Resumo Slide 36

37 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE No seu mapa de inventário deslize a barra horizontal para consultar os restantes campos de informação Os campos relativos à vida útil, amortização e valor patrimonial líquido são calculados de forma automática Slide 37

38 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Se desejar eliminar um activo do seu mapa de inventário, prima Excluir Slide 38

39 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Se desejar voltar à página inicial, prima Cancelar Slide 39

40 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Para voltar a consultar a sua lista de mapas de inventário, volte a premir Consultar na página inicial Slide 40

41 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Quando terminar de inserir todos os bens que compõem o seu património, prima Finalizar Slide 41

42 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Se ainda existir a possibilidade de querer fazer modificações no seu mapa de inventário ou adicionar mais activos ao seu inventário, prima Cancelar Slide 42

43 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Depois de seleccionar Finalizar, a situação dos seus mapas altera-se para Finalizado e não pode efectuar mais alterações ao seu mapa de inventário Uma vez finalizado o inventário, este não pode ser modificado e fica disponível para consulta da DNPE Slide 43

44 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Após finalizar o seu inventário, aceda à aba Relatórios Slide 44

45 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccione o relatório Analítico por Nº de Inventário (IABPE) Slide 45

46 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccione as devidas opções nos campos que se apresentam e prima Consultar Este procedimento deve ser repetido para cada categoria do bem. Serão gerados 5 mapas, os quais devem ser impressos e enviados via ofício à DNPE Nota: O campo origem deve ser SIGFE Slide 46

47 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Imprima todos os mapas de inventário analítico para cada categoria de bem. Serão 5 mapas no total Nota: O exemplo acima é um mapa de inventário analítico para a categoria de bens móveis. A entidade deve imprimir um mapa para cada categoria Slide 47

48 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccione o relatório Patrimoniais Consolidado por Classificador Agrupador Slide 48

49 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Seleccione as devidas opções nos campos que se apresentam e prima Consultar Este procedimento deve ser repetido para cada categoria do bem. Serão gerados 5 mapas, os quais devem ser impressos e enviados via ofício à DNPE. Nota: O campo origem deve ser SIGFE Slide 49

50 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Imprima todos os mapas de inventário consolidado para cada categoria de bem. Serão 5 mapas no total Slide 50

51 3.2 Instruções para UOs e ODs com acesso ao SIGPE Depois de imprimir todos os mapas -> Enviar versão impressa dos mesmos via ofício à DNPE até ao dia 22 de Março e informar esta Direcção por Envio via ofício: Todos os mapas de inventário (5 analíticos e 5 consolidados) devem ser impressos e assinados pelo responsável máximo da entidade e de seguida devem ser enviados em formato físico, via ofício, à DNPE Imprimir Mapas de Inventário analíticos e consolidados Informar a DNPE via A entidade deve enviar um à DNPE assim que os mapas são enviados via ofício (endereço: Slide 51

52 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Ferramenta em suporte Excel: Mapa de Inventário para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE.xls Slide 52

53 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Guardar o ficheiro no disco local escolhendo o tipo de formato: "Pasta de Trabalho Habilitada para Macro do Excel (*.xlsm) OD UO UF Nota: As instruções acima são para versões do Excel 2007 e As instruções para a versão Excel 2003 estão explicadas em detalhe no separador Instruções da ferramenta Slide 53

54 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Abrir o ficheiro de Excel -> Seleccionar Opções OD UO UF Nota: as instruções acima são para versões do Excel 2007 e As instruções para a versão Excel 2003 estão explicadas em detalhe no separador Instruções da ferramenta Slide 54

55 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Seleccionar a opção Habilitar este conteúdo -> Premir "Ok" Nota: as instruções acima são para versões do Excel 2007 e As instruções para a versão Excel 2003 estão explicadas em detalhe no separador Instruções da ferramenta Slide 55

56 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Ler toda a informação que consta dos separadores Introdução e Instruções É muito importante a leitura destes dois separadores antes de iniciar o procedimento Slide 56

57 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Abrir o separador Entrada > Seleccionar Província Slide 57

58 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Seleccionar Órgão Dependente da lista apresentada Se o Órgão Dependente que pretende seleccionar não existir na lista, veja o passo seguinte Slide 58

59 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Se o Órgão Dependente que pretende seleccionar não se encontrar na lista apresentada -> Seleccionar Entidade não existente no SIGFE Slide 59

60 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Inserir manualmente o nome do Órgão Dependente e Unidade Orçamental respectiva -> Premir Actualizar Este passo só é necessário se o Órgão Dependente que pretende seleccionar não existir na lista Slide 60

61 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Iniciar o preenchimento do mapa de inventário -> Preencher colunas pela ordem apresentada Os activos a constar deste inventário são todos aqueles adquiridos entre os anos de 2004 e 2012 Ordem de preenchimento das colunas Slide 61

62 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Inserir Número de Inventário do activo (Nota: Este campo não é de preenchimento obrigatório) Os número de inventário devem estar de acordo com as regras definidas no Art. 9º do Decreto Presidencial nº 177/10 Nota: O número de inventário deve ter 14 dígitos. O 1º corresponde à classe, os 12 seguintes são sequenciais para o universo de bens, e o 14º é o dígito de controlo do inventário Slide 62

63 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Se necessário consultar qual o código do activo a inserir no mapa de inventário, aceder ao separador Classificador Patrimonial A tabela Classificador Patrimonial pode também ser consultada no Decreto Presidencial nº 177/10, Anexo III Slide 63

64 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Introduzir a palavra-chave do activo que procura -> consultar código Slide 64

65 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Voltar ao separador Entrada -> Inserir código patrimonial do activo O código do classificador patrimonial pode ser inserido manualmente ou seleccionado da lista apresentada Slide 65

66 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Inserir o Ano de aquisição do activo A entidade apenas deve informar sobre os bens adquiridos entre o período de 2004 e 2012 Slide 66

67 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Seleccionar o Tipo de aquisição Slide 67

68 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Seleccionar uma opção da coluna Bem adquirido em que estado? 2008 Slide 68

69 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Seleccionar o Material do bem (apenas aplicável para bens imóveis) Esta selecção é feita apenas quando o activo é um bem imóvel (categorias 3 e 4) Slide 69

70 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Preencher coluna Valor de aquisição (AKZ) Slide 70

71 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Indicar a quem está afecto o bem (Nota: este campo não é de preenchimento obrigatório) Deve indicar a que entidade, Direcção ou colaborador está afecto o bem Slide 71

72 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Se desejar ordenar o mapa de activos por categoria -> Seleccionar Ordenar activos por categoria A qualquer momento pode organizar a lista por categoria de activo Slide 72

73 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Seleccionar opção Gerar mapas de inventário (depois de inseridos todos os activos a constar do inventário) Slide 73

74 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Seleccionar OK na janela de aviso Slide 74

75 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Abrir ficheiro gerado com os mapas de inventário analíticos e consolidados O nome do ficheiro terá o nome da entidade Slide 75

76 3.3 Instruções para UOs e ODs sem acesso ao SIGPE Aceder ao último separador do ficheiro -> Preencher Declaração de conformidade com o nome do responsável máximo da entidade Slide 76

Manual de Levantamento de Imóveis

Manual de Levantamento de Imóveis Manual de Levantamento de Imóveis Prelector: DNPE Luanda-Novembro/Dezembro de 2014 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Índice Manual de Levantamento de Imóveis Agenda Teoria Patrimonial Contexto

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado. Direcção Nacional do Património do Estado

República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado. Direcção Nacional do Património do Estado República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado Direcção Nacional do Património do Estado Luanda - Abril 2010 Índice 1. Legislação de suporte em vigor 2. Regulamento

Leia mais

Portaria n.º 378/94 de 16 de Junho

Portaria n.º 378/94 de 16 de Junho Portaria n.º 378/94 de 16 de Junho Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 477/80, de 15 de Outubro, sobre a organização e actualização do inventário geral dos elementos constitutivos do património

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS. Art.º 1º.

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS. Art.º 1º. 1 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Polvoreira CAPITULO I PRINCIPIOS GERAIS Art.º 1º. Lei habilitante O presente regulamento é elaborado no uso das competências

Leia mais

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Para cumprimento do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 51.º e alíneas d). f) e g) do n.º 2

Leia mais

Gestão Pessoal. Relatório Único. Manual preparação do software para o relatório único

Gestão Pessoal. Relatório Único. Manual preparação do software para o relatório único Gestão Pessoal Relatório Único Manual preparação do software para o relatório único Wincode, 30 Março de 2011 Introdução Este manual tem como principal objectivo ajudar o utilizador a preparar o software

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARGARIDA DA COUTADA

JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARGARIDA DA COUTADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO Para dar cumprimento ao disposto nas alíneas f) do n.º 1 e a) do n.º 5 do artigo 34.º da lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho Outlook 2003 Nivel 1 Objectivos gerais Enviar e Responder a mensagens de correio electrónico, e gestão de contactos, marcação de compromissos e trabalhar com notas. Objectivos específicos Começar a trabalhar

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Freguesia de Paços de Brandão

Freguesia de Paços de Brandão REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E PATRIMÓNIO (RIP) Freguesia de Paços de Brandão PREÂMBULO Para dar cumprimento ao disposto nas alíneas f) do n.º 1, alínea d) do n.º 2 e alínea a) do n.º 5 do artigo 34.º da

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DAS PARTICIPAÇÕES DO ESTADO SIPART (versão Setembro/2004) Manual de Utilização ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ACEDER À APLICAÇÃO...4 3. CRIAR NOVO UTILIZADOR...5 4. CARACTERIZAÇÃO GERAL

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual de Utilização Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM Novembro de 2014 SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual

Leia mais

Paulo Mota (versão 1.2)

Paulo Mota (versão 1.2) Paulo Mota (versão 1.2) 2007 C.N.E. Núcleo de S. Miguel Departamento de Formação 2 ÍNDICE 1. Aceder à aplicação SIIE... 3 2. Importar dados... 4 2.1. Dados gerais dos elementos... 4 2.2. Dados gerais do

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Regulamento de Inventário e Cadastro do Património União das Freguesias de Benavila e Valongo Rua 25 de Abril, 35 7480-226 BENAVILA NIF 510 835 084 Telefones: 242 434 251 / 242 434 231 Fax: 242 434 242

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

actualização gratuita *para clientes SOLUTIO Local com contrato de manutenção activo.

actualização gratuita *para clientes SOLUTIO Local com contrato de manutenção activo. novidades da versão 2.0 Registo automóvel o Pedido de certidão automóvel o Pedidos de registo automóvel o Estado dos pedidos Registo predial o Pedido de certidão predial o Pedido de depósito o Pedido de

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira Regulamento do inventa rio Junta de freguesia da Carapinheira 24-11-2014 Índice Página CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1º - Objecto 3 Artigo 2º - Âmbito 4 CAPÍTULO II Inventário e cadastro Artigo 3º

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia

Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Inventário e Cadastro dos Bens da Junta de Freguesia Para dar cumprimento ao

Leia mais

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Câmara Municipal de Vila Franca de Xira REGULAMENTO Nº 2/2009 REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DE BENS DE IMOBILIZADO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA Perante as actuais exigências da gestão municipal torna-se premente o conhecimento

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

Manual de Procedimentos. Câmaras Municipais

Manual de Procedimentos. Câmaras Municipais Manual de Procedimentos Câmaras Municipais índice PÁGINA INICIAL... 4 1. Acesso à área reservada... 4 2. Recuperar senha de acesso... 4 3. Lembrar palavra-passe... 5 4. Consulta de legislação relacionada

Leia mais

Projecto de Implementação da. Modelo 11

Projecto de Implementação da. Modelo 11 Projecto de Implementação da Reforma da Tributação do Património Modelo 11 MANUAL DO UTILIZADOR VERSÃO 1.0 DGITA Lisboa, 2004 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 Principais Funcionalidades da Aplicação...2 1.2

Leia mais

Actualização. Versão 5.1.36

Actualização. Versão 5.1.36 Actualização Versão 5.1.36 Julho 2009 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL Introdução Este documento descreve as características principais adicionadas ao JURINFOR JuriGest.

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo Conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior; Windows: sistema operativo mais utilizado nos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1ª FASE: PRÉ-REGISTO DE UNIDADES HOTELEIRAS (WWW.SEF.PT, opção Boletins de Alojamento /Pré-Registo de Unidades Hoteleiras) - Caso não tenham o Código de Actividade Económica presente, poderão aceder aos

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães Página 1 de 7 Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia de Creixomil- Guimarães CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia da Vila de Prado, concelho de Vila Verde

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia da Vila de Prado, concelho de Vila Verde Regulamento de Inventário e Cadastro do Património da Junta de Freguesia da Vila de Prado, concelho de Vila Verde Índice Introdução... 1 CAPITULO I - Princípios Gerais... 1 Lei habilitante... 1 Âmbito

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL

Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Acesso Universal Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho...

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis apenas nos

Leia mais

FAQ s para os Administradores do Sistema

FAQ s para os Administradores do Sistema FAQ s para os Administradores do Sistema Este documento disponibiliza FAQ s sobre vários temas. Clique sobre o tema que lhe interessa para aceder às respetivas FAQ s. FAQ s sobre a credenciação do Administrador

Leia mais

Controle Patrimonial WEB

Controle Patrimonial WEB Cccc Controle Patrimonial WEB Manual Unidade de Guarda Conteúdo 1. Acessar o Controle Patrimonial - Web... 4 1.1. Login... 4 1.2. Esquecer sua senha?... 5 2. Alterar a senha... 6 3. Cadastrar novo usuário...

Leia mais

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Edição 1 Agosto 2011 Elaborado por: GSI Revisto e Aprovado por: COM/ MKT Este manual é propriedade exclusiva da empresa pelo que é proibida a sua

Leia mais

actualização gratuita *para clientes Gnotarium com contrato de manutenção activo.

actualização gratuita *para clientes Gnotarium com contrato de manutenção activo. novidades da versão 4.0 Registo automóvel o Pedido de certidão automóvel o Pedidos de registo automóvel o Estado dos pedidos Registo predial o Pedido de certidão predial o Pedido de depósito o Pedido de

Leia mais

SICAP Sistema de Cadastro e Prestação de Contas

SICAP Sistema de Cadastro e Prestação de Contas SICAP Sistema de Cadastro e Prestação de Contas Módulo de Cadastramento SICAP Coletor Manual de Instalação Versão 2009 ÍNDICE Manual de Instalação e Operação SICAP Coletor Índice...0 O que é o SICAP...1

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: Reunir informação: Para o correcto preenchimento do formulário de candidatura deverá ter consigo os

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 2.4.1 APOIO À GESTÃO DAS INTERVENÇÕES TERRITORAIS INTEGRADAS GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Fevereiro 2010 PRODER Pág. 1 de 11 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Relatório de Versões 7.0.18.100 M1.RLT.M1.120130.AS01

Relatório de Versões 7.0.18.100 M1.RLT.M1.120130.AS01 Relatório de Versões 7.0.18.100 M1.RLT.M1.120130.AS01 Created: Thursday, February 02, 2012 Copyright 1989-2011 MedicineOne, life sciences computing SA copyright MedicineOne. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Pré-Analisador SAFT-PT EnterpriseSnap

Pré-Analisador SAFT-PT EnterpriseSnap Pré-Analisador SAFT-PT EnterpriseSnap Tendo em conta que a grande maioria das aplicações Enterprisesnap contém dados com anos de histórico e existindo hoje regras de obrigatoriedade que não se aplicavam

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL. Versão 1.3

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL. Versão 1.3 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL Versão 1.3 Sumário 1. ACESSO AO SISTEMA... 3 1.1. Primeiro acesso ao sistema... 3 1.2. Como alterar a senha no primeiro acesso... 4

Leia mais

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA Reveste-se de suma importância a elaboração de um regulamento que sirva de pilar orientador do património da Freguesia de

Leia mais

WINCODE SOFTWARE E CONTABILIDADE S.A. MyEnsino Manual da Área Reservada de Professores

WINCODE SOFTWARE E CONTABILIDADE S.A. MyEnsino Manual da Área Reservada de Professores MyEnsino Manual da Área Reservada de Professores ENTRADA: Abrir o browser de internet e digitar um dos seguintes endereços: Para aceder à área reservada de alunos: http://myescola.exemplo.pt Para aceder

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

Guia passo a passo para o preenchimento do formulário de candidatura. Junho 2008

Guia passo a passo para o preenchimento do formulário de candidatura. Junho 2008 Guia passo a passo para o preenchimento do formulário de candidatura Junho 2008 ÍNDICE 1. Instruções gerais... 2 2. Parceria... 4 3. Grupos de tarefas... 8 4. Indicadores... 13 5. Preenchimento das outras

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

Guia rápido do utilizador

Guia rápido do utilizador Guia rápido do utilizador Índice Relatório de roubo 3 Criar um novo relatório de roubo 4 Fornecer detalhes do relatório de roubo Secção 1. Especificar o computador 5 Fornecer detalhes do relatório de roubo

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 2.3.2 ORDENAMENTO E RECUPERAÇÃO DE POVOAMENTOS ESTABILIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Anúncio 07-232-2012 GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Setembro de 2012 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO

Leia mais

Manual do usuário sistema BPM

Manual do usuário sistema BPM Manual do usuário sistema BPM Conceitos Gerais O sistema BPM visa automatizar e facilitar o controle físico contábil de bens patrimoniais móveis na Prefeitura do Município de São Paulo. Entre seus inúmeros

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

ERP AIRC. Transição de Ano Económico 2014-2015 (Receita) Apresentado por: AIRC

ERP AIRC. Transição de Ano Económico 2014-2015 (Receita) Apresentado por: AIRC Apresentado por: AIRC Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 ÂMBITO... 3 1.2 OBJETIVOS... 3 1.3 REQUISITOS A OBSERVAR... 3 1.3.1 Versões das aplicações... 3 1.4 RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS... 3 2. SCA ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas

SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas 01-01-2006 SRCT Sistema de Gestão de Receitas e Cobrança de Taxas Rev 1.0 1 INDICE 1 Indice... 2 2 Introdução... 3 2.1 Acesso ao sistema... 3 3 Login... 4 3.1 Primeiro Login... 4 4 Gestão de Declarações...

Leia mais

AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS

AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS SEMINÁRIO SOBRE AS REGRAS DE EXECUÇÃO DO OGE/2010 E NORMAS E PROCEDIMENTOS A CUMPRIR NO ÂMBITO DO INVENTÁRIO DOS BENS DO ESTADO (IGBE) 14 de Abril de 2010 Apresentação da AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO

Leia mais

Registo do utilizador no Portal IFAP. - Manual do Utilizador -

Registo do utilizador no Portal IFAP. - Manual do Utilizador - Registo do utilizador no Portal IFAP - Manual do Utilizador - Registo do beneficiário no Portal IFAP Manual do Utilizador 1. Introdução... 2 2. Pressupostos... 2 3. Informação necessária para o registo

Leia mais

Internet Update de PaintManager TM. Manual de registo do utilizador

Internet Update de PaintManager TM. Manual de registo do utilizador Internet Update de PaintManager TM Manual de registo do utilizador ÍNDICE O que é o registo CTS? 3 Como é realizado o pedido de registo? 3 Opção 1: Se o número de registo CTS for conhecido 3 Passo 1: 3

Leia mais

Insuficiência Renal Crónica. Sistema de Informação de gestão dos fluxos de doentes com Insuficiência Renal Crónica

Insuficiência Renal Crónica. Sistema de Informação de gestão dos fluxos de doentes com Insuficiência Renal Crónica Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Insuficiência Renal Crónica. Sistema de Informação de gestão dos fluxos de doentes com Insuficiência Renal Crónica Nº: 4/DSPCS DATA:

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

Software de Apoio a Gabinetes na Elaboração de Projetos

Software de Apoio a Gabinetes na Elaboração de Projetos SAGEP Software de Apoio a Gabinetes na Elaboração de Projetos www.sofware-global.info SAGEP geral@software-global.info Página 1 de 30 Destina-se a Gabinetes de Engenharia, Arquitectura ou idênticos, onde

Leia mais

Apresentar Propostas vortalgov

Apresentar Propostas vortalgov Guia de utilização Apresentar Propostas Janeiro 2008 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 3 Área de Trabalho... 4 PPA / C. Públicos... 4 Funcionalidades da pasta PPA / C. Públicos - Activos...

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Relatório SHST - 2003

Relatório SHST - 2003 Relatório da Actividade dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Relatório SHST - 2003 Programa de Validação e Encriptação Manual de Operação Versão 1.1 DEEP Departamento de Estudos, Estatística

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento.

No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento. Sessão nº 2 Iniciar um novo documento Objectivos: No final desta sessão o formando deverá ser capaz de aceder ao Word e iniciar um novo documento. Iniciar um novo documento Ao iniciar-se o Word, este apresenta

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS Este documento destina-se a apoiar os serviços processadores na elaboração dos protocolos dos documentos de despesa em

Leia mais

MICROSOFT POWERPOINT

MICROSOFT POWERPOINT MICROSOFT POWERPOINT CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES. O QUE É O POWERPOINT? O Microsoft PowerPoint é uma aplicação que permite a criação de slides de ecrã, com cores, imagens, e objectos de outras aplicações,

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA JUNTA DE FREGUESIA DE ALMADA Dada a inexistência de qualquer Regulamento sobre Inventário e Cadastro

Leia mais

Actualização. Versão 5.1.22

Actualização. Versão 5.1.22 Actualização Versão 5.1.22 Março 2009 2 JURINFOR Av. Engº Duarte Pacheco, 19 9º - 1099-086 LISBOA PORTUGAL Introdução Este documento descreve as características principais adicionadas ao JURINFOR JuriGest.

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo Índice 1. Acesso à Plataforma... 2 2. Consulta dos Programas de Beneficios Públicos em Curso... 3 3. Entrar na Plataforma... 4 4. Consultar/Entregar Documentos... 5 5. Consultar... 7 6. Entregar Comprovativos

Leia mais

1. Ambiente de Trabalho

1. Ambiente de Trabalho 1 Ambiente de Trabalho 1. Ambiente de Trabalho Ao nível do ambiente de trabalho, depois de o Excel 2007 ter introduzido novos componentes (e.g., Botão Office e Friso) e eliminado alguns dos componentes

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Ao abrir a caixa do CD que contém o programa EMPRESÁRIO, o utilizador aceita os termos do contracto de licenciamento deste acordo. Licença Garantias A T&T outorga-lhe

Leia mais

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo.

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo. Impressão em série de cartas de formulário e mailings em grande número Intercalação de correio Base de Dados em Excel Comece por planear o aspecto da sua página final - é uma carta, uma página de etiquetas

Leia mais

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Sistema de Impostos. Impostos Portal do Contribuinte. Manual do Utilizador. Versão 1.3. República de Angola Ministério das Finanças

Sistema de Impostos. Impostos Portal do Contribuinte. Manual do Utilizador. Versão 1.3. República de Angola Ministério das Finanças Sistema de Impostos República de Angola Impostos Portal do Contribuinte Versão 1.3 Sistema de Impostos República de Angola Índice Item Página 1. Acesso ao Sistema...3 2. Informações...4 3. Declarar Imposto...

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO. Escola Básica José Afonso. Professora Marta Caseirito

Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO. Escola Básica José Afonso. Professora Marta Caseirito Tecnologias da Informação e Comunicação 9º ANO Escola Básica José Afonso Professora Marta Caseirito Grupo 1 1. As questões seguintes são de escolha múltipla. Nas afirmações seguintes assinale com X aquela

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE INFORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA (Art.21.º do Decreto-Lei n.º22/2014, de 11 de fevereiro) 6 de julho de 2015 Índice 1. ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Objetivo... 5 1.2 Contactos Úteis...

Leia mais